Verifique abaixo algumas características de transformação:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verifique abaixo algumas características de transformação:"

Transcrição

1 GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem. Essa imagem ficou assim estabelecida uma vez que no passado as organizações produtivas tinham um foco bastante forte na gestão da manufatura, enfatizando as técnicas e os métodos, as atividades repetitivas e como fazê-las com maior produtividade, conforme estudo de Taylor e Fayol. Hoje em dia, os conceitos de manufatura e técnicas são aplicados de forma mais ampla, incluindo a área de serviços, como hotéis, hospitais, restaurantes, bancos, universidades, transportes entre outros. Qualquer atividade de produção pode ser enquadrada num modelo de entrada de recursos e na sua transformação em produtos com a utilização de meios denominados recursos de transformação. O produto produzido pelas organizações são os bens e serviços e é a razão de sua existência. Percebam que a transformação dos recursos em produtos podem ter diversas características, como: materiais físicos, informações aos consumidores, etc. Verifique abaixo algumas características de transformação: Propriedades físicas Os materiais são transformados e suas características físicas, como formato e composição, são alterados. Localização A localização corresponde à característica de transportar algo. Exemplo: transmissão de dados. Armazenagem Como estocar alguma coisa. Exemplo: Arquivos e bibliotecas, nos quais as informações são estocadas. Posse As características de compra e venda sentido de posse só podem ocorrer com informações e materiais.

2 Estado fisiológico Transformação do estado fisiológico de pessoas. Exemplo: hospitais, por meio de cirurgias. Estado psicológico A indústria do entretenimento visa transformar o estado psicológico das pessoas, oferecendo-lhes momentos de lazer. A aquela ideia de que a produção somente transforma a matéria-prima em produto acabado tem que ficar para trás, como foi observado nos exemplos acima. Classificações dos sistemas de produção Zacarelli (1979, p. 12), fala em classificação de indústrias e estabelece duas grandes classes, cada uma com subclasses: Indústrias do tipo contínuo: onde os equipamentos executam as mesmas operações de maneira contínua e o material se move com pequenas interrupções entre eles até chegar ao produto acabado. Contínuo puro: uma só linha de produção, os produtos finais são exatamente iguais e toda a matéria-prima é processada da mesma forma e na mesma sequência; exemplo: Ford T. Contínuo com montagem ou desmontagem: várias linhas de produção contínua que convergem nos locais de montagem ou desmontagem. Contínuo com diferenciação final: características de fluxo igual a um ou outro dos subtipos anteriores, mas o produto final pode apresentar variações. Indústrias do tipo intermitente: diversidades de produtos fabricados e tamanho reduzido de lote de fabricação determinam que os equipamentos apresentem variações frequentes no trabalho. Subdividem-se em: Fabricação por encomenda de produtos diferentes: produto de acordo com as especificações do cliente e a fabricação se inicia após a venda do produto. Fabricação repetitiva dos mesmos lotes de produtos: produtos padronizados pelo fabricante, repetitividade dos lotes de fabricação;

3 pode-se ter as mesmas características de fluxo existente na fabricação sob encomenda. Sistemas flexíveis de manufatura O sistema de manufatura flexível é um sistema totalmente automatizado e consiste em centros de trabalho com máquinas de carga e descarga automáticas, sistema de movimentação automático com veículos transportando peças de um ponto a outro. Com a evolução da tecnologia de informação, mais e mais as organizações estão utilizando equipamentos automatizados. As mudanças impostas pela evolução da forma de fazer negócios exigem que produtos sejam cada vez mais customizados. Devido a essas mudanças, os fabricantes têm tido necessidade de buscar alternativas para atender a essas expectativas, encontrando novas formas de projetar suas fábricas. Vantagens Aumento de produtividade, a redução de custos de produção, redução de espaço em alguns tipos de produção, melhoria no tempo de preparação, redução de níveis de estoques (em algumas situações). Para implementar um sistema de automação, a organização deve confiar plenamente na tecnologia da informação. Desvantagens É fundamental que a organização, antes de implementar um sistema de automação, leve em conta os mais diversos fatores e critérios, como mencionados a seguir: Custo total x retorno no investimento. Tempo de implementação. Mão de obra capacitada para operar. Necessidade de modificação de arranjo físico. Flexibilidade nos processos e nos roteiros. Facilidade de operar. Facilidade de expansão escalabilidade. Tempo de reconfiguração em caso de mudança de produto. O conceito de flexibilidade está associado à condição de evoluir de fabricação de produtos padronizados para produtos customizados. Contudo, não são todas as

4 plantas que permitem a implementação desses sistemas. Barreiras para adoção da automação podem ser técnicas, econômicas, organizacionais ou até políticas. No Brasil, onde a instabilidade econômica é grande, investir em equipamentos para automatizar o processo é uma decisão bastante difícil, e às vezes até proibitiva, ainda que seja uma oportunidade de melhoria. A implementação de um sistema flexível pode demandar uma reestruturação de toda a planta, elevando os custos. Adicionalmente, pode levar a cortes de mão de obra, gerando conflitos sociais e conflitos com os sindicatos, afetando, muitas vezes, o aumento de produtividade. Contribuição japonesa aos sistemas de produção Uma das grandes contribuições proporcionadas à produção veio do Japão: é o famoso just-in-time, que é uma maneira de gerenciar o canal de suprimento de materiais. O just-in-time (JIT) surgiu no Japão em meados da década de 70, sendo sua ideia básica e seu desenvolvimento creditados à Toyota Motor Company, a qual buscava um sistema de administração que pudesse coordenar a produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo de atraso. Antes da utilização do JIT, as indústrias japonesas e mundiais apresentavam inúmeras restrições na área de manufatura, incluindo restrições de estoque, defeitos em produtos, grandes lotes de produção, ineficiência de entregas e custos elevados. O princípio do just-in-time leva, ainda, a definir que cada operário de um departamento ou seção atue como se o próximo operário ou processo fosse um cliente. Tudo o que se está consumindo está sendo processado para o próximo cliente. Assim, a qualidade do produto final depende de cada pessoa, que deve executar a sua função de forma correta. A figura 1 representa o just-in-time da Toyota. Figura 1 Just-in-time da Toyota

5 O sistema de puxar a produção a partir da demanda, produzir somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário, ficou conhecido no Ocidente como sistema Kanban. Este nome é dado aos cartões utilizados para autorizar a produção e a movimentação de itens ao longo do processo produtivo. Contudo, o JIT é muito mais do que uma técnica ou um conjunto de técnicas de administração da produção, sendo considerado como uma completa filosofia, a qual inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão de recursos humanos. Objetivos do sistema kanban Figura 2 Modelo de etiqueta Kanban Fonte: GHINATO Como objetivos básicos do sistema Kanban podem-se salientar os seguintes: 1. Minimizar o inventário em processo e os estoques de produtos acabados. 2. Minimizar a flutuação dos materiais em processo, visando simplificar o seu controle. 3. Reduzir o "lead time" de produção. 4. Evitar a transmissão de flutuações ampliadas de demanda ou do volume de produção entre processos. 5. Descentralizar o controle da fábrica, fornecendo aos operadores e supervisores de área tarefas no controle de produção e de estoque. 6. Permitir uma maior capacidade reativa do setor produtivo à mudança da demanda. 7. Reduzir os defeitos através da diminuição dos lotes de fabricação. 8. Permitir o controle visual ao longo das etapas de fabricação.

6 9. Fornecer os materiais sincronizadamente, em tempo e quantidade, conforme sua necessidade, no local certo. Segundo Ballou (2006, p. 344), o just-in-time é uma filosofia de planejamento em que todo o canal de suprimentos é sincronizado para reagir às necessidades das operações dos clientes. E suas características principais são: 1. Relações privilegiadas com poucos fornecedores e transportadores. 2. Informação compartilhada entre compradores e fornecedores. 3. Produção/compra e transporte de mercadorias em pequenas quantidades são frequentes e se traduzem em mínimos de estoques. 4. Eliminação das incertezas sempre que possível ao longo do canal de suprimentos. 5. Metas de alta qualidade. A utilização de um sistema JIT com a cadeia de fornecedores deverá possibilitar reduções no custo de armazenagem, controle, depreciação, taxas financeiras e outros custos não associados diretamente ao preço dos produtos (Heinbuch, 1995). A integração e o estabelecimento de parcerias entre fornecedores e hospitais pode reduzir o número de ordens e controles necessários para distribuição interna do material recebido. A Tecnologia de Informação (TI) possibilita tal nível de integração, em que os pedidos podem ser gerados no seu local de consumo diretamente para o fornecedor, e então é feita a entrega diretamente no departamento solicitante, dentro da organização do cliente (North, 1994, Heinbuch 1995, Whitson, 1997). A figura 3 ilustra a possibilidade de integração JIT com os fornecedores no segmento hospitalar mediante a utilização da troca eletrônica de documentos ou dados (do inglês Eletronic Data Interchange - EDI). Figura 3 Integração de Fornecedores Hospitais utilizando EDI Fonte: (SANTOS; MAÇADA)

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Unidade II 3 GESTÃO DA PRODUÇÃO 3.1 Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete

Leia mais

Matéria: Administração de Materiais e Patrimônio - AMP SISTEMA DE PRODUÇÃO. Prof. Esp. Patricia Dias da Silva Peixoto

Matéria: Administração de Materiais e Patrimônio - AMP SISTEMA DE PRODUÇÃO. Prof. Esp. Patricia Dias da Silva Peixoto Matéria: Administração de Materiais e Patrimônio - AMP SISTEMA DE PRODUÇÃO Prof. Esp. Patricia Dias da Silva Peixoto Introdução O estudo detalhado de um objeto ou fenômeno, frequentemente requer a elaboração

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações.

Leia mais

Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Prof. Me. Érico Pagotto Aula 06

Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Prof. Me. Érico Pagotto Aula 06 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Prof. Me. Érico Pagotto Aula 06 Organizações que compõem processo da cadeia de abastecimento Organizações de Fornecimento O papel do fornecedor O que os clientes

Leia mais

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DO JUST-IN-TIME NA ÁREA DE PRODUÇÃO Luiz Eduardo PEREIRA 1 José Artur Teixeira GONÇALVES 2 RESUMO: O objetivo deste artigo é apresentar o sistema Just in Time (JIT) tendo em vista, suas consequências

Leia mais

LOGÍSTICA Gestão de Campras. Prof. Edilson Gestão em Logística

LOGÍSTICA Gestão de Campras. Prof. Edilson Gestão em Logística LOGÍSTICA Gestão de Campras Gestão em O PROCESSO DE COMPRAS - CONCEITO Comprar significa: procurar, adquirir e providenciar a entrega e recebimento de materiais, para a manutenção, a expansão e o funcionamento

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain Conflito Marketing X Logística O aluno deverá ser capaz de: Conhecer os níveis de serviço

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos O problema da gestão descentralizada na cadeia de valor SISTEMAS MÚLTIPLOS ESTÁGIOS ANALOGIA HIDRÁULICA Processamento e Transporte Processo de Fabricação e Transporte JOGO DA CERVEJA Experimento 1: Soluções

Leia mais

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II DEFINIÇÃO ADM. DA PRODUÇÃO II Planejamento do espaço físico objetivando sua melhor ocupação em relação ás máquinas e equipamentos necessários á produção de bens / serviços da empresa. OBJETIVOS Minimizar

Leia mais

SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO HISTÓRIA Toyoda Sakichi 1867/1930 fundador da Toyota Motor Company Toyoda Kiichiró 1894/1952 primeiro presidente da Toyota e pai do carro de passageiros japonês TaiichiOhno criadordosistemajustintime.

Leia mais

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1

Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Arranjo Físico (Layout) Arranjo Físico 1 Projeto do Arranjo Físico (Layout) Projetar um arranjo físico é decidir onde colocar todas as instalações, máquinas, equipamentos e pessoal de produção. O arranjo

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

Gerência de cant eiros

Gerência de cant eiros Gestão de suprimentos Planejamento e controle de estoques (introdução - transparência) Parte da gestão do processo da construção envolve várias áreas de investimento: Organização do cant eiro Recursos

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 7 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupase com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Robô Móvel Colaborativo

Robô Móvel Colaborativo Lançamento Modernize seu processo produtivo Robô Móvel Colaborativo O Robô Móvel Colaborativo da Omron é um Veículo Autônomo Inteligente (AIV) projetado para aumentar a produtividade em processos industriais

Leia mais

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho

Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Unidade II SISTEMA DE QUALIDADE Prof. Linduarte Vieira da Silva Filho Sistemas e Ferramentas de Gestão da Qualidade Estudaremos neste módulo técnicas e metodologias trabalhadas na área da administração

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1

PPCP. Sistemas de PCP no Chão de Fábrica. Prof. Nilton Ferruzzi. Prof. Nilton Ferruzzi 1 PPCP Sistemas de PCP no Chão de Fábrica Prof. Nilton Ferruzzi Prof. Nilton Ferruzzi 1 Sistemas que podem ser utilizados simultaneamente (ou não) * Just in time * MRP * OPT (Optimized Product Technology)

Leia mais

Arranjo Físico e Fluxo

Arranjo Físico e Fluxo Arranjo Físico e Fluxo Definição Arranjo físico é a forma de disposição de instalações, máquinas, equipamentos, pessoal de trabalho em operações industriais, comerciais ou de serviço puro. Determina como

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Just in Time: Controle Kanban. Profª Luani Back

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Just in Time: Controle Kanban. Profª Luani Back ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Just in Time: Controle Kanban Profª Luani Back Sistema Kanban Abastecimento e controle de estoques Idealizado pela Toyota na década de 1960 O objetivo desta técnica é tornar

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês. Prof. Dr. Jorge Caldeira

Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês. Prof. Dr. Jorge Caldeira Abordagens teóricas recentes da Administração: O sistema japonês Prof. Dr. Jorge Caldeira Objetivos da aula - Compreender as diferenças entre os modelos tradicionais e o modelo japonês de administração;

Leia mais

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle

22/08/2014. Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios. Conceito de Planejamento. Conceito de Controle Planejamento e Controle da Produção: Conceito, Finalidades, Funções e Princípios Conceito de Planejamento É a função administrativa que determina antecipadamente quais os objetivos a serem atingidos e

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Empresa Deve: Ser organizada: padronização administrativa (planejamento e controle) Ter qualidade: atender a necessidade dos consumidores (prazo, preço,

Leia mais

6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO

6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO 6 MODELO JAPONÊS DE ADMINISTRAÇÃO Qualidade e eficiência são palavras que faziam parte do cotidiano no Japão. Como era um país privado de recursos naturais, a exportação de produtos manufaturados sempre

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade I Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos A Administração de Materiais Objetivos do módulo Analisar os principais conceitos sobre: Administração de suprimentos Administração de

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

PME 3463 Introdução à Qualidade - T4. Produção Enxuta Grupo - 04

PME 3463 Introdução à Qualidade - T4. Produção Enxuta Grupo - 04 Introdução à Qualidade - T4 Produção Enxuta Grupo - 04 Roteiro da Apresentação 1. Definição 2. Fundamentos 3. Mapeamento da Cadeia de Valor 4. Heijunka 5. KanBan 6. Poka-Yoke 7. Evento Kaizen 8. Gestão

Leia mais

Estratégia de Operações

Estratégia de Operações Estratégia de Operações Prof. MSc. Hugo J. Ribeiro Junior Engenharia de Produção - 9º período Janeiro de 2011 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Competências Essenciais; 3. Prioridades Competitivas; 4. Estratégia

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Prof. Msc. Marco Aurélio

Prof. Msc. Marco Aurélio Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção Prof. Msc. Marco Aurélio Data: 06/02/2012 Plano de Ensino Ementa: Estudos dos aspectos de curto, médio e longo prazo da administração da produção;

Leia mais

Arranjo Físico e Fluxo

Arranjo Físico e Fluxo Arranjo Físico e Fluxo Projeto de produtos e serviços Geração do conceito Projeto de processos Projeto da rede Triagem Projeto preliminar Avaliação e melhoria Arranjo físico e fluxo Prototipagem e projeto

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Aquisição de Recursos Materiais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva 5 CAPÍTULO Aquisição de Recursos Materiais 1 Recursos Materiais São os itens ou componentes que uma empresa utiliza nas suas operações do dia a dia, na elaboração do seu produto final ou na consecução

Leia mais

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo. Administração Níveis de Estoque e Reposição Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX NÍVEIS DE ESTOQUE E REPOSIÇÃO O gráfico abaixo, que define a relação entre o consumo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão de Estoques. Conhecimento. Organização. Informação PROFA. JULIANA SCHMIDT GALERA

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Gestão de Estoques. Conhecimento. Organização. Informação PROFA. JULIANA SCHMIDT GALERA Gestão de Estoques Conhecimento Organização Informação CUSTOS DOS ESTOQUES Juros: Juros médios recebidos em aplicações financeiras ou rentabilidade mínima exigida pela empresa. J = Valor médio do estoque

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena PRATICA 1 : Simulação de uma linha de montagem em sala, vivenciando: Produção empurrada

Leia mais

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA PERGUNTA O que entendo por Logística? E qual sua importância para as empresas no cenário atual? Porque estudar Logística? EVOLUÇÃO Logística Uma função essencial

Leia mais

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva

Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos. Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Logística: gerenciando a cadeia de suprimentos Prof Annibal Affonso Neto Doutor em Estratégia Competitiva Objetivo Esta palestra tratou do gerenciamento logístico e da cadeia de suprimentos. Logística:

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc SISTEMAS DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO TRADICIONAL Este sistema está sempre relacionado com o fluxo de produção. Tem uma orientação

Leia mais

06/04/2016. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. - Aula 04 - e) consumo médio mensal, tempo de reposição e estoque mínimo

06/04/2016. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais. - Aula 04 - e) consumo médio mensal, tempo de reposição e estoque mínimo Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais - Aula 04 - EXTRA 1. (CESPE / TRT 8ª Região / 2016) O gráfico de dente de serra é uma ferramenta utilizada na administração de material para avaliar a

Leia mais

Gestão de Operações III

Gestão de Operações III Gestão de Operações III Parte 2 - Enfoque Sistêmico da Gestão de Operações / Produção Prof. Marcio Cardoso Machado 1 O que é Gestão de Operações A Gestão de Operações / Produção é a atividade de gerenciar

Leia mais

A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação.

A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação. A dinâmica das ferramentas de programação e controle da produção - kanban e quadros de programação. Alessandro Lucas da Silva (USP) als@sc.usp.br Ava Brandão Santana (USP) ava@prod.eesc.usp.br Resumo Gerir

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Gestão de Compras Antes da Primeira Guerra Mundial papel burocrático Década de 70 crise do petróleo Insumos raros e preços em alta Cenário de dúvidas

Leia mais

setor da construção civil Construção Civil, Cliente Final

setor da construção civil Construção Civil, Cliente Final O setor da construção civil está em um momento de transição com as empresas sofrendo crescentes pressões do mercado em busca de menores custos, melhorias em qualidade e flexibilidade no atendimento das

Leia mais

Projeto em administração da produção.

Projeto em administração da produção. MKT-MDL-06 Versão 00 Projeto em administração da produção. Aula 05 Sazonalidade Sazonalidade nada mais é que as variações de demanda que se repetem com o passar do tempo. As variações não são aleatórias,

Leia mais

Profa. Daciane de Oliveira Silva

Profa. Daciane de Oliveira Silva Profa. Daciane de Oliveira Silva O fenômeno da produção NECESSIDADES HUMANAS ABASTECIMENTO DAS NECESSIDADES EMPRESAS PRIMÁRIAS, SECUNDÁRIAS TERCIÁRIAS T. SETOR ORGANIZAÇÃO Produzir, é, portanto, uma necessidade

Leia mais

GESTÃO DE LOGÍSTICA WMS

GESTÃO DE LOGÍSTICA WMS GESTÃO DE LOGÍSTICA WMS TENHA A SOLUÇÃO IDEAL PARA CONTROLE E GESTÃO DO SEU ARMAZÉM COM O WMS DA SENIOR Controle a movimentação e armazenagem para obter maior produtividade, redução de custos e tempo nos

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO

SISTEMAS DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO SISTEMAS DE PRODUÇÃO PROFª MILKA MEDEIROS HTTPS://SITES.GOOGLE.COM/SITE/MMEDEIROSACADEMICO O SISTEMA DE PRODUÇÃO Define-se sistema de produção como o conjunto de atividades e operações inter-relacionadas

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 09 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 09 FILIPE S. MARTINS AULA 09 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO INTRODUÇÃO CADEIA DE ABASTECIMENTO INTEGRADA INVESTIMENTOS EM AUTOMAÇÃO EXEMPLO DE INTEGRAÇÃO A NECESSIDADE DE INTEGRAÇÃO LOGÍSTIC EVOLUIU DE DENTRO PARA FORA DAS ORGANIZAÇÕES,

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Segundo Moura (2004), a administração de estoques ganhou força no cenário das empresas competitivas. O que no passado das organizações era considerado uma estratégia

Leia mais

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Conceitos básicos Logística e Varejo Entendendo a cadeia de abastecimento integrada OBJETIVOS Os conceitos, definições e importância da cadeia de abastecimento;

Leia mais

7/30/2012. Formação. Bases Tecnológicas. Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP. Rodrigo Moraes de Siqueira. Formação: Engenheiro

7/30/2012. Formação. Bases Tecnológicas. Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP. Rodrigo Moraes de Siqueira. Formação: Engenheiro Planejamento Programação e Controle da Produção PPCP Rodrigo Moraes de Siqueira PPCP-Rodrigo Moraes de Siqueira 1 Formação: Engenheiro Formação Especializações: Sistemas de apoio a manufatura Sistemas

Leia mais

Mauro Osaki. Fone: Fax:

Mauro Osaki. Fone: Fax: Objetivos desta apresentação Conceito de JIT JIT, Kanban e Kaizen Aula 11 Mauro Osaki TES/ESALQ-USP Pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada Cepea/ESALQ/USP Importância do JIT Origem

Leia mais

Localização e arranjo físico de unidades da rede de operações

Localização e arranjo físico de unidades da rede de operações Localização e arranjo físico de unidades da rede de operações Profa. Dra. Márcia Mazzeo Grande RAD1512 Administração: gestão e logística Ambiente Estratégia de operações Estratégia Recursos de entradas

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

O objetivo desse conteúdo é apresentar os principais conceitos relacionados ao planejamento estratégico da produção e à formalização desse

O objetivo desse conteúdo é apresentar os principais conceitos relacionados ao planejamento estratégico da produção e à formalização desse O objetivo desse conteúdo é apresentar os principais conceitos relacionados ao planejamento estratégico da produção e à formalização desse planejamento, através da elaboração do plano de produção; 2 Busca

Leia mais

7 DESPERDÍCIOS DA TOYOTA

7 DESPERDÍCIOS DA TOYOTA 7 DESPERDÍCIOS DA TOYOTA 7 DESPERDÍCIOS 1 WWW.VALUESTREAM.PT VSTREAM.WORDPRESS.COM EXCESSO DE PRODUÇÃO Produzir quantidades que o cliente não pediu e/ou antes de serem precisas Grandes quantidades são

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JUST IN TIME Por: Andréia da Conceição Monteiro Orientador Prof. Ana Claudia Morrissy Rio

Leia mais

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade

Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Apêndice do Criando o Sistema Puxado Nivelado Pontos adicionais para a produção de baixo volume e alta variedade Art Smalley Tradução: Odier Araújo Introdução Em 2004 escrevi um manual para o Lean Enterprise

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção

Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção Resumo Aula-tema 05: Planejamento da Produção: Elaboração do Plano de Produção A primeira forma de produção conhecida foi o artesanato, que teve sua origem na Idade Média. O artesão era independente, contando

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 7º aula

GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE. 7º aula GESTÃO DE PROCESSOS PRODUTIVOS E QUALIDADE 7º aula Prof. Alexandre Gonçalves alexandre.goncalves@uninove.br ARRANJO FÍSICO - LAYOUT Planejar o arranjo físico de uma certa instalação significa tomar decisões

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 02. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? Exercício 01 Resposta Conceitue e-business e quais o seu principal objetivo? É todo

Leia mais

Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO

Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof. Fabiano da Veiga GESTÃO DA PRODUÇÃO Prof. Fabiano da Veiga CONTATO E-mail: veiga.fabiano@gmail.com EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS PRODUTIVOS Produção artesanal Produção

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO. Introdução à Gestão da Produção e Operações

GESTÃO DA PRODUÇÃO. Introdução à Gestão da Produção e Operações GESTÃO DA PRODUÇÃO Introdução à Gestão da Produção e Operações 1 Histórico A Revolução Industrial do Século XVIII transformou a face do mundo; Este Revolução marca o início da produção industrial moderna:

Leia mais

Da Escola Clássica à Produção Enxuta

Da Escola Clássica à Produção Enxuta Da Escola Clássica à Produção Enxuta Aula 4 EAD-610 2017 1 SUMÁRIO Evolução do Pensamento Administrativo Administração Científica Taylor Fordismo Sloan Processo Administrativo Fayol Evolução Produção Enxuta

Leia mais

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração (RAD 0111) Prof. Dr. Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Fundamentos da adm. de operações A administração de operações pode ser definida como o campo da administração responsável

Leia mais

2 A Logística História da Logística

2 A Logística História da Logística 2 A Logística 2.1. História da Logística Segundo Neves (2005), a origem da palavra logística vem do grego LOGISTIKOS, do qual o latim LOGISTICUS é derivado, ambos significando cálculo e raciocínio no sentido

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I SISTEMAS DE PRODUÇÃO I Natureza do Planejamento e Controle Cap. 10 Nigel Slack ADMINISTRAÇÃO UEMG CAMPUS FRUTAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO I - 5º Período Prof.º Adriano Reis OPERAÇÕES PRODUTIVAS Planejamento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes

ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Carla Hammes ORGANIZAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Carla Hammes Estudo de caso: Taylor faz uma pergunta ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA ÊNFASE NAS TAREFAS Primeira guerra mundial (1914-18) Eficiência da operação militar americana

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS. Projeto de Programas PPR0001

FUNDAMENTOS DA ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS. Projeto de Programas PPR0001 FUNDAMENTOS DA ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS Projeto de Programas PPR0001 2 Introdução Antes de desenvolver ou construir qualquer produto ou sistema em engenharia é necessário um... o PROJETO O que é um

Leia mais

O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping

O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping O aumento da produtividade com o uso do Value Stream Mapping Por Rodrigo Valillo Pensar Lean pode significar um aumento da capacidade produtiva, fazendo com que a necessidade de se investir em novos equipamentos

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels

AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA DA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels Todos o desenvolvimento na área da Automação Industrial tem

Leia mais

DISPOSITIVO DE PROGRAMAÇAO 1. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels

DISPOSITIVO DE PROGRAMAÇAO 1. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels DISPOSITIVO DE PROGRAMAÇAO 1 Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA DA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels Todos o desenvolvimento na área da Automação Industrial

Leia mais

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados

6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados 6 Análise e Expectativas Contratantes X Contratados Este capítulo oferece a análise e as expectativas das empresas contratantes e contratadas com base nas informações adquiridas na pesquisa de campo objeto

Leia mais

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Layout / Arranjo Físico - Posicionamento físico de recursos transformadores; Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Recursos transformadores: Instalações, máquinas, equipamentos,

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSO

TECNOLOGIA DE PROCESSO TECNOLOGIA DE PROCESSO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc INTRODUÇÃO Tecnologia de processo são máquinas, equipamentos e dispositivos que ajudam a produção a transformar materiais, informações e consumidores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS. Prof. Marcelo Camacho

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS. Prof. Marcelo Camacho ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Prof. Marcelo Camacho ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 1. Gestão de Estoques Estoque pode ser entendido como a acumulação de recursos materiais em um sistema de transformação ou qualquer

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Julia Vasconcelos. Gestão da cadeia de suprimentos

Julia Vasconcelos. Gestão da cadeia de suprimentos Julia Vasconcelos Gestão da cadeia de suprimentos Sumário CAPÍTULO 2 Gestão da Produção e Rede de Operações Produtivas...05 Introdução...05 2.1 Modelos de Produção Contínuo, Intermitente e Flexível...05

Leia mais

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos

Escopo da Intercontinental. Campo de atuação Engenharia de processos Escopo da Intercontinental É analisar o método aplicado no cenário operacional do cliente e realizar a padronização, desenvolvendo melhorias diante da aplicação da metodologia do micromovimento para determinação

Leia mais

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE

APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE APOSTILA GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE AULA 6 ADMINISTRAÇÃO JAPONESA Características da administração Japonesa Administração participativa - A administração japonesa se baseia na forma participativa

Leia mais

A Atividade de Compras

A Atividade de Compras A Atividade de Compras Fernando Lopes de Souza da Cunha A atividade de logística envolve o suprimento de materiais. Nem todos concordaram com isto. BALLOU (1995:27) usou, em nossa opinião, na sua publicação

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I)

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola

Leia mais

Projeto detalhado de Arranjo Físico. Decisão 3

Projeto detalhado de Arranjo Físico. Decisão 3 Projeto detalhado de Arranjo Físico Decisão 3 Decisão de Arranjo Físico O que faz um bom arranjo físico? Segurança do processo: perigo de danos ou de sigilo. Extensão do fluxo: deve ser canalizado pelo

Leia mais

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves

Aula 2. Histórico da Gestão de Processos de Negócio. Prof. Carina Frota Alves Aula 2 Histórico da Gestão de Processos de Negócio Prof. Carina Frota Alves 1 O que mudou no mundo durante a Revolução Industrial? 2 História dos Meios de Produção Antes da revolução industrial, a economia

Leia mais

Aplicativos Integrados. Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi

Aplicativos Integrados. Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi Aplicativos Integrados Profa. Dra. Ellen Francine Barbosa PAE Lívia Castro Degrossi Aplicativos Integrados ERP (Enterprise Resource Planning) CRM (Consumer Relationship Management) SCM (Supply Chain Management)

Leia mais