14 ISSN Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE PORTARIA N o - .

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - ."

Transcrição

1 <!ID5754-> 4 ISSN Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d , DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450, d 27 d dzmbro d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 28 d dzmbro d 2007, rsolv: Art. o Ficam altrados, na forma do Anxo a prsnt Portaria, o Anxo à Portaria MEC n o 22, d 8 d fvriro d 2008, publicada no Diário Oficial da União d 9 d fvriro d 2008, o quantitativo a dstinação do provimnto d vagas fixado para as instituiçõs d nsino mncionadas no Anxo a sta portaria. Art. 2 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Portaria MEC n o -. 22/2008 Instituição Cargo Nívl Provimntos Autorizados Novo n o d Autorizaçõs 2623 UFAL Assistnt m Administração D UFES Arquivista E UFES Pdagogo/Ára E UFGO Assistnt m Administração D UFPB Assistnt m Administração D UFSM Arquivista E UFERSA Assistnt m Administração D FURG Arquivista E UFMT Assistnt m Administração D UFV Arquivista E UFV Pdagogo/Ára E 0 609, DE 20 DE MAIO DE 2008 Aprova o Rgimnto Intrno da Coordnação d Aprfiçoamnto d Pssoal d Nívl Suprior - CAPES. O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs tndo m vista o disposto no artigo 4 o - do Dcrto n o , d 20 d dzmbro d 2008, rsolv Art. o - Aprovar o Rgimnto Intrno da Coordnação d Aprfiçoamnto d Pssoal d Nívl Suprior - CAPES, na forma do anxo a prsnt Portaria. Art. 2 o - Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação, ficando rvogada a Portaria n o , d 28 d agosto d 2002, publicada no Diário Oficial da União d 29 d agosto d 2002, sção, páginas 6 7. REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. o - A Coordnação d Aprfiçoamnto d Pssoal d Nívl Suprior - CAPES, fundação pública instituída plo art. o - do Dcrto n o - 524, d 9 d maio d 992, com bas na Li n o - s 8.405, d 9 d janiro d 992, modificada pla Li n o -.502, d d julho d 2007, vinculada ao Ministério da Educação, com sd foro m Brasília, Distrito Fdral, rgr-s-á por su Estatuto, aprovado plo Dcrto 6.36, d 20 d dzmbro d 2008, por st Rgimnto plas dmais disposiçõs qu lh form aplicávis. Art. 2 o - A CAPES tm por finalidad subsidiar o Ministério da Educação na formulação d políticas dsnvolvimnto d atividads d suport à formação d profissionais d magistério para a ducação básica suprior para o dsnvolvimnto cintífico tcnológico do País, conform artigos 2 o - 3 o - do su Estatuto. CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Art. 3 o - A CAPES tm a sguint strutura organizacional:. Órgãos Colgiados:. Conslho Suprior - CS.2 Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior - CTC-ES;.3 Conslho Técnico-Cintífico da Educação Básica - CTC- EB 2. Órgão Excutivo: 2.. Dirtoria-Excutiva - DE. 3. Órgãos d assistência dirta imdiata ao Prsidnt: 3.. Gabint - GAB 3.. Assssoria d Comunicação Social - ACS; 3..2 Assssoria d Planjamnto Estudos - APE. 3.2 Scrtaria-Excutiva dos Órgãos Colgiados - SECOL 4. Órgãos Sccionais: 4.. Procuradoria Fdral - PF 4.2. Auditoria Intrna - AUD 4.3. Dirtoria d Gstão - DGES Coordnação-Gral d Orçamnto Finanças - CGOF Coordnação d Finanças Contabilidad - COF Divisão d Excução Orçamntária Financira - DEF Divisão d Contabilidad - DCON Coordnação d Cadastro, Publicação Prstação d Contas d Convênios - CPCC Divisão d Anális Control d Prstação d Contas - DPC Coordna?o-Gral d Informática - CGIN Coordnação d Dsnvolvimnto Manutnção d Sistmas - CSI Coordnação d Suport Manutnção d Rds - CSR Coordnação-Gral d Gstão d Pssoas - CGGP Coordnação d Dsnvolvimnto d Pssoas - CDP Divisão d Saúd Ocupacional Qualidad d Vida - DSO Coordnação d Administração d Pssoal - CAP Coordnação-Gral d Rcursos Logísticos - CGLOG Coordnação d Instalaçõs Prdiais - CIP Coordnação d Gstão d Documntos - CGD Divisão d Tratamnto da Informação - DTI Sção d Protocolo Expdição - SPE Coordnação d Srviços Grais -CSG Sção d Transports -STR Coordnação d Suprimntos - CSUP Divisão d Compras Licitação - DCOL Divisão d Patrimônio Almoxarifado - DPA Divisão d Passagns Aéras Trrstrs - DPAT 5. Órgãos Singulars: 5.. Dirtoria d Programas Bolsas no País - DPB 5... Coordnação-Gral d Dsnvolvimnto Storial Institucional - CGSI 5... Coordnação d Gstão da Dmanda Social - CDS Coordnação d Programas d Apoio a Exclência - CEX Coordnação d Programas d Qualificação d Quadros Docnts - CQD Coordnação-Gral d Programas Estratégicos - CG- PE Coordnação d Programas d Indução Inovação - CII Coordnação d Programas Espciais - CPE Divisão d Acompanhamnto d Programas - DAP Coordnação-Gral do Portal d Priódicos - CGPP Divisão d Contratos - DC 5.2. Dirtoria d Avaliação - DAV Coordnação-Gral d Avaliação Acompanhamnto - CGAA Coordnação d Acompanhamnto Avaliação da Ára I - CAA I Coordnação d Acompanhamnto Avaliação da Ára II - CAA II Coordnação d Acompanhamnto Avaliação da Ára III - CAA III Coordnação d Acompanhamnto Avaliação da Ára IV - CAA IV Coordnação-Gral d Atividads d Apoio à Pós- Graduação - CGAP Coordnação d Gstão da Informação - CGI Divisão d Sistmatização d Informaçõs - DSI Coordnação d Apoio Excutivo à Avaliação - CEA Divisão d Apoio à Avaliação - DAA Coordnação d Indução d Política da Avaliação - C PA 5.3 Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais - DRI 5.3. Coordna?o-Gral d Programas d Coopra?o Intrnacional - CGCI Coordna?o d Programas d Coopra?o Sul-Sul - CSS Coordna?o d Programas d Coopra?o Sul-Nort - CSN Coordna?o d Projtos Espciais - CPRO Coordnação-Gral d Bolsas no Extrior - CGBE Coordnação d Candidaturas a Bolsas Auxílio no Extrior - CCE Coordnação d Acompanhamnto d Bolsistas no Extrior - CBE Divisão d Acompanhamnto d Egrssos - DAE 5.4 Dirtoria d Educação Básica Prsncial - DEB 5.4. Coordnação-Gral d Dsnvolvimnto d Contúdo Curricular d Modlos Exprimntais - CGC Coordnação d Fomnto - CF Coordnação-Gral d Programas d Apoio à Formação Capacitação Docnt da Educação Básica - CGDOC Coordnação d Apoio à Formação Capacitação d Profssors - CAF 5.5 Dirtoria d Educação à Distância - DED 5.5. Coordnação-Gral d Infra-strutura d Pólos Núclos - CGIP Coordnação d Infra-strutura d Pólos - CINF Coordnação-Gral d Articulação Acadêmica - CGAC Coordnação d Articulação Acadêmica - CAAC Coordnação-Gral d Suprvisão Fomnto - CG- FO Coordnação d Suprvisão Fomnto - CSF Coordnação-Gral d Política d Tcnologia d Informação - CGTI Coordnação d Política d Tcnologia d Informação - CPIN Art. 4 o - A administração suprior da CAPES srá xrcida pla Dirtoria Excutiva plo Conslho Suprior. Art. 5 o - A composição dos Conslhos Suprior, Técnico- Cintífico da Educação Suprior Técnico-Cintífico da Educação Básica dvrá obsrvar os dispositivos constants no Capítulo IV do Estatuto da CAPES. Parágrafo único. O disciplinamnto da atuação d cada um dos Conslhos constará d atos próprios, aprovados pla maioria absoluta d sus mmbros. Art. 6 o - A Dirtoria-Excutiva srá composta plo Prsidnt plos Dirtors, qu srão nomados na forma da lgislação m vigor, por indicação do Ministro d Estado da Educação. Art. 7 o - O Gabint srá dirigido por um Chf d Gabint, a Procuradoria Fdral por um Procurador-Chf, a Auditoria Intrna por um Auditor-Chf, as Coordnaçõs-Grais por Coordnadors- Grais, as Coordnaçõs por Coordnadors, as Divisõs por Chfs d Divisão as Sçõs por Chfs d Sção. Parágrafo único. Os cargos m comissão spcificados no caput dst artigo srão providos na forma da lgislação m vigor. Art. 8 o - O Prsidnt da CAPES srá substituído m sus afastamntos impdimntos lgais por srvidor prviamnt dsignado plo Ministro d Estado da Educação. Art. 9 o - O ocupant d cargo prvisto no art. 7 o - srá substituído, m sus afastamntos ou impdimntos rgulars, por srvidor prviamnt dsignado na forma da lgislação spcífica. CAPÍTULO III DA COMPETÊNCIA DAS UNIDADES Sção I Dos Órgãos Colgiados Art. 0 Ao Conslho Suprior, órgão colgiado dlibrativo da CAPES, compt: I - stablcr prioridads linhas orintadoras das atividads da ntidad, a partir d proposta aprsntada plo Prsidnt da CA II - aprciar a proposta do Plano Nacional d Pós-Graduação, para ncaminhamnto ao Ministro d Estado da Educação; III - subsidiar a laboração do Plano Nacional d Educação com propostas rlativas às finalidads IV - avaliar critérios, prioridads procdimntos para a concssão d bolsas d studo auxílios; V - aprovar a programação anual d atividads VI - aprovar a proposta orçamntária VII - aprovar o rlatório anual d atividads VIII - aprovar a nomação xonração do titular da Auditoria Intrna; IX - aprciar propostas rfrnts a altraçõs do statuto do rgimnto intrno X - dfinir o procsso critérios d scolha dos coordnadors das áras d avaliação d qu trata o 2 o do art. 3 o do Estatuto da CAPES ncaminhar ao Prsidnt suas indicaçõs por mio d listas tríplics. Art. Ao Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior compt: I - assistir à Dirtoria-Excutiva na laboração das políticas dirtrizs spcíficas d atuação da CAPES no tocant à formação d rcursos humanos d alto nívl, ao sistma d pós-graduação ao sistma nacional d dsnvolvimnto cintífico tcnológico; II - colaborar na laboração da proposta do Plano Nacional d Pós-Graduação; III - opinar sobr a programação anual da CAPES na ára spcífica da Educação Suprior; IV - opinar, na ára d sua atuação, sobr critérios procdimntos para a distribuição d bolsas auxílio institucionais individuais; V - opinar sobr acordos d coopração ntr a CAPES instituiçõs nacionais, strangiras ou intrnacionais na ára d sua atuação; VI - avaliar critérios procdimntos para o acompanhamnto a avaliação da pós-graduação dos programas xcutados pla CAPES no âmbito da ducação suprior; VII - dlibrar m última instância no âmbito da CAPES sobr propostas d cursos novos concitos atribuídos durant a Avaliação dos Programas d Pós-Graduação;

2 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 ISSN VIII - propor a ralização d studos programas para o aprimoramnto das atividads da CAPES no tocant à formação d rcursos humanos d alto nívl, ao sistma d pós-graduação ao sistma nacional d dsnvolvimnto cintífico tcnológico; IX - opinar sobr assuntos qu lh sjam submtidos plo Prsidnt X - lgr su rprsntant no Conslho Suprior. Art. 2 Ao Conslho Técnico-Cintífico da Educação Básica compt: I - assistir à Dirtoria-Excutiva na laboração das políticas dirtrizs spcíficas d atuação da CAPES no tocant à formação inicial continuada d profissionais do magistério da ducação básica a construção d um sistma nacional d formação d profssors; II - assistir às Dirtorias d Educação Básica Prsncial d Educação a Distância no qu diz rspito à consolidação do rgim d colaboração ntr todos os nívis d govrno; III - discutir dirtrizs d longo prazo para a formação inicial continuada dos profissionais do magistério da ducação básica m srviço; IV - fixar parâmtros para avaliação da dmanda por profissionais do magistério da ducação básica, inclusiv para subsidiar a instalação d pólos municipais d apoio prsncial; V - acompanhar a avaliação dos cursos d pdagogia, licnciatura normal suprior nos procssos d avaliação conduzidos plo INEP; VI - manifstar-s nos procssos d rconhcimnto d rnovação d rconhcimnto d cursos d pdagogia, licnciatura normal suprior, prviamnt à dcisão da Scrtaria comptnt; VII - colaborar na laboração d propostas, rlativas à formação inicial continuada d profissionais d magistério da ducação básica, para subsidiar o Plano Nacional d Educação; VIII - opinar sobr a programação anual da CAPES, na ára spcífica da Educação Básica; IX - avaliar critérios procdimntos para fomnto a studos psquisas rlativos à orintação contúdo curriculars dos cursos d formação inicial continuada d profissionais do magistério da ducação básica; X - stablcr parâmtros mdiant os quais srão avaliados os programas d fomnto os cursos qu rcbrm rcursos financiros XI - propor a ralização d studos programas para o aprimoramnto das atividads da CAPES na sua ára d atuação; XII - opinar sobr assuntos qu lh sjam submtidos plo Prsidnt XIII - lgr su rprsntant no Conslho Suprior. Sção II Do Órgão Excutivo Art. 3 À Dirtoria-Excutiva compt: I - formular as dirtrizs stratégias da CAPES, m consonância com as políticas grais do Ministério da Educação; II - grnciar a laboração implmntação dos planos, programas açõs rlativos às finalidads atribuiçõs III - aprovar a concssão d bolsas, auxílio dmais formas d fomnto obsrvadas as normas rgulamntars dos programas institucionais /ou com bas m parcrs d consultors ad hoc, técnicos spcializados ou ainda d consultors cintíficos; IV - dfinir novas açõs orçamntárias, quando for o caso, para inclusão no Plano Plurianual na Li Orçamntária Anual; V - promovr as articulaçõs intrnas xtrnas ncssárias à xcução das atividads VI - dlibrar sobr a instituição d Comitês, Grupos d Trabalho ou Projtos spcíficos, dfinindo ára d atuação, comptências rspctivos rsponsávis; VII - promovr a mlhoria da gstão da CAPES, dcidindo sobr a adoção d instrumntos d monitoramnto avaliação do dsmpnho institucional; VIII - promovr a comunicação institucional, com ênfas no aumnto da transparência na consolidação da idntidad institucional IX - dfinir o dtalhamnto da strutura organizacional da CAPES da sua forma d funcionamnto nos trmos dst Rgimnto; X - dlibrar sobr dmais assuntos não prvistos no Rgimnto Intrno. Sção III Dos Órgãos d Assistência Dirta Imdiata ao Prsidnt Art. 4 Á Chfia d Gabint compt: I - assistir ao Prsidnt m sua rprsntação social política; II - incumbir-s do prparo dspacho do xpdint da Prsidência; III - suprvisionar as atividads das Assssorias d Comunicação Social Planjamnto Estudos, assim como da Scrtaria- Excutiva dos Órgãos Colgiados da Comissão d Ética; IV - analisar, dando o tratamnto adquado ncaminhando às áras comptnts, as rclamaçõs, solicitaçõs, sugstõs informaçõs rcbidas, assim como acompanhar as providências adotadas; V - promovr a articulação da CAPES com outros órgãos ntidads; VI - xrcr outras atribuiçõs qu lhs sjam dlgadas plo Prsidnt. Art. 5 À Assssoria d Comunicação Social compt: I - planjar, promovr, coordnar xcutar as atividads d comunicação social, incluídas as d rlaçõs públicas, publicidad propaganda, jornalismo promoção, obsrvada a política prtinnt adotada pla CA II - grnciar a página da CAPES na Intrnt. Art. 6 À Assssoria d Planjamnto Estudos compt: I - apoiar o procsso d planjamnto stratégico laborar studos prospctivos; II - planjar monitorar o sistma d informação grnciais, com vistas a apoiar o procsso dcisório; III - lvantar, compatibilizar, consolidar dissminar dados d naturza statística; IV - laborar, sob orintação da Dirtoria Excutiva, o Plano Plurianual; V - avaliar os rsultados dos programas da CAPES para vntuais ralinhamntos d açõs, objtivando o planjamnto stratégico d longo prazo. Art. 7 À Scrtaria-Excutiva dos Órgãos Colgiados compt: I - agndar as Runiõs dos conslhos d suas Comissõs Grupos d Trabalho; II - prparar, antcipadamnt, as runiõs dos conslhos, incluindo convits, consolidação d pauta, rmssas d matrial aos conslhiros outras providências; III - acompanhar as runiõs dos conslhos laborar a ata; IV - dar ncaminhamnto às conclusõs do Plnário, inclusiv rvndo a implmntação d conclusõs d runiõs antriors; V - acompanhar apoiar os trabalhos das Comissõs Grupos d Trabalho inclusiv quanto ao cumprimnto dos sus prazos; VI - xrcr outras atribuiçõs qu lh sjam dlgadas plo Prsidnt dos Conslhos. Sção IV Dos Órgãos Sccionais Art. 8 À Procuradoria Fdral, m consonância com o disposto no artigo 0, da Li n o , d 02/07/2002, obsrvadas as dtrminaçõs da Procuradoria-Gral Fdral, da qual é órgão d xcução, compt: I - rprsntar judicial xtrajudicialmnt a CA II - prstar assssoramnto jurídico à Prsidência às Dirtorias da CAPES, sugrindo mdidas qu concorram para o control intrno da lgalidad administrativa d sus atos; III - xaminar prviamnt: a) as minutas d ditais d licitação os procssos d dispnsa inxigibilidad d licitação; b) as minutas d trmos d convênios, contratos, acordos, ajusts instrumntos congênrs; c) as minutas d trmos aditivos rscisórios dos pactos m vigor; d) as minutas d atos normativos; ) os procssos, quando vrsarm sobr licitaçõs contratos da administração, passívis d aplicação d sanção administrativa ou procdimnto judicial, rcomndando a instauração d procdimnto administrativo disciplinar; IV - solicitar dirtamnt da subunidad qu dtivr a informação ncssária à dfsa dos intrsss da Administração Fdral, comunicando simultanamnt à Dirtoria corrspondnt; V - xaminar a apuração da liquidz crtza dos créditos da CAPES, d qualqur naturza, inscrvndo-os m dívida ativa, para fins d cobrança amigávl ou judicial;, VI - dsmpnhar outras atribuiçõs cominadas por li. Art. 9 À Auditoria Intrna compt xaminar a conformidad lgal dos atos d gstão orçamntário-financiro, patrimonial, d pssoal, dmais sistmas administrativos opracionais, spcificamnt: I - vrificar a rgularidad dos controls intrnos xtrnos, spcialmnt daquls rfrnts à ralização da rcita da dspsa, bm como da xcução financira d contratos, convênios, acordos ajusts firmados pla CA II - laborar, submtr à aprovação do Prsidnt da CAPES xcutar adquadamnt os Planos Anuais d Atividads d Auditoria Intrna, na forma das normas m vigor, bm como os prtinnts Rlatórios Anuais d Atividads d Auditoria Intrna, qu acompanham as Prstaçõs Anuais d Contas da ntidad; III - promovr inspçõs rgulars para vrificar a xcução física financira dos programas, projtos atividads xcutar auditorias xtraordinárias dtrminadas plo Prsidnt; IV - quando dtrminado plo Prsidnt da CAPES, orintar ou procdr ao xam prévio dos atos administrativos d sua comptência, sm prjuízo daqul vntualmnt ralizado plo órgão jurídico, d modo a garantir a conformidad dos msmos m rlação à lgislação spcífica normas corrlatas; V - orintar os gstors d bns ordnadors d dspsas; VI - orintar a laboração mitir parcr sobr a prstação anual d contas da ntidad tomadas d contas spciais; VII - propor açõs d forma a garantir a lgalidad dos atos o alcanc dos rsultados, contribuindo para a mlhoria da gstão; VIII - propor açõs prvntivas mcanismos d aprfiçoamnto opracional; IX - atuar, quando solicitado, m sindicâncias apuraçõs qu form implmntadas no âmbito X - fazr a intrfac junto aos órgãos d control intrno xtrno; XI - assssorar as Dirtorias na laboração do Rlatório d Gstão anual. Parágrafo único. No xrcício d suas comptências, a Auditoria Intrna vincula-s, administrativamnt, ao Conslho Suprior, nos trmos do art. 5 do Dcrto n o , d 6 d stmbro d Art. 20 À Dirtoria d Gstão compt, d forma articulada com os rspctivos Sistmas Fdrais: I - promovr a xclência opracional das açõs vinculadas à administração gral da CAPES, II - suprvisionar dfinir parâmtros para as atividads rfrnts à xcução orçamntária, financira contábil, à gstão d pssoas promoção da qualidad do atndimnto dsmpnho, às atividads vinculadas aos rcursos d TI, aos srviços grais d tratamnto da informação; III - zlar pla intgridad patrimonial da instituição; IV - planjar, coordnar, suprvisionar avaliar a xcução das atividads rlativas a projtos studos rlacionados aos srviços d ngnharia, obras instalaçõs dos imóvis da CAPES daquls por la administrados; V - viabilizar a instrumntalização das divrsas áras da instituição para dsnvolvimnto d suas atividads; VI - garantir maior ficiência na gstão dos rcursos; VII - ngociar administrar, m articulação com as áras prtinnts do govrno, o orçamnto VIII - grnciar os projtos as açõs sob rsponsabilidad da CAPES no Plano Plurianual - PPA; IX - xcutar as açõs orçamntárias financiras, obsrvadas as dcisõs tomadas no âmbito das dirtorias rsponsávis plas atividads-fim X - promovr a avaliação das atividads sob sua alçada; XI - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; XII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads; XIII - propor promovr açõs d modrnização administrativa, visando a ficiência ficácia das atividads da CAPES. Art. 2 À Coordnação-Gral d Orçamnto Finanças compt: I - aprovar prstação d contas d convênios com bas nos parcrs técnico financiro, bm como propor instauração d Tomadas d Contas Espcial, quando for o caso; II - promovr a divulgação d normas, mitidas plos órgãos normativos, rlacionadas com o Sistma Intgrado d Administração Financira do Govrno Fdral - SIAFI a srm sguidas plas dirtorias III - forncr informaçõs orçamntária financira para o planjamnto para o procsso d tomada d dcisõs, bm como para subsidiar a dfinição d políticas públicas IV - opracionalizar a laboração rvisão dos Planos Plurianuais da Li Orçamntária Anual da CAPES a partir das orintaçõs manadas da Dirtoria Excutiva; V - acompanhar a implantação d açõs stratégicas storiais; VI - sugrir mcanismos d implantação d sistmas d acompanhamnto avaliação dos programas m xcução; VII - sugrir mcanismos opracionais qu possibilitm mlhor xcução das programaçõs orçamntária financira storiais; VIII - laborar rlatórios analíticos das ralizaçõs financiras; IX - orintar controlar as atividads orçamntária financira, no âmbito X - acompanhar a contratação d câmbio para transfrências pagamntos d dspsas no xtrior; XI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 22 À Coordnação d Finanças Contabilidad compt: I - coordnar, acompanhar controlar as atividads d xcução orçamntária financira, no âmbito II - coordnar acompanhar atividads d xcução orçamntária financira dos atos fatos administrativos autorizados plos dirtors co-rsponsávis; III - orintar as Dirtorias quanto à aplicação d normas instruçõs d administração orçamntária financira, bm como o cumprimnto das msmas; IV - analisar mitir parcrs sobr consultas d carátr orçamntário financiro; V - laborar rlatórios grnciais d atividads sobr o acompanhamnto da xcução orçamntária financira; VI - acompanhar avaliar a arrcadação das rcitas próprias; VII - forncr informaçõs laborar rlatórios sobr o comportamnto da arrcadação das rcitas próprias, bm como da xcução orçamntária financira VIII - coordnar a xcução das atividads inrnts ao acompanhamnto contábil IX - coordnar, suprvisionar orintar a xcução orçamntária financira dos programas açõs finalísticas tomadas no âmbito das dirtorias X - laborar rlatórios grnciais das ralizaçõs orçamntárias financiras; XI - coordnar as atividads rlacionadas com o Sistma d Contabilidad Fdral.

3 6 ISSN Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 Art. 23 À Divisão d Excução Orçamntária Financira compt: I - xcutar no SIAFI os lançamntos ncssários à xcução rgistro dos atos fatos d gstão orçamntária, financira patrimonial autorizados plos dirtors co-rsponsávis, bm como os dcorrnts d lançamntos incorrtos para rgularização; II - ngociar taxa para contratação d câmbio para transfrência pagamnto d dspsas no xtrior; III - mantr atualizado os dmonstrativos dos saldos orçamntários financiros; IV - ftuar a anális inscrição d dspsas m Rstos a Pagar, bm como xcutar acompanhar os rspctivos pagamntos. Art. 24 À Divisão d Contabilidad compt: I - xcutar as atividads rlacionadas com o sistma d Contabilidad Fdral; II - xcutar as atividads inrnts ao acompanhamnto contábil III - analisar as dmonstraçõs contábis; IV - analisar as inconsistências contábis para o rgistro da conformidad contábil no SIAFI dos atos d gstão orçamntária, financira patrimonial; V - acompanhar idntificar dpósitos ftuados na Conta Única do Tsouro Nacional, bm como procdr à dvolução d dpósitos indvidos; VI - mantr atualizado o crdnciamnto dos ordnadors d dspsa co-rsponsávis junto ao sistma bancário ao SIAFI; VII - zlar plo control, arquivamnto manutnção dos documntos liquidados pagos, guardando-os plo prazo dtrminado plo Tribunal d Contas da União; VIII - procdr à anális liquidação das dspsas autorizadas plos dirtors co-rsponsávis; IX - promovr as aplicaçõs financiras; X - rcbr dvolvr cauçõs dadas como garantia d contratos; XI - promovr os ajusts d contas spcíficas m atndimnto à norma d ncrramnto do xrcício; XII - ftuar a conciliação bancária XIII - ftuar prstação d contas dos rcursos rcbidos pla CAPES no âmbito das parcrias institucionais. Art. 25 À Coordnação d Cadastro, Publicação Prstação d Contas d Convênios compt: I - assssorar a ára técnica na laboração d minutas d trmos d convênio sus aditivos; II - coordnar a publicação dos xtratos dos convênios sus aditivos no Diário Oficial da União; III - aprovar prstação d contas d convênios com bas nos parcrs técnico financiro, bm como propor instauração d Tomadas d Contas Espcial quando for o caso; IV - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 26 À Divisão d Anális Control d Prstação d Contas compt: I - analisar trmos d convênio sus aditivos/apostilamntos, mdiant informaçõs forncidas plas áras técnicas rsponsávis, visando instruir o procsso para xam pla Procuradoria Fdral; II - providnciar a publicação dos xtratos d convênios sus aditivos/apostilamntos, no Diário Oficial da União, mdiant documntação ncaminhada plas áras técnicas; III - providnciar o cadastro dos convênios sus aditivos, no Sistma Intgrado d Administração Financira do Govrno Fdral /ou outros sistmas criados para st fim, mdiant documntação ncaminhada plas áras técnicas; IV - acompanhar os prazos d vigência dos convênios visando o acompanhamnto da aprsntação d prstação d contas; V - analisar as prstaçõs d contas dos convênios, clbrados pla CAPES, sob o aspcto financiro mitindo parcr quanto à corrta rgular aplicação dos rcursos, bm como ralizar os dvidos rgistros no Sistma Intgrado d Administração Financiro do Govrno Fdral-SIAFI; VI - mantr atualizado o cadastro d inadimplência o sistma informatizado d control d prstação d contas; VII - apoiar as visitas in loco às ntidads bnficiadas com rcursos transfridos pla CAPES. Art. 27 À Coordnação-Gral d Informática compt propor dirtrizs implmntar as políticas d modrnização tcnológica nas unidads organizacionais qu compõm a CAPES, m consonância com as orintaçõs, normas dirtrizs manadas do órgão cntral do Sistma d Administração d Rcursos d Informação Informática - SISP, bm como, no qu tang à implantação das políticas do Govrno Eltrônico, spcificamnt: I - participar da formulação das políticas dirtrizs d modrnização d informação d informática II - participar da normatização compatibilização das açõs d modrnização tcnológica das unidads III - assistir às Dirtorias nas suas dmandas por informaçõs spcíficas constants nos bancos d dados IV - coordnar suprvisionar a manutnção atualização dos sistmas rfrnts ao acsso divulgação cintífica, avaliação, bolsas auxílios V - apoiar prstar assistência técnica às unidads da CA- PES na informatização d programas projtos; VI - grnciar coordnar o dsnvolvimnto d programas projtos d sistmas d informação, tratamnto ltrônico d documntos, métodos procssos automatizados d trabalho; VII - propor a capacitação a atualização técnica dos rcursos humanos nvolvidos nos projtos d modrnização tcnológica, principalmnt no qu diz rspito à capacitação grncial técnica, m articulação com a Coordnação-Gral d Gstão d Pssoas, d acordo com a lgislação manada plo Comitê Excutivo do Govrno Eltrônico do Conslho d Govrno da Prsidência da Rpública; VIII - stablcr as dirtrizs para as aquisiçõs d srviços quipamntos d informática, d softwar d novas tcnologias, bm como aprovar tcnicamnt os procssos prtinnts, no âmbito IX - mitir parcr técnico sobr a contratação d consultorias xtrnas spcíficas para atuar na ára d tcnologia, no âmbito X - promovr o intrcâmbio d xpriências informaçõs com o órgão intgrant do Sistma d Administração dos Rcursos d Informação Informática - SISP, com vistas ao aprfiçoamnto ao aprimoramnto da atuação da Coordnação-Gral; XI - propor, para aprovação suprior, Plano Dirtor d Tcnologia da Informação, no âmbito XII - psquisar incorporar tcnologias qu possibilitm a implmntação d sistmas a dissminação d informaçõs m consonância com as dirtrizs XIII - dfinir padrõs, dirtrizs, normas procdimntos para a contratação d bns srviços d tcnologia da informação no âmbito XIV - propor à Dirtoria d Gstão projtos açõs d Tcnologia da Informação; XV - dissminar, no âmbito da CAPES, conhcimnto sobr a utilização da tcnologia da informação; XVI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 28 À Coordnação d Dsnvolvimnto Manutnção d Sistmas compt planjar, coordnar, acompanhar suprvisionar as atividads, programas projtos rlativos aos sistmas d informação da CAPES, spcificamnt: I - propor, dsnvolvr, implantar mantr atualizados os sistmas d informação no âmbito II - propor a adaptação dos instrumntos, procdimntos rotinas d trabalho à volução da tcnologia do rspctivo modlo d informaçõs; III - spcificar suprvisionar o dsnvolvimnto, opração manutnção dos sistmas d informação aftos a CAPES ou prstados por trciros, dntro d normas padrõs stablcidos pla Coordnação-Gral d Informática, bm como garantir o dsmpnho dos sistmas implantados; IV - psquisar, avaliar aplicar novas tcnologias d informação; V - planjar, promovr xcutar, m articulação com a Coordnação-Gral d Informática com a Coordnação-Gral d Gstão d Pssoas, trinamntos rfrnts aos sistmas d informação srviços disponibilizados aos usuários VI - auxiliar a Coordnação-Gral d Informática na proposição d capacitação atualização técnica dos rcursos humanos nvolvidos nos projtos d sistmas d informação modrnização tcnológica; VII - auditar os sistmas aplicativos m opração, bm como participar d sus dsnvolvimntos, com vistas ao corrto cumprimnto dos padrõs d sgurança, funcionalidad, disponibilidad scalabilidad; VIII - stablcr, m articulação com a Coordnação-Gral d Informática, normas procdimntos para a administração dos rcursos d tcnologia da informação disponívis na CA IX - subsidiar a Coordnação-Gral d Informática na opracionalização das prioridads d dsnvolvimnto manutnção d sistmas; X - acompanhar fiscalizar contratos convênios rlativos à ára d informática, vrificando a corrta utilização dos rcursos tcnológicos; XI - stablcr critérios d dsign d tcnologia a srm utilizados no portal corporativo da CAPES, sguindo orintação da Coordnação-Gral d Informática dos Dirignts da Instituição; XII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 29 À Coordnação d Suport Manutnção d Rds compt: I - coordnar, propor mantr as políticas, dirtrizs critérios rfrnts a rcursos d informática; II - planjar, coordnar, suprvisionar mantr disponívis os srviços d administração da rd, o parqu d informática, as bass d dados ftuar o suport ao usuário dos rcursos d tcnologia da informação no âmbito III - laborar spcificaçõs técnicas com vistas a subsidiar o procsso d aquisição ou contratação d rcursos prstação d srviços d informática, consoant às dirtrizs IV - garantir a infra-strutura o suport técnico da rd local dos sistmas aftos à CA V - assgurar a satisfação dos usuários na utilização dos rcursos computacionais d rd aftos a CA VI - planjar, promovr xcutar, m articulação com a Coordnação-Gral d Informática com a Coordnação-Gral d Gstão d Pssoas, trinamntos rfrnts aos sistmas opracionais srviços d rd disponibilizados aos usuários VII - acompanhar fiscalizar contratos convênios rlativos à ára d informática, vrificando a corrta utilização dos rcursos tcnológicos; VIII - proporcionar às unidads organizacionais da CAPES mios rcursos técnicos para a utilização d sistmas d informação qu facilitm o dsnvolvimnto d suas atividads, bm como o acsso às informaçõs bass d dados disponívis; IX - xrcr a função d unidad d infra-strutura tcnológica do portal corporativo da CAPES na Intrnt Intrant; X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 30 À Coordnação-Gral d Gstão d Pssoas compt: I - planjar, coordnar suprvisionar a xcução das atividads rlativas à administração d pssoal d dsnvolvimnto d rcursos humanos II - rspondr as diligências da auditoria intrna, dos órgãos d control xtrno do Ministério Público; III - propor implmntar açõs para racionalização d dspsas no âmbito d sua atuação; IV - implmntar açõs d modrnização administrativa; V - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 3 À Coordnação d Dsnvolvimnto d Pssoas compt: I - planjar, coordnar, xcutar, controlar avaliar as atividads rlacionadas às políticas, planos, programas projtos d dsnvolvimnto d rcursos humanos, assim como idntificar analisar qustõs institucionais para o dsnvolvimnto d rcursos humanos, aprsntando sugstõs implmntando açõs para su quacionamnto; II - agrgar organizar informaçõs sobr o dsnvolvimnto d rcursos humanos, consolidando-as m rlatórios outros similars; III - planjar, implmntar suprvisionar as açõs d capacitação d rcursos humanos, d acordo com os critérios procdimntos indicados no Programa Institucional d Dsnvolvimnto d Rcursos Humanos - PIDRH; IV - propor atualização dos instrumntos normativos ncssários à ficácia da xcução das atividads aftas a sta Coordnação; V - assssorar na formulação controlar a xcução da dotação orçamntária qu s dstin às açõs d capacitação, trinamnto dsnvolvimnto d pssoal; VI - promovr a xcução do rcrutamnto slção d pssoal, nos trmos da lgislação vignt; VII - implmntar, com os órgãos spcíficos instituiçõs, a participação dos srvidors da CAPES m programas d capacitação d rcursos humanos xtrnos; VIII - idntificar providnciar, junto aos órgãos spcíficos, mprsas spcializadas, instituiçõs na CAPES, cursos d formação para srvidors rcém ingrssados na ntidad, quando for o caso; IX - xcutar o programa d stágio curricular para studants d nívl médio suprior, na forma da lgislação prtinnt; X - organizar, xcutar, acompanhar avaliar açõs d capacitação, nos âmbitos intrno xtrno, bm como promovr açõs corrtivas; XI - idntificar providnciar, junto aos órgãos spcíficos, mprsas spcializadas, instituiçõs na CAPES, cursos vntos d aprfiçoamnto, instrutors outros profissionais para as atividads rlacionadas aos projtos d capacitação, quando for o caso; XII - laborar, mitir controlar crtificados d conclusão d cursos, sminários similars, promovidos intrnamnt sob a suprvisão dsta Coordnação; XIII - mantr atualizados os rgistros das açõs d capacitação nos sistmas prtinnts, bm como ncaminhá-los à Coordnação d Administração d Pssoal; XIV - xcutar açõs visando a adaptação intgração funcional do srvidor, inclusiv sua rcolocação, quando for o caso; XV - propor açõs d valorização do srvidor, visando o su dsmpnho funcional; XVI - acompanhar, mdiant rlatórios, priódicos conclusivos, d avaliação, a volução do dsmpnho dos srvidors grssos d açõs d capacitação; XVII - dfinir parâmtros, promovr procssar psquisas dstinadas à avaliação do clima organizacional, propondo açõs corrtivas, na busca d mantr a motivação dos srvidors; XVIII - propor, promovr grnciar o procsso d avaliação d dsmpnho, com vistas à progrssão, promoção stágio probatório, bm como para prcpção d gratificação, considrando critérios dfinidos pla lgislação spcífica; XIX - sugrir açõs corrtivas a partir do vntual rsultado ngativo da avaliação d dsmpnho, junto à unidad d lotação do srvidor; XX - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados

4 <!ID5754-2> Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 ISSN Art. 32 À Divisão d Saúd Ocupacional Qualidad d Vida compt: I - propor, promovr xcutar as políticas inrnts à saúd ocupacional d qualidad d vida do corpo funcional II - formular, propor xcutar as açõs ncssárias ao dsnvolvimnto da mdicina prvntiva do trabalho assistência social, psicológica odontológica aos srvidors sus dpndnts; III - implmntar controlar as atividads ligadas à saúd física mntal do corpo funcional da CAPES, sob a égid das normas lgislaçõs prtinnts à higin, mdicina sgurança do trabalho; IV - xcutar as açõs rlacionadas à assistência à saúd do srvidor, acompanhando os convênios ou contratos firmados com ntidads d assistência médica odontológica; V - mantr atualizado o cadastro d bnficiários do plano d assistência à saúd; VI - formular, propor xcutar o programa d assistência, abrangndo mdidas d intgração social, d ajustamnto d radaptação funcional; VII - promovr prícias médicas para fins d concssão d licnça, aposntadoria outros casos prvistos na lgislação; VIII - promovr xams d sanidad física mntal para fins d admissão; IX - planjar dsnvolvr atividads voltadas para a valorização do srvidor mlhoria d sua qualidad d vida; X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 33 À Coordnação d Administração d Pssoal compt: I - rcbr, guardar mantr atualizada a documntação funcional d srvidors ativos, inativos, pnsionistas d x-srvidors; II - rgistrar, controlar acompanhar a lotação numérica nominal do quadro prmannt, bm como d cargos m comissão funçõs gratificadas; III - laborar publicar os atos oficiais rfrnts à situação funcional d srvidors x-srvidors; IV - rmtr aos órgãos oficiais d divulgação as matérias d Rcursos Humanos dstinadas à publicação; V - laborar xpdir as comunicaçõs qu influncim na folha d pagamnto d srvidors ou rquiram outras mdidas administrativas; VI - incluir, xcluir procdr às altraçõs nos assntamntos funcionais d srvidors ativos, aposntados bnficiários d pnsão nos sistmas prtinnts; VII - avrbar tmpo d contribuição nos assntamntos individuais d srvidors; VIII - laborar contagm d tmpo d contribuição dos srvidors para os dvidos fins; IX - rgistrar, controlar acompanhar procssos d admissão, xonração dmissão, aposntadorias pnsõs, junto aos órgãos ou ntidads comptnts; X - instruir, acompanhar rgistrar procssos d concssão altração d aposntadoria, pnsõs d abono d prmanência; XI - rgistrar controlar a scala d férias dos srvidors; XII - xpdir controlar a missão d idntidads funcionais; XIII - apurar a frqüência dos srvidors; XIV - laborar a sção d Pssoal do Boltim d Srviço. XV - atualizar controlar os rgistros financiros dos srvidors ativos, aposntados, pnsionistas stagiários XVI - laborar a folha d pagamnto d pssoal mnsal, suplmntar sus rlatórios, bm como os cálculos para rcolhimnto dos ncargos obrigatórios; XVII - xcutar a folha d pagamnto mnsal nos Sistmas Intgrados d Administração d Pssoal d Administração Financira; XVIII - mantr atualizado os dados cadastrais dos srvidors ativos, inativos pnsionistas no módulo CADASTRO do SIAPE; XIX - instruir procssos d auxílio moradia d ajuda d custo, ftuando su pagamnto; XX - ftuar o rssarcimnto rfrnt aos custos da folha d pagamnto d srvidors rquisitados; XXI - promovr anualmnt a atualização da Rlação Anual d Informaçõs Sociais - RAIS dclaração d Imposto d Rnda d Pssoa Física - IRPF; XXII - atualizar mnsalmnt guia d rcolhimnto do FGTS informaçõs à Prvidência Social -GFIP dos srvidors sm vínculo; XXIII - atualizar mnsalmnt o Sistma Intgrado d Dados Orçamntários - SIDOR com dados rfrnts a pssoal; XXIV - xpdir dclaraçõs d rndimntos, d margm consignávl d outros documntos prtinnts à ára; XXV - laborar cálculos para pagamnto d rmunraçõs rlativas à passivos; XXVI - articular junto ao SIPEC, soluçõs d assuntos prtinnts às folhas d pagamnto; XXVII - xcutar os cálculos rfrnts a rposição ao rário insri-los no sistma; XXVIII - xcutar os cálculos, rfrnts a rposição ao rário, visando a inscrição m dívida ativa da União; XXIX - atualizar fichas financiras d mss antriors; XXX - incluir atualizar os bnfícios d auxílio-alimntação auxílio-transport; XXXI - forncr ficha financira tabla d rmunração para fins d instrução d procsso judicial d pssoal; XXXII - incluir mantr atualizado o Sistma d Cadastro d Açõs Judiciais - SICAJ; XXXIII - grnciar contratos firmados com mprsas prstadoras d srviços; XXXIV - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 34 À Coordnação-Gral d Rcursos Logísticos compt: I - planjar, coordnar, suprvisionar avaliar a xcução do suport administrativo às divrsas unidads organizacionais da CA- II - coordnar suprvisionar a administração d matrial patrimônio, srviços grais, instalaçõs prdiais, documntação d suprimnto d bns srviço; III - laborar rlatórios grnciais rfrnts às atividads d sua comptência; IV - laborar planjamnto anual d aquisiçõs; V - propor açõs d racionalização d dspsas no âmbito d sua atuação; VI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 35 À Coordnação d Instalaçõs Prdiais compt: I - suprvisionar, orintar acompanhar a xcução das atividads d obras, instalaçõs manutnção prdial; II - coordnar a laboração d projtos studos rlacionados ao planjamnto técnico dos srviços d obras instalaçõs prdiais III - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 36 À Coordnação d Gstão d Documntos compt: I - organizar, catalogar, prsrvar rstaurar a produção documntal da CAPES nas mais divrsas formas d aprsntação: imprssos suports spciais, tais como fotografias, mapas, dsnhos, gravaçõs d áudio vído documntos ltrônicos, ntr outros; II - dfinir a política arquivística da produção documntal produzida plas unidads III - grir informação para fins institucionais, prsrvar a mmória o patrimônio cultural da CAPES dissminá-los para a socidad; IV - coordnar o fluxo d documntação V - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 37 À Divisão d Tratamnto d Informação compt: I - planjar, coordnar avaliar as atividads d organização dos srviços rfrnts à colta, tratamnto, rcupração dissminação d informaçõs; II - planjar, coordnar, controlar, avaliar dfinir normas procdimntos das atividads da Coordnação d Gstão d Documntos; III - dsnvolvr propor política d slção tmporalidad rfrnt à documntação; IV - propor automação, acompanhar avaliar os sistmas d tratamnto da informação inrnts à documntação; V - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 38 À Sção d Protocolo Expdição compt: I - rcbr, numrar, rgistrar, classificar tramitar as corrspondências ncaminhadas a CAPES, zlando pla uniformização d procdimntos; II - rcbr distribuir o Diário Oficial da União da Justiça outras publicaçõs às dmais unidads III - anxar, dsanxar, apnsar ftuar juntadas d documntos procssos; IV - providnciar a rmssa dos documntos, prparando xcutando franquia xpdição d malots corrspondências; V - controlar o rcbimnto xpdição d malots; VI - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 39 À Coordnação d Srviços Grais compt: I - solicitar controlar a xcução dos srviços d protocolo, xpdição vntos; II - coordnar a distribuição d documntação intrna das unidads da Caps; III - coordnar, acompanhar avaliar os srviços d limpza, copa, transports, manutnção d máquinas quipamntos, vigilância outros srviços grais; IV - laborar rlatórios grnciais no âmbito d sua comptência; V - propor açõs para otimização dos trabalhos; VI - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 40 À Sção d Transports compt: I - atndr as solicitaçõs ralizando os srviços d transport d pssoal matriais ncssários ao funcionamnto da CAPES, obsrvada a lgislação m vigor; II - providnciar a rvisão priódica dos vículos, providnciando a manutnção prvntiva corrtiva dos vículos da CA- PES, acompanhando sus custos opracionais; III - mantr cadastro da frota dos motoristas, bm como idntificar rsponsabilidads d infraçõs, acidnts outras ocorrências, tomando as mdidas qu s fizrm ncssárias; IV - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 4 À Coordnação d Suprimntos compt: I - coordnar suprvisionar as atividads rlativas aos contratos, além d possívis rpactuaçõs rajusts d prços; II - controlar suprvisionar os procssos licitatórios ralizar as aquisiçõs por dispnsa d licitação; Coordnar, planjar avaliar as atividads nvolvndo aquisiçõs d matriais patrimônios III - laborar rlatórios grnciais das atividads rlativas à sua comptência; IV - propor açõs para otimização dos trâmits procssuais; V - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 42 À Divisão d Compras Licitação compt: I - analisar, instruir acompanhar os procssos d aquisição d bns contratação d srviços; II - procssar a aquisição d matriais, prstação d srviços a xcução d obras, ou xaminar pdidos, na forma da lgislação prtinnt; III - ralizar psquisa d prços praticados no mrcado, tanto para instruir novos procssos d aquisição d matriais d consumo, bns ou srviços, quanto para subsidiar as vntuais prorrogaçõs dos contratos d prstaçõs d srviço d naturza continuada; IV - mantr contato com outros órgãos da Administração Pública, visando obtr informaçõs sobr prços praticados; V - laborar atstados d capacidad técnica; VI - laborar, mnsalmnt, o rlatório das aquisiçõs d bns contrataçõs d srviços, para divulgação; VII - informar à Divisão d Almoxarifado Patrimônio sobr as aquisiçõs ftuadas, dstacando os prazos d ntrga d matriais; VIII - laborar ditais, minutas d contratos dmais documntos visando a instrução d procssos licitatórios; IX - providnciar a publicidad dos atos rlativos à licitação; X - prstar apoio às comissõs d licitação; XI - laborar, anualmnt, rlatórios consolidados dos procssos d licitaçõs ralizadas no xrcício; XII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 43 À Divisão d Almoxarifado Patrimônio compt: I - promovr o lvantamnto do matrial ncssário a CA- II - rcbr, confrir, classificar, armaznar distribuir matriais, controlando os stoqus procdndo à comptnt scrituração; III - atndr a rquisição d matrial solicitar rforço d suprimntos; IV - xrcr o control físico-contábil dos stoqus ralizar o invntário d matrial; V - classificar, rgistrar, cadastrar tombar os bns prmannts na forma da lgislação vignt; VI - distribuir, rmanjar mantr atualizado o control da movimntação dos bns patrimoniais, mitindo os rspctivos trmos d rsponsabilidad; VII - propor alinação dos bns prmannts considrados gnricamnt insrvívis para a CA VIII - organizar mantr atualizados os cadastros d bns prmannts, bm como ralizar o invntário; IX - zlar pla consrvação dos bns prmannts disponívis m dpósito; X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 44 À Divisão d Passagns Aéras Trrstrs compt: I - rcbr os pdidos d passagns aéras trrstrs; II - confrir controlar as atividads rlacionadas aos pdidos d passagns aéras trrstrs; III - laborar, mnsalmnt, rlatórios consolidados dos gastos com passagns; IV - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Sção V Dos Órgãos Espcíficos Singulars Art. 45 À Dirtoria d Programas Bolsas no País, compt: I - propor implmntar açõs rlativas ao fomnto, à manutnção do nsino d pós-graduação à formação d rcursos humanos d alto nívl no País; II - stimular implmntar açõs d fomnto no âmbito da CAPES, das agências d fomnto da socidad, para a consolidação do Sistma Nacional d Pós-Graduação Nacional; III - propor implmntar açõs inovadoras voltadas para as áras stratégicas da Ciência Tcnologia d políticas govrnamntais no contxto do Sistma Nacional d Pós-Graduação; IV - implmntar açõs dfinidas no Plano Nacional d Pós- Graduação como mdida para rduzir as assimtrias rgionais as assimtrias ntr áras do conhcimnto cintífico tcnológico; V - laborar acompanhar programas spcíficos, visando à qualificação do quadro docnt das instituiçõs d nsino suprior públicas da rd tcnológica fdral; VI - acompanhar os programas implmntados no âmbito da Dirtoria d Programas Bolsas no País ofrcr subsídios para a sua avaliação;

5 8 ISSN Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 VII - promovr incntivar a criação d rds d coopração acadêmica; VIII - stimular promovr parcrias com órgãos ntidads, públicos privados, visando à formação d rcursos humanos d alto nívl m áras spcíficas do conhcimnto; IX - orintar o dsnvolvimnto/aprfiçoamnto do Cadastro d Discnts acompanhar sua implmntação no âmbito dos cursos d pós-graduação; X - promovr a avaliação dos programas /ou projtos sob sua alçada; XI - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; XII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads; XIII - promovr o acsso a divulgação da produção cintífica propor açõs qu vism ao uso ficint do Portal d Priódicos da CAPES. Art. 46 À Coordnação-Gral d Dsnvolvimnto Storial Institucional compt: I - coordnar, fomntar implmntar açõs rlativas ao Sistma Nacional d Pós-Graduação; II - stimular a formação d rcursos humanos d alto nívl, buscando promovr o dsnvolvimnto das atividads da pós-graduação nos âmbitos storial institucional; III - coordnar orintar a xcução das atividads das coordnaçõs sob sua alçada; IV - promovr participar d studos d acompanhamnto avaliação do Plano Nacional d Pós-Graduação; V - propor açõs d fomnto para liminar as assimtrias xistnts ntr áras do conhcimnto cintífico tcnológico: VI - propor açõs normas d programas voltados para o apoio à pós-graduação no País; VII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 47 À Coordnação d Gstão da Dmanda Social compt: I - laborar studos para subsidiar a distribuição d quotas d bolsas d mstrado d doutorado aos programas d pós-graduação avaliados pla CA II - implmntar açõs d fomnto para rduzir assimtrias ntr áras do conhcimnto cintífico; III - laborar rlatórios grnciais para subsidiar a Dirtoria Excutiva para a tomada d dcisõs rfrnts aos programas aftos à Coordnação; IV - solicitar, ao stor comptnt da CAPES, obsrvada a disponibilidad orçamntária, o rpass dos rcursos financiros ncssários à xcução dos programas d fomnto; V - acompanhar avaliar o dsmpnho dos programas d fomnto vinculados à Coordnação; VI - laborar rlatórios rquisitados plos órgãos d control intrno d control xtrno praticar todos os dmais atos ncssários ao bom dsmpnho da Coordnação; VII - mantr sistma d acompanhamnto dos rcursos dspndidos com os programas d fomnto d sua alçada; VIII - laborar notas técnicas solicitadas pla Procuradoria Fdral; IX - laborar convênios ou outros instrumntos lgais ncssários à implmntação do financiamnto das açõs d fomnto; X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 48 À Coordnação d Programas d Apoio a Exclência compt: I - apoiar, com programas spcíficos d fomnto, os cursos d pós-graduação avaliados pla CAPES com nota 6 (sis) ou 7 (st), ou o quivalnt m outra scala d avaliação, visando mantr o padrão d qualidad o rfrncial para os dmais cursos d pósgraduação; II - apoiar a ralização d vntos cintíficos, tcnológicos culturais, visando à gração à divulgação d novos conhcimntos produtos; III - fomntar as atividads d psquisa cintífica, tcnológica d inovação, qu vism à absorção tmporária d jovns doutors para atuarm m projtos d psquisa d dsnvolvimnto m áras stratégicas; IV - laborar rlatórios grnciais para subsidiar a Dirtoria Excutiva para a tomada d dcisõs rfrnts aos programas aftos à Coordnação; V - solicitar, ao stor comptnt da CAPES, obsrvada a disponibilidad orçamntária, o rpass dos rcursos financiros ncssários à xcução dos programas d fomnto; VI - acompanhar avaliar o dsmpnho dos programas d fomnto vinculados à Coordnação; VII - laborar rlatórios rquisitados plos órgãos d control intrno d control xtrno praticar todos os dmais atos ncssários ao bom dsmpnho da Coordnação; VIII - mantr sistma d acompanhamnto dos rcursos dspndidos com os programas d fomnto d sua alçada; IX - laborar notas técnicas solicitadas pla Procuradoria Fdral; X - laborar convênios ou outros instrumntos lgais ncssários à implmntação do financiamnto das açõs d fomnto; XI - laborar o Rlatório Anual das atividads dsnvolvidas pla Coordnação-Gral. Art. 49 À Coordnação d Programas d Qualificação d Quadros Docnts compt: I - grir açõs rlativas à capacitação do corpo docnt das instituiçõs públicas d nsino suprior da rd fdral d ducação tcnológica m nívl d pós-graduação stricto snsu; II - solicitar, ao stor comptnt da CAPES, obsrvada a disponibilidad orçamntária, o rpass dos rcursos financiros ncssários à xcução dos programas d fomnto; III - acompanhar avaliar o dsmpnho dos programas d fomnto vinculados à Coordnação; IV - laborar rlatórios rquisitados plos órgãos d control intrno d control xtrno praticar todos os dmais atos ncssários ao bom dsmpnho da Coordnação; V - mantr sistma d acompanhamnto dos rcursos dspndidos com os programas d fomnto d sua alçada; VI - laborar notas técnicas solicitadas pla Procuradoria Fdral; VII - laborar rlatórios grnciais para subsidiar a Dirtoria Excutiva para a tomada d dcisõs rfrnts aos programas aftos à Coordnação; VIII - laborar convênios ou outros instrumntos lgais ncssários à implmntação do financiamnto das açõs d fomnto; IX - laborar o Rlatório Anual das atividads dsnvolvidas pla Coordnação-Gral. Art. 50 À Coordnação-Gral d Programas Estratégicos compt: I - coordnar a implmntação d açõs d fomnto rlativas a projtos m áras stratégicas da política govrnamntal do dsnvolvimnto cintífico tcnológico do país; II - propor coordnar a implmntação d açõs d fomnto qu contribuam para a rdução das assimtrias rgionais xistnts no Sistma Nacional d Pós-Graduação; III - propor programas d fomnto qu vism à formação d rcursos humanos m novos tópicos d psquisa; IV - propor programas d indução qu tnham como objtivo o dsnvolvimnto d áras situadas na frontira do conhcimnto; V - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 5 À Coordnação d Programas d Indução Inovação compt: I - implmntar programas voltados para stimular a abordagm d novos tópicos d psquisa, mdiant açõs, mcanismos instrumntos d fomnto; II - implmntar açõs inovadoras m áras stratégicas, visando à ampliação da formação d rcursos humanos à produção d psquisa; III - fomntar atividads d dsnvolvimnto cintífico tcnológico rlacionadas às áras aos tmas voltados para a capacitação tcnológica para a inovação; IV - solicitar, ao stor comptnt da CAPES, obsrvada a disponibilidad orçamntária, o rpass dos rcursos financiros ncssários à xcução dos programas d fomnto; V - acompanhar avaliar o dsmpnho dos programas d fomnto vinculados à Coordnação; VI - laborar rlatórios rquisitados plos órgãos d control intrno d control xtrno praticar todos os dmais atos ncssários ao bom dsmpnho da Coordnação; VII - laborar notas técnicas solicitadas pla Procuradoria Fdral; VIII - laborar rlatórios grnciais para subsidiar a Dirtoria Excutiva para a tomada d dcisõs rfrnts aos programas aftos à Coordnação; IX - laborar convênios ou outros instrumntos lgais ncssários à implmntação do financiamnto das açõs d fomnto; X - laborar o Rlatório Anual das atividads dsnvolvidas pla Coordnação Art. 52 À Coordnação d Programas Espciais compt: I - stimular a constituição d rds d coopração acadêmica; II - promovr parcrias com órgãos ntidads, públicos privados, visando à formação d rcursos humanos d alto nívl m áras spcíficas do conhcimnto; III - contribuir, mdiant açõs spcíficas d fomnto, para a mlhoria da infra-strutura d psquisa nas instituiçõs d nsino suprior; IV - implmntar açõs qu vism à ampliação da formação d mstrs d doutors m áras stratégicas d Ciência Tcnologia; V - solicitar, ao stor comptnt da CAPES, obsrvada a disponibilidad orçamntária, o rpass dos rcursos financiros ncssários à xcução dos programas d fomnto; VI - acompanhar avaliar o dsmpnho dos programas d fomnto vinculados à Coordnação; VII - laborar rlatórios rquisitados plos órgãos d control intrno d control xtrno praticar todos os dmais atos ncssários ao bom dsmpnho da Coordnação; VIII - laborar notas técnicas solicitadas pla Procuradoria Fdral; IX - laborar rlatórios grnciais para subsidiar a Dirtoria Excutiva para a tomada d dcisõs rfrnts aos programas aftos à Coordnação; X - laborar convênios ou outros instrumntos lgais ncssários à implmntação do financiamnto das açõs d fomnto; XI - laborar o Rlatório Anual das atividads dsnvolvidas pla Coordnação Art. 53 À Divisão d Acompanhamnto d Programas compt: I - organizar os dados rlativos a mtas a rcursos financiros dstinados à consolidação da pós-graduação; II - mantr atualizados os sistmas statísticos das coordnaçõs vinculadas à Dirtoria d Programas Bolsas no País; III - mantr atualizado sistmas d informação rfrnts a programas bolsas no país; IV - acompanhar a xcução físico-financira dos programas dos projtos prtinnts à Dirtoria d Programas Bolsas no País; V - cadastrar mantr atualizado o banco d dados rlativos às instituiçõs d nsino d psquisa prtncnts ao Sistma Nacional d Pós-Graduação; VI - produzir rlatórios grnciais. Art. 54 À Coordnação-Gral do Portal d Priódicos compt: I - coordnar, suprvisionar o funcionamnto do Portal d Priódicos, propondo os atos normativos complmntars, manuais procdimntos técnicos prtinnts, bm como laborar a proposta orçamntária anual do programa; II - mantr os mcanismos d acsso às publicaçõs ltrônicas na Intrnt, disponibilizando a informação para consulta, utilizando rcursos tcnológicos avançados para facilitar incntivar o su uso; III - mantr programa prmannt d divulgação d promoção do uso dos srviços ofrcidos plo Programa, incluindo trinamnto d usuários, com a participação das instituiçõs associadas dos forncdors d publicaçõs ltrônicas; IV - mantr sistma d informação grncial d statística para o Programa; V - dsnvolvr mcanismos para a distribuição dos rcursos do programa d apoio à aquisição d priódicos dstinados à implmntação das políticas das instituiçõs fdrais d nsino suprior stablcidas para o stor; VI - propor rvisõs priódicas dos critérios d acsso ao Portal d Priódicos por part das instituiçõs usuárias; VII - mantr comitê d consultors do Portal d Priódicos; VIII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 55 À Divisão d Contratos compt: I - prparar as propostas d aquisição do dirito d uso d atribuiçõs das publicaçõs ltrônicas rcomndadas plo Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior. Art. 56 À Dirtoria d Avaliação compt: I - planjar, orintar coordnar o dsnvolvimnto do Sistma d Avaliação da Pós-Graduação, garantindo a transparência d suas bass concituais opracionais d sus rsultados; II - promovr coordnar os procssos d acompanhamnto d avaliação da pós-graduação nacional, no qu diz rspito às propostas d novos cursos d mstrado doutorado ao dsmpnho dos programas cursos qu intgram o Sistma Nacional d Pós- Graduação, tndo m vista a xcução da política dfinida plos órgãos supriors da CAPES rlativas ao dsnvolvimnto do rfrido Sistma; III - submtr à dlibração do Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior os parcrs xarados plas comissõs d áras quanto à qualidad das propostas d cursos novos d mstrado d doutorado à avaliação do dsmpnho dos programas cursos qu intgram o Sistma Nacional d Pós-Graduação; IV - propor, planjar promovr açõs voltadas para a mlhoria do dsmpnho a criação d cursos d pós-graduação, spcialmnt nas áras d conhcimnto, rgiõs microrrgiõs gográficas nívis d cursos considrados prioritários pla política da CA V - promovr a avaliação d atividads, programas /ou projtos sob sua alçada; VI - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; VII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads. Art. 57 À Coordnação-Gral d Avaliação Acompanhamnto compt: I - propor açõs voltadas para a rgulamntação o aprimoramnto dos procssos d acompanhamnto avaliação da pósgraduação; II - planjar, programar coordnar as açõs qu assgurm a transparência das bass concituais opracionais dos procssos d acompanhamnto d avaliação da pós-graduação; III - planjar coordnar a atuação das coordnaçõs d sua ára d comptência na promoção das atividads d acompanhamnto d avaliação da pós-graduação; IV - sistmatizar submtr à dlibração do Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior os procssos, parcrs outros assuntos, da comptência do rfrido colgiado, rlativos à avaliação d propostas d cursos novos do dsmpnho dos programas cursos d pós-graduação;

6 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 ISSN V - sistmatizar as informaçõs rfrnts aos rsultados da avaliação d propostas d cursos novos do dsmpnho d programas d pós-graduação, rfrnts ao conjunto das áras d avaliação, a srm ncaminhadas plo Prsidnt da CAPES ao Conslho Nacional d Educação para fundamntar as dlibraçõs dst sobr autorização, rconhcimnto rnovação d rconhcimnto d cursos d mstrado doutorado; VI - zlar pla obsrvância das normas rfrnts à avaliação da pós-graduação; VII - mantr o rgistro sistmático das informaçõs sobr o dsnvolvimnto os rsultados d suas açõs; VIII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 58 Ás Coordnaçõs d Acompanhamnto Avaliação I, II, III IV, no qu diz rspito às áras d avaliação corrspondnts a sus rspctivos campos d atuação, compt: I - prstar apoio técnico aos coordnadors, comissõs d ára consultors no dsnvolvimnto d atividads rfrnts à avaliação das propostas d cursos ao acompanhamnto avaliação dos programas d pós-graduação; II - mantr os coordnadors comissõs d ára informados sobr as normas orintaçõs rlativas à avaliação da pós-graduação; III - articular-s com os coordnadors d ára tndo m vista a laboração atualização, m conformidad com as normas vignts, dos documntos qu fundamntam os procssos d avaliação assgurar a dvida divulgação d tais documntos; IV - intragir com as instituiçõs d nsino rspctivos órgãos promotors d cursos d pós-graduação tndo m vista mantêlos informados sobr o andamnto os rsultados dos procssos d avaliação sobr dcisõs rlativas a plitos ou proposiçõs por ls aprsntados; V - providnciar a anális o rgistro dos parcrs dcisõs rfrnts a autorizaçõs d rformulaçõs d propostas d programas cursos d projtos spciais d formação d mstrs doutors; VI - procdr ao rgistro das informaçõs qu compõm o histórico dos programas cursos d pós-graduação no qu diz rspito às comunicaçõs, solicitaçõs dcisõs a ls concrnnts não abrangidas plos sistmas aplicativos adotados na avaliação da pós-graduação; VII - organizar, sistmatizar, arquivar, divulgar assgurar o fácil acsso às proposiçõs, studos outros documntos produzidos por consultors, comissõs grupos d trabalho qu tratm d assuntos rlativos à avaliação da pós-graduação m sua ára d comptência; VIII - organizar os procssos, documntos informaçõs aftos à sua ára d comptência a srm submtidos à aprciação ou dlibração plo Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior; IX - confrir organizar, no qu diz rspito às áras d sua comptência, as informaçõs rfrnts aos rsultados da avaliação d propostas d cursos novos do dsmpnho d programas d pósgraduação a srm ncaminhadas ao Conslho Nacional d Educação para fundamntar as dlibraçõs dst sobr autorização, rconhcimnto rnovação d rconhcimnto d cursos d mstrado doutorado; X - propor programar açõs voltadas para o ajustamnto dos sistmas d informaçõs aplicativos qu srvm d bas para o procssamnto da avaliação, tndo m vista sanar dificuldads constatadas m su procssamnto, bm como atndr às xigências dcorrnts da xpansão divrsificação da pós-graduação; XI - sistmatizar ordnar as informaçõs sobr sua atuação; XII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 59 À Coordnação-Gral d Atividads d Apoio à Pós- Graduação compt: I - propor açõs voltadas para o aprimoramnto dos procssos d acompanhamnto avaliação da pós-graduação; II - planjar coordnar a atuação dos órgãos d sua ára d comptência tndo m vista assgurar as condiçõs d acsso d utilização dos sistmas d informaçõs, aplicativos frramntas rfrnts aos procssos d avaliação da pós-graduação às dmais atividads da Dirtoria d Avaliação; III - planjar coordnar a atuação dos órgãos d sua ára d comptência tndo m vista a manutnção atualização do cadastro gral d consultors o grnciamnto das atividads dsts junto à CA IV - planjar coordnar a atuação dos órgãos d sua ára d comptência tndo m vista procdr às articulaçõs intrnas xtrnas para a ralização d consultas, dfinição d comissõs, promoção d runiõs, bm como assgurar o apoio logístico para todos os vntos iniciativas vinculados ao âmbito d comptência da Dirtoria d Avaliação; V - articular-s com a Dirtoria d Gstão, spcialmnt com a Coordnação Gral d Informática Coordnação-Gral d Rcursos Logísticos, tndo m vista assgurar-lhs as informaçõs com as spcificaçõs ncssárias para qu procdam ao planjamnto, dsnvolvimnto manutnção dos sistmas d informaçõs, aplicativos outras frramntas utilizados pla Dirtoria d Avaliação no cumprimnto d suas atribuiçõs; VI - planjar, programar promovr açõs qu assgurm a transparência dos sistmas d informaçõs dos rsultados dos procssos d acompanhamnto avaliação da pós-graduação; VII - planjar, implantar mantr atualizado o sistma d rgistro das atividads dsnvolvidas pla Dirtoria d Avaliação, facilitando o grnciamnto da atuação do órgão plo su Dirtor, a aprsntação d informaçõs consolidadas sobr tais atividads, conform o rqurido pla Dirtoria d Gstão, plo MEC outros órgãos govrnamntais d acompanhamnto control; VIII - zlar pla obsrvância das normas rfrnts à avaliação da pós-graduação; IX - mantr o rgistro sistmático das informaçõs sobr o dsnvolvimnto os rsultados d suas açõs; X - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 60 À Coordnação d Gstão da Informação compt: I - propor, planjar grnciar os sistmas d informaçõs utilizados na ralização da avaliação da pós-graduação; II - coordnar a colta, a sistmatização a produção das informaçõs qu fundamntam os procssos d avaliação da pósgraduação; III - propor, planjar dfinir as spcificaçõs dos sistmas d informaçõs, dos aplicativos d outras frramntas a srm disponibilizados pla Coordnação-Gral d Informática para a ralização dos procssos d avaliação da pós-graduação dmais atividads da Dirtoria d Avaliação, bm como tstar validar a adquação dsss sistmas, aplicativos frramntas; IV - propor, planjar promovr o trinamnto d usuários intrnos xtrnos para a utilização dos aplicativos d outras frramntas utilizados na colta d informaçõs, na avaliação da pósgraduação na gstão das atividads da Dirtoria d Avaliação; V - organizar sistmatizar dados informaçõs sobr os programas cursos d pós-graduação sobr os rsultados da avaliação dsts pla CA VI - propor, planjar, programar coordnar as açõs rfrnts à garantia d acsso aos documntos qu compõm o histórico dos programas cursos d pós-graduação no qu diz rspito às comunicaçõs, solicitaçõs dcisõs a ls concrnnts não abrangidas plos sistmas aplicativos adotados na avaliação da pósgraduação; VII - organizar, mantr assgurar o acsso à mmória dos arquivos ltrônicos rlativos à atuação dos difrnts órgãos da Dirtoria d Avaliação; VIII - sistmatizar ordnar as informaçõs sobr sua atuação; IX - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 6 À Divisão d Sistmatização d Informaçõs compt: I - padronizar as rlaçõs d vículos d divulgação cintífica rfrnts ao Sistma Qualis assgurar o apoio técnico ncssário para a dvida atualização das bass d informaçõs do rfrido sistma; II - sistmatizar as críticas sugstõs rfrnts aos aplicativos utilizados pla Dirtoria d Avaliação laborar os projtos d dsnvolvimnto ou d ajusts corrspondnts; III - tstar a adquação dos aplicativos utilizados pla Dirtoria d Avaliação nas difrnts tapas d su dsnvolvimnto, complmntação ou ajustamnto; IV - lvantar as ncssidads d ajusts dos cadrnos, planilhas sistmas d indicadors d dsmpnho d programas d pósgraduação utilizados na fundamntação dos procssos d avaliação laborar os planos d mlhoria dssas frramntas, com as concituaçõs spcificaçõs prtinnts; V - laborar as instruçõs, manuais documntos d divulgação concrnnts aos aplicativos utilizados pla Dirtoria d Avaliação; VI - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 62 À Coordnação d Apoio Excutivo à Avaliação compt: I - planjar, grnciar mantr atualizado o Cadastro d Consultors d forma a assgurar o atndimnto das ncssidads da CAPES d idntificação dos spcialistas mais indicados para as atividads d consultoria nas difrnts áras spcialidads; II - grnciar as açõs prvistas para a concssão dos Prêmios CAPES d Tss; III - coordnar, no âmbito d comptência da Dirtoria d Avaliação, os procssos d articulação intrna xtrna rlativos à ralização d consultas a socidads cintíficas, instituiçõs d nsino programas; dfinição d mmbros d comissõs grupos d trabalho; programação, agndamnto missão d convits para runiõs iniciativas similars; IV - assgurar o apoio opracional logístico para todos os vntos rlativos aos procssos d avaliação da pós-graduação, para as runiõs dos coordnadors d ára d avaliação a outras iniciativas da Dirtoria d Avaliação, inclusiv no qu diz rspito à missão d passagns pagamnto d diárias; V - auxiliar no control do fluxo d procssos da Dirtoria d Avaliação submtidos à anális d coordnadors d ára, comissõs consultors individuais, à distância ou mdiant runiõs prsnciais; VI - planjar, grnciar mantr atualizado o sistma d rgistro control das atividads d coordnadors d ára outros consultors junto à Dirtoria d Avaliação grar as statísticas rlatórios prtinnts a tais atividads; VII - procdr ao pagamnto dos auxílios prvistos para os coordnadors d ára outros consultors rsponsávis plo dsnvolvimnto d atividads avaliação da pós-graduação junto à Dirtoria d Avaliação xrcr o control dsss pagamntos; VIII - sistmatizar ordnar as informaçõs sobr sua atuação; IX - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados <!ID5754-3> Art. 63 À Divisão d Apoio à Avaliação compt: I - xcutar as atividads d manutnção atualização do Cadastro d Consultors II - mantr atualizado grnciar o sistma d rgistro control das atividads d consultors cintíficos rfrnts aos procssos d avaliação da pós-graduação; III - procdr ao control à xcução das providências d pagamntos das atividads d consultors junto à Dirtoria d Avaliação; IV - mantr atualizado grnciar o sistma d rgistro control das atividads dsnvolvidas pla Dirtoria d Avaliação; V - sistmatizar as informaçõs rlativas à atuação da Dirtoria d Avaliação tndo m vista à ftivação dos rgistros concrnnts ao SIMEC a outros sistmas govrnamntais d planjamnto, acompanhamnto control; VI - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 64 À Coordnação d Indução Política d Avaliação compt: I - propor, planjar ralizar studos sobr a situação as prspctivas da pós-graduação nas difrnts áras subáras do conhcimnto nas rgiõs microrrgiõs do País tndo m vista: a) subsidiar a dfinição da política d dsnvolvimnto da pós-graduação a indução do dsnvolvimnto d programas cursos m áras subáras do conhcimnto considradas stratégicas ou prioritárias para o dsnvolvimnto do País m rgiõs ou microrrgiõs mrgnts; b) planjar coordnar açõs qu tornm mais ftiva a intração ntr a Dirtoria d Avaliação os programas cursos d áras subáras do conhcimnto considradas stratégicas ou prioritárias pla CAPES d rgiõs ou microrrgiõs mrgnts; II - propor, planjar ralizar studos sobr inovaçõs rlativas aos métodos, critérios, parâmtros, procdimntos, mcanismos frramntas adotados na avaliação, sm prjuízo das atribuiçõs das duas Coordnaçõs-Grais da Dirtoria d Avaliação suas rspctivas coordnaçõs; III - promovr a discussão das inovaçõs componnts do sistma d avaliação m fas d implantação ou xprimntal, introduzidos no âmbito das duas Coordnaçõs-Grais da Dirtoria d Avaliação, sm prjuízo das suas açõs; IV - sistmatizar ordnar as informaçõs sobr sua atuação; V - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 65 À Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais compt: I - assssorar o Prsidnt da CAPES m assuntos intrnacionais no campo da ducação, ciência tcnologia; II - orintar, promovr coordnar os procssos d planjamnto, formulação, xcução, a avaliação d políticas d programas bilatrais multilatrais nos programas intrnacionais da CA- III - propor coordnar os programas projtos rlacionados à coopração intrnacional d ngociação d atos intrnacionais com organismos, ntidads govrnos strangiros; IV - implmntar, m coordnação com os dmais órgãos ntidads do Ministério, as dirtrizs da política xtrna brasilira na ára da ducação; V - planjar, orintar, promovr coordnar açõs, programas, projtos atividads intrnacionais no campo da ducação, ciência tcnologia, m sintonia com o Ministério das Rlaçõs Extriors; VI - laborar stratégias apoiar açõs para consolidar o intrcâmbio acadêmico no cnário intrnacional; VII - planjar, orintar, coordnar promovr a participação da CAPES m vntos d divulgação da ducação, ciência tcnologia no Brasil no xtrior; VIII - ordnar as dspsas rlativas à gstão orçamntária das açõs aftas às comptências da unidad qu dirig, firmar convênios, contratos, acordos a ajusts spcíficos, rlativos às atividads da Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais; IX - rgulamntar autorizar opraçõs financiras movimntação d rcursos, nos trmos da lgislação m vigor; X - submtr ao xam pronunciamnto da Procuradoria Fdral matérias rlativas à sua ára d comptência qu xijam intrprtação lgal; XI - promovr a avaliação dos programas /ou projtos sob sua alçada; XII - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; XIII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads.

7 20 ISSN Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 Art. 66 À Coordnação-Gral d Programas d Coopração Intrnacional compt: I - planjar, coordnar, acompanhar avaliar, junto à Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais, todas as atividads d coopração intrnacional d carátr ducacional, cintífico tcnológico, no âmbito das açõs dos programas d fomnto mobilidad da CA- II - coordnar as atividads d dsnvolvimnto ducacional, cintífico tcnológico, rlacionadas a todas as áras do conhcimnto, por intrmédio do fomnto à capacitação mobilidad d rcursos humanos; III - propor suprvisionar a implmntação d políticas acordos rlacionados com a coopração intrnacional nas áras ducacional, cintífica tcnológica, no âmbito da atuação IV - grir os programas as iniciativas spcíficos dcorrnts das políticas grais acordos firmados pla CAPES por mio d missõs d docnts, psquisadors discnts, /ou concssõs d bolsas auxílios financiros prviamnt rcomndados; V - apoiar a xcução prmannt d psquisa ducacional, cintífica tcnológica, mdiant açõs, mcanismos instrumntos d fomnto mobilidad; VI - promovr, quando ncssário, missõs d prospcção nvolvndo autoridads, spcialistas nacionais strangiros; VII - promovr participar, m articulação com os Ministérios da Ciência Tcnologia, das Rlaçõs Extriors outros órgãos da administração dirta indirta, das ngociaçõs d acordos, convênios, intrcâmbios intrnacionais d coopração ducacional, cintífica tcnológica; VIII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 67 À Coordnação d. Programas d Coopração Sul- Sul compt: I - grir os programas iniciativas spcíficos dcorrnts das políticas grais acordos firmados pla Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais, no âmbito dos paíss m dsnvolvimnto; II - apoiar a xcução d missõs d docnts, psquisadors discnts, /ou concssõs d bolsas auxílios financiros prviamnt rcomndados; III - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 68 À Coordnação d. Programas d Coopração Sul- Nort compt: I - grir os programas iniciativas spcíficos dcorrnts das políticas grais acordos firmados pla Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais, no âmbito dos paíss dsnvolvidos; II - apoiar a xcução d missõs d docnts, psquisadors discnts, /ou concssõs d bolsas auxílios financiros prviamnt rcomndados; III - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 69 À Coordnação d Projtos Espciais compt I - grir os programas iniciativas spcíficos dcorrnts das políticas grais acordos firmados pla Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais, para atndr dmandas spciais; II - apoiar a xcução d missõs d docnts, psquisadors discnts, /ou concssõs d bolsas auxílios financiros prviamnt rcomndados; III - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 70 À Coordnação-Gral d Bolsas no Extrior compt: I - propor implmntar as políticas dirtrizs orintadas à concssão d bolsas no xtrior; II - propor implmntar as políticas dirtrizs orintadas à concssão d auxílios para participação d vntos no xtrior; III - acompanhar a xcução das açõs das unidads organizacionais sob sua alçada; IV - coordnar a avaliação das açõs xcutadas, considrando os fins prcípuos da concssão d bolsas d studos d auxílios no xtrior; V - subsidiar as dcisõs da Dirtoria d Rlaçõs Intrnacionais com bas nos rsultados alcançados; VI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 7 À Coordnação d Candidaturas a Bolsas Auxílio no Extrior compt: I - rcbr as candidaturas aprsntadas, d acordo com o dital próprio d cada modalidad d bolsa ou auxílio no xtrior; II - promovr a slção das candidaturas, sgundo critérios d qualidad acadêmico-cintífica propostos pla Dirtoria Excutiva; III - divulgar os rsultados da slção; IV - prstar os sclarcimntos qu s fizrm ncssários sobr o procsso d slção ralizado; V - formalizar a concssão da bolsa ou auxílio aos candidatos aprovados; VI - ncaminhar à Coordnação d Acompanhamnto d Bolsistas no Extrior a documntação ncssária para a implmntação dos bnfícios; VII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 72 À Coordnação d Acompanhamnto d Bolsistas no Extrior compt: I - procdr ao acompanhamnto dos bolsistas no xtrior, tndo m vista os objtivos rlacionados ao programa d formação, trinamnto ou atualização para o qual as propostas foram aprovadas; II - ftuar garantir aos bolsistas o rpass d bnfícios concdidos pla CAPES, contribuindo para sua adaptação o dsnvolvimnto das atividads no xtrior; III - prstar os sclarcimntos ncssários aos bolsistas sobr o acompanhamnto técnico da CAPES, rlacionados à bolsa concdida; IV - mantr atualizadas as informaçõs corrspondnts aos bolsistas no xtrior até o ncrramnto das atividads a missão do bilht d passagm d rtorno ao Brasil; V - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 73 À Divisão d Acompanhamnto d Egrssos compt: I - garantir a prstação d contas a sr ralizada por xbolsistas ou bnficiários d auxílio no xtrior, conform rqurido plo trmo d compromisso firmado; II - ncrrar os procssos após a prstação d contas cumprimnto d todas as xigências por part dos x-bolsistas ou bnficiários d auxílios no xtrior; III - acompanhar os grssos do xtrior após a conclusão d su curso/atividad su rtorno ao Brasil; IV - idntificar situaçõs atípicas ou d inadimplência quanto à prstação d contas, instruindo ncaminhando o procsso às instâncias supriors à Auditoria, quando coubr; V - avaliar aprsntar os rsultados obtidos com o programa d bolsas no xtrior; VI - propor altraçõs nas açõs procdimntos do programa d bolsas no xtrior, com bas nos rsultados alcançados; VII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 74 À Dirtoria d Educação Básica Prsncial compt: I - fomntar a articulação o rgim d colaboração ntr os sistmas d nsino da ducação básica d ducação suprior, inclusiv da pós-graduação, para a implmntação da política nacional d formação d profssors; II - subsidiar a formulação d políticas d formação inicial continuada d profissionais do magistério da ducação básica; III - apoiar a formação d profssors do magistério da ducação básica, mdiant concssão d bolsas auxílios para o dsnvolvimnto d contúdos curriculars d matrial didático; IV - apoiar a formação d profssors mdiant programas d stímulo para ingrsso na carrira do magistério da ducação básica; V - promovr a avaliação dos programas /ou projtos sob sua alçada; VI - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 75 À Coordnação-Gral d Dsnvolvimnto d Contúdo Curricular d Modlos Exprimntais compt: I - acompanhar a adrência dos Projtos Pdagógicos dos Cursos d Licnciatura às Dirtrizs Curriculars Nacionais para a formação d profssors às Dirtrizs Curriculars das áras spcíficas; II - dsnvolvr studos sobr a articulação dos projtos pdagógicos dos cursos d licnciatura às Dirtrizs Nacionais da ducação básica; III - apoiar o CTC-EB no acompanhamnto da avaliação dos cursos d pdagogia, licnciatura normal suprior nos procssos d avaliação conduzidos plo INEP; IV - acompanhar a avaliação in loco dos cursos d licnciatura ralizados plo Sistma Nacional d Avaliação da Educação Suprior (Sinas) o dsmpnho dos licnciandos no Exam Nacional d Dsmpnho dos Estudants (Enad), visando idntificar as principais carências d apropriação d conhcimntos das áras spcíficas do campo pdagógico propor açõs d nfrntamnto supração; V - propor açõs d fomnto voltadas à valorização do spaço pdagógico dos instrumntos d trabalho d uso d novas tcnologias para o nsino nas licnciaturas; VI - promovr studos sobr o prfil dos licnciandos grssos dos cursos d licnciatura para mlhor ntndr as ncssidads do corpo discnt propor açõs voltadas para sua mlhoria; VII - idntificar iniciativas didático-pdagógicas inovadoras xitosas stimular sua xpansão consolidação; VIII - viabilizar acompanhar, m parcria com os Programas d Pós-Graduação, a xcução d Projtos d Psquisa Dsnvolvimnto voltados à mlhoria da formação d profssors, inicial continuada; IX - acompanhar xpriências nacionais intrnacionais rconhcidamnt xitosas na ducação básica, m particular, no nsino d Língua Portugusa, Ciências Matmática; X - incntivar apoiar a criação d grupos d studo psquisa colaborativos visando à laboração dissminação d matriais didáticos para a ducação básica; XI - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; XII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads; XIII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 76 À Coordnação d Fomnto compt: I - rcbr as candidaturas aprsntadas, d acordo com dital próprio d cada modalidad d Projto d bolsa ou Auxílio para Educação Básica; II - apoiar projtos inovadors d formação d profssors qu nfatizm procssos d aprndizagm formativos; III - promovr a slção das candidaturas, sgundo critérios d qualidad acadêmica; IV - divulgar os rsultados da slção; V - prstar os sclarcimntos qu s fizrm ncssários sobr o procsso d slção ralizado; VI - formalizar a concssão da bolsa ou auxílio aos candidatos aprovados; VII - garantir a prstação d contas a sr ralizada por xbolsistas ou bnficiários d auxílio, conform rqurido plo trmo d compromisso firmado; VIII - ncrrar os procssos após a prstação d contas cumprimnto d todas as xigências por part dos x-bolsistas ou bnficiários; IX - idntificar situaçõs atípicas ou d inadimplência quanto à prstação d contas, instruindo ncaminhando o procsso às instâncias supriors à Auditoria, quando coubr; X - avaliar aprsntar os rsultados obtidos com o programa d bolsas da Educação Básica; XI - propor altraçõs nas açõs procdimntos dos programas d bolsas da Dirtoria da Educação básica, com bas nos rsultados alcançados; XII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias supriors; XIII - auxiliar a coordnação gral m todas as atividads qu lh são prtinnts. Art. 77 À Coordnação-Gral d Programas d Apoio à Formação Capacitação Docnt da Educação Básica compt: I - propor, stimular acompanhar a construção d um Programa Nacional d Formação d Profssors da Educação Básica qu valoriz as múltiplas dimnsõs do trabalho docnt, a carrira a jornada única, a idntidad profissional a lvação das condiçõs d vida trabalho; II - laborar subsídios para a política nacional d profissionalização dos profssors da ducação básica, articulando formação inicial, formação continuada carrira docnt, graduação pósgraduação, instituiçõs formadoras sistmas d nsino; III - propor açõs, articuladas aos sistmas d nsino, d stímulo aos jovns para o ingrsso nos cursos d licnciatura na carrira do magistério da ducação básica; IV - idntificar as ncssidads formativas dos profssors da ducação básica, m cada unidad da fdração; V - propor açõs voltadas à organização parcria ntr scolas m torno d objtivos comuns, visando o fomnto a práticas pdagógicas xitosas, o aprimoramnto do trabalho docnt a lvação da qualidad da ducação básica; VI - propor açõs d fomnto para a concssão d bolsas auxílios aos profssors d ducação básica, para o dsnvolvimnto d contúdos curriculars d matrial didático; VII - propor programas institucionais d Iniciação à docência nos cursos d licnciaturas das Instituiçõs d Ensino Suprior; VIII - incntivar a intrlocução com o Profssor d Licnciatura, com o objtivo d promovr o intrcâmbio d xpriências xitosas stablcr mtas qualitativas quantitativas a srm alcançadas stratégias para alcançá-las; IX - incntivar fomntar a criação d novas formas d organização institucional multidisciplinars, dos cursos d licnciaturas das Instituiçõs d Ensino Suprior; X - propor programas d formação dos formadors, ampliando o papl da Pós-Graduação na formação dos profssors para as licnciaturas apoiando as iniciativas institucionais m dsnvolvimnto; XI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 78 À Coordnação d Apoio à Formação Capacitação d Profssors compt: I - assssorar na anális triagm da documntação d procssos rlativos a auxílios bolsas para a ducação básica; II - fomntar modlos inovadors d formação prsncial d profssosrs nas áras d Matmática Ciências, privilgiando a intgração com outros nívis d nsino, mdiant a participação d instituiçõs d nsino suprior; III - suprvisionar orintar na laboração d projtos básicos trmos d rfrências; IV - auxiliar na laboração d ditais d chamada pública na rdação d dspachos notas técnicas; V - procdr a laboração d dspachos, parcrs técnicos, notas técnicas, análiss d propostas, atas, rlatórios, convênios, instrumntos congênrs; VI - intragir com as áras rsponsávis pla programação orçamntária auxiliar na laboração/rvisão do PPA, no âmbito das açõs d comptência da Dirtoria d Educação Básica-Prsncial; VII - acompanhar os procssos d aquisição d bns contratação d srviços d intrss da DEB; VIII - cadastrar, monitorar mantr atualizadas as açõs da Dirtoria d Educação Básica Prsncial no Sistma Intgrado d Planjamnto, Orçamnto Finanças (SIMEC); IX - opracionalizar a xcução dos projtos d coopração intrnacional da Dirtoria;

8 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 ISSN X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias supriors; XI - auxiliar a coordnação gral m todas as atividads qu lh são prtinnts. Art. 79 À Dirtoria d Educação à Distância compt: I - articular, fomntar avaliar as instituiçõs públicas d nsino suprior pólos municipais staduais d apoio prsncial, visando a ofrta d qualidad d cursos supriors na modalidad à distância, spcialmnt no âmbito da Univrsidad Abrta do Brasil - UAB; II - subsidiar a formulação d políticas d formação inicial continuada d profssors, potncializando o uso da mtodologia da ducação à distância; III - apoiar a formação inicial continuada d profissionais da ducação básica d gstors na ára d administração pública, mdiant concssão d bolsas auxílios para docnts tutors nas instituiçõs públicas d nsino suprior tutors prsnciais coordnadors nos pólos d apoio prsncial, spcialmnt no âmbito da UAB; IV - planjar, fomntar avaliar a ofrta d cursos supriors na modalidad a distância plas instituiçõs públicas a infra-strutura física d pssoal dos pólos d apoio prsncial, m apoio à formação d gstors na ára da administração pública; V - promovr a avaliação dos programas /ou projtos sob sua alçada; VI - coordnar a laboração d rlatórios grnciais d atividads das unidads organizacionais sob sua alçada; VII - ordnar dspsas rfrnts às açõs orçamntárias no âmbito d suas atividads. Art. 80 À Coordnação-Gral d Infra-Estrutura d Pólos Núclos compt: I - dfinir stratégias instrumntos d acompanhamnto avaliação das atividads dsnvolvidas nos pólos d apoio prsncial vinculados ao Sistma Univrsidad Abrta do Brasil (UAB); II - dfinir as dirtrizs instrumntos rlativos à implmntação, fomnto, suprvisão avaliação da infra-strutura física dos pólos d apoio prsncial, incluindo os laboratórios pdagógicos o acrvo das bibliotcas, m parcria com os coordnadors d pólos das Instituiçõs d Ensino Suprior; III - acompanhar suprvisionar a implantação dos órgãos d rgulação criados para sistmatizar as atividads pdagógicas no pólo; IV - mantr intrlocução com rprsntants d órgãos instituiçõs dos govrnos staduais municipais, dos podrs lgislativo judiciário m assuntos rlativos ao Sistma UAB sob a orintação da Dirtoria d Ensino a Distância; V - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 8 À Coordnação d Infra-strutura d Pólos compt: I - assistir à Coordnação-Gral d Infra-Estrutura d Pólos, apoiando todas as açõs inrnts aos sus objtivos; II - assumir, na ausência d su titular, a condução das atividads da Coordnação-Gral d Infra-Estrutura d Pólos, prsrvando os objtivos da coordnação; III - mantr os Coordnadors-Grais informados acrca do andamnto d todas as atividads da Coordnação d Infra-Estrutura d Pólos. IV - articular-s com os dmais Coordnadors tndo m vista o bom andamnto das atividads rfrnts ao Sistma UAB; V - planjar, m conjunto com a Coordnação Gral, as atividads intrnas dos componnts da quip; VI - implmntar políticas d gstão d procssos intrnos, rfrnts as atividads da Coordnação; VII - organizar sistmatizar as informaçõs rfrnts à Coordnação Gral d Infra-Estrutura d Pólos tanto no âmbito intrno quanto xtrno; VIII - disponibilizar informaçõs à Dirção Gral da UAB à Coordnação Gral d Infra-Estrutura d Pólos sobr procdimntos açõs prtinnts à coordnação; IX - coordnar o procsso d acompanhamnto avaliação das atividads dsnvolvidas nos Pólos d Apoio Prsncial vinculados ao Sistma Univrsidad Abrta do Brasil - UAB; X - monitorar os dados rlativos à atualização das informaçõs prtinnts aos pólos; XI - disponibilizar aos Coordnadors dos Pólos d Apoio Prsncial instrumntos intrativos para mantr atualizados os dados cadastrais dssas unidads; XII - coordnar o procsso d avaliação priódica, in loco, dos Pólos d Apoio Prsncial; XIII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 82 Á Coordnação-Gral d Articulação Acadêmica compt: I - promovr as articulaçõs ntr as instituiçõs públicas d nsino suprior pólos municipais d apoio prsncial, visando à ofrta d qualidad d cursos d licnciatura na modalidad a distância; II - fomntar subsidiar a formulação d políticas d formação inicial continuada d profssors, potncializando o uso da modalidad à distância, spcialmnt no âmbito da UAB; III - colaborar para a formação inicial continuada d profissionais da ducação mdiant a suprvisão avaliação prmannt do procsso d dsnvolvimnto dos cursos supriors à distância; IV - articular, junto às Instituiçõs d Ensino Suprior, intgrants do Sistma UAB, a implantação implmntação d Núclos d Educação a Distância; V - laborar dirtrizs d implmntação, fomnto, suprvisão avaliação da Infra-strutura Física dos Núclos d Educação à distância Salas d Coordnação Tutoria nas Instituiçõs d Ensino Suprior participants da UAB; VI - promovr a comunicação institucional, com ênfas na transparência consolidação dos procssos d implmntação d pólos cursos no âmbito do sistma UAB; VII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 83 À Coordnação d Articulação Acadêmica compt: I - assistir à Coordnação-Gral d Articulação Acadêmica, apoiando todas as açõs inrnts aos sus objtivos; II - assumir, na ausência d su titular, a condução das atividads da Coordnação Gral d Articulação Acadêmica, prsrvando os objtivos da coordnação; III - mantr os Coordnadors-Grais informados acrca do andamnto d todas as atividads da Coordnação d Articulação Acadêmica; IV - articular-s com os dmais Coordnadors tndo m vista o bom andamnto das atividads rfrnts ao Sistma UAB; V- planjar, m conjunto com a Coordnação-Gral, as atividads intrnas dos componnts da quip; VI - implmntar políticas d gstão d procssos intrnos, rfrnts as atividads da Coordnação com o objtivo d mlhorar a qualidad dos srviços prstados; VII - organizar sistmatizar as informaçõs rfrnts à Coordnação Gral d Articulação Acadêmica tanto no âmbito intrno quanto xtrno; VIII - monitorar os dados rlativos à atualização das informaçõs prtinnts às Instituiçõs d Ensino Suprior aos rspctivos cursos do Sistma UAB; IX - disponibilizar informaçõs à Dirção Gral da UAB à Coordnação Gral d Articulação Acadêmica sobr procdimntos açõs prtinnts a coordnação; X - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 84 À Coordnação-Gral d Suprvisão Fomnto compt: I - dfinir as dirtrizs os parâmtros d financiamnto para a implmntação dos projtos acadêmicos junto ao Sistma UAB; II - dfinir normas instrumntos d acompanhamnto avaliação das atividads rlativas à xcução financira das coordnaçõs do Sistma UAB, nas Instituiçõs d Ensino Suprior; III - dfinir as normas os procdimntos rlativos ao procsso d outorga d concssão d bolsas m consonância com a lgislação vignt na CA IV - struturar mantr atualizado o sistma d outorga, concssão, cadastramnto pagamnto d bolsas; V - assssorar os coordnadors do Sistma UAB, das Instituiçõs d Ensino Suprior, m assuntos rlativos ao financiamnto dos projtos acadêmicos autorizados, a implmntação gstão do pagamnto d bolsas, aquisição d livros para o acrvo da bibliotca; VI - assssorar o Dirtor d Educação a Distância nos assuntos rlativos ao financiamnto d projtos, a outorga, concssão pagamnto d bolsas prtinnts ao Sistma UAB; VII - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 85 À Coordnação d Suprvisão Fomnto compt: I - assistir à Coordnação Gral d Suprvisão Fomnto, apoiando todas as açõs inrnts aos sus objtivos; II - assumir, na ausência d su titular, a condução das atividads da Coordnação Gral d Suprvisão Fomnto, prsrvando os objtivos da coordnação; III - mantr os Coordnadors Grais informados acrca do andamnto d todas as atividads da Coordnação d Suprvisão Fomnto; IV - articular-s com os dmais Coordnadors tndo m vista o bom andamnto das atividads rfrnts ao Sistma UAB; V - planjar, m conjunto com a Coordnação Gral, as atividads intrnas dos componnts da quip; VI - implmntar políticas d gstão d procssos intrnos, rfrnts as atividads da Coordnação com o objtivo d mlhorar a qualidad dos srviços prstados; VII - organizar sistmatizar as informaçõs rfrnts a Coordnação Gral d Suprvisão Fomnto tanto no âmbito intrno quanto xtrno; VIII - disponibilizar informaçõs à Dirção Gral da UAB à Coordnação Gral d Suprvisão Fomnto sobr procdimntos açõs prtinnts à coordnação; IX - acompanhar o financiamnto para a implmntação dos projtos acadêmicos junto ao Sistma UAB; X - acompanhar avaliar as atividads rlativas à xcução financira dos rcursos alocados às Coordnaçõs do Sistma UAB nas Instituiçõs d Ensino Suprior; XI - struturar mantr atualizado o sistma d outorga, concssão, cadastramnto pagamnto d bolsas; XII - assssorar os coordnadors do Sistma UAB, das Instituiçõs d Ensino Suprior, m assuntos rlativos ao financiamnto dos projtos acadêmicos autorizados, a implmntação gstão do pagamnto d bolsas, aquisição d livros para o acrvo da bibliotca outros procssos prtinnts; XIII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados Art. 86 À Coordnação-Gral d Política d Tcnologia d Informação compt: I - articular a indução a avaliação d políticas para a criação d sistmas d tcnologias da informação das Instituiçõs d Ensino Suprior no âmbito do Sistma UAB; II - dfinir concitos, dirtrizs normas voltadas a implmntação d soluçõs d tcnologias da informação como apoio aos procssos d gstão acadêmica opracional rlativas às IES aos pólos d apoio prsncial vinculados ao Sistma UAB; III - laborar dirtrizs normas para soluçõs d TI, m apoio à gstão acadêmica opracional dos cursos dos pólos; IV - criar ambint informatizado para a comunicação com os coordnadors das Instituiçõs d Ensino Suprior com os coordnadors dos pólos d apoio prsncial intgrants do Sistma UAB; V - criar sistma informatizado d grnciamnto qu intgr os procssos d grnciamnto intrno da UAB; VI - laborar, com as unidads organizacionais sob sua alçada, rlatórios grnciais d atividads solicitados plas instâncias Art. 87 À Coordnação d Política d Tcnologia d Informação compt: I - assistir a Coordnação Gral d Políticas d Tcnologia d Informação, apoiando todas as açõs inrnts aos sus objtivos; II - assumir, na ausência d su titular, a condução das atividads da Coordnação Gral d Políticas d Tcnologia d Informação, prsrvando os objtivos da coordnação; III - mantr os Coordnadors Grais informados acrca do andamnto d todas as atividads da Coordnação d Políticas d Tcnologia d Informação; IV - articular-s com os dmais Coordnadors tndo m vista o bom andamnto das atividads rfrnts ao Sistma UAB; V - coordnar, acompanhar controlar as atividads d dsnvolvimnto d sistmas ligado à Coordnação d Políticas d Tcnologia d Informação; VI - coordnar, acompanhar controlar as atividads d coltas disponibilização d dados do Sistma UAB; VII - orintar as coordnaçõs grais quanto à aplicação das políticas d informação, normas instruçõs gradas pla CGPI, bm como o cumprimnto das msmas; VIII - laborar rlatórios grnciais d atividads solicitados CAPÍTULO IV ATRIBUIÇÕES DOS DIRIGENTES Sção I Do Prsidnt Art. 88. Ao Prsidnt incumb: I - prsidir as runiõs dos órgãos colgiados, nos trmos do statuto vignt. II - submtr ao Conslho Suprior da CAPES: a) a proposta rlativa às prioridads linhas grais d atuação b) a programação anual proposta orçamntária da CA- c) propostas d altração do Estatuto do Rgimnto Intrno d) o rlatório anual das atividads da CAPES a rspctiva xcução orçamntária; ) a proposta do Plano Nacional d Pós-Graduação. III - aprovar os atos prtinnts ao funcionamnto da CA- PES, incluindo o dtalhamnto d sua strutura organizacional; IV - promovr a xcução das mdidas manadas dos órgãos colgiados; V - firmar convênios, contratos, acordos ajusts com órgãos da Administração Pública Fdral dirta indirta, fundaçõs ntidads nacionais, strangiras ou intrnacionais, obsrvada a lgislação spcífica; VI - stablcr quotas, concdr auxílios bolsas d studos fixando os sus rspctivos valors, d acordo com a lgislação prtinnt; VII - rgulamntar autorizar opraçõs financiras a movimntação d rcursos, nos trmos da lgislação m vigor m conformidad com st Rgimnto; VIII - rprsntar a CAPES, m juízo ou fora dl, podndo constituir mandatário para ss fim; IX - dsignar os dirignts das unidads técnicas administrativas dfinidas nst Rgimnto m outros atos prtinnts; X - dsignar os coordnadors d ára d avaliação sus rprsntants no Conslho Técnico-Cintífico da Educação Suprior, conform 2º do art. 3º art. 9º do Estatuto da CAPES. XI - dsignar os mmbros do Conslho Técnico-Cintífico da Educação Básica d qu trata o inciso IV do art. 0 do Estatuto da CA

9 <!ID5755-0> 22 ISSN Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 XII - autorizar a contratação d consultors organizar comissõs técnicas para a ralização d studos laboração d parcrs, d acordo com as ncssidads spcíficas da CAPES, m consonância com a lgislação m vigor; XIII - dfinir atribuiçõs mdiant dlgação d comptência; XIV - dlgar suas atribuiçõs ou o dsmpnho d funçõs spciais aos Dirtors, individual ou coltivamnt; XV - xrcr as dmais atribuiçõs qu lh form confridas plo Estatuto, por st Rgimnto ou por lgislação prtinnt. Sção II Dos Dmais Dirignts Art. 89 Aos Dirtors, ao Chf d Gabint, ao Procurador- Chf, ao Auditor-Chf, aos Coordnadors-Grais, aos Coordnadors, aos Chfs d Divisão aos Chfs d Sção incumb promovr a implmntação das políticas, dirtrizs açõs das rspctivas unidads, spcificamnt: I - mitir parcr laborar instrumntos normativos rlacionados a sua ára d atuação; II - laborar submtr ao chf imdiato rlatórios das atividads xcutadas rsultados alcançados pla rspctiva unidad; III - forncr subsídios informaçõs ncssárias ao atndimnto d auditorias intrnas xtrnas, Ministério Público, Justiça Fdral Polícia Fdral; IV - acompanhar as rcomndaçõs dos órgãos d control acórdãos do Tribunal d Contas da União ncaminhar providências para o cumprimnto tmpstivo das rcomndaçõs dtrminaçõs dl rcorrnts; V - sistmatizar cumprir, quando for o caso, rcomndaçõs contidas m rlatórios d auditoria; VI - subsidiar a laboração da proposta orçamntária, acompanhando a sua xcução propondo ajusts no orçamnto; VII - promovr a adquada distribuição dos trabalhos ntr os srvidors m xrcício na sua unidad m função dos rsultados a srm alcançados; VIII - praticar atos d administração ncssários à xcução d suas atividads; IX - xrcr outras atribuiçõs qu lh form comtidas plo Prsidnt da CAPES. CAPÍTULO V DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 90 Os casos omissos as dúvidas surgidas na aplicação do prsnt Rgimnto Intrno srão solucionados pla Dirtoria- Excutiva da CAPES. Art. 9 O prsnt Rgimnto Intrno vigora a partir d sua publicação no Diário Oficial da União, rvogadas as disposiçõs m contrário. 60, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 222, d 23 d julho d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 24 d julho d 2007, rsolv: Art. o Ficam altrados, na forma do Anxo a sta Portaria, no qu diz rspito às instituiçõs d nsino qu nl s mncionam, os númros d provimnto d vagas fixados na Portaria MEC n o 73, d 24 d julho d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 25 d julho d 2007, já modificada plas Portarias MEC n 0 34, d 0 d janiro d 2008, n 0 88, d 7 d janiro d 2008 n 0 483, d 8 d abril DE 2008 Art. 2 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Portaria MEC n 0 73, d 24 d julho d 2007, modificada plas Portarias MEC n 0 34/2008, n 0 88/2008 n 0 483/2008. Anxo I 62, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais considrando o disposto no art. o da Portaria MP n o 450, d 27 d dzmbro d 2007, publicada no Diário Oficial da União do dia subsqünt, rsolv: Art. o Fica autorizado o Cntro Fdral d Educação Tcnológica da Bahia, d conformidad com o Anxo à prsnt Portaria, a ralizar concurso público provimnto d três cargos d Docnts d Magistério Suprior autorizados pla Portaria MP n o 450, d 27 d dzmbro d Art. 2 o Os provimntos autorizados dstinam-s a implantação do Curso d Engnharia Elétrica, na Unidad d Vitória da Conquista. Art. 3 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Código da Instituição Instituição d nsino Dstinação do provimnto Autorizaçõs Código da Instituição d nsino Dstinação do Autorizaçõs Novo númro instituição p ro v i m n t o d provimnto Fundação Univrsidad Fdral do Acr Sd Cntro Fdral d Educação Tcnológica da Bahia Campus d Vitória da Conquista 3 Anxo III Código da Instituição d nsino Dstinação do Autorizaçõs Novo númro instituição p ro v i m n t o d provimnto Fundação Univrsidad Fdral d Plotas Campi qu intgrarão a futura U N I PA M PA , DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450, d 27 d dzmbro d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 28 d dzmbro d 2007, rsolv: Art. o Ficam altrados, na forma do Anxo a prsnt Portaria, o Anxo à Portaria MEC n o.265, d 27 d dzmbro d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 28 d dzmbro d 2007, o quantitativo a dstinação do provimnto d vagas fixados para as instituiçõs mncionadas no Anxo a sta portaria. Art. 2 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Portaria MEC n o /2007 Instituição Cargo Nívl Provimntos Autorizados Novo n o - d Autorizaçõs 2623 UFAL Técnico d Laboratório/Ára D UFAL Scrtário-Excutivo E UFRR Scrtário-Excutivo E UFT Técnico d Laboratório/Ára D 0 63, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450, d 27 d dzmbro d 2007, publicada no Diário Oficial da União d 28 d dzmbro d 2007, rsolv: Art. o Ficam altrados, na forma do Anxo a prsnt Portaria, o Anxo à Portaria MEC n o 72, d 30 d janiro d 2008, publicada no Diário Oficial da União d 3 d janiro d 2008, já altrada pla Portaria MEC n o 546, d 7 d maio d 2008, publicada no Diário Oficial da União do dia subsqünt, os quantitativos do provimnto d vagas fixados para as instituiçõs d nsino mncionadas no anxo a sta portaria. Art. 2 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Portaria MEC n o -. 72/2008, altrada pla Portaria MEC n o /2008. Instituição Cargo Nívl Dstinação do p ro v i m n t o Provimntos Autorizados Novo n o - d Autorizaçõs UFRN Bibliotcário-Documntalista E CEFET/RN Bibliotcário-Documntalista E UFPB Bibliotcário-Documntalista E UFRGS Bibliotcário-Documntalista E UFPE Bibliotcário-Documntalista E UFSE Bibliotcário-Documntalista E UFSM Contador E UFPEL Contador E U N I PA M PA 0 Algrt DESPACHOS DO MINISTRO Em 20 d Maio d 2008 Nos trmos do art. 2 o da Li n o 9.3, d 24 d novmbro d 995, o Ministro d Estado da Educação, HOMOLOGA o Parcr n o 29/2007, da Câmara d Educação Suprior do Conslho Nacional d Educação, qu rspond consulta d intrss da Associação Brasilira das Mantndoras das Faculdads Isoladas Intgradas - ABRAFI, no sntido d qu:. É comptência do Conslho Nacional d Educação dlibrar sobr Dirtrizs Curriculars Nacionais, assim como sobr a duração, tmpo d intgralização carga horária d cursos; 2. Os Conslhos Profissionais fiscalizam acompanham o xrcício profissional qu s inicia após a formação acadêmica, não lhs cabndo qualqur ingrência sobr os cursos rgulados plo sistma d nsino do País, conform consta do Procsso n o / Nos trmos do art. 2 o - da Li n o - 9.3, d 24 d novmbro d 995, o Ministro d Estado da Educação HOMOLOGA o Parcr n o - 25/2007, da Câmara d Educação Suprior do Conslho Nacional d Educação, favorávl ao crdnciamnto, até o primiro ciclo avaliativo do SINAES a s ralizar após a homologação dst Parcr, nos trmos do art. 0, 7 o -, do Dcrto n o /2006, obsrvado o prazo máximo d 3 (três) anos, fixado no art. 3, 4 o -, do msmo Dcrto, da Faculdad Jorg Amado, mantida pla ABESC - Associação Baiana d Educação Cultura, para ofrtar cursos supriors na modalidad a distância na sua sd, localizada na Avnida Luís Vianna Filho, n 6.775, Bairro Paralla, na cidad d Salvador, no Estado da Bahia, nos sguints pólos d apoio prsncial: - Campo Mourão/PR, localizado na Avnida José Custódio d Olivira, n.325; 2 - Curitiba/PR, localizado na Rua Nilo Pçanha, n Bairro Bom Rtiro; 3 - Inhumas/GO, localizado na Av. Mont Algr, Q. 03 L. /37 - Bairro Stor Mont Algr; 4 - São Paulo/SP, localizado na Rua Csário Galno, n Bairro Tatuapé, conform consta do Procsso n o / , Rgistro SAPIEnS n o Nos trmos do art. 2 o - da Li n o - 9.3, d 24 d novmbro d 995, o Ministro d Estado da Educação HOMOLOGA o Parcr n o - 72/2008, da Câmara d Educação Suprior do Conslho Nacional d Educação, favorávl ao crdnciamnto da Faculdad Tobias Barrto, a sr instalada na Avnida Iolanda Pinto d Jsus, n o -.496, Bairro Jardins, na cidad d Aracaju, Estado d Srgip, mantida pla Socidad d Ensino Suprior d Psquisa d Srgip, com sd na msma cidad msmo Estado, até o primiro ciclo avaliativo do SINAES a s ralizar após a homologação dst Parcr, nos trmos do art. 0, 7 o -, do Dcrto n o /2006, obsrvado o prazo máximo d 3 (três) anos, fixado no art. 3, 4 o -, do msmo Dcrto, conform consta do Procsso n o / , Rgistro SA- PIEnS n o Nos trmos do art. 2 o - da Li n o - 9.3, d 24 d novmbro d 995, o Ministro d Estado da Educação HOMOLOGA o Parcr n o - 80/2008, da Câmara d Educação Suprior do Conslho Nacional d Educação, favorávl ao crdnciamnto da Faculdad Anhangüra d Campinas, a sr instalada na Avnida Emília Stfanlli Crgatti, s/n o -, bairro Jardim Morumbi, na cidad d Campinas, Estado d São Paulo, mantida pla Anhangüra Educacional S.A., com sd na cidad d Valinhos, Estado d São Paulo, até o primiro ciclo avaliativo do SINAES a s ralizar após a homologação dst Parcr, nos trmos do disposto no 7 o - do art. 0 do Dcrto n o /2006, obsrvado o prazo máximo d 3 (três) anos, conform o 4 o - do art. 3 do msmo Dcrto, conform consta do Procsso n o /2006-7, Rgistro SAPIEnS n o Nos trmos do art. 2 o da Li n o 9.3, d 24 d novmbro d 995, o Ministro d Estado da Educação, HOMOLOGA o Parcr n o 8/2008, da Câmara d Educação Suprior do Conslho Nacional d Educação, rfrnt à proposta d altração da Rsolução CNE/CES n 9, d 4 d outubro d 2007, qu stablc normas para o apostilamnto, m diplomas d cursos d graduação m Pdagogia, do dirito ao xrcício do magistério da Educação Infantil, d acordo com o Projto d Rsolução anxo ao rfrido Parcr, conform consta do Procsso n o /

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE RJ-BIE-2011/00060 Publicação Diária - Data: 31/03/2011 SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE PORTARIA Nº RJ-PGD-2011/00012 d 28 d março d 2011 PORTARIAS PGD O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 6 ISSN 677-7042 Nº 3, sgunda-fira, 9 d julho d 202 projto células-tronco msnquimais (CTM) adultas humanas obtidas da mdula óssa, tcido adiposo sangu d cordão umbilicar, bm como células prognitoras ndotliais

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 38 ISSN 677-7042 Nº 43, quarta-fira, 5 d março d 204. Ministério da Prvidência Social CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAUTA DE JULGAMENTO A SER REALIZADA EM 9 DE MARÇO DE 204 Pauta d Julgamnto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA 0 - NCARGOS SPCIAIS - PPA 2014 / 2017 PAGAMNTO D AMORTIZACAO, JUROS OUTROS NCARGOS DCORRNTS D MPRSTIMOS FINANCIAMNTOS DA DIVIDA PUBLICA OUTROS NCARGOS SPCIAIS QU CONSTITUM OBRIGAÇÕS NA ADMINISTRACAO PUBLICA

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012

DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 DELIBERAÇÃO N.º 793/2012 Parágrafo único Nos casos m qu o afastamnto s stndr por tmpo suprior ao prvisto, dsd qu autorizada sua prorrogação, fará jus, às diárias corrspondnts ao príodo prorrogado. Art.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente

comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente 86 ISSN 677-7042 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 CLÁUSULA SÉTIMA - DO FORO 7. Evntuais controvérsias ntr as parts, rlativas ao prsnt Trmo d Doação, dvrão sr submtidas à Câmara d Conciliação Arbitragm

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Protocolo n.º 11/001894

Protocolo n.º 11/001894 O SESI/PR Srviço Social da Indústria, adiant dsignado simplsmnt SESI/PR, com sd na Rua Cândido d Abru, nº. 200, nsta Capital, torna público o prsnt rgulamnto d crdnciamnto para laboração do documnto bas

Leia mais

Indeferir o Requerimento de Anistia post mortem de MA- NOEL SOARES NASCIMENTO, filho de JUSTINA SOARES DO N A S C I M E N TO. JOSÉ EDUARDO CARDOZO

Indeferir o Requerimento de Anistia post mortem de MA- NOEL SOARES NASCIMENTO, filho de JUSTINA SOARES DO N A S C I M E N TO. JOSÉ EDUARDO CARDOZO Nº 138, quarta-fira, 22 d julho d 2015 1 ISSN 1677-7042 25 N o - Município 1 Alvorada 2 Bagé 3 Barra do Guarita 4 Barra do Quaraí 5 Cachoira do Sul 6 Cachoirinha 7 Crro Grand 8 Esprança do Sul 9 Estio

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA DE ANÁLISE TÉCNICA

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA DE ANÁLISE TÉCNICA Nº 95, quinta-fira, 17 d maio d 2012 1 ISSN 1677-7042 67 Considrando os ntndimntos mantidos com os Prsidnts das Juntas d Rcursos com os dirignts da Coordnação Gral d Logística do Instituto Nacional do

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Legislação Mineira NORMA: LEI 20591. LEI 20591 de 28/12/2012 - Texto Atualizado

Legislação Mineira NORMA: LEI 20591. LEI 20591 de 28/12/2012 - Texto Atualizado Lgislação Minira NORMA: LEI 20591 LEI 20591 d 28/12/2012 - Txto Atualizado Institui a Gratificação d Incntivo à Psquisa à Docência a Gratificação d Função d Psquisa Ensino Gipd, no âmbito da Fundação João

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO e

DIREITO FINANCEIRO e DIREITO FINANCEIRO Fábio Fort d Andrad Dirtor do Dpto. d Administração Financira Prfitura Municipal d Campinas Scrtaria Municipal d Finanças Julho d 2012 História Concito Atividad Financira do Estado ROTEIRO

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 I. ENQUADRAMENTO..4 II. VISÃO, MISSÃO, VALORES E POLÍTICA DA QUALIDADE..5 III. MODELO ORGANIZACIONAL...10 IV. DIAGNÓSTICO EXTERNO.12 V. DIAGNÓSTICO INTERNO..14 VI.

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Nº 193, quinta-fira, 8 d outubro d 2015 1 ISSN 1677-7042 31 I - fatos rlacionados às atividads das socidads sguradoras d capitalização; ntidads abrtas d prvidência complmntar; socidads cooprativas, nas

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem Conslho Fdral d Enfrmagm Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral d Enfrmagm Assssoria d Planjamnto Gstão do Cofn Brasília 2015 1 Assssoria d Planjamnto Gstão Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 48 ISSN 1677-7069 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL EXTRATO DE CONTRATO Nº 195/2013 - UASG 154054 Nº Procsso: 23104006021201307. PREGÃO SRP Nº 124/2013. Contratant: FUNDACAO UNIVER- SIDADE

Leia mais

Atualizado em, 28/02/2012 Páginas:27, 28 e 41. Página 1 de 43

Atualizado em, 28/02/2012 Páginas:27, 28 e 41. Página 1 de 43 Atualizado m, 28/02/2012 Páginas:27, 28 41. Página 1 d 43 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA O CARGO DE PROFESSOR TEMPORÁRIO 2012.2 EDITAL Nº 022, DE 27 DE

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS. EDITAL Nº. 005, de 30 de janeiro de 2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS. EDITAL Nº. 005, de 30 de janeiro de 2009. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS EDITAL Nº. 005, d 30 d janiro d 2009. A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO AMAZONAS torna público para conhcimnto dos intrssados qu ralizará CONCURSO

Leia mais

Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sexta-feira, 5 de março de 2010

Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sexta-feira, 5 de março de 2010 Subscrtaria d Planjamnto Orçamnto Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sxta-fira, 5 d março d 2010 Obs.: As matérias slcionadas stão marcadas m amarlo. Contúdo: SEÇÃO 1 Portaria Intrministrial 421... 02 Portaria

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

Atos do Poder Legislativo

Atos do Poder Legislativo LEI LEI ISSN 677-7042 Ano CXLII N o - 92 Brasília - DF, sgunda-fira, 6 d maio d 2005. Sumário PÁGINA Atos do Podr Judiciário... Atos do Podr Lgislativo... Atos do Podr Excutivo...

Leia mais

com efeitos financeiros a contar da competência julho/2004. JORGE SOLLA O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

com efeitos financeiros a contar da competência julho/2004. JORGE SOLLA O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO-RE PORTARIA PORTARIA PORTARIA Nº 135, quinta-fira, 15 d julho d 2004 1 81 FABRICANTE : OLYMPUS LATIN AMERICA CO. - ESTADOS UNIDOS BML-1Q.A/B;

Leia mais

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí 01 Prfito Tatu vradors vão a São Paulo m busca d Cursos Profissionalizants para Maracaí Ontm (06/03) o prfito Eduardo Corra Sotana (Tatu), o Dputado Estadual Mauro Bragato, os vradors Edivaldo Rodrigus

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2013

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2013 TRMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS M 2013 ORDM CRONOLÓGICA PRIMIRO TRMO ADITIVO Nº DO CONTRATO 14/2013 MOTIVO PRAZO VALOR PRSTAÇÃO D SRVIÇOS PARA LABORAÇÃO D TRMO D RFRÊNCIA PARA ATUALIZAÇÃO DO PLANO

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - 2013 - CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES 1 ÍNDICE 1) Introdução 03 2) Objtivo 03 3) Idntificação do Establcimnto 05 4) Atividads do Establcimnto 08 5) Caractrísticas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - 2014 - CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES ÍNDICE 1) Introdução 03 2) Objtivo 03 3) Idntificação do stablcimnto 05 4) Atividads do stablcimnto 09 5) Caractrísticas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO Quadra 109 Nort, AV. NS -15, ALCNO 14 Plano Dirtor Nort 77001-970 Palmas/TO (63) 3232-8545 www.uft.du.br cops@uft.du.br EDITAL N 003/2015

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD A Pró-Ritoria d Graduação Educação Profissional (PROGRAD)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO RESULTADOS Avaliação Intrna da Escola PROJETO DE MELHORIA DA ESCOLA ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO Articulação ntr o Quadro d Rfrência da IGEC o Procsso d Autoavaliação da Escola Do mí nio s

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Relação de Anexos do Simples Nacional

Relação de Anexos do Simples Nacional Rlação d Anxos do Simpls Nacional ANEXO I Partilha do Simpls Nacional Comércio (Rdação dada pla Li Complmntar nº 139, d 2011 - produção d fitos a partir d 1º d janiro d 2012). Rcita Bruta m 12 mss (m R$)

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO Quadra 109 Nort, AV. NS -15, ALCNO 14 Plano Dirtor Nort 77001-970 Palmas/TO (63) 3232-8545 www.uft.du.br cops@uft.du.br EDITAL N 001/2016

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

Estado de Santa Catarina Município de NAVEGANTES Edital n.º 001/2015 de CONCURSO PÚBLICO

Estado de Santa Catarina Município de NAVEGANTES Edital n.º 001/2015 de CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 DE CONCURSO PÚBLICO Abr inscriçõs dfin normas para o Concurso Público, dstinado a provimnto d vagas tmporárias formação d cadastro d rsrva do Quadro d Pssoal da Administração Dirta do

Leia mais

1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Atualizado m, 24/09/2010 Páginas: 01; 05; 07; 08; 33 34. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS/UFT CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NOS CARGOS DE AUXILIAR DE ENSINO, PROFESSOR ASSISTENTE

Leia mais

CRA/SP CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CNPJ: 43.060.078/0001-04

CRA/SP CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO CNPJ: 43.060.078/0001-04 CONSLHO RGIONAL D ADMINISTRAÇÃO D SÃO PAULO CNPJ: 43.00.078/0001-04 Relação de Pagamentos Período: 01/03/201 a 31/03/201 N. mp. N. Baixa Processo Data Pgto Favorecido Valor Valor Liq. Documento Número

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0854 PT 01.07.2013 009.001 1 Est documnto constitui um instrumnto d documntação não vincula as instituiçõs B C2 REGULAMENTO (CE) N. o 854/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO d 29 d Abril d 2004

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1. DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS-UFT SELEÇÃO PÚBLICA EDITAL Nº 52, DE 30 DE JULHO DE 2013 A FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS UFT, nst ato rprsntada plo su ritor, Márcio Silvira, dsignado

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Plano Dirtor d Tcnologia d Informação Comunicação Vrsão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Brasília, 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA Ministro d Estado da Dfsa Clso Luiz

Leia mais

Nº 61, segunda-feira, 31 de março de 2014 3 ISSN 1677-7069 COLÉGIO PEDRO II CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

Nº 61, segunda-feira, 31 de março de 2014 3 ISSN 1677-7069 COLÉGIO PEDRO II CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Nº 61, sgunda-fira, 31 d março d 2014 3 ISSN 1677-7069 25 3. A REMUNERAÇÃO REGIME E TRABALHO CLASSE NÍVEL VB RT ESPECIALIZAÇÃO MESTRAO O U TO R A O 20 horas I 1 1.966,67 152,35 428,07 785,93 40 horas I

Leia mais

MANUAL DE NORMAS AGENTE DE CÁLCULO E ACELERADOR

MANUAL DE NORMAS AGENTE DE CÁLCULO E ACELERADOR MANUAL DE NORMAS AGENTE DE CÁLCULO E ACELERADOR VERSÃO: 14/12/2011 Manual d Normas Agnt d Cálculo Aclrador 2 / 12 MANUAL DE NORMAS AGENTE DE CÁLCULO E ACELERADOR ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

Informamos ainda que estamos à disposição para elucidar eventuais dúvidas. Atenciosamente, Natan Schiper Diretor Secretário

Informamos ainda que estamos à disposição para elucidar eventuais dúvidas. Atenciosamente, Natan Schiper Diretor Secretário Rio d Janiro, 22 d outubro d 2012 Of. Circ. Nº 425/12 Snhor Prsidnt, Foram publicadas no Diário Oficial do Estado do Rio d Janiro no dia 18 d outubro d 2012 as Rsoluçõs SES/RJ Nºs 453, 454, 457 458, todas

Leia mais

CADERNO 1 - DIÁRIO DO EXECUTIVO/LEGISLATIVO

CADERNO 1 - DIÁRIO DO EXECUTIVO/LEGISLATIVO QUARTA-FEIRA, 17 DE JUNHO DE 2015 -- DIÁRIO OFICIAL ELETRÔNICO MONTES CLAROS-MG - ANO 3 - Nº 397 SUMÁRIO DIÁRIO DO EXECUTIVO/LEGISLATIVO Administração Dirta...1 a 5 Administração Indirta...3 Município

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 06 ISSN 677-7042 Nº 22, quarta-fira, 3 d novmbro d 203 PORTARIA Nº 2.72, DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 Rdfin o rgulamnto técnico d procdimntos hmotrápicos. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Nº 155, sxta-fira, 14 d agosto d 2015 1 ISSN 1677-7042 13 c) Cartira d idntidad d strangiro ou Visto d Prmanência xpdido pla Polícia Fdral dntro da validad (cópia d) Atstado d Saúd Ocupacional (ASO), mitido

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA 1. Disposiçõs Grais A Protção Social Espcial

Leia mais

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Gstão d Riscos Abordagm Prática Igor Rocha Frrira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Agnda Brv Histórico da Gstão d Riscos As Organizaçõs, sus Sgmntos Procssos Maturidad d Gstão d Riscos Transição para a Gstão Intgrada

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições INTRODUÇÃO Âmbito O IGESPAR, I.P. Instituto d Gstão do Património Arquitctónico Arquológico é um Instituto Público da administração indircta do Estado, dotado d autonomia administrativa financira, criado

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR ALFENAS-MG

COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR ALFENAS-MG COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR ALFENAS-MG 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG REITOR Prof. Antônio Martins d Siquira COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR COPEVE Prsidnt: Prof. Hêbr Sbastião d Carvalho

Leia mais

"Chernobyl: mitologia contemporânea?" Alexandre Ramos (USP) Sala G04. Sala G04. Coffe Break e Apresentação de Pôsteres e Henrique

Chernobyl: mitologia contemporânea? Alexandre Ramos (USP) Sala G04. Sala G04. Coffe Break e Apresentação de Pôsteres e Henrique MANHÃ (Palstras) TARDE (Minicursos) Programação da II SAIFUFT I ENFEBP (02-06 d Stmbro d 2014) Horário 02 (trça) 03 (quarta) 04 (quinta) 05 (sxta) 06 (sábado) 7h - 8h Rcbimnto do matrial 8:00 8:40 (10

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES - DECF CLASSES COMERCIAIS POR ARGUMENTO DE PESQUISA

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO DE CADASTRO DE FORNECEDORES - DECF CLASSES COMERCIAIS POR ARGUMENTO DE PESQUISA COMPANHIA HIDRO LÉTRICA DO SÃO FRANCISCO DIVISÃO D CADASTRO D FORNCDORS - DCF CLASSS COMRCIAIS POR ARGUMNTO D PSQUISA S02350000001 S02320000003 S02300199254 S02980299006 S02304599001 S02300599252 S02988824002

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 A Fundação Univrsidad do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011 Estado d Goiás Scrtaria d Ciência Tcnologia Gabint d Gstão d Capacitação Formação Tcnológica Cntro d d Anápolis Cntro d Sbastião d Siquira EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/20 Procsso Sltivo d Profssor Formador

Leia mais

32 ISSN 1677-7042. Ministério da Previdência Social. Nº 15, quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

32 ISSN 1677-7042. Ministério da Previdência Social. Nº 15, quinta-feira, 22 de janeiro de 2015 32 ISSN 677-7042 Nº 5, quinta-fira, 22 d janiro d 205 Procsso Nº 08000.00890/204-92 - GEORGE RAYMOND SHEEHAN, até 30/2/205 Procsso Nº 08000.0095/204-58 - JORGE LUIS LOPEZ GARCIA, até 02/02/206 Procsso

Leia mais