HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS"

Transcrição

1 HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE LORIANE KONKEWICZ CCIH Hospital de Clínicas de Porto Alegre

2 Hospital de Clínicas de Porto Alegre

3 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Hospital público, geral e universitário Inaugurado em 1972 Atende cerca de 60 especialidades 743 leitos 28,6 mil internações / ano 36 mil cirurgias / ano 3,6 mil partos / ano 4078 funcionários, 279 professores da UFRGS, 314 médicos residentes

4 Hospital de Clínicas de Porto Alegre Comissão de Controle de infecção hospitalar (CCIH) Composição: 4 médicos, 3 enfermeiras, 1 farmacêutica, 10 estagiários (enfermagem, farmácia) Indicadores de resultados (taxas de IH) em todos os setores do hospital, todos os tipos de infecção Indicadores, rotinas, perfis de sensibilidade disponíveis em intranet, acesso a todos profissionais do hospital Informatização desde 1993 Sistema de análise de dados informatizado desde 2001 Indicadores de processos desde 2004 Supervisão da higienização das mãos desde 2005

5 Matriz de Gestão de Competências e Responsabilidades para a prevenção das Infecções Hospitalares Definição de processos: higienização das mãos manejo de pacientes com germes multirresistentes prevenção de infecções relacionadas a cateteres intravasculares prevenção de infecções relacionadas a cateteres urinários Seis unidades-piloto (2 clínicas, 2 cirúrgicas, 2 pediátricas) Grupo de trabalho: enfermeiros, farmacêuticos, gerentes administrativos, representantes do grupo de materiais, higienização, lavanderia e CCIH Definição das responsabilidades e competências em cada nível hierárquico, assistencial e de apoio Divulgação a todos profissionais Auditoria dos processos início em julho de 2005

6 Matriz de Gestão de Competências e Responsabilidades Processo: Higienização das Mãos Atividade Aux/Tec Enf Enfa médico gerente Aux Hig Aux Adm CCIH Lavar as mãos conforme rotina preconizada X X X X X X X Higienizar as mãos com álcool gel X X X X X X X Lavar as mãos antes e após utilização de luvas X X X Utilizar luvas para contato com matéria orgânica X X X Desprezar as luvas após procedimento realizado X X X Disponibilizar papel toalha X X Disponibilizar sabão líquido nas saboneteiras X X Disponibilizar álcool gel na unidade do paciente X X X Disponibilizar caixa de luvas nas enfermarias X X X Higienizar bocal torneira 1x semana X Higienizar pia diariamente X Higienizar saboneteiras 1x semana X Supervisionar disponibilidade de insumos X Solicitar reposição de insumos X X X X X X X Realizar treinamento higienização mãos X Providenciar cartazes e folhetos de divulgação X Realizar auditoria higienização das mãos X

7 Matriz de Gestão de Competências e Responsabilidades Processo: Higienização das Mãos Responsabilidades da CCIH Atividade Aux/Tec Enf Enfa médico gerente Aux Hig Aux Adm CCIH Lavar as mãos conforme rotina preconizada X X X X X X X Higienizar as mãos com álcool gel X X X X X X X Lavar as mãos antes e após utilização de luvas X X X Utilizar luvas para contato com matéria orgânica X X X Desprezar as luvas após procedimento realizado X X X Disponibilizar papel toalha X X Disponibilizar sabão líquido nas saboneteiras X X Disponibilizar álcool gel na unidade do paciente X X X Disponibilizar caixa de luvas nas enfermarias X X X Higienizar bocal torneira 1x semana X Higienizar pia diariamente X Higienizar saboneteiras 1x semana X Supervisionar disponibilidade de insumos X Solicitar reposição de insumos X X X X X X X Realizar treinamento higienização mãos X Providenciar cartazes e folhetos de divulgação X Realizar auditoria higienização das mãos X

8 Ações que estimulam a higienização das mãos Providenciar insumos para higienização das mãos Reposição de sabão líquido, papel-toalha e álcool

9 Insumos disponíveis para lavagem das mãos HCPA julho a dezembro de 2004 Unidades de internação clínicas, psiquiátrica e pediátricas UNIDADES CLÍNICAS Nº OBSERVAÇÕES SABÃO PAPEL ALCOOL 6ºN 5ºN 4ºS (89%) 181 (85%) 261 (99%) 193 (96%) 203 (95%) 261 (99%) 167 (83%) 145 (68%) 29 (11%) 5ºS 7ºN 4ºN (96%) 266 (81%) 59 (98%) 281 (98%) 313 (96%) 60 (100%) 173 (60%) 117 (36%) 3 (5%) subtotal (90%) 1311 (97%) 634 (47%) UNIDADES PEDIÁTRICAS 3ºL 10ºN (99%) 207 (98%) 246 (100%) 208 (99%) 182 (74%) 120 (57%) 10ºS subtotal (83%) 690 (93%) 281 (98%) 735 (99%) 64 (22%) 366 (49%)

10 Insumos disponíveis para lavagem das mãos HCPA julho a dezembro de 2004 Unidades de internação cirúrgicas, TMO, emergência e UTIs UNIDADES CIRÚRGICAS RGICAS 8ºN Nº OBSERVAÇÕES 218 SABÃO 191 (88%) PAPEL 210 (96%) ALCOOL 63 (29%) 8ºS (96%) 228 (100%) 42 (18%) 9ºN (92%) 205 (98%) 104 (50%) TMO (100%) 56 (100%) 5 (9%) 3ºS (99%) 289 (99%) 185 (63%) 3ºN (99%) 225 (98%) 112 (49%) 9ºS (95%) 152 (99%) 63 (41%) 7ºS (74%) 279 (98%) 14 (5%) subtotal (92%) 1644 (98%) 588 (35%) EMERGENCIA (100%) 177 (100%) 136 (77%) UTIs (92%) 327 (94%) 216 (62%)

11

12 Insumos disponíveis para higienização das mãos - Julho 2005 Manhã Tarde unidade Nº obs Sabão n % Papel n % Álcool n % Nº obs Sabão n % Papel n % Álcool n % 5º sul ,6% ,7% % ,6% ,8% ,6% 5º norte ,9% ,2% ,8% ,9% ,5% ,6% 8º sul ,9% % % ,4% ,5% ,6% 8º norte ,9% ,3% % ,7% ,2% ,5% 10º sul ,8% % ,6% % ,7% ,8% 10ºnorte ,7% ,7% ,8% ,2% ,1% %

13 Freqüência de higienização das mãos por categoria profissional HCPA, julho de 2005 Número de observações = ,6 % Taxa geral de adesão: 38,9% 24,4 % 37,2 % 34,1 % 0 enfermeiros médicos aux/técn enf outros

14 Freqüência de higienização das mãos em função das oportunidades observadas HCPA, julho de 2005 Entre o contato com dois pacientes Antes de colocar luvas Antes de administrar medicação Antes de realizar procedimento não invasivo Após realizar procedimento não invasivo Após realizar procedimento invasivo Antes de realizar procedimento invasivo Após a retirada de luvas Após contato com matéria orgânica 6,5 % 21,3 % 29,6 % 36,2 % 36,5 % 44,1 % 56,8 % 61,7 % 75 %

15 Freqüência de higienização das mãos de conforme oportunidades consideradas como aconselháveis* e indispensáveis** HCPA, julho de 2005 Oportunidades de higienização Profissão n % Médico 32/128 25,0 Indispensáveis Técnico/Auxiliar 245/638 38,4 Enfermeiro 80/140 57,1 Total 357/906 39,4 Médico Zero - Aconselháveis Técnico/Auxiliar 81/238 34,0 Enfermeiro 22/34 64,7 Total 103/275 37,5 *Oportunidades aconselháveis = antes e após realização de procedimento não invasivo antes de colocar luvas e após retirada de luvas. **Oportunidades indispensáveis = antes e após procedimento invasivo, após contato com matéria orgânica, antes da administração de medicamentos e entre pacientes diferentes

16 Escore de Adequação da Lavagem de Mãos. HCPA, julho 2005 Escore Medico Técnico/Auxiliar Enfermeiro Total Não lavou as mãos 98 74,8% ,8% 97 55,7% ,6% Lavou as mãos com técnica inadequada (1 falha) Lavou as mãos com técnica inadequada (2 falhas) Lavou as mãos com técnica inadequada (3 falhas) 12 9, , , ,6% 15 11,5% ,3% 29 16,7% ,1% 5 3,8% 62 7,1% 3 1,7% 70 5,9% Lavou as mãos com técnica correta 1 0,8% 9 1,0% ,8% Total % % % % Falhas consideradas: a) não utilização de sabão quando da lavagem com água b) não higienização de todas as partes das mãos c) fechamento da torneira sem a utilização de papel toalha após a lavagem das mãos

17 Vigilância de Processos para a Prevenção de IH HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HCPA julho 2005 Conclusões iniciais Problemas encontrados: Adesão geral à higienização das mãos: 38,9% Lavagem adequada das mãos: 0,8% Adesão geral ao uso de álcool gel: 10% menor disponibilidade de insumos: álcool 69,8% Soluções: Campanhas para aumentar a adesão à higienização das mãos Treinamentos sobre técnica adequada de lavagem das mãos Campanhas para aumentar à adesão ao uso de álcool gel Melhorar a disponibilidade de álcool Providenciar álcool em dispensadores c/refil descartável em locais acessíveis

