Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP"

Transcrição

1 Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS

2 Agenda Comparação dos Indicadores Propostos ANS x ANAHP x MS x CMB x ENSP x ANVISA Critérios de Escolha Fichas Técnicas dos Indicadores do QUALISS Debate Deliberações

3 Proposta de Indicadores Domínios Indicadores Hospitalares I Efetividade Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) Incidência de úlcera por pressão II Eficiência Relação enfermeiro/ leito de terapia intensiva Relação enfermagem/ leito de terapia intensiva III Equidade Acessibilidade arquitetônica à pessoa com deficiência Medidas para garantir nos atendimentos a prioridade aos indivíduos vulneráveis (pessoas com deficiência, idosos, gestantes, lactantes), excluindo urgência/emergência IV Acesso Acolhimento com classificação de risco no Pronto Atendimento/Pronto Socorro V Centralidade no paciente Tempo mediano de permanência dos pacientes no Pronto Atendimento/Pronto Socorro Monitoramento das reclamações e sugestões dos pacientes e seus familiares Pesquisa de satisfação de pacientes, com execução de plano de ação para a melhoria do atendimento, com base nos resultados da pesquisa VI Segurança Sistema de registro de atendimentos no Pronto Atendimento/Pronto Socorro Implantação de checklist com base nas diretrizes da Organização Mundial da Saúde OMS, para a garantia de execução consistente pelas equipes cirúrgicas de medidas de segurança críticas

4 Indicadores Domínio Efetividade/Segurança Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central X X X X X (CVC) Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) X X Taxa de infecção de sítio cirúrgico X X X Taxa de densidade de incidência de pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) Taxa de densidade de incidência de infecção do trato urinário (ITU) associado a cateter vesical de demora Taxa de densidade de incidência de infecção hospitalar nas Unidades de Terapia Intensiva X X X X X Incidência de úlcera por pressão X X X Implantação de diretrizes e protocolos clínicos X X X X

5 Indicadores Domínio Efetividade Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Taxa de mortalidade institucional X X X X Taxa de mortalidade cirúrgica X X X Taxa de mortalidade neonatal por faixa de peso do RN X X Taxa de mortalidade materna X X X Taxa de partos cesáreos ANS: Programa de Qualificação da Saúde Suplementar - Componente Operadoras X X X X

6 Indicadores Domínio Eficiência Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Taxa de ocupação hospitalar X X X Taxa de ocupação operacional (geral, maternidade, UTI adulto e pediátrica) Giro de leitos (Índice de renovação ou giro de rotatividade) X X Proporção de leitos de UTI adulto X Taxa de ocupação das salas cirúrgicas Média de permanência ANAHP: geral, maternidade, UTI adulto e pediátrica Média de permanência para patologias específicas ANAHP: infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral isquêmico e insuficiência cardíaca congestiva MS: fratura de femur >60 anos X X X X X X

7 Indicadores Domínio Eficiência/Segurança Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Relação enfermeiro/leito ANAHP e MS: geral X X X X ANS: UTI's Relação enfermagem/leito ANAHP e MS: geral ANS: UTI's X X X X

8 Indicadores Domínio Equidade Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Acessibilidade à pessoa com deficiência ANAHP: portadores de X X X necessidades especiais ANS: acessibilidade arquitetônica Medidas para garantir nos atendimentos a prioridade aos indivíduos vulneráveis (pessoas com deficiência, idosos, gestantes, lactantes), excluindo urgência/emergência X Acesso a cuidados paliativos X

9 Indicadores Domínio Acesso Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Acolhimento com classificação de risco no Pronto Atendimento/Pronto X X X X Socorro Tempo de permanência/ espera dos pacientes na Urgência ANAHP: Tempo de espera ANS e ENSP: Mediana de X X X X permanência MS: Média de permanência Taxa de ocupação dos leitos de observação na X Urgência/Emergência Atendimento a urgências/emergências X psiquiátricas Avaliação médica do paciente internado realizada nas primeiras 24h X

10 Indicadores Domínio Centralidade no Paciente Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Satisfação do cliente/ paciente/ usuário ANAHP: cliente ANS: paciente MS, CMB/SES-RJ: usuário X X X X X Monitoramento/ avaliação de queixas, reclamações e sugestões Adequação de prontuário do paciente MS: Geral CMB/SES-RJ: Urgência/Emergência Uso do termo de consentimento informado Presença de Resumo de Alta X X X X X X X X X

11 Indicadores Domínio Segurança Indicador ANS ANAHP MS CMB/SES-RJ ENSP ANVISA Conformidade com os padrões de cirurgia segura X X X X Notificação de eventos adversos X X X Sistema de registro de atendimentos no Pronto Atendimento/Pronto Socorro X Presença de farmacêutico clínico X X

12 Indicadores de maior consenso (ANS, ANAHP, MS, CMB/SES-RJ, ENSP) - Efetividade, Eficiência e Acesso Indicador Implantação de diretrizes e protocolos clínicos Taxa de mortalidade institucional Taxa de partos cesáreos Relação enfermeiro/leito Relação enfermagem/leito Acolhimento com classificação de risco no Pronto Atendimento/Pronto Socorro Tempo de permanência/ espera dos pacientes na Urgência Domínio Efetividade Efetividade Efetividade Eficiência Eficiência Acesso Acesso

13 Indicadores de maior consenso (ANS, ANAHP, MS, CMB/SES-RJ, ENSP) - Centralidade no Paciente e Segurança Indicador Satisfação do cliente/ paciente/ usuário Monitoramento/ avaliação de queixas, reclamações e sugestões Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) Incidência de úlcera por pressão Lista de verificação de segurança cirúrgica Domínio Centralidade no Paciente Centralidade no Paciente Segurança Segurança Segurança

14 Critérios de Escolha Seleção dos Indicadores Critérios: 2 Indicadores Essenciais por Domínio do QUALISS Indicadores Recomendáveis Sem Restrições na Quantidade Evitar indicadores de resultado (necessidade de ajuste de risco) Priorizar os indicadores existentes, principalmente, os obrigatórios por normas sanitárias Fontes de dados : tanto dados administrativos, quanto busca ativa (dados de prontuário)

15 Ficha Técnica (I - IV) FICHA TÉCNICA I - Nome do Indicador II - Sigla do Indicador III - Conceituação IV - Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC), com confirmação microbiológica IPCSL Taxa de densidade de incidência de infecção primária de corrente sanguínea laboratorial (com confirmação microbiológica) IPCSL, em pacientes em uso de cateter venoso central (CVC) internados em diferentes tipos de UTI (de adultos, pediátrica ou neonatal). Efetividade

16 V - Relevância do Indicador A qualidade da assistência a pacientes em uso de CVC está diretamente relacionada ao risco de infecção. Assim sendo, a taxa de densidade de IPCSL associada a CVC se mostrou um indicador de resultado no domínio das infecções hospitalares útil para divulgação pública. Embora as IPCSL sejam menos frequentes que outras infecções hospitalares, como as infecções do trato urinário, sítio cirúrgico e pneumonias, elas estão associadas a morbidade e mortalidade substanciais e a altos custos para os sistemas de saúde. Ao mesmo tempo, as estratégias de prevenção das IPCSL são muito bem estabelecidas, e, portanto, o monitoramento da taxa de densidade de IPCSL permite avaliar a aderência dos profissionais de saúde às práticas corretas de inserção, manipulação e cuidados diários de CVC.

17 Ficha Técnica (VI - VII) VI - Estágio do Ciclo de Vida do Indicador E.1 VII - Método de Cálculo (com fórmula e unidade) Número de casos novos de IPCSL no período Número de CVCs-dia no período X 1000

18 Ficha Técnica (VIII) VIII - Definição de Termos utilizados no Indicador: a) Numerador b) Denominador a) Numerador Somatório do número de infecções primárias de corrente sanguínea laboratorial (com confirmação microbiológica) IPCSL, detectadas nas unidades de terapia intensiva sob vigilância no período. O número de IPCSL deve ser obtido pela busca ativa de infecções com confirmação microbiológica. A definição de IPCSL é apresentada no Anexo I. b) Denominador Número de cateteres venosos centrais-dia nas unidades de terapia intensiva sob vigilância no período. A coleta de dados para cálculo do denominador deve ser realizada diariamente, em horário pré-definido pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) da unidade. Deve-se somar os pacientes em uso de CVC, a cada dia, nas unidades de terapia intensiva sob vigilância, no horário prédefinido para a contagem desses dispositivos. Cada paciente deve ser contato apenas uma vez a cada dia, independente do número de cateteres venosos centrais que o paciente esteja em uso.

19 Ficha Técnica (IX XII) IX - Interpretação do Indicador X - Periodicidade de Compilação e Apuração dos Dados XI - Público-Alvo XII - Usos Quanto maior a taxa, maior o número de IPCSL que estão acometendo os pacientes que utilizam CVC. Ao final de cada mês ou de três meses para um total de leitos de UTI 5, deve ser realizado o somatório do número de IPCSL (numerador) e a soma das contagens diárias do número de pacientes em uso de CVC (denominador), como no exemplo do Anexo II. Adultos, crianças e neonatos internados em unidades de terapia intensiva. Identificar hospitais com alta taxa de densidade de IPCSL associada a CVC para a tomada de ações de investigação das causas do resultado obtido, com vistas à melhoria da qualidade da assistência a pacientes em uso de CVC. Avaliar indiretamente a qualidade da assistência prestada aos pacientes em uso de CVC, em especial a aderência dos profissionais de saúde às práticas corretas de inserção, manipulação e cuidados diários de CVC, elementos que têm impacto sobre a aquisição das IPCSL.

20 XIII - Parâmetros, Dados Estatísticos e Recomendações Os hospitais da Rede Nacional de Segurança do Cuidado à Saúde dos EUA relataram, para o período de , taxas de densidade de ICPSL associada a CVC em unidades de terapia intensiva de 1,5 em UTI (clínica/cirúrgica) de adultos, 2,1 em UTI (clínica/cirúrgica) de adultos em grandes hospitais de ensino, 3,0 em UTI (clínica/cirúrgica) pediátrica, 3,6 em unidades de trauma e 5,5 em unidades de queimados por CVCs-dia. São consideradas, naquele cenário, altas taxasdedensidadedeicpslassociadaacvc valores acima do percentil 90% - 3,7 em UTI (clínica/cirúrgica) de adultos, 4,6 em UTI (clínica/cirúrgica) de adultos em grandes hospitais de ensino, 5,8 em UTI (clínica/cirúrgica) pediátrica, 9,3 em unidades de trauma e 11,8 em unidades de queimados por CVCs-dia. Estudo realizado no Hospital de Clínicas de Porto Alegre encontrou uma taxa de densidade de incidência de 8 infecções por CVCs-dia para pacientes adultos internados em enfermarias clínicas e cirúrgicas e unidades de terapia intensiva, no período de maio de 2000 a dezembro de Projeto piloto conduzido no Estado de São Paulo revelou uma taxa média de densidade de incidência de 3 infecções por CVCs-dia (percentil 90% = 11,9) para pacientes adultos internados em UTI, no período de outubro de 2003 a julho de Meta nacional: redução de 30% da incidência de IPCSL associada a CVC, ao final de 3 (três) anos, em comparação com os dados dos três (3) primeiros meses de vigilância.

21 Ficha Técnica (XIV XVI) XIV - Fontes dos Dados XV - Ações Esperadas para Causar Impacto no Indicador XVI - Limitações e Vieses Notificações mensais ao Sistema Nacional de Vigilância de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde, disponibilizado pela Anvisa. Investigação das causas de alta taxa de densidade de infecções pela CCIH da unidade hospitalar, para a tomada de ações com vistas à melhoria da qualidade da assistência a pacientes em uso de CVC. Ações educativas e de incentivo à aderência dos profissionais de saúde às práticas corretas de inserção, manipulação e cuidados diários de CVC. Alta taxa de densidade de infecções (> percentil 90%) não necessariamente significa má qualidade da assistência médico-hospitalar, mas reforça a necessidade de investigações adicionais da situação pela CCIH da unidade hospitalar. Por outro lado, baixa taxa de densidade de infecções (< percentil 10%) pode refletir uma busca ativa por infecções hospitalares inadequada.

22 XVII - Referências ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Instrução Normativa nº 4, de 24 de fevereiro de ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde. Setembro de Acesso em: 23fev2012. Disponível em: a6ede3fbc4c6735/indicadores+nacionais+de+infec%c3%8 7%C3%83O+-+Setembro NOVO.pdf?MOD=AJPERES Vilela R, Dantas SR, Trabasso P. Equipe interdisciplinar reduz a infecção sanguínea relacionada ao cateter venoso central em uma UTI pediátrica. Rev. Paul. Pediatria 28: , 2010.

23 Deliberações Enviar material desta reunião e arquivo em excel Próxima Reunião:15 de maio, as 10h, discutir as Fichas Técnicas

24 CQUALISS/GERPS/GGISE/DIDES

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto Sigla do Indicador Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto TDIHCVC UTI Adulto SEGURANÇA Taxa de densidade

Leia mais

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos Introdução QUALISS Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos pacientes internados sofrem lesões

Leia mais

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade Agenda Introdução ao QUALISS Divulgação e Indicadores Regras Gerais para Adesão dos Prestadores Etapas de Adesão Seleção, elaboração das fichas técnicas e implementação dos indicadores Debate Deliberações

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 1ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de janeiro de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Regras Gerais de Adesão

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 4 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 26/06/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Regras

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os Ata da 8ª Reunião Ordinária do Subcomitê de Indicadores Hospitalares do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP Às treze horas e

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 4ªReunião Subgrupo Anatomia Patológica e Citopatologia 17 de setembro de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Às quatorze horas do dia dez de junho de dois mil e treze,

Leia mais

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde ANEXO I RELAÇÂO DOS INDICADORES, COM AS RESPECTIVAS METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS A SEREM UTILIZADAS NO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR - COMPONENTE OPERADORAS - REFERENTE AO ANO DE 2013 1 Indicadores

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde

Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Indicadores Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Eventos Adversos UIPEA Gerência Geral

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084

PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 PARECER COREN-SP CT 052/2013 PRCI nº 102.600 Tickets nº 290.931, 292.084 Ementa: Protocolo de cirurgia segura - demarcação de lateralidade, responsabilidade da realização. 1. Do fato Enfermeiras referem

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS

S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS S A D SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR SMS CAMPINAS Mônica R. P. T. Macedo Nunes monica.nunes@campinas.sp.gov.br ATENÇÃO DOMICILIAR A atenção domiciliar consiste numa modalidade de atenção à saúde substitutiva

Leia mais

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS 1 GERPS - Coordenadoria de Qualidade Agenda Cenário Atual do Setor Por que Qualidade e Segurança em Saúde? Programas de Qualificação

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Construindo Indicadores do bloco operatório. Denise Schout

Construindo Indicadores do bloco operatório. Denise Schout Construindo Indicadores do bloco operatório Denise Schout Avaliação de serviços de saúde O que medir? Para que medir? Com que objetivo? Quem avalia posição e uso dessas informações Medir é fácil porém

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A JUNHO DE 2015 Monaliza Vanessa de Brito Gondim Moura Medeiros Patrícia

Leia mais

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1

Informações para elaboração dos. Indicadores Epidemiológicos de IH. no Estado de MT 1 Informações para elaboração dos Indicadores Epidemiológicos de IH no Estado de MT 1 (Registro no EDA sob nº. 397.700 Livro 740 Folha 360) 2013 Revisão fev /2013 1 Elaboração: Enfª Ms. Rosangela de Oliveira

Leia mais

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde

Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde VOLUME 1 NÚMERO 2 Boletim informativo Segurança do Paciente e Qualidade Assistencial em Serviços de Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Brasília, Jan-Jul de 2011. Prevenção e controle das

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

Como avaliar dados de infecção hospitalar

Como avaliar dados de infecção hospitalar Montando meu programa de vigilância epidemiológica: o que não pode faltar Parte II Como avaliar dados de infecção hospitalar Geraldine Madalosso Divisão de Infecção Hospitalar-CVE gmadalosso@saude.sp.gov.br

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 1 ªReunião do GT de Indicadores de SADT 19/07/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Categorias

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Avaliação e Incorporação de Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Flávia T S Elias Coordenadora de Avaliação de Tecnologias em Saúde Departamento de Ciência e Tecnologia DECIT Secretaria de Ciência,

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

Taxa de mortalidade institucional

Taxa de mortalidade institucional Taxa de mortalidade institucional V1.01 Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos

Leia mais

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro

CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS. Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro CHKS Portugal Fórum 2015 SINAS Novos Desenvolvimentos e Perspetivas de Futuro Braga, 3 de Novembro de 2015 Programas de melhoria da qualidade e segurança Experiência internacional Reino Unido: Monitor

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Eficiência na Atenção à Saúde

Eficiência na Atenção à Saúde QualiHosp 2015 Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Eficiência na Atenção à Saúde Michelle Mello de Souza Rangel Diretora-Adjunta Diretoria de Desenvolvimento Setorial -

Leia mais

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Encontro Nacional UNIMED de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais UNIMED de Enfermagem e Farmácia Hospitalar GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012)

PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012) PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 214.470/11 ASSUNTOS: - Critérios para indicação e manutenção de ventilação pulmonar mecânica não invasiva (CPAP)

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO-RDC Nº 2, DE 25 DE JANEIRO DE 2010 (*) Dispõe sobre o gerenciamento de tecnologias em saúde em estabelecimentos de saúde. A Diretoria

Leia mais

Taxa de mortalidade cirúrgica

Taxa de mortalidade cirúrgica Taxa de mortalidade cirúrgica V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-03 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de Termos utilizados

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA

Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA Priscila do Nascimento Cordeiro de Almeida DCIH/DVS/SESPA PARA QUÊ SERVE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO? Os sistemas de informação têm como objetivo a aquisição do conhecimento que deve fundamentar a gestão

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Secretaria de Estado da Saúde - SP As Organizações Sociais de Saúde no Estado de São Paulo A experiência da Secretaria da Saúde planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Organização

Leia mais

Ainda nesta edição...

Ainda nesta edição... Ano 7 Nº 136 1º/02 A 10/03/10 REDE FBH Parceria é apresentada a hospitais goianos Lançada há quatro meses, a parceria entre a Federação Brasileira de Hospitais (FBH) e a Gama Saúde foi apresentada, no

Leia mais

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1 Ata da 1ª Reunião Ordinária do Grupo de Trabalho de Indicadores SADT do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP. Às dez horas do

Leia mais

UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA UNEC CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA HNSA HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA NORMAS E ROTINAS PARA ACOMPANHANTES E VISITANTES DO HOSPITAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA CARATINGA, 16 JANEIRO DE 2015 Objetivo:

Leia mais

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Hospital (autarquia), geral, de ensino O HOB conta com 409 leitos Média de 1.484 internações/mês Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Unidades

Leia mais

VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial

VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial VII Quality Day Gestão da Segurança & Gestão por Times Nova Visão para o Modelo Assistencial Time Informação e Comunicação Dr Rafael Munerato de Almeida Diretor Médico Técnico Objetivo do Time: Aprimorar

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR)

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR) PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO E AVALIAÇÃO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NO PRONTO SOCORRO DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CAJURU, CURITIBA (PR) 1 Aline Cecilia Pizzolato 1 Em fevereiro de 2003 a nova equipe

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO O MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Área total: 407,1 Km 2 52% área de Proteção aos Mananciais População: 765.203

Leia mais

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO

CIRURGIA SEGURA 1 FINALIDADE 2 JUSTIFICATIVA. Protocolo de Serviço do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO DE SERVIÇO PROTOCOLO DE SERVIÇO CIRURGIA SEGURA Responsáveis: Vânia Segalin, Graziela Cauduro, Rafaela Andolhe Colaboradores: Roosi Zanon Código: PS03 CIRSEG Data: Dezembro/2015 1 FINALIDADE A finalidade do protocolo

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais A partir de setembro de 2008 o cenário econômico mundial e o brasileiro mudaram e com eles se reverteu a tendência

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME

Cobertura assistencial. Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Cobertura assistencial Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde OPME Agência Nacional de Saúde Suplementar Marcos Regulatórios Lei 9656, de 03/06/1998 Dispõe sobre a regulamentação dos planos e seguros

Leia mais

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos?

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Juliana P Machado Gerente de Enfermagem HSF Doutoranda EERP- USP Esp. em Gestão de Negócios Saúde Membro REBRAENSP Segurança do Paciente...

Leia mais

A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010

A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010 A evolução financeira do setor de queimados, sua legitimidade, seu financiamento e sua complexidade no período de 2002 a 2010 Antonio Pescuma Junior I ; Aquilas Mendes II ; Paulo Cezar Cavalcante de Almeida

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers.

PARECER ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE. Rua S. João de Brito, 621 L 32 4100-455 PORTO TEL.:222 092 350 FAX: 222 092 351. www.ers.pt geral@ers. PARECER Na sequência de diversas denúncias e exposições rececionadas pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), e de informações prestadas a título de cooperação institucional 1, sobre prestação de cuidados

Leia mais

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM Sex, 12 de Julho de 2013 00:00 PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Estabelece a organização dos Centros de Trauma, estabelecimentos de saúde

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015 Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 3ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de abril de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Definição da Estratificação

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

Taxa de Ocupação Operacional Maternidade

Taxa de Ocupação Operacional Maternidade Taxa de Ocupação Operacional Maternidade V1.01 - Dezembro de 2012 1. Sigla E-EFI-02 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010)

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) EXPEDIENTE CONSULTA N.º 169.266/09 ASSUNTO: Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal justarenal. RELATOR: Cons. Luiz

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE Uberaba,MG 2014 SIGLÁRIO Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Eventos Adversos

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar AS Saúde Suplementar e a inclusão de novos procedimentos no Rol da ANS XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 21 Junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal, vinculada

Leia mais

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA ASSISTÊNCIA JULHO/2013 REDE DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Aumento da Rede credenciada MÊS DE REFERÊNCIA Dez/11 Dez/12 CLINICA 508 653 CLINICA ODONTOLÓGICA 42 41 HOSPITAL 161

Leia mais

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece princípios e diretrizes para a Política Municipal de Incentivo ao Desenvolvimento na Primeira Infância, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ

RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ RELATÓRIO DE GESTÃO UPA TIPO III - 24 HORAS FONSECA 2013 CONTRATO DE GESTÃO SES/RJ Sumário 1- A instituição 02 2- Indicadores sobre o corpo funcional 05 3- Resultados 2013 06 4- Principais Ações de Gestão

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa.

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa. PORTARIA NR 07/DGP, DE 27 DE JANEIRO DE 2009 (Aprova as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exército) - Transcrição O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL,

Leia mais

Indicadores Assistenciais: o uso do SIM e SINASC na gestão hospitalar. Gestão do cuidado nos hospitais Denise Schout

Indicadores Assistenciais: o uso do SIM e SINASC na gestão hospitalar. Gestão do cuidado nos hospitais Denise Schout Indicadores Assistenciais: o uso do SIM e SINASC na gestão hospitalar Gestão do cuidado nos hospitais Denise Schout Cenário Sistemas de Serviços de Saúde Desafio dos sistemas de saúde no mundo organização

Leia mais

considerando a necessidade de diminuir o risco de infecção hospitalar, evitar as complicações maternas e do recém-nascido;

considerando a necessidade de diminuir o risco de infecção hospitalar, evitar as complicações maternas e do recém-nascido; PORTARIA Nº 1.016, DE 26 DE AGOSTO DE 1993 O Ministério de Estado da Saúde, Interino no uso das atribuições legais, e. considerando a necessidade de incentivar a lactação e o aleitamento materno, favorecendo

Leia mais

VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR

VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM ODONTOLOGIA HOSPITALAR VIII CURSO DE APRIMORAMENTO EM Objetivo do Curso: Fornecer, ao CD interessado nesta nova área de atuação, conhecimento da Área Odontológica, Médica e outras, com enfoque prático inclusive, para atuação

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal ATO DELIBERATIVO Nº 6, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta os serviços de pronto socorro em UTI Móvel. A PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO DO PLANO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DE BENEFÍCIOS SOCIAIS - STF-Med

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos

Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos Ética Saúde - Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos A Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (ABRAIDI), o Instituto Ethos e as

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE

MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE MANUAL DE PROCESSOS SUP12 - DISTRIBUIR PRO- DUTOS PARA SAÚDE SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... 3 I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES... 5 IV.

Leia mais