ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO"

Transcrição

1 RESULTADOS Avaliação Intrna da Escola PROJETO DE MELHORIA DA ESCOLA ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO Articulação ntr o Quadro d Rfrência da IGEC o Procsso d Autoavaliação da Escola Do mí nio s LINHAS DE AÇÃO (IGEC) Campos d anális Rfrnts Evolução dos rsultados intrnos Objtivos (Asptos a mlhorar) Mlhorar os rsultados scolars ao nívl do insucsso scolar. Aumntar os índics d sucsso ducativo intrno através da rdução da taxa d rtnção por ano d scolaridad (Básico) por disciplina (Scundário). Áras d Intrvnção Idntificação sugstão d nom Evolução dos rsultados intrnos O Sucsso no horizont Estrutura rsponsávl (+ Equipa Opracional) Indicadors Avaliação - Informação rlativa à avaliação das aprndizagns - Taxa d sucsso por disciplina nívl d scolaridad. (Estatísticas dos rsultados por ano por turma) - Taxas d transição conclusão Instrumntos d rcolha (sugstão) Atas d conslho d turma Pautas Rsultados académicos Evolução dos rsultados xtrnos contxtualizados Cimntar práticas d anális consqunt dos rsultados académicos do cumprimnto dos programas. Mlhorar os rsultados dos alunos na avaliação xtrna. Rduzir a difrnça ntr Classificação Intrna Final Classificação Extrna, rcorrndo a tsts critérios d corrção smlhants aos nacionais. Evolução dos rsultados xtrnos contxtualizados Conslho Pdagógico Dpartamntos Grupos Disciplinars - Rsultados m xams provas nacionais - Rsultados dos tsts intrmédios - Valor sprado Fonts Ministério Educação: MISI IAVE JNE Qualidad do su- Aprofundar a rflxão sobr os fators in- Promoção do Sucs- - Taxas d transição conclusão Pautas 1

2 csso (PONTO FRACO) trnos xplicativos do insucsso, nas disciplinas com avaliação xtrna, com impacto nas práticas pdagógicas. Idntificar os principais fators d ordm intrna, qu contribum para o sucsso, no sntido d consguir torna-los xtnsivos a todos os alunos. so Escolar (PAM) Vntos d Sucsso Fators do Sucsso Prcursos para o Sucsso Dpartamntos Grupos Disciplinars com sucsso m todas disciplinas - Anális d Coorts ou fluxos scolars - Fators xplicativos do sucsso aprsntados pla scola (PONTO FRACO) Abandono dsistência Rduzir a dsistência a taxa d abandono scolar. Abandono dsistência D.T. Conslho Pdagógico - Taxas d abandono d dsistência Atas dos conslhos d turma Matrículas, pautas rgistos da avaliação; dossiês d turma rgistos biográficos. Rsultados sociais Participação na vida da scola Assunção d rsponsabilidads Promovr a dinamização d atividads d iniciativa dos alunos. Envolvr os alunos na construção dos documntos struturants da scola. Estimular a participação dos alunos nas tomadas d dcisõs. Mlhorar as práticas d promoção do nvolvimnto dos alunos nos procssos d dcisão qu aftam a vida da Escola. Participação na vida da scola A nossa voz Assunção d rsponsabilidads S qurs vr fito, faz Associação d Estudants DT Conslho Gral Conslho Pdagógico Dpartamntos Grupos Disciplinars Dlgados subdlgados d turma Associação d s- - Nº d atividads dsnvolvidas na scola da iniciativa dos alunos - Taxa d alunos nvolvidos na laboração dos documntos orintadors d scola - Rgistos d quantificação qualificação da participação nas atividads da scola - Rsponsabilidads atribuídas aos alunos: cargos dsmpnhados plos alunos m órgãos d gstão - Corsponsabilização dos alunos Inquéritos Rlatórios das atividads do PAA. Conslho Gral. Runiõs com Dlgados Subdlgados Inquéritos RI. Conslho Gral 2

3 tudants nas dcisõs qu lhs dizm rspito - Rprsntação dos alunos m runiõs Cumprimnto das rgras disciplina Dsnvolvr nos alunos comportamntos qu prmitam um ambint social construtivo adquado à aprndizagm. Rforçar as stratégias conducnts à rgulação do comportamnto dos alunos para mlhorar a qualidad do clima ducativo. Rduzir comportamntos dsviants cumprindo o RI o Estatuto do Aluno. Cumprimnto das rgras disciplina Comissão disciplinar [GAD, Gabint d Mdiação Procssos Disciplinars] Comissão disciplinar - Normas código d conduta - Formas d tratamnto dos incidnts disciplinars - Mdidas adotadas para fomntar a disciplina, a assiduidad a pontualidad R.I. Atas d conslho d turma Rlatórios dos D.T(s) Rgistos d ocorrências d participaçõs disciplinars Anális d procdimntos disciplinars; Inquéritos; Rlatórios Formas d solidaridad Intrvir junto da comunidad. Promovr a conscincialização dos problmas sociais xistnts na frgusia. Incrmntar a snsibilização dos profssors dos alunos para participar ou cooprar nos projtos d solidaridad xistnts na scola. Dar visibilidad social à participação dos alunos/ scola nsss projtos como forma d motivar outros a juntar-s às causas promovidas na scola. Formas d solidaridad Agir solidário DT Profssors Associação d Estudants Associação d Pais - Trabalho voluntário - Atividads d apoio à inclusão - Taxa d concrtização das açõs d solidaridad ralizadas - Númro d atividads d cariz social ralizadas na scola comunidad. - Númro d agnts ducativos (alunos, famílias, profssors, técnicos) nvolvidos m atos d solidaridad.. Dpartamnto. Conslho d DT. Associação d Estudants. Associação d Pais Impacto da scolaridad no pr- Monitorizar sistmática rgularmnt o sguimnto dos alunos após a scolarida- Impacto da scolaridad no prcurso - Sguimnto dos alunos após a scolaridad (Tratamnto sta- Inquéritos 3

4 curso dos alunos d. dos alunos Monitorizar para conhcr Conslho Gral tístico do sguimnto dos alunos após a scolaridad obrigatória) - Nº d mcanismos xistnts para acompanhamnto do prcurso (scolar/ profissional) dos alunos após a conclusão MISI Rconhcimnto da comunidad Grau d satisfação da comunidad ducativa Formas d valorização dos sucssos dos alunos Criação d mcanismos d auscultação rlativos ao grau d satisfação dos intrvnints. Continuar a disponibilizar uma ofrta formativa ducativa divrsificada. Idntificar apoiar alunos com capacidads xccionais stimular as suas aprndizagns. Divrsificar as práticas d valorização divulgação scolar do sucsso dos alunos. Grau d satisfação da comunidad ducativa Formas d valorização dos sucssos dos alunos Conslho Gral Conslho Pdagógico Dpartamntos Grupos Disciplinars DT Dpartamntos Grupos Disciplinars - Rsultados dos qustionários d satisfação - Prcção qu os difrnts utilizadors têm da scola - nº d Iniciativas dstinadas a valorizar os rsultados académicos - nº Iniciativas dstinadas a valorizar os rsultados sociais - % d alunos nos quadros d mérito Inquérito d satisfação à comunidad ducativa abrangndo divrsos srviços Auscultação/ monitorização do fdback da comunidad local rgional. Dpartamntos Contributo da scola para o dsnvolvimnto da comunidad nvolvnt. Auscultar a comunidad ducativa a comunidad local a fim d qu a ofrta ducativa s mantnha ajustada às ncssidads do mio. Dsnvolvr prcursos formativos qu rspondam às ncssidads intrsss diagnosticados. Contributo da scola para o dsnvolvimnto da comunidad nvolvnt. Clubs Projtos Profssors/Educadors - Rconhcimnto por part da socidad local nacional - Evolução do n.º matrículas transfrências PEE PAA - Inquérito a mmbros d instituiçõs da comunidad local (Cntro d Saúd, Câmara Municipal, Bombiros, 4

5 PRESTAÇÃO DO SERVIÇO EDUCATIVO Avaliação Intrna da Escola Planificar dsnvolvr atividads no âmbito disciplinar ou xtracurricular qu impliqum tanto o conhcimnto do mio local como a sua mlhoria. GNR, Comrciants ) Gstão articulada do currículo (PONTO FRACO) Consolidar as açõs d articulação curricular ntr os dois ciclos do nsino d modo a assgurar-s uma maior squncialidad das aprndizagns um impacto crscnt na mlhoria dos rsultados. Implmntar um procsso d monitorização suprvisão das açõs d articulação squncialidad do currículo. Gstão articulada do currículo Articulação curricular squncialidad Coord DT DT - Articulação curricular vrtical horizontal: planificaçõs - Projtos Curriculars d Escola/ d Turma - Taxa d cumprimnto das articulaçõs planificadas. - Nº d disciplinas qu implmntam articulaçõs - Nº d articulaçõs implmntadas por turma Currículo Nacional Programas PEE PCE PAA Plano Plurianual Atividads Rgulamnto Intrno Planificaçõs. Planamnto articulação Contxtualização do currículo abrtura ao mio (PONTO FRACO) Utilização da informação sobr o prcurso scolar dos alunos Adquar os Projtos Curriculars d Escola d Turma às caractrísticas do contxto. Adquar o Plano Anual d Atividads às spcificidads do mio nvolvnt. (PONTO FRACO) Fomntar a implmntação d parcrias d forma a prmitir a valorização da scola nas várias vrtnts cívicas. Fundamntar opçõs didáticas mtodológicas outras açõs a dsnvolvr a partir das caratrísticas ncssidads dos alunos. Articular d forma concrtada açõs do Contxtualização do currículo abrtura ao mio Utilização da informação sobr o prcurso scolar dos alunos Coord DT DT Conslho Gral Conslho Pdagógico Associação d Estudants Dpartamntos Grupos Disciplinars DT - Adquação dos Projtos Curriculars d Escola d Turma às caractrísticas do contxto - Adquação do Plano Anual d Atividads às spcificidads do mio nvolvnt - Informação xplícita nos Projtos Curriculars d Turma - Articulação, ntr ciclos, dos docnts dirtors d turma - Articulação d açõs com os Srviços d Psicologia Orinta-. Conslho Gral. Conslho d D. Turma Documntos dos Dpartamntos Curriculars Grupos Disciplinars (dossiês) PCE PAA. Dpartamnto. Conslho d D. Turma. Conslho d turma Rlatórios do SPO 5

6 Conslho d Turma com as rstants struturas xistnts na scola m prol d uma adquada orintação vocacional formativa dos alunos. ção da scola Rlatório do profssor do Apoio Educativo Espcializado Corência ntr nsino avaliação Uniformizar procdimntos d avaliação ao nívl dos grupos dpartamntos curriculars, através d instrumntos próprios. Consolidar as dinâmicas d trabalho criadas m todas as açõs/atividads qu garantam um conjunto d procssos a par d um conjunto d instrumntos para qu s possa garantir uma monitorização/avaliação ficaz. Corência ntr nsino avaliação - Avaliação formativa intgrada para a rgulação - Númro d profs qu ralizaram momntos d avaliação formativa com qu frquência Atas Rlatórios d Dpartamnto Documntos dos Dpartamntos Curriculars Disciplinas (dossiês) Trabalho cooprativo ntr docnts (PONTO A ME- LHORAR) Rforçar d mdidas qu fomntm o trabalho colaborativo cooprativo, qur ao nívl das struturas intrmédias d gstão, qur ao nívl da Organização Escolar. Dsnvolvr um trabalho colaborativo ntr docnts d todos os ciclos, no âmbito da articulação curricular horizontal dos contúdos programáticos. Trabalho cooprativo ntr docnts Coopração na docência - Formas d colaboração nos difrnts nívis da planificação da atividad ltiva - Partilha d práticas cintífico pdagógicas rlvants - Nº d acssos à plataforma Moodl Espaço Virtual d Colaboração Espaço Virtual d Coopração Plataforma Moodl (acssos) Práticas d nsino Adquação do nsino às capacidads aos ritmos d aprndizagm dos alunos Proporcionar as mlhors oportunidads para a construção / organização dos procssos d aprndizagm. Elaborar instrumntos d rcolha triangulação para a avaliação dst itm. Adquação do nsino às capacidads aos ritmos d aprndizagm dos alunos Coord DT Prof do nsino spcial - Adquação corência das planificaçõs d curto prazo - Práticas /Estratégias d difrnciação pdagógica Atas Dpartamnto / Grupo d Disciplinar 6

7 Adquação dos apoios aos alunos com ncssidads ducativas spciais Elaborar instrumntos d rcolha triangulação para a avaliação dst itm. Procdr à avaliação das mdidas d apoio ducativo das atividads projtos, m trmos d articulação d complmnto curricular, visando contribuir para a mlhoria do procsso nsino-aprndizagm. Avaliar, ao nívl dpartamntal d CP, a abrangência ficácia dos apoios ducativos. Adquação dos apoios aos alunos com ncssidads ducativas spciais DT Coord DT Psicóloga Profssor d Ensino Espcial - Rcursos mobilizados para apoio a alunos com ncssidads ducativas spciais - Formas d articulação ntr as struturas d apoio - Nº d alunos com NEs (% por ano ciclo d scolaridad) - Taxa d transição dos alunos NEs Inquérito aos alunos nvolvidos nstas quipas, aos DT nvolvidos Atas d conslhos d turma Exigência incntivo à mlhoria d dsmpnhos Elaborar instrumntos d rcolha triangulação para a avaliação dst itm. Afrir o dsmpnho global da organização ao nívl pdagógico. Exigência incntivo à mlhoria d dsmpnhos Coord Projtos - Práticas d rigor na sala d aula - Iniciativas dstinadas a stimular valorizar as potncialidads dos alunos - Criação d ambints favorávis à aprndizagm. Dpartamnto Rlatórios Mtodologias ativas xprimntais nas aprndizagns Programar ralizar atividads xprimntais. Incntivar acolhr as iniciativas dos alunos para o dsnvolvimnto d projtos atividads. Mtodologias ativas xprimntais nas aprndizagns dpartamnto - Ralização d atividads d psquisa rsolução d problmas - Mtodologia d projto atividads xprimntais. Dpartamnto Criar mcanismos d afrição das práticas pdagógicas m sala d aula. Valorização da dimnsão artística Snsibilizar os alunos para a importância do sntido stético na ralização aprsntação dos trabalhos. Valorização da dimnsão artística Coord Projtos - Ralização d atividads d projtos na ára artística - Ofrta ducativa promotora do dsnvolvimnto d comptên-. Dpartamnto 7

8 Explicitar critérios d avaliação rlativos à dimnsão stética artística. cias no domínio artístico Privilgiar atividads qu possibilitm a criação, xcução, fruição aprciação stética. Rndibilização dos rcursos ducativos do tmpo ddicado às aprndizagns Elaborar instrumntos d rcolha triangulação para a avaliação dst itm. Rndibilização dos rcursos ducativos do tmpo ddicado às aprndizagns Coord DT - Utilização d rcursos, incluindo as TIC, para as aprndizagns dos alunos - Critérios para a gstão do tmpo scolar Acompanhamnto suprvisão da prática ltiva (PONTO A ME- LHORAR) Implmntar uma prática d acompanhamnto suprvisão pdagógica da prática ltiva, tanto ao nívl da prparação d aulas, como da sua obsrvação rflxão. Rforçar o acompanhamnto a suprvisão do procsso nsino-aprndizagm. Acompanhamnto suprvisão da prática ltiva - Formas d monitorização da prática ltiva - Orintação acompanhada da prática ltiva - Práticas d suprvisão xistnts. Dpartamnto Rlatórios Afrir a ficácia das práticas d nsino m função dos rsultados scolars. Monitorização avaliação do nsino das aprndizagns Divrsificação das formas d avaliação Mlhorar as práticas avaliativas, para maior adquação do procsso d nsinoaprndizagm. Valorizar a avaliação formativa. Incrmnto das práticas d autoavaliação por part dos alunos. Divrsificação das formas d avaliação - Pluralidad d práticas instrumntos m função das aprndizagns. Dpartamnto Afrição dos cri- Uniformizar os procdimntos d avaliação Afrição dos crité- - Anális da validad da fiabili- PCE 8

9 térios dos instrumntos d avaliação (PONTO A ME- LHORAR) ao nívl dos grupos disciplinars dpartamntos curriculars, através d instrumntos próprios. Dfinir uma orintação comum para a avaliação dos alunos, rforçando a componnt formativa. Rvr os instrumntos/ critérios d avaliação grais spcíficos, por disciplina. rios dos instrumntos d avaliação dad dos instrumntos d avaliação - Elaboração conjunta d provas d avaliação sua corrção - Taxa d profssors qu utilizam instrumntos d rgisto qu são comuns ao grupo disciplinar. PEE. Dpartamnto Qustionários Monitorização intrna do dsnvolvimnto do currículo Incrmntar os procssos d monitorização visando avaliar a ficácia o impacto das atividads, projtos apoios ducativos. Anális do currículo disciplinar, por ano/ciclo, para vrificar da possibilidad da sua articulação vrtical. Monitorização intrna do dsnvolvimnto do currículo Coord d DT - Avaliação da ficácia das mdidas adotadas nos Projtos Curriculars d Turma - Rformulação/ adquação das planificaçõs. Conslho Gral. Dpartamnto Eficácia das mdidas d apoio ducativo Elaborar instrumntos d rcolha triangulação para a avaliação dst itm. Avaliar a ficácia das mdidas d apoio pdagógico, nomadamnt as aulas d apoio. Eficácia das mdidas d apoio ducativo - Avaliação do sucsso dos alunos com apoio - Rndibilização dos rcursos ducativos do tmpo d aprndizagm dos alunos com apoio - Taxa d satisfação da atuação do docnt do Ensino Espcial Rlatório Prvnção da dsistência do abandono Idntificar fators qu condicionam o abandono scolar. Implmntar mdidas qu contrarim o abandono a dsistência dos alunos. Prvnção da dsistência do abandono -Idntificação dos fators qu condicionam o abandono - Mdidas d combat à anulação d matrícula outras formas d dsistência Inquérito Rlatório 9

10 LIDERANÇA E GESTÃO Avaliação Intrna da Escola Visão stratégica fomnto do sntido d prtnça d idntificação com a scola (PONTO FRACO) Adotar uma visão stratégica qu continu a tr m conta as prioridads os objtivos do projto ducativo as spcificidads da comunidad ducativa. Divulgar os critérios práticas d organização aftação d rcursos sua divulgação no plano stratégico do Dirtor /Escola. Plano stratégico do Dirtor Orintaçõs grais Conslho Gral dos Dpartamntos - Clarza prtinência dos objtivos, mtas stratégias - Prtinência das iniciativas mobilizadoras da comunidad Plano Estratégico do Dirtor PEE Rlatório d xcução do Plano Anual d atividads Lidrança Tornar o PEE um documnto xquívl orintador da política ducativa da scola. Dfinir d forma mais prcisa participada as mtas quantitativas nos documntos struturants. Rformular para Mlhorar (doc. struturants) Valorização das lidranças intrmédias Promovr a motivação, autonomia nvolvimnto das lidranças intrmédias dos profissionais para uma ação concrtada. Valorização das lidranças intrmédias - Fomnto d lidranças participativas - Rconhcimnto do papl das lidranças intrmédias Qustionário d satisfação Criar mcanismos qu prmitam rconhcr o sucsso sforço das pssoas como forma d incntivar o su nvolvimnto rsponsabilidad. Rntabilizar as propostas d mlhoria aprsntadas plos vários intrvnints. Dsnvolvimnto d projtos, parcrias soluçõs Fomntar a implmntação d parcrias d forma a prmitir a valorização da scola nas suas várias vrtnts cívicas. Dsnvolvimnto d projtos, parcrias soluçõs inovado- - Incntivo ao dsnvolvimnto projtos, parcrias soluçõs inovadoras Anális documntal 10

11 inovadoras ras - Avaliação d ficácia dos projtos, parcrias soluçõs inovadoras -Númro d ntidads com as quais são stablcidos protocolos. Motivação das pssoas gstão d conflitos Mobilização dos rcursos da comunidad ducativa Incntivar uma participação ativa d todos os ators ducativos. Rntabilizar os rcursos xistnts da comunidad ducativa. Motivação das pssoas gstão d conflitos Mobilização dos rcursos da comunidad ducativa - Incntivo à participação dos difrnts ators ducativos - Procdimntos para prvnir conflitos - Taxa d participação dos profssors Assistnts Técnicos Opracionais m açõs d formação no âmbito da prvnção/gstão d conflitos. - Utilização manutnção dos spaços dos quipamntos - Nº d rcursos introduzidos - Taxa d utilização dos difrnts spaços / quipamntos Qustionário d satisfação Rlatório Gstão Critérios práticas d organização aftação dos rcursos Espcificar os critérios utilizados na distribuição d srviço do pssoal não docnt, basados na clarza, imparcialidad justiça. Aprovitar os rcursos xistnts na comunidad m gral para implmntar uma cultura d formação contínua inovadora promotora do bm-star cultural social. Critérios práticas d organização aftação dos rcursos Grir para rntabilizar - Gstão dos rcursos tndo m conta as pssoas o su bm star - Utilização d critérios quitativos na distribuição d rcursos matriais - Taxa d satisfação Rlatório Critérios d constituição dos gru- Explicitar os critérios adotados pla Escola divulgá-los no plano stratégico do Dir- Critérios d constituição dos grupos - Explicitação aplicação d critérios Mapa d distribuição do srviço docnt 11

12 pos das turmas, d laboração d horários d distribuição d srviço tor /Escola. Divulgar na página da scola. das turmas, d laboração d horários d distribuição d srviço - Constituição continuidad das quipas pdagógicas turmas cargos) Rlatório Avaliação do dsmpnho gstão das comptências dos trabalhadors Promoção do dsnvolvimnto profissional Promovr incntivar o pssoal não docnt a frquntar acçõs d formação stimulando práticas d dsmpnho inovadoras. Promovr o dsnvolvimnto profissional do pssoal docnt não docnt mdiant a ralização d açõs d formação sssõs d rflxão qu s considrm prtinnts d acordo com o plano d formação. Avaliação do dsmpnho gstão das comptências dos trabalhadors Promoção do dsnvolvimnto profissional Formar para o sucsso - Conhcimnto das comptências profissionais do pssoal docnt não docnt - Aftação d rcursos com formação spcializada a dtrminadas áras projtos - Mcanismos d rcolha d informação sobr os rcursos humanos para validar as tomadas d dcisão. - Rndibilização dos sabrs profissionais - Adquação das açõs d formaçõs às ncssidads idntificadas Taxas d frquência da formação (% d formandos, % d açõs dinamizadas ) - A tm informaçõs sobr a formação xpriência profissional do pssoal não docnt. (rgistos biográficos) Qustionário d satisfação Plano d Formação Rlatório Qustionário d satisfação Eficácia dos circuitos d informação comunicação intrna xtrna Aprfiçoar os circuitos d comunicação da scola, d forma qu sjam ficazs, prmitindo a partilha d informação facilitando as tomadas d dcisão. Agilizar os circuitos d informação, dando a conhcr a toda a comunidad ducativa os principais assuntos abordados, bm como as dcisõs tomadas nas runiõs d Eficácia dos circuitos d informação comunicação intrna xtrna Coord do PTE - Tipo d informação disponibilizada pla scola - Acsso à informação da scola pla comunidad ducativa - Nº d canais criados - Taxa d utilização dos canais d comunicação Contador d visitants vrificação/ anális dos comntários Aplicação d qustionários rlativamnt à ficácia dos canais criados. 12

13 todos os órgãos da scola ducativa. Autoavaliação mlhoria Corência ntr a autoavaliação a ação para a mlhoria Utilização dos rsultados da avaliação xtrna na laboração dos planos d mlhoria Consolidar um sistma d rcolha sistmática d dados sobr o funcionamnto da scola, qu prmita avaliar projtar uma ação ficaz ficint. Aprofundar o procsso d autoavaliação monitorização das açõs d mlhoria. Dlinar um Projto d Mlhoria d Escola. Elaborar planos d ação d mlhoria struturados. Instituir mcanismos d divulgação dos planos d mlhoria junto da comunidad ducativa. Corência ntr a autoavaliação a ação para a mlhoria Autoavaliar para Mlhorar Utilização dos rsultados da avaliação xtrna na laboração dos planos d mlhoria Equipa d Autoavaliação Equipa d Autoavaliação - Articulação ntr os rsultados da autoavaliação os planos d ação d mlhoria - Taxa d concrtização das açõs d mlhoria, qu intgram o projto. - Nº d participants nos inquéritos d autoavaliação - Valorização dos rsultados da Avaliação Extrna - Avaliação dos PAM qu intgram o projto d mlhoria da Escola (PME) - Taxa d concrtização dos PAM Projto d Mlhoria d Escola Plano d Açõs d Mlhoria Rlatório Planos d Mlhoria Rlatório d avaliação do PME Envolvimnto participação da comunidad ducativa na autoavaliação Promovr um maior nvolvimnto da comunidad ducativa no procsso d autoavaliação d forma a sr rconhcido como um ftivo instrumnto d gstão para o progrsso, qur do ponto d vista pdagógico qur organizacional. Envolvimnto participação da comunidad ducativa na autoavaliação Equipa d Autoavaliação - Criação constituição da quipa d autoavaliação - Procdimntos d rcolha d tratamnto da informação sua divulgação - Númro d lmntos da comunidad ducativa qu conhc os procssos rsultados da autoavaliação da Escola. Inquérito Rlatório d autoavaliação Rlatório d implmntação do Plano d Mlhoria Continuidad abrangência da autoavaliação Sistmatizar o procsso d autoavaliação, como instrumnto d autorrgulação, d modo a sustntar a mlhoria da organiza- Continuidad abrangência da autoavaliação Equipa d Autoavaliação - Continuidad dos procdimntos d autoavaliação - Progrsso sustntação da au- Rlatório 13

14 ção scolar. Avaliação constant do plano d mlhoria da scola, tornando-o num instrumnto dinâmico ssncial ao cumprimnto dos objtivos do PEE. toavaliação - Adquação das áras prioritárias às ncssidads da scola A implmntação d procssos d mudança organizacional d inovação ducacional passa pla comprnsão das instituiçõs scolars m toda a sua complxidad técnica, cintífica humana. Nóvoa (1990:10) 14

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo Stmbro 2015 Est documnto prtnd dar a conhcr a todos os intrvnints no procsso ducativo os critérios d avaliação, rsptivas prcntagns, a qu os alunos do Agrupamnto

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJETO DE PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE VIGÊNCIA 2013 /17 ÍNDICE: 1. EQUIPA DE TRABALHO... 3 1. Comptência da Coordnadora do Projto d Promoção Educação para a Saúd (PES)... 4 2. Comptência da Equipa

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2.

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2. Conslho Univrsitário - CONSUNI Câmara d Ensino Curso d Graduação m Pdagogia da UNIPLAC Quadro d Equivalência para Fins d Aprovitamnto d Estudos ntr duas Estruturas Curriculars Disciplinars ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA MÓDULO IV CARACTERÍSTICAS DOS CURSOS EFA OBJECTIVO GERAL: Conhcr o modlo d funcionamnto dos Cursos EFA - comptências d xcução, acompanhamnto,

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 I. ENQUADRAMENTO..4 II. VISÃO, MISSÃO, VALORES E POLÍTICA DA QUALIDADE..5 III. MODELO ORGANIZACIONAL...10 IV. DIAGNÓSTICO EXTERNO.12 V. DIAGNÓSTICO INTERNO..14 VI.

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA Tma: Sxualidad rlaçõs intrpssoais 1º Ano- EB1/JI DE VELAS Turma 2 Formas d Rcursos Atividads Objtivos Contúdos organização/ (humanos (por disciplina)

Leia mais

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international Employr Branding José Bancaliro Managing Partnr da Stanton Chas intrnational Num mundo marcado pla globalização, a complxidad a comptitividad no qual o talnto humano s transformou no principal factor d

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - .

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - . 4 ISSN 677-7042 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 608, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450,

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Gstão d Riscos Abordagm Prática Igor Rocha Frrira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Agnda Brv Histórico da Gstão d Riscos As Organizaçõs, sus Sgmntos Procssos Maturidad d Gstão d Riscos Transição para a Gstão Intgrada

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG. PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Síntese do Projeto Político Pedagógico PERFIL DO PROFISSIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Univrsidad Fdral d Alfnas. UNIFAL-MG Rua Gabril Montiro da Silva, 700 Alfnas / MG - CEP 37130-000 Fon: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 PEDAGOGIA A DISTÂNCIA Sínts do Projto Político

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz

Dr. Joaquim de Carvalho Figueira da Foz Curso Profissional d 10º I Português Planificação Anual - Módulos: 1,2,3,4 5 Ano Ltivo: 2015/2016 Módulos Âmbito dos Contúdos Avaliação Módulo Um (30 horas) 40 Tmpos 21/09/2015 Trmo: 13/11/2015 Módulo

Leia mais

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP 2008 PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA EMPREENDEDORISMO 2 Sumário. Introdução 3 2. Justificativa 3 3. Objtivos 5 4. Coordnação do Curso 5 5. Formação dos Coordnadors 5 6. Caractrísticas

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

1 página Núm. Escola Dpartamnto Eixo Intrv. Eixo Intrv.Eixo Intrv.Dsigna. Objctivos Espcíficos Estratégias Activids Rsponsávis Calnrização Orçamnto Obsrvaçõs Avaliação 1 Bibliotcas Escolars Comuni d -

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011

XI Congresso SPCE Guarda: 30 de Junho a 2 de Julho de 2011 XI Congrsso SPCE Guarda: 30 d Junho a 2 d Julho d 2011 A FORMAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR PARA A MEDIAÇÃO 1 Ana Viira [1], Ricardo Viira [2] [1] CIIDIPL Cntro d Invstigação Idntidads Divrsidads do Politécnico

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Escola Básica e Secundária de Pinheiro

Agrupamento de Escolas de Pinheiro Escola Básica e Secundária de Pinheiro Agrupamnto Escolas Pinhiro Escola Básica Scundária Pinhiro Ano: 7.º Turma: A Disciplina: Formação Cívica Ano Ltivo: 2011/ 2012 PLANIFICAÇÃO DE FORMAÇÃO CÍVICA Dirtora Turma: Mónica Olivira Tmas/contúdos

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: EMRC ANO: 5º 1º PERÍODO ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Vivr juntos AULAS PREVISTAS: 12 COMPETÊNCIAS (O aluno dvrá sr capaz d:) CONTEÚDOS

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano Govrno dos Açors Escola Básica Scundária d Vlas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual d EMRC º Ano º Príodo Unidad Ltiva - Tr um coração bom Curriculars F B. Construir uma d litura rligiosa da pssoa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

"BxB PRO JOVEM" Instituição Promotora: Rumo, Cooperativa de Solidariedade Social, CRL Concelho de Implementação: Moita Código de Registo: [3651]

BxB PRO JOVEM Instituição Promotora: Rumo, Cooperativa de Solidariedade Social, CRL Concelho de Implementação: Moita Código de Registo: [3651] "BxB PRO JOVM" Instituição Promotora: Rumo, ooprativa d Solidaridad Social, R onclho d Implmntação: Moita ódigo d Rgisto: [3651] ocal d Rcpção Data d Rcpção Nº Ordm Zona Rsponsávl pla Rcpção (a prnchr

Leia mais

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições INTRODUÇÃO Âmbito O IGESPAR, I.P. Instituto d Gstão do Património Arquitctónico Arquológico é um Instituto Público da administração indircta do Estado, dotado d autonomia administrativa financira, criado

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA 0 - NCARGOS SPCIAIS - PPA 2014 / 2017 PAGAMNTO D AMORTIZACAO, JUROS OUTROS NCARGOS DCORRNTS D MPRSTIMOS FINANCIAMNTOS DA DIVIDA PUBLICA OUTROS NCARGOS SPCIAIS QU CONSTITUM OBRIGAÇÕS NA ADMINISTRACAO PUBLICA

Leia mais

PLANO PEDAGÓGICO DE ENSINO (PPE)

PLANO PEDAGÓGICO DE ENSINO (PPE) I. IDENTIFICAÇÃO CURSO: CST Anális Dsnvolvimnto d Sistmas DISCIPLINA: Inglês instrumntal PROFESSOR(A): Gicl V. Viira Prbianca CARGA HORÁRIA (smanal/smstrsl/anual): 60H/R MODALIDADE/FORMA: Prsncial CÓDIGO/SIGLA:

Leia mais

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida página 1 Acontcu... Concurso Conclhio d Litura Era uma vz... É assim qu comçam as histórias... Esta história comçou há crca d três anos numa bibliotca scolar, ond dznas d livros, arrumadinhos m stants,

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros

Mudando conceitos uma experiência de ensino de Português para estrangeiros Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Mudando concitos uma xpriência d nsino d Português para strangiros Luana Rnata Pinhiro Dias (Instituto Crvants SP) Schirli Schustr (Univrsidad

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 Ano 12º Ano DISCIPLINA: Docnt HISTÓRIA A Carlos Eduardo da Cruz Luna Contúdos Comptências Espcíficas Estratégias RECURSOS Módulo 7 Criss, Embats Iológicos Mutaçõs Culturais

Leia mais

Orientações Agricultura e Floresta

Orientações Agricultura e Floresta Orintaçõs Agricultura Florsta Promovr o dsnvolvimnto rural na óptica da multifuncionalidad dos spaços, através d stratégias instrumntos qu nglobm os divrsos actors públicos privados com intrsss nsts domínios.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA EDITAL 2006 A Coordnação do MESTRADO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA torna

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 38 ISSN 677-7042 Nº 43, quarta-fira, 5 d março d 204. Ministério da Prvidência Social CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAUTA DE JULGAMENTO A SER REALIZADA EM 9 DE MARÇO DE 204 Pauta d Julgamnto

Leia mais

Materiais didáticos e formação de professores

Materiais didáticos e formação de professores Matriais didáticos formação d profssors Lívia Márcia Tiba Rádis Baptista Univrsidad Fdral do Cará Considraçõs iniciais O matrial didático é um ponto d rfrência para o trabalho docnt, um rcurso a mais para

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem Conslho Fdral d Enfrmagm Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral d Enfrmagm Assssoria d Planjamnto Gstão do Cofn Brasília 2015 1 Assssoria d Planjamnto Gstão Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique Rpública d Moçambiqu Ministério dos Transports Comunicaçõs Instituto Nacional das Comunicaçõs d Moçambiqu PROPOSTA DA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR POSTAL Junho, 2014 V-1ÍNDICE Abrviaturas...5

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012 TRMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS M 2012 ORDM CRONOLÓGICA PRIMIRO TRMO ADITIVO Nº DO CONTRATO 08/2012 PRSTAÇÃO D SRVIÇOS D DSNVOLVIMNTO IMPLANTAÇÃO D PROGRAMAS PRVNTIVOS OBJTO DO CONTRATO OCUPACIONAIS

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Plano Dirtor d Tcnologia d Informação Comunicação Vrsão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Brasília, 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA Ministro d Estado da Dfsa Clso Luiz

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Prsncial DISCIPLINA: Topografia Básica Planimtria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 ANO/SEMESTRE/ANO: 2014/4º FASE/SÉRIE: 4º sm. CARGA HORÁRIA: 04 horas (smanal) /

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho

II Seminário NEPPAS: Caminhos e olhares da agroecologia nos sertões de Pernambuco Normas para envio de trabalho II Sminário NEPPAS: Caminhos olhars da agrocologia nos srtõs d Prnambuco Normas para nvio d trabalho Srra Talhada, 26,27 28 d abril d 2012 Espaço Roda Mundo - Rodas d convrsas, rlatos trocas d xpriência

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente

comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente 86 ISSN 677-7042 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 CLÁUSULA SÉTIMA - DO FORO 7. Evntuais controvérsias ntr as parts, rlativas ao prsnt Trmo d Doação, dvrão sr submtidas à Câmara d Conciliação Arbitragm

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO

A FALHA NÃO É UMA OPÇÃO FLH NÃO É UM OPÇÃO José Wagnr Braidotti Junior (1) Rsumo prssão por mlhors indicadors d produtividad, disponibilidad confiabilidad nas organizaçõs tm aumntado a cada ano, tornando os divrsos procssos d

Leia mais

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira 2015/2016

PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira 2015/2016 PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE S Agrupamnto d Escoas d Arrifana, Santa Maria da Fira 2015/2016 INTRODUÇÃO O projto ducativo, o rguamnto intrno, os Panos Anua Purianua d Atividads o orçamnto constitum instrumntos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE FORMAÇÃO PERMANENTE TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS. Formação. TÓPICOS - LETRAS / INGLÊS Projtos Projtos /contraturno /contraturno para para crianças crianças 0 0 a a 5 5 anos anos TÓPICOS - OCEANOGRAFIA / / Projtos Projtos Planjamnto Planjamnto / / TÓPICIOS - ANTROPOLOGIA

Leia mais

ENE/08. ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II CAPÍTULO II Formação Geral de Técnicos de Saúde e Educação em Equitação Terapêutica

ENE/08. ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II CAPÍTULO II Formação Geral de Técnicos de Saúde e Educação em Equitação Terapêutica NEF nº nº 23A/ENE/0 ENE/08 Lisboa, 18 d Novmbro d 2008 ASSUNTOS: POFFTE VOLUME III PARTE II CAPÍTULO II Formação Gral d Técnicos d Saúd Educação m Equitação Trapêutica ========== X ========== NOTA: A prsnt

Leia mais

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA 1. Disposiçõs Grais A Protção Social Espcial

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE RJ-BIE-2011/00060 Publicação Diária - Data: 31/03/2011 SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE PORTARIA Nº RJ-PGD-2011/00012 d 28 d março d 2011 PORTARIAS PGD O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 A Fundação Univrsidad do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

PLANO de ESTUDO 6.º ANO - ANUAL

PLANO de ESTUDO 6.º ANO - ANUAL PLANO d ESTUDO 6.º ANO - ANUAL Contúdos 1. Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. 1.1. Os alimntos como vículo d nutrints. 1.2.Sistma digstivo do sr d outros animais. 1.2.1. Órgãos do sistma

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO

HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO HOTELARIA PLANEJAMENTO E GESTÃO Mario Ptrocchi Capítulo 2 na hotlaria Slids d apoio para o profssor Livro-txto para disciplinas d administração m hotlaria As bass do planjamnto stratégico O planjamnto

Leia mais

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011 Estado d Goiás Scrtaria d Ciência Tcnologia Gabint d Gstão d Capacitação Formação Tcnológica Cntro d d Anápolis Cntro d Sbastião d Siquira EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/20 Procsso Sltivo d Profssor Formador

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

O projeto O CONHECIMENTO QUE SALVA, foi desenvolvido em parceria pelo

O projeto O CONHECIMENTO QUE SALVA, foi desenvolvido em parceria pelo O projto O CONHECIMENTO QUE SALVA, foi dsnvolvido m parcria plo Hospital Municipal Matrnidad Escola Dr. Mário d Moras Altnfldr Silva IGM Instituto d Gincologia Mastologia do Hospital Bnficência Portugusa

Leia mais

Relatório Social Nacional PORTUGAL 2012

Relatório Social Nacional PORTUGAL 2012 Rlatório Social Nacional PORTUGAL 2012 Maio 2012 Índic 1. Introdução 1.1 Evolução rcnt da situação conómica social portugusa 1.2 Govrnação: Concrtação Participação no Rlatório Social Nacional 2. Progrssos,

Leia mais