Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio 2012-2015"

Transcrição

1 Plano de Investimentos do Governo do Estado de São Paulo no HCFMRP - USP Quadriênio Prof Dr Marcos Felipe Silva de Sá Superintendente do HCFMRP-USP Fevereiro/2014

2 HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO - USP Plano de Melhorias Programa de Investimentos nos Hospitais Universitários do estado de São Paulo

3 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Objetivos Gerais Plano de Melhorias Considerando o papel do HCRP como referência terciária dentro do SUS há a necessidade de adequação da sua infraestrutura visando atender às demandas de alta complexidade da sua região de abrangência. DRS: Araraquara, Barretos, Franca e Ribeirão Preto População de abrangência: 3,34 milhões de habitantes

4 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Plano de Melhorias Objetivos específicos ( atividades-fins) Criação/ampliação/melhorias dos serviços de alta complexidade de grande demanda que representam atualmente gargalos no SUS: Unidades de Terapia Intensiva de Adultos, Crianças e Neonatais; Oncologia; Transplantes de órgãos sólidos e de M.O.; Ortopedia; Reabilitação; Oftalmologia; Otorrinolaringologia, Reprodução Assistida; Unidade de Queimados; Cardiocirurgia Unidade especializadas para AVC, Cirurgia de epilepsia; Hemodiálise, Ampliação do número de salas cirúrgicas e geral e outros.

5 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Plano de Melhorias Objetivos específicos ( atividades-meios) Para dar suporte à criação, ampliação e melhoria das unidades diretamente voltadas à assistência aos pacientes há a necessidade de investimentos na infraestrutura hospitalar: Arquivo médico, transportes, abastecimento de água, sistema de água gelada ( climatização), rede elétrica, rede de vapores ( caldeiras e linha de vapor), oficinas de manutenção de equipamentos, estacionamentos, vias de acesso, TI, Central de Materiais, entre outros.

6 HCRP EM OBRAS Durante as obras, todos esforços tem sido feitos para não reduzir nem prejudicar o atendimento aos pacientes Os atendimentos e procedimentos ambulatoriais não sofreram quaisquer restrições Algumas adaptações nas enfermarias e Bloco Cirúrgico - todas acompanhadas pela Comissão de Controle de Infecção hospitalar.

7 HC EM OBRAS - II Medidas de adequações para minimizar o impacto das reformas no atendimento Centro de Reabilitação foi transferido provisoriamente para outro local 50 leitos cirúrgicos dos 9º e 10º andares foram remanejados para outras enfermarias 10 leitos da HEMATO foram remanejados para outras enfermarias da Clínica Médica Modificação da grade horária e remanejamento das salas cirúrgicas

8 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Plano de Melhorias do HCRP Governo de SP Obras Equipamentos Total HC Criança R$ R$ R$ Melhorias no HCRP Campus/UE Previsão Inicial R$ Previsão Final R$ R$ R$ TOTAL => R$

9 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP HC CRIANÇA Leitos UTI Pediátrico Leitos UTI Neonatal Alojamento conjunto (Mãe/Rn) 38 Leitos Pediátricos Leitos CIREP Leitos Hospital Dia... 8 Leitos Pré-parto leitos Salas de parto... 3 Consultórios e salas... 72

10 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP HC CRIANÇA Impacto na assistência pediátrica CTI Ped leitos CTI Neo leitos Atendimento ambulatorial Humanização Normas da VISA Ambiente adequado para crianças

11 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP HC CRIANÇA Impacto na assistência obstétrica Aloj.Cjto:leitos Salas de parto: 3 Leitos de pré-parto individualizados Programa mãe-cangurú Humanização do Parto Normas da VISA

12 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP HC CRIANÇA Impacto na assistência neurológica CIREP Leitos : 5 20 Modernização dos equipamentos

13 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP HC CRIANÇA Previsão de término: 1ª fase: junho/2014 2ª fase: setembro/2014

14 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP OBRAS ASSISTÊNCIA MÉDICO HOSPITALAR

15 Obras finalizadas - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Reforma da Imunohistoquímica Serviço de Patologia Criação Ambulatório Pré Anestésico Criação Unidade de Pesquisa Clinica Centro Referência Imunobiológicos Especiais Reforma Ambulatório de Oncologia e Central de Quimioterapia Instalação equipamento automação Criação de 4 consultórios Criação de 5 consultórios Adequação VISA 6 8 consultórios

