PLANO ESTRATÉGICO ÍNDICE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE"

Transcrição

1

2 ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO I. ENQUADRAMENTO..4 II. VISÃO, MISSÃO, VALORES E POLÍTICA DA QUALIDADE..5 III. MODELO ORGANIZACIONAL...10 IV. DIAGNÓSTICO EXTERNO.12 V. DIAGNÓSTICO INTERNO..14 VI. ANÁLISE E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL VII. MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO 21 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES E ORÇAMENTO I. INTRODUÇÃO..23 II. OBJETIVOS OPERACIONAIS III. PARECER DO CONSELHO FISCAL 34 IV. ORÇAMENTO 35 V. ANEXOS.38 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 2 / 40

3 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 3 / 40

4 I. ENQUADRAMENTO A laboração do prsnt Plano Estratégico dcorru d uma rflxão prosptiva com bas na atual situação política, conómica social do país da uropa, bm como nas tndências macroconómicas qu s têm vindo a dlinar cuja volução tm, ncssariamnt, fitos dirtos indirtos na atividad futura da CERCICA. Estamos a vivnciar momntos conturbados d grands transformaçõs m qu a contnção da dspsa na Sgurança Social, consquntmnt na Ação Social, stablc um novo quadro conómico-social qu nos conduz para caminhos stratégicos qu potncim a continuidad das rspostas às rais ncssidads da população com dficiência intlctual incapacidads, simultanamnt prmitam rspondr às ncssidads sociais mrgnts da comunidad m qu nos insrimos. Por outro lado, stamos conscints da ncssidad d dsnvolvr outros srviços qu, assnts nas nossas comptências, possam contribuir para a sustntabilidad conómico-financira da CERCICA. Acrditamos qu st xrcício prosptivo rflt o nosso compromisso para com os nossos Clints famílias m continuar a prstar um srviço d qualidad a rspondr às suas ncssidads xptativas, assim como rtrata a nossa prmannt procupação m rspondr a todos aquls qu d nós prcisam. Para além disto, crmos qu, m larga mdida, a nossa sustntabilidad rsultará smpr da nossa capacidad d dsnvolvr projtos m parcria d consolidar as msmas, assim como da nossa vontad d intgrar os contributos d todas as parts intrssadas. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 4 / 40

5 II. VISÃO, MISSÃO, VALORES E POLÍTICA DE QUALIDADE 1. Visão A CERCICA prtnd sr uma Instituição d rfrência, no âmbito da habilitação capacitação das pssoas com dficiência intlctual incapacidads, na criação d oportunidads inclusivas para o xrcício autónomo d uma plna cidadania. 2. Missão da CERCICA A CERCICA xist para promovr, d forma sustntada num contxto profissional d xclência, a qualidad d vida a inclusão das pssoas com dficiência intlctual incapacidads, posicionando-s como parciro stratégico nuclar para as famílias, ntidads públicas, mprgadors outros ators sociais. 3. Missõs das difrnts áras Rspostas Sociais Rcursos Missão para a Comunidad Rcursos d Intrvnção para Promovr intrvnçõs spcializadas trapêuticas dirigidas a crianças Crianças Jovns dvidamnt diagnosticadas a jovns com ncssidads ducativas spciais, no âmbito do su trajto ducativo. Intrvnção Prcoc Promovr o apoio intgrado a crianças ntr os 0 os 6 anos à família, (IP) m risco d altraçõs ou altraçõs nas funçõs struturas do corpo ou m risco grav d atraso d dsnvolvimnto, através d açõs prvntivas rabilitativas, com vista a potnciar o su dsnvolvimnto. Cntro d Rcursos Promovr, nas scolas, os mios técnicos os rcursos humanos para a Inclusão (CRI) spcializados facilitadors do dsnvolvimnto das crianças jovns com ncssidads ducativas spciais, no âmbito da intração concrtada dos difrnts agnts ducativos, com vista a uma plna inclusão na scola na comunidad. Rcursos d Qualificação Promovr, d modo sustntado, açõs d avaliação, orintação, Emprgo formação profissional acompanhamnto à colocação para potnciar o acsso, a manutnção a progrssão no mprgo d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, contribuindo para a sua plna inclusão. Avaliação Apoiar as pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, Orintação inscritas no Cntro d Emprgo, na tomada d dcisõs vocacionais Profissional adquadas à sua insrção no mrcado d trabalho, através da disponibilização d informação, da avaliação da orintação profissional. Formação Profissional Dsnvolvr, m parcria com todas as parts intrssadas, açõs d (FP) formação qualificação profissional dstinadas a potnciar o acsso ao mprgo d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads com idad suprior a 16 anos. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 5 / 40

6 Rspostas Sociais Rcursos Missão para a Comunidad Acompanhamnto à Assgurar açõs d apoio à colocação acompanhamnto póscolocação, através d apoio técnico disponibilizado às pssoas com Colocação dficiência incapacidads às Entidads Emprgadoras, visando a insrção profissional. Rcursos d Capacitação para Dsnvolvr atividads, d modo criativo inovador, para potnciar a Vida Ativa / CAO capacidads, qualidad d vida bm-star d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, maiors d 16 anos. Atividads Promovr atividads qu vism a manutnção das capacidads da Trapêuticas qualidad d vida d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, m situação d maior dpndência. Atividads Promovr atividads qu vism a manutnção o dsnvolvimnto das Ocupacionais capacidads da autonomia d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads. Atividads Oficinais Promovr atividads qu vism a manutnção o dsnvolvimnto das capacidads, das comptências da autonomia d pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, através do dsnvolvimnto d produtos da produção d bns, contribuindo para a sua inclusão. Rcursos d Apoio Prstar cuidados individualizados, no domicilio ou m rsidências, a Domiciliário Alojamnto pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads. Srviço d Apoio Promovr a prstação d cuidados individualizados prsonalizados, no Domiciliário (SAD) domicílio, a pssoas com dficiência /ou incapacidads com vista a satisfazr as suas ncssidads funcionais, instrumntais d rabilitação, contribuindo para a sua autonomia qualidad d vida. Rsidências Promovr o alojamnto a prstação d cuidados individualizados prsonalizados a pssoas com dficiência /ou incapacidads, maiors d 16 anos, com vista a satisfazr as suas ncssidads d acolhimnto, cuidados pssoais, instrumntais d rabilitação, contribuindo para a sua autonomia qualidad d vida. Rspostas Emprnddoras CrPlant Núclo Trapêutico d Atividad Motora (NTAM) Missão Produzir plantas, projtar, construir mantr spaços vrds, com sustntabilidad conómica ambintal, contribuindo para a insrção d pssoas com dficiência intlctual incapacidads /ou m risco. Dsnvolvr intrvnçõs trapêuticas, lúdico-rcrativas, d promoção da saúd da condição física a pssoas com dficiência intlctual /ou incapacidads, bm como ao público m gral, contribuindo para a sua qualidad d vida plna cidadania. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 6 / 40

7 Rspostas Emprnddoras Editora CERCICA CrGourmt Projtos m Dsnvolvimnto Missão Promovr a dição d contúdos ducativos lúdicos acssívis a todos os públicos, contribuindo para o dsnvolvimnto d uma socidad inclusiva. Prstar srviços d rstauração, prsonalizados difrnciados, intgrando jovns m insrção profissional numa bas d rsponsabilidad sustntabilidad sociais. Promovr o dsnvolvimnto d projtos qu sjam sustntávis, social, ambintal conomicamnt, contribuindo para o dsnvolvimnto local para a construção d uma socidad inclusiva. Áras d Apoio à Gstão Markting Social Administrativo-Financira Rcursos Humanos Qualidad, Mlhoria Gstão Documntal Sistma d Informação Comunicação Gstão do Voluntariado Missão Assgurar a comunicação intrna xtrna o su alinhamnto, contribuindo para rforçar o posicionamnto a notoridad da CERCICA como Instituição d rfrência bm como promovr o nvolvimnto a participação d todas as parts intrssadas a conscincialização da socidad para as práticas d inclusão. Assgurar o planamnto controlo dos rcursos financiros, d acordo com dirtrizs supriors; Procdr à xcução da contabilidad, cumprindo com as normas m vigor com os rquisitos lgais; Garantir a gstão administrativa dos rcursos humanos dos procssos d saúd, higin sgurança no trabalho; Assgurar os procssos administrativos qu suportam o rgisto, o procssamnto, a atualização o arquivo d dados informaçõs. Atrair, rcrutar, dsnvolvr, avaliar rtr os colaboradors com as comptências ajustadas à prosscução dos objtivos da organização, no cumprimnto dos rquisitos lgais aplicávis. Garantir a gstão ficint do sistma d gstão documntal d acordo com os rfrnciais normativos aplicávis a mlhoria contínua do sistma d gstão. Assgurar o funcionamnto ficaz dos sistmas d informação (hardwar softwar) d comunicação (rds tlcomunicaçõs), assgurando o funcionamnto ficint da organização a prosscução dos sus objtivos. Assgurar a slção, acolhimnto, intgração o acompanhamnto dos voluntários. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 7 / 40

8 Ára d Suport Logística Compras Manutnção Rstauração Transports Rouparia Limpza Higinização Sgurança Vigilância Missão Assgurar a slção a avaliação dos forncdors, bm como o aprovisionamnto, numa bas d sustntabilidad conómica ambintal. Procdr à consrvação, à manutnção prvntiva corrtiva das instalaçõs quipamntos com sustntabilidad conómica ambintal. Prparar, confcionar mbalar rfiçõs, sgundo as boas práticas nutricionistas, garantindo a inocuidad, salubridad boa consrvação dos produtos alimntars. Assgurar a mobilidad dos Clints no acsso aos srviços da CERCICA, garantindo a sua sgurança comodidad. Assgurar os arranjos a limpza das fardas para os Clints, garantindo a sua adquação ao uso. Promovr a dsinfstação, a limpza a higinização dos spaços garantindo as condiçõs d salubridad xigidas. Garantir a vigilância das pssoas bns d acordo com a lgislação m vigor, cumprindo fazndo cumprir as normas dirtivas intrnas m vigor. 4. Valors Rspito: Rconhcr valorizar os diritos dvrs dos Clints, Famílias Colaboradors, agindo m conformidad. Inovação: Transformar, d forma Individual Coltiva, a nossa ralidad d modo a dar uma rsposta ficaz, através da partilha, da criatividad da flxibilidad promovndo a rflxão sobr a nossa prática. Transparência: Administrar com rigor honstidad as nossas atividads d modo a qu as práticas, dcisõs funcionamnto sjam comunicadas d forma clara prcisa. Rsponsabilidad: Dcidir atuar m conformidad com a Visão, Missão Valors da organização. A rsponsabilidad diz rspito a todos, sndo inrnt às funçõs d cada um, num contxto d trabalho m Equipa. Confiança: Acrditar nas capacidads potncialidads dos Clints Colaboradors; rlacionarmo-nos d forma abrta lal com os nossos Clints, Colaboradors, Parciros Comunidad honrando os compromissos assumidos. Emprnddorismo: Ousar concrtizar projtos inovadors, m parcria d forma sustntada, laborados a partir d stímulos rsultants das ncssidads d uma Socidad Inclusiva. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 8 / 40

9 5. Política d Qualidad Tmos como política d qualidad prstar srviços d xclência adquados às ncssidads xptativas dos Clints, atuando como facilitador na criação d oportunidads d inclusão para o xrcício autónomo d uma plna cidadania. É nosso compromisso: Mantr o foco no clint garantindo uma intrvnção ajustada às ncssidads, potnciais xptativas d cada indivíduo; Assgurar a mlhoria contínua dos procssos dos srviços, através da anális crítica dos rsultados d uma abordagm rflxiva prosptiva; Acompanhar monitorizar os nossos progrssos, por via da autoavaliação d avaliaçõs xtrnas, prossguindo critérios d sustntabilidad institucional, social, financira ambintal; Envolvr, motivar qualificar os nossos colaboradors para rspondr ficazmnt aos dsafios organizacionais m harmonia com a nossa missão, visão valors. Incntivar a corrsponsabilização da comunidad na inclusão das pssoas com dficiência incapacidads, promovndo parcrias agindo m struturas d rd social comunitária; Cumprir com os rquisitos lgais normativos qu nquadrm a nossa atividad sndo transparnt na divulgação, por todas as parts intrssadas, da política da qualidad do sistma qu a suporta, das práticas rsultados. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº 55 9 / 40

10 III. MODELO ORGANIZACIONAL No âmbito do nosso compromisso da mlhoria contínua dos procssos, o sistma d gstão da qualidad tm vindo a abrangr a organização como um todo, tndo-s iniciado a rvisão dst sistma. Ainda nst contxto, foram dfinidas políticas organizacionais qu nortiam a nossa atividad qu têm como função potnciar a uniformidad dos comportamntos na organização, dar continuidad às dcisõs, balizar o sistma d comunicação, facilitar a tomada d dcisão protgr a organização contra as prssõs imdiatas. Dando forma à strutura funcional aprsnta-s, na figura 1, a nova rprsntação da intração dos procssos da CERCICA. Figura 1. Rprsntação da Intração dos procssos-chav da CERCICA Explicitando, a CERCICA rprsnta o su funcionamnto m três nívis d mapamnto: Nívl 1 Procsso-Chav - Conjunto d atividads d grand impacto qu gram valor através das quais a organização cumpr a sua missão. O procsso-chav corrspond a funçõs organizacionais qu stão alinhadas com os objtivos organizacionais. Nívl 2 Procsso - Conjunto d atividads qu dão origm a rsultados (saídas), plo uso d rcursos (ntradas) da organização, numa squência clara lógica d atividads/tarfas/açõs intrdpndnts. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

11 Nívl 3 Subprocsso - Dtalh do procsso, qu dmonstra as ntradas, os fluxos d atividads/tarfas intrdpndnts as suas saídas. Os Procssos-Chav ncontram-s agrupados m três áras d acordo com a sua finalidad: Procssos d Ralização - Os qu rspondm srvm dirtamnt os Clints da CERCICA qu justificam a sua missão. No âmbito dos Procssos d Ralização, considra-s ainda a divisão m três grupos, d acordo com o âmbito, abrangência nquadramnto lgal dos srviços nvolvidos: Rcursos intrvnção para pssoas com dficiência intlctual incapacidads, abrangidos por programas sociais qu visam a sua inclusão na socidad; Rcursos para a Comunidad; Rspostas Emprnddoras as quais visam contribuir para a sustntabilidad dos outros srviços. Procssos d Gstão - Procssos qu stablcm rvm a missão, visão, valors, políticas stratégias d atuação da CERCICA qu intgram o planamnto, monitorização, acompanhamnto, controlo d açõs d mlhoria, prvntivas corrtivas para obtr os rsultados dsjados. Procssos d Suport - Procssos qu apoiam contribum para a conscução da missão, visão, stratégias objtivos da organização, através do uso ficint dos sus rcursos. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

12 IV. DIAGNÓSTICO EXTERNO 1. Oportunidads Amaças: Do Diagnóstico Extrno ralizado, conclum-s as sguints Oportunidads Amaças: OPORTUNIDADES A população com dficiência intlctual mantém o msmo pso m Crca d 0,7% da população aprsnta défic intlctual. A população da rgião Cascais com dficiência (d qualqur tipologia) sm atividad conómica contabilizava indivíduos, m Ainda não há rspostas para a totalidad da população rsidnt m Cascais com dficiência intlctual, sja m númro d quipamntos, sja na capacidad instalada. Aumnto da população nvlhcida a par do mnor númro médio d lmntos por agrgado familiar. O nvlhcimnto da população das famílias com lmntos com dficiência no su agrgado incrmntam a ncssidad d apoio spcializado. Snsibilização da população para dnunciar situaçõs d violência, ngligência, abuso maus-tratos. Estruturas d rds locais com potncial para dsnvolvr projtos. Maior conscincialização d qu a strutura d rds é propícia a mais conhcimnto, à partilha ao dsnvolvimnto d projtos inovadors. Maior conscincialização d qu as parcrias possibilitam o dsnvolvimnto d srviços rspostas sociais com custos controlávis. AMEAÇAS Situação conómico-financira do país rduz a capacidad financira das famílias do invstimnto conómico do tcido mprsarial. Dificuldads conómico-financiras das famílias qu s vão rfltir na sua capacidad para pagar as mnsalidads comprar outros bns srviços. Potncial diminuição d parcrias qu nvolvam o patrocínio ou o financiamnto d projtos. Maior dificuldad m angariar financiamnto/patrocínios para projtos junto do tcido mprsarial. Maior dificuldad m obtr donativos. Dificuldad m aumntar o nº d acordos nas rspostas sociais. Emprsas privadas na ára do apoio domiciliário disponibilizarm srviços a prços acssívis m horários alargados, podndo msmo ir às 24 horas. Emprsas na ára da produção d plantas na ára da jardinagm disponibilizarm srviços a mlhors prços. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

13 OPORTUNIDADES O conclho d Cascais continua a sr um dos dstinos d turismo privilgiado, plo qu as atividads ligadas ao turismo constitum uma oportunidad. Maior aptência por cursos profissionais no nsino scundário. Prioridads da autarquia alinhadas com as ncssidads atuais. O dsnvolvimnto da Rsponsabilidad Social no tcido mprsarial abr portas para o stablcimnto d novas parcrias. As Tcnologias d Informação Comunicação podm ajudar a minimizar situaçõs d isolamnto sntimntos d solidão. As Tcnologias d Informação Comunicação podm constituir um mio para promovr a inclusão, o dsnvolvimnto d comptências d vária ordm a mrgência d atividads ocupacionais rlvants. Possibilidad d ngociar junto dos forncdors prazos d pagamntos mais alargados. AMEAÇAS Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

14 V. DIAGNÓSTICO INTERNO 1. Forças Fraquzas PONTOS FORTES Imagm da CERCICA na comunidad é muito boa Imagm da CERCICA junto do podr político local qu advém d um trabalho d parcria continuado. Abrtura rctividad prmannt às solicitaçõs da comunidad nvolvnt. Ampla rd d parcrias nas mais divrsas áras. Rspostas sociais mprnddoras qu acompanham o ciclo d vida das pssoas com dficiência intlctual. Clints famílias satisfitas com o dsmpnho da CERCICA. Instalaçõs modrnas bm consrvadas. Espaço xtrior com algum potncial d crscimnto. Colaboradors mpnhados nvolvidos. A CERCICA dispõ d um conjunto d colaboradors das mais divrsas áras profissionais, com difrnts funçõs tipos d conhcimnto. Sistma d qualidad m atualização m xtnsão a toda a organização. PONTOS FRACOS Instalaçõs físicas insuficints ou pouco rntabilizadas (NTAM) para rspondr cabal ficazmnt à procura. Sustntabilidad financira fortmnt dpndnt do stado social das políticas sociais autárquicas. Sistmas d Informação Comunicação muito frágis qur no domínio do hardwar, qur no domínio do softwar, com implicaçõs na rntabilização das opraçõs. Défic d qualificação comptências técnicas spcíficas nos colaboradors não técnicos nas rspostas UR SAD. Défic d qualificação m comptências d gstão. Défic d stratégias intgradas no âmbito do markting social. Défic na strutura comrcial das rspostas mprnddoras. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

15 VI. ANÁLISE E ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL Anális SWOT ANÁLISE INTERNA FORÇAS FRAQUEZAS RESPOSTAS SOCIAIS Dsnvolvr campanhas spcíficas para angariação d fundos. Crscr no Srviço d Apoio Domiciliário fac à mrgência do incrmnto do mrcado d idosos. Criar um spaço d vndas dos produtos criados dsnvolvidos pla CERCICA (Loja/Mrcado Social). ANÁLISE EXTERNA OPORTUNIDADES Ravaliar os cursos da Formação Profissional, adquando-os às ncssidads do tcido conómico do conclho às caractrísticas da população dstinatária. Aumntar a capacidad instalada das Unidads Rsidnciais, numa lógica d srviço privado, a prços controlados, m parcria com a Câmara Municipal d Cascais. Continuar a invstir a fortalcr as parcrias alargando o su âmbito. Criar um srviço d suport familiar no domicílio. Dsnvolvr os planos d formação intrna, com rcurso a ntidads d formação crtificadas, no âmbito da rsponsabilidad social. Dsnvolvr um projto para a concção, dsnvolvimnto implmntação d um sistma intgrado d gstão documntal, a sr patrocinado implmntado por um parciro no âmbito da rsponsabilidad social. EQUIPA TÉCNICA Criar organizar um sminário no âmbito das nossas spcialidads. Ralizar açõs d snsibilização/ workshops para a comunidad no âmbito das nossas spcialidads. Alargar a trapia assistida por animais à comunidad. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

16 CERJARDINS Criar uma mprsa autonomizando a marca CrJardins. O projto até agora dnominado CrJardins passa a tr outra dnominação: CrPlant. Expandir a agricultura biológica para o conclho d Lisboa. ANÁLISE EXTERNA OPORTUNIDADES NTAM Divrsificar as rspostas do NTAM. Criar uma Unidad Clínica d Intgração d Srviços Trapêuticos para pssoas com incapacidads intlctuais população m gral. Criar um cntro d ATL (Atividads d Tmpos Livrs) para crianças/jovns com ncssidads ducativas spciais. Organizar um srviço no âmbito do turismo sénior. Editora CERCICA Editar livros m bilingu. Procurar distribuidors /ou patrocinadors nos paíss d xprssão d língua portugusa para os livros da Editora colocá-los nsss mrcados. Procurar distribuidor para os mrcados d xprssão d língua spanhola, traduzir os livros colocá-los m plo mnos um país. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

17 OUTROS Criar uma lavandaria d strutura industrial, tndo como mrcado prfrncial a indústria hotlira. ANÁLISE EXTERNA AMEAÇAS Alargar o âmbito d utilização, por Clints do xtrior, da sala d Tcnologias d Informação (População com Ncssidads Educativas Espciais, prfrncialmnt). Dsnvolvr açõs d maior impacto junto do tcido conómico com o objtivo spcífico d potnciar o mprgo d pssoas com incapacidads intlctuais. Difrnciar o NTAM pla vrtnt trapêutica, apostando m srviços d maior valor acrscntado nsta ára. Establcr uma política d cobranças para os Clints com mnsalidads m atraso. Divrsificar a cartira d Clints na ára d produção d plantas. Iniciar o studo o dsnvolvimnto da privatização d alguns srviços. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

18 2. Opçõs Estratégicas A CERCICA alicrça a sua stratégia m dois ixos: I. Eixo da Inclusão - a razão d sr da CERCICA são as pssoas com incapacidads intlctuais o objtivo primordial da organização é fazr com qu stas pssoas stjam vrdadiramnt incluídas insridas na comunidad. II. Eixo da Sustntabilidad - a CERCICA não podrá prossguir no ixo da Inclusão sm qu, como Instituição sja sustntávl, ao nívl institucional, financiro, conómico ainda ambintal. Eixo da Inclusão Establcr dsnvolvr parcrias d médio longo prazo qu proporcionm oportunidads d inclusão das pssoas com dficiência intlctual incapacidads. Rajustar as intrvnçõs formativas dstinadas a pssoas com dficiência intlctual incapacidads com vista a potnciar a sua insrção socioprofissional, aplicando a nova lgislação. Alargar as atuais rspostas d intrvnção trapêutica, d ocupação útil, insrção alojamnto para srviços privados, dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. Eixo da Sustntabilidad Criar, dsnvolvr implmntar srviços suportados nas atuais comptências rcursos da instituição, grando fonts d rcitas qu prmitam mantr a sua sustntabilidad financira, dstinados prfrncialmnt às pssoas com incapacidads tmporárias ou dfinitivas. Dsnvolvr açõs concrtadas para grar novas fonts d financiamnto, tais como angariação d fundos, d donativos d novos sócios. Criar condiçõs qu rntabilizm os conhcimntos da quipa técnica qu fomntm a sua participação visibilidad, grando maior partilha do conhcimnto contribuindo para a sustntabilidad da Organização. Divrsificar mrcados para as diçõs da Editora CERCICA, por tipologia d litors d línguas. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

19 Eixo Inclusão 3. Objtivos Estratégicos Objtivo Estratégico OE 1 1. Establcr dsnvolvr parcrias d médio longo prazo qu contribuam para o dsnvolvimnto dos Planos Individuais dos Clints OE2. Iniciar um srviço privado d atividads ocupacionais dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. OE3. Alargar as Unidads Rsidnciais para um srviço d custos controlados dando rsposta às solicitaçõs. Quantificação (a 3 anos) 40 novos Parciros Rsponsávl(is) Cronograma (Data d Início) Dirção, Coordnadors d FP, CR-CE CAO 2 2º Quad Clints Coordnador d CAO 1º Quad novas camas Coordnador d UR 3 1º Quad OE4. Criar um srviço d suport familiar no domicílio. 2 apoios (m média)/mês Coordnador SAD 3º Quad OE5. Alargar as atuais rspostas d intrvnção trapêutica dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. 30 Clints Coordnador NTAM 4 2º Quad OE6. Disponibilizar um srviço d ATL 5 para pssoas com dficiência incapacidad. R/NR 6 Coordnador NTAM 3º Quad OE7. Coordnadors SAD 7 Organizar um srviço no âmbito do turismo sénior. R/NR NTAM 1º Quad OE-Objtivo Estratégico 2 FP-Formação profissional; CR-CE-Cntro d Rcursos do Cntro d Emprgo; CAO-Cntro d Atividads Ocupacionais 3 UR Unidads Rsidnciais 4 NTAM - Núclo Trapêutico d Atividad Motora 5 ATL - Atividads d Tmpos Livrs 6 R-Ralizado; NR-Não Ralizado 7 SAD- Srviço d Apoio Domiciliário Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

20 Eixo Objtivo Estratégico Quantificação (a 3 anos) Rsponsávl(is) Cronograma OE8. Criar um spaço d vndas dos produtos criados dsnvolvidos pla CERCICA (Loja/Mrcado Social). R/NR Dirção 1º Quad OE9. Criar uma lavandaria d strutura industrial, tndo como mrcado prfrncial a indústria hotlira. R/NR Dirção 1º Quad OE10. Dsnvolvr açõs concrtadas para grar novas fonts d financiamnto, tais como angariação d fundos, d donativos d novos sócios Dirção Coordnadors 1º Quad OE11. Prparar ralizar um sminário no âmbito das nossas spcialidads. 1 Sminário Dirção Coordnadors Novmbro d 2015 Sustntabilidad OE12. OE13. OE14. Dsnvolvr açõs d snsibilização/workshops no âmbito das nossas spcialidads. Editar uma nova colção d livros m bilingu. Procurar distribuidors /ou patrocinadors nos paíss d xprssão d língua portugusa para os livros da Editora colocá-los nsss mrcados. R/NR Coordnadors 1º Quad.2013 R/NR R/NR Coordnador Editora CERCICA Coordnador Editora CERCICA 1º Quad º Quad OE15. Procurar distribuidor para os mrcados d xprssão d língua spanhola, traduzir os livros colocá-los m plo mnos um país. R/NR Coordnador Editora CERCICA 1º Quad OE16. Dsnvolvr os planos d formação intrna, com rcurso a ntidads d formação crtificadas, no âmbito da rsponsabilidad social. R/NR Coordnador CRI 8 1º Quad OE17. Dsnvolvr um projto para a concção, dsnvolvimnto implmntação d um sistma intgrado d gstão documntal, a sr patrocinado implmntado por um parciro no âmbito da rsponsabilidad social. R/NR Gstor da Qualidad 3º Quad CRI-Cntro d Rcursos para a Inclusão Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

21 VII. MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO Est Plano Estratégico trinal srá concrtizado anualmnt nos Planos Anuais d Atividads Orçamnto dos anos civis qu o nquadram. Em suport ao Plano Anual d Atividads da CERCICA, xistm Planos Opracionais para cada Rsposta Social, Emprnddora Srviço dtalhando-s as açõs, os rcursos humanos, matriais financiros considrados ncssários para o cumprimnto das açõs prvistas. A monitorização /ou rvisão do prsnt Plano Estratégico é da rsponsabilidad da Dirção sndo ralizada anualmnt com bas na avaliação dos Planos Anuais d Atividads Orçamnto rportada nos Rlatórios d Atividads Contas. A avaliação final do Plano Estratégico é ftuada no término do triénio, através da anális do grau d concrtização dos objtivos stablcidos. A CERCICA assum o prsnt Plano Estratégico como uma frramnta d gstão imprscindívl na mdida m qu nortia a prosscução da sua Missão a médio a longo prazo. Sndo um instrumnto dinâmico, fac à atual conjuntura político-conómica, podrá sr rvisto a cada ano, na squência das avaliaçõs parciais qu sjam ftuadas. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

22 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

23 I. INTRODUÇÃO A laboração do Plano Anual d Atividads para 2013 splha a procupação da CERCICA m cumprir a sua missão assgurando, dsd já, a implmntação d açõs qu possam contribuir d modo significativo para a sua sustntabilidad a médio prazo. Os objtivos opracionais aprsntam-s discriminados por tipologia d rsposta d srviços, fazndo-s a ligação aos objtivos stratégicos smpr qu prtinnt. Os rsultados d 2012 são prvisionais. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

24 II. OBJETIVOS OPERACIONAIS 2013 RESPOSTAS SOCIAIS A. Transvrsal ao Cntro d Rcursos do Cntro d Emprgo, Formação Profissional Cntro d Atividads Ocupacionais OE1. Establcr dsnvolvr parcrias d médio longo prazo qu contribuam para o dsnvolvimnto dos Planos Individuais dos Clints. Objtivo Opracional Aumntar o númro d novos parciros para intgração m contxto d trabalho. Mtas (+2) Rsultados Prvisionais 2012 Indicador 11 Nº d novos parciros Mantr o númro d Clints m xpriências m contxto d trabalho Nº d Clints m stágios Ralizar açõs rlacionadas com a promoção da Saúd Pública. 2 açõs NA 9 Nº d Clints abrangidos B. Formação Profissional Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Obtr a crtificação com bas no rfrncial da DGERT 10. 1º Quad. NA R/NR Indicador Ralizar açõs d formação profissional inicial com dupla crtificação (nívl 2). 3 3 Nº d açõs xcutadas Ralizar açõs d formação profissional inicial contínua sm dupla crtificação. Nº d formandos abrangidos. Taxa d sucsso. Aumntar a taxa d concrtização dos objtivos m Plano Individual. 9 (-1) 100 (-10) 85% (+10%) 90% (+5%) 10 Nº d açõs xcutadas % Nº d formandos qu frquntaram as açõs Nº d formandos qu concluíram a formação 85% % d objtivos atingidos 9 NA Não Aplicávl 10 DGERT Dirção Gral do Emprgo das Rlaçõs d Trabalho Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

25 C. Cntro d Atividads Ocupacionais OE2. Iniciar um srviço privado d atividads ocupacionais dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. Objtivo Opracional Alargar os srviços a Clints privados, dntro da capacidad instalada. 2 (+1) Aumntar o númro d Clints insridos m atividads d capacitação para a vida ativa no xtrior. Mtas (+1) Rsultados Prvisionais 2012 Indicador 1 Nº d Clints privados 11 Nº d Clints insridos Aumntar os atlirs itinrants no âmbito das atividads d capacitação para a vida ativa. 7 5 Nº d atlirs itinrants (+2) 11 % Atividads d capacitação Atingir uma taxa d xcução das atividads d capacitação para a vida ativa d 85%. 85% ND para a vida ativa xcutadas % Atividads trapêuticas Atingir uma taxa d xcução das atividads trapêuticas motoras d 85%. 85% ND motoras xcutadas % Atividads dsnvolvimnto Atingir uma taxa d xcução das atividads dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo 85% ND pssoal, social, rcrativo cultural d 85%. cultural xcutadas Aumntar a taxa d concrtização dos objtivos m Plano Individual. 85% (+14%) 71% % objtivos atingidos Alargar a Trapia Assistida por Animais à comunidad. 20 NA Nº d Clints xtrnos Alargar a utilização da sala d Tcnologias d Informação à comunidad. 60 NA Nº d Clints xtrnos Aumntar os produtos xcutados no âmbito do Projto Toma-Lá. 25 Blocos d notas(+5) 20 Skin's(+19) 20 Blocos d notas 1 Skin Nº d produtos xcutados 11 ND Não Disponívl Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

26 D. Unidads Rsidnciais Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Mantr a taxa d ocupação m alojamnto. 100% 100% Aumntar a taxa d concrtização dos objtivos m Plano Individual. Atingir uma taxa d xcução dos cuidados pssoais atividads instrumntais da vida quotidiana d 85%. Atingir uma taxa d xcução das atividads dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo cultural d 85%. 90% (+5%) 85% ND 85% ND Indicador Taxa d ocupação m alojamnto 85% % Objtivos atingidos % Cuidados pssoais atividads instrumntais da vida quotidiana % Atividads dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo cultural xcutadas E. Srviço d Apoio Domiciliário OE4. Criar um srviço d suport familiar no domicílio. Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Criar um srviço d suport familiar no domicílio. 2 apoios/mês NA Nº médio d srviços por mês Mantr o númro médio mnsal d Clints Nº médio d Clints por mês Mantr a % d participação dos Clints m atividads d dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo cultural. 25% 25% % d Clints qu participam Mantr a taxa d concrtização dos objtivos m Plano Individual. 98% 98% % d objtivos atingidos Aumntar a taxa d xcução das atividads trapêuticas motoras. Mantr a taxa d xcução dos cuidados pssoais atividads instrumntais da vida quotidiana. Mantr a taxa d xcução das atividads d dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo cultural. 85% (+15%) 70% 98% 98% 97% 97% % das atividads trapêuticas motoras xcutadas % cuidados pssoais atividads instrumntais da vida quotidiana % das atividads dsnvolvimnto pssoal, social, rcrativo cultural xcutadas Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

27 RECURSOS PARA A COMUNIDADE A. Intrvnção Prcoc Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Mantr o númro médio mnsal d crianças/famílias m apoio Aumntar a taxa d sucsso das intrvnçõs. 85% (+22%) 63% Indicador Nº médio mnsal d crianças/famílias com apoio Nº d crianças/famílias qu obtivram avaliação/intrvnção 3 a 5 B. Cntro d Rcursos para a Inclusão Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Mantr o grau d xcução do Plano d Ação. 98% 98% Aumntar o nº d alunos apoiados por técnico spcializado. 23 (+2) 21 Indicador Nº d sssõs xcutadas/nº d sssõs planadas Nº d alunos apoiados por técnico C. Cntro d Rcursos do Cntro d Emprgo Objtivo Opracional Rspondr às intrvnçõs d avaliação orintação profissional solicitadas plo Cntro d Emprgo. Mtas (-25%) Rsultados Prvisionais 2012 Mantr o númro d açõs d Apoio à Colocação Aumntar o númro d açõs d Acompanhamnto Pós-Contratação. 4 (+2) Indicador 53 Nº d candidatos 2 Nº d candidatos m Apoio à Colocação Nº açõs d acompanhamnto Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

28 RESPOSTAS EMPREENDEDORAS A. Núclo Trapêutico d Atividad Motora OE5. Alargar as atuais rspostas d intrvnção trapêutica dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. OE6. Disponibilizar um srviço d ATL (atividads d tmpos livrs) para pssoas com dficiência incapacidad. Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Alargar as atuais rspostas d intrvnção trapêutica dando rsposta às solicitaçõs da comunidad. 2º Quad NA R/NR Disponibilizar um srviço d ATL para pssoas com dficiência incapacidad. 3º Quad NA R/NR Indicador Mantr o volum d faturação Volum d faturação Aumntar o volum d faturação nas atividads xtra (Colónias d férias fstas d anivrsário) (+10%) Volum d faturação Mantr a taxa d ocupação da piscina. 82% 82% Taxa média d ocupação mnsal Mantr o nº d Clints inscritos nas atividads xtrnas Nº d Clints inscritos Envolvr Clints xtrnos nos vntos ocasionais do NTAM Nº d Clints xtrnos participants nos vntos ocasionais B. CrPlant Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Obtr uma faturação mínima d na ára d produção d plantas ornamntais NA Volum d faturação Obtr uma faturação mínima d na ára d produtos biológicos NA Volum d faturação Obtr uma faturação mínima d na ára d manutnção d jardins NA Volum d faturação Mantr o númro d participants no projto Farming School Nº d participants Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

29 C. Editora CERCICA OE13. Editar uma nova colção d livros m bilingu. Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Aumntar o volum d faturação Volum d faturação Editar um livro da nova Colção "Todos a Lr" no âmbito das 4 Lituras. 1 NA Nº d livros ditados Editar o livro da nova Colção Todos a Lr m bilingu: Português-Chinês; Português-Crioulo d Cabo Vrd; Português Ucraniano; Português-Moldavo. 4 NA Nº d livros ditados m bílingu Transcrvr livros para Braill. 5 NA Nº d livros transcritos D. CrGourmt Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Mantr o volum d faturação Volum d faturação Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

30 APOIO À GESTÃO A. Gstão d Rcursos Humanos OE16. Dsnvolvr os planos d formação intrna, com rcurso a ntidads d formação crtificadas, no âmbito da rsponsabilidad social. Objtivo Opracional Elaborar o plano d formação intrna providnciar a sua xcução rcorrndo a mprsas d formação crtificadas, no âmbito da rsponsabilidad social. Aumntar o númro d horas d formação dsnvolvimnto d comptências dos colaboradors. Mtas 2013 Rsultados Prvisionais º Quad. NA R/NR horas (+120 horas) Indicador horas Nº d horas d formação Implmntar m toda a organização o sistma d avaliação d dsmpnho. 3º Quad. Aplicado m part R/NR Aumntar a prcntagm d Colaboradors muito satisfitos. 50% (+27%) 23% % d colaboradors qu s ncontram muito satisfitos (nívl 4) B. Qualidad, Mlhoria Gstão Documntal Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Rnovar a Crtificação d Qualidad EQUASS Assuranc. 1º Quad. NA R/NR Indicador Elaborar o plano d auditorias intrnas. 1º Quad. NA % d xcução do plano Trminar a implmntação do novo sistma d gstão da qualidad. 3º Quad. NA R/NR Aumntar a Taxa d Rsposta na Avaliação da Satisfação dos Parciros. 75% (+35%) 40% Nº d rspondnts/total d Parciros Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

31 C. Markting Social OE10. Dsnvolvr açõs concrtadas para grar novas fonts d financiamnto, tais como angariação d fundos, d donativos d novos sócios. Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Implmntar o Plano d Markting Comunicação. 1º Quad. NA % d xcução do plano Aumntar o númro d sócios para a Cooprativa Nº d novos sócios Mantr os valors obtidos m patrocínios, doaçõs quotizaçõs Total d Euros Mantr os valors obtidos na Campanha do Pirilampo Mágico Total d Euros D. Gstão do Voluntariado Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Indicador Mantr o númro médio d voluntários ativos Nº médio d voluntários ativos Aumntar a Taxa d Rsposta na Avaliação da Satisfação dos Voluntários. Aumntar a prcntagm d Voluntários muito satisfitos. 50% (+33%) 50% (+12%) 17% 38% Nº d rspondnts/total d Voluntários % d voluntários qu s ncontram muito satisfitos (nívl 4) Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

32 E. Ára Administrativa-Financira Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Mantr o Grau d Rcurso a Financiamnto Público. 62% 62% Diminuir o rsultado ngativo do xrcício (ants d dprciaçõs amortizaçõs) ( ) Elaborar studo d viabilidad financira do projto d Hlicicultura. 2º Quad. NA R/NR Elaborar studo d viabilidad financira para Lavandaria Industrial. 3º Quad. NA R/NR Indicador Total dos rndimntos/total dos financiamntos públicos Rsultado ants d dprciaçõs amortizaçõs F. Ára Sistmas d Informação Comunicação Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Atualizar os Sistmas d Informação (Hardwar Softwar) 3º Quad. NA R/NR Indicador Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

33 SUPORTE E LOGÍSTICA Objtivo Opracional Mtas 2013 Rsultados Prvisionais 2012 Iniciar o srviço d xploração dos transports para trciros. 2 srviços/mês NA Indicador Volum d faturação para trciros Rspondr à totalidad dos pdidos d transport dos Clints do CAO Nº d pdidos satisfitos Rduzir as dspsas d consrvação das instalaçõs d manutnção. Rduzir as dspsas com a rstauração (-11%) (-34%) % d dspsas Garantir qu os forncdors são todos crtificados. 3º Quad. NA % d dspsas Lista d Forncdors crtificados COMUNS À CERCICA OE12. Dsnvolvr açõs d snsibilização/workshops no âmbito das nossas spcialidads Objtivo Opracional Dsnvolvr açõs d snsibilização/workshops no âmbito das nossas spcialidads. Mtas (+1) Rsultados Prvisionais 2012 Zro situaçõs d violência, ngligência, abuso maus-tratos. 0 NA Aumntar a prcntagm d Clints muito satisfitos. Aumntar a prcntagm d Famílias/Significativos muito satisfitas. Aumntar a prcntagm d Parciros/Financiadors muito satisfitos. Zro rclamaçõs 0 1 Rnovar o rconhcimnto da CERCICA como instituição qu contribui para a sustntabilidad ambintal. 70% (+15%) 85% (+11%) 70% (+9%) Rnovação Galardão Ecoscolas 4 55% 74% 61% Ralizado Indicador Nº d açõs/workshops ralizados Nº d situaçõs d violência, ngligência, abuso maus-tratos % d Clints qu s ncontram muito satisfitos (nívl 4) % d famílias qu s ncontram muito satisfitas (nívl 4) % d parciros qu qu s ncontram muito satisfitos (nívl 4) Nº d rclamaçõs com fundamnto R/NR Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

34 PLANO ESTRATÉGICO III. PARECER DO CONSELHO FISCAL Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

35 IV. ORÇAMENTO O orçamnto qu a sguir s aprsnta tv como prssupostos os sguints: Dcréscimo no valor d rmbolso d IVA; Rdução substancial nos gastos grais. A CERCICA irá dispor d um Orçamnto da Rcita d ,07, provnint maioritariamnt dos subsídios à xploração por part do Ministério da Solidaridad Sgurança Social, do Ministério da Educação Ciência, dcorrnt da Prstaçõs d Srviços ( ,27). Rlativamnt ao orçamnto d 2012 não s prvê qualqur incrmnto O orçamnto para 2013 aprsnta a sguint dcomposição, por grands grupos d rubricas orçamntais: Quadro 1 Orçamnto da Rcita Rubricas Orçamntais RENDIMENTOS 2013 TOTAL Vndas ,64 Prstaçõs d Srviços (Outros) ,10 Matrículas Mnsalidads ,05 Trabalhos para a Própria Entidad - Autoconsumos ,80 Rndimntos Suplmntars d O.Actividads ,15 Subsídios à Exploração-(Sg.Social M. Educação) ,27 Outros Subsídios - (I.E.F.P./C.M.C./Outros) ,93 Outros Rndimntos Ganhos(Subsídios p/invstimnto) ,59 Programa Qual. Pssoas c/dficiência - F.Profissional ,54 TOTAL RENDIMENTOS ,07 Para a ralização d todas as suas atividads a CERCICA irá dispor d um Orçamnto da Dspsa d ,93, sndo mais d 50% do msmo dcorrnt da rubrica Gastos com Pssoal, ,25. Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

36 Quadro 2 Orçamnto da Dspsa Rubricas Orçamntais GASTOS 2013 TOTAL Génros Alimntars / Rfiçõs Srvidas ,38 Custo Mr. Vndidas Matérias Cons. - Outros ,18 Elct.,Comb.,Agua, Out.Fluidos ,00 Matrial d Escritório Didático ,33 Honorários Outros ,91 Consrvação Rparação ,39 Outros Forn. Srviços Extrnos ,57 Gastos com Pssoal ,25 Outros Gastos Prdas ,47 Gastos d Dprciação d Amortização ,92 Programa Qual. Pssoas c/dficiência - F.P.-Formandos ,53 TOTAL GASTOS ,93 Quadro 3 Rsultado d Exploração Total Rcitas Total Dspsas RESULTADO FINAL ,86 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

37 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

38 V. ANEXOS 1. Organograma 2. Calndário d funcionamnto Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

39 Organograma Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

40 Aprovado m Assmblia Gral d 27 d Novmbro d 2012, Acta nº / 40

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO RESULTADOS Avaliação Intrna da Escola PROJETO DE MELHORIA DA ESCOLA ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO Articulação ntr o Quadro d Rfrência da IGEC o Procsso d Autoavaliação da Escola Do mí nio s

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE

PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europu PROGRAMA DE ESTÍMULO À OFERTA DE EMPREGO PEOE FORMULÁRIO DE CANDIDATURA A prnchr plo IEFP, I. P. IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Cntro d Emprgo Data d Rcpção - - Númro do Procsso

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - .

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - . 4 ISSN 677-7042 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 608, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450,

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA Mirian Magnus Machado 1 Jocaffi Albino Brda 2 RESUMO A organização Editora Gráfica Odorizzi Ltda, apsar d star a um longo tmpo

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem Conslho Fdral d Enfrmagm Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral d Enfrmagm Assssoria d Planjamnto Gstão do Cofn Brasília 2015 1 Assssoria d Planjamnto Gstão Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO e

DIREITO FINANCEIRO e DIREITO FINANCEIRO Fábio Fort d Andrad Dirtor do Dpto. d Administração Financira Prfitura Municipal d Campinas Scrtaria Municipal d Finanças Julho d 2012 História Concito Atividad Financira do Estado ROTEIRO

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international Employr Branding José Bancaliro Managing Partnr da Stanton Chas intrnational Num mundo marcado pla globalização, a complxidad a comptitividad no qual o talnto humano s transformou no principal factor d

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Gstão d Riscos Abordagm Prática Igor Rocha Frrira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Agnda Brv Histórico da Gstão d Riscos As Organizaçõs, sus Sgmntos Procssos Maturidad d Gstão d Riscos Transição para a Gstão Intgrada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA 0 - NCARGOS SPCIAIS - PPA 2014 / 2017 PAGAMNTO D AMORTIZACAO, JUROS OUTROS NCARGOS DCORRNTS D MPRSTIMOS FINANCIAMNTOS DA DIVIDA PUBLICA OUTROS NCARGOS SPCIAIS QU CONSTITUM OBRIGAÇÕS NA ADMINISTRACAO PUBLICA

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA

PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA PROJETO DE EDUCAÇÃO AFETIVO - SEXUAL E REPRODUTIVA Tma: Sxualidad rlaçõs intrpssoais 1º Ano- EB1/JI DE VELAS Turma 2 Formas d Rcursos Atividads Objtivos Contúdos organização/ (humanos (por disciplina)

Leia mais

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições INTRODUÇÃO Âmbito O IGESPAR, I.P. Instituto d Gstão do Património Arquitctónico Arquológico é um Instituto Público da administração indircta do Estado, dotado d autonomia administrativa financira, criado

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL

Plano de Estudo 5º ano - ANUAL Plano d Estudo 5º ano - ANUAL Disciplina: Ciências Naturais Unidad Tmática Contúdos 1 Importância das rochas do solo na manutnção dvida. Por qu razão xist vida na Trra? Qu ambint xistm na Trra? Ond xist

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0854 PT 01.07.2013 009.001 1 Est documnto constitui um instrumnto d documntação não vincula as instituiçõs B C2 REGULAMENTO (CE) N. o 854/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO d 29 d Abril d 2004

Leia mais

Plano Anual de Atividades e Orçamento 2015 I. INTRODUÇÃO... 3. Siglas Utilizadas 4 II. ESTRATÉGIA E OBJETIVOS... 5. 1. Visão e Missão...

Plano Anual de Atividades e Orçamento 2015 I. INTRODUÇÃO... 3. Siglas Utilizadas 4 II. ESTRATÉGIA E OBJETIVOS... 5. 1. Visão e Missão... ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 Siglas Utilizadas 4 II. ESTRATÉGIA E OBJETIVOS... 5 1. Visão e Missão... 5 2. Valores... 5 3. Respostas Sociais e Recursos para a Comunidade... 6 Recursos de Intervenção para

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA HISTÓRIA B 10º ANO MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007, DE 29 DE OUTUBRO (Duração: 90 minutos + 30 minutos d tolrância) HISTÓRIA B 10º ANO (Cursos Cintífico-Humanísticos Dcrto-Li

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13

N os das páginas 3 a 9 10 a 12 13 PROVA 1 Instruçõs CADERNO DE QUESTÕES 1- Você stá rcbndo o sguint matrial: a) st cadrno com o nunciado das qustõs discursivas, das qustõs objtivas, das qustõs rlativas às suas imprssõs sobr a prova, assim

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANIMAÇÃO

CENTRO DE ATENDIMENTO, ACOMPANHAMENTO E ANIMAÇÃO Plano Anual d Actividads Actividads d Animação CALENDARIZAÇÃO ANUAL 2015 ACTIVIDADES OBJECTIVOS N.º DE VAGAS Jan. Fv. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. St. Out. Nov. Dz. Jorg Palma Casa da Música Promoção

Leia mais

Conhecendo a trajetória de emergência de novidades : agricultores familiares, recriações e transformações no meio rural do sul do Rio Grande do Sul

Conhecendo a trajetória de emergência de novidades : agricultores familiares, recriações e transformações no meio rural do sul do Rio Grande do Sul Rvista Brasilira d Agrocologia ISSN: 1980-9735 Conhcndo a trajtória d mrgência d novidads : agricultors familiars, rcriaçõs transformaçõs no mio rural do sul do Rio Grand do Sul Knowing th trajctory of

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006

PLUGUES E TOMADAS. Padrão NBR 14.136. Painel Setorial INMETRO 11 abr 2006 PLUGUES E TOMADAS Padrão NBR 14.136 Painl Storial INMETRO 11 abr 2006 1 NBR para (P&T) 2 ABNT NBR NM 60884-1 tomadas para uso doméstico análogo Part 1: Rquisitos grais - Fixa as condiçõs xigívis para P&T

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Demonstrações Financeiras 2012

Demonstrações Financeiras 2012 Dmonstraçõs Financiras 2012 Ativo Total R$ 4.174,3 Milhõs Rcita Bruta Enrgia Grada 12,5 GWh R$ 1.218,9 Milhõs EBITDA R$ 768,0 Milhõs Lucro Líquido R$ 324,6 Milhõs 5 Milhõs d horas sm acidnts com afastamnto

Leia mais

Demonstrações Financeiras 2012

Demonstrações Financeiras 2012 Dmonstraçõs Financiras 2012 Ativo Total R$ 4.174,3 Milhõs Enrgia Grada 12,5 GWh Rcita Bruta R$ 1.218,9 Milhõs EBITDA R$ 768,0 Milhõs Lucro Líquido R$ 324,6 Milhõs 5 Milhõs d horas sm acidnts com afastamnto

Leia mais

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA MÓDULO IV CARACTERÍSTICAS DOS CURSOS EFA OBJECTIVO GERAL: Conhcr o modlo d funcionamnto dos Cursos EFA - comptências d xcução, acompanhamnto,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANO LETIVO 2015/2016 Ano 12º Ano DISCIPLINA: Docnt HISTÓRIA A Carlos Eduardo da Cruz Luna Contúdos Comptências Espcíficas Estratégias RECURSOS Módulo 7 Criss, Embats Iológicos Mutaçõs Culturais

Leia mais

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012 TRMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS M 2012 ORDM CRONOLÓGICA PRIMIRO TRMO ADITIVO Nº DO CONTRATO 08/2012 PRSTAÇÃO D SRVIÇOS D DSNVOLVIMNTO IMPLANTAÇÃO D PROGRAMAS PRVNTIVOS OBJTO DO CONTRATO OCUPACIONAIS

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí 01 Prfito Tatu vradors vão a São Paulo m busca d Cursos Profissionalizants para Maracaí Ontm (06/03) o prfito Eduardo Corra Sotana (Tatu), o Dputado Estadual Mauro Bragato, os vradors Edivaldo Rodrigus

Leia mais

conhecimentos para respeitar a visão política e prática da afirmação

conhecimentos para respeitar a visão política e prática da afirmação ANEXO I CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE 1. PERFIL DO VIGILANTE O vigilant dvrá tr o sguint prfil profissional: a) prvntivo/ostnsivo: atributo d o vigilant sr visívl ao público m gral, a fim d vitar a ação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016

PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016 PLANO COMERCIAL PÉ DE VENTO 2013 À 2016 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Pé d Vnto foi fundada m junho d 1983, plo trinador médico da quip, o doutor m mdicina ortomolcular, Hnriqu Vianna. Ao longo d sua xistência

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Responsabilidade Social 1º Encontro de Fornecedores da ELETROSUL

Responsabilidade Social 1º Encontro de Fornecedores da ELETROSUL Rsponsabilid 1º Encontro d Forncdors ELETROSUL Florianópolis SC 11 d novmbro d 2010 Assssoria d Rsponsabilid MSÃO Dsnvolvr coordnar a gstão Política d Rsponsabilid, visando o dsnvolvimnto sustntávl s comunids

Leia mais

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano

Criando Valor para o Negócio com a Solução SAP para Gestão de Capital Humano Crian Valor o Ngócio a SAP Gstão Capital Hno Grans Grans Dsafi Dsafi na na Gstão Gstão Rcurs Rcurs Hn Hn Gstão Talnt Gstão Talnt Atrair rtr o talnto quan o mrca é Atrair Atrair Atrair rtr rtr rtr talnto

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 06 ISSN 677-7042 Nº 22, quarta-fira, 3 d novmbro d 203 PORTARIA Nº 2.72, DE 2 DE NOVEMBRO DE 203 Rdfin o rgulamnto técnico d procdimntos hmotrápicos. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio.

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio. EMPRES Tubonasa ços é uma organização prsnt há mais d anos no mrcado, é pionira m su sgmnto d distribuição d tubos m aço carbono, quadrados, rtangulars rdondos; m suas mais divrsas normas, para as mais

Leia mais

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP

SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP SINTEC-SP - CEETEPS - CREA-SP 2008 PROJETO EDUCAÇÃO CONTINUADA EMPREENDEDORISMO 2 Sumário. Introdução 3 2. Justificativa 3 3. Objtivos 5 4. Coordnação do Curso 5 5. Formação dos Coordnadors 5 6. Caractrísticas

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual

Experimente. espacoprofessor.pt. espacoprofessor.pt. Manual. Manual. e-manual. e-manual Química Química A A Química 0. ano Química 0. ano Manual Manual Cadrno Laboratório + Guia Cadrno dd Laboratório + Guia dodo (ofrta aluno) (ofrta ao ao aluno) À Prova Exam À Prova dd Exam Cadrno Atividads

Leia mais