comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "comprovados, assim o determinarem, a realização de qualquer etapa do Processo Produtivo Básico poderá ser suspensa temporariamente"

Transcrição

1 86 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 CLÁUSULA SÉTIMA - DO FORO 7. Evntuais controvérsias ntr as parts, rlativas ao prsnt Trmo d Doação, dvrão sr submtidas à Câmara d Conciliação Arbitragm da Administração Fdral (CCAF). 7.2 Caso o conflito não sja rsolvido m sd administrativa, fica lito o foro da Justiça Fdral, Sção Judiciária do Distrito Fdral, para dirimir as dúvidas ou qustõs oriundas da xcução dst instrumnto, rnunciando a qualqur outro por mais privilgiado qu sja. E por starm d plno acordo, as parts assinam o prsnt Trmo d Doação m 3 (três) vias d igual tor forma, na prsnça d 2 (duas) tstmunhas. Local/Data:, / /. TEREZA HELENA GABRIELLI BARRETO CAMPELLO Ministra d Estado do Dsnvolvimnto Social Combat à Fom NOME DO REPRESENTANTE Municípo XXXX/XX TESTEMUNHAS: Nom: CPF: CI: ANEXO Nom: CPF: CI: DESCRIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS BENS Doador: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME - MDS Donatário: Município d / Nº ORDEM DESCRIÇÃO DO BEM TO TA L QTDE NOTA FISCAL VALOR R$ Nº D ATA UNITÁRIO TO TA L Local/Data:, / /. Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior. GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL N o - 43, DE 5 DE MAIO DE 203 OS MINISTROS DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DA CIÊNCIA, TEC- NOLOGIA E INOVAÇÃO, no uso das atribuiçõs qu lhs confr o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Fdral, tndo m vista o disposto no 6 o do art. 7 o do Dcrto-Li n o 288, d 28 d fvriro d 967, considrando o qu consta no procsso n o /203-52, d 2 d março d 203, rsolvm: Art. o Establcr, para o produto CONTÊINERES - MÓ- DULOS HABITACIONAIS, industrializados na Zona Franca d Manaus, o sguint Procsso Produtivo Básico: I - fabricação do aço; II - cort; III - usinagm; IV - soldagm ou rbitagm; V - pintura; VI - montagm. o Todas as tapas do Procsso Produtivo Básico acima dscritas dvrão sr ralizadas na Zona Franca d Manaus, xcto a tapa dscrita no inciso I, qu podrá sr ralizada m qualqur rgião do país. Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código Art. 2 o Smpr qu fators técnicos ou conômicos, dvidamnt comprovados, assim o dtrminarm, a ralização d qualqur tapa do Procsso Produtivo Básico podrá sr suspnsa tmporariamnt ou modificada, por mio d portaria conjunta dos Ministros d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior da Ciência, Tcnologia Inovação. Art. 3 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. FERNANDO DAMATA PIMENTEL Ministro d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior MARCO ANTONIO RAUPP Ministro d Estado da Ciência, Tcnologia Inovação PORTARIA INTERMINISTERIAL N o - 44, DE 5 DE MAIO DE 203 OS MINISTROS DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DA CIÊNCIA, TEC- NOLOGIA E INOVAÇÃO, no uso das atribuiçõs qu lhs confr o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Fdral, tndo m vista o disposto no 6 o do art. 7 o do Dcrto-Li n o 288, d 28 d fvriro d 967, considrando o qu consta no procsso MDIC n o / , d 6 d março d 2005, rsolvm: Art. o O Procsso Produtivo Básico para os produtos FITA ADESIVA, nos tipos rlacionados no anxo dsta Portaria, PE- LÍCULA AUTOADESIVA, EM FORMA DE FOLHAS OU ROLOS, industrializados na Zona Franca d Manaus, stablcidos pla Portaria Intrministrial MDIC/MCT n o 238, d 8 d dzmbro d 200, passa a sr o sguint: I - dposição da camada d adsivo nas plículas; II - cort longitudinal /ou transvrsal das fitas plículas, a partir do rolo mástr; III - rbobinamnto, quando aplicávl; IV - fabricação do núclo intrno d paplão ou injção do núclo intrno d plástico, conform o caso; V - fabricação da mbalagm individual coltiva. o Todas as tapas do Procsso Produtivo Básico acima dscrito dvrão sr ralizadas na Zona Franca d Manaus, obsrvando o disposto no 3 o dst artigo, xcto a tapa constant no inciso V, qu podrá sr ralizada m qualqur part do País. 2 o Dsd qu obdcido o Procsso Produtivo Básico, as atividads ou opraçõs inrnts às tapas d produção podrão sr ralizadas por trciros, xcto uma qu não podrá sr objto d trcirização. 3 o Para os núclos intrnos (tubts) d paplão com diâmtro infrior a 3 polgadas (76,20 mm), utilizados nas fitas adsivas, a mprsa fabricant podrá trcirizar, m outras rgiõs do País, a tapa stablcida no inciso IV, limitada à quantidad d 30% (trinta por cnto) da produção d fitas adsivas, no ano calndário. Art. 2 o A fabricação da mbalagm individual coltiva a qu s rfr o inciso V do art. o dvrá atndr ao sguint cronograma d montagm: I - d o d janiro a 3 d dzmbro d 203: 20% (vint por cnto). II - d o d janiro a 3 d dzmbro d 204: 50% (cinqunta por cnto); III - a partir d o d janiro d 205: 80% (oitnta por cnto). Art. 3 o Para a fabricação do produto plícula autoadsiva, m forma d folhas, fica dispnsado o cumprimnto da tapa IV do art. o dsta Portaria. Art. 4 o O cumprimnto da tapa constant no inciso "I" do art. o podrá sr dispnsado, dsd qu a mprsa intrssada cumpra compromisso d xportação /ou d aplicação m atividads d psquisa dsnvolvimnto, na rgião Amazônica, nos trmos a srm dfinidos plo Conslho d Administração da SUFRAMA - CAS. Art. 5 o O cumprimnto da tapa constant no inciso "IV" do art. o, xclusivamnt para o produto fita adsiva d PVC (policlorto d polivinila) snsívl à prssão para fins létricos (fita isolant - NCM ou ), podrá sr dispnsado, dsd qu a mprsa intrssada cumpra compromisso d xportação /ou d aplicação m atividads d psquisa dsnvolvimnto, na rgião amazônica, nos trmos a srm dfinidos plo Conslho d Administração da SUFRAMA - CAS. Art. 6 o Smpr qu fators técnicos ou conômicos, dvidamnt comprovados, assim o dtrminarm, a ralização d qualqur tapa do Procsso Produtivo Básico podrá sr suspnsa tmporariamnt ou modificada, por mio d Portaria conjunta dos Ministros d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior da Ciência, Tcnologia Inovação. Art. 7 o Fica rvogada a Portaria Intrministrial MDIC/MCT n o 238, d 8 d dzmbro d 200. Art. 8 o Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. FERNANDO DAMATA PIMENTEL Ministro d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior MARCO ANTONIO RAUPP Ministro d Estado da Ciência, Tcnologia Inovação ANEXO P R O D U TO NCM. fita adsiva dupla fac d acrílico fita adsiva dupla fac d spuma fita adsiva d PVC fita adsiva d polipropilno fita adsiva d politilno fita adsiva d poliéstr fita adsiva d tflon fita adsiva d poliéstr rforçada com filamntos d fibra d vidro fita adsiva dupla fac d polipropilno fita adsiva dupla fac d poliéstr fita adsiva d borracha d alta tnsão fita adsiva dupla fac d papl fita adsiva d papl fita adsiva d tcido com politilno fita adsiva d tcido d fibra d vidro fita adsiva d tcido d rayon fita adsiva dupla fac d tcido com PVC fita adsiva dupla fac d tcido fita adsiva d tcido fita adsiva d alumínio fita adsiva transfrívl PORTARIA N o - 49, DE 5 DE MAIO DE 203 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso d suas atribuiçõs tndo m vista o disposto no art. 5º do Dcrto nº 7.356, d 2 d novmbro d 200, rsolv: Art. º Aprovar o Rgimnto Intrno do Instituto Nacional da Propridad Industrial - INPI, na forma do Anxo à prsnt Portaria. Art. 2º Esta Portaria ntra m vigor na data d sua publicação. Art. 3º Rvoga-s a Portaria GM/MDIC nº 30, d d junho d 2008, publicada no Diário Oficial da União, d 2 d junho d FERNANDO DAMATA PIMENTEL ANEXO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. º O Instituto Nacional da Propridad Industrial - INPI, Autarquia Fdral criada pla Li nº 5.648, d d dzmbro d 970, vinculada ao Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, com sd foro no Distrito Fdral, tm por finalidad principal xcutar, no âmbito nacional, as normas qu rgulam a propridad industrial tndo m vista a sua função social, conômica, jurídica técnica, bm como pronunciar-s quanto à convniência d assinatura, ratificação dnúncia d convnçõs, tratados, convênios acordos sobr propridad industrial, conform a lgislação m vigor, spcificamnt: I - rgistrar os contratos qu impliqum transfrência d tcnologia, contratos d franquia similars para produzirm fitos m rlação a trciros; II - rgistrar os programas d computador d acordo com a lgislação m vigor; III - dsnvolvr açõs objtivando promovr a dissminação da cultura da propridad industrial; IV - cadastrar os agnts da propridad industrial para fins d rgular sta atividad, no qu concrn à rprsntatividad prant o INPI. CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Art. 2º O INPI tm a sguint strutura organizacional: I - Órgãos d assistência dirta imdiata ao Prsidnt:. Gabint - GAB.. Sção d Apoio Administrativo da Prsidência - SA- PRE 2. Assssoria d Assuntos Econômicos - AECON 3. Coordnação-Gral da Qualidad - CQUAL 3.. Divisão da Qualidad das Atividads d Patnts d Articulação Informação Tcnológica - DQUAL I 3.2. Divisão da Qualidad das Atividads d Marcas, Contratos d Tcnologia Outros Rgistros - DQUAL II 3.3. Divisão da Qualidad das Atividads Administrativas - DQUAL III 4. Coordnação d Insrção Intrnacional Tmas Globais - COTEG II - Órgãos sccionais:. Ouvidoria - OUVID.. Divisão d Assuntos Extrnos - DAEXT.2. Divisão d Assuntos Intrnos - DAINT 2. Procuradoria Fdral - PROC 2.. Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual - COOPI 2.2. Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria Administrativa - COOAD Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

2 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN Divisão d Contncioso - DCONT Srviço d Apoio ao Contncioso - SCONT 2.4. Srviço d Apoio das Coordnaçõs Jurídicas d Propridad Intlctual Administrativa - SECOR 3. Auditoria Intrna - AUDIT 3.. Divisão d Acompanhamnto Opracional - DIOPE 3.2. Divisão d Acompanhamnto d Gstão - DIAGE 4. Corrgdoria - COGER 5. Coordnação-Gral d Tcnologia da Informação - CGTI 5.. Coordnação d Sistmas d Informação Administração d Dados - COSIS 5... Divisão d Sistmas d Informação Administração d Dados - DISIS Divisão d Padronização Procsso d Softwar - DIPRO 5.2. Coordnação d Infrastrutura, Suport Sgurança da Informação - COINF Divisão d Infrastrutura Suport - DIINF Srviço d Atndimnto ao Usuário Administração d Rd - SERED Divisão d Sgurança da Informação Gstão d Riscos - DISEG 5.3. Divisão d Acompanhamnto d Projtos Espciais - DIAPE 5.4. Divisão d Suport à Gstão d Tcnologia da Informação - DISTI 6. Coordnação-Gral d Comunicação Social - CGCOM 6.. Divisão d Comunicação Intgrada - DICOM 6.2. Divisão d Promoção Evntos - DIPRE 7. Coordnação-Gral d Planjamnto Orçamnto - CG- PO 7.. Divisão d Planjamnto Dsmpnho Institucional - DPLAD 7.2. Divisão d Programação Acompanhamnto Orçamntário - DIPOR 7.3. Divisão d Gstão d Projtos Estratégicos - DIGEP 8. Dirtoria d Administração - DIRAD 8.. Coordnação-Gral d Rcursos Humanos - CGRH 8... Divisão d Administração d Rcursos Humanos - DIARH 8... Sção d Pagamnto - SEPAG Sção d Cadastro Lotação - SECLO Divisão d Saúd Ocupacional - DISAO Cntro d Educação Corporativa - CETEC Sção d Planjamnto d Capacitação - SEPLA Sção d Administração d Capacitação - SEADC Divisão d Planjamnto Gstão d Rcursos Humanos - DPLAG Divisão d Carrira Dsmpnho d Rcursos Humanos - DICAD Divisão d Lgislação d Rcursos Humanos - DI- LEG Sção d Apoio à Gstão d Rcursos Humanos - SEGRH 8.2. Coordnação-Gral d Administração - CGAD Srviço d Assuntos Espciais - SAESA Coordnação d Engnharia Arquittura - CENGE Divisão d Engnharia Manutnção - DIENG Divisão d Arquittura Sgurança do Trabalho - DIARQ Divisão d Matrial, Patrimônio Suprimnto - DIMPS Srviço d Patrimônio - SERPA Srviço d Suprimntos - SESUP Divisão d Contratos Licitaçõs - DICOL Srviço d Grnciamnto d Contratos - SEGEC Srviço d Grnciamnto d Aquisiçõs - SEGEA Srviço d Apoio dos Escritórios d Difusão Rgional - SEADE Divisão d Srviços Grais, Documntação Arquivo - DSERV Srviço d Protocolo Expdição - SEPEX Srviço d Administração Prdial Atividads Auxiliars - SAPRA Sção d Arquivo Gral - SARGE 8.3. Coordnação d Finanças - COFIN Srviço Financiro - SEFIN Srviço d Contabilidad Gral - SECON Srviço d Liquidação - SELIQ Srviço d Arrcadação - SEARC III - Órgãos spcíficos singulars:. Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto - DI- COD.. Cntro Brasiliro d Matrial Biológico - CBMB.2. Cntro d Dissminação da Informação Tcnológica - CEDIN.2.. Bibliotca d Inovação Propridad Intlctual - BI- BLI.2.. Divisão d Documntação Patntária - DIDOC.2... Sção d Administração do Banco d Patnts - S E PAT Sção d Tratamnto d Documntos d Patnts - SEDOC Divisão d Litratura Técnica - DILIT.2.2. Coordnação d Psquisa m Inovação Propridad Intlctual - COPIP Divisão do Obsrvatório Tcnológico - OBTEC Srviço d Dissminação Busca - SEDIB Sção d Administração d Programas d Difusão - SEPAD Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código Sção d Orintação Busca d Patnts - SE- BUS.3. Coordnação-Gral d Coopração Intrnacional - CG- CI.3.. Divisão d Coopração Técnica com América Latina Carib - DIALC.3.2. Divisão d Coopração Técnica com Organismos Rgionais, Plurilatrais Multilatrais m Propridad Intlctual - DIORG.3.3. Divisão d Coopração Técnica Bilatral com Escritórios Nacionais d Propridad Intlctual - DICOB.4. Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto - ACAD.4.. Coordnação d Formação Extnsão m Propridad Intlctual - CFEPI.4... Sção d Administração d Programas d Capacitação - SECAP.4.2. Coordnação d Programas d Pós-Graduação - COPPG.4.3. Divisão d Tcnologias Educacionais - DITED.4.4. Srviço Acadêmico - SERAC.5. Coordnação-Gral d Ação Rgional - CGAR.5.. Escritório d Difusão Rgional (6) - DIREG.5... Sção d Orintação, Rcpção Dissminação (6) - SEORD Sção d Administração (6) - SEADM Sção d Difusão Rgional (5) - SEDIR.5.2. Divisão d Difusão Rgional Nort - DRNOR.6. Coordnação d Coopração Nacional - CONAC.6.. Divisão d Fomnto à Protção d Propridad Intlctual d Univrsidads Instituiçõs d Psquisa - DIFIP.6.2. Divisão d Fomnto à Protção d Propridad Intlctual d Emprsas - DIFEM 2. Dirtoria d Patnts - DIRPA 2.. Srviço d Assuntos Espciais d Patnts - SAESP 2.2. Coordnação-Gral d Patnts I - CGPAT I Divisão d Patnts I - DIPAT I Divisão d Patnts II - DIPAT II Divisão d Patnts III - DIPAT III Divisão d Patnts IV - DIPAT IV Divisão d Patnts V - DIPAT V Divisão d Patnts VI - DIPAT VI 2.3. Coordnação-Gral d Patnts II - CGPAT II Divisão d Patnts VII - DIPAT VII Divisão d Patnts VIII - DIPAT VIII Divisão d Patnts IX - DIPAT IX Divisão d Patnts X - DIPAT X 2.4. Coordnação-Gral d Patnts III - CGPAT III Divisão d Patnts XI - DIPAT XI Divisão d Patnts XII - DIPAT XII Divisão d Patnts XIII - DIPAT XIII Divisão d Patnts XIV - DIPAT XIV 2.5. Coordnação-Gral d Patnts IV - CGPAT IV Divisão d Patnts XV - DIPAT XV Divisão d Patnts XVI - DIPAT XVI Divisão d Patnts XVII - DIPAT XVII Divisão d Patnts XVIII - DIPAT XVIII Divisão d Patnts XIX - DIPAT XIX Divisão d Patnts XX - DIPAT XX 2.6. Coordnação-Gral do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts - CGPCT Divisão Intrnacional do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts -DIPCT Sção d Rcpção do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts - SRPCT Divisão Nacional do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts - DNPCT 2.7. Coordnação d Suport Administrativo d Patnts - COSAP Sção d Control d Pagamntos d Anuidads - S E PA N Srviço d Exam Formal Prliminar - SEFOR Sção d Arquivo d Pdidos m Sigilo - SEAPS Srviço d Expdição d Patnts - SEEXP Sção d Anotaçõs d Transfrências Noms - SANOT Srviço d Control d Documntos - SECOD Sção d Atndimnto d Cópias - SECOP Sção d Publicação d Pdidos Nacionais - SE- PEN Sção d Arquivo d Pdidos Patnts - SAPAT 3. Dirtoria d Marcas - DIRMA 3.. Srviço d Estudos Projtos Espciais - SEPES 3.2. Coordnação-Gral d Marcas I - CGMAR I Divisão d Marcas I - DIMAR I Divisão d Marcas II - DIMAR II Divisão d Marcas III - DIMAR III Divisão d Marcas IV - DIMAR IV 3.3. Coordnação-Gral d Marcas II - CGMAR II Divisão d Marcas V - DIMAR V Divisão d Marcas VI - DIMAR VI Divisão d Marcas VII - DIMAR VII Divisão d Marcas VIII - DIMAR VIII 3.4. Coordnação d Apoio d Marcas I - CAMAR I Divisão d Transfrência, Altração Prorrogação - D I TA P Srviço d Control d Documntos d Marcas - SE- DOM Srviço d Expdição d Crtificados - SECER 3.5. Coordnação d Apoio d Marcas II - CAMAR II Divisão d Exam Formal - DIFOR Srviço d Orintação ao Usuário d Marcas - SO- MAR Srviço d Arquivo Gstão Documntal d Marcas - SAGED 4. Dirtoria d Contratos, Indicaçõs Gográficas Rgistros - DICIG 4.. Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia - CG- TEC 4... Coordnação d Orintação Técnica - COTEC Divisão d Rgistro d Contratos d Tcnologia - DIREC Divisão d Avrbação d Licnças - DIALI Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia - SACOT Sção d Exam Formal do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia - SE- FAT Sção d Expdição d Crtificados do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia - SECAT 4.2. Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros - CGIR Coordnação d Fomnto Rgistro d Indicaçõs Gográficas - COIND Divisão d Rgistro d Dsnho Industrial - DESIN Divisão d Rgistro d Programas d Computador Topografia d Circuitos Intgrados - DIPTO Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros - SEACO Sção d Exam Formal, Rcbimnto Control d Documntos d Rgistros - SERCO Sção d Expdição d Crtificados, Control d Pagamnto Anotação d Rgistros - SECPA 5. Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual - CEDPI 5.. Divisão d Promoção à Rsolução d Conflitos m Propridad Intlctual - DPREC 5.2. Divisão d Combat à Concorrência Dslal à Contrafação - DCCON 6. Coordnação-Gral d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad - CGREC 6.. Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Marcas - DIREM 6.2. Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Patnts - DIREP 6.3. Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Dsnho Industrial, Contratos Outros Rgistros - DIRED 6.4. Divisão d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad - DAREC CAPÍTULO III DA DIREÇÃO E NOMEAÇÃO Art. 3º O INPI é dirigido por um Prsidnt um Vic- Prsidnt; as Dirtorias por Dirtors; a Ouvidoria por Ouvidor; a Procuradoria Fdral por Procurador-Chf; a Auditoria Intrna por Auditor-Chf; a Corrgdoria por Corrgdor; as Coordnaçõs-Grais a Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto por Coordnadors-Grais; as Coordnaçõs por Coordnadors; o Gabint, a Assssoria d Assuntos Econômicos, o Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual, o Cntro d Dissminação da Informação Tcnológica, o Cntro Brasiliro d Matrial Biológico, o Cntro d Educação Corporativo, os Escritórios d Difusão Rgional, as Divisõs, os Srviços as Sçõs, por Chfs. º O Prsidnt do INPI dmais cargos m comissão srão providos na forma da lgislação vignt. 2o A nomação do Procurador-Chf srá prcdida d anuência do Advogado-Gral da União. 3o A nomação ou xonração do Auditor-Chf srá submtida, plo Prsidnt do INPI, à aprovação da Controladoria- Gral da União, conform lgislação spcífica. 4o A indicação ou xonração do Corrgdor srá submtida prviamnt, plo Prsidnt do INPI, à aprciação do Órgão Cntral do Sistma d Corrição. 5o As Funçõs Comissionadas do INPI (FCINPI) srão ocupadas, privativamnt, por srvidors ativos m xrcício no INPI, nos trmos do art. º da Li nº 2.274, d 24 d junho d º Os ocupants dos cargos m comissão prvistos no caput dst artigo srão substituídos, m suas faltas ou impdimntos, por srvidors por ls indicados, prviamnt dsignados, na forma da lgislação spcífica. 7º Aplicam-s também às funçõs gratificadas as disposiçõs prvistas nos º 6º dst artigo. CAPÍTULO IV DA COMPETÊNCIA DAS UNIDADES Art. 4º Ao Gabint I - assistir o Prsidnt do INPI m sua rprsntação social política; II - incumbir-s do prparo dspacho do xpdint pssoal do Prsidnt do III - ftuar o acompanhamnto da tramitação dos atos lgais d intrss do IV - providnciar o atndimnto às consultas aos rqurimntos formulados pla Assssoria Parlamntar do Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior; V - acompanhar o andamnto dos projtos d intrss do INPI. Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

3 88 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 Art. 5º À Sção d Apoio Administrativo da Prsidência I - rcbr, protocolar, controlar xpdir toda a documntação prtinnt à Prsidência; II - mantr atualizado o arquivo d documntos da Prsidência; III - promovr a tramitação d documntos spcíficos ntr a Prsidência do INPI outros órgãos d Govrno. Art. 6º À Assssoria d Assuntos Econômicos I - laborar rlatório d impacto das normas qu rgulam a propridad intlctual no País nos spaços gográficos abrangidos por acordos intrnacionais rfrnts à matéria, m coopração, no âmbito do INPI, com a Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto, com o Cntro d Dissminação da Informação Tcnológica com a Divisão do Obsrvatório Tcnológico, no âmbito xtrno, com outras instituiçõs d psquisas ou d studos conômicos; II - promovr, coordnar xcutar studos conômicos acrca do impacto da propridad intlctual das açõs do INPI sobr o procsso d dsnvolvimnto nacional sobr a comptitividad d mprsas stors d atividad conômica; III - coordnar a prparação técnica do posicionamnto oficial do Instituto quanto a projtos d li qu tnham por objto a mudança das normas qu rgulam a propridad industrial no Brasil; IV - coordnar a participação do INPI nos foros intrinstitucionais qu discutm políticas d dsnvolvimnto industrial, inovação propridad intlctual; V - organizar, mantr divulgar, m coopração com as dmais Dirtorias do INPI com as Coordnaçõs-Grais d Tcnologia da Informação, d Planjamnto Orçamnto d Comunicação Social, o banco d statísticas d propridad intlctual, consolidado m formato acssívl ao público m gral, usuários psquisadors d propridad intlctual; VI - coordnar o acsso ao banco d dados statísticos do INPI, voltado para studos psquisas m propridad intlctual; VII - participar da laboração d planos d trabalho dos acordos d coopração qu nvolva o acsso ao banco d dados statísticos do VIII - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 7º À Coordnação-Gral da Qualidad I - planjar, coordnar xcutar a política d Qualidad do INPI: a) das atividads d patnts, d marcas, d contratos d outros rgistros; b) das atividads d articulação rgional intrnacional, d dissminação da propridad intlctual, d nsino psquisa d documntação tcnológica; c) das dmais atividads. II - implmntar mantr o Sistma d Gstão da Qualidad do III - promovr coordnar as atividads d laboração, atualização dissminação das normas procdimntos da Qualidad do IV - idntificar dfinir mtodologias d mlhoria contínua nos procssos do INPI, com vistas ao plno atndimnto das xpctativas dos usuários; V - stimular orintar a crtificação das atividads do INPI, sgundo padrõs rconhcidos intrnacionalmnt; VI - criar indicadors para mdir a aplicação da Política da Qualidad, propondo mdidas prvntivas ou corrtivas, qu orintm o INPI para a xclência na gstão d procdimntos; VII - coordnar avaliaçõs priódicas da implmntação manutnção do Sistma da Qualidad do VIII - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 8º À Divisão da Qualidad das Atividads d Patnts d Articulação Informação Tcnológica, à Divisão da Qualidad das Atividads d Marcas, Contratos d Tcnologia Outros Rgistros, à Divisão da Qualidad das Atividads Administrativas, m suas áras d atuação, I - dsnvolvr açõs práticas qu dissminm a Política da Qualidad do II - laborar xcutar planos d ação para stablcr condiçõs institucionais d xclência adquadas à manutnção do Sistma d Gstão da Qualidad do III - aplicar dissminar mtodologias frramntas utilizadas para o grnciamnto dos procssos rotinas com ficiência, ficácia ftividad; IV - mprndr açõs d mlhoria contínua para padronização das atividads do V - dsnvolvr aplicar os indicadors da Qualidad para monitoramnto das rotinas procssos do VI - idntificar as açõs prvntivas ou corrtivas aplicávis aos procdimntos do INPI na busca manutnção da xclência; VII - ralizar a avaliação a rvisão priódicas d normas, critérios, padrõs procdimntos do Sistma d Gstão da Qualidad do INPI. Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código Art. 9º À Coordnação d Insrção Intrnacional Tmas Globais I - promovr coordnar a contribuição do INPI na laboração da posição do Brasil m tmas d propridad intlctual discutidos nos foros intrnacionais, inclusiv no atndimnto do disposto no art. 2º da Li nº 5.648, d d dzmbro d 970, com a nova rdação confrida pla Li nº 9.279, d 4 d maio d 996; II - organizar apoiar a rprsntação do INPI nos foros intrnacionais; III - laborar a agnda intrnacional do Prsidnt, do Vic- Prsidnt dos Dirtors do INPI, assim como d outros participants, por dtrminação do Prsidnt, assssorá-los m suas missõs a outros paíss organismos intrnacionais; IV - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas Ȧrt. 0. À Ouvidoria I - rcbr, analisar dar tratamnto adquado às dnúncias, logios sugstõs dircionadas à Ouvidoria, quando ncssário, ncaminhar os plitos às áras comptnts para atndimnto; II - rcbr, analisar dar tratamnto adquado às rclamaçõs d última instância, quando ncssário, ncaminhar os plitos às áras comptnts para atndimnto; III - acompanhar as providências adotadas, cobrar soluçõs mantr o usuário informado, m rlação ao dfinido nos incisos I II dst artigo, quando coubr; IV - mdir o nívl d satisfação do usuário m rlação ao atndimnto prstado pla Ouvidoria por mio d sistma informatizado, ralizando análiss sobr sus rsultados nos rlatórios grnciais qu coubrm; V - grar divulgar rlatórios com dados grnciais, qu possibilitm visualizar, por mio das dmandas ncaminhadas à Ouvidoria, a atuação do Instituto, idntificando pontos críticos, contribuindo assim para a mlhoria contínua da Instituição; VI - organizar intrprtar o conjunto das manifstaçõs rcbidas pla Ouvidoria, smpr qu possívl, sugrir a implmntação d açõs às áras, visando à mlhoria dos srviços ofrcidos plo INPI no cumprimnto d suas finalidads; VII - mdiar, uma vz sgotados os dmais canais d rsolução intrnos do INPI, vntuais conflitos grados nas rlaçõs d trabalho na prstação d srviços do Instituto, quando dmandada; VIII - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas Ȧrt.. À Divisão d Assuntos Extrnos I - atndr às qustõs rlativas aos usuários xtrnos, no qu s rfr às dmandas d última instância; II - ralizar anális das dmandas d Ouvidoria ncaminhadas plos usuários xtrnos, por mio do sistma d atndimnto ltrônico da Ouvidoria; III - laborar propostas d mlhoria para as dmais áras do INPI, a partir das dmandas dos usuários xtrnos, quando coubr. Art. 2. À Divisão d Assuntos Intrnos I - coordnar controlar os documntos, contribuindo para a ficiência opracional da Ouvidoria; II - planjar, coordnar suprvisionar as atividads administrativas da Ouvidoria, propondo ao Ouvidor as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho das atividads; III - atndr às qustõs rlativas aos usuários intrnos, no qu s rfr às dmandas administrativas d última instância. Art. 3. À Procuradoria Fdral, na qualidad d órgão d xcução da Procuradoria-Gral Fdral I - xrcr a rprsntação judicial xtrajudicial do INPI, na forma disciplinada pla Advocacia-Gral da União; II - xrcr as atividads d consultoria assssoramnto jurídicos ao Prsidnt às unidads da strutura rgimntal do INPI, aplicando-s, no qu coubr, o disposto no art. da Li Complmntar no 73, d 0 d fvriro d 993; III - forncr, na forma d subsídios, os lmntos d fato d dirito, inclusiv cálculos prícias, quando coubr, ncssários à atuação dos órgãos rgionais da Procuradoria-Gral Fdral, na dfsa judicial dos diritos intrsss do INPI, na forma disciplinada pla Advocacia-Gral da União; IV - orintar apoiar as unidads do INPI na laboração d minutas d ditais d licitação, d instrumntos d contratos, d convênios, acordos d outros atos criadors d diritos obrigaçõs; V - analisar mitir parcrs sobr qustõs suscitadas pla aplicação das lis dos rgulamntos rlativos às atividads dsnvolvidas plo INPI, m spcial as normas qu rgm a propridad intlctual; VI - ralizar rvisão final da técnica lgislativa mitir parcr conclusivo sobr a constitucionalidad, a lgalidad a compatibilidad das propostas d normas intrnas do VII - apurar a liquidz crtza dos créditos, d qualqur naturza, rsultants das atividads implmntadas plo INPI, inscrvndo-os m dívida ativa, para fins d cobrança amigávl ou judicial; VIII - promovr coordnar, m conjunto com Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual, açõs visando à dissminação d conhcimntos spcíficos do Sistma Lgal d Protção da Propridad Intlctual d Combat a Atos d Concorrência Dslal a Infraçõs d Diritos d Propridad Intlctual; IX - xrcr outras atribuiçõs qu lh sjam comtidas pla Advocacia-Gral da União. Art. 4. À Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual I - assssorar o Prsidnt as unidads da strutura rgimntal do INPI nos assuntos rlativos à propridad intlctual tmas corrlatos, assim como assisti-los no control intrno da lgalidad dos atos administrativos m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos, a srm por ls praticados ou já formalizados; II - xaminar mitir parcrs conclusivos m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos, aos quais, por ato do Prsidnt do INPI, podrá sr atribuído carátr normativo; III - fixar, m conjunto com a Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria Administrativa com a Divisão d Contncioso, a intrprtação do ordnamnto jurídico m gral, a sr submtida à aprovação do Procurador-Chf; IV - colaborar, juntamnt com a Divisão d Contncioso, com as açõs promovidas coordnadas pla Procuradoria Fdral, m conjunto com o Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual, visando à dissminação d conhcimntos spcíficos do Sistma Lgal d Protção da Propridad Intlctual d Combat a Atos d Concorrência Dslal a Infraçõs d Diritos d Propridad Intlctual; V - coordnar a laboração d studos d informaçõs d carátr jurídico sobr a lgislação vignt d propridad intlctual tmas corrlatos, incluindo tratados, acordos outros instrumntos intrnacionais congênrs, bm como acrca das propostas d atos lgais, nacionais ou intrnacionais, sobr a matéria, submtndo-os à prévia aprciação aprovação do Procurador-Chf, com a finalidad d: a) propor normas dirtrizs intrnas ao Prsidnt do INPI para a aplicação obsrvância da lgislação vignt no âmbito dos procssos d outorga d diritos d propridad intlctual; b) forncr subsídios jurídicos ao pronunciamnto do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas à propridad intlctual tmas corrlatos; c) forncr subsídios jurídicos ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno brasiliro m quaisqur foros nacionais ou intrnacionais d discussão sobr propridad intlctual tmas corrlatos. VI - forncr subsídios jurídicos ao pronunciamnto do INPI m matéria d propridad intlctual prant os órgãos d control xtrno ao Ministério Público; VII - comunicar, pronta formalmnt, à Divisão d Contncioso, os parcrs jurídicos m qustõs rlvants m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos, aprovados plo Procurador-Chf; VIII - orintar coordnar a publicação, m órgão próprio, d trabalhos sobr tmas rlvants m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos produzidos pla Procuradoria Fdral no IX - planjar, orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Coordnação, propondo ao Procurador-Chf as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads. Art. 5. À Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria Administrativa I - assssorar o Prsidnt as unidads da strutura rgimntal do INPI m matéria administrativa, assim como assisti-los no control intrno da lgalidad dos atos administrativos m matéria administrativa, a srm por ls praticados ou já formalizados; II - xaminar mitir parcrs conclusivos m matéria administrativa, aos quais, por ato do Prsidnt do INPI, podrá sr atribuído carátr normativo; III - fixar, m conjunto com a Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual com a Divisão d Contncioso, a intrprtação do ordnamnto jurídico m gral, a sr submtida à aprovação do Procurador-Chf; IV - forncr subsídios jurídicos ao pronunciamnto do INPI m matéria administrativa prant os órgãos d control xtrno ao Ministério Público; V - apurar a liquidz crtza dos créditos, d qualqur naturza, rsultants das atividads implmntadas plo INPI, inscrvndo-os m dívida ativa, para fins d cobrança amigávl ou judicial; VI - orintar apoiar a laboração d minutas d ditais d licitação, d instrumntos d contratos, d convênios d outros atos criadors d diritos obrigaçõs qu dvam sr clbrados plo VII - xaminar, prévia conclusivamnt: a) o txto d minutas d ditais d licitação d contratos ou instrumntos congênrs; b) o txto d minutas d convênios outros instrumntos qu crim diritos obrigaçõs para o INPI. VIII - opinar, quando solicitado, nos atos plos quais s vá rconhcr a inxigibilidad ou dcidir a dispnsa d licitação; IX - comunicar, pronta formalmnt, à Divisão d Contncioso, os parcrs jurídicos m qustõs rlvants m matéria administrativa, aprovados plo Procurador-Chf; X - sistmatizar, organizar atualizar a lgislação a jurisprudência judicial nacionais m matéria administrativa a jurisprudência do Tribunal d Contas da União; XI - orintar coordnar a publicação, m órgão próprio, d trabalhos sobr tmas rlvants m matéria administrativa produzidos pla Procuradoria Fdral no INPI: XII - planjar, orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Coordnação, propondo ao Procurador-Chf as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads. Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

4 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN Art. 6. À Divisão d Contncioso I - coordnar xrcr a rprsntação judicial do INPI prant a Justiça Fdral do Estado do Rio d Janiro o Tribunal Rgional Fdral da 2ª Rgião, nos procssos m qu a Autarquia for autora, ré, oponnt ou assistnt, na forma disciplinada pla Advocacia-Gral da União, rcbndo as intimaçõs citaçõs rlativas aos procssos judiciais ltrônicos ou não; II - acompanhar as pautas d julgamnto, laborar mmoriais ralizar sustntaçõs orais prant o Tribunal Rgional Fdral da 2ª Rgião, tndo m conta a rlvância dos procssos d intrss do III - forncr, na forma d subsídios, os lmntos d fato d dirito, inclusiv cálculos prícias, quando coubr, ncssários à atuação dos órgãos da Procuradoria-Gral Fdral, na dfsa judicial dos diritos intrsss do INPI, na forma disciplinada pla Advocacia-Gral da União; IV - apoiar os órgãos da Procuradoria-Gral Fdral na sua atuação prant as instâncias dos Tribunais Supriors nos procssos m qu a Autarquia for autora, ré, oponnt ou assistnt, na forma disciplinada pla Advocacia-Gral da União; V - stablcr uniformidad d procdimntos na atuação judicial do VI - orintar as unidads da strutura rgimntal do INPI quanto ao cumprimnto das dcisõs prolatadas plo Podr Judiciário; VII - xrcr a rprsntação xtrajudicial do INPI prant os órgãos d control xtrno, o Ministério Público o Podr Judiciário; VIII - fixar, m conjunto com a Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual com a Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria Administrativa, a intrprtação do ordnamnto jurídico m gral, a sr submtida à aprovação do Procurador-Chf; IX - colaborar, juntamnt com a Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual, com as açõs promovidas coordnadas pla Procuradoria Fdral, m conjunto com o Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual, visando à dissminação d conhcimntos spcíficos do Sistma Lgal d Protção da Propridad Intlctual d Combat a Atos d Concorrência Dslal a Infraçõs d Diritos d Propridad Intlctual; X - sistmatizar, organizar atualizar a jurisprudência acrca da propridad intlctual brasilira do dirito administrativo brasiliro, assim como da lgislação da jurisprudência sobr propridad intlctual nos paíss ou rgiõs d intrss da Administração do XI - comunicar, pronta formalmnt, à Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria d Propridad Intlctual, as dcisõs dos Tribunais qu nvolvam qustõs rlvants intrprtação d normas lgais, m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos; XII - comunicar, pronta formalmnt, à Coordnação Jurídica d Assssoramnto Consultoria m Matéria Administrativa, as dcisõs dos Tribunais qu nvolvam qustõs rlvants intrprtação d normas lgais, m matéria administrativa; XIII - orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Divisão, propondo ao Procurador-Chf as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads; XIV - planjar, orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Divisão, propondo ao Procurador-Chf as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads. Art. 7. Ao Srviço d Apoio ao Contncioso I - controlar o andamnto das açõs judiciais m qu o INPI sja autor, réu, oponnt ou assistnt, bm como dos fitos administrativos m qu a Autarquia sja part; II - controlar mantr atualizado, grando os rlatórios as statísticas dtrminados plo chf da Divisão: a) o andamnto dos procssos da documntação submtidos à Divisão; b) os arquivos d procssos da documntação produzida rcbida na Divisão; c) a distribuição d procssos documntos aos Procuradors Fdrais m xrcício na Divisão; d) a produtividad da Divisão, bm como a produtividad individual dos Procuradors Fdrais m xrcício na Divisão. III - laborar as psquisas, rlatórios statísticas rfrnts às atividads da Divisão qu lh form dtrminados pla Chfia; IV - providnciar a rtirada a dvolução d procssos d intrss do INPI junto ao Podr Judiciário aos órgãos da Advocacia-Gral da União; V - xcutar a sistmatização atualização da jurisprudência judicial m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos, m matéria administrativa; VI - coordnar, controlar acompanhar os rgistros a atualização dos sistmas d rgistro control da Advocacia-Gral da União, na ára d comptência da Divisão; VII - controlar orintar, sob a suprvisão da Chfia da Divisão, as atividads dos stagiários m Dirito; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código VIII - xcutar controlar as comunicaçõs formais, à Coordnação Jurídica m matéria d Propridad Intlctual, das dcisõs dos Tribunais qu nvolvam qustõs rlvants intrprtação d normas lgais, m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos m matéria administrativa; IX - planjar, orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads do Srviço, propondo à Chfia da Divisão as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads. Art. 8. Srviço d Apoio das Coordnaçõs Jurídicas d Propridad Intlctual Administrativa I - controlar mantr atualizado, grando os rlatórios as statísticas dtrminados plas chfias das Coordnaçõs Jurídicas: a) o andamnto dos procssos da documntação submtidos às Coordnaçõs Jurídicas; b) os arquivos d procssos da documntação produzida rcbida nas Coordnaçõs Jurídicas; c) a distribuição d procssos documntos aos Procuradors Fdrais m xrcício nas Coordnaçõs Jurídicas; d) a produtividad das Coordnaçõs Jurídicas, bm como a produtividad individual dos Procuradors Fdrais m xrcício nas Coordnaçõs; ) o andamnto dos procssos rlacionados à dívida ativa do INPI. II - laborar psquisas, rlatórios statísticas rfrnts às atividads das Coordnaçõs Jurídicas qu lh form dtrminados plas rspctivas chfias; III - xcutar a sistmatização atualização da jurisprudência do Tribunal d Contas da União; IV - coordnar, controlar acompanhar os rgistros a atualização dos sistmas d rgistro control da Advocacia-Gral da União, na ára d comptência das Coordnaçõs Jurídicas; V - xcutar controlar as comunicaçõs formais, à Divisão d Contncioso, dos parcrs jurídicos das Coordnaçõs Jurídicas, aprovados plo Procurador-Chf, sobr qustõs rlvants m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos m matéria administrativa; VI - xcutar, sob a suprvisão d Procurador Fdral da Coordnação Jurídica m Matéria Administrativa, dsignado para ss fim, as atividads d naturza administrativa rlacionadas à inscrição à cobrança amigávl d débitos rlativos à dívida ativa do VII - promovr as açõs ncssárias à publicação, m órgão próprio, d trabalhos sobr tmas rlvants m matéria d propridad intlctual tmas corrlatos produzidos pla Procuradoria Fdral no VIII - ralizar consulta diária ao Diário Oficial da União - Sção I a sítios da intrnt dfinidos plas chfias das Coordnaçõs, procdndo à divulgação dos atos oficiais outros atos d intrss da Procuradoria; IX - controlar orintar, sob a suprvisão das rspctivas chfias das Coordnaçõs, as atividads dos stagiários m Dirito; X - planjar, orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads do Srviço, propondo ao Procurador-Chf às rspctivas chfias das Coordnaçõs Jurídicas as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads. Art. 9. À Auditoria Intrna compt vrificar a conformidad às normas vignts dos procdimntos d naturza orçamntária, contábil, financira, patrimonial, d rcursos humanos opracional, spcificamnt: I - laborar, submtr à aprovação do Prsidnt do INPI xcutar adquadamnt os Planos Anuais d Atividads d Auditoria Intrna, na forma das normas m vigor, bm como os prtinnts Rlatórios Anuais d Atividads d Auditoria Intrna; II - zlar pla qualidad, ficiência ftividad dos controls intrnos visando à garantia da rgularidad dos atos administrativos, assim como plo adquado atndimnto às rcomndaçõs manadas do Tribunal d Contas da União da Controladoria-Gral da União; III - orintar ou procdr, quando dtrminado plo Prsidnt do INPI, ao xam prévio dos atos administrativos d sua comptência, sm prjuízo daqul vntualmnt ralizado plo órgão jurídico, d modo a garantir a conformidad dos msmos m rlação à lgislação spcífica normas corrlatas; IV - orintar os gstors d bns ordnadors d dspsas, quando dtrminado plo Prsidnt do V - orintar a laboração das Prstaçõs d Contas Anuais; VI - mitir parcrs sobr as Prstaçõs d Contas Anuais vntuais Tomadas d Contas Espcial ralizadas no âmbito do IN- PI. Parágrafo único. Nnhum procsso, documnto ou informação podrá sr songado aos srvidors da Auditoria Intrna, no dsmpnho d suas atribuiçõs, dvndo os profissionais da unidad d Auditoria Intrna guardar o sigilo das informaçõs conform prvisto no Código d Ética da Auditoria Intrna. Art. 20. À Divisão d Acompanhamnto Opracional I - avaliar acompanhar o Planjamnto Estratégico; II - acompanhar a xcução do Plano Plurianual - PPA; III - acompanhar avaliar os indicadors d dsmpnho quanto à ficiência, ficácia, ftividad conomicidad, m consonância com a missão institucional da Autarquia; IV - acompanhar avaliar o grnciamnto da xcução dos convênios, acordos dmais ajusts firmados no âmbito dst Instituto; V - acompanhar avaliar as açõs propostas os rsultados do Plano Dirtor d Tcnologia da Informação - PDTI; VI - xaminar os procdimntos das áras finalísticas, avaliando sus controls intrnos, os rsultados alcançados, o alcanc dos objtivos o rspctivo impacto para a Instituição os usuários dos srviços, visando a comprovar a adquação da gstão. Art. 2. À Divisão d Acompanhamnto d Gstão I - avaliar os controls intrnos das unidads administrativas; II - xaminar os atos fatos d gstão orçamntária, financira, patrimonial, d rcursos humanos do suprimnto d bns srviços; III - analisar a rgularidad dos procssos licitatórios, bm como a fiscalização xcução contratual; IV - acompanhar auxiliar a missão d parcrs sobr a Prstação d Contas Tomada d Contas Espcial; V - acompanhar o cumprimnto das dtrminaçõs do Tribunal d Contas da União as rcomndaçõs da Controladoria-Gral da União da própria Auditoria Intrna, assim como as dmandas rcbidas pla Ouvidoria; VI - auxiliar a laboração do Plano Anual d Atividads d Auditoria Intrna - PAINT o Rlatório Anual d Atividads d Auditoria Intrna - RAINT. Art. 22. À Corrgdoria I - planjar, dirigir, orintar, suprvisionar, avaliar, aprimorar controlar as atividads d corrição no âmbito do INPI, na forma da lgislação m vigor m consonância com as orintaçõs normativas da Controladoria-Gral da União; II - ralizar lvantamnto dos srvidors públicos aptos a compor comissõs d procsso administrativo disciplinar comissõs d sindicância, propondo à Controladoria-Gral da União sua capacitação; III - suprvisionar, coordnar, xcutar atividads qu conduzam à prvnção dos dsvios d ordm disciplinar no âmbito da autarquia; IV - promovr o dsnvolvimnto d açõs, no âmbito do INPI, com o objtivo d dissminar, sclarcr, capacitar trinar os agnts públicos, m xrcício d cargo ou função no INPI, sobr as normas d carátr disciplinar; V - ncaminhar à Controladoria-Gral da União dados consolidados sistmatizados, rlativos aos procssos xpdints m curso, os rsultados das sindicâncias procssos administrativos disciplinars, bm como informaçõs sobr a aplicação das pnalidads rspctivas; VI - participar d atividads conjugadas das unidads intgrants do Sistma d Corrição do Podr Excutivo Fdral, com vista ao aprimoramnto do xrcício das atividads qu lhs são comuns; VII - aprciar consultas manifstar-s sobr matérias rlacionadas a sua ára d comptência; VIII - solicitar ralizar diligências, rquisitar informaçõs, procssos documntos ncssários ao xam d matéria na sua ára d comptência; IX - orintar, suprvisionar controlar as atividads das comissõs d sindicâncias procssos administrativos disciplinars, no qu coubr; X - instruir os procssos disciplinars dmais xpdints qu dvam sr submtidos à aprciação dcisão das autoridads comptnts; XI - ncaminhar à ára administrativa comptnt matéria rlativa à Tomada d Contas Espcial. Art. 23. À Coordnação-Gral d Tcnologia da Informação I - planjar, coordnar, suprvisionar acompanhar as atividads d tcnologia da informação do II - propor dirtrizs, normas, implmntar a política d tcnologia da informação do INPI, obsrvadas as orintaçõs dos órgãos rsponsávis plos sistmas d administração dos rcursos d informação, assim como do Plano Dirtor d Tcnologia da Informação; III - rprsntar institucionalmnt o INPI m assuntos d tcnologia da informação, junto a órgãos do Govrno da socidad; IV - coordnar, suprvisionar, orintar, acompanhar avaliar a laboração do Plano Dirtor d Tcnologia da Informação dmais planos, programas, projtos contrataçõs d tcnologia da informação assim como os rcursos orçamntários associados; V - provr sistmas infrastrutura d tcnologia da informação adquados ao INPI, obsrvando os concitos d sgurança da informação grnciamnto d riscos; VI - normatizar a mtodologia d dsnvolvimnto d sistmas informatizados; VII - avaliar dfinir novas tcnologias visando propor soluçõs atualizadas para o ambint dos sistmas d informação; VIII - cooprar tcnicamnt no intrcâmbio d informaçõs na transfrência d dados ntr o INPI dmais instituiçõs congênrs; IX - ralizar o acompanhamnto técnico d contratos, convênios projtos, quaisqur instrumntos d transfrência, rlacionados ao uso d tcnologia da informação; X - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

5 90 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 24. À Coordnação d Sistmas d Informação Administração d Dados I - planjar, coordnar orintar o dsnvolvimnto das atividads rlacionadas com: a) modlagm d dados dos sistmas d informaçõs, visando à intgração, compatibilização dos dados manutnção do modlo d dados corporativo; b) administração d banco d dados; c) dsnvolvimnto, manutnção, homologação implantação d sistmas da informação; d) padronizaçõs, mtodologias procsso d softwar; ) qualidad d softwar; f) prospcção tcnológica. II - coordnar acompanhar a xcução das atividads na ára d Tcnologia da Informação, na unidad organizacional d sua comptência, tais como anális d ngócios, d rquisitos, d sistmas, d qualidad d softwar, d métricas d softwar, ntr outras capacidads atividads ncssárias ao dsnvolvimnto manutnção d sistmas d informação. Art. 25. À Divisão d Sistmas d Informação Administração d Dados I - modlar, dsnvolvr, mantr homologar sistmas qu automatizm racionalizm os procssos d trabalho no âmbito do Instituto; II - mantr os sistmas m produção promovndo as açõs corrtivas qu s façam ncssárias; III - disponibilizar às unidads do Instituto as frramntas adquadas para acsso às informaçõs; IV - mantr documntação atualizada dos códigos fonts, manuais d usuário, sistmas, projtos outros vinculados a sua ára d atuação; V - intragir com as áras intrssadas m soluçõs d softwar no intuito d comprndr a strutura, os rquisitos as opraçõs ncssárias para dsnvolvr ou rcomndar soluçõs qu prmitam o alcanc d suas mtas. Art. 26. À Divisão d Padronização Procsso d Softwar I - laborar, promovr acompanhar a implmntação d normas, dirtrizs, padrõs técnicos mlhors práticas d gstão m projtos procssos d softwar no âmbito d sua comptência; II - laborar, promovr a implmntação acompanhar procssos d softwar; III - acompanhar a volução tcnológica do mrcado promovr studos prospctivos sobr novas tcnologias, visando à mlhoria contínua dos srviços xcutados; IV - dfinir, implmntar suprvisionar a xcução d mtodologia d dsnvolvimnto d sistmas stablcr padrõs d acitação d sistmas dsnvolvidos; V - acompanhar propor o uso d orintaçõs d padronização do Govrno d acordo com as ncssidads do Instituto; VI - avaliar a qualidad dos sistmas da informação propor mlhorias. Art. 27. À Coordnação d Infrastrutura, Suport Sgurança da Informação I - planjar, coordnar, xcutar, acompanhar suprvisionar as atividads, programas projtos rlativos ao ambint d srviços d informática rd d comunicação d dados, sgurança da informação, gstão d riscos suport técnico no âmbito do Instituto; II - zlar plo corrto cumprimnto dos padrõs d sgurança da informação, funcionalidad dsmpnho da infrastrutura d tcnologia da informação; III - coordnar, prospctar mantr as políticas dirtrizs rfrnts a rcursos d infrastrutura d tcnologia da informação; IV - acompanhar avaliar a gstão dos projtos atividads d infrastrutura d tcnologia da informação, propondo açõs sugrindo prioridads; V - avaliar propor a aquisição d novas tcnologias srviços d infrastrutura m tcnologia da informação qu garantam o funcionamnto adquado compatívl com as ncssidads do Instituto. Art. 28. À Divisão d Infrastrutura Suport I - planjar, xcutar, acompanhar suprvisionar as atividads, programas projtos rlativos a infrastrutura d tcnologia da informação suport técnico no âmbito do Instituto; II - psquisar tcnologias, buscando subsidiar o planjamnto d modrnização, manutnção da ára; III - lvantar consolidar as ncssidads do Instituto na ára d infrastrutura d Tcnologia da Informação para intgrá-las m projtos; IV - propor, laborar, implantar homologar projtos soluçõs d tcnologia da informação conform as mlhors práticas d grnciamnto d projtos. Art. 29. Ao Srviço d Atndimnto ao Usuário Administração d Rd I - xcutar acompanhar as atividads opracionais rlativas a infrastrutura d tcnologia da informação, srviço d atndimnto ao usuário, spcificamnt: a) rcbr as dmandas providnciar a xcução dos srviços; b) xcutar dmais tarfas rlativas à implantação, manutnção mlhoria da infrastrutura d tcnologia da informação atndimnto ao usuário d sgurança da informação gstão d riscos; c) mantr o funcionamnto dsmpnho da infrastrutura; d) acionar o suport manutnção dos ativos do Instituto, junto às suas mprsas forncdoras. Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código II - providnciar rlatórios d atividads rlativas à opração, atndimnto ao usuário sgurança da informação, subsidiando com informaçõs grncias smpr qu ncssário rportando quaisqur incidnts qu vnham a colocar m risco a sgurança da informação; III - ralizar, tstar rstaurar as cópias d sgurança no ambint da infrastrutura d tcnologia da informação, conform a política d backup. Art. 30. À Divisão d Sgurança da Informação Gstão d Riscos I - planjar, xcutar, acompanhar suprvisionar as atividads, programas, políticas projtos rlativos à sgurança da informação gstão d risco no âmbito da Tcnologia da Informação, garantindo o cumprimnto da Política d Sgurança da Informação Comunicaçõs Gstão d Riscos; II - psquisar, propor homologar novos projtos tcnologias d sgurança para o aprimoramnto da sgurança da informação gstão d riscos no âmbito da tcnologia da Informação. Art. 3. À Divisão d Acompanhamnto d Projtos Espciais I - ralizar studos d coopração técnica, projtos articulação institucional, intrna xtrna, atinnts à tcnologia da informação adrnts ao Plano Dirtor d Tcnologia da Informação - PDTI; II - ralizar studos d coopração técnica projtos com outras ntidads d propridad intlctual, no tocant à tcnologia da informação adrnts ao Plano Dirtor d Tcnologia da Informação - PDTI. Art. 32. À Divisão d Suport à Gstão d Tcnologia da Informação I - acompanhar a laboração da proposta orçamntária dos rcursos d tcnologia da informação sua rspctiva xcução; II - auxiliar na laboração d documntos rlativos aos procdimntos d contratação d soluçõs d tcnologia da informação; III - acompanhar o plano d aquisiçõs d bns contratação d srviços d tcnologia da informação; IV - subsidiar a laboração d rlatórios d dsmpnho acompanhamnto da gstão d tcnologia da informação; V - laborar rvr procdimntos administrativos intrnos; VI - mantr o acrvo normativo da unidad. Art. 33. À Coordnação-Gral d Comunicação Social I - laborar, coordnar suprvisionar a política d comunicação do II - dsnvolvr, coordnar suprvisionar as açõs d promoção d patrocínio do III - assssorar a Prsidência m assuntos rlacionados à comunicação à ralização d vntos; IV - stablcr suprvisionar as rgras d uso da imagm institucional do V - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Parágrafo único. No xrcício d suas comptências, a Coordnação-Gral d Comunicação Social obsrvará as políticas dirtrizs dfinidas pla Scrtaria d Comunicação Social da Prsidência da Rpública. Art. 34. À Divisão d Comunicação Intgrada I - planjar xcutar as açõs d comunicação do INPI para ampliar o rlacionamnto com os divrsos públicos do Instituto; II - assssorar os porta-vozs autorizados do INPI m assuntos rlativos à comunicação contatos com os órgãos d imprnsa; III - produzir informaçõs d utilidad pública sobr o sistma d propridad intlctual sobr as açõs do INPI, a srm divulgadas pla imprnsa, pla intrnt, m parcria com a Divisão d Promoção Evntos; IV - implmntar atualizar, m colaboração com as instâncias comptnts do Instituto, as açõs d comunicação digital do V - planjar xcutar, m colaboração com as instâncias comptnts, açõs para ampliar grir o fluxo intrno d informaçõs rforçar os vínculos ntr as pssoas a Instituição; VI - produzir ditar as informaçõs das atividads do INPI, visando à dissminação intrna xtrna. Art. 35. À Divisão d Promoção Evntos I - planjar, xcutar suprvisionar as açõs d promoção do Instituto; II - planjar, xcutar suprvisionar, m colaboração com as instâncias dmandants d vntos no Instituto, a participação do INPI m firas, simpósios congrssos, ntr outras atividads públicas; III - dfinir, xcutar suprvisionar as açõs d publicidad visando à dissminação dos srviços das açõs do Instituto para o cidadão; IV - dfinir, xcutar suprvisionar as açõs d patrocínio do Instituto; V - ralizar o crimonial do Instituto; VI - zlar plo uso corrto d imagns outras logomarcas do Instituto m documntos oficiais matriais d divulgação. Art. 36. À Coordnação-Gral d Planjamnto Orçamnto I - planjar, coordnar, dirigir, suprvisionar, promovr, acompanhar avaliar a xcução das atividads d gstão do sistma d planjamnto orçamnto; II - planjar, coordnar, dirigir, suprvisionar, promovr acompanhar a xcução das atividads d gstão d projtos stratégicos; III - planjar, coordnar, dirigir, suprvisionar, promovr acompanhar a xcução das atividads d organização institucional; IV - acompanhar avaliar o dsmpnho das atividads do V - coordnar o procsso d planjamnto stratégico; VI - prstar assssoramnto às unidads do Instituto nas atividads rfrnts ao planjamnto, orçamnto, projtos, avaliação organização institucional; VII - mantr intrcâmbio com instituiçõs organismos públicos privados qu atum nas áras d planjamnto, orçamnto, projtos avaliação institucional; VIII - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 37. À Divisão d Planjamnto Dsmpnho Institucional I - coordnar a laboração acompanhar o Planjamnto Estratégico do II - articular com as áras prtinnts do Govrno Fdral a intgração do procsso d planjamnto do III - coordnar a laboração acompanhar a participação do INPI no Plano Plurianual - PPA do Govrno Fdral; IV - participar na dfinição das mtas acompanhar a avaliação do dsmpnho institucional; V - participar na dfinição acompanhar o rsultado dos indicadors d gstão; VI - coltar as informaçõs das atividads do INPI, visando à dissminação intrna xtrna, pla Coordnação-Gral d Comunicação Social. Art. 38. À Divisão d Programação Acompanhamnto Orçamntário I - coordnar, consolidar suprvisionar a laboração da proposta orçamntária do INPI, comprndndo os orçamntos fiscal da sguridad social; II - stablcr os procdimntos ncssários à laboração à xcução do orçamnto do III - procdr, sm prjuízo da comptência atribuída a outras unidads, ao acompanhamnto da xcução orçamntária; IV - propor altraçõs orçamntárias, d acordo com as normas m vigor; V - ralizar studos psquisas concrnnts ao dsnvolvimnto aprfiçoamnto do procsso d laboração da proposta orçamntária xcução do orçamnto; VI - avaliar o comportamnto da arrcadação da rcita do VII - laborar aprsntar as stimativas da rcita do INPI aos órgãos comptnts; VIII - acompanhar a volução do quilíbrio ntr a rcita a dspsa do INPI, propondo os dvidos ajusts quando ncssários; IX - orintar, coordnar suprvisionar tcnicamnt às unidads do INPI quanto à matéria d orçamnto. Art. 39. À Divisão d Gstão d Projtos Estratégicos I - dsnvolvr, normatizar coordnar a implantação do modlo d gstão dos projtos stratégicos; II - apoiar tcnicamnt o planjamnto dos projtos stratégicos; III - monitorar avaliar o dsmpnho dos projtos stratégicos; IV - idntificar dissminar as boas práticas d gstão d projtos stratégicos; V - idntificar, m articulação com a Coordnação-Gral d Rcursos Humanos, as ncssidads d capacitação m gstão d projtos. Art. 40. À Dirtoria d Administração compt planjar, coordnar, dirigir, suprvisionar, promovr, acompanhar avaliar a xcução das atividads d: I - administração dsnvolvimnto d rcursos humanos; II - aquisição d bns srviços, d srviços grais; III - administração financira contabilidad fdral; IV - arquittura ngnharia, d rsponsabilidad socioambintal; V - aplicação das normas rfrnts às atividads da Dirtoria; VI - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 4. À Coordnação-Gral d Rcursos Humanos compt planjar, coordnar suprvisionar a xcução das políticas, planos, açõs, atividads dmais projtos rlativos à administração d pssoal, d dsnvolvimnto, d capacitação d qualificação d rcursos humanos d carrira saúd ocupacional dos srvidors do INPI, por mio das suas unidads vinculadas, bm como firmar parcrias convênios no âmbito da gstão d rcursos humanos. Art. 42. À Divisão d Administração d Rcursos Humanos Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

6 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN I - coordnar, orintar suprvisionar a atualização dos rgistros pssoais funcionais, fazndo cumprir os diritos dvrs dos srvidors do INPI nas atividads rlacionadas à da folha d pagamnto dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão, funçõs gratificadas stagiários; II - suprvisionar a aplicação da lgislação d pssoal, fazndo cumprir os diritos dvrs dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão, funçõs gratificadas stagiários; III - subsidiar a Coordnação-Gral nas matérias rlativas à administração d rcursos humanos. Art. 43. À Sção d Pagamnto I - xcutar as atividads ncssárias à laboração da folha d pagamnto dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão, funçõs gratificadas stagiários, forncndo as informaçõs qu form ncssárias aos órgãos d control intrno xtrno; II - xpdir rlatórios da folha d pagamnto para fins d acompanhamnto da xcução do orçamnto d pssoal d crédito bancário, além d outros documntos prtinnts à ára; III - laborar cálculos para pagamnto d rmunraçõs rlativas a passivos, cálculos d difrnças /ou atualizaçõs d bnfícios lgais, cálculos rfrnts à rposição ao rário para insrção m folha d pagamnto cálculos nominais para inscrição m dívida ativa da União, formalizando os procssos dcorrnts dsss pagamntos; IV - formalizar os procssos rfrnts aos pagamntos d xrcícios antriors a inclusão no sistma informatizado d administração d rcursos humanos; V - incluir açõs judiciais no Sistma d Cadastro d Açõs Judiciais - SICAJ, rlativas a pagamnto d pssoal; VI - atualizar, mantr controlar os rgistros financiros dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão, funçõs gratificadas stagiários, articulando junto ao Sistma Intgrado d Pssoa Civil - SIPEC, soluçõs d assuntos prtinnts às folhas d pagamnto. Art. 44. À Sção d Cadastro Lotação I - xcutar as atividads rlativas ao cadastro, lotação assntamntos dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão funçõs gratificadas, forncndo as informaçõs qu form ncssárias aos órgãos d control intrno xtrno; II - aplicar a lgislação d pssoal, fazndo cumprir os diritos dvrs dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão funçõs gratificadas, propondo a utilização d instrumntos normativos ncssários à ficácia da xcução das atividads aftas a sta Sção; III - insrir as informaçõs nos sistmas govrnamntais d administração d rcursos humanos, rlativamnt à ntrada, manutnção, saída frqüência, quando for o caso, dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão, funçõs gratificadas stagiários; IV - rcbr, armaznar atualizar, m mios físicos digitais, a documntação funcional dos srvidors ativos, inativos, bnficiários d pnsão, contratos tmporários, cargos m comissão funçõs gratificadas; V - atndr diligências xcutar mantr atualizados os rgistros d admissão, d dsligamnto, d concssão d aposntadorias pnsõs junto aos órgãos ou ntidads comptnts; VI - laborar fazr publicar os atos oficiais rfrnts à situação funcional d srvidors ativos d contratos tmporários à concssão d aposntadorias pnsõs m boltim intrno no Diário Oficial da União. Art. 45. À Divisão d Saúd Ocupacional I - propor, promovr xcutar as políticas inrnts à saúd intgral do corpo funcional do INPI, m consonância com as dirtrizs do Subsistma Intgrado d Atnção à Saúd do Srvidor - SIASS, da Scrtaria d Rcursos Humanos - SRH; II - ftuar a proposição d mdidas d prvnção d corrção nos ambints procssos d trabalho, buscando a humanização, prvnção d acidnts, d agravos à saúd d donças rlacionadas ao trabalho a mlhoria da qualidad d vida do srvidor no ambint d trabalho; III - formular, propor xcutar as açõs ncssárias ao dsnvolvimnto da mdicina prvntiva do trabalho assistência social, psicológica odontológica aos srvidors sus dpndnts; IV - formular, propor xcutar programa social d coopração com ntidads públicas sm fins lucrativos, para o dsnvolvimnto intgral do adolscnt, m qu xigências pdagógicas sociais prvalçam sobr o aspcto produtivo; V - xcutar controlar as atividads ligadas à saúd física mntal do corpo funcional do INPI, sob a égid das normas lgislaçõs prtinnts à higin, mdicina sgurança do trabalho, forncndo as informaçõs qu form ncssárias aos órgãos d control intrno xtrno; VI - formular, propor xcutar o programa d assistência, abrangndo mdidas d intgração social, d ajustamnto, d rmoção, d rlotação d radaptação funcional dos srvidors. Art. 46. Ao Cntro d Educação Corporativa I - planjar, coordnar, controlar, suprvisionar avaliar as açõs rlativas às políticas, planos, programas projtos d capacitação d rcursos humanos; II - propor a atualização dos instrumntos normativos ncssários à ficácia da xcução das atividads sob rsponsabilidad dst Cntro; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código III - dircionar, suprvisionar autorizar, quando for o caso, os procdimntos administrativos rlativos à capacitação dos srvidors para as dvidas unidads; IV - idntificar analisar qustõs qu sjam considradas críticas para o dsnvolvimnto d rcursos humanos, aprsntando sugstõs para su quacionamnto. Art. 47. À Sção d Planjamnto d Capacitação I - agrgar organizar informaçõs sobr o dsnvolvimnto d rcursos humanos, bm como a xcução d parcrias acordos d coopração mútua para capacitação consolidando-as m rlatórios outros similars; II - procdr à anális intrprtativa dos rlatórios sobr as atividads d trinamnto dsnvolvimnto d rcursos humanos produzidos. Art. 48. À Sção d Administração d Capacitação I - acompanhar as açõs d dsnvolvimnto d rcursos humanos, bm como disponibilizar toda a infrastrutura d trinamnto os dmais procdimntos nvolvidos, produzindo rlatórios indicadors d ração rsultado das açõs ralizadas; II - coordnar xcutar o programa d stágio curricular para studants d nívl médio suprior, na forma da lgislação prtinnt; III - controlar acompanhar os procssos d licnça afastamntos para capacitação, bm como as concssõs d rgim spcial d jornada d trabalho para sta msma finalidad, garantindo o fil cumprimnto da lgislação vignt; IV - assssorar na formulação controlar a xcução da dotação orçamntária qu s dstin às açõs d capacitação, d diárias, d passagns para fins d trinamnto d dsnvolvimnto d pssoal. Art. 49. À Divisão d Planjamnto Gstão d Rcursos Humanos I - coordnar a xcução das açõs vinculadas ao planjamnto stratégico da Coordnação-Gral; II - ftuar o acompanhamnto dos rsultados do planjamnto stratégico da Coordnação-Gral por mio d indicadors d dsmpnho; III - laborar rlatórios d informaçõs grnciais com bas nos rsultados apurados dos indicadors d dsmpnho dmais informaçõs; IV - ftuar o control da gstão orçamntária d pssoal; V - ftuar o lvantamnto das ncssidads d rcursos humanos. Art. 50. À Divisão d Carrira Dsmpnho d Rcursos Humanos I - grir todo o procsso d avaliação d dsmpnho, para fins d stágio probatório, progrssão/promoção prcpção da gratificação d dsmpnho, sugrindo açõs corrtivas junto à unidad d lotação do srvidor; II - planjar, coordnar xcutar açõs, visando à ambintação à intgração dos srvidors m stágio probatório; III - grnciar o procsso d movimntação intrna d pssoal analisar os rqurimntos d rtribuição por titulação gratificação por qualificação, com bas na lgislação vignt; IV - promovr açõs prtinnts à classificação d cargos salários à promoção dos srvidors na carrira; V - prstar suport administrativo logístico às comissõs spcíficas d avaliação d dsmpnho stágio probatório. Art. 5. À Divisão d Lgislação d Rcursos Humanos I - orintar a aplicação da lgislação d rcursos humanos; II - analisar mitir pronunciamnto sobr matérias rlacionadas à aplicação da lgislação d rcursos humanos, rfrnts a concssõs d diritos, vantagns bnfícios d srvidors, aposntados bnficiários d pnsão; III - xaminar ordns dcisõs judiciais forncr os subsídios ncssários à dfsa do INPI, quando rquridos plos órgãos da Advocacia-Gral da União, rfrnts a rcursos humanos; IV - xaminar propostas d atos normativos d matéria d rcursos humanos; V - mantr atualizada a lgislação d rcursos humanos. Art. 52. À Sção d Apoio à Gstão d Rcursos Humanos I - ftuar proposta d mlhorias nos procdimntos qu nvolvm o control a manutnção do cadastro d pssoal pagamnto, m função da altração da lgislação m vigor; II - ftuar a anális da conformidad d qualidad dos procssos rqurimntos d diritos bnfícios dos srvidors, bm como dos procssos judiciais, informando às unidads rsponsávis quando da ncssidad d complmntação ou sugrindo o su prossguimnto; III - acompanhar junto à Prsidência do INPI o trâmit dos procssos administrativos qu nvolvam os atos prtinnts às autorizaçõs sobr diritos bnfícios dos srvidors dmais atos d pssoal; IV - ftuar o lvantamnto d informaçõs para por mio da laboração d rlatórios informativos para sta Coordnação-Gral. Art. 53. À Coordnação-Gral d Administração compt planjar, coordnar suprvisionar a xcução das atividads rlativas à aquisição d bns srviços, à gstão d contratos, à administração prdial srviços grais, à ngnharia arquittura, ao control d matrial patrimônio, bm como incntivar garantir a adoção d práticas d sustntabilidad no âmbito do Instituto. Art. 54. Ao Srviço d Assuntos Espciais I - auxiliar a fundamntação do planjamnto das tomadas d dcisõs d compras públicas, d manira a maximizar os rcursos m busca d sustntabilidad; II - monitorar os projtos indicadors d gstão das unidads no âmbito da Coordnação-Gral; III - acompanhar a gstão do Sistma d Concssão d Diárias Passagns - SCDP a fiscalização do srviço d forncimnto d passagns; IV - consolidar os dados informaçõs oriundas das unidads da Coordnação-Gral, rlativos ao atndimnto dos Órgãos d Control Intrno Extrno; V - avaliar propor mlhorias m procssos d aquisiçõs papéis d trabalho no âmbito da Coordnação-Gral. Art. 55. À Coordnação d Engnharia Arquittura compt planjar, coordnar suprvisionar a xcução das atividads rlativas à ngnharia, manutnção prdial, tlfonia, arquittura facilidads para ambint d trabalho. Art. 56. À Divisão d Engnharia Manutnção I - promovr /ou xcutar studos prliminars, antprojtos projtos ncssários ao planjamnto técnico xcução dos srviços d ngnharia obras nas instalaçõs do II - mitir parcr técnico sobr os projtos, promovr xcutar a inspção técnica dos srviços d ngnharia obras, laborar laudo d vistoria para fins d conclusão, rcbimnto ou ntrga dos srviços; III - controlar mantr m funcionamnto a infrastrutura dos sistmas d comunicação; IV - promovr xcutar açõs d sustntabilidad ambintal nas instalaçõs quipamntos; V - promovr a manutnção, rparo adaptação das instalaçõs prdiais. Art. 57. À Divisão d Arquittura Sgurança do Trabalho compt I - promovr ou xcutar studos prliminars d antprojtos projtos ncssários ao planjamnto técnico dos srviços d arquittura nas instalaçõs do II - mitir parcr técnico sobr os projtos, promovr xcutar a inspção técnica dos srviços d obras d arquittura, laborar laudo d vistoria para fins d conclusão, rcbimnto ou ntrga dos srviços; III - grnciar o padrão d ocupação, promovr xcutar açõs d racionalização do uso do ambint construído no IV - promovr xcutar açõs d garantia da acssibilidad da qualidad arquittônica da rgonomia sgurança do trabalho nos ambints do INPI. Art. 58. À Divisão d Matrial, Patrimônio Suprimnto I - planjar, dirigir, suprvisionar promovr a xcução das atividads d administração d matriais, suprimntos patrimônio; II - acompanhar validar a aquisição d bns quanto à spcificação, rcpção, cadastramnto, tombamnto, armaznamnto, distribuição movimntação; III - crtificar os stoqus, monitorando ratificando a scrituração, invntário, avaliação ravaliação dos bns para fins d afrição, classificação alinação; IV - acompanhar a gstão do Banco d Qualidad d Matriais; V - acompanhar grir os aspctos formais rlativos à cssão, alinação, arrolamnto utilização d bns móvis imóvis do INPI. Art. 59. Ao Srviço d Patrimônio I - procdr ao rgistro d incorporaçõs através d compras ou doaçõs cssõs; II - promovr os procssos d trabalho rlativos à gstão d bns móvis imóvis no Instituto; III - ralizar o cadastramnto tombamnto dos bns patrimoniais, bm como controlar sua distribuição movimntação; IV - promovr a avaliação, ravaliação, dprciação, amortização xaustão dos bns do INPI, bm como propor procdimntos d alinação; V - controlar prstação d srviços d garantia sobr os bns móvis no âmbito do INPI, xcto nos casos ond sja dsignada fiscalização spcífica; VI - mantr atualizado o Sistma d Control d Rgistro d Bns Móvis Imóvis do VII - procdr, controlar, rgistrar crtificar toda movimntação d bns no âmbito do INPI. Art. 60. Ao Srviço d Suprimntos I - planjar a política d aquisiçõs d bns d consumo do INPI, laborando os trmos d rfrência rlativos a ssas aquisiçõs; II - grir os bns d consumo adquiridos procdndo a sua scrituração, distribuição o control dos stoqus; III - ralizar invntário d bns d consumo; IV - grnciar mantr atualizadas informaçõs rlativas à qualidad d matriais. Art. 6. À Divisão d Contratos Licitaçõs I - laborar, m conjunto com a Coordnação-Gral, o planjamnto da aquisição d bns contratação d srviços da Instituição; II - dirigir suprvisionar as atividads rlativas à administração d contratos, bm como ratificar os cálculos rfrnts aos procssos d rpactuação; III - instruir, dirigir suprvisionar os procssos licitatórios para a aquisição d bns contratação d srviços obras, propondo a abrtura, rvogação anulação d licitaçõs; IV - solicitar a adsão a atas d rgistro d prços junto a outros órgãos da Administração Pública; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

7 92 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 V - mantr atualizados os acrvos rlativos à lgislação, norma jurisprudência inrnts à ára d licitaçõs contratos; VI - analisar, psquisar propor normas procdimntos para a contratação no stor público o aprfiçoamnto intgração das açõs das unidads subordinadas; VII - dar suport administrativo às unidads dscntralizadas; VIII - ralizar a indicação d prgoiro, quip d apoio mmbros da comissão prmannt d licitação. Art. 62. Ao Srviço d Grnciamnto d Contratos I - zlar plos rgistros ltrônicos dos procssos d contratação, bm como plo arquivamnto físico dos contratos da sd do II - acompanhar a gstão dos contratos da sd do INPI os cronogramas d sua xcução, promovndo a insrção atualização dos dados no Sistma Intgrado d Administração d Srviços Grais - SIASG; III - instruir procssos d adsão a atas d rgistro d prços; IV - grnciar as atas d rgistro d prços do Instituto; V - instruir acompanhar os procssos d pnalidads administrativas; VI - laborar analisar os instrumntos d contrato congênrs administrativos a srm firmados pla sd do INPI, vrificando a rgularidad fiscal das mprsas acompanhando sua clbração a dsignação d fiscais; VII - analisar a instrução procssual dos pdidos d rajust d prços, rpactuação rquilíbrio conômico-financiro dos contratos firmados pla sd do VIII - monitorar as atividads dos fiscais dos contratos nos trmos da li os apoiar na gstão administrativa; IX - laborar atstados d capacidad técnica, após parcr do fiscal do contrato; X - atualizar dmonstrativos dos contratos trmos aditivos firmados pla sd do INPI. Art. 63. Ao Srviço d Grnciamnto d Aquisiçõs I - instruir, acompanhar laborar rlatórios das aquisiçõs d matriais contratação d srviços por mio d licitaçõs, dispnsas inxigibilidads d licitação, discriminando avaliando a volução das dspsas; II - laborar ditais d licitação dmais documntos, providnciando a divulgação d atos rlativos a licitaçõs apoiando as atividads do prgoiro, quip d apoio comissão d licitação; III - rqurr das unidads dmandants a aprsntação d trmo d rfrência ou projto básico, assgurando qu contmplm aspctos rlativos a sustntabilidad, m conformidad com a prvisão lgal vignt, submtndo-os à aprovação da autoridad comptnt; IV - ralizar psquisas d prços praticados plo mrcado por dmais órgãos da Administração Pública, para subsidiar os valors nas aquisiçõs contrataçõs, bm como as prorrogaçõs rpactuaçõs dos contratos, laborando planilhas dmonstrativas do custo; V - providnciar a catalogação, com a orintação da unidad dmandant, d matriais d consumo, bns patrimoniais srviços no Sistma Intgrado d Administração d Srviços Grais - SIASG; VI - laborar planilhas d mpnho ncaminhar as notas d mpnho aos forncdors, para confirmação da aquisição d matriais contratação d srviços, obsrvado o prazo d ntrga. Art. 64. Ao Srviço d Apoio dos Escritórios d Difusão Rgional I - consolidar o planjamnto orçamntário financiro aprovado ncaminhado plas unidads dscntralizadas; II - coordnar, acompanhar viabilizar o atndimnto das dmandas administrativas oriundas das unidads dscntralizadas junto aos órgãos comptnts do III - coordnar ministrar trinamntos rlativos às normas procdimntos aftos a gstão administrativa das unidads dscntralizadas; IV - dar apoio administrativo às unidads dscntralizadas na xcução d suas atividads; V - ralizar analisar a instrução procssual dos contratos das unidads dscntralizadas dos rspctivos pdidos d rajust d prços, rpactuação rquilíbrio conômico-financiro; VI - zlar plos rgistros ltrônicos dos procssos d contratação, bm como plo arquivamnto físico dos contratos das unidads dscntralizadas; VII - acompanhar a gstão dos contratos das unidads dscntralizadas os cronogramas d sua xcução, promovndo a insrção atualização dos dados no Sistma Intgrado d Administração d Srviços Grais - SIASG; VIII - laborar analisar os instrumntos d contrato congênrs administrativos, rfrnts às unidads dscntralizadas, acompanhando sua clbração a dsignação d fiscais; IX - monitorar as atividads dos fiscais dos contratos das unidads dscntralizadas, nos trmos da li, os apoiar quanto a prorrogaçõs d vigência altraçõs contratuais; X - atualizar dmonstrativos dos contratos das unidads dscntralizadas trmos aditivos firmados. Art. 65. À Divisão d Srviços Grais, Documntação Arquivo compt planjar suprvisionar a xcução das atividads rlacionadas à gstão condominial, srviços d administração prdial atividads auxiliars, srviços d protocolo xpdição, srviços d arquivo gral suport administrativo às unidads dscntralizadas. Art. 66. Ao Srviço d Protocolo Expdição I - rcpcionar pdidos d Patnts, Crtificados d Adição, Rgistros d Dsnho Industrial, Marcas, Indicaçõs Gográficas, Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código Programas d Computador, Avrbaçõs ou Rgistros d Contratos d Transfrência d Tcnologia Franquia, Topografia d Circuitos Intgrados, Informação Tcnológica, bm como quaisqur ptiçõs rfrnts a sss procssos; II - promovr a ntrga ou rmssa d crtidõs, cópias d documntação, cartas-patnt, crtificados d rgistros crtificados d avrbação d atos contratos; III - providnciar a rmssa d documntos, prparando xcutando franquia xpdição d malots corrspondências; IV - rcbr todos os dmais xpdints, ncaminhar informar acrca do su andamnto. Art. 67. Ao Srviço d Administração Prdial Atividads Auxiliars I - promovr, controlar suprvisionar as atividads rlativas aos srviços d ascnsoristas, consrvação limpza, vigilância portaria, bombiro civil, locação d vículos utilização d vículos próprios, srviços gráficos forncimnto d água café; II - criar, mantr trinar a brigada d incêndio voluntária, forncndo os quipamntos ncssários; III - suprvisionar controlar a gstão condominial dos imóvis ocupados plo INPI, autorizando o fluxo d ntrada saída d pssoas matriais; IV - laborar trmos d rfrência dos srviços corrlacionados fiscalizar sua xcução. Art. 68. À Sção d Arquivo Gral I - promovr a gstão arquivística do acrvo d documntos rcbidos produzidos plo II - rgistrar, controlar, atualizar informaçõs, xtrair cópias lavrar crtidõs d procssos documntos sob sua guarda; III - promovr, na forma da lgislação vignt d acordo com a tabla d tmporalidad das áras finalísticas mio do Instituto, a guarda do acrvo documntal m mios digitais, bm como adotar as mdidas lgais, prtinnts ncssárias a inutilização/dscart (incinração) d papéis, documntos procssos. Art. 69. À Coordnação d Finanças I - planjar, coordnar suprvisionar as atividads rlativas à xcução orçamntária financira, d contabilidad, d liquidação d arrcadação do II - assinar, m conjunto com os ordnadors d dspsas, os documntos rlativos xcução orçamntária financira do III - mantr a guarda das garantias contratuais rcbidas, após a comprovação da xcução do contrato plo fiscal ou d outro fato qu nsj a libração dstas, ftuar a dvolução dos documntos; IV - procdr a conformidad d rgistro d gstão do órgão. Art. 70. Ao Srviço Financiro I - procssar a xcução orçamntária financira da Instituição, m conformidad com as normas do Sistma Intgrado d Administração Financira do Govrno Fdral - SIAFI do Sistma Intgrado d Administração d Srviços Grais - SIASG; II - ftuar a apropriação o pagamnto da folha d pssoal da Instituição; III - cadastrar acompanhar os prazos dos suprimntos d fundos no Sistma d Cntro d Custos do Cartão Corporativo do Banco d Rlacionamnto da Instituição; IV - procdr a aplicação financira na Conta Única no Sistma Intgrado d Administração Financira - SIAFI; V - procdr ao lançamnto dos mpnhos das diárias passagns ftuar os pagamntos no Sistma d Concssão d Diárias Passagns - SCDP; VI - laborar, mnsalmnt, rlatórios financiros; VII - providnciar mantr atualizada a habilitação dos ordnadors d dspsas junto aos stablcimntos bancários; VIII - orintar a xcução orçamntária financira dos Escritórios d Difusão Rgional xcutors. Art. 7. Ao Srviço d Contabilidad Gral I - procdr aos rgistros contábis dos atos fatos da xcução orçamntário-financiro patrimonial, acompanhando a missão d documntos, compatibilizar, analisar conciliar a movimntação dos saldos das contas contábis, no Sistma Intgrado d Administração Financira - SIAFI; II - promovr a juntada das pças xigidas na Prstação d Contas do INPI, assinar a dclaração do Contador aprsntá-la ao Prsidnt do órgão; III - acompanhar o rcbimnto das prstaçõs d contas d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência firmados, ftuando os rspctivos lançamntos; IV - rgistrar o saldo dvdor apurado nas Tomadas d Contas Espcial; V - ftuar os ajusts d contas spcíficas m atndimnto às normas d ncrramnto do xrcício mitidas plos órgãos d control intrno xtrno; VI - ftuar a conformidad contábil das unidads gstoras no Sistma Intgrado d Administração Financira - SIAFI; VII - ftuar a inscrição baixa dos dpósitos cauçõs m garantias rcbidas; VIII - orintar os Escritórios d Difusão Rgional xcutors com rlação a assuntos d naturza contábil. Art. 72. Ao Srviço d Liquidação I - finalizar a liquidação d dspsas dos procssos administrativos, os quais dvrão sr prviamnt analisados plo fiscal d contrato; II - vrificar no procsso a vidência do dirito adquirido plo crdor tndo por bas o Trmo d Rcbimnto do Srviço ou dos Bns /ou atst no documnto fiscal, assim como o formulário d pagamnto; III - apurar as rtnçõs tributárias prvistas nas normas lgais vignts tanto para procssos do INPI Sd, bm como os Escritórios d Difusão Rgionais não xcutors; IV - orintar os Escritórios d Difusão Rgionais xcutors com rlação a assuntos d naturza d rtnção tributária conform normas m vigor; V - ftuar a convrsão cambial prant a instituição bancária, dos valors cujos documntos d cobrança stjam m moda strangira. Art. 73. Ao Srviço d Arrcadação I - acompanhar a arrcadação da rcita dos srviços prstados plo II - xaminar cadastrar os procssos d rstituição d taxa no sistma d Protocolo Automatizado Gral - PAG das Guias d Rcolhimnto da União - GRU's, s ncssário ncaminhá-los às unidads finalísticas; III - ncaminhar para pagamnto as rstituiçõs d taxas dvidas; IV - importar os arquivos da Scrtaria do Tsouro Nacional - STN do banco arrcadador para o sistma d Protocolo Automatizado Gral - PAG; V - procdr à conciliação das Guias d Rcolhimnto da União - GRU's dos sistmas, disponibilizando os dados para consulta aos usuários intrno xtrno; VI - ralizar a conciliação d pagamnto d srviços prstados plo INPI, via INTRASIAFI d Guias d Rcolhimnto da União - GRU s ltrônicas mitidas por órgãos participants do Orçamnto Fiscal da União; VII - solicitar a comprovação junto ao banco arrcadador dos pagamntos não conciliados dos chqus sm prvisão d fundos. Art. 74. À Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto I - criar, mantr aprfiçoar mios para promovr a maior participação d brasiliros nos sistmas d protção da propridad intlctual dissminar a missão do INPI junto à socidad brasilira; II - promovr a articulação das atividads das Dirtorias intgrants da strutura rgimntal do INPI com univrsidads, institutos d psquisas, agências fdrais, staduais rgionais d fomnto, ntidads mprsariais, rprsntaçõs d class outros organismos públicos privados ddicados à psquisa, ao dsnvolvimnto tcnológico, às atividads d xtnsão tcnológica à inovação; III - dirigir as atividads rlacionadas com a promoção o fomnto à inovação à protção da propridad intlctual dla rsultant; IV - implmntar, m articulação com as dmais Dirtorias, as açõs qu nvolvam a colaboração com ntidads afins no xtrior ou com os organismos intrnacionais rlacionados à protção da propridad intlctual; V - implmntar as funçõs rfrnts ao acsso, à manutnção, ao tratamnto da documntação à difusão da informação tcnológica; VI - stablcr parcrias m programas rgionais d dsnvolvimnto difusão tcnológica; VII - organizar, por mio d parcrias, o atndimnto capilar do INPI às ncssidads dmandas das micro, pqunas médias mprsas; VIII - promovr o nsino a psquisa da propridad intlctual sua consqunt difusão, nfatizando sua rlação com o dsnvolvimnto cintífico, tcnológico, conômico, cultural social do País; IX - contribuir para o dsnvolvimnto institucional dos sistmas d propridad industrial; X - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação das normas rfrnts às atividads da Dirtoria; XI - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 75. Ao Cntro Brasiliro d Matrial Biológico I - rcbr o dpósito do matrial biológico para fins d patnt para backup d colçõs, ralizar as análiss tsts, mitir a documntação, prsrvar, mantr grnciar o matrial a informação rlativa ao msmo; II - forncr amostras do rfrido matrial informação para intrssados habilitados, conform as rgras critérios stablcidos plo INPI ou m acordo intrnacional vignt; III - idntificar, studar ncaminhar, para as instâncias comptnts, dmandas ncssidads d rgulamntação para a facilitação d todas as atividads do Cntro Brasiliro d Matrial Biológico dos Cntros d Rcursos Biológicos intgrants da Rd Brasilira d Cntros d Rcursos Biológicos; IV - xcutar studos atividads técnicas cintíficas rlacionadas a matriais biológicos à propridad intlctual para o stor biotcnológico. Art. 76. Ao Cntro d Dissminação da Informação Tcnológica I - coordnar as funçõs rfrnts à manutnção tratamnto da documntação difusão da informação tcnológica; II - grnciar mantr atualizadas as informaçõs d patnts outras publicaçõs técnicas, nacionais strangiras, para atndr as ncssidads dos procdimntos d xam d patnts da Dirtoria d Patnts, as ncssidads da ára d psquisa da Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto as dmandas da comunidad técnico, cintífica industrial; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

8 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN III - promovr a divulgação dissminação da informação tcnológica, grada grnciada plo INPI, com vistas ao dsnvolvimnto tcnológico nacional. Art. 77. À Bibliotca d Inovação Propridad Intlctual I - propor coordnar as atividads voltadas para o acsso às informaçõs tcnológicas m documntação patntária não patntária; II - adquirir os diritos, coordnar disponibilizar acrvo d litratura técnica d todas as áras do conhcimnto, inovação propridad intlctual; III - coordnar grir o acsso do público intrssado aos acrvos dscritos nos incisos I II, prsncialmnt por mio intrnt. Art. 78. À Divisão d Documntação Patntária I - grnciar o acrvo d documntos d patnts brasiliros strangiros, m sus divrsos formatos, visando a sua atualização, intgridad pronta rcupração; II - mantr control disponibilizar o acsso aos provdors d informação tcnológica patntária às frramntas d buscas dsss sistmas; III - promovr o uso d novas tcnologias no tratamnto da documntação d patnts; IV - criar mantr atualizados tcnologicamnt os srviços voltados ao atndimnto dos usuários intrnos xtrnos; V - promovr o intrcâmbio da documntação d patnts brasiliras com instituiçõs strangiras. Art. 79. À Sção d Administração do Banco d Patnts I - prsrvar, mantr atualizada organizada a documntação d patnts brasilira strangira m sus divrsos suports; II - disponibilizar a documntação d patnts brasilira strangira para consulta dos usuários intrnos xtrnos; III - atndr às solicitaçõs d cópias d documntos d patnts brasiliras strangiras, dos usuários intrnos xtrnos. Art. 80. À Sção d Tratamnto d Documntos d Patnts I - tratar convrtr os documntos d patnts brasiliros para mio digital; II - indxar documntos d patnts brasiliros convrtidos para mio digital; III - disponibilizar os documntos d patnts brasiliros, m mio digital, para intrcâmbio com instituiçõs strangiras. Art. 8. À Divisão d Litratura Técnica I - grnciar o acrvo bibliográfico, m sus divrsos suports, rfrnts à propridad intlctual, inovação tcnologia outras áras d intrss institucional, visando a sua atualização, intgridad pronta rcupração; II - ralizar psquisas orintar os usuários no acsso a sta documntação, prsncialmnt por mio da intrnt; III - rgistrar, mantr divulgar as publicaçõs ditadas plo INPI, com vistas à prsrvação da mmória institucional; IV - promovr o intrcâmbio bibliográfico com unidads d informação d outras instituiçõs. Art. 82. À Coordnação d Psquisa m Inovação Propridad Intlctual I - coordnar, orintar suprvisionar a ralização d psquisas studos visando dar suport à política industrial d inovação; II - coordnar participar nos programas d capacitação m informação tcnológica propridad intlctual; III - coordnar acompanhar as atividads rfrnts aos programas acordos qu visam à dissminação da informação tcnológica da propridad intlctual. Art. 83. À Divisão do Obsrvatório Tcnológico I - propor atividads no âmbito do Obsrvatório Tcnológico, d acordo com os tmas contmplados nos Acordos d Coopração Técnica dmais projtos do II - participar da laboração d planos d trabalho dos Acordos d Coopração Técnica qu nvolvam tmas tratados plo Obsrvatório Tcnológico; III - analisar, coordnar acompanhar as dmandas d intrss dos projtos xistnts no âmbito do Obsrvatório Tcnológico junto às unidads comptnts do IV - apoiar, coordnar consolidar a alocação dos rcursos orçamntários ncssários aos divrsos projtos m xcução no Obsrvatório Tcnológico, para postrior aprovação junto a Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto; V - rprsntar o INPI nos vntos rlacionados aos tmas tratados plo Obsrvatório Tcnológico. Art. 84. Ao Srviço d Dissminação Busca I - promovr a dissminação d novos contúdos, frramntas sistmas d informação tcnológica; II - organizar atividads d trinamnto m busca d informação tcnológica; III - suprvisionar as atividads dos programas d difusão capacitação m propridad intlctual informação tcnológica; IV - suprvisionar as atividads d busca d patnts. Art. 85. À Sção d Administração d Programas d Difusão I - ralizar as atividads rfrnts aos Programas Acordos qu visam à dissminação da informação tcnológica; II - participar dos programas d capacitação m informação tcnológica; III - promovr a dissminação das informaçõs tcnológicas m propridad intlctual contidas m documntos d patnts. Art. 86. À Sção d Orintação Busca d Patnts I - atndr orintar os usuários intrnos xtrnos no acsso à documntação patntária: informação tcnológica, busca classificação; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código II - orintar as atividads d busca d patnts ralizadas por usuários xtrnos; III - ralizar as atividads d busca d patnts solicitadas por usuários intrnos xtrnos. Art. 87. À Coordnação-Gral d Coopração Intrnacional I - coordnar as atividads propostas pla Prsidência do INPI voltadas para o rlacionamnto intrnacional do Instituto; II - coordnar a ralização d programas d coopração técnica d intrcâmbio com organizaçõs intrnacionais instituiçõs strangiras nos tmas rlativos à propridad intlctual difusão tcnológica; III - acompanhar, m articulação com as divrsas áras do INPI, a alocação dos rcursos indispnsávis ao cumprimnto d compromissos intrnacionais dmandados pla Prsidência do Instituto; IV - idntificar, m articulação com as divrsas áras do INPI, potnciais parciros para coopração intrnacional, m linha com as dirtrizs das atividads pré-stablcidas m âmbito bilatral, rgional, intr-rgional, multilatral plurilatral. Art. 88. À Divisão d Coopração Técnica com América Latina Carib compt propor, laborar implmntar, m articulação com as divrsas áras do INPI, programas d coopração técnica com os paíss da América Latina Carib, instrumntos d intrcâmbio d carátr bilatral, as agndas d trabalho, assim como, outras atividads rlativas aos tmas d propridad intlctual difusão tcnológica, qu lh form atribuídas para suport à coopração técnica vislumbrada ou a sr mprndida. Art. 89. À Divisão d Coopração Técnica com Organismos Rgionais, Plurilatrais Multilatrais m Propridad Intlctual compt propor, laborar implmntar, m articulação com as divrsas áras do INPI, programas d coopração técnica com Organismos Rgionais, Plurilatrais Multilatrais, instrumntos d intrcâmbio d carátr bilatral, rgional ou multilatral, as agndas d trabalho, assim como, outras atividads rlativas aos tmas d propridad intlctual difusão tcnológica, qu lh form atribuídas para suport à coopração técnica vislumbrada ou a sr mprndida. Art 90. À Divisão d Coopração Técnica Bilatral com Escritórios Nacionais d Propridad Intlctual compt propor, laborar implmntar, m articulação com as divrsas áras do INPI, programas d coopração técnica ntr o INPI scritórios congênrs m outros paíss, sm prjuízo ou sobrposição d atividads com as dmais Divisõs dsta Coordnação-Gral, instrumntos d intrcâmbio d carátr bilatral, as agndas d trabalho, assim como, outras atividads rlativas aos tmas d propridad intlctual difusão tcnológica, qu lh form atribuídas para suport à coopração técnica vislumbrada ou a sr mprndida. Art. 9. À Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto I - promovr o nsino a psquisa da propridad intlctual, m nívl d pós-graduação, vidnciando sua rlação com a inovação o dsnvolvimnto tcnológico, conômico, social cultural; II - coordnar acompanhar atividads d cunho acadêmico, tais como sminários, ciclos d studo, workshops, confrências, simpósios congrssos, ntr outros; III - criar mcanismos d dissminação d conhcimntos rlacionados com propridad intlctual, inovação dsnvolvimnto; IV - promovr ralizar intrcâmbio com instituiçõs d nsino psquisa, instituiçõs congênrs, m nívl nacional intrnacional, para o dsnvolvimnto d atividads d intrss comum. Art. 92. À Coordnação d Formação Extnsão m Propridad Intlctual I - coordnar as atividads d formação técnica xtnsão m propridad intlctual, inovação dsnvolvimnto; II - dsnvolvr rcursos humanos por mio da coordnação, acompanhamnto avaliação d cursos d capacitação d pquna, média longa duração, m todo o trritório nacional, promovidos plo INPI, ou m parcria com outras instituiçõs brasiliras; III - colaborar no planjamnto implmntação das açõs intrnacionais d capacitação m propridad intlctual, promovidos plo INPI, ou m parcria com outras instituiçõs organismos brasiliros ou intrnacionais; IV - criar, dsnvolvr implmntar formas d dissminação d conhcimntos produzidos no âmbito dssa Coordnação. Art. 93. À Sção d Administração d Programas d Capacitação compt promovr as mdidas ncssárias à xcução d cursos prsnciais d capacitação d pquna, média longa duração m propridad intlctual. Art. 94. À Coordnação d Programas d Pós-Graduação I - coordnar as atividads d nsino psquisa m nívl d pós-graduação m Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto; II - dsnvolvr rcursos humanos por mio da coordnação, acompanhamnto avaliação d cursos d formação acadêmica Lato Stricto snsu, promovidos plo INPI, m parcria com outras instituiçõs d nsino psquisa; III - discutir, dfinir coordnar a implantação, struturação implmntação d linhas d psquisa m tmas ligados à propridad intlctual, inovação dsnvolvimnto; IV - criar, dsnvolvr implmntar formas d dissminação d conhcimntos produzidos no âmbito dssa Coordnação. Art. 95. À Divisão d Tcnologias Educacionais I - criar, dsnvolvr implmntar mcanismos para a dissminação d conhcimntos por mio d stratégias d ducação à distância; II - dsnvolvr implmntar a laboração d matrial didático instrucional voltado para os mais variados públicos, considrando os divrsos stors tcnológicos nívis d formação ducacional; III - criar, dsnvolvr implmntar formas d dissminação d conhcimntos produzidos no âmbito da Acadmia. Art. 96. Ao Srviço Acadêmico compt ofrcr suport xcutar as atividads d scrtaria acadêmica das açõs d nsino, psquisa xtnsão da Acadmia d Propridad Intlctual, Inovação Dsnvolvimnto. Art. 97. À Coordnação-Gral d Ação Rgional I - stablcr parcrias m programas rgionais d dsnvolvimnto difusão tcnológica; II - orintar as ncssidads d capacitação d rcursos humanos nos Escritórios d Difusão Rgional na Divisão d Difusão Rgional Nort para o atndimnto ao forncimnto d informaçõs indispnsávis para a promoção do sistma d propridad industrial, para as atividads d dissminação sobr a importância do uso da propridad industrial da informação tcnológica contida m documntos d patnts; III - coordnar opinar, no âmbito da Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto das dmais unidads da strutura rgimntal do INPI, sobr a convniência da assinatura, ratificação ou dnúncia d convênios acordos no âmbito rgional; IV - coordnar opinar sobr a ocupação rgional do INPI sobr as atividads d prstação d informaçõs ncssárias ao usuário para mlhor utilização do sistma d propridad industrial junto aos Escritórios; V - promovr implmntar atividads d dissminação com vistas a stablcr um crscnt ntndimnto sobr a propridad industrial, sus marcos lgais sus mcanismos, nss sntido, contribuir para o fortalcimnto d açõs d inovação tcnológica nos divrsos stados da Fdração; VI - fomntar, acompanhar coordnar parcrias açõs conjuntas com univrsidads instituiçõs d psquisa, agnts fdrais, staduais rgionais d fomnto, ntidads mprsariais, rprsntação d classs outros organismos públicos privados ddicados à psquisa, ao dsnvolvimnto tcnológico, às atividads d xtnsão tcnológica à inovação xistnts nos divrsos stados da Fdração, fomntadas no âmbito das dmais unidads do Instituto, inclusiv daqulas dirtamnt subordinadas à Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto. Art. 98. Aos Escritórios d Difusão Rgional compt sob a Coordnação-Gral d Ação Rgional, xrcr as atividads qu lh form atribuídas, nas rgiõs comprndidas nas suas áras d atuação, spcificamnt: I - suprvisionar grnciar a orintação fita ao público sobr a lgislação as normas qu rgulam os diritos obrigaçõs rlativas à propridad industrial, bm como dos rspctivos procdimntos d instrução procssual; II - promovr o monitoramnto a consolidação dos dados rfrnts às dmandas dos usuários possibilitando a laboração d studos rlatórios; III - propor, coordnar, acompanhar avaliar os acordos d coopração com os parciros staduais nas rgiõs comprndidas nas suas áras d atuação; IV - promovr a difusão a promoção d um crscnt ntndimnto dos mcanismos d propridad industrial com vistas a rforçar o dsnvolvimnto tcnológico da sua ára d atuação influência; V - praticar todos os atos d naturza orçamntária, financira administrativa, d acordo com a Li nº 8.666/993 Rsoluçõs Intrnas. Art. 99. Às Sçõs d Orintação, Rcpção Dissminação compt sob a coordnação dos Escritórios d Difusão Rgional aos quais são vinculadas, da Coordnação-Gral d Ação Rgional, xrcr as atividads qu lh form atribuídas, na sua ára d atuação, spcificamnt: I - informar orintar o público sobr a lgislação as normas qu rgulam os diritos obrigaçõs rlativas à propridad industrial, bm como dos rspctivos procdimntos d instrução procssual; II - rcbr, numrar datar os pdidos ptiçõs rfrnts aos srviços prstados plo III - acompanhar o dsmpnho das parcrias na ára d influência do Escritório Rgional; IV - difundir o conhcimnto sobr os mcanismos d propridad industrial com vistas a rforçar o dsnvolvimnto tcnológico na ára d influência do Escritório Rgional. Parágrafo único. À Sção d Orintação, Rcpção Dissminação do Escritório d Difusão Rgional Sudst II compt ralizar o xam prliminar dos pdidos aprsntados ao INPI. Art. 00. Às Sçõs d Administração compt sob a coordnação dos Escritórios d Difusão Rgional aos quais são vinculadas, da Coordnação-Gral d Ação Rgional, xrcr as atividads qu lh form atribuídas, na sua ára d atuação, spcificamnt: I - propor xcutar açõs administrativas ncssárias ao andamnto do trabalho dos Escritórios d Difusão Rgional, bm como daquls qu s ncontram na ára d influência sob sua rsponsabilidad; II - oprar junto ao Sistma Intgrado d Administração Financira - SIAFI praticar as dmais atividads ncssárias à xcução orçamntária financira; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

9 94 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 III - praticar outros atos advindos das atividads dsnvolvidas nas unidads rgionais, prvisto m Rgimnto Intrno, Rsolução, Portaria ou por solicitação da Coordnação-Gral d Ação Rgional Ȧrt. 0. Às Sçõs d Difusão Rgional I, II, III, IV V compt, sob a coordnação dos Escritórios d Difusão Rgional aos quais são vinculadas, da Coordnação-Gral d Ação Rgional, xrcr as atividads qu lh form atribuídas na sua ára d atuação, spcificamnt: I - informar orintar o público da ára d influência do Escritório Rgional sobr a lgislação as normas qu rgulam os diritos obrigaçõs rlativas à propridad industrial, bm como dos rspctivos procdimntos d instrução procssual; II - rcbr, numrar datar os pdidos ptiçõs rfrnts aos srviços prstados plo III - promovr a difusão a promoção d um crscnt ntndimnto dos mcanismos d propridad industrial com vistas a rforçar o dsnvolvimnto tcnológico da ára d influência do Escritório Rgional; IV - difundir o conhcimnto sobr os mcanismos d propridad industrial com vistas a rforçar o dsnvolvimnto tcnológico na ára d influência do Escritório Rgional. Art. 02. À Divisão d Difusão Rgional Nort compt, sob a Coordnação-Gral d Ação Rgional, xrcr as atividads qu lh form atribuídas na sua ára d atuação influência, spcificamnt: I - informar orintar o público sobr a lgislação as normas qu rgulam os diritos obrigaçõs rlativas à propridad industrial, bm como dos rspctivos procdimntos d instrução procssual; II - promovr o monitoramnto a consolidação dos dados rfrnts às dmandas dos usuários possibilitando a laboração d studos rlatórios; III - acompanhar o dsmpnho das parcrias na sua ára d atuação influência; IV - promovr a difusão a promoção d um crscnt ntndimnto dos mcanismos d propridad industrial com vistas a rforçar o dsnvolvimnto tcnológico da sua ára d atuação; V - prospctar propor novas parcrias dntro d sua ára d atuação, dsd qu autorizadas pla Coordnação-Gral d Ação Rgional a qual s ncontra vinculada. Art. 03. À Coordnação d Coopração Nacional I - coordnar as atividads d coopração nacional com vistas a stablcr um crscnt ntndimnto sobr o Sistma d Propridad Industrial; II - coordnar acompanhar a implantação das atividads das parcrias, qu tnham impacto nacional, fomntadas no âmbito das dmais unidads do Instituto, inclusiv daqulas dirtamnt subordinadas à Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto, visando aumntar a participação d brasiliros no Sistma d Propridad Industrial. Art. 04. À Divisão d Fomnto à Protção d Propridad Intlctual d Univrsidads Instituiçõs d Psquisa I - propor suprvisionar a ralização d programas d coopração técnica com Univrsidads Instituiçõs d Psquisa Nacionais, visando promovr a dissminação da cultura d Propridad Industrial; II - promovr, difundir implmntar atividads d dissminação da cultura d propridad industrial visando contribuir com o dsnvolvimnto tcnológico do país; III - fomntar o ntndimnto do sistma d propridad industrial, sus marcos lgais sus mcanismos, m spcial univrsidads, cntros d psquisa agências d fomnto; IV - fomntar, acompanhar grnciar parcrias açõs conjuntas com univrsidads instituiçõs d psquisa, agnts d fomnto outros organismos públicos privados ddicados à psquisa, ao dsnvolvimnto tcnológico, às atividads d xtnsão tcnológica à inovação. Art. 05. À Divisão d Fomnto à Protção d Propridad Intlctual d Emprsas I - propor suprvisionar a ralização d programas d coopração técnica com associaçõs mprsariais, rprsntaçõs d classs, instituiçõs d fomnto fdraçõs d indústria, visando promovr a dissminação da cultura d Propridad Industrial nas mprsas nacionais; II - promovr, difundir implmntar atividads d dissminação da cultura d propridad industrial visando contribuir com o dsnvolvimnto tcnológico do país o aumnto da comptitividad mprsarial; III - fomntar atividads d dissminação da cultura d propridad industrial para o mlhor ntndimnto uso stratégico do sistma, por part das micro, pqunas médias mprsas; IV - fomntar, acompanhar grnciar parcrias açõs conjuntas com associaçõs mprsariais, rprsntaçõs d classs, instituiçõs d fomnto, fdraçõs d indústria outros organismos públicos privados ddicados à psquisa, ao dsnvolvimnto tcnológico à inovação mprsarial. Art. 06. À Dirtoria d Patnts I - analisar dcidir acrca d privilégios patntários, na forma da Li nº 9.279, d 996, modificada pla Li nº 0.96, d 4 d fvriro d 200, d modo alinhado às dirtrizs d política industrial tcnológica aprovadas plo Govrno Fdral; II - participar das atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos, mprsas ntidads com vistas à maior participação d brasiliros nos sistmas d protção da propridad intlctual; III - avaliar tcnicamnt as propostas d novas açõs cooprativas, acordos tratados rfrnts a patnts; IV - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação d açõs cooprativas, acordos tratados intrnacionais qu digam rspito a patnts; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código V - propor o aprfiçoamnto das práticas dsnvolvr padrõs opracionais para anális concssão d patnts; VI - laborar mantr atualizadas as dirtrizs d xam técnico, alinhadas às dirtrizs d política industrial tcnológica aprovadas plo Govrno Fdral; VII - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação das normas rfrnts às atividads da Dirtoria; VIII - forncr subsídios ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; IX - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 07. Ao Srviço d Assuntos Espciais d Patnts I - idntificar forncr orintação técnica procssual aos usuários do sistma d patnts; II - idntificar promovr a guarda dos pdidos d patnts patnts o procssamnto sigiloso dos pdidos d patnt d intrss da dfsa nacional; III - avaliar, acompanhar promovr a implantação das açõs d intrss da Dirtoria; IV - idntificar promovr o procssamnto d priorização do xam técnico dos pdidos d patnt providnciar as notificaçõs publicaçõs inrnts à comptência da unidad; V - idntificar promovr a anális d prtinências das cors m figuras d dpósitos d pdidos d patnt; VI - idntificar providnciar rspostas às solicitaçõs, informaçõs, rclamaçõs sugstõs dos usuários d patnt ncaminhadas pla Ouvidoria do órgão; VII - forncr suport ao Dirtor d Patnts para subsidiar o pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; VIII - avaliar dcidir quanto a concssão d prazo adicional para a prática d atos rlacionados às comptências do Srviço; IX - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 08. Às Coordnaçõs-Grais d Patnts I, II, III IV I - coordnar studos para o aprfiçoamnto das rotinas da anális concssão d patnts; II - propor o aprfiçoamnto das dirtrizs, normas procdimntos d xam d pdidos d patnt; III - dar suport a participação da Dirtoria d Patnts nas atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos, mprsas ntidads; IV - apoiar a laboração d studos forncimnto d informaçõs d carátr técnico sobr a lgislação vignt d propridad industrial, incluindo tratados, acordos outros instrumntos intrnacionais congênrs sobr a matéria; V - forncr suport ao Dirtor d Patnts para subsidiar o pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; VI - avaliar dcidir quanto a concssão d prazo adicional para a prática d atos rlacionados às comptências da coordnação; VII - coordnar, suprvisionar manifstar-s, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, visando instruir as açõs judiciais; VIII - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 09. Às Divisõs d Patnts das Coordnaçõs-Grais d Patnts I, II, III IV I - avaliar a documntação do pdido d patnt disponibilizada para o xam técnico procdr a sua rgularização quando ncssária; II - procdr à classificação, busca d antrioridads xam técnico dos pdidos d patnts nacionais dos pdidos d patnts intrnacionais, dpositados através d tratados m qu o Brasil sja signatário; III - avaliar dcidir sobr a prda d prioridad unionista dos pdidos d patnts quanto ao mérito; IV - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, visando instruir as açõs judiciais; V - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos procssos administrativos d nulidad dos rcursos administrativos inrnts à ára d sua atuação; VI - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 0. À Coordnação-Gral do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts I - coordnar, suprvisionar acompanhar a aplicação das disposiçõs prsnts no Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; II - coordnar as atividads articuladas ntr o INPI os outros scritórios d patnts rlativas às atividads inrnts a aplicação do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; III - coordnar studos para o aprfiçoamnto das rotinas para a adoção dos padrõs intrnacionais nas atividads inrnts ao Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; IV - propor o aprfiçoamnto das dirtrizs, normas procdimntos rlacionados às atividads prvistas no Tratado d Coopração m Matéria d Patnts quando o INPI atu como Organismo Rcptor, Autoridad Intrnacional Organismo Dsignado ou Elito; V - instruir procsso administrativo para a rmssa dos rcolhimntos ralizados m moda strangira à Scrtaria Intrnacional da Organização Mundial da Propridad Intlctual às Autoridads d Intrnacionais comptnts; VI - dar suport a participação da Dirtoria d Patnts nas atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos, mprsas ntidads, no qu diz rspito ao Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; VII - apoiar a laboração d studos o forncimnto d informaçõs d carátr técnico sobr o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts, outros tratados, acordos quaisqur instrumntos intrnacionais congênrs sobr a matéria; VIII - forncr suport ao Dirtor d Patnts para subsidiar o pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; IX - avaliar dcidir quanto a concssão d prazo adicional para a prática d atos rlacionados às comptências da coordnação; X - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art.. À Divisão Intrnacional do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts I - xrcr as atividads inrnts à Autoridad Intrnacional no Brasil sgundo o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; II - assssorar as Divisõs d Patnts na laboração dos rlatórios rfrnts às atividads d Autoridad Intrnacional; III - providnciar o ncaminhamnto dos rlatórios rfrnts às atividads d Autoridad Intrnacional à Scrtaria Intrnacional da Organização Mundial da Propridad Intlctual ao dpositant; IV - orintar técnica procssualmnt os usuários as unidads xtrnas do INPI nas atividads xrcidas como Autoridad Intrnacional; V - solicitar a rmssa dos rcolhimntos ralizados m moda strangira à Scrtaria Intrnacional da Organização Mundial da Propridad Intlctual às Autoridads d Busca Intrnacional comptnts; VI - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; VII - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução d rcursos administrativos inrnts à ára d sua atuação; VIII - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 2. À Sção d Rcpção do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts I - xrcr as atividads inrnts ao Organismo Rcptor d Pdidos Intrnacionais d Patnts dpositados no Brasil sgundo o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; II - providnciar o ncaminhamnto dos Pdidos Intrnacionais d Patnts à rspctiva Autoridad d Psquisa Intrnacional à Scrtaria Intrnacional da Organização Mundial da Propridad Intlctual; III - promovr a rtirada dos Pdidos Intrnacionais d Patnt qu não atndrm as disposiçõs lgais rfrnts ao dpósito intrnacional conform o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; IV - orintar técnica procssualmnt os usuários as unidads xtrnas do INPI nas atividads xrcidas como Organismo Rcptor; V - solicitar a rmssa dos rcolhimntos ralizados m moda strangira à Scrtaria Intrnacional da Organização Mundial da Propridad Intlctual às Autoridads d Psquisa Intrnacional comptnts; VI - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; VII - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução d rcursos administrativos inrnts à ára d sua atuação. Art. 3. À Divisão Nacional do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts I - xrcr as atividads inrnts ao Organismo Dsignado ou Elito brasiliro sgundo o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; II - procdr ao xam d admissibilidad dos Pdidos Intrnacionais d Patnt para fins d ntrada na fas nacional conform o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts procdr à rnumração dos pdidos quando ncssário; III - promovr a rtirada dos Pdidos Intrnacionais d Patnt qu não atndrm as disposiçõs lgais rfrnts a ntrada na fas nacional conform o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; IV - providnciar a publicação da ntrada na fas nacional dos Pdidos Intrnacionais d Patnts dpositados sgundo o Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; V - orintar técnica procssualmnt os usuários as unidads xtrnas do INPI nas atividads rlacionadas à ntrada na fas nacional; VI - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; VII - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução d rcursos administrativos inrnts à ára d sua atuação; VIII - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 4. À Coordnação d Suport Administrativo d Patnts Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

10 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN I - coordnar studos para o aprfiçoamnto das rotinas do procssamnto administrativo d pdidos d patnts patnts concdidas; II - propor o aprfiçoamnto das dirtrizs, normas procdimntos administrativos d patnts; III - atndr aos rqurimntos d vistas d procssos administrativos d patnts; IV - lavrar crtidõs; V - atndr aos rqurimntos d divulgação da ofrta d licnça d patnts; VI - instruir tcnicamnt os rqurimntos d rstituição d rtribuição d procssos administrativos d patnts; VII - participar d studos ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Dirtor d Patnts; VIII - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos rcursos administrativos inrnts à ára d atuação; IX - forncr suport ao Dirtor d Patnts para subsidiar o pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; X - avaliar dcidir quanto a concssão d prazo adicional para a prática d atos rlacionados às comptências da Coordnação; XI - articular com as unidads do INPI açõs, studos projtos d intrss da Dirtoria d Patnts na promoção dissminação da Propridad Industrial. Art. 5. À Sção d Control d Pagamntos d Anuidads I - procdr à avrbação das anuidads dos pdidos d patnt patnts concdidas, quando coubr; II - propor a dclaração d xtinção da patnt m caso d não-pagamnto d anuidads, bm como a rstauração d patnts; III - propor o arquivamnto d pdidos d patnt m caso d não-pagamnto d anuidads, bm como a rstauração do andamnto do pdido. Art. 6. Ao Srviço d Exam Formal Prliminar I - procdr, m carátr sigiloso, o procssamnto do xam formal prliminar dos pdidos nacionais para fins d dpósito; II - anular a numração do pdido disponibilizar ao intrssado ou su rprsntant lgal a documntação dos pdidos nacionais por dscumprimnto das disposiçõs lgais; III - procdr à altração do númro dos pdidos d patnt m virtud d rnumração ou mudança d naturza; IV - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos rcursos administrativos inrnts à ára d sua atuação. Art. 7. À Sção d Arquivo d Pdidos m Sigilo compt mantr atualizado sob sua guarda o arquivo d pdidos d patnt nacionais m sigilo. Art. 8. Ao Srviço d Expdição d Patnts I - xpdir Carta-Patnt; II - opinar quanto ao arquivamnto d pdidos d patnt, por dscumprimnto d disposiçõs lgais inrnts a sua ára d atuação; III - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos rcursos administrativos inrnts a ára d sua atuação. Art. 9. À Sção d Anotaçõs d Transfrências Noms I - opinar quanto às solicitaçõs d transfrência d titularidad, altração d nom sd d patnts; II - procdr à anotação d qualqur limitação ou ônus qu rcaia sobr o pdido d patnt ou a patnt concdida. Art. 20. Ao Srviço d Control d Documntos I - procdr à confrência das ptiçõs d outros documntos, conform o assunto a situação do procsso a qu s rfira; II - procdr ao rcbimnto d documntação d pdidos intrnacionais para fins d ntrada na fas nacional; III - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos rcursos administrativos inrnts a ára d sua atuação. Art. 2. À Sção d Atndimnto d Cópias I - atndr aos rqurimntos d cópia oficial d pdidos dpositados; II - atndr aos rqurimntos d cópia dos procssos d patnts providnciar a libração ltrônica dssas imagns; III - controlar prazos ntr solicitação atndimnto d cópias a fim d instruir rqurimntos d dvolução d prazo. Art. 22. À Sção d Publicação d Pdidos Nacionais compt procdr a anális dos pdidos d patnt após o prazo final do sigilo ou sob rqurimnto para postrior publicação. Art. 23. À Sção d Arquivo d Pdidos Patnts compt mantr atualizado sob sua guarda o control do arquivo d pdidos d patnt para dcidir, dcididos patnts concdidas. Art. 24. À Dirtoria d Marcas I - analisar dcidir acrca d rgistros d marca, na forma da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996, d modo alinhado às dirtrizs d política industrial tcnológica aprovadas plo Govrno Fdral; II - participar das atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos, mprsas ntidads com vistas à maior participação d brasiliros nos sistmas d protção da propridad intlctual; III - avaliar tcnicamnt as propostas d novas açõs cooprativas, acordos tratados rfrnts a marcas; IV - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação d açõs cooprativas, acordos tratados intrnacionais qu digam rspito a marcas; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código V - propor o aprfiçoamnto das práticas dsnvolvr padrõs opracionais para anális concssão d marcas; VI - laborar mantr atualizadas as dirtrizs d xam técnico, alinhadas às dirtrizs d política industrial tcnológica aprovadas plo Govrno Fdral; VII - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação das normas rfrnts às atividads da Dirtoria; VIII - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas Ȧrt. 25. Ao Srviço d Estudos Projtos Espciais I - idntificar propor novas oportunidads no âmbito da Propridad Industrial, com vistas ao aprfiçoamnto das atividads da Dirtoria d Marcas; II - idntificar, propor monitorar açõs, studos projtos d intrss do INPI m matéria d marcas; III - monitorar cronogramas, mtas rsultados alcançados plas atividads projtos m dsnvolvimnto na Dirtoria d Marcas. Art. 26. À Coordnação-Gral d Marcas I II I - coordnar suprvisionar o xam técnico dos pdidos d rgistro d marcas na Coordnação-Gral nas suas unidads subordinadas; II - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto das dirtrizs d anális dos procdimntos d xam d marcas; III - avaliar tcnicamnt coordnar a aplicação d projtos, acordos tratados no âmbito da propridad industrial; IV - subsidiar a participação da Dirtoria d Marcas nas atividads d promoção do rgistro d marca, m conjunto com outros órgãos, mprsas ntidads; V - coordnar studos forncr informaçõs d carátr técnico sobr a lgislação vignt d propridad industrial, incluindo tratados, acordos outros instrumntos intrnacionais congênrs sobr a matéria, bm como acrca das propostas d atos lgais, nacionais ou intrnacionais, sobr a matéria, participando d grupos, comissõs ou vntos, d tom part o INPI, com a finalidad d: a) propor normas dirtrizs intrnas ao Prsidnt do INPI para a aplicação obsrvância da lgislação vignt no âmbito dos procssos d outorga d diritos d propridad industrial; b) forncr subsídios técnicos ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a marcas; c) forncr subsídios técnicos ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno brasiliro m quaisqur foros intrnos ou xtrnos d discussão sobr propridad industrial. VI - coordnar suprvisionar a instrução técnica das açõs judiciais d outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts a marcas. Art. 27. Às Divisõs d Marcas das Coordnaçõs-Grais d Marcas I II I - procdr ao xam técnico dos pdidos d rgistro d marca, d acordo com a lgislação os procdimntos m vigor; II - instruir tcnicamnt, quando solicitada, açõs judiciais outras dmandas oficiais rfrnts a marcas; III - participar d studos para a aplicação d projtos, acordos tratados qu digam rspito à matéria d sua comptência dos studos d aprfiçoamnto das dirtrizs d anális procdimntos d xam d marcas; IV - propor o aprfiçoamnto dos padrõs opracionais, sistmas informatizados rotinas d trabalho, qu digam rspito às suas comptências; V - participar das atividads d promoção do rgistro d marca m conjunto com outros órgãos, mprsas ntidads; VI - participar, quando solicitado pla unidad comptnt, da instrução dos procssos administrativos d nulidad dos rcursos administrativos inrnts a sua ára d atuação. Art. 28. À Coordnação d Apoio d Marcas I I - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto dos procdimntos administrativos rlacionados às comptências d suas unidads subordinadas; II - coordnar suprvisionar o xam a triagm das ptiçõs d marcas na Coordnação d Apoio d Marcas I suas unidads subordinadas; III - coordnar suprvisionar a atualização d dados bibliográficos d pdidos rgistros d marcas; IV - coordnar suprvisionar a instrução técnica das açõs judiciais d outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts às comptências d suas unidads subordinadas. Art. 29. À Divisão d Transfrência, Altração Prorrogação I - procdr ao xam das ptiçõs d anotação d transfrência d titularidad, d altração d nom, sd ou ndrço d prorrogação d rgistro, além d outras ptiçõs corrlatas; II - propor a xtinção d rgistros, por dscumprimnto d disposiçõs lgais inrnts a sua ára d atuação; III - promovr a anotação d qualqur limitação ou ônus qu rcaia sobr pdido ou rgistro d marca; IV - propor o arquivamnto d ofício d pdidos o canclamnto d ofício d rgistros d marca, por dscumprimnto d disposiçõs lgais inrnts a sua ára d atuação; V - instruir tcnicamnt, quando solicitado, açõs judiciais outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts a marcas no âmbito das suas comptências spcíficas. Art. 30. Ao Srviço d Control d Documntos d Marcas I - procdr ao xam d conformidad das ptiçõs d marcas; II - procdr à triagm à distribuição d ptiçõs dmais documntos para as unidads comptnts da Dirtoria; III - ftuar a atualização dos dados bibliográficos dos pdidos rgistros d marca, quando ncssário; IV - promovr a notificação d ptiçõs, quando ncssário. Art. 3. Ao Srviço d Expdição d Crtificados compt xpdir os crtificados d rgistro d marca, as cópias oficiais as crtidõs, xcto as d busca. Art. 32. À Coordnação d Apoio d Marcas II I - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto dos procdimntos administrativos rlacionados às comptências d suas unidads subordinadas; II - coordnar suprvisionar o xam das ptiçõs d marcas na Coordnação d Apoio d Marcas II m suas unidads subordinadas; III - coordnar suprvisionar a instrução técnica das açõs judiciais outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts às comptências d suas unidads subordinadas; IV - coordnar suprvisionar a gstão documntal d marcas, visando à guarda, o control à intgridad dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas; V - coordnar suprvisionar as tapas d digitalização indxação dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas; VI - coordnar suprvisionar o procssamnto d dados bibliográficos dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas. Art. 33. À Divisão d Exam Formal I - procdr ao xam formal dos pdidos d rgistro d marca; II - promovr a rclassificação dos lmntos figurativos dos pdidos d rgistro d marca, quando solicitado; III - propor a adquação da classificação d produtos srviços dos pdidos d rgistro d marca, quando solicitado; IV - propor o arquivamnto dos pdidos d rgistro d marca por dscumprimnto d disposiçõs lgais inrnts a sua ára d atuação; V - participar, quando solicitado, da instrução técnica das açõs judiciais outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts a marcas. Art. 34. Ao Srviço d Orintação ao Usuário d Marcas I - prstar atndimnto orintação aos usuários d marcas; II - ftuar a corrção dos dados bibliográficos dos pdidos rgistros d marca, quando ncssário; III - xpdir crtidõs d busca; IV - atndr aos rqurimntos d vistas d procssos administrativos d marcas. Art. 35. Ao Srviço d Arquivo Gstão Documntal d Marcas I - procdr à gstão documntal d marcas, visando à guarda, o control à intgridad dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas; II - controlar as tapas d digitalização indxação dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas; III - controlar o procssamnto d dados bibliográficos dos pdidos, rgistros ptiçõs d marcas; IV - atndr aos rqurimntos d cópias d procssos administrativos d marcas. Art. 36. À Dirtoria d Contratos, Indicaçõs Gográficas Rgistros I - avrbar nos títulos corrspondnts os contratos d licnça d diritos d propridad industrial; II - rgistrar os contratos qu impliqum transfrência d tcnologia franquia, na forma da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996; III - rgistrar os pdidos d dsnhos industriais, topografias d circuitos intgrados programas d computador, na forma das Lis nºs 9.279, d 4 d maio d 996;.484, d 3 d maio d 2007; 9.609, d 9 d fvriro d 998; 9.60, d 9 d fvriro d 998, rspctivamnt; IV - prstar orintação, a pdido do intrssado, às micro, pqunas médias mprsas, instituiçõs d ciência tcnologia órgãos govrnamntais, quanto às mlhors práticas d licnciamnto d diritos d propridad industrial outras formas d transfrência d tcnologia, inclusiv quanto à missão d licnças compulsórias; V - xaminar as propostas rgistrar as indicaçõs gográficas, na forma da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996, assim como fomntar apoiar a formulação d tais propostas; VI - laborar mantr atualizadas as dirtrizs d xam técnico, alinhadas às dirtrizs d política industrial tcnológica aprovadas plo Govrno Fdral; VII - participar das atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos, mprsas ntidads com vistas à maior participação d brasiliros nos sistmas d protção da propridad intlctual; VIII - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação das normas rfrnts às atividads da Dirtoria; IX - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas. Art. 37. À Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia I - planjar, coordnar suprvisionar as atividads d anális quanto à avrbação/rgistro d contratos d licnças daquls qu impliqum transfrência d tcnologia d franquia, na forma da lgislação m vigor; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

11 96 ISSN Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 II - planjar, coordnar suprvisionar a prstação dos srviços d orintação técnica a participação m atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos; III - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto das dirtrizs d anális dos procdimntos d anális para avrbação d contratos d licnças daquls qu impliqum transfrência d tcnologia d franquia; IV - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto das dirtrizs para prstação dos srviços d orintação técnica participação das atividads articuladas ntr o INPI outros órgãos; V - rspondr aos xpdints xtrnos rlativos a assuntos divrsos d sua comptência; VI - manifstar-s tcnicamnt, quando solicitada plo Prsidnt do INPI, sobr a convniência d assinatura, ratificação dnúncia d convnçõs, tratados, convênios acordos sobr propridad industrial. Art. 38. À Coordnação d Orintação Técnica I - propor laborar studos rlatórios rgulars, d acsso público, rfrnt ao mrcado d licnciamnto d diritos d propridad industrial, outras formas d transfrência d tcnologia franquias, a partir da bas d dados d contratos; II - laborar studos rlatórios sob ncomnda para mprsas instituiçõs públicas psquisadors, quanto às práticas d licnciamnto d diritos d propridad industrial outras formas d transfrência d tcnologia franquias; III - atndr às ncssidads do INPI por informaçõs rfrnts ao mrcado d licnciamnto d diritos d propridad industrial, outras formas d transfrência d tcnologia franquias, a partir da bas d dados d contratos; IV - intragir apoiar as instituiçõs públicas nvolvidas com a formulação xcução d políticas cintíficas, tcnológica industrial; V - atndr à dmanda por capacitação laborar contúdo d apoio às atividads d difusão da cultura da propridad intlctual trinamnto na ára d licnciamnto d diritos d propridad industrial; VI - orintar prstar informaçõs aos usuários a rspito dos srviços procdimntos para o licnciamnto d diritos d propridad industrial outras formas d transfrência d tcnologia franquias. Art. 39. À Divisão d Rgistro d Contratos d Tcnologia I - analisar, instruir propor o rgistro dos contratos faturas d prstação d srviços d assistência técnica cintífica qu impliqum transfrência d tcnologia, na forma da lgislação m vigor; II - rspondr as consultas ralizadas por trciros; III - formular as xigências ncssárias à anális dcisão dos rqurimntos d rgistro d contrato; IV - analisar instruir os pdidos d arquivamnto canclamnto dos rgistros d contratos xpdindo parcr conclusivo; V - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, visando instruir as açõs judiciais rcursos; VI - cooprar com as atividads sob rsponsabilidad da Divisão d Avrbação Licnças da Coordnação d Orintação Técnica. Art. 40. À Divisão d Avrbação d Licnças I - analisar, instruir propor à avrbação d contratos para xploração d patnts, xploração d dsnhos industriais, uso d marcas d licnça compulsória, na forma da lgislação m vigor; II - analisar, instruir prparar o rgistro dos contratos d franquia, mitindo parcr conclusivo; III - rspondr as consultas ralizadas por trciros; IV - formular as xigências ncssárias à anális dcisão dos pdidos, rqurimntos d avrbação rgistro d franquias; V - analisar instruir os pdidos d arquivamnto canclamnto das avrbaçõs xpdindo parcr conclusivo; VI - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, visando instruir as açõs judiciais rcursos; VII - cooprar com as atividads sob rsponsabilidad da Divisão d Rgistros d Contratos d Tcnologia da Coordnação d Orintação Técnica. Art. 4. Ao Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia I - planjar, coordnar, suprvisionar avaliar o dsmpnho das atividads d anális d xam formal xpdição d documntos, propondo mdidas corrtivas, s ncssário; II - dcidir sobr as xigências formais ralizadas; III - informar à Dirtoria d Patnts à Dirtoria d Marcas, a missão d crtificados para as dvidas avrbaçõs nos títulos corrspondnts aos contratos d licnça d dirito d propridad industrial; IV - rcbr, corrigir ncaminhar para assinatura das autoridads comptnts os crtificados d avrbação/rgistro bm como as cartas d xigências, indfrimnto, rsposta ou arquivamnto prparados pla Sção d Expdição d Crtificados; V - rspondr as consultas rfrnts a sua ára d atuação; VI - atndr, orintando os usuários m matéria própria do Srviço d Apoio Administrativo. Art. 42. À Sção d Exam Formal do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia I - rcpcionar os documntos rfrnts à formação d procsso próprio d avrbação/rgistro d contratos; II - ralizar o xam formal prliminar dos pdidos d avrbação/rgistro ptiçõs, para fins d xam técnico; III - formular xigências formais prliminars promovr sua notificação, conform o caso; Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código IV - atribuir controlar numração spcífica para aquls procssos ptiçõs m cuja formação atnda as prfitas condiçõs d acitabilidad ou qu tnham cumprido às xigências ralizadas; V - ncaminhar para arquivamnto os pdidos d avrbação/rgistro qu não tnham cumprido as xigências formais no prazo stablcido m li; VI - cadastrar os procssos ptiçõs no sistma informatizado da Dirtoria; VII - juntar ptiçõs outros documntos, procdndo a sua distribuição para as unidads comptnts; VIII - atualizar as informaçõs cadastrais d localização d procssos no sistma da Dirtoria, m sua rspctiva ára d atuação; IX - promovr as publicaçõs dos atos dspachos mitidos, sgundo comptências confridas; X - prstar atndimnto aos usuários. Art. 43. À Sção d Expdição d Crtificados do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Contratos d Tcnologia I - confccionar xpdir os crtificados d avrbação/rgistro cartas, sgundo sua naturza; II - promovr o control da ntrga dos crtificados d avrbação/rgistro; III - psquisar, rspondr xpdir crtidõs d atos rlativos a procssos da Dirtoria; IV - atualizar as informaçõs cadastrais d localização d procssos no sistma da Dirtoria, m sua rspctiva ára d atuação; V - promovr o arquivamnto dos pdidos por dscumprimnto das disposiçõs; VI - suprvisionar a vista d procsso; VII - prstar atndimnto aos usuários; VIII - promovr as publicaçõs dos atos dspachos mitidos, sgundo comptências confridas; IX - atndr aos pdidos d fotocópias. Art. 44. À Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros I - planjar, coordnar, suprvisionar as atividads dcidir sobr os rgistros d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados, na forma da lgislação m vigor, assim como instaurar nulidad d ofício dos rgistros, quando coubr; II - coordnar, incntivar monitorar as açõs d fomnto, d promoção d difusão dos mcanismos d protção formalização para o rgistro das indicaçõs gográficas; III - avaliar tcnicamnt coordnar a aplicação d projtos, acordos tratados no âmbito da propridad intlctual; IV - coordnar studos forncr informaçõs d carátr técnico sobr a lgislação vignt d propridad industrial d lgislação vignt spcífica d programas d computador d topografia d circuitos intgrados, incluindo tratados, acordos outros instrumntos intrnacionais congênrs sobr a matéria, bm como acrca das propostas d atos lgais, nacionais ou intrnacionais, sobr a matéria, participando d grupos, comissõs ou vntos, qu vnham a sr organizados plo INPI ou dcidida a sua participação, com a finalidad d: a) propor normas dirtrizs intrnas para a aplicação obsrvância da lgislação vignt no âmbito dos procssos d outorga d diritos d propridad industrial d lgislação vignt spcífica d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; b) forncr subsídios técnicos ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas rgistros d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; c) forncr subsídios técnicos ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno brasiliro m quaisqur foros intrnos ou xtrnos d discussão sobr propridad industrial d lgislação spcífica d programas d computador d topografia d circuitos intgrados. V - coordnar suprvisionar a instrução técnica das açõs judiciais outras solicitaçõs oficiais d informação rfrnts aos rgistros d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; VI - planjar, coordnar xcutar o aprfiçoamnto das dirtrizs d anális dos procdimntos d rgistro d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados. Art. 45. À Coordnação d Fomnto Rgistro d Indicaçõs Gográficas I - xaminar os pdidos d rgistros d indicaçõs gográficas dmais ptiçõs, d acordo com a lgislação vignt xcutar outras atividads técnicas prtinnts à Coordnação; II - instruir tcnicamnt, quando solicitada, açõs judiciais outras dmandas oficiais rfrnts a indicaçõs gográficas; III - orintar o público com rlação aos mcanismos d protção formalização do rgistro; IV - implmntar suprvisionar as açõs d fomnto difusão das indicaçõs gográficas intragir, com ntidads autoridads nacionais intrnacionais, nvolvidas nstas atividads; V - participar d studos propor o aprfiçoamnto dos padrõs opracionais qu digam rspito às suas comptências; VI - ralizar coordnar atividads qu lh form atribuídas plo Coordnador-Gral d Contratos, Indicaçõs Gográficas Rgistros, apoiando-o na condução dos atos da Coordnação, ncssários ao dsmpnho da unidad. Art. 46. À Divisão d Rgistro d Dsnho Industrial I - procdr à classificação ao xam técnico dos pdidos d rgistro d dsnho industrial, d acordo com a lgislação vignt; II - propor a instauração da nulidad d ofício; III - instruir tcnicamnt, quando solicitada, açõs judiciais outras dmandas oficiais rfrnts a dsnhos industriais; IV - participar d studos, bm como xcutar outras atividads técnicas prtinnts à Divisão; V - ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Coordnador-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros, apoiandoo na condução dos atos da Coordnação, ncssários ao dsmpnho da unidad. Art. 47. À Divisão d Rgistro d Programas d Computador Topografia d Circuitos Intgrados I - xaminar os pdidos d rgistros d programa d computador d topografia d circuitos intgrados dmais ptiçõs, d acordo com a lgislação vignt; II - instruir tcnicamnt, quando solicitada, açõs judiciais outras dmandas oficiais rfrnts a programa d computador topografia d circuitos intgrados; III - participar d studos, bm como xcutar outras atividads técnicas prtinnts à Divisão; IV - ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Coordnador-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros, apoiandoo na condução dos atos da Coordnação, ncssários ao dsmpnho da unidad. Art. 48. Ao Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros, rlativamnt aos pdidos d rgistro rgistros d dsnhos industriais, indicaçõs gográficas, programas d computador topografia d circuitos intgrados I - promovr a mlhoria contínua d procdimntos administrativos dos rgistros d rgistro d dsnhos industriais, indicaçõs gográficas, programas d computador topografia d circuitos, planjando suprvisionando o dsmpnho das atividads d sua comptência, propondo as mdidas ncssárias; II - atndr às dmandas intrnas xtrnas rlativas às matérias d sua comptência; III - participar d studos, bm como xcutar outras atividads técnicas prtinnts ao Srviço; V - ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Coordnador-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros, apoiandoo na condução dos atos da Coordnação, ncssários ao dsmpnho da unidad. Art. 49. À Sção d Exam Formal, Rcbimnto Control d Documntos d Rgistros, rlativamnt aos pdidos d rgistro rgistros d dsnhos industriais, indicaçõs gográficas, programas d computador topografia d circuitos intgrados I - procdr ao xam formal prliminar, d acordo com a lgislação vignt; II - controlar prazos documntação d pdidos rgistros; III - promovr as notificaçõs publicaçõs ncssárias d atos dspachos mitidos; IV - dclarar a xtinção por rnúncia, as dsistências as prdas d prioridad, quando coubr; V - xpdir crtidõs d pdidos d rgistros; VI - mantr atualizado o arquivo sob sua guarda d pdidos d rgistro rgistros, atualizar as informaçõs cadastrais, localização d procssos xcutar as dmais atividads d apoio técnico; VII - ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Chf do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros. Art. 50. À Sção d Expdição d Crtificados, Control d Pagamnto Anotação d Rgistros, rlativamnt aos pdidos d rgistro rgistros d dsnhos industriais, indicaçõs gográficas, programas d computador topografia d circuitos intgrados I - avrbar pdidos d transfrência d titularidad d altração d nom, sd /ou ndrço, bm como providnciar as rspctivas anotaçõs publicaçõs, formulando as xigências ncssárias à rgularização dsts pdidos; II - instruir sobr os quinquênios, prorrogaçõs xtinçõs d rgistros d dsnhos industriais, formulando as xigências ncssárias, bm como providnciar as rspctivas publicaçõs anotaçõs; III - xpdir os crtificados d rgistros, os documntos d cópia oficial, atndr às solicitaçõs d fotocópia xcutar as dmais atividads d apoio técnico; IV - ralizar outras atividads qu lh form atribuídas plo Chf do Srviço d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Indicaçõs Gográficas Rgistros. Art. 5. Ao Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual I - promovr, m obdiência ao disposto no art. 2º, inciso V, da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996, mdidas qu vism zlar plo cumprimnto da Li d Propridad Industrial corrspondnt dirito intrnacional aplicávl, através d açõs ncssárias à prvnção, combat rprssão à prática d atos d concorrência dslal, violadors d diritos d propridad industrial; II - colaborar com ntidads nacionais intrnacionais na promoção d açõs ncssárias à rprssão a infraçõs d diritos d propridad industrial; III - promovr coordnar, m conjunto com a Procuradoria Fdral no INPI, açõs com o propósito d combatr atos d concorrência dslal infraçõs d diritos da propridad industrial; IV - promovr açõs objtivando valorizar o rspito aos diritos d propridad industrial; V - promovr a utilização d mcanismos xtrajudiciais d rsolução d conflitos rlativos aos diritos d propridad intlctual; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

12 Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 ISSN VI - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas Ȧrt. 52. À Divisão d Promoção à Rsolução d Conflitos m Propridad Intlctual I - atuar para promovr a utilização d mcanismos d rsolução d conflitos, m spcial mdiação arbitragm, rlacionados à propridad intlctual, d comptência do II - promovr acompanhar a aplicação d studos, projtos, acordos tratados nacionais intrnacionais qu digam rspito à rsolução d conflitos, qu nvolvam aspctos rlacionados à propridad intlctual, d comptência do III - atuar na rsolução d conflitos qu nvolvam aspctos rlacionados à propridad intlctual, d comptência do IV - laborar propostas xcutar açõs d intração com as dmais áras do INPI, mprsas ntidads, para a promoção do rspito à propridad intlctual, no qu tang à rsolução d conflitos. Art. 53. À Divisão d Combat à Concorrência Dslal à Contrafação I - difundir a noção d rspito à propridad intlctual, promovndo m particular a obsrvância dos diritos confridos a cidadãos, mprsas ntidads, m atndimnto ao disposto no artigo 2º, inciso V, da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996; II - promovr acompanhar a aplicação d projtos, studos, acordos tratados qu digam rspito à concorrência dslal à contrafação qu nvolva aspctos rlacionados à propridad intlctual, d comptência do III - colaborar com ntidads públicas privadas no combat à concorrência dslal à contrafação nos aspctos rlacionados à propridad intlctual, d comptência do IV - atuar no combat à concorrência dslal à contrafação nos aspctos rlacionados à propridad intlctual, d comptência do V - colaborar com as ntidads do Podr Público, intrvnints na promoção d xportaçõs na dfsa comrcial, no qu s rfr ao combat à violação dos diritos da propridad intlctual, d comptência do VI - ralizar análiss studos sobr as rlaçõs intrfacs ntr propridad intlctual atos rlativos aos abusos do podr conômico outras atividads qu lh form confridas. Art. 54. À Coordnação-Gral d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad I - xaminar forncr subsídios técnicos para dcisão do Prsidnt do INPI nos rcursos procssos administrativos d nulidad, intrpostos na forma da lgislação vignt d propridad industrial, mitindo parcr sobr a matéria técnica suscitada; II - xaminar forncr subsídios técnicos para dcisão do Prsidnt do INPI nos dmais rcursos m matéria d propridad intlctual, cuja comptência do rgistro sja atribuída ao INPI por força d li; III - procdr ao xam d mérito, a pdido do titular, dos dsnhos industriais rgistrados plo INPI instaurar, d ofício, procsso d nulidad do rgistro quando constatada a ausência d plo mnos um dos rquisitos dfinidos nos artigos 95 a 98 da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996; IV - orintar coordnar a sistmatização, organização atualização das dcisõs administrativas m matéria d propridad industrial intlctual, buscando consolidar uma jurisprudência administrativa da matéria; V - propor o aprfiçoamnto das dirtrizs dos procdimntos d xam d rcursos procssos administrativos d nulidad, intrpostos na forma da lgislação vignt d propridad industrial intlctual; VI - acompanhar fiscalizar a xcução d convênios, trmos d coopração, acordos d coopração técnica, contratos d rpass, projtos quaisqur instrumntos d transfrência, analisar avaliar a prstação d contas parcial /ou total mitir parcr técnico financiro, ncaminhando para aprovação do ordnador d dspsas Ȧrt. 55. À Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Marcas I - xaminar instruir tcnicamnt os rcursos procssos administrativos d nulidad d rgistros d marcas, intrpostos na forma da lgislação vignt d propridad industrial mitir parcr sobr a matéria técnica suscitada, com vistas a forncr os subsídios ncssários para a dcisão do Prsidnt do II - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; III - xaminar os pdidos d dsistências, formular xigências praticar os dmais atos administrativos ncssários à xcução d suas atribuiçõs; IV - participar da aplicação d projtos, d acordos tratados qu digam rspito à matéria d sua comptência dos studos d aprfiçoamnto das dirtrizs procdimntos d xam d rcursos procssos administrativos d nulidad; V - participar do aprfiçoamnto das rotinas, dsnvolvr padrõs opracionais para a xcução d suas atividads propor o aprfiçoamnto dos sistmas informatizados próprios das Dirtorias técnicas, no qu diz rspito à comptência da Coordnação-Gral. Art. 56. À Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Patnts I - xaminar instruir tcnicamnt os rcursos procssos administrativos d nulidad d patnts, intrpostos na forma da lgislação vignt d propridad industrial mitir parcr sobr a matéria técnica suscitada, com vistas a forncr os subsídios ncssários para a dcisão do Prsidnt do Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código II - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; III - xaminar os pdidos d dsistências, formular xigências praticar os dmais atos administrativos ncssários à xcução d suas atribuiçõs; IV - participar da aplicação d projtos, d acordos tratados qu digam rspito à matéria d sua comptência dos studos d aprfiçoamnto das dirtrizs procdimntos d xam d rcursos procssos administrativos d nulidad; V - participar do aprfiçoamnto das rotinas, dsnvolvr padrõs opracionais para a xcução d suas atividads propor o aprfiçoamnto dos sistmas informatizados próprios das Dirtorias técnicas, no qu diz rspito à comptência da Coordnação-Gral. Art. 57. À Divisão Técnica d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad d Dsnho Industrial, Contratos Outros Rgistros I - xaminar instruir tcnicamnt os rcursos procssos administrativos d nulidad d rgistros d dsnhos industriais, intrpostos na forma da lgislação vignt d propridad industrial mitir parcr sobr a matéria técnica suscitada, com vistas a forncr os subsídios ncssários para a dcisão do Prsidnt do II - xaminar, instruir forncr subsídios técnicos para dcisão do Prsidnt do INPI nos dmais rcursos m matéria d propridad intlctual, cuja comptência d rgistro sja atribuída ao III - procdr ao xam d mérito, a pdido do titular, dos dsnhos industriais rgistrados plo INPI propor ao Coordnador- Gral a instauração, d ofício, d procsso administrativo d nulidad do rgistro quando constatada a ausência d plo mnos um dos rquisitos dfinidos nos artigos 95 a 98 da Li nº 9.279, d 4 d maio d 996; IV - manifstar-s, tcnicamnt, quando solicitado pla Procuradoria Fdral no INPI, com vistas a instruir as açõs judiciais; V - xaminar os pdidos d dsistências, formular xigências praticar os dmais atos administrativos ncssários à xcução d suas atribuiçõs; VI - participar da aplicação d projtos, d acordos tratados qu digam rspito à matéria d sua comptência dos studos d aprfiçoamnto das dirtrizs procdimntos d xam d rcursos procssos administrativos d nulidad; VII - participar do aprfiçoamnto das rotinas, dsnvolvr padrõs opracionais para a xcução d suas atividads propor o aprfiçoamnto dos sistmas informatizados próprios das Dirtorias técnicas, no qu diz rspito à comptência da Coordnação-Gral. Art. 58. À Divisão d Apoio Administrativo da Coordnação-Gral d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad I - controlar prazos, promovr as publicaçõs notificaçõs rlativas aos rcursos intrpostos aos procssos administrativos d nulidad rquridos, formular xigências praticar os dmais atos administrativos ncssários à xcução d suas atribuiçõs; II - xaminar dcidir os pdidos d rstituição d rtribuição os rqurimntos d concssão d prazo adicional para a prática d atos rlacionados às comptências da Coordnação-Gral d suas rspctivas Divisõs; III - suprvisionar controlar a movimntação distribuição dos procssos, documntos ptiçõs rlacionadas às comptências da Coordnação-Gral d suas rspctivas Divisõs; IV - atualizar os dados procssuais d localização d procssos d ptiçõs, no sistma informatizado das Dirtorias técnicas, rlativos aos atos comptências da Coordnação-Gral; V - promovr a publicação das dcisõs dos rcursos dos procssos administrativos d nulidad profridas plo Prsidnt do INPI, bm como dos dmais atos dspachos mitidos, sgundo as comptências atribuídas à Coordnação-Gral às suas rspctivas Divisõs; VI - participar d studos, d trinamntos da laboração d statísticas rfrnts às atividads da Coordnação-Gral d suas rspctivas Divisõs. CAPÍTULO V DAS ATRIBUIÇÕES DOS DIRIGENTES SEÇÃO I DOS PRINCIPAIS DIRIGENTES Art. 59. Ao Prsidnt do INPI incumb: I - ordnar quaisqur tipos d dspsa; II - pronunciar-s quanto à convniência d assinatura, ratificação dnúncia d convnçõs, tratados, convênios acordos sobr propridad industrial, assim como firmar acordos, tratados convênios m qu o INPI sja part ou intrvnint; III - aprovar a programação orçamntária, para ncaminhamnto aos órgãos comptnts, assim como o planjamnto stratégico do IV - rgulamntar, no âmbito intrno da Autarquia, os assuntos ligados à propridad industrial os rlativos a procdimntos administrativos; V - rprsntar o INPI m juízo ou fora dl; VI - submtr a Tabla d Rtribuiçõs dos srviços prstados plo INPI, rlativos a propridad industrial, para aprovação do Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior; VII - stablcr os valors rfrnts aos srviços d Rgistros d Programas d Computador da Tabla d Rtribuiçõs do INPI, na forma da lgislação m vigor; VIII - nomar xonrar srvidors, provndo os cargos ftivos, os cargos m comissão, as funçõs comissionadas as funçõs gratificadas, nos trmos da lgislação m vigor; IX - constituir grupos d trabalho, comitês comissõs prmannts spciais d licitação, bm como vntuais quips d apoio; X - homologar licitaçõs para aquisição d matrial xcução d obras srviços na modalidad d concorrência as d prgão cujos valors stimados sjam corrspondnts aos dsta modalidad, d lilão dstinado à vnda d bns insrvívis; XI - autorizar a dispnsa inxigibilidad d licitação, nos trmos da lgislação vignt, xcto nos casos prvistos nas comptências do Dirtor d Administração do Coordnador-Gral d Administração; XII - clbrar rscindir contratos dcorrnts dos itns X XI dst artigo; XIII - nviar a Prstação d Contas ao Tribunal d Contas da União; XIV - autorizar xcpcionalmnt pagamntos d compras ou srviços nos casos da não-xistência da prtinnt cobrtura contratual; XV - dcidir rcursos procssos administrativos qu altrm dcisõs primariamnt tomadas plos Dirtors do INPI, na forma da lgislação m vigor; XVI - julgar sindicâncias procssos administrativos disciplinars; XVII - promovr a instauração das Tomadas d Contas Espcial; XVIII - rprsntar o Instituto m foros nacionais intrnacionais; XIX - avocar, para dcisão ou rvisão, assunto inrnt às unidads do INPI, sm prjuízo das comptências prvistas nst Rgimnto Intrno; XX - dlgar qualqur d suas atribuiçõs salvo aqulas qu, pla sua própria naturza ou por vdação lgal, só possam sr por l implmntadas xclusivamnt. Art. 60. Ao Vic-Prsidnt do INPI incumb: I - auxiliar o Prsidnt do INPI na condução das políticas do Instituto, na coordnação na suprvisão das Dirtorias das dmais unidads da Autarquia; II - substituir o Prsidnt m suas faltas impdimntos; III - coordnar os comitês intrstoriais, xcto nos casos qu form avocados plo Prsidnt, m razão da xcpcionalidad. Art. 6. Aos Dirtors; aos Chfs d Gabint, da Assssoria d Assuntos Econômicos, do Cntro d Dfsa da Propridad Intlctual do Cntro d Dissminação da Informação Tcnológica; ao Ouvidor; ao Procurador-Chf; ao Auditor-Chf; ao Corrgdor; aos Coordnadors-Grais; aos dmais dirignts do INPI incumb planjar, dirigir, coordnar, suprvisionar orintar, inclusiv m carátr normativo, a xcução das atividads das rspctivas unidads xrcr outras comptências qu lhs form atribuídas plo Prsidnt do INPI. SEÇÃO II DAS ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS Art. 62. Ao Procurador-Chf incumb: I - rprsntar a Procuradoria Fdral no II - profrir dcisão final sobr as qustõs jurídicas submtidas à Procuradoria Fdral, no caso d procssos d rlvant intrss do III - profrir dcisão final sobr as pças laboradas plas Coordnaçõs pla Divisão d Contncioso, no caso d procssos d rlvant intrss do IV - fixar, m ato próprio, a intrprtação do ordnamnto jurídico a sr uniformmnt sguida m sua ára d atuação, quando não houvr orintação normativa da Advocacia-Gral da União da Consultoria Jurídica do Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior; V - propor ao Prsidnt do INPI, quando for o caso, atribuir carátr normativo a parcrs jurídicos; VI - avocar, por ato motivado, para sua dcisão, assunto d comptência da Procuradoria Fdral no INPI, sm prjuízo das comptências das suas unidads, prvistas nst Rgimnto Intrno; VII - instituir, m ato próprio, núclos da Procuradoria Fdral no INPI nos rspctivos Escritórios d Difusão Rgional na Divisão d Difusão Rgional Nort. Parágrafo único. As atribuiçõs do caput dst artigo podrão sr dlgadas plo Procurador-Chf. Art. 63. Ao Auditor-Chf incumb: I - coordnar, orintar, suprvisionar controlar as atividads d auditoria do Instituto; II - assssorar o Prsidnt os Dirtors nos assuntos d sua comptência; III - divulgar rlatórios sobr as auditorias ftuadas, formulando aprciaçõs rcomndaçõs qu srvirão d bas para ajust das irrgularidads mlhoria dos controls xistnts; IV - aprovar o Plano Anual d Atividads d Auditoria Intrna - PAINT o Rlatório Anual d Atividads d Auditoria Intrna - RAINT; V - mitir parcrs das Prstaçõs d Contas Anuais sobr vntuais Tomadas d Contas Espcial ralizadas no âmbito do IN- PI. Art. 64. Ao Corrgdor incumb: I - rcbr analisar a prtinência d dnúncias rprsntaçõs sobr irrgularidads ou ilícitos administrativo-disciplinars, dando-lhs o prtinnt ncaminhamnto; II - dcidir acrca das propostas d arquivamnto d dnúncias rprsntaçõs; III - laborar parcr conclusivo m procssos administrativos disciplinars qu possam implicar a aplicação d pnalidads d comptência da Prsidência do INPI, ncaminhando-o para julgamnto do Prsidnt; Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

13 98 ISSN IV - propor o ncaminhamnto ao Ministro d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, para julgamnto, dos procssos administrativos disciplinars cujas pnalidads propostas form dmissão, suspnsão suprior a 30 (trinta) dias, cassação d aposntadoria ou disponibilidad, dstituição d cargo m comissão dstituição d função comissionada; V - avocar, d ofício ou mdiant proposta, sindicâncias, procssos administrativos disciplinars outros procdimntos corrcionais m curso no INPI, bm como dtrminar o rxam daquls já concluídos ou, conform o caso, propor ao Prsidnt do INPI a avocação ou o rxam do fito; VI - promovr a instauração d procdimntos invstigativos, sindicâncias procssos administrativos disciplinars, visando apurar conduta irrgular d srvidor; VII - vrificar a rgularidad das sindicâncias dos procssos administrativos disciplinars instaurados; VIII - julgar os srvidors do INPI m procssos administrativos disciplinars, quando a pnalidad proposta for a d advrtência Ȧrt. 65. Ao Dirtor d Administração incumb: I - ordnar quaisqur tipos d dspsa; II - dcidir sobr a inxigibilidad da licitação para aquisição d matriais, quipamntos ou gênros qu só possam sr forncidos por produtor, mprsa ou rprsntant comrcial xclusivo, vdada a prfrência da marca; III - autorizar a ralização d todas as licitaçõs m quaisqur modalidads prvistas; IV - homologar licitaçõs para aquisição d matrial xcução d obras srviços, na modalidad d tomada d prços ou prgõs qu s nquadrm nos msmos valors daqula modalidad; V - aplicar aos forncdors ou xcutants d obras ou srviços as pnalidads d advrtência multa, nos trmos da lgislação própria; VI - quando da intrposição d rcurso, mantndo sua dcisão, submtrá os autos à instância suprior para dcisão final; VII - autorizar a missão d mpnho, pagamnto, suprimnto ou dispêndio d rcursos; VIII - clbrar rscindir os contratos outros instrumntos rsultants do disposto no inciso III; IX - dcidir sobr o volum dos rcursos financiros no qu tang a sua movimntação aplicação; X - avocar para sua dcisão a autorização, ordnação d dspsas prática d atos d gstão orçamntária financira. Art. 66. Ao Dirtor da Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto incumb: I - ordnar dspsas d naturza dscntralizada inrnts à sua ára d rsponsabilidad; II - orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Dirtoria, implantando as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads; III - propor os atos administrativos ncssários ao dsmpnho das atividads da Dirtoria; IV - aportar subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI rlativas às comptências da Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto; V - firmar convênios, contratos d rpass, acordos d coopração técnica outros instrumntos congênrs rlacionados à comptência da Dirtoria d Coopração para o Dsnvolvimnto; VI - avocar, para sua dcisão, assunto d comptência das unidads da Dirtoria, sm prjuízo das suas comptências spcíficas, prvistas nst Rgimnto Intrno. Art. 67. Ao Dirtor d Patnts incumb: I - ordnar dspsas d naturza dscntralizada inrnts à sua ára d rsponsabilidad; II - concdr privilégios d patnts; III - xtinguir privilégios d patnts, xcto nos casos d xtinção por xpiração do prazo d vigência do privilégio; IV - dclarar a caducidad d privilégios d patnts; V - homologar a rnúncia d privilégios d patnts; VI - instaurar d ofício procssos administrativos d nulidad d patnts; VII - coordnar, suprvisionar, acompanhar promovr a aplicação das atribuiçõs inrnts à Autoridad Intrnacional d Busca Exam Prliminar no âmbito do Tratado d Coopração m Matéria d Patnts; VIII - forncr subsídios técnicos, m apoio a Coordnação- Gral d Rcursos Procssos Administrativos d Nulidad, para dcisão do Prsidnt do INPI, nos rcursos procssos administrativos d nulidad d sua comptência; IX - forncr subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a patnts; X - orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Dirtoria, implantando as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads; XI - propor ao Prsidnt do INPI os atos administrativos ncssários à normalização dos procdimntos m matéria d patnts; XII - forncr subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno Brasiliro m quaisqur outros foros intrnos ou xtrnos d discussão sobr propridad industrial; XIII - praticar os atos administrativos ncssários ao dsmpnho das atividads da Dirtoria; XIV - avocar, por ato motivado, para sua dcisão, assunto d comptência dos órgãos da Dirtoria, sm prjuízo das suas comptências spcíficas prvistas nst Rgimnto. Parágrafo único. As atribuiçõs dfinidas nos incisos IX ao XIV do caput dst artigo são d comptência xclusiva do Dirtor d Patnts. Art. 68. Ao Dirtor d Marcas incumb: I - ordnar dspsas d naturza dscntralizada inrnts à sua ára d rsponsabilidad; II - concdr rgistros d marca; III - xtinguir rgistros d marca; IV - dclarar a caducidad dos rgistros marcas; V - dcidir acrca d ptiçõs marcas; VI - homologar a dsistência d pdidos d rgistro d marca; VII - homologar a rnúncia d rgistros d marca; VIII - instaurar d ofício procssos administrativos d nulidad; IX - arquivar os pdidos d rgistro d marca; X - dtrminar a rstauração d ofício d procssos; XI - orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Dirtoria, implantando mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads; XII - propor ao Prsidnt do INPI os atos administrativos ncssários à normalização dos procdimntos m matéria d marcas; XIII - forncr subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas a marcas; XIV - forncr subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno brasiliro m quaisqur outros foros intrnos ou xtrnos d discussão sobr propridad industrial; XV - praticar os atos administrativos ncssários ao dsmpnho das atividads da Dirtoria; XVI - avocar, por ato motivado, para sua dcisão, assunto d comptência das unidads da Dirtoria, sm prjuízo das suas comptências spcíficas, prvistas nst Rgimnto Intrno. Parágrafo único. As atribuiçõs do caput dst artigo podrão sr dlgadas plo Dirtor d Marcas. Art. 69. Ao Dirtor d Contratos, Indicaçõs Gográficas Rgistros incumb: I - ordnar dspsa d naturza dscntralizada inrnts à sua ára d rsponsabilidad; Nº 93, quinta-fira, 6 d maio d 203 II - concdr avrbação d contratos para xploração d patnts, d dsnho industrial, contratos d uso d marcas d licnça compulsória; III - concdr o rgistro dos contratos faturas d prstação d srviços d assistência técnica cintífica qu impliqum transfrência d tcnologia, na forma da lgislação m vigor; IV - concdr o rgistro das franquias, na forma da lgislação m vigor; V - concdr rgistros d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; VI - xtinguir rgistros d dsnhos industriais, xcto nos casos d xtinção por xpiração d prazo d vigência; VII - homologar a dsistência dos pdidos d rgistros d indicaçõs gográficas, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; VIII - homologar a rnúncia dos rgistros d indicaçõs gográficas, d dsnhos industriais, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; IX - instaurar d ofício procssos administrativos d nulidad d dsnhos industriais; X - orintar, coordnar, suprvisionar avaliar as atividads da Dirtoria, implantando as mdidas qu s façam ncssárias ao dsmpnho dssas atividads; XI - propor ao Prsidnt do INPI os atos administrativos ncssários à normalização dos procdimntos m matéria d avrbação rgistro d contratos, d indicação gográfica, d dsnho industrial, d programas d computador d topografia d circuitos intgrados; XII - forncr subsídios d carátr técnico ao pronunciamnto do Prsidnt do INPI prant o Ministério do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior, m consultas rlativas à avrbação rgistros d contratos, indicação gográfica, dsnho industrial, programas d computador topografia d circuitos intgrados; XIII - forncr subsídios técnicos ao pronunciamnto do INPI ou do Govrno brasiliro m quaisqur outros foros intrnos ou xtrnos d discussão sobr propridad industrial; XIV - praticar os atos administrativos ncssários ao dsmpnho das atividads da Dirtoria; XV - avocar, por ato motivado, para sua dcisão, assunto d comptência das unidads da Dirtoria, sm prjuízo das suas comptências spcíficas, prvistas nst ato. Parágrafo único. As atribuiçõs do caput dst artigo podrão sr dlgadas plo Dirtor d Contratos, Indicaçõs Gográficas Rgistros. SEÇÃO III DOS DEMAIS DIRIGENTES Art. 70. Aos Coordnadors, aos Chfs d Escritório, Cntro, Divisão, Srviço Sção, além das atribuiçõs spcíficas, incumb: I - suprvisionar, orintar controlar a xcução das rspctivas atividads; II - participar da laboração dos programas d trabalho ou forncr lmntos qu subsidim a sua laboração; III - propor mdidas qu vism à racionalização dos trabalhos; IV - prstar informaçõs sobr os trabalhos ralizados, avaliando os rsultados alcançados; V - adotar as dmais mdidas ncssárias à ficint xcução dos trabalhos aftos à sua unidad. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 7. O Prsidnt do INPI srá substituído, m sus impdimntos afastamntos lgais, plo Vic-Prsidnt, nos impdimntos afastamntos dst último, por um dos Dirtors da Autarquia, dsignado por ato do Ministro d Estado do Dsnvolvimnto, Indústria Comércio Extrior. Art. 72. Após a dição dsta Portaria, o Prsidnt do INPI fará publicar no Diário Oficial da União, a localização dos Escritórios d Difusão Rgional, da Divisão d Difusão Rgional Nort das Sçõs d Difusão Rgional, bm como suas rspctivas áras d atuação. Art. 73. Os casos omissos as dúvidas surgidas na aplicação do prsnt Rgimnto Intrno srão solucionados plo Prsidnt do INPI. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL C.N.P.J N o - : / BALANCETES PATRIMONIAIS EM 3 DE MARÇO DE EM R$ MIL AT I V O PA S S I V O BNDES CONSOLIDADO BNDES CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADES D E P Ó S I TO S Dpósitos spciais - FAT APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ Divrsos Aplicaçõs m opraçõs compromissadas Aplicaçõs m cartira d câmbio CAPTAÇÕES NO MERCADO Obrigaçõs por opraçõs compromissadas TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Títulos Públicos RELAÇÕES INTERDEPENDÊNCIAS Cotas d fundos xclusivos Rcursos m trânsito d trciros Dbênturs disponívis para vnda Instrumntos financiros drivativos - câmbio taxa d juros OBRIGAÇÕES POR EMISSÃO DE DEBÊNTURES E Instrumntos financiros drivativos - rnda variávl LETRAS DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO Dbênturs mantidas até o vncimnto Dbênturs (-) Provisão para risco d crédito ( ) ( ) Ltras d Crédito do Agrongócio RELAÇÕES INTERFINANCEIRAS OBRIGAÇÕES POR EMPRÉSTIMOS E REPASSES Créditos vinculados Empréstimos no país Rpasss intrfinanciros Empréstimos no xtrior Rcursos livrs Empréstimos sindicalizados Rcursos Fundo PIS/PASEP Bônus (-) Provisão para risco d crédito (73.695) ( ) Rpasss no país Tsouro Nacional Est documnto pod sr vrificado no ndrço ltrônico plo código Documnto assinado digitalmnt conform MP n o d 24/08/200, qu institui a Infrastrutura d Chavs Públicas Brasilira - ICP-Brasil.

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - .

14 ISSN 1677-7042. Nº 96, quarta-feira, 21 de maio de 2008. ANEXO Portaria MEC n o - 608, DE 20 DE MAIO DE 2008. PORTARIA N o - . 4 ISSN 677-7042 Nº 96, quarta-fira, 2 d maio d 2008 608, DE 20 DE MAIO DE 2008 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso d suas atribuiçõs lgais tndo m vista o disposto na Portaria MP n o 450,

Leia mais

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS

ANEXO III CATÁLOGO DE DESCRIÇÃO DE CARGOS ANEXO III CATÁLOGO DE S Tndo m vista a ncssidad do Plano d Cargos, Carriras Salários - PCCS prvr os cargos xistnts dntro do CREA- TO, aprsnta st Catálogo d Dscrição d Cargos quais srão as atribuiçõs qu

Leia mais

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014

Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 270, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2014 38 ISSN 677-7042 Nº 43, quarta-fira, 5 d março d 204. Ministério da Prvidência Social CÂMARA DE RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PAUTA DE JULGAMENTO A SER REALIZADA EM 9 DE MARÇO DE 204 Pauta d Julgamnto

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 149, DE 15 DE MAIO DE 2013

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 149, DE 15 DE MAIO DE 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 149, DE 15 DE MAIO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso de

Leia mais

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional

Anexo 2 Projetos identificados no Plano de Desenvolvimento Institucional Plano Dirtor d Tcnologia da Informação 2012-2013 88 Anxo 2 Projtos idntificados no Plano d Dsnvolvimnto Institucional Cód Projto/Programa (Ncssidad) 1 Espaço Cinma I II Equipar salas com datashow, room

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE

SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE RJ-BIE-2011/00060 Publicação Diária - Data: 31/03/2011 SEÇÃO JUDICIÁRIA - SEDE PORTARIA Nº RJ-PGD-2011/00012 d 28 d março d 2011 PORTARIAS PGD O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01

Empreendedorismo e Empregabilidade PE04/V01 1 APROVAÇÃO DO DOCUMENTO Rsponsávl plo Procsso Validação Função Nom Razão para a nova vrsão Coord. CTCO José Pirs dos Ris Não - vrsão inicial Pró-Prsidnt para a Qualidad João Lal Aprovação Prsidnt IPBja

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Atos do Poder Legislativo

Atos do Poder Legislativo LEI LEI ISSN 677-7042 Ano CXLII N o - 92 Brasília - DF, sgunda-fira, 6 d maio d 2005. Sumário PÁGINA Atos do Podr Judiciário... Atos do Podr Lgislativo... Atos do Podr Excutivo...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT

Gestão de Riscos Abordagem Prática. Igor Rocha Ferreira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Gstão d Riscos Abordagm Prática Igor Rocha Frrira MSc., PMP, CRMA, CoBIT Agnda Brv Histórico da Gstão d Riscos As Organizaçõs, sus Sgmntos Procssos Maturidad d Gstão d Riscos Transição para a Gstão Intgrada

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt da Rpública Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planjamnto, Orçamnto Gstão Paulo Brnardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Prsidnt Eduardo Prira Nuns Dirtor-Excutivo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÃO DE ENSINO E AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015

Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação. Versão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Plano Dirtor d Tcnologia d Informação Comunicação Vrsão 0.1 PDTIC MINISTÉRIO DA DEFESA COMITÊ DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2012/2015 Brasília, 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA Ministro d Estado da Dfsa Clso Luiz

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Conselho Federal de Enfermagem

Conselho Federal de Enfermagem Conslho Fdral d Enfrmagm Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral d Enfrmagm Assssoria d Planjamnto Gstão do Cofn Brasília 2015 1 Assssoria d Planjamnto Gstão Planjamnto Estratégico para o Conslho Fdral

Leia mais

Empresa Elétrica Bragantina S.A

Empresa Elétrica Bragantina S.A Emprsa Elétrica Bragantina S.A Programa Anual d Psquisa Dsnvolvimnto - P&D Ciclo 2006-2007 COMUNICADO 002/2007 A Emprsa Elétrica Bragantina S.A, concssionária d srviço público d distribuição d nrgia létrica,

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

A Implantação da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais do Brasil (INDE)

A Implantação da Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais do Brasil (INDE) A Implantação da Infrastrutura Nacional d Dados Espaciais do Brasil (INDE) GEO SUMMIT LATIN AMERICA 2009 23 Julho 2009 São Paulo - SP 1 Tmário I - Infrastruturas d Dados Espaciais: Concitos II - Açõs da

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 6 ISSN 677-7042 Nº 3, sgunda-fira, 9 d julho d 202 projto células-tronco msnquimais (CTM) adultas humanas obtidas da mdula óssa, tcido adiposo sangu d cordão umbilicar, bm como células prognitoras ndotliais

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015

Apresentação Institucional e Estratégia. Março de 2015 Aprsntação Institucional Estratégia Março 2015 História História A Dot.Lib é uma mprsa brasilira dicada à dissminação da informação cintífica através do acsso onlin a livros digitais, priódicos ltrônicos

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000038 - ENGENHARIA CIVIL Nivl: Suprior Ara Profissional: 0007 - CONSTRUCAO CIVIL Ara Atuacao: 0049 - PROJ.SANEAMENTO/CONSTR.CIVIL

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROFESSOR/A, TUTOR/A E INSTRUTOR/A DA ESCOLA DE CONSELHOS EDITAL Nº 10 DE 04 DE AGOSTO DE 2015 A Fundação Univrsidad do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano d Trabalho Docnt 2014 Ensino Técnico Etc Etc: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 0136 Município: TUPÃ Ára d conhcimnto: INFRAESTRUTURA Componnt Curricular: PLANEJAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL - PCC

Leia mais

14 ISSN 1677-7069. Ministério da Cultura. Nº 185, quinta-feira, 25 de setembro de 2014 SECRETARIA EXECUTIVA

14 ISSN 1677-7069. Ministério da Cultura. Nº 185, quinta-feira, 25 de setembro de 2014 SECRETARIA EXECUTIVA 14 ISSN 1677-7069 Nº 185, quinta-fira, 25 d stmbro d 2014. Ministério da Cultura SECRETARIA EXECUTIVA EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 1/2014 A SECRETÁRIA-EXECUTIVA, SUBSTITUTA, DO MI- NISTÉRIO DA CULTURA,

Leia mais

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2012 TRMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS M 2012 ORDM CRONOLÓGICA PRIMIRO TRMO ADITIVO Nº DO CONTRATO 08/2012 PRSTAÇÃO D SRVIÇOS D DSNVOLVIMNTO IMPLANTAÇÃO D PROGRAMAS PRVNTIVOS OBJTO DO CONTRATO OCUPACIONAIS

Leia mais

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO

ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO RESULTADOS Avaliação Intrna da Escola PROJETO DE MELHORIA DA ESCOLA ÁREAS DE INTERVENÇÂO E OPERACIONALIZAÇÃO Articulação ntr o Quadro d Rfrência da IGEC o Procsso d Autoavaliação da Escola Do mí nio s

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA DE ANÁLISE TÉCNICA

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA DE ANÁLISE TÉCNICA Nº 95, quinta-fira, 17 d maio d 2012 1 ISSN 1677-7042 67 Considrando os ntndimntos mantidos com os Prsidnts das Juntas d Rcursos com os dirignts da Coordnação Gral d Logística do Instituto Nacional do

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

Protocolo n.º 11/001894

Protocolo n.º 11/001894 O SESI/PR Srviço Social da Indústria, adiant dsignado simplsmnt SESI/PR, com sd na Rua Cândido d Abru, nº. 200, nsta Capital, torna público o prsnt rgulamnto d crdnciamnto para laboração do documnto bas

Leia mais

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br

Tabela de Tarifas. Pessoa Física. Divulgada em 01/08/2013 Vigência a partir de: 01/09/2013. sicoobes.com.br Tabla d Tarifas Pssoa Física Divulgada m 01/08/013 Vigência a partir d: 01/09/013 Rlação dos srviços tarifados rspctivos valors vignts. Os valors máximos foram stablcidos pla Cooprativa, obsrvada a rsolução

Leia mais

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições

INTRODUÇÃO. Âmbito. Competências e Atribuições INTRODUÇÃO Âmbito O IGESPAR, I.P. Instituto d Gstão do Património Arquitctónico Arquológico é um Instituto Público da administração indircta do Estado, dotado d autonomia administrativa financira, criado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CONTENDA 0 - NCARGOS SPCIAIS - PPA 2014 / 2017 PAGAMNTO D AMORTIZACAO, JUROS OUTROS NCARGOS DCORRNTS D MPRSTIMOS FINANCIAMNTOS DA DIVIDA PUBLICA OUTROS NCARGOS SPCIAIS QU CONSTITUM OBRIGAÇÕS NA ADMINISTRACAO PUBLICA

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO

CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 EDITAL DE PRORROGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES E DE RETIFICAÇÃO O Município d Duartina, Estado d São Paulo, no uso d suas atribuiçõs lgais, torna público o Edital d Prorrogação das Inscriçõs,

Leia mais

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP

EDITAL Abertura de inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UNIP E D I T A L A b r t u r a i n s c O Programa r d Pós-Graduação m Engnharia d Produção, m nívl d Mstrado Doutorado, i comunica a abrtura d inscriçõs para a slção d candidatos, para o prnchimnto ç d vagas

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2013. DOE 29.11.2013, p.51, Municipalidads DOEL-TCEES 29.11.2013 Edição nº 62, p. 1 Dispõ sobr a composição a forma d nvio das tomadas prstaçõs d contas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL PORTARIA Nº 3642, DE 4 DE AGOSTO DE 2015. Voto Anxo O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL, no uso suas atribuiçõs rgimntais, acordo com

Leia mais

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA

PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA PROTOCOLO DA CAMPANHA PARA A MELHORIA DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA PESCA I Aos quinz dias d mês d maio d 2014, ntr Autoridad Para

Leia mais

Gestão de Saúde Empresarial

Gestão de Saúde Empresarial Gstão Saú Emprsarial Uma parcria indispnsávl para a sua tranquilida As soluçõs m Gstão Saú Emprsarial do Imtp foram criadas sob mdida para garantir a saú do su capital humano. Imtp tornou-s rfrência m

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - 2014 - CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES ÍNDICE 1) Introdução 03 2) Objtivo 03 3) Idntificação do stablcimnto 05 4) Atividads do stablcimnto 09 5) Caractrísticas

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Prsncial DISCIPLINA: Topografia Básica Planimtria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 ANO/SEMESTRE/ANO: 2014/4º FASE/SÉRIE: 4º sm. CARGA HORÁRIA: 04 horas (smanal) /

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha

FAQ DEM/ Esta é uma. Estímulo 2012? Assim, não. Fundo. R: 1. Após tenha Esta é uma Mdida só para 2012, ou vai continuar? Não stá prvisto na lgislação um príodo d vigência. Uma ntidad mprgadora com mnos d cinco (5) trabalhadors pod candidatar s ao Estímulo 2012? Sim. Nst caso,

Leia mais

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores

A Estranha Arquitetura Política para aprovar o PL 4302/98 que trai os interesses dos Trabalhadores - Grência Rgional do Trabalho Emprgo d Santos - Rconhcido pla Portaria Nº 556-MTE-DRTSP d 11 d Dzmbro d 2003 1 A Estranha Arquittura Política para aprovar o PL 4302/98 qu trai os intrsss dos Trabalhadors

Leia mais

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011

EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/2011 Estado d Goiás Scrtaria d Ciência Tcnologia Gabint d Gstão d Capacitação Formação Tcnológica Cntro d d Anápolis Cntro d Sbastião d Siquira EDITAL/NÚCLEO EAD Nº 03/20 Procsso Sltivo d Profssor Formador

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 48 ISSN 1677-7069 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL EXTRATO DE CONTRATO Nº 195/2013 - UASG 154054 Nº Procsso: 23104006021201307. PREGÃO SRP Nº 124/2013. Contratant: FUNDACAO UNIVER- SIDADE

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Nº 193, quinta-fira, 8 d outubro d 2015 1 ISSN 1677-7042 31 I - fatos rlacionados às atividads das socidads sguradoras d capitalização; ntidads abrtas d prvidência complmntar; socidads cooprativas, nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EDITAL N.º 005/2014 REVALIDAÇÃO/PROGRAD A Pró-Ritoria d Graduação Educação Profissional (PROGRAD)

Leia mais

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA

EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA EDITAL N.º 001/2015 EDITAL PARA CONTRATAÇÃO DE OFICINEIROS 2015 SECRETARIA MUNICIPAL DE JUSTIÇA SOCIAL E SEGURANÇA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA 1. Disposiçõs Grais A Protção Social Espcial

Leia mais

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí 01 Prfito Tatu vradors vão a São Paulo m busca d Cursos Profissionalizants para Maracaí Ontm (06/03) o prfito Eduardo Corra Sotana (Tatu), o Dputado Estadual Mauro Bragato, os vradors Edivaldo Rodrigus

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Nº 155, sxta-fira, 14 d agosto d 2015 1 ISSN 1677-7042 13 c) Cartira d idntidad d strangiro ou Visto d Prmanência xpdido pla Polícia Fdral dntro da validad (cópia d) Atstado d Saúd Ocupacional (ASO), mitido

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO e

DIREITO FINANCEIRO e DIREITO FINANCEIRO Fábio Fort d Andrad Dirtor do Dpto. d Administração Financira Prfitura Municipal d Campinas Scrtaria Municipal d Finanças Julho d 2012 História Concito Atividad Financira do Estado ROTEIRO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2.

ESTRUTURA CURRICULAR de ORIGEM: Pedagogia Licenciatura Compartilhada Noturno Estrutura Curricular 1 (Parecer CONSUNI-CONSEPE n 2. Conslho Univrsitário - CONSUNI Câmara d Ensino Curso d Graduação m Pdagogia da UNIPLAC Quadro d Equivalência para Fins d Aprovitamnto d Estudos ntr duas Estruturas Curriculars Disciplinars ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

Edital nº 01/2015. Processo Seletivo Simplificado

Edital nº 01/2015. Processo Seletivo Simplificado SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO E PROMOÇÃO SOCIAL-SEMUTS Rua: João Rodrigus, nº 1183, Bairro: Uirapuru, Altamira/PA Fon: (93) 3515-2306 Email: scrtariasmutsrvicosocial@outlook.com Edital nº 01/2015 Procsso

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE

PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 ÍNDICE ÍNDICE PLANO ESTRATÉGICO 2013-2015.3 I. ENQUADRAMENTO..4 II. VISÃO, MISSÃO, VALORES E POLÍTICA DA QUALIDADE..5 III. MODELO ORGANIZACIONAL...10 IV. DIAGNÓSTICO EXTERNO.12 V. DIAGNÓSTICO INTERNO..14 VI.

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

Indeferir o Requerimento de Anistia post mortem de MA- NOEL SOARES NASCIMENTO, filho de JUSTINA SOARES DO N A S C I M E N TO. JOSÉ EDUARDO CARDOZO

Indeferir o Requerimento de Anistia post mortem de MA- NOEL SOARES NASCIMENTO, filho de JUSTINA SOARES DO N A S C I M E N TO. JOSÉ EDUARDO CARDOZO Nº 138, quarta-fira, 22 d julho d 2015 1 ISSN 1677-7042 25 N o - Município 1 Alvorada 2 Bagé 3 Barra do Guarita 4 Barra do Quaraí 5 Cachoira do Sul 6 Cachoirinha 7 Crro Grand 8 Esprança do Sul 9 Estio

Leia mais

AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Secretaria da Fazenda

AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA. PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Secretaria da Fazenda AJUSTE FISCAL ESTRUTURAL E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA PROJETO GOVERNO DO ESTADO / PGQP Scrtaria da Faznda 10 d Março d 2008 AGENDA Estratégia d Govrno 3 Eixos Frnts d Trabalho Govrno/PGQP Rsultados

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO GALIFORMES OBJETIVO GERAL Assgurar prmanntmnt a manutnção das populaçõs a distribuição gográfica das várias spécis d Cracida Odontophorida. Atnção spcial srá dada aos táxons amaçados

Leia mais

Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sexta-feira, 5 de março de 2010

Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sexta-feira, 5 de março de 2010 Subscrtaria d Planjamnto Orçamnto Ano CXLVII Nº 43 Brasília DF, sxta-fira, 5 d março d 2010 Obs.: As matérias slcionadas stão marcadas m amarlo. Contúdo: SEÇÃO 1 Portaria Intrministrial 421... 02 Portaria

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO

PROGRAMA DE PREVENÇÃO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS - 2013 - CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES 1 ÍNDICE 1) Introdução 03 2) Objtivo 03 3) Idntificação do Establcimnto 05 4) Atividads do Establcimnto 08 5) Caractrísticas

Leia mais

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2013

TERMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS EM 2013 TRMOS ADITIVOS AOS CONTRATOS FIRMADOS M 2013 ORDM CRONOLÓGICA PRIMIRO TRMO ADITIVO Nº DO CONTRATO 14/2013 MOTIVO PRAZO VALOR PRSTAÇÃO D SRVIÇOS PARA LABORAÇÃO D TRMO D RFRÊNCIA PARA ATUALIZAÇÃO DO PLANO

Leia mais

ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA.

ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA. ILMO. SR(a). DELEGADO(a) DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO DO ESTADO DA BAHIA. REF.: VIABILIZAÇÃO A AÇÃO FISCAL - Qubra da bas sindical, Rdução d salário, Aumnto d jornada d trabalho,

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo Stmbro 2015 Est documnto prtnd dar a conhcr a todos os intrvnints no procsso ducativo os critérios d avaliação, rsptivas prcntagns, a qu os alunos do Agrupamnto

Leia mais

com efeitos financeiros a contar da competência julho/2004. JORGE SOLLA O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições,

com efeitos financeiros a contar da competência julho/2004. JORGE SOLLA O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO-RE PORTARIA PORTARIA PORTARIA Nº 135, quinta-fira, 15 d julho d 2004 1 81 FABRICANTE : OLYMPUS LATIN AMERICA CO. - ESTADOS UNIDOS BML-1Q.A/B;

Leia mais

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique Rpública d Moçambiqu Ministério dos Transports Comunicaçõs Instituto Nacional das Comunicaçõs d Moçambiqu PROPOSTA DA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR POSTAL Junho, 2014 V-1ÍNDICE Abrviaturas...5

Leia mais