FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES"

Transcrição

1 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014 Brasília

2 Redes de Atenção à Saúde São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que, integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a integralidade do cuidado (Ministério da Saúde, 2010 Portaria 4.279, de 30/12/2010) Compreendem ações e serviços de saúde articulados em níveis de complexidade crescente, com a finalidade de garantir a integralidade da assistência à saúde, mediante referenciamento do usuário na rede regional e interestadual, conforme pactuado nas Comissões Intergestores

3 Redes de Atenção à Saúde

4 Redes Temáticas de Atenção à Saúde Rede Cegonha Rede de Atenção Psicossocial Rede de Atenção ás Urgências e Emergências Rede de Atenção às doenças e condições crônicas Rede de Cuidado a Pessoa com Deficiência Qualificação/Educação Informação Regulação Promoção e Vigilância à Saúde ATENÇÃO BÁSICA

5 Rede Cegonha Objetivos Garantia do acolhimento com classificação de risco, ampliação do acesso e melhoria da qualidade do PRÉ-NATAL; Garantia de VINCULAÇÃO da gestante à unidade de referência e ao transporte seguro; Garantia das boas práticas e segurança na atenção ao PARTO E NASCIMENTO (campo dos direitos humanos); Garantia da atenção à saúde das CRIANÇAS de 0 a 24 meses com qualidade e resolutividade; Garantia da ampliação do acesso ao PLANEJAMENTO REPRODUTIVO dentro de uma política mais ampla de atenção integral à saúde da mulher e à saúde da criança.

6 Rede Cegonha Componentes Pré-Natal Parto e Nascimento Puerpério e Atenção Integral à Saúde da Criança Sistema Logístico: Transporte Sanitário e Regulação

7 Rede Cegonha Financiamento (Bloco MAC) Exames do pré natal: parcela única. Casa da Gestante, Bebê e Puérpera - CGBP: 10 camas: R$ ,00/ano; 15 camas R$ ,00/ano; 20 camas: R$ ,00/ano. Centro de Parto Normal - CPN: 3 quartos PPP: R$ ,00/ano; 5 quartos PPP: R$ ,00/ano. Habilitação de leitos de UTI adulto tipo II: R$ ,00/ano, sendo R$ ,80 referente à produção (66,49%) e R$ ,20 referente ao incentivo (33,51%). Qualificação de leitos de UTI adulto tipo II: R$ ,48/ano. Habilitação de leitos de UTI adulto tipo III: R$ ,00/ano, sendo R$ ,95 referente à produção (70,64%) e R$ ,05 referente ao incentivo (29,36%). Qualificação de leitos de UTI adulto tipo III: R$ ,05/ano.

8 Rede Cegonha Financiamento (Bloco MAC) Habilitação de leitos de Gestação de Alto Risco GAR: R$ ,00/ano, sendo R$ ,00 referente à produção (63,73%) e R$ ,00 referente ao incentivo (36,27%). Qualificação de leitos de Gestação de Alto Risco GAR: R$ ,00/ano, sendo 100% incentivo. Habilitação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal UTIN tipo II: R$ ,00/ano, sendo R$ ,80 referente à produção (66,49%) e R$ ,20 referente ao incentivo (33,51%). Qualificação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal UTIN tipo II: R$ ,48/ano. Habilitação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal UTIN tipo III: R$ ,00/ano, sendo R$ ,95 referente à produção (70,64%) e R$ ,05 referente ao incentivo (29,36%). Qualificação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva Neonatal UTIN tipo III: R$ ,05/ano. Habilitação e qualificação de leitos de Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal Convencional UCInCo: R$ ,00/ano, sendo R$ ,00 referente à produção (71,43%) e R$ ,00 referente ao incentivo (28,57%). Habilitação de leitos de Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal Canguru UCInCa: R$ ,00/ano, sendo 100% referente à produção.

9 Rede de Atenção às Urgências e Emergências Componentes Promoção, Prevenção e Vigilância em Saúde (Bloco Vigilância) Atenção Básica (Bloco Atenção Básica) Serviço de Atendimento Móvel às Urgências (Bloco MAC) SAMU Centrais de Regulação Médica de Urgências Sala de Estabilização (Bloco MAC) Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) e o Conjunto de Serviços de Urgência 24 Horas (Bloco MAC) 9

10 Rede de Atenção às Urgências e Emergências Financiamento (Bloco MAC) 1. Componente SAMU: Componente Central de Regulação Médica das Urgências: Central habilitada: R$ ,00/ano a R$ ,00/ano, de acordo com a cobertura populacional; Central habilitada e qualificada: R$ ,00/ano a R$ ,00/ano, de acordo com a cobertura populacional. Unidade de suporte básico de vida terrestre USB: Unidade habilitada: R$ ,00/ano; Unidade habilitada e qualificada: R$ ,00/ano. Unidade de suporte avançado de vida terrestre USA: Unidade habilitada: R$ ,00/ano; Unidade habilitada e qualificada: R$ ,00/ano. Equipe de aeromédico: Aeronave habilitada: R$ ,00/ano; Aeronave habilitada e qualificada: R$ ,00/ano. 10

11 Rede de Atenção às Urgências e Emergências Financiamento (Bloco MAC) Equipe de embarcação: Embarcação habilitada: R$ ,00/ano; Embarcação habilitada e qualificada: R$ ,00/ano. Motolância: Motolância habilitada: R$ ,00/ano; Motolância habilitada e qualificada: R$ ,00/ano. Veículo de Intervenção Rápida (VIR): VIR habilitado: R$ ,00/ano; VIR habilitado e qualificado: R$ ,00/ano. 2. Componente Sala de Estabilização: R$ ,00/ ano ou, quando localizadas em municípios situados na Região Amazônia Legal, Região Nordeste e regiões de extrema pobreza, excetuando-se as regiões metropolitanas dessas áreas, R$ ,00/ano 11

12 Rede de Atenção às Urgências e Emergências 3. Componente UPA: UPA Nova: UPA Nova habilitada: UPA Porte I: R$ ,00/ano; UPA Porte II: R$ ,00/ano; UPA Porte III: R$ ,00/ano. UPA Nova habilitada e qualificada: UPA Porte I: R$ ,00/ano; UPA Porte II: R$ ,00/ano; UPA Porte III: R$ ,00/ano. Financiamento (Bloco MAC) UPA Ampliada, habilitada e qualificada: UPA Porte I: R$ ,00/ano; UPA Porte II: R$ ,00/ano; UPA Porte III: R$ ,00/ano. 12

13 Rede de Atenção às Urgências e Emergências Financiamento (Bloco MAC) 4. Componente Hospitalar: Porta de Entrada Hospitalar de Urgência: Tipo Geral: R$ ,00/ano; Tipo I: R$ ,00/ano; Tipo II: R$ ,00/ano. Habilitação de leitos de enfermaria clínica de retaguarda: R$ ,00/ano, sendo R$ ,00 referente à produção (39,22%) e R$ ,00 referente ao incentivo (60,78%). Qualificação de leitos de enfermaria clínica de retaguarda: R$ ,00/ano. Habilitação de leitos de UTI adulto/pediátrico tipo II: R$ ,00/ano, sendo R$ ,80 referente à produção (66,49%) e R$ ,20 referente ao incentivo (33,51%); Qualificação de leitos de UTI adulto/pediátrico tipo II: R$ ,48/ano. Habilitação de leitos de UTI adulto/pediátrico tipo III: R$ ,00/ano, sendo R$ ,95 referente à produção (70,64%) e R$ ,05 referente ao incentivo (29,36%);

14 Rede de Atenção às Urgências e Emergências Financiamento (Bloco MAC) Qualificação de leitos de UTI adulto/pediátrico tipo III: R$ ,05/ano. Habilitação de leitos de Unidade de Cuidados Prolongados - UCP: R$ ,00/ano. Habilitação de leitos de Unidade de Cuidado Agudo ao AVC U-AVC Agudo: R$ ,00/ano. Habilitação de leitos de Unidade de Cuidado Integral ao AVC U-AVC Integral: R$ ,50/ano. Habilitação de leitos de Terapia Intensiva Coronariana - UCO tipo II: R$ ,00/ano, sendo R$ ,80 referente à produção (66,49%) e R$ ,20 referente ao incentivo (33,51%) Habilitação de leitos de Terapia Intensiva Coronariana - UCO tipo III: R$ ,00/ano, sendo R$ ,95 referente à produção (70,64%) e R$ ,05 referente ao incentivo (29,36%) 14

15 Rede de Atenção Psicossocial Eixos Estratégicos Eixo 1: Ampliação do acesso à rede de atenção integral à saúde mental Eixo 2: Qualificação da rede de atenção integral à saúde mental Eixo 3: Ações intersetoriais para reinserção social e reabilitação Eixo 4: Ações de prevenção e de redução de danos 15

16 Rede de Atenção Psicossocial Componentes Componentes da Rede de Atenção Psicossocial Atenção primária (UBS, equipe de apoio) Bloco Atenção Básica Consultórios de rua Bloco Atenção Básica Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) Bloco MAC Unidades de acolhimento terapêutico transitório (UATT) Bloco Atenção Básica Leitos em hospital geral Bloco MAC Urgência e emergência (SAMU, UPA) Bloco MAC Componentes suplementares Centros de Referência Especializada em Assistência Social (CREAS) Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) Comunidades terapêuticas 16

17 1. Componente Atenção psicossocial especializada: CAPS I - R$ ,00/ano; CAPS II - R$ ,00/ano; CAPS III - R$ ,56/ano; CAPS i- R$ ,00/ano; CAPS ad - R$ ,00/ano; CAPS ad III (24h) - R$ ,00/ano. Rede de Atenção Psicossocial Financiamento (Bloco MAC) 2. Componente Atenção de urgência e emergência (financiamento RUE): SAMU; sala de estabilização; UPA 24 horas; portas hospitalares de atenção à urgência/pronto Socorro 17

18 Rede de Atenção Psicossocial Financiamento (Bloco MAC) 3. Componente atenção residencial de caráter transitório: Unidade de Acolhimento UA: a. UA Adulto: R$ ,00/ano; b. UA Infanto-Juvenil: R$ ,00/ano. Serviços de Atenção em Regime Residencial (incluídas as Comunidades Terapêuticas). 4. Componente atenção hospitalar: Leito em Serviço Hospitalar de Referência para atenção às pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas: R$ ,32 por leito/ano 18

19 Rede de Atenção Psicossocial 5. Componente estratégia de desinstitucionalização: Financiamento (Bloco MAC) Serviços Residenciais Terapêuticos SRT: a. SRT Tipo I: R$ ,00/ano para cada grupo de oito moradores; b. SRT Tipo II: R$ ,00/ano para cada grupo de dez moradores. 6. Componente reabilitação psicossocial: R$ ,00 (quinze mil reais) para programas de reabilitação psicossocial que beneficiem entre 10 e 50 usuários; R$ ,00 (trinta mil reais) para programas de reabilitação psicossocial que beneficiem entre 51 e 150 usuários; e R$ ,00 (cinquenta mil reais) para programas de reabilitação psicossocial que beneficiem mais de 150 usuários 19

20 Rede de Atenção à Pessoa com Deficiência Objetivos: Ampliar o acesso e qualificar atendimento às pessoas com deficiência no SUS com foco na organização de Rede e na atenção integral à saúde, que contemple as áreas de deficiência auditiva, física, visual, intelectual e ostomias; Ampliar a integração e articulação dos serviços de reabilitação com a rede de atenção primária e outros pontos de atenção especializada; Desenvolver ações de prevenção de deficiências na infância e vida adulta. Componentes: CER - Centro Especializado em Reabilitação Oficinas Ortopédicas : local e itinerante Centros-Dia Serviços de atenção odontológica para pessoas com deficiência Serviço de Atenção Domiciliar no âmbito do SUS Atenção Hospitalar 20

21 Rede de Atenção Psicossocial Financiamento (Bloco MAC) 1. Atenção Especializada em Reabilitação Auditiva, Física, Intelectual, Visual, Ostomia e em Múltiplas Deficiências Centro Especializado em Reabilitação CER: CER II: R$ ,00/ano; CER III: R$ ,00/ano; CER IV: R$ ,00/ano. Centro de Especialidade Odontológica CEO: CEO I: R$ ,00/ano; CEO II: R$ ,00/ano; CEO III: R$ ,00/ano. Oficina Ortopédica fixa ,00/ano : 2. Atenção Hospitalar e de Urgência financiamento RUE 21

22 Rede de Crônicas Eixo Oncologia LINHA DE CUIDADO CÂNCER DE MAMA Prevenção, Detecção Precoce e Tratamento Oportuno LINHA DE CUIDADO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO Prevenção, Diagnóstico e Tratamento das Lesões Precursoras do Colo do Útero Implica na organização de um conjunto de ações e serviços de saúde, estruturados com base em critérios epidemiológicos e de regionalização para dar conta dos desafios atuais onde os quadros relativos aos cânceres de mama e colo do útero são de alta relevância epidemiológica e social.

