CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA"

Transcrição

1 LIS CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA CONSULTAS (HORÁRIO COMERCIAL): R$ 50,00 CONSULTAS À NOITE, FERIADO E FINAL DE SEMANA: R$ 70, Enfermaria 1.2 Apartamento Privativo Padrão 1.3 Apartamento Privativo Luxo 1.4 Berçário Normal 1.5 Berçário Patológico 1.6 Unidade Neonatal Intermediária UNI 1.7 U.T.I. Neonatal 1.8 U.T.I. Nível I 1.9 U.T.I. Nível II 1.10 U.T.I. Nível III 1.11 Unidade Coronariana 1.12 Day Clinic (diária até 12 h) 1.13 Diária de Acompanhante 1.14 Diárias em Quarto Duplo Porte 0 (internado/sala gesso/serviço ambulatorial) Porte Porte Porte Porte Porte Porte Porte Porte Vídeo Artroscopia Diagnostico Vídeo Histeroscopia Diagnostico

2 Vídeo Laparoscopia Diagnostico Vídeo Artroscopia Cirúrgica Vídeo Histeroscopia Cirúrgica Vídeo Laparoscopia Cirúrgica *Taxas de Vídeo - Até 3 horas, hora a mais subsequente indivisível *Taxa de Instrumental 30% do valor da Taxa de Sala. OBS.: Em caso de mais de um procedimento cirúrgico será cobrado 50% quando pela mesma via de acesso e 70% quando Sala de Observação em PS (até 06 horas) 2.3 SALA DE OBSERVAÇÃO PÓS ANESTÉSICA CENTRO CIRÚRGICO Taxa de sala de recuperação pós anestésica Taxa de Instrumentação Taxa de Circulante Oxigênio para nebulização contínua (hora) Oxigênio em Respirador, em qualquer setor (hora) Oxigênio em Cateter, em qualquer setor (hora) Ar comprimido, em qualquer setor (hora) Protóxito de Azoto (hora) Dióxido de Carbono (hora) Vácuo central ou portátil, em qualquer setor uso do aparelho (sessão) OBS. Os materiais utilizados nestes serviços, serão cobrados separadamente.

3 Aspiração ou Lavagem Traqueal (sessão) Controle de Diurese (dia) Curativo contaminado ou grande queimado (sessão) Curativo grande (sessão) Curativo médio (sessão) Curativo pequeno ou oftalmológico (sessão) Curativo poliescoriada e queimada (01 à 03 unid.) (sessão) Curativo poliescoriada e queimada (mais de 04 unid.) (sessão) Instalação de CX. De Hood, Cateter ou mascara (sessão) Instalação de Equipo (sessão) Irrigação continua (dia) Preparo de alimentação enteral (sessão) Preparo de alimentação parenteral (sessão) Retirada de gesso/ambulatorial (sessão) Retirada de Imob.Prov. ou gessada/ambulatorial (sessão) Sondagem ou Lavagem Gástrica fora do Centro Cirúrgico (sessão) Sondagem ou Lavagem Retal fora do Centro Cirúrgico (sessão) Sondagem ou Lavagem Vesical fora do Centro Cirúrgico (sessão) Taxa de acompanhamento médico durante a remoção (uso) Taxa de acompanhamento paramédico durante a remoção (uso) Taxa de Desinfecção Terminal (por alta) Taxa de Diálise Peritonial (dia) Taxa de Isolamento (dia) Taxa de Necrotério (uso) Taxa de registro de internação Taxa de registro em P.S Taxa Enfermagem Taxa inicial para remoção ambulância com UTI (uso) Taxa inicial para remoção ambulância comum (uso) Taxa por km rodado qualquer ambulância Tricotomia ambulatorial (sessão) Tricotomia cirúrgica (paciente internado) (sessão) OBS. Os Honorários dos Fisioterapeutas, serão cobrados separadamente. 3.1 Avaliação (sessão)

4 4 3.2 BIPAP/CIPAP Serviço Fisioterápico (sessão) 3.3 Assist fisiot respiratória doente clinico internado (sessão) 3.4 Paciente portador de disfunção pulmonar, em ventilação mecânica, requerendo assistência fisioterapeutica (sessão) 3.5 Paciente internado com cardiopatia de natureza clínica ou cirúrgica, requerendo condicionamento cardiovascular e/ou 3.6 Paciente internado, em ventilação, com cardiopatia grave, requerendo assistência fisioterapeutica pulmonar e/ou cinét 3.7 Paciente internado, com menos de 50% da área corporal atingida por queimadura, sem alterações importantes de ordem 3.8 Paciente internado, com mais de 50% da área corporal atingida por queimadura, sem alterações importantes de ordem 3.9 Hemiplegia ou hemiparesia (sessão) 3.10 Tetraplegia ou tetraparesia (sessão) 3.11 Retardo do desenvolvimento psicomotor (sessão) 3.12 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em um segmento (sessão) 3.13 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em dois segmentos (sessão) 3.14 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em mais de dois segmentos 3.15 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em mais de dois segmentos, 3.16 Paciente em pós operatório cirúrgico, associado a quadro de instabilidade hemodinâmica, hidroeletrólica ou metaból 3.17 Paciente em pós cirurgia imediata, requerendo assistência fisioterapêutica preventiva e/ou terapêutica a distúrbios v (sessão) Fonte: Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 9ª Região. 4.1 Aspirador Ultrassonico para cirurgia neurológica uso 4.2 Balão intra-aórtico (hora) 4.3 Berço aquecido (dia) 4.4 Berço aquecido de calor radiante (dia) 4.5 BIPAP/CIPAP Uso do Aparelho (sessão) 4.6 Bisturi à Laser Eletrônico (uso) 4.7 Bisturi eletrônico bipolar ou monopolar (uso) 4.8 Bomba de Circulação extra corpórea (sessão) 4.9 Bomba de infusão (dia) 4.10 Bomba de seringa dia 4.11 Capinógrafo (uso) 4.12 Cardiotocógrafo (hora) 4.13 Colchão d água ou de ar (dia) 4.14 Criocautério (uso) 4.15 Dermátomo (uso) 4.16 Desfibrilador - Cardioversão (sessão) 4.17 Drill pneumático/craniotomo uso 4.18 Endoscópio Digestivo cirurgia (sessão) 4.19 Endoscópio Digestivo exame (sessão)

5 4.20 Endoscópio Ginecológico cirurgia (sessão) 4.21 Endoscópio Ginecológico exame (sessão) 4.22 Endoscópio Respiratório cirurgia (sessão) 4.23 Endoscópio Respiratório exame (sessão) 4.24 Endoscópio Urológico cirurgia (sessão) 4.25 Endoscópio Urológico exame (sessão) 4.26 Equipamento para cirurgia esterotáxica (uso) 4.27 Facoemulsificador (uso) 4.28 Facofragmentador (uso) 4.29 Fototerapia no Berçário (dia) 4.30 Garrote pneumático (uso) 4.31 Gerador de radiofreqüência (uso) 4.32 Halo craniano (dia) 4.33 Incubadora (dia) 4.34 Kit Urologia Endoscópio rígido (ótica 30º)/Aspirador de Ellik (vidro de Ellik) uso 4.35 Litotripsor uso 4.36 Lupa cirúrgica (uso) Microscópio cirúrgico (uso) 4.39 Monitor cardíaco qualquer setor dia 4.40 Monitor de Pressão Arterial não invasivo dia 4.41 Monitor de Pressão Intracraniana com Transducer de Fibra Ótica 4.42 Monitor de Pressão Pulmonar e Débito Cardíaco Intermitente ou Continuo Swan Ganz (dia) 4.43 Neuroendoscópio (uso) 4.44 Oxicapnógrafo (uso) 4.45 Oxímetro de ambiente (uso) 4.46 Oxímetro pulso (uso) 4.47 Quadro balcânico (dia) 4.48 Radiometro (dia) 4.49 Respirador Pressórico - hora 4.50 Respirador volumétrico hora 4.51 Retinógrafo (uso) 4.52 RX sala de cirurgia (uso) 4.53 RX sala de cirurgia com intensificador imagem (uso) 4.54 Serra elétrica para cirurgia (uso) 4.55 Serra elétrica para gesso (uso) 4.56 Tração esquelética (dia) 4.57 Trépano elétrico (uso)

6 5.1.1 COMPÕEM A DIÁRIA NORMAL DE ENFERMARIA, APARTAMENTO, BERÇÁRIO, UNIDADE INTERMEDIÁRIA E HOSPITAL DIA, OS SEGUINTES ÍTENS: Leito próprio Troca de roupa de cama e banho no paciente Cuidados e materiais de uso na higiene e desinfecção ambiental do leito, exceto desinfecções terminais, cuja taxa e Alimentação do paciente (dieta branda, dieta normal ou livre, dieta liquida completa, dieta liquida pastosa, dieta li Administração de medicamentos, exceto por vias parentais Preparo e manutenção de soroterapia Cuidados de sinais vitais Mudanças de decúbito Locomoção interna do paciente Cuidados e higiene pessoal do paciente Preparo do corpo em caso de morte Orientação nutricional no momento da alta NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NA COMPOSIÇÃO DA DIÁRIA DE ENFERMARIA, APARTAMENTO, BERÇÁRIO, UNIDADE INTERMEDIÁRIA E HOSPITAL DIA, OS Medicamentos e materiais descartáveis, especiais, de sínteses, órteses e próteses Desinfecção terminal Utilização de instrumental cirúrgico Honorários médicos SADT Dietas especiais (enterais, parentais, por sonda nasogastrica, gastrostomia, jejunostomia, ileostomia, etc.) Suplementação Nutricional, conforme prescrição e acompanhamento de Nutricionista Ligações telefônicas locais, interurbanas e internacionais Gasoterapia em todo e qualquer procedimento Serviço de enfermagem particular, por solicitação individual Isolamento ou precauções por ordem médica ou da enfermagem, da CCIH, e que ocorrerá sobre a diária os acrésc Materiais descartáveis utilizados na proteção do paciente (avental, gorro, prope, esponja, kit de assepsia, etc.) Procedimentos médicos e/ou de enfermagem constantes da Tabela no grupo Taxas de Serviços Equipamentos constantes da Tabela no grupo Taxas de Aparelhos.

7 LIS Atestados e Declarações. - Diárias de 12 horas somente para pacientes submetidos à cirurgias ambulatoriais, não caracterizando internação e que n Campo Grande MS, 23 de Abril de MED SALVA (DR PEDRO VIDAL) CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA CONSULTAS (HORÁRIO COMERCIAL): R$ 30,00 CONSULTAS À NOITE, FERIADO E FIINAL DE SEMANA: R$ 50, Enfermaria 1.2 Apartamento Privativo Padrão 1.3 Apartamento Privativo Luxo 1.4 Berçário Normal 1.5 Berçário Patológico 1.6 Unidade Neonatal Intermediária UNI 1.7 U.T.I. Neonatal 1.8 U.T.I. Nível I 1.9 U.T.I. Nível II 1.10 U.T.I. Nível III

8 1.11 Unidade Coronariana 1.12 Day Clinic (diária até 12 h) 1.13 Diária de Acompanhante 1.14 Diárias em Quarto Duplo Porte 0 (internado/sala gesso/serviço ambulatorial) Porte Porte Porte Porte Porte Porte Porte Porte Vídeo Artroscopia Diagnostico Vídeo Histeroscopia Diagnostico Vídeo Laparoscopia Diagnostico Vídeo Artroscopia Cirúrgica Vídeo Histeroscopia Cirúrgica Vídeo Laparoscopia Cirúrgica *Taxas de Vídeo - Até 3 horas, hora a mais subsequente indivisível *Taxa de Instrumental 30% do valor da Taxa de Sala. OBS.: Em caso de mais de um procedimento cirúrgico será cobrado 50% quando pela mesma via de acesso e 70% quand Sala de Observação em PS (até 06 horas) 2.3 SALA DE OBSERVAÇÃO PÓS ANESTÉSICA CENTRO CIRÚRGICO Taxa de sala de recuperação pós anestésica Taxa de Instrumentação Taxa de Circulante 2.4 SALA DE EXAMES/ TRATAMENTO ESPECIALIZADO Quimioterapia (sessão) Hemodinâmica (sessão) Endoscopia (exame)

9 2.4.4 Taxa de Ultrasson Intracoronário (sessão) Oxigênio para nebulização contínua (hora) Oxigênio em Respirador, em qualquer setor (hora) Oxigênio em Cateter, em qualquer setor (hora) Ar comprimido, em qualquer setor (hora) Protóxito de Azoto (hora) Dióxido de Carbono (hora) Vácuo central ou portátil, em qualquer setor uso do aparelho (sessão) OBS. Os materiais utilizados nestes serviços, serão cobrados separadamente Aspiração ou Lavagem Traqueal (sessão) Controle de Diurese (dia) Curativo contaminado ou grande queimado (sessão) Curativo grande (sessão) Curativo médio (sessão) Curativo pequeno ou oftalmológico (sessão) Curativo poliescoriada e queimada (01 à 03 unid.) (sessão) Curativo poliescoriada e queimada (mais de 04 unid.) (sessão) Instalação de CX. De Hood, Cateter ou mascara (sessão) Instalação de Equipo (sessão) Irrigação continua (dia) Preparo de alimentação enteral (sessão) Preparo de alimentação parenteral (sessão) Retirada de gesso/ambulatorial (sessão) Retirada de Imob.Prov. ou gessada/ambulatorial (sessão) Sondagem ou Lavagem Gástrica fora do Centro Cirúrgico (sessão) Sondagem ou Lavagem Retal fora do Centro Cirúrgico (sessão) Sondagem ou Lavagem Vesical fora do Centro Cirúrgico (sessão) Taxa de acompanhamento médico durante a remoção (uso) Taxa de acompanhamento paramédico durante a remoção (uso) Taxa de Desinfecção Terminal (por alta) Taxa de Diálise Peritonial (dia)

10 Taxa de Hemodiálise (sessão) Taxa de Isolamento (dia) Taxa de Necrotério (uso) Taxa de registro de internação Taxa de registro em P.S Taxa Enfermagem/Ambulatório Taxa inicial para remoção ambulância com UTI (uso) Taxa inicial para remoção ambulância comum (uso) Taxa inicial para remoção ambulância Psiquiátrica (uso) Taxa por km rodado qualquer ambulância Tricotomia ambulatorial (sessão) Tricotomia cirúrgica (paciente internado) (sessão) OBS. Os Honorários dos Fisioterapeutas, serão cobrados separadamente. 3.1 Avaliação (sessão) 3.2 BIPAP/CIPAP Serviço Fisioterápico (sessão) 3.3 Assist fisiot respiratória doente clinico internado (sessão) 3.4 Paciente portador de disfunção pulmonar, em ventilação mecânica, requerendo assistência fisioterapeutica (sessão) 3.5 Paciente internado com cardiopatia de natureza clínica ou cirúrgica, requerendo condicionamento cardiovascular e/o 3.6 Paciente internado, em ventilação, com cardiopatia grave, requerendo assistência fisioterapeutica pulmonar e/ou ciné 3.7 Paciente internado, com menos de 50% da área corporal atingida por queimadura, sem alterações importantes de ord 3.8 Paciente internado, com mais de 50% da área corporal atingida por queimadura, sem alterações importantes de ordem 3.9 Hemiplegia ou hemiparesia (sessão) 3.10 Tetraplegia ou tetraparesia (sessão) 3.11 Retardo do desenvolvimento psicomotor (sessão) 3.12 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em um segmento (sessão) 3.13 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em dois segmentos (sessão 3.14 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em mais de dois segmento 3.15 Paciente portador de alteração vascular periférica e/ou linfática, com distúrbio funcional em mais de dois segmento 3.16 Paciente em pós operatório cirúrgico, associado a quadro de instabilidade hemodinâmica, hidroeletrólica ou metabó 3.17 Paciente em pós cirurgia imediata, requerendo assistência fisioterapêutica preventiva e/ou terapêutica a distúrbios (sessão) Fonte: Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 9ª Região. 4.1 Aspirador Ultrassonico para cirurgia neurológica uso

11 4.2 Balão intra-aórtico (hora) 4.3 Berço aquecido (dia) 4.4 Berço aquecido de calor radiante (dia) 4.5 BIPAP/CIPAP Uso do Aparelho (sessão) 4.6 Bisturi à Laser Eletrônico (uso) 4.7 Bisturi eletrônico bipolar ou monopolar (uso) 4.8 Bomba de Circulação extra corpórea (sessão) 4.9 Bomba de infusão (dia) 4.10 Bomba de seringa dia 4.11 Capinógrafo (uso) 4.12 Cardiotocógrafo (hora) 4.13 Colchão d água ou de ar (dia) 4.14 Criocautério (uso) 4.15 Dermátomo (uso) 4.16 Desfibrilador - Cardioversão (sessão) 4.17 Drill pneumático/craniotomo uso 4.18 Endoscópio Digestivo cirurgia (sessão) 4.19 Endoscópio Digestivo exame (sessão) 4.20 Endoscópio Ginecológico cirurgia (sessão) 4.21 Endoscópio Ginecológico exame (sessão) 4.22 Endoscópio Respiratório cirurgia (sessão) 4.23 Endoscópio Respiratório exame (sessão) 4.24 Endoscópio Urológico cirurgia (sessão) 4.25 Endoscópio Urológico exame (sessão) 4.26 Equipamento para cirurgia esterotáxica (uso) 4.27 Facoemulsificador (uso) 4.28 Facofragmentador (uso) 4.29 Fototerapia no Berçário (dia) 4.30 Garrote pneumático (uso) 4.31 Gerador de radiofreqüência (uso) 4.32 Halo craniano (dia) 4.33 Incubadora (dia) 4.34 Kit Urologia Endoscópio rígido (ótica 30º)/Aspirador de Ellik (vidro de Ellik) uso 4.35 Litotripsor uso 4.36 Lupa cirúrgica (uso) 4.37 Marcapasso temporário (dia) 4.38 Microscópio cirúrgico (uso) 4.39 Monitor cardíaco qualquer setor dia 4.40 Monitor de Pressão Arterial não invasivo dia 4.41 Monitor de Pressão Intracraniana com Transducer de Fibra Ótica 4.42 Monitor de Pressão Pulmonar e Débito Cardíaco Intermitente ou Continuo Swan Ganz (dia)

12 Neuroendoscópio (uso) 4.44 Oxicapnógrafo (uso) 4.45 Oxímetro de ambiente (uso) 4.46 Oxímetro pulso (uso) 4.47 Quadro balcânico (dia) 4.48 Radiometro (dia) 4.49 Respirador Pressórico - hora 4.50 Respirador volumétrico hora 4.51 Retinógrafo (uso) 4.52 RX sala de cirurgia (uso) 4.53 RX sala de cirurgia com intensificador imagem (uso) 4.54 Serra elétrica para cirurgia (uso) 4.55 Serra elétrica para gesso (uso) 4.56 Tração esquelética (dia) 4.57 Trépano elétrico (uso) COMPÕEM A DIÁRIA NORMAL DE ENFERMARIA, APARTAMENTO, BERÇÁRIO, UNIDADE INTERMEDIÁRIA E HOSPITAL DIA, OS SEGUINTES ÍTENS: Leito próprio Troca de roupa de cama e banho no paciente Cuidados e materiais de uso na higiene e desinfecção ambiental do leito, exceto desinfecções terminais, cuja taxa Alimentação do paciente (dieta branda, dieta normal ou livre, dieta liquida completa, dieta liquida pastosa, dieta Administração de medicamentos, exceto por vias parentais Preparo e manutenção de soroterapia Cuidados de sinais vitais Mudanças de decúbito Locomoção interna do paciente Cuidados e higiene pessoal do paciente Preparo do corpo em caso de morte Orientação nutricional no momento da alta.

13 vv NÃO ESTÃO INCLUÍDOS NA COMPOSIÇÃO DA DIÁRIA DE ENFERMARIA, APARTAMENTO, BERÇÁRIO, UNIDADE INTERMEDIÁRIA E HOSPITAL DIA, OS Medicamentos e materiais descartáveis, especiais, de sínteses, órteses e próteses Desinfecção terminal Utilização de instrumental cirúrgico Honorários médicos SADT Dietas especiais (enterais, parentais, por sonda nasogastrica, gastrostomia, jejunostomia, ileostomia, etc.) Suplementação Nutricional, conforme prescrição e acompanhamento de Nutricionista Ligações telefônicas locais, interurbanas e internacionais Gasoterapia em todo e qualquer procedimento Serviço de enfermagem particular, por solicitação individual Isolamento ou precauções por ordem médica ou da enfermagem, da CCIH, e que ocorrerá sobre a diária os acré Materiais descartáveis utilizados na proteção do paciente (avental, gorro, prope, esponja, kit de assepsia, etc.) Procedimentos médicos e/ou de enfermagem constantes da Tabela no grupo Taxas de Serviços Equipamentos constantes da Tabela no grupo Taxas de Aparelhos Atestados e Declarações. - Diárias de 12 horas somente para pacientes submetidos à cirurgias ambulatoriais, não caracterizando internação e que

PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS

PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS PRINCIPAIS CÓDIGOS TUSS UTILIZADOS PELA CASSEB (EXTRAIDOS DOS MANUAIS TISS 3.02 DA ANS) DESCRIÇÃO CASSEB CÓDIGO TUSS DESCRIÇÃO TUSS DIÁRIAS ENFERMARIA 60000694 DIÁRIA DE ENFERMARIA DE 3 LEITOS COM BANHEIRO

Leia mais

DESCRIÇÃO ATUAL UNIDADE

DESCRIÇÃO ATUAL UNIDADE TUSS DESCRIÇÃO ATUAL UNIDADE 60000511 APARTAMENTO ESPECIAL DIA 60000519 APARTAMENTO ESPECIAL 60000559 APARTAMENTO TIPO A 60000581 SUÍTE 60000611 BERÇÁRIO OU ALOJAMENTO CONJUNTO 60000635 ENFERMARIA DIA

Leia mais

Taxas e Diárias. Nos casos de utilização do Centro cirúrgico por pacientes externos será igualmente cobrada a Taxa de Admissão e Registro.

Taxas e Diárias. Nos casos de utilização do Centro cirúrgico por pacientes externos será igualmente cobrada a Taxa de Admissão e Registro. Instruções Gerais Taxas e Diárias A Tabela de Taxas e Diárias do DF é normatizada pelo SBH Sindicato Brasiliense de Hospitais do DF, dirigida aos convênios que tem vinculo com a rede Hospitalar/DF filiados

Leia mais

HOME HOSPITAL ORTOPÉDICO E MEDICINA ESPECIALIZADA LTDA ANEXO 1

HOME HOSPITAL ORTOPÉDICO E MEDICINA ESPECIALIZADA LTDA ANEXO 1 HOME HOSPITAL ORTOPÉDICO E MEDICINA ESPECIALIZADA LTDA ANEXO 1 Lista Referencial de Valores de Diárias, Taxas, Utilização de Equipamentos, Serviços Hospitalares e Gasoterapia 1) LISTA REFERENCIAL DE VALORES:

Leia mais

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS

I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL. O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013. Dr. João de Lucena Gonçalves CNS I SEMINÁRIO DE TENDÊNCIAS & RISCOS DA SAÚDE NO BRASIL O Impacto da TUSS PORTO ALEGRE 19-04-2013 Dr. João de Lucena Gonçalves CNS ANS - DIDES COPISS GRUPOS DE TRABALHO CONTEÚDO E ESTRUTURA COMUNICAÇÃO

Leia mais

DE PARA CÓDIGO PRÓPRIO - TUSS

DE PARA CÓDIGO PRÓPRIO - TUSS DE PARA CÓDIGO PRÓPRIO - TUSS NOMENCLATURA DO PROCEDIMENTO CÓDIGO PRÓPRIO CÓDIGO TUSS NOMENCLATURA DO PROCEDIMENTO TUSS 8001 - DIARIAS DIARIA APARTAMENTO LUXO 80011012 60000511 DIARIA APARTAMENTO SIMPLES/SEMI-PRIVATIVO

Leia mais

ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013

ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013 ANEXO K Anexo ao Edital de Convocação 001/2013 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMNE 6ª RM 19ª CIRCUNSCRIÇÃO DE SERVIÇO MILITAR (JRS de Aracaju / 1908) Lista Referencial de Procedimentos Hospitalares

Leia mais

TABELA DIÁRIAS/TAXAS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS REEMBOLSO

TABELA DIÁRIAS/TAXAS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS REEMBOLSO 1.1-80.01.000-8 DIÁRIAS TABELA DIÁRIAS/TAXAS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS REEMBOLSO 1 SERVIÇOS HOSPITALARES 80.01.103-9 Apartamento Standard Dia 193,44 1-Diárias de Apartamento Standard, Berçário, 80.01.106-3

Leia mais

Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias

Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias Mapeamento de Diárias para Codificação TUSS Diárias Codigo Nome Cod TUSS Descr 80011063 DIÁRIA DAY CLINIC APARTAMENTO 60000775 DIÁRIA DE HOSPITAL DIA APARTAMENTO 80014003 DIÁRIA DAY CLINIC ENFERMARIA (

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA AO PESSOAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO NA ÁREA DE SAÚDE SCLS

POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA AO PESSOAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO NA ÁREA DE SAÚDE SCLS POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA AO PESSOAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE DE CREDENCIAMENTO NA ÁREA DE SAÚDE SCLS 115, Bl. D, Lj. 36 Térreo - Asa Sul CEP 70.385-340 BRASÍLIA-DF

Leia mais

Nursing Activities Score

Nursing Activities Score Guia de Orientação para a Aplicação Prática do Nursing Activities Score Etapa 1 Padronização dos Cuidados de Enfermagem, nas seguintes categorias: Monitorização e Controles; Procedimentos de Higiene; Suporte

Leia mais

ANEXO I Termo de Credenciamento Tabela de Diárias, Taxas Hospitalares e Gases Medicinais Instruções 1. Para as Diárias Hospitalares: No valor das diárias estão inclusos: Leito próprio, banheiro privativo,

Leia mais

TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED. Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00 Diária de UTI... R$ 1.

TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED. Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00 Diária de UTI... R$ 1. ATUALIZADO EM 2011 TABELA DE PREÇOS SISTEMA PACOTE NIPOMED CONSULTA NIPOMED 52,00 CONSULTA PART - 150.00 Pacotes de Diárias Clínicas: Diária de Enfermaria... R$ 430,00 Diária de Apartamento... R$ 580,00

Leia mais

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

ENFERMAGEM HOSPITALAR Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM HOSPITALAR Sumário ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM Chefia do Serviço de Enfermagem Supervisor de Enfermagem Enfermeiro Encarregado de Unidade/Setor Enfermeiros em Unidade de Terapia Intensiva

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ ANEXO I EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 008/2014 PARA CREDENCIAMENTO DE HOSPITAIS E CLÍNICAS HABILITADOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE, ASSIM COMPREENDIDOS OS CENTROS DE INFUSÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS;

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: PORTARIA Nº 3.432/MS/GM, DE 12 DE AGOSTO DE 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando: a importância na assistência das unidades que realizam tratamento intensivo

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Norma: 01/2013 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Fortaleza, 09 de setembro de 2013 Revisada em 04 de novembro de 2013 Para: Diretor Presidente, Diretor de Processos Médicos, Diretor Administrativo-financeiro,

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31587 de 18/01/2010 SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA AOS SERVIDORES DO ESTADO Republicação da resolução n 04 de 21 de dezembro de 2009 Número de Publicação:

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: PORTARIA Nº 1.091/MS/GM, DE DE 25 DE AGOSTO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: - a necessidade de organização da assistência neonatal, para assegurar melhor

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E REDES ASSISTENCIAIS ANEXO I DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 3432 /GM/MS, DE 12 DE AGOSTO DE 1998, REFERENTE

Leia mais

LISTA REFERENCIAL BELÉM / PARÁ

LISTA REFERENCIAL BELÉM / PARÁ LISTA REFERENCIAL BELÉM / PARÁ 1 SUMÁRIO DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 1. APRESENTAÇÃO:... 4 2. AUDITORIA:... 5 3. PRONTUÁRIO:... 5 4. PROCESSO DE COBRANÇA DE CONTAS MÉDICAS:... 7 5. GLOSAS E RECURSO DE GLOSA:...

Leia mais

Formas de Remuneração Hospitalar

Formas de Remuneração Hospitalar Formas de Remuneração Hospitalar NASCIMENTO DO GRUPO Nasceu na necessidade da troca de informação e benchmarking dentro do sistema Unimed. A primeira reunião foi realizada na sede da Unimed Federação em

Leia mais

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED

Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED Secretaria de Gestão do STF-Med INSTRUÇÕES SOBRE TAXAS E DIÁRIAS DA TABELA PRÓPRIA PARA CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO STF-MED I. DO ATENDIMENTO O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido

Leia mais

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão.

COM CORREÇÃO PELO ÍNDICE DE INFLAÇÃO MENSAL - INPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. I Supervisão. 1 \TABELA DE HONORÁROS MÍNMOS COM CORREÇÃO PELO ÍNDCE DE NFLAÇÃO MENSAL - NPC VALORES A SEREM COBRADOS NO MÊS DE SETEMBRO DE 2011. ATVDADES AÇÕES DESENVOLVDAS QUADROS VALORES Administrativas Consultoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998.

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.918, DE 9 DE JUNHO DE 1998. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições, considerando: - a importância na assistência das unidades que

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES

INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES INSTRUÇÕES DA TABELA DE SERVIÇOS HOSPITALARES 1. DO ATENDIMENTO: 1.1. O atendimento é o ato de acolhimento do paciente, seguido da prestação de serviços médico-hospitalares, e será efetuado mediante apresentação

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

HOSPITAL MOINHOS DE VENTO

HOSPITAL MOINHOS DE VENTO Página.: 0001 / 0008 Grupo de : 1 - RIAS 01000049 SEMI-PRIVATIVO 01000065 SUITE 01000103 ISOLAMENTO - UI 01000111 APARTAMENTO 01000167 PRECAUCOES C/SECRECOES - U 01000205 APARTAMENTO - 1/2 RIA 01000213

Leia mais

TABELA HOSPITALAR DO FIOSAÚDE MINAS GERAIS

TABELA HOSPITALAR DO FIOSAÚDE MINAS GERAIS TABELA HOSPITALAR DO FIOSAÚDE MINAS GERAIS 1 - HONORÁRIOS MÉDICOS 1.1 - Os Honorários Médicos serão pagos de acordo com a tabela do FioSaúde. 1.2 - Os Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia SADT, serão

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

TABELA DE TAXAS Página 1 de 8

TABELA DE TAXAS Página 1 de 8 Codigo Taxa Descricao Unidade Tipo 72011001 DIARIA 06 HORAS DE PERMANENCIA DE ENFERMAGEM DIARIA DIARIAS 72011002 DIARIA 12 HORAS DE PERMANENCIA DE ENFERMAGEM DIARIA DIARIAS 72011003 DIARIA 24 HORAS DE

Leia mais

** Relação de Taxas que serão substituídas para adequação a TUSS **

** Relação de Taxas que serão substituídas para adequação a TUSS ** ** Relação de Taxas que serão substituídas para adequação a TUSS ** EXCLUÍDOS 6001001 ACOMPANHANTE-COM REFEICAO(MENORES DE 18 ANOS SO ENFERMARIA) DV DIÁRIA DE ACOMPANHANTE COM REFEIÇÃO COMPLETA - SOMENTE

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

ANEXO IV. Protocolos Clínicos

ANEXO IV. Protocolos Clínicos ANEO IV Protocolos Clínicos a) Protocolos de Enfermagem Ano 2010 1 Protocolo de Higiene Oral 2 Protocolo de Cateterismo Vesical 3 Protocolo de Sondagem Nasogástríca e Nasoentérica 4 Protocolo de Balanço

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO RELATÓRIO DE INSPEÇÃO AMBULÂNCIA 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Diretor Administrativo: CPF: Responsável Técnico:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:

Leia mais

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: CONTA ABERTA APRIMORADA / TABELA COMPACTA GRUPO DE TRABALHO SOBRE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS RODADA DE SÃO PAULO Outubro de 2012

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE BANDEJA PARA PUNÇÃO EM GERAL

UTILIZAÇÃO DE BANDEJA PARA PUNÇÃO EM GERAL CODIGO DESCRIÇÃO codigo Tab TUSS TERMO TUSS 90020014 PORTE 1 - PRIMEIRA HORA 60023104 TAXA DE SALA CIRÚRGICA, PORTE ANESTÉSICO 1 90020030 PORTE 2 - PRIMEIRA HORA 60023112 TAXA DE SALA CIRÚRGICA, PORTE

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005

Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Tabela de Honorários RESOLUÇÃO COFEN-301/2005 Atividades Administrativas 1. Consultoria I 2. Assessoria I 3. Auditoria I 4. Planejamento I 5. Supervisão I Livre negociação entre as partes a partir de 72,31

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS INERENTES - SANTA CASA SAÚDE

PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS INERENTES - SANTA CASA SAÚDE 1 - Agulha Punção Biópsia de outros órgãos 01 1/3 2 - Agulha para punção de próstata * (pagar somente quando não cobrar agulha de CHIBA) 3 - Agulha de Chiba * (pagar somente quando não cobrar agulha de

Leia mais

DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012

DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.767, DE 27 DE JUNHO DE 2012 Estabelece a aplicação de margem de preferência em licitações realizadas no âmbito da administração pública

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

Abrangência. >400.000 conceitos definidos. >1.400.000 relações semânticas

Abrangência. >400.000 conceitos definidos. >1.400.000 relações semânticas Dr. João de Lucena Gonçalves Consultor Técnico da CNS consultoria@ahcrj.com.br () 53-0540 Fonação-audição TROCA Linguagem Palavras SINTAXE Frases Conceitos SEMÂNTICA ANS UMLS SNOMED CT ICD TROCA SINTAXE

Leia mais

ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE DEFINIÇÕES IM PORTANTES PARA O CADASTRAM ENTO

ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE DEFINIÇÕES IM PORTANTES PARA O CADASTRAM ENTO ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE Resolução - RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 Substitui a Portaria MS nº1.884,de 11/11/1994 Este glossário se complementa

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

1.3 ESTÃO INCLUSOS NO PREÇO DA DIÁRIA (APARTAMENTOS, ENFERMARIAS E DAY HOSPITAL):

1.3 ESTÃO INCLUSOS NO PREÇO DA DIÁRIA (APARTAMENTOS, ENFERMARIAS E DAY HOSPITAL): TABELA HOSPITALAR DO FIOSAÚDE BAHIA 1. DIÁRIAS: Compreende o período de ocupação do aposento das 10h às 10h do dia seguinte, com tolerância de 02 horas sendo a mesma indivisível para efeito de cobrança.

Leia mais

TABELA DE TERMINOLOGIAS

TABELA DE TERMINOLOGIAS Configurações necessárias para envio do arquivo XML: TABELA DE TERMINOLOGIAS O componente de representação de conceitos de saúde é composto pelas tabelas abaixo listadas com seus respectivos s de identificação

Leia mais

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo

Enfª (s): Claudia Elizabeth de Almeida e Márcia Fernandes Mendes Araújo Revisão: 24/05/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na remoção de secreções das vias aéreas inferiores com objetivo de facilitar a oxigenação e prevenção da broncoaspiração. FINALIDADE Prevenir complicações respiratórias;

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: ADMISSÃO DE ENFERMAGEM DO BENEFICIÁRIO NO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO 1. Introdução Admissão ou ato de admitir significa receber o beneficiário no Centro de Terapia Intensiva (CTI). Para a equipe de enfermagem esse é o momento de atender às demandas assistenciais; coletar

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMP - 11ª R M HOSPITAL MILITAR DE ÁREA DE BRASÍLIA

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMP - 11ª R M HOSPITAL MILITAR DE ÁREA DE BRASÍLIA ANEXO (Cont. do Anexo III III Manual de de Auditoria - Credenciamento - Credenciamento 001-2013- fl. nº. 001-2013 1 de 021 ) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO CMP - 11ª R M HOSPITAL MILITAR DE ÁREA

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL

TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL ÍNDICE TERAPIA NUTRICIONAL NUTRIÇÃO ENTERAL 1. INTRODUÇÃO 01 2. ALIMENTANÇÃO ENTERAL: O QUE É? 02 3. TIPOS DE NUTRIÇÃO ENTERAL 03 4. VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO 04 ENTERAL 5. TIPOS DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS Instruções Gerais: TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS 01. A presente Tabela de Honorários Médicos foi elaborada com base em critérios uniformes para todas as especialidades e tem como finalidade estabelecer

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - PAS/SERPRO LIVRE ESCOLHA A modalidade Livre Escolha consiste no reembolso de despesas médicas e/ou hospitalares de procedimentos constantes da Tabela de Reembolso do PAS-SERPRO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SÃO PAULO. Processo nº 63054-001727/2011-60 PROJETO BÁSICO Nº 001/2012

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SÃO PAULO. Processo nº 63054-001727/2011-60 PROJETO BÁSICO Nº 001/2012 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SÃO PAULO Processo nº 63054-001727/2011-60 PROJETO BÁSICO Nº 001/2012 1- OBJETIVO Prestação de Serviços Médicos, Odontológicos, Laboratoriais, Terapêuticos, Procedimentos

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE

PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE 1 PROTOCOLO DE CUIDADOS COM O MANUSEIO DE PACIENTES COM BACTÉRIA MULTIRRESISTENTE Teresina 2014 2 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de minimizar a incidência de infecção em pacientes com bactéria multiressistente

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS

PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS PROCEDIMENTOS MÉDICOS GERENCIADOS Apresentação Índice Prezado (a) Doutor (a), A fim de padronizar o atendimento de seus pacientes particulares pelo Hospital Santa Catarina, apresentamos a tabela de Procedimentos

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2.

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares. 11.8x. março de 2015. Versão: 2. TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Cad. do Menu Cuidados com o Pac. e Campos Complementares 11.8x março de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Objetivos... 5 2 Introdução... 5 3 Cadastros Cuidados com o

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: : Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 930, DE 10 DE MAIO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 930, DE 10 DE MAIO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 930, DE 10 DE MAIO DE 2012 Define as diretrizes e objetivos para a organização

Leia mais

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS FEVEREIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia

AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS FEVEREIRO./2015.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia AMBULATORIAL - PROCEDIMENTOS REALIZADOS.02 Proced com finalidade diagnóstica 10.814.02.01 Col de mat por meio de punção/biopsia 43.02.01.01 biópsia do colo uterino 1.02.01.01 biópsia de fígado por punção

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: HISTEROSCOPIA JULHO/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde Unidade de Tecnologia da Organização de Serviços de Saúde I ESTRUTURA SIM NÃO NA Área física de acordo com a RDC n 50/02 Localização em área de circulação restrita AREA ADMINISTRATIVA Área exclusiva para a recepção de pacientes Barreira física entre circulação

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE HEPÁTICO HISTÓRICO 1967 - Starzl realizou o 1º TX bem sucedido 1970 - Início das atividades na U.F - HCFMUSP 1985-1º TX hepático do hemisfério sul 2001 Transplantes

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA 21cir FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecimento: Portaria nº 604, de 31 de maio de 1995 E-mail: denf@unir.br Campus Porto Velho/RO. BR 364,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem GABRIELA PETRÓ VALLI

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem GABRIELA PETRÓ VALLI Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem GABRIELA PETRÓ VALLI RELATÓRIO SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIDO NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E QUEIMADURAS EM CIRURGIA

POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E QUEIMADURAS EM CIRURGIA POLÍTICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E QUEIMADURAS EM CIRURGIA DEFINIÇÃO Política que normatiza as condições para uso de fontes de oxigênio, óxido nitroso e fontes de ignição no sentido de prevenir incêndios,

Leia mais

Plano de Ensino. Objetivos

Plano de Ensino. Objetivos Plano de Ensino Disciplina: FUNDAMENTAÇÃO BÁSICA EM ENFERMAGEM Código: Série: 3º Obrigatória ( X ) Optativa ( ) CH Teórica: CH Prática: CH Total: 160h Obs: Objetivos Objetivo Geral: Proporcionar ao aluno

Leia mais

REGISTROS DE ENFERMAGEM

REGISTROS DE ENFERMAGEM REGISTROS DE ENFERMAGEM MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ) Conceito: Os registros efetuados pela equipe de enfermagem (enfermeiro, técnico e auxiliar) têm a finalidade essencial

Leia mais

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL

Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL Tabela de Honorários para Prestação de Serviços de Enfermagem ATIVIDADES AÇÕES DESENVOLVIDAS QUADRO VALOR ATUAL 1. Consultoria I 2. Assessoria I Livre ADMINISTRATIVAS 3. Auditoria I manifestação 4. Planejamento

Leia mais

PROGRAMA CQH COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR

PROGRAMA CQH COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR ROTEIRO DE VISITAS VERSÃO 10-01 Afiliado à Rede Nacional de Prêmios Membro do Prêmio Europeu IDENTIFICAÇÃO DO HOSPITAL Número de matrícula do Hospital no Programa

Leia mais

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário

CENTRO CIRÚRGICO Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário CENTRO CIRÚRGICO Sumário ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO NORMAS E ROTINAS Regulamento Interno do Centro Cirúrgico PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DE ENFERMAGEM - POPs POP 01 - Admissão do paciente POP 02 - Alta

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 7, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2010 Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS

NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE CENTROS DE REFERÊNCIA EM ASSISTÊNCIA A QUEIMADOS 1 - NORMAS GERAIS As presentes Normas Gerais são válidas para cadastramento de Centros de Referência em Assistência a Queimados

Leia mais

Sumário UNIDADE 1 UNIDADE 2. Investigando a Enfermagem Contemporânea 1. Integrando Conceitos Básicos 33

Sumário UNIDADE 1 UNIDADE 2. Investigando a Enfermagem Contemporânea 1. Integrando Conceitos Básicos 33 UNIDADE 1 Investigando a Enfermagem Contemporânea 1 1 Fundamentos de Enfermagem 2 Origens da enfermagem 2 A reforma de Nightingale 3 A Guerra da Criméia 3 As contribuições de Nightingale 3 A enfermagem

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87]

Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] Diário Oficial da União Seção 01 DOU 22 de junho de 2011 Página [87] INSTRUÇÃO NORMATIVA N 3, DE 21 DE JUNHO DE 2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE

GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE GERENCIAMENTO DE PROTOCOLOS A IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE EM SAÚDE ÁREA DE ABRANGÊNCIA INFRA-ESTRUTURA E SERVIÇOS UNIDADES DE INTERNAÇÃO UNIDADES DE INTERNAÇÃO... 144 leitos Maternidade VITA...

Leia mais

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC

Cuidados no Transporte de Pacientes. Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Cuidados no Transporte de Pacientes Comissão de Gerenciamento de Risco HNSC Conceito O transporte pode ser intra ou interhospitalar. O transporte intra-hospitalar pode ser transferência temporária ou definitiva

Leia mais

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos.

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA E ENGENHARIA CLÍNICA 1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas

Leia mais

PIE Data: 01/10/2010 Revisão:

PIE Data: 01/10/2010 Revisão: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Diretoria de Enfermagem Plano De Intervenções De Enfermagem BANHO DIARIO E CUIDADOS AO CLIENTE INTERNADO 1-Conceito: É a higienização corporal diária do cliente

Leia mais

VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR

VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM Objetivo do Curso: Fornecer, ao CD interessado nesta nova área de atuação, conhecimento da Área Odontológica, Médica e outras, com enfoque prático inclusive, para atuação

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO TÍTULO: PROCEDIMENTOS DE ENFERMAGEM EM VENTILAÇÃO MECÂNICA 1. Introdução A ventilação mecânica é um método artificial para manutenção da ventilação em beneficiários impossibilitados de respirar espontaneamente, feito através de introdução de prótese na via aérea

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002.

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Portaria nº 227 de 05 de Abril de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 640, de

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO POP. Enfermagem UTI Neonatal - HCC PROCESSO: Cuidados com RN graves e/ou instáveis PROCEDIMENTO Manuseio Mínimo com Recém-nascido (RN) Grave ou Instável (CUIDADOS 1) Responsável pela execução: Equipe multiprofissional da UTI Neonatal Data

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais