GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)"

Transcrição

1 GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451

2 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de 52% no período (Tabela 176). 452

3 TABELA 176 Freqüência anual de transplante por procedimentos por UF 453

4 Lista de espera para transplante A análise da lista de espera mostra que o transplante de rim corresponde a mais da metade da lista, seguido por córnea, e que São Paulo representa cerca de 40% dessa lista (Tabela 177). Isto em decorrência da concentração de serviços de transplante em algumas Unidades da Federação. 454

5 TABELA 177 Lista de espera para transplante em dezembro de 2000 por UF 455

6 3.5.3 Deformidades crânio-faciais/lesões labiopalatais O SUS possui uma rede especializada na assistência aos portadores de deformidades crânio-faciais. Em 1999, foram estabelecidos os critérios para utilização e indicação de uso do implante coclear. Em dezembro de 2000, o SUS dispunha de 14 centros cadastrados para tratamento de lesões labiopalatais, quatro centros para implante coclear e cinco para implante dentário ósteo-integrado. Em 1995, foram realizados procedimentos no valor de R$ 2,1 milhões. Em 2000, mil procedimentos (crescimento de 263,4%) com gasto de R$ 6,1 milhões (Tabelas 178 e 179, Gráficos 137 e 138) Análise dos dados Neste grupo, serão analisados os dados referentes às deformidades crânio-faciais e implante coclear. As maiores variações positivas de freqüências e gastos ocorreram nos Estados da região Sul. O Estado de São Paulo foi o responsável por mais de 93% dos procedimentos e por mais de 96% dos gastos do país, no ano 2000 (Tabelas 178 e 179). 456

7 TABELA 178 Freqüência anual de internações por deformidades crânio-faciais por UF 457

8 GRÁFICO 137 Freqüência anual de internações por deformidades crânio-faciais 458

9 TABELA 179 Gasto anual com internações por deformidade crânio-faciais por UF (R$) 459

10 GRÁFICO 138 Gasto anual com internações por deformidade crânio-faciais (R$) 460

11 3.6 Procedimentos especiais na internação Órteses e próteses no AIH As órteses, próteses e materiais especiais utilizados em pacientes internados são cobrados separadamente e agregam valor na internação. Neste item, são incorporadas as inovações tecnológicas de materiais que permitem a melhora da qualidade e das condições de vida de muitos pacientes Análise dos dados A análise da evolução dos gastos com estes materiais está descrita a seguir: A variação do gasto com OPM, no período de 1995 a 2000, foi de 107%, com uma ascensão contínua, apesar de, no último ano, o crescimento ter-se acentuado mais ainda (Tabela 180 e Gráfico 139). Os Estados que mais variaram positivamente os gastos com OPM nas internações foram: Acre, Tocantins, Mato Grosso, Amazonas e Pará (Tabela 180). Os Estados de Roraima e Rondônia não apresentaram registro de gasto de forma a permitir a análise. A variação dos Estados de Goiás, Paraíba e Amapá ficou muito abaixo da média nacional. O gasto per capita nacional com OPM, no ano 2000, ficou em R$ 1,46, variando cerca de 95% nos últimos 6 anos (Tabela 182 e Gráfico 141). Os maiores valores per capita, acima de R$ 2,00, são os do Paraná, de São Paulo e do Rio Grande do Sul (Tabela 182). 461

12 Os menores, abaixo de R$ 0,30, estão em Rondônia, Roraima, Amapá, Acre, Maranhão, Tocantins e Amazonas. O gasto, no ano 2000, apesar de alguma oscilação, é claramente ascendente. A variação chega a, aproximadamente, 60% entre os meses de janeiro e dezembro de 2000 (Tabela 181 e Gráfico 140). 462

13 TABELA 180 Gasto anual com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF (R$) 463

14 GRÁFICO 139 Gasto anual com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações (R$) 464

15 TABELA 181 Gasto mensal com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF 2000 (R$) 465

16 GRÁFICO 140 Gasto mensal com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações 2000 (R$) 466

17 TABELA 182 Gasto anual per capita com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF (R$) 467

18 GRÁFICO 141 Gasto anual per capita com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações (R$) 468

19 3.6.2 Unidade de Terapia Intensiva (UTI) O sistema hospitalar do SUS contava, em 2000, com leitos de UTI, enquanto que, em 1995, dispunha de 9.295, sendo registrado, no período, um crescimento de 14,08% (Tabela 187 e Gráfico 146). Foram criadas duas novas classificações de UTI dentro das divisões já existentes (adulto, infantil e neonatal), de acordo com a disponibilidade de equipamentos e de recursos humanos qualificados. As UTI do SUS passaram a ser classificadas como dos Tipos I, II e III. As do Tipo II tiveram reajuste de 60% no valor da diária, passando de R$ 103,00 para R$ 165,00. Já as classificadas como UTI III tiveram reajuste de cerca de 110%. A diária de R$ 103,00 passou para R$ 214,00. No ano 2000, o SUS pagou mais de 2 milhões de diárias de UTI, uma media mensal de 171 mil, enquanto que, em 1995, foram pagas 1,8 milhões de diárias, o que significa um aumento de 12,8% na freqüência (Tabelas 183 e 184, Gráficos 142 e 143). O gasto com UTI, em 2000, foi de R$ 277 milhões, com media mensal de R$ 23 milhões. Em 1995, o gasto foi de R$ 156 milhões, com um incremento, no período, de 77,5% (Tabelas 185 e 186, Gráficos 144 e 145) Análise dos dados Os dados de UTI freqüência, gasto e capacidade instalada são discutidos a seguir: O número de diárias de UTI utilizadas no período apresentou um crescimento de 12,8%, tendo sido mais acentuado no último ano (Tabela 183 e Gráfico 142). Os Estados de Tocantins e Amapá foram os que apresentaram o maior crescimento nas diárias, excedendo os 500%. Tiveram crescimento importante Amazonas, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (Tabela 183). 469

20 Goiás, Paraíba e Maranhão reduziram seu número de diárias de UTI de forma importante, enquanto Sergipe, Alagoas e Ceará tiveram uma redução um pouco menor, menos de 10%. A variação do número de diárias de UTI durante o ano 2000 não mostra grandes alterações (Tabela 184 e Gráfico 143). A variação nos gastos com UTI sofreu um forte crescimento no período, chegando a 77,5%. O salto se deu de 1998 para 1999, possivelmente devido à nova tabela que reclassificou as UTI (Tabela 185 e Gráfico 144). Os Estados do Acre, Tocantins, Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas e São Paulo e o Distrito Federal apresentaram um crescimento de mais de 100%. À exceção de São Paulo e do Distrito Federal, todos os outros coincidem com os que tiveram aumento também no quantitativo de diárias. As duas exceções podem ser explicadas pela maior complexidade de suas UTI, portanto sendo impactados pela reclassificação. Apenas dois Estados, Paraíba e Maranhão, tiveram redução de gastos no período (Tabela 185). A variação dos gastos no ano 2000, apesar de sofrer alterações mensais significativas, não configura uma tendência de alta (Tabela 186 e Gráfico 145). 470

21 TABELA 183 Freqüência anual de diárias de UTI por UF 471

22 GRÁFICO 142 Freqüência anual de diárias de UTI 472

23 TABELA 184 Freqüência mensal de diárias de UTI por UF

24 GRÁFICO 143 Freqüência mensal de diárias de UTI

25 TABELA 185 Gasto anual com diárias de UTI por UF (R$) 475

26 GRÁFICO 144 Gasto anual com diárias de UTI (R$) 476

27 TABELA 186 Gasto mensal com diárias de UTI por UF 2000 (R$) 477

28 GRÁFICO 145 Gasto mensal com diárias em UTI 2000 (R$) 478

29 Leitos de UTI vinculados ao SUS O número de leitos de UTI vinculados ao SUS teve, no período, um crescimento da ordem de 14,08% (Tabela 187 e Gráfico 146). É importante observar que, de 1999 para 2000, estão registrados cerca de 500 leitos de UTI a menos, interrompendo a trajetória crescente apontada até então. Estados como São Paulo e Rio Grande do Sul e o Distrito Federal contribuíram de forma importante para essa redução (Tabela 187). Os Estados que mais cadastraram leitos de UTI, ao SUS, no período, além do Acre, foram Tocantins (crescimento de mais de 800%), Amazonas e Mato Grosso. Os Estados de Roraima e do Rio Grande do Norte diminuíram seus leitos vinculados ao SUS. O Estado de São Paulo é responsável por mais de 35% dos leitos de UTI/SUS no país. Durante o ano 2000, o número de leitos cadastrados no sistema vem mantendo-se estável, com ligeira tendência para crescimento (Tabela 188 e Gráfico 147). 479

30 TABELA 187 Leitos de UTI credenciados ao SUS por UF 480

31 GRÁFICO 146 Leitos de UTI credenciados ao SUS 481

32 TABELA 188 Leitos de UTI credenciados ao SUS por mês por UF

33 GRÁFICO 147 Leitos de UTI credenciados ao SUS por mês

34

35 Lista de tabelas Tabela 001 Hospitais integrantes da rede do SUS Tabela 002 Hospitais integrantes da rede do SUS por natureza 2000 Tabela 003 Hospitais integrantes da rede do SUS por natureza agregados Tabela 004 Leitos totais da rede do SUS Tabela 005 Leitos totais da rede do SUS por natureza Tabela 006 Leitos totais da rede do SUS por natureza agregados Tabela 007 Leitos cadastrados pelo SUS Tabela 008 Serviços de alta complexidade por tipo e por UF Tabela 009 Tetos para assistência de média e alta complexidade Tabela 010 Porcentagem de gastos ambulatoriais por grupo de procedimentos e por UF 2000 Tabela 011 Gasto per capita ambulatorial por grupo de procedimentos e por UF 2000 Tabela 012 Gastos ambulatoriais mensais por grupo de procedimentos 2000 Tabela 013 Freqüência mensal de procedimentos ambulatoriais 2000 Tabela 014 Custo médio mensal de procedimentos ambulatoriais 2000 Tabela 015 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Acre 2000 Tabela 016 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Alagoas 2000 Tabela 017 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Amapá 2000 Tabela 018 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Amazonas 2000 Tabela 019 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Bahia 2000 Tabela 020 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Ceará 2000 Tabela 021 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Distrito Federal

36 Lista de tabelas Tabela 022 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Espírito Santo 2000 Tabela 023 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Goiás 2000 Tabela 024 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Maranhão 2000 Tabela 025 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Mato Grosso 2000 Tabela 026 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Mato Grosso do Sul 2000 Tabela 027 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Minas Gerais 2000 Tabela 028 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Pará 2000 Tabela 029 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Paraíba 2000 Tabela 030 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Paraná 2000 Tabela 031 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Pernambuco 2000 Tabela 032 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Piauí 2000 Tabela 033 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Rio de Janeiro 2000 Tabela 034 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Rio Grande do Norte 2000 Tabela 035 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Rio Grande do Sul 2000 Tabela 036 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Rondônia 2000 Tabela 037 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Roraima 2000 Tabela 038 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Santa Catarina 2000 Tabela 039 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita São Paulo 2000 Tabela 040 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Sergipe 2000 Tabela 041 Freqüência de procedimentos, média mensal e distribuição per capita Tocantins 2000 Tabela 042 Gasto anual com órteses e próteses no ambulatório Tabela 043 Gasto per capita com órteses e próteses no ambulatório Tabela 044 Freqüência anual de procedimentos de patologia clínica por UF Tabela 045 Gasto anual com procedimentos de patologia clínica por UF Tabela 046 Gasto per capita com procedimentos de patologia clínica por UF Tabela 047 Freqüência anual de procedimentos de hemodinâmica Tabela 048 Gasto anual com hemodinâmica por UF Tabela 049 Gasto per capita anual com hemodinâmica por UF 486

37 Lista de tabelas Tabela 050 Freqüência anual de terapia renal substitutiva Tabela 051 Gasto anual com terapia renal substitutiva Tabela 052 Gasto per capita com terapia renal substitutiva Tabela 053 Freqüência anual de quimioterapia Tabela 054 Gasto anual com quimioterapia por UF Tabela 055 Gasto per capita com quimioterapia por UF Tabela 056 Freqüência anual de radioterapia Tabela 057 Gasto anual com radioterapia por UF Tabela 058 Gasto per capita com radioterapia por UF Tabela 059 Freqüência mensal de ressonância magnética 2000 Tabela 060 Gasto mensal com ressonância magnética 2000 Tabela 061 Freqüência mensal de medicina nuclear 2000 Tabela 062 Gasto mensal com medicina nuclear 2000 Tabela 063 Freqüência mensal de radiologia intervencionista 2000 Tabela 064 Gasto mensal com radiologia intervencionista 2000 Tabela 065 Freqüência anual de tomografia computadorizada no SIA por UF Tabela 066 Freqüência mensal de tomografia computadorizada no SIA 2000 Tabela 067 Gasto anual com tomografia computadorizada no SIA por UF Tabela 068 Gasto mensal com tomografia computadorizada no SIA 2000 Tabela 069 Freqüência mensal em imunologia 2000 Tabela 070 Gasto mensal com imunologia 2000 Tabela 071 Gasto anual com hemoterapia ambulatorial por UF Tabela 072 Gasto per capita com hemoterapia ambulatorial por UF Tabela 073 Gasto anual com hemoterapia nas internações por UF Tabela 074 Gasto per capita com hemoterapia nas internações por UF Tabela 075 Gasto anual total com hemoterapia por UF Tabela 076 Gasto per capita total com hemoterapia por UF Tabela 077 Gasto anual com medicamento excepcional por UF 487

38 Lista de tabelas Tabela 078 Gasto per capita com medicamento excepcional por UF Tabela 079 Gasto com medicamento excepcional por item Tabela 080 Freqüência anual de internações por região Tabela 081 Freqüência anual de internações por UF Tabela 082 Freqüência mensal de internações por região 2000 Tabela 083 Freqüência mensal de internações por UF 2000 Tabela 084 Gasto anual com internações por região Tabela 085 Gasto anual com internações por UF Tabela 086 Gasto mensal com internações por região 2000 Tabela 087 Gasto mensal com internações por UF 2000 Tabela 088 Custo médio das internações por região Tabela 089 Custo médio das internações por UF Tabela 090 Custo médio mensal das internações 2000 Tabela 091 Gasto per capita anual com internações por UF Tabela 092 Gasto per capita mensal com internações 2000 Tabela 093 Taxa anual de mortalidade hospitalar por UF Tabela 094 Taxa de mortalidade hospitalar 2000 Tabela 095 Taxa de mortalidade materna por UF Tabela 096 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 1 ano Tabela 097 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 5 anos Tabela 098 Taxa de mortalidade hospitalar em maiores de 60 anos Tabela 099 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 5 anos, por diarréia Tabela 100 Taxa de mortalidade hospitalar em maiores de 60 anos, por doença respiratória Tabela 101 Freqüência anual de partos na rede do SUS por região Tabela 102 Freqüência de partos na rede do SUS por UF Tabela 103 Freqüência mensal de partos na rede do SUS por UF 2000 Tabela 104 Gasto anual com obstetrícia por UF Tabela 105 Gasto mensal com obstetrícia

39 Lista de tabelas Tabela 106 Taxa anual de cesarianas por UF Tabela 107 Taxa mensal de cesarianas 2000 Tabela 108 Freqüência anual de AIH em psiquiatria por UF Tabela 109 Freqüência mensal de AIH em psiquiatria 2000 Tabela 110 Freqüência anual de internações em psiquiatria por UF Tabela 111 Freqüência mensal de internações em psiquiatria 2000 Tabela 112 Gasto anual com internações em psiquiatria por UF Tabela 113 Gasto mensal com internações em psiquiatria 2000 Tabela 114 Freqüência anual de AIH com hospital-dia em psiquiatria por UF Tabela 115 Freqüência mensal de AIH com hospital-dia em psiquiatria 2000 Tabela 116 Gasto anual de AIH com hospital-dia em psiquiatria por UF Tabela 117 Gasto mensal de AIH com hospital-dia em psiquiatria 2000 Tabela 118 Freqüência anual de alta complexidade em cardiologia por UF Tabela 119 Gasto anual com alta complexidade em cardiologia por UF Tabela 120 Gasto per capita anual com alta complexidade em cardiologia por UF Tabela 121 Freqüência anual de ortopedia de alta complexidade por UF Tabela 122 Gasto anual com ortopedia de alta complexidade por UF Tabela 123 Freqüência anual de cirurgias oncológicas por UF Tabela 124 Gasto anual com cirurgias ancológicas por UF Tabela 125 Freqüência anual de internações por epilepsia por UF Tabela 126 Gasto anual com internações por epilepsia Tabela 127 Freqüência anual de gastroplastia por UF Tabela 128 Gasto anual com gastroplastia por UF Tabela 129 Freqüência anual de neurocirurgia por UF Tabela 130 Freqüência mensal em neurocirurgia 2000 Tabela 131 Gasto anual com neurocirurgia por UF Tabela 132 Gasto mensal com neurocirurgia 2000 Tabela 133 Freqüência anual de polissonografia por UF 489

40 Lista de tabelas Tabela 134 Gasto anual com polissonografia por UF Tabela 135 Freqüência anual de internações por AIDS Tabela 136 Gasto anual com internações por AIDS Tabela 137 Freqüência mensal de internações por AIDS 2000 Tabela 138 Gasto mensal com internações por AIDS 2000 Tabela 139 Freqüência anual de procedimentos ambulatoriais em AIDS por UF Tabela 140 Gasto anual com procedimentos ambulatoriais em AIDS por UF Tabela 141 Freqüência mensal de procedimentos ambulatoriais em AIDS por UF 2000 Tabela 142 Gasto mensal com procedimentos ambulatoriais em AIDS por UF 2000 Tabela 143 Freqüência anual de hospital-dia em AIDS por UF Tabela 144 Gasto anual com hospital-dia em AIDS por UF Tabela 145 Freqüência anual de cirurgias de varizes por UF Tabela 146 Gasto anual com cirurgias de varizes por UF Tabela 147 Freqüência anual de cirurgias de próstata por UF Tabela 148 Gasto anual com cirurgias de próstata por UF Tabela 149 Freqüência anual de cirurgias de catarata por UF Tabela 150 Gasto anual com cirurgias de catarata por UF Tabela 151 Freqüência anual de fotocoagulação a laser por UF Tabela 152 Gasto anual com fotocoagulaçãoo a laser por UF Tabela 153 Freqüência anual de transplante renal por UF Tabela 154 Gasto anual com transplante renal por UF Tabela 155 Freqüência anual de transplante de pulmão por UF Tabela 156 Gasto anual com transplante de pulmão por UF Tabela 157 Freqüência anual de transplante de rim e pâncreas por UF Tabela 158 Gasto anual com transplante de rim e pâncreas por UF Tabela 159 Freqüência anual de transplante de pâncreas por UF Tabela 160 Gasto anual com transplante de pâncreas por UF Tabela 161 Freqüência anual de transplante de fígado por UF 490

41 Lista de tabelas Tabela 162 Gasto anual com transplante de fígado por UF Tabela 163 Freqüência anual de transplante cardíaco por UF Tabela 164 Gasto anual com transplante cardíaco por UF Tabela 165 Freqüência anual de transplante de córnea por UF Tabela 166 Gasto anual com transplante de córnea por UF Tabela 167 Freqüência anual de transplante de esclera por UF Tabela 168 Gasto anual com transplante de esclera por UF Tabela 169 Freqüência anual de transplante de medula por UF Tabela 170 Gasto anual com transplante de medula por UF Tabela 171 Freqüência anual de transplante por UF Tabela 172 Gasto anual com transplante cirurgias por UF Tabela 173 Gasto anual com transplante medicamentos por UF Tabela 174 Gasto anual com transplante procedimentos associados por UF Tabela 175 Gasto anual total com transplante por UF Tabela 176 Freqüência anual de transplante por procedimentos por UF Tabela 177 Lista de espera para transplante em dezembro de 2000, por UF Tabela 178 Freqüência anual de internações por deformidades crânio-faciais por UF Tabela 179 Gasto anual com internações por deformidades crânio-faciais por UF Tabela 180 Gasto anual com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF Tabela 181 Gasto mensal com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF 2000 Tabela 182 Gasto anual per capita com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações por UF Tabela 183 Freqüência anual de diárias de UTI por UF Tabela 184 Freqüência mensal de diárias de UTI por UF 2000 Tabela 185 Gasto anual com diárias de UTI por UF Tabela 186 Gasto mensal com diárias de UTI por UF 2000 Tabela 187 Leitos de UTI credenciados ao SUS por UF Tabela 188 Leitos de UTI credenciados ao SUS por mês por UF

42

43 Lista de gráficos Gráfico 001 Total de hospitais integrantes da rede do SUS Gráfico 002 Hospitais integrantes da rede do SUS por natureza 2000 Gráfico 003 Hospitais integrantes da rede do SUS por natureza agregados Gráfico 004 Leitos totais da rede do SUS Gráfico 005 Leitos totais da rede do SUS por natureza Gráfico 006 Leitos totais da rede do SUS por natureza agregados Gráfico 007 Leitos cadastrados pelo SUS Gráfico 008 Tetos para assistência de media e alta complexidade Gráfico 009 Gastos mensais com procedimentos ambulatoriais 2000 Gráfico 010 Gasto anual com órteses e próteses no ambulatório Gráfico 011 Gasto per capita com órteses e próteses no ambulatório Gráfico 012 Freqüência anual de procedimentos de patologia clínica Gráfico 013 Gasto anual com procedimentos de patologia clínica Gráfico 014 Gasto per capita com procedimentos de patologia clínica Gráfico 015 Freqüência anual de procedimentos de hemodinâmica Gráfico 016 Gasto anual com hemodinâmica Gráfico 017 Gasto per capita anual com hemodinâmica Gráfico 018 Freqüência anual de terapia renal substitutiva Gráfico 019 Gasto anual com terapia renal substitutiva Gráfico 020 Gasto per capita com terapia renal substitutiva Gráfico 021 Freqüência anual de quimioterapia 493

44 Lista de gráficos Gráfico 022 Gasto anual com quimioterapia Gráfico 023 Gasto per capita com quimioterapia Gráfico 024 Freqüência anual de radioterapia Gráfico 025 Gasto anual com radioterapia Gráfico 026 Gasto per capita com radioterapia Gráfico 027 Freqüência mensal de ressonância magnética 2000 Gráfico 028 Gasto mensal com ressonância magnética 2000 Gráfico 029 Freqüência mensal com medicina nuclear 2000 Gráfico 030 Gasto mensal com medicina nuclear 2000 Gráfico 031 Freqüência mensal de radiologia intervencionista 2000 Gráfico 032 Gasto mensal com radiologia intervencionista 2000 Gráfico 033 Freqüência anual de tomografia computadorizada no SIA Gráfico 034 Freqüência mensal de tomografia computadorizada no SIA 2000 Gráfico 035 Gasto anual com tomografia computadorizada no SIA Gráfico 036 Gasto mensal com tomografia computadorizada no SIA 2000 Gráfico 037 Freqüência mensal em imunologia 2000 Gráfico 038 Gasto mensal com imunologia 2000 Gráfico 039 Gasto anual com hemoterapia ambulatorial Gráfico 040 Gasto per capita com hemoterapia ambulatorial Gráfico 041 Gasto anual com hemoterapia nas internações Gráfico 042 Gasto per capita com hemoterapia nas internações Gráfico 043 Gasto anual total com hemoterapia Gráfico 044 Gasto per capita total com hemoterapia Gráfico 045 Gasto anual com medicamento excepcional Gráfico 046 Gasto per capita com medicamento excepcional Gráfico 047 Freqüência anual de internações Gráfico 048 Freqüência mensal de internações 2000 Gráfico 049 Gasto anual com internações 494

45 Lista de gráficos Gráfico 050 Gasto mensal com internações 2000 Gráfico 051 Custo médio das internações Gráfico 052 Custo médio mensal das internações 2000 Gráfico 053 Gasto per capita anual com internações Gráfico 054 Gasto per capita mensal com internações 2000 Gráfico 055 Taxa anual de mortalidade hospitalar Gráfico 056 Taxa de mortalidade hospitalar 2000 Gráfico 057 Taxa de mortalidade materna Gráfico 058 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 1 ano Gráfico 059 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 5 anos Gráfico 060 Taxa de mortalidade hospitalar em maiores de 60 anos Gráfico 061 Taxa de mortalidade hospitalar em menores de 5 anos, por diarréia Gráfico 062 Taxa de mortalidade hospitalar em maiores de 60 anos, por doença respiratória Gráfico 063 Freqüência anual de partos na rede do SUS Gráfico 064 Freqüência mensal de partos na rede do SUS 2000 Gráfico 065 Gasto anual com obstetrícia Gráfico 066 Gasto mensal com obstetrícia 2000 Gráfico 067 Taxa anual de cesarianas Gráfico 068 Taxa mensal de cesarianas 2000 Gráfico 069 Freqüência anual de AIH em psiquiatria Gráfico 070 Freqüência mensal de AIH em psiquiatria 2000 Gráfico 071 Freqüência anual de internações em psiquiatria Gráfico 072 Freqüência mensal de internações em psiquiatria 2000 Gráfico 073 Gasto anual com internações em psiquiatria Gráfico 074 Gasto mensal com internações em psiquiatria 2000 Gráfico 075 Freqüência anual de AIH com hospital-dia em psiquiatria Gráfico 076 Freqüência mensal de AIH com hospital-dia em psiquiatria 2000 Gráfico 077 Gasto anual de AIH com hospital-dia em psiquiatria 495

46 Lista de gráficos Gráfico 078 Gasto mensal de AIH com hospital-dia em psiquiatria 2000 Gráfico 079 Freqüência anual de alta complexidade em cardiologia Gráfico 080 Gasto anual com alta complexidade em cardiologia Gráfico 081 Gasto per capita anual com alta complexidade em cardiologia Gráfico 082 Freqüência anual de ortopedia de alta complexidade Gráfico 083 Gasto anual com ortopedia de alta complexidade Gráfico 084 Freqüência anual de cirurgias oncológicas Gráfico 085 Gasto anual com cirurgias oncológicas Gráfico 086 Freqüência anual de internações por epilepsia Gráfico 087 Gasto anual com internações por epilepsia Gráfico 088 Freqüência anual de gastroplastia Gráfico 089 Gasto anual com gastroplastia Gráfico 090 Freqüência anual de neurocirurgia Gráfico 091 Freqüência mensal de neurocirurgia 2000 Gráfico 092 Gasto anual com neurocirurgia Gráfico 093 Gasto mensal com neurocirurgia 2000 Gráfico 094 Freqüência anual de polissonografia Gráfico 095 Gasto anual com polissonografia Gráfico 096 Freqüência anual de internações por AIDS Gráfico 097 Gasto anual com internações por AIDS Gráfico 098 Freqüência mensal de internações por AIDS 2000 Gráfico 099 Gasto mensal com internações por AIDS 2000 Gráfico 100 Freqüência anual de procedimentos ambulatoriais em AIDS Gráfico 101 Gasto anual com procedimentos ambulatoriais em AIDS Gráfico 102 Freqüência mensal de procedimentos ambulatoriais em AIDS 2000 Gráfico 103 Gasto mensal com procedimentos ambulatoriais em AIDS 2000 Gráfico 104 Freqüência anual de hospital-dia em AIDS Gráfico 105 Gasto anual com hospital-dia em AIDS 496

47 Lista de gráficos Gráfico 106 Freqüência anual de cirurgias de varizes Gráfico 107 Gasto anual com cirurgias de varizes Gráfico 108 Freqüência anual de cirurgias de próstata Gráfico 109 Gasto anual com cirurgias de próstata Gráfico 110 Freqüência anual de cirurgias de catarata Gráfico 111 Gasto anual com cirurgias de catarata Gráfico 112 Freqüência anual de fotocoagulação a laser Gráfico 113 Gasto anual com fotocoagulação a laser Gráfico 114 Freqüência anual de transplante renal Gráfico 115 Gasto anual com transplante renal Gráfico 116 Freqüência anual de transplante de pulmão Gráfico 117 Gasto anual com transplante de pulmão Gráfico 118 Freqüência anual de transplante de rim e pâncreas Gráfico 119 Gasto anual com transplante de rim e pâncreas Gráfico 120 Freqüência anual de transplante de pâncreas Gráfico 121 Gasto anual com transplante de pâncreas Gráfico 122 Freqüência anual de transplante de fígado Gráfico 123 Gasto anual com transplante de fígado Gráfico 124 Freqüência anual de transplante cardíaco Gráfico 125 Gasto anual com transplante cardíaco Gráfico 126 Freqüência anual de transplante de córnea Gráfico 127 Gasto anual com transplante de córnea Gráfico 128 Freqüência anual de transplante de esclera por UF Gráfico 129 Gasto anual com transplante de esclera Gráfico 130 Freqüência anual de transplante de medula Gráfico 131 Gasto anual com transplante de medula Gráfico 132 Freqüência anual de transplante Gráfico 133 Gasto anual com transplante cirurgias 497

48 Lista de gráficos Gráfico 134 Gasto anual com transplante medicamentos Gráfico 135 Gasto anual com transplante procedimentos associados Gráfico 136 Gasto anual total com transplante Gráfico 137 Freqüência anual de internações por deformidades crânio-faciais Gráfico 138 Gasto anual com internações por deformidades crânio-faciais Gráfico 139 Gasto anual com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações Gráfico 140 Gasto mensal com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações 2000 Gráfico 141 Gasto anual per capita com órteses, próteses e materiais (OPM) nas internações Gráfico 142 Freqüência anual de diárias de UTI Gráfico 143 Freqüência mensal de diárias de UTI 2000 Gráfico 144 Gasto anual com diárias de UTI Gráfico 145 Gasto mensal com diárias de UTI 2000 Gráfico 146 Leitos de UTI credenciados ao SUS Gráfico 147 Leitos de UTI credenciados ao SUS por mês

49 Lista de siglas AIDS... Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AIH... Autorização de Internação Hospitalar CACON... Centro de Alta Complexidade em Oncologia FAEC... Fundo de Ações Estratégicas e de Compensação FIDEPS... Fator de Incentivo ao Desenvolvimento do Ensino e Pesquisa em Saúde FIPE... Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo MS... Ministério da Saúde OPM... Órteses, Próteses e Materiais Especiais PAB... Piso de Atenção Básica RN... Recém-nato SIA... Sistema de Informações Ambulatoriais SIH... Sistema de Informações Hospitalares SNT... Sistema Nacional de Transplantes UF... Unidade da Federação UTI... Unidade de Terapia Intensiva 499

50

51

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos.

5.4 Transplantes. 1 Rim. Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 5.4 Transplantes Os dados dos transplantes serão analisados por grupos de órgãos. 1 Rim Entre 1995 e 2001, o número de transplantes renais realizados anualmente cresceu cerca de 66,7% no país (TABELA 150).

Leia mais

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE Indicadores de cobertura NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE 1. Conceituação x Número médio de consultas médicas apresentadas no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço

Leia mais

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades

Apresentação. A AMIB (Associação de Medicina Intensiva. Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa. apresentar uma visão do cenário das Unidades Apresentação A AMIB (Associação de Medicina Intensiva Brasileira) elaborou o primeiro estudo que visa apresentar uma visão do cenário das Unidades de Terapias Intensivas (UTI) no país. Objetivos Elaborar

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-0852 - 3566-4862

Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-0852 - 3566-4862 Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-852 - 3566-4862 Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-852 - 3566-4862 *REDUÇÃO DE CARÊNCIA GRUPO DE BENEFÍCIOS CARÊNCIA CONTRATUAL 413 128 129 398 Carência - consulta

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

Nomenclatura dos Produtos

Nomenclatura dos Produtos Nomenclatura dos Produtos Características Cobertura Global Abrange Consultas Médicas, Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia, Atendimentos Ambulatoriais, Internações Hospitalares e Parto. Cobertura

Leia mais

Em Busca da Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar no Brasil

Em Busca da Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar no Brasil Banco Mundial Programa de Pesquisas Em Busca da Excelência: Fortalecendo o Desempenho Hospitalar no Brasil ESTUDO DE RASTREAMENTO DO GASTO PÚBLICO EM SAÚDE (PETS) - ANEXOS I (INSTRUMENTOS DE COLETA) Bernard

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS AUTORIZAÇÕES DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES - AIH'S Este manual tem por objetivo capacitar os servidores das Unidades

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 22 Dispõe sobre a criação de mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso.

Leia mais

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) :

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) : PORTARIA N º 3.410, de 5 de agosto de 1998. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a) a necessidade de incentivar as atividades de busca de doadores de órgãos;

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras MODALIDADE DO PLANO LICITADO E COBERTURAS O Plano licitado é o Ambulatorial Hospitalar com Obstetrícia Coletivo Empresarial, com atendimento em Rede Própria

Leia mais

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. MINISTÉRIO DA SAÚDE Discussão sobre a Regulamentação da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009. Organizadores: Comissão de Educação, Cultura e Esporte e Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal.

Leia mais

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190)

TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ANEXO I TETO PARA CASAS DE APOIO - (PORTARIA 2190) ESTADOS TETO PARA CASAS DE APOIO ACRE 40.000,00 ALAGOAS 105.000,00 AMAPA 57.000,00 AMAZONAS 150.000,00 BAHIA 555.000,00 CEARÁ 320.000,00 DISTRITO FEDERAL

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012 Circular 595/2012 São Paulo, 17 de dezembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira,

Leia mais

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 JUNHO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia é definida como a especialidade médica que utiliza radiação ionizante para tratar e

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar

Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar ARIQUEZA ariqueza@gmail.com (11) 3461-9066 Referência: October/2015 - Taxa de Inscrição: 20,00 Individual Faixa Etária PREMIUM (Standard) PLATINUM (Standard)

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

Financiamento da saúde

Financiamento da saúde Financiamento da saúde Sessão de debates temáticos no Senado Federal Senado Federal 19 de setembro de 2013 O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 ORGAO : 36000 - MINISTERIO DA SAUDE UNIDADE : 36211 - FUNDACAO NACIONAL DE SAUDE ANEXO I CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 E G R M I F FUNC.

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010 Contas Regionais do Brasil 2010 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 28,1 Indústria extrativa 3,0 Indústrias de transformação 16,2 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais

Universidade de Brasília Hospital Universitário de Brasília

Universidade de Brasília Hospital Universitário de Brasília HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - HUB PLANO OPERATIVO ANUAL Este Plano Operativo trata de ações para o período de a 2010, contextualizado nas diretrizes do SUS e da política para a contratualização

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DE SANTO ANDRÉ ANEXO I EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N 008/2014 PARA CREDENCIAMENTO DE HOSPITAIS E CLÍNICAS HABILITADOS PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ALTA COMPLEXIDADE, ASSIM COMPREENDIDOS OS CENTROS DE INFUSÃO DE IMUNOBIOLÓGICOS;

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando:

O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: PORTARIA Nº 1.091/MS/GM, DE DE 25 DE AGOSTO DE 1999 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: - a necessidade de organização da assistência neonatal, para assegurar melhor

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015

Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015 Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015 Prof Dr Marcos Felipe Silva de Sá Superintendente do HCFMRP-USP Fevereiro/2014 HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE

Leia mais

Seguro Saúde. Coletivo Empresarial

Seguro Saúde. Coletivo Empresarial Seguro Saúde Produto 930 Ambulatorial e Hospitalar com Obstetrícia Condições Gerais ANS - Nº 000043 0068.0146.0197 Índice Condições Gerais do Contrato de Seguro Saúde Produto 930 Modalidade Ambulatorial

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999

MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e: Considerando as disposições da Lei

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013.

PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM. Santa Maria, 06 de Junho de 2013. PROPOSTA DE PLANO DE SAÚDE ASSUFSM Santa Maria, 06 de Junho de 2013. INTRODUÇÃO Trata-se de uma proposta de Plano de Saúde no sistema de pré-pagamento para atender os associados da ASSUFSM de Santa Maria/RS,

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR INDICADOR: F.2 NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR CONSULTA MÉDICA (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia clínica ou de imagenologia por consulta médica, apresentados

Leia mais

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Brasília DF Abril/2015 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Previdência (MPS), por intermédio da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (DATAPREV),

Leia mais

Criminalidade no Brasil

Criminalidade no Brasil Criminalidade no Brasil Instituto Avante Brasil Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Coordenação e elaboração de pesquisa: Flávia Mestriner Botelho De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto

Leia mais

PREZADO REFERENCIADO. Esta mensagem traduz formalmente a nossa satisfação pelo seu ingresso na Rede Referenciada Golden Cross.

PREZADO REFERENCIADO. Esta mensagem traduz formalmente a nossa satisfação pelo seu ingresso na Rede Referenciada Golden Cross. PREZADO REFERENCIADO Esta mensagem traduz formalmente a nossa satisfação pelo seu ingresso na Rede Referenciada Golden Cross. Com o plano médico-hospitalar, nossa parceria será desenvolvida de forma simplificada,

Leia mais

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Manual Identidade Visual CFC - CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Partindo da figura da engrenagem, presente na logo atual do CFC, o novo logo desenvolvido mantém uma relação com o passado da instituição, porém com um olhar no presente e no futuro, na evolução e ascensão

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO. QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO PLANO... 3 2.. Objetivo... 3 2.2. Nome comercial

Leia mais

Para a REDEBLH, o futuro é agora

Para a REDEBLH, o futuro é agora Para a REDEBLH, o futuro é agora Planejamento Estratégico Paulo Ricardo da Silva Maia FIOCRUZ/IFF/REDEBLH pmaia@fiocruz.br Set-2011 O quadro Fonte: Vincent Van Gogh Gallery A Foto Primeira foto colorida.

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos 2013 Ano XIX Nº 4 Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2006-2013) A doação

Leia mais

Casal; Pai e *filho(a); Mãe e *filho(a)

Casal; Pai e *filho(a); Mãe e *filho(a) Planos BLUE MED (Um produto Alvorecer) - AGOSTO 2014 - Taxa de Inscrição: R$ 20,00 Por Contrato Casal; Pai e *filho(a); Mãe e *filho(a) PREMIUM STANDARD PREMIUM EXECUTIVO PLATINUM STANDARD PLATINUM EXECUTIVO

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 Ministério da Saú Secretaria Atenção à Saú PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 O Secretário Atenção à Saú, no uso suas atribuições, Consirando a Lei Nº 9.434, 04 fevereiro 1997, que dispõe sobre

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Texto completo: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2010/prt0078_23_02_2010.html

Texto completo: http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2010/prt0078_23_02_2010.html PORTARIAS SAS/MS PUBLICADAS EM FEVEREIRO /2010 Responsável técnico: Blenda Pereira Núcleo Direito Sanitário Fonte: Portal Ministério da Saúde www.saude.gov.br PRT-79 http:// bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2010/prt0079_25_02_2010.html

Leia mais

Manual Específico Unimed-Rio - TISS

Manual Específico Unimed-Rio - TISS UNIME D-RIO Manual Específico Unimed-Rio - TISS Área de Relacionamento com Hospitais Rio 2 PADRONIZAÇÃO DOS NOVOS FORMULÁRIOS QUE SERÃO UTILIZADOS PELOS PRESTADORES PARA ENVIO PARA A UNIMED-RIO. Estes documentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL. Nota técnica: Portaria SAS 718 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE BUCAL Nota técnica: Portaria SAS 718 Diante da necessidade de revisão e atualização dos procedimentos

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maio 2011 I Simpósio Internacional Norte/Nordeste de Estomaterapia

Leia mais

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA ASSISTÊNCIA JULHO/2013 REDE DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Aumento da Rede credenciada MÊS DE REFERÊNCIA Dez/11 Dez/12 CLINICA 508 653 CLINICA ODONTOLÓGICA 42 41 HOSPITAL 161

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB Inep/MEC Reynaldo Fernandes Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP O IDEB IDEB = j N j P j Indicador sintético que combina informações de desempenho

Leia mais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais

Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Incentivo às Ações de Vigilância, Prevenção e Controle das DST, Aids e Hepatites Virais Departamento DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde www.aids.gov.br Maio/2014

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES Teresina/2009 SUMÁRIO PAG I Objetivo do manual... 03 II - Orientações Gerais... 04 III - Anexo I Procedimentos que necessitam de autorização prévia... 08 IV

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA outubro a dezembro / 2010 / n 4 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Este quarto boletim de 2010 apresenta os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO OBJETIVOS DAS NOBs a)promover integração entre as esferas de governo definindo responsabilidades na consolidação do SUS; b)operacionalizar

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde. Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio

Secretaria de Estado da Saúde. Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio Secretaria de Estado da Saúde Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio SUMÁRIO Introdução 03 O que é Tratamento Fora de Domicílio - TFD? 04 O que este programa oferece? 04 Quando o TFD

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão e da Regulação do Trabalho em Saúde INDICADORES DE GESTÃO DO TRABALHO EM SAÚDE Material de apoio para

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400

CREDITO SUPLEMENTAR E G R M I F FUNC PROGRAMATICA PROGRAMA/ACAO/SUBTITULO/PRODUTO S N P O U T VALOR F D D E 0083 PREVIDENCIA SOCIAL BASICA 48553400 ORGAO : 33000 - MINISTERIO DA PREVIDENCIA SOCIAL UNIDADE : 33201 - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ANEXO CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,

Leia mais

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM

PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Legislações - GM Sex, 12 de Julho de 2013 00:00 PORTARIA Nº 1.366, DE 8 DE JULHO DE 2013 Estabelece a organização dos Centros de Trauma, estabelecimentos de saúde

Leia mais

TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG

TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG Debate: o reajuste da Tabela SUS aplicável aos hospitais filantrópicos 31 de março de 2015 TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG Cons. Fábio Augusto Guerra CRMMG A Portaria nº 321/GM, de 8 de fevereiro de

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017 1. Analise dos pontos críticos em 2015 2. Estabelecimento de Plano de Ação por área Metas Institucionais 3. Levantamento das necessidades Metas Institucionais definidas:

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Alterações em relação à última versão SETEMBRO_2010 estão marcadas em ROXO.

Alterações em relação à última versão SETEMBRO_2010 estão marcadas em ROXO. - M I N I S T É R I O D A S A Ú D E S E C R E T A R I A D E A T E N Ç Ã O À S A Ú D E D E P A R T A M E N T O D E R E G U L A Ç Ã O, A V A L I A Ç Ã O E C O N T R O L E C O O R D E N A Ç Ã O G E R A L

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro FEVEREIRO DE 2014 BRASIL O saldo líquido de empregos formais em fevereiro deste ano foi de 260.823 em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados

Leia mais