Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês. Prof. Dr. Jorge Caldeira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês. Prof. Dr. Jorge Caldeira"

Transcrição

1 Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês Prof. Dr. Jorge Caldeira

2 Objetivos da aula - Compreender as diferenças entre os modelos tradicionais e o modelo japonês de administração; - Discutir como a cultura japonesa afeta direta ou indiretamente aspectos importantes das organizações japonesas; - Analisar as características que podemos e as que não podemos utilizar nas organizações ocidentais; - Compreender o que é o Sistema Toyota de Produção e suas principais inovações.

3 Pergunta básica: O sistema japonês não funciona somente no Japão? - Resposta: estudos mostram que empresas japonesas em outros lugares do mundo atuam de forma diferente dos administradores locais e obtêm grande sucesso.

4 Empresas Japonesas no Japão Empresas Japonesas nos E.U.A Empresas norteamericanas no Japão

5

6 The on Best Way Vadiagem sistêmica dos operários, que reduziam a produção para manter seus salários; Decisões sistematizadas e científicas (não mais empíricas); Estabelecimento de padrões de execução de tarefas; Especialização extrema de pessoal e divisão do trabalho; Condições adequadas de trabalho; Princípio da exceção;

7 Desenho de tarefas e cargos simplificados; Conceito de homo economicus; Incentivos salariais e prêmios de produção: Tempo-padrão; Criação de riqueza.

8 Conceito de eficiência Prêmios de Produção 100% 110%

9 A divisão do trabalho e a especialização do operário Cada operário Vários operários Vários operários desempenha desempenham em desempenham em série a tarefa total paralelo partes da tarefa partes da tarefa total

10 FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS Prever Organizar Comandar Coordenar Controlar OUTRAS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

11

12 Características básicas - Confiança; - Sutileza (ex.: montagem de equipes de trabalho); - Senso comum: Os sentimentos pessoais não têm lugar no trabalho

13 Emprego vitalício Zaibatzus (ex.: Nissan, Matsushita) Universidades Imperiais Bonificação - Até 6 salários por ano; - Em grupo. Avaliação - Lenta; - Coletiva. TEMPO DE SERVIÇO COMPETÊ NCIA

14 Trajetórias de carreiras nãoespecializadas - Especialistas X Generalistas - Conseqüência no treinamento dos funcionários: > Ocidente: funcionário especializado desestimula investimentos em treinamento. Tomada de decisão - Por consenso; - Pesquisas mostram: > Decisões mais criativas; > Implantação mais efetiva.

15 Resultado: perpetuação do taylorismo Funcionários 8x 39,7 60,3 < 2 anos > 2 anos

16 1 = Tempo para construir relações 2 = Troca de informações 3 = Persuasão 4 = Conclusão e contrato Alta 3 Norte-americanos Japoneses Baixa Fonte: Burdrige, pg. 205

17 Valores coletivos - O caso da caixa de sugestões; - Relacionamentos holísticos. Líder ao invés de supervisor - Grupos de trabalho autogeridos.

18 Supervisor de Produção Supervisor Supervisor de Manutenção Supervisor de Qualidade Operário A Operário B Operário C Operário D

19 Tratamento das mulheres; Emprego vitalício; O papel das pequenas empresas; Relação empresa & sindicato.

20 Clássica Japonesa Emprego a curto prazo Avaliação e promoção rápidas. Trajetórias especializadas. Controle explícito. Tomada de decisão individual. Responsabilidade individual. Emprego vitalício. Avaliação e promoção lentas. Trajetórias nãoespecializadas. Controle implícito. Tomada de decisão coletiva. Responsabilidade coletiva.

21

22 SISTEMA TOYOTA Maior montadora do mundo (2007); 1/3 das maiores montadoras do mundo perde dinheiro ano após ano; Em, 2006, por exemplo, a Toyota lucro 11,4 bilhões de dólares, mais do que as 12 principais concorrentes...juntas!!!

23 Chrysler The pride is back Born in America

24 SISTEMA TOYOTA Recursos abundantes Desperdício Just in case Para quê? Quanto maior a empresa, melhor Caminho para a ineficiência Estrutura organizacional divisionalizada e hierárquica Excesso de burocracia, preferiu uma estrutura enxuta

25 Qualidade Produtividade SISTEMA TOYOTA Sistema Toyota PARTICIPAÇÃO

26 Atividades que criam valor Operações de transformação estritamente ligadas ou produto ou serviço Ineficiências inevitáveis Espera, transporte, deslocamento, perdas inevitáveis. DESPERDÍCIOS Fabricação de quantidade maior que o necessário; Refugos; Tempo perdido em consertar erros; Estoque.

27 Produtividade Perdas por superprodução Perdas por transporte Desperdícios e perdas Perdas no processamento em si Perdas por fabricar produtos defeituosos Perdas no movimento Perdas na espera Perdas no estoque

28 Estratégias para eliminar desperdícios Eliminação de desperdícios Racionalização da força de trabalho Just in time Produção flexível

29 Equipes com 1 líder (ao invés de um supervisor) - Missão: trabalhar coletivamente um conjunto de tarefas da melhor maneira que acharem possível. - Função do líder: > Trabalhar junto e coordenar; > Substituição, em caso de falta. Manutenção: equipe Controle de qualidade: equipe A idéia da racionalização está na raiz de conceitos que viriam a ter grande importância: manufatura celular, autogestão e trabalho e em equipe.

30 Bem na hora / no momento certo / na hora certa; Reduzir ao mínimo o estoque; Parceria com fornecedores - Estratégia: poucos fornecedores Viabilização do JIT - Fluxo contínuo; - Takt Time; - Kanban.

31 TRADICIONAL FLUXO CONTÍNUO

32 BALANCEAMENTO DE OPERAÇÕES TRADICIONAL

33 Takt time = tempo necessário para produzir um componente ou um produto completo, baseado na demanda do cliente. Exemplo: Demanda = 576 peças/dia Tempo total disponível = 8 horas ( seg) Takt Time = segundos 576 peças = 50 segundos por peça

34

35 Funcionamento do Kanban Processo Fornecedor A B C D Produção A Produção B Produção C Produção D Retirada A A Produção A Retirada B Retirada C Processo Cliente B Produção B Produção C C Retirada D D Produção D

36 ...continuação A Produção A Processo Fornecedor B C D Produção B Produção C Produção D Retirada A Produção C A Retirada B Retirada C Retirada C Processo Cliente B Retirada D D

37 ...continuação A Produção A Processo Fornecedor B C Produção B Produção Retirada C Retirada C D Produção D Retirada C Retirada A A Retirada B Processo Cliente B Retirada D D

38 Produção C...continuação Processo Fornecedor A B Produção A Produção B D Produção D Retirada C C Retirada A Retirada B Processo Cliente A B Retirada D D

39 Produção C...continuação Processo Fornecedor A B Produção A Produção B D Produção D Retirada A A Retirada C Retirada B Processo Cliente Kanban Kanban de de Retirada Retirada C C C C C C B Retirada D D

40 Pequenos PEQUENOS LOTES lotes x grandes lotes; Máquinas MÁQUINAS FLEXÍVEIS flexíveis x dedicadas - Ex: prensas. - Ex: 1 DIA X 3 3 MINUTOS

41 Qualidade Produtividade SISTEMA TOYOTA Sistema Toyota PARTICIPAÇÃO

42 Estratégias para fabricar com qualidade FABRICAÇÃO COM QUALIDADE Fazer certo da primeira vez Corrigir causas fundamentais dos erros Utilizar círculos de qualidade

43 5 Whys NÍVEL DO PROBLEMA Há uma poça de óleo no chão da fábrica. Por que a máquina está vazando? Por que a vedação está gasta? Por que compramos vedações de material inferior? Por que conseguimos um bom negócio com estas vedações? Por que o agente de compras é avaliado segundo a economia de custos à curto prazo? NÍVEL CORRESPONDENTE DE SOLUÇÃO Limpar o óleo. Consertar a máquina. Substituir a vedação. Mudar as especificações das vedações. Mudar as políticas de compra. Mudar a política de avaliação dos agentes de compra.

44 Círculos de qualidade - Princípio de Pareto - Diagrama de Ishikawa (espinha de peixe)

45

46

47

48 RECLAMAÇÕES DOS PASSAGEIROS DA JET BLUE

6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO

6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO 6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO Qualidade e eficiência são palavras que faziam parte do cotidiano no Japão. Como era um país privado de recursos naturais, a exportação de produtos manufaturados sempre

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE PRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO Taylorismo, Fordismo,Toyotismo e Volvismo Estudos marcaram a expansão da indústria americana ; Princípios práticos e de caráter

Leia mais

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS Grupo 1 Administração Científica Grupo 2 Teoria Clássica Aula 5 09/06/2014 A evolução do conceito de ADMINISTRAÇÃO Idade Média (fim Império Romano até fins séc. XV): - Artesanato;

Leia mais

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro

Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Prof. Adm. Esp. Rodrigo Leão Brasileiro Abordagem básica da Adm. Científica: Ênfase nas tarefas; Iniciada por Taylor, que teve como seguidores Gantt, Gilbreth, Ford Tentativa de aplicação dos métodos da

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

GESTÃO EM SAÚDE. Teorias da Administração. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 1 GESTÃO EM SAÚDE Teorias da Administração - 2 DEFINIÇÕES GESTÃO - engloba pessoas, processos e planejamento. ADMINISTRAÇÃO - finanças, contabilidade e mercado. 3 DEFINIÇÕES O conceito de administração

Leia mais

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula1: Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena »Vamos começar relembrando algumas teorias administrativas... 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA Pré-história

Leia mais

22/09/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Administração Científica

22/09/2015. Evolução do Pensamento Administrativo. Administração Científica Evolução do Pensamento Administrativo 1903 1909 1916 1932 1947 1951 1953 1954 1957 1962 1972 1990 Teoria Abordagem 1903 Clássica 1909 Teoria da Burocracia Estruturalista 1916 Teoria Clássica Clássica 1932

Leia mais

Desempenho das. Modelo Japonês de Administração

Desempenho das. Modelo Japonês de Administração Desempenho das Organizações Modelo Japonês de Administração Sistema Toyota de Produção Criado no Japão durante a década de 1950 por Eiji Toyoda e Taiichi Ohno; Princípios: Eliminação de desperdícios: ou

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração Introdução à Teoria Geral da Administração Marcos Azevedo " Grandes visionários são importantes; Grandes administradores são fundamentais. Tom Peters. https://sites.google.com/site/professormazevedo/ AULA

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Educar Virtual PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Principios de Produção Tópicos ADMINISTRAÇÃO PLANEJAMENTO ORGANIZAÇÃO DIREÇÃO CONTROLE Princípios de Produção O propósito de um negócio é criar um cliente. (Peter

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Administração Científica. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Administração Científica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo

Meios de Produção. Fordismo, Toyotismo e Taylorismo Meios de Produção Fordismo, Toyotismo e Taylorismo O que são Meios de Produção? Ø Meios de produção são, o conjunto formado por meios de trabalho e objetos de trabalho ou tudo aquilo que medeia a relação

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO 22/02/ HISTÓRICO NOVOS MODELOS GERENCIAIS ADMINISTRAÇÃO JAPONESA

ADMINISTRAÇÃO 22/02/ HISTÓRICO NOVOS MODELOS GERENCIAIS ADMINISTRAÇÃO JAPONESA ADMINISTRAÇÃO 1.HISTÓRICO A Administração Participativa é uma das idéias mais antigas da administração. Ela nasceu na Grécia com a invenção da democracia. Continua a ser uma idéia moderna, que integra

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Carla Hammes Estudo de caso: Taylor faz uma pergunta ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA ÊNFASE NAS TAREFAS Primeira guerra mundial (1914-18) Eficiência da operação militar americana

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

F I N A L I D A D E I D E A S CLIENTES IDÉIAS/IDEAS

F I N A L I D A D E I D E A S CLIENTES IDÉIAS/IDEAS P O R Q U Ê F I N A L I D A D E I D E A S IDÉIAS/IDEAS Inovação Gera Excelência, Conquista e Economias (IDEAS Innovation Drives Excellence, Achievement and Savings) C O M O P R O P Ó S I T O Q U E M P

Leia mais

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena PRATICA 1 : Simulação de uma linha de montagem em sala, vivenciando: Produção empurrada

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br OBJETIVOS Um SI tem como objetivo transformar dados em informações úteis, que geram conhecimento necessário

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DO LEAN MANUFACTURING E DIAGRAMA DE CAUSA E EFEITO PARA MELHORIAS NO PROCESSO DE PRODUÇÃO Dalila Regina Fernandes 1, Sérgio Augusto Rodrigues 2 1 Discente do curso de Produção Industrial

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INDUSTRIALIZAÇÃO ORIGENS DA INDUSTRIALIZAÇÃO A industrialização é baseada numa economia de mercado e numa sociedade de classes. ECONOMIA DE MERCADO (CAPITALISTA) O mercado consiste

Leia mais

1ª Revolução Industrial

1ª Revolução Industrial Modelos de Administração da Produção Evolução dos Sistemas de Produção A Revolução Industrial trouxe uma produção acelerada, porém faltava organização e método. (Frederick Taylor 1856-1915) (Henry Ford

Leia mais

ENVOLVIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS E EMPODERAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO

ENVOLVIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS E EMPODERAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO ENVOLVIMENTO DOS FUNCIONÁRIOS E EMPODERAMENTO NO LOCAL DE TRABALHO Fujikazu Suzuki Diretor, Rede de Cultura do Trabalho Seminário HIDA/CNI 2014 no Brasil 5 de setembro em São Paulo, 10 de setembro no Rio

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL I E II Definição: conjunto de transformações tecnológicas, econômicas e sociais caracterizadas pela substituição da energia física pela mecânica, da ferramenta pela máquina e da manufatura

Leia mais

A terceira onda de Toffler

A terceira onda de Toffler A terceira onda de Toffler A velha riqueza das empresas Máquinas, edificações, dinheiro, recursos Poder de baixo nível A nova riqueza das empresas Cultura de aprendizagem, inovação e melhoria Pessoas,

Leia mais

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves Aula 2 Histórico da Gestão de Processos de Negócio Prof. Carina Frota Alves 1 O que mudou no mundo durante a Revolução Industrial? 2 História dos Meios de Produção Antes da revolução industrial, a economia

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. ACH113 Princípios de Administração

PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. Profa. Sylmara Gonçalves Dias. ACH113 Princípios de Administração PRINCÍPIOS DE ADMINISTRAÇÃO ACH1113 Profa. Sylmara Gonçalves Dias Agenda de aula (1)A evolução da Administração O processo administrativo e as funções gerenciais segundo Fayol O processo administrativo

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria Clássica. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria Clássica. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria Clássica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

2.2 Elementos formais e informais

2.2 Elementos formais e informais 2.2 Elementos formais e informais A produtividade de um grupo e sua eficiência estão estreitamente relacionadas não somente com a competência de seus membros, mas, sobretudo com a solidariedade de suas

Leia mais

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6

Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Trabalho, Tecnologia e Inovação Aula 6 Tema II.2 - Reestruturação produtiva, novas tecnologias e novas formas de organização social do trabalho e da produção: A (difícil) transição pós-fordista e o modelo

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO TGA II TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Henri Fayol (1841-1925) TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO As Funções Básicas da Empresa Funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa.

Leia mais

Sistema de Produção Lean Gestão da Produção

Sistema de Produção Lean Gestão da Produção UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Gestão da Produção Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Obje6vos da Disciplina Cap 1: Compreender como a redução do lead+me impacta na lucra6vidade da empresa.

Leia mais

Teoria da. Administração Científica. Professor: Roberto César

Teoria da. Administração Científica. Professor: Roberto César Teoria da Administração Científica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria Clássica Fayol

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Teoria Clássica. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Teoria Clássica. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Teoria Clássica Professor: Roberto César Abordagem Clássica da Administração Administração Científica Taylor Ênfase nas Tarefas Abordagem Clássica da Administração Teoria

Leia mais

Sistema Toyota de produção. Anie K. da R. Oliveira Int. à Gestão da Qualidade

Sistema Toyota de produção. Anie K. da R. Oliveira Int. à Gestão da Qualidade Sistema Toyota de produção Anie K. da R. Oliveira Int. à Gestão da Qualidade Shewhart Bases do modelo japonês de administração. Deming Ford Sistema Toyota de de produção Modelo japonês de de administração

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL TOTAL QUALITY MANAGEMENT FILME O PROBLEMA NÃO É MEU!!!! Conceituação de TQM TQM é o sistema de atividades dirigidas para se atingir clientes satisfeitos (delighted), empregados

Leia mais

Frederick Taylor e a Administração Científica

Frederick Taylor e a Administração Científica Frederick Taylor e a Administração Científica PRIMEIRA FASE SEGUNDA FASE TERCEIRA FASE Ataque ao Problema dos Salários. Estudo Sistemático do Tempo. Definição de Tempos Padrão. Sistema de Administração

Leia mais

Projeto em administração da produção.

Projeto em administração da produção. MKT-MDL-06 Versão 00 Projeto em administração da produção. Aula 05 Sazonalidade Sazonalidade nada mais é que as variações de demanda que se repetem com o passar do tempo. As variações não são aleatórias,

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS

ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E COMPETITIVIDADE DESEMPENHO DAS ORGANIZAÇÕES EFICIÊNCIA E DESPERDÍCIO PRODUTIVIDADE PRODUTIVIDADE E QUALIDADE COMBINADAS EFICÁCIA COMPETITIVIDADE DESEMPENHO

Leia mais

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA

Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA 1 Samuel Bloch da Silva, M.S.c. Pesquisador CCM Doutorando Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA RFID como ferramenta do Lean Manufacturing RFID como ferramenta do Lean Manufacturing 1 - sobre o CCM-ITA

Leia mais

Desafio: Administração Geral - Parte I

Desafio: Administração Geral - Parte I Desafio: Administração Geral - Parte I 1. Em uma organização, os líderes podem possuir diferentes perfis ou estilos. Qual o estilo em que a liderança ocorre quando o colaborador necessita aprender a tarefa

Leia mais

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber

Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da administração, parte I Taylor, ford, fayol, weber Panorama histórico da ADM I Nascido na Filadélfia (EUA); Engenheiro Mecânico; Carreira na Midvale Steel Co. (de capataz a engenheiro)

Leia mais

MÓDULO 9 Custos e desperdícios de (não) ter Qualidade

MÓDULO 9 Custos e desperdícios de (não) ter Qualidade MÓDULO 9 Custos e desperdícios de (não) ter Qualidade Quando se diz que um produto tem qualidade fica subentendido, muitas vezes, que se trata de um produto com alto valor agregado, ou seja, um produto

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

www.professoravanucia.blogspot.com A importância da Indústria A Indústria é um dos três setores de atividade da economia. Os outros dois são os serviços e a agropecuária. As atividades agrícolas, o comércio

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL

AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL AS TRANSFORMAÇÕES DO TRABALHO NA SOCIEDADE INFORMACIONAL Disciplina: Trabalho, Sociedade e Desigualdades Prof. Francisco E. B. Vargas Instituto de Filosofia, Sociologia e Política IFISP/UFPel - 2013/2

Leia mais

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Art Smalley Tradução: Odier Araújo Introdução Em 2004 escrevi um manual para o Lean Enterprise

Leia mais

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira AS SETE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre ISHIKAWA: classificou as técnicas de controle estatístico em três grupos de complexidade

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR. Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos SISTEMAS DE PRODUÇÃO I AULA 16 E 17 UFPR Prof.ª Nicolle Sotsek Ramos BREVE RESUMO Layout Determinação dos espaços Ferramentas: SLS (planejamento sistemático do layout) -Diagrama de relacionamentos LAYOUT

Leia mais

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE AULA 6 ADMINISTRAÇÃO JAPONESA Características da administração Japonesa Administração participativa - A administração japonesa se baseia na forma participativa

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

Consideremos uma linha que monta dois produtos X e Y. A necessidade mensal do produto X sendo de 500 unidades e do Y de 1000 unidades.

Consideremos uma linha que monta dois produtos X e Y. A necessidade mensal do produto X sendo de 500 unidades e do Y de 1000 unidades. O tempo takt na Toyota do Brasil Autor: Gilberto I. Kosaka Com intuito de contribuir a respeito da importância do tempo takt vou, neste curto artigo, relatar como este item é tratado na Toyota e também

Leia mais

BENS DE CONSUMO. Tudo para que a sua empresa tenha uma gestão completa, flexível e integrada, e conquiste resultados ainda melhores.

BENS DE CONSUMO. Tudo para que a sua empresa tenha uma gestão completa, flexível e integrada, e conquiste resultados ainda melhores. Segmento MANUFATURA BENS DE CONSUMO Para o subsegmento de bens de consumo, as soluções de software de gestão da TOTVS produzem resultados em série. Um conjunto de funcionalidades que atuam na essência

Leia mais

Organização da Aula. Contextualização. Principais Conceitos e Modelos de Gestão. Instrumentalização. Fundamentos da Administração.

Organização da Aula. Contextualização. Principais Conceitos e Modelos de Gestão. Instrumentalização. Fundamentos da Administração. Fundamentos da Administração Organização da Aula Aula 2 Modelos de Gestão Prof. Me. Daniel Francisco Rossi Contextualização Das funções concentradas em comando e controle, a partir dos modelos burocráticos

Leia mais

A atividade industrial

A atividade industrial A atividade industrial Estágios da produção 1 - artesanato Trabalho manual; O artesão também era o dono do meio de produção; O artesão realizava todo o processo produtivo. Estágios da produção 2 - manufatura

Leia mais

Administração da Produção e Operações

Administração da Produção e Operações Administração da Produção e Operações 1 Administração da Produção e Operações Professor: Marco Machado 1º Semestre 2011 Aula 04 - Estudo de Tempos, Movimentos e Métodos 4- Estudo de Tempos e Métodos: 1.

Leia mais

Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira

Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira Módulos 11 e 12: O modo de produção industrial e A indústria brasileira Artesanato é essencialmente o próprio trabalho manual ou produção de um artesão (de artesão + ato). Manufatura é um sistema de fabricação

Leia mais

Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO

Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof. Fabiano da Veiga CONTATO E-mail: veiga.fabiano@gmail.com EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS Produção artesanal Produção

Leia mais

O sistema Lean de produção

O sistema Lean de produção Disciplina: Tópicos Integradores Produção Enxuta O sistema Lean de produção Rodrigues, Roger Antônio. R696s O sistema lean de produção / Roger Antônio Rodrigues. Varginha, 2015. 16 slides : il. colors.

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE

DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE Análise do Ambiente DEFINIÇÃO DE ANÁLISE DO AMBIENTE - É o processo de monitoração do ambiente organizacional que visa identificar os riscos e oportunidades, tanto presentes como futuros, que possam influenciar

Leia mais

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12)

Carlos Lineu de Faria e Alves. Eng. Mec. (ITA/77) M. Eng, (ITA/79) Dr. (ITA/83) (12) OS DESAFIOS DAS EMPRESAS Ampliar o mercado de atuação Organizada para o cliente Gerenciada para maximizar valores e resultados Processos, pessoas e tecnologias atualizadas Carlos Lineu de Faria e Alves

Leia mais

Métodos Tempos e Movimentos

Métodos Tempos e Movimentos Métodos Tempos e Movimentos O homem é a medida de todas as coisas Protágoras de Abdera (Abdera, 480 a.c. - Sicília, 420 a.c.) Assim como Sócrates, Protágoras foi acusado de ateísmo, tendo seus livros queimados

Leia mais

Blackfoot Cosméticos Ltda

Blackfoot Cosméticos Ltda Blackfoot Cosméticos Ltda INTRODUÇÃO A empresa Blackfoot é uma multinacional de origem Norte Americana, presente em mais de 180 países e tem como foco principal a venda de cosméticos com base em um enorme

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Gerência de cant eiros

Gerência de cant eiros Gestão de suprimentos Planejamento e controle de estoques (introdução - transparência) Parte da gestão do processo da construção envolve várias áreas de investimento: Organização do cant eiro Recursos

Leia mais

Como aliar sustentabilidade e tecnologia. Como aliar sustentabilidade e tecnologiav facebook.com/bigideiatv

Como aliar sustentabilidade e tecnologia. Como aliar sustentabilidade e tecnologiav facebook.com/bigideiatv Como aliar sustentabilidade e tecnologia 1 Índice 3 Introdução 8 Inspire-se em outras empresas 4 Avalie seus processos 9 Elimine excessos e desperdícios 5 Busque novas soluções 10 Conclusão 6 Pesquise

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Abril de 2011

João Telles Corrêa Filho Abril de 2011 Durante o último mês de março foram publicados dois importantes artigos nas seções de economia / negócios dos jornais Folha de São Paulo e Estado de São Paulo. O primeiro fala sobre o aquecimento do mercado,

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Aula Revisão 06/09 Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Questões 1 Como pode ser definida a 1ª fase da qualidade?

Leia mais

Gestão de Escritórios AULA 7. Temas: Ferramentas de Gestão da Qualidade

Gestão de Escritórios AULA 7. Temas: Ferramentas de Gestão da Qualidade Gestão de Escritórios AULA 7 Temas: Ferramentas de Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade no Escritório Com a Revolução Industrial, a produção passou a ser em massa. Surge a mecanização, as linhas de

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde E GERENCIAL Aula 2- Unidade 01 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de Custos x Contabilidade Gerencial

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA

ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA ADMINISTRAÇÃO FARMACÊUTICA Fazer acontecer Acadêmicos: Everson Fialho e Rafael Reis. Disciplina: Administração Farmacêutica Professora Patrícia Dutra Sauzem Conceitos: Administração Ad: direção, tendência

Leia mais

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário

Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Tecnologias e Interoperabilidade no Transporte Ferroviário Guilherme Quintella Chairman UIC South America 13 de Setembro de 2012 UIC União Internacional de Ferrovias» Fundada em 1922 com sede em Paris»

Leia mais

Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Capítulo 1. Sistemas de Informação

Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Capítulo 1. Sistemas de Informação Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 1 Sistemas de Informação Gerenciais na Era Digital 2 1

Leia mais

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc.

COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. COMO AUMENTAR A PRODUTIVIDADE DA SUA EMPRESA E A QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS POR MEIO DO CONTROLE DOS PROCESSOS DE NEGÓCIOS Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução

Leia mais

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos

Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Patrimonialismo, Burocracia e Administração por Objetivos Três modelos gerenciais básicos e suas respectivas fontes de legitimação nas organizações. Fundamentos da Administração Origens históricas do Patrimonialismo

Leia mais

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade

Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Processo e Agentes da Gestão da Qualidade Fernanda Villar Corrêa Vídeos - Empresa como Sistema - Gestão da Qualidade como Subsistema - Envolvem métodos de produção, avaliação

Leia mais

A Administração e suas perspectivas

A Administração e suas perspectivas Teoria Básica da Administração Introdução Professor: Roberto César A Administração e suas perspectivas A teoria geral da administração seguiu uma linha de raciocino, e cada teoria procurou enfatizar uma

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Aula 5 Projeto da Rede de Suprimentos

GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Aula 5 Projeto da Rede de Suprimentos GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA Aula 5 Projeto da Rede de Suprimentos Modelo Geral da Gestão de Operações RECURSOS A SEREM TRANSFORMADOS MATERIAIS INFORMAÇÕES CONSUMIDORES AMBIENTE ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO

Leia mais

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ENGENHARIA DA QUALIDADE A ENG 09008 AULA 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFESSORES: CARLA SCHWENGBER TEN CATEN ROGÉRIO FEROLDI MIORANDO KARINA ROSSINI Objetivos da disciplina Permitir aos alunos o entendimento

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação. Prof. Paulo Sérgio Ramão

Administração de Sistemas de Informação. Prof. Paulo Sérgio Ramão Administração de Sistemas de Informação Prof. Paulo Sérgio Ramão Temas para os Seminários: CRM Customer Relationship Management OLAP - On-Line Analytical Processing DATAMINING DATA WAREHOUSE e DATA MART

Leia mais

ANEXO I Conceitos importantes.

ANEXO I Conceitos importantes. ANEXO I Conceitos importantes. Dimensões Standard As dimensões standard a nível europeu são as seguintes (em milimetros): base (600x400, 400x 300 e 300x200) com as respetivas alturas (120,235 e 320). O

Leia mais

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA

COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Mario Caixeta 1 100% COMPOSIÇÃO HISTÓRICA DA FORÇA DE TRABALHO USA Autor- Stephen Barley 80% Profissionais Liberais e técnicos Vendas 60% 50% Artesãos e similares 40% 20% Agricultores Operários 1900 1920

Leia mais

Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas.

Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas. disciplina FUNDAMENTOS DE GESTÃO TERCEIRIZAÇÃO Paradigmas - Definições Conjunto de regras entre o que é certo e errado; um modelo ou padrão que define o comportamento das pessoas. Velhos Paradigmas: burocracia,

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO HISTÓRIA DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A engenharia de produção começou, há mais de um século, com

Leia mais