Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, Fevereiro, 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, 2013. 19 Fevereiro, 2013"

Transcrição

1 O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Diretoria de Prática Médica Patrocinado por Apresentado por Alexandre R. Marra Objetivos Entendendo os problemas Segurança do paciente Eventos adversos Custos Resultados Metas Qualidade da assistência é o grau no qual os serviços para o indivíduo e para as populações aumentam a probabilidade de atingir os resultados esperados e que são consistentes com o conhecimento profissional atual. Metas para Melhoria Segurança: evitando prejuízos ao paciente provocados pela assistência que deveria ajudá-los. Efetividade: proporcionando assistência baseada em conhecimentos científicos. Foco no Paciente: oferecendo assistência de acordo com as preferências individuais, necessidades e valores do paciente, garantindo que eles irão guiar as decisões médicas. No Tempo Certo: reduzindo a espera ou atrasos perigosos para ambos, os que recebem e prestam assistência. Eficiente: evitando os desperdícios de equipamentos, suprimentos, idéias e energia. Igualdade: oferecendo uma assistência que não muda de qualidade por características pessoais tais como sexo, etnia, 4 localização geográfica ou nível sócio-econômico. 3 6 Metas Joint Comission International JCI 29 Identificação nome do paciente/no do prontuário (pulseira) Ordens verbais telefônicas Read back Preenchimento do prontuário Time-out paciente certo=local certo Concentração de eletrólitos/dosagem de medicamentos em miligramas Controle de Infecção 5 6 1

2 O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção QUALIDADE ASSISTENCIAL 1 k lives Campaign Interventions Espalhando os RRT UM CAMINHO CONTÍNUO E SINCRÔNICO Prevenindo a VAP Prevenindo Efeito Adverso de Drogas Prevenindo Sepse por Cateteres EBM para IAM na Prática Diária Prevenindo Infecções de Feridas 7 63 CASOS Habilidade Atitude Conhecimento 22 CASOS 9 1 Survival rates Adequacy of symptom control Staff Satisfaction and turnover rate Effectiveness of ICU bed utilization Satisfaction of others in the care and services supplied Efficiency of process/procedures/ functions involved in ICU care Medical Outcomes Medical Errors 8 ICU, Hospital and longterm Quality of life among survivors Patient satisfaction Family Satisfaction End-of-life concordance desire Appropriateness of medical interventions Complication rates related to care 11 Economic Outcomes Resouce consumption ICU, Hospital and Posthospital Cost-effectiveness of care 12 2

3 Como foi descrito pelo médico. Como foi planejado pelo gerente. Como foi definido pela informática. Como foi implantado. Como foi cobrado do paciente. 13 Como foi documentado. Como foi a auditoria. Como foi o resultado. Como foi o plano de melhoria. 14 O que o paciente precisava. Áreas de Conhecimento Densidade de incidência de IH - UTIA Medicina Intensiva Gerenciamento de Projetos qualidade / risco Administração O impacto da redução de PAV e ICS associadas a CVC na UTI Adulto em 28 Pneumonia associada a Traqueostomia 54 IHs foram prevenidas Economia de R$2.7. e 564 dias de internação 1 a 17 vidas salvas

4 Pneumonia associada a Traqueostomia Infecção da corrente sangüínea associada a CVC nas diferentes unidades do HIAE Setor ICS associadas a CVC (por 1 CVC-dia) Comparação 2 períodos Dez 28 Tx de utilização de CVC UTI Adulto Semi Adulto Coronariana Oncologia TMO UTI Neonatal CTI Pediátrico CMC % 51.% 44.4% 44.8% 55.6% 85% 81.1% HIAE % Infecção da Corrente Sang - UTIA Uso do PICC no CTI-A Pneumonia associada a VM na UTI-A Bundle compliance and ventilator associated pneumonia (VAP) rate per 1, ventilator days from April 27 to September 28 redução de 76% 23 *oral decontamination with chlorhexidine.12% (since October/27) **continuous aspiration of subglottic secretions (CASS) endotracheal tube (since February/28) 24 Am J Infect Control 29 4

5 Impacto deste resultado Infecção do Trato Urinário associada a SV - UTIA Custos associados e excedente na hospitalização PAV ICS associada a CVC ISC após RM ITU associada a SV US$ 22,875 US$ 18,432 US$ 17,944 US$ dias 12 dias 25.7 dias Perenvich et al. SHEA guideline. Raising standards while watching the bottom line: making a business case for infection control. Infect Control Hosp Epidemiol 27;28(1): Mortalidade atribuída a PAV 7.3 a 3.3% Hugonnet et al. Infect Control Hosp Epidemiol 24;25:19-6 Rosenthal et al. Am J Infect Control 25;33: Estimativas para o HIAE comparando 28 com 27: 35 PAV prevenidas economia em torno de reais e 336 dias de internação 2 a 9 vidas salvas Considerando o tempo médio de internação na UTI-A de 3.86 dias mais 87 pacs 25 admitidos 26 Prevenção de ITU Auditoria de passagem Prevenção de CVC Auditoria de passagem Cuidados do curativo do CVC Prevenção de PAV Uso de clorexidine Avaliação dos circuitos ventila tórios Sondas dispensadas C a t e t e r e s Total de auditorias Data Troca do circuito Sondagens auditadas dispensados Cateteres auditados Curativo Sujidade do adequado % conformidade circuito Não conformidades Não conformidades Data do curativo Drenagem de % VM condensado HM antes procedimento Higiene das mãos Troca sistema antes Clorexedine Filtro Uso de campo entre Degermação Soro/bureta Cabeceira MMII adequados Pacientes elevada Uso de máscara Clorexidine Bureta protegida Pacientes em alcoólico VM Única tentativa Luvas estéreis Troca de luva antes da passagem Conexão da sonda Higiene íntima com degermante HM após procedimento Campo fenestrado Descarte clorex Gorro/máscara/ avental Campos grandes Curativo

6 Adesão Processo Higienização Mãos (HM) UTI-A Observações antes procedimento N = 922 Adesão x Especialidade Enfermagem = 153 Fisioterapeuta = 142 Médico = 139 Técn. Lab/RX = 17 Técn.Enfermagem = 381 Total = 922 Observações depois do procedimento N = 921 Período 3/9/8 28/2/9 31 Período 3/9/8 28/2/ Isolamento Empirico Precauções de contato por Bactérias Multi-resistentes

7 Transpondo o Abismo: Qualidade e Segurança " Que os órgãos reguladores e patrocinadores identifiquem os temas prioritários para um esforço inicial e providenciem recursos para inovação e mudança. " Que a organização, os profissionais e pacientes adotem um novo conjunto de princípios para redefinir o processo de assistência. " Que todos os envolvidos com a assistência (gerentes, fornecedores, reguladores, profissionais, consumidores) comprometam-se com metas institucionais mínimas. " Que a instituição planeje e implante um processo de suporte eficiente na mudança da assistência. " Que todos os envolvidos propiciem: " suporte à prática baseada em evidências " acesso à tecnologia de informação " alinhamento com a política de remuneração " adaptação da equipe para a expansão de conhecimentos e mudanças rápidas Obrigado /19/213 O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção hospitalar? Oscar Fernando Pavao dos Santos, MD 5/14/213 Diagnostico e manejo da infecção pelo Clostridium difficile Moacyr Silva Junior, MD 8/13/213 Novas tecnologias para o diagnóstico e prevenção das infecções em ter apia intensiva Alexandre R. Marra, MD 7

29 Outubro, 2013 www.webbertraining.com

29 Outubro, 2013 www.webbertraining.com Nada a declarar Conflito de interesse Alexandre R. Marra Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) Patrocinadopor www.gojo.com.br Objetivos Novas e velhas

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE LORIANE KONKEWICZ CCIH Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital de Clínicas de Porto Alegre HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Hospital

Leia mais

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS Denise Brandão de Assis Diretora Técnica Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA CONCEITO A Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV) é infecção diagnosticada após 48h de ventilação mecânica até a sua suspensão. ETIOLOGIA Tabela 1. Microorganismos

Leia mais

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP

Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES - SP Projeto Estadual para Redução de Infecção de Corrente Sanguínea em Unidades de Terapia Intensiva: intervenção de baixo custo, grandes resultados Denise Brandão de Assis Diretora Técnica da Divisão de Infecção

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO E L A B O R A Ç Ã O Adriana de Oliveira Sousa Gerente daterapia Integrada ISGH Ana Karine Girão Lima Assessora Técnica da Educação Permanente ISGH Braulio Matias Coordenador

Leia mais

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV

O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV O ESTADO DA ARTE NA PREVENÇÃO DE PAV Larissa G Thimoteo Cavassin Enfermeira CCIH Junho 2013 Apresentação Introdução Medidas para prevenção de PAV Aplicação prática Conclusão Estado da arte Origem: Wikipédia,

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica

Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica Pacotes de medidas: como avançar? Pneumonia associada à Ventilação Mecânica Francisco Ivanildo de Oliveira Junior Hospital Municipal de Barueri Instituto de Infectologia Emílio Ribas IX Simpósio Estadual

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

Pacote de medidas (bundle) Expediente

Pacote de medidas (bundle) Expediente Expediente Coordenação e Edição Carolina Guadanhin Coordenação Técnica Ivan Pozzi Cláudia Carrilho Produção e Edição Dayane Santana Revisão Gramatical Jackson Liasch Projeto Gráfico OZLondrina Impressão

Leia mais

INFECÇÕES HOSPITALARES EM PACIENTES INFECTADOS COM HIV 9 a Jornada de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto Infecção pelo HIV Alterações de imunidade relacionadas ao HIV: Depleção de células c CD4 (< 250,

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares

Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Segurança do Paciente como Prioridade nas Organizações Hospitalares Claudia Garcia de Barros Diretora de Prática Assistencial, Qualidade, Segurança e Meio Ambiente Hospital Albert Einstein 1859 - Florence

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Análise dos dados das Infecções Hospitalares/Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde do Estado do Paraná no período entre Junho a Dezembro de 2009. Departamento de Vigilância Sanitária/SESA Comissão

Leia mais

Como avaliar dados de infecção hospitalar

Como avaliar dados de infecção hospitalar Montando meu programa de vigilância epidemiológica: o que não pode faltar Parte II Como avaliar dados de infecção hospitalar Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar-CVE gmadalosso@saude.sp.gov.br

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Norma: 01/2013 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Para: Diretor Presidente, Diretor de Processos Médicos, Diretor Administrativo-financeiro,

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Ana L. Vasconcelos Coordenadora Programa Integrado de Cirurgia O Protocolo de cirurgia segura do

Leia mais

MA 4 APOIO TÉCNICO. Flávia Miranda Fabíola Raimundo

MA 4 APOIO TÉCNICO. Flávia Miranda Fabíola Raimundo MA 4 APOIO TÉCNICO Flávia Miranda Fabíola Raimundo MA 3 Diagnóstico e Terapêutica MA 4/1 Sistema de informação do paciente/cliente MA 4/2 gestão de Equipamentos e Tecnologia Médico-Hospitalar MA 4/3 Prevenção,

Leia mais

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST

ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST ANTIBIOTICOTERAPIA ADEQUADA / CHECK LIST Coleta de culturas antes ATB adequado em h se sepse Intervalo e dose corretos (peso) Reavaliar em - com culturas Suspender em -0d se boa evolução tratar bacteriúria/

Leia mais

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Lucieni de Oliveira Conterno Faculdade de Medicina de Marília Disciplina de Infectologia Núcleo de Epidemiologia Clinica SCIH- Santa Casa de Marília ISENÇÃO DE

Leia mais

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra

Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico. Sandra Abrantes Krug Seabra Gerenciamento de Risco Paciente Oncológico Sandra Abrantes Krug Seabra Outubro 2010 Agenda Gerenciamento de Risco Fatores Críticos de Sucesso Estamos fazendo certo? Gestão = Administração Administrar:

Leia mais

Lembrete... Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Métodos de avaliação microbiológica. In vitro Ex vivo In vivo Estudos clínicos

Lembrete... Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Métodos de avaliação microbiológica. In vitro Ex vivo In vivo Estudos clínicos Elementos essenciais na HM Higiene das mãos com álcool: efetiva para todos os agentes? Enf. Julia Yaeko Kawagoe - H. Israelita Albert Einstein Integridade da pele; Atividade antimicrobiana: microbiota

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

Controle de IH em pacientes oncológicos

Controle de IH em pacientes oncológicos Aspectos essenciais no controle de IH em situações especiais Controle de IH em pacientes oncológicos Paulo de Tarso Oliveira e Castro CCIH Hospital de Câncer de Barretos Fatores de risco para IH em Quimioterapia

Leia mais

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1 Informações para elaboração dos Indicadores Epidemiológicos de IH no Estado de MT 1 (Registro no EDA sob nº. 397.700 Livro 740 Folha 360) 2013 Revisão fev /2013 1 Elaboração: Enfª Ms. Rosangela de Oliveira

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento

Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento Performance em Saúde Práticas de Excelência e de Pagamento IQG Instituto Qualisa de Gestão Março 2011 Martha Savedra Práticas Excelência X Pagamento Qualidade Segurança Percepção do cliente FFS Pacotes

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente

Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário os desafios do SNVS para o usuário que é sujeito, cidadão e cliente 15 Encontro da Rede Sentinela - Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão do Risco Sanitário

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO ENFERMEIRA AGRIPINA TENDER PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFEÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE Formação Investigação IACS Infecção Associada aos Cuidados

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica XI Simpósio Brasileiro de Atenção Domiciliar - Hospital Israelita Albert Einstein Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica Milene Karine Zimmer Volpe OBJETIVOS Definir a Padronização Indicadores

Leia mais

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Cuidados no Transporte de Pacientes Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Conceito O transporte pode ser intra ou interhospitalar. O transporte intra-hospitalar pode ser transferência temporária ou definitiva

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014

Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Cirurgia Segura: O que muda após a RDC n 36/2013? Adriana Oliveira Abril - 2014 Aspectos a serem abordados: Reflexões sobre: O contexto da Aliança Mundial para Segurança do Paciente. Panorama da Regulamentação

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

Controversias em controle de infecção: Pneumonia

Controversias em controle de infecção: Pneumonia 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Controversias em controle de infecção: Pneumonia

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação Segurança do Paciente Anos 50 e 60: estudos sobre eventos

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL RESUMO

ARTIGO ORIGINAL RESUMO ARTIGO ORIGINAL Impacto de programa multidisciplinar para redução das densidades de incidência de infecção associada à assistência na UTI de hospital terciário em Belo Horizonte Assessing the impact of

Leia mais

Coordenadoras dos Grupos de Indicadores de Enfermagem

Coordenadoras dos Grupos de Indicadores de Enfermagem Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão da Assistência Elisa A A Reis Gerência de Qualidade Hospital Albert Einstein Reis E, Indicadores de Enfermagem: Importância e Aplicação na Gestão

Leia mais

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing

Estratégias para o controle de infecções na Terapia Intravenosa e lavagem do cateter flushing Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT2: O Sistema de Infusão: acessórios e equipamentos eletrônicos em Terapia Intravenosa Estratégias para o controle

Leia mais

Metas Internacionais de Segurança do Paciente. Tânia de Oliveira Messias

Metas Internacionais de Segurança do Paciente. Tânia de Oliveira Messias Metas Internacionais de Segurança do Paciente Tânia de Oliveira Messias Um pouco de História... Fim da 1ª Grande Guerra Mundial 1918 O Colégio Americano de Cirurgiões realiza a 1ª avaliação de Hospitais

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos?

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Juliana P Machado Gerente de Enfermagem HSF Doutoranda EERP- USP Esp. em Gestão de Negócios Saúde Membro REBRAENSP Segurança do Paciente...

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR CONSIDERAÇÕES INICIAIS WLLINGTON JORGE DOS SANTOS 1 - UFPI. IVONIZETE PIRES RIBEIRO 2 - NOVAFAPI As Infecções Hospitalares

Leia mais

Controle de infecção em UTI

Controle de infecção em UTI Controle de infecção em UTI Enfª Cláudia Karam Maio/2013 Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Portaria n 2616-12 de maio de 1998 Ministério da Saúde Estrutura da CCIH Membros consultores -

Leia mais

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes

I International Symposium on Patient Safety and Quality. Segurança do Paciente: Cenário Nacional. Walter Mendes I International Symposium on Patient Safety and Quality Segurança do Paciente: Cenário Nacional Walter Mendes O que é segurança do paciente? Um fenômeno mundial Índia Portugal EUA Brasil Uma das dimensões

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA

BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER SCIH SERVIÇO DE CONTROLE INFECÇAO HOSPITALAR BUNDLE PARA PREVENÇÃO DE INFECÃO PRIMARIA DE CORRENTE SANGUÍNEA Introdução As infecções

Leia mais

PARECER COREN-DF Nº 004/2011

PARECER COREN-DF Nº 004/2011 PARECER COREN-DF Nº 004/2011 SOLICITANTE: Dr. Obedes de Souza Vasco, Coren-DF nº 191085-ENF, Sra. Margarida de Souza Queiroz, Dra. Luciana Simionatto e Silva, Coren-DF nº 58827-ENF, e Dra. Christiane Gigante,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA RGICA RESPONSABILIDADE COMPARTILHADA INSTRUMENTADOR CIRÚRGICO A INSTRUMENTAÇÃO CIRÚRGICA: é uma atividade de enfermagem, não sendo entretanto, ato privativo da mesma e que o profissional

Leia mais

XVI SEMEAD Seminários em Administração

XVI SEMEAD Seminários em Administração XVI SEMEAD Seminários em Administração outubro de 2013 ISSN 2177-3866 QUALIDADE E SEGURANÇA NA ASSISTÊNCIA EM SAÚDE. ABORDAGEM DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL EM TERAPIA INTENSIVA DE ADULTOS PARA PREVENÇÃO

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança

Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Processos de Auditorias Internas para a Garantia da Qualidade e Segurança Gestão Operacional Sistemas de Garantia da Qualidade Gestão da Estratégia Planejamento Estratégico Projetos Estratégicos Desdobramento

Leia mais

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA PARA QUÊ SERVE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Os sistemas de informação têm como objetivo a aquisição do conhecimento que deve fundamentar a gestão

Leia mais

Profissão Médica: ontem, hoje e amanhã

Profissão Médica: ontem, hoje e amanhã Profissão Médica: ontem, hoje e amanhã Claudio Luiz Lottenberg Miguel Cendoroglo Neto Oscar Pavão dos Santos Camila Sardenberg Congresso Internacional de Acreditação CBA-JCI 14 de junho de 2011 O que há

Leia mais

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM

Leia mais

Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International

Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International Segurança de Medicamentos no Processo de Acreditação da Joint Commission International José de Lima Valverde Filho Consórcio Brasileiro de Acreditação Acreditação Processo no qual uma entidade, geralmente

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC)

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) PREVENÇÃO DE INFECÇÃO EM SÍTIO CIRÚRGICO (ISC) Enf.ª Cláudia Cristina Castro de Andrade SEC/SCIH devidos créditos! Plágio é Crime! UM POUCO DE HISTÓRIA... Até a metade do século XIX ISC= óbito Joseph Lister,

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Unidade: Unidade Assistencial Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Tarefa: Higienização de mãos Número: 79 Data: 03/2015 Responsável:

Leia mais

EEAN.edu.br Pneumonia associada à ventilação mecânica: discursos de profissionais acerca da prevenção

EEAN.edu.br Pneumonia associada à ventilação mecânica: discursos de profissionais acerca da prevenção Esc Anna Nery 2014;18(2):290-295 PESQUISA RESEARCH EEAN.edu.br Pneumonia associada à ventilação mecânica: discursos de profissionais acerca da prevenção Ventilator-associated pneumonia: discourse of professionals

Leia mais

Taxa de mortalidade institucional

Taxa de mortalidade institucional Taxa de mortalidade institucional V1.01 Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA SEGURANÇA EM ANESTESIA DATA DE PUBLICAÇÃO: 11/03/2012 Dr. Getúlio R de Oliveira Filho Hospital Governador Celso Ramos, Brasil Correspondência para oliveirafilho.gr@gmail.com

Leia mais

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos

Protocolo Assistencial de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica em Adultos 1/8 Fluxograma 2/8 Medidas de Prevenção BUNDLE DE PREVENÇÃO: 1. Higienização das mãos conforme os 5 momentos preconizados pela OMS. A meta de higiene de mãos é de 75% de adesão. 2. Manter pacientes em

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Indicadores de desempenho. Francisco de Salles Collet e Silva

Indicadores de desempenho. Francisco de Salles Collet e Silva Francisco de Salles Collet e Silva 1. O que é um indicador de desempenho? 2. Como escolher? 3. Como coletar esta informação? 4. Quais são as variáveis que ele esta sujeito? 5. Qual é a sua aplicação na

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais