Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática"

Transcrição

1 CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação de Ensino Médio, mais especificamente os Cursos Técnicos Profissionalizantes direcionados para a área de Informática. Utilizam-se bases de dados fornecidas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais do Ministério da Educação (INEP/MEC), referentes ao período 2004 a Conforme o Decreto 5.154/2004, a articulação entre Educação Profissional Técnica de Nível Médio e o Ensino Médio poderá ocorrer nas seguintes formas: Integrada: cada aluno realiza uma única matrícula, inscrevendo-se simultaneamente no ensino médio e na educação profissional. O curso integrado é oferecido por uma mesma instituição de ensino; Concomitante: o aluno realiza matrículas separadas para os cursos de educação profissional e de ensino médio. Os cursos são realizados de modo simultâneo, não necessariamente na mesma instituição de ensino; Subsequente: a Educação Profissional Técnica ocorre após a finalização do Ensino Médio. Em virtude de alterações na organização dos cursos pelo MEC, há variações importantes nas nomenclaturas utilizadas. Nos anos 2004 a 2008, os cursos foram organizados considerando-se a lógica das áreas profissionais. Com a Resolução CNE/CEB (Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica) 11/2008, criaram-se eixos tecnológicos, tendo como lógica o conhecimento e a inovação tecnológica. Essa mudança explica a redução significativa na quantidade de áreas de cursos apresentadas no Quadro 9.1. O quadro apresenta as áreas de cursos de nível médio-profissionalizantes, oferecidas pelas instituições de ensino nas formas integrada, concomitante ou subsequente, enquadradas pelo Observatório SOFTEX na categoria Informática. Na seção Notas Metodológicas, são fornecidas informações adicionais sobre a metodologia de classificação de cursos de nível médio-profissionalizantes adotada pelo MEC. 200 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

2 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Quadro Mapa das áreas de cursos técnicos profissinalizantes de nível médio enquadradas pelo Observatório SOFTEX na categoria Informática Brasil, período e período Período Áreas de cursos código e título Administração de redes de computadores; Computação gráfi ca CTI - desenvolvimento de sistema; CTI - desenvolvimento de software; CTI - suporte ao usuário; Desenvolvimento de programas; Desenvolvimento de sistemas; Desenvolvimento de software; Editoração eletrônica e web design; Gerência de redes de computadores; Hardware e cabeamento de redes; Informática; Informática - configuração de redes; Informática - editoração; Informática - programação comercial; Informática com ênfase em automação; Informática com habilitação em programação; Informática empresarial; Informática ênfase web design; Informática industrial; Manutenção de componentes periféricos; Manutenção de controles automáticos; Manutenção de equipamentos de informática; Manutenção e programação de microcomputadores; Operação e manutenção de microcomputadores; Processamento de dados; Programação de computadores; Projeto e administração de redes; Redes de computação; Sistema de Internet e intranet; Sistemas de informação; Web design e web developer Técnico em informática; Técnico em informática para a Internet; Técnico em manutenção e suporte em informática; Técnico em programação de jogos digitais; Técnico em redes de computadores Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de seleção própria, considerando catálogo de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio do INEP/MEC. Número de Cursos Em 2010, existiam cursos técnicos profissionalizantes na área de Informática sendo ofertados por instituições de ensino de nível médio. A quantidade de cursos variou ao longo dos anos. Após um período de queda na oferta, percebe-se crescimento a partir de Para o período 2004 a 2010, a taxa média de crescimento do número de cursos foi de 3,7% a.a. (Figura 9.1). Figura Número de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática Brasil, período Taxa média de crescimento (período 2004 a 2010): 3,7% ao ano Aumenta de modo expressivo a participação de cursos ofertados por instituições públicas. Como mostrado na Figura 9.2, em 2004, a participação dos cursos públicos era de apenas 24,2% do total. Em 2010, chegou a 40,0%..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 201

