Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas"

Transcrição

1 TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância, e sim espera serenamente até encontrarmos o caminho para a felicidade, que é simples e está em nós." Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas CONCEITO Conjunto de normas e protocolos para realizar parcerias com as Operadoras de Planos de Saúde, avaliando os riscos e resultados. Forma de cobrança para diárias clínicas ou procedimentos por pacote com base nos gastos médios de procedimentos similares, incluindo todos os tipos de consumo identificados, para: Manter os custos conhecidos e equilibrados para não ter prejuízo prestador de serviço; Conhecer antecipadamente seu gasto pelas diárias liberadas em cada internação para seus clientes, fazendo o acompanhamento correto de seus custos assistenciais - tomador de serviço; Manter seus custos em patamares aceitáveis para prestar serviço aos associados e clientes cumprindo as definições determinadas pela ANS. IMPORTANTE EM PROCEDIMENTOS POR PACOTE QSD Protocolos Médicos elaborados à luz de técnicas de medicina baseada em evidência para que assim a formatação dos procedimentos tenham maior embasamento e se calcule um desvio-padrão tecnicamente aceitável e não apenas baseado na concorrência ou imposição do cliente. Levantamento dos custos para apurar corretamente os valores dos procedimentos. 1. O pagamento dos procedimentos por Pacote é uma forma de estabelecer um preço global para concentrar todos os itens que compõem o procedimento. 2. Esta forma de remuneração agiliza e racionaliza a operacionalização da cobrança e do pagamento dos procedimentos O prestador tem maior participação no risco e no compartilhamento do custo com a operadora contratante.

2 4. Vários serviços, diárias, procedimentos e taxas podem compor um pacote com preço fixo, que geralmente é utilizado para contratar prestadores hospitalares em determinados tipos de procedimentos e prontos socorros. 5. Trata-se de modelo aplicável a procedimentos amadurecidos e padronizados, como cirurgias e/ou procedimentos de alta previsibilidade. 6. A operadora tem melhor previsibilidade das despesas, devido ao valor fixo e o prestador precisa ter melhor gerenciamento da assistência que presta ao beneficiário, controlando os custos e utilizações envolvidas no procedimento acordado. Pré requisitos em procedimentos por pacote Interesse institucional Possuir casuística Conhecer a população das Operadoras Envolvimento dos Médicos, Enfermagem e Equipes Multidisciplinares Preparar estudos para casos eletivos Conhecer seus custos Avaliar o mercado Analisar seus pontos fortes e frágeis para compor os procedimentos por pacotes Distorções nas negociações por pacote - Operadoras de Planos de Saúde 1. Preparo dos procedimentos por pacote a partir de toda a rede credenciada; 2. Não individualização dos prestadores de serviços; 3. Amostra não fidedigna em relação aos hospitais estudados; 4. Não realizado um trabalho individual em relação a cada prestador de serviço; 5. Falta de observação no tempo médio de permanência e resolutividade; Distorções nas negociações por pacote - Prestador de Serviço 1. Amostra não selecionada adequadamente por falta de conhecimento técnico; 2. Utilizaram todos os procedimentos sem avaliarem os de maior ocorrência;

3 3. Medo de assumir o risco a partir da negociação de procedimentos por pacote; 4. Cláusulas de exclusão não contempladas corretamente; 5. Falha na composição dos itens de inclusão nos pacotes; Como preparar os procedimentos por pacote e diárias compactadas 1. Conhecer seus verdadeiros custos 2. Traçar o perfil epidemiológico da população atendida 3. Selecionar os principais procedimentos realizados 4. Avaliar a utilização de taxas e equipamentos pelo seu real tempo de utilização 5. Envolver as equipes que compõem o procedimento por pacote ou diária compactada a se comprometerem com os protocolos utilizados Médicos, Enfermagem, Laboratório, Banco de Sangue, Compras - Materiais e Medicamentos Fornecedores - OPME Coleta de contas dependendo do procedimento Confecção do protocolo BONECO Aprovação do Corpo Clínico Negociação com os Fornecedores Relação Custo x Preço Montagem do Preço de Venda Análise do Mercado Conhecer o seu contrato de prestação de serviços com todas as definições corretas Fazer contratos específicos para os procedimentos por pacotes e diárias compactadas descrever todos os itens da INCLUSÃO detalhando cada material especial - NUNCA DEIXAR INTERPRETAÇÃO DÚBIA As cláusulas de EXCLUSÃO devem ser claras descrever os itens que não fazem parte daquele procedimento a ser negociado

4 Após o estudo, preparar: Protocolo de atendimento Negociação com as equipes envolvidas Documento de Compromisso para que cada equipe coloque o DE ACORDO Após a implantação da cobrança por pacote, avaliar: A qualidade do atendimento prestado O consumo em relação ao descrito no protocolo de atendimento, PARA: Reajustar a composição do protocolo, inicialmente formatado Renegociar com as equipes envolvidas Reavaliar os consumos médios Reavaliar o comprometimento das equipes Reavaliar complicações, reinternações, intercorrências Corrigir a média de permanência CUIDADOS NA PREPARAÇÃO DE PROCEDIMENTOS POR PACOTE Confirmar: Se todos os procedimentos que farão parte do estudo por pacote são realmente do mesmo tipo de atendimento. Se todos os procedimentos selecionados tem as mesmas características para não ocasionar distorções nos cálculos. Se todas os procedimentos selecionados possuem a mesma média de tempo de permanência. Se todos os procedimentos selecionados não tiveram intercorrências. Fazer auditoria dos procedimentos, confrontando prontuário x cobrança da conta. Confirmar com as equipes multiprofissionais se as quantidades encontradas estão em conformidade com os procedimentos estudados. Ajustar os consumos de acordo com cada tipo de procedimento, verificando se não houve divergência de cobrança entre procedimentos similares e procedimentos com intercorrências.

5 COMO REAVALIAR AS NEGOCIAÇÕES DE PROCEDIMENTOS POR PACOTE Divergência de negociação por falta de acompanhamento adequado no resultado da cobrança de procedimentos por pacote Auditoria pouco envolvida com os pacientes que estão internados com valor de cobrança já conhecido tanto da parte do prestador quanto do convênio Falta de negociação correta para procedimentos que estão aquém dos valores negociados levando à inviabilização dos mesmos desfazendo a negociação por pacote Falta de acompanhamento de custo na cobrança das contas Contas abertas x Contas pacote Vantagem da cobrança de procedimentos por Pacote Desenvolvimento de parcerias; Maior praticidade na revisão do preço; Concentração de serviços em um prestador, tornando mais ágil a liberação de procedimentos Envolvimento da classe médica na gestão dos custos; Agilidade na liberação de procedimentos; Maior praticidade na revisão dos preços; Afastamento de negociações pontuais desgastantes e estímulo à negociação profissionalizada; Co-responsabilização financeira total no resultado; Estímulo à qualidade e a eficiência assistencial; Disponibilidade de tempo para análise de procedimentos mais complexos. Estímulo à economia de materiais e insumos; Eliminação das glosas nos pagamentos; Maior agilidade no faturamento das despesas e conseqüente redução do custo da desconfiança;

6 Facilidade no controle dos custos e na comparação de custo dos procedimentos entre os prestadores; Possibilidade do aumento da lucratividade; Facilidade na reavaliação periódica do pacote; Conclusões Importante Negociar contratos de prestação de serviços com cláusulas claras e bem esclarecidas. Conhecer os seus procedimentos para fazer o custo correto e não ter prejuízos. Ter boas equipes de negociação e auditoria

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga

Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Benchmarking Resultados de Auditoria SUS e Convênio no Setor de Faturamento da Santa Casa de Votuporanga Daniella Vila Falchi Enfermeira, com especialização em Urgência e Emergência, em curso Auditoria

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

Gestão em Faturamento, Auditoria de Contas e Administração Comercial Hospitalar Capítulo B Gestão Comercial Hospitalar Simulado da Prova de Conceito

Gestão em Faturamento, Auditoria de Contas e Administração Comercial Hospitalar Capítulo B Gestão Comercial Hospitalar Simulado da Prova de Conceito Questão B.1.1 Sobre o escopo e abrangência da Gestão Comercial Hospitalar A) O escopo e abrangência da Gestão Comercial Hospitalar é igual à pratica nas empresas de outros segmentos de mercado B) Abrange

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.

DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE. Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10. DESAFIOS PARA O ADMINISTRADOR HOSPITALAR NUM CENÁRIO DE CRESCENTE COMPLEXIDADE NO SEGMENTO DA SAÚDE Adm. Sérgio Lopez Bento 4.10.2012 A G E N D A 1. Cenário da saúde no Brasil 2. Um setor cada vez mais

Leia mais

A auditoria de contas hospitalares

A auditoria de contas hospitalares Questão D-a A auditoria de contas hospitalares A) É necessária na saúde suplementar, mas não é necessária no SUS B) É necessária no SUS, mas não é necessária na saúde suplementar C) Tem como finalidade

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs

Nossa proposta. Sobre a TM Jobs Nossa proposta Para ampliar as trocas de experiências já realizadas nos encontros do Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare Conhecimento para Negócios deram início a uma série de estudos de

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: Cirurgia Bariátrica AGOSTO/2009

ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: Cirurgia Bariátrica AGOSTO/2009 ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: Cirurgia Bariátrica AGOSTO/2009 ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA BARIÁTRICA AGOSTO DE 2009 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA

Leia mais

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD

Qualificação e Remuneração de Prestadores. Ary Ribeiro MD; PhD Qualificação e Remuneração de Prestadores Ary Ribeiro MD; PhD Faz-se necessário reformar o modelo de remuneração dos prestadores hospitalares na saúde suplementar brasileira? Sim, pois o atual modelo,

Leia mais

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ

CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ CAFÉ UNIDAS SÃO PAULO E MHZ 11 Novembro 2015 Início: 9:00 horas Término: 12:00 horas GESTÃO DE CUSTOS ASSISTENCIAIS PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 09h00 às 09h30 09h30 às 10h30 10h30 às 11h00 11h00 às 12h00 Welcome

Leia mais

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: PROCEDIMENTOS GERENCIADOS

SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: PROCEDIMENTOS GERENCIADOS SISTEMÁTICAS DE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS QUE ATUAM NA SAÚDE SUPLEMENTAR: PROCEDIMENTOS GERENCIADOS GRUPO DE TRABALHO SOBRE REMUNERAÇÃO DOS HOSPITAIS REGRAS GERAIS Outubro de 2012 Associação Brasileira

Leia mais

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 O ESFORÇO PARA MELHORAR A QUALIDADE DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS NAS INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Maria Fátima da Conceição - FEHOSP. 2 INTRODUÇÃO Os hospitais são organizações complexas

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Manual Ilustrado Repasse de Honorários Médicos

Manual Ilustrado Repasse de Honorários Médicos Junho - 2014 Índice Título do documento 1. Objetivos... 3 2. Introdução... 3 3. Cadastros... 4 3.1. Cadastro de Desconto em Repasse... 4 3.2. Cadastro de Critério Geral de Repasse... 4 3.3. Cadastro de

Leia mais

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES PROJETO DE APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE REMUNERAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES ESCOPO DO PROJETO o PLANO E METODOLOGIA DE TRABALHO o DIAGNÓSTICO E ANÁLISE DO MIX DE PROCEDIMENTOS HOSPITALARES o FORMATAÇÃO

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES.

I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. I FÓRUM ANAHP DE RELACIONAMENTO COM AS OPERADORAS NOVOS MODELOS DE REMUNERAÇÃO DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Sérgio Lopez Bento 02.06.2009 AGENDA 1. Contexto atual do segmento de saúde privada 2. Modelos de

Leia mais

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR INSTRUÇÕES DA TABELA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR 1. DA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR: 1.1. A assistência domiciliar caracteriza-se pela prestação de serviços médicos e terapias adjuvantes na residência do paciente

Leia mais

METODOLOGIA PARA REMUNERAÇÃO RACIONALIZADA DAS TAXAS DE SALA CIRÚRGICA. Cybelle Assad Gerência da Área Hospitalar e Serviços Credenciados

METODOLOGIA PARA REMUNERAÇÃO RACIONALIZADA DAS TAXAS DE SALA CIRÚRGICA. Cybelle Assad Gerência da Área Hospitalar e Serviços Credenciados METODOLOGIA PARA REMUNERAÇÃO RACIONALIZADA DAS TAXAS DE SALA CIRÚRGICA Cybelle Assad Gerência da Área Hospitalar e Serviços Credenciados CAMPINAS Situada a 101 km de São Paulo a região de Campinas vem

Leia mais

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos.

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO GUIATISS- Guia de Troca de Informações em Saúde Suplementar; PM- Prescrição

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS

A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil. Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS A perspectiva e atuação da ANS no desenvolvimento de padrões no Brasil Jussara M P Rötzsch ANS/DIDES/GGSUS Avanços (tecnológico e científico) na Saúde Maior conhecimento sobre os determinantes de saúde

Leia mais

Plano com Coparticipação

Plano com Coparticipação Plano com Coparticipação É uma tendência no mercado de planos de saúde a adoção do Plano Participativo, com o objetivo de garantir o uso racional do plano, minimizar eventuais desequilíbrios financeiros

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC

GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES. Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC GERENCIAMENTO DE MATERIAIS HOSPITALARES Farm. Tatiana Rocha Santana 1 Coordenadora de Suprimentos do CC DEFINIÇÕES GERENCIAR Ato ou efeito de manter a integridade física e funcional para algo proposta

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES

IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES IAMSPE DÚVIDAS FREQUENTES P: É possível anexar documentos nos pedidos solicitados no sistema Medlink? R: Ao incluir um pedido em sistema é possível anexar documentos. Após registro do pedido em sistema

Leia mais

Auditoria de Enfermagem. Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira

Auditoria de Enfermagem. Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira Auditoria de Enfermagem Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira A palestrante Enfermeira Especialista em Administração em Saúde pela PUC-PR e Metodologia do Ensino Superior pela FESP Mestre em Tecnologia

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

Lei nº 13.003/14 e resoluções. Contratualização entre OPS e prestadores

Lei nº 13.003/14 e resoluções. Contratualização entre OPS e prestadores Lei nº 13.003/14 e resoluções Contratualização entre OPS e prestadores Normas aplicáveis: Lei nº 13.003/2014 altera a Lei nº 9.656/98 ANS: RN nº 363/2014 regras pra celebração de contratos RN nº 364/2014

Leia mais

Valor total do protocolo diferente do valor total das guias Protocolo 1199 Outros

Valor total do protocolo diferente do valor total das guias Protocolo 1199 Outros 1.1. Glosas, negativas e demais mensagens Grupo Descrição da Elegibilidade 1001 Número da carteira inválido Elegibilidade 1002 Número do Cartão Nacional de Saúde inválido Elegibilidade 1003 A admissão

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Capítulo I Funcionamento O Sistema consiste em um acordo estabelecido entre as Operadoras de Plano de Saúde associadas à Abramge pelo qual se obrigam a prestar atendimento de urgência e emergência aos

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Entendendo o modelo remuneratório no Brasil Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Ano de fundação: 1851 Santa Casa de Misericórdia de Maceió 70,00% Paciente

Leia mais

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Composição do Financiamento do Setor Saúde - estimativa para 2006 MEDICAMENTOS 16% FEDERAL 25% DESEMBOLSO DIRETO 10% ESTADUAL 11% PLANOS E SEGUROS

Leia mais

Lei nº 13.003/2014. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, Dezembro de 2014

Lei nº 13.003/2014. Coletiva de Imprensa. Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 Lei nº 13.003/2014 Coletiva de Imprensa Rio de Janeiro, Dezembro de 2014 As metas da ANS Melhores resultados em saúde Aumenta a qualidade na prestação de serviços na saúde suplementar Garantia da rede

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar Visão dos Prestadores HISTÓRICO 2003 TISS 2004 OFICINAS ANS TISS Porto Alegre: Importância do tema = 95,2% importante / muito importante

Leia mais

Manual TISS Troca de Informaçõ

Manual TISS Troca de Informaçõ Manual TISS Troca de Informaçõ ções em Saúde Suplementar Versão o 1.1 Instruçõ ções para preenchimento das guias PREENCHER EXCLUSIVAMENTE COM CANETA PRETA OU AZUL GCES A Unimed Natal desenvolveu este manual

Leia mais

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.

Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02. Versão 1.0 MANUAL PRÁTICO TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Taubaté/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 SUMÁRIO 1. Divulgação 3.02.00 - Unimed Taubaté/ANS...2 3.2.1. Guias

Leia mais

1 O que é a TISS 3.02.00?

1 O que é a TISS 3.02.00? 1 O que é a TISS 3.02.00? O Padrão TISS possui padrão obrigatório para trocas eletrônicas de dados de atenção à saúde dos beneficiários de planos, entre os agentes da Saúde Suplementar. Tem por finalidade

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SERVIÇO AUTÔNOMO HOSPITALAR PROGRAMA Nº- 125 GESTÃO PELA QUALIDADE - I Código Descrição SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVOS: Implantar um novo modelo de gestão pela qualidade que dinamiza a capacidade de gestão, agilize

Leia mais

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1

Manual do Prestador. Versão 1.0 Maio/2014. Manaus - Amazonas ANS Nº 38809-2 1 Manual do Prestador Versão 1.0 Maio/2014 Manaus - Amazonas 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 1. Identificação do beneficiário...3 2. Atendimento ao beneficiário... 4 2.1. Requisitos para o atendimento... 4 2.2.

Leia mais

Relatório da Audiência Pública n o 01/2014

Relatório da Audiência Pública n o 01/2014 Relatório da Audiência Pública n o 01/2014 Boas práticas na relação entre operadoras de planos e prestadores de serviços de saúde Rio de Janeiro, 10 de março de 2014 Gerência de Avaliação da Qualidade

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 ORDEM DE SERVIÇO 002/2014 Dispõe sobre Instruções de Apresentação do Recurso Eletrônico de Glosas e revoga o 2º do art. 2º da Ordem de Serviço 09/2013 O Diretor de Saúde do Instituto de Previdência do

Leia mais

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INFORMAÇÕES REGULAMENTARES:...3 3. ACESSO AO SISTEMA...3 4. INCLUSÃO DE USUÁRIOS...4 5. FATURAMENTO ELETRÔNICO...5 6. GUIA

Leia mais

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01

TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 TREINAMENTO DO PADRÃO TISS 3.00.01 Coordenadoras TISS: Elisandra Baldissera e Roseli Fistarol Colaboradores: Cesar Paz, Denise Bertoldo e Patrique Hedlund 1 Organização do evento Os slides estão disponíveis

Leia mais

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo

II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo II Seminário de Hospitais de Ensino do Estado de São Paulo Conhecendo o Grupo 18 COLÉGIOS - PR / SC / RJ / SP/ RS 1 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO - HUSF FUNCLAR FUNDAÇÃO CLARA DE ASSIS UNIFAG UNIDADE DE PESQUISA

Leia mais

Hospital Vivalle CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA / HOSPITALAR

Hospital Vivalle CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA / HOSPITALAR Hospital Vivalle Data: Hora: CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICA / HOSPITALAR I CONTRATADO: Rede D'Or São Luiz S.A. Unidade Vivalle, empresa brasileira, com sede em São José dos Campos/SP,

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

Palavras-chave: Modelos de Remuneração Serviços Hospitalares; Remuneração Hospitalar; Modelos de Remuneração.

Palavras-chave: Modelos de Remuneração Serviços Hospitalares; Remuneração Hospitalar; Modelos de Remuneração. Consequências dos modelos de remuneração de serviços hospitalares privados contratados por operadoras de autogestão em Saúde. Júlio César de Souza 1 Márcia Cristina Chagas Macedo Pinheiro 2 Maria de Fátima

Leia mais

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios Números do Sistema Unimed 354 Cooperativas Unimed 300 Operadoras de plano de saúde 37 Prestadoras de serviço 110 mil Cooperados ativos 19,5 milhões Beneficiários 2.960 Hospitais Presente em 83% dos municípios

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA TORÁCICA OUT/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

Aspectos de impacto para as operadoras de saúde suplementar

Aspectos de impacto para as operadoras de saúde suplementar Revisão do Modelo de Remuneração Hospitalar pelas Fontes Pagadoras Privadas" Aspectos de impacto para as operadoras de saúde suplementar São Paulo - 9/mar/2012 Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Leia mais

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR. 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião; RELATÓRIO 203 ASSUNTO: 79ª REUNIÃO DO COPISS COORDENADOR DATA: 28/05/2015 LOCAL: ANS HORÁRIO: 09h às 12h30min Pauta: 1. Participantes da 79ª reunião do COPISS; 2. Leitura e aprovação da ata 78ª reunião;

Leia mais

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF

Auditoria do Processo de Contas Hospitalares. Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Auditoria do Processo de Contas Hospitalares Enfª Ms Cristiane Azevedo Supervisora da Auditoria Administrativa e de Enfermagem RAUF Declaração de potencial conflito de interesses Não possuo vínculo ou

Leia mais

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn

Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência. Irene Minikovski Hahn Gestão de Redes Assistenciais e o Impacto no Custeio da Assistência Irene Minikovski Hahn novas tecnologias remuneração pela doença transição demográfica falta de incentivo para avaliação de qualidade

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1003 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006

1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1001 NÚMERO DA CARTEIRA INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 1002 NÚMERO DO CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE INVÁLIDO 16/11/2006 16/11/2006 A ADMISSÃO DO BENEFICIÁRIO NO PRESTADOR OCORREU ANTES DA INCLUSÃO 1003 DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00

MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00 MANUAL DE UTILIZAÇÃO CONSULTAS, SOLICITAÇÕES E EXECUÇÕES DE EXAMES (SADT) HILUM 4.0.5 TISS 3.02.00 1 APRESENTAÇÃO A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

Divulgação Novo TISS 3.02.00

Divulgação Novo TISS 3.02.00 Manual TISS 3.0.00 Índice Tema Introdução Conteúdo e Estrutura Guia de Consulta Legenda Guia de Consulta Guia SP SADT Legenda Guia SP SADT Guia Solicitação de Internação Legenda Guia Solicitação de Internação

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto.

Termo de uso genérico para designar qualquer grau de UNIMED Singular, Federação/ Central e Confederação, individualmente ou no conjunto. 1- INTERCÂMBIO A negociação entre as UNIMEDS do País, que geram relações operacionais específicas e normatizadas para atendimento de usuários na área de ação de uma cooperativa ou contratados por outra

Leia mais

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE

Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Capítulo XII SECRETARIA DE SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE FINALIDADE A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde, órgão de direção especializada, subordinada ao diretor-geral da Secretaria do Tribunal,

Leia mais

Lei nº 13.003/2014. Jacqueline Torres Gerente Executiva. GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Lei nº 13.003/2014. Jacqueline Torres Gerente Executiva. GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Lei nº 13.003/2014 Jacqueline Torres Gerente Executiva GERAR Gerência Executiva de Aprimoramento do Relacionamento entre Operadoras e Prestadores O porquê de uma nova lei O mercado de planos de saúde organiza-se

Leia mais

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 1) O que é a Resolução Normativa - RN 259/268? A RN 259, alterada pela RN 268, com vigência a partir do

Leia mais

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO.

GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO. GUIA BÁSICO DE ORIENTAÇÃO AO CIRURGIÃO-DENTISTA CREDENCIADO. COMISSÃO DE CONVÊNIOS E CREDENCIAMENTOS DO CRO-RJ DE 2015 Segundo a lei 13003/2014 que discorre sobre contrato, reajuste e reposição de profissionais,

Leia mais

Secretaria da Administração do Estado da Bahia

Secretaria da Administração do Estado da Bahia ELABORAÇÃO VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: HISTEROSCOPIA JULHO/2008 GOVERNADOR DO ESTADO JAQUES WAGNER SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO MANOEL VITÓRIO DA SILVA FILHO REALIZAÇÃO COORDENADOR GERAL SONIA MAGNÓLIA

Leia mais

VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA REFRATIVA JUNHO DE 2013

VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA REFRATIVA JUNHO DE 2013 VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA REFRATIVA JUNHO DE 2013 VALOR REFERENCIAL PROCEDIMENTO: CIRURGIA REFRATIVA REVISÃO JUNHO/ 2013 Governador do Estado JAQUES WAGNER Secretário da Administração MANOEL

Leia mais

Manual Ilustrado Gestão de Glosas

Manual Ilustrado Gestão de Glosas Março - 2014 Indíce Título do documento 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Fluxo do Processo... 4 4. Encerramento de Conta... 4 4.1 Realizando o Encerramento de uma Conta... 4 4.2 Liberando Conta

Leia mais

Profissão: Enfermeiro Auditor

Profissão: Enfermeiro Auditor Profissão: Enfermeiro Auditor A Auditoria em Enfermagem é uma área em ascensão e um segmento promissor para os profissionais que têm perfil administrativo e que, acima de tudo, querem aprimorar a qualidade

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um

Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um Renata Ariano Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus

Leia mais

Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais

Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias. Instruções gerais Manual de instruções para utilização e preenchimento das guias Instruções gerais Este manual tem como finalidade instruir todos os prestadores de serviço no preenchimento uniforme das guias do padrão TISS

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais