(RISK SHARING): ) COMO ESTE CONCEITO SE APLICA AO MODELO DE SAÚDE DO BRASIL? João Paulo dos Reis Neto Diretor de Previdência e Assistência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(RISK SHARING): ) COMO ESTE CONCEITO SE APLICA AO MODELO DE SAÚDE DO BRASIL? João Paulo dos Reis Neto Diretor de Previdência e Assistência"

Transcrição

1 COMPARTILHAMENTO DE RISCOS (RISK SHARING): ) COMO ESTE CONCEITO SE APLICA AO MODELO DE SAÚDE DO BRASIL? João Paulo dos Reis Neto Diretor de Previdência e Assistência

2 Declaração de potencial conflito de interesses João Paulo dos Reis Neto Diretor de Previdência e Assistência

3

4

5

6 Custos assistenciais crescentes Envelhecimento Doenças crônicas Custos administrativos Novas tecnologias Procedimento Equipamento Material (OPME) Medicamento / técnica / exame + AVALIAÇÃO TÉCNICA / ESPECIALIZADA + AVALIAÇÃO ECONÔMICA / FINANCEIRA

7 Relembrando fatos Custos98.ppt, de 17/09/1998

8 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Operadoras Planosde saúde Seguradoras Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

9 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Operadoras Planosde saúde Seguradoras Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

10 Formas de compartilhar riscos Empresas Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Beneficiário Operadoras Planosde saúde Seguradoras Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

11 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Beneficiário Operadoras Coparticipação Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

12 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Beneficiário Operadoras Resseguro Stop loss Reciprocidade Outra operadora Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

13 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Pacotes Diárias globais Beneficiário Operadoras Capitação Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

14 Formas de compartilhar riscos Prestadores de serviços Beneficiário Operadoras Fornecedores Risk sharing

15 Compartilhamento de riscos

16 Alguns conceitos importantes Risco moral (moral hazard) agentes econômicos alteram seu comportamento após estabelecimento de um contrato indivíduos com plano de saúde demandam mais procedimentos e serviços que não segurados Assimetria de informações o paciente sabe de sua saúde e não informa ao médico/plano; o médico decide pelo paciente.

17 Coparticipação financeira Source: Willard Manning et al. Health Insurance and the Demand for Medical Care: Evidence from a Randomized Experiment. February 1988, Table 4.1, p.19. Permission granted by the RAND Corporation, Santa Monica, CA.

18 Estudo sobre os efeitos da coparticipação 35,00 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 Taxas de utilização por beneficiário / ano CONSULTAS EX. SIMPLES EX. COMPLEXOS Co participação 10% 8,08 33,00 4,71 Co participação 30% 6,46 24,43 3,62 Co participação 50% 5,32 21,39 2,84 Fonte: Autogestão, 155 mil vidas, análise de 12 produtos com co-participação variável. 2010

19 Estudo sobre os efeitos da coparticipação Procedimentos Valor por procedimento Utilização Situação atual Despesa anual Utilização Projeção Despesa anual Consultas 40,31 3, , Exames Simples 12,88 11, , Exames Complexos 131,55 1, , Totais Análise do custo de um produto sem co-participação financeira : projeção de cerca de 22% maior que o atual que inclui coparticipação financeira (fator moderador) Fonte: Autogestão, 155 mil vidas, análise de 12 produtos com co-participação variável. 2010

20 As doenças cujo tratamento são passíveis de inscrição são: Insuficiência coronariana (infarto, angina); Asma bô brônquica (bronquite asmática); Insuficiência cardíaca congestiva; Acidente vascular cerebral (derrame); Diabetes mellitus; Enfizema pulmonar (DPOC); Hipertensão arterial sistêmica (pressão alta)..o valor máximo de cobertura das medicações será de R$ 630,00 (seiscentos e trinta reais), no semestre. O titular autoriza desde já que o excedente a este valor seja financiado em até 6 (seis) parcelas mensais, descontadas na folha de pagamento, e limitadas ao valor de 5 % do salário de contribuição, nos casos de apenas um participante do programa no grupo familiar, e, de 10 %, para mais de um inscrito do mesmo grupo familiar. A CAPESESP reserva-se o direito de fornecer medicamentos genéricos em substituição ao produto de marca, sempre que possível e de acordo com a Lei 9.787, de 10/12/99, regulamentada através do Decreto no. 3181, de 23/9/99.

21 Risk sharing: aplicável no mercado brasileiro? Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Operadoras Planosde saúde Seguradoras Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos

22 Histórico e exemplos de (in)sucesso

23 Histórico e exemplos de (in)sucesso

24 Histórico e exemplos de (in)sucesso Merck Sandoz Merck Novartis Finasterida x Cirurgia HBP Clozapin x resistência tto Esquizofrenia Sivastatina + dieta x redução LDL Valsartan/HCTZ x no-cure, no-pay HAS 2004 Lilly 2005 Novartis 2005 Bayer 2009 Sanofi Tadalafil Nicotina (goma) Vardenafil Actonel x x x x disfunção erétil sabor disfunção erétil fraturas

25 Risk sharing: prováveis fatores motivadores Acesso Prestadores de serviços Hospitais, clínicas Médicos, profissionais da saúde Mercado Econômica Econômica Operadoras Planosde saúde Seguradoras Cobertura Legal Fornecedores Indústria farmacêutica Insumos Mercado Econômica

26 Risk sharing: escolha do produto/procedimento Centrale Paris, CNES, A Desroches

27 Risk sharing: fatores que favorecem o sucesso Possibilidade de desfechos mensuráveis Eventos e procedimentos evitados (fratura, cirurgia) Efeitos esperados (nível PA, glicemia, colesterol) Efeitos observados pelo próprio paciente (parar de fumar, disfunção erétil) Estabelecimento de metas que possam ser acompanhadas Responsabilidades bem definidas em contrato / acordo Auditoria sistematizada e justa com todos os parceiros Reavaliações periódicas e flexibilidade em eventual renegociação

28 Risk sharing: dificuldades e barreiras Dificuldade na mensuração dos desfechos Metas de difícil acompanhamento Falta de clareza no contrato / acordo Impossibilidade de auditar ou auditoria tendenciosa Falhas no acompanhamento e inflexibilidade na renegociação Drogas que exigem dados de difícil obtenção antes da implantação Desfechos que dependem d de múltiplos l ft fatores Efeito Brasil

29 Conclusões Muito obrigado! João Paulo dos Reis Neto Diretor de Previdência e Assistência

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB

RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB BRASÍLIA, OUTUBRO DE 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DOS PLANOS DE SAÚDE DA CEB, ADMINISTRADOS PELA FACEB 1 º S E M E S T R E / 2 0 1 5 Plano de Saúde da CEB e Plano CEB-Saúde 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório

Leia mais

Monitoramento de Doença Crônica

Monitoramento de Doença Crônica Monitoramento de Doença Crônica 1 Definição CONCESSIONÁRIA DO SETOR DE SERVIÇOS PÚBLICOS, ATUANDO NA GERAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM 30 MUNICÍPIOS DO RIO DE JANEIRO E UM EM SÃO PAULO. UMA

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas

Cobrança de Procedimentos por pacote e diárias compactadas TEMA 4 DO PRÉ CONGRESSO CONBRASS 2012 Atualização na formatação de preços dos procedimentos por pacote e tabelas de diárias compactadas - Dra.Giuseppina Pellegrini "A vida não se abala com a nossa ignorância,

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

Seção II Das Definições

Seção II Das Definições RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 310, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre os princípios para a oferta de contrato acessório de medicação de uso domiciliar pelas operadoras de planos de assistência à saúde.

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

D. Morbidade Horário de Início : :

D. Morbidade Horário de Início : : D. Morbidade Horário de Início : : Agora vou perguntar sobre doenças crônicas e infecciosas. Vou fazer perguntas sobre diagnóstico de doenças, uso dos serviços de saúde e tratamento dos problemas. D1 D2

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III

ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III ENCONTROS DE SAUDE CORPORATIVA ESC III PESQUISA SOBRE SAÚDE CORPORATIVA EFETUADA POR UM CONSORCIO DE EMPRESAS DA ÁREA DE SAUDE CONSTATAÇÕES E IMPLICAÇÕES Duração: 4 semanas 44 respondentes Respondentes

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL

FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL FUTUROS POSSÍVEIS DA SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL André Medici 16º. Congreso Latino-Americano de Serviços de Saúde São Paulo, 26 de Maio de 2011 PRINCIPAIS PONTOS A SEREM ABORDADOS A Saúde Suplementar Hoje

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS

REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS REGULAMENTO DO FUNDO COMPLEMENTAR DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE - FCAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterada na 10ª reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE CONDIÇÕES CRÔNICAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em vigor a partir de 01.10.2010. Alterado na 15ª reunião

Leia mais

Auditoria na Gestão do Paciente Crônico

Auditoria na Gestão do Paciente Crônico Auditoria na Gestão do Paciente Crônico Unimed Paulistana 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Búzios RJ 17/06/2011 Dr. Luis Gerk de Azevedo Quadros Médico Cooperado Coordenador - Atenção

Leia mais

Quais as vantagens do Benefício Farmácia?

Quais as vantagens do Benefício Farmácia? MENSAGEM DA GSAM/AMS Cumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho de 2007/2008, a Petrobras Distribuidora implantou o Benefício Farmácia, que prevê condições especiais na aquisição de medicamentos pelos beneficiários

Leia mais

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro

A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro A influência da Estratégia Saúde da Família sobre Indicadores de Saúde em municípios do Rio de Janeiro Novembro - 2012 ObservaRH Estação de Trabalho IMS/UERJ www.obsnetims.org.br Sobre os autores Celia

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria

A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria A Dinâmica Competitiva das OPS e sua Interface com o Setor de Serviços e a Indústria Rio de Janeiro, Maio de 2008 Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras ANS Boa Tarde!

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ

Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Programa de benefício farmacêutico Algumas experiências brasileiras Marcelo Horácio - UERJ Introdução No Brasil, não existe qualquer tipo de regulamentação do setor. As iniciativas estão limitadas a algumas

Leia mais

Panorama dos gastos com cuidados em saúde

Panorama dos gastos com cuidados em saúde Panorama dos gastos com cuidados em saúde Os custos da saúde sobem mais que a inflação em todo o mundo: EUA Inflação geral de 27% em dez anos, a inflação médica superou 100%; Brasil Inflação geral 150%

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP

Doenças Crônicas. uma nova transição. Paulo A. Lotufo. FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP Doenças Crônicas uma nova transição Paulo A. Lotufo Professor Titular de Clínica Médica FMUSP Coordenador do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica da USP esclarecimentos O termo doença crônica pode

Leia mais

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores

Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Relacionamento entre Operadoras e Prestadores Ciclo de Debates GV Saúde 18.outubro.2006 João Alceu Amoroso Lima Vice Presidente SulAmérica Saúde 1. Panorama de Mercado 2. Ações A SulAmérica - Curto/Médio/Longo

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Marcelo Antonio de Souza Registro na SUSEP sob N.º 20.2001208-0

Marcelo Antonio de Souza Registro na SUSEP sob N.º 20.2001208-0 A vida das pessoas muda constantemente. As suas preferências, necessidades e objetivos são determinados de acordo com cada fase: a faculdade, o casamento, o nascimento do primeiro filho ou a aposentadoria.

Leia mais

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012

Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 Hot topics em benefício saúde / Entendendo os melhores desempenhos Cesar Lopes e Raquel Bressan 03 de maio de 2012 2012 Towers Watson. Todos os direitos reservados. 29ª Pesquisa de Benefícios Towers Watson

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde

Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Empresa de Consultoria especializada em Gestão do Negócio Saúde Consultoria Técnica para a Gestão da Sinistralidade Suporte para Organização das Auditorias Operadora Consultoria Técnica em OPME Auditorias,

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cultura

Leia mais

Estratégia Saúde Integrada

Estratégia Saúde Integrada Departamento de Saúde e Segurança Por trás de uma vida existem muitas outras. Estratégia Saúde Integrada Fernando Coelho Neto Gerente de Saúde Corporativa Evolução da estratégia em Saúde Corporativa Cumprimento

Leia mais

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011)

Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Parar de fumar Resumo de diretriz NHG M85 (maio 2011) Chavannes NH, Kaper J, Frijling BD, Van der Laan JR, Jansen PWM, Guerrouj S, Drenthen AJM, Bax W, Wind LA traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos)

Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos) Projeto de Lei Nº... de 2007 (Dep. Pompeo de Mattos) Dispõe sobre a criação do Programa de Medicamentos ao Trabalhador-PMT, em complemento aos programas de saúde assistencial ou ocupacional. O Congresso

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO DECRETO Nº 11.395, DE 10 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta os artigos do Título II da Lei Complementar n 227, de 10 de novembro de 2005 O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, usando da atribuição que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO

INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO INICIATIVAS ESTRATÉGICAS PARA A CASSI DIRETORIA DE PLANOS DE SAÚDE E RELACIONAMENTO COM CLIENTES DIRETORIA DE SAÚDE E REDE DE ATENDIMENTO PANORAMA DO SETOR DE SAÚDE - ANS Beneficiários Médico-Hospitalar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS

Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Olhares sobre a Agenda Regulatória da ANS Mercado de Saúde Suplementar Tabela 13 - Operadoras em atividade por porte, segundo modalidade (Brasil março/2012) Modalidade da operadora Total Sem beneficiários

Leia mais

E-mail. Se empresário, funcionário público ou comenrciante, informe o ramo de atividade:

E-mail. Se empresário, funcionário público ou comenrciante, informe o ramo de atividade: Declaração Pessoal de Saúde Informe o prazo de financiamento (em meses) Informe a profissão / atividade Se empresário, funcionário público ou comenrciante, informe o ramo de atividade: Encontra-se em plena

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil

CPI da OPME 6.Abr. 2015. Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil CPI da OPME 6.Abr. 2015 Dr. Eudes de Freitas Aquino Presidente da Unimed do Brasil SISTEMA UNIMED 351 Cooperativas contribuindo com a interiorização dos médicos da medicina de qualidade no Brasil. SISTEMA

Leia mais

Unimed Porto Alegre. e Prestadores

Unimed Porto Alegre. e Prestadores Diretoria de Provimento de Saúde - Case CMED - Unimed Porto Alegre e Prestadores Diretoria de Provimento de Saúde Diretoria de Provimento de Saúde O Sistema Unimed: 360 cooperativas 111 hospitais 179 pronto-atendimentos

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição

Manual de Reembolso. Para ter acesso a este benefício, fique atento às dicas a seguir. 2ª edição Manual de Reembolso 2ª edição Você sabia que quando não utiliza os serviços da rede credenciada do Agros, seja por estar fora da área de cobertura do plano de saúde ou por opção, pode solicitar o reembolso

Leia mais

Manual do Plano de Saúde/PMF. As pessoas investidas em cargo de provimento em comissão, declarado em lei, de livre nomeação e exoneração;

Manual do Plano de Saúde/PMF. As pessoas investidas em cargo de provimento em comissão, declarado em lei, de livre nomeação e exoneração; Manual do Plano de Saúde/PMF ADESÃO AO PLANO DE SAÚDE A adesão ao plano de saúde será facultativa, e observará a regulamentação estabelecida pela Secretaria Municipal de Administração. USUÁRIO TITULAR

Leia mais

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014

CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 CONTEXTO E DESAFIOS CASEMBRAPA 2014 1 CONTEXTO CUSTOS DA SAÚDE COLOCAM OPERADORAS EM RISCO FINANCEIRO O SETOR DE SAÚDE ESTÁ EM ALERTA O aumento dos custos com procedimentos médicos e hospitalares tem superado

Leia mais

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010

Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde. Atibaia, 21 de abril de 2010 Regulação da ANS ANS entre hospital, planos e seguros saúde Atibaia, 21 de abril de 2010 Cenário atual DESAFIOS Desafios da Sustentabilidade Pressão constante sobre os custos Incorporação de novas tecnologias

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde.

Em 2009, as despesas com medicamentos, público e privada, representavam 22,3% dos gastos totais com saúde. Seguros para a Cobertura de Medicamentos Principais Desafios e Experiências 1. Contexto 2 No Brasil: 38,8 milhões de brasileiros (20% da população) utilizam medicamentos contínuos; desses, 12,4 milhões

Leia mais

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS

PREVENÇÃO DAS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PREVENIR É PRECISO MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS PREVENÇÃO DAS DOENÇAS MANUAL DE ORIENTAÇÕES AOS SERVIDORES CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS VIGIAS DA PREFEITURA DE MONTES CLAROS design ASCOM-PMMC PREVENIR É PRECISO DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS No

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

Agenda. Prós e contras do oferecimento do beneficio farmacêutico pelas Operadoras. Dados que comprovem suas vantagens e desvantagens

Agenda. Prós e contras do oferecimento do beneficio farmacêutico pelas Operadoras. Dados que comprovem suas vantagens e desvantagens ANS Set 2011 Agenda Prós e contras do oferecimento do beneficio farmacêutico pelas Operadoras Dados que comprovem suas vantagens e desvantagens como vc proporia esse beneficio Como se operacionalizar (lista

Leia mais

Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora

Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora Painel 3 Como reconstruir a cadeia produtiva de OPME? Câmara Nacional de Negociação das Operadoras de Autogestão em Saúde: uma solução inovadora Abril de 2015 Brasília, DF CENÁRIO DA COMERCIALIZAÇÃO DE

Leia mais

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Parte V - Formulários do Plano de Contingência

PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA. Parte V - Formulários do Plano de Contingência PADRÃO TISS COMPONENTE DE CONTEÚDO E ESTRUTURA Parte V - Formulários do Plano de Contingência Padrão TISS - Componente de Conteúdo e Estrutura - Maio 2014 323 Registro ANS Número da referenciada 2 1 Registro

Leia mais

Verticalização: Solução ou Engano?

Verticalização: Solução ou Engano? Verticalização: Solução ou Engano? Uma visão crítica sobre os modelos de assistência gerenciados e verticalizados São Paulo Junho de 2006 Modelo Público Britânico O NHS (National Health Service) foi criado

Leia mais

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS

Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS Os Desafios Assistenciais na Saúde Suplementar Martha Oliveira Gerente Geral de Regulação Assistencial- ANS O Envelhecimento Populacional é um fenômeno Mundial Fonte: United Nations Department of Economic

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM?

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? PLANO 6531 VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? É com satisfação que lhe apresentamos o UNIPAR 100. Um plano de saúde participativo, regulamentado pela Lei 9656/98, que garante ao

Leia mais

DESAFIOS e RUMOS. da Saúde Suplementar

DESAFIOS e RUMOS. da Saúde Suplementar e RUMOS da Saúde Suplementar Perspectivas de Saúde Suplementar Na visão de uma Seguradora Especializada Operadoras O Mercado de Saúde Suplementar Modalidade Qtde. Beneficiários (%) Receita (%) Despesa

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DA ASSEFAZ TISS TROCA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE SUPLEMENTAR VERSÃO 2 1 Brasília/DF - 2007 1. Introdução A meta deste trabalho é estruturar e auxiliar no correto preenchimento das Guias

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Painel da Saúde Suplementar no Brasil

Painel da Saúde Suplementar no Brasil Painel da Saúde Suplementar no Brasil Fundamentos da Auditoria na Saúde Suplementar 10h às 12h A ANS, a regulamentação e os Planos de Saúde. Goldete Priszkulnik (30 ) A Auditoria em Saúde assessorando

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Revendo o Sistema Unimed: Novas alternaivas, São Paulo, 05 de agosto de 2010 Dr. Paulo Borém Agenda Conceitos e fundamentos iniciais Fundamentação

Leia mais

Protocolos Gerenciados na Assistência. Ana Vasconcelos. Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein

Protocolos Gerenciados na Assistência. Ana Vasconcelos. Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein Ana Vasconcelos Enfermeira Coordenadora do Programa Integrado de Cirurgia Hospital Israelita Albert Einstein Graduação em Enfermagem Centro Universitário São Camilo Pós Graduação em Administração Hospitalar

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5):

I - PATOLOGIAS NEUROLÓGICAS (25.02.000.-5): PORTARIA NORMATIVA Nº. 011-2009/DIASS Regulamenta o atendimento de Fisioterapia aos usuários do IPASGO SAÚDE. O Diretor de Assistência do Instituto de Assistência dos Servidores Públicos do Estado de Goiás

Leia mais

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog

Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina. Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Mercado de planos odontológicos Cenário para a América Latina Marcos Novais Economista do Sistema Abramge/Sinamge/Sinog Objetivo Análise de forma ainda superficial sobre a organização do sistema de saúde

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Agenda. Copyright 2015 Accenture. All rights reserved. 2

Agenda. Copyright 2015 Accenture. All rights reserved. 2 Agenda Visão Geral da Saúde Relação Provedor-Pagador Relação Pagador-Médico Relação Médico-Provedor Relação Provedor-Fornecedor Nossa Visão: Rede Integrada Copyright 2015 Accenture. All rights reserved.

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado?

Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Regulação 15 anos depois O papel da ANS: fiscalizar ou contribuir na produção da saúde? O que mudou e o que poderia ter mudado? Mauricio Ceschin Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

LMPG Auditores e Consultores

LMPG Auditores e Consultores LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA FINS DE SUPORTAR PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL GALVÃO PARTICIPAÇÕES S.A. Em 29 de maio de 2015 MAIO DE 2015 Rua México, nº 11 13º andar Rio de Janeiro RJ Brasil

Leia mais

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*.

GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. GRUPOS DE ATIVIDADES EDUCATIVAS PARA OS PROGRAMAS DE ASSISTÊNCIA AO HIPERTENSO, DIABÉTICOS E IDOSO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JATAÍ-GO*. SILVA, Kelvia Donato¹; SILVA, Lorrayne Emanuela Duarte¹;

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EDUARDO FERREIRA ARANTES Gerente Executivo de Qualidade de Vida O MODELO SESI-SP DE GESTÃO INTEGRADA DE SEGURANÇA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA OS INVESTIMENTOS EM PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SEGURANÇA, SAÚDE,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Auditoria de Enfermagem. Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira

Auditoria de Enfermagem. Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira Auditoria de Enfermagem Enfª MSc. Débora Soares de Oliveira A palestrante Enfermeira Especialista em Administração em Saúde pela PUC-PR e Metodologia do Ensino Superior pela FESP Mestre em Tecnologia

Leia mais

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC

Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas. Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 1 Visão Operacional do Gerenciamento de Doenças Crônicas Dr. Carlos Suslik Diretor de Consultoria em Gestão de Saúde da PwC 2 Conceito 3 Obesidade Estilo de vida inadequado #1 café-da-manhã nos EUA Cuidado!

Leia mais