Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I)"

Transcrição

1 Vídeo-aulas de resoluções de questões PETROBRAS (Unidade I) TAUANE PAULA GEHM Psicóloga, mestre e doutoranda Colaboradora do Educa Psico

2 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

3 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

4 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012). A teoria dos modelos mentais distingue o viés cognitivo, estágio inicial da abordagem cognitiva, dos esquemas interpretativos, um estágio mais tardio e também conhecido como paradigma ou visão de mundo. De acordo com a distinção desses conceitos, (A) o viés cognitivo fornece uma explicação sobre a forma como a organização lida, na prática, com seus ambientes em mudança, como elas se atualizam e identificam soluções. (B) o viés cognitivo designa o conjunto de elementos e relações que um indivíduo ou grupo utiliza para entendimento de uma determinada situação, definindo seus valores relativos e associações. (C) o conceito de esquema interpretativo pode prescindir do conceito de viés cognitivo para encontrar sua consistência, já o conceito de viés cognitivo inclui os esquemas interpretativos em sua formulação. (D) a referência aos valores e às crenças, no conceito de esquema interpretativo, é essencial, ao passo que o viés cognitivo chega, no máximo, a apontar seus efeitos. (E) as informações que receberão atenção para codificar modificações no ambiente organizacional sem precisar estabelecer esquemas interpretativos podem ser estabelecidas, a partir da utilização exclusiva dos vieses cognitivos.

5 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012). A teoria dos modelos mentais distingue o viés cognitivo, estágio inicial da abordagem cognitiva, dos esquemas interpretativos, um estágio mais tardio e também conhecido como paradigma ou visão de mundo. De acordo com a distinção desses conceitos, (A) o viés cognitivo fornece uma explicação sobre a forma como a organização lida, na prática, com seus ambientes em mudança, como elas se atualizam e identificam soluções. (B) o viés cognitivo designa o conjunto de elementos e relações que um indivíduo ou grupo utiliza para entendimento de uma determinada situação, definindo seus valores relativos e associações. (C) o conceito de esquema interpretativo pode prescindir do conceito de viés cognitivo para encontrar sua consistência, já o conceito de viés cognitivo inclui os esquemas interpretativos em sua formulação. (D) a referência aos valores e às crenças, no conceito de esquema interpretativo, é essencial, ao passo que o viés cognitivo chega, no máximo, a apontar seus efeitos. (E) as informações que receberão atenção para codificar modificações no ambiente organizacional sem precisar estabelecer esquemas interpretativos podem ser estabelecidas, a partir da utilização exclusiva dos vieses cognitivos.

6 Abordagem Cognitiva (Laroche e Nioche, 2004, apud Machado-da-Silva e cols, 1999) Tomada de decisões.

7 Abordagem Cognitiva (Laroche e Nioche, 2004, apud Machado-da-Silva e cols, 1999) Tomada de decisões. VIÉS COGNITIVO Julgamentos precipitados, generalizações indevidas, desconsideração de alternativas, etc Perspectiva Racionalista

8 Abordagem Cognitiva (Laroche e Nioche, 2004, apud Machado-da-Silva e cols, 1999) Tomada de decisões. VIÉS COGNITIVO Julgamentos precipitados, generalizações indevidas, desconsideração de alternativas, etc Perspectiva Racionalista MAPAS COGNITIVOS / MODELOS MENTAIS Significado e Representação Conceitos e Relações Mapas que filtram a informação e guiam o olhar

9 Abordagem Cognitiva (Laroche e Nioche, 2004, apud Machado-da-Silva e cols, 1999) Tomada de decisões. VIÉS COGNITIVO Julgamentos precipitados, generalizações indevidas, desconsideração de alternativas, etc Perspectiva Racionalista MAPAS COGNITIVOS / MODELOS MENTAIS Significado e Representação Conceitos e Relações Mapas que filtram a informação e guiam o olhar ESQUEMAS INTERPRETATIVOS \ PARADIGMA Conjunto de crenças e hipóteses relativamente estáveis

10 Abordagem Cognitiva (Laroche e Nioche, 2004, apud Machado-da-Silva e cols, 1999) Tomada de decisões. VIÉS COGNITIVO Julgamentos precipitados, generalizações indevidas, desconsideração de alternativas, etc Perspectiva Racionalista MAPAS COGNITIVOS / MODELOS MENTAIS Significado e Representação Conceitos e Relações Mapas que filtram a informação e guiam o olhar ESQUEMAS INTERPRETATIVOS \ PARADIGMA Conjunto de crenças e hipóteses relativamente estáveis

11

12 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012). A teoria dos modelos mentais distingue o viés cognitivo, estágio inicial da abordagem cognitiva, dos esquemas interpretativos, um estágio mais tardio e também conhecido como paradigma ou visão de mundo. De acordo com a distinção desses conceitos, (A) o viés cognitivo fornece uma explicação sobre a forma como a organização lida, na prática, com seus ambientes em mudança, como elas se atualizam e identificam soluções. (B) o viés cognitivo designa o conjunto de elementos e relações que um indivíduo ou grupo utiliza para entendimento de uma determinada situação, definindo seus valores relativos e associações. (C) o conceito de esquema interpretativo pode prescindir do conceito de viés cognitivo para encontrar sua consistência, já o conceito de viés cognitivo inclui os esquemas interpretativos em sua formulação. (D) a referência aos valores e às crenças, no conceito de esquema interpretativo, é essencial, ao passo que o viés cognitivo chega, no máximo, a apontar seus efeitos. (E) as informações que receberão atenção para codificar modificações no ambiente organizacional sem precisar estabelecer esquemas interpretativos podem ser estabelecidas, a partir da utilização exclusiva dos vieses cognitivos.

