Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global"

Transcrição

1 Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

2 Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES CLIENTES, SENDO DESTES, EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES DE SERVIÇO; 15 UNIDADES PRÓPRIAS DE ATENDIMENTO: 01 HOSPITAL GERAL; 01 MATERNIDADE E HOSPITAL DIA; 01 CLÍNICA DE IMAGEM E DIAGNÓSTICO; 01 UNIDADE AMBULATORIAL DO HOSPITAL UNIMED; 04 CENTROS DE ESPECIALIDADES MÉDICAS; 05 UNIDADES PERSONAL (ATENÇÃO PRIMÁRIA); 01 CENTRO ONCOLÓGICO; 01 LABORATÓRIO DE ANALISES CLÍNICAS;

3 Necessidade: Desenvolver uma forma de remuneração hospitalar baseada em taxas e diárias com composição semi-global, contemplando: Compartilhamento de riscos entre a Operadora e a Rede; Valorização dos serviços prestados com eficiência; Aumento da previsibilidade dos gastos/receita; Simplificação da operação; Otimização do processo de gestão da assistência médica/hospitalar. Qual a Forma: Incluindo nos valores das taxas e diárias todos os custos com materiais, medicamentos, hotelaria e demais despesas necessária ao atendimento aos clientes do sistema Unimed s.

4 Como foi Confeccionada a Tabela de Remuneração Semi-Global Com a participação de 4 (quatro) grandes hospitais da Rede Prestadora da Unimed Vitória (mais de 65% dos leitos na Grande Vitória); Com o apoio de uma consultoria independente; Com a apuração dos custos hospitalares, através de relatórios e informações retirados dos sistemas gestão e balancetes dos hospitais participantes; Com a promoção de reuniões de acompanhamento do projeto, promovidas pela Unimed Vitória junto com a Consultoria Externa, garantindo a transparência e alinhamento das informações; Com uma série de simulações e comparativos entre os dois modelos (atual e proposto); Com o patrocínio irrestrito da Diretoria Executiva da Unimed Vitória e dos Hospitais; Com a definição e formalização contratual da manutenção do perfil hospitalar dos prestadores que adotarão o modelo de remuneração Semi-Global;

5 Composição do Custo das Taxas, Diárias e Atendimento de PS PRINCIPAIS CUSTOS CONSIDERADOS: Apuração dos custos administrativos através da metodologia de custeio por absorção, utilizando premissas homogêneas quanto a critérios contábeis (regime de competência); a) Depreciação predial e de equipamentos; b) Custo com RH, encargos sociais e benefícios; c) Custos da Administração de Medicamentos, Materiais e Gases Hospitalares; Apuração dos custos variáveis (materiais, medicamentos, gases hospitalares) com base no custo médio real de estoque em determinado período; Apuração da taxa de ocupação hospitalar padrão nos Hospitais avaliados (80% de taxa de ocupação); Apuração da participação real dos clientes Unimed na ocupação dos Hospitais avaliados; Apuração dos custos com impostos (foi computado um índice de 7,93%, sendo destes, 2% de ISS, 3% de COFINS, 0,65% de PIS, 1,2% de I.R e 1,08% de CSLL).

6 Composição da Tabela Semi-Global DIÁRIAS: Estão inclusos: Hotelaria, assistência de enfermagem, Refeições do paciente, material descartável, gases medicinais, custo e manutenção com equipamentos médico-hospitalares de uso permanente ou não, EPI (equipamento de proteção individual), nutrição e dietas enterais/parenterais, materiais, medicamentos em geral e demais custos necessários ao tratamento do paciente nesta unidade hospitalar, com ressalva às Órteses, Próteses, Materiais e Medicamentos Especiais (OPMME) + Imunoglobulina + Ambsome + Meronem + Surfactante; DIÁRIAS SEMI-GLOBAIS UTI, CORONARIANA, UTIN, APARTAMENTO, ENFERMARIA, BERCÁRIO E ISOLAMENTO Item Custos de Hotelaria Honorários Médicos Gases Medicinais* Materiais e Medicamentos Valor da Diária Não Não estão inclusos: Honorário Médico, Honorário de Anestesista, Sangue/Hemoderivados/Hemocomponentes, OPMME, SADT (Fisioterapia, Laboratório de Análises Clinicas, Laboratório de Patologia, Broncoscopia, Fonoaudiologia, Audiometria, Endoscopia, Colonoscopia, Hemodinâmica, Hemodiálise, Banco de Sangue, Litotripsia, Eletrocardiograma, Cintilografia e Imagem); SADT Hemoderivados OPMME s Alimentaçãoe Nutrição (Enteral e Parenteral) Não Não Não

7 Composição da Tabela Semi-Global TAXA DE SALA: Estão inclusos: Higienização e preparo da sala, assistência de enfermagem, materiais descartáveis ou não, gases medicinais, custo e manutenção com equipamentos médico-hospitalares de uso permanente ou não, EPI (equipamento de proteção individual), nutrição e dietas enterais/parenterais, intensificador de imagem, materiais, medicamentos em geral e demais custos necessários ao tratamento do paciente nesta unidade hospitalar, com ressalva às Órteses, Próteses, Materiais e Medicamentos Especiais (OPMME) + Imunoglobulina + Ambsome + Meronem + Surfactante. TAXA DE SALA CIRURGICA COMPOSIÇÃO INDIFERENTE DO PORTE Item Esterilização e Higienização Honorários Médico Gases Medicinais* Materiais e Medicamentos Custo com Equipamentos Valor da Taxa Não Não estão inclusos: Honorário Médico, Honorário de Anestesista, Sangue/Hemoderivados/Hemocomponente e OPMME; Hemoderivados OPMME s Demais Despesas Não Não

8 Composição da Tabela Semi-Global ATENDIMENTO DE PS: Estão inclusos: Honorários médicos da consulta e dos pequenos procedimentos realizados em ambiente de Pronto Socorro, higienização e preparo dos consultórios médicos e sala de observação, assistência de enfermagem, refeições do paciente, material descartável, gases medicinais, custo e manutenção com equipamentos médico-hospitalares de uso permanente ou não, EPI (equipamento de proteção individual), nutrição e dietas enterais/parenterais, materiais, medicamentos em geral, gesso, tala gessada e demais custos necessários ao tratamento do paciente nesta unidade hospitalar, com ressalva às Órteses, Próteses, Materiais e Medicamentos Especiais (OPMME); ATENDIMENTO DE PRONTO SOCORRO Item Honorário da Consulta Demais Honorários Médicos (Peq. Procedimentose Peq. Cirurgias) Gases Medicinais* Materiais e Medicamentos Valor da Consulta Não estão inclusos: Sangue/Hemoderivados/Hemocomponentes, OPMME, SADT (Fisioterapia, Laboratório de Análises Clinicas, Laboratório de Patologia, Broncoscopia, Fonoaudiologia, Audiometria, Endoscopia, Colonoscopia, Banco de Sangue, Litotripsia, Eletrocardiograma, Cintilografia e Imagem); Taxas de Observação e PS Hemoderivados e SADT s OPMME s Não Não

9 Tabela Semi-Global:

10 Fee For Service Como fica a margem bruta dos prestadores com o novo modelo? Impacto médio ocorrido para a Unimed com o novo Modelo? + 4,8% em 12 meses Novo Modelo Obs.: A inflação com internações no modelo Fee ForServicenaUnimedVitóriaerade16%aoano.

11 Remuneração Fee For Service Modelo Praticado na Maioria dos Hospitais Brasileiros: O modelo hospitalar baseado no Fee For Service possui por característica principal a geração de receita através do consumo de insumos e medicamentos hospitalares.

12 Modelo Baseado em Remuneração Semi-Global: O modelo hospitalar baseado em Remuneração Semi-Global possui por característica principal a geração de receita através da eficiência do serviço prestado.

13 Conta Médica no Modelo Fee For Service: HM Diária Taxas Mat. Med.

14 Conta Médica no Novo Modelo: HM Diária Taxa

15 E a Auditoria neste Modelo? Segurança Qualidade Gestor Assistencial Eficiência Desospitalização

16 Indicadores de Eficiência Operacional: 1. Índice de Re-hospitalização: Nº de beneficiários que re-internaram, em qualquer hosp., em menos de 30 dias, após uma internação; 2. Índice de internação por PS: Nº de atendimentos em pronto socorro que em até 96 horas evoluíram para internação; 3. Índice de Retorno do Paciente ao PS: Nº de atendimentos de P.S feitos com até 72 horas após o primeiro atendimento, em qualquer P.S; 4. Custo médio gerado a partir da consulta de PS: Custos gerados em um atendimento de pronto socorro sem considerar o valor da consulta; 5. Tempo médio de Internação Clínica e Cirúrgica: Média do tempo das internações: CTI (Clínicas e Cirúrgicas) e Apto (Clínicas e Cirúrgicas); 6. Programas de Qualificação: Valorizar o prestador que possui ONA (I, II e II) e ISO;

17 Indicadores de Segurança: 1. Índice de Infecção da Corrente Sanguínea Relacionada a Cateter Venoso Central: Nº de infecção da corrente sanguínea associada a um cateter venoso central; 2. Índice de Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica: Nº de Pneumonia associada à ventilação mecânica; 3. Índice de Infecção Urinária: Nº de infecção de trato urinária associado a sonda vesical; 4. Índice de Mortalidade na UTI: Nº de mortalidade observada em relação ao esperado; 5. Índice de Lesão (Integridade) da Pele: Nº de pacientes com alta sem desenvolver úlcera de pressão / Nº de pacientes com risco ou que desenvolveram úlcera de pressão;

18 Próximos Passos: Firmar protocolos garantindo o tempo máximo de permanência por procedimentos médico ocorrido dentro do esperado; Criação de um grupo técnico, com representantes dos 4 hospitais envolvidos, para definição de critérios de complexidade de internação e Atendimento de PS; O objetivo é evoluirmos a uma tabela com diárias e atendimento de PS categorizados por complexidade (alta, média e baixa); Incluir na taxa ou diária semiglobal os SADT s e Honorários dos intensivistas; Remuneração médica e hospitalar por tratamento da doença (DRG - Grupo Relacionado pelo Diagnóstico);

19 OBRIGADO! Dr. Alexandre Augusto Ruschi Filho Presidente do Conselho de Administração da Unimed Vitória Presidente da Federação das Unimeds do Estado do ES (27)

Painel 1: Modelo de Remuneração por Serviço A Evolução do Fee for Service para Pacotes

Painel 1: Modelo de Remuneração por Serviço A Evolução do Fee for Service para Pacotes Painel 1: Modelo de Remuneração por Serviço A Evolução do Fee for Service para Pacotes Geferson Alcântara Antunes Superintendente de Recursos Hospitalares Unimed Vitória Bacharel Administrador Hospitalar

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ ANEXO I EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 008/2014 PARA CREDENCIAMENTO DE HOSPITAIS E CLÍNICAS HABILITADOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE, ASSIM COMPREENDIDOS OS CENTROS DE INFUSÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS;

Leia mais

TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED. Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00 Diária de UTI... R$ 1.

TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED. Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00 Diária de UTI... R$ 1. ATUALIZADO EM 2011 TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED CONSULTA NIPOMED 52,00 CONSULTA PART - 150.00 Pacotes de Diárias Clínicas: Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA TORÁCICA OUT/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância,

Leia mais

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM?

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? PLANO 6531 VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? É com satisfação que lhe apresentamos o UNIPAR 100. Um plano de saúde participativo, regulamentado pela Lei 9656/98, que garante ao

Leia mais

Guia Prático de Utilização do Plano

Guia Prático de Utilização do Plano Guia Prático de Utilização do Plano Aqui você tem o que há de melhor para a sua saúde. O QUE É A UNIMED APRESENTAÇÃO Sua finalidade é prestar assistência médica e hospitalar de alto padrão, dentro do sistema

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED I. DO ATENDIMENTO O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: HISTEROSCOPIA JULHO/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES DO ESTADO Republicação da resolução n 04 de 21 de dezembro de 2009 Número de Publicação:

Leia mais

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA:

ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: C o b e r t u r a C o n t r a t u a l ABRANGÊNCIA DO PLANO EMPRESARIAL HOSPITALAR COM/SEM OBSTETRÍCIA: -ATENDIMENTO 24 horas; I - AS CONSULTAS DE URGÊNCIA serão realizadas com médico plantonista no HOSPITAL

Leia mais

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS

V. CONSIDERAÇÕES FINAIS AGENDA I. PERSPECTIVAS DA GESTÃO Trabalhando DA SAÚDE em Redes Cooperativas: Compartilhamento II. ABORDAGENS para DE CUSTEIO SUStentabilidade Case I Apresentação do III. EXPERIÊNCIA DAS SANTAS CASAS DE

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES 1. DO ATENDIMENTO: 1.1. O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido da prestação de serviços médico-hospitalares, e será efetuado mediante apresentação

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 Dispõe sobre Instruções de Apresentação do Recurso Eletrônico de Glosas e revoga o 2º do art. 2º da Ordem de Serviço 09/2013 O Diretor de Saúde do Instituto de Previdência do

Leia mais

Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias

Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias Codigo Nome Cod TUSS Descr 80011063 DIÁRIA DAY CLINIC APARTAMENTO 60000775 DIÁRIA DE HOSPITAL DIA APARTAMENTO 80014003 DIÁRIA DAY CLINIC ENFERMARIA (

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR

PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR PORTARIA NORMATIVA nº 7-2010/PR Implementa alteração no serviço de Assistência Hospitalar Domiciliar - AHD, no âmbito do Programa IPASGO Domiciliar e revoga PN 004-2009/PR. O Presidente do Instituto de

Leia mais

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO

FORMULÁRIOS TISS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Formulários Padrão TISS 2. Preenchimento das Guias Padrão TISS Guia de Consulta Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT Guia de Solicitação de Internação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

BÁSICO - COBERTURAS. Cobertura de refeição para acompanhante Internados menores de 18 anos e a partir de 60 anos PRÁTICO - COBERTURAS

BÁSICO - COBERTURAS. Cobertura de refeição para acompanhante Internados menores de 18 anos e a partir de 60 anos PRÁTICO - COBERTURAS Informações importantes dos seguros-saúde da Seguros Unimed Além das coberturas obrigatórias da Lei nº 9.656/98, os seguros contemplam coberturas e serviços diferenciados. Cobertura de refeição para acompanhante

Leia mais

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Sérgio Lopez Bento 02.06.2009 AGENDA 1. Contexto atual do segmento de saúde privada 2. Modelos de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA SIG SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1. ORIENTAÇÕES As planilhas possuem vínculos, portanto pedimos que NÃO INCLUAM E NEM EXCLUAM LINHAS, para que não tenhamos

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Secretaria de Estado da Saúde - SP As Organizações Sociais de Saúde no Estado de São Paulo A experiência da Secretaria da Saúde planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Organização

Leia mais

PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br

PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br PLANOS UNIMED CONVÊNIO ASDEP Contato: convênios@asdep.com.br 1. PLANO UNIMAX COLETIVOS POR ADESÃO Características: Apresentam abrangência Nacional, com atendimentos e ampla utilização na rede Unimed, contando

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA

A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA A Importância da Gestão Técnica e do Corpo Clínico no Processo de Certificação ONA Eudes Arantes Magalhães eudes@lifec.com.br (31) 9948-8537 1 HISTORIA Com 16,5 mil metros quadrados, o Hospital Lifecenter

Leia mais

Guia Plano de Saúde Agregados

Guia Plano de Saúde Agregados Guia Plano de Saúde Agregados Coberturas O plano de Saúde de Agregados, contratado pela Celos a Unimed Florianópolis, é regulamentado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar e possui segmentação Ambulatorial

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. FINANCEIRO Feito por: Diego dos Santos CONTABILIDADE/CUSTOS

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais

Regulamentação do Contrato. Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Coberturas Contratuais Regulamentação do Contrato Planos Não Regulamentados: Planos antigos que foram contratados antes de 1999, com direitos contratuais restritos em relação

Leia mais

Colaboradores da Oceanair e Avianca. Prezado Cliente, Parabéns!

Colaboradores da Oceanair e Avianca. Prezado Cliente, Parabéns! Colaboradores da Oceanair e Avianca Prezado Cliente, Parabéns! A sua empresa tem contrato com a Unimed Paulistana e isso quer dizer que você é um cliente UNIMED. Significa também que seu plano de saúde

Leia mais

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA LIS CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA CONSULTAS (HORÁRIO COMERCIAL): R$ 50,00 CONSULTAS À NOITE, FERIADO E FINAL DE SEMANA: R$ 70,00 1.1 Enfermaria 1.2 Apartamento Privativo Padrão 1.3 Apartamento Privativo

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7

Manual do Prestador SEPACO. Autogestão. ANS - no 41.696-7 Manual do Prestador Autogestão ANS - no 41.696-7 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Autogestão, informando as características

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA A REDE DE PRESTADORES GUIA DE CONSULTA Recife/2007 SUMÁRIO PAG I Objetivos... 02 II Orientações Gerais... 04 III Instruções para preenchimento da Guia de Consulta... 06 IV Anexos......

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA ASSISTÊNCIA JULHO/2013 REDE DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Aumento da Rede credenciada MÊS DE REFERÊNCIA Dez/11 Dez/12 CLINICA 508 653 CLINICA ODONTOLÓGICA 42 41 HOSPITAL 161

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil:

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Unimed Brasil A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Presente em 83% território nacional; 375 cooperativas

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013 PRESTAÇÃO DE CONTAS JUN/2013 30/06/2013 COMPLEXO ESTADUAL DE SAÚDE V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual de Saúde - CES, no Estado do Rio de Janeiro, pela entidade de direito

Leia mais

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO

ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ANEXO II MANUAL DO CREDENCIADO ESTE MANUAL TEM POR OBJETIVO FORNECER ORIENTAÇÃO GERAL AOS PROFISSIONAIS E INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS DO SISTEMA DE ASSISTÊNCIA MÉDICA SUPLETIVA DA CESAN. O FIEL CUMPRIMENTO

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

GRM-COM-014/08 MISSÃO

GRM-COM-014/08 MISSÃO GRM-COM-014/08 MISSÃO "Proporcionar serviços de cuidados com a saúde, de qualidade, inovadores e humanizados, a preços justos, de forma ética, valorizando o trabalho médico e os colaboradores APRESENTAÇÃO

Leia mais

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto Sigla do Indicador Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto TDIHCVC UTI Adulto SEGURANÇA Taxa de densidade

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Unimed Porto Alegre. e Prestadores

Unimed Porto Alegre. e Prestadores Diretoria de Provimento de Saúde - Case CMED - Unimed Porto Alegre e Prestadores Diretoria de Provimento de Saúde Diretoria de Provimento de Saúde O Sistema Unimed: 360 cooperativas 111 hospitais 179 pronto-atendimentos

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS

MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS MANUAL DE PREENCHIMENTO GUIAS TISS Padrão TISS Atendendo à exigência da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a partir do dia 31 de Agosto do corrente ano, a Unimed Sobral se adequará ao padrão

Leia mais

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Entendendo o modelo remuneratório no Brasil Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Ano de fundação: 1851 Santa Casa de Misericórdia de Maceió 70,00% Paciente

Leia mais

ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013

ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013 ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMNE 6ª RM 19ª CIRCUNSCRIÇÃO DE SERVIÇO MILITAR (JRS de Aracaju / 1908) Lista Referencial de Procedimentos Hospitalares

Leia mais

SAÚDE NÃO TEM PREÇO MAS TEM CUSTO

SAÚDE NÃO TEM PREÇO MAS TEM CUSTO SAÚDE NÃO TEM PREÇO MAS TEM CUSTO DESPESAS FEDERAIS R$ 2,86 TRILHÕES 19% 0,3% 19% 52% 10% Somente 10 % de liberdade!!! RESERVA DE CONTINGENCIA PRIMÁRIA DESPESAS FINANCEIRAS DESPESAS DISCRICIONÁRIAS PREVIDÊNCIA

Leia mais

Manual de Relacionamento com Fornecedor

Manual de Relacionamento com Fornecedor 1 Manual de Relacionamento com Fornecedor 2 I Introdução... 3 1. Missão, visão e valores... 4 II Relacionamento com Fornecedor... 5 1. Qualificação... 6 2. Transporte... 6 3. Veículo... 6 4. Entrega/Recebimento...

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

Apresentação TISS 3.01.00. Obrigatoriedade 30/05/2014 RN 305 / 341 IN 51 (ANS)

Apresentação TISS 3.01.00. Obrigatoriedade 30/05/2014 RN 305 / 341 IN 51 (ANS) Apresentação TISS 3.01.00 Obrigatoriedade 30/05/2014 RN 305 / 341 IN 51 (ANS) 1 Apresentação TISS 3.01.00 Obrigatoriedade 30/05/2014 RN 305 / 341 IN 51 (ANS) Paulo Andrade (Gerente TI) Coordenador TISS

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

Guia de SP/SADT Instrução de Preenchimento Manual

Guia de SP/SADT Instrução de Preenchimento Manual A Guia de Serviço Profissional/Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia SP/SADT deverá ser preenchida pelo profissional ou entidade de saúde que mantém compromisso de credenciamento especial firmado com

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

TREINAMENTO OPERACIONAL

TREINAMENTO OPERACIONAL TREINAMENTO OPERACIONAL INTRODUÇÃO Introdução; Público; Objetivo do Workshop; INÍCIO IDENTIFICAÇÃO O processo normal de identificação para que um determinado beneficiário possa ter atendimento, deverá

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.01.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar ABRASAD Histórico 2005: Início do trabalho. I Seminário de Assistência Domiciliar. 2006: Portaria GM 2529. Fundação da ABRASAD Associação Brasileira

Leia mais

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho

Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico. Jacqueline Kohut Martinbiancho Classificação de risco de pacientes para acompanhamento farmacoterapêutico Jacqueline Kohut Martinbiancho HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE O Hospital de Clínicas de Porto Alegre é uma empresa pública

Leia mais

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1

ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 ANEXO II: ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA E ECONÔMICA ÁREA DE PLANEJAMENTO 3.1 1 Introdução Entende-se que a Proposta Técnica e Econômica é a demonstração do conjunto dos elementos necessários

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Plano de Saúde ASSUFEMG UNIMED/BH UNIPART/FLEX

Plano de Saúde ASSUFEMG UNIMED/BH UNIPART/FLEX Plano de Saúde ASSUFEMG UNIMED/BH UNIPART/FLEX A ASSUFEMG, após extensas negociações com a UNIMED-BH, conseguiu uma proposta de Plano de Saúde, denominada UNIPART/FLEX, extremamente atraente tanto para

Leia mais

Taxas e Diárias. Nos casos de utilização do Centro cirúrgico por pacientes externos será igualmente cobrada a Taxa de Admissão e Registro.

Taxas e Diárias. Nos casos de utilização do Centro cirúrgico por pacientes externos será igualmente cobrada a Taxa de Admissão e Registro. Instruções Gerais Taxas e Diárias A Tabela de Taxas e Diárias do DF é normatizada pelo SBH Sindicato Brasiliense de Hospitais do DF, dirigida aos convênios que tem vinculo com a rede Hospitalar/DF filiados

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PAR A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA Nº 006/2015 O Município de CAMARGO - RS, torna público a abertura das inscrições, no período de 12/11/2015 a 19/11/2015, no horário

Leia mais

PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS

PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) DESCRIÇÃO CASSEB CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS DIÁRIAS ENFERMARIA 60000694 DIÁRIA DE ENFERMARIA DE 3 LEITOS COM BANHEIRO

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

Plano de Saúde C let let vo v o p or o r A des es o

Plano de Saúde C let let vo v o p or o r A des es o Plano de Saúde Coletivo por Adesão UNIMED GRANDE FLORIANÓPOLIS REDE CREDENCIADA 247.000 clientes 1.644 médicos cooperados 43 laboratórios 39 hospitais 257 clínicas 19 municípios cobertos REDE CREDENCIADA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Alexandre Leite) Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP e da Cofins incidentes sobre os serviços de administração de dietas enteral e parenteral.

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00

ÍNDICE. - 1 Guia Padrão TISS Versão 3.02.00 ÍNDICE TÓPICO PAG. 1 Apresentação... 2 2 Definição do Padrão TISS... 3 3 Objetivo do Padrão TISS... 3 4 Guias (formulários) do Padrão TISS... 3 5 Preenchimento das Guias do Padrão TISS... 4 Guia de Consulta...

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

TABELA DE PREÇO SUL AMERICA / SINAGÊNCIAS ATENDIMENTO NACIONAL

TABELA DE PREÇO SUL AMERICA / SINAGÊNCIAS ATENDIMENTO NACIONAL TABELA DE PREÇO SUL AMERICA / SINAGÊNCIAS ATENDIMENTO Válida para os Associados Residentes nos Estados - RIO GRANDE DO SUL, PARANA, ESPIRITO SANTOS 00-18 R$ 134,74 R$ 147,26 R$ 165,45 R$ 182,00 R$ 204,33

Leia mais

Guia de Planos de Saúde

Guia de Planos de Saúde Acomodação 00 a 18 19 a 23 24 a 28 29 a 33 34 a 38 39 a 43 44 a 48 49 a 53 54 a 58 59 ou + Tabela de Preços Enfermaria 46,50 62,13 62,13 76,11 80,45 88,40 115,28 141,32 169,72 278,85 Plano Individual Apartamento

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER

INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER INDICADORES E METAS A EXPERIÊNCIA DO CRER Claudemiro Euzébio Dourado Superintendente Administrativo Financeiro AGENDA I. CRER Institucional Histórico CRER em números Ferramentas de Gestão II. INDICADORES

Leia mais

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira O Principal: OBJETIVOS DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Maximizar a riqueza dos proprietários da empresa (privado). Ou a maximização dos recursos (público). rentabilidade - retorno sobre o

Leia mais