23 Desafios para a implementação de Redes de Atenção à Saúde Implantação de Regulação efetiva Formação, qualificação e EP dos trabalhadores ABS assumindo seu papel de coordenadora e ordenadora do cuidado Qualificação do cuidado em todos os níveis Monitoramento e avaliação de resultados aprimoramento sistemas de informação Fortalecimento dos mecanismos de governança (colegiados regionais, estaduais, conselhos de saúde - participação sociedade) Financiamento ainda insuficiente para a dimensão das necessidades do sistema e inadequado (pagamento por tabela e procedimentos) Capacidade gestora ainda insuficiente para monitoramento de todos os processos

24 Principais incentivos federais de média e alta complexidade Três tipos de incentivos: Incentivos de orçamentação global Incentivos de qualificação de serviços Incentivos de qualificação de leitos Baseado no custo estimado do serviço Vinculado à execução de metas de qualidade e perfil do serviço Complementação do valor da diária de internação de leitos para qualificação; vinculada às Redes Temáticas

25 Principais incentivos federais de média e alta complexidade Casa de Gestante, Bebê e Puérpera (CGBP) Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) Centros de Especialidades Odontológicas (CEO) Centros de Parto Normal (CPN) Centros Especializados em Reabilitação (CER) Incentivos de orçamentação global Hospitais de Pequeno Porte (HPP) Laboratórios Regionais de Prótese Dentária (LRPD) Sala de Estabilização (SE) Serviço Móvel de Atenção às Urgências (SAMU) Serviços Residenciais Terapêuticos (SRT) Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Centros de Trauma, Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST)

26 Principais incentivos federais de média e alta complexidade 100% SUS Fator de Incentivo ao Desenvolvimento do Ensino e Pesquisa em Saúde (FIDEPS) Incentivo de Adesão à Contratualização/Incentivo de Qualificação da Gestão Hospitalar (IAC/IGH) Incentivos de qualificação de serviços Incentivo para a Assistência Ambulatorial, Hospitalar e de Apoio Diagnóstico à População Indígena (IAPI) Incentivo de Integração ao Sistema Único de Saúde (INTEGRASUS) Portas de Entrada de Urgência da Rede de Atenção às Urgências e Unidade de Atendimento (UA) Incentivo à formação de especialistas na modalidade Residência Médica em áreas estratégicas do SUS

27 Principais incentivos federais de média e alta complexidade Qualificação de leitos para Gestante de Alto Risco (GAR) Qualificação de leitos de retaguarda clínica Incentivos de qualificação de leitos Qualificação de leitos de Unidades de Cuidado Intermediário Convencional (UCINCo) Qualificação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Portas de Entrada de Urgência da Rede de Atenção às Urgências e Unidade de Atendimento (UA)

28 Incentivo à formação de especialistas na modalidade Residência Médica em áreas estratégicas do SUS Portaria (24/06/2013) Pré-requisitos: Oferecer Programa de Residência Médica com no mínimo 5 especialidades estratégicas de uma lista de 20 Oferecer Programa de Educação Permanente para os preceptores Disponibilizar no mínimo 5 leitos por residente Objetivos: Reforçar o custeio de estabelecimentos hospitalares envolvidos em ações de ensino Qualificar a atuação dos profissionais com função de preceptoria Propiciar ambiente de formação adequada aos residentes Estimular a participação dos hospitais que compõem as RAS em atividades de pesquisa, desenvolvimento e gestão de tecnologias em saúde Elegibilidade: Entidades públicas ou privadas sem fins lucrativos que realizam atividades de ensino, certificadas ou não como hospitais de ensino, localizadas em municípios com população acima de 50 mil habitantes (ou que sejam referência de região de saúde acima de 50 mil hab.)

29 Incentivo à formação de especialistas na modalidade Residência Médica em áreas estratégicas do SUS Portaria (24/06/2013) Incentivos Custeio mensal: De R$ 3 mil a R$ 8 mil por vaga de residente / mês (variação em função das regiões do país e do compromisso de ampliação das vagas de residentes nas especialidades estratégicas) Reforma: até R$ 200 mil por entidade (reforma de bibliotecas, salas de estudo, salas com computadores com acesso à "internet", alojamento do médico residente e outros ambientes) Investimento para ampliação e/ou para aquisição de material permanente: até R$ 200 mil por entidade (aquisição de material permanente e ampliação de bibliotecas, salas de estudo e salas com computadores com acesso à "internet", alojamento do médico residente e outros ambientes)

30 Evolução do financiamento federal do SUS de média e alta complexidade

31 R$ bilhões Financiamento federal de média e alta complexidade (MAC) Evolução do financiamento MAC total (R$ bilhões), teto MAC sem incentivos e incentivos (% sobre o MAC Total) 2010/2014* Variação % MAC Total: 46,7% 90% 88,9% 84,4% 80,8% 78,8% MAC sem incentivos: 28,4% Incentivos: 210,6% 10% 11,1% 15,6% 19,2% 21,2% Inflação média (IPCA/IBGE): 25,6% * 2014 = dado anualizado estimado (valores efetivos até o mês de junho) Fonte: SISMAC/DRAC/SAS/MS

32 R$ bilhões Financiamento federal de média e alta complexidade (MAC) Comparativo do acréscimo do financiamento MAC total, MAC sem incentivos e incentivos (R$ bilhões) * * 2014 = dado anualizado estimado (valores efetivos até o mês de junho) Fonte: SISMAC/DRAC/SAS/MS

33 Participação da Rede filantrópica no SUS: estrutura, produção e financiamento

34 Leitos da Rede Hospitalar Brasileira por tipo Leitos totais = Leitos SUS = (69,3% dos leitos totais) 10% ,7% 24,3% ,1% % 64,9% Leitos SUS filantrópicos Leitos SUS hosp. próprios e demais Leitos filantrópicos não SUS Demais leitos não SUS Demais leitos SUS Leitos SUS filantrópicos Fonte: CNES/DRAC/SAS/MS

35 R$ bilhões Produção assistencial Produção ambulatorial e hospitalar do SUS (R$ bilhões) e participação da rede filantrópica (%) ,0 R$ 27,5 bi 15,0 R$ 14,8 bi R$ 12,7 bi 64,7% 10,0 75,3% 35,3% 5,0 24,7% 52,3% 47,7% 0,0 Atendimentos ambulatoriais (SIA) Internações hospitalares (SIH) Total (SIA + SIH) Unidades públicas e demais Entidades filantrópicas Fonte: SIA/SIH/ DRAC/SAS/MS

36 R$ bilhões Produção assistencial Evolução da produção de alta complexidade da rede filantrópica do SUS: * (R$ bilhões) 5,0 4,5 4,0 R$ 3,7 bi R$ 3,9 bi R$ 4,5 bi R$ 4,6 bi 21,3% 22,0 % 3,5 R$ 3,2 bi 20,3% 20,2% 3,0 2,5 2,0 1,5 1,0 23,8% 76,2% 79,7% 79,8% 78,7% 78,0% 0,5 0, Alta Complexidade MAC Alta Complexidade FAEC * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: SIA/SIH/

37 R$ bilhões Produção assistencial Evolução da produção de média complexidade da rede filantrópica do SUS: * (R$ bilhões) 5,4 5,2 5,0 R$ 4,9 bi R$ 5,2 bi R$ 5,2 bi 5,3% 5,9% 4,8 R$ 4,7 bi 3,7% 4,6 R$ 4,6 bi 2,2% 2,7% 94,7% 94,1% 4,4 4,2 97,8% 97,3% 96,3% 4, Média Complexidade MAC Média Complexidade FAEC * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: SIA/SIH/

38 R$ bilhões Produção assistencial Evolução da produção de média e alta complexidade (financiamento MAC), FAEC e total da rede filantrópica do SUS: * (R$ bilhões) Variação % Ata MAC: 46,1% Média MAC: 8,5% FAEC: 52,1% Total: 25,2% Inflação média (IPCA/IBGE): 25,6% * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: SIA/SIH/

39 R$ bilhões Financiamento: incentivos Evolução do Incentivo de Adesão à Contratualização (IAC) aos hospitais filantrópicos em R$ bilhões: * 2,5 R$ 2,1 bi R$ 2,2 bi Variação % IAC ,0 448,7% 1,5 2,5% 1,0 0,5 0,0 R$ 1,0 bi R$ 0,6 bi 119,7% R$ 0,4 bi 57,3% 54,9% * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

40 R$ bilhões Financiamento: incentivos Evolução do conjunto dos Incentivos aos hospitais filantrópicos em R$ bilhões: * 4,0 R$ 3,5 bi R$ 3,8 bi Variação % Incentivos ,5 3,0 3,9% 363,5% 2,5 2,0 R$ 2,0 bi 1,5 1,0 R$ 0,8 bi R$ 1,0 bi 78,1% 0,5 0,0 26,9% 97,4% * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

41 R$ bilhões Financiamento: Produção + Incentivos Evolução da produção da rede filantrópica + conjunto dos Incentivos em R$ bilhões: * Variação % Prod. + Incentivos ,9% * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

42 R$ bilhões Financiamento: Produção + Incentivos Evolução dos Recursos Financeiros à Rede Filantrópica do SUS: IAC, conjunto dos incentivos e produção: * * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

43 R$ milhões Financiamento: Incentivos Evolução dos incentivos à rede filantrópica em R$ milhões ( *) Evolução dos incentivos à rede filantrópica em R$ milhões IAC Filantrópicos 376,3 658, , ,4 IAC Ensino 240,3 311,2 621,1 624,6 100% SUS 0,0 77,4 103,7 112,0 Fideps 185,7 185,7 185,7 185,7 Integrasus 223,6 223,6 223,6 223,6 IAE-PI 4,3 4,3 4,3 4,3 Redes 0,0 572,4 971, ,3 Total 1.030, , , ,9 * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

44 Financiamento: IAC x produção de média complexidade Evolução do percentual do IAC sobre a produção de média complexidade da rede filantrópica (%): * Evolução do IAC e da produção de média complexidade: R$ bilhões Total IAC 0,4 0,6 1,0 2,1 2,2 Produção Média Complex. 4,5 4,6 4,7 4,9 4,9 * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

45 Financiamento: Incentivos x produção de média e alta complexidade Evolução do percentual do conjunto de incentivos sobre a produção de média e alta complexidade da rede filantrópica (%): * Evolução dos incentivos e da produção de média e alta complexidade: R$ bilhões Total Incentivos 0,8 1,0 2,0 3,6 3,8 Produção Média e Alta Complex. 7,8 8,5 8,8 9,7 9,8 * 2014 = dado anualizado estimado Fonte: DRAC/SAS/MS

46 Obrigada! Elaine M Giannotti DRAC/SAS/MS Fone

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Organização

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo

QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo REDES DE ATENÇÃO EM SAÚDE: A EXPERIÊNCIA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO QUALIHOSP 2013 Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo SÃO BERNARDO DO CAMPO É O 5º MUNICÍPIO DO ESTADO DE SP EM POPULAÇÃO E ORÇAMENTO

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Organização

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos CONTRATUALIZAÇÃO Objetivos Quando forem insuficientes as disponibilidades públicas para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o gestor poderá complementar a oferta com

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos Março/15 Formas de transferências federais Per capita Incentivos

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5

NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 NOTA TÉCNICA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (RAPS) 19/04/2012 Pag. 1 de 5 A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará, através do Núcleo de Atenção à Saúde Mental//Coordenadoria de Políticas e Atenção à Saúde

Leia mais

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór

Mapeamento da rede de atenção aos usuários de drogas: Um método exp loratór Mapeamento da rede de atenção aos Linha usuários de drogas: Um método Políticas Públicas sobre Drogas exploratório Pedro Henrique Antunes da Costa Telmo Mota Ronzani Fernando Basile Colugnati Centro de

Leia mais

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários

Cuidado. Prevenção. Autoridade. Crack, é possível vencer 2011-2014. Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Prevenção Educação, Informação e Capacitação Cuidado Aumento da oferta de tratamento de saúde e atenção aos usuários Autoridade Enfrentamento ao tráfico de drogas e às organizações criminosas Crack, é

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE

MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE MANUAL DE USO DO SISTEMA SAIPS - SISTEMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS EM SAÚDE CADASTRAMENTO DE PROPOSTAS INCENTIVO CAPS, UA, SRT, LEITO HABILITAÇÃO CAPS, UA, SRT, LEITO Versão 1 Mar/2013 Informações

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DECRETO Nº 7.508/11 Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades culturais, econômicas

Leia mais

A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de

A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de A operacionalização da Rede Cegonha agrega conhecimento e metodologias para mudanças nos processos de trabalho e investimentos para incorporação de equipamentos, reformas, ampliações e construção de novas

Leia mais

DESAFIOS PARA IMPLANTAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE. CONGRESSO COSEMS-SP Marília, 09/03/2012

DESAFIOS PARA IMPLANTAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE. CONGRESSO COSEMS-SP Marília, 09/03/2012 DESAFIOS PARA IMPLANTAÇÃO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE CONGRESSO COSEMS-SP Marília, 09/03/2012 DIRETRIZES DA SAS LEMA do MINISTÉRIO DA SAÚDE PARA O SUS 2011 2014 ACESSO E QUALIDADE Prover ações e serviços

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017 Linha de Atuação: Universalização e Humanização do Atendimento Básico e Secundário CÓDIGO DO PROGRAMA: 119 PROGRAMA DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE VALOR DO PROGRAMA NO PERÍODO FONTES 2014 2015 2016 2017 Tesouro

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 233/14 - CIB / RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, que regulamenta o Sistema Único

Leia mais

Mesa: Regionalização e Redes de Atenção à Saúde como desafios para efetivação do SUS. 12/05/15. Aparecida Linhares Pimenta Diretora do Departamento

Mesa: Regionalização e Redes de Atenção à Saúde como desafios para efetivação do SUS. 12/05/15. Aparecida Linhares Pimenta Diretora do Departamento Mesa: Regionalização e Redes de Atenção à Saúde como desafios para efetivação do SUS. 12/05/15. Aparecida Linhares Pimenta Diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas DAPES/SAS/MS República

Leia mais

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 130, DE 26 DE JANEIRO DE 2012 Redefine o Centro de Atenção Psicossocial

Leia mais

O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa

O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa SUS 25 anos: desafios e prioridades Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Ministério da Saúde O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa

Leia mais

Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde?

Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde? Como estão divididos os recursos da Saúde Mental no Fundo Nacional de Saúde? Primeiramente, destacamos que os recursos repassados pelo Fundo Nacional de Saúde para os Fundos Estaduais ou Municipais de

Leia mais

O CUIDADO QUE EU PRECISO

O CUIDADO QUE EU PRECISO O CUIDADO QUE EU PRECISO GOVERNO FEDERAL GOVERNO ESTADUAL GOVERNO MUNICIPAL MOVIMENTOS SOCIAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO O CUIDADO QUE EU PRECISO Serviço Hospitalar de Referência AD CAPS AD III Pronto Atendimento

Leia mais

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014

A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná. Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 A Rede de Atenção à Saúde Mental no Paraná Coordenação Estadual de Saúde Mental Abril 2014 Da segregação à conquista da cidadania 1980 mobilização dos usuários, familiares e trabalhadores de saúde visando

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Conferência Municipal de Saúde Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação Módulo 4 Atenção em rede como condição para o tratamento integral Unidade 2 Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação 109 Identificação de recursos comunitários existentes e

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado nº 225 Seção I sábado, 1º de dezembro de 2012

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado nº 225 Seção I sábado, 1º de dezembro de 2012 Circular 570/2012 São Paulo, 04 de dezembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado nº 225 Seção I sábado, 1º de dezembro de 2012 Prezados Senhores,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS

Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua Telma Maranho- SNAS/MDS I Seminário Nacional sobre Consultórios na Rua e Saúde Mental na Atenção Básica: novas tecnologias e desafios para a gestão do cuidado Articulação Intersetorial no cuidado às pessoas em situação de rua

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS

1. AÇÕES ESTRATÉGICAS E METAS 1. AÇÕES S E S 1.1. Quadro de Ações Estratégicas e Metas para 2013 AÇÃO Criar filial da EBSERH ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS Registrar nos órgãos federais, estaduais e municipais Delegar competências e definir

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Prover ações e serviços de saúde com garantia de acesso equânime a uma atenção integral, resolutiva, de qualidade, humanizada e em tempo adequado.

Prover ações e serviços de saúde com garantia de acesso equânime a uma atenção integral, resolutiva, de qualidade, humanizada e em tempo adequado. Atenção à Saúde Diretriz do MS Prover ações e serviços de saúde com garantia de acesso equânime a uma atenção integral, resolutiva, de qualidade, humanizada e em tempo adequado. Através da organização

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Por que precisamos de uma PNH? Para enfrentar as graves lacunas quanto ao acesso aos serviços e e à atenção integral à saúde. Para modificar

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA Elsa Giugliani elsa.giugliani@saude.gov.br POLÍTICAS DE SAÚDE PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA 3º FÓRUM DEBATE BRASIL POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA: QUEBRANDO A CADEIA DA VIOLÊNCIA 28-29 Novembro 2007 Área

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE e, no uso da atribuição, que lhes confere o inciso II do parágrafo único do artigo 87 da Constituição

Leia mais

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município?

Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? Saúde Mental passo a passo: como organizar a rede de saúde mental no seu município? 1) Como deve ser a rede de saúde mental no seu município? A rede de saúde mental pode ser constituída por vários dispositivos

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR.

Relatoria. Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Relatoria Saúde Mental na Rede de Atenção: Como a RAPS se organiza? Coordenadora da mesa: Aparecida Moreira Paulossi da Silva Coordenadora Saúde Mental Maringá PR. Palestrantes convidados: Stellanaris

Leia mais

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

Apresentação. Os dados estão atualizados até o mês mais recente disponível, em sua maioria, junho de 2014.

Apresentação. Os dados estão atualizados até o mês mais recente disponível, em sua maioria, junho de 2014. MATO GROSSO 2 [BALANÇO PROGRAMAS FEDERAIS GOVERNO DILMA] Apresentação Este documento, elaborado pela Coordenação de Programa de Governo da coligação Mais Mudanças, Mais Futuro, é um balanço dos programas

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas

Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Plano Intersetorial de Políticas sobre o Crack, Álcool e Outras Drogas Estruturar e organizar a rede de serviços de prevenção, tratamento e acolhimento do município de São Paulo destinadas aos cuidados

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social,

CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, Recife, 16 de setembro de 2011 CONTEXTO: Entendimento de que o crack é um problema grave e complexo, visto que não é só uma questão da saúde pública, mas da assistência social, desenvolvimento econômico,

Leia mais

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica.

PSICÓLOGO - 40H. A. Paranoide. B. Esquizoide. C. Dependente. D. De esquiva. E. Histriônica. QUESTÃO 01 O suicídio representa hoje um importante problema de saúde pública no Brasil e seus índices vêm crescendo a cada ano. A respeito do suicídio pode-se afirmar que: A. Programas dirigidos para

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico?

Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Seja bem vindo! Comunidade Terapêutica: o que é e como está Inserida na Rede de Cuidados ao Dependente Químico? Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro

Leia mais

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Leo Felyppe Ferreira Sappi 1, Simary Barreira Cunha Ribeiro 2, Maria do Socorro Lopes Dantas 3 e Maria

Leia mais

O Ministério da Saúde e os. Crônicas

O Ministério da Saúde e os. Crônicas O Ministério da Saúde e os Cuidados às Condições Crônicas Contexto atual Mudanças sociais dos últimos 30 anos -características da vida contemporânea Transição demográfica, alimentar e epidemiológica Avanços

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária / Saúde da Família Brasília, 05 a 08 de Agosto de 2008 Apoio Matricial em Saúde Mental: a Iniciativa de

Leia mais

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado

Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental. Coordenadora: Lourdes A. Machado Oficinas para Gestão da Rede de Atenção à Saúde Mental Coordenadora: Lourdes A. Machado GPT Grupo de Produção Temática em Saúde Mental LEGISLAÇÃO SAÚDE MENTAL Lourdes A. Machado Junho 2009 CONCEITOS LEIS:

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013. Institui as normas para credenciamento e implantação das equipes de Consultório na Rua (ecr). O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE E GESTOR DO SISTEMA ÚNICO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE SÁUDE DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO O MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Área total: 407,1 Km 2 52% área de Proteção aos Mananciais População: 765.203

Leia mais

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010

Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde da População em Situação de Rua, com foco em Saúde Mental Consultório de Rua Ministério da Saúde Área Técnica de Saúde Mental Álcool e outras Drogas Miriam Di Giovanni Curitiba/PR - 12/11/2010 Saúde

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade

Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade Desafios Metodológicos no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade A experiência da academia na execução da etapa de avaliação externa do PMAQ Márcia H. Baldani Pinto UEPG - PR Política Nacional

Leia mais

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 -

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - O Planejamento na Administração Municipal - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - Informação é Cidadania Março - 2013 Orçamento = Planejamento Programa de Governo Planejamento Estratégico Situacional

Leia mais

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas

Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas Construção de Redes Intersetoriais para a atenção dos usuários em saúde mental, álcool, crack e outras drogas EDUCAÇÃO PERMANENTE SAÚDE MENTAL - CGR CAMPINAS MÓDULO GESTÃO E PLANEJAMENTO 2012 Nelson Figueira

Leia mais

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência CER O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito de Saúde DADOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS

PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS PROPOSTA PLANO DE AÇÃO INTERSETORIAL DE COMBATE AO USO DO CRACK E OUTRAS DROGAS Crack é possível vencer 1 P á g i n a Secretaria de Educação Secretaria de Assistência Social Secretaria de Segurança Pública

Leia mais

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)?

CREAS - Institucional. O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? CREAS - Institucional O que é o CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social)? Considerando a definição expressa na Lei nº 12.435/2011, o CREAS é a unidade pública estatal de abrangência

Leia mais

III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS

III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS III CONGRESSO DE REFEITURAS E SECRETARIAS UNICIPAIS DE SAÚDE DO IO GRANDE DO NORTE SUS 25 ANOS: AVANÇOS E DESAFIOS Agosto 2014 Voltando no tempo... Estado autoritário, controlador, centralizador Fragmentado

Leia mais