13 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012). A teoria dos modelos mentais distingue o viés cognitivo, estágio inicial da abordagem cognitiva, dos esquemas interpretativos, um estágio mais tardio e também conhecido como paradigma ou visão de mundo. De acordo com a distinção desses conceitos, (A) o viés cognitivo fornece uma explicação sobre a forma como a organização lida, na prática, com seus ambientes em mudança, como elas se atualizam e identificam soluções. (B) o viés cognitivo designa o conjunto de elementos e relações que um indivíduo ou grupo utiliza para entendimento de uma determinada situação, definindo seus valores relativos e associações. (C) o conceito de esquema interpretativo pode prescindir do conceito de viés cognitivo para encontrar sua consistência, já o conceito de viés cognitivo inclui os esquemas interpretativos em sua formulação. (D) a referência aos valores e às crenças, no conceito de esquema interpretativo, é essencial, ao passo que o viés cognitivo chega, no máximo, a apontar seus efeitos. (E) as informações que receberão atenção para codificar modificações no ambiente organizacional sem precisar estabelecer esquemas interpretativos podem ser estabelecidas, a partir da utilização exclusiva dos vieses cognitivos.

14 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

15 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Se um trabalhador é levado, pelas exigências de sua função, a se comportar de um modo que contradiga suas atitudes em relação a um determinado assunto, a teoria da dissonância cognitiva permite dizer que menor será o mal-estar experimentado, quanto (A) maior a recompensa que ele terá por seu comportamento. (B) menor for a pressão social no sentido de se comportar daquela forma. (C) mais influência ele tiver sobre a possibilidade de seu comportamento ocorrer. (D) mais específica for sua atitude em relação ao assunto. (E) mais importante forem as consequências de seu comportamento.

16 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Se um trabalhador é levado, pelas exigências de sua função, a se comportar de um modo que contradiga suas atitudes em relação a um determinado assunto, a teoria da dissonância cognitiva permite dizer que menor será o mal-estar experimentado, quanto (A) maior a recompensa que ele terá por seu comportamento. (B) menor for a pressão social no sentido de se comportar daquela forma. (C) mais influência ele tiver sobre a possibilidade de seu comportamento ocorrer. (D) mais específica for sua atitude em relação ao assunto. (E) mais importante forem as consequências de seu comportamento.

17 VALORES: CONVICÇÕES BÁSICAS DE QUE UMA FORMA DE CONDUTA OU CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA É PREFERÍVEL A UMA FORMA OPOSTA ATITUDES: AFIRMAÇÕES AVALIADORAS (FAVORÁVEIS OU NÃO) MENOS ESTÁVEIS QUE OS VALORES

18 VALORES: CONVICÇÕES BÁSICAS DE QUE UMA FORMA DE CONDUTA OU CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA É PREFERÍVEL A UMA FORMA OPOSTA ATITUDES: AFIRMAÇÕES AVALIADORAS (FAVORÁVEIS OU NÃO) MENOS ESTÁVEIS QUE OS VALORES SATISFAÇÃO COM O TRABALHO ENVOLVIMENTO COM O TRABALHO COMPROMETIM. ORGANIZACION.

19 VALORES: CONVICÇÕES BÁSICAS DE QUE UMA FORMA DE CONDUTA OU CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA É PREFERÍVEL A UMA FORMA OPOSTA ATITUDES: AFIRMAÇÕES AVALIADORAS (FAVORÁVEIS OU NÃO) MENOS ESTÁVEIS QUE OS VALORES SATISFAÇÃO COM O TRABALHO ENVOLVIMENTO COM O TRABALHO COMPROMETIM. ORGANIZACION. COMPORTAMENTO

20 DISSONÂNCIA COGNITIVA

21 FATORES MODERADORES IMPORTÂNCIA DOS ELEMENTOS DISSONÂNCIA COGNITIVA GRAU DE INFLUÊNCIA RECOMENPEN- SAS

22 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Se um trabalhador é levado, pelas exigências de sua função, a se comportar de um modo que contradiga suas atitudes em relação a um determinado assunto, a teoria da dissonância cognitiva permite dizer que menor será o mal-estar experimentado, quanto (A) maior a recompensa que ele terá por seu comportamento. (B) menor for a pressão social no sentido de se comportar daquela forma. (C) mais influência ele tiver sobre a possibilidade de seu comportamento ocorrer. (D) mais específica for sua atitude em relação ao assunto. (E) mais importante forem as consequências de seu comportamento.

23 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Se um trabalhador é levado, pelas exigências de sua função, a se comportar de um modo que contradiga suas atitudes em relação a um determinado assunto, a teoria da dissonância cognitiva permite dizer que menor será o mal-estar experimentado, quanto (A) maior a recompensa que ele terá por seu comportamento. (B) menor for a pressão social no sentido de se comportar daquela forma. (C) mais influência ele tiver sobre a possibilidade de seu comportamento ocorrer. (D) mais específica for sua atitude em relação ao assunto. (E) mais importante forem as consequências de seu comportamento.

24 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

25 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) De acordo com a teoria das necessidades de McClelland, uma pessoa com grande necessidade de realização (A) busca situações em que o trabalho é feito em equipe, com possibilidades de interação social e troca profissional. (B) tem seu melhor desempenho em situações moderadamente desafiadoras, nem muito controladas, nem difíceis demais. (C) favorece situações em que consegue influenciar, impactar ou controlar outras pessoas. (D) busca situações competitivas, tendendo a procurar mais o reconhecimento e o status que o desempenho eficaz. (E) é melhor em posições de gerência do que pessoas caracterizadas pelas outras necessidades que a teoria especifica.

26 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) De acordo com a teoria das necessidades de McClelland, uma pessoa com grande necessidade de realização (A) busca situações em que o trabalho é feito em equipe, com possibilidades de interação social e troca profissional. (B) tem seu melhor desempenho em situações moderadamente desafiadoras, nem muito controladas, nem difíceis demais. (C) favorece situações em que consegue influenciar, impactar ou controlar outras pessoas. (D) busca situações competitivas, tendendo a procurar mais o reconhecimento e o status que o desempenho eficaz. (E) é melhor em posições de gerência do que pessoas caracterizadas pelas outras necessidades que a teoria especifica.

27 Teoria das Necessidades de McClelland NECESSIDADE DE REALIZAÇÃO NECESSIDADE DE PODER NECESSIDADE DE ASSOCIAÇÃO Trabalhos com bastante responsabilidade; Feedback; Nível médio de riscos; Sucesso em atividades empreendedoras, mas não necessariamente com alto desempenho executivo Sucesso gerencial; Melhores executivos; Necessidade de poder; Baixo nível de associação. Poucos estudos

28 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) De acordo com a teoria das necessidades de McClelland, uma pessoa com grande necessidade de realização (A) busca situações em que o trabalho é feito em equipe, com possibilidades de interação social e troca profissional. (B) tem seu melhor desempenho em situações moderadamente desafiadoras, nem muito controladas, nem difíceis demais. (C) favorece situações em que consegue influenciar, impactar ou controlar outras pessoas. (D) busca situações competitivas, tendendo a procurar mais o reconhecimento e o status que o desempenho eficaz. (E) é melhor em posições de gerência do que pessoas caracterizadas pelas outras necessidades que a teoria especifica.

29 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) De acordo com a teoria das necessidades de McClelland, uma pessoa com grande necessidade de realização (A) busca situações em que o trabalho é feito em equipe, com possibilidades de interação social e troca profissional. (B) tem seu melhor desempenho em situações moderadamente desafiadoras, nem muito controladas, nem difíceis demais. (C) favorece situações em que consegue influenciar, impactar ou controlar outras pessoas. (D) busca situações competitivas, tendendo a procurar mais o reconhecimento e o status que o desempenho eficaz. (E) é melhor em posições de gerência do que pessoas caracterizadas pelas outras necessidades que a teoria especifica.

30 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

31 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considere-se a situação descrita abaixo. Um aluno é preso no campus de uma universidade federal portando drogas, e o fato dispara uma série de protestos do corpo discente. Para encontrar uma solução para a crise subsequente, é formado um grupo composto de representantes da polícia, alunos, representantes da reitoria e familiares do aluno infrator. Como é classificado o grupo em questão, de acordo com a teorização proposta pela psicologia dos grupos? (A) Grupo primário (B) Grupo de tarefa (C) Grupo de comando (D) Grupo de interesse (E) Grupo informal temporário

32 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considere-se a situação descrita abaixo. Um aluno é preso no campus de uma universidade federal portando drogas, e o fato dispara uma série de protestos do corpo discente. Para encontrar uma solução para a crise subsequente, é formado um grupo composto de representantes da polícia, alunos, representantes da reitoria e familiares do aluno infrator. Como é classificado o grupo em questão, de acordo com a teorização proposta pela psicologia dos grupos? (A) Grupo primário (B) Grupo de tarefa (C) Grupo de comando (D) Grupo de interesse (E) Grupo informal temporário

33 CLASSIFICAÇÃO DOS GRUPOS GRUPOS FORMAIS Definidos pela organização; Atribuições de trabalho e tarefas COMANDO (HIERARQUIA) TAREFA GRUPOS INFORMAIS Formações naturais no ambiente de trabalho. INTERESSE (OBJETIVO COMUM) AMIZADE

34 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considere-se a situação descrita abaixo. Um aluno é preso no campus de uma universidade federal portando drogas, e o fato dispara uma série de protestos do corpo discente. Para encontrar uma solução para a crise subsequente, é formado um grupo composto de representantes da polícia, alunos, representantes da reitoria e familiares do aluno infrator. Como é classificado o grupo em questão, de acordo com a teorização proposta pela psicologia dos grupos? (A) Grupo primário (B) Grupo de tarefa (C) Grupo de comando (D) Grupo de interesse (E) Grupo informal temporário

35 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considere-se a situação descrita abaixo. Um aluno é preso no campus de uma universidade federal portando drogas, e o fato dispara uma série de protestos do corpo discente. Para encontrar uma solução para a crise subsequente, é formado um grupo composto de representantes da polícia, alunos, representantes da reitoria e familiares do aluno infrator. Como é classificado o grupo em questão, de acordo com a teorização proposta pela psicologia dos grupos? (A) Grupo primário (B) Grupo de tarefa (C) Grupo de comando (D) Grupo de interesse (E) Grupo informal temporário

36 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

37 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considerem-se as seguintes características de um líder: Possui a visão (meta idealizada) de um porvir melhor; é disposto a correr riscos pessoais; faz avaliações realistas das limitações ambientais e dos recursos necessários à mudança; é consciente quanto às necessidades dos liderados; se comporta de forma não convencional. De acordo com a literatura sobre o tema, que tipo de líder é descrito acima? (A) Transicional (B) Carismático (C) Transformacional (D) Autoritário (E) Laissez-faire

38 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considerem-se as seguintes características de um líder: Possui a visão (meta idealizada) de um porvir melhor; é disposto a correr riscos pessoais; faz avaliações realistas das limitações ambientais e dos recursos necessários à mudança; é consciente quanto às necessidades dos liderados; se comporta de forma não convencional. De acordo com a literatura sobre o tema, que tipo de líder é descrito acima? (A) Transicional (B) Carismático (C) Transformacional (D) Autoritário (E) Laissez-faire

39 TIPOS DE LIDERANÇA A. Autoritária. Funcionários submissos, sem voz, acatando imposições passivamente; B. Democrática. Existe diálogo entre os funcionários e o administrativo; relação equilibrada; C. Laissez-faire. Neste caso, não há liderança, pois o líder se abstém dessa função. D. Carismático Líder entusiasma a equipe e é participativo. Tem visão e estão dispostos a correr riscos pelos liderados. E. Transacional. O líder conduz e motiva seus seguidores a atingir as metas através do esclarecimento dos papéis e das exigências das tarefas. F. Transformacional. Líder que inspira os seguidores a ir além dos próprios interesses para benefício da organização.

40 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considerem-se as seguintes características de um líder: Possui a visão (meta idealizada) de um porvir melhor; é disposto a correr riscos pessoais; faz avaliações realistas das limitações ambientais e dos recursos necessários à mudança; é consciente quanto às necessidades dos liderados; se comporta de forma não convencional. De acordo com a literatura sobre o tema, que tipo de líder é descrito acima? (A) Transicional (B) Carismático (C) Transformacional (D) Autoritário (E) Laissez-faire

41 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Considerem-se as seguintes características de um líder: Possui a visão (meta idealizada) de um porvir melhor; é disposto a correr riscos pessoais; faz avaliações realistas das limitações ambientais e dos recursos necessários à mudança; é consciente quanto às necessidades dos liderados; se comporta de forma não convencional. De acordo com a literatura sobre o tema, que tipo de líder é descrito acima? (A) Transicional (B) Carismático (C) Transformacional (D) Autoritário (E) Laissez-faire

42 TEMAS 1. Modelos mentais e percepção. 2. Valores, atitudes e satisfação com o trabalho. 3. Motivação no trabalho. 4. Grupos e equipes de trabalho nas organizações. 5. Liderança. 6. Poder nas organizações.

43 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Existem diferentes fontes de onde pode emanar o poder de uma pessoa. Como é chamado o poder exercido por um ator de televisão que, através de seu endosso leigo, influencia a escolha de uma determinada marca de produtos? (A) Poder legítimo (B) Poder de talento (C) Poder de informação (D) Poder de referência (E) Poder de recompensa

44 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Existem diferentes fontes de onde pode emanar o poder de uma pessoa. Como é chamado o poder exercido por um ator de televisão que, através de seu endosso leigo, influencia a escolha de uma determinada marca de produtos? (A) Poder legítimo (B) Poder de talento (C) Poder de informação (D) Poder de referência (E) Poder de recompensa

45 Tipos de Poder 1) Poder baseado na recompensa; 2) Poder baseado na coerção; 3) Poder baseado na legitimidade da posição que o indivíduo ocupa na organização; 4) Poder baseado na referência (identificação com características desejáveis); 5) Poder de especialista ou de conhecimento, que é baseado no conhecimento que a pessoa tem.

46 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Existem diferentes fontes de onde pode emanar o poder de uma pessoa. Como é chamado o poder exercido por um ator de televisão que, através de seu endosso leigo, influencia a escolha de uma determinada marca de produtos? (A) Poder legítimo (B) Poder de talento (C) Poder de informação (D) Poder de referência (E) Poder de recompensa

47 (CESGRANRIO, PETROBRAS, 2012) Existem diferentes fontes de onde pode emanar o poder de uma pessoa. Como é chamado o poder exercido por um ator de televisão que, através de seu endosso leigo, influencia a escolha de uma determinada marca de produtos? (A) Poder legítimo (B) Poder de talento (C) Poder de informação (D) Poder de referência (E) Poder de recompensa

48 REFERÊNCIAS MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S. DA; FERNANDES, B. H. R. Mudança e estratégia nas organizações: perspectivas cognitiva e institucional. In: VIEIRA, M. M. F.; OLIVEIRA, L. M. B. DE. (Orgs.). Administração contemporânea: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, 1999.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994.

Liderança. Cap Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. Liderança Cap. 10 - Liderança, do livro: PISANI, E. M.; PEREIRA, S.; RIZZON, L. A. Temas de Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 1994. pag 143 a 156 Um dos fatos mais impressionantes e universais sobre

Leia mais

Motivação: teoria e prática

Motivação: teoria e prática Aula 3 Motivação: teoria e prática 1 Agenda Seminário Motivação Teorias Motivacionais Implicações práticas 2 1 O que é motivação? Processo de criação e sustentação de comportamentos (disposição) voltados

Leia mais

Fundamentos da Direção

Fundamentos da Direção Aula 7 Direção Fundamentos da Direção Inerente a qualquer organização está a necessidade de gerir esforços individuais em função de objetivos organizacionais. A direção é a função da administração responsável

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E TEORIAS MOTIVACIONAIS Rodrigo Janoni Carvalho 1 INTRODUÇÃO O comportamento humano é fundamental para a compreensão da dinâmica organizacional. Nessa perspectiva, a motivação

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem

Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Qualidade de Vida no Trabalho e a Saúde do Trabalhador de Enfermagem Referência bibliográfica Marquis BL; Huston CJ. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3.

Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Dinâmica nas Organizações. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 3. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Dinâmica nas Organizações Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 3.3 3 A DINÂMICA DAS ORGANIZAÇÕES E AS ORGANIZAÇÕES DO CONHECIMENTO

Leia mais

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal

Desenvolvimento de Negócios. Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Desenvolvimento de Negócios Planejamento Estratégico Legal: da concepção à operacionalização Competências necessárias para o Gestor Legal Gestão Estratégica Para quê? Por Quê? Para fazer acontecer e trazer

Leia mais

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos

Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Towers Watson Soluções para Estruturação de Plano de Cargos Global Grading System (GGS) e Mapas de Carreira A abordagem para estruturação de plano de cargos da Towers Watson ajuda as organizações a gerenciar

Leia mais

Unidade: Planejamento de Marketing. Unidade I:

Unidade: Planejamento de Marketing. Unidade I: Unidade: Planejamento de Marketing Unidade I: 0 Unidade: Planejamento de Marketing Planejar é definir procedimentos de atuação com o objetivo de atingir determinada situação. No caso de um planejamento

Leia mais

Nome do Curso Gestão de equipes. Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon

Nome do Curso Gestão de equipes. Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon Nome do Curso Gestão de equipes Carga horária: 72h Quantidade de aulas: 20 Docentes responsáveis pelo curso: Osvaldo Gastaldon Objetivo: Fornecer ao aluno o conhecimento holístico de Gestão de Equipes,

Leia mais

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar

- Identificar as formas de gestão e de tomadas de decisão dentro da organização escolar Disciplina: Gestão e Organização Escolar Código da Disciplina: EDU336 Curso: Pedagogia Período: 6º Faculdade Responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir de: 2015 Número de créditos: 05 Horas-aula:

Leia mais

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação

Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação Fórum de Empresas Estatais Federais Plano de Cargos, Salários e Remuneração Capacitação de RH para Inovação A prática de remuneração variável e gestão por competências no setor público brasileiro Agenda

Leia mais

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino

Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior. Cristiane Bertolino Comportamento empreendedor dos alunos em uma Instituição de Ensino Superior Cristiane Bertolino Problema de pesquisa A partir da década de 1990 Visão renovada da empreendedorismo Promover o desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE CURSO CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

PLANO DE CURSO CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CURSO: ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS OBJETIVO: O sucesso das organizações, cada vez mais, repousa na qualificação de seus profissionais. Este curso tem o propósito de oferecer a base conceitual

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS. Gestão de Pessoas. Gestão de Pessoas

GESTÃO DE PESSOAS. Gestão de Pessoas. Gestão de Pessoas GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Prof. Dr. Roberto Coda 1 Gestão de Pessoas O B J E T I V O S FORNECER COMPREENSÃO AMPLA DOS TEMAS MOTIVAÇÃO E LIDERANÇA COMO CONDICIONANTES DO PAPEL GERENCIAL APRESENTAR

Leia mais

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL

O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL O PROCESSO DE AVALIAÇÃO PROFISSIONAL Carmen Leite Ribeiro Bueno* A Avaliação Profissional tem como objetivo geral auxiliar o indivíduo em seu desenvolvimento pessoal e profissional, utilizando sistematicamente

Leia mais

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN RECURSOS HUMANOS / JOB DESIGN Introdução Conceitos, definição e origens Introdução Conceitos, definição e origens (Re)Definição de cargos? Introdução Conceitos, definição e origens Definição, conceitos

Leia mais

Abordagens Organizacionais

Abordagens Organizacionais NOTA DE AULA CLASS NOTE Abordagens Organizacionais Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Prof. Maria Terezinha Angeloni, Dr. terezinha.angeloni@unisul.br Abordagens Organizacionais

Leia mais

Administração. Conceitos Básicos de Comportamento Organizacional. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Conceitos Básicos de Comportamento Organizacional. Professor Rafael Ravazolo. Administração Conceitos Básicos de Comportamento Organizacional Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL O C.O. é o campo de estudo que

Leia mais

ADM Administração para Engenharia. Prof. Henrique

ADM Administração para Engenharia. Prof. Henrique ADM29008 Administração para Engenharia Prof. Henrique Roteiro Introdução Abordagem Clássica (Teorias Clássica e Científica) Teoria Comportamental (Relações Humanas) Hierarquia de Necessidades (Maslow)

Leia mais

Relações de Poder e Conflitos nas Organizações

Relações de Poder e Conflitos nas Organizações Relações de Poder e Conflitos nas Organizações Frederico Azevedo Alvim Assis Sempre que um novo profissional ingressa numa organização de trabalho é firmado um contrato psicológico de trabalho, no sentido

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DO AMAPÁ CENTRO DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS PENAIS ANEXO I

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA DO ESTADO DO AMAPÁ CENTRO DE EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS PENAIS ANEXO I ANEXO I COD DISCIPLINA CARGA HORÁRIA FORMAÇÃO EXIGIDA CONTEÚDO PLANO DE AULA / APRESENTAÇÃO 01 Sistema de Segurança Pública no Amapá Instituto de Administração Penitenciária do Amapá - competências 02

Leia mais

Planejamento Estratégico Aula 1

Planejamento Estratégico Aula 1 ORGANIZAÇÃO Estratégico Aula 1 Prof. Dr. James Luiz Venturi Administração UNIFEBE 2008/II MODERNA TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES Organização éum Sistema Aberto ORGANIZAÇÃO MEIO AMBIENTE 2 ORGANIZAÇÃO Conceito

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

Assunto 2: Administração do Conhecimento

Assunto 2: Administração do Conhecimento Assunto 2: Administração do Conhecimento Objetivos do Capítulo Administração do Conhecimento 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa

Leia mais

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho

Organização Formal. Organização Formal x Organização Informal. Tipos de Organização. Divisão Racional do Trabalho Divisão Racional do Trabalho Organização Formal x Organização Informal Organização Formal - Heterogênea -Rígida - Hierarquizada -Estática - Limitada Princípios Básicos das Organizações - Divisão do Trabalho

Leia mais

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil

Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Gestão de Desempenho: a experiência do Grupo Águas do Brasil Agenda Objetivos da G. Desempenho Conceitos estruturantes O Modelo concebido para o grupo Águas do Brasil Relato da Experiência e dos Resultados

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO

CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 PLANO DE CURSO CURSO DE SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Autorizado pela Portaria nº 433 de 21/10/2011 DOU de 24/10/2011 Componente Curricular: Ética e Empreendedorismo Código: Pré-requisito: Período Letivo:

Leia mais

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Comportamento Organizacional Carga horária: 72 horas/aula (36

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 4. Contextualização

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 4. Contextualização Cultura e Clima Organizacionais Aula 4 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Clima organizacional Cultura e clima organizacional Indicadores de clima Clima e satisfação Contextualização A

Leia mais

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015

A importância da liderança como diferencial competitivo. Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 A importância da liderança como diferencial competitivo Leonardo Siqueira Borges 29 de Setembro de 2015 Ellebe Treinamento em Gestão Organizacional A Ellebe atua em empresas públicas e privadas nas áreas

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Maria Raimunda Mendes da Veiga Pedagoga. Especialista em Gestão de Pessoas veiga@enfam.jus.br Secretária Executiva da Enfam 7 de maio de 2015 1 Objetivo:

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

Métodos e Técnicas de Avaliação e Feedback. Contextualização. Aula 4. Instrumentalização. Campos Influentes da Avaliação de Desempenho

Métodos e Técnicas de Avaliação e Feedback. Contextualização. Aula 4. Instrumentalização. Campos Influentes da Avaliação de Desempenho Métodos e Técnicas de Avaliação e Feedback Aula 4 Contextualização Profa. Me. Maria Tereza F. Ribeiro Vamos estudar os fatores que influenciam a avaliação de desempenho A importância das atuais tendências

Leia mais

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial

Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Conceitos Básicos de Consultoria Empresarial MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel Parizi Revisão Textual: Profa.

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional

Desenvolvimento Organizacional. Cultura e Clima Organizacional Cultura e Clima Organizacional Atualizado em 01/03/2016 OBJETIVO: Compreender as implicações das novas configurações e alternativas que permeiam o trabalho no mundo contemporâneo; Compreender e analisar

Leia mais

PLANO DE CURSO. Bases históricas. Abordagens clássica, neoclássica, humanista, estruturalista, sistêmica e contingencial das

PLANO DE CURSO. Bases históricas. Abordagens clássica, neoclássica, humanista, estruturalista, sistêmica e contingencial das PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Administração Disciplina: Teoria da Administração I Professor: Salomão David Vergne Cardoso e-mail: vergne07@gmail.com Código: MAR00 Carga

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Fundamentos Estratégicos

Fundamentos Estratégicos 1 Fundamentos Estratégicos MISSÃO Fornecer soluções e serviços em sistemas de suspensões, eixos e componentes para veículos comerciais com inovação, qualidade, segurança e sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida,

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 02/2016/PSI A Direção do Instituto de Psicologia e a Coordenação do Curso de Psicologia, baseadas no

Leia mais

Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento

Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA. Prof. Gustavo Nascimento Unidade IV MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Os princípios da Liderança Proativa Passividade é uma adjetivo que não combina com a liderança proativa, diferentemente da liderança reativa, na

Leia mais

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?)

Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) Pesquisa, metodologia e métodos (O qué que eu faço...?) O que é Pesquisa? O que é Metodologia? David González david.epidemio@gmail.com O que é Método? E dai? Pesquisa 1. Indagação; inquirição; busca; investigação;

Leia mais

Início, identificar uma necessidade ou oportunidade, o problema e sua solução, e a estimativa inicial dos custos e prazos;

Início, identificar uma necessidade ou oportunidade, o problema e sua solução, e a estimativa inicial dos custos e prazos; O projeto Os projetos estão sempre vinculados às organizações, são de caráter transitório e seu objetivo é satisfazer ou exceder as expectativas dos mercados ou das partes interessadas (stakeholders).

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas Unidade I Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia Prof. Fabio Uchôas Administração das Operações Produtivas Administrar a produção significa a forma como as organizações produzem

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@fatecourinhos.edu.br Introdução ARH (Administração de Recursos Humanos) é a função na organização que está relacionada

Leia mais

AULA 02 O Conhecimento Científico

AULA 02 O Conhecimento Científico 1 AULA 02 O Conhecimento Científico Ernesto F. L. Amaral 06 de agosto de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Aranha, Maria Lúcia de Arruda; Martins, Maria Helena Pires. 2003. Filosofando: introdução à filosofia.

Leia mais

José Augusto Neves

José Augusto Neves P-37 NEUROLIDERANÇA O caminho sem volta José Augusto Neves janeves@institutomvc.com.br 11-3171-1645 Completeafrase: Os seres humanos, na sua natureza,são... A maneira como percebemos a realidade,influencia

Leia mais

Ementas. Certificate in Business Administration CBA

Ementas. Certificate in Business Administration CBA Ementas Certificate in Business Administration CBA Agosto 2012 Módulo Fundamental Administração Financeira EMENTA: Disciplina desenvolve a capacidade de contribuição para as decisões gerenciais aplicando

Leia mais

ESTUDO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR DA CIDADE DE IJUI/RS 1

ESTUDO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR DA CIDADE DE IJUI/RS 1 ESTUDO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL EM UMA ORGANIZAÇÃO DO TERCEIRO SETOR DA CIDADE DE IJUI/RS 1 Luís Fernando Irgang Dos Santos 2, Claudio Rodrigo Machado Fraga 3. 1 Pesquisa realizada na disciplina

Leia mais

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta

do canguru, mamífero que nasce e permanece na bolsa materna até atingir uma condição física e psíquica que permita que ande e se alimente por conta Apresentação No livro anterior, Filhos sadios, pais felizes, descrevemos os fatos característicos da evolução psicossocial da grande maioria das crianças desde o nascimento até os dez anos de idade e sua

Leia mais

O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta.

O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta. MOTIVAÇÃO HUMANA O que leva as pessoas a agirem em prol do alcance dos objetivos pessoais e organizacionais. Motivo que sustenta e dirige a conduta. Conjunto dos meus motivos - tudo aquilo que a partir

Leia mais

Caps O Consumidor individual, grupo social, organizacional

Caps O Consumidor individual, grupo social, organizacional Caps. 3 4 5 O Consumidor individual, grupo social, organizacional Cap. 3 Consumidor Individual Cap. 4 O Consumidor no Grupo Social Cap. 5 O Comprador Organizacional O consumidor Individual As pessoas compram

Leia mais

Comportamento Organizacional

Comportamento Organizacional Comportamento Organizacional Profª. Taís Brenner Oesterreich 2011-1 O que é comportamento organizacional? Campo de estudo que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o comportamento

Leia mais

P-63. Como Trabalhar sob Pressão e Conquistar Resultados Resiliência e Inteligência Emocional. Ricardo Piovan.

P-63. Como Trabalhar sob Pressão e Conquistar Resultados Resiliência e Inteligência Emocional. Ricardo Piovan. P-63 Como Trabalhar sob Pressão e Conquistar Resultados Resiliência e Inteligência Emocional Ricardo Piovan contato@portalfox.com.br - 11 4319-6001 Ricardo Piovan é Administrador de Empresas com especialização

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Saravalli ademir_saravalli@yahoo.com.br O comportamento organizacional é um campo de estudos que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o

Leia mais

i dos pais O jovem adulto

i dos pais O jovem adulto i dos pais O jovem adulto O desenvolvimento humano é um processo de mudanças emocionais, comportamentais, cognitivas, físicas e psíquicas. Através do processo, cada ser humano desenvolve atitudes e comportamentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo

Padrão de Vencimento. João Pessoa, de maio de Cargo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA FICHA DE INSCRIÇÃO Curso: Excelência na Prestação de Serviços na Administração Pública Módulo I Excelência no Relacionamento e Atendimento

Leia mais

Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento. Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09

Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento. Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09 Avaliação de Desempenho Estratégia de Desenvolvimento Fernanda Allucci Diretora Assistencial Nov/09 Avaliação de desempenho - Estratégia de desenvolvimento Roteiro de apresentação Breve histórico institucional

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Autonomia e controle no setor público Controlar é qualquer ação tomada pela administração pública com o objetivo de atingir metas preestabelecidas. A administração

Leia mais

Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de

Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Unidade I: Decisão 0 Unidade: Pesquisa Operacional e a Tomada de Decisão Pesquisa Operacional é um ramo da ciência administrativa que fornece instrumentos para

Leia mais

Pesquisa de Clima Organizacional

Pesquisa de Clima Organizacional Pesquisa de Clima Organizacional As pessoas representam alto investimento para as organizações. É evidente que o sucesso de um empreendimento não depende somente da competência dos gestores em reconhecer

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO. HENRI FAYOL França DA ADMINISTRAÇÃO HENRI FAYOL França HENRI FAYOL 1841-1925 Nasceu em Constantinopla, morreu em Paris. Desenvolveu a Teoria Clássica na França. Engenheiro de Minas aos 25 anos. Gerente Geral aos 47 anos.

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 / 2016 1ª e 2ª fase 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como Processo Sintetizador Coleta de informações publicadas e não publicadas Coleta de informações externas Coleta de informações

Leia mais

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes

Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes HU 2012 Motivação, Liderança e Desempenho. Professora: Renata Lourdes 1 MOTIVAÇÃO Motivação é tudo aquilo que impulsiona a pessoa a agir de alguma forma; O impulso à ação pode ser: estímulo interno (pensar

Leia mais

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL

COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL COLÉGIO EST. ANTONIO MAXIMILIANO CERETTA ENSINO FUND., MÉDIO E PROFISSIONAL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR 2013 1º SEMESTRE PROFESSORA: ROSANI MARLENE KOELZER SCHUMACHER CURSO: SEGURANÇA NO TRABALHO DISCIPLINA:

Leia mais

GESTÃO DA EQUIPE DE VENDAS: Como aumentar sua performance. Ingresso Julho Informações: (51)

GESTÃO DA EQUIPE DE VENDAS: Como aumentar sua performance. Ingresso Julho Informações: (51) GESTÃO DA EQUIPE DE VENDAS: Como aumentar sua performance Ingresso Julho 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Gestão da Equipe de Vendas: como aumentar sua performance O Desempenho

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business and People Management - CBPM. Nome completo

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Certificate in Business and People Management - CBPM. Nome completo Certificate in Business and People Management - CBPM Nome completo PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE EQUIPE: TÍTULO DO PROJETO São Paulo 2016 Nome do Autor(a) PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE EQUIPE: TÍTULO DO PROJETO

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior

Pesquisa Operacional. Evanivaldo Castro Silva Júnior Evanivaldo Castro Silva Júnior Conteúdo Fundamentos da Pesquisa Operacional. Modelos Lineares. Métodos de solução gráfica e algoritmo simplex. Aplicações de Programação Linear. Análise de Sensibilidade.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Médio Código: 262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Planejamento Empresarial e Empreendedorismo Série: 1º Eixo Tecnológico:

Leia mais

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF

NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL. Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF NOME DA AÇÃO EDUCACIONAL Curso: Gestão de Riscos na Administração Pública - T01/2015-TRF OBJETIVO Apresentar os conceitos, os princípios, a estrutura e o processo para gerenciamento de riscos em organiza

Leia mais

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital

Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital Pós-graduação MARKETING ESTRATÉGICO Ênfase em Marketing Digital 5ª turma em Santa Catarina Ingresso Agosto 2016 Informações: Educação Executiva ESPM-SUL incompany-rs@espm.br Fone: (51) 3218-1426 ESPM /

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO CIVIL VII Código da Disciplina: JUR 302 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 8º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL

OBJETIVO CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONCEITOS BÁSICOS CONCEITO DE CONSULTORIA ORGANIZACIONAL CONSULTORIA CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ms. Carlos William de Carvalho 1 OBJETIVO Entender o contexto da consultoria organizacional, pois muitos serviços são realizados para as organizações e não devem ser

Leia mais

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó

Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas. Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Aula Introdutória: Análise de Políticas Públicas Professores Adalberto Azevedo Gabriela Lotta Marcos Pó Plano de Aula 1. Plano de aulas 2. Sobre o curso 3. Estudo de teorias e modelos: definições e problemas

Leia mais

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás. Entendendo a Administração. Prof. Jairo Molina

Prof. Jairo Molina - Gestão em Petróleo e Gás. Entendendo a Administração. Prof. Jairo Molina Entendendo a Administração Prof. Jairo Molina 1 Entendendo a Administração Metas principais: 1) Entender o significado da palavra administração. 2) A importância da administração para as diferentes organizações

Leia mais

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto - Lei nº 17/2016, de 4 de abril)

3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto - Lei nº 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA História 2016 Prova 19 / 2016 1ª e 2ª Fase 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto - Lei nº 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informações relativas

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Núcleo de Materiais Didáticos

Núcleo de Materiais Didáticos Gestão de Talentos e Mapeamento por Aula 4 Prof a Cláudia Patrícia Garcia Aula 4 - Gestão por claudiagarcia@grupouninter.com.br MBA em Gestão de Recursos Humanos Lembrando... A gestão por competências

Leia mais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais 1 Objetivo Estabelecer e manter procedimentos para o levantamento, identificação, atualização e/ou alteração dos aspectos ambientais das atividades, produtos e serviços do Porto de Itajaí. Definindo os

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais.

Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. Aula 2: Cultura e Sociedade: Objeto e método das Ciências Sociais. CCJ0001 - Fundamentos das Ciências Sociais Profa. Ivana Schnitman Centro Universitário Estácio da Bahia Conteúdo O contexto histórico

Leia mais

Estabelecimento de Metas e seu Desdobramento

Estabelecimento de Metas e seu Desdobramento Estabelecimento de Metas e seu Desdobramento O que é Meta? É Alvo bem determinados que representam os objetivos de uma estratégia ou de uma das etapas deste estratégia (regalmente, dentro de um período

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho

Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Hérica Righi,Raoni Pereira e Flávia Carvalho Relatório CRI Minas 16/05/13 Inovação e Comportamento Humano Muitos são os desafios encontrados

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH

GESTÃO DE PESSOAS CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH CONCEITOS E PRÁTICAS DE RH A Gestão de Pessoas ocorre através da participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento de funcionários de uma empresa, sua função é humanização e seu objetivo é a valorização

Leia mais

Workshop Gestão Documental

Workshop Gestão Documental Workshop Gestão Documental Interoperabilidade Documental na Administração Pública APOIO PRINCIPAL: Os Conceitos Sistema de Gestão Documental Interoperabilidade Sistema de Gestão Documental Um Sistema de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais