Software e Serviços de TI:

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Software e Serviços de TI:"

Transcrição

1 Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Fumsoft, BH, 31/07/2012

2 Sumário Sobre a SOFTEX Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI (IBSS) Software e Serviços de TI como atividade secundária (NIBSS) Capacitações e competências Escassez de RH em TI Estudos regionais

3 Sobre a SOFTEX

4 Missão Ampliar a competitividade das empresas brasileiras de software e serviços e sua participação nos mercados nacional e internacional, promovendo o desenvolvimento do Brasil. Visão Ser reconhecida como referência na qualificação empresarial, produção de informação e promoção de negócios para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI.

5 Diretrizes da SOFTEX 1. Disseminar e auxiliar a implantação das melhores práticas. 2. Apoiar a criação e o desenvolvimento de oportunidades de negócios. 3. Apoiar a capacitação de recursos humanos. 4. Apoiar a alavancagem de recursos financeiros. 5. Produzir e disseminar informação qualificada. 6. Apoiar a formulação de políticas de interesse da IBSS. 7. Apoiar o empreendedorismo na IBSS.

6 Sistema SOFTEX ACATE Florianópolis SC AEPOLO Caxias do Sul RS APETI São José do Rio Preto SP C.E.S.A.R / Recife BEAT Recife PE CEI Porto Alegre RS CITS Curitiba PR FUMSOFT Belo Horizonte MG GENE Blumenal Blumenau SC ITIC Fortaleza CE ITS São Paulo SP Núcleo SOFTEX Campinas Campinas SP Núcleo SOFTEX Salvador Salvador BA PaqTcPB Campina Grande PB PARQTEC São Carlos SP RIOSOFT Rio de Janeiro RJ SOFTEX RECIFE Recife PE SOFTSUL Porto Alegre RS SOFTVILLE Joinville SC TECSOFT Brasília DF TECVITORIA Vitória - ES Brasília Belo Horizonte S. J. Rio Preto São Carlos Campinas São Paulo Curitiba Blumenau Joinville Florianópolis Caxias do Sul Porto Alegre Fortaleza Campina Grande Recife Salvador Vitória Rio de Janeiro 20 Agentes Regionais Mais de empresas vinculadas

7 Parceiros SOFTEX Frente Parlamentar de Informática

8 PROIMPE PROSOFT PSI-SW Projetos RH MPS.BR SIBSS Alianças Empresariais Inovação

9 Sobre o Observatório SOFTEX Unidade de estudos e pesquisas da SOFTEX Objetivo: Conceber e implantar um sistema de informação sobre o setor de software e serviços de TI (SIBSS), eliminando gargalo estrutural de dados e informações Produtos: 1. Site com informações e dados sobre o setor 2. Estudos e pesquisas 3. Fóruns de discussão

10 VIII WAMPS III CONATI CIBSS 22 a 26 de outubro I Encontro do Observatório

11 I Encontro do Observatório CIBSS 22 a 26 de outubro Horário 22 -segunda 23 - terça 24 - quarta 25 - quinta 26 - sexta 08:30/ 10:30 11:00/ 13:00 IBSS: desafios e oports Internacionalização Mercado de trabalho em TI Recursos humanos TI Propriedade intelectual Tributação Minicurso 1 Mapeamento de demanda por capacitação 14:00/ 16:00 Internet e desenv. humano Sw em telecom, petróleo e energia Capacitação de pessoal Compras do governo Minicurso 2 Estudos em software e serviços de TI 16:30/ 18:30 Internet: regulação e convergência Sw em saúde finanças e educação Qualidade, inovação e produtividade Software livre

12 Versão resumida Inglês alemão Inglês - português Português Inglês Volume Português Figuras, quadros e tabelas Volume Download: Pedidos versão impressa:

13 6 Estudos Regionais 1 IBSS 5 RH em TI Conteúdo 2 NIBSS 4 Escassez e Mobilidade 3 Capacitação

14 Caracterização da IBSS

15 Mercado mundial de TIC Em US$, valores correntes 4,0 T 3,5 T 3,0 T 2,5 T 2,0 T 1,5 T 1,0 T 0,5 T 0 Telecomunicações (equipamentos e serviços Fonte: OECD Information Technology Outlook, 2010 Serviços de TI Software Hardware 57% 21% 9% 13% Em 2009: Total TIC: $ 3,4 T: Telecom: $ 1,9 T Serviços TI: $ 715 B Software = $ 305 B Hardware = $ 447 B

16 Setor brasileiro de TIC receita bruta em vendas e serviços Em US$, valores correntes Software $ 8,0 B Serviços de TI $ 17,4 B Comércio atacado - 13,5 B Hardware - $ 19,1 B 11,6% 5,3% 9,0% 12,7% 61,4% Telecomunicações (equipamentos e serviços) $ 92,1 B Total TIC: US$ 150,1 B 4,4% do mercado total Fonte: Observatório SOFTEX, a partir de dados PIA, PAC e PAS/IBGE, 2009

17 A IBSS no contexto TIC IBSS Setor TI Setor TIC Software Serviços TI Hardware Telecom Customizável Não customizável Sw sob encomenda Consultoria TI Suporte TI Tratamento dados Informações na internet Reparação equipamentos Componentes eletrônicos Equips de info Aparelhos recepção, repro dução Mídias virgens, magnét icas e ópticas Comércio atac. Equips. comunicação Serviços de telecom Comércio atac.

18 IBSS na CNAE Software sob encomenda Software customizável Software não customizável Consultoria em TI Suporte técnico, manutenção e outros serv. TI Tratamento dados, provedores de serviços de aplicação e de hospedagem na internet Portais, provedores de conteúdo e serviços informação na internet Reparação e manutenção computadores e periféricos Reparação e manutenção equipamentos de comunicação

19 IBSS: Empresas, receita líquida e RH Empresas ,3% a.a. Receita líquida (R$)* ,1 bi 46,1 bi 52,1 bi 61,1 bi 8,2% a.a. Pessoas ocupadas mil 10,1% a.a. Pessoas assalariadas mil 12,8% a.a. *Crescimento médio real, ano-base ,3 mil 57,5 mil 59,9 mil 376 mil 431 mil 282 mil 335 mil 67,1 mil 493 mil 436 mil 73,0 mil 71,6 bi 598 mil 510 mil Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

20 IBSS: Empresas por porte (%) Ano ou + PO 0,4% 100 ou + PO 3,0% De 50 a 99 PO 0,8% De 50 a 99 PO 5,0% De 20 a 49 PO 2,5% De 20 a 49 PO 13,0% Até 19 PO 96,3% De 5 a 19 PO 79,0% mil empresas 11 mil empresas Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, 2009.

21 IBSS 20 ou + PO: número de empresas Tx. Cr. ( ): 10,9% a.a Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

22 20 ou + PO: participação na receita 82,4% 82,3% 84,5% 82,5% 78,5% 74,3% 76,6% Participação no total da receita líquida 23,3 19,6 20,1 20,1 19,1 19,8 18,7 Média receita líquida por empresa Em milhões R$ por empresa, valores 2010 Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

23 Margem líquida [(R D)/ROL] 61% 64% 51% 51% 50% 26% 33% 20% 20% 19% 17% 17% 10% 12% 11% 11% 13% 10% 8% 5% 6% Total 20 ou mais PO 19 ou menos PO Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

24 Produtividade (VA/PO) Em mil R$ por PO, valores ano-base ,7 97,5 Tx Média Cr. (2003 a 2009) Total da IBSS: - 1,5% a.a. 20 ou mais PO: - 2,1% a.a. 19 ou menos PO: 1,1% a.a. 109,2 116,0 110,4 110,6 101,2 112,2 88,4 86,5 84,3 85,7 82,6 89,2 53,2 53,5 41,0 46,5 52,3 55,6 56, Total 20 ou mais PO 19 ou menos PO Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

25 Queda de 9,4 pontos percentuais na taxa de inovação das empresas da IBSS com 10 ou mais PO (PINTEC/IBGE 2005 X PINTEC 2008). PINTEC 2008: redução no % de dispêndios em atividades inovativas, no geral, e em P&D, em particular. Dispêndios PINTEC 2005 PINTEC 2008 Em atividades inovativas (AI)* R$ 2,1 bilhões R$ 1,6 bilhão AI/Receita (RL) IBSS 10 ou + PO 5,9% 4,0% P&D interna/rl IBSS 10 ou + PO 2,3% 1,0% *Em valores Como explicar? Queda de receita das R50. Mudança na composição das empresas com 20 ou + PO. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PINTEC/IBGE, 2005 e 2008.

26 20 ou + PO por atividade R$ 43,3 bi 9,8% 4,4% 17,8% 11,5% 17,2% 9,7% 14,8% 10,9% 16,4% 11,7% 13,2% 6,5% 8,7% 6,1% 7,5% 20,6% 32,7% 21,2% 12,8% 19,8% 16,0% Reparação equipto. comunicação Reparação computadores Portais e serviços informação internet Tratamento dados e aplicação internet Suporte técnico TI Consultoria TI Sw não customizável Sw customizável Sw encomenda Empresas PO Receita líquida

27 20 ou + PO: receita e empresas G2 G1 G3 6201: Sw sob encomenda; 6202: Sw customizável; 6203: Sw não customizável; 6204: Consultoria TI; 6209: Suporte técnico; 6311: Tratamento de dados; 6319: Serv. info. na internet; 9511: Reparação computadores; 9512: Rep. equip. comunicação

28 IBSS Receita líquida no exterior Em mil R$, valores deflacionados IGP/DI, ano-base 2010 US$ 1,6 Bi Tx. Média Cr. (período 2004 a 2008): 32,1% a.a. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir tabelas especiais PAS/IBGE, anos diversos.

29 IBSS: Destino das exportações Empresas 20 ou + PO, 2009 Em mil R$, valores deflacionados IGP/DI, ano-base R$ 2,3 bilhões Alemanha Chile Estados Unidos Mercosul México Outros países Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PSTI/IBGE, 2009.

30 20 ou + PO: Software (RB + subvenções) Em R$, valores deflacionados IGP/DI, ano-base 2010 Total: R$ 20,2 bilhões Customizável R$ 10,3 bi Sob encomenda R$ 6,1 bi Não customizável R$ 3,5 bi Embarcado R$ 310,4 mi Desenvolvido no país distribuição própria R$ 6,5 bi Desenvolvido no país distribuição representante R$ 521,6 mi Desenvolvido no exterior R$ 3,2 bi Desenvolvido no país distribuição própria R$ 1,7 bi Desenvolvido no país distribuição representante R$ 187,0 mi Desenvolvido no exterior R$ 1,6 bi Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PSTI/IBGE, 2009.

31 20 ou + PO: Serviços TI (RB + subvenções) Em R$, valores deflacionados IGP/DI, ano-base 2010 Total: R$ 20,8 bilhões Consultoria em TI R$ 6,8 bi Redes e integração de sistemas R$ 1,4 bi Suporte técnico TI R$ 4,4 bi Tratamento dados e serviços info R$ 7,3 bi Gestão serviços TI R$ 837,7 mi Sistemas e processos R$ 6,2 bi Tratamento de dados R$ 5,6 bi Segurança de sistemas de informação R$ 225,0 mi Outras consultorias R$ 406,1 mi Hospedagem de sites e aplicações R$ 463,5 mi Portais, provedores conteúdo e outros serv. informação R$ 1,3 bi Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PSTI/IBGE, 2009.

32

33 Setor de software e serviços de TI PROFSSs Divisões e grupos Outras divisões Outras divisões Software Serviços de TI IBSS Indústria Serviços Comércio Agricultura Adm. Públ. NIBSS Indústria Serviços Comércio Agricultura Adm. Públ.

34 PROFSSs: profissionais assalariados Diretor de serviços de informática Gerentes de tecnologia da informação NG Administradores de redes, sistemas e banco dados Engenheiros em computação Analistas de sistemas computacionais NS Técn. de desenvolvimento de sistemas e aplicações Técn. em operação e monitoração de computadores Operadores de redes de teleprocessamento e afins Operadores equip. entrada e transmissão de dados Técnicos em telecomunicações NT

35 PROFSSs na IBSS e na NIBSS (80%) NIBSS: + 3,9 vezes (20%) (70%) (30%) NIBSS: + 2,3 vezes IBSS NIBSS Tx. Cr. ( ) - IBSS: 13,3% a.a.; NIBSS: 5,1% a.a. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir RAIS/MTE, anos diversos.

36 PROFSSs na NIBSS ,2% 3,1%6,4% 4,5% 5,2% 6,5% 6,9% 9,6% 11,6% 18,1% 11,8% 13,0% Comércio Atividades administrativas Indústria transformação Administração pública Telecomunicações Atividades financeiras Ativ. profissionais, científicas e técnicas Educação Construção Transporte, armazenament o.e correio Saúde Outras atividades Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir RAIS/MTE, 2010.

37 NIBSS: VRProfssTotal Em bilhões R$, valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base 2010 Dados apurados Dados projetados 31,8 33,8 35,8 34,6 37,9 38,0 39,3 40,7 42,2 43, Tx. Média Cr. (2003 a 2008): 3,6% a.a. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir RAIS/MTE, 2010.

38 Atividades software e serviços de TI Receita líquida e pessoas, 2012 Em mil R$, valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base ,7 bi (37,9%) 402 mil (40,2%) 71,6 bi (62,1%) 598 mil (59,8%) IBSS NIBSS R$ 115,3 bilhões; 1 milhão de pessoas Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir metodologia própria.

39 Capacitação e Competências

40 Cursos-core: oferta e demanda Tx. Méd. Cr Oferta Demanda Cursos Vagas Candidatos Ingressantes Tecno Bach Tecno Bach Tecno Bach Tecno Bach 16,5% 3,8% 14,9% 5,3% 7,1% 1,2% 13,0% -0,6% 8,1% 8,5% 2,9% 3,9% Algo em torno de 6% do total de cursos, vagas, candidatos, ingressantes e egressos do Sistema Nacional de Ensino Superior Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

41 Cursos-core : Concluintes e PROFSSs distribuição regional, 2008 Centro-Oeste 9,9% Sul 15,0% Norte 3,9% Nordeste 9,3% Centro-Oeste 9,0% Sul 12,2% Norte 1,9% Nordeste 7,7% Concluintes cursos-core Sudeste 61,9% Sudeste 69,2% PROFSSs escolaridade superior

42 Cursos-core : Concluintes e PROFSSs Ano Concluintes cursos-core (A) Tx. Méd. Cr. ( ): Concluintes: 10,3% PROFSSs superior completo: 7,2% PROFSSs escolaridade NS (A)/(B) ,9% ,1% ,7% ,2% ,8% ,3% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

43 Cursos-core : Concluintes/PROFSSs, UF localização IES, 2008 Ceará 11,9% Distrito Federal 12,7% Rio de Janeiro 13,7% São Paulo 15,1% Média 18,3% Goiás 52,3% Rondônia 62,3% Alagoas 73,0% Amapá 102,6% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

44 Cursos profissionalizantes nível médio: Centro-Oeste 2,4% Norte 2,1% Nordeste 6,1% Centro-Oeste 5,7% Norte 5,7% Nordeste 13,5% Sul 16,9% Sul 21,0% Sudeste 72,5% Sudeste 54,2% cursos cursos 2010 Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

45 Cursos profissionalizantes : Concluintes e PROFSSs Ano Concluintes cursos-core (A) PROFSSs escolaridade NM (A)/(B) ,4% ,7% ,0% * ,8% * ,1% * ,0% * ,7% Tx. Méd. Cr. ( ): Concluintes: -2,9% a.a.; PROFSSs escolaridade nível médio: 4,3% a.a. * Dados estimados. Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

46 Profissionalizantes: Matriculados/PROFSSs, UF, 2010 Bahia 19,3% Distrito Federal 23,3% Alagoas 30,1% Goiás 34,0% Média 58,0% Mato Grosso 157,4% Roraima 163,0% Tocantins 199,9% Piauí 213,3% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir de dados INEP/MEC.

47 Escassez de RH em TI

48 Cenários: Tx. Méd. Cr. Anual CENÁRIO ESPERADO: Em 2020, déficit de 280 mil PROFSSs Receita (VRProssTotal) PROFSS contratação Produtividade (VRProfssMedio) IBSS NIBSS IBSS NIBSS IBSS NIBSS 13,0% 5,0% 14,0% 6,0% -2,0% -3,0% NÚMERO MÍNIMO DE EGRESSOS: até 2020, graduados; (NM) e (NS) Nível médio (NM) Nível superior (NS) Profissionalizante Tecnologia Bacharelado 15,0% 15,0% 5,0% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE e RAIS/MTE, anos diversos.

49 Cenários Tx Méd Cr Anual déficit nulo PERDA DE RECEITA (VRPROFSSTOTAL): até 2020, perda de R$ 115,4 bilhões (em valores 2010) Receita (VRProssTotal) GANHOS DE PRODUTIVIDADE (VRPROFSSMEDIO): em 2020, produtividade de R$ 120,7 mil (IBSS) e R$ 100,4 (NIBSS) (em valores 2010). Receita (VRProssTotal) PROFSS contratação PROFSS contratação Produtividade (VRProfssMedio) IBSS NIBSS IBSS NIBSS IBSS NIBSS 11,7% 2,8% 14,0% 6,0% -2,0% -3,0% Produtividade (VRProfssMedio) IBSS NIBSS IBSS NIBSS IBSS NIBSS 13,0% 5,0% 14,0% 6,0% -0,9% -0,9%

50 Melhoria da produtividade Produtividade Econômica reais / homens-hora Produtividade Física produção / homens-hora = X Valor Agregado da Produção reais / produção Os empresários têm duas formas de tentar chegar ao déficit nulo via melhoria da produtividade econômica, ou melhoram a produtividade física (isto é, tornam os profissionais mais produtivos, seja por melhoria no processo produtivo, seja por melhoria na qualificação dos profissionais) ou passam a produzir produtos e serviços de maior valor agregado, com o mesmo pessoal.

51 Estudos regionais

52 IBSS em nível estadual: 2007 e 2008 SP, RJ, MG, PR, SC, RS Total IBSS ,6% R$ 42,1 bi 86,8% 86,7% R$ 48,5 bi 46,1 bi 52,1 bi 88,4% Empresas Receita líquida ,7% 80,8% Pessoas ocupadas

53 Distribuição das empresas Santa Catarina 4,4% Paraná 8,0% Rio Grande do Sul 9,9% Minas Gerais 9,0% São Paulo 54,3% Rio de Janeiro 14,3% Minas Gerais: empresas

54 Tx Cr número de empresas 2007/2008 Localização da sede da empresa Tx. Cr Minas Gerais 1,6% Paraná 16,5% Rio de Janeiro 9,1% Rio Grande do Sul 20,2% Santa Catarina 0,9% São Paulo 13,1% Total 11,7% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, anos 2007 e 2008.

55 Participação empresas 20 ou mais PO Minas Gerais Paraná Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo Total 3,6% 2,2% 2,9% 2,3% 4,4% 2,9% 2,9% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

56 Distribuição das empresas por atividade Minas Gerais Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

57 Participação de empresas de software na IBSS Sw não customizável Sw customizável Sw encomenda SC RJ SP MG PR RS 36,9% 31,2% 31,2% 30,6% 22,2% 22,1% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

58 Distribuição da receita líquida Santa Catarina Rio Grande do 3,2% Sul 3,8% Minas Gerais 5,1% Paraná 2,7% Rio de Janeiro 21,1% Minas Gerais: R$ 2,3 bilhões São Paulo 64,2% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

59 Participação Receita Líquida no PIB Em mil R$, valores deflacionados pelo IGP-DI, ano-base 2010 Localização da sede da empresa PIB (B) Receita Líquida (A) (A)/(B) Minas Gerais % Paraná ,6% Rio de Janeiro ,6% Rio Grande do Sul ,8% Santa Catarina ,1% São Paulo ,7% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir IBGE 2008.

60 Tx Cresc receita líquida Localização da sede da empresa Tx. Cr Minas Gerais 0,0% Paraná 19,2% Rio de Janeiro -0,1% Rio Grande do Sul 20,5% Santa Catarina 6,0% São Paulo 13,1% Total 9,4% R$ 2,3 bilhões Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, anos 2007 e 2008.

61 Participação da receita líquida das empresas 20 ou mais PO Minas Gerais Paraná Rio de Janeiro Rio Grande do Sul Santa Catarina São Paulo Total 59,2% 39,4% 88,3% 49,2% 68,1% 72,9% 73,5% R$ 2,3 bilhões Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

62 Distribuição da receita líquida por atividade Minas Gerais 2008 R$ 2,3 bilhões Minas Gerais: R$ 2,3 bilhões Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

63 Participação software no total da receita líquida da IBSS ,6 Bi Sw não customizável Sw customizável Sw encomenda 11,0 Bi 1,2 Bi 979,9 Mi 473,1 Mi 649,4 Mi RJ SC MG PR RS SP R$ 2,3 bilhões 78,2% 78,2% 42,1% 38,6% 37,5% 37,4% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

64 Pessoas ocupadas Santa Catarina 4,7% Paraná 5,8% Rio Grande do Sul 6,2% Minas Gerais 9,5% Rio de Janeiro 14,6% R$ 2,3 bilhões Minas Gerais: pessoas ocupadas São Paulo 59,2% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

65 Tx Cr Pessoas Ocupadas 2007 e 2008 Localização da sede da empresa Tx. Cr Minas Gerais -3,3% Paraná 11,9% Rio de Janeiro 0,8% Rio Grande do Sul 11,1% Santa Catarina 12,8% São Paulo 13,3% Total R$ 2,3 bilhões 9,3% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, anos 2007 e 2008.

66 Distribuição Pessoas Ocupadas por atividade Minas Gerais 2008 R$ 2,3 bilhões pessoas ocupadas Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

67 Participação pessoas ocupadas em software no total da IBSS Sw não customizável Sw customizável Sw encomenda SC RJ SP PR MG RS 54,7% R$ 2,351,0% bilhões 34,6% 34,6% 26,9% 25,7% Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

68 R50: Receita líquida e pessoas ocupadas Fonte: Elaboração Observatório SOFTEX, a partir PAS/IBGE, 2008.

69 PROFSSs em MG: ESS e NESS PROFSSs no Q++ ESS: (86%) NESS: (74%) 75% total ESS MG 54% total NESS MG

70 Equipe técnica

71 Observatório SOFTEX Virgínia Duarte (19) ; (19) Cooperação técnica: IBGE Apoio: SEPIN/MCTI FINEP

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores

Sumário. Sobre a SOFTEX. Principais indicadores Software e Serviços de TI: a indústria brasileira em perspectiva Volume 2, 2012 Sumário Sobre a SOFTEX Principais indicadores Parte 1 IBSS Parte 2 NIBSS Parte 3 Capacitações e competências Parte 4 Cenários,

Leia mais

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva

I Seminário Internacional Software e Serviços de TI. Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva I Seminário Internacional Software e Serviços de TI Software e Serviços de TI: A indústria brasileira em perspectiva Arnaldo Bacha de Almeida Vice-presidente Executivo (CEO) Softex Associação para Promoção

Leia mais

Por que boa parte dos graduados em TI não atende à demanda das empresas por profissionais? CIBSS 2012 Itupeva, 25/10/2012 As faces da escassez I Foco: QUANTIDADE. Solução: formar mais gente. Questão: Podemos

Leia mais

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012

Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro. I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Atividades de software e serviços de TI em território brasileiro I CIBSS, Itupeva, outubro 2012 Serviços de informática no contexto TIC Serviços de informática Setor TI Setor TIC Software Serviços TI Hardware

Leia mais

TI TI A INDÚSTRIA DE

TI TI A INDÚSTRIA DE DETI A INDÚSTRIA O BRASIL NO MUNDO 3º maior Mercado de Computadores 5 maior 250 milhões 40,9 milhões 81,5 milhões Mercado de celulares Celulares Conexões Banda Larga Usuários de Internet Fonte: ABINEE,

Leia mais

Compras públicas favorecendo a IBSS. CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro

Compras públicas favorecendo a IBSS. CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro Compras públicas favorecendo a IBSS CIBSS 2012, Itupeva, 24 de outubro Considerações iniciais Compras públicas Procedimento formal através do qual o Estado adquire mercadorias e serviços para fins próprios.

Leia mais

Setor Brasileiro de TIC em Números

Setor Brasileiro de TIC em Números Setor Brasileiro de TIC em Números A Dimensão da Oferta CIBSS 2012, 22/10/12 Sumário Definições Resultados: Contas Satélites Resultados: Censo Demográfico Definições Setor TIC Importante segmento da sociedade

Leia mais

Software e Servicos de TI

Software e Servicos de TI Número 1 Volume 1 Observatório SOFTEX Software e Servicos de TI A Indústria Brasileira em Perspectiva RESUMO EXECUTIVO RESUMO EXECUTIVO Software e Serviços de TI: A Indústria Brasileira em Perspectiva

Leia mais

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática

Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática CAPÍTULO 9 Cursos Técnicos Profissionalizantes de Nível Médio para a Área de Informática Apresentação Com base em metodologia desenvolvida pelo Observatório SOFTEX, busca-se conhecer o Sistema de Educação

Leia mais

Atividades da SOFTEX. Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais. Associativismo Empresarial. Qualidade e Competitividade

Atividades da SOFTEX. Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais. Associativismo Empresarial. Qualidade e Competitividade Atividades da SOFTEX Desenvolvimento de Mercado (interno e externo) para empresas nacionais Associativismo Empresarial Qualidade e Competitividade Capacitação & Ensino Brasília, 29 de outubro de 2009 Inovação

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento

Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento Capital Humano como um Indicador de Avanços no Governo Eletrônico V Taller Regional para Medição da Sociedade do Conhecimento 06 a 08 de abril de 2009 Virgínia Duarte Objetivo - Observatório Conceber e

Leia mais

Cenário atual para empresas de softwares e profissionais Carlos José Pereira

Cenário atual para empresas de softwares e profissionais Carlos José Pereira Cenário atual para empresas de softwares e profissionais Carlos José Pereira Era industrial (Usinas Satânicas), Capitalismo Comercial, Capitalismo Industrial, Capitalismo Financeiro, Capitalismo Informacional,

Leia mais

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI

CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI CADERNOS TEMÁTICOS DO OBSERVATÓRIO: MERCADO DE TRABALHO E FORMAÇÃO DE MÃO DE OBRA EM TI 1 ASSOCIAÇÃO PARA PROMOÇÃO

Leia mais

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado

A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado A Softex e as Estratégias para a Indústria de Software Brasileira no Mercado Globalizado Alexandre J. Beltrão Moura Vice-presidente alex@nac.softex.br Coimbra, 07 de Abril de 2004 Apresentação de Hoje

Leia mais

Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI

Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI Formação e Capacitação para a Indústria Brasileira de Software e Serviços de TI Texto para Discussão 1 Dezembro de 2010 Observatório SOFTEX Formação e capacitação para a Indústria Brasileira de Software

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO

O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO O MERCADO DE TI NO BRASIL E NO MUNDO Mercado Global de TI ferramenta de aplicaçao de políticas públicas do setor de TI MERCADO GLOBAL DE TI 2 Mercado Global de TI ACATE Florianópolis SC AEPOLO Caxias do

Leia mais

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella

Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região. Pedro José Granja Sella Perfil das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação de Londrina e Região Pedro José Granja Sella Objetivos Conhecer, em dados, o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região de Londrina;

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI:

Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Perspectivas para o Mercado de Sw & Serviços de TI: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática - SEPIN outubro/2010 Agenda

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SEPIN - SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SEPIN - SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SEPIN - SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA RELATÓRIO ESTATISTICO PRELIMINAR DE RESULTADOS DA LEI DE INFORMÁTICA ANO BASE 2008 versão 1.3 PERFIL DE COMPETENCIAS EM

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços

7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços 7ª Conferência da Qualidade de Software e Serviços Executora das políticas públicas do Governo Federal para o setor de TI A Softex - Associação para Promoção

Leia mais

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012

OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 (Estudo Técnico nº 175) François E. J. de Bremaeker Salvador, julho de 2012 2 OS MUNICÍPIOS BILIONÁRIOS EM 2012 François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo Associação

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias

50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias 50 cidades com as melhores opções para aberturas de franquias Pesquisa realizada pela Rizzo Franchise e divulgada pela revista Exame listou as 50 cidades com as melhores oportunidades para abertura de

Leia mais

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS

DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 PER DA IND PERFIL DA INDÚSTRIA NOS ESTADOS 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto

Leia mais

Sociedade SOFTEX. Gestão do Programa Prioritário de Investimentos em Software do MCT Exportação -> Excelência

Sociedade SOFTEX. Gestão do Programa Prioritário de Investimentos em Software do MCT Exportação -> Excelência Lei de Inovação e o Poder das Compras Governamentais Seminário Internacional Promoção da Inovação e da Prop. Intelectual em TI Curitiba 30 de Maio de 2008 Sociedade SOFTEX Gestão do Programa Prioritário

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL Introdução A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), eletroeletrônico e audiovisual é um dos complexos mais importantes da economia, uma vez que pode proporcionar

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral

Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral Experiência da CNI na promoção da Inovação no Setor Mineral PAULO MOL Diretor de Inovação Brasília, 10 de junho de 2013 Brasil precisa ser mais competitivo e a inovação é um dos caminhos 6ª Economia Mundial

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica

RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero. Inovação tecnológica RIO ALÉM DO PETRÓLEO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Fontes Mauricio Blanco Valéria Pero Inovação tecnológica Uma das faces do desenvolvimento econômico pode ser vista

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Interior de SP. Mailing Jornais

Interior de SP. Mailing Jornais São Paulo AGORA SÃO PAULO BRASIL ECONÔMICO D.C.I. DESTAK (SP) DIÁRIO DO COMMERCIO (SP) DIÁRIO DE SÃO PAULO DIÁRIO DO GRANDE ABC EMPREGO JÁ (SP) EMPREGOS & CONCURSOS (SP) EMPRESAS & NEGÓCIOS (SP) FOLHA

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

MG TI 2022 PROGRAMA DE GOVERNO DEZEMBRO DE 2012

MG TI 2022 PROGRAMA DE GOVERNO DEZEMBRO DE 2012 MG TI 2022 PROGRAMA DE GOVERNO DEZEMBRO DE 2012 Qual é o desafio? O programa BH TI 2022 começou com o desafio de fazer de Belo Horizonte a capital nacional de TI* até 2022 e evoluiu para uma proposta de

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas

Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil. Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas Painel IV: Panorama do Crédito no Banco do Brasil Ary Joel de Abreu Lanzarin Diretor de Micro e Pequenas Empresas As diretrizes estratégicas dão foco ao negócio Perspectivas Simplificar e agilizar a utilização

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas

Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas Recursos Humanos em TI: Recomendações de políticas públicas Texto para Discussão 2 Junho de 2011 Observatório SOFTEX Recomendações de políticas públicas para RH em TI: texto para discussão n. 2 1 1. Apresentação

Leia mais

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013

POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 Ministério da Educação POLOS DE INOVAÇÃO Institutos Federais Brasília, junho de 2013 ATIVIDADE ECONÔMICA (organizações empresariais e comunitárias) IMPACTOS: PD&I Aumento da competitividade industrial

Leia mais

Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software

Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software Propuesta de estudio para el mapeo y definición de la Industria Brasilera de Software San Salvador, 10 11 febrero / 2008 IV TALLER SOBRE LA MEDICIÓN DE LA SOCIEDAD DE LA INFORMACIÓN Motivação Prioridade

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012

PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição- 2011 / 2012 Member of ICMCI International Council of Management Consulting Institutes PESQUISA de HONORÁRIOS e TENDÊNCIAS da CONSULTORIA no BRASIL 11ª edição 2011 / 2012 Av. Paulista, 326 Conj. 77 Bela Vista CEP 01310902

Leia mais

Programa de Educação em TI. Outubro, 2012

Programa de Educação em TI. Outubro, 2012 Programa de Educação em TI Outubro, 2012 Cenário de formação de recursos humanos Alta evasão Apenas 15% dos inscritos concluem os cursos Queda da relação candidatos/vagas Censo 2008 89,4% dos cursos estão

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA

O Plano TI Maior. 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA O Plano TI Maior 17 de outubro de 2012 Hotel Bahia Othon Palace Salvador - BA Agenda Sobre a Assespro Sobre o Plano TI Maior Informações Oficiais Posicionamento da Assespro A Assespro A Assespro Nacional

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil

O Mercado de Profissionais de TI no Brasil O Mercado de Profissionais de TI no Brasil Apresentação Organizar informações sobre a dinâmica do mercado de profissionais de TIC (demanda e oferta) nos Estados com maior concentração na produção e desenvolvimento;

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras

Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras Estratégias de Internacionalização para Empresas Inovadoras Índia e China são alvos de multinacionais para produção e serviços de TI! Notícias na Mídia! Índia virou um gigante em TI! China e Índia lideram

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SOBRE O CURSO A tecnologia ocupa papel de destaque no atual cenário socioeconômico mundial, presente em todos os setores e atividades econômicas. Essa revolução transformou o mundo

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO SOBRE O CURSO A revolução tecnológica das últimas décadas, especialmente na área de informática, tem alterado nossa sociedade. O Engenheiro de Computação é um profissional que

Leia mais

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO

MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA MACRO-METAS DO PROGRAMA LINHA DO TEMPO MACRO-OBJETIVOS DO PROGRAMA 1- FORTALECER O SETOR DE SOFTWARE E SERVIÇOS DE TI, NA CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS; 2- CRIAR EMPREGOS QUALIFICADOS NO PAÍS; 3- CRIAR E FORTALECER EMPRESAS

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314

I 4 - INV 4 90 0 495 110.099.314 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 256.092.869 26 TRANSPORTE 468.989.333 TOTAL - GERAL 725.082.202 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL 21.077.996 126 TECNOLOGIA

Leia mais

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo

Oportunidades de Patrocínio. cloudstackday. 12/02/2015 São Paulo. Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Oportunidades de Patrocínio 12/02/2015 São Paulo Auditório István Jancsó Universidade de São Paulo Situação do mercado brasileiro de TI O Brasil vive um déficit de mão-de-obra qualificada, especialmente

Leia mais

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Educação, Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento FERNANDA DE NEGRI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO BRASIL INDÚSTRIA DIVERSIFICADA... outros; 18,8% Alimentos

Leia mais

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr

Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr Imagem: Santa Casa de Santos fundada em 1543 Atualização: 26/outubro Programa de Melhoria da Gestão em Hospitais Filantr ópicos Filantró Hospitais e Entidades Filantrópicas - CMB Objetivos do Projeto Governança

Leia mais

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações

Universidade. Estácio de Sá. Informática e Telecomunicações Universidade Estácio de Sá Informática e Telecomunicações A Estácio Hoje reconhecida como a maior instituição particular de ensino superior do país, a Universidade Estácio de Sá iniciou suas atividades

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SOBRE O CURSO A tecnologia ocupa papel de destaque no atual cenário socioeconômico mundial, presente em todos os setores e atividades econômicas. Essa revolução transformou o mundo

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Analista de Correios / Administrador AC / Rio Branco 123 1 123,00 Analista de Correios / Técnico em Comunicação Social Atuação: Jornalismo AC / Rio Branco 27 1 27,00 Médico do Trabalho Formação: Medicina

Leia mais

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos:

A TCI BPO. Nossos diferenciais competitivos: Recursos Naturais A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências e

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015

Investe São Paulo. Campinas, 17 de março de 2015 Investe São Paulo Campinas, 17 de março de 2015 Missão Ser a porta de entrada para novos investimentos e a expansão dos negócios existentes, gerando inovação tecnológica, emprego e renda. Promover a competitividade

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

Cursos de Graduação a Distância

Cursos de Graduação a Distância de Graduação a Distância 427 428 7 - de Graduação a Distância 7.1 -,,, por Vestibular e Outros Processos Seletivos (*), e nos de Graduação a Distância, segundo as Instituições Brasil 2004 (continua) Instituições

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Sala de Imprensa Notícias do Enem

Sala de Imprensa Notícias do Enem Imprimir Fechar janela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Sala de Imprensa Notícias do En 07 de fevereiro de 2007 Inep divulga os resultados do En 2006 por UF e Maioria

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais