Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor. Neurônio pré e pós ganglionar. Neurônio e músculo esquelético (placa."

Transcrição

1 Colinérgicos Sinapses Colinérgicas Neurônio Neurônio (SNC) Neurônio pós ganglionar Órgão efetor Neurônio pré e pós ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio e músculo esquelético (placa motora) Sistema Somático Receptores Colinérgicos Sistema Autonômico Parassimpático Receptores Colinérgicos Vários Níveis da Medula Espinhal Cranial e Sacral 1

2 Receptores Muscarínicos Acoplados a Proteina G Receptores Muscarínicos M1- Neuronais (neurônios SNC) M2 Cardíacos M3 Glandulares/ músculo liso M4 - SNC M5 - SNC Receptores Muscarínicos Receptores Nicotínicos Resposta Celular M1- IP3 e DAG (despolarização) M2 AMPc (inibição), condutância ao Ca++, Ligados a canais de cátions condutância ao K+ M3 IP3 (estimulação) 2

3 Receptores Nicotínicos Ciclo da Acetilcolina Musculares Junção neuro muscular esquelética Ganglionares Transmissão nos gânglios SNC Vários locais cérebro Síntese Ciclo da Acetilcolina Ciclo da Acetilcolina Armazenamento Liberação 3

4 Ciclo da Acetilcolina Ciclo da Acetilcolina Ligação ao Receptor Degradação Acetilcolinesterase Reciclagem Ciclo da Acetilcolina Sinapse Colinérgica Toxina Botulínica 4

5 Neurônio Colinérgico Fenda Pós Sinaptica Colinérgicos Ação Direta Acetilcolina Pilocarpina Carbacol Betanecol Colinérgicos Colinérgicos Fisostigmina Neostigmina Ação Indireta Inibidores de acetilcolinesterase Piridostigmina Toxicologia: Inseticidas Organofosforados Inibição da Acetilcolinesterase Estimulação colinérgica Toxicologia: Inseticidas Organofosforados Inibição da Acetilcolinesterase 5

6 Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Coração Receptores M2 Efeito Inotrópico negativo Cronotrópico negativo Redução da PA Receptores M3 Sistema Digestivo Aumento do peristaltismo intestinal (Cólica) Redução do Tônus Esfíncter Aumento da secreção gástrica Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Receptores M3 Bexiga Sistema Urinário Aumento do Tônus da parede Redução do Tônus Esfíncter Aumento do Peristaltismo ureteral Glândulas Salivares Receptores M3 Aumento da secreção salivar 6

7 Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Ações Muscarínicas dos Colinérgicos Receptores M3 Miose Olhos Contração do músculo esfíncter da pupila Acomodação Ocular ajuste para visão para perto Receptores M3 Broncoconstrição Brônquios Aumento da secreção glandular Secreções Traqueobrônquicas Usos Terapêuticos Agonistas Muscarínicos Distúrbios da Bexiga Xerostomia Mióticos 7

8 Usos Terapêuticos Usos Terapêuticos Agonistas Muscarínicos Distúrbios da Cognição Agonista M1 Doença de Alzheimer Ação Direta Pilocarpina Reduzir pressão intra ocular (Glaucoma) Aumento da secreção salivar (xerostomia Síndrome de Sjögren) Câmara anterior do olho Ação Indireta Agentes Anticolinesterásicos Fisostigmina - Eserina Humor Aquoso (Células do Epitélio) 8

9 Ação Indireta Agentes Anticolinesterásicos Neostigmina Piridostigmina Usos Terapêuticos Agentes Anticolinesterásicos Atonia do músculo Liso Intestinal e da bexiga Glaucoma Miastenia gravis Reversão da paralisia dos Bloqueadores neuromusculares Usos Terapêuticos Agentes Anticolinesterásicos Doença de Alzheimer Donepezila Rivastigmina Galantamina Toxicologia dos Anti-ChE Organofosforados 80% da intoxicações por pesticidas Sinais e sintomas muscarínicos, nicotínicos e SNC Morte (< 5 minutos a 24h) Atravessam BHE 9

10 Toxicologia dos Anti-ChE Toxicologia dos Anti-ChE Organofosforados Miose Rinorreia Sensação de aperto no tórax Respiração sibilante Náuseas, vômitos Cólicas diarreia Ações muscarínicas Organofosforados Cansaço Fraqueza generalizada Contrações involuntárias Fasciculações paralisia Ações Nicotínicas Toxicologia dos Anti-ChE Toxicologia dos Anti-ChE Confusão Ataxia Convulsões Coma Paralisia respiratória Organofosforados Ações SNC Tratamento Organofosforados Interrupção da exposição Manutenção das vias respiratórias desobstruidas Assistência ventilatória Alívio das convulsões- Diazepan Tratamento do choque 10

11 Toxicologia dos Anti-ChE Tratamento Organofosforados Atropina Reativadores da Colinesterase (Pralidoxima) Anticolinérgicos Anticolinérgicos Anticolinérgicos Músculo liso M3 Antinicotínicos Glândulas M3 Coração M2 11

12 Atropa belladonna (beladona) Atropina História Anticolinérgicos Atropina Escopolamina (hioscina) Ipratrópio Tiotrópio Tropicamida Ciclopentolato Usos Terapêuticos - Oftalmologia Oftálmico Midriático e cicloplégico Colírios Tropicamida Antiespasmódico Cólicas Usos Terapêuticos - Sistema Digestivo Escopolamina (hioscina) Ciclopentolato 12

13 Usos Terapêuticos - Sistema Urinário Antiespasmódico Asma Usos Terapêuticos - Sistema Respiratório Cólica nefrética Escopolamina (hioscina) DPOC Ipatrópio Tiotrópio Usos Terapêuticos - Outros Usos Anti secretor em cirurgia Atropina Anti cinetose Usos Terapêuticos - Outros Usos Escopolamina (hioscina) 13

14 Usos Terapêuticos - Outros Usos Neurologia Anti Parkinsonianos Biperideno Usos Terapêuticos - Toxicologia Intoxicação por inseticidas organofosforados Atropina Efeitos Adversos Visão turva Efeitos Adversos Anticolinérgicos 14

15 Midríase Efeitos Adversos Efeitos Adversos Constipação intestinal Efeitos Adversos Retenção urinária Efeitos Adversos Aumento da pressão intra ocular 15

16 Efeitos Adversos Arritmias cardíacas Contra indicações Glaucoma ângulo fechado Arritmias cardíacas Antinicotínicos Bloqueadores Ganglionares Receptores Nicotínicos dos gânglios Sem seletividade Não usado na terapêutica 16

17 Bloqueadores Neuromusculares Bloqueadores Neuromusculares Competitivos Não Despolarizantes Despolarizantes Bloqueio por despolarização Bloqueio na placa motora Bloqueadores Neuromusculares Não Despolarizantes Anestesia Relaxantes musculares Tubocurarina não utilizado Pancurônio - longa Vecurônio intermediária (30-40min) Bloqueadores Neuromusculares Não Despolarizantes Atracúrio menor 30 min Cisatracúrio em torno de 50 minutos 17

18 Bloqueadores Neuromusculares Despolarizantes Anestesia Relaxantes musculares Suxametônio Ação curta 10 minutos Não Despolarizantes x Despolarizantes Mais usado Não despolarizantes Maior duração efeito Mais seguro Antagonista Neostigmina Despolarizante Arritmia cardíaca Liberação de Histamina 18

AGENTES COLINÉRGICOS. Introdução. Sistema Nervoso Autônomo Simpático. Parassimpático. Sistema Nervoso Somático (junção neuromuscular)

AGENTES COLINÉRGICOS. Introdução. Sistema Nervoso Autônomo Simpático. Parassimpático. Sistema Nervoso Somático (junção neuromuscular) Ministério da Educação UIVESIDADE FEDEAL D PAAÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Farmácia Disciplina de Química Medicinal Farmacêutica AGETES CLIÉGICS Introdução Sistema ervoso Autônomo Simpático

Leia mais

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Profa. Elisabeth Maróstica I.Introdução

Leia mais

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Profa. Elisabeth Maróstica I.Introdução

Leia mais

Farmacologia Colinérgica

Farmacologia Colinérgica União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Farmacologia Colinérgica Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Farmacologia Colinérgica Trata

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo: DROGAS ANTIMUSCARÍNICAS

Sistema Nervoso Autônomo: DROGAS ANTIMUSCARÍNICAS Sistema Nervoso Autônomo: DROGAS ANTIMUSCARÍNICAS Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas/UFES Lab. de Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Hélder Mauad 1 ANTAGONISTAS COLINÉRGICOS

Leia mais

1) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - colinérgicos

1) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - colinérgicos 1) medicamentos que atuam no sistema nervoso autônomo - colinérgicos 1) Síntese, liberação e metabolismo da acetilcolina A síntese da acetilcolina, que é o neurotransmissor do sistema nervoso parassimpático,

Leia mais

Antagonistas colinérgicos

Antagonistas colinérgicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MODALIDADE MÉDICA BMF-354-355 FARMACOLOGIA BÁSICA E APLICADA 1 Antagonistas colinérgicos

Leia mais

Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira (www.easo.com.br) Ano: 2008 APOSTILA Nº 07 FÁRMACOS ANTAGONISTAS COLINÉRGICOS

Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira (www.easo.com.br) Ano: 2008 APOSTILA Nº 07 FÁRMACOS ANTAGONISTAS COLINÉRGICOS Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira (www.easo.com.br) Ano: 2008 1 APOSTILA Nº 07 FÁRMACOS ANTAGONISTAS COLINÉRGICOS Introdução Os antagonistas colinérgicos são drogas

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO SNP SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SNC SISTEMA NERVOSO CENTRAL SENSORIAL neurônios aferentes MOTOR neurônios eferentes NEURÔNIOS MOTORES SOMÁTICOS NEURÔNIOS AUTÔNOMOS

Leia mais

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira

ACETILCOLINA. A. Professor Luís Figueira A. Professor Luís Figueira ACETILCOLINA 1. Um agricultor é trazido ao S.U. por exposição a um insecticida ("605 forte") durante a lavoura. Queixa-se de dispneia intensa e apresenta-se hipersudorético,

Leia mais

Prefácio. Marcelo A. Cabral

Prefácio. Marcelo A. Cabral Prefácio Este singelo trabalho nasceu da necessidade acadêmica do autor-aluno em ter sempre à mão um resumo simples e consolidado (se é que isso é possível, em face da amplidão das Ciências Farmacêuticas),

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 18/07/2013. Sistema Nervoso - Divisão. Farmacologia do SNA. Introdução

SISTEMA NERVOSO 18/07/2013. Sistema Nervoso - Divisão. Farmacologia do SNA. Introdução Sistema Nervoso - Divisão SISTEMA NERVOSO Farmacologia do SNA Prof. Marcelo Silva Silvério SISTEMA NERVOSO CENTRAL SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO

Leia mais

Farmacologia do sistema nervoso autônomo colinérgico

Farmacologia do sistema nervoso autônomo colinérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo colinérgico Sistema nervoso autônomo Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central cérebro e medula espinhal Sistema Nervoso Periférico gânglios e nervos que se estendem

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

Objetivos 1. Introdução: estrutura e função do Sistema Nervoso. 2. Comparar brevemente Anatomia e Fisiologia Básicas entre Sistema Nervoso Autônomo

Objetivos 1. Introdução: estrutura e função do Sistema Nervoso. 2. Comparar brevemente Anatomia e Fisiologia Básicas entre Sistema Nervoso Autônomo SNA Parassimpático (Parassimpaticomiméticos) Soraia K P Costa scosta@icb.usp.br - Sala 337 ICB-I/USP Objetivos 1. Introdução: estrutura e função do Sistema Nervoso. 2. Comparar brevemente Anatomia e Fisiologia

Leia mais

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo)

Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais. (Transcrição da aula vídeo) Aula III Classificação do Sistema Nervoso segundo Critérios Funcionais (Transcrição da aula vídeo) Hoje vamos estudar uma nova forma de classificação do Sistema Nervoso. Seguiremos os princípios que nortearam

Leia mais

Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários.

Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários. Quinta-feira, 26 de outubro de 2006. Prof. Cabral. Parassimpatomiméticos e Anticolinesterásicos. Editado de forma a tornar os slides desnecessários. Apontamentos iniciais Podemos começar dizendo que anticolinesterásicos

Leia mais

Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 07

Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 07 1 Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira - www.easo.com.br Ano: 2008 APOSTILA Nº 07 FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO PARASSIMPÁTICO FÁRMACOS AGONISTAS COLINÉRGICOS

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E ANTICOLINESTERÁSICOS

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E ANTICOLINESTERÁSICOS TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA FARMACOLOGIA DOS BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E ANTICOLINESTERÁSICOS Dr. Dominic O Connor Royal Perth Hospital, Australia Dr. Carl Gwinnutt Hope Hospital, UK Correspondence

Leia mais

Professora: Patrícia Ceolin

Professora: Patrícia Ceolin Professora: Patrícia Ceolin DIVISÃO FUNCIONAL DO SN: Sistema nervoso visceral: PORQUE AS INERVAÇÕES DAS ESTRUTURAS VISCERAIS É IMPORTANTE??? Para que aconteça uma integração da atividade das vísceras na

Leia mais

08/10/2015. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central. Periférico. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Somático.

08/10/2015. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central. Periférico. Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Somático. Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo Colinérgico e Sistema Nervoso Somático Prof. Dr. Gilda Angela Neves UFRJ 2015 Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Nervoso

Leia mais

Farmacologia. Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo -Introdução: V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br

Farmacologia. Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo -Introdução: V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br V e t e r i n a r i a n D o c s Farmacologia Farmacologia do Sistema Nervoso Autônomo -Introdução: Fonte: Berne e Levy, 2001 1 -Neurotransmissor Neuropeptídeo: -Neurotransmissor: necessita de substrato

Leia mais

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc

5-HT 1A Núcleos da rafe, hipocampo Gi, AMPc. 5-HT 1B Substância negra, globo pálido, gânglios da base Gi, AMPc. 5-HT 1D Cérebro Gi, AMPc UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE FARMACOLOGIA SEROTONINA Serotonina: funções e distribuição Receptores centrais e periféricos Neurotransmissor: neurônios

Leia mais

CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1%

CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1% CICLOPLÉGICO ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA solução oftálmica estéril cloridrato de ciclopentolato 1% APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco conta-gotas contendo 5 ml de solução oftálmica

Leia mais

Prostigmine metilsulfato de neostigmina

Prostigmine metilsulfato de neostigmina Prostigmine metilsulfato de neostigmina APRESENTAÇÕES Solução Injetável 0,5 mg/ml - Embalagem com 50 ampolas de 1 ml. USO INJETÁVEL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml contém 0,5 mg de metilsulfato

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Introdução O organismo vivo é um sistema semi-aberto, capaz de autopoiese (auto = própria; poiesis = criação) e de auto-organização, e que recicla matéria e energia continuamente.

Leia mais

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina

Objetivos: Descrever os neurotransmissores -Catecolaminas dopamina, noradrenalina, adrenalina -Acetilcolina FACULDADE DE MEDICINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA VIDA PUC-Campinas DISCIPLINA DE BASES MORFOFISIOLÓGICAS DO SISTEMA NERVOSO, SENSORIAL E LOCOMOTOR BIOQUÍMICA A 2012 Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Objetivos:

Leia mais

SNA Parassimpático (colinérgicos e anticolinérgicos)

SNA Parassimpático (colinérgicos e anticolinérgicos) SNA Parassimpático (colinérgicos e anticolinérgicos) Soraia K P Costa Scosta@icb.usp.br - Sala 337 ICB-I/USP Objetivos 1. Conceitos - SNA. 2. Comparar brevemente Anatomia e Fisiologia Básicas entre SNA

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Os principais transmissores do sistema nervoso autônomo Acetilcolina noradrenalina acetilcolina noradrenalina. noradrenalina

Os principais transmissores do sistema nervoso autônomo Acetilcolina noradrenalina acetilcolina noradrenalina. noradrenalina 1 Disciplina: FARMACOLOGIA Professor: Edilberto Antonio Souza de Oliveira (www.easo.com.br) Ano: 2008 APOSTILA Nº 07 RESUMO SOBRE O SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO FÁRMACOS AGONISTAS COLINÉRGICOS Introdução O

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Sistema Nervoso Autônomo Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Objetivos de Aprendizagem

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FLAGASS BABY dimeticona + metilbrometo de homatropina. Emulsão oral (gotas) em frasco de 15 ml USO PEDIÁTRICO

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FLAGASS BABY dimeticona + metilbrometo de homatropina. Emulsão oral (gotas) em frasco de 15 ml USO PEDIÁTRICO MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FLAGASS BABY dimeticona + metilbrometo de homatropina Emulsão oral (gotas) em frasco de 15 ml USO PEDIÁTRICO USO ORAL Composição completa: Cada ml (aproximadamente

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Diferenças entre SNMotor e SNAutônomo: a) função: controla funções involuntárias

Leia mais

MODELO DE BULA. Atropion sulfato de atropina

MODELO DE BULA. Atropion sulfato de atropina MODELO DE BULA Atropion sulfato de atropina USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução injetável: Embalagem contendo 100 ampolas de 1 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA / INTRAMUSCULAR

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:...

EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA. Nome:... Data:... Assinatura:... EXAME DE INGRESSO AO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FARMACOLOGIA Nome:... Data:... Assinatura:... DISSERTAÇÃO: RECEPTORES E VIAS DE TRANSDUÇÃO DO SINAL COMO ESTRATÉGIA AO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS FÁRMACOS

Leia mais

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico

Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico Beneficência Portuguesa de São Paulo Serviços Médicos São Paulo Anatomofisiologia do Sistema Nervoso Central e Autonômico David Ferez david.ferez@uol.com.br Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia

Leia mais

Sistema nervoso autonómico

Sistema nervoso autonómico Sistema nervoso autonómico SNS vs SNP O SN simpático prepara o corpo para a acção, o SN parassimpático regula o repouso e as funções vegetativas. Ambos os sistemas exercem um controlo fisiológico contínuo

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno

I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. AKINETON cloridrato de biperideno I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO AKINETON cloridrato de biperideno APRESENTAÇÕES AKINETON (cloridrato de biperideno) 4 mg comprimido revestido retard: embalagem com 30 comprimidos revestidos. VIA ORAL USO

Leia mais

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos

Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Universidade Federal Fluminense Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Agonistas Colinérgicos Profa. Elisabeth Maróstica SISTEMA NERVOSO CENTRAL I.Introdução

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

Gisele Chibinski Parabocz BELADONA

Gisele Chibinski Parabocz BELADONA Gisele Chibinski Parabocz Beladona - Atropa belladona Partes usadas: folhas e raiz. Família: Solanáceas Características: Planta vivaz, de caule ramificado de folhas alternas, ovais e moles. Suas flores

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA

PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO DA DISCIPLINA PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IB 304 CRÉDITOS: 04 (T01,T02,P01,P02,P03,P04) FARMACOLOGIA II Cada Crédito corresponde à 15h/ aula INSTITUTO DE BIOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS OBJETIVO

Leia mais

SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO

SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO SEMIÓTICA ELEMENTAR DA ALERGIA E INTOXICAÇÃO Edilbert Pellegrini Nahn Junior UFRJ Campus Macaé Medicina do Adulto Etiologia das Intoxicações MEDICAMENTOS / DROGAS ALIMENTOS PRODUTOS DOMICILIARES INSETICIDAS

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA)

Fármacos que atuam nos distúrbios degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA) degenerativos do SNC: Parkinson (DP) e Alzheimer (DA) Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Distúrbios degenerativos: Perda progressiva

Leia mais

Organização do sistema nervoso

Organização do sistema nervoso Sistema nervoso Organização do sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) O encéfalo: O encéfalo dos mamíferos é dividido em: telencéfalo (cérebro), diencéfalo (tálamo, epitálamo e hipotálamo), mesencéfalo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso

INTOXICAÇÃO POR ATROPINA EM CÃO Relato de Caso ANAIS DA III SEPAVET SEMANA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA E DO II SIMPÓSIO DE PATOLOGIA VETERINÁRIA DO CENTRO OESTE PAULISTA FAMED FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DA FAEF ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso

Introdução ao Sistema Nervoso União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Introdução ao Sistema Nervoso Profa. Dra. Narlize Silva Lira Setembro /2014 Princípios de Fisiologia

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL:

NEUROFISIOLOGIA ORGANIZAÇÃO GERAL: NEUROFISIOLOGIA O Sistema Nervoso (SN) e o Sistema Endócrino (hormonal) desempenham a maioria das funções de controle do organismo - O SN controla atividades RÁPIDAS: contração muscular, eventos viscerais

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho

Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Preventiva Disciplina Saúde e Trabalho Neurotoxicologia Dra Angelica dos Santos Vianna 18 e 19 novembro 2010 Neurotoxicidade (Medronho

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Sistema Nervoso Central Periférico Autônomo Somático Simpático Parassimpático Ação integradora sobre a homeostase corporal. Respiração

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

SISTEMA MOTOR VISCERAL

SISTEMA MOTOR VISCERAL SISTEMA MOTOR VISCERAL SOMÁTICO Aferente ou Sensorial Sistema Nervoso VISCERAL Eferente ou Motora Sistema Nervoso Autônomo Divisão Simpática Divisão Parassimpática Divisão Entérica Órgãos Viscerais Gerais

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo

Sistema Nervoso Autônomo Sistema Nervoso Autônomo Profa Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia- FAMED- UFC Sir Henry Hallett Dale and Otto Loewi, 1936 Nobel Prize for Physiology or Medicine for their discoveries

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

EPÉZ. cloridrato de donepezila. Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg

EPÉZ. cloridrato de donepezila. Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg EPÉZ cloridrato de donepezila Comprimido revestido - 5 mg Comprimido revestido - 10 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 EPÉZ cloridrato de donepezila I- IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso. Miastenia Grave

Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso. Miastenia Grave FISIOLOGIA II Fisiologia dos Músculos Estriado e Liso Miastenia Grave Prof. Dr. Helder Mauad Pablo Lúcio Gava Fisiologia do Músculo Estriado 1 ~40% do corpo são formados por músculos esqueléticos ~10%

Leia mais

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE II. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE II. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS PARTE II Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 S I S T E M A N E R V O S O C E N T R A L O SNC pode ser dividido em 6 regiões 1- MEDULA ESPINHAL

Leia mais

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke

CONTRAÇÃO MUSCULAR. Diego V. Wilke CONTRAÇÃO MUSCULAR Diego V. Wilke Fibra muscular lisa Núcleo Estrias Fibra muscular cardíaca Núcleo Discos Intercalares Fonte: Malvin et al., 1997. Concepts in humam Physiology Tipos de músculo Esquelético

Leia mais

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016 Sistema Nervoso Cap. 13 Prof. Tatiana Setembro / 2016 Função Responsável pela comunicação entre diferentes partes do corpo e pela coordenação de atividades voluntárias ou involuntárias. Neurônios A célula

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas.

23/07/2013. É um sintoma fundamental de muitos distúrbios psiquiátricos e um componente de muitas condições clínicas e cirúrgicas. Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Licenciatura em Educação Física Disciplina: Fisiologia Humana Professor: Ricardo Marques Nogueira Filho e-mail: ricardonogfilho@ig.com.br Código: Carga Horária:

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia

INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS. Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia INTRODUÇÃO AO SISTEMA NERVOSO DOS ANIMAIS Prof. Ismar Araújo de Moraes Departamento de Fisiologia e Farmacologia 1 O sistema nervoso é o mais complexo e diferenciado do organismo, sendo o primeiro a se

Leia mais

bertocil 5 mg/ml Colírio, solução Betaxolol

bertocil 5 mg/ml Colírio, solução Betaxolol FOLHETO INFORMATIVO Folheto informativo: Informação para o utilizador bertocil 5 mg/ml Colírio, solução Betaxolol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

EMERGÊNCIA E MEDICAMENTOS. Prof. Kenia Marinho Presibella Weiss Farmacêutica-Bioquímica

EMERGÊNCIA E MEDICAMENTOS. Prof. Kenia Marinho Presibella Weiss Farmacêutica-Bioquímica EMERGÊNCIA E MEDICAMENTOS Prof. Kenia Marinho Presibella Weiss Farmacêutica-Bioquímica FARMACOLOGIA Estudo da interação de substâncias químicas com sistemas biológicos Farmacocinética Absorção, Distribuição,

Leia mais

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia. SINAPSES NERVOSAS Neurotransmissores

Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia. SINAPSES NERVOSAS Neurotransmissores Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia SINAPSES NERVOSAS Neurotransmissores 1 Eletromicrografia S1 S2 2 SINAPSE NERVOSA Um neurônio faz sinapse com muitos neurônios Tipos de Sinapse Nervosas 1

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Farmacologia do SNA parassimpático I Soraia K P Costa - Sala 326 ICB-I/USP

Farmacologia do SNA parassimpático I Soraia K P Costa - Sala 326 ICB-I/USP Farmacologia do SNA parassimpático I Soraia K P Costa skcosta@usp.br - Sala 326 ICB-I/USP Objetivos da aula 1. Casos clínicos 2. Introdução/Revisão Estimulantes de receptores e Inibidores Colinesterase

Leia mais

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais.

Potencial de ação: Evento elétrico/químico que se inicia na região do axônio próxima ao corpo celular e desloca-se em direção aos botões terminais. Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 3- Bases Psicológicas e Neurais da Psicofarmacologia Neurônios: estrutura básica Soma: contém o núcleo que garante os processos vitais da célula.

Leia mais

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Profa. Dra. Giani Cavalcante

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Profa. Dra. Giani Cavalcante FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Profa. Dra. Giani Cavalcante ASPECTOS ANÁTOMO- FUNCIONAIS DO SNA FÁRMACOS COLINÉRGICOS E ANTICOLINÉRGICOS DEFINIÇÕES COLINÉRGICOS Drogas que mimetizam os efeitos

Leia mais

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015

Psicofarmacologia. Transtornos de Ansiedade. Transtornos de Ansiedade PSICOFARMACOLOGIA 15/05/2015 Psicofarmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia PSICOFARMACOLOGIA Distúrbios Psiquiátricos - Tratamento : 1950 10 a 15% de prescrições - EUA Brasil prevalência de transtornos

Leia mais

Difenidrin (cloridrato de difenidramina)

Difenidrin (cloridrato de difenidramina) Difenidrin (cloridrato de difenidramina) Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução injetável 50 mg/ml ampola de 1 ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: DIFENIDRIN cloridrato

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 16 SISTEMA NERVOSO NOS VERTEBRADOS

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 16 SISTEMA NERVOSO NOS VERTEBRADOS BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 16 SISTEMA NERVOSO NOS VERTEBRADOS Como pode cair no enem (ENEM) A cafeína atua no cérebro, bloqueando a ação natural de um componente químico associado ao sono,

Leia mais

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml

brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml brometo de ipratrópio Biosintética Farmacêutica Ltda. solução para inalação 0,250 mg/ml BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO brometo de ipratrópio

Leia mais

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Tracur besilato de atracúrio. Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Tracur besilato de atracúrio Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. Solução Injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Tracur besilato de atracúrio APRESENTAÇÃO Solução Injetável

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais