Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático."

Transcrição

1 Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático e Simpático Parassimpático Parassimpático 1

2 Inervação Simpática Sistema Simpático Neurônio Pré Neurônio Pós Inervação Parassimpática Sistema Parassimpático Neurônio Pré Pós 2

3 Neurotransmissor Receptores Neurotransmissão Adrenérgica Síntese Armazenamento Liberação Ação nos receptores Neurotransmissão Adrenérgica Síntese Recaptação Destruição enzimática 3

4 Neurônio Pré Sináptico Tirosina DOPA Precursor Neurotransmissor Dopamina Noradrenalina Adrenalina Neurotransmissão Adrenérgica Neurônio Neurotransmissor Armazenamento Neurotransmissor 4

5 Neurotransmissão Adrenérgica Neurônio Liberação e Ação em Receptores Fenda NOR NOR NOR Célula Pós Sináptica Sequência da Liberação do Neurotransmissor Neurotransmissão Adrenérgica Na+ Recaptação Cálcio 5

6 NET: Transportador de NOR VMAT NET VMAT: Transportador de monoaminas vesicular VMAT ( NET) Neurotransmissão Adrenérgica Cocaina Destruição Enzimática 6

7 Receptores Adrenérgicos Receptores α e β Alfa 1 e 2 Beta 1,2,3 MAO COMT Ácido Vanil Mandélico Receptores Adrenérgicos Receptores α α1 músculo liso vascular-contração α1 - DAG e IP3 Ca ++ Receptores Adrenérgicos α α2 Redução de liberação de NOR α2 - adenilciclase e camp 7

8 Receptores Adrenérgicos β1 Coração e rins β2 músculo liso - relaxamento β3 Tecido adiposo Ativa adenilciclase camp intracelular Coração Força de contração Inotrópico positivo Frequência cardíaca Cronotrópico positivo Receptores β1 Órgãos Efetores Brônquios Dilatação brônquica musculatura Broncodilatador Receptores β2 Órgãos Efetores 8

9 Olhos Dilatação pupilar midríase Receptores α1 Órgãos Efetores Vasos sanguíneos Vasoconstrição vasos cutâneos, intestinais e renais Receptores α1 Vasos da musculatura estriada vasodilatação Receptores β2 Órgãos Efetores Glicogenólise: α1 Órgãos Efetores Fígado Gliconeogênese: β2 A secreção de insulina é inibida - α2 Lipólise Receptores β3 Órgãos Efetores Estômago e Intestino Peristaltismo - β2 Perfusão sanguínea Tônus esfíncter - α1 9

10 Órgãos Efetores Bexiga Tônus esfíncter - α1 Tônus da parede - β2 Adrenérgicos Adrenérgicos Diretos- α e β adrenérgicos NOR Adrenalina Indiretos- Liberando NOR IMAO Inibindo recaptação Mistos diretos e indiretos 10

11 Adrenérgicos Diretos Adrenalina alfa 1 e 2, beta 1 e 2 Noradrenalina alfa 1 e 2 e beta 1 Fenilefrina alfa 1 Liberação: Anfetamina Adrenérgicos Indiretos Inibidor de captação: Cocaina Inibidor da MAO: Tranilcipromina Adrenérgicos Mistos Efedrina: Liberação Receptor Alfa 1 e 2 Receptor Beta 1 e 2 FÁRMACOS AGONISTAS ADRENÉRGICOS Ação direta Atuam diretamente sobre um ou mais dos receptores adrenérgicos Agonistas Adrenérgicos Ação mista Libera indiretamente a NA e também ativa diretamente os receptores Ação indireta Aumentam a disponibilidade da NA ou adrenalina para estimular os receptores adrenérgicos Seletivos Não-Seletivos Fenilefrina (α 1 ) Oximetazolina (α 1, α 2 ) Clonidina (α 2 ) Isoproterenol (β 1, β 2 ) Dobutamina (β 1 ) Adrenalina (α 1, α 2, β 1, β 2, β 3 ) Salbutamol (β 2 ) Noradrenalina (α 1, α 2, β 1 ) Efedrina (α 1, α 2, β 1, β 2 ) Agentes de Liberação Anfetamina Tiramina Inibidor de captação Cocaína Amitriptilina Inibidores de MAO e COMT Tranilcipromina Entacapona 11

12 Parada cardíaca Choque anafilaxia Adrenérgicos Usos Terapêuticos Descongestionantes nasais Adrenérgicos Usos Terapêuticos Associação com Anestésicos locais Exame oftalmológico Asma brônquica Seletivos β2 Salbutamol - Fenoterol Taquicardia Tremores Arritmias Adrenérgicos Efeitos Adversos Crise hipertensiva Adrenérgicos Contra indicações Cardiopatas graves 12

13 Adrenérgicos Hipertensos Coronariopatias angina Portadores de arritmias Cocaina Infarto do miocárdio e arritmias em jovens Antiadrenérgicos 1) Receptores: α e β 2) Neurônio Adrenérgico 3) SNC Sistema Adrenérgico e Pressão Arterial PA Ótima: 120 x 80 mmhg PA Normal: Pressão sistólica: 130 Pressão Arterial Débito Cardíaco (FC x VS) X Resistência Vascular Periférica Pressão diastólica 85 13

14 Barorreceptores Cérebro Sistema RAA Ativação do Sistema Simpático Angiotensinogênio Fígado Rim Renina Vasoconstrição Aumento da FC Aumento da Contratilidade Vasoconstrição RINS Angiotensina I Angiotensina II Hipertensão Arterial Sistêmica Artéria Normal Antiadrenérgicos Bloqueadores dos Receptores β Inespecífico: Propranolol Bloqueio β1 1 e β2 Débito Cardíaco (FC x VS) X Resistência Vascular Periférica 14

15 β Bloqueador Noradrenalina Receptores β Antiadrenérgicos - β Bloqueador Coração Força contração Frequência cardíaca Antiadrenérgicos - β Bloqueador PA: DC x RVP DC Antihipertensivo Liberação de Renina 15

16 β Bloqueadores Não Seletivos e Seletivos Seletivos Atenolol Antagonista β1 Menor possibilidade de broncoespasmo β Bloqueador Bloqueio β e α Carvedilol Antagonista β1, β2 e α1 Efeito anti oxidante Efeito protetor na Insuficiência Cardiaca Redução de mortalidade Antiadrenérgicos - β Bloqueador Usos Terapêuticos Sistema cardiovascular Hipertensão arterial Angina Arritmias (TAQUIARRITMIAS) Após IAM Antiadrenérgicos - β Bloqueador Glaucoma Outros Usos Terapêuticos Hipertireoidismo Ansiedade 16

17 Antiadrenérgicos - β Bloqueador Antiadrenérgicos - β Bloqueador Outros Usos Terapêuticos Controle da Hiperatividade Simpática Enxaqueca (prevenção de crises) Tremor Essencial Efeitos Adversos e Restrições Broncoconstrição Insuficiência Cardíaca (aumento da sobrevida uso com cautela - carvedilol) Bradicardia Antiadrenérgicos - β Bloqueador Antiadrenérgicos - α Bloqueador Efeitos Adversos e Restrições Diabéticos em uso de insulina- Hipoglicemia Não seletivos: Fenoxibenzamina e Fentolamina α1 seletivos: Prazosim, Terazosina Fadiga Extremidades Frias 17

18 Antiadrenérgicos - α Bloqueador Antiadrenérgicos - α Bloqueador Não seletivos Fenoxibenzamina e Fentolamina Uso Não seletivos Taquicardia reflexa Hipotensão postural α Bloqueador- Seletivo α1 Antiadrenérgicos - α Bloqueador Vasodilatação α1 1 seletivos Queda da RVP PA=DC x RVP PA 18

19 Antiadrenérgicos - α Bloqueador SNC- Agonistas α2 α1 seletivos Usos Terapêuticos Hipertensão Arterial Efeito Vasodilatador Hipertrofia prostática - relaxamento Antiadrenérgicos - SNC Agonistas α2 Antiadrenérgicos - SNC Agonistas α2 Clonidina Clonidina e Metil Dopa Receptor α2 Clonidina 19

20 Agonista Alfa 2 Metildopa Metildopa Antiadrenérgicos - SNC Clonidina Usos Terapêuticos Hipertensão arterial Não é a primeira escolha Associação em HAS de difícil controle Custo baixo Antiadrenérgicos - SNC Antiadrenérgicos - SNC Clonidina Efeitos Adversos Sedação Xerostomia Disfunção erétil Metildopa Usos Terapêuticos Hipertensão Arterial Não é a primeira escolha Importante: Hipertensão na gravidez 20

21 Antiadrenérgicos - SNC Metildopa- Efeitos Adversos Sedação Redução de libido Hepatoxicidade Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Guanetidina Valor Histórico Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina 21

22 Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Antiadrenérgicos - Neurônio Guanetidina Guanetidina Antiadrenérgicos - Neurônio Sedação Efeitos Adversos Depressão suicídio Crise hipertensiva Valor histórico 22

Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais

Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Controla e Modula as Funções Viscerais SNA Importância do Estudo Implicação em várias situações

Leia mais

Farmacologia do S.N.Autônomo

Farmacologia do S.N.Autônomo Farmacologia do S.N.Autônomo Drogas Adrenérgicas e Antiadrenérgicas UNESP Dra. Flávia Cristina Goulart Campus de Marília fgeducar@marilia.unesp.br Catecolaminas Aminas simpatomiméticas ou adrenérgicas

Leia mais

Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos.

Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos. Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos. Abordagem Simpatolíticos (definição, efeito principal e nomenclatura). a) Definição: são substâncias que inibem as respostas fisiológicas

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL Doença cardiovascular mais comum

Leia mais

TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA

TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA FISIOLOGIA DA TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA O neurônio noradrenérgico: o Os neurônios noradrenérgicos na periferia são neurônios simpáticos pósganglionares, cujos corpos celulares

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Sistema nervoso autônomo Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central cérebro e medula espinhal Sistema

Leia mais

UNIP. Disciplina: Farmacologia Geral. Professora: Michelle Garcia Discacciati. Aula 3: SNA. Farmacologia da Transmissão adrenérgica

UNIP. Disciplina: Farmacologia Geral. Professora: Michelle Garcia Discacciati. Aula 3: SNA. Farmacologia da Transmissão adrenérgica UNIP Disciplina: Farmacologia Geral Professora: Michelle Garcia Discacciati Aula 3: SNA Farmacologia da Transmissão adrenérgica ATENÇÃO ALUNO: esta transparência é apenas um roteiro para ser dado em aula.

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

30/03/2015. Nervos T1 a L2. Síntese de Adrenalina e Noradrenalina

30/03/2015. Nervos T1 a L2. Síntese de Adrenalina e Noradrenalina Farmacologia do Sistema ervoso Autônomo Adrenérgico Prof. Dr. Gilda Angela eves UFRJ 2015 1 ervos T1 a L2 Síntese de Adrenalina e oradrenalina 2 Receptores Adrenalina/oradrenalina Receptores Metabotrópicos

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

2) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - adrenérgicos

2) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - adrenérgicos 2) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - adrenérgicos Síntese, armazenamento, liberação e metabolismo da noradrenalina A noradrenalina é sintetizada através da conversão da L-tirosina em

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015 Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA Profa. Elisabeth Maróstica ISQUEMIA MIOCÁRDICA Sintoma primário da cardiopatia isquêmica é a ANGINA: Angina estável (esforço) Angina instável (repouso) Angina de Prinzmetal

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO SNP SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SNC SISTEMA NERVOSO CENTRAL SENSORIAL neurônios aferentes MOTOR neurônios eferentes NEURÔNIOS MOTORES SOMÁTICOS NEURÔNIOS AUTÔNOMOS

Leia mais

Adrenérgicos e antiadrenérgicos

Adrenérgicos e antiadrenérgicos Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica Adrenérgicos e antiadrenérgicos Transmissão adrenérgica Sistema ervoso: divisão

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IB 304 CRÉDITOS: 04 (T01,T02,P01,P02,P03,P04) FARMACOLOGIA II Cada Crédito corresponde à 15h/ aula INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO

Leia mais

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO

Anti-hipertensivos. Escolha do medicamento 28/05/2014 PRESSÃO ARTERIAL TRATAMENTO FARMACOLÓGICO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III PRESSÃO ARTERIAL Anti-hipertensivos PA = DC x RVP FC x Vol. sg. PA = pressão arterial/

Leia mais

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa.

Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa. Colinérgicos Sinapses Colinérgicas Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor Neurônio pré e pós ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio e músculo

Leia mais

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) MNM

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) MNM Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Agonista Antagonista Efeito Tipo α 1 : Fenilefrina, metoxamina Prazosin, Corinantina Para todos IP 3, DAG α 1A α 1B α 1D WB4101 Cloroetilclonidina

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA - UNICAMP Prezado aluno, Estes exercícios fazem parte de uma compilação de vários testes e provas que foram utilizadas no passado e formam uma base sólida para estudo. Tente resolvê-los sozinho, ao invés de simplesmente

Leia mais

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina

1-Estimulantes psicomotores. 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina 1-Estimulantes psicomotores 1.3-metilxantinas: cafeína, teobrobina, teofilina metilxantinas Café x cafeína Cafeína - Cafeína não deve ser confundida com o café - Cafeína é uma das centenas de sustâncias

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE

BULA PARA O PACIENTE BULA PARA O PACIENTE FURP-PROPRANOLOL 40 mg Comprimido cloridrato de propranolol APRESENTAÇÃO Comprimido simples Embalagem com 20 comprimidos de 40 mg. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Antagonistas colinérgicos

Antagonistas colinérgicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MODALIDADE MÉDICA BMF-354-355 FARMACOLOGIA BÁSICA E APLICADA 1 Antagonistas colinérgicos

Leia mais

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população

Resumo. Introdução Segundo o Departamento de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, a hipertensão afeta mais de 30% da população Interações Medicamentosas de Anti-Hipertensivos com outros Medicamentos Ana Virgínia Campos Miranda, Nilton Carlos Umbelino Lima, João Marcelo A. B. B. Nabas. Graduandos do curso de Farmácia da Instituição

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Profa. Elisabeth Maróstica I.Introdução

Leia mais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais

Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos Especiais Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira III Consenso Brasileiro de Hipertensão Arterial Capítulo 6 Hipertensão Arterial - Tratamento em Grupos

Leia mais

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO

EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO EFEITO DAS DROGAS NO CORAÇÃO Dra. Ana Paula Cabral Ramidan 2º CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES MULTIPLICADORES EM PREVENÇÃO ÀS DROGAS CORAÇÃO FONTE: http://www.google.com/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/-hrgazxrptx4/tu8antmk2ai/aaaaaaaake0/mkgmvoud1fa/s1600/coracao.jpg&imgrefurl=http://toinhoffilho.blogspot.com/2011/12/cienciasvale-apensa-saber-coracao-uma.html&usg=

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 18/07/2013. Sistema Nervoso - Divisão. Farmacologia do SNA. Introdução

SISTEMA NERVOSO 18/07/2013. Sistema Nervoso - Divisão. Farmacologia do SNA. Introdução Sistema Nervoso - Divisão SISTEMA NERVOSO Farmacologia do SNA Prof. Marcelo Silva Silvério SISTEMA NERVOSO CENTRAL SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO

Leia mais

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos)

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Agonista Antagonista Efeito Tipo α 1 : Fenilefrina, metoxamina Prazosin, Corinantina Para todos IP 3, DAG α 1A α 1B α 1D WB4101 Cloroetilclonidina

Leia mais

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica

Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Abordagem terapêutica para o tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica Mariana de Oliveira Almeida 1 Flávia Lúcia Abreu Rabelo 2 Claudmeire Dias Carneiro de Almeida 3 Fabiana de Almeida 4 Júlia Maria

Leia mais

Farmacologia dos Adrenérgicos

Farmacologia dos Adrenérgicos Universidade Federal Fluminense Dep. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Adrenérgicos rgicos Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO Síntese de NA: NEUROTRANSMISSÃO ADRENÉRGICA

Leia mais

Farmacologia Colinérgica

Farmacologia Colinérgica União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Farmacologia Colinérgica Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Farmacologia Colinérgica Trata

Leia mais

Inibidores do sistema simpático

Inibidores do sistema simpático AGOSTINHO TAVARES, FRIDA LIANE PLAVNIK Nesta breve revisão, discutimos o uso terapêutico de uma grande família de anti-hipertensivos: os inibidores do sistema nervoso simpático. Essa família de hipotensores

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD SNA ANATOMIA E FISIOLOGIA ENCÉFALO CENTRAL MEDULA SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO VIA AFERENTE VIA EFERENTE

Leia mais

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e;

2) estudar a farmacologia de agentes anti-hipertensivos: eles pertencem a grupos diferentes: diuréticos, simpatolíticos, etc. e; Quinta-feira, 21 de setembro de 2006. Anti-hipertensivos. Prof. Cabral. Objetivos Os objetivos principais desta seção são: 1) definir hipertensão e estabelecer a importância de seu controle: Hipertensão

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. (Hemodinâmica) Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina Fisiologia Fisiologia Cardiovascular (Hemodinâmica) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade

Leia mais

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromidrato de fenoterol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução Oral/Gotas 5mg/mL

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

Professora: Patrícia Ceolin

Professora: Patrícia Ceolin Professora: Patrícia Ceolin DIVISÃO FUNCIONAL DO SN: Sistema nervoso visceral: PORQUE AS INERVAÇÕES DAS ESTRUTURAS VISCERAIS É IMPORTANTE??? Para que aconteça uma integração da atividade das vísceras na

Leia mais

TRANSMISSÃO SINÁPTICA

TRANSMISSÃO SINÁPTICA Objetivos de aprendizagem ao final da aula do aluno deve: TRANSMISSÃO SINÁPTICA Profa. Geanne Matos de Andrade Dpto de Fisiologia e Farmacologia- UFC Entender o conceito de sinapse Conhecer o histórico

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Farmacologia Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Aula Tema: Anti-hipertensivos Mecanismos do Controle da PA SNA SRA O Sistema cardiovascular é controlado de forma integrada:

Leia mais

Fisiologia da Adrenal

Fisiologia da Adrenal Fisiologia da Adrenal Profa. Letícia Lotufo Glândula Adrenal: Porção externa córtex 80 a 90% Tecido mesodérmico Porção interna medula 10 a 20% Tecido neurodérmico 1 Adrenal histologia: Zona glomerulosa

Leia mais

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas.

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas. Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução

Sistema Endócrino. Introdução Introdução A coordenação das funções do organismo é feita pelos sistemas nervoso e endócrino. Este é formado pelo conjunto das glândulas, que produzem os hormônios, substâncias lançadas no sangue que influenciam

Leia mais

Drogas vasoativas. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008

Drogas vasoativas. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008 Drogas vasoativas Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008 Definição São substâncias que apresentam efeito vascular, periférico, pulmonar ou cardíaco. Monitorização hemodinâmica DC - IC PAM PVC

Leia mais

CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG

CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG PREPARO Para que a medicação não seja absorvida pela sua glândula tireoide, é importante bloqueá-la tomando Iodo, por exemplo, xarope de Iodeto de Potássio. Pacientes que já

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais.

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais. Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 3- Bases Psicológicas e Neurais da Psicofarmacologia Neurônios: estrutura básica Soma: contém o núcleo que garante os processos vitais da célula.

Leia mais

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg Rebaten LA cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula 80mg e 160mg 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rebaten LA cloridrato de propranolol Rebaten LA cloridrato de propranolol APRESENTAÇÕES Caixa

Leia mais

CURSO DE MASSAGEM MODELADORA

CURSO DE MASSAGEM MODELADORA CURSO DE MASSAGEM MODELADORA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti Tecido Adiposo Composto por: Adipócitos; Células endoteliais; Macrófagos; Células do estroma vascular; Fibroblastos; Pré-

Leia mais

Tenadren. cloridrato de propranolol + hidroclorotiazida

Tenadren. cloridrato de propranolol + hidroclorotiazida Tenadren cloridrato de propranolol + hidroclorotiazida FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: Tenadren 40 mg + 25 mg caixa com 30 e 100 comprimidos (Embalagem Fracionável). Tenadren 80 mg + 25 mg caixa com

Leia mais

Hormônios Metabólicos da

Hormônios Metabólicos da Hormônios Metabólicos da Tireóide Tireóide Produz Calcitoninahomeostasia de CA Produz hormôniocolóide [Ca +2 ] plasmática (inibe osteoclastos) [Ca +2 ] plasmática Síntese dos Hormônios Capilar Bomba de

Leia mais

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora.

BAMBAIR* cloridrato de bambuterol. BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. Dizeres de Bula BAMBAIR* cloridrato de bambuterol FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES BAMBAIR Solução oral 1 mg/ml Frasco contendo 60 ml ou 120 ml + seringa dosadora. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (crianças

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO III TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA O defeito

Leia mais

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla

Introdução à Farmacologia do SNC. Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia do SNC Farmacologia II Filipe Dalla Introdução à Farmacologia das drogas do SNC Potencial de Membrana Todas as células possuem potencial de membrana: Potencial de membrana é

Leia mais

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Conteúdo PARVOVÍRUS B19 IgG e IgM, ANTICORPOS ANTI ALTERAÇÃO NA DESCRIÇÃO DO VALOR DE REFERÊNCIA... 2 CATECOLAMINAS FRAÇÕES ALTERAÇÕES NO EXAME... 3 ÍNDICE DE

Leia mais

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose ABLOK PLUS Ablok Plus Atenolol Clortalidona Indicações - ABLOK PLUS No tratamento da hipertensão arterial. A combinação de baixas doses eficazes de um betabloqueador e umdiurético nos comprimidos de 50

Leia mais

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA

DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA DECONGEX PLUS MALEATO DE BRONFENIRAMINA CLORIDRATO DE FENILEFRINA Comprimidos revestidos de liberação programada em blíster de 12 Xarope em frasco de 120 ml, acompanhado de copo-medida de 10 ml Solução

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO

FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR DURANTE O EXERCÍCIO RESPOSTAS CARDIOVASCULARES FC VS DC RVP PAS PAM PAD DP TIPO DE EXERCÍCIO Dinâmico ou Isotônico Estático ou Isométrico Contração muscular e movimento

Leia mais

15 Drogas Simpaticomiméticas 16 Drogas Antagonistas dos Receptores Adrenérgicos 17 FÁRMACOS CARDIOVASCULARES E RENAIS 18 Fármacos Antiarritimicos 19

15 Drogas Simpaticomiméticas 16 Drogas Antagonistas dos Receptores Adrenérgicos 17 FÁRMACOS CARDIOVASCULARES E RENAIS 18 Fármacos Antiarritimicos 19 SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Introdução O organismo vivo é um sistema semi-aberto, capaz de autopoiese (auto = própria; poiesis = criação) e de auto-organização, e que recicla matéria e energia continuamente.

Leia mais

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL

Abcd BEROTEC. Boehringer Ingelheim. 5mg/mL Abcd BEROTEC Boehringer Ingelheim Solução 5mg/mL Berotec bromidrato de fenoterol APRESENTAÇÃO Solução (gotas) de 5 mg/ml: frasco com 20 ml. USO ORAL OU INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste:

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste: Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais O teste consiste na dosagem dos níveis séricos de cortisol e ACTH, após um estímulo hormonal ou farmacológico in vivo

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano

Rinofluimucil. Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano Rinofluimucil Zambon Laboratórios Farmacêuticos Ltda Solução Nasal 10 mg acetilcisteína + 5 mg tuaminoeptano I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rinofluimucil acetilcisteína sulfato de tuaminoeptano APRESENTAÇÕES

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO SISTEMA ENDÓCRINO Prof. TIAGO CARACTERÍSTICAS GERAIS INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS. CONTROLEDEATIVIDADES FISIOLOGICAS. SEMELHANTE AO SISTEMA NERVOSO. EFETUADO POR HORMÔNIOS TRANSPORTADO PELA CORRENTE SANGUINEA