18 Frequências de adesão à Higienização das mãos e medidas para melhoria Referência Taxa de adesão inicial Medidas adotadas Taxa de adesão após medidas Patarakul et al. J Med Assoc Thai 2005; 88: S287-S93. S93. Thomas et al.. AJIC 2005; 33: Higuera et al. Crit care Med 2005; 33: Rosenthal et al. AJIC 2005; 33: Hugonnet et al. Arch Intern Med 2002; 162: Bischoff et al. Arch Intern Med 2000; 160: Pittet et al. Lancet 2000; 356: % % Cartazes ilustrativos 62% programa prevenção infecções CVC 23,1% Programa educacional p/ profissionais 38,4% Cartazes e distribuição de álcool gel individual UTI 1: antes contato com paciente: 9% após contato: 22% Introdução de um novo álcool gel, mais acessível 48% Programa educacional p/ profissionais Aumento de 37% 84,9% 64,5% 54,5% 1 dispensador por leito: antes contato: 23% após contato: 48% 66% Pittet et al. Ann Intern Med 1999; 130: McGuckin et al. AJIC 1999; 27: Graham et al. AJIC 1990; 18: Conly et al. AJIC 1989; 17: Sharir et al. J Hosp Infection 2001; 49: % - -? Educação do paciente 32% Introdução de solução alcoólica lica antes contato c/paciente: 26% após contato: 23% Programa educacional p/ profissionais Aumento de 34% 45% antes contato: 38% Após contato: 60% 76% - -

19 Vigilância de Processos para a Prevenção de IH HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Critérios de observação bem estabelecidos Treinamento para quem vai realizar as observações Formulário de fácil preenchimento e análise posterior Tempo de observação pré-estabelecido Variação dos horários de observação Número de observações devem ser significativas Auditoria e supervisão dos observadores

20 Formulário rio de vigilância da Higienização das Mãos 1. DATA: / / HORA de à TURNO: 2. Unidade: 3. PROFISSIONAL: 4. SITUAÇÃO: ( 1 ) ( 2 ) ( 3 ) ( 4 ) ( 5 ) ( 6 ) ( 7 ) ( 8 ) ( 9 ) 5. HIGIENIZOU: ( 1 ) SIM ( 0 ) NÃO Se não, encerre aqui. 6. ÁGUA OU ÁLCOOL? ( 0 ) ÁGUA ( 1 ) ÁLCOOL Se água, pule para a pergunta TÉCNICA ÁLCOOL: ( 0 ) ERRADA ( 1 ) CERTA 8. TÉCNICA ÁGUA: ( 0 ) ERRADA ( 1 ) CERTA Se certa encerre aqui. 9. PROBLEMA TÉCNICA: ( 1 ) ( 2 ) ( 3 ) Situação: 1)Antes de procedimento não invasivo com o paciente 2) Após procedimento não invasivo com o paciente 3) Após contato com matéria orgânica 4) Antes de colocar luvas 5) Após retirada das luvas 6) Entre procedimentos com o mesmo paciente 7) Antes de preparar medicação 8) Antes de procedimento invasivo 9) Após procedimento invasivo Problema técnica: 1) Não usou sabão 2) Não higienizou todas as partes das mãos 3) Não fechou a torneira com papel toalha

21 PLANO AMOSTRAL: estimação de taxa de contatos e taxa de higienização das mãos por dia Número médio de contatos com o paciente e do número médio de higienizações das mãos por profissional e turno Médicos Enfermeiros Técnicos em Enfermagem Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Contatos com o paciente 26,2 10,8 24,2 16,3 84,1 95,9 Higienizações das mãos 12,1 2,2 20,0 12,4 35,4 49,4

22 PLANO AMOSTRAL: estimação de taxa de contatos e taxa de higienização das mãos por dia Número de dias necessários de observação do número de contatos e higienizações das mãos por profissional e turno Manhã Médicos Tarde Enfermeiros Manhã Tarde Técnicos em Enfermagem Manhã Tarde Contatos com o paciente Higienizações das mãos

23 Hora (início) Dia do Mês /03/06 P1 02/03/06 P1 P9 05/03/06 P6 P6 06/03/06 P2 P5 P6 P7 07/03/06 P6 P4 P4 P3 08/03/06 P4 P7 P7 P3 P4 P3 P3 09/03/06 P1 P5 P6 P2 P2 12/03/06 P7 P5 P2 13/03/06 P2 P3 P9 P6 14/03/06 P5 P8 P4 15/03/06 P5 P8 P9 P7 P7 P1

24 Supervisão da HIGIENIZAÇÃO das MÃOS nas unidades de internação Rodízio de unidades 1 mês para cada unidade Observações em dias úteis, 7 às 19 horas 500 a 1000 oportunidades de higienização das mãos observadas por mês (depende de cada unidade) 10 estagiárias treinadas

25 Adesão à Higienização das Mãos Unidades de Internação - HCPA Unidade 10º Sul pacientes pediátricos 8º Sul pacientes cirúrgicos 5º sul pacientes imunossuprimidos Taxa geral de adesão Taxa de adesão enfermeiros Taxa de adesão técnicos/aux enfermagem Taxa de adesão médicos 58,4% 86,8% 58% 38,1% 53,1% 82% 51,7% 26% 78,8% 80,3% 78,6% 75%

26 Unidade de internação 5º Sul pacientes imunossuprimidos

27 Câmera e auto-falantes para controle e orientação de higienização das mãos antes de entrar na unidade Ante-sala na entrada da Unidade de internação 5º Sul Unidade para pacientes imunossuprimidos

28 unidade Ante-sala na entrada da Unidade de internação 5º Sul pacientes imunossuprimidos Obrigatoriedade de higienização das mãos antes de entrar na

29 Observação da Higienização das Mãos CTI janeiro de 2006 CTI cardíaca área 1 e área 2 Turnos Profissionais Número de oportunidades observadas Lavagem de mãos observadas Antissepsia das mãos com álcool observadas Falhas na higienização das mãos observadas: 1. não usou sabão 2.não higienizou todas as partes da mão 3.não fechou torneira com papel-toalha Manhã e tarde Enfermeiros % Técnicos de Enfermagem Total de percentual de adesão à higienização das mãos Lavagem e/ou álcool ,5% Médicos % Total % 30% % ,5% 23 50%

30 HOSPITAL de CLÍNICAS de PORTO ALEGRE COMISSÃO de CONTROLE de INFECÇÃO HOSPITALAR Metas para o CTI : Aumentar a adesão à higienização das mãos para 50% Disponibilizar melhores insumos Estimular a adesão com recursos visuais Cartazes Treinamentos Álcool gel em dispensadores próximos ao leitos

31

32

33 Observação da Higienização das Mãos CTI Taxa de ADESÃO à HIGIENIZAÇÃO das MÃOS 53% 30% 35% JANEIRO JUNHO JULHO Treinamentos para profissionais de enfermagem Colocação de dispensadores p/ álcool próximos aos leitos Implantação do protocolo de prevenção de PAVM

34 Frequência de Higienização das Mãos CTI junho de 2006 a dezembro de 2007 Taxa de adesão à higienização das mãos (%) - CTI 53,2 54,6 60,7 63,9 56,2 57,5 54,1 46, , ,3 55,4 59,1 55,3 55, , fev/06 PROTOCOLO mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 PROTOCOLO PAVM Média de adesão (18 meses): 56,5% jan/06

35 SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI junho de 2006 a dezembro de 2007 Taxa de adesão à higienização das mãos - CTI - por categoria profissional média enfermeiros: 76,6% média técn enf: 52,1% média médicos: 44,4% 96,6 92,5 88,6 80,2 81, ,5 84,1 83,2 88, ,1 78,7 75,2 75, ,3 50,5 57,5 56,5 53,2 47,4 50,2 53,3 50,3 44, ,8 58,7 49, ,2 54,1 57,5 61,5 47, ,6 48,8 41,7 44,2 45, ,7 40, ,4 40,6 43, , ,3 jun/06 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 Enfermeiros Técn Enfermagem Médicos

36 SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI junho de 2006 a dezembro de 2007 Taxa de adesão à higienização das mãos - CTI - por turno ,1 66,7 69,4 69,8 64,8 68,9 68,5 60,8 68,8 65,3 58,6 59,4 57,3 58,7 66,7 54,3 49,6 49,7 56,6 53,352,6 56,1 48, ,556,752,7 49,6 48,655,1 48,3 47,1 36,4 jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 70,7 61,8 58,4 59,859,1 52,1 51,1 57,5 63,3 67,2 média tarde:60,5% 66,7 53,7 55,5média manhã:52,5% 48,1 45,2 46,5 46,2 média noite:57,2% 34,3 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 manhã tarde noite

37 SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI junho de 2006 a fevereiro de 2008 média área 2: 59,3% média área 1: 55% média cardíaca: 51, 4% Taxa de adesão à higienização das mãos - CTI - por área jul/06 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 Área 1 Área 2 Cardiaca out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08

38 SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI julho de 2006 a dezembro de 2007 Taxa de adesão à Higienização das Mãos com Álcool ou Água e Sabão ,2 PROTOCOLO PAVM 7,8 51,1 56,1 48,9 43,9 50,552,1 49,547,9 51,2 48,8 54,8 45, ,9 62,1 64,156,556,8 58,4 66,5 59,3 62,4 59,8 57,6 41,6 33,1 37,9 40,7 35,943,543,2 37,6 40,2 42,4 33,5 álcool água e sabão

39 Infecções Hospitalares adquiridas no CTI - HCPA 2003, 2004, 2005 Infecções CTI - jan a dez 2003 sepse 8% pele 6% outras 2% BCP 41% Infecções CTI - jan a dez 2004 cateter 14% sepse 10% pele 6% outras 3% BCP 40% Infecções CTI - jan a dez 2005 urinária 29% cateter 17% urinária 24% pele 7% sepse 5,5% cateter 15% outras 2% BCP 43% urinária 27%

40 Hospital de Clínicas de Porto Alegre Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Pneumonias associadas a VM ( ) - CTI de adultos janeiro de 2004 a dezembro de ,9 18,2 29,8 22,5 27,2 29,3 25,5 22, ,6 24,6 20,8 26,1 22,1 22,6 21, , ,8 13, ,8 6,9 Média: 21,7 0 jan/04 fev/04 mar/04 abr/04 mai/04 jun/04 jul/04 ago/04 set/04 out/04 nov/04 dez/04 jan/05 fev/05 mar/05 abr/05 mai/05 jun/05 jul/05 ago/05 set/05 out/05 nov/05 dez/05

41 Hospital de Clínicas de Porto Alegre PROTOCOLO ASSISTENCIAL PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA SERVIÇOS ENVOLVIDOS Vice-Presidência Médica Serviço de Medicina Intensiva Serviço de Enfermagem em Terapia Intensiva Serviço de Patologia Clínica (Unidade de Microbiologia) Serviço de Cirurgia Torácica Serviço de Pneumologia Comissão de Controle de Infecção Hospitalar

42 HCPA - Protocolo Assistencial Pneumonia associada à Ventilação Mecânica (PAVM) higienização das mãos TÓPICOS CONTEMPLADOS: manejo de pacientes portadores de germes multirresistentes recomendações para a prevenção de PAVM diagnóstico de PAVM tratamento empírico baseado nas infecções ocorridas no CTI entre

43 Pneumonias associadas a Ventilação Mecânica CTI janeiro de 2005 a julho de ( ) ,7 18,2 19,4 18,1 19,1 19,5 17, ,9 13,1 13, Junhoe julhode 2006 Menores taxas de PAVM nos últimos 12 meses 0 set/05 out/05 nov/05 dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 Implantação do protocolo de prevenção de PAVM

44 SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI julho de 2006 a dezembro de 2007 Taxa de infecções e taxa de higienização das mãos - CTI ,9 60,7 53,254,6 56,2 57,5 54,1 53,160,160 65,3 55,4 59, ,2 19, ,7 21,9 19,2 23,8 23,1 23,6 23,9 19,5 21,5 19,8 21,5 21,5 22,2 20,7 21, ,1 13,4 14,6 16,6 17,2 16,9 18, ,9 21,9 15,2 17,4 12,2 14,1 11, ,3 19,2 19,9 18,7 18,8 13,6 15,8 15,5 12,9 13,4 16,1 10,3 14,1 PROTOCOLO PAVM Higienização das mãos PAVM Taxa IHs 28,9 55,3 55,2 53,7

45 HOSPITAL de CLÍNICAS de PORTO ALEGRE - CCIH Pneumonias associadas a Ventilação Mecânica - CTI 2006 e 2007 (x1000pacientes-dia em VM) ,9 23,6 19,5 19,8 20,7 19,7 17,1 17,2 18,1 14,6 16,6 15,2 14,1 13,4 12, ,1 17,3 15,8 15,5 13,4 18,8 16,1 5 0 Média: 15,1

46 12.000,00 Figura 1 - Número absoluto, coeficiente de incidência de infecções relacionadas a cateteres (x ) e pacientes-dia em uso de cateteres vasculares no HCPA, 2003 a , , , ,00 Índice de infecções de cateter Pacientes-dia em uso de cateter No. Absoluto de infecções de cateter Linear (Pacientes-dia em uso de cateter) Linear (Índice de infecções de cateter) Linear (No. Absoluto de infecções de cateter) 2.000,00 0, Meses

47 Figura 2 - Número absoluto, coeficiente de incidência de infecões urinárias associadas à procedimentos urinários invasivos (x ) e pacientes-dia em uso de sondagem vesical no HCPA, 2003 a , ,00 Índice de infecções urinárias 8.000,00 Pacientes-dia em sondagem No. Absoluto de infecções urinárias 6.000, ,00 Linear (Pacientes-dia em sondagem) Linear (Índice de infecções urinárias) Linear (No. Absoluto de infecções urinárias) 2.000,00 0, Meses

48 HOSPITAL de CLÍNICAS de PORTO ALEGRE - CCIH SUPERVISÃO da FREQUÊNCIA de HIGIENIZAÇÃO das MÃOS CTI junho de 2006 a fevereiro de 2008 Tendência a diminuir a adesão? Taxa de adesão à higienização das mãos (%) - CTI mar/06 abr/ PROTOCOLO 0 0 PAVM mai/06 jun/06 jul/06 63,9 65,3 60,756,2 57,5 60, ,1 53,2 54,1 55,4 55,3 55,2 55,1 54, ,7 46,2 49,7 ago/06 set/06 out/06 nov/06 dez/06 jan/07 fev/07 mar/07 abr/07 mai/07 jun/07 jul/07 ago/07 set/07 out/07 nov/07 dez/07 jan/08 fev/08

49 Aliança Mundial para a Segurança do paciente Projeto de Higienização das Mãos OMS / ANVISA

50 Obrigada pela Atenção! LORIANE KONKEWICZ enfermeira da CCIH do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre Enfa Loriane Konkewicz POLÍTICA DE HIGIENE DE MÃOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Enfa Loriane Konkewicz EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE Allison E. AJIC. 2008 EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação

MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE. Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação MONITORAMENTO DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS: UM DESAFIO NA SEGURANÇA DO PACIENTE Simone Moreira Esp. Prevenção e Controle de Infecção Mestre em Avaliação Segurança do Paciente Anos 50 e 60: estudos sobre eventos

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR

GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR GERENCIANDO O HOME CARE Utilizando os indicadores de desempenho para a melhor tomada de decisão. CONTROLE DE INFECÇÃO DOMICILIAR Dra Carla Guerra Médica Infectologista Pronep-SP Patrocínio: Realização:

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Análise dos dados das Infecções Hospitalares/Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde do Estado do Paraná no período entre Junho a Dezembro de 2009. Departamento de Vigilância Sanitária/SESA Comissão

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Pompeia Santana Ipiranga

Pompeia Santana Ipiranga Pompeia Santana Ipiranga Apresentação dos Resultados Gerenciamento de Leitos Gerenciamento de leitos Significa buscar a utilização dos leitos disponíveis em sua capacidade máxima dentro dos critérios

Leia mais

METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA

METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA OFICINA O AMBIENTE E A AQUISIÇÃO DE INFECÇÃO METÓDOS DE MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DA LIMPEZA Marcela Diab Luiz Líder Hotelaria Hospital São Francisco Em outubro de 2013, devido ao alto índice de colonização

Leia mais

Como avaliar dados de infecção hospitalar

Como avaliar dados de infecção hospitalar Montando meu programa de vigilância epidemiológica: o que não pode faltar Parte II Como avaliar dados de infecção hospitalar Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar-CVE gmadalosso@saude.sp.gov.br

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003

FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ. N 0 Recomendação REC - 003 Página 1/6 1- INTRODUÇÃO: O trato urinário é um dos sítios mais comuns de infecção hospitalar, contribuindo com cerca de 40% do total das infecções referidas por hospitais gerais. Além das condições de

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH. Orientações PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PCIH Orientações O que é o PCIH Considera-se Programa de Controle de Infecção Hospitalar o conjunto de ações desenvolvidas deliberada e sistematicamente, com

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1

Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 Protocolo de Higienização de Mãos ISGH Página 1 ELABORAÇÃO Bráulio Matias de Carvalho - Médico Infectologista- ISGH Selma Furtado Magalhães - Gerente de Risco - ISGH COLABORADORES Jamile de Sousa Pacheco

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS

PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS Genny Oliveira Moura Guarabyra Iza Maria Fraga Lobo Gabriela Menezes Gonçalves de Brito Pabliane

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Lucieni de Oliveira Conterno Faculdade de Medicina de Marília Disciplina de Infectologia Núcleo de Epidemiologia Clinica SCIH- Santa Casa de Marília ISENÇÃO DE

Leia mais

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Fluxo de pacientes: melhoria de processos Coordenadora de Enfermagem Hospital Israelita Albert Einstein Unidade Morumbi Durante nossa vida...

Leia mais

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID

Para melhorar a saúde no Brasil com RFID Para melhorar a saúde no Brasil com RFID João Ricardo Tinoco de Campos Diretor de Enfermagem IDR Instituto Data Rio para Administração Pública RFID usado a favor da Biossegurança e da CCIH: Comissão de

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos

Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos IDENTIFICAÇÃO DO LOCAL: ANEXO 31 Questionário básico sobre a percepção de profissionais de saúde a respeito das infecções relacionadas à assistência à saúde e à higienização das mãos Você está em contato

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde.

Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Recomendações para higienização das mãos em serviços de saúde. São quatro as formas de higienização das mãos nos serviços de saúde: 1.Higienização simples das

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Limpeza concorrente e terminal do leito, cortinas, mobiliários e equipamentos hospitalares Página: 1/9 INTRODUÇÃO: A limpeza e a desinfecção de superfícies são elementos que propiciam segurança e conforto aos pacientes, profissionais e familiares nos serviços de saúde. Colabora também para o

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto Sigla do Indicador Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto TDIHCVC UTI Adulto SEGURANÇA Taxa de densidade

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis

PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS. Denise Brandão de Assis PROJETO ESTADUAL REDUÇÃO DE INFECÇÃO DE CORRENTE SANGUÍNEA (ICS) ASSOCIADA A CATETER VENOSO CENTRAL (CVC) EM UTI RESULTADOS Denise Brandão de Assis Diretora Técnica Divisão de Infecção Hospitalar CVE/CCD/SES

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO VENTILAÇÃO MECÂNICA EIXO PEDIÁTRICO E L A B O R A Ç Ã O Adriana de Oliveira Sousa Gerente daterapia Integrada ISGH Ana Karine Girão Lima Assessora Técnica da Educação Permanente ISGH Braulio Matias Coordenador

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias

A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias CULTURA A Experiência do HESAP na Implementação do Protocolo TEV: Desafios e Estratégias 01/10/2014 Drª Monica Pinheiro Enfª Karina Tomassini HOSPITAL ESTADUAL DE SAPOPEMBA Liderança Superintendente Maria

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Unidade: Unidade Assistencial Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP Enfermagem Tarefa: Higienização de mãos Número: 79 Data: 03/2015 Responsável:

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission

Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Mesa redonda: O Papel do enfermeiro na segurança do paciente e nos resultados do atendimento Implementação das metas internacionais de segurança do paciente da Joint Commission Cristiana Martins Prandini

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC

Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC Modelo de Gestão Metas Internacionais: Times Internacionais Setoriais CAROCCINI TP, RIBEIRO JC 1- Introdução O propósito das Metas Internacionais de Segurança do Paciente é promover melhorias específicas

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente

3º Encontro de Esterilização. A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente 3º Encontro de Esterilização A importância da Higienização de Mãos e a Segurança do Paciente DRA. DEBORA OTERO MÉDICA INFECTOLOGISTA - CCIH HOSPITAL FEDERAL DE IPANEMA HEMORIO Total de vidas perdidas por

Leia mais

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16

Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB. Vasco Lino 2015-06-16 Infeções associadas aos cuidados de saúde no contexto do CHCB Vasco Lino 2015-06-16 GCL- PPCIRA Grupo de Coordenação Local do Programa de Prevenção e Controlo das Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos

Leia mais

Saídas Clínicas 75 42. Saídas Cirúrgicas 130 73

Saídas Clínicas 75 42. Saídas Cirúrgicas 130 73 JUSTIFICATIVAS METAS OUTUBRO DE 2013 Saídas Clínicas e Saídas Cirúrgicas Meta Realizado Saídas Clínicas 75 42 Saídas Cirúrgicas 130 73 No mês de outubro de 2013 não cumprimos a meta estipulada no contrato

Leia mais

Relatório de. Gestão

Relatório de. Gestão Relatório de Gestão Sumário Apresentação... 2 Serviços Ofertados... 3 Recursos Humanos... 4 Análise Operacional... 5... U RGÊNCIA E EMERGÊNCIA... 5... A MBULATÓRIO... 6... I NTERNAÇÃO... 7... D ESEMPENHO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS FEVEREIRO/2014 28/02/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas

Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Aplicação de Programa de Controle de Tuberculose Nosocomial no Instituto de Infectologia Emílio Ribas Instituto de Infectologia Emílio Ribas Referência em doenças infecciosas, com 230 leitos (60% para

Leia mais

AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE

AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE V Jornada Nacional de Economia da Saúde II Jornada de Avaliação de Tecnologias em Saúde do IMIP AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE Ricardo Kuchenbecker Professor Adjunto

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos. Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos. Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos Gerenciamento de Resíduos Complexo Hospitalar Universitário Prof Edgard Santos Iris Soeiro de Jesus Enfermeira Presidente da Comissão de Resíduos MISSÃO Prestar assistência a saúde da população; Formar

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global

Remuneração Hospitalar. Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Remuneração Hospitalar Modelo com Diária e Atendimento Semi-Global Sobre a Unimed Vitória UNIMED VITÓRIA / ES 310.000 CLIENTES, SENDO DESTES, 20.000 EM ATENÇÃO PRIMÁRIA; 2.380 MÉDICOS COOPERADOS; 208 PRESTADORES

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE

INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE INFORMATIZAÇÃO DE INDICADORES DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR. A EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLINICAS DE PORTO ALEGRE Beatriz Graeff Santos Seligman; Ricardo Kuchenbecker; Adão Rogério Leal Machado;

Leia mais

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR

III Simpósio de Pesquisa e de Práticas Pedagógicas dos Docentes do UGB ANAIS - 2015 EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR EDUCAÇÃO EM SAÚDE EM UNIDADE HOSPITALAR Andreza de Jesus Dutra Silva Mestre em Ensino em Ciências da Saúde e do Meio Ambiente - UniFOA; Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva - USS; MBA em Administração

Leia mais

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES

COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA. Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UFMA Orientações PARA PACIENTES E ACOMPANHANTES Prezado usuário Esta cartilha foi desenvolvida na perspectiva de orientá-lo sobre as rotinas das clínicas de internação

Leia mais

Precaução padrão e Isolamento

Precaução padrão e Isolamento Precaução padrão e Isolamento Precauções de Isolamento no Perioperatório Enf Dra.Valeska Stempliuk IEP/HSL Pontos importantes Modos de transmissão de patógenos Por que isolar? Quem deve saber que o paciente

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 Assunto: Indicadores de Qualidade 1. Do fato Solicitado parecer por profissional de enfermagem sobre a definição e construção de indicadores de qualidade na assistência

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS

Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS III Simpósio Estadual de Controle de Infecção Hospitalar Objetivos, métodos e abrangência da Vigilância Epidemiológica das IRAS Enf. Thiago Batista Especialista em controle de infecção MBA em gestão em

Leia mais

Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, 2013. 19 Fevereiro, 2013

Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Patrocinado por GOJO (www.gojo.com.br) 19 Fevereiro, 2013. 19 Fevereiro, 2013 O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção O que o intensivista precisa saber sobre controle de infecção Dr. Oscar Pavão Hospital Israelita Albert Einstein Diretoria de Prática Médica

Leia mais

Hospital Municipal Getúlio Vargas. Financiamento

Hospital Municipal Getúlio Vargas. Financiamento Hospital Municipal Getúlio Vargas HhhhHosp Financiamento Contratualização Secretaria Estadual da Saúde Ano: R$ 12.580.973,88 Mês: R$ 1.048.414,49 Contrato de Gestão Município Sapucaia do Sul Ano: R$ 22.044.698,13

Leia mais

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA (PRM) CIRURGIA GERAL Introdução Caro (a) médico residente O Programa de Residência Médica em Cirurgia Geral, do Hospital Regional de Ponta Grossa

Leia mais

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes

Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Sylvia Cristina Xavier Chiodarelli Lopes Formação Acadêmica Curso de Avaliação da Qualidade em Saúde Fundação Getúlio Vargas (FGV) / 2011 MBA em Administração Hospitalar e serviços de saúde Fundação Getúlio

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde

Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Ministério da Saúde cria o Programa Nacional de Segurança do Paciente para o monitoramento e prevenção de danos na assistência à saúde Rede Sentinela Desde 2011, 192 hospitais da Rede Sentinela monitoram

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12

Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Resultado do Monitoramento das atividades da Rede Sentinela Novembro/11 a Outubro/12 Diogo Penha Soares Coordenação de Vigilância em Serviços Sentinela CVISS/NUVIG Credenciamento Ao solicitarem o credenciamento

Leia mais

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária

NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS. Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária NUTRIÇÃO ENTERAL HOSPITAL SÃO MARCOS Heloisa Portela de Sá Nutricionista Clínica do Hospital São Marcos Especialista em Vigilância Sanitária Secretária Nutricionista Gerente Nutricionista Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Ana L. Vasconcelos Coordenadora Programa Integrado de Cirurgia O Protocolo de cirurgia segura do

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA. Cícero Andrade DO PACIENTE PROTOCOLOS DE SEGURANÇA Cícero Andrade DO PACIENTE Finalidade Instituir e promover a higiene das mãos nos serviços de saúde do país com o intuito de prevenir e controlar as infecções relacionadas à assistência

Leia mais

1 de 6 10/10/2015 02:57

1 de 6 10/10/2015 02:57 1 de 6 10/10/2015 02:57 Nome do POP / Sinonímia Nome do responsável pelo POP Fluxo 40921/15 - Reposição e Controle de Medicamentos no Centro Obstétrico *Que receberá, por exemplo, a tarefa de revisão do

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Experiências educativas no gerenciamento de resíduos gerados no Hospital de Clínicas de Porto Alegre Tainá Flôres da Rosa contato: tfrosa@hcpa.ufrgs.br telefone:(51)81414438

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais