FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;"

Transcrição

1 CONCEITOS PRELIMINARES Remédio; Medicamentos; Medicação; Fármaco; Droga; Eventos Adversos de Medicamentos (EAM). EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM Associado ou não à um dano ao paciente. É o caminho que o medicamento faz no organismo. Não se trata do estudo do seu mecanismo de ação, mas sim as etapas que o medicamento sofre desde a administração até a excreção, que são: EXCREÇÃO BIOTRANSFORMAÇÃO DISTRIBUIÇÃO ABSORÇÃO FARMACODINÂMICA ABSORÇÃO: transferência do medicamento do local de administração para a corrente sanguínea. DISTRIBUIÇÃO: deslocamento do medicamento da circulação sistêmica para o local de ação. BIOTRANSFORMAÇÃO: fragmentação do medicamento. Ação do medicamento na molécula alvo; Estudo de ações e efeitos de fármacos e seus mecanismos de ação no organismo. EXCREÇÃO: eliminação do medicamento. 1

2 SISTEMA NERVOSO AUTONOMO ORGANISMO DROGA SISTEMA NERVOSO AUTONOMO SIMPÁTICO PARASSIMPÁTICO VIA DE ADIMINISTRAÇÃO FARMACODINÂMICA ABSORÇÃO AÇÕES OPOSTAS COMPLEMENTARES LOCAIS DE AÇÃO DISTRIBUIÇÃO MECANISMO DE AÇÃO BIOTRANSFORMAÇÃO MANUTENÇÃO DA HOMEOSTASE EFEITOS ELIMINAÇÃO SCV SR SGU TGI SE RECEPTOR LOCALIZAÇÃO AÇÃO Dopaminérgicos Coração Vasos, Rins Vasodilatação renal, aumenta a taxa de filtração glomerular, vasodilatação coronariana, diurese e excreção de Na. Alfa 1 Vasos Vasoconstrição arterial, aumento da PA, aumento da perfusão coronariana e cerebral Alfa 2 Vasos Coração Vasoconstrição e aumento da PA Inibição da liberação de insulina Beta 1 Coração Aumento da contratilidade cardíaca, FC, força, condução, secreção de renina Beta 2 Vasos, Coração Pulmão Vasodilatação m. esquelética e renal, broncodilatação, relaxamento MM lisa uterina Adaptado: CHERGATTI,AMORIM, 2011 CATECOLAMINAS Substâncias que apresentam efeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, sejam eles diretos ou indiretos. Atuam em pequenas doses e com respostas dose dependente de efeito rápido e curto, através de receptores situados no endotélio vascular. Exibem efeitos de acordo com a dose utilizada, podendo estimular receptores alfa, beta e dopa. Essa drogas são, então, classificadas em alfa adrenérgicas, beta adrenérgicas e dopaminérgicas ou mistas, de acordo com o predomínio de receptores sensibilizados. Noradrenalina Adrenalina Dopamina Dobutamina 2

3 O uso de drogas com ação vasodilatadora é comumente empregado no tratamento das emergências hipertensivas e como auxiliares no tratamento de choque circulatório. Nitropussiato de sódio Nitratos DROGA α 1 β 1 β 2 DA Noradrenalina Adrenalina Dopamina 0 a 3 µg/kg/min a 10µg/Kg/min > 10 µg/kg/min Dobutamina mínima afinidade com o receptor ++++ máxima afinidade com receptor - Não se aplica Adaptado: RODRIGUES; MIRANDA; SECOLI, Drogas Vasoativas Hormônio endógeno em resposta ao estresse, atua sobre o miocárdio, músculos vasculares e outros músculos lisos. Exerce ação broncodilatadora; ph: 2,5 5,0 Potente efeito em receptores α, β 1 e β 2, produzindo efeitos cronotrópicos e inotrópicos positivos: Aumento da automaticidade; Aumento da FC (cronotropismo); Aumento da contratilidade (inotropismo); Aumento da PA; Aumento do fluxo coronariano. Estados de choque circulatório que não respondem às outras catecolaminas menos potentes, em particular no choque cardiogênico e distributivo; Broncoespamos severos; Estados de mal asmático; RCP; Casos graves de anafilaxia. E a atropina??? Diluição: SG 5%, SF0,9%, SG 10%, Estabilidade: 24 horas; Início de ação: imediato; Meia vida: 3 minutos; Desmame deve ser lento e gradual para evitar hipotensão. Via subcutânea: absorção lenta (vasoconstrição); Via intramuscular: absorção rápida. Cuidado - NECROSE 3

4 Adrenalina via TOT Os níveis no sangue são menores do que quando administrado por via venosa; Menor taxa de recuperação do ritmo; As doses são incertas; Sugere-se doses 2 a 3 vezes maior do que as utilizadas por via venosa e diluídas em solução salina 0,9% 5 a 10 ml ; Efeitos adversos Excitação, ansiedade, arritmias ventriculares, isquemia de extremidades, crise hipertensiva, vasoconstrição renal (oligúria), aumento do consumo de O 2 pelo miocárdio, edema agudo do pulmão, hiperglicemia, angina, hemorragia cerebral, shunt intrapulmonar, fobia, cefaleia e palpitações. ALTAS CONCENTRAÇÕES: hiperglicemia, hipocalemia e redução da concentração de insulina. CUIDADOS ESPECIAIS Associada a hipoglicemiantes orais e insulina, há necessidade de correção da posologia, pois a adrenalina causa hiperglicemia; Associada a antidepressivos, hormônios da tireoide e alguns anti-histamínicos pode potencializar os efeitos da adrenalina; Associada a digitálicos ocorre a possibilidade de arritmias (sensibilização miocárdica). 1 ampola de 4 ml /4mg Principal neurotransmissor do sistema nervoso simpático; Ação em receptores α e β; Sua ação resulta em aumento da PA sistólica e diastólica, aumento da RVS e da contratilidade cardíaca; Aumenta necessidade de suporte de O 2; Fluxo sanguíneo renal : oligúria (associação de dopa?) NORAEPINEFRINA 1 ampola de 4 ml /4mg Indicações: Sepse; Choque cardiogênico por IAM; Estados de hipotensão em pacientes com baixa RVP; pós RCP; Contra indicada: estados de hipotensão causados por hipovolemia. Diluição: SG 5%, SF0,9%, SG 10%. Instável em soluções alcalinas. Estabilidade: 24 horas. ph: 3,0 4,5. EFEITOS ADVERSOS Elevação da PA em níveis indesejáveis - bradicardia reflexa e riscos de hemorragia intracraniana; Vasoconstrição periférica e visceral; Necrose tissular ulceração cutânea; Ansiedade, agitação, cefaléia; Taquicardia arritmia ventricular ou supraventricular; Isquemia miocárdica; Tremores, náuseas; Isquemia de extremidades. 4

5 É uma catecolamina endógena precursora imediata da síntese de norepinefrina e possui propriedade de interagir com os receptores dopaminérgicos e adrenérgicos. Indicada para tratamento de falência cardíaca, choque cardiogênico e em qualquer situação de choque circulatório associada a vasodilatação sistêmica. 5

DROGAS VASOATIVAS. ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE

DROGAS VASOATIVAS. ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO I FACULDADE PITÁGORAS BETIM PROFa DANIELE REZENDE Introdução Drogas vasoativas é a denominação dada aos medicamentos que têm a propriedade de atuar no endotélio vascular

Leia mais

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR Aula 6 DÉBITO CARDÍACO

Leia mais

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO

SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO SNA Via motora autônoma neurovegetativa nível subcortical simpática e parassimpática SNA SNA opera por reflexos viscerais sinais sensitivos de partes do corpo enviam impulsos ao

Leia mais

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Disciplina de Fisiologia Veterinária CONTROLE DO SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli Mecanismos de Controle da Pressão Arterial Mecanismos Locais Mecanismos Neurais Mecanismos Humorais

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO. Drogas vasoativas - Uso racional. JULIO CESAR L. DA FONSECA Hospital Cardiobarra INTRODUÇÃO

ARTIGO DE REVISÃO. Drogas vasoativas - Uso racional. JULIO CESAR L. DA FONSECA Hospital Cardiobarra INTRODUÇÃO ARTIGO DE REVISÃO 7 Drogas vasoativas - Uso racional JULIO CESAR L. DA FONSECA Hospital Cardiobarra INTRODUÇÃO A utilização de drogas vasoativas no suporte farmacológico de pacientes críticos, baseia-se

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada de Choque Síndrome caracterizada por uma incapacidade do sistema

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola

CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO. Prof. Dr. Oswaldo José Gola CURSO DE IRIDOLOGIA APRESENTANDO SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO Prof. Dr. Oswaldo José Gola SISTEMA NERVOSO AUTONOMO - Sistema responsável pelo controle das funções viscerais como pressão arterial,

Leia mais

CIRCULAÇÕES ESPECIAIS

CIRCULAÇÕES ESPECIAIS Disciplina de Fisiologia Veterinária CIRCULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Prof. Fabio Otero Ascoli DÉBITO CARDíACO e sua distribuição durante o repouso e o exercício Obs: Foram desenvolvidos sistemas sofisticados

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF)

Conselho Federal de Farmácia (CFF) Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim/CFF) Nota Técnica n.º 01/2014 Data de elaboração: 26 de fevereiro de 2014. Tartarato de metoprolol e succinato de metoprolol apresentam diferenças farmacocinéticas, não sendo possível a intercambialidade entre

Leia mais

Anapen 300 microgramas em 0,3 ml de solução injetável, em seringa pré-cheia

Anapen 300 microgramas em 0,3 ml de solução injetável, em seringa pré-cheia RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Anapen 300 microgramas em 0,3 ml de solução injetável, em seringa pré-cheia 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada mililitro contém

Leia mais

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais.

Encéfalo. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central. Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. Aula 3-Fisiologia Fisiologia do Sistema Nervoso Central Sidney Sato, MSC Encéfalo Recebe informações da periferia e gera respostas motoras e comportamentais. 1 Áreas de Brodmann Obs: Áreas 1,2,3 : área

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO TRATAMENTO. Prof. Diogo Mayer Fernandes Patologia e Clínica Cirúrgica I Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados

FISIOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO TRATAMENTO. Prof. Diogo Mayer Fernandes Patologia e Clínica Cirúrgica I Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados FISIOPATOLOGIA DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Prof. Diogo Mayer Fernandes Patologia e Clínica Cirúrgica I Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera Dourados EVENTO FISIOLÓGICO (CAUSAS E DOENÇAS CLÍNICA) CONDIÇÕES:

Leia mais

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não

Ansiedade. Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Ansiedade Estado de tensão,apreensão ou inquietude,com causa iden4ficável ou não Manifestações somá4cas freqüentemente associadas:(palpitação torácica,sudorese,tremores Ansiedade Manifestações leves ou

Leia mais

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO HIPONATREMIA Dosagem de sódio ( Na ) sérico < 130mEq/L Oferta hídrica aumentada; Baixa oferta de sódio; Redistribuição osmótica de água ( p.ex. hiperglicemia); Excreção

Leia mais

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios Autacóides Auto: próprio Autacóides Akos: remédio São substâncias que atuam em Prof. Herval de Lacerda Bonfante processos fisiológicos e patológicos Autacóides Urticaria patológicos: processos alérgicos

Leia mais

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais:

Farmacologia. Farmacologia. Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos. efeitos dos fármacos. É dividida em duas áreas principais: Farmacologia Farmacologia Estuda os aspectos bioquímicos e fisiológicos dos efeitos dos fármacos Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle É dividida em duas áreas principais: Farmacocinética Farmacodinâmica 1 Farmacocinética

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar 1 SISTEMA CARDIOVASCULAR 2 Funções Gerais: Transporte de gases respiratórios:o sangue carrega oxigênio dos pulmões para as células do corpo e dióxido de carbono das células para aos pulmões. Transporte

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático.

Sistema Involuntário. Controla e Modula as Funções Viscerais. Neurônio Pré Ganglionar. Neurônio Pós Ganglionar. Parassimpático. Sistema Nervoso Autônomo SNA Sistema Involuntário Controla e Modula as Funções Viscerais Neurônio Pré Ganglionar Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Neurônio Pós Ganglionar Simpático

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física Atividade Física e Hipertensão Disciplina Atividade Física e Saúde Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior Pressão Arterial A prevalência

Leia mais

Bromocriptina mesilato

Bromocriptina mesilato Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 32 H 40 BrN 5 O 5.CH 4 O 3 S Peso molecular: 750.72 DCB/ DCI: 01466 - mesilato de bromocriptina / 3365 CAS: 22260-51-1 INCI: não aplicável Sinonímia:

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

05 de junho Dia Mundial do Meio Ambiente

05 de junho Dia Mundial do Meio Ambiente 05 de junho Dia Mundial do Meio Ambiente Aero-Cardiologia - Poluição Aérea e Doenças Cardiovasculares Prof. Dr. Evandro Tinoco Mesquita LIGA DE CIÊNCIAS CARDIOVASCULARES DA UFF Poluição & Doenças Cardiovasculares

Leia mais

Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO. Taquiarritmias. Bradiarritmias. Supraventriculares. Ventriculares

Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO. Taquiarritmias. Bradiarritmias. Supraventriculares. Ventriculares Arritmias Cardíacas CLASSIFICAÇÃO Bradiarritmias Taquiarritmias Supraventriculares Ventriculares Sinusal Atrial Juncional Fibrilação Atrial Flutter Atrial Paroxística Supraventricular Ventricular (Torsades

Leia mais

Distúrbios hemodinâmicos

Distúrbios hemodinâmicos Distúrbios hemodinâmicos DISTÚRBIOS HEMODINÂMICOS Distúrbios que acometem a irrigação sanguínea e o equilíbrio hídrico Alterações hídricas intersticiais: - Edema Alterações no volume sanguíneo: - Hiperemia,

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

CONFLITOS DE INTERESSE:

CONFLITOS DE INTERESSE: CONFLITOS DE INTERESSE: Altair Marcelo Tavares, MD Psiquiatra Psicogeriatra Psicoterapeuta Diretor de Comunicação do Curso de Especialização em Psiquiatria do Centro de Estudos Cyro Martins - CCYM O PREÇO

Leia mais

Angipress CD. Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg

Angipress CD. Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg Angipress CD Biosintética Farmacêutica Ltda. comprimidos 50 mg + 12,5 mg 100 mg + 25 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ANGIPRESS CD atenolol

Leia mais

METHERGIN maleato de metilergometrina

METHERGIN maleato de metilergometrina METHERGIN maleato de metilergometrina Formas farmacêuticas e apresentações Solução injetável. Embalagens com 50 ampolas de 1 ml. Drágeas. Embalagens com 12 drágeas de 0,125 mg. USO ADULTO Composição Cada

Leia mais

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel

Pressão Arterial. Profª. Claudia Witzel Pressão Arterial Profª. Claudia Witzel Pressão do sangue Quando o volume de sangue que sai do coração é maior do que o determinado pela Organização Mundial de Saúde, ou seja, acima de 130 x 85 mmhg. A

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

Água o componente fundamental!

Água o componente fundamental! Ms. Sandro de Souza Água o componente fundamental! Claude Bernard, no século XIX, foi o primeiro fisiologista a elucidar a quantidade de líquidos no corpo humano. Posteriormente os líquidos foram compartimentalizados

Leia mais

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico

Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Farmacologia do sistema nervoso autônomo adrenérgico Sistema nervoso autônomo Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central cérebro e medula espinhal Sistema

Leia mais

O humano e o ambiente

O humano e o ambiente Aula 01 O humano e o ambiente O ser humano é formado por um conjunto de células. Um conjunto de células forma os tecidos. Um conjunto de tecidos forma os órgãos. Um conjunto de órgão forma os sistemas.

Leia mais

Ergotrate. maleato de ergometrina

Ergotrate. maleato de ergometrina Ergotrate maleato de ergometrina 0,2 mg Comprimido Biolab Sanus Farmacêutica Ltda MODELO DE BULA DO PACIENTE Ergotrate maleato de ergometrina IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES: Comprimido 0,2

Leia mais

Bradicardias. Dr. Joubert Ariel Pereira Mosquéra. Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial Hospital do Coração do Brasil

Bradicardias. Dr. Joubert Ariel Pereira Mosquéra. Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial Hospital do Coração do Brasil Bradicardias Dr. Joubert Ariel Pereira Mosquéra Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial Hospital do Coração do Brasil Bradicardias Absoluta Frequência cardíaca < 60 bpm (

Leia mais

Curso Preparatório para Residência de Enfermagem-2012 Arritmias Cardíacas

Curso Preparatório para Residência de Enfermagem-2012 Arritmias Cardíacas Curso Preparatório para Residência de Enfermagem-2012 Arritmias Cardíacas Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Objetivos. Identificar no ECG as arritmias mais comuns;. Associar o traçado eletrocardiográfico

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro:

Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: TROCAS GASOSAS E CONTROLE DO TRANSPORTE DE GASES Objetivo: Estudar os mecanismos fisiológicos responsáveis pelas trocas gasosas e pelo controle do transporte de gases Roteiro: 1. Trocas gasosas 1.1. Locais

Leia mais

ATENSINA cloridrato de clonidina Comprimidos 0,100 mg Comprimidos 0,150 mg Comprimidos 0,200 mg

ATENSINA cloridrato de clonidina Comprimidos 0,100 mg Comprimidos 0,150 mg Comprimidos 0,200 mg ATENSINA cloridrato de clonidina Comprimidos 0,100 mg Comprimidos 0,150 mg Comprimidos 0,200 mg ATENSINA PROFISSIONAL Atensina cloridrato de clonidina abcd APRESENTAÇÕES Comprimidos de 0,100 mg, 0,150

Leia mais

LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO

LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO LEIS GERAIS DA CIRCULAÇÃO E PROPRIEDADES DO CORAÇÃO Mário Gomes Marques Instituto de Fisiologia da F.M.L. Director: Prof. Luis Silva-Carvalho CIRCULAÇÃO - Funções Transporte de oxigénio, nutrientes, hormonas

Leia mais

Manutenção do ph do sangue

Manutenção do ph do sangue Manutenção do ph do sangue Muitos dos fluidos biológicos, quer no interior, quer no exterior das células, apresentam intervalos de ph muito apertados, ou seja um valor de ph praticamente constante, uma

Leia mais

MAXIBELL. Solução Oftálmica Estéril. nitrato de nafazolina (0,5 mg/ml) sulfato de zinco (4 mg/ml) LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA.

MAXIBELL. Solução Oftálmica Estéril. nitrato de nafazolina (0,5 mg/ml) sulfato de zinco (4 mg/ml) LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. MAXIBELL LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril nitrato de nafazolina (0,5 mg/ml) sulfato de zinco (4 mg/ml) COLÍRIO MAXIBELL nitrato de nafazolina 0,05% sulfato de zinco

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 11 SISTEMA ENDÓCRINO Como pode cair no enem Os mecanismos de autorregulação que levam à homeostase, para garantir um equilíbrio dinâmico, implicam retroalimentação (feedback),

Leia mais

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos.

Absorção e distribuição de drogas. Medicamentos. Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Absorção e distribuição de drogas Medicamentos Medicamento é qualquer agente químico que, administrado no organismo vivo, produz efeitos benéficos. Droga é qualquer substância que, administrada no organismo

Leia mais

Aula: Sistemas Reguladores II. Sistema Endócrino

Aula: Sistemas Reguladores II. Sistema Endócrino Aula: Sistemas Reguladores II Sistema Endócrino PROFESSOR: Brenda Braga DATA:29/05/2014 Sistema Endócrino Formado pelo conjunto de Glândulas Endócrinas Responsáveis pela secreção de hormônios. Apenas algumas

Leia mais

Metabolismo e produção de calor

Metabolismo e produção de calor Fisiologia 5 Metabolismo e produção de calor Iniciando a conversa Apenas comer não é suficiente: o alimento precisa ser transformado (metabolizado) para ser aproveitado por nosso organismo. Açúcares (carboidratos),

Leia mais

BULA DE CORGARD 40 E 80 mg comprimidos

BULA DE CORGARD 40 E 80 mg comprimidos BULA DE CORGARD 40 E 80 mg comprimidos CORGARD 40 e 80 mg nadolol BRISTOL-MYERS SQUIBB comprimidos Uso Adulto APRESENTAÇÃO CORGARD 4O mg (nadolol) é apresentado em comprimidos de 40 mg em placa-blister

Leia mais

Descrição/ especificação técnica: Pó branco ou praticamente branco, inodoro, contendo de 98% a 102% de atenolol em base anidra.

Descrição/ especificação técnica: Pó branco ou praticamente branco, inodoro, contendo de 98% a 102% de atenolol em base anidra. Material Técnico Identificação Fórmula Molecular: C 14 H 22 N 2 O 3 Peso molecular: 266.34 DCB/ DCI: 00911 - atenolol CAS: 29122-68-7 INCI: Não aplicável Sinonímia: 2-{p-[2-Hydroxy-3-(isopropylamino)propoxy]phenyl}acetamide

Leia mais

succinato de metoprolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

succinato de metoprolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 succinato de metoprolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO succinato de metoprolol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos

Leia mais

Purisole SM Fresenius Kabi

Purisole SM Fresenius Kabi Purisole SM Fresenius Kabi Solução para irrigação urológica sorbitol 0,027 g/ml + manitol 0,0054 g/ ml MODELO DE BULA Purisole SM sorbitol + manitol Forma farmacêutica e apresentações: Solução para irrigação

Leia mais

BETACARD PLUS atenolol + clortalidona

BETACARD PLUS atenolol + clortalidona BETACARD PLUS atenolol + clortalidona Comprimidos 50 mg + 12,5 mg Comprimidos 100 mg + 25 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 BETACARD PLUS atenolol + clortalidona I- IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Excipientes: Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg, 12,5mg, 25mg Comprimidos: Celulose microcristalina, Silica coloidal anidra e Estearato de Magnésio.

Excipientes: Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg, 12,5mg, 25mg Comprimidos: Celulose microcristalina, Silica coloidal anidra e Estearato de Magnésio. FOLHETO INFORMATIVO Carvedilol Ranbaxy 6,25 mg Comprimidos Carvedilol Ranbaxy 12,5 mg Comprimidos Carvedilol Ranbaxy 25 mg Comprimidos Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve

Leia mais

cárdio-respiratóriarespiratória

cárdio-respiratóriarespiratória Suporte Avançado de Vida Parada Cardiorrespiratória (PCR) Tratamento da parada cárdio-respiratóriarespiratória Drogas Vasoativas Estado de ineficiência do coração, onde há débito cardíaco inadequado para

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM UTI E URGÊNCIA/ EMERGÊNCIA

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM UTI E URGÊNCIA/ EMERGÊNCIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM UTI E URGÊNCIA/ EMERGÊNCIA Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 530h Período de Duração: 12 meses

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Epitelial Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecido epitelial Apresenta funções de revestimento, absorção de

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY

ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY ANESTESIA NO PACIENTE SOB EFEITO DE DROGAS SINTÉTICAS. ECSTASY Oscar César Pires 29/04/12 14h:40-15h:00 Diretor Departamento Científico SBA / Responsável pelo CET do HMSJC SP Doutor em Anestesiologia/

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDÓCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

REGULAÇÃO HOMEOSTÁTICA DO VOLUME E OSMOLALIDADE. Prof. Dra. Lucila LK Elias

REGULAÇÃO HOMEOSTÁTICA DO VOLUME E OSMOLALIDADE. Prof. Dra. Lucila LK Elias REGULAÇÃO HOMEOSTÁTICA DO VOLUME E OSMOLALIDADE DOS LÍQUIDOS CORPORAIS Prof. Dra. Lucila LK Elias TÓPICOS: Definição de Homeostase Compartimentos dos Líquidos Corporais Hipófise posterior: controle da

Leia mais

2.O que precisa de saber antes de lhe ser administrado Venofer

2.O que precisa de saber antes de lhe ser administrado Venofer Folheto informativo: Informação para o utilizador Venofer 100 mg/5 ml Solução injectável Óxido férrico sacarosado Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação

Leia mais

BULA PACIENTE MANITOL 20% HALEX ISTAR

BULA PACIENTE MANITOL 20% HALEX ISTAR BULA PACIENTE MANITOL 20% HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 250mL Manitol 20% IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Manitol 20% FORMA FARMACÊUTICAE APRESENTAÇÃO SISTEMA FECHADO Solução injetável Caixa contendo 40 bolsas

Leia mais

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini

Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Disciplina: Bioquímica Curso: Análises Clínicas 3º. Módulo Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini Do grego: Hormon = estimular Hormônios são substâncias químicas produzidas por um grupo de células

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Hipotálamo Paratireóide

SISTEMA ENDÓCRINO. Hipotálamo Paratireóide INTRODUÇÃO O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados chamados glândulas cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas s. Os hormônios são transportados

Leia mais

ROXFLAN besilato de anlodipino Merck S/A Comprimidos 5 & 10 mg

ROXFLAN besilato de anlodipino Merck S/A Comprimidos 5 & 10 mg ROXFLAN besilato de anlodipino Merck S/A Roxflan besilato de anlodipino MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES Roxflan 5 mg - Embalagens contendo 20 e 30 comprimidos.

Leia mais

Drogas vasoativas. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008

Drogas vasoativas. Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008 Drogas vasoativas Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas GEAPANC - 2008 Definição São substâncias que apresentam efeito vascular, periférico, pulmonar ou cardíaco. Monitorização hemodinâmica DC - IC PAM PVC

Leia mais

Cada comprimido de 10 mg contém: besilato de anlodipino (equivalente a 10 mg de anlodipino)... 13,90 mg

Cada comprimido de 10 mg contém: besilato de anlodipino (equivalente a 10 mg de anlodipino)... 13,90 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TENDIPINA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens com 30 comprimidos de 5 e 10 mg. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO: Cada comprimido

Leia mais

MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR

MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR OBJETIVOS Objetiva otimizar a perfusão tecidual, assegurando a viabilidade do órgão Diminui o risco de evolução para parada cardíaca Mantém o órgão em melhores condições

Leia mais

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

Solução injetável 10 mg/ml MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol Solução injetável 10 mg/ml Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Aramin hemitartarato de metaraminol APRESENTAÇÕES: Solução

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA II CARGA HORÁRIA: 120 HORAS CRÉDITOS: 06 CÓDIGO: SCF0020 PROFESSOR: CARLOS ALBERTO LACERDA

Leia mais

TÁLAMO E HIPOTÁLAMO TÁLAMO 04/11/2010. Características Gerais

TÁLAMO E HIPOTÁLAMO TÁLAMO 04/11/2010. Características Gerais TÁLAMO E HIPOTÁLAMO Características Gerais TÁLAMO - localizado no diencéfalo, acima do sulco hipotalâmico - constituído de 2 grandes massas ovóides de tecido nervoso: tubérculo anterior do tálamo e pulvinar

Leia mais

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior

PSICOLOGIA. Sistema Nervoso. Prof. Helder Mauad/UFES 13/9/2011. Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Autônomo PSICOLOGIA Élio Waichert Júnior Sistema Nervoso Central: Encéfalo (cérebro, bulbo, ponte, cerebelo) Medula Sistema Nervoso Sistema Nervoso Periférico: Nervos Periféricos 12 craniais

Leia mais

Sistema nervoso Central (SNC)

Sistema nervoso Central (SNC) Este sistema é o grande responsável pela coordenação de todas as atividades vitais de um organismo. O sistema nervoso integra os diversos sistemas, desde a atividade hormonal até os movimentos. Este sistema

Leia mais

Aula 6: Sistema respiratório

Aula 6: Sistema respiratório Aula 6: Sistema respiratório Sistema respiratório Tem início no nariz e na boca e continua através das vias aéreas até os pulmões, onde ocorre a troca dos gases. Sistema respiratório - Funções Condução

Leia mais

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda

Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica. Profa. Dra. Bruna Oneda Atividade Física e Hipertensão Arterial Sistêmica Profa. Dra. Bruna Oneda professora@brunaoneda.com.br www.brunaoneda.com.br Hipertensão arterial sistêmica Síndrome multicausal e multifatorial caracterizada

Leia mais

O USO DE DROGAS VASOATIVAS EM TERAPIA INTENSIVA

O USO DE DROGAS VASOATIVAS EM TERAPIA INTENSIVA Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: MEDICINA INTENSIVA: I. INFECÇÃO E CHOQUE 31: 400-411, jul./set. 1998 Capítulo VI O USO DE DROGAS VASOATIVAS EM TERAPIA INTENSIVA THE USE OF VASOACTIVES DRUGS IN THE

Leia mais

Uso da Noradrenalina no Choque Séptico em Pediatria

Uso da Noradrenalina no Choque Séptico em Pediatria Uso da Noradrenalina no Choque Séptico em Pediatria Norepinephrine Use in Pediatric Septic Shock Aline Schröter Fuentes 1, Cristina Malzoni Ferreira Mângia 2, Werther Brunow de Carvalho 3, Marcelo Cunio

Leia mais

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M

FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M FLEBITE E N F ª L U A N A Z A G O T I M E D E T E R A P I A I N F U S I O N A L H C / U F T M DEFINIÇÃO É a inflamação de uma veia, na qual as células endoteliais da parede venosa ficam bem irritadas.

Leia mais

GRETIVIT. Comprimido revestido BELFAR LTDA.

GRETIVIT. Comprimido revestido BELFAR LTDA. GRETIVIT (acetato de retinol cloridrato de tiamina riboflavina cloridrato de piridoxina cianocobalamina colecalciferol nicotinamida ácido pantotênico sulfato ferroso sulfato de magnésio sulfato de manganês)

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

Mecanismos Fisiológicos de Controle da Pressão Arterial. Fernanda Burle de Aguiar - Profª de Fisiologia Humana DFP - CCS - UFPB

Mecanismos Fisiológicos de Controle da Pressão Arterial. Fernanda Burle de Aguiar - Profª de Fisiologia Humana DFP - CCS - UFPB Mecanismos Fisiológicos de Controle da Pressão Arterial Fernanda Burle de Aguiar - Profª de Fisiologia Humana DFP - CCS - UFPB , O QUE É PRESSÃO ARTERIAL? Débito Cardíaco Pressão Arterial Média Resistência

Leia mais

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL Cloridrato de Naloxona Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,4mg/mL 1 cloridrato de naloxona Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: cloridrato de naloxona FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 19 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Dilaterol 25 microgramas/ml xarope para equinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml contém: Substância

Leia mais

COLÍRIO MOURA BRASIL Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Oftálmica 0,15 MG/ML de cloridrato de nafazolina 0,3 MG/ML de sulfato de zinco

COLÍRIO MOURA BRASIL Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Oftálmica 0,15 MG/ML de cloridrato de nafazolina 0,3 MG/ML de sulfato de zinco COLÍRIO MOURA BRASIL Solução Oftálmica 0,15 MG/ML de cloridrato de nafazolina 0,3 MG/ML de sulfato de zinco heptaidratado Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar

Leia mais

Visual Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. solução oftálmica cloridrato de nafazolina 0,15 mg/ml + sulfato de zinco heptaidratado 0,3 mg/ml

Visual Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. solução oftálmica cloridrato de nafazolina 0,15 mg/ml + sulfato de zinco heptaidratado 0,3 mg/ml Visual Sandoz do Brasil Ind. Farm. Ltda. solução oftálmica cloridrato de nafazolina 0,15 mg/ml + sulfato de zinco heptaidratado 0,3 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Visual cloridrato de nafazolina

Leia mais

Prof. Adjunto Paulo do Nascimento Junior

Prof. Adjunto Paulo do Nascimento Junior Cardiopatias na Gestação Anestesia Prof. Adjunto Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia da Faculdade de Medicina de Botucatu Cardiopatias na Gestação e Anestesia Gravidez e Parto Doença

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

Aerolin. sulfato de salbutamol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO

Aerolin. sulfato de salbutamol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO Aerolin sulfato de salbutamol LEIA ATENTAMENTE ESTA BULA ANTES DE INICIAR O TRATAMENTO I) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Comprimidos

Leia mais

UNOPROST. mesilato de doxazosina

UNOPROST. mesilato de doxazosina MODELO DE BULA UNOPROST mesilato de doxazosina FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 1 mg. Caixa com 20 comprimidos. Comprimidos de 2 mg. Caixa com 30 comprimidos. Comprimidos de 4 mg. Caixas

Leia mais

Suporte Hemodinâmico*

Suporte Hemodinâmico* Suporte Hemodinâmico* Hemodynamic Support Nelson Akamine 1, Constantino José Fernandes 2, Eliézer Silva 3, Gustavo Luiz Büchele 4, Jefferson Piva 5. SUMMARY One of the key points in the treatment of septic

Leia mais