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Sistema Nervoso Central Periférico Autônomo Somático Simpático Parassimpático Ação integradora sobre a homeostase corporal. Respiração

Leia mais

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica 1 Proposta de Avaliação do Risco Cardiovascular na Atenção Básica Propõe-se a utilização da tabela de Framingham, para estratificação

Leia mais

doxazosina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. comprimidos 2 e 4 mg

doxazosina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. comprimidos 2 e 4 mg doxazosina Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. comprimidos 2 e 4 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO mesilato de doxazosina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES mesilato de doxazosina

Leia mais

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS

AGENTES DIURÉTICOS, INIBIDORES DA ECA E OUTROS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal do Paraná etor de iências da aúde urso de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica AGETE DIURÉTI, IIBIDRE DA EA E UTR ATI-IPERTEIV Anti-ipertensivos onceito: ão fármacos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

Modelo de Bula - AstraZeneca

Modelo de Bula - AstraZeneca Modelo de Bula - AstraZeneca I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TENORETIC atenolol + clortalidona 50/12,5 mg e 100/25 mg FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Comprimidos

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos.

Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. Dolamin Flex clonixinato de lisina cloridrato de ciclobenzaprina Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 15 comprimidos. USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido

Leia mais

Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários.

Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários. Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários. Apontamentos iniciais Podemos começar dizendo que anticolinesterásicos

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO Profa. Dra. Monica Akemi Sato Pressão Arterial O que é? É a força exercida pelo sangue sobre as paredes do vaso, sofrendo mudanças contínuas durante todo o tempo,

Leia mais

Sistema nervoso autonómico

Sistema nervoso autonómico Sistema nervoso autonómico SNS vs SNP O SN simpático prepara o corpo para a acção, o SN parassimpático regula o repouso e as funções vegetativas. Ambos os sistemas exercem um controlo fisiológico contínuo

Leia mais

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 www.avaliacaoja.com.br Prof. Me Alexandre Rocha

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

VISKEN pindolol. APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO

VISKEN pindolol. APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO VISKEN pindolol APRESENTAÇÕES Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VIA ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de 5 ou 10 mg contém, respectivamente, 5 ou 10 mg de pindolol.

Leia mais

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas A ansiedade é uma vivência normal que todos os seres humanos experimentam com freqüência. Estado afetivo caracterizado por uma

Leia mais

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Curitibanos Medicina Veterinária ANATOMIA II (NAV) Tireóide Paratireóide Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo Profa. Rosane Silva glândulas de secreção

Leia mais

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR.

REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. REVISÃO SIMPLIFICADA DA FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR. INTRODUÇÃO Como somos complexos seres multicelulares e como todas as nossas células, enquanto vivas, desempenhando suas funções, necessitam constantemente

Leia mais

cloridrato de propranolol... 10 mg ou 40 mg ou 80 mg Excipientes q.s.p...1 comprimido

cloridrato de propranolol... 10 mg ou 40 mg ou 80 mg Excipientes q.s.p...1 comprimido INDERAL Cloridrato de propranolol 10 mg, 40 mg e 80 mg FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - INDERAL Comprimidos de 10 mg. Embalagem com 24. Comprimidos de 40 mg. Embalagem com 20. Comprimidos de 80 mg.

Leia mais

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca.

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca. Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte III) 1. Leia as afirmativas abaixo e julgue-as verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A concentração

Leia mais

Hemifumarato de bisoprolol

Hemifumarato de bisoprolol Hemifumarato de bisoprolol Antihipertensivo DCB: 01300 CAS: 104344-23-2 Fórmula molecular: C 18 H 31 NO 4 Nome químico: (RS)-1-{4-[(2-isopropoxyethoxy)methyl]phenoxy}- 3-(isopropylamino)propan-2-ol Peso

Leia mais

POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina

POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina POLARAMINE EXPECTORANTE maleato de dexclorfeniramina + sulfato de pseudoefedrina+ guaifenesina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES POLARAMINE Expectorante é indicado para uso oral. POLARAMINE Expectorante

Leia mais