Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano"

Transcrição

1 Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Sheyla Maria Lemos Lima Margareth Crisóstomo Portela Ana Maria Malik Antonio Pires Barbosa ( Coordenador) 1

2 Sumário 1. Objetivos 2. Métodos 3. Resultados 3.1. Caracterização geral dos HE, HF 3.2. Caracterização da estrutura e da prática gerencial dos HE, HF e secretarias contratantes 3.3. Caracterização assistencial dos HE e HF 3.4. Caracterização do Ensino nos HE e HF 3.5. Caracterização da Pesquisa e ATS nos HE e HF 3.6.Caracterização da contratualização do HE, HF e secretarias contratantes 3.7. Efeitos percebidos da contratualização dos hospitais de ensino e filantrópicos segundo hospitais e secretarias contratantes 3.8. Dificuldades, aspectos facilitadores e benefícios identificados pelos HE, HF e secretarias contratantes 3.9. Boas práticas percebidas pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores e associadas à contratualização Ajustes propostos pelos HE, HF e secretarias contratantes 4. Recomendações gerais 2

3 1. Objetivo geral e específicos Caracterizar e analisar o processo de contratualização dos Hospitais de Ensino (HE) e dos Hospitais Filantrópicos (HF), inseridos no Programa de Reestruturação dos Hospitais de Ensino no SUS e no Programa de Reestruturação e Contratualização dos Hospitais Filantrópicos, no âmbito do SUS. Caracterizar o estágio de implementação da contratualização dos Hospitais de Ensino e dos Hospitais Filantrópicos; identificar os resultados alcançados considerando as diretrizes colocadas pelo MS nos respectivos Programas dos HE e HF; identificar boas práticas de gestão, entraves e lacunas resultantes e ou associadas àcontratualização, tendo em vista a implementação de ajustes; fomentar a produção e disseminação de conhecimentos desenvolvidos no âmbito do setor hospitalar no SUS. 3

4 2. Métodos Dois inquéritos de abrangência nacional, caracterizados como estudos transversais. Universos do estudo Hospitais de Ensino e 633 Hospitais Filantrópicos contratualizados,constantes dos cadastros de HE e de HF do MS e no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde CNES/MS, em janeiro de Foram construídas duas amostras aleatórias representativas: - Dos HE, estratificada por regiões e esfera administrativa pública e privada -32 HE - Dos HF, estratificada por regiões e número de leitos -51 HF. Informantes chave -dirigentes de hospitais contratualizados 4 e gestor estadual e /ou municipal.

5 2. Métodos Os dados foram coletados por pesquisadores de campo, por meio de entrevista, previamente agendada, com os dirigentes de hospitais e gestores das secretarias. Foram elaborados dois questionários semi-estruturados Hospitais (HE ou HF) Secretarias de saúde (estadual ou municipal ) Os dados foram digitados em formulário eletrônico, encaminhados por meio digital para um banco de dados e processados através do programa SAS. 5

6 3. Resultados 6

7 Distribuição dos hospitais de ensino e filantrópicos por macrorregiões 60,0 53,6 50,0 44,3 40,0 30,0 20,0 21,9 23,7 16,1 21,5 10,0 7,6 6,6 2,5 2,2 0,0 HE (N=131) HF (N=633) Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste 7

8 Práticas e estruturas no campo da gestão nos hospitais de ensino e filantrópicos 100,0 80,0 60,0 71,0 77,4 77,3 87,7 80,9 78,4 59,5 47,4 79,9 71,9 66,9 65,8 40,0 33,0 20,0 20,8 14,5 12,0 0,0 HE (N=131) HF (N=633) Conselho gestor Conselho diretor Outros colegiados internos Plano formal Avaliação periódica de RH Ganhos associados ao alcance de metas produtividade/qualidade Incentivos à educação continuada com apoio financeiro Incentivos à realização de pesquisa com apoio financeiro 8

9 Escore de classificação gerencial segundo práticas e/ou estruturas* no campo da gestão nos hospitais de ensino e filantrópicos * (1)conselho diretor; (2) plano estratégico; (3) programação de atividades assistenciais com metas; (4)monitoramento de metas; (5) orçamento anual; (6) monitoramento orçamentário; (7) ganhos associados à metas; (8) incentivos àeducação continuada com apoio financeiro; (9) sistema de custo implantado; (10) uso da informação sobre custo para elaboração do POA 9

10 Leitos gerais, intensivos tipo I, II e III e total de leitos para o SUS e para operadoras de planos de saúde /privados nos hospitais de ensino e filantrópicos Tipo de leito N Média HE Erro padrão Min Max N Média Erro padrão Geral ,6 46, ,9 10, Geral SUS ,3 42, ,2 7, Geral planos e privados ,3 7, ,8 4, Intensivo I 69 6,2 2, ,9 5, Intensivo I SUS 69 6,0 2, ,5 5, Intensivo I planos e privados 69 0,2 0, ,4 1, Intensivo II e III ,2 6, ,2 2, HF Min Max SUS Intensivo II e III Intensivo II e III planos e privados ,8 5, ,8 1, ,3 1, ,4 1,

11 Distribuição dos hospitais de ensino(n=131) segundo condição de referência na rede para a provisão de serviços assistenciais selecionados 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 58,4 48,0 42,2 31,5 26,3 28,0 24,0 24,0 17,5 0,0 0,0 0,0 0,0 64,4 61,8 59,3 50,0 47,2 45,8 41,0 41,3 42,8 33,5 34,9 26,3 26,5 26,0 26,3 23,9 24,0 20,7 18,3 20,0 17,5 14,1 15,2 9,3 2,4 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 2,7 2,5 2,3 0,0 0,0 0,0 Cirurgia cardiovascular Cirurgia oncológica Neurocirurgia Cirurgia ortopédica Transplante Quimioterapia Radioterapia Terapia renal substitutiva Neonatologia Cuidado intensivo Emergência SUS Planos de saúde SUS e planos de saúde Não é referência NSI 11

12 Distribuição dos hospitais filantrópicos (N=633) segundo condição de referência na rede para a provisão de serviços assistenciais selecionados 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 86,1 80,9 81,8 73,7 74,2 73,2 66,5 64,6 57,9 57,4 48,3 42,7 33,6 30,0 26,4 28,5 23,5 17,5 17,5 13,8 12,9 9,6 9,8 7,0 8,7 5,9 4,2 1,93,4 1,9 2,9 3,74,9 6,3 1,5 2,0 2,0 2,13,3 3,3 0,0 1,0 2,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,3 1,2 0,0 Cirurgia cardiovascular Cirurgia oncológica Neurocirurgia Cirurgia ortopédica Transplante Quimioterapia Radioterapia Terapia renal substitutiva Neonatologia Cuidado intensivo Emergência SUS Planos de saúde SUS e planos de saúde Não é referência NSI 12

13 Percentual médio de internações, consultas e exames realizados para o SUS e para operadoras de planos de saúde privados, no total de atividades em 2008 dos hospitais de ensino 100,0 90,0 92,2 93,5 93,5 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 7,8 6,5 6,5 0,0 SUS Operadoras Internações ( N=131) Consultas(N=128) Exames (N=131) 13

14 Percentual médio de internações, consultas e exames realizados para o SUS e para operadoras de planos de saúde privados no total de atividades em 2008 dos hospitais filantrópicos 80,0 70,0 74,8 68,7 70,5 60,0 50,0 40,0 30,0 25,2 31,3 29,5 20,0 10,0 0,0 SUS Operadoras Internações (N=633) Consultas(N= 513) Exames (n=633) 14

15 Oferta de serviços voltados à desospitalização para o SUS por hospitais de ensino (N=131) e hospitais filantrópicos (N=633) 15

16 Práticas e estruturas qualificadoras da assistência nos hospitais de ensino (N=131) e hospitais filantrópicos (N=633) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 100,0 94,6 87,6 77,3 66,0 100,0 96,9 100,0 96,0 100,0 93,9 95,6 90,5 92,1 87,7 87,4 80,5 70,1 64,8 54,1 55,2 49,7 43,1 38,4 36,9 34,2 21,7 16,7 Sessões clínicas Diretrizes clínicas Gestão de doenças Gestão de caso Estudos de variação da prática médica Sistema de classificação das internações Protocolos de enfermagem Visitas médicas diárias p/pacientes internados Visitas de enfermagem diárias p/ pacientes internados Visita diárias de familiares aos pacientes Pesquisa de satisfação de pacientes ao menos uma vez por ano Rotinas de desospitalização Horários pré-estabelecidos para informações sobre os pacientes aos familiares Ouvidoria em funcionamento HE HF 16

17 Escore de classificação assistencial segundo práticas e/ou estruturas* no campo da assistência nos hospitais de ensino e filantrópicos 90,0 80,0 70,0 81,5 menos de 7 7 a a ,0 54,5 50,0 40,0 30,0 20,0 17,0 21,6 20,8 10,0 0,0 0,0 HE (N=131) 1,5 HF (N=633) 3,1 *(1)sessão clínica periódica; (2) diretrizes clínicas; (3)gestão de doenças; (4)gestão de casos; (5) estudo sobre a variação da prática médica; (6) metodologia de classificação das internações por gravidade e/ou utilização de recursos; (7) protocolos de enfermagem; (8) visitas médicas diárias; (9) visitas de enfermagem diárias; (10) visitas de familiares diárias; (11) pesquisa de satisfação de usuários; (12) rotinas para agilizar a desospitalização; (13) horários préestabelecidos para prestar informações sobre o paciente; (14) ouvidoria 17

18 Cursos de graduação que formalmente constam da grade curricular e utilizam os hospitais de ensino e filantrópicos 100,0 90,0 80,0 70,0 87,1 87,8 81,5 67,7 66,3 60,0 50,0 53,5 52,9 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 33,8 31,5 23,8 22,9 10,8 11,9 10,8 12,4 1,5 2,3 0,0 HE (N=131) HF (N=633) Medicina Enfermagem Nutrição Fisioterapia Farmácia Psicologia Odontologia Assistência Social Terapia Ocupacional 18

19 Cursos de pós-graduação ofertados pelos hospitais de ensino e filantrópicos 19

20 Iniciativas de educação continuada para a rede de serviços ofertadas pelos hospitais de ensino e filantrópicos 20

21 Práticas e estruturas voltadas para a pesquisa e para a avaliação de tecnologias em saúde (ATS) entre hospitais de ensino (N=131) e hospitais filantrópicos (N=633) 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 90,5 69,4 48,5 32,1 32,5 20,2 16,6 11,6 9,9 8,0 10,2 4,4 3,0 0,0 0,0 0,0 Desenvolvimento regular de pesquisa Comitê de Ética em Pesquisa Grupo(s) de pesquisa cadastrado(s) no CNPq Realização de pesquisas a partir de negociação com o gestor da rede Integra Rede de Pesquisa Clínica do MS Projeto(s) de ATS aprovado(s) pelo CNPq Participa junto ao MS da formulação de diretrizes para incorporação e gestão de tecnologias Integra Rede Brasileira de Avaliação de Tecnologias em Saúde (REBRATS) HE HF 21

22 Fontes de financiamento de pesquisa entre hospitais de ensino e hospitais filantrópicos que declararam desenvolver pesquisas regularmente 22

23 Práticas e estruturas de monitoramento e avaliação da contratualização nos hospitais de ensino e filantrópicos 120,0 100,0 80,0 60,0 91,5 96,6 97,0 91,1 94,8 89,0 90,8 87,7 80,6 83,5 80,6 66,9 64,2 51,6 51,0 51,5 73,7 40,0 38,0 20,0 0,0 HE (N=131) HF(N=633) Comissão de Acompanhamento de convênio/contrato contituída pelos gestor Conselho Gestor para acompanhamento Visitas regulares do gestor ao hospital em função do monitoramento Envio de relatório das metas do POA pelo hospital para o gestor Envio de relatório da execução financeira do convênio/contrato pelo hospital para o gestor Monitoramento interno do POA pelo hospital Monitoramento interno dos recursos do convênio/contrato pelo hospital Conhecimento sobre o convênio/contrato/poa pelas equipes do hospital Pactuação interna 23

24 Cumprimento de metas do POA por parte dos hospitais de ensino e filantrópicos 24

25 Razões alegadas pelos hospitais para o não cumprimento de metas do POA 25

26 Conseqüências do não cumprimento de metas do POA por parte dos hospitais 26

27 Pactuação interna a respeito de metas e indicadores do POA entre direção e equipes do hospital 27

28 Modalidades de pactuação interna de metas e indicadores do POA entre direção e equipes do hospital 100,0 90,0 80,0 70,0 72,2 60,0 50,0 53,5 40,0 36,1 30,0 20,0 10,0 18,9 10,4 8,9 0,0 HE (N=109) HF (N=466) Documento formal assinado entre as partes Acordo verbal, sem documento formal NSI 28

29 Características do repasse de recursos financeiros Regularidade do componente fixo 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 43,7 43,1 40,0 33,0 30,0 20,0 20,2 13,1 23,2 20,0 13,7 10,0 0,0 HE (N=131) Sem atraso Com atraso eventual Com atraso regular NSI HF (N=633) 29

30 Características do repasse de recursos financeiros Regularidade do componente variável 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 36,2 37,8 32,0 13,6 23,0 18,2 19,6 19,6 0,0 HE (N=131) HF (N=633) Sem atraso Com atraso eventual Com atraso regular NSI 30

31 Comparação do componente variável de recursos do primeiro convênio/contrato dos hospitais com o atual 31

32 Acompanhamento dos convênios/contratos dos hospitais de ensino (n=29) e hospitais filantrópicos (n=52) segundo as Secretarias contratantes 100,0 90,0 80,0 89,7 86,5 82,7 82,7 70,0 69,0 69,2 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 34,5 23,1 0,0 Comissão de acompanhamento de convênios/contratos Conselho gestor de acompanhamento de convênios/contratos Outras formas de monitoramento do cumprimento das metas do POA Designação de profissionais da Secretaria especificamente para o acompanhamento de cada hospital Gestores contratantes de HE Gestores contratantes de HF 32

33 Efeitos percebidos e registrados da contratualização dos hospitais de ensino e filantrópicos segundo hospitais e secretarias contratantes 33

34 Produção realizada por tipo de procedimento em 2004 e 2009 nos hospitais de ensino contratualizados (N=131) Fonte: SiIA SIH/DATASUS/MS Grupo de procedimentos Variação % Internação Alta complexidade ,84 Estratégica ,89 Média complexidade Ambulatorial ,09 Alta complexidade ,24 Atenção básica 1, ,17 Estratégica ,30 Média complexidade ,03 34

35 Produção realizada por tipo de procedimento em 2004 e 2009 nos hospitais filantrópicos contratualizados (N=663) Fonte: SIA e SIH/DATASUS/MS Grupo de procedimentos Internação Alta complexidade ,76 Estratégica ,06 Média complexidade Ambulatorial ,21 Alta complexidade ,06 Atenção básica ,16 Estratégica ,20 Média complexidade ,57 35

36 Tempo médio de permanência, taxa de ocupação e taxa de mortalidade em 2004 e 2009 nos hospitais de ensino (N=131) e filantrópicos (N=633) contratualizados Indicadores HE HF Tempo médio de internação (dias) 7,58 7,47 4,95 5,04 Taxa de ocupação (%) 69,5 70,8 59,1 59,9 Taxa de mortalidade (%) 5,9 5,4 4,2 4,7 36

37 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos de média complexidade na internaçãosegundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 70,0 18,9 62,1 24,1 8,7 6,9 0,0 2,4 HE (N=131) 6,9 Gestores/HE (n=29) 58,3 35,5 65,4 23,1 9,6 3,9 0,0 2,3 0,0 1,9 0,0 HF (N=633) Incrementou Não houve alteração Diminuiu NSI N/A Gestores/HF (n=52) 37

38 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos de média complexidade ambulatorialsegundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 38

39 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos de alta complexidade na internaçãosegundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 39

40 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos de alta complexidade ambulatorial segundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 40

41 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos estratégicos na internação segundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 41

42 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos estratégicos ambulatoriais segundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 42

43 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de procedimentos de atenção básicasegundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 43

44 Efeito percebido (%) da contratualização na produção de atendimentos de urgência e emergência segundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 44

45 Percepção do impactoda contratualização na relação entre hospitais e gestores, na percepção dos hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 45

46 Dificuldades, aspectos facilitadores e benefícios da contratualização segundo hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores 46

47 Avaliação geral feita por hospitais de ensino, hospitais filantrópicos e gestores sobre a contratualização Fonte Média Erro padrão Hospitais de ensino (N=131) Gestores/HE (n=29) Hospitais filantrópicos (N=633) Gestores/HF (n=52) Intervalo de confiança 95% Mínimo Máximo 6,4 0,5 5,4; 7,5 0,0 10,0 7,2 1,4 6,7; 7,7 4,0 10,0 6,3 0,3 5,7; 6,9 1,0 10,0 6,9 1,2 6,4; 7,5 5,0 9,0 47

48 DIFICULDADES percebidas pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores em relação àcontratualização 48

49 DIFICULDADES (16 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Orçamento do convênio/contrato subestimado 1º 1º 5º 3º Ausência de incentivos para as equipes do hospital que valorizem o alcance das metas do POA Insuficiência ou imprecisão sobre as necessidades de saúde da população e da capacidade de oferta da rede Inexistência ou funcionamento inadequado da central de regulação da Secretaria Baixa adesão das equipes do hospital com o alcance das metas do POA Baixa adesão dos profissionais da área acadêmica com o alcance das metas do POA Insuficiência ou imprecisão sobre a capacidade de oferta do hospital 2º 6º 2º 1º 3º 2º 8º 5º 3º 3º 15º 8º 4º 10º 1º 2º 4º 13º 3º 14º 5º 7º 4º 4º Metas físicas de produção subestimadas no POA 6º 4º 11º 7º 49

50 DIFICULDADES (16 itens) Ordenamento HE HF Gestores Uso dos recursos do convênio/contrato para pagamento de pessoal HE HF 7º 6º 12º 11º Sub registro da produção do hospital 8º 12º 7º 10º Não regularidade no funcionamento da comissão de acompanhamento de convênio/contrato Monitoramento insuficiente das metas do POA por parte do gestor Monitoramento insuficiente das metas do POA por parte do hospital Controle e monitoramento por parte do gestor são excessivos 9º 7º 9º 8º 10º 5º 10º 6º 11º 11º 6º 7º 12º 9º 13º 12º Mudança de esfera de governo da parte contratante 13º 8º 14º 13º Metas físicas de produção superestimadas no POA 14º 10º 9º 9º 50

51 ASPECTOS FACILITADORES percebidos pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores em relação à contratualização 51

52 ASPECTOS FACILITADORES (12 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Conhecimento sobre a capacidade de produção do hospital 1º 3º 9º 1º Estrutura de gestão do hospital desenvolvida 2º 2º 10º 8º Continuidade da equipe de gestão do hospital 3º 1º 7º 4º Conhecimento sobre as necessidades de saúde da população e da capacidade de oferta da rede Funcionamento regular da comissão de acompanhamento de convênio/contrato 4º 4º 4º 5º 5º 7º 8º 9º Sistemas de informação bem estruturados 6º 5º 2º 2º Funcionamento adequado da central de regulação da Secretaria 7º 8º 6º 7º 52

53 ASPECTOS FACILITADORES (12 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Estrutura de gestão da Secretaria desenvolvida 8º 6º 5º 3º Existência de planejamento na Secretaria 9º 9º 3º 2º Continuidade da equipe de gestão da Secretaria 9º 4º 1º 6º Modelo de gestão pré-existente no hospital valorizando metas e indicadores 10º 4º 11º 10º Mudança de esfera de governo da parte contratante 11º 10º 12º 11º 53

54 BENEFÍCIOS ADVINDOS /ASSOCIADOS àcontratualização percebidas pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores 54

55 BENEFÍCIOS (21 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Maior conhecimento do hospital 1º 4º 1º 1º Maior integração do hospital na rede 2º 1º 4º 3º Melhoria na gestão hospitalar 3º 4º 8º 10º Maior conhecimento das necessidades da rede 4º 5º 2º 2º Incremento da produção de procedimentos de média complexidade 5º 6º 7º 8º Melhoria do registro da produção realizada 6º 4º 3º 4º Melhoria nas práticas de humanização do hospital 6º 3º 8º 9º 55

56 BENEFÍCIOS (21 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Melhoria no acesso da população aos serviços do hospital 7º 8º 7º 6º Melhoria na eficiência do uso de recursos do hospital 8º 7º 10º 9º Incremento da produção de procedimentos de alta complexidade 8º 12º 9º 13º Melhoria da qualidade assistencial do hospital 9º 9º 7º 5º Melhoria das práticas e mecanismos de responsabilização e prestação de contas sobre a assistência prestada e recursos utilizados Melhoria nas atividades de ensino da graduação e pós graduação Melhoria na constituição da rede (referência e contrareferência, integralidade da atenção) 10º 2º 5º 4º 11º 18º 14º 18º 12º 10º 6º 7º 56

57 BENEFÍCIOS (21 itens) Ordenamento HE HF Gestores HE HF Incremento na formação de profissionais da rede de serviços Incremento de novas modalidades assistenciais desospitalizantes 13º 14º 15º 15º 14º 13º 12º 14º Melhoria na eficiência do uso de recursos da rede 15º 11º 9º 11º Diminuição da produção de procedimentos de atenção básica 16º 15º 13º 14º Abertura/fechamento de serviços na rede 17º 12º 11º 12º Realização de pesquisas atendendo demandas da rede de serviços 18º 17º 16º 17º Realização de avaliação de tecnologias em saúde 18º 16º 17º 16º 57

58 BOAS PRÁTICAS percebidas pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores e associadas à contratualização 58

59 Regulação da atenção e do uso de serviços: Central de Regulação e, especificamente, reserva de consulta por meio da Central de Regulação Regionalização Referência e contra-referência Classificação de risco do paciente na porta de entrada Estabelecimento de metas de produção para serviços importantes para a população Atendimento domiciliar Encaminhamento de procedimentos da atenção básica para a rede de atenção básica Definição e monitoramento de metas, com valorização da cultura de prestação de contas: Melhoria do registro de informações relativas aos serviços de saúde Estabelecimento de instrumentos, práticas e instâncias (comissões) de monitoramento dos contratos Avaliação dos recursos humanos Envolvimento do Conselho Municipal de Saúde no acompanhamento dos contratos, capacitando-o no entendimento do processo de prestação de contas 59

60 Aperfeiçoamento da gestão hospitalar e da gestão nas secretarias contratantes: Profissionalização Horizontalização/estabelecimento de colegiados de gestão; responsabilização do corpo clínico Planejamento e execução orçamentária regular, propiciando aos hospitais previsibilidade e autonomia para a alocação de recursos; Implementação de práticas de humanização e qualificação da atenção; Fortalecimento da atuação regulatória do MS junto às secretarias contratantes; Maior integração entre MS e MEC e maior participação do MEC; Estabelecimento de estrutura jurídica, com apoio da Procuradoria, Auditoria Geral e outros órgãos, facilitando o processo de implementação da política. 60

61 AJUSTES propostos àcontratualização pelos hospitais de ensino e filantrópicos e gestores 61

62 Educação continuada das secretarias, hospitais e comissões pertinentes, focando a legislação do SUS, conceitos e diretrizes relativos à contratualização, processos de estabelecimento e acompanhamento dos contratos, conteúdos de gestão hospitalar, com ênfase na melhoria contínua de qualidade. Aprimoramento do processo de estabelecimento e acompanhamento dos contratos funcionamento regular da comissão de acompanhamento, com elaboração de relatórios amplo envolvimento das partes contratantes estratégias de disseminação das metas contratualizadas entre os diversos atores definição/padronização de indicadores gestão, produção, qualidade, financeiros para o acompanhamento dos contratos regularização e mudanças nos protocolos relativos ao processo de acompanhamento uso de sistemas de informação/ investimento na informatização Criação de fóruns regionais, estaduais e federal para discussão da contratualização, no que tange às suas dificuldades e alternativas de enfrentamento. 62

63 Revisão do processo de orçamentação dos contratos, com maior aporte de recursos para a contratualização: Revisão do financiamento da alta complexidade; Aumento do teto da média complexidade Incremento de parcela para pesquisa e ensino; Revisão anual dos valores pactuados/tetos financeiros; Cumprimento regular dos repasses financeiros, atrelando-os a uma pré-avaliação; Definição de datas para pagamentos extra-teto. Implementação de mecanismos que garantam melhor estruturação da rede de atenção Diagnóstico das reais necessidades da população e das condições de operação dos hospitais; Contratualização com demais integrantes da rede de serviços, inclusive com contratos intermunicipais; Estruturação de sistemas de referência e contra-referência; Habilitação de procedimentos de desospitalização; Fortalecimento da rede laboratorial para garantir maior agilidade na realização de exames na rede; Implementação de mecanismos para maior resolutividade da atenção básica; Revisão da política de RH, com aumento de governança, incluindo a possibilidade da contratualização prever montante para remuneração de pessoal. 63

64 Foco na qualificação da atenção: Utilização de diretrizes/protocolos clínicos; Investimento na humanização da atenção; Estabelecimento e acompanhamento de metas relativas à qualidade da atenção. Implementação de incentivos que premiem o cumprimento dos contratos, o alcance de maior eficiência e a qualidade da atenção: Revisão do incentivo à contratualização (IAC); Incentivos para o envolvimento dos profissionais no alcance das metas; Incentivos para o envolvimento dos professores na assistência. Fortalecimento do papel dos gestores pelo Ministério da Saúde Maior participação do MEC 64

65 4. RECOMENDAÇÕES GERAIS considerando os achados do estudo 65

66 1. Revisão dos processos de elaboração e monitoramento dos contratos/ POA - elaboração do POA contemplando outras dimensões do desempenho organizacional, com foco na qualidade assistencial. - metodologia de estimativa de financiamento do convênio/contrato - práticas e mecanismos de monitoramento e de avaliação dos convênios/contratos/poa - incorporação de visitas regulares aos hospitais pelas secretarias e monitoramento interno pelo hospital - sistema de informações tendo em vista o monitoramento do conjunto de metas e indicadores do POA e uma estimativa de recursos mais adequada Revisão do sistema de incentivo - ampliação dos incentivos para o hospital, suas equipes e secretarias - ampliação da participação e da pactuação das metas e indicadores com os profissionais das equipes dos hospitais 66

67 3. Disseminação da prática contratual e da lógica de prestação de contas com foco nos resultados - contratos internos ( no interior do hospital,com as equipes/serviços) - contratos das secretarias com demais unidades da rede de serviços - contratos do MS com as secretarias de saúde 4. Incremento da articulação entre o planejamento regional e a contratualização (contrato/poa éferramenta de execução do planejamento regional). 5. Processo contínuo de aprendizagem numa perspectiva de melhoria contínua - Apoio ao desenvolvimento da capacidade gerencial e àestruturação organizacional de secretarias e hospitais. - Monitoramento e a avaliação - Troca de experiências entre hospitais e secretarias / realização de fóruns locais, regionais, estaduais e nacional 67

68 Mudanças nas estruturas mentais/cultura organizacional e nas práticas de trabalho tendo em vista a valorização da prestação de contas sobre o desempenho para a sociedade éum processo lento, que exige constância de propósito, estruturas, métodos e incentivos Contratualização como política de Estado e não de governo 68

69 Antonio Pires Barbosa ( Coordenador) Hospital Samaritano / São Paulo Ana Maria Malik Fundação Getúlio Vargas /São Paulo Margareth Crisóstomo Portela Escola Nacional de Saúde Pública / Fundação Oswaldo Cruz Sheyla Maria Lemos Lima Escola Nacional de Saúde Pública / Fundação Oswaldo Cruz 69

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos

Gerência de Contratualização dos Serviços do SUS. Objetivos CONTRATUALIZAÇÃO Objetivos Quando forem insuficientes as disponibilidades públicas para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o gestor poderá complementar a oferta com

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES

FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES 13º AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e Assistência Hospitalar FINANCIAMENTO DA ASSISTENCIA PARA ALÉM DO PAGAMENTO POR PRODUÇÃO MAC/FAEC/INCENTIVOS/REDES Setembro/2014

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.006, DE 27 DE MAIO DE 2004 OS MINISTROS DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE e, no uso da atribuição, que lhes confere o inciso II do parágrafo único do artigo 87 da Constituição

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO

SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO SAÚDE PÚBLICA 4 A DESCENTRALIZAÇÃO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO OBJETIVOS DAS NOBs a)promover integração entre as esferas de governo definindo responsabilidades na consolidação do SUS; b)operacionalizar

Leia mais

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO SUS A FRAGMENTAÇÃO DO SISTEMA A CONCEPÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA O DESALINHAMENTO DOS INCENTIVOS ECONÔMICOS A INEFICIÊNCIA

Leia mais

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ministério da Saúde II ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO, DESAFIOS E POSSIBILIDADES Brasília, 25 de setembro de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Brasília, 16 de maio de 2012. Ao Conselho Universitário Assunto: Análise e Parecer sobre Proposta de Adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH Introdução Este parecer versa sobre a

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP

Grupo de Trabalho da PPI. Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP Grupo de Trabalho da PPI Política Estadual para Contratualização de Hospitais de Pequeno Porte HPP 29 de março de 2011 Considerando: O processo de regionalização dos Municípios, que objetiva a organização

Leia mais

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS

Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Política Nacional de Humanização da Atenção e da Gestão do SUS Por que precisamos de uma PNH? Para enfrentar as graves lacunas quanto ao acesso aos serviços e e à atenção integral à saúde. Para modificar

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia

Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Hospital (autarquia), geral, de ensino O HOB conta com 409 leitos Média de 1.484 internações/mês Unidade de Urgência e Emergência: 88 leitos Média de 480 atendimentos/dia Perfil do HOB Unidades

Leia mais

WONCA IBEROAMERICANA CIMF

WONCA IBEROAMERICANA CIMF WONCA IBEROAMERICANA CIMF III CÚPULA IBERO AMERICANA DE MEDICINA FAMILIAR FORTALEZA, BRASIL 29 e 30 de abril de 2008 CARTA DE FORTALEZA No ano em que se comemora o 30º Aniversário da Declaração de Alma

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

Política Nacional de Educação na Saúde

Política Nacional de Educação na Saúde III Seminário Nacional de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde Política Nacional de Educação na Saúde 13 a 15 de outubro de 2008 CONTEXTOS DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE A Constituição Federal

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

O Ministério da Saúde e os. Crônicas

O Ministério da Saúde e os. Crônicas O Ministério da Saúde e os Cuidados às Condições Crônicas Contexto atual Mudanças sociais dos últimos 30 anos -características da vida contemporânea Transição demográfica, alimentar e epidemiológica Avanços

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRO-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DE PERNAMBUCO SECRETARIA DE SAÚDE DO RECIFE CONVOCATÓRIA DE SUBMISSÃO DE SUBPROJETOS EM RESPOSTA AO

Leia mais

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua)

BLOCO 13 VIGILÂNCIA SANITÁRIA (Continua) 1 - O órgão responsável pela Vigilância Sanitária no município caracteriza-se como: Setor é a parte organizacional da prefeitura sem status de secretaria. 1 Setor da secretaria municipal de saúde Setor

Leia mais

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$) GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451 3.5.2.13 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva

Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Artigo A GESTÃO DO FLUXO ASSISTENCIAL REGULADO NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE João Marcelo Barreto Silva Introduzir ações de regulação em um sistema de saúde requer um diagnóstico apurado de uma série de processos

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Objetiva ampliar os estudos científicos acerca da Atividade Física e do Exercício Físico, da Saúde Pública e da Saúde Coletiva, instrumentalizando

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA (CSSF) (VOTO EM SEPARADO DA BANCADA DO PT) PROJETO DE LEI Nº 522, DE 2003 Altera a Lei nº 9.311, de 1996, determinando percentual de arrecadação da CPMF para aplicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública

Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública Especialização em Gestão Pública Programa Nacional de Formação em Administração Pública ROBSMEIRE CALVO MELO ZURITA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Maringá 2011 2 Especialização em

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo

Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Políticas de recursos humanos no sistema de saúde brasileiro: estudo avaliativo Coordenação Geral Dra. Celia Regina Pierantoni, MD, DSc Professora Associada do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais

Reunião de integração aos trabalhos

Reunião de integração aos trabalhos Reunião de integração aos trabalhos 16 de junho de 2015 HU-UFJF integra a 2ª fase de um processo de capacitação para construção dos planos diretores ao lado de outros 14 HUFs Metodologia do Planejamento

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE.

Contratação de serviços de consultoria técnica especializada pessoa física. PROJETO: PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. EDITAL PF no. 007/2015 CONVOCAÇÃO DE INTERESSADOS À SELEÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA TÉCNICA ESPECIALIZADA PESSOA FÍSICA O CONASS: O Conselho Nacional de Secretários de Saúde é uma entidade

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010

Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, 2010 Experiência de Implantação e Realidade Atual dos Consórcios Públicos em Saúde do Estado do Ceará Fortaleza, Ceará, 2010 Descentralização dos Serviços de Saúde Pública no Estado do Ceará DESCENTRALIZAÇÃO

Leia mais

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma:

A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: A - O modelo de avaliação de para estados e municípios está estruturado da seguinte forma: 1. Governança 1.1.Liderança 1.1.1.Pessoas e competências 1.1.2.Princípios e comportamentos 1.1.3.Liderança Organizacional

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

PROTOCOLO DE COMPROMISSO

PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO PROTOCOLO DE COMPROMISSO QUE A FACULDADE CASA DO ESTUDANTE - FACE, MANTIDA PELA SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR DE ARACRUZ LTDA E REPRESENTADA PELO DIRETOR ANTÔNIO EUGÊNIO CUNHA APRESENTA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento. PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013

CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento. PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013 CICLO DE OFICINAS DE QUALIFICAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Ênfase na Implantação do Acolhimento PROPOSTA METODOLÓGICA Março/2013 PNAB PEAB PNH DIRETRIZES GERAIS Acolhimento como diretriz nacional do SUS Cuidado

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde

Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Avaliação e Incorporação de Tecnologias em Saúde no Sistema Único de Saúde Flávia T S Elias Coordenadora de Avaliação de Tecnologias em Saúde Departamento de Ciência e Tecnologia DECIT Secretaria de Ciência,

Leia mais

Implantação da Regulação Ambulatorial Informatizada

Implantação da Regulação Ambulatorial Informatizada Implantação da Regulação Ambulatorial Informatizada SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE/RS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DAHA COMPLEXO REGULADOR ESTADUAL CENTRAL DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2

Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa Manual do Usuário para o RDQ Versão 2 Brasília DF Maio de 2014 3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA

EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA EDITAL DE SELEÇÃO DE TELECONSULTORES GENERALISTAS E MONITORES DE CAMPO PARA O TELESSAÚDE REDES REGIÃO METROPOLITANA DE JOÃO PESSOA O Comitê Gestor do Telessaúde Redes da Região Metropolitana de João Pessoa,

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

hemorrede nacional hemoglobinopatias

hemorrede nacional hemoglobinopatias Perspectiva Foco Estratégico Estratégia Projetos Descrição do Projeto Resultado Esperado Gestor Prazo SOCIEDADE Credibilidade do serviço Satisfação dos doadores e usuários da Atendimento integral aos portadores

Leia mais

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA Portaria GM/MS nº de abril de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a alta incidência de doenças cardiovasculares na população brasileira, o que se constitui

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE 15º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica

QUALIFAR-SUS Programa Nacional de Qualificação da Assistência Farmacêutica Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, tecnologia e Insumos Estratégico Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégico Coordenação Geral de Assistência Farmacêutica Básica QUALIFAR-SUS

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

Auditoria Operacional FNO/Banco da Amazônia. Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA

Auditoria Operacional FNO/Banco da Amazônia. Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA Auditoria Operacional FNO/Banco Paulo Vinhas Lima Junior AUFC TCU/Secex/PA Auditoria Operacional determinada pelo Acórdão TCU nº 2.919/2009 Plenário (Auditoria TMS na PNDR) Objetivo: avaliar o desempenho

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

Ministério da Saúde Brasília - 1997

Ministério da Saúde Brasília - 1997 Ministério da Saúde Brasília - 1997 1997. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte Tiragem: 5.000 exemplares Edição, distribuição e informações

Leia mais

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS)

Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) Sistema de Planejamento do SUS (PlanejaSUS) (PROPOSTA) Plano de Trabalho 10º Termo de Cooperação e AssistênciaTécnica MS Opas/OMS Brasília, maio de 2007. 1 1. Introdução A necessidade de organização de

Leia mais

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo O PACTO PELA SAÚDE E A GESTÃO REGIONAL EM SÃO PAULO: fatores intervenientes e reorientação da política da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Departamento de Medicina Social da Faculdade de Ciências

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002.

POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS. BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. POLÍTICA NACIONAL PARA OS HOSPITAIS DE PEQUENO PORTE PARÂMETROS ASSISTENCIAIS BASE DE CONSULTA: PORTARIA 1.101, de 12 de junho de 2002. Parâmetros Assistenciais para os HPPs Os parâmetros apresentados

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil

A implementação de diretrizes clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso. da saúde suplementar no Brasil A implementação clínicas na atençã experiências inter A implementação de diretrizes da saúde supleme clínicas na atenção à saúde: experiências internacionais e o caso da saúde suplementar no Brasil A implementação

Leia mais

Modelos de remuneração médica Fernando Amorim UNIMED BH

Modelos de remuneração médica Fernando Amorim UNIMED BH Modelos de remuneração médica Fernando Amorim UNIMED BH Cadeia de valor dos serviços de saúde suplementar ESTUDO ECONÔMICO SOBRE OS DESAFIOS DO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR NO BRASIL, 2015 Sistema de Saúde

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL.

III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO PSICOSSOCIAL: TRABALHO, CULTURA E INCLUSÃO SOCIAL NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas III CHAMADA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DE REABILITAÇÃO

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA AREA DA SAÚDE Porto Alegre, 01 de julho de 2011 EDUCAÇÃO PROFISSIONAL LDB Nº 9394/96 É uma modalidade de ensino integrada às diferentes formas de educação,

Leia mais

Reunião Gestores dos Municípios Pré- selecionados. Implantação Curso de Graduação em Medicina

Reunião Gestores dos Municípios Pré- selecionados. Implantação Curso de Graduação em Medicina Reunião Gestores dos Municípios Pré- selecionados Implantação Curso de Graduação em Medicina Expansão do Programa Mais Médicos 4.139 vagas* autorizadas em 1.289 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER Arcabouço Legal Portaria GM/MS Nº. 4.279 de 30/10/ /2010 que Estabelece Diretrizes para a Organização da Rede de Atenção à Saúde, no âmbito do SUS. Portaria GM/MS Nº.874

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES Introdução Paulo Speller 1 Nos anos recentes, diversos países vem debatendo a possibilidade de promoverem alterações em seus sistemas de educação

Leia mais

Saúde mais Perto de Você

Saúde mais Perto de Você Saúde mais Perto de Você LINHAS GERAIS DA NOVA POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Ampliação do Financiamento da AB Programa de Requalificação das UBS Ampliação do Acesso Melhoria da Qualidade da AB Ações

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem

Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem ASCOM/MS Gestão da Saúde sob os cuidados da Enfermagem Com vocação nata para cuidar, planejar e gerenciar, muitos Enfermeiros têm assumido essa responsabilidade e desempenhado, com sucesso, a função de

Leia mais