a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)"

Transcrição

1 LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO

2 TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) SISTEMAS DE PRODUÇÃO EM LOTES SISTEMAS DE PRODUÇÃO SOB ENCOMENDA

3 COMPARATIVO ENTRE OS TRÊS SISTEMAS DE PRODUÇÃO O QUE DERTERMINA O SISTEMA DE PRODUÇÃO? O TIPO DE PRODUTO QUE SERÁ PRODUZIDO É QUE DETERMINA O SISTEMA DE PRODUÇÃO A SER ADOTADO PELA EMPRESA. PRODUTO DE GRANDE PORTE QUE DEPENDE DA ENCOMENDA DO CLIENTE. PRODUÇÃO SOB ENCOMENDA GRANDE VARIEDADE DE PRODUTOS QUE ENTRAM E SAEM DA PRODUÇÃO, E QUE A EMPRESA VENDE APÓS ESTOCAR. PRODUÇÃO EM LOTES SE HÁ UM OU MAIS PRODUTOS QUE PERMANECEM EM PRODUÇÃO POR UM LONGO TEMPO E QUE A EMPRESA VENDE APÓS ESTOCÁ-LOS PRODUÇÃO CONTÍNUA

4 CONTRIBUIÇÃO JAPONESA AOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO Empurrar versus Puxar

5 O Sistema de Empurrar Compras Vendas 5

6 O Sistema de Puxar Compras Vendas 6

7 O Sistema de Puxar Compras Vendas 7

8 JUST IN TIME - JIT - SURGIU NO JAPÃO IDÉIA BÁSICA DESENVOLVIDA NA TOYOTA MOTOR COMPANY SEMPRE QUE POSSÍVEL, NENHUMA ATIVIDADE DEVE OCORRER EM UM SISTEMA ATÉ QUE OCORRA A NECESSIDADE PARA TAL. É UM SISTEMA QUE VISA SINCRONIZAR A ENTREGA DE PEÇAS PELO FORNECEDOR, CONFORME O SEQUENCIAMENTO DA LINHA, ASSEGURANDO O FORNECIMENTO DE PEÇAS À PRODUÇÃO COM INVENTÁRIO ZERO. A PEÇA CERTA NA QUANTIDADE CERTA NO MOMENTO CERTO R.L.Lucchesi

9 Dinâmica Quais os aspectos e outras características que fazem com que se organize o Chão de Fábrica para Puxar ou Empurrar a Produção?

10 Dinâmica Exercício: Quais seriam as características a serem observadas para montagem de um processo produtivo e entrega para atender às necessidades de um cliente que deseja uma bicicleta sob encomenda?

11 ARRANJO FÍSICO E FLUXO CONCEITO E APLICAÇÃO TIPOS DE ARRANJO FÍSICO O ARRANJO FÍSICO EM RELAÇÃO ÀS DIMENSÕES VOLUME/VARIEDADE

12 ARRANJO FÍSICO Disposição de máquinas, equipamentos e serviços de suporte em uma determinada área, com a finalidade de minimizar o volume de transporte de materiais no fluxo produtivo de uma fábrica. MATÉRIA- PRIMA PROCESSO PRODUTIVO PRODUTO ACABADO O QUE DETERMINA? Determina como os recursos a serem transformados materiais / informações -fluem através dos processos da operação.

13 A IMPORTÂNCIA DO ARRANJO FÍSICO Influi nas distâncias: do trajeto de materiais, pessoas, equipamentos. Influi nos custos operacionais : estoques, filas, movimentação interna. Influi no conforto: funcionários e clientes. Influi nas vendas: exposição de mercadorias, trajeto dentro das lojas,etc... PROF. PAULO ROBERTO LEITE

14 PARA PROJETAR O ARRANJO FÍSICO DEVE SER LEVADO EM CONTA - Produto a ser fabricado - Quantidades a serem produzidas - Roteiros de Produção - Serviços de suporte - Tempo gasto na produção.

15 TIPOS BÁSICOS DE LAY-OUT Arranjo físico Posicional ou de Posição fixa -Produto fabricado com grandes dimensões, -Poucas unidades fabricadas, -Produto fica fixo e os recursos produtivos dirigem-se a ele, -Utilização de equipamentos de alta flexibilidade. Ex. Construção Civil, Construção Naval PROF. PAULO ROBERTO LEITE

16 Arranjo Físico Funcional ou por Processo -As máquinas ficam fixas e o produto se movimenta; -Os produtos e os roteiros de produção são variáveis; -Utilizado em sistemas de produção intermitente; -As máquinas e equipamentos são agrupados por função. Ex.: Marcenarias e Confecções

17 Arranjo Físico Linear ou por Produto -Produto fabricado em grandes quantidades e semelhantes entre si; -Equipamentos dedicados, dispostos de acordo com seqüência de operações; -Utilizado em sistema de produção contínuo; -Programação e controle da produção mais simplificado; -Exige balanceamento da linha de produção. Exemplo: Linha de Montagem de Automóveis

18 Arranjo Físico Celular -Lotes de tamanho médio, produtos e roteiros variados, -Agrupamento das máquinas e equipamentos geralmente em forma de U, -Utilização de operários polivalentes, -Ajusta-se ao Just-In-Time. Ex.: Áreas de alta exigência tecnológica em metalúrgicas

19 ARRANJO FISICO E DIMENSÕES VOLUME - VARIEDADE Variedade PRODUÇÃO INTERMITENTE ARRANJO FÍSICO POSICIONAL ARRANJO FÍSICO POR PROCESSO ARRANJO FÍSICO CELULAR ARRANJO FÍSICO POR PRODUTO PRODUÇÃO CONTÍNUA Volume

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II DEFINIÇÃO ADM. DA PRODUÇÃO II Planejamento do espaço físico objetivando sua melhor ocupação em relação ás máquinas e equipamentos necessários á produção de bens / serviços da empresa. OBJETIVOS Minimizar

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho ARRANJO FÍSICO Arranjo físico é a forma de disposição de instalações, máquinas, equipamentos, pessoal de trabalho em operações industriais,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

ARRANJO FÍSICO E FLUXO. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R.

ARRANJO FÍSICO E FLUXO. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. O arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de transformação. Restaurante - a la carte

Leia mais

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc SISTEMAS DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO TRADICIONAL Este sistema está sempre relacionado com o fluxo de produção. Tem uma orientação

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

Layout das Instalações

Layout das Instalações Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Semana 3 Layout das Instalações Profª. M. Sc. Luciane Schmitt 1 Arranjo Físico

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7 Quais são os tipos básicos de arranjo físico usados em produção? rranjo físico e fluxo Qual tipo de arranjo físico uma operação deveria escolher?

Leia mais

Engenharia de Produção

Engenharia de Produção Engenharia de Produção 4ª SÉRIE Campus Mossoró MECÂNICA DOS FLUIDOS MECÂNICA TÉCNICA Propriedades dos fluidos.- Estática dos fluidos.- Teoremas de Pascal e Stevin. - Força hidrostática- Flutuação e estabilidade-

Leia mais

PRODUÇÃO JUST IN TIME

PRODUÇÃO JUST IN TIME PRODUÇÃO JUST IN TIME Jessica Nascimento de Oliveira 1 Larissa Alves da Luz 2 Idimar França de Carvalho 3 INTRODUÇÃO Este artigo trata-se do sistema de administração da produção Just In Time, que tem por

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I SISTEMAS DE PRODUÇÃO I Natureza do Planejamento e Controle Cap. 10 Nigel Slack ADMINISTRAÇÃO UEMG CAMPUS FRUTAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO I - 5º Período Prof.º Adriano Reis OPERAÇÕES PRODUTIVAS Planejamento

Leia mais

O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A

O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A Projetos e Arranjos O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A ATIVIDADE DE PROJETO É EM SI MESMA UM PROCESSO

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos O problema da gestão descentralizada na cadeia de valor SISTEMAS MÚLTIPLOS ESTÁGIOS ANALOGIA HIDRÁULICA Processamento e Transporte Processo de Fabricação e Transporte JOGO DA CERVEJA Experimento 1: Soluções

Leia mais

OBJETIVOS. Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego. Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010

OBJETIVOS. Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego. Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010 Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010 OBJETIVOS Conhecer e observar as decisões e cuidados peculiares enfrentadas pela área de transporte

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2)

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) 2) TIPOS DE ORÇAMENTO 2.1) Orçamento de Tendências Uma prática muito comum tem sido utilizar os dados passados para projeções de situações futuras. Tal prática tem dado

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

Estratégia de Operações

Estratégia de Operações Estratégia de Operações Prof. MSc. Hugo J. Ribeiro Junior Engenharia de Produção - 9º período Janeiro de 2011 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Competências Essenciais; 3. Prioridades Competitivas; 4. Estratégia

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel Unidade II GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Análise ABC. 2. Quais relatórios são possíveis com a análise ABC. 3. Unitização de estoques. 4.

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR FEG UNESP Bruno Franco 2010 Mapeamento do Fluxo de Valor Video Organização da Produção - FEG/UNESP - 2010 2 Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar

Leia mais

Gerência de cant eiros

Gerência de cant eiros Gestão de suprimentos Planejamento e controle de estoques (introdução - transparência) Parte da gestão do processo da construção envolve várias áreas de investimento: Organização do cant eiro Recursos

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO Dalila Regina Fernandes 1, Sérgio Augusto Rodrigues 2 1 Discente do curso de Produção Industrial

Leia mais

Romi Day /08/2014

Romi Day /08/2014 Romi Day 2014 12/08/2014 CONTEXTO MACROECONÔMICO 21,3 13,6 10,4 4,7 5,2 5,2 2,7 2,5 1,9-0,3 7,5 1,0 0,8 4,1-5,6 1,6 1,7-0,8-2,1-6,7-4,0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1T14 Fonte: IBGE (comparação com mesmo

Leia mais

Cadeia de suprimentos

Cadeia de suprimentos Cadeia de suprimentos Administração de Logística e da Cadeia de Suprimento Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande Programação de Aula Semana 1 1. Conceito de cadeia e suprimentos 2. Conceito de gestão da cadeia

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto

CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto outubro/2001 AULA 11 CANTEIRO DE OBRAS: elementos de projeto PCC-2302: Gestão da Produção na Construção Civil II Profs. Silvio Melhado e Mercia Barros Assistentes de Ensino: Rita Medeiros; Janayna Aquino;

Leia mais

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS -

02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - 02 CARACTERÍSTICAS DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA -ASPECTOS FUNDAMENTAIS - AULA PASSADA Diferenciação das construções com relação as suas características (localização, uso, material, processo produtivo)

Leia mais

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final

Orçamento. (continuação) 06/09/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final Orçamento (continuação) Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas

Leia mais

Frederick Taylor e a Administração Científica

Frederick Taylor e a Administração Científica Frederick Taylor e a Administração Científica PRIMEIRA FASE SEGUNDA FASE TERCEIRA FASE Ataque ao Problema dos Salários. Estudo Sistemático do Tempo. Definição de Tempos Padrão. Sistema de Administração

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Segundo Moura (2004), a administração de estoques ganhou força no cenário das empresas competitivas. O que no passado das organizações era considerado uma estratégia

Leia mais

MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL

MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL Higor Oliveira de Queiroz (IFRN) higorqueirozoliveira@gmail.com Gabryela Cristina Sales da Costa (IFRN) gabicosta319@gmail.com

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! Willians Natalicio Formação acadêmica: Gestão de Negócios Univem Técnico em Plástico - SENAI Mario Amato Atuação: Técnico de processo : Unipac Instrutor : SENAI Analista

Leia mais

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas

Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1. Prof. Alan Dantas Introdução ao Projeto de Máquinas Elementos de Máquinas 1 Prof. Alan Dantas Ein Mann der konstruieren will, der schaue erst mal und denke Gustav Niemann Aspectos de projeto Analisar Resultados; Fatores

Leia mais

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8 ÍNDICE Introdução - Por que STR?...................................................................... 1 PRENDEDORES 0 PQHA - Prendedor Hidraúlico Articulado............................................................

Leia mais

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES,

INDÚSTRIA MÁQUINAS Sistemas de produção: MESTRES APRENDIZES, L A I R T S U D O C FI Á R G G O E IN O QUE É INDÚSTRIA? O termo INDÚSTRIA é empregado para indicar a fabricação, quase sempre com o uso de MÁQUINAS do mais variados produtos, por exemplo: a) alimentos;

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo Meios de Produção Fordismo, Toyotismo e Taylorismo O que são Meios de Produção? Ø Meios de produção são, o conjunto formado por meios de trabalho e objetos de trabalho ou tudo aquilo que medeia a relação

Leia mais

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade I Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos A Administração de Materiais Objetivos do módulo Analisar os principais conceitos sobre: Administração de suprimentos Administração de

Leia mais

05 Continuação do Cap. 15

05 Continuação do Cap. 15 05 Continuação do Cap. 15 Planejamento e Controle Just In Time Fornecimento de bens Planejamento e controle just in time Demanda por bens Recursos da operação Entrega de bens apenas quando necessários

Leia mais

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC CAMPINAS Manufatura: definições e Modelos Manufatura de bens: como sendo um sistema que integra seus diferentes estágios, necessitando para isso de

Leia mais

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos

Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Disciplina: Engenharia de métodos Prof. Manuel Jarufe Modelo para a elaboração do relatório: Estudo de métodos Capas Sumário 1. Introdução / definição

Leia mais

Transmissão por correia e polia

Transmissão por correia e polia IFSP - instituto federal Nome: Yan Conrado Curso: automação industrial Período: noite Prontuário: 1310747 Transmissão por correia e polia São elementos de máquina que se movem com um movimento de rotação

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS Elementos e Classificação de Custos: Com Relação aos Produtos, Com Relação ao Volume de Produção e Com Relação Progresso do Processo de Produção ELEMENTOS Custo Industrial (Custo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO Luiz Eduardo PEREIRA 1 José Artur Teixeira GONÇALVES 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é apresentar o sistema Just in Time (JIT) tendo em vista, suas consequências

Leia mais

Manufatura definida Definição tecnológica

Manufatura definida Definição tecnológica Manufatura definida Definição tecnológica A aplicação de processos físicos e químicos para alterar a geometria, propriedades e/ou aparência de determinado material inicial com vistas a produzir peças ou

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFESSORES: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN ROGÉRIO FEROLDI MIORANDO KARINA ROSSINI Objetivos da disciplina Permitir aos alunos o entendimento

Leia mais

Sistemas de Produção: Estudos de Casos. Lead Time Produtivo. Esperas Processamento Inspeção Transporte

Sistemas de Produção: Estudos de Casos. Lead Time Produtivo. Esperas Processamento Inspeção Transporte Sistemas de Produção: Estudos de Casos CAPÍTULO 8 Estudo de Caso 5 Redução dos Lead Times Produtivos 8.1 Conceitos Abordados O estudo de caso 5 tem por finalidade analisar os principais pontos em um sistema

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I)

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola

Leia mais

Planeamento e Gestão da. Produção 2001-2002. Cap. 7. Planeamento da Produção, das capacidades e dos

Planeamento e Gestão da. Produção 2001-2002. Cap. 7. Planeamento da Produção, das capacidades e dos Planeamento e Gestão da Produção 2001-2002 Programa Cap. 1. Paradigmas dos Sistemas de Produção Cap. 2. Sistemas orientados para o mercado Cap. 3. Filosofias para resolução de problemas Cap. 4. Técnicas

Leia mais

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM)

Fluxo do Processo. Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia. Fluxograma de Fabricação e Montagem (FFM) Representações do fluxo do processo Mix de produtos, processos e tecnologia Prof. Camarotto Fluxo do Processo SÍMBOLO ATIVIDADE DEFINIÇÃO DA ATIVIDADE significa uma mudança intencional de estado, Operação

Leia mais

4 Modelos de Planejamento na Cadeia de Petróleo

4 Modelos de Planejamento na Cadeia de Petróleo 4 Modelos de Planejamento na Cadeia de Petróleo Este capítulo tem como objetivo apresentar de forma resumida os modelos de planejamento relacionados à cadeia de petróleo presentes na literatura. As seções

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 PROGRAMA Disciplina: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Código: MECN0030 Carga Horária Semestral: 0 Horas Obrigatória: Eletiva : sim Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 Pré-Requisito:

Leia mais

* O que originou a designação Operational Research no Reino Unido, A origem da Investigação Operacional (IO)?

* O que originou a designação Operational Research no Reino Unido, A origem da Investigação Operacional (IO)? A origem da Investigação Operacional (IO)? A IO surgiu no final da II Guerra Mundial quando os Aliados se viram confrontados com problemas (relativamente aos recursos logísticos e às operações* das forças

Leia mais

Gestão de Operações V 2ª Apostila

Gestão de Operações V 2ª Apostila Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Gestão de Operações V 2ª Apostila Prof. Marcio Cardoso Machado

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E CONTROLE Fernanda Niehues Professora: Albertina de Souza Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0110) Prática do Módulo III 05/06/12 RESUMO

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Flavia Fernandes Rubino Dilri Scardini Alves Batista Juacyara Carbonelli Campos Lídia Yokoyama Principais objetivos Aplicação da

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Aplicação de uma metodologia de otimização de layout para organização industrial de uma empresa metalúrgica em expansão

Aplicação de uma metodologia de otimização de layout para organização industrial de uma empresa metalúrgica em expansão Aplicação de uma metodologia de otimização de layout para organização industrial de uma empresa metalúrgica em expansão Marcos Albertin (FUNDATEC) albertin@portoweb.com.br Leonardo Gomes (FUNDATEC) legomes_rs@yahoo.com.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL

DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL DEFINIÇÃO DE ROBÔ INDUSTRIAL O termo robô deriva da palavra eslava robota, que significa trabalho forçado. Em 1921, o dramaturgo Karel Capek usou-a pela primeira vez, numa peça teatral, para referir-se

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL PROJETO DE SERVIÇOS DE IMPRESSÃO E CÓPIAS EQUIPAMENTOS NOVOS E SUPRIMENTOS ORIGINAIS SOBRE NÓS A Equipa atua há 39 anos no mercado de distribuição, soluções de impressão, gestão

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 9º Semestre: 1º Ano: 2011

PLANO DE ENSINO. Período/ Fase: 9º Semestre: 1º Ano: 2011 PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Engenharia de Controle e Automação - Mecatrônica Professor: Leandro Darci Bareta bareta@vmcordas.com.br

Leia mais

APLICAÇÕES DE FUNÇÕES DO 1º GRAU (CONTINUAÇÃO) FUNÇÃO CUSTO : Toda a produção de um determinado bem tem dois tipos associados de custos:

APLICAÇÕES DE FUNÇÕES DO 1º GRAU (CONTINUAÇÃO) FUNÇÃO CUSTO : Toda a produção de um determinado bem tem dois tipos associados de custos: 1 APLICAÇÕES DE FUNÇÕES DO 1º GRAU (CONTINUAÇÃO) FUNÇÃO CUSTO : Toda a produção de um determinado bem tem dois tipos associados de custos: Custo Fixo: Custos que não dependem do volume de produção, existem

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

Cap. 2 Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão

Cap. 2 Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS Cap. Pesquisa Operacional na Tomada de Decisão 5/3/00 Prof. Antonio Marcos Goulart. PESQUISA OPERACIONAL NA TOMADA DE DECISÃO Origem da Pesquisa

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção Análise da Implantação do Sistema Kanban de Produção em uma Indústria Metal Mecânica Bruno

Leia mais

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo.

Revoluções Industriais REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A INDÚSTRIA. Formada sobre as bases de acumulação do capital através do mercantilismo. A INDÚSTRIA É o setor da economia que congrega o processo de transformação da matéria-prima em vários tipos de bens. A industria possui uma forte relação com os recursos naturais, sendo sua produção associada:

Leia mais

- Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. - Sistema Produtivo. - Ciclo de Produção. Gestão de Operações e Qualidade II

- Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. - Sistema Produtivo. - Ciclo de Produção. Gestão de Operações e Qualidade II - Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Sistemas de produção e seus tipos PCP Sistema de produção enxuta Gestão de Operações e Qualidade II - Sistema Produtivo - Ciclo de Produção

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

CADEIRA EM PVC MANUAL DE CONFECÇÃO CADEIRA EM PVC MANUAL DE CONFECÇÃO

CADEIRA EM PVC MANUAL DE CONFECÇÃO CADEIRA EM PVC MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO

Leia mais

Alternativa de abastecimento de estruturas metálicas em construção predial Lean

Alternativa de abastecimento de estruturas metálicas em construção predial Lean Alternativa de abastecimento de estruturas metálicas em construção predial Lean Rita de Cássia da Silveira Marconcini Bittar (UERJ) rita@fat.uerj.br Paulo Roberto Corrêa de Araujo (UERJ) pauloaraujo2003@ig.com.br

Leia mais

ANEXO I Conceitos importantes.

ANEXO I Conceitos importantes. ANEXO I Conceitos importantes. Dimensões Standard As dimensões standard a nível europeu são as seguintes (em milimetros): base (600x400, 400x 300 e 300x200) com as respetivas alturas (120,235 e 320). O

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Dobramento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Dobramento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 4 Ensaio de Dobramento Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dobramento. Definição do Ensaio O ensaio de dobramento fornece somente uma indicação qualitativa da ductilidade

Leia mais

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1

Desiro Mainline. A nova geração de Trens Regionais da Siemens. Março de Transportation Systems. pagina 1 Desiro Mainline Transportation Março de 2006 A nova geração de Trens Regionais da Siemens pagina 1 Soluções para todas as demandas Pass. p.h.p.s. 100,000 Capacidade de transporte dos diversos sistemas,

Leia mais

ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIA DE LAYOUT DE PROCESSO NUMA EMPRESA DE FABRICAÇÃO DE JOGOS DE MESA

ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIA DE LAYOUT DE PROCESSO NUMA EMPRESA DE FABRICAÇÃO DE JOGOS DE MESA ANÁLISE E PROPOSTA DE MELHORIA DE LAYOUT DE PROCESSO NUMA EMPRESA DE FABRICAÇÃO DE JOGOS DE MESA Jacinta de Fatima Pereira Raposo (UFPE ) jacintakd@hotmail.com Ana Nery de Matos Costa (UFPB ) ananerydematos@yahoo.com.br

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

Soluções Belgo Pronto

Soluções Belgo Pronto Aços Longos Soluções Belgo Pronto Corte e Dobra e Armadura Pronta Soldada Belgo Pronto Mais que um serviço de corte e dobra de aço, Belgo Pronto é um conjunto de soluções em aço para a execução da etapa

Leia mais

Planejamento Industrial

Planejamento Industrial Planejamento Industrial Planejamento Industrial 1. Fatores que influenciam as decisões do local 2. Ponto de Equilíbrio Localizacional 3. Detalhes Principais de Edifícios Industriais 4. Departamentos de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÕES DE CUSTOS

SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÕES DE CUSTOS SINAES CIÊNCIAS CONTÁBEIS ENADE 2006 QUESTÃO 16 A Empresa Custa Karo Ltda. apresentou, em determinado momento, os dados abaixo: Produto Alpha Produto Beta Margem de Contribuição (considerando somente R$

Leia mais

Palavras-chave: Arranjo físico celular, Just- in-time, Lean System

Palavras-chave: Arranjo físico celular, Just- in-time, Lean System IMPLANTAÇÃO DE LAYOUT CELULAR NA MONTAGEM DE CADERNOS Daniel Augusto de Moura Pereira 1 João Pereira Leite 2 RESUMO A abertura dos mercados vem aumentando consideravelmente a competição entre as empresas,

Leia mais

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás

Capacitação da Indústria. Nacional e Perspectivas de. Ampliação do Fornecimento. Local de Bens e Serviços para o. Setor de Óleo e Gás Capacitação da Indústria Nacional e Perspectivas de Ampliação do Fornecimento Local de Bens e Serviços para o Setor de Óleo e Gás 1 Agentes Governamentais Indústria Nacional Operadoras de P&G Missão Maximizar

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos CONTABILIDADE DE CUSTOS Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO 2.1 Custos diretos e custos indiretos Prof.: Marcelo Valverde CUSTOS Em relação a unidade produzida

Leia mais

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço

Boas práticas para compra e recebimento do concreto. Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Boas práticas para compra e recebimento do concreto Belo Horizonte, 14 de outubro de 2016 Engº Flávio Renato Pereira Capuruço Cadeia Construtiva: Fluxo simplificado de informações Projetista o que comprar

Leia mais

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas Unidade I Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia Prof. Fabio Uchôas Administração das Operações Produtivas Administrar a produção significa a forma como as organizações produzem

Leia mais

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016

INFORMATIVO 09/2016. NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di INFORMATIVO 09/2016 NOVAS ALTERAÇÕES NA NR 12 DOU de 02/05/2016 O Ministério do Trabalho e Previdência Social, através da Portaria MTPS nº 509 de 29 de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Arranjo Físico de Sistemas de Produção. Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005

Arranjo Físico de Sistemas de Produção. Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Prof. Dr. Dario Ikuo Miyake 2005 Introdução ao Planejamento do Arranjo Físico Tipos básicos de processo Por Projeto Por Jobbing Em Lote

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes

Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção. Prof. Fabrício Maciel Gomes Escola de Engenharia de Lorena EEL/USP Curso de Engenharia de Produção Prof. Fabrício Maciel Gomes Planejamento e Controle da Produção Sete perguntas-chave O que produzir e comprar? Quanto produzir e comprar?

Leia mais

Microeconomia - Prof. Ms. Marco A. Arbex

Microeconomia - Prof. Ms. Marco A. Arbex Produção Conceitos Básicos Microeconomia: Produção Prof. Ms. Marco A. www.marcoarbex.wordpress.com marco.arbex@live.estacio.br Produção: o processo pelo qual uma firma transforma os fatores de produção

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - 2

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - 2 Hierarquia do sistema de produção A maioria das áreas de produção é formada por várias unidades ou departamentos que funcionam como partes da operação global da organização. Todas as macro-operações são

Leia mais

ESCOLA MAGNUS DOMINI

ESCOLA MAGNUS DOMINI ESCOLA MAGNUS DOMINI GPS: GERANDO INFORMAÇÕES POR SATÉLITES Athina Almeida de Azevedo Júlia Lopes Siqueira da Silva Manuela Dainez Aquotti Murilo Moreschi Lima MARINGÁ 2016 1. INTRODUÇÃO O GPS é um aparelho

Leia mais

ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 8 Que é tecnologia de processo? ecnologia de Processo Quais são as tecnologias de processamento

Leia mais