Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simpático e Parassimpático. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais"

Transcrição

1 Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Controla e Modula as Funções Viscerais SNA Importância do Estudo Implicação em várias situações clínicas Conhecimento para o uso de agonistas e antagonistas em diversas doenças SNA Simpático e Parassimpático Neurônio Pré Ganglionar Neurônio Pós Ganglionar 1

2 Simpático Parassimpático Parassimpático Simpático Inervação Simpática 2

3 Inervação Parassimpática Sistema Simpático Neurônio Pré Neurônio Pós Sistema Nervoso Autônomo Sistema Parassimpático Neurônio Pré Pós 3

4 Neurotransmissão Adrenérgica Síntese Armazenamento Liberação Ação nos receptores Recaptação Destruição enzimática Sistema Simpático Neurotransmissão Adrenérgica Neurotransmissão Adrenérgica Síntese 4

5 Tirosina DOPA Dopamina Noradrenalina Neurotransmissor Adrenalina Receptores Neurotransmissão Adrenérgica Neurotransmissão Adrenérgica Armazenamento Liberação e Ação em Receptores 5

6 Na + Canais de Cálcio fechados Ca 2+ SNARE Sinaptobrevina Sintaxina-1 SNAP-25 Sequência da Liberação do Neurotransmissor Sinaptotagmina-1 Na+ Cálcio 6

7 Sinaptotagmina-1 Ligação da Sinaptotagmina-1 ao complexo SNARE após a entrada de cálcio SNARE Sinaptobrevina Sintaxina-1 SNAP-25 Liberação do neurotransmissor Fusão membrana da vesícula com a membrana da terminação do neurônio Neurotransmissão Adrenérgica Recaptação 7

8 VMAT NET: Transportador de NOR NET Cocaina VMAT: Transportador de monoaminas vesicular Neurotransmissão Adrenérgica VMAT NET Destruição Enzimática 8

9 Receptores Adrenérgicos Receptores α α1 músculo liso vascular-contração MAO α1 - DAG e IP3 Ca ++ COMT Ácido Vanil Mandélico Receptores Adrenérgicos Alfa 1 e 2 Beta 1,2,3 Receptores α e β Receptores Adrenérgicos α α2 Redução de liberação de NOR α2 - adenilciclase e camp 9

10 Adrenérgicos e Órgãos Efetores Adrenérgicos e Atuação nos receptores Receptores Adrenérgicos β1 Coração e rins β2 músculo liso - relaxamento β3 Tecido adiposo Ativa adenilciclase camp intracelular Coração Força de contração Inotrópico positivo Frequência cardíaca Cronotrópico positivo Órgãos Efetores Receptores β1 10

11 Brônquios Dilatação brônquica musculatura Broncodilatador Receptores β2 Órgãos Efetores Vasos sanguíneos Vasoconstrição vasos cutâneos, intestinais e renais Receptores α1 Vasos da musculatura estriada vasodilatação Receptores β2 Órgãos Efetores Olhos Dilatação pupilar midríase Músculo radial da íris Receptores α1 Órgãos Efetores Órgãos Efetores Fígado Glicogenólise: α1 Gliconeogênese: β2 A secreção de insulina é inibida - α2 Lipólise Receptores β3 11

12 Órgãos Efetores Estômago e Intestino Peristaltismo - β2 Perfusão sanguínea Tônus esfíncter - α1 Órgãos Efetores Adrenérgicos Bexiga Tônus da parede - β2 (relaxamento) Tônus esfíncter - α1 (contração) NOR Adrenalina 12

13 Adrenérgicos Adrenérgicos Diretos- α e β adrenérgicos Indiretos- Liberando NOR IMAO Inibindo recaptação Indiretos Liberação: Anfetamina Inibidor de captação: Cocaina Inibidor da MAO: Tranilcipromina Mistos diretos e indiretos Adrenérgicos Adrenérgicos Diretos Adrenalina alfa 1 e 2, beta 1 e 2 Noradrenalina alfa 1 e 2 e beta 1 Fenilefrina alfa 1 Mistos Efedrina: Liberação Receptor Alfa 1 e 2 Receptor Beta 1 e 2 13

14 FÁRMACOS AGONISTAS ADRENÉRGICOS Ação direta Atuam diretamente sobre um ou mais dos receptores adrenérgicos Seletivos Não-Seletivos Fenilefrina (α 1 ) Oximetazolina (α 1, α 2 ) Clonidina (α 2 ) Isoproterenol (β 1, β 2 ) Dobutamina (β 1 ) Adrenalina (α 1, α 2, β 1, β 2, β 3 ) Salbutamol (β 2 ) Noradrenalina (α 1, α 2, β 1 ) Agonistas Adrenérgicos Ação mista Libera indiretamente a NA e também ativa diretamente os receptores Efedrina (α 1, α 2, β 1, β 2 ) Agentes de Liberação Anfetamina Tiramina Ação indireta Aumentam a disponibilidade da NA ou adrenalina para estimular os receptores adrenérgicos Inibidor de captação Cocaína Amitriptilina Inibidores de MAO e COMT Tranilcipromina Selegilina Rasagilina Entacapona Inibidores da MAO (IMAO) Inibidores reversíveis da MAO A Moclobemida depressão Inibidores seletivos para MAO - B Selegilina, Rasagilina - parkinson Inibidores da MAO (IMAO) Adrenérgicos Endógenos Inibidores irreversíveis da MAO - A Tranilcipromina depressão Interação fármacos e alimentos, bebidas Alimentos ricos em Tiramina Adrenalina Noradrenalina Dopamina 14

15 Adrenérgicos Endógenos Dopamina Receptores alfa, beta e dopaminérgicos Em doses crescentes D1 β1 α1 Adrenérgicos Usos Terapêuticos Parada cardíaca Somente administrada via IV Adrenérgicos Usos Terapêuticos Adrenérgicos Usos Terapêuticos Choque anafilaxia 15

16 Adrenérgicos Usos Terapêuticos Descongestionantes nasais Adrenérgicos Usos Terapêuticos Exame oftalmológico Adrenérgicos Usos Terapêuticos Associação com Anestésicos locais Adrenérgicos Usos Terapêuticos Asma brônquica Adrenalina β2 e β 1, α1 Seletivos β2 uso preferencial 16

17 Adrenérgicos Asma brônquica Seletivos β2 Curta ação: Salbutamol Fenoterol Adrenérgicos Contra indicações Cardiopatas graves Longa ação: Salmeterol e Formoterol Taquicardia Tremores Arritmias Adrenérgicos Efeitos Adversos Crise hipertensiva Adrenérgicos Hipertensos Coronariopatias angina Portadores de arritmias Cocaina Infarto do miocárdio e arritmias em jovens 17

18 Antiadrenérgicos 1) Receptores: α e β 2) SNC Pressão Arterial Débito Cardíaco X (FC x VS) Resistência Vascular Periférica 3) Neurônio Adrenérgico Sistema Adrenérgico e Pressão Arterial PA Ótima: 120 x 80 mmhg Barorreceptores Cérebro Ativação do Sistema Simpático PA Normal: Pressão sistólica: 130 Pressão diastólica 85 Aumento da FC Aumento da Contratilidade Vasoconstrição RINS 18

19 Rim Sistema RAA Angiotensinogênio Renina Angiotensina I Fígado Vasoconstrição Angiotensina II Antiadrenérgicos Bloqueadores dos Receptores β Inespecífico: Propranolol Bloqueio β1 e β2 Hipertensão Arterial Sistêmica Artéria Normal Débito Cardíaco (FC x VS) X Resistência Vascular Periférica Noradrenalina Receptores β 19

20 β Bloqueador Antiadrenérgicos - β Bloqueador PA: DC x RVP DC Antihipertensivo Liberação de Renina Antiadrenérgicos - β Bloqueador Coração Força contração Frequência cardíaca β Bloqueadores Classificação 20

21 β Bloqueadores Não Seletivos Propranolol Pindolol Timolol Primeira geração β Bloqueadores Seletivos β1 Atenolol Menor possibilidade de broncoespasmo β Bloqueadores Seletivos β1 Atenolol Bisoprolol Metoprolol Segunda geração β Bloqueadores Bloqueio β e α Terceira geração Com Ações Adicionais Carvedilol Labetalol 21

22 β Bloqueadores Bloqueio β e α Carvedilol Antagonista β1, β2 e α1 Efeito anti oxidante Efeito protetor na Insuficiência Cardiaca Redução de mortalidade β Bloqueadores - Usos Sistema cardiovascular Tratamento da Hipertensão arterial β Bloqueadores Bloqueio β 1 Nebivolol Terceira geração Vasodilatação mediada por NO β Bloqueadores - Usos Sistema cardiovascular Tratamento da Angina Propriedades antioxidantes Efeitos neutros a favoráveis no metabolismo de lipídeos e carboidratos 22

23 Após IAM β Bloqueadores - Usos Sistema cardiovascular β Bloqueadores - Usos Sistema cardiovascular Tratamento da Insuficiência cardíaca No passado contraindicados Atualmente importantes (carvedilol) β Bloqueadores - Usos Sistema cardiovascular Arritmias (TAQUIARRITMIAS) Glaucoma β Bloqueadores Outros Usos Terapêuticos Hipertireoidismo Ansiedade 23

24 β Bloqueadores Outros Usos Terapêuticos Controle da Hiperatividade Simpática β Bloqueadores Efeitos Adversos e Restrições Bradicardia Enxaqueca (prevenção de crises) Tremor Essencial β Bloqueadores Efeitos Adversos e Restrições Broncoconstrição β Bloqueadores Efeitos Adversos e Restrições Insuficiência Cardíaca (aumento da sobrevida Uso com cautela Preferência por Carvedilol 24

25 β Bloqueadores Efeitos Adversos e Restrições Diabéticos em uso de insulina- Hipoglicemia Antiadrenérgicos α Bloqueadores β Bloqueadores Antiadrenérgicos - α Bloqueador Efeitos Adversos e Restrições Fadiga Extremidades Frias Não seletivos: Fenoxibenzamina e Fentolamina α1 seletivos: Prazosim, Terazosina 25

26 Antiadrenérgicos - α Bloqueador α Bloqueador- Seletivo α1 Não seletivos Fenoxibenzamina e Fentolamina Antiadrenérgicos - α Bloqueador Uso Não seletivos Taquicardia reflexa Hipotensão postural Antiadrenérgicos - α Bloqueador Vasodilatação α1 seletivos Queda da RVP PA=DC x RVP PA 26

27 Antiadrenérgicos - α Bloqueador SNC- Agonistas α2 α1 seletivos Usos Terapêuticos Hipertensão Arterial Efeito Vasodilatador Hipertrofia prostática - relaxamento Antiadrenérgicos SNC - Agonistas α2 Antiadrenérgicos - SNC Agonistas α2 Clonidina e Metil Dopa 27

28 Antiadrenérgicos - SNC Agonistas α2 Clonidina Antiadrenérgicos - SNC Clonidina Usos Terapêuticos Hipertensão arterial Receptor α2 Clonidina Não é a primeira escolha Associação em HAS de difícil controle Custo baixo Agonista Alfa 2 Metildopa Metildopa Antiadrenérgicos - SNC Clonidina Efeitos Adversos Sedação Xerostomia Disfunção erétil 28

29 Antiadrenérgicos - SNC Antiadrenérgicos Metildopa Usos Terapêuticos Hipertensão Arterial Não é a primeira escolha Importante: Hipertensão na gravidez Neurônio adrenérgico Antiadrenérgicos - SNC Metildopa- Efeitos Adversos Sedação Redução de libido Hepatoxicidade Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Guanetidina *Valor Histórico * Substituidos por fármacos mais seguros e eficazes 29

30 Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Antiadrenérgicos - Neurônio Reserpina Antiadrenérgicos - Neurônio Guanetidina Guanetidina 30

31 Antiadrenérgicos - Neurônio Sedação Depressão suicídio Crise hipertensiva Valor histórico Efeitos Adversos 31

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

UNIP. Disciplina: Farmacologia Geral. Professora: Michelle Garcia Discacciati. Aula 3: SNA. Farmacologia da Transmissão adrenérgica

UNIP. Disciplina: Farmacologia Geral. Professora: Michelle Garcia Discacciati. Aula 3: SNA. Farmacologia da Transmissão adrenérgica UNIP Disciplina: Farmacologia Geral Professora: Michelle Garcia Discacciati Aula 3: SNA Farmacologia da Transmissão adrenérgica ATENÇÃO ALUNO: esta transparência é apenas um roteiro para ser dado em aula.

Leia mais

TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA

TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA FISIOLOGIA DA TRANSMISSÃO NORADRENÉRGICA O neurônio noradrenérgico: o Os neurônios noradrenérgicos na periferia são neurônios simpáticos pósganglionares, cujos corpos celulares

Leia mais

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Sistema nervoso autônomo Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central cérebro e medula espinhal Sistema

Leia mais

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) MNM

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) MNM Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Agonista Antagonista Efeito Tipo α 1 : Fenilefrina, metoxamina Prazosin, Corinantina Para todos IP 3, DAG α 1A α 1B α 1D WB4101 Cloroetilclonidina

Leia mais

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo; CONCEITOS PRELIMINARES Remédio; Medicamentos; Medicação; Fármaco; Droga; Eventos Adversos de Medicamentos (EAM). EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM Associado ou não à um dano ao paciente. É o caminho

Leia mais

Farmacologia dos Adrenérgicos

Farmacologia dos Adrenérgicos Universidade Federal Fluminense Dep. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia Farmacologia dos Adrenérgicos rgicos Profa. Elisabeth Maróstica INTRODUÇÃO Síntese de NA: NEUROTRANSMISSÃO ADRENÉRGICA

Leia mais

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos)

Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Ativação de Receptores Adrenérgicos (Simpatomiméticos) Agonista Antagonista Efeito Tipo α 1 : Fenilefrina, metoxamina Prazosin, Corinantina Para todos IP 3, DAG α 1A α 1B α 1D WB4101 Cloroetilclonidina

Leia mais

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia

Faculdade Maurício de Nassau. Disciplina: Farmacologia Faculdade Maurício de Nassau Disciplina: Farmacologia Profa. Dra. Thais Porto Ribeiro Aula Tema: Anti-hipertensivos Mecanismos do Controle da PA SNA SRA O Sistema cardiovascular é controlado de forma integrada:

Leia mais

Comumente empregadas nos pacientes graves, as drogas vasoativas são de uso corriqueiro nas unidades de terapia intensiva e o conhecimento exato da

Comumente empregadas nos pacientes graves, as drogas vasoativas são de uso corriqueiro nas unidades de terapia intensiva e o conhecimento exato da Comumente empregadas nos pacientes graves, as drogas vasoativas são de uso corriqueiro nas unidades de terapia intensiva e o conhecimento exato da farmacocinética e farmacodinâmica é de vital importância

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO ORGANIZAÇÃO GERAL DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Sistema Nervoso Central Periférico Autônomo Somático Simpático Parassimpático Ação integradora sobre a homeostase corporal. Respiração

Leia mais

Sistema Nervoso Autónomo

Sistema Nervoso Autónomo Sistema Nervoso Autónomo PRINCIPAIS COMPONENTES DO SISTEMA NERVOSO NERVOS SENSITIVOS NERVOS MOTORES AUTÓNOMO (simpático, parassimpático, entérico) SOMÁTICO Sistema nervoso periférico Divisão aferente ou

Leia mais

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS

FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Universidade Federal Fluminense Depto. Fisiologia e Farmacologia Disciplina de Farmacologia FÁRMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS Profa. Elisabeth Maróstica HIPERTENSÃO ARTERIAL PA = DC x RP HIPERTENSÃO ARTERIAL

Leia mais

A-Diuréticos inibidores da anidrase carbônica B-Diuréticos de alça ou potentes

A-Diuréticos inibidores da anidrase carbônica B-Diuréticos de alça ou potentes FÁRMACOS DIURÉTICOS São chamados diuréticos os fármacos que induzem ao aumento do fluxo urinário. Estes agentes são inibidores de transporte iônico, diminuindo a reabsorção de Na+. Como resultado o Na+

Leia mais

Sistema nervoso autonómico

Sistema nervoso autonómico Sistema nervoso autonómico SNS vs SNP O SN simpático prepara o corpo para a acção, o SN parassimpático regula o repouso e as funções vegetativas. Ambos os sistemas exercem um controlo fisiológico contínuo

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SEBASTIÃO ERNESTO TSA SBA HOSPITAL MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS GRUPO CAD SNA ANATOMIA E FISIOLOGIA ENCÉFALO CENTRAL MEDULA SISTEMA NERVOSO SOMÁTICO VIA AFERENTE VIA EFERENTE

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo. Homeostasia. Sistema Nervoso Autônomo SNA X MOTOR SOMÁTICO. Sistema Nervoso Autônomo 04/10/2011. Julliana Catharina

Sistema Nervoso Autônomo. Homeostasia. Sistema Nervoso Autônomo SNA X MOTOR SOMÁTICO. Sistema Nervoso Autônomo 04/10/2011. Julliana Catharina Universidade Federal do Ceará Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia Humana Você levanta subitamente de manhã, acordado pelo despertador. Sua cabeça que estava no mesmo nível

Leia mais

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Profa. Dra. Giani Cavalcante

FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Profa. Dra. Giani Cavalcante FARMACOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Profa. Dra. Giani Cavalcante ASPECTOS ANÁTOMO- FUNCIONAIS DO SNA FÁRMACOS COLINÉRGICOS E ANTICOLINÉRGICOS DEFINIÇÕES COLINÉRGICOS Drogas que mimetizam os efeitos

Leia mais

SISTEMA MOTOR VISCERAL

SISTEMA MOTOR VISCERAL SISTEMA MOTOR VISCERAL SOMÁTICO Aferente ou Sensorial Sistema Nervoso VISCERAL Eferente ou Motora Sistema Nervoso Autônomo Divisão Simpática Divisão Parassimpática Divisão Entérica Órgãos Viscerais Gerais

Leia mais

Principios Básicos de Fisiologia CardioVascular

Principios Básicos de Fisiologia CardioVascular Principios Básicos de Fisiologia CardioVascular Terminologia: crono-batmo-dromo-inotropismo cronotropismo automatismo (FC) batmotropismo excitabilidade em fibras especializadas dromotropismo velocidade

Leia mais

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica

Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica Avaliação/Fluxo Inicial Doença Cardiovascular e Diabetes na Atenção Básica 1 Proposta de Avaliação do Risco Cardiovascular na Atenção Básica Propõe-se a utilização da tabela de Framingham, para estratificação

Leia mais

Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica

Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica Fármacos que atuam no SNA afetando a neurotransmissão adrenérgica AGENTES ADRENÉRGICS E ANTIADRENÉRGICS Bibliografia G. L. Patrick. Drugs acting on the adrenergic nervous system. In: An Introduction to

Leia mais

Fisiologia e princípios pios do uso de vasopressores e inotrópicos. Pedro Grade

Fisiologia e princípios pios do uso de vasopressores e inotrópicos. Pedro Grade Fisiologia e princípios pios do uso de vasopressores e inotrópicos Pedro Grade Introdução Vasopressores induzem vasoconstrição Inotrópicos aumentam a contractilidade miocárdica A maioria dos fármacos f

Leia mais

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS)

Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Aula 9: Hipertensão arterial sistêmica (HAS) Pressão arterial O coração bombeia o sangue para os demais órgãos do corpo por meio de tubos chamados artérias. Quando o sangue é bombeado, ele é "empurrado

Leia mais

Farmacologia Autonômica colinérgica

Farmacologia Autonômica colinérgica Projeto: Atualização em Farmacologia Básica e Clínica Curso: Farmacologia Clínica do Sistema Nervoso Autônomo Farmacologia Autonômica colinérgica Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Doutor em Biotecnologia

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SNA Via motora autônoma neurovegetativa nível subcortical simpática e parassimpática SNA SNA opera por reflexos viscerais sinais sensitivos de partes do corpo enviam impulsos ao

Leia mais

PRINCIPAIS FÁRMACOS VASOATIVOS UTILIZADOS EM UTI E EMERGÊNCIA

PRINCIPAIS FÁRMACOS VASOATIVOS UTILIZADOS EM UTI E EMERGÊNCIA PRINCIPAIS FÁRMACOS VASOATIVOS UTILIZADOS EM UTI E EMERGÊNCIA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Enfermeiro Intensivista, especialista, mestre, doutorando. Docente da fensg/upe. Diretor do curso de enfermagem

Leia mais

Prof. Rodrigo Freitas

Prof. Rodrigo Freitas Sistema Nervoso Autônomo Prof. Rodrigo Freitas rodrigo_rfmb@yahoo.com.br DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO COM BASE EM CRITÉRIOS FUNCIONAIS 1 Sistema Nervoso Somático - Aferente Exterocepção está relacionado

Leia mais

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico

Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Resposta fisiológica do Sistema Cardiovascular Durante o Exercício Físico Jonas Alves de Araujo Junior Graduação: Universidade Estadual de Londrina- UEL Aprimoramento: Faculdade de Medicina de Botucatu-

Leia mais

U N I T XI. Chapter 60: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Organização do Sistema Nervoso Autônomo. Organização do sistema nervoso autônomo

U N I T XI. Chapter 60: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO. Organização do Sistema Nervoso Autônomo. Organização do sistema nervoso autônomo U N I T XI Textbook of Medical Physiology, 11th edition Chapter 60: SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO Slides by David J. Dzielak, Ph.D. GUYTON & HALL Organização do Sistema Nervoso Autônomo Sistema motor dos órgãos

Leia mais

Pressão Arterial. Pré-carga. Pós-carga. Volume Sistólico. Resistência Vascular Sistêmica

Pressão Arterial. Pré-carga. Pós-carga. Volume Sistólico. Resistência Vascular Sistêmica MV MSc. André Martins Gimenes Doutorando FMVZ-USP andremgimenes@usp.br Substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, diretos ou indiretos, atuando em pequenas doses

Leia mais

Farmacologia do S.N.Autônomo

Farmacologia do S.N.Autônomo Farmacologia do S.N.Autônomo Drogas Adrenérgicas e Antiadrenérgicas UNESP Dra. Flávia Cristina Goulart Campus de Marília fgeducar@marilia.unesp.br Catecolaminas Aminas simpatomiméticas ou adrenérgicas

Leia mais

Medicações do Sistema Cardiovascular. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente

Medicações do Sistema Cardiovascular. Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Medicações do Sistema Cardiovascular Disciplina Farmacologia Profª Janaína Santos Valente Dislipidemia Aterosclerose é o acúmulo de gordura nas paredes das artérias que irá diminuir o fluxo sanguíneo para

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo. Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP

Sistema Nervoso Autônomo. Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP Sistema Nervoso Autônomo Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP Diferenças entre SNMotor e SNAutônomo: a) função: controla funções involuntárias mediadas pela atividade de fibras musculares

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Prof. Dr. Oswaldo José Gola SISTEMA NERVOSO AUTONOMO - Sistema responsável pelo controle das funções viscerais como pressão arterial,

Leia mais

ANTIPARKINSONIANOS. FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho

ANTIPARKINSONIANOS. FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho ANTIPARKINSONIANOS FARMACOLOGIA II Prof. Ana Alice Universidade Nove de Julho MAL OU DOENÇA DE PARKINSON (DP) Caracterizado: Bradicinesia Rigidez muscular Tremor em repouso Desequilíbrio postural - distúrbios

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 AULA n.º: 1 Dia 27-09-2016 das 14:00 às 17:00 Ana Leonor Alves Ribeiro Apresentação: disciplina, docente, avaliação, programa, bibliografia. I - FARMACOLOGIA GERAL: 1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA FARMACOLOGIA

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Ms. Carolina Vicentini

FISIOLOGIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Ms. Carolina Vicentini FISIOLOGIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Ms. Carolina Vicentini Macro e Microcirculação Sistema Circulatório Macrocirculação Vasos de maior calibre Vasos de condução Microcirculação Vasos de menor calibre

Leia mais

FARMACOLOGIA 10 CONTINUAÇÃO DA AULA ANTERIOR

FARMACOLOGIA 10 CONTINUAÇÃO DA AULA ANTERIOR Aula 10 CONTINUAÇÃO DA AULA ANTERIOR Prazosina e outros antagonistas dos adrenoceptores α Nitroprussiato de Sódio Bloqueadores dos adrenoceptores ß Agentes inotrópicos positivos Anticoagulantes e antiarrítmicos

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA. AF Aveiro Formação de Treinadores

FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA. AF Aveiro Formação de Treinadores FISIOLOGIA CARDIORESPIRATÓRIA 3.1 Principais alterações genéricas da função cardiorespiratória na resposta aguda ao esforço aeróbio Exercício Físico Sistema Cardiovascular Sistema Respiratório Sistema

Leia mais

Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos.

Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos. Terça-feira, 24 de outubro de 2006. Profa. Cicilini. Simpatolíticos. Abordagem Simpatolíticos (definição, efeito principal e nomenclatura). a) Definição: são substâncias que inibem as respostas fisiológicas

Leia mais

USO DE ANESTÉSICOS LOCAIS EM PACIENTES COM ALTERAÇÕES CARDIOVASCULARES. COMO SELECIONAR UMA BASE ANESTÉSICA?

USO DE ANESTÉSICOS LOCAIS EM PACIENTES COM ALTERAÇÕES CARDIOVASCULARES. COMO SELECIONAR UMA BASE ANESTÉSICA? USO DE ANESTÉSICOS LOCAIS EM PACIENTES COM ALTERAÇÕES CARDIOVASCULARES. COMO SELECIONAR UMA BASE ANESTÉSICA? HISTÓRICO Niemen (1860): isolamento da cocaína Carl Koller (1884): uso como anestésico local

Leia mais

FARMÁCIA FARMACOLOGIA COLEÇÃO MANUAIS DA COORDENADORA AUTORES ANDRÉA MENDONÇA GUSMÃO

FARMÁCIA FARMACOLOGIA COLEÇÃO MANUAIS DA COORDENADORA AUTORES ANDRÉA MENDONÇA GUSMÃO COLEÇÃO MANUAIS DA FARMÁCIA 1 FARMACOLOGIA COORDENADORA ANDRÉA MENDONÇA GUSMÃO AUTORES FABRÍCIO SOUZA SILVA PEDRO MODESTO NASCIMENTO MENEZES MATHEUS SANTOS DE SÁ SUMÁRIO FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA

Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Prof. Ms. SANDRO de SOUZA Sistema Cardiovascular Função: distribuição do O2 e dos nutrientes; remoção do CO2 e de outros resíduos metabólicos; transporte de hormônios; termorregulação; manutenção do equilíbrio

Leia mais

Antiinflamatórios 21/03/2017. Córtex da SR. Fascicular: Glicocorticoides Cortisol AINES. Esteroidais. Hormônios da SR

Antiinflamatórios 21/03/2017. Córtex da SR. Fascicular: Glicocorticoides Cortisol AINES. Esteroidais. Hormônios da SR Glicocorticoides Antiinflamatórios AINES Esteroidais Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Corticosteroides - Glicorticoides Hormônios da SR Medular: SNA (Adrenalina) Córtex: Corticosteróides

Leia mais

CATECOLAMINAS. 2. Pesquise qual o princípio activo da droga de abuso Ecstasy e descreva o seu mecanismo de acção e efeitos associados (sucintamente!).

CATECOLAMINAS. 2. Pesquise qual o princípio activo da droga de abuso Ecstasy e descreva o seu mecanismo de acção e efeitos associados (sucintamente!). A. Professor Luís Figueira CATECOLAMINAS 1. Que substância tem analogia, em termos de actuação no neurónio pós-ganglionar simpático, com o vesamicol no neurónio pós-ganglionar parassimpático? 2. Pesquise

Leia mais

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Disciplina de Fisiologia Veterinária CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Mecanismos de Controle da Pressão Arterial Mecanismos Locais Mecanismos Neurais Mecanismos Humorais

Leia mais

Hormônios da Adrenal

Hormônios da Adrenal PCI de Endócrino e Reprodutor Hormônios da Adrenal Elizabeth S. Yamada (esyamada@ufpa.br) MEDULA ADRENAL CATECOLAMINAS: ADRENALINA E NORADRENALINA 1 Fisiologia da Adrenal Fisiologia da Adrenal 2 Medula

Leia mais

Fármacos com Ação na Rinite Alérgicas, Asma e Tosse

Fármacos com Ação na Rinite Alérgicas, Asma e Tosse UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Farmácia Fármacos com Ação na Rinite Alérgicas, Asma e Tosse Química Farmacêutica III Fármacos com Ação na Rinite Alérgicas,

Leia mais

Medicação Pré-anestésica Medicação Pré-anestésica (MPA) Medicação Pré-anestésica Considerações Importantes

Medicação Pré-anestésica Medicação Pré-anestésica (MPA) Medicação Pré-anestésica Considerações Importantes ! (MPA)! Introdução! Auxiliar a contenção do paciente, modificando seu comportamento! Reduzir o estresse! Promover analgesia e miorrelaxamento! Potencializar fármacos indutores anestésicos! Minimizar os

Leia mais

Cuidado Farmacêutico na Hipertensão

Cuidado Farmacêutico na Hipertensão Cuidado Farmacêutico na Hipertensão Walleri Reis, BPharm, MSc Ambulatório de Atenção Farmacêutica do Hospital de Clínicas. Laboratório de Serviços Clínicos e Evidências em Saúde. Universidade Federal do

Leia mais

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS FARMACOLOGIA CARDIOVASCULAR Prof. Márcio Batista Powerpoint Templates Page 1 Powerpoint Templates Page 2 A N T I - H I P E R T E N S I V O S MECANISMOS DE CONTROLE DA PRESSÃO

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Fisiologia Humana I SISTEMA CARDIOVASCULAR Fisiologia Humana I Fornecer e manter suficiente, contínuo e variável o fluxo sanguíneo aos diversos tecidos do organismo, segundo suas necessidades metabólicas para desempenho das

Leia mais

Urticaria 22/05/2016. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios

Urticaria 22/05/2016. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios Autacóides Autacóides patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia processos alérgicos: reações leves - cutâneas reações fatais:

Leia mais

Farmacologia Cardiovascular. Aula: Anti-hipertensivos. José Eduardo Tanus dos Santos Professor - Depto. Farmacologia - FMRP USP

Farmacologia Cardiovascular. Aula: Anti-hipertensivos. José Eduardo Tanus dos Santos Professor - Depto. Farmacologia - FMRP USP Farmacologia Cardiovascular Aula: Anti-hipertensivos José Eduardo Tanus dos Santos Professor - Depto. Farmacologia - FMRP USP Classes de anti-hipertensivos Diuréticos Antagonistas adrenérgicos Vasodilatadores

Leia mais

Sistema Nervoso Autônomo. Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP

Sistema Nervoso Autônomo. Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP Sistema Nervoso Autônomo Profa Dra Eliane Comoli Depto Fisiologia da FMRP - USP ROTEIRO DE AULA TEÓRICA : SISTEMA AUTÔNOMO 1. Divisões do Sistema Nervoso Autônomo: SNSimpático SNParassimpático SNEntérico

Leia mais

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea

Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo e da Pressão Sanguínea Controle do Fluxo Sanguíneo Controle Local Dependente da necessidade metabólica dos tecidos Controle agudo e a longo prazo Controle Humoral Desempenhado por substâncias

Leia mais

ANTI-ARRÍTMICOS TMICOS

ANTI-ARRÍTMICOS TMICOS 2. FÁRMACOSF ANTI-ARRÍTMICOS TMICOS INTRODUÇÃ ÇÃO Nódulo sinusal (marcapasso cardíaco) aco) Causas de arritmias: Distúrbios da funçã ção o do nódulon sinusal Alteraçõ ções do automatismo Conduçã ção o

Leia mais

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani

AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA. Profª Tatiani AULA-9 PRESSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Tatiani Na circulação sistêmica, as artérias tem o papel de distribuir o sangue com oxigênio e demais nutrientes( glicose, aminoácidos, ácido graxo, vitaminas, sais

Leia mais

MODELO DE BULA. Solução injetável USO ADULTO E PEDIÁTRICO

MODELO DE BULA. Solução injetável USO ADULTO E PEDIÁTRICO MODELO DE BULA Dopabane cloridrato de dopamina Solução injetável IV Forma farmacêutica e apresentação Solução injetável: Embalagem com 10 ampolas de 10 ml. Composição USO ADULTO E PEDIÁTRICO Cada ml da

Leia mais

30/03/2015. Nervos T1 a L2. Síntese de Adrenalina e Noradrenalina

30/03/2015. Nervos T1 a L2. Síntese de Adrenalina e Noradrenalina Farmacologia do Sistema ervoso Autônomo Adrenérgico Prof. Dr. Gilda Angela eves UFRJ 2015 1 ervos T1 a L2 Síntese de Adrenalina e oradrenalina 2 Receptores Adrenalina/oradrenalina Receptores Metabotrópicos

Leia mais

Farmacologia Adrenérgica

Farmacologia Adrenérgica 9 Farmacologia Adrenérgica Freddie M. Williams e Timothy J. Turner Introdução Caso Bioquímica e Fisiologia da Função Adrenérgica Síntese, Armazenamento e Liberação das Catecolaminas Recaptação e Metabolismo

Leia mais

Síndrome Cardiorrenal. Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica

Síndrome Cardiorrenal. Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica Leonardo A. M. Zornoff Departamento de Clínica Médica Definição Interação entre coração e rim, em que o comprometimento de um órgão está associado ao comprometimento do outro Apresentações Clínicas Cardíaca

Leia mais

Choque hipovolêmico: Classificação

Choque hipovolêmico: Classificação CHOQUE HIPOVOLÊMICO Choque hipovolêmico: Classificação Hemorrágico Não-hemorrágico Perdas externas Redistribuição intersticial Choque hipovolêmico: Hipovolemia Fisiopatologia Redução de pré-carga Redução

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Aula 4 Fisiologia do Esforço Prof. Dra. Bruna Oneda 2016

Sistema Cardiovascular. Aula 4 Fisiologia do Esforço Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 Sistema Cardiovascular Aula 4 Fisiologia do Esforço Prof. Dra. Bruna Oneda 2016 O coração O coração Órgão muscular oco que se localiza no meio do peito, sob o osso esterno, ligeiramente deslocado para

Leia mais

INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES

INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES INFLAMAÇÃO E SEUS MEDIADORES INFLAMAÇÃO Estereotipia Mobilização Substâncias endógenas Inflammation as a multimedated phenomenon, of a pattern type in which all mediators would come and go at the appropriate

Leia mais

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017

Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo. Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 Drogas que atuam no Sistema Nervoso Autônomo Astria Dias Ferrão Gonzales 2017 SNC Todos os estímulos do nosso ambiente causam, nos seres humanos, sensações como dor e calor. Todos os sentimentos, pensamentos,

Leia mais

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? COMO CONTROLAR HIPERTENSÃO ARTERIAL? Profa. Dra. Rosália Morais Torres VI Diretrizes Brasileiras de hipertensão arterial Arq Bras Cardiol 2010; 95 (1 supl.1): 1-51 HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS)

Leia mais

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema

Sistema Cardiovascular. Prof. Dr. Leonardo Crema Sistema Cardiovascular Prof. Dr. Leonardo Crema Visão Geral do Sistema Circulatório: A função da circulação é atender as necessidades dos tecidos. Sistema Circulartório= Sistema Cardiovascular É uma série

Leia mais

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando

A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando Antidepressivos A depressão é uma doença que afeta: o bem estar físico provocando cansaço, alterações no sono e mudanças de apetite. o bem estar mental provocando alterações de ânimo, no pensamento e no

Leia mais

d) Aumento da atividade da bomba hidrogênio-potássio e) Aumento da atividade da fosfatase miosínica

d) Aumento da atividade da bomba hidrogênio-potássio e) Aumento da atividade da fosfatase miosínica 1. O automatismo cardíaco é gerado pela atividade do nodo sinusal. Essa função é fundamental para a manutenção da vida e para um fluxo sanguíneo adequado aos tecidos. As células auto-excitáveis do nodo

Leia mais

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL PRESSÃO ALTA?

O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL PRESSÃO ALTA? COMO EU TRATO? O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL OU PRESSÃO ALTA? MINISTÉRIO DA SAÚDE Coordenação de Doenças Crônico-Degenerativas Hipertensão Arterial ou Pressão Alta é quando a pressão que o sangue faz na

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais

Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Mantém pressão sanguínea e garante adequada perfusão e função dos tecidos corporais Pressão Arterial = Débito Cardíaco x Resistência Vascular Periférica Débito Cardíaco = Frequência Cardíaca x Volume Sistólico

Leia mais

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI

Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Sumário ANEXO I COMUNICADO HERMES PARDINI Conteúdo PARVOVÍRUS B19 IgG e IgM, ANTICORPOS ANTI ALTERAÇÃO NA DESCRIÇÃO DO VALOR DE REFERÊNCIA... 2 CATECOLAMINAS FRAÇÕES ALTERAÇÕES NO EXAME... 3 ÍNDICE DE

Leia mais

HISTAMINA E ANTI-HISTAMÍNICOS

HISTAMINA E ANTI-HISTAMÍNICOS HISTAMINA E ANTI-HISTAMÍNICOS 1 A histamina é produzida pela descarboxilação do aminoácido histidina pela enzima histidinadescarboxilase, enzima presente nas células de todo organismo, inclusive nas células

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

Fármacos com atuação no sistema nervoso central e autônomo

Fármacos com atuação no sistema nervoso central e autônomo Fármacos com atuação no sistema nervoso central e autônomo CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS NERVOSO E CARDIORRESPIRATÓRIO Profa. MSc. Ângela Cristina Ito Diálogo aberto Thiago, Lucas e Gustavo estavam

Leia mais

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios Autacóides Auto: próprio Autacóides Akos: remédio São substâncias que atuam em Prof. Herval de Lacerda Bonfante processos fisiológicos e patológicos Autacóides Urticaria patológicos: processos alérgicos

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Fármacos que afetam as funções renal e cardiovascular 2 As doenças cardiovasculares podem resultar de defeitos congênitos ou doenças e hábitos adquiridos posteriormente.

Leia mais

DROGAS VASOATIVAS. ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE

DROGAS VASOATIVAS. ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE Introdução Drogas vasoativas é a denominação dada aos medicamentos que têm a propriedade de atuar no endotélio vascular

Leia mais

Respostas cardiovasculares ao esforço físico

Respostas cardiovasculares ao esforço físico Respostas cardiovasculares ao esforço físico Prof. Gabriel Dias Rodrigues Doutorando em Fisiologia UFF Laboratório de Fisiologia do Exercício Experimental e Aplicada Objetivos da aula 1. Fornecer uma visão

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Florianópolis, de 20 a 24 de setembro de 2006 CONTROLE NEURAL DO CORAÇÃO E DA CIRCULAÇÃO Roberto Henrique Heinisch UFSC/UNISUL Objetivos do Controle

Leia mais

antianginoso; antienxaqueca; antiarrítmico (classe II); pós-infarto do miocárdio Forma Farmacêutica e Apresentação: Propranolol 40 mg, em

antianginoso; antienxaqueca; antiarrítmico (classe II); pós-infarto do miocárdio Forma Farmacêutica e Apresentação: Propranolol 40 mg, em Nome Genérico: cloridrato de propranolol, Classe Química: bloqueador β-adrenérgico não seletivo Classe Terapêutica: betabloqueador simples, anti-hipertensivo; antianginoso; antienxaqueca; antiarrítmico

Leia mais

CINTILOGRAFIA COM I-MIBG 123

CINTILOGRAFIA COM I-MIBG 123 CINTILOGRAFIA COM I-MIBG 123 PREPARO Não é necessário Jejum. Informar o nome dos medicamentos de uso contínuo para avaliar a necessidade de suspensão ou substituição. Fazer o uso de xarope de Iodeto de

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física Atividade Física e Hipertensão Disciplina Atividade Física e Saúde Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior Pressão Arterial A prevalência

Leia mais

Atividade Física e Cardiopatia

Atividade Física e Cardiopatia AF e GR ESPECIAIS Cardiopatia Atividade Física e Cardiopatia Prof. Ivan Wallan Tertuliano E-mail: ivantertuliano@anhanguera.com Cardiopatias Anormalidade da estrutura ou função do coração. Exemplos de

Leia mais

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia

Fármacos antidepressivos. Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Introdução Depressão é um dos transtornos psiquiátricos mais comuns Classificação Depressão

Leia mais

Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício

Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Departamento de Fisiologia Laboratório de Farmacologia Cardiovascular - LAFAC Adaptações cardiovasculares agudas e crônicas ao exercício Prof. André Sales Barreto Desafio

Leia mais

Formas farmacêuticas e apresentações Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg.

Formas farmacêuticas e apresentações Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. VISKEN pindolol Formas farmacêuticas e apresentações Comprimidos. Embalagens com 20 comprimidos de 5 mg ou 10 mg. USO ADULTO Composição Cada comprimido de 5 ou 10 mg contém, respectivamente, 5 ou 10 mg

Leia mais

Antipsicóticos 27/05/2017. Tratamento farmacológico. Redução da internação. Convivio na sociedade. Variedade de transtornos mentais

Antipsicóticos 27/05/2017. Tratamento farmacológico. Redução da internação. Convivio na sociedade. Variedade de transtornos mentais Psicofarmacologia Antipsicóticos Psicose Variedade de transtornos mentais Delírios (crenças falsas) Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Vários tipos de alucinações Esquizofrenia:

Leia mais

AGENTES INOTRÓPICOS E CRONOTRÓPICOS POSITIVOS

AGENTES INOTRÓPICOS E CRONOTRÓPICOS POSITIVOS AGENTES INOTRÓPICOS E CRONOTRÓPICOS POSITIVOS SANTOS, Luana Maria. MAIA JR., João Francisco TOZZETTI, Danilo Soares. BIAZOTTO, Gabriel. Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FAMED/Garça.

Leia mais

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO

BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FUNÇÃO CARDIO-VASCULAR E EXERCÍCIO Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD 1 Qual é o objetivo funcional do sistema CV? Que indicador fisiológico pode ser utilizado para demonstrar

Leia mais

A D R E N A L I N A a molécula da ação

A D R E N A L I N A a molécula da ação A D R E N A L I N A a molécula da ação Quando levamos um susto ou praticamos um esporte radical, milhares de estruturas iguais a esta são liberadas em nossa corrente sanguínea. O nosso organismo, então,

Leia mais

I Curso de Férias em Fisiologia - UECE

I Curso de Férias em Fisiologia - UECE I Curso de Férias em Fisiologia - UECE Realização: Instituto Superior de Ciências Biomédicas Mestrado Acadêmico em Ciências Biológicas Apoio: 1 SISTEMA CARDIOVASCULAR Laboratório de Farmacologia Cardio-Renal

Leia mais

Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial

Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial Integração: Regulação da volemia e fisiopatologia da hipertensão arterial Introdução Os mecanismos de regulação da pressão arterial a longo prazo são mecanismos hormonais e fundamentalmente ligados à volemia.

Leia mais