PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1"

Transcrição

1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1

2 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology) Prof. Nilton Ferruzzi 2

3 Sistema Just-in-time (JIT) <> Combate ao desperdício: atividades que consomem recursos e não agregam valor <> Componente certo, no lugar certo e na hora certa <> Resultados: estoques menores, custos mais baixos, melhor qualidade <> Conseqüência: melhor retorno para o capital investido Prof. Nilton Ferruzzi 3

4 Elementos básicos de um sistema JIT Programa mestre: programa de montagem final com horizonte de um a três meses Kanban: sistema simples para a retirada das peças em processamento de uma estação de trabalho (puxar) sistema de contêineres para armazenagem intermediária. O estoque máximo é a capacidade do contêiner, se houver alguma máquina parada, as demais pararão assim que seus contêineres estiverem cheios Prof. Nilton Ferruzzi 4

5 Elementos básicos de um sistema JIT * Tempo de preparação: redução máxima do tempo de preparação das máquinas * Colaborador multifuncional: ênfase nas mudanças rápidas e menores lotes; maior amplitude das habilidades dos colaboradores * Layout: estoque mantido no chão da fábrica * Qualidade: sistema projetado para expor os erros * Fornecedores: entregas frequentes * Melhoria contínua: Kaizen Prof. Nilton Ferruzzi 5

6 Sistema Kanban * Método de autorização da produção e movimentação do material no sistema JIT, sistema de controle físico que consiste em cartões e contêineres * Natureza visual: Cartões podem ser de papel, metal ou plástico. Dois tipos de cartões kanban: => cartões de produção (CP) => cartões de movimentação ou transporte (CM) Prof. Nilton Ferruzzi 6

7 Sistema Kanban Número de contêineres necessários para operar uma linha: n = DT C Onde: n = número de contêineres D = demanda de fabricação T = tempo gasto para um contêiner completar um ciclo completo C = Capacidade do contêiner em número de peças Prof. Nilton Ferruzzi 7

8 Os Dez Mandamentos do JIT 1- jogue fora velhos métodos de produção 2 - pense em formas de fazê-lo funcionar 3 - Trabalhe com as condições existentes 4 - Não espere a perfeição 5 - corrija imediatamente os erros 6 - Não gaste muito dinheiro em melhorias 7 - A sabedoria nasce das dificuldades 8 - pergunte por quê pelo menos cinco vezes 9 - é melhor a sabedoria de 10 pessoas do que o conhecimento de as melhorias são ilimitadas Prof. Nilton Ferruzzi 8

9 Sistema OPT Foca os esforços da empresa num único resultado: fazer dinheiro Indicadores financeiros mais importantes: -lucro líquido - retorno sobre investimento - fluxo de caixa Prof. Nilton Ferruzzi 9

10 Sistema OPT Indicadores de Desempenho Operacional - taxa de produção de produtos - inventário - custos operacionais O problema que o OPT trata são gargalos! Prof. Nilton Ferruzzi 10

11 Etapas para Tratamento dos Gargalos 1 - Identifique o gargalo 2 - Descubra como explorar ao máximo o gargalo 3 - Todas as decisões devem estar subordinadas às decisões na etapa Maximize o gargalo para que um nível mais alto de desempenho possa ser obtido 5 - Se o gargalo é eliminado, volte para a etapa 1. Prof. Nilton Ferruzzi 11

12 Terminologia própria do OPT Tambor: o gargalo numa produção se torna o tambor da produção, batendo o ritmo para o restante da fábrica Corda: o trabalho da linha é puxado pela corda no ritmo do tambor, e não pela capacidade instalada Amortecedores: devem ser colocados amortecedores de estoque antes do gargalo para evitar que ele nunca pare de trabalhar Prof. Nilton Ferruzzi 12

13 Utilização do OPT - Pode ser utilizado simultaneamente ao MRP - Vantagem: simplicidade na focalização dos gargalos - Melhor aplicado em linhas de produção complexas com várias estações de trabalho. Prof. Nilton Ferruzzi 13

14 Obrigado pela Atenção Prof. Nilton Ferruzzi 14

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN KANBAN. Prof a Carla R. Pereira

DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN KANBAN. Prof a Carla R. Pereira DEPS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEAN KANBAN Prof a Carla R. Pereira Visão geral das principais atividades do PCP Fonte: TUBINO, 1997, p.25 SISTEMA EMPURRADO

Leia mais

Planejamento da produção

Planejamento da produção Planejamento da produção Capítulo 3, parte B Sumário Capacidade de produção Elaboração do plano de produção Just-in-time Capacidade de produção O que é capacidade de produção? Capacidade de produção O

Leia mais

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban

Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Ciências da Computação FURB Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de Informações da Produção Utilizando o Método Kanban Alzir Wagner Orientador: Wilson Pedro Carli Fevereiro de 2008 Roteiro de apresentação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

Mais controle. Maior rendimento

Mais controle. Maior rendimento Mais controle Maior rendimento REdUção de custos com FERRaMEntaS EM até 30% 60% MaiS RáPido na LocaLização de FERRaMEntaS MEnoR tempo PaRa SoLicitaR FERRaMEntaS MEnoR tempo de implantação do MERcado Atualmente

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção

Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção A primeira forma de produção conhecida foi o artesanato, que teve sua origem na Idade Média. O artesão era independente, contando

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS GESTÃO GESTÃO DE ESTOQUES (Parte 2) DEMANDA & CONSUMO Definição de Demanda: Demanda representa a vontade do consumidor em comprar ou requisitar um produto necessário na fabricação de um outro componente. Essa

Leia mais

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo. Administração Níveis de Estoque e Reposição Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX NÍVEIS DE ESTOQUE E REPOSIÇÃO O gráfico abaixo, que define a relação entre o consumo

Leia mais

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Art Smalley Tradução: Odier Araújo Introdução Em 2004 escrevi um manual para o Lean Enterprise

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - formulação - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

A terceira onda de Toffler

A terceira onda de Toffler A terceira onda de Toffler A velha riqueza das empresas Máquinas, edificações, dinheiro, recursos Poder de baixo nível A nova riqueza das empresas Cultura de aprendizagem, inovação e melhoria Pessoas,

Leia mais

PRODUÇÃO JUST IN TIME

PRODUÇÃO JUST IN TIME PRODUÇÃO JUST IN TIME Jessica Nascimento de Oliveira 1 Larissa Alves da Luz 2 Idimar França de Carvalho 3 INTRODUÇÃO Este artigo trata-se do sistema de administração da produção Just In Time, que tem por

Leia mais

DISCIPLINA JOGOS DE EMPRESA RESUMO DO LIVRO A META

DISCIPLINA JOGOS DE EMPRESA RESUMO DO LIVRO A META DISCIPLINA JOGOS DE EMPRESA RESUMO DO LIVRO A META INTRODUÇÃO Na década de 70, Goldratt, enquanto estudante de física em Israel, elaborou uma formulação matemática para o planejamento de produção denominada

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos BREVE RESUMO Layout Determinação dos espaços Ferramentas: SLS (planejamento sistemático do layout) -Diagrama de relacionamentos LAYOUT

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação.

A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação. A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação. Alessandro Lucas da Silva (USP) als@sc.usp.br Ava Brandão Santana (USP) ava@prod.eesc.usp.br Resumo Gerir

Leia mais

Gerência de cant eiros

Gerência de cant eiros Gestão de suprimentos Planejamento e controle de estoques (introdução - transparência) Parte da gestão do processo da construção envolve várias áreas de investimento: Organização do cant eiro Recursos

Leia mais

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01

jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01 jac.cruz@uol.com.br Profº José Alves da Cruz - 01 NOVOS MODELOS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUTIVIDADE Professor: José Alves da Cruz 1 Evolução dos Sistemas Produtivos O Mestre Artesão Revolução Industrial

Leia mais

Sistema de Produção Lean Gestão da Produção

Sistema de Produção Lean Gestão da Produção UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Gestão da Produção Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Obje6vos da Disciplina Cap 1: Compreender como a redução do lead+me impacta na lucra6vidade da empresa.

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Ferramentas Avançadas de Gestão e Melhoria dos Processos Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Lean Agenda Breve introdução

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia da manufatura é um conjunto de decisões visando

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br UDESC/DEPS Cap 4 Fluxo Con9nuo Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br 2 Conteúdo do Capitulo

Leia mais

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12)

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12) OS DESAFIOS DAS EMPRESAS Ampliar o mercado de atuação Organizada para o cliente Gerenciada para maximizar valores e resultados Processos, pessoas e tecnologias atualizadas Carlos Lineu de Faria e Alves

Leia mais

J.I.T. - Just In Time

J.I.T. - Just In Time Publicação Nº 1-2 Dezembro 2009 J.I.T. - Just In Time PONTOS DE INTERESSE: Vantagens e desvantagens 5 S SMED Kanban Just In Time (JIT) é uma filosofia Global de produção, com origem oriental, que consiste

Leia mais

Logística Lean Aplicada à Cadeia de Suprimentos. Alexandre A. Cardoso Gerente de Projetos

Logística Lean Aplicada à Cadeia de Suprimentos. Alexandre A. Cardoso Gerente de Projetos Logística Lean Aplicada à Cadeia de Suprimentos Alexandre A. Cardoso Gerente de Projetos O que é o Lean Institute Brasil? Instituição de educação e pesquisa sem fins lucrativos, dedicada à difusão do lean

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010

MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR. FEG UNESP Bruno Franco 2010 MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR FEG UNESP Bruno Franco 2010 Mapeamento do Fluxo de Valor Video Organização da Produção - FEG/UNESP - 2010 2 Mapeamento do Fluxo de Valor Mapear o fluxo de valor significa andar

Leia mais

Case de Logística Interna: Indústria Metalmecânica ALUMASS

Case de Logística Interna: Indústria Metalmecânica ALUMASS ALUMASS ALUMASS Localização: Massaranbuda SC Segmento industrial: Fundição Clientes: Termotécnica, WEG, GTMS, Indumak, Siemsen, Belmec Número de Funcionários: 20 no administrativo e 60 na fábrica Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Veja a seguir, a título de ilustração, 20 questões que constaram de edições anteriores do Teste de raciocínio quantitativo e interpretativo. Observe que esta informação objetiva apenas ilustrar aos candidatos

Leia mais

O sistema Lean de produção

O sistema Lean de produção Disciplina: Tópicos Integradores Produção Enxuta O sistema Lean de produção Rodrigues, Roger Antônio. R696s O sistema lean de produção / Roger Antônio Rodrigues. Varginha, 2015. 16 slides : il. colors.

Leia mais

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores

Plano Financeiro. Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional e Plano Financeiro Projeto Empreendedor Redes de Computadores Plano Operacional 1.Layout Por meio do layout ou arranjo físico, você irá definir como será a distribuição dos diversos setores

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO Taylorismo, Fordismo,Toyotismo e Volvismo Estudos marcaram a expansão da indústria americana ; Princípios práticos e de caráter

Leia mais

Value Stream Mapping (V.S.M.)

Value Stream Mapping (V.S.M.) Value Stream Mapping (V.S.M.) V.S.M. -Método V.S.M. -Simbologia V.S.M. -Elaborar um V.S.M. -Vantagens de um V.S.M. É uma ferramenta de visualização e de análise que permite: Analisar o fluxo de Material

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO Dalila Regina Fernandes 1, Sérgio Augusto Rodrigues 2 1 Discente do curso de Produção Industrial

Leia mais

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E DO LEAD TIME TOTAL DA PRODUÇÃO DE CALÇADOS

REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E DO LEAD TIME TOTAL DA PRODUÇÃO DE CALÇADOS REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS E DO LEAD TIME TOTAL DA PRODUÇÃO DE CALÇADOS Felipe Rezende Alarcon (Unifran ) felipealarcon_08@yahoo.com.br Glauco Fabricio Bianchini (Unifran ) glaucofb@unifran.br Vanessa Cintra

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Universidade Federal do Rio Grande FURG Universidade Aberta do Brasil UAB Curso - Administração Administração da Produção I Prof.ª MSc. Luciane Schmitt Semana 7 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO 1 PLANEJAMENTO

Leia mais

ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS

ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS ANÁLISE DE UM AMBIENTE DE MANUFATURA AVANÇADA EM UMA FÁBRICA DE MÓVEIS William Ramos 1, Fernanda Cristina Pierre 2 1 Graduando do Curso de Tecnologia de Produção Industrial da FATEC - Botucatu, 1 williamramos_94@hotmail.com

Leia mais

Tópicos em Planejamento e Controle da. Produção

Tópicos em Planejamento e Controle da. Produção 3. PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO DE CURTO PRAZO Prof. Márcio de Oliveira 159 Marketing e Vendas Planejamento Estratégico Políticas de estoque Políticas de atendimento à demanda Políticas de mão de

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA NUMA EMPRESA DA INDÚSTRIA DE ELETRODOMÉSTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA NUMA EMPRESA DA INDÚSTRIA DE ELETRODOMÉSTICOS A IMPLEMENTAÇÃO DA MANUFATURA ENXUTA NUMA EMPRESA DA INDÚSTRIA DE ELETRODOMÉSTICOS Juan Antonio Herran Anticona (ITA) herran@ita.br João Murta Alves (ITA) murta@ita.br O atual contexto globalizado do mundo

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA 1 Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA RFID como ferramenta do Lean Manufacturing RFID como ferramenta do Lean Manufacturing 1 - sobre o CCM-ITA

Leia mais

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8

ÍNDICE. CONSOLES PQMC - Consoles CARROS PQTA - Carro Motorizado... 8 PQTM - Carro Manual... 8 ÍNDICE Introdução - Por que STR?...................................................................... 1 PRENDEDORES 0 PQHA - Prendedor Hidraúlico Articulado............................................................

Leia mais

Romi Day /08/2014

Romi Day /08/2014 Romi Day 2014 12/08/2014 CONTEXTO MACROECONÔMICO 21,3 13,6 10,4 4,7 5,2 5,2 2,7 2,5 1,9-0,3 7,5 1,0 0,8 4,1-5,6 1,6 1,7-0,8-2,1-6,7-4,0 2008 2009 2010 2011 2012 2013 1T14 Fonte: IBGE (comparação com mesmo

Leia mais

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning)

Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) Sistemas ERP (Enterprise Resource Planning) O que significa ERP? ERP - Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais) são sistemas de informações que integram todos os dados e processos

Leia mais

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE PCP-I

2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE PCP-I 2ª LISTA DE EXERCÍCIOS DE PCP-I Esta lista de exercícios foi concebida especificamente para sintetizar a essência do que foi discutido em sala de aula (teoria e prática), bem como para preparar o aluno

Leia mais

Aula 1 Elder André Zuin

Aula 1 Elder André Zuin Desperdício: O Custo da Não Qualidade Aula 1 Elder André Zuin Objetivos Identificar a importância da Qualidade nas organizações; Apresentar a relação entre desperdício e custo. 2 Introdução ao Custo da

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Os ganhos com a implantação do SMED

Os ganhos com a implantação do SMED Os ganhos com a implantação do SMED A metodologia mostra que é possível alcançar bons resultados sem investimentos caros e vem se tornando uma decisão viável em muitas fábricas de embalagens de papelão

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NO APRENDIZADO DOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NO APRENDIZADO DOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DE JOGOS DIDÁTICOS NO APRENDIZADO DOS CONCEITOS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO Tassyana Crespan Lazzarotto (UTFPR) tassycl@hotmail.com Rodrigo Bedendo (UTFPR) bedendorodrigo@hotmail.com Kamila

Leia mais

Manufatura definida Definição tecnológica

Manufatura definida Definição tecnológica Manufatura definida Definição tecnológica A aplicação de processos físicos e químicos para alterar a geometria, propriedades e/ou aparência de determinado material inicial com vistas a produzir peças ou

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

Rogério dos Santos Morais1 1, Gabriela Lopes Augusto Elias 1, Marthina Mylena Arantes 1 e Carlos Roberto Camello Lima²

Rogério dos Santos Morais1 1, Gabriela Lopes Augusto Elias 1, Marthina Mylena Arantes 1 e Carlos Roberto Camello Lima² 402 TEORIA DAS RESTRIÇÕES COMO PRÁTICA NO AUMENTO DA CAPACIDADE PRODUTIVA Rogério dos Santos Morais1 1, Gabriela Lopes Augusto Elias 1, Marthina Mylena Arantes 1 e Carlos Roberto Camello Lima² RESUMO:

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA EM UMA INDÚSTRIA TÊXTIL Flavia Fernandes Rubino Dilri Scardini Alves Batista Juacyara Carbonelli Campos Lídia Yokoyama Principais objetivos Aplicação da

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A produção enxuta e o planejamento e controle da produção em ambientes com alta variedade de produtos

Leia mais

Gestão de Projeto. CARGA HORÁRIA 16 horas PROGRAMA

Gestão de Projeto. CARGA HORÁRIA 16 horas PROGRAMA Gestão de Projeto Esse curso oferece ampla visão sobre a arte de gerenciar projetos. Apresenta como projetos tornamse viabilizadores estratégicos para as organizações demonstrando a importância de seu

Leia mais

SISTEMA KANBAN: O CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES

SISTEMA KANBAN: O CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES SISTEMA KANBAN: O CASO EM UMA INDÚSTRIA DE TELECOMUNICAÇÕES RESUMO Jorge Luiz Stelmak * O presente trabalho objetiva verificar se o sistema Kanban atende às expectativas criadas pela área de PCP de uma

Leia mais

Semana Kaizen Redução de Setup

Semana Kaizen Redução de Setup 2010 Semana Kaizen Redução de Setup Sumário Nenhuma entrada de sumário foi encontrada. Rafael Andrade / Samuel Amate /Edson Ap. Lanmar Ind. Met. Ltda 8/2/2010 a 12/02/2010 Conteúdo Escopo de Projeto...4

Leia mais

DEFINEM O ENTENDIMENTO E APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Custos Gasto Despesas Perda Desperdício Desembolso Investimento GASTOS Conceito extremam

DEFINEM O ENTENDIMENTO E APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Custos Gasto Despesas Perda Desperdício Desembolso Investimento GASTOS Conceito extremam 10/06/2016 DEFINEM O ENTENDIMENTO E APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS Despesas com matéria prima ou custo com matéria prima? Despesa administrativa ou custo administrativo? Gastos com mão de obra ou

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT

DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT DEFINIÇÃO DE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO PELO CONCEITO DE TEMPO-TAKT Jessica Syrio Callefi Universidade Estadual de Maringá jeh_callefi@hotmail.com Daiane Maria De Genaro Chiroli Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Melhoria Continua no Processo Produtivo da SPPM. Ergonomia e MTM Parceiros na Melhoria Contínua

Melhoria Continua no Processo Produtivo da SPPM. Ergonomia e MTM Parceiros na Melhoria Contínua Melhoria Continua no Processo Produtivo da SPPM Ergonomia e MTM Parceiros na Melhoria Contínua 1 Áreas de Intervenção Áreas de Intervenção Zona de Carga Armazém Cp5 Fase final da Linha de Pintura dedicada

Leia mais

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc SISTEMAS DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO TRADICIONAL Este sistema está sempre relacionado com o fluxo de produção. Tem uma orientação

Leia mais

05 Continuação do Cap. 15

05 Continuação do Cap. 15 05 Continuação do Cap. 15 Planejamento e Controle Just In Time Fornecimento de bens Planejamento e controle just in time Demanda por bens Recursos da operação Entrega de bens apenas quando necessários

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Curso de Engenharia de Produção Análise da Implantação do Sistema Kanban de Produção em uma Indústria Metal Mecânica Bruno

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio : Técnico em Calçados Descrição do Perfil Profissional: O Profissional deverá estar em condições de realizar as etapas do processo de fabricação de calçados, conhecer os materiais utilizados no processo

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

PROGRAMA DE APLICAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO CONSULTING PLANT DESIGN TECHNOLOGY KNOWLEDGE

PROGRAMA DE APLICAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO CONSULTING PLANT DESIGN TECHNOLOGY KNOWLEDGE Lean Enterprise PROGRAMA DE APLICAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA DE CONFECÇÃO CONSULTING PLANT DESIGN TECHNOLOGY KNOWLEDGE O objetivo do Programa Sabe aquele projeto que você gostaria de realizar, mas que nunca

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO Luiz Eduardo PEREIRA 1 José Artur Teixeira GONÇALVES 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é apresentar o sistema Just in Time (JIT) tendo em vista, suas consequências

Leia mais

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO.

A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. 1 A BUSCA PELA OTIMIZAÇÃO EM PROCESSOS PRODUTIVOS, ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Aline Carla Herrero Alves Elizabete Alves dos Santos Francisco Cesar Vendrame Jovira Maria Sarraceni Máris

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN EM UMA EMPRESA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN EM UMA EMPRESA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN EM UMA EMPRESA DE PRODUÇÃO CUSTOMIZADA Nathalia de Abreu Campos (ufjf) nanathy_abreu@yahoo.com.br Marcio de Oliveira (ufjf) marcioli@engenharia.ufjf.br Este artigo visa retratar

Leia mais

TOC, STP E TQC: UMA ABORDAGEM CONJUNTA

TOC, STP E TQC: UMA ABORDAGEM CONJUNTA TOC, STP E TQC: UMA ABORDAGEM CONJUNTA Cristina Ristori Dias Soares UFRGS - PPGEP - Porto Alegre - RS Resumo This paper wants essentially show some ideas about the approachs: TOC (Theory of Constrains),

Leia mais

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.5 Kanban. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.5 Kanban 4.5 Kanban Já foi citado o caso de como o supermercado funcionou como benchmarking para muitas ideias japonesas. Outra dessas ideais inverteu o fluxo da produção: de empurrada passou a ser puxada.

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNICA GLOBAL DE EQUIPAMENTOS (OEE) PARA IDENTIFICAR O IMPACTO DA DISPONIBILIDADE DAS MÁQUINAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNICA GLOBAL DE EQUIPAMENTOS (OEE) PARA IDENTIFICAR O IMPACTO DA DISPONIBILIDADE DAS MÁQUINAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DO INDICADOR DE EFICIÊNICA GLOBAL DE EQUIPAMENTOS (OEE) PARA IDENTIFICAR O IMPACTO DA DISPONIBILIDADE DAS MÁQUINAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO Thaynara Sousa 1 Ivan Correr 2 Lucas Scavariello Franciscato

Leia mais

CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL

CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DA QUALIDADE INDUSTRIAL OS PRIMÓRDIOS DA QUALIDADE Egípcio Imhotep (pai do controle do processo antigo): OBEDIÊNCIA A PADRÕES ERA A CHAVE PARA A QUALIDADE DO PRODUTO FINAL

Leia mais

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação

Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação Institutos SENAI de Tecnologia e Inovação INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA E DE INOVAÇÃO EM SANTA CATARINA Laser Sistemas de Manufatura Eletroeletrônica Logística Ambiental Alimentos e Bebidas Têxtil, vestuário

Leia mais

AVON. Programas de suporte e manutenção preventiva para peças mantêm sistemas de esteira transportadora essenciais funcionando em níveis de pico.

AVON. Programas de suporte e manutenção preventiva para peças mantêm sistemas de esteira transportadora essenciais funcionando em níveis de pico. AVON Programas de suporte e manutenção preventiva para peças mantêm sistemas de esteira transportadora essenciais funcionando em níveis de pico. automação que traz resultados Programas de suporte e manutenção

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Prof Dr. Carlos Roberto Regattieri

Prof Dr. Carlos Roberto Regattieri Utilização do Indicador de Eficiência Global (OEE Overall Equipment Effetiveness), aplicado a melhoria contínua e indicadores em Empresas Manufatureiras, e em Laboratório de Manufatura - ICIM, de acordo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Gestão de Operações V 2ª Apostila

Gestão de Operações V 2ª Apostila Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária Departamento de Administração Gestão de Operações V 2ª Apostila Prof. Marcio Cardoso Machado

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde E GERENCIAL Aula 2- Unidade 01 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de Custos x Contabilidade Gerencial

Leia mais

MELHORIAS OBTIDAS A PARTIR DA MUDANÇA NA EMBALAGEM DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS INTERINDÚSTRIAS

MELHORIAS OBTIDAS A PARTIR DA MUDANÇA NA EMBALAGEM DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS INTERINDÚSTRIAS ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& MELHORIAS OBTIDAS A PARTIR DA MUDANÇA NA EMBALAGEM

Leia mais