Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos"

Transcrição

1 Introdução QUALISS

2 Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos pacientes internados sofrem lesões advindas do tratamento que devia curar As mortes advindas de eventos adversos médicos e hospitalares são comparáveis às taxas de mortalidade por acidentes com veículos automotores, câncer de mama e AIDS, combinados Mais pessoas morrem por ano por eventos adversos medicamentosos do que acidentes de trabalho. 8% dos pacientes hospitalizados apresentam desfechos desfavoráveis, que seriam preveníveis Mais de 32,000 pacientes desenvolvem infecção P.O. e outras complicações preveníveis

3 Albert Einstein "Não há maior sinal de loucura do que fazer uma coisa repetidamente e esperar a cada vez um resultado diferente."

4 O que é o QUALISS? O QUALISS é o Programa de Divulgação e Monitoramento da Qualidade dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar, desenvolvido pela ANS, em parceria com Representantes dos Prestadores de Serviços de Saúde, dos Consumidores de Planos de Saúde, das Operadoras, das Universidades Brasileiras, da ANVISA e do Ministério da Saúde.

5 Como o QUALISS está estruturado? QUALISS Divulgação da Qualificação Monitoramento da Qualidade

6 QUALISS DIVULGAÇÃO DA QUALIFICAÇÃO

7 Para que serve? O QUALISS DIVULGAÇÃO foi desenvolvido, como o próprio nome diz, para divulgação à sociedade da QUALIFICAÇÃO dos Prestadores de Serviços de Saúde, visando aprimorar a capacidade de escolha dos cidadãos e instituições de maneira geral.

8 O que é qualificação? Podemos entender por QUALIFICAÇÃO todo programa, certificado, processo de trabalho ou o vínculo institucional reconhecidamente associado à melhoria da qualidade na atenção à saúde, que o prestador de serviços possua ou faça parte.

9 Capacidade de escolha Através da Divulgação Pública dessa QUALIFICAÇÃO, as pessoas e instituições terão informações sobre os prestadores que investem na melhoria da Qualidade, proporcionando assim uma melhor escolha de onde buscar atendimento em saúde.

10 Quais Prestadores podem participar? Hospitais; Prestadores de Serviços de SADT e clínicas ambulatoriais; e Profissionais que atuam em consultório. Para participar é preciso fazer parte da rede de alguma operadora de planos de saúde.

11 Como participar? Apresentando o seu comprovante de qualificação à operadora contratante para divulgação.

12 Atributos de Qualificação Prestadores de serviços hospitalares: acreditação de serviços de saúde com identificação da entidade acreditadora; participação no Sistema de Notificação de Eventos Adversos - NOTIVISA - da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA; e participação no Programa de Monitoramento da Diretoria de Desenvolvimento Setorial

13 Atributos de Qualificação Prestadores de serviços auxiliares de diagnóstico e terapia e clínicas ambulatoriais: acreditação de serviços de saúde com identificação da entidade acreditadora; participação no Sistema de Notificação de Eventos Adversos - NOTIVISA - da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA; e participação no Programa de Monitoramento da Diretoria de Desenvolvimento Setorial

14 Atributos de Qualificação Profissionais que prestam serviços em consultórios: participação no NOTIVISA da ANVISA; residência em saúde reconhecida pelo MEC; título de especialista outorgado pela sociedade de especialidade e/ou Conselho Profissional da categoria. Diretoria de Desenvolvimento Setorial

15 Ícones dos Atributos da Qualificação

16 Divulgação no Site

17 Prazos para Divulgação Em meio impresso (livros de rede, etc) Até 21 de março de 2014; Em meio eletrônico (divulgação de rede) Operadoras de Grande porte (> 100 mil vidas) Até 21 de setembro de 2013 Demais Operadoras Até 21 de março de 2014

18 Considerações Livro impresso deve ser publicado pelo menos 1 vez a cada 12 meses e deve conter na capa a validade! Devem ser incluídos na publicação do livro todos os prestadores que apresentaram comprovação dos atributos até 2 meses antes da data da publicação. Informações sobre a qualificação devem ser atualizadas no site em até 30 dias após a apresentação do comprovante de qualificação pelo prestador!

19 Maiores Informações: Resolução Normativa no. 267 Instrução Normativa no. 52/DIDES

20 QUALISS MONITORAMENTO DA QUALIDADE

21 What's measured improves Peter F. Drucker, O que é medido melhora

22

23

24 Monitoramento da Qualidade Consiste de um conjunto de medidas relacionadas à qualidade dos prestadores de serviços. Foi elaborado para possibilitar a comparação entre os diversos prestadores de serviços, divulgando os resultados para os usuários dos serviços de saúde.

25

26 Quem pode participar? Os Prestadores de Serviços das categorias listadas definidas pela ANS, desde que façam parte da rede de alguma Operadora de Planos de Saúde, e que tenham licença de funcionamento atualizada, emitida por órgão de vigilância sanitária.

27 QUALISS CATEGORIAS DE PRESTADORES HOSPITAIS LAB. CLÍNICOS LAB. ANATPAT MONITORAMENTO DA QUALIDADE RADIOLOGIA ONCOLOGIA NEFROLOGIA HEMOTERAPIA

28 Pré-Requisitos Hospitais: Possuir instalações físicas específicas destinadas à acomodação de pacientes para permanência por um período mínimo de 24 horas; Realizar o Censo Hospitalar Diário, de acordo com a Portaria Nº 312, de 02 de maio de 2002; Possuir no mínimo 20 leitos; Possuir prontuário único. Constituir legalmente e manter ativas as seguintes Comissões: Comissão de Controle de Infecção Hospitalar; Comissão de Ética Médica, se possuir mais de 10 médicos em seu corpo clínico; Comissão de Revisão de Prontuários; Comissão de Revisão de Óbitos.

29 Obrigatoriedade A participação no QUALISS INDICADORES é voluntária. Exceto para os serviços que compõem as redes próprias das Operadoras de Planos de Saúde. Entende-se como rede própria, todo e qualquer serviço de saúde de propriedade da operadora, ou de sociedade controlada pela operadora, ou, ainda, de sociedade controladora da operadora.

30 O que o QUALISS avalia? O QUALISS foi desenvolvido para avaliar a qualidade dos Prestadores de Serviços. Contudo, sabemos que a qualidade não é algo unidimensional. Por isso, com base em diversas pesquisas nacionais e internacionais, elaboramos o programa em seis Domínios da Qualidade.

31 DOMÍNIOS DA QUALIDADE ACESSO CENTRALIDADE EFICIÊNCIA EQUIDADE EFETIVIDADE QUALIDADE SEGURANÇA

32 Como os Domínios são avaliados? Através de indicadores selecionados pela ANS, em conjunto com o Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação de Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar COGEP. Composição do COGEP: Representantes dos hospitais, consumidores de planos de saúde, operadoras de planos de saúde, instituições de ensino e pesquisa, universidades, a ANVISA e o Ministério da Saúde.

33 RELEVÂNCIA DOS INDICADORES ESSENCIAIS OBRIGATÓRIOS RECOMENDÁVEIS BÔNUS

34 CICLO DE VIDA DOS INDICADORES INDICADORES 2013/2014 DESCONTINUADO PLANEJAMENTO (E.1) AVALIAÇÃO CONTROLADA (E.2) GENERALIZAÇÃO DO USO (E.3) (E.4)

35

36 SEGURANÇA DO PACIENTE SIGLA E-SEG-01 E-SEG-02 E-SEG-03 E-SEG-04 DESCRIÇÃO Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Pediátrica Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto E-SEG-05 Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Pediátrica E-SEG-06 Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal E-SEG-07 Conformidade com os padrões de cirurgia segura

37 EFETIVIDADE SIGLA DESCRIÇÃO E-EFT-01 Implantação de diretrizes e protocolos clínicos E-EFT-02 Taxa de mortalidade institucional E-EFT-03 Taxa de mortalidade cirúrgica E-EFT-04 Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g E-EFT-05 Taxa de mortalidade neonatal RN g

38 EFICIÊNCIA SIGLA DESCRIÇÃO E-EFI-01 Taxa de ocupação operacional Geral E-EFI-02 Taxa de ocupação operacional Maternidade E-EFI-03 Taxa de ocupação operacional UTI adulto E-EFI-04 Taxa de ocupação operacional UTI Pediátrica E-EFI-05 Média de permanência Geral E-EFI-06 Média de permanência Maternidade E-EFI-07 Média de permanência UTI adulto E-EFI-08 Média de permanência UTI Pediátrica

39 EQUIDADE SIGLA DESCRIÇÃO E-EQI-01 E-EQI-02 Acessibilidade à pessoa com deficiência Medidas para garantir nos atendimentos a prioridade aos indivíduos vulneráveis (pessoas com deficiência, idosos, gestantes, lactantes), excluindo urgência/emergência

40 ACESSO SIGLA DESCRIÇÃO E-ACE-01 Acolhimento Classificação de risco E-ACE-02 Tempo de espera na Urgência e Emergência

41 CENTRALIDADE NO PACIENTE SIGLA DESCRIÇÃO E-CPA-01 Satisfação do cliente E-CPA-02 Monitoramento/ avaliação de queixas, reclamações e sugestões

42 AVALIAÇÃO CONTROLADA Ciclos da Avaliação Controlada (E.2) CICLO COLETA ENVIO PROCESSAMENTO DEVOLUÇÃO CICLO 1 JAN/ /02/ /03/ /03/2013 CICLO 2 FEV/ /03/ /04/ /04/2013 CICLO 3 MAR/ /04/ /05/ /05/2013 CICLO 4 ABR/ /05/ /06/ /06/2013 CICLO 5 MAI/ /06/ /07/ /07/2013 CICLO 6 JUN/ /07/ /08/ /08/2013

43 Coming together is a beginning; keeping together is progress; working together is success. Henry Ford, Juntar-se é um começo, manter-se juntos é um progresso, trabalhar juntos é sucesso.

44 Voluntários NOME FANTASIA CIDADE ESTADO HOSPITAL SÃO RAFAEL SALVADOR BAHIA HOSPITAL ANTONIO PRUDENTE FORTALEZA CEARÁ HOSPITAL REGIONAL DA UNIMED - HRU FORTALEZA CEARÁ HOSPITAL BRASÍLIA BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DO DISTRITO FEDERAL BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL CENTRO INTEGRADO DE ATENÇÃO À SAÚDE VITÓRIA ESPÌRITO SANTO HOSPITAL MADRE TERESA BELO HORIZONTE MINAS GERAIS INSTITUTO MÁRIO PENNA BELO HORIZONTE MINAS GERAIS HOSPITAL SÃO LUCAS DE GOVERNADOR VALADARES GOVERNADOR VALADARES MINAS GERAIS HOSPITAL DO CÂNCER DE MURIAÉ MURIAÉ MINAS GERAIS SANTA CASA DE MISERICORDIA DE PASSOS PASSOS MINAS GERAIS HOSPITAL PORTO DIAS BELÉM PARÁ HOSPITAL UNIMED JOÃO PESSOA JOÃO PESSOA PARAÌBA HOSPITAL DAS NAÇÕES CURITIBA PARANÁ HOSPITAL PILAR CURITIBA PARANÁ HOSPITAL UNIMED CAXIAS DO SUL CAXIAS DO SUL RIO GRANDE DO SUL UNIMED CHAPECÓ CHAPECÓ SANTA CATARINA CENTRO HOSPITALAR UNIMED JOINVILLE JOINVILLE SANTA CATARINA

45 Voluntários NOME FANTASIA CIDADE ESTADO HOSPITAL UNIMED CAMPOS CAMPOS DOS GOITACAZES RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIMED DE MACAE MACAÉ RIO DE JANEIRO HCN NITERÓI RIO DE JANEIRO CASA DE SAUDE E MATERNIDADE SANTA MARTHA S/A NITERÓI RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIMED NOVA FRIBURGO RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIMED PETRÓPOLIS RIO DE JANEIRO BARRA DAY RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO CASA DE SAÚDE SÃO JOSÉ RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL BADIM RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL BALBINO RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL PASTEUR RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL PRÓ CARDÍACO RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL TOTALCOR RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO PERINATAL BARRA RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO PERINATAL LARANJEIRAS RIO DE JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL DE CLÌNICAS PADRE MIGUEL RIO JANEIRO RIO DE JANEIRO HOSPITAL DE CLINICAS MARQUES DE VALENÇA VALENÇA RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNVERSITÁRIO SUL FLUMINENSE VASSOURAS RIO DE JANEIRO HOSPITAL UNIMED VOLTA REDONDA RIO DE JANEIRO HOSPITAL VITA VOLTA REDONDA VOLTA REDONDA RIO DE JANEIRO

46 Voluntários NOME FANTASIA CIDADE ESTADO HOSPITAL UNIMED AMERICANA AMERICANA SÃO PAULO HOSPITAL AMA ARUJÁ SÃO PAULO HOSPITAL NOVO ATIBAIA ATIBAIA SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED BAURU SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED SAMARITANO BEBEDOURO SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED BIRIGUI BIRIGUI SÃO PAULO HOSPITAL CENTRO MÉDICO DE CAMPINAS CAMPINAS SÃO PAULO SÃO JOAQUIM HOSPITAL E MATERNIDADE FRANCA SÃO PAULO HOSPITAL CARLOS CHAGAS GUARULHOS SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED DE LIMEIRA LIMEIRA SÃO PAULO SINOBRASILEIRO HOSPITAL E MATERNIDADE OSASCO SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED DE OURINHOS OURINHOS SÃO PAULO HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED DE RIO CLARO RIO CLARO SÃO PAULO HOSPITAL DE BASE SÃO JOSÈ DO RIO PRETO SÃO PAULO HOSPITAL ALBERT EINSTEIN SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL INFANTIL SABARÁ SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL NIPO-BRASILEIRO SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL PAULISTANO SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL SÃO JOAQUIM SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL SANTA CATARINA SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL SANTA CRUZ SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL SANTA PAULA SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL TOTALCOR SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL UNIMED SANTA HELENA SÃO PAULO SÃO PAULO HOSPITAL E MATERNIDADE UNIMED LESTE PAULISTA SÃO JOÃO DA BOA VISTA SÃO PAULO HOSPITAL BARTIRA SANTO ANDRÉ SÃO PAULO HOSPITAL DR. MIGUEL VILLA NOVA SOEIRO SOROCABA SÃO PAULO

47 Trabalho em equipe e comunicação

48 Divulgação Pública

49 Obrigado! Carlos Figueiredo (21)

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS

Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços - ANS São Paulo - 18 de junho de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Cenário Atual da Qualidade no Setor. Programas de Qualificação dos Prestadores de

Leia mais

Albert Einstein. "Não há maior sinal de loucura do que fazer uma coisa repetidamente e. um resultado diferente."

Albert Einstein. Não há maior sinal de loucura do que fazer uma coisa repetidamente e. um resultado diferente. Introdução QUALISS Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos pacientes internados sofrem lesões

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 2 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 09/04/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Comparação

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 6 ªReunião do GT de Indicadores Hospitalares 30/10/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Informes:

Leia mais

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os

pontuações, de 0 (zero) e 1 (um). Destaca-se que os pontos de cortes diferenciaram-se de acordo com o indicador. Em relação ao Domínio Segurança, os Ata da 8ª Reunião Ordinária do Subcomitê de Indicadores Hospitalares do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP Às treze horas e

Leia mais

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP

Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Ata da 9ª Reunião Ordinária do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar - COGEP Às quatorze horas do dia dez de junho de dois mil e treze,

Leia mais

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade

Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS. GERPS - Coordenadoria de Qualidade Desafios e Rumos da Saúde Suplementar QUALISS GERPS/GGISE/DIDES/ANS 1 GERPS - Coordenadoria de Qualidade Agenda Cenário Atual do Setor Por que Qualidade e Segurança em Saúde? Programas de Qualificação

Leia mais

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade

Agenda. GERPS Coordenadoria de Qualidade Agenda Introdução ao QUALISS Divulgação e Indicadores Regras Gerais para Adesão dos Prestadores Etapas de Adesão Seleção, elaboração das fichas técnicas e implementação dos indicadores Debate Deliberações

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados

Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Proposição de Indicadores do QUALISS Monitoramento e a Classificação dos Indicadores em Domínios Especificados Coordenação: Aluísio Gomes da Silva Júnior, MD. PhD Professor do ISC-UFF Produto 2 BR/CNT/1500509.002

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585

QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE. Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE SAUDE Rita Maria B. R. Kaluf rita.kaluf@unimeds.com.br (11) 21462585 Sistema Unimed no Estado de São Paulo Singulares - 73 Intrafederativas - 6 Federação Estadual

Leia mais

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP

Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP Comitê Gestor dos Programas de Qualificação dos Prestadores de Serviços COGEP GT Indicadores de SADT 1ª Reunião Subgrupo Oncologia 22 de janeiro de 2013 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Regras Gerais de Adesão

Leia mais

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto

Sigla do Indicador. TDIHCVC UTI Adulto. TDIHCVC UTI Pediátrica. TDIHCVC UTI Neonatal. TCVC UTI Adulto Sigla do Indicador Domínio do Indicador Taxa de densidade de incidência de infecção de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (CVC) na UTI Adulto TDIHCVC UTI Adulto SEGURANÇA Taxa de densidade

Leia mais

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar

A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar Capítulo I A) Legenda e descrição pormenorizada para os ícones dos atributos de qualificação dos prestadores de serviço na saúde suplementar 1 - Prestadores de serviços hospitalares: a) Acreditação de

Leia mais

Veículo: Revista Exame Digital - SP

Veículo: Revista Exame Digital - SP Hospital AC Camargo Tópico: HOSPITAL AC CAMARGO Veículo: Revista Exame Digital - SP Página: Online Data: 29/04/2013 Editoria: Mural 1 / 1 Os hospitais brasileiros de excelência, segundo a ONA Clique aqui

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº, DE DE DE 2010. Institui o programa de incentivo à qualificação de prestadores de serviços na saúde suplementar. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 1 ªReunião do GT de Indicadores de SADT 19/07/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Categorias

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XX, DE XX DE XXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XX, DE XX DE XXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XX, DE XX DE XXXXX DE 2013 Estabelece as regras gerais para manutenção das boas práticas no relacionamento entre as operadoras de planos privados de assistência à saúde e seus

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS)

Instruções para o preenchimento da planilha de indicadores epidemiológicos de infecção relacionada à asssistência à saúde (IrAS) PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA COORDENAÇÃO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO EM SERVIÇOS DE SAÚDE COMCISS (Av.

Leia mais

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1.

TISS 3.02.00 CARTILHA. 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS. 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 VERSÃO 1. VERSÃO 1.0 CARTILHA TISS 3.02.00 1. Divulgação 3.02.00 Unimed Planalto Médio/ANS 2. Material TISS 3.02.00 3. Componentes da TISS 3.02.00 4. Rotina Operacional 5. Rotina Operacional Autorizações Contas

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Mês de lançamento 2005

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Mês de lançamento 2005 CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Julho - 2015 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 2005 1 Hospital Dona

Leia mais

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP

Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviço na Saúde Suplementar COGEP 4 ª Reunião do GT de Indicadores Hospitalares 26/06/2012 GERPS/GGISE/DIDES/ANS Agenda Regras

Leia mais

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1

Ata 1ª Reunião GT Indicadores SADT - COGEP julho 2012 1-1 Ata da 1ª Reunião Ordinária do Grupo de Trabalho de Indicadores SADT do Comitê Gestor do Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços na Saúde Suplementar - COGEP. Às dez horas do

Leia mais

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro

Fator de Qualidade. Rio de Janeiro Fator de Qualidade Rio de Janeiro Roteiro da Apresentação 1. Fator de Qualidade - RN 364; 2. Resumo das contribuições recebidas após a terceira reunião; 3. IN n.º 61/2015 2 Reajuste ANS Índice de Reajuste

Leia mais

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar janeiro/2015 A importância do estímulo ao parto normal Parto é uma questão de saúde e a escolha do modelo deve ser pelo método mais adequado para

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Mês de lançamento 2005

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Mês de lançamento 2005 CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Dezembro - 2014 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 2005 1 Hospital

Leia mais

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$) GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451 3.5.2.13 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de

Leia mais

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME

Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão. de OPME 1 Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos como ferramenta de Gestão de OPME Palestrante: Diana Indiara Ferreira Jardim diana.jardim@unimedpoa.com.br 2 Sobre as OPME, no site da ANS circula no mercado

Leia mais

Tabela de 20 a 29 pessoas. Tabela de 30 a 99 pessoas. Tabela de 30 a 99 pessoas Com rede Mediservice

Tabela de 20 a 29 pessoas. Tabela de 30 a 99 pessoas. Tabela de 30 a 99 pessoas Com rede Mediservice 11 2712-1469 / 11 98216-8220 Whatsapp: 11 98216-8220 Taxa de Inscrição: 5,00 Por Segurado Tabela de 20 a 29 pessoas Plano Bronze VII Bronze III Prata VII Prata III Ouro III Ouro VII Diamante A III Diamante

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE 15º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio

Leia mais

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios

Números do Sistema Unimed. 354 Cooperativas Unimed. Presente em 83% dos municípios Números do Sistema Unimed 354 Cooperativas Unimed 300 Operadoras de plano de saúde 37 Prestadoras de serviço 110 mil Cooperados ativos 19,5 milhões Beneficiários 2.960 Hospitais Presente em 83% dos municípios

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Unidade

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação

Secretaria de Estado da Saúde - SP. Estado de São Paulo. planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Secretaria de Estado da Saúde - SP As Organizações Sociais de Saúde no Estado de São Paulo A experiência da Secretaria da Saúde planejamento e mecanismos de acompanhamento, controle e avaliação Organização

Leia mais

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos

Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos Introdução QUALISS Somente 59% dos pacientes recebem o cuidado necessário e em tempo. 1 em cada 7 pacientes hospitalizados tiveram pelo menos um evento adverso 4% dos pacientes internados sofrem lesões

Leia mais

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências

Leia mais

Empresarial PLANOS COM REDE MEDISERVICE (SEM TAXA) Março 2016 Taxa de inscrição: (Por Beneficiário) R$ 5,00. Tabela de 20 à 29 vidas/beneficiários

Empresarial PLANOS COM REDE MEDISERVICE (SEM TAXA) Março 2016 Taxa de inscrição: (Por Beneficiário) R$ 5,00. Tabela de 20 à 29 vidas/beneficiários PORTO SEGURO Faixa Etária Empresarial PLANOS COM REDE MEDISERVICE (SEM TAXA) Março 2016 Taxa de inscrição: (Por Beneficiário) R$ 5,00 0 à 18 anos R$ 187,03 19 à 23 anos R$ 235,65 24 à 28 anos R$ 297,37

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE.

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Fevereiro - 2014 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual 2005 Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 1 Hospital

Leia mais

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal

Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal Taxa de utilização de cateter venoso central (CVC) na UTI Neonatal V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-SEG-06 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método

Leia mais

Eficiência na Atenção à Saúde

Eficiência na Atenção à Saúde QualiHosp 2015 Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde Eficiência na Atenção à Saúde Michelle Mello de Souza Rangel Diretora-Adjunta Diretoria de Desenvolvimento Setorial -

Leia mais

Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

QualiNews. Acreditação de Laboratórios Clínicos: o diferencial para a sobrevivência

QualiNews. Acreditação de Laboratórios Clínicos: o diferencial para a sobrevivência Edição - Janeiro de 03 Patrocinado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas QualiNews Favor entregar este material à direção do laboratório * foto divulgação ANS Acreditação de Laboratórios Clínicos:

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE.

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Fevereiro - 2013 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual 2005 Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 1 Hospital

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica

Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica XI Simpósio Brasileiro de Atenção Domiciliar - Hospital Israelita Albert Einstein Segurança a do Paciente Prioridade Estratégica Milene Karine Zimmer Volpe OBJETIVOS Definir a Padronização Indicadores

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR Ana Lucia Lima da Costa Pimenta Monteiro Prefeitura Municipal de Biguaçu anamonteiro1970@hotmail.com INTRODUÇÃO: As políticas

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA HEMODINÂMICA

Leia mais

Tabela. São Paulo. Entidades Multiprofissionais. Linha Amil Linha Dental

Tabela. São Paulo. Entidades Multiprofissionais. Linha Amil Linha Dental Entidades Multiprofissionais Tabela A Linha Amil Linha Dental Tabela A Entidades Multiprofissionais Plano de Saúde Coletivo por Adesão Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia Com Coparticipação Faixa

Leia mais

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008

Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 A SAÚDE PÚBLICA NA CIDADE DE SÃO PAULO 1º Fórum Nossa São Paulo Propostas para uma Cidade Justa e Sustentável Januario Montone Secretário Municipal da Saúde Abril de 2008 Visão Geral de São Paulo Área:

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar AS Saúde Suplementar e a inclusão de novos procedimentos no Rol da ANS XXXIV CONGRESSO DA SBHCI 21 Junho de 2012 Agência Nacional de Saúde Suplementar É a agência reguladora do Governo Federal, vinculada

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

BALANÇO SOCIAL DAS TELECOMUNICAÇÕES

BALANÇO SOCIAL DAS TELECOMUNICAÇÕES 12 S AÚDE Uma organização sem fins lucrativos, pioneira em levar alegria a crianças hospitalizadas, seus pais e profissionais de saúde, os Doutores da Alegria atuam em seis hospitais de São Paulo, dois

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Secretaria de Estado da Saúde Vigilância Epidemiológica em âmbito hospitalar Revista de Saúde Pública, vol. 41, núm.

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE.

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Março - 2012 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual 2005 Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 1 Hospital Dona

Leia mais

Imagem Institucional Julho/2003

Imagem Institucional Julho/2003 Imagem Institucional Recorte de notícias editado pela Assessoria de Imprensa Matérias no Caderno de Empregos da Folha e Meio & Mensagem são destaques Oretorno de imagem da Unimed do Brasil, medido com

Leia mais

Registro de Produtos. Treinamento

Registro de Produtos. Treinamento Registro de Produtos Treinamento CENÁRIO REGULAMENTAR PARA REGISTRO DE PRODUTOS Cronologia das Resoluções referentes ao Produto Adequação, Registro e Manutenção. Atuação da Equipe Rede de Recursos quanto

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

GUIA DE RECURSO DE GLOSAS

GUIA DE RECURSO DE GLOSAS Logo da Empresa GUIA DE RECURSO DE GLOSAS 2- Nº Guia no Prestador 12345678901234567890 1 - Registro ANS 3 - Nome da Operadora 4 - Objeto do Recurso 5 - Número da Guia de Recurso de Glosas Atribuído pela

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012)

PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012) PARECER CREMEB Nº 16/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 30/03/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 214.470/11 ASSUNTOS: - Critérios para indicação e manutenção de ventilação pulmonar mecânica não invasiva (CPAP)

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM PEDIÁTRICA E NEONATAL Unidade

Leia mais

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Encontro Nacional UNIMED de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais UNIMED de Enfermagem e Farmácia Hospitalar GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Filosofia de trabalho e missões

Filosofia de trabalho e missões Filosofia de trabalho e missões As atividades de ensino e assistência na UTI Neonatal do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (HPS-EPM/Unifesp),

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu

As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos. Erimar Carlos Brehme de Abreu As novidades da Saúde Suplementar e seus Impactos Assistência Farmacêutica, Qualificação de Prestadores, Ouvidoria, CNS e Pagamento por Pacotes Erimar Carlos Brehme de Abreu Águas de Lindóia 13/09/2012

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA HEMODINÂMICA

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: PORTARIA Nº 1.091/MS/GM, DE DE 25 DE AGOSTO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: - a necessidade de organização da assistência neonatal, para assegurar melhor

Leia mais

GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA. Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS

GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA. Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS GESTÃO DE RISCO & QUALIDADE NA ASSISTÊNCIA Maria Inês Pinheiro Costa GERISCO SUNAS Sujeira em maternidade mata 36 bebês... Chega a 16 os óbitos de recém nascidos na... Superbactéria é responsável por 31

Leia mais

Tabela de Vendas. Adesão. Volta Redonda

Tabela de Vendas. Adesão. Volta Redonda Tabela de Vendas Adesão Volta Redonda Validade: Janeiro/2016 Volta Redonda PLANO DE SAÚDE COLETIVO POR ADESÃO Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia (com Coparticipação) Planos com Abrangência Local

Leia mais

PAUTA. 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS

PAUTA. 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS PAUTA 85ª Reunião da Câmara de Saúde Suplementar CAMSS Data: 10/12/2015 Horário: Das 13h às 17h Local: Centro de Convenções Bolsa do Rio Endereço: Praça XV de Novembro, nº 20 Salão Nobre, Térreo Centro

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010

Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV. Novembro/2010 Câncer no Brasil - Dados dos Registros de Base Populacional Volume IV Novembro/2010 O QUE É? Registro de Câncer de Base Populacional RCBP: são centros sistematizados de coleta, armazenamento, processamento

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM CARDIOLOGIA HEMODINÂMICA

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS-

Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS- Implantação do Padrão TISS na Saúde Suplementar -RADAR TISS- XI Congresso Brasileiro de Informática em Saúde - Campos de Jordão - SP 29 de novembro a 03 de dezembro de 2008 Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011)

PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) PARECER CREMEB 24/11 (Aprovado em Sessão Plenária de 20/09/2011) Expediente Consulta nº. 207.437/11 Assunto: Exigência do titulo de especialista para atuar como diarista em unidade de terapia intensiva

Leia mais

Webplan Webplan Belo Horizonte 2014

Webplan Webplan Belo Horizonte 2014 Webplan Webplan Belo Horizonte 2014 Sumário Objetivo... 3 Funcionalidades... 3 Iniciando o Webplan... 3 Guia Rápido: Autorizando Procedimentos... 5 Guia de Consulta... 7 Descrição dos Campos... 8 Resumo

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA - BH Unidade

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA NEONATAL E PEDIÁTRICA Unidade

Leia mais

PNGS Ciclo 2012-2013 CQH

PNGS Ciclo 2012-2013 CQH PNGS Ciclo 2012-2013 CQH Missão: Contribuir para a melhoria contínua da qualidade no atendimento nos serviços de saúde mediante metodologia específica. Modelo de Gestão Entidades Mantenedoras Associação

Leia mais

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió

Entendendo o modelo remuneratório no Brasil. Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Entendendo o modelo remuneratório no Brasil Dácio Guimarães Borges Superintendente Administra:vo e Financeiro Santa Casa de Maceió Ano de fundação: 1851 Santa Casa de Misericórdia de Maceió 70,00% Paciente

Leia mais

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente

Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH. Helton Freitas Diretor-presidente Incentivo à qualidade como estratégia da Unimed-BH Helton Freitas Diretor-presidente Agenda P P P P A Unimed-BH no mercado Qualificação da Rede Prestadora DRG Certificação e acreditação da Operadora A

Leia mais

Hospitais Referenciados

Hospitais Referenciados - HOSPITAL GERAL - HOSPITAL ESCIALIZADO - SOCORRO BA - SALVADOR CENTRO MEDICO HOSPITAL AGENOR PAIVA CLINICA BOM VIVER CLIVALE CALCADA DAYHORC - HOSPITAL DE OLHOS FBC FUNDACAO BAHIANA DE CARDIOLOGIA FISIORT

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT

O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA. Prof. G. DURANT O FINANCIAMENTO DOS HOSPITAIS NA BÉLGICA Prof. G. DURANT A Bélgica (11 milhões de habitantes) é um país federal. PIB/capita: 39.860 dolares Gastos totais com saúde- 10,6% du PNB (Produit National Brut)

Leia mais

www.maximuslife.com.br Conheça e curta nossa página no Facebook www.facebook.com/maximuslife

www.maximuslife.com.br Conheça e curta nossa página no Facebook www.facebook.com/maximuslife Faixa Etária 00 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33 anos 34 a 38 anos 39 a 43 anos 44 a 48 anos 49 a 53 anos 54 a 58 anos 59 anos ou + Faixa Etária 00 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33

Leia mais

NORTE PTA. FRANCA ALTA MOGIANA BEBEDOURO BATATAIS PITANGUEIRAS SERTÃOZINHO MONTE ALTO RIBEIRÃO PRETO JABOTICABAL MOCOCA S.

NORTE PTA. FRANCA ALTA MOGIANA BEBEDOURO BATATAIS PITANGUEIRAS SERTÃOZINHO MONTE ALTO RIBEIRÃO PRETO JABOTICABAL MOCOCA S. Presença no Estado de São Paulo VICE- DRACENA ANDRADINA PRESIDENTE PRUDENTE JALES BIRIGUI ADAMANTINA ARAÇATUBA PENÁPOLIS TUPÃ ASSIS FERNANDÓPOLIS VOTUPORANGA MARÍLIA LINS OURINHOS S. JOSÉ DO RIO PRETO

Leia mais