3 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Esse aumento da participação dos cursos públicos no total deve-se, em grande parte, ao crescimento muito expressivo da oferta (média de 12,7% a.a.). Ocorre, também, em virtude da redução do número de cursos oferecidos pelas instituições de ensino privadas (-0,3% a.a.). O comportamento inverso das curvas é indício de que a ampliação da atuação pública no ensino médio profissionalizante inibiu a presença das instituições de ensino privadas. Figura Número de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática, considerando categoria administrativa da instituição de ensino ofertante Brasil, período Privada Pública (75,8%) (60,0%) (24,2%) (40,0%) O crescimento da oferta de cursos técnicos profissionalizantes na área de informática aconteceu, sobretudo, em unidades da federação com vocação recente ou ainda incipiente para as atividades de software e serviços de TI. Destaque especial para Mato Grosso, com média de crescimento do número de cursos, para o período 2004 a 2010, de 50,6% ao ano, Ceará (46,8% a.a.), Piauí (38,3% a.a.) e Roraima (34,8% a.a.) (Tabela 9.1). Em três das seis UFs com presença acentuada da IBSS São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, verificou-se redução da oferta de cursos técnicos. Em São Paulo, a média foi de -2,5% a.a.; no Rio de Janeiro, -5,2% a.a.; e no Rio Grande do Sul, -0,8% a.a. 202 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

4 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Tabela Número de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática, considerando Unidade da Federação de localização da instituição de ensino ofertante Brasil, período Unidade da Federação Tx. Méd. Cr Acre Alagoas Amapá ,2% a.a. Amazonas ,9% a.a. Bahia ,1% a.a. Ceará ,8% a.a. Distrito Federal ,3% a.a. Espírito Santo ,5% a.a. Goiás ,0% a.a. Maranhão ,2% a.a. Mato Grosso ,6% a.a. Mato Grosso do Sul Minas Gerais ,3% a.a. Pará ,8% a.a. Paraíba ,3% a.a. Paraná ,9% a.a. Pernambuco ,7% a.a. Piauí ,3% a.a. Rio de Janeiro ,2% a.a. Rio Grande do Norte ,4% a.a. Rio Grande do Sul ,8% a.a. Rondônia Roraima ,8% a.a. Santa Catarina ,3% a.a. São Paulo ,5% a.a. Sergipe ,2% a.a. Tocantins TOTAL ,7% a.a. Em decorrência da expansão da oferta de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio em nível territorial, a participação das instituições de ensino localizadas na Região Sudeste na quantidade total de cursos oferecidos reduz-se de 72,5%, em 2004, para 54,2%, em 2010 (Figura 9.3).::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 203

5 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Figura Distribuição percentual do número de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática, considerando Região de localização da instituição de ensino ofertante Brasil, anos 2004 e 2010 Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 2,4% 2,1% 6,1% 5,7% 5,7% 16,9% 21,0% 13,5% 72,5% 54,2% cursos cursos Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do INEP/MEC, anos 2004 e Número de Matrículas O número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes para a área de Informática também cresce no período. Em 2004, registraram-se matrículas Em 2010, O crescimento do número de matrículas não é constante. Verifica-se uma retração importante no período 2005 a 2007, compensada de 2008 em diante (Figura 9.4). Figura Número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática Brasil, período Taxa média de crescimento (período 2004 a 2010): 8,3% ao ano Na Figura 9.5, apresentam-se as taxas de crescimento do número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio para a área de Informática. A quantidade de matrículas cresce a taxas variáveis, com valores negativos para o início da série 2004 a Para o período como um todo, o crescimento médio do número de matrículas (8,3% a.a.) foi superior ao registrado para o número de cursos (3,7% a.a.). 204 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

6 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Figura Taxas de crescimento do número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática Brasil, período ,2% 16,2% 18,5% 9,9% -3,1% -10,0% Ao longo do período 2004 a 2010, e seguindo tendência já verificada para o número de cursos, as matrículas encontram-se cada vez mais concentradas nas instituições públicas de ensino. Em 2004, elas foram responsáveis por 32,0% do total de matriculados. Em 2010, a sua participação chegou a 65,9%, um avanço significativo (Figura 9.6). Figura Número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática, considerando categoria administrativa Brasil, período Privado Público (65,9%) (68,0%) (32,0%) (34,1%).::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 205

7 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática O crescimento médio do número de matrículas em instituições privadas de ensino foi negativo (-3,5% a.a.). Nas instituições públicas, elas cresceram, em média, 22,2% a.a. A maioria dos cursos públicos é ofertada por instituições de ensino estaduais (Figura 9.7). Tx. Méd. Cr. Matrículas Figura Número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área instituições públicas de Informática, considerando tipos de instituição pública de ensino Brasil, período Estadual: 22,6% a.a. Estadual Federal Municipal Federal: 23,6% a.a. Municipal: 14,3% a.a Total: 22,2% a.a Como resultado da tendência verificada ao longo do período 2004 a 2010 de expansão da oferta de cursos profissionalizantes pelo território nacional, alcançando unidades da federação que não dispunham, ainda, de cursos técnicos profissionalizantes, observa-se que o aumento das matrículas ocorreu, sobretudo, nas regiões com vocação incipiente para atividades de software e serviços de TI. Nas UFs em que as atividades de software e serviços de TI já tinham presença forte, o crescimento das matrículas foi relativamente baixo. No Estado do Rio de Janeiro observa-se, inclusive, queda significativa do número de matriculados (média de -7,7% a.a.) (Tabela 9.2). 206 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

8 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Tabela Número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática, considerando Unidade da Federação de localização da instituição de ensino ofertante Brasil, período Unidade da Federação Tx. Méd. Cr Acre Alagoas Amapá ,9% a.a. Amazonas ,5% a.a. Bahia ,0% a.a. Ceará ,3% a.a. Distrito Federal ,1% a.a. Espírito Santo ,1% a.a. Goiás ,3% a.a. Maranhão ,1% a.a. Mato Grosso ,5% a.a. Mato Grosso do Sul Minas Gerais ,4% a.a. Pará ,6% a.a. Paraíba ,7% a.a. Paraná ,2% a.a. Pernambuco ,0% a.a. Piauí ,4% a.a. Rio de Janeiro ,7% a.a. Rio Grande do Norte ,6% a.a. Rio Grande do Sul ,3% a.a. Rondônia Roraima ,9% a.a. Santa Catarina ,3% a.a. São Paulo ,5% a.a. Sergipe ,9% a.a. Tocantins TOTAL ,3% a.a. Média de Matrículas por Curso Ao longo do período 2004 a 2010, há crescimento na média de matrículas por curso. Em 2004, a média era de 82,0. A partir de 2007, quando justamente se observa aumento significativo na oferta, a média cresce continuamente, chegando em 2010 a 106,4 (Figura 9.8). O aumento na média de matrículas por curso ocorre nas instituições de ensino públicas. Nas instituições privadas, ela oscila no período, mostrando-se, em todos os anos, inferior à verificada para a oferta da rede pública..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 207

9 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Figura Média de matrículas por curso técnico profissionalizante de nível médio na área de Informática, considerando categoria administrativa da instituição de ensino ofertante Brasil, período Privado Público Total 175,2 108,2 106,3 82,0 78,9 73,6 68,7 90,6 68,3 58,2 128,5 126,2 127,8 100,1 103,6 106,4 93,1 78,6 79,4 70,7 60,6 Número de Egressos O número de egressos de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática oscilou, durante o período 2004 a 2010, acompanhando com um certo atraso as variações verificadas no número de matriculados. A partir de 2007, a base INEP deixa de incluir o número de egressos, motivo por que os dados apurados referem-se apenas ao período 2004 a 2006 (Figura 9.9). Considerando a tendência verificada no número de matriculados, o Observatório SOFTEX estima que, durante o período 2004 a 2010, a taxa média de crescimento de egressos foi de -2,9% a.a. No entanto, após período de queda, a quantidade de egressos deverá voltar a crescer. As medidas recentes anunciadas pelo governo federal de incentivar a abertura de novos cursos técnicos e ofertar bolsas de estudos para alunos de nível médio, tal como já é feito para alunos de graduação, irá também, em médio prazo, contribuir para o crescimento de matrículas e egressos. Figura Número de egressos de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática Brasil, período e estimativas para o período Dados apurados Dados estimados Taxa média de crescimento (período 2004 a 2010): -2,9% ao ano Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do INEP/MEC, anos 2004 a Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

10 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Na Tabela 9.3, compara-se o número de egressos de cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática com o número de profissionais assalariados em ocupações relacionadas às atividades de software e serviços de TI (PROFSSs) que possui nível médio de escolaridade. Observa-se que, ao longo dos anos, a tendência foi de queda do total de egressos em relação ao número de PROFSSs com nível médio, com perspectivas de recuperação em anos recentes. Em 2004, a relação egressos/profsss de nível médio era de 16,4% e, em 2010, de 10,7%. No período 2004 a 2010, a taxa média de crescimento do número de egressos foi de -2,9% ao ano. Para o mesmo período, a taxa de crescimento de PROFSSs com perfil de nível médio foi de 4,3% a.a. É possível que este crescimento relativamente baixo seja um resultado da queda da oferta de técnicos de nível médio. Tabela Número de egressos em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática e número de PROFSSs com nível de escolaridade médio completo Brasil, período Ano Egressos cursos técnicos 1 (A) PROFSSs com nível de escolaridade médio completo 2 (B) (A)/(B) ,4% ,7% ,0% ,8% ,1% ,0% ,7% (1) Dados estimados para o período 2007 a (2) Inclui PROFSSs empregados na IBSS (Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI) ou em empresas da NIBSS (Não-IBSS), com nível de escolaridade médio completo ou superior incompleto. Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do INEP/MEC e da RAIS/MTE, anos diversos. Tx. Méd. Cr Egressos cursos profi ssionalizantes: -2,9% a.a. PROFSSs médio completo: 4,3% a.a. Considerações Finais Na Tabela 9.4, apresentam-se os principais indicadores referentes aos cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática. Tabela Principais indicadores referentes aos cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática Brasil, período Número de cursos Número de matriculas Número de egressos Média matrículas por curso 82,0 78,9 68,3 93,1 100,1 103,6 106,4 (1) Dados estimados para o período Em nível regional, observa-se uma relativa adequação entre o total de matrículas em cursos técnicos em Informática e a quantidade de PROFSSs com nível de escolaridade médio completo (Figura 9.10). Os dados apresentados na figura referem-se a ::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 209

11 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Figura Matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de Informática e PROFSSs com nível de escolaridade médio completo, considerando Região de localização da instituição de ensino ofertante Brasil, 2010 Norte Matrículas: PROFSSs médio completo: Nordeste Matrículas: PROFSSs médio completo: Distribuição de matrículas Cursos técnicos profissionalizantes de nível médio Informática Total 2010: Sul 17,9% Distribuição de PROFSSs Escolaridade médio completo Total 2010: Sul 15,3% Centro-Oeste Matrículas: PROFSSs médio completo: Sudeste Matrículas: PROFSSs médio completo: Sudeste 51,6% Nordeste 18,1% Centro-Oeste 5,5% Norte 6,9% Sudeste 54,9% Nordeste 18,1% Centro-Oeste 7,1% Norte 4,6% Sul Matrículas: PROFSSs médio completo: Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do INEP/MEC e da RAIS/MTE, A existência de certo ajuste entre oferta e demanda de capital humano com perfil técnico em nível regional não garante uma distribuição razoável em nível estadual ou municipal. Como será discutido na Parte 6 desta Publicação, a demanda por PROFSSs encontra-se fortemente concentrada em algumas poucas UFs e, em geral, em alguns poucos municípios de cada UF, destacando-se entre eles a Capital da UF. A oferta de cursos técnicos profissionalizantes, no entanto, tende a se distribuir pelo território nacional, privilegiando muitas vezes UFs e municípios com vocação ainda incipiente para as atividades de software e serviços de TI. De fato, observando-se cada UF separadamente, percebem-se variações importantes na relação entre o número de matriculados em cursos de nível técnico profissionalizante para a área de Informática e a quantidade de PROFSSs com nível de escolaridade médio completo. Considerando-se dados de 2010, o valor mínimo ocorre no Distrito Federal (23,3%) e o máximo no Piauí (213,3%). A média no ano é de 58% (Tabela 9.5). 210 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

12 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI Tabela Número de matrículas em cursos técnicos profissionais de nível médio na área de Informática e número de PROFSSs com nível de escolaridade médio completo, considerando Unidade da Federação de localização da instituição de ensino ofertante Brasil, 2010 Unidade da Federação Matriculados cursos técnicos (A) PROFSS com nível de escolaridade médio completo (B) (A)/(B) Acre ,0% Alagoas ,1% Amapá ,6% Amazonas ,9% Bahia ,3% Ceará ,8% Distrito Federal ,3% Espírito Santo ,0% Goiás ,0% Maranhão ,5% Mato Grosso ,4% Mato Grosso do Sul ,9% Minas Gerais ,8% Pará ,7% Paraíba ,8% Paraná ,5% Pernambuco ,0% Piauí ,3% Rio de Janeiro ,3% Rio Grande do Norte ,9% Rio Grande do Sul ,9% Rondônia ,2% Roraima ,0% Santa Catarina ,3% São Paulo ,7% Sergipe ,2% Tocantins ,9% TOTAL ,0% Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados do INEP/MEC e da RAIS/MTE, Na Figura 9.11, considerando-se o período 2004 a 2008, mostra-se o percentual de matriculados em cursos técnicos em Informática localizados na Capital de UFs selecionadas em relação ao total de matriculados nestas UFs. As UFs selecionadas são aquelas que concentram parte significativa das atividades de software e serviços de TI realizadas no país: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Parcela elevada destas atividades concentra-se em suas capitais. No geral, apenas algo em torno de 20% do número total de matrículas refere-se a cursos oferecidos na Capital. Rio de Janeiro (com 51,0% das matrículas do Estado) e Florianópolis (com apenas 3,4% delas) são exceções..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 211

13 Capítulo 9.::.:.: Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Figura Número de matrículas em cursos técnicos profissionalizantes de nível médio na área de informática, considerando localização da instituição de ensino ofertante UFs e municípios selecionados, período São Paulo (Capital) São Paulo Rio de Janeiro (Capital) Rio de Janeiro % 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Belo Horizonte Minas Gerais Curitiba Paraná % 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Florianópolis Santa Catarina Porto Alegre Rio Grande do Sul % 20% 40% 60% 80% 100% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Junto com a questão da localização dos cursos técnicos, deve-se, também, refletir sobre as tendências das curvas de oferta e procura de profissionais com perfil de nível técnico. A demanda por PROFSSs com nível médio de escolaridade, para desempenhar funções do tipo NT (ou seja, funções a serem desempenhadas por técnicos e operadores), vem sofrendo queda ao longo dos anos. Esse é um fato observado tanto na IBSS como em empresas fora da IBSS (na NIBSS) que mantêm atividades internas de software e serviços de TI. Em sentido inverso, em médio prazo, o país deverá formar uma quantidade maior de técnicos e operadores. Um dos motivos do crescimento da oferta de pessoal com perfil NT tem a ver com a estratégia anunciada pelo governo federal. Se assegurada a qualidade do ensino técnico, o aumento da oferta poderá ter impacto importante no mercado de trabalho para profissionais de TI. Poderá reduzir os custos de contratação, minimizar a escassez de mão de obra e reverter a tendên- 212 Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva :..::.

14 Parte 3.:..:::.. Capacitação e Competências para o Setor de Software e Serviços de TI cia de uso de profissionais de nível superior em atividades que poderiam, em princípio, ser realizadas com sucesso por bons técnicos. Poderá, também, afetar de modo positivo o ensino de nível superior em computação e informática, contribuindo para que uma parcela maior de alunos chegue às universidades com uma bagagem prévia de competências e habilidades na área. No entanto, mesmo considerando a importância da formação de pessoas com perfil NT, deve-se ter em mente que, para assegurar um lugar de destaque para a indústria nacional de software e serviços de TI em cenário global, será preciso formar capital humano capaz de tratar questões de maior complexidade, envolvendo alto conteúdo tecnológico. Assim, é de se esperar que profissionais com perfil de nível superior (analistas de sistemas computacionais; administradores de redes, sistemas e bancos de dados; engenheiros em computação) e gerencial (diretores e gerentes de TI) sejam cada vez mais demandados por empresas da IBSS e da NIBSS..::..: Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva 213

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Serviços de informática no contexto TIC Serviços de informática Setor TI Setor TIC Software Serviços TI Hardware

Leia mais

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 7.938 0,37 0 0,00-7.938 0,37

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DAPARAÍBA

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES COM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Políticas de Educação de Jovens e

Políticas de Educação de Jovens e Ministério da Educação Políticas de Educação de Jovens e Adultos Junho de 2011 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Documentos de Referência Legislação Constituição

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB. Inep/MEC Reynaldo Fernandes. Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP Índice de Desenvolvimento da Educação Básica IDEB Inep/MEC Reynaldo Fernandes Presidente do Inep/MEC e Professor da FEA-RP/USP O IDEB IDEB = j N j P j Indicador sintético que combina informações de desempenho

Leia mais

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007

PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 PIB DO ESTADO DE RONDÔNIA 2007 Para o ano de 2007, o Produto Interno Bruto PIB do Estado de Rondônia apresentou um crescimento de 5,2% em relação ao ano anterior, ficando assim com 16ª a colocação no ranking

Leia mais

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e

Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e ERRATA A página 19 foi substituída pela página abaixo: Quadro de servidores públicos municipais 1999-2002 Nos últimos 20 anos, o País vem se redemocratizando e passando por uma redistribuição de poderes

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014

CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME 2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORIA DE INFORMAÇÃO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EDUCACIONAL CENSO ESCOLAR ESTADO DE SÃO PAULO INFORME Governador do Estado de São

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Programa de Educação em TI. Outubro, 2012

Programa de Educação em TI. Outubro, 2012 Programa de Educação em TI Outubro, 2012 Cenário de formação de recursos humanos Alta evasão Apenas 15% dos inscritos concluem os cursos Queda da relação candidatos/vagas Censo 2008 89,4% dos cursos estão

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR Requeremos, nos termos do art. 93, Inciso II, do Regimento Interno do Senado Federal, ouvido o Plenário, a realização de Audiência Pública Conjunta das Comissões de Desenvolvimento

Leia mais

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI 1 ASSOCIAÇÃO PARA PROMOÇÃO

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro FEVEREIRO DE 2014 BRASIL O saldo líquido de empregos formais em fevereiro deste ano foi de 260.823 em todo o país, segundo o Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2010 Contas Regionais do Brasil 2010 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 28,1 Indústria extrativa 3,0 Indústrias de transformação 16,2 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 JUNHO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 JUNHO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários,

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Cobertura Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

Software e Serviços de TI:

Software e Serviços de TI: Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Fumsoft, BH, 31/07/2012 Sumário Sobre a SOFTEX Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) Software e Serviços

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos

Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Acidentes de Trabalho com Consequência óbitos Brasília DF Abril/2015 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Previdência (MPS), por intermédio da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (DATAPREV),

Leia mais

Pronatec Senac Online

Pronatec Senac Online Pronatec Senac Online Introdução 3ª edição Nesta terceira edição, serão apresentados os dados do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) referentes ao mês de março de 2013. Esses

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL

DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Seminário sobre Educação Superior e Envelhecimento Populacional no Brasil MEC - SESU/CAPES DIFERENCIAIS SOCIODEMOGRÁFICOS ENTRE OS IDOSOS NO BRASIL Maria Isabel Parahyba Coordenação de População e Indicadores

Leia mais

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH

Serviço social. Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Indicadores das Graduações em Saúde Estação de Trabalho IMS/UERJ do ObservaRH Serviço social Os cursos de graduação presenciais de Serviço Social no Brasil surgem na segunda metade dos anos 30, em um contexto

Leia mais

Educação. Exclusão intraescolar nas escolas públicas brasileiras: um estudo com dados da prova Brasil 2005, 2007 e 2009.

Educação. Exclusão intraescolar nas escolas públicas brasileiras: um estudo com dados da prova Brasil 2005, 2007 e 2009. SÉRIE Debates ED Nº 04 Abril de 2012 ISSN 2236-2843 Exclusão intraescolar nas escolas públicas brasileiras: um estudo com dados da prova Brasil 2005, 2007 e 2009 José Francisco Soares Izabel Costa da Fonseca

Leia mais

Por que boa parte dos graduados em TI não atende à demanda das empresas por profissionais? CIBSS 2012 Itupeva, 25/10/2012 As faces da escassez I Foco: QUANTIDADE. Solução: formar mais gente. Questão: Podemos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros?

Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Como está a desigualdade de gênero entre os estados brasileiros? Luísa Cardoso 1 Medir de forma multidimensional o quão desigual é a situação das mulheres em relação aos homens é uma iniciativa empreendida

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS

ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS ALTERAÇÕES NA SISTEMÁTICA DE COBRANÇA DO ICMS LEGISLAÇÕES Emenda Constitucional 87/2015-17 de Abril de 2015; Lei nº 15.856/2015-03 de Julho de 2015; Convênio de ICMS 93/2015-21 de Setembro de 2015; Decreto

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil

Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Panorama da Educação em Enfermagem no Brasil Rede ABEn de Pesquisa em Educação em Enfermagem GT EDUCAÇÃO 2012 Portaria Nº 17/2012 Realizar a Pesquisa Panorama da Formação em Enfermagem no Brasil no período

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 17 UMA COMPARAÇÃO DA COBERTURA PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE DOCUMENTO BASE OFICINAS PEDAGÓGICAS: SAÚDE E MEIO AMBIENTE NA EDUCAÇÃO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE DOCUMENTO BASE OFICINAS PEDAGÓGICAS: SAÚDE E MEIO AMBIENTE NA EDUCAÇÃO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE DOCUMENTO BASE OFICINAS PEDAGÓGICAS: SAÚDE E MEIO AMBIENTE NA EDUCAÇÃO Apresentação A Olimpíada Brasileira de Saúde e Meio Ambiente (OBSMA), criada em 2001,

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Motivos da Evasão Escolar

Motivos da Evasão Escolar 1 Motivos da Evasão Escolar APÊNDICE 1. Ranking de Motivos da Evasão Escolar... 61 1.1 Faixa Etária: anos... 61 a. Unidades da Federação... 61 b. Macro-Regiões... 62 c. Regiões Metropolitanas... 62 1.2

Leia mais

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6

7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 7(&12/2*,$'$,1)250$d 2'(),1,d 2 5(35(6(17$7,9,'$'((7(1'Ç1&,$6 O setor de tecnologia da informação está incluído, de forma mais agregada, nas atividades de serviços prestados às empresas, segundo a &ODVVLILFDomR1DFLRQDOGH$WLYLGDGHV

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Nº de Famílias Beneficiadas pelo Bolsa Família em Relação ao Total de Famílias do Nº de Famílias Beneficiadas / Total de Famílias - ano 2015 (%) 50,00% 48,2% 42,8% Média Nacional - % de Famílias Beneficiadas

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal Foco Educação Brasília, 18 de junho de 2013 Uma visão de futuro: Mapa Estratégico da Indústria COMPETITIVIDADE COM SUSTENTABILIDADE AMBIENTE

Leia mais

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados

Nº 56 Março 2013. Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados Nº 56 Março 2013 Desequilíbrios Regionais no Brasil e a Distribuição Desigual de Recursos Entre os Estados GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4

Origem dos dados... 3. Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4. Variáveis de conteúdo... 4 Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas artrite/reumatismo, problema crônico de coluna, distúrbio osteomuscular relacionado ao trabalho (DORT), depressão e outros problemas mentais Notas

Leia mais

Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI

Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI Texto para Discussão 1 Dezembro de 2010 Observatório SOFTEX Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software

Leia mais

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS Vlademir Marim Universidade Federal de Uberlândia marim@pontal.ufu.br Leonardo Silva Costa Universidade Federal de Uberlândia leonardo@mat.pontal.ufu.br

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL

A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL A MULHER TRABALHADORA NO SETOR DA HOTELARIA E GASTRONOMIA EM SÃO PAULO E NO BRASIL Um estudo de perfil sócio-econômico para subsidiar ações estratégicas na categoria MARÇO DE 2010 ALOISIO LEÃO DA COSTA

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais

ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais ICMS - Tabela - Aplicação da Alíquota nas Operações e Prestações Interestaduais Resumo: Este procedimento apresenta as alíquotas interestaduais do ICMS, fixadas pela Resolução SF nº 22/1989, utilizadas

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE JUNHO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,59% em Junho O Índice Nacional da Construção

Leia mais

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA

MIGRAÇÃO MIGRAÇÃO INTERNA MIGRAÇÃO Os resultados da migração interna e internacional apresentados foram analisados tomando por base a informação do lugar de residência (Unidade da Federação ou país estrangeiro) há exatamente cinco

Leia mais

Software e Servicos de TI

Software e Servicos de TI Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Doenças Crônicas doenças do pulmão, câncer, insuficiência renal crônica e outras doenças crônicas Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015

Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 Hábitos de Consumo Dia dos Namorados 2015 3 de junho de 2015 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: a sondagem ter por objetivo identificar os hábitos de compras

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1

Educação Financeira na Infância. 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Educação Financeira na Infância 2014 Copyright Boa Vista Serviços 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: A sondagem teve por objetivo identificar informações relacionadas à educação financeira durante

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Especificações Técnicas Metodologia Técnicaeformadecoleta: Quantitativa: survey telefônico, com amostra 2.322 entrevistas, realizadas entre os dias 17 de junho e 07 de julho de 2009, pelo Instituto Vox

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

INFORME DE PESQUISA - ENSINO MÉDIO, QUALIDADE E EQUIDADE: AVANÇOS E DESAFIOS EM QUATRO ESTADOS: CE, GO PE e SP

INFORME DE PESQUISA - ENSINO MÉDIO, QUALIDADE E EQUIDADE: AVANÇOS E DESAFIOS EM QUATRO ESTADOS: CE, GO PE e SP INFORME DE PESQUISA - ENSINO MÉDIO, QUALIDADE E EQUIDADE: AVANÇOS E DESAFIOS EM QUATRO ESTADOS: CE, GO PE e SP Objetivos da pesquisa A pesquisa tem dois objetivos centrais. Ela pretende descrever e analisar:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE AGOSTO/2014 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia 0,52% em agosto O Índice Nacional da Construção

Leia mais

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s

Meto t d o o d l o og o i g a II. Segm g e m nt n a t ção o do d o me m rcado III. C racte t rização o do d s o ent n r t evi v sta t do d s Roteiro I. Metodologia II. III. IV. Segmentação do mercado Caracterização dos entrevistados Percepções sobre o turismo no Brasil V. Hábitos e comportamentos sobre turismo VI. VII. VIII. Prioridade de investimento

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo - Pesquisa PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo - Pesquisa 1 Apresentação O CBCA Centro Brasileiro da Construção em Aço, no ano em que completa 10 anos de atividades, e a ABCEM Associação

Leia mais

SENAI abre mais de 10 mil vagas para cursos pagos e gratuitos em todo o Brasil. Garanta a sua!

SENAI abre mais de 10 mil vagas para cursos pagos e gratuitos em todo o Brasil. Garanta a sua! http://portaldaindustria.com.br/agenciacni/ 22 JAN 2016 SENAI abre mais de 10 mil vagas para cursos pagos e gratuitos em todo o Brasil. Garanta a sua! São diversas modalidades em todas as regiões do país.

Leia mais

Mapa do Ensino Superior no Brasil

Mapa do Ensino Superior no Brasil Mapa do Ensino Superior no Brasil 2015 Índice Índice Palavra do Presidente...5 Brasil...6 Região Sudeste... 16 Estado de São Paulo...17 Estado de Minas Gerais...24 Estado do Rio de Janeiro...31 Estado

Leia mais