Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004"

Transcrição

1 Energia Elétrica: Previsão da Carga dos Sistemas Interligados 2 a Revisão Quadrimestral de 2004 Período 2004/2008 INFORME TÉCNICO PREPARADO POR: Departamento de Estudos Energéticos e Mercado, da Eletrobrás Supervisão de Previsão e Acompanhamento da Carga, do ONS Rio de Janeiro agosto de 2004 Comitê Técnico para Estudos de Mercado - CTEM Eletrobrás

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO REVISÃO QUADRIMESTRAL ª REVISÃO QUADRIMESTRAL DE BASES PARA AS PREVISÕES ATUAIS METODOLOGIA GERAL CENÁRIOS MACROECONÔMICOS SAZONALIDADE FATOR DE CARGA PREVISÕES ATUAIS... 9 ANEXO... 11

3 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de INTRODUÇÃO O Comitê Técnico para Estudos de Mercado CTEM/CCPE/MME, cuja coordenação é exercida pela Eletrobrás, em conjunto com a Supervisão de Previsão e Acompanhamento da Carga, do Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS, elabora as previsões de carga, no horizonte de cinco anos, para o Planejamento Anual da Operação Energética. Segundo o cronograma estabelecido nos Procedimentos de Rede do ONS, deverão ser feitas revisões quadrimestrais das previsões, visando a uma atualização em decorrência das oscilações da economia e suas repercussões sobre a demanda. Cabe ressaltar que as informações contidas nos Relatórios de Quantificação de Cenários e dos Grandes Consumidores são imprescindíveis para subsidiar as previsões de carga de energia e de demanda para o Planejamento Anual da Operação Energética Nos dias 27 e 28/07/2004, realizou-se a primeira reunião ordinária do CTEM, dando início ao novo ciclo de planejamento. Definiu-se o cronograma para as empresas enviarem suas previsões de planejamento de longo prazo (preenchimento do Sistema Simples) até o final de setembro. Como o fechamento da segunda revisão ocorrerá antes que as empresas enviem suas informações, optou-se pela utilização das informações enviadas pelos agentes para o Ciclo de Planejamento de 2003 e possíveis inclusões que já tenham sido oficializadas por esses. O presente Informe Técnico, que apresenta a 2 a Revisão Quadrimestral do ano de 2004, encontra-se dividido em quatro seções, incluindo esta introdução. Na segunda seção, são discutidas as modificações feitas em relação à previsão anterior e o que motivou sua revisão. Na terceira, apresentam-se as bases para as previsões atuais, considerando as premissas para sua elaboração. Na última seção, são apresentadas as previsões atuais, comparando-as com as anteriores. 1

4 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de REVISÃO QUADRIMESTRAL Faz parte do processo de revisões quadrimestrais das projeções de carga, elaboradas em conjunto pela coordenação do CTEM e o ONS, a análise da previsão em vigor, em que se procura incorporar novas informações sobre a conjuntura, a perspectiva de evolução da economia e a entrada de novas cargas industriais ª REVISÃO QUADRIMESTRAL DE 2004 Para a elaboração da 2ª revisão quadrimestral, foi analisado o comportamento da carga verificada até o mês de julho e a previsão para o mês de agosto considerada no PMO. Foram consideradas ainda, as projeções macroeconômicas para 2004, adotadas pelo Grupo de Trabalho de Quantificação de Cenários GTQC para o ciclo de planejamento atual, que prevê um crescimento do PIB para este ano de 3,5%.. A seguir, são apresentados os resultados para cada subsistema. Subsistema Sudeste/Centro-Oeste Face as pequenas variações que vem ocorrendo em relação as previsões para o ano em curso, foram mantidos os valores da 1ª Revisão Quadrimestral para todo o horizonte do estudo. Sudeste / C.Oeste Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW méd Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , , , , , ,9 0 0, , , ,1 0 0, , , ,5 0 0, , , ,8 0 0,0 Subsistema Sul O desvio médio verificado durante aos sete primeiros meses do ano de 0,1%, indicou pela manutenção dos valores para o restante do ano em curso. Para o horizonte , foram mantidos os valores da 1ª Revisão Quadrimestral. No que diz respeito ao comportamento da economia da região, de acordo com o boletim mensal sobre a produção industrial (divulgado em agosto pelo IBGE), pode-se observar que, em junho de 2004, os índices da produção industrial do Paraná apresentaram comportamento positivo, porém com menos intensidade que a observada nos meses anteriores. Os acréscimos 2

5 foram de 1,7% no mensal, 2,7% no segundo trimestre, 5,6% no acumulado do ano e 6,4% nos últimos doze meses. No mesmo mês, os principais indicadores da indústria de Santa Catarina também foram positivos. Em relação a junho de 2003, a produção registrou aumento de 18,2%, sendo este o quinto resultado positivo consecutivo neste tipo de confronto. Com isso, os indicadores para períodos mais abrangentes, apresentam expansão tanto no acumulado do primeiro semestre (8,6%) como nos últimos doze meses (1,1%). A indústria gaúcha, por sua vez, no primeiro semestre do ano, assinalou um crescimento de 5,6%. Para esse resultado, contribuíram positivamente onze dos quatorze ramos pesquisados pelo IBGE. Dentre estes, os mais expressivos foram: máquinas e equipamentos (19,7%), veículos automotores (17,7%) e fumo (9,9%). Conforme a tabela a seguir, verifica-se que, entre as duas revisões, a variação pode ser considerada desprezível, o que justifica a manutenção dos valores. Sul Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , , , , , ,5 0 0, , , ,6 0 0, , , ,6 0 0, , , ,3 0 0,0 Subsistema Norte Procurou-se verificar as razões da elevação da carga que vem ocorrendo, num subsistema que tradicionalmente possui um comportamento relativamente estável, em virtude das características peculiares deste mercado, constituído em sua maioria por consumidores eletrointensivos. No Pará, a economia expandiu-se 13,5% frente a junho de 2003, superando o resultado de maio (6,8%). Também registraram expansões os indicadores para períodos mais abrangentes: 8,5% no acumulado do ano e 7,8% nos últimos doze meses. Em bases trimestrais, a indústria paraense vem crescendo desde o início de 2003, portanto, há seis trimestres. No semestre, o crescimento acumulado foi de 8,5%, conseqüência direta dos resultados positivos das seis atividades pesquisadas. Os maiores impactos positivos vieram da indústria extrativa (9,5%), metalurgia básica (7,5%) e celulose e papel (27,8%), que assinalaram, respectivamente, aumentos na produção dos itens: minérios de alumínio, óxido de alumínio e papel. Com base no comportamento da carga verificado nos anos de 2002 e 2003, onde o consumo verificado nos primeiros sete meses do ano foi cerca de 57% da carga total destes, e partindo-se da premissa que o realizado nos sete primeiros meses de 2004 corresponde à participação média verificada nos anos anteriores, estimou-se a projeção de carga para o referido ano. 3

6 Foi considerado um acréscimo de 1,5% nas previsões de carga da 1ª Revisão Quadrimestral para os últimos cinco meses do ano, justificado pelo desempenho produtivo favorável que vêm apresentando os consumidores eletrointensivos, principalmente voltados para exportação e que representam uma parcela significativa do consumo. Para o período 2005 a 2008, optou-se por manter as taxas consideradas na Primeira Revisão Quadrimestral da carga. Norte Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , ,7 44 1, , , ,6 46 1, , , ,9 49 1, , , ,5 52 1, , , ,8 64 1,5 Subsistema Nordeste O crescimento da produção industrial do Nordeste acumulado até maio foi de 3,8%, que foi acompanhado por um crescimento de 3% no consumo de energia associado a essa classe, no mesmo período. Observa-se que a classe industrial, possui participação de cerca de 40% no total do consumo de energia elétrica. No mês de maio de 2004, os crescimentos na indústria e no consumo, se comparados ao mesmo período do ano passado, foram de 9,7% e 8,1%, respectivamente. A elevação do consumo industrial acompanha a evolução do nível de produção da indústria, que, no Nordeste, apresentou, de acordo com o IBGE, 5,7% de crescimento acumulado no primeiro semestre do ano e 0,9% no acumulado nos últimos doze meses, revertendo o quadro negativo registrado no semestre anterior. O crescimento do segundo trimestre deste ano (9,6%), intensificou a recuperação já apresentada no primeiro trimestre (2,0%), e foi sustentado pelo bom desempenho de produtos químicos (de 1,7% para 11,5%) e por alimentos e bebidas (de 3,4% para 11,9%). No que diz respeito aos consumos das classes comercial e residencial, estes foram fortemente afetados pelo comportamento climático atípico, que provocou uma redução na carga ao longo do primeiro semestre de Uma vez que o consumo das classes residencial e comercial deva elevar-se com o fim da estação chuvosa, foram mantidos os valores da Primeira Revisão Quadrimestral para todo o horizonte. Nordeste Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , , , , , ,3 0 0, , , ,1 0 0, , , ,8 0 0, , , ,5 0 0,0 4

7 Sistema Interligado Nacional Totalizando as cargas dos subsistemas elétricos acima apresentados, obtémse a carga total do SIN, com pequenos desvios anuais em relação aos valores adotados na 1ª Revisão Quadrimestral, como pode ser observado na tabela abaixo. Sistema Interligado Nacional Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , , , , , ,4 46 0, , , ,5 49 0, , , ,9 52 0, , , ,3 64 0,1 O quadro abaixo resume os critérios adotados - manutenção das taxas de crescimento ou valores previstos na 1ª Revisão Quadrimestral, para o período para cada subsistema em estudo. CTEM - ONS 2ª Revisão Quadrimestral de 2004 Subsistema Mantido SE/CO+ENERSUL Valores SUL Valores NORTE Taxas NORDESTE Valores 5

8 3. BASES PARA AS PREVISÕES ATUAIS 3.1 METODOLOGIA GERAL A metodologia geral utilizada neste trabalho consistiu em identificar e quantificar, a partir de três dimensões básicas previamente estabelecidas, indicadores aplicáveis aos estudos de previsão de carga (ver figura a seguir). ANÁLISE DA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES Crescimento da economia Elasticidade-renda ACOMPANHAMENTO DA CARGA INDICADORES Estrutura regional da carga Indice de perdas Índices de sazonalização Fatores de carga NOVOS INVESTIMENTOS INDICADORES Cronograma de novas grandes cargas PROJEÇÃO DA CARGA No desenvolvimento deste trabalho, foram considerados dois cenários distintos de evolução da carga : um Cenário de Referência utilizado como base para os estudos do Planejamento Anual da Operação Energética para 2004, de responsabilidade do ONS; e um outro Cenário Alto (hipótese de recuperação mais acelerada dos níveis de consumo) que tem como objetivo mostrar o impacto nos índices de avaliação energética, tais como riscos de déficit e custo total de operação, ocasionado pela ocorrência de um cenário mais alto de expansão da oferta. Basicamente, as variáveis que definem estes cenários são o crescimento econômico e as entradas e saídas de novas cargas. 3.2 CENÁRIOS MACROECONÔMICOS Uma vez que os requisitos de energia ao sistema elétrico possuem forte correlação com o desenvolvimento econômico de um país, foram considerados dois cenários para a evolução da economia brasileira e de suas regiões para o período , nos quais se basearam as previsões da carga. Cabe ressaltar que os cenários macroeconômicos são provenientes de estudos realizados pelo Grupo de Trabalho para Elaboração de Premissas Básicas (GTPB) do CTEM, que contou com a participação das empresas do setor elétrico brasileiro. 6

9 Com relação ao Cenário de Referência, destaca-se que ele pode ser caracterizado por uma evolução gradativa dos níveis de crescimento. O Brasil vem apresentando uma gestão macroeconômica sólida e consistente, com controle dos níveis de inflação e perspectivas de crescimento sustentado de longo prazo. Taxas de Crescimento Anuais do PIB (%) - Cenário de Referência Variação do PIB (Variação Anual Média) N 5,4 5,5 6,1 6,1 5,8 NE 4,2 4,5 5,0 5,1 4,7 SE 3,0 3,3 3,9 4,3 3,6 S 3,8 4,2 4,8 4,7 4,4 CO 5,4 5,5 6,2 6,0 5,8 Brasil 3,6 3,9 4,5 4,4 4,2 A melhora do desempenho industrial, tanto em função da expansão no setor externo quanto do aquecimento do mercado interno, associado a diminuição da taxa de desemprego com conseqüente aumento de renda. o que estimula a elevação de consumo de energia pela classes residencial, mediante a aquisição de eletrodomésticos, e comercial, mediante o aumento do nível de suas atividades, tem provocado um aumento na demanda de energia elétrica. Para o Cenário Alto, consideraram-se as seguintes evoluções do PIB para o Brasil e suas regiões : Taxas de Crescimento Anuais do PIB (%) - Cenário Alto Variação do PIB (Variação Anual Média) N 6,8 7,0 7,4 7,7 7,2 NE 5,1 5,4 5,7 5,9 5,5 SE 3,8 4,0 4,3 5,1 4,3 S 4,7 5,0 5,3 5,5 5,1 CO 6,6 6,6 6,9 7,0 6,8 Brasil 4,5 4,7 5,0 5,3 5,0 De acordo com as projeções expostas acima, observa-se uma tendência ao desenvolvimento para todas as regiões do País, que se pode explicar através de processos tais como modernização produtiva, investimentos em infra-estrutura, consolidação das reformas políticas e institucionais, maior grau de competitividade nacional no setor externo, políticas regionais específicas e melhoria significativa nas Contas Públicas. 3.3 SAZONALIDADE Os índices de sazonalidade aplicados às projeções da carga de energia, tanto do cenário de referência quanto do cenário alto, foram elaborados com base no histórico de cada subsistema, considerando suas características particulares. Desta forma, considerou-se que os índices apresentados na tabela a seguir são os que melhor se aplicam para avaliação do comportamento da carga ao longo de um ano, sendo utilizados no período 2004/

10 Índices de Sazonalidade Mês Norte Nordeste Sudeste/ Centro-Oeste Sul Janeiro 0, , , , Fevereiro 0, , , , Março 0, , , , Abril 0, , , , Maio 0, , , , Junho 1, , , , Julho 1, , , , Agosto 1, , , , Setembro 1, , , , Outubro 1, , , , Novembro 1, , , , Dezembro 1, , , , FATOR DE CARGA A partir das projeções da carga própria de energia, consideraram-se as expectativas de evolução do fator de carga a fim de se alcançarem previsões para a carga própria de demanda dos sistemas interligados. Historicamente o fator de carga dos subsistemas elétricos varia muito pouco, a não ser quando é registrada, por exemplo, a entrada de um consumidor industrial eletrointensivo na região. Por esse motivo e considerando que a estrutura de consumo por classe não apresenta alterações significativas ao longo do horizonte de projeção, não se admitiram variações sensíveis no fator de carga. Quando os subsistemas são analisados separadamente, percebe-se uma distinção entre os fatores de carga de cada um, em função das estruturas dos correspondentes mercados, com valores mais elevados do fator de carga nas regiões onde o peso da classe industrial, sobretudo dos segmentos eletrointensivos, é maior. Desta forma, conforme mostra a próxima tabela, projetou-se uma elevação do fator de carga do Subsistema Norte de 84,2% em 2004 para 84,8% em 2008, considerando-se o aumento da participação das indústrias eletrointensivas no mercado total. Já no Subsistema Nordeste, considerou-se um leve aumento do fator de carga, alcançando 76,5% no final do período de planejamento. Para o Sudeste/Centro-Oeste, prevê-se que este indicador se reduza a 72,6% em 2008 e, no Sul, fique em torno de 65,0%, no mesmo ano. Hipóteses para Evolução do Fator de Carga por Subsistema (%) Subsistemas Norte 84,2 83,4 83,9 82,5 84,8 Nordeste 75,2 77,3 76,7 77,1 76,5 Sudeste/ Centro-Oeste 73,7 73,8 73,2 72,9 72,6 Sul 65,8 66,1 65,8 65,4 65,0 8

11 4. PREVISÕES ATUAIS A Tabela abaixo apresenta as comparações entre as últimas previsões da carga de energia elaboradas pelo CTEM em conjunto com o ONS para o cenário de referência do Sistema Interligado Nacional - SIN, destacando-se as diferenças para o horizonte de planejamento, conforme detalhado a seguir. Projeção da Carga (MW médio) Sistema Interligado Nacional Planejamento 1ª Revisão 2ª Revisão Diferenças (2ªRev / 1ªRev) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med Cresc.(%) MW med (%) , , , , , , ,4 46 0, , , ,5 49 0, , , ,9 52 0, , , ,3 64 0,1 Os resultados acima apresentados podem ser observados no gráfico a seguir Carga Própria de Energia - MW médio Sistema Interligado Nacional - Cenário de Referência Verif Verif Planejamento/Revisões 2004 Verif Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Com base na metodologia e hipóteses de trabalho anteriormente descritas e nos valores da carga verificada nos primeiros sete meses do ano 2004, onde foram considerados os valores realizados entre janeiro e julho e a estimativa de agosto, foram obtidas as projeções da carga de energia e de demanda instantânea, por subsistema elétrico. Na próxima página são apresentadas as projeções de Carga Própria de Energia e Demanda Instantânea, (em anexo apresenta-se o detalhamento mensal destas projeções). 9

12 Tabela 9 Projeção da Carga Própria de Energia (Referência) - MW médio Subsistemas Norte Nordeste Sudeste/Centro-Oeste Sul Sistema Interligado Nacional Tabela 10 Projeção da Carga Própria de Energia (Cenário Alto) - MW médio Subsistemas Norte Nordeste Sudeste/Centro-Oeste Sul Sistema Interligado Nacional Tabela 11 Projeção da Carga Própria de Demanda Instantânea (Referência) - MW Subsistemas Norte Nordeste Sudeste/Centro-Oeste Sul Sistema Interligado Nacional Tabela 12 Projeção da Carga Própria de Demanda Instantânea (Cenário Alto) - MW Subsistemas Norte Nordeste Sudeste/Centro-Oeste Sul Sistema Interligado Nacional

13 ANEXO Detalhamento das Previsões da Carga dos Sistemas Interligados 11

14 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 CARGA DE ENERGIA DOS SISTEMAS INTERLIGADOS Referência Cenário Alto 12

15 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 Projeção da Carga de Energia MW médio Cenário de Referência Subsistema Norte , , , , ,8 Subsistema Nordeste -3, , , , , ,5 Subsistema N+NE , , , , ,1 Subsistema SE/CO , , , , ,8 Subsistema Sul , , , , ,3 Subsistema S + SE , , , , ,7 Sistema Interligado Nacional , , , , ,3 13

16 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 Projeção da Carga de Energia MW médio Cenário Alto Subsistema Norte , , , , ,0 Subsistema Nordeste , , , , ,9 Subsistema Norte + Nordeste , , , , ,1 Subsistema SE/CO , , , , ,0 Subsistema Sul , , , , ,3 Subsistema Sudeste + Sul , , , , ,9 Sistema Interligado Nacional , , , , ,7 14

17 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 CARGA DE DEMANDA INSTANTÂNEA DOS SISTEMAS INTERLIGADOS Referência Cenário Alto 15

18 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 Projeção da Demanda Instantânea MW Cenário de Referência Subsistema Norte , , , , ,2 Subsistema Nordeste , , , , ,4 Subsistema N+NE , , , , ,6 Subsistema SE/CO , , , , ,5 Subsistema Sul , , , , ,4 Subsistema S + SE , , , , ,4 Sistema Interligado Nacional , , , , ,7 16

19 2 a Revisão Quadrimestral da Previsão da Carga dos Sistemas Interligados abril de 2004 Projeção da Demanda Instantânea MW Cenário Alto Subsistema Norte , , , , ,3 Subsistema Nordeste , , , , ,9 Subsistema Norte + Nordeste , , , , ,7 Subsistema SE/CO , , , , ,5 Subsistema Sul , , , , ,9 Subsistema Sudeste + Sul , , , , ,5 Sistema Interligado Nacional , , , , ,0 17

Decomposição da Inflação de 2011

Decomposição da Inflação de 2011 Decomposição da de Seguindo procedimento adotado em anos anteriores, este boxe apresenta estimativas, com base nos modelos de projeção utilizados pelo Banco Central, para a contribuição de diversos fatores

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Atratividade do Brasil: avanços e desafios Fórum de Atratividade BRAiN Brasil São Paulo, 03 de junho de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA NOTA TÉCNICA DEA 05/12 NOTA TÉCNICA ONS 088/2012 1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional 2012-2016 Rio de Janeiro

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Brasil Atinge mais de 2 milhões de Emprego em 2010 Setor de Serviços lidera com 35% dos empregos Gerados no período Em setembro foram gerados 246.875

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3

BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) INSTITUTO FECOMÉRCIO - PE 3 Boletim Conjuntural Junho / 2014 BOLETIM CONJUNTURAL BOLETIM COMÉRCIO VAREJISTA DE PERNAMBUCO: AGOSTO DE 2014 (MÊS DE REFERÊNCIA: JUNHO DE 2014) 1. Contexto nacional e regional Em junho, a economia brasileira

Leia mais

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2)

EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. Relatório Final(Versão 2) EFEITO DAS CURVAS DE AVERSÃO SOBRE A OPERAÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO Relatório Final(Versão 2) Preparado para DUKE ENERGY Preparado por MERCADOS DE ENERGIA/PSR Janeiro 24 ÍNDICE 1 OBJETIVO...

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL 54% 75% 79% 58% Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira TERCEIRIZAÇÃO Ano 7 Número 02 abril de 2009 www.cni.org.br TERCEIRIZAÇÃO Utilização de serviços terceirizados pela indústria brasileira 54% das empresas industriais utilizam serviços terceirizados 75% das empresas contratantes

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio

Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.5 Marolinha carioca - Crise financeira praticamente não chegou ao Rio Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo Sandro

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 NOVEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS NOVEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 25 número 07 agosto 2010 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Julho de 2010 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0%

PAINEL 16,0% 12,0% 8,0% 2,5% 1,9% 4,0% 1,4% 0,8% 0,8% 0,0% 5,0% 3,8% 2,8% 3,0% 2,1% 1,0% 1,0% -1,0% Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 58 1 a 15 de setembro de 2010 PIB TRIMESTRAL Segundo os dados

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade

Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade 6 jul 2006 Nº 3 Cresce o emprego formal em todos os setores de atividade Por Antonio Marcos Ambrozio Economista da Secr. de Assuntos Econômicos Recuperação dos Houve um postos de trabalho grande aumento

Leia mais

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO

ipea PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Sachiko Araki Lira* Paulo Roberto Delgado** INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é fazer uma breve apresentação do comportamento do mercado de

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

MONITORAMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO DE ENERGIA

MONITORAMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO DE ENERGIA MONITORAMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO DE ENERGIA ESTATÍSTICA E ANÁLISE DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Boletim mensal (mês-base: março 2007) Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Ministério

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE

COMPORTAMENTO DOS GERADORES DE INDUÇÃO DUPLAMENTE ALIMENTADOS EM TURBINAS EÓLICAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CURITIBA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA DIOGO MARTINS ROSA LUIZ ANDRÉ MOTTA DE MORAES

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS ABRIL 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 2 Sumário Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 7 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.10 Aspectos fiscais: receita e necessidade de financiamento do governo central (20h) (Aula 1: Receita Pública) Professor: José Paulo de A. Mascarenhas

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA

SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA SÉRIE ESTUDOS DA DEMANDA NOTA TÉCNICA DEA 07/10 NOTA TÉCNICA ONS 059/2010 1ª Revisão Quadrimestral das Projeções da demanda de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional 2010-2014 Rio de Janeiro

Leia mais

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado

Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado Determinantes da Evolução Recente do Consumo Privado O dinamismo do consumo privado, traduzindo a evolução favorável das condições dos mercados de trabalho e de crédito, e das expectativas dos consumidores,

Leia mais

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES Setembro de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Boletim informativo: Brasil em Foco

Boletim informativo: Brasil em Foco mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 mar/02 dez/02 set/03 jun/04 mar/05 dez/05 set/06 jun/07 mar/08 dez/08 set/09 jun/10 Edição 3 Boletim informativo: Brasil

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

Porto Alegre, Dezembro de 2015

Porto Alegre, Dezembro de 2015 Porto Alegre, Dezembro de 2015 Análise de indicadores do mês de novembro No mês, a exportação alcançou cifra de US$ 13,806 bilhões. Sobre novembro de 2014, as exportações registraram retração de 11,8%,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE

06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Nome do Trabalho Técnico Previsão do mercado faturado mensal a partir da carga diária de uma distribuidora de energia elétrica Laucides Damasceno Almeida Márcio Berbert

Leia mais

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36

IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 IFRS TESTE DE RECUPERABILIDADE CPC 01 / IAS 36 1 Visão geral O CPC 01 é a norma que trata do impairment de ativos ou, em outras palavras, da redução ao valor recuperável de ativos. Impairment ocorre quando

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

- Gestão Financeira 1 -

- Gestão Financeira 1 - 1 Cap 2 - Administração do Capital de Giro 2.1 Introdução 2.2 O capital circulante e capital circulante líquido 2.3 Políticas de gerenciamento do capital circulante 2.4 Capital de Giro Próprio 2.5 Capital

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015

Desempenho da Economia de Caxias do Sul Dezembro de 2015 Dezembro/2015 1- Desempenho da Economia de Caxias do Sul A economia de Caxias do Sul, em dezembro, apresentou indicador com leve recessão no mês (-0,3%). Foi a Indústria que puxou o índice para baixo,

Leia mais

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central

PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL DE EMPRESA (PIA-Empresa) FONTE DE DADOS O cadastro básico de seleção da PIA-Empresa é obtido a partir do Cadastro Central de Empresas - CEMPRE, cuja gestão está sob a responsabilidade

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE

MELHORES PRÁTICAS DA OCDE MELHORES PRÁTICAS DA OCDE PARA A TRANSPARÊNCIA ORÇAMENTÁRIA INTRODUÇÃO A relação entre a boa governança e melhores resultados econômicos e sociais é cada vez mais reconhecida. A transparência abertura

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará.

Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Mamão Hawai uma análise de preços e comercialização no Estado do Ceará. Débora Gaspar Feitosa Freitas 1 José Nilo de Oliveira Júnior 2 RESUMO O Brasil é o principal produtor mundial de mamão e tem grande

Leia mais

NCIA DAS. Palmas - TO

NCIA DAS. Palmas - TO PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA NCIA DAS FAMÍLIAS Palmas - TO Janeiro 2010 SUMÁRIO Análise dos Resultados 3 Tabela 1 PEIC - Evolução nos últimos 13 meses 3 Tabela 2 PEIC Evolução nos últimos

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE I O que é o Índice de Sharpe? Como calcular o Índice de Sharpe? Revisão do conceito de risco. O desvio-padrão como medida de risco. Autor:

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise

A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise A Trajetória do Investimento Agregado ao Longo da Crise Os gastos com investimentos no Brasil, após registrarem expansão gradual no quinquênio encerrado em 2008, experimentaram retração acentuada em resposta

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 01 JANEIRO 2016 1 ÍNDICE SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO... 2 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 3 1.1 CUB PARÁ - DEZEMBRO

Leia mais

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados

ECONOMIA. Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Associação Brasileira de Supermercados Associação Brasileira de Supermercados Nº38 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 26 de Março de 2014 Setor fecha 1º bimestre com crescimento de 3,67% Evolução do Índice de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA TERMO DE REFERÊNCIA

LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA TERMO DE REFERÊNCIA LICITAÇÃO PÚBLICA NA MODALIDADE CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ESTUDO PRELIMINAR DE ARQUITETURA PARA A SEDE DA CAPES EM BRASÍLIA 1. OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA Concurso público nacional para seleção, dentre

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil

Avaliação Econômica. Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Avaliação Econômica Relação entre Desempenho Escolar e os Salários no Brasil Objetivo da avaliação: identificar o impacto do desempenho dos brasileiros na Educação Básica em sua renda futura. Dimensões

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS JULHO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE 32,1% das empresas da indústria de transformação não aumentaram sua produtividade nos últimos 5 anos. Na indústria da construção este percentual sobe para 46,9%. 25% das

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PORTO ALEGRE - RS NOVEMBRO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

O alto custo dos acidentes nas serras das Araras e de Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói

O alto custo dos acidentes nas serras das Araras e de Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Nº 1 Petrópolis e na Ponte Rio-Niterói Lançado no mês de agosto de 2012 pelo governo federal, o PAC da Infraestrutura prevê investimentos de R$ 133

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

UFMS - PRÓ ENEM Matemática Estatística e Médias

UFMS - PRÓ ENEM Matemática Estatística e Médias 1. (Ufsm 01) O Brasil é o quarto produtor mundial de alimentos, produzindo mais do que o necessário para alimentar sua população. Entretanto, grande parte da produção é desperdiçada. O gráfico mostra o

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Energia Elétrica como Proxy do Desenvolvimento. Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011

Energia Elétrica como Proxy do Desenvolvimento. Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011 como Proxy do Desenvolvimento Econômico do Estado de Goiás. PIBIC/2010-2011 Leonardo Ribeiro Gonçalves, Ana Cláudia Marques do Valle Universidade Federal de Goiás, GO, Brazil Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC GOIÂNIA - GO

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC GOIÂNIA - GO PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC GOIÂNIA - GO JUNHO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 - Famílias

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PALMAS - TO

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PALMAS - TO PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLÊNCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PALMAS - TO AGOSTO/2012 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 - Famílias

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC

PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC PESQUISA DE ENDIVIDAMENTO E INADIMPLE NCIA DO CONSUMIDOR - PEIC VITÓRIA - ES MAIO/2015 SUMÁRIO Histórico da PEIC... 3 Tabela 1 - Nível de endividamento... 4 Tabela 2 - Tipo de dívida... 5 Tabela 3 - Famílias

Leia mais

Gráfico 1: Faturamento real consolidado Variação em % (acúmulo mensal do ano /igual período do ano anterior) 7,5% 7,1% 4,4% fev/13. abr/13.

Gráfico 1: Faturamento real consolidado Variação em % (acúmulo mensal do ano /igual período do ano anterior) 7,5% 7,1% 4,4% fev/13. abr/13. -14,7% -14, -13,9% 7,1% 4,4% 7, 7,6% 8,2% 7,2% 5,6% 5,8% 13,7% Novembro de 213 edição n. 27 I Resultado Nacional O Relatório da Pesquisa Conjuntural de novembro, elaborado com base nos dados das empresas

Leia mais