16 Obras finalizadas - Assistência Unidade de Emergência Meta Custo (em mil R$) Ampliação da Unidade Coronariana 7 9 leitos 236 Reforma das Enfermarias Melhoria humanização 175 Reforma da Enf de Psiquiatria 6 8 leitos 179 Reforma do Centro Cirúrgico e da CTI Reforma salas Tomógrafo e RX digital 3 5 salas cirúrgicas Instalação novos equipamentos

17 Obras em andamento - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Criação do Centro de Transplante de Órgãos Solídos Criação do Centro de Otorrinolaringologia e Fonoaudiologia Expansão da Unidade Coronariana leitos consultórios / salas exames 5 15 leitos Término Out/ Nov/ Set/14

18 Obras em andamento - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Reforma das salas de cirurgia Cardiovascular Modernizaçao Términ o Ampliação da CTI da Recuperação pós anestésica Reforma do Centro de Cirurgia Ambulatorial -CCA Ampliação da Central de Material e Esterilização 6 10 leitos Adequação VISA Adequação VISA Criação Central Respiradores Ago/ (incluido na obra do HC Criança) Set/14

19 Obras em andamento - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Reforma e ampliação do Centro de Reabilitação (Ortopedia) Reforma da Hematologia e Transplante de Medula Óssea Expansão da Odontologia Hospitalar Reforma do Serv. Assistência Médica do Pessoal Adequação (incluido na obra do HC Criança) Adequação VISA (Climatização) Términ o Set/ Jun/ salas 160 Nov/14 Adequação VISA 530 Jun/14

20 Obras programadas - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Expansão do CTI Campus 9 40 leitos Término Dez/15 Expansão da Unidade de Diálise Unidade Especial de Moléstias Infecciosas 3 máquinas de diálise (22 25) leitos Dez/ Abr/15

21 Obras programadas - Assistência HC Campus Meta Custo (mil R$) Centro de Reprodução Humana Adequação VISA e ampliação Término Abr/15 Ampliação Medicina Nuclear Ampliação do Ambulatório de Oftalmologia Instalação Gama Câmara e PET CT consultórios / salas exames Ampliação Centro Cirúrgico Salas cirurgicas Dez/15 Proj em andamento De 14 mil 20 mil cirurgias /ano

22 Obras programadas - Assistência Unidade de Emergência Reforma Unidade de Queimados Meta Custo (mil R$) 2 5 leitos de CTI Criação da Unidade de AVC 10 leitos Término Mai/

23 Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP OBRAS INFRAESTRUTURA

24 Obras finalizadas - Infraestrutura HC Campus Custo (mil R$) Reforma de banheiros áreas ambulatoriais 69 Cobertura da passarela externa ambulatórios 278 Sala de Telemedicina 152 Nova área arquivo médico ( ativo e semi-ativo) Reforma sala digitalização de prontuários 74

25 Obras finalizadas - Infraestrutura HC Campus Custo (mil R$) Novo depósito de resíduos recicláveis e 674 resíduos químicos Caldeiras e Divisão de transportes Novo poço, adutora e rede de água 864

26 Obras em andamento - Infraestrutura HC Campus Estacionamento de pacientes (carros particulares, ônibus e ambulâncias) Reforma da cobertura dos ambulatórios Custo (mil R$) Término Ago/ Jun/14 Reforma da calçada externa 114 Mar/14

27 Obras em andamento - Infraestrutura HC Campus e UE Custo (mil R$) Término Reforma da rede elétrica Mai/14 Reformas da rede de agua e vapor Jun/14 Restauração fachada da UE 302 Abr/14

28 PERSPECTIVAS HCFMRP-USP Adequação do número de leitos de CTI Adulto, Pediátrico e Neonatal Ampliação da capacidade instalada de atendimento oncológico e de transplantes Adequação das áreas cirúrgicas a um perfil de alta complexidade Adequação e ampliação da capacidade de atendimento de Ortopedia, Otorrino e Oftalmo considerados gargalos na rede assistencial do SUS Fortalecimento da capacidade de atendimento de urgências e emergências Reforço da infraestrutura hospitalar

29 OBRIGADO

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino A experiência do NHE do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Curitiba, 16 de abril de 2015 Hospital das Clínicas

Leia mais

Papel do Hospital das Clínicas

Papel do Hospital das Clínicas Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Papel do Hospital das Clínicas Milton Roberto Laprega 22 de maio de 2010 Ensino Pesquisa Assistência à saúde satisfação do paciente 1

Leia mais

APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR

APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR APÊNDICE 2 AÇÕES EMERGENCIAIS 2016-2017 DIVISÃO DE LOGÍSTICA E INFRAESTRUTURA HOSPITALAR APRESENTAÇÃO A reestruturação do HULW, objetiva a implementação de assistência e ensino de qualidade, e isso não

Leia mais

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA

COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA. Clique para editar os estilos do texto mestre ASSISTÊNCIA COPARTICIPAÇÃO MÉDICA E MELHORIAS NA ASSISTÊNCIA JULHO/2013 REDE DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Aumento da Rede credenciada MÊS DE REFERÊNCIA Dez/11 Dez/12 CLINICA 508 653 CLINICA ODONTOLÓGICA 42 41 HOSPITAL 161

Leia mais

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$) GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451 3.5.2.13 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de

Leia mais

Relatório de Atividades 2010

Relatório de Atividades 2010 HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Relatório de Atividades 2010-1 - - 2 - Relatório Atividades 2010 Missão Desenvolver e praticar Assistência,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

RESUMO DA ESTRUTURA FÍSICO-OPERACIONAL DO HOSPITAL CENTRAL DO IASERJ ESTRUTURA ATIVA

RESUMO DA ESTRUTURA FÍSICO-OPERACIONAL DO HOSPITAL CENTRAL DO IASERJ ESTRUTURA ATIVA RESUMO DA ESTRUTURA FÍSICO-OPERACIONAL DO HOSPITAL CENTRAL DO IASERJ CTI - 16 leitos Enfermaria de Clínica Médica 26 leitos ESTRUTURA ATIVA SPA Sala Amarela 11 leitos Sala Vermelha 3 leitos Sala de observação

Leia mais

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE Indicadores de cobertura NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE 1. Conceituação x Número médio de consultas médicas apresentadas no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço

Leia mais

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS

Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS Usando dados do mundo real para sustentabilidade econômica do SUS PAULO VAZ - DIRETOR GERAL NEWBD Conflito de interesse: Diretor Geral da NewBD, empresa especializada na produção de estudos com uso de

Leia mais

Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar

Leia mais

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares

Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem THAÍLA TANCCINI Relatório de Conclusão do Estágio Curricular III Serviços Hospitalares Porto Alegre 2011 2 THAÍLA TANCCINI Relatório de

Leia mais

Relatório de. Gestão

Relatório de. Gestão Relatório de Gestão Sumário Apresentação... 2 Serviços Ofertados... 3 Recursos Humanos... 4 Análise Operacional... 5... U RGÊNCIA E EMERGÊNCIA... 5... A MBULATÓRIO... 6... I NTERNAÇÃO... 7... D ESEMPENHO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO

CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO Benedito Carlos Maciel Diretor Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Missão FMRP USP Oferecer educação superior de excelência,

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Gerenciamento de Resíduos de Medicamentos no HCFMRP-USP

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Gerenciamento de Resíduos de Medicamentos no HCFMRP-USP HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Gerenciamento de Resíduos de Medicamentos no HCFMRP-USP Serviço de Gerenciamento Ambiental Daniela Saldanha

Leia mais

Boletim de Serviço. Nº 06, 05 de janeiro de 2015. Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes

Boletim de Serviço. Nº 06, 05 de janeiro de 2015. Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes Boletim de Serviço Nº 06, 05 de janeiro de 2015 Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH HOSPITAL UNIVERSITÁRIO CASSIANO ANTÔNIO MORAES Av. Marechal

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE

MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE MANUAL DO SISTEMA DE TELECONSULTORIA MANUAL DO SOLICITANTE CENTRO DE TELESSAÚDE DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFMG REDE DE TELEASSISTÊNCIA DE MINAS GERAIS DEZEMBRO DE 2015 Apresentação A (RTMG) é uma rede

Leia mais

Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-0852 - 3566-4862

Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-0852 - 3566-4862 Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-852 - 3566-4862 Faça agora seu plano, ligue: (21) 2772-852 - 3566-4862 *REDUÇÃO DE CARÊNCIA GRUPO DE BENEFÍCIOS CARÊNCIA CONTRATUAL 413 128 129 398 Carência - consulta

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO O MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Área total: 407,1 Km 2 52% área de Proteção aos Mananciais População: 765.203

Leia mais

Internação Hospitalar

Internação Hospitalar Internação Hospitalar José Carlos Prado Jr Subsecretario Geral 09 de dezembro de 2014 Plataforma de Liberação de Internação Hospitalar Portaria S/SUBGE n o 002 de 01/dez/2014 Serve para liberação de numeração

Leia mais

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades:

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Vagas e requisitos Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Áreas/Especialidades Vagas Pré-Requisitos Análises Clínicas (Biologia) 01 a) Formação Superior Completa

Leia mais

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo REDES DE ATENÇÃO EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo SÃO BERNARDO DO CAMPO É O 5º MUNICÍPIO DO ESTADO DE SP EM POPULAÇÃO E ORÇAMENTO

Leia mais

Relatório de Atividades 2014

Relatório de Atividades 2014 Relatório de Atividades 2014 HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE ESTADO DE SÃO PAULO Governador do Estado de São Paulo Secretário

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014

Leia mais

DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE E GESTÃO DE CONTRATOS SUMÁRIO

DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE E GESTÃO DE CONTRATOS SUMÁRIO Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco/UFPE DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA Brasília, 25 de outubro de 2013. Página 1 de 28 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2016/2017 1. Analise dos pontos críticos em 2015 2. Estabelecimento de Plano de Ação por área Metas Institucionais 3. Levantamento das necessidades Metas Institucionais definidas:

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

3 CIMES Tecnologias: Demandas da Saúde. Leria Rosane Holsbach Engenharia Clinica Santa Casa de Porto Alegre Abril 2014

3 CIMES Tecnologias: Demandas da Saúde. Leria Rosane Holsbach Engenharia Clinica Santa Casa de Porto Alegre Abril 2014 3 CIMES Tecnologias: Demandas da Saúde Leria Rosane Holsbach Engenharia Clinica Santa Casa de Porto Alegre Abril 2014 PANORAMA NACIONAL HOSPITAIS 1.753 PJ 2.100 unidades LEITOS 170.869 (Total) 126.883

Leia mais

ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE DEFINIÇÕES IM PORTANTES PARA O CADASTRAM ENTO

ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE DEFINIÇÕES IM PORTANTES PARA O CADASTRAM ENTO ANEXO 14 -NORMAS PARA PROJETOS FÍSICOS DEESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DESAÚDE Resolução - RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002 Substitui a Portaria MS nº1.884,de 11/11/1994 Este glossário se complementa

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras

Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras Rua Virgilio de Melo Franco, 465 - Tabajaras MODALIDADE DO PLANO LICITADO E COBERTURAS O Plano licitado é o Ambulatorial Hospitalar com Obstetrícia Coletivo Empresarial, com atendimento em Rede Própria

Leia mais

REGULAÇÃO MÉDICA DE RIBEIRÃO PRETO-SP

REGULAÇÃO MÉDICA DE RIBEIRÃO PRETO-SP 27/5/21 REGULAÇÃO MÉDICA DE RIBEIRÃO PRETO-SP Dr Marcelo Dinardi coordenador SAMU RP Regulações ano-ano 4 Hospitais SUS ano-ano 35 3 25 2 15 27 28 29 21 1 5 Não houve variação muito importante de ano a

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

TABELA DO PLANO INDIVIDUAL

TABELA DO PLANO INDIVIDUAL TABELA DO PLANO INDIVIDUAL NÃO TEM TABELA FAMILIAR Plano Premium Premium Platinum Platinum Standard Executivo Standard Executivo Acomodação Enfermaria Apartamento Enfermaria Apartamento Abrangencia Regional

Leia mais

Estrutura Física e Organizacional da Farmácia Hospitalar

Estrutura Física e Organizacional da Farmácia Hospitalar Estrutura Física e Organizacional da Farmácia Hospitalar Conceito Unidade clínica de assistência técnica e administrativa, dirigida por farmacêutico, integrada funcional e hierarquicamente às atividades

Leia mais

RelatóRio de execução

RelatóRio de execução RelatóRio de execução JANEIRO/2015 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Início de um novo ano seguindo as diretrizes de qualidade e excelência técnica preconizadas pelo Instituto D or de Gestão de Saúde Pública. O Contrato

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002.

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. Parâmetros Assistenciais para os HPPs Os parâmetros apresentados

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO ATRAVÉS DA CIB Diário Oficial do Estado de São Paulo Nº 233, Seção 1, de 15 de dezembro de 2009

HOMOLOGAÇÃO ATRAVÉS DA CIB Diário Oficial do Estado de São Paulo Nº 233, Seção 1, de 15 de dezembro de 2009 Circular 475/2009 São Paulo, 15 de dezembro de 2009. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO ATRAVÉS DA CIB Diário Oficial do Estado de São Paulo Nº 233, Seção 1, de 15 de dezembro de 2009 Prezados Senhores,

Leia mais

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana

Região Centro. Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica. Cuidados de Saúde Primários. Unidade de Saúde Familiar Lusitana Região Centro Instituição Instituição local Contexto de Prática Clínica Cuidados de Saúde Primários ACeS Dão Lafões Unidade de Saúde Familiar Lusitana Unidade de Saúde Familiar Viseu Cidade Unidade de

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Edital do Concurso para Médico Especializando. (Curso Preparatório para Prova de Titulo de Especialista).

Edital do Concurso para Médico Especializando. (Curso Preparatório para Prova de Titulo de Especialista). Edital do Concurso para Médico Especializando (Curso Preparatório para Prova de Titulo de Especialista). O Hospital de Caridade da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba torna públicas as

Leia mais

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM?

VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? PLANO 6531 VOCÊ JÁ CONHECE O PLANO DE SAÚDE DA UNIMED COM O SINTRAM? É com satisfação que lhe apresentamos o UNIPAR 100. Um plano de saúde participativo, regulamentado pela Lei 9656/98, que garante ao

Leia mais

ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP

ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP ESTRUTURA FUNCIONAL INCOR HCFMUSP CONSELHO DIRETOR DIRETORIA EXECUTIVA Comissões (*) Assessoria Coordenação e supervisão do conhecimento Divisão de Cardiologia Clínica Coordenação Administrativa do ao

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 Ministério da Saú Secretaria Atenção à Saú PORTARIA Nº 511, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2010 O Secretário Atenção à Saú, no uso suas atribuições, Consirando a Lei Nº 9.434, 04 fevereiro 1997, que dispõe sobre

Leia mais

Fundação Hospitalar São Francisco de Assis CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO

Fundação Hospitalar São Francisco de Assis CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO Fundação Hospitalar São Francisco de Assis CORTESIA ENTUSIASMO PLANEJAMENTO CORTESIA ENTUSIASMO PLANEJAMENTO Relatório H.S.F.indd 1 No Complexo Hospitalar São Francisco, há Cortesia, Entusiasmo e Planejamento

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Leia mais

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro Universidade Federal Do Triângulo Mineiro UFTM está entre as dez melhores universidades do País. A UFTM, segundo o Índice Geral de Cursos - IGC, divulgado nesta quinta-feira, 17, pelo Inep - Instituto

Leia mais

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA

ANEXO I ÁREA DE FORMAÇÃO E TITULAÇÃO MÍNIMA 1 CURSO DE MEDICINA CÓD. DISCIPLINAS 001 Inglês 1 I 12 Curso formação completo em língua Inglesa ou título proficiência em língua inglesa. 002 Interação à Saú Comunitária I 2 I 12 ou Saú Coletiva ou Graduação

Leia mais

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR)

SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) SERVIÇOS MÉDICOS E COMPLEMENTARES: NORMAS E ROTINAS (SOMENTE ACESSÍVEIS AOS CAMPI DO INTERIOR) Preliminarmente, cabe lembrar que a concessão dos Serviços Médicos e Complementares pela Universidade de São

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

Hospital vinculado a fundação

Hospital vinculado a fundação Desafios do controle de IH: é mais fácil com recurso? Hospital vinculado a fundação Paulo de Tarso Oliveira e Castro CCIH Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII: 99% do atendimento pelo SUS Desafios

Leia mais

41 Revista do Hospital

41 Revista do Hospital realiza oficinas para gestantes de risco e adolescentes. Tem um atendimento médio em Obstetrícia e Emergência Obstétrica de 550 pacientes, com aproximadamente 2 mil partos por ano. É uma das maternidades

Leia mais

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Julho/ 2011 Definição de Política: Como Definir e Aplicar a Política da Assistência de Enfermagem - Conjunto dos fenômenos e das práticas

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015

S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 58/2015 de 6 de Maio de 2015 A redução de listas de espera cirúrgicas, de consultas e de meios complementares de diagnóstico e terapêutica para tempos de espera clinicamente

Leia mais

Instituto Couto Maia

Instituto Couto Maia Instituto Couto Maia Hospital Couto Maia 1853: ato de criação do Hospital de Isolamento de Monte Serrat Objetivo: assistir pacientes com febre amarela desembarcados de navios mercantes Construção de 160

Leia mais

Para efeitos da presente normativa serão adotadas as seguintes definições, e terminologias normalizadas.

Para efeitos da presente normativa serão adotadas as seguintes definições, e terminologias normalizadas. ANEXO I a DN 025/2003 de 07/07/2003 Definições Gerais, Definições conforme NBR s 5410 e 13534, e série NBR IEC 601, Definições adicionais conforme IEC s 64, 601-1/1994, 364-4- 41/1992, 513/1994, 617, 742/1983,

Leia mais

Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar

Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar Tabela Alvorecer Blue Med - Individual/Familiar ARIQUEZA ariqueza@gmail.com (11) 3461-9066 Referência: October/2015 - Taxa de Inscrição: 20,00 Individual Faixa Etária PREMIUM (Standard) PLATINUM (Standard)

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: 022985/2011 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Aquisição de Equipamentos e Material Permanente para a Santa Casa de Marília.

Nº / ANO DA PROPOSTA: 022985/2011 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Aquisição de Equipamentos e Material Permanente para a Santa Casa de Marília. MINISTERIO DA SAUDE PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 022985/2011 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE Aquisição de Equipamentos e Material Permanente para a Santa

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 Apresentação Os relatórios quadrimestrais são: instrumentos de monitoramento e acompanhamento da execução da PAS (Art. 6º, Portaria nº 2.135/13 Estabelece diretrizes

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REDE DE PRESTADORES Teresina/2009 SUMÁRIO PAG I Objetivo do manual... 03 II - Orientações Gerais... 04 III - Anexo I Procedimentos que necessitam de autorização prévia... 08 IV

Leia mais

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N)

Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Nº de Utilizadores do Hospital Psiquiátrico. Fecho (Ano N-2) Estimado (Ano N-1) Acumulado (Ano N) Q 2 Número de Utilizadores do Hospital (P) Instituições Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, EPE Agr. Scenario Contratualização Time Dezembro 2012 Área de Influência Fora da Área de Influência Notas:

Leia mais

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS

CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS CASA DE SAÚDE SÃO LUCAS RELATÓRIO DAS ATIVIDADES REALIZADAS PELA EQUIPE DO NÚCLEO HOSPITALAR DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA JANEIRO A JUNHO DE 2015 Monaliza Vanessa de Brito Gondim Moura Medeiros Patrícia

Leia mais

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA

CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA LIS CENTRO DIAGNÓSTICO AFONSO PENA CONSULTAS (HORÁRIO COMERCIAL): R$ 50,00 CONSULTAS À NOITE, FERIADO E FINAL DE SEMANA: R$ 70,00 1.1 Enfermaria 1.2 Apartamento Privativo Padrão 1.3 Apartamento Privativo

Leia mais

Universidade de Brasília Hospital Universitário de Brasília

Universidade de Brasília Hospital Universitário de Brasília HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - HUB PLANO OPERATIVO ANUAL Este Plano Operativo trata de ações para o período de a 2010, contextualizado nas diretrizes do SUS e da política para a contratualização

Leia mais

A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de

A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de equipamentos, reformas, ampliações e construção de novas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

2013 CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO

2013 CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO 2013 CORTESIA - ENTUSIASMO - PLANEJAMENTO MENSAGEM DA DIRETORIA O ano de 2013 foi um período de muitas conquistas e avanços para a Fundação Hospitalar São Francisco de Assis (FHSFA), todos frutos de muito

Leia mais

apresentação DIVISÃO ADMINISTRATIVA FINANCEIRA HC/UFTM-FILIAL EBSERH

apresentação DIVISÃO ADMINISTRATIVA FINANCEIRA HC/UFTM-FILIAL EBSERH Título da apresentação DIVISÃO ADMINISTRATIVA FINANCEIRA HC/UFTM-FILIAL EBSERH Organograma da Gerência Administrativa Gerência Administrativa (Augusto Hoyler) Divisão Administrativa Financeira (Selma)

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NÚCLEO DE INFORMAÇÃO HOSPITALAR GLOSSÁRIO DE CONCEITOS PARA PREENCHIMENTO DO http://www.nih.saude.sp.gov.br CADASTRO HOSPITALAR (CH) RELATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE CONSULTA PUBLICA DO PRODUTO DO GRUPO DE TRABALHO DE REVISÃO DA TERMINOLOGIA DE TIPOS DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho de Revisão

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

EXLUSÃO/HABILITAÇÃO DE NÚMERO DE LEITOS DE TRATAMENTO INTENSIVO NEONATAL

EXLUSÃO/HABILITAÇÃO DE NÚMERO DE LEITOS DE TRATAMENTO INTENSIVO NEONATAL Circular 512/2013 São Paulo, 8 de Novembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) EXLUSÃO/HABILITAÇÃO DE NÚMERO DE LEITOS DE TRATAMENTO INTENSIVO NEONATAL Diário Oficial da União Nº 217, Seção 1, quinta-feira,

Leia mais

TRANSPORTE INTERHOSPITALAR PEDIÁTRICO DO NORTE

TRANSPORTE INTERHOSPITALAR PEDIÁTRICO DO NORTE Maria João Baptista Centro Hospitalar S. João, Hospital S. João, Porto TRANSPORTE INTERHOSPITALAR PEDIÁTRICO DO NORTE Contextualização em 2010 Desde 1987 actividade INEM RN dependente da colaboração entre

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

Acupuntura AMN 3º andar

Acupuntura AMN 3º andar Relação de Setores e Serviços Setor / Serviço Unidade Localização Acupuntura 3º andar Aleitamento Materno CPPHO 1º andar Alergia 1º pav., ala 2 Alergo Imunologia Pediátrica CPPHO Térreo Almoxarifado 1º

Leia mais

DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA

DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA DESCRIÇÃO DO PERFIL DOS HOSPITAIS SOB GESTÃO INDIRETA SOB GESTÃO TERCEIRIZADA 1. Hospital Regional Castro Alves Castro Alves-4ª DIRES (S.A. de Jesus) O HRCA está programado para compor a rede assistencial

Leia mais

Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos. Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues

Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos. Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues Gerenciamento da Desospitalizaçãode Pacientes Crônicos Palestrante: Enfª Patricia Silveira Rodrigues WHO Agence de Santé Publique du Canada Preventing Chronic Diseases a vital investment. As doenças crônicas

Leia mais

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347

PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 PARECER COREN-SP 003/2015 - CT PRCI nº 102.705 Tickets nº 298.347 Ementa: Paciente fumante. 1. Do fato Profissional Auxiliar de Enfermagem informa que a direção da instituição em que trabalha determinou

Leia mais

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Introduzir ações de regulação em um sistema de saúde requer um diagnóstico apurado de uma série de processos

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Resumo do Projeto Nacional de Atendimento ao Acidente Vascular Cerebral

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde. Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio

Secretaria de Estado da Saúde. Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio Secretaria de Estado da Saúde Cartilha de atendimento do TFD Tratamento Fora de Domicílio SUMÁRIO Introdução 03 O que é Tratamento Fora de Domicílio - TFD? 04 O que este programa oferece? 04 Quando o TFD

Leia mais

Circular 357/2015 São Paulo, 26 de Outubro de 2015.

Circular 357/2015 São Paulo, 26 de Outubro de 2015. Circular 357/2015 São Paulo, 26 de Outubro de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INDEFERIMENTO DOS PROJETOS APRESENTADOS NO ÂMBITO DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À ATENÇÃO ONCOLÓGICA (PRONON) Diário Oficial

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae an Europass-Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Orvalho, Inês Tabau Rua Vicente Pindela, nº 36 1º esquerdo 3030-030 Coimbra Telefone(s) +351 239716762 Telemóvel: +351

Leia mais

Filosofia de trabalho e missões

Filosofia de trabalho e missões Filosofia de trabalho e missões As atividades de ensino e assistência na UTI Neonatal do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (HPS-EPM/Unifesp),

Leia mais

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010 Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará Fortaleza, Ceará, 2010 Descentralização dos Serviços de Saúde Pública no Estado do Ceará DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15

PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 PRESTAÇÃO DE CONTAS AGOSTO/15 INDICE RELATÓRIO DE ATIVIDADES ATENDIMENTO P.A. ADULTO & PEDIATRIA INTERNAÇÕES PRESTAÇÃO DE CONTAS FINANCEIRO RECEBIMENTOS DESPESAS ESTUDOS PRÉ ABERTURA DA SANTA CASA AÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais