Panorama da Radioterapia no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Panorama da Radioterapia no Brasil"

Transcrição

1 Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia

2 A radioterapia é definida como a especialidade médica que utiliza radiação ionizante para tratar e prevenir determinadas doenças e processos orgânicos. Ela é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para registro de qualificação e possui assento no Conselho Científico da Associação Médica Brasileira (AMB) para titulação de seus especialistas e participação na Câmara Técnica. A principal área de atuação é no tratamento de diversos tipos de câncer. Em torno de 60% dos casos novos de neoplasias malignas vai necessitar de radioterapia em pelo menos uma fase do tratamento, de forma isolada ou associada a outro tratamento, como cirurgia e/ou quimioterapia, para assegurar uma adequada curabilidade ou um efeito paliativo. A Portaria da Secretaria de Atenção à Saúde e Ministério da Saúde número 741 de 2005 (SAS/MS 741/2005) prevê que para cada 1000 pacientes com câncer, 600 vão precisar de radioterapia. Ela é necessária, de forma estratégica, na maioria das vezes, no tratamento dos tumores malignos mais prevalentes da população brasileira, ou seja, no câncer de próstata e pulmão nos homens e no de mama e colo uterino na mulher. Portanto, toda e qualquer política de atenção oncológica deve conter ações para assegurar acesso tempestivo e equitativo dos pacientes à radioterapia. O panorama da radioterapia no Brasil como forma de tratamento oncológico é atualmente desalentador e caótico. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa para 2012 foi de casos novos de câncer. Portanto, em torno de brasileiros necessitaram de radioterapia no decorrer desse ano. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda, para uma adequada cobertura de prevenção terciária, uma máquina de megavoltagem (acelerador linear) para cada habitantes. No Brasil, com uma população estimada em de habitantes, são necessárias aproximadamente de 335 máquinas. Temos atualmente em torno de 230 das instaladas que atendem a população de acesso exclusivo pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e, segundo dados do INCA e da Sociedade Brasileira de

3 Radioterapia (SBRT), o déficit atual dessas máquinas gira em torno de 135 unidades. Como resultado, há atualmente, cerca de pacientes por ano com câncer que necessitam de tratamento com radioterapia, porém, não conseguem acesso para tal. Há dois Estados da Federação (Roraima e Amapá) que sequer possuem Serviço de Radioterapia. Os pacientes desses Estados ficam sem tratamento ou necessitam viajarem, muitas vezes debilitados pela doença, para outros Estados para conseguirem tratamento ou para entrar numa fila de espera, muitas vezes interminável. Cientes dessa situação caótica, em 2011, o Tribunal de Contas da União (TCU), através de nove Ministros, quatro Auditores e seis Procuradores ou Subprocuradores do Ministério Público (MP) elaboraram e publicaram o Relatório de Auditoria Operacional a respeito da Política Nacional de Atenção Oncológica. Muito bem escrito e com retrato fiel da situação atual de Atenção Oncológica no Brasil, esse relatório enfatiza a grande problemática que envolve a radioterapia quanto ao aspecto do acesso tempestivo e equitativo. As análises realizadas evidenciaram que a estrutura da rede de atenção oncológica não é suficiente para atendimento em radioterapia, enfatizando a necessidade dos 135 equipamentos de radioterapia já previstos pelo INCA e pela SBRT, que se reduziria para 57 se considerassem os serviços privados que não atendem o SUS. Esses números não levam em consideração o fato de que, em 2010, seis dos equipamentos de radioterapia que atendiam pelo SUS tiveram a produção interrompida. Constatou-se ainda, que a produção da radioterapia em todo Brasil pelo SUS cobre apenas 65,9% da demanda. Em alguns Estados, tais como, Amazonas, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Sergipe e Distrito Federal, a demanda reprimida é ainda pior, com cobertura menor que 50% do necessário. Além disso, as análises quantitativas revelaram que os atendimentos da radioterapia, quando realizados, não têm sido tempestivos. O tempo médio de espera entre a data do diagnóstico e o início da radioterapia tem sido em média de 113,4 dias (quase quatro meses), o que certamente afeta de forma consistente as chances de cura de muitos pacientes.

4 Em algumas regiões, o tempo de espera é ainda maior e, quando possível, os pacientes são tratados em aparelhos antigos e de pouca precisão. Os Serviços de radioterapia são muito complexos para serem operacionalizados e de alto custo para implantação e manutenção. O custo de aquisição dos aceleradores lineares é considerável (em média de dois milhões de dólares), não há similares nacionais e, praticamente, todos são importados de apenas dois fabricantes que estão no mercado. Além disso, o valor do metro quadrado da construção civil das salas de tratamento é muito maior do que um prédio comum devido ás necessidades de blindagem, podendo variar de mil a dois mil reais o metro quadrado. Um Serviço novo e básico de radioterapia montado não sai por menos de seis milhões de reais, sem contar com a carga tributária das importações. Para piorar a situação, os valores pagos pelo tratamento de radioterapia tanto pelo SUS como pela maioria dos planos de saúde suplementar são proporcionalmente muito baixos se analisados os valores de investimento, tornando assim, a sustentabilidade econômica desses Serviços muito frágeis. Como conseqüência, tivemos um verdadeiro sucateamento do parque de radioterapia no Brasil nas últimas décadas. As técnicas mais modernas de radioterapia, que permitem um melhor controle de doença em várias situações e evidente diminuição de toxicidade, tais como a conformada e de intensidade modulada (IMRT), são utilizadas apenas por algumas Instituições Públicas de grande porte, conhecidas como Ilhas de excelência, que absorvem o alto custo dessa tecnologia ou por alguns Serviços privados. A incorporação de novas tecnologias em radioterapia pelo SUS está parada há muito tempo. As técnicas desenvolvidas nas últimas décadas, como as mencionadas acima, não foram até hoje consideradas para inclusão no rol de procedimentos do SUS. Isso gera tratamentos de baixa qualidade pela maioria dos Serviços e consequências que no futuro tornam o custo do tratamento ainda maior. Pacientes com câncer de próstata, por exemplo, tratados com uma radioterapia antiga e inadequada possuem chances maiores de recaída e complicações. Esses pacientes voltam com mais

5 frequência para o Sistema de Saúde Público para tratar a recaída com hormonioterapia e/ou para tratar complicações da radioterapia. Na região abdominal, a radioterapia convencional, única técnica que o SUS autoriza, sem tecnologia para prever a dose de radiação liberada nos rins, como a conformada, por exemplo, pode levar o paciente à insuficiência renal crônica e esse necessitar de diálise para o resto da vida. Isso torna o custo final de tratamento muito maior e com prejuízos inestimáveis à qualidade de vida do doente. O déficit previsto de 135 máquinas de radioterapia faz com que a solução do problema demande muito tempo e dinheiro. Entre a construção, a compra de um aparelho e o início da operação, passando pelos trâmites de importação, desembaraço, instalação, comissionamento e autorização de funcionamento, há um intervalo de tempo em média de 30 meses. O governo federal, em parceria com INCA, instituiu em 2001 o projeto de expansão da Assistência Oncológica no Brasil, conhecido como projeto expande, para implantação ou ampliação da capacidade instalada de Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON) ou de Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON). A meta inicial era implantar 20 novos CACONs em dois anos. Quatro anos depois, apenas sete (35% da meta) foram implantados. Atualmente, o governo federal possui um grande projeto para construção de 48 novos Serviços de radioterapia e ampliação de outros 32 já existentes em unidades de CACON ou UNACON até 2015, totalizando a aquisição de 80 novas máquinas para o país. Pela definição da Portaria SAS/MS 741/2005, essas Instituições são hospitais que apresentam Serviços de Cirurgia Oncológica, Oncologia Clínica, Hematologia e Radioterapia. Trata-se de uma iniciativa grandiosa, sem paralelo no mundo, que pode amenizar muito o problema de acesso à radioterapia, porém, é uma medida de muito longo prazo e não resolve todo o problema de imediato.

6 As soluções para longo prazo sem dúvidas incluem a construção desses novos complexos hospitalares com radioterapia e com novos aparelhos, bem como a expansão dos já existentes. No entanto, medidas para curto e médio prazo incluem a contratação de Serviços privados para atendimento de pacientes do SUS, remuneração adequada dos procedimentos em radioterapia para atração de investimentos por parte da iniciativa privada, estabelecendo assim, parcerias público-privadas (PPP) e incorporação de novas tecnologias na tabela de procedimentos do SUS. Essas últimas medidas não estão sendo tomadas por motivos políticos e provavelmente por viés ideológico. Pelo contrário, há esforços para encerrarem ou inibirem os Serviços isolados de radioterapia, aqueles que estão fisicamente fora de um Centro de tratamento. Atualmente, temos o atendimento em radioterapia pelo SUS realizado por 42 CACONs, 91 UNACONs com radioterapia e por 13 Serviços isolados. Esses últimos atendem em torno de pacientes por ano. A Portaria SAS/MS 62 de 2009, em seu 9ª parágrafo, previa a manutenção dos Serviços isolados até Dezembro de 2011, prazo final para eles se associassem a um estabelecimento hospitalar, através do qual receberiam o valor do Serviço prestado em radioterapia. Em Fevereiro de 2012, o governo lançou a Portaria SAS/MS 102, que revogou a 62, permitindo o funcionamento desses Serviços, porém, manteve a exigência da associação a um estabelecimento hospitalar, agora sem prazo. Realizar um tratamento oncológico como radioterapia dentro de um estabelecimento hospitalar é o ideal para o paciente, porém, ainda não temos número suficiente desses estabelecimentos para assegurar um atendimento adequado. Sem contrapartida de atendimento por parte de CACON ou UNACON com radioterapia, os Serviços isolados prestam um grande serviço no sentido de aliviar a demanda reprimida existente. O governo tem agido no sentido contrário das recomendações da SBRT não permitindo o credenciamento de novos Serviços isolados e prejudicando de forma consistente o funcionamento dos já existentes com a obrigatoriedade da vinculação a uma Mantenedora.

7 Há também pouco recurso destinado à radioterapia. Em 2010, o governo federal gastou 1,9 bilhões de reais para a assistência oncológica e, desse montante, apenas 11,7% foi destinado à radioterapia, o que mostra falta de visão estratégica de investimento nesta área. As propostas da SBRT, em sintonia com as diretrizes recomendadas pelo relatório do TCU para amenizar toda essa situação incluem: 1- Criação de novos Serviços 2- Ampliação da capacidade instalada dos Serviços já existentes 3- Incorporação de novas tecnologias na tabela do SUS 4- Contratação de Serviços privados para atender pacientes do SUS 5- Reajuste do valor de remuneração dos procedimentos de radioterapia para atrair investidores privados (PPP) 6- Incentivo fiscal com redução ou isenção de impostos para Serviços privados que atendem pacientes do SUS As soluções existem e há necessidade de maior vontade política para resolver ou pelo menos amenizar esse caos que os pacientes do SUS portadores de câncer e que necessitam de radioterapia estão vivendo e, assim, evitar que muitos deles, ainda curáveis, morram numa fila de espera perversa e desumana.

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR

Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Conveniada ao Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem - CBR Carta a população, A radioterapia é o tratamento que se utiliza de radiação ionizante para destruir ou controlar o crescimento de células neoplásicas. Esse tratamento é uma das três armas mais utilizadas

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 62, DE 11 DE MARÇO DE 2009.

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 62, DE 11 DE MARÇO DE 2009. Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 62, DE 11 DE MARÇO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM/MS nº 2.439, de 8 de dezembro

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000.

Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. Circular 0078/2000 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2000. IX Encontro de Provedores, Diretores e Administradores Hospitalares de Santas Casas e Entidades Filantrópicas do Estado de São Paulo De: 13 a 15 de

Leia mais

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama

Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama Encontro internacional sobre rastreamento de câncer de mama O Câncer de Mama no Brasil Situação epidemiológica e rastreamento 17/04/2009 CÂNCER DE MAMA NO BRASIL MORBIMORTALIDADE NÚMERO TAXA (*) NOVOS

Leia mais

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$)

GRÁFICO 136. Gasto anual total com transplante (R$) GRÁFICO 136 Gasto anual total com transplante (R$) 451 3.5.2.13 Freqüência de transplantes por procedimentos Pela tabela da freqüência anual de transplantes por procedimentos, estes cresceram cerca de

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER

PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER PLANO ESTADUAL DE ATENÇÃO AO CÂNCER Arcabouço Legal Portaria GM/MS Nº. 4.279 de 30/10/ /2010 que Estabelece Diretrizes para a Organização da Rede de Atenção à Saúde, no âmbito do SUS. Portaria GM/MS Nº.874

Leia mais

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 22 Dispõe sobre a criação de mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso.

Leia mais

Relatório do Ministro Relator

Relatório do Ministro Relator Relatório do Ministro Relator Trata-se de auditoria de natureza operacional tendo por escopo a Política Nacional de Atenção Oncológica, com o objetivo de avaliar se a rede de atenção oncológica tem permitido

Leia mais

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde

Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Apresentação para a Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal Primeiro ano da implementação da Lei 12.732/2012 Atuação do TCU Marcelo Chaves Secretário da Secex Saúde Brasília 22/5/2014 Auditoria

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

O próprio secretário de saúde afirmou que seus antecessores adquiriam. medicamentos através de compras direcionadas e sem qualquer critério.

O próprio secretário de saúde afirmou que seus antecessores adquiriam. medicamentos através de compras direcionadas e sem qualquer critério. Senador Pedro Taques Discurso contas da Saúde MT (06/2013) Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores, Amigos que nos acompanham pela Agência Senado A saúde de Mato Grosso pede socorro.

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL Nº 158, sexta-feira, 16 de agosto de 2013 1 ISSN 1677-7042 33 33902.134899/2005-71 SINDICATO DOS VIGILANTES DE CU- RITIBA E REGIÃO 25789.015069/2006-42 GREEN LINE SISTEMA DE SAÚDE S/A DIOPE Estão sujeitas

Leia mais

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha

Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Política Nacional de Atenção Oncológica Claudio Pompeiano Noronha Coordenação Geral de Ações Estratégicas - CGAE Instituto Nacional de Câncer - INCA Cenário do Câncer no Mundo: perspectiva de crescimento

Leia mais

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013.

OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. OF/AMUCC-043/2013 - ADV Florianópolis, 02 de maio de 2013. Exmo Sr. Dr. Maurício Pessutto MD Procurador da República Procuradoria da República em Santa Catarina Rua Pascoal Apóstolo Pitsica, nº 4876, torre

Leia mais

Audiência Pública Senado

Audiência Pública Senado Audiência Pública Senado Tema "políticas públicas de prevenção do câncer de intestino, bem como instruir a elaboração de projeto de lei com o propósito de instituir o Dia Nacional de Prevenção do Câncer

Leia mais

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014.

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FINANCIAMENTO PARA A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) ALOGÊNICO NÃO APARENTADO

Leia mais

AS DISTORÇÕES DA SAÚDE NO BRASIL. Senhor Presidente, notícias UOL publicou uma reportagem evidenciando as

AS DISTORÇÕES DA SAÚDE NO BRASIL. Senhor Presidente, notícias UOL publicou uma reportagem evidenciando as ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 23/10/2013. AS DISTORÇÕES DA SAÚDE NO BRASIL Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No último dia 17, quinta-feira,

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA outubro a dezembro / 2010 / n 4 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Este quarto boletim de 2010 apresenta os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2013

NOTA TÉCNICA 03 2013 NOTA TÉCNICA 03 2013 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do paciente com neoplasia maligna comprovada, no âmbito do Sistema

Leia mais

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA

MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA MANUAL DA COMISSÃO DE ONCOLOGIA CENTRAL MUNICIPAL DE REGULAÇÃO Secretaria Municipal de Saúde 2014 SUMÁRIO PÁGINA 1. COMISSÃO ONCOLOGIA 03 2. CONSULTA COM ONCOLOGISTA (Criança) 03 3. CONSULTA COM ONCOLOGISTA

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado e Rede de Atenção ao Câncer do Colo do Útero Boletim ano 6, nº 2, maio/agosto 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA)/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Linha de Cuidado

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 018.835/2013-9

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 018.835/2013-9 GRUPO I CLASSE II Plenário TC 018.835/2013-9 Natureza(s): Solicitação do Congresso Nacional Órgão/Entidade: não há Interessada: Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo

Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo Nesta edição Nº 16 Produção de mamografias no SUS do Estado de São Paulo Production of mammographies by SUS from the state of São Paulo José Dínio Vaz Mendes I ; Mônica Aparecida Marcondes Cecilio II ;

Leia mais

Meus amigos... A saúde tem pressa! da sua amiga, Flávia Morais

Meus amigos... A saúde tem pressa! da sua amiga, Flávia Morais 4ª Edição Meus amigos... Quando surgiu a ideia de criar o programa Saúde em Movimento, em parceria com o Lions Club e a LBV, acreditávamos que conseguiríamos reduzir em parte a distância que separa as

Leia mais

Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil. Brasília, 07 de maio de 2013

Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil. Brasília, 07 de maio de 2013 Fontes de financiamento da saúde pública no Brasil Brasília, 07 de maio de 2013 Perspectivas geral federal estados e municípios privado Há ações de saúde tipicamente públicas, de execução direta pelo Estado,

Leia mais

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA

COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA COBERTURA DE MAMOGRAFIAS REALIZADAS NO MUNICÍPIO DE SOUSA PARAÍBA COM REGISTRO NO SISMAMA 1 Introdução/ Desenvolvimento Alinne Vieira Alves 1 Ana Claudia Moreira Santaba 2 Ana Janielli de Souza 3 Juliana

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.

PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO - SEPLAG EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2011 O SECRETÁRIO DE PLANEJAMENTO, TECNOLOGIA E GESTÃO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE.

PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. PROJETO CONSULTA ÚNICA: METODOLOGIA PAUTADA NA RESOLUTIVIDADE. Caracterização da situação anterior Em 2013, a Secretaria de Saúde Pública de Campo Grande (SESAU) detectou déficit de profissionais ginecologistas/obstetras

Leia mais

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama

Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama Núcleo Mama Porto Alegre (NMPOA) Estudo longitudinal de rastreamento e atenção organizada no diagnóstico e tratamento do câncer de mama 2004 Projeto Núcleo Mama Porto Alegre Estudo com parceria entre Hospital

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO CONTROLE

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO CONTROLE POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 Os textos a seguir trazem um levantamento das políticas que têm sido trabalhadas pelo Ministério da Saúde

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ASSISTENCIAL ONCOLÓGICA NO PARANÁ

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ASSISTENCIAL ONCOLÓGICA NO PARANÁ DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ASSISTENCIAL ONCOLÓGICA NO PARANÁ Junho 2013 OBJETIVOS Reavaliação da Rede de Atenção Oncológica no Estado do Paraná conforme solicitação da CIB- PR. Rever o fluxo de acesso do

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2011, da Senadora Vanessa Grazziotin, que dispõe sobre a imunização de mulheres

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica

RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica RELATÓRIO DE AUDITORIA OPERACIONAL Política Nacional de Atenção Oncológica República Federativa do Brasil Tribunal de Contas da União Ministros Benjamin Zymler, Presidente Augusto Nardes, Vice-Presidente

Leia mais

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira, 17 de dezembro de 2012 Circular 595/2012 São Paulo, 17 de dezembro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUI A FASE IV NO PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN) Diário Oficial da União Nº 242, Seção I, segunda-feira,

Leia mais

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA Portaria GM/MS nº de abril de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a alta incidência de doenças cardiovasculares na população brasileira, o que se constitui

Leia mais

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde

ANEXO I. 1 Indicadores da dimensão da atenção à saúde ANEXO I RELAÇÂO DOS INDICADORES, COM AS RESPECTIVAS METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS A SEREM UTILIZADAS NO PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DA SAÚDE SUPLEMENTAR - COMPONENTE OPERADORAS - REFERENTE AO ANO DE 2013 1 Indicadores

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

Vacina contra a dengue deve estar disponível no SUS em 2016

Vacina contra a dengue deve estar disponível no SUS em 2016 Clipping Eletrônico Quinta-feira dia 16/04/2015 Portal Acrítica Saúde 15 de abril. Fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/vacina-contra-denguedisponivel-sistema-unico-saude-2016-institutobutantan_0_1339666024.html

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 126ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 24/03/10 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, telespectadores da TV Câmara

Leia mais

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002.

Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. Portaria GM/MS n.º 263, de 5 de fevereiro de 2002. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, considerando: a magnitude e a transcendência das hepatites virais, as quais configuram um grave

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 256/2013 Solicitante Dr. Carlos Renato de Oliveira Corrêa Juiz de Direito São Domingos do Prata Data: 19/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0610.13.002372-0

Leia mais

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial José Eduardo Castro jose.castro@cancer.org.br Alguns conceitos no estudo da rede assitêncial

Leia mais

O SR. JOSÉ GETÚLIO MARTINS SEGALLA. Excelentíssimo Senhor Ministro Carlos Alberto Menezes. Direito, presidindo esta Audiência Pública do Supremo

O SR. JOSÉ GETÚLIO MARTINS SEGALLA. Excelentíssimo Senhor Ministro Carlos Alberto Menezes. Direito, presidindo esta Audiência Pública do Supremo O SR. JOSÉ GETÚLIO MARTINS SEGALLA Excelentíssimo Senhor Ministro Carlos Alberto Menezes Direito, presidindo esta Audiência Pública do Supremo Tribunal Federal, autoridades presentes, minhas senhoras e

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa.

Art. 1º Aprovar as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exercito, que com esta baixa. PORTARIA NR 07/DGP, DE 27 DE JANEIRO DE 2009 (Aprova as Normas Reguladoras do Exercício da Acupuntura no Âmbito do Serviço de Saúde do Exército) - Transcrição O CHEFE DO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL,

Leia mais

Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância

Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância Letícia Casado Serviço de Edição e Informação Técnico Cientifica CGPV-Coordenação Geral de Prevenção e Vigilância O que é uma Biblioteca Virtual? É um tipo de biblioteca que compila e organiza informações

Leia mais

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar Nota de Acompanhamento do Caderno de Informação da Saúde Suplementar 1. Informações Gerais A partir de setembro de 2008 o cenário econômico mundial e o brasileiro mudaram e com eles se reverteu a tendência

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011

POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO. Rio de Janeiro RJ 30 de junho de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade POLÍTICA NACIONAL DO CÂNCER FEMININO Maria Inez Pordeus

Leia mais

Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001

Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001 Parecer da Auditoria - Primeiro semestre 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2001 E DE 2000 E PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES * REPRODUZ DOCUMENTO DA

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Brasília, 16 de maio de 2012. Ao Conselho Universitário Assunto: Análise e Parecer sobre Proposta de Adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH Introdução Este parecer versa sobre a

Leia mais

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) :

Art. 1º - Criar os Grupos de Procedimentos e procedimentos no SIH / SUS (Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde ) : PORTARIA N º 3.410, de 5 de agosto de 1998. O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a) a necessidade de incentivar as atividades de busca de doadores de órgãos;

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini

Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Centro Infantil de Investigações Hematológicas Dr. Domingos A. Boldrini Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte

Leia mais

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina Orientador: Prof. Dr. Laécio C. Barros Aluna: Marie Mezher S. Pereira ra:096900 DMA - IMECC - UNICAMP 25 de Junho de

Leia mais

PLANO DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DO PARÁ AGOSTO/2015

PLANO DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DO PARÁ AGOSTO/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DE REDES ASSISTENCIAIS REGIONALIZADAS DDRAR COORDENAÇÃO ESTADUAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA - CEAO PLANO DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA DO ESTADO DO

Leia mais

Clipping Eletrônico - Quinta-feira dia 02/07/2015

Clipping Eletrônico - Quinta-feira dia 02/07/2015 Clipping Eletrônico - Quinta-feira dia 02/07/2015 Jornal Acrítica Cidades Pág. C2 02 de Julho de 2015. Portal do Holanda - Saúde - 02 de Julho de 2015. Fonte: http://novo.portaldoholanda.com.br/amazonas/prefeito-defenderedistribuicao-de-recursos-para-saude

Leia mais

PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DA

PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DA PESQUISA: A LEI DOS 60 DIAS No dia 23 de novembro de 2012, a lei 12.732/12 ou Lei dos 60 Dias foi sancionada pela presidente da República Dilma Rousseff, a qual garantiria o início do tratamento do câncer

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

Brasília DF 11 de maio de 2011

Brasília DF 11 de maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE - SAS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA ESPECIALIZADA DAE Coordenação-Geral de Média e Alta Complexidade O CÂNCER E A ONCOLOGIA NO SUS Maria Inez Pordeus Gadelha

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

VII Congresso Nacional e XIII Simpósio de Auditoria e Gestão em Saúde SOMAERGS. 9 e 10 de outubro de 2014 Porto Alegre

VII Congresso Nacional e XIII Simpósio de Auditoria e Gestão em Saúde SOMAERGS. 9 e 10 de outubro de 2014 Porto Alegre VII Congresso Nacional e XIII Simpósio de Auditoria e Gestão em Saúde SOMAERGS 9 e 10 de outubro de 2014 Porto Alegre Antônio Gilberto Cardoso Especialista em Clínica Médica Pós-graduado em Administração

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO SETOR DE PRODUTOS PARA A SAÚDE NO BRASIL PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO

BOLETIM ECONÔMICO SETOR DE PRODUTOS PARA A SAÚDE NO BRASIL PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO EDIÇÃO: 05 FEVEREIRO 2014 JANEIRO-DEZEMBRO 2013 PRODUÇÃO NA INDÚSTRIA E VENDAS NO COMÉRCIO A produção industrial de equipamentos de instrumentação médico- -hospitalar e ópticos, segundo a Pesquisa Industrial

Leia mais

TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG

TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG Debate: o reajuste da Tabela SUS aplicável aos hospitais filantrópicos 31 de março de 2015 TABELA SUS: uma avaliação do CRMMG Cons. Fábio Augusto Guerra CRMMG A Portaria nº 321/GM, de 8 de fevereiro de

Leia mais

Modelos para reembolso de medicamentos na América Latina:

Modelos para reembolso de medicamentos na América Latina: Modelos para reembolso de medicamentos na América Latina: A perspectiva do Brasil Dr. José Getulio Martins Segalla Presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica Diretor de Ensino e Pesquisa Hospital

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Equipe: -Secretária Executiva: Mônica Messemberg Guimarães Tel.: (61) 212-4806 / 212-4812 Fax: (61)

Leia mais

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

1 de 5 ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0001 / 2008 - LDO Página: 585 de 2993 1 de 5 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 25220001 1220 Assistência Ambulatorial e Hospitalar Especializada

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO

PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO 1 PERFIL DOS RADIOLOGISTAS NO BRASIL: análise dos dados INTRODUÇÃO O Brasil conta hoje, com 254.886 médicos em atividade profissional (CFM, 2003). O contingente de radiologistas é da ordem de 5388, o que

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS

PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS ESCREVA AQUI SEU NÚMERO DE INSCRIÇÃO NOME: PROCESSO SELETIVO 2015 Curso de Medicina 2ª Etapa CADERNO DE PROVAS DISCURSIVAS PROVA DE REDAÇÃO ANTES DE INICIAR A PROVA, LEIA AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 1. Só abra

Leia mais

49,3 milhões de brasileiros são atendidos por convênios de assistência à saúde do sistema suplementar. Mais de 19 milhões no sistema Unimed.

49,3 milhões de brasileiros são atendidos por convênios de assistência à saúde do sistema suplementar. Mais de 19 milhões no sistema Unimed. No Brasil, os planos de saúde privados são responsáveis por mais de 25% da cobertura assistencial da população. 49,3 milhões de brasileiros são atendidos por convênios de assistência à saúde do sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.262, DE 2013 (Da Sra. Carmen Zanotto)

PROJETO DE LEI N.º 6.262, DE 2013 (Da Sra. Carmen Zanotto) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.262, DE 2013 (Da Sra. Carmen Zanotto) Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, que dispõe sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção,

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR

OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR XXIX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde OFICINA: INOVAÇÃO INSTRUMENTAL NO PLANEJAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SARGSUS - MÓDULO DO RELATÓRIO DETALHADO DO QUADRIMESTRE ANTERIOR Brasília,

Leia mais

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde

Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Panoramas e Desafios da Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Cheila Marina de

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE JOVENS E IDOSOS ACERCA DO CÂNCER

A PERCEPÇÃO DE JOVENS E IDOSOS ACERCA DO CÂNCER A PERCEPÇÃO DE JOVENS E IDOSOS ACERCA DO CÂNCER Levi Ramos Baracho; Jordano da Silva Lourenço, Kay Francis Leal Vieira Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ INTRODUÇÃO O câncer ainda é tido como

Leia mais

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir.

A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. A PolíticA que faz muitos brasileiros voltarem A sorrir. POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL PROGRAMA BRASIL SORRIDENTE Durante anos a Odontologia esteve à margem das políticas públicas de saúde. O acesso

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais