QualiHosp Curso Pré-Congresso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QualiHosp Curso Pré-Congresso"

Transcrição

1 QualiHosp Curso Pré-Congresso Desempenho Organizacional Foco: Gestão do Desempenho da Gestão de Pessoas Reflexões teóricas e o nosso caminho no HSL...

2 Questão-chave: Como avaliar o desempenho da gestão de pessoas nas instituições de saúde?

3 Introdução: Referencial básico sobre gestão do desempenho

4 Execução Premium Kaplan e Norton

5

6 Desempenho global da organização, segundo relatório temático do FNQ:

7 Dois enfoques do sistema de medição Processos (KPI) Indicadores Estratégia (BSC) Medem o desempenho de: - Equipamentos (tempo de parada, número de paradas, etc..) - Matéria-prima (níveis de estoque) - Condições ambientais - Aferição dos instrumentos de medição - Cumprimento dos padrões operacionais Medem o desempenho de: - Principais desafios, obstáculos ou restrições ao atingimento dos objetivos estratégicos. - Aquilo que a organização tem por obrigação fazer muito bem feito para ter êxito em sua estratégia

8 Dois olhares sobre a gestão de pessoas... Desempenho dos processos da área de gestão de pessoas Desempenho da estratégia de gestão de pessoas Indicador é resultante dessas definições

9 Olhar sobre o desempenho dos processos de gestão de pessoas Recrutamento e Seleção Integração e acolhimento Gestão do desempenho 1. Selecionar pessoas 2. Integrar pessoas 3. Gerenciar o desempenho das pessoas 4. Desenvolver pessoas 5. Reconhecer pessoas 6. Desligar pessoas Reconhecimento (monetário e não monetário) Gestão de Pessoas Desligamento Desenvolvimento

10 Olhar sobre o desafio estratégico da gestão de pessoas Contexto Apagão de mão-de-obra Desafio Atração e retenção de talentos Alta rotatividade Baixa qualificação Uso intensivo de mão-de-obra e custos crescentes acima das taxas de crescimento das receitas / orçamentos Engajamento da força de trabalho Educação corporativa Gestão da eficiência dos custos de pessoal Custos crescentes com a assistência médica dos trabalhadores Gestão da saúde do trabalhador

11 Foco no desempenho estratégico, com base nos principais desafios da gestão de pessoas 1. Atrair pessoas adequadas aos valores da instituição e competências esperadas da função 2. Manter a força de trabalho engajada em obter resultados superiores 3. Desenvolver as competências necessárias ao bom desempenho 4. Manter condições adequadas do ambiente de trabalho e promover a saúde do trabalhador 5. Ser eficiente na gestão dos custos de pessoal

12 1.Atrair pessoas adequadas aos valores da instituição e competências esperadas da função

13 Atrair pessoas Tempo de seleção (número de dias entre a vaga aprovada e a efetivação do candidato): está mais voltado para medir atração ou agilidade do processo seletivo? É possível medir a largura do funil? P.ex. relação entre número de candidatos desde a triagem até a aprovação Taxa de efetivação após 90 dias pode ajudar a avaliar a qualidade da seleção (RH e gestor)

14 2. Manter a força de trabalho engajada em obter resultados superiores

15 Manter a força engajada Índices de clima organizacional apesar de anuais ou bianuais, mostram de forma clara a percepção dos trabalhadores em relação aos fatores de satisfação e engajamento. Ìndice de desligamento voluntário Oportunidades de crescimento: índice de aproveitamento interno (vagas ocupadas internamente / total de vagas abertas), % de pessoas promovidas ou que receberam mérito salarial, % de pessoas contempladas nos programas de reconhecimento Índice de absenteísmo de curta duração pode também indicar baixo engajamento?

16 3. Desenvolver as competências necessárias ao bom desempenho

17 Desenvolver competências Muitos limites para uma avaliação efetiva: Horas-homem treinamento Investimento em T&D por efetivo % de trabalhadores treinados/efetivo total Gaps da avaliação de competência Como medir efetividade dos programas de capacitação? Testes de absorção do conhecimento a cada treinamento Avaliação da prática in loco Provas de conhecimento e habilidade Monitoramento de eventos adversos Pesquisas de satisfação do cliente Associar a capacitação sempre que possível a indicadores do processo que se pretende aprimorar.

18 4. Manter condições adequadas do ambiente de trabalho e promover a saúde do trabalhador

19 Ambiente de trabalho e saúde do trabalhador Os clássicos: Índice de absenteísmo Índice de afastamento Taxa de acidentes do trabalho (por tipo, com x sem afastamento) % de trabalhadores com exame periódico em dia Resultado de auditoria interna das condições de trabalho e aderência às exigências legais (p.ex. NR32) Desafio: Medir o efeito das ações de gestão da saúde e dos programas de qualidade de vida

20 5. Ser eficiente na gestão dos custos de pessoal

21 Eficiência dos custos de pessoal Medidas clássicas de produtividade: Relação funcionários/leito FTE (Full Time Equivalent) / leitos específicos (p.ex. críticos e não críticos) Scores de avaliação da demanda de cuidado, p.ex.: TISS Indicadores financeiros Custo de pessoal e horas extras Sinistralidade per capita Relação custo pessoal x receita de cada unidade (em serviços privados) Gestão em tempo real da demanda e da oferta FTE em atividade / leito ocupado

22 Novo olhar sobre a produtividade de pessoal

23 Oferta x demanda: Demanda assistencial Taxa de ocupação por turno e dia da semana em cada tipo de unidade (clínico x cirúrgico, crítica x não crítica, por especialidades ) Nível de atenção de cada paciente segundo critérios clínicos e não clínicos Avaliação da sazonalidade Planejamento de novas internações e altas Oferta de profissionais Escala de profissionais Registro do ponto dos profissionais por dia da semana / turno / local de trabalho Identificação dos profissionais segundo cargos e funções Absenteísmo, férias, licenças, atrasos Capacitações específicas dos profissionais

24 Oferta x demanda como meios para gestão da produtividade Demanda assistencial Taxa de ocupação por turno e dia da semana em cada tipo de unidade (clínico x cirúrgico, crítica x não crítica, por especialidades ) Nível de atenção de cada paciente segundo critérios clínicos e não clínicos Avaliação da sazonalidade Planejamento de novas internações e altas Oferta de profissionais Escala de profissionais Registro do ponto dos profissionais por dia da semana / turno / local de trabalho Identificação dos profissionais segundo cargos e funções Absenteísmo, férias, licenças, atrasos Capacitações específicas dos profissionais Análise da Produtividade Quantificação e dispersão da produtividade média de profissionais / paciente: - em cada unidade - em cada dia da semana - em cada turno

25 O mapeamento da demanda DEMO

26 Projeto da ATKearney para o Hospital Sírio-Libanês. Reprodução não autorizada O mapeamento da oferta

27 Projeto da ATKearney para o Hospital Sírio-Libanês. Reprodução não autorizada A análise da produtividade

28 Projeto da ATKearney para o Hospital Sírio-Libanês. Reprodução não autorizada Análise da produtividade

29 Projeto da ATKearney para o Hospital Sírio-Libanês. Reprodução não autorizada Resultados iniciais do piloto quadro de enfermagem

30 Alguns exemplos da nossa prática no Hospital Sírio-Libanês

31 Como fazemos a gestão dos indicadores? Nosso caminho no Hospital Sírio-Libanês

32 Como fazemos a gestão dos indicadores? De forma descentralizada: Indicadores estratégicos e operacionais acessíveis aos gestores via BSC, BI ou via rede interna De forma centralizada na área de gestão de pessoas: Identificação dos indicadores estratégicos, táticos e operacionais. Análise mensal dos indicadores com vistas à identificação de variações significativas. Análise trimestral detalhada dos indicadores de desligamento voluntário, absenteísmo, horas-treinamento e produtividade Análise de outros indicadores definidos conforme criticidade do momento ou prioridade estratégica. Exemplo: durante processo de expansão, medição semanal dos tempos de seleção em cada etapa do processo. Durante contingenciamento dos custos de pessoal, planejamento e acompanhamento detalhado das horas extras e demais despesas de pessoal.

33 Processo de análise e intervenção Seleção de áreas e cargos com desempenho mais críticos Análise em profundidade de outros indicadores daquela área ou cargo (índice de engajamento, avaliação de desempenho, movimentação na carreira, motivos de desligamento, motivos de absenteísmo, etc...) Reunião dos especialistas / gestores de RH com os gestores da área para análise e elaboração conjunta do plano de ação Apresentação dos resultados e dos planos de ação no Comitê Executivo.

34 Indicadores estratégicos

35 Gestão Estratégica: Mapa estratégico HSL

36

37 Índice de engajamento comparado à referência de mercado da AON-Hewitt 46% 72% Zona de Indiferença Zona de Indiferença Zona Neutra Zona Crítica Zona de Alta Performance 0% 100%

38 Pesquisas do setor são um bom referencial comparativo

39 Evolução histórica e em relação às metas estratégicas

40 ANAHP como referencial comparativo

41 0,00% 0,47% 0,48% 0,50% 0,63% 0,57% 0,74% 0,71% 0,71% 0,81% 0,81% 0,88% 0,83% 0,94% 0,94% 1,02% 1,05% 1,03% Uso de referencial comparativo: Grupo Estratégico de RH 1,20% 1,00% Desligamento Involuntário pelo Efetivo Total Média ANAHP: 1,1% (2013) 0,80% 0,60% Média GERH: 0,85% (2014) 0,40% 0,20% 0,00% HOSPITAL A HSL HOSPITAL B HOSPITAL C HOSPITAL D HOSPITAL E MEDIA 2012 MEDIA 2013 MEDIA 2014 MEDIA 2015

42 Uso de ranking como estratégia de análise e priorização 1,40% 1,27% DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO POR CATEGORIAS Ranking - Média 2013 x Média ,20% 1,00% 1,07% 1,02% 0,91% 0,87% 0,80% 0,69% 0,60% 0,49% 0,48% 0,45% 0,43% 0,43% 0,41% 0,40% 0,20% 0,00% 0,27% 0,21% 0,06% 0,00% 0,00% MEDIA 2014 MEDIA 2013

43 e também como mecanismo de competição saudável entre as áreas... 18,00 16,00 15,5 HORAS HOMEM TREINAMENTO POR CATEGORIAS Média 2013 x Média ,00 12,7 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 7,2 5,2 6,1 3,6 3,7 2,9 3,2 1,6 1,4 1,2 1,2 1,0 0,9 0,8 0,5 0,00 MEDIA 2014 MEDIA 2013

44 Buscando comparar com unidades semelhantes... 7,0 6,0 HORAS HOMEM TREINAMENTO POR UNIDADES ASSISTENCIAIS Média 2014 x Média ,1 5,0 4,0 3,0 2,0 4,0 4,0 2,8 2,2 2,2 2,1 2,1 2,0 1,9 1,9 Média Unidades Assistenciais: 2,4 (2014) 1,6 1,5 1,4 1,3 1,3 1,1 1,1 0,9 0,9 0,9 0,9 0,8 0,8 1,0 0,0 0,0 MEDIA 2015 MEDIA 2014

45 Painel de desempenho com uso de faróis para facilitar a análise crítica e priorização CARGO jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 ENFERMEIROS - ASSISTENCIAIS 0,78% 0,52% 1,83% 0,78% 1,80% 0,51% 1,01% 0,76% 0,25% 0,98% 0,73% 0,95% 0,72% 1,44% 1,29% 0,58% 1,04% 0,78% 1,08% FISIOTERAPÊUTA 3,01% 0,75% 0,76% 0,75% 0,75% 2,24% 0,74% 0,00% 0,71% 0,69% 0,68% 0,69% 0,00% 1,39% 0,38% 0,74% 1,38% 0,58% 0,69% OPER. ATENDIMENTO 0,00% 1,33% 1,22% 2,47% 2,35% 4,76% 0,00% 1,15% 0,00% 1,09% 0,00% 0,00% 0,00% 1,14% 0,24% 1,33% 2,02% 0,37% 0,57% ASSIST. ADMINISTRATIVO 1,10% 0,55% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,53% 1,07% 1,10% 0,79% 1,15% 0,28% 0,09% 1,08% AUX. ADMINISTRATIVO 1,57% 2,41% 2,02% 1,53% 0,79% 1,21% 0,76% 0,74% 1,46% 2,20% 1,12% 0,00% 0,71% 1,05% 1,44% 1,23% 1,59% 1,05% 0,88% ASSIST. ATENDIMENTO 1,02% 0,52% 0,53% 2,07% 0,00% 1,52% 0,51% 1,02% 0,00% 0,50% 0,00% 0,48% 0,00% 0,99% 0,49% 0,69% 0,94% 0,42% 0,49% AUX. FARMACIA 1,16% 0,00% 2,80% 0,95% 2,83% 0,00% 1,82% 1,83% 0,00% 0,00% 0,91% 1,80% 0,92% 0,94% 1,04% 1,10% 1,29% 1,06% 0,93% MEDICO - ASSISTENCIAL 0,65% 1,28% 1,30% 2,63% 1,96% 0,65% 0,65% 0,00% 0,64% 0,00% 0,60% 2,42% 0,61% 0,61% 0,54% 0,31% 1,41% 0,72% 0,61% AUX. HOSPEDAGEM 0,00% 0,49% 0,97% 0,48% 0,00% 0,94% 0,47% 0,47% 0,00% 0,93% 0,00% 0,90% 1,38% 0,46% 1,01% 1,06% 0,48% 0,46% 0,92% TEC. ENFERMAGEM 0,67% 1,00% 1,34% 0,33% 0,63% 0,71% 0,37% 0,94% 0,80% 0,11% 0,20% 0,57% 1,02% 0,18% 0,51% 0,60% 0,78% 0,50% 0,60% AUX. ENFERMAGEM 0,63% 1,60% 0,16% 0,49% 0,49% 0,74% 1,04% 0,67% 0,23% 1,30% 0,00% 0,33% 1,07% 0,00% 0,90% 0,49% 0,68% 0,60% 0,54% AUX. RECEPCAO 0,00% 4,00% 4,35% 4,55% 9,09% 4,55% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,76% 1,37% 4,42% 0,00% 0,00% MEDIA 1º sem 2013 MEDIA 2º sem 2013 MEDIA 1º sem 2014 MEDIA 2º sem 2014 MEDIA 2015 (ATÉ MÊS CORRENTE) COPEIRO 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 1,77% 0,00% 0,00% 0,87% 0,00% 0,00% 1,75% 0,00% 0,00% 0,00% 1,30% 0,29% 0,29% 0,44% 0,00%

46 Indicadores táticos contribuição da gestão de pessoas para os objetivos estratégicos

47 Gestão de Pessoas e Qualidade Objetivo Estratégico Objetivos de Contribuição Indicadores Metas Projetos/ Iniciativas Resp. Garantir qualidade, segurança e eficiência dos processos assistenciais e administrativos Manter a assertividade das premissas e orçamento de pessoal Buscar eficiência, agilidade e efetividade nos processos de contratação Cumprir os programas estratégicos de desenvolvimento organizacional Variação real x orçado na despesa de pessoal (segmentação pelos 5 grupos de contas) Despesa pessoal / rec líquida (indicador estratégico) Tempo entre vaga aprovada e colaborador efetivado (segmentado segundo adm.pessoal / seleção / MT / admissão e cargos críticos) Nº horas-treinamento de gestores Cumprimento do orçamento de desenvolvimento institucional Manter a despesa dentro do orçado Manter a proporção de pessoal em relação à receita dentro do orçado Manutenção do tempo de contratação de 2014 (considerando tendência de piora do mercado) Elaboração e acompanhamento do orçamento de pessoal Monitoramento da produtividade de pessoal da instituição e das áreas Revisão do fluxo de seleção e contratação e automação do processo via workflow PDG e programas Mínimo de 25 horashomem treinamento customizados para gestores Realizar pelo menos 90% do orçamento voltado aos programas institucionais de DO Diferentes programas de desenvolvimento. Alfredo Alfredo Dr. Paulo / Silvia / Alfredo Bruna Bruna

48 Evolução histórica como única referência de análise Proporção dos custos de pessoal sobre a Receita Líquida 33,0% 32,5% 32,0% 31,0% 30,0% 29,0% 28,0% 29,13% 30,98% 28,50% 27,23% 28,12% 29,40% 31,5% 31,4% 30,82% 31,51% 30,6% 30,9% 32,3% 31,7% 29,9% 31,2% 30,2% 31,0% 31,5% 27,0% 26,0% 25,0% 24,0% MÉDIA 2009 MÉDIA 2010 MÉDIA 2011 MÉDIA 2012 MÉDIA 2013 MÉDIA 2014 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ MÉDIA 2009 MÉDIA 2010 MÉDIA 2011 MÉDIA 2012 MÉDIA 2013 MÉDIA orçado realizado

49 Indicadores operacionais

50 Alguns exemplos... Processo operacional Recrutamento e seleção Objetivo Atração de candidatos no perfil desejado Indicador Número de candidatos após triagem inicial por candidato aprovado. Gestão do desempenho Desenvolvimento Avaliar os gaps prioritários para desenvolvi-mento Investimento em desenvolvimento Gap de competência (% atende parcialmente e não atende) por competência nos diferentes cargos/setores Investimento em T&D por efetivo total Reconhecimento Avaliar práticas salariais Diferença do custo total da folha nominal em relação à média do mercado de referência Oportunidades internas - Índice de aproveitamento interno (geral e por cargos críticos) Saúde do trabalhador Reconhecimento formal - % de colaboradores que receberam mérito ou promoções - % de colaboradores contemplados nos programas formais de reconhecimento Aderência ao exame periódico Taxa de adesão ao exame periódico no prazo regular Saúde / engajamento do colaborador Taxa de absenteísmo Índice de afastamento Índice de acidentes de trabalho

51 Indicadores operacionais: acessíveis aos gestores via BI

52 BI Gestão de Pessoas Horas Extras

53 BI Gestão de Pessoas adesão à convocação para o exame periódico

54 Reflexões finais

55 Sistema de Medição Nem tudo deve ser parte do sistema de medição do desempenho... Estratégico Gerencial Operacional Alinhamento Sistema de informações Variáveis de Controle Dados

56 Concluindo... As bases do desempenho deve estar alinhadas às políticas, estratégias e processos de gestão de pessoas É preciso distinguir o que são variáveis de controle e o que deve fazer parte do sistema de indicadores No sistema de indicadores, é preciso ter claro o que é estratégico e o que é operacional Para os poucos estratégicos, associe metas de melhoria e seja capaz de extrair diferentes visões (por departamento, por cargo, por unidade de negócio) Comparações podem ser feitas: com serviços semelhantes da própria instituição (ranking) com o próprio histórico com referencias de mercado (p.ex. ANAHP) com grupo de hospitais com características semelhantes

57 CONHECER PARA CUIDAR Obrigado!

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço

Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem. Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem Profa Karina Gomes Lourenço Dimensionamento Recrutamento Seleção Avaliação de Desempenho Treinamento e Desenvolvimento Instituições de Saúde Instituições hospitalares

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Reunião de integração aos trabalhos

Reunião de integração aos trabalhos Reunião de integração aos trabalhos 16 de junho de 2015 HU-UFJF integra a 2ª fase de um processo de capacitação para construção dos planos diretores ao lado de outros 14 HUFs Metodologia do Planejamento

Leia mais

Mapa Estratégico de Minas Gerais

Mapa Estratégico de Minas Gerais Mapa Estratégico de Minas Gerais ORGANIZAÇÃO DAS ÁREAS DE RESULTADO => Desafios setoriais Desdobrados em: => Objetivos Estratégicos Traduzidos em: => Resultados Finalísticos: Indicadores e Metas Materializados

Leia mais

It Introdução. Isto explica porque a área de pessoal é constituída de técnicas altamente flexíveis e adaptáveis.

It Introdução. Isto explica porque a área de pessoal é constituída de técnicas altamente flexíveis e adaptáveis. Indicadores d e Parâmetros de Gestão de Pessoas Prof. Po.D.Dja Dr. Djair Picchiai Pcc 08/2008 It Introdução Aá área de recursos humanos objetiva conquistar e manter na organização, profissionais trabalhando

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM GESTÃO DA EDUCAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM GESTÃO DA EDUCAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM GESTÃO DA EDUCAÇÃO A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL UNIVERSIDADE ATLÂ NTICA São Luís

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ Sumário 1- A instituição 02 2- Indicadores sobre o corpo funcional 05 3- Resultados 2013 06 4- Principais Ações de Gestão

Leia mais

Programa de. Liderança

Programa de. Liderança Programa de Liderança Objetivo Aprimorar as lideranças intermediárias dos hospitais associados à ANAHP, tornando um time de alto desempenho. Estrutura do Conhecimento Pré Work Presencial Pós treinamento

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE 15º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio

Leia mais

Gestão de Equipes Assistenciais:

Gestão de Equipes Assistenciais: Gestão de Equipes Assistenciais: desafios e oportunidades Fábio Patrus Supte. Gestão de Pessoas e Qualidade Hospital Sírio-Libanês Administrador de Empresas FACE-UFMG Mestre em Administração Hospitalar

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul. Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul. Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo 10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo Perfil do Hospital Hospital Geral Alta complexidade Tecnologia

Leia mais

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado.

Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Missão: Prestar assistência de qualidade em Hematologia e Hemoterapia à população e coordenar a Hemorrede do Estado. Visão: Visão: Ser Ser um um Centro Centro de de Excelência em em hematologia e hemoterapia.

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho?

Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Resultados, Sustentabilidade, Desempenho, Foco. Sim, sabemos que a sua organização quer chegar lá. Mas você sabe o melhor caminho? Nossa Empresa A MasterQual é uma consultoria brasileira que tem como principal

Leia mais

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios

MB Consultoria. ConsultoriaemGestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios emgestãoparaa ExcelênciaemseusNegócios Apresentação A é uma empresa jovem que conta com parceiros qualificados nas áreas de contabilidade, administração, direito, especialistas em finanças, controladoria

Leia mais

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva?

Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Portfólio 2015 IP Como sobreviver e crescer em tempos de crise? Como tornar sua empresa mais produtiva? Como fazer com que as pessoas trabalhem mais e felizes? Como implantar um modelo de gestão de vanguarda?

Leia mais

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos

BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos BSC - Como expressar a performance do secretariado no painel de indicadores corporativos Apresentação do Instrutor André Luis Regazzini, CSO, CISA, CISM, CGEIT Sócio IPLC do Brasil Ltda. albregazzini@iplc.com.br

Leia mais

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011

REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA SETEMBRO 2.011 AS EMPRESAS Mapa Estratégico Menos níveis hierárquicos Foco no Cliente Novas Lideranças Gestão por processos O RH parceiro da estratégia Terceirizações Foco no core

Leia mais

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD

Capacitação. Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Capacitação Sistemática de Avaliação de Desempenho - AD Introdução Referencial legal Conceitos básicos da sistemática de avaliação de desempenho Objetivos e benefícios da avaliação de desempenho Quem está

Leia mais

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades

Gestão de Talentos. Reflexões e oportunidades Gestão de Talentos Reflexões e oportunidades Gestão de Pessoas : Abordagem Integrada Processos e Tecnologia Alinhamento Pessoas Estratégias Objetivo Gestão de Pessoas Alavancar os resultados da Empresa.

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

Nossos serviços e práticas

Nossos serviços e práticas Ferramentas online para identificação de características da liderança Nossos serviços e práticas Nosso propósito Transformando estratégias em realidade Nossas práticas Construindo uma organização eficaz

Leia mais

Processo seletivo 02/2013

Processo seletivo 02/2013 Processo seletivo 02/2013 O processo seletivo e recebimento dos currículos ocorrerá até o dia 12/05. O resultado sairá em 16/05. Os professores que forem selecionados para a autoria das disciplinas se

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PLANEJAMENTO DIREÇÃO ORGANIZAÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP

PLANEJAMENTO DIREÇÃO ORGANIZAÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP ORGANIZAÇÃO PLANEJAMENTO DIREÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP PATROCINADOR OFICIAL Presente nos maiores eventos do setor de Materiais de Construção UM NOVO CONCEITO EM ERP O Sistema GIX é a solução perfeita

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial

Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Workshop dos Resultados dos Estudos Temáticos 13-14 de dezembro de 2006 Alternativas de Modelo Institucional e Gerencial Grupo Temático 10 Modelos Sumário Objetivos do GT10 Lógica ideal de desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014

PROCESSO SELETIVO 2014 PROCESSO SELETIVO 2014 EDITAL N 47/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: GESTÃO E ATENÇÃO NO SUS - LATO SENSU O Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde Escola GHC e o Instituto

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS. Observatório de Recursos Humanos em Saúde SETEMBRO / 2015

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS. Observatório de Recursos Humanos em Saúde SETEMBRO / 2015 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Indicadores de Recursos Humanos- SES/SP Observatório de Recursos Humanos em Saúde SETEMBRO / 2015 Equipe Técnica: Adriana R. L. Carro -

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH

CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH 1/1 CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RH Todas as disciplinas do curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos têm como critério para aprovação, em conformidade com o capítulo V do regimento escolar:

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2014 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com

Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO. Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com Disciplina: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Profa. Renata Silva Araujo re.araujo@gmail.com IMPORTÂNCIA DA ÁREA DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO (POR QUE RECRUTAR PESSOAS?) A atividade gerencial mais importante e mais

Leia mais

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V.

REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP. Subseção I. Subseção II. Subseção III. Subseção IV. Subseção V. REGIMENTO DA DIRETORIA DE ENFERMAGEM HOSPITAL SÃO PAULO/ HU da UNIFESP SEÇÃO I Da Estrutura Organizacional e Funcionamento da Subseção I Da Direção Subseção II Das Gerências Executivas Subseção III Do

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH)

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Departamento de Engenharia. Administração e Finanças para Engenharia. Departamento de Pessoal (DRH) Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Administração e Finanças para Engenharia Departamento de Pessoal (DRH) Grupo: Thahenne O. Ribeiro Paulo Victor M. Cordeiro Eduardo Borges

Leia mais

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL

RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL RECURSOS HUMANOS COMO FATOR DE EFICÁCIA ORGANIZACIONAL Por quê o lado humano dos negócios está emergindo como uma indispensável vantagem competitiva? Era Industrial Taylor e Fayol Era do Conhecimento Tecnologia

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Bloco Seleção = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 23Jul2015 1 Estrutura do Sistema RH1000 Gerenciar e administrar Sistema RH1000 Planejamento Estratégico

Leia mais

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV

COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV COOPERAÇÃO TÉCNICA NÃO REEMBOLSÁVEL ATN/OC 9736-BR PROGRAMA DE ESTRATÉGIA E PLANO DE AÇÃO PARA A EFETIVIDADE DO DESENVOLVIMENTO NO BRASIL PRODEV ACORDO FIRMADO COM O BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Gestão Ambulatorial. Saúde Ocupacional. Roberta Q. P. B. Muller Carioba Gerente Ambulatorial Micelli Soluções em Saúde 26/09/2011

Gestão Ambulatorial. Saúde Ocupacional. Roberta Q. P. B. Muller Carioba Gerente Ambulatorial Micelli Soluções em Saúde 26/09/2011 Gestão Ambulatorial Saúde Ocupacional Roberta Q. P. B. Muller Carioba Gerente Ambulatorial Micelli Soluções em Saúde 26/09/2011. Definição Ambulatório Regulamento Técnico para Planejamento, Programação,

Leia mais

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional

Descrição Jan a Jun. 2013 Jan a Jun. 2014 Variação R$ Variação % Receitas Custos Assistenciais Resultado Operacional Comparativamente com o mesmo período de 2013, o percentual de crescimento dos custos assistenciais (atendimentos a beneficiários locais - 158) foi de 20,06%, enquanto que as receitas oriundas de mensalidades

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO N 01/2015

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO N 01/2015 CURSOS DE CAPACITAÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS A Prefeitura do Município de Bragança Paulista, torna público o presente Edital e informa que estão abertas as inscrições para o Programa de Capacitação 2015.

Leia mais

Gestão Estratégica de Pessoas

Gestão Estratégica de Pessoas Gestão Estratégica de Pessoas MBA FGV 1 Grandes Decisões sobre Pessoas Fatores que Garantem o Resultado As Tendências e Perspectivas de Gestão de Pessoas em Saúde Gestão de Pessoas e o Balanced Score Card

Leia mais

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa

1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa. 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira. 3 Gestor (a) 4 Programa 1 Nome do Projeto Centro de Treinamento e Capacitação Corporativa 2 Coordenador (a) Eng. Mec. Vinício Duarte Ferreira 3 Gestor (a) 4 Programa Eng. Agr. Flávio Henrique da Costa Bolzan Organização, Normas

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CONTROLADORIA GERAL Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2016 Janeiro/2016 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Controladoria Geral ANO DE 2010 PLANO DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAAI

Leia mais

HOSPITAIS. Assim, seu hospital garante uma gestão saudável, com performance clínica, resultados e compliance.

HOSPITAIS. Assim, seu hospital garante uma gestão saudável, com performance clínica, resultados e compliance. Segmento SAÚDE HOSPITAIS As soluções de software de gestão para o segmento de saúde da TOTVS cuidam dos processos mais importantes do seu hospital. Um conjunto completo de funcionalidades baseadas nas

Leia mais

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia

XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002. Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia XV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA - SENDI 2002 Logística empregada na execução do Programa Luz no Campo na Bahia Hugo Machado S. Filho COELBA E-mail: hmachado@coelba.com.br Palavras-chave

Leia mais

Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010

Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010 Trajetória do INTO nos Programas de Qualidade Julho / 2010 INTO - Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Instituição Pública do Ministério da Saúde ligada diretamente à Secretaria de Atenção à

Leia mais

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação

Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Experiência: Modelo de Gestão de Capacitação da Presidência da República - Pool de Capacitação Casa Civil Diretoria de Recursos Humanos Responsável: Selma Teresa de Castro Roller Quintella, Diretora de

Leia mais

INDICADORES DE PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA. Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização

INDICADORES DE PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA. Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização PERFORMANCE PARA EMPRESAS DE SEGURANÇA Como medir resultados e fugir de gargalos de recursos na sua organização INTRODUÇÃO Cada vez mais empresas de segurança brasileiras procuram a profissionalização

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

Modelo de Gestão de Enfermagem na área Hospitalar:

Modelo de Gestão de Enfermagem na área Hospitalar: Modelo de Gestão de Enfermagem na área Hospitalar: Como Fazer? Ivana Lucia Correa Pimentel de Siqueira Superintendente de Atendimento e Operações Unidades de Internação Geral Unidades de Terapia Intensiva

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Palestra: Release de Projetos em TI.

Palestra: Release de Projetos em TI. Palestra: Release de Projetos em TI. Renato Servone Festa Coordenador de Sistemas Histórico Profissional MBA em Gestão Empresarial Bacharel em Administração de Empresas Experiência desde 1996 em programação,

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CONTROLADORIA GERAL Relatório de Atividades de Auditoria Interna PAAI - 2015 Dezembro/2014 UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU Controladoria Geral ANO DE 2010 PLANO DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA PAAI

Leia mais

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo REDES DE ATENÇÃO EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo SÃO BERNARDO DO CAMPO É O 5º MUNICÍPIO DO ESTADO DE SP EM POPULAÇÃO E ORÇAMENTO

Leia mais

Profissional Técnico de Nível Médio. Profissional de Nível Médio. Curitiba PR 45 1745 687 988 323 3788. Interior do Paraná 94 3042 1311 139 155 4741

Profissional Técnico de Nível Médio. Profissional de Nível Médio. Curitiba PR 45 1745 687 988 323 3788. Interior do Paraná 94 3042 1311 139 155 4741 Força de Trabalho Os 8.592 empregados do quadro próprio estão distribuídos em três carreiras: profissional de nível médio (5.044 empregados), profissional técnico de nível médio (2.060 empregados) e profissional

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

Agosto, 2012. Gestão de Processos de Negócio. Case WEG

Agosto, 2012. Gestão de Processos de Negócio. Case WEG Agosto, 2012 Gestão de Processos de Negócio Case WEG Por que Gestão de Processos? Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Por que Gestão de Processos? Por que a Gestão dos Processos?

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS A PROFISSIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DO INSS Visão estratégica do Governo Federal Inclusão Social No contexto da Previdência Social, inclusão se reflete em dois aspectos: Fortalecimento do diálogo social, com

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Texto compilado) AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 32, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2009. Estabelece a Política de Capacitação e Desenvolvimento dos Servidores da Agência Nacional de Aviação

Leia mais

Ministério Público do Estado de Goiás

Ministério Público do Estado de Goiás Ministério Público do Estado de Goiás Apresentação Inicial PMO Institucional MP-GO 1 Um projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. Em muitos casos

Leia mais

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência

Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Projeto de gestão em serviços de urgência e emergência Composição do Financiamento do Setor Saúde - estimativa para 2006 MEDICAMENTOS 16% FEDERAL 25% DESEMBOLSO DIRETO 10% ESTADUAL 11% PLANOS E SEGUROS

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO. Brasília, 07 de fevereiro de 2012 PROGRAMA DE EFICIÊNCIA DO GASTO Brasília, 07 de fevereiro de 2012 1. IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DO GASTO Organizações Públicas Promover o bem estar da sociedade Organizações Privadas Ter lucro e ser eficiente

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO

DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO Tatiane Schmitt Pinto DIVERSAS FORMAS DE AGREGAR VALOR AO SALÁRIO RESUMO O presente artigo trata sobre o tema Diversas formas de agregar valor ao salário, onde buscou se os conceitos de diferentes formas

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026

Procedimento Operacional N⁰ do procedimento: PO 026 1/7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão dos Indicadores 02 Revisão geral do documento 03 Item 4.1: Foi inserida uma aprovação final da Diretoria após o Gestor

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

SIMPÓSIO NACIONAL: ESTRATÉGIAS PARA LIDERANÇA EM ENFERMAGEM COMO CRIAR UM AMBIENTE DE TRABALHO ATRAENTE E RETENTOR COMO EU FAÇO

SIMPÓSIO NACIONAL: ESTRATÉGIAS PARA LIDERANÇA EM ENFERMAGEM COMO CRIAR UM AMBIENTE DE TRABALHO ATRAENTE E RETENTOR COMO EU FAÇO SIMPÓSIO NACIONAL: ESTRATÉGIAS PARA LIDERANÇA EM ENFERMAGEM COMO CRIAR UM AMBIENTE DE TRABALHO ATRAENTE E RETENTOR COMO EU FAÇO Sônia Batista Gerente de Enfermagem Hospital TotalCor/SP 03 Outubro 2013

Leia mais

HEALTH WEALTH CAREER MERCER COLLEGE BRASIL 2016. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano

HEALTH WEALTH CAREER MERCER COLLEGE BRASIL 2016. Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano HEALTH WEALTH CAREER MERCER COLLEGE BRASIL 2016 Programa de Desenvolvimento em Gestão do Capital Humano APRENDA, PRATIQUE E DESENVOLVA-SE COM O MERCER COLLEGE 2 Q U E M S O M O S? O Mercer College é um

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Evandro Lubachoski (aluno, graduação, Administração, UNICENTRO), Geverson Grzeszczeszyn (Orientador DEADM/G), e-mail: geverson@ymail.com Pitanga - PR Universidade Estadual do Centro-Oeste/Setor

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS VOLTADA PARA RECRUTAMENTO E SELEÇÃO E CARGOS E SALÁRIOS. BARBOSA, Roger Eduardo 1 Resumo Neste artigo analisaremos como o planejamento estratégico na gestão de pessoas nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Educação Continuada em Enfermagem

Educação Continuada em Enfermagem Administração em Enfermagem II Departamento de Orientação Profissional Educação Continuada em Enfermagem VERA LUCIA MIRA GONÇALVES SUJEITO Organização Objetivos Expectativas Indivíduo Modernização das

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

PROF. ENF. HYGOR ELIAS

PROF. ENF. HYGOR ELIAS PROF. ENF. HYGOR ELIAS ADMINISTRAR É... ADMINISTRAÇÃO É O PROCESSO DE PLANEJAR, ORGANIZAR, DIRIGIR E CONTROLAR AS AÇÕES DE UMA EMPRESA/INSTITUIÇÃO/SERVIÇO A FIM DE ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS. O enfermeiro

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ O contexto Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês (2005) Assistencialismo Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (2005) Responsabilidade

Leia mais

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12

Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Aprovado na 4ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo 10-12-10 REVISADO NA 3ª RO DO CONSELHO DELIBERATIVO 24-08-12 Missão: MISSÃO Administrar os recursos previdenciários com segurança e rentabilidade,

Leia mais

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC

PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC PLANO DE CARGOS, REMUNERAÇÃO E CARREIRA - PCRC DEZEMBRO DE 2013 1 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 CONCEITOS BÁSICOS... 4 3 OBJETIVO DO PCRC... 6 4 REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS PARA FORMULAÇÃO DO PCRC... 7 5

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável

Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Ferramentas de Gestão para uma prática segura e sustentável Fluxo de pacientes: melhoria de processos Coordenadora de Enfermagem Hospital Israelita Albert Einstein Unidade Morumbi Durante nossa vida...

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

PLANOS DE AÇÃO. (Desdobramentos) PASG PLANO DE APERFEIÇOAMENTO DO SISTEMA GERENCIAL ABRIL DE 2007.

PLANOS DE AÇÃO. (Desdobramentos) PASG PLANO DE APERFEIÇOAMENTO DO SISTEMA GERENCIAL ABRIL DE 2007. PLANOS DE AÇÃO (Desdobramentos) PASG PLANO DE APERFEIÇOAMENTO DO SISTEMA GERENCIAL ABRIL DE 2007. Critério 1: Liderança Plano de Ação Item 1.1(3) Avaliação de Desempenho da Liderança O QUÊ? Criar Sistema

Leia mais

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN

Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Treinamento - Como avaliar sua eficácia? FÁTIMA TAHIRA COLMAN Objetivos Apresentar os fundamentos da avaliação de treinamento Apresentar os tipos de indicadores para mensurar a eficácia do treinamento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves

BPM Congress 27 e 28-11-2012. Palestrante: Ranussy Gonçalves BPM Congress 27 e 28-11-2012 Palestrante: Ranussy Gonçalves O SEBRAE-MG Mais de 700 funcionários Orçamento para 2012 de mais de R$ 185 milhões 130 mil empresas atendidas em 2011 e 150 mil para 2012 O início

Leia mais

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR

DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR. Janeiro a Dezembro de 2014. Pesquisa SETUR Superintendência de Investimentos em Polos Turísticos SUINVEST Diretoria de Planejamento e Estudos Econômicos DPEE DESEMPENHO DA HOTELARIA DE SALVADOR Janeiro a Dezembro de 2014 Pesquisa SETUR Janeiro,

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais