Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos"

Transcrição

1 O problema da gestão descentralizada na cadeia de valor SISTEMAS MÚLTIPLOS ESTÁGIOS ANALOGIA HIDRÁULICA Processamento e Transporte Processo de Fabricação e Transporte JOGO DA CERVEJA Experimento 1: Soluções Descentralizadas de Reposição de Estoque Almoxarifado Matéria Prima Almoxarifado Acabados Almoxarifado Distribuidor Manuseio e Transporte Manuseio e Transporte Atendi- mento ao Consumidor Almoxarifado Varejista CLIENTE FORMULAÇÃO APRESENTAÇÃO O objetivo deste jogo é simular e possibilitar a vivência de problemas logísticos de gestão materiais em sistemas multi-estágios. de Trabalhamos com um único item de estoque que é distribuído através dos seguintes estágios: VAREJISTA REGIONAL PÓSITO CENTRAL (equivale ao estoque de prod. acabados da fábrica) (equivale ao estoque de matéria prima da fábrica) Há ainda etapas externas ao sistema, que são: (que é o cliente do Varejista) MATÉRIA (que fornece p/ a Fábrica) Não há nenhuma restrição de capacidade de produção ou transporte, ou seja: trata-se estritamente de um problema de gestão de materiais. 1

2 A CAIA SUPRIMENTO - Esquema Físico - OBJETIVOS Cada estágio é gerenciado por uma equipe de maneira independente e descentralizada. MATÉRIA PÓSITO Todo dia, cada grupo decide se quer emitir uma nova ordem de ressuprimento ao seu fornecedor, buscando alcançar os seguintes objetivos: Não deixar faltar material para seu cliente; Manter o menor estoque possível; Reduzir o número de encomendas; Minimizar variações nas quantidades encomendadas (para estabilizar ao máximo o fluxo dos materiais). OBJETIVOS (cont.) Como estes objetivos são claramente conflitantes, a cada um é associado um custo ou penalidade e o objetivo final de cada grupo é o menor custo total possível. Se ocorrer falta de material, a penalidade é de $6 por unidade por dia de atraso. A quantidade não entregue no prazo não é cancelada e deve ser entregue logo que possível. O custo é calculado dia a dia em função do saldo devedor no dia. OBJETIVOS (cont.) O custo de manter estoques é de $1 por unidade estocada por dia. O inventário é apurado ao final do dia como o saldo em mãos mais a quantidade em trânsito até o cliente. O custo do frete é de $5 por ordem de ressuprimento emitida, Valor fixo, independente da quantidade encomendada. O custo por variar a quantidade encomendada é de $2 por unidade alterada. Calculado como a diferença entre a ordem de ressuprimento do dia corrente e a do dia anterior (não importa se para mais ou para menos). 2

3 PREVISÃO VENDAS TEMPOS REPOSIÇÃO Com base no histórico de vendas e na tendência futura do mercado, estima-se que as vendas futuras irão variar em torno de 4 unidades por dia. O tempo de reposição do estoque é composto pelo tempo de transporte mais o tempo de fluxo da informação. Estágios Tempo de Transporte Tempo da Informação Tempo de Reposição Varejista Distribuidor Depósito Fábrica INVENTÁRIO INICIAL (posição no dia zero a noite) ORNS A RECEBER (posição no dia zero a noite) Varejo Distribuidor Depósito Fábrica Saldo Físico em Mãos (=) Estoque em Trânsito (+) (a caminho do cliente de cada estágio) Estoque Físico Total (=) Data de Recebimento Varejista Distribuidor Depósito Fábrica

4 JOGO DA CERVEJA JOGO DA CERVEJA O ESQUEMA FÍSICO A dinâmica do jogo MATÉRIA PÓSITO FOLHA DO TALÃO ORNS (para ressuprimento do estoque) ORM RESSUPRIMENTO De: Para: VAREJISTA Data de Encomenda: 1 Data de Embarque: 3 Prazo de Entrega: 4 ORM RESSUPRIMENTO De: Para: VAREJISTA Data de Encomenda: 1 Data de Embarque: 3 Prazo de Entrega: 4 ORM RESSUPRIMENTO De: VAREJISTA Para: Data de Encomenda: 1 Data de Embarque: 3 Prazo de Entrega: 4 Final do dia / Início de noite Quant. Encomendada: Quant. Encomendada: Quant. Encomendada: CONTROLE Quant. Recebida: CONTROLE Quant. Atendida: 1a.Via: Emitente 2a.Via: Fornecedor 3a.Via: Adm. Central MATÉRIA PÓSITO 4

5 Durante a noite e madrugada Durante o dia (manhã) MATÉRIA PÓSITO MATÉRIA PÓSITO - FLUXO MATERIAL Durante o dia (tarde) Durante o dia (final da tarde) MATÉRIA PÓSITO MATÉRIA PÓSITO - FLUXO INFORMAÇÃO 5

6 MATÉRIA Final do dia / Início de noite PÓSITO SEQUÊNCIA PASSOS DIÁRIOS EXECUTADOS POR CADA ESTÁGIO PASSO QUANDO AÇÃO 1 De manhã De manhã (imediatamente após receber o material) De tarde (após o retorno do caminhão) De tarde (final) Receber e estocar o material que chegou através do caminhão do fornecedor Liberar nova encomenda colocando-a no caminhão do fornecedor (segunda e terceira via) Atender novo pedido do cliente (o de cima da pilha; quando ela estiver com 3 pedidos) colocando o material solicitado no caminhão Decidir a quantidade da encomenda do dia seguinte e preencher as 3 vias do pedido MINHA ENCOMENDA GESTÃO SCENTRALIZADA EXPERIMENTO 1 35 GESTÃO SCENTRALIZADA EXPERIMENTO 1 RESULTADOS Demanda Varejo Distrib. Depósito Fábrica 6

7 Efeito Chicote - Caso Real: Lançamento de um novo Dispositivo de Fita - Produção Total de cada Estágio expressa como Percentual das Vendas Totais ao Consumidor Final - Mecanismo 367% Efeito Chicote: Impacto Médio sobre a Cadeia de Suprimentos* Estágio N..... x 1,7 Estágio 3 Estágio 2 Estágio 1 x 1,7 x 1,7 Circuito Integrado 1021% Placa Montada 448% x 1,5 Montagem e Teste 254% Configuração 191% Distribuição 100% x (1,7) 2 x 2,3 x 1,8 Cabeçote 343% x 1,4 x 1,3 x 1,9 * Adaptado de Vollman et al. Sistemas Planej. Controle Produção p/ Gerenciamento Cadeia Suprimentos, Capítulo 17. Ed. Bookman, 5a ed. x (1,7) n-1 * Segundo estudos de Corey Billington da Hewlett-Packard e equipe, citado por Vollman et al. em Sistemas Planej. Controle Produção p/ Gerenciamento Cadeia Suprimentos, Capítulo 17. Ed. Bookman, 5a ed. SALDO ESTOQUE (Em Mãos -Falta) Gestão Descentralizada Experimento AVALIAÇÃO CUSTO DA CAIA SUPRIMENTOS GESTÃO SCENTRALIZADA EXPERIMENTO 1 Custo de Manter Estoque Custo de Falta de Estoque Custo de Encomendar Custo de Variar a Encomenda TOTAL PÓSITO Varejo Distribuidor Depósito Fábrica TOTAL

8 CONCLUSÕES DO EXPERIMENTO 1 - Gestão Descentralizada - Vantagens: Simplicidade de uso Gestão descentralizada permitindo autonomia e flexibilidade CONCLUSÕES DO EXPERIMENTO 1 - Gestão Descentralizada - Desvantagens: Complexidade de controle (acentuada quando ocor- rem faltas) O conhecimento preciso da curva de demanda só teria utilidade para o Varejista (fornecedor imediato) (Como os demais estágios poderiam prever o perfil da sua demanda?) CONCLUSÕES DO EXPERIMENTO 1 - Gestão Descentralizada - Desvantagens (cont.): Pequenas oscilações no perfil de demanda, geradas pelo consumidor final ou por qualquer estágio, tendem a ocasionar ao longo da cadeia: alterações crescentes na demanda (efeito chicote) perfis de demanda não sincronizada no tempo Cada estágio tende a reagir tardia e acentuadamente às variações de demanda no Varejista Sendo o KANBAN um sistema reativo da reposição de estoques, por que não apresenta estas mesmas desvantagens? Porque o uso correto do KANBAN pressupõe os seguintes parâmetros para este tipo de sistema : Tempo de Reposição pequeno Lotes pequenos Repassando prontamente para os estágios anteriores o mesmo perfil de demandad e estabilizando o fluxo de material Não sendo assim, a implantação do sistema KANBAN poderá trazer surpresas desagradáveis... 8

9 Não sendo possível se trabalhar com tempos de reposição reduzidos e lotes pequenos, será necessário um sistema de planejamento de estoques que : Possa considerar uma previsão de vendas diferenciada e mutável (flexível) por período de tempo Não tenha uma mera visão local (níveis de estoque, pendências, ordens em processo) de cada estágio, Mas sim possa tomar decisões olhando globalmente l o sistema com todas as informações de cada estágio Visando sincronizar prontamente o fluxo de materiais através de decisões de ressuprimento integradas e consistentes. 9

DISCIPLINA TECNOLOGIAS MRP / DRP MRP II ERP - SCM EXERCÍCIOS DE CONSOLIDAÇÃO

DISCIPLINA TECNOLOGIAS MRP / DRP MRP II ERP - SCM EXERCÍCIOS DE CONSOLIDAÇÃO DISCIPLINA TECNOLOGIAS MRP / DRP MRP II ERP - SCM EXERCÍCIOS DE CONSOLIDAÇÃO Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes tipos de estoques operacionais: a) Estoque de Fluxo É o material que está sendo

Leia mais

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17

TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 TÓPICO 9 PLANEJAMENTO MESTRE DA PRODUÇÃO (PMP) E CÁLCULO DAS NECESSIDADES DE MATERIAIS (MRP) Aulas 16 e 17 Planejamento Mestre da Produção (PMP) e Cálculo das Necessidades de Materiais (MRP) Longo/médio

Leia mais

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FOR RNECEDOR FABRICANTE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE Fornecimento físico Planejamento e controle de produção Distribuição física FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FLUXO DOMINANTE DE DEMANDA E DE

Leia mais

Como manter um nível adequado de estoques?

Como manter um nível adequado de estoques? Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de

Leia mais

TECNOLOGIAS DE GESTÃO DE MATERIAIS:

TECNOLOGIAS DE GESTÃO DE MATERIAIS: 1 TECNOLOGIAS DE GESTÃO DE MATERIAIS: SOLUÇÃO DA LISTA DE EXERCÍCIOS E ESTUDOS DE CASO Tecnologias de Gestão de Materiais 1 a QUESTÃO 2 Considere um determinado item de estoque cujo tempo de reposição

Leia mais

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00 AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/2013 10:30 12:00 Assunto: Gestão da cadeia de suprimentos. Consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I)

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produçã e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Empresas como sistemas Empresas como

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS GERENCIAIS DE SÃO PAULO Rubens Vieira da Silva LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Conceituar planejamento e controle da produção; Relação produção e demanda; Relação produção e outras áreas da empresa;

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br UDESC/DEPS Cap 4 Fluxo Con9nuo Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br 2 Conteúdo do Capitulo

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

Decisões de Compras e de Programação dos Suprimentos. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos

Decisões de Compras e de Programação dos Suprimentos. Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos Decisões de Compras e de Programação dos Suprimentos Administração de Logística e da Cadeia de Suprimentos 1 Programa Importância das compras Estratégias de Compras Métodos Quantitativos e Momento dos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Gestão de estoques

Gestão de estoques Gestão de estoques 1 2 0 1 5 1. Relato das visitas Agenda 08 de maio de 2015 Estruturação do plano de ação e busca de informações pendentes 2. Entrega das provas e correção conjunta (revisão) 3. Fechamento

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques

Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Resumo Aula-tema 08: Controle de Estoques Segundo Moura (2004), a administração de estoques ganhou força no cenário das empresas competitivas. O que no passado das organizações era considerado uma estratégia

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

Gestão de Estoques. Logística. Prof. Dr. Claudio Barbieri da Cunha

Gestão de Estoques. Logística. Prof. Dr. Claudio Barbieri da Cunha Gestão de Estoques Logística Prof. Dr. Claudio Barbieri da Cunha Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Transportes março de 2014 Finalidades do estoque Melhorar/garantir

Leia mais

GESTÃO de ESTOQUES. CULTURA de ESTOQUES Enfoque Logístico. Logística Empresarial. Homem das Cavernas... A Cigarra e a Formiga...

GESTÃO de ESTOQUES. CULTURA de ESTOQUES Enfoque Logístico. Logística Empresarial. Homem das Cavernas... A Cigarra e a Formiga... Logística Empresarial GESTÃO de ESTOQUES CULTURA de ESTOQUES Enfoque Logístico Homem das Cavernas... A Cigarra e a Formiga... Guerra e pós-guerra (dispensa)... Período de alta inflação (freezer)... LOGÍSTICA...

Leia mais

O que é Estoque? 09/02/2016. Módulo II Planejamento e Controle de Estoque. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque

O que é Estoque? 09/02/2016. Módulo II Planejamento e Controle de Estoque. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque Módulo II Planejamento e Controle de Estoque Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque O que é Estoque? É o acúmulo de recursos materiais em um sistema de transformação 1 Por

Leia mais

MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES ENTENDENDO O ESTOQUE 01/05/2016 O QUE É ESTOQUE?

MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES ENTENDENDO O ESTOQUE 01/05/2016 O QUE É ESTOQUE? MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ENTENDENDO O ESTOQUE O QUE É ESTOQUE? É o acúmulo de recursos materiais em um sistema de transformação 1 POR QUE SURGEM

Leia mais

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS

ESTUDO DE CASO LOJA DE PEÇAS MOTOPEÇAS ESTUDO DE CASO LOJA DE MOTO 1. Objetivo 1.1. Construção do modelo lógico de dados corporativo da empresa Motopeças através de: 1.1.1. elaboração do modelo lógico de dados dos subsistemas de Controle de

Leia mais

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção)

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Administração Geral e Aplicada Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Eduardo Alves Portela Santos

Leia mais

1. Objetivo. 2. Aplicação. 3. Regras Básicas

1. Objetivo. 2. Aplicação. 3. Regras Básicas POLÍTICA E PROCEDIMENTOS Página: 1 1. Objetivo O Procedimento de Inventário tem por objetivo estabelecer as metodologias dos Inventários Físicos, garantir as apurações das diferenças com o estoque contábil

Leia mais

MICROECONOMIA

MICROECONOMIA MICROECONOMIA 01. (Fiscal ISS-SP/98) Se a quantidade demandada de um bem permanece inalterada quando o seu preço aumenta, pode-se concluir que a elasticidade preço deste bem é: a) Menor do que a unidade.

Leia mais

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000 Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe Manual Setembro de 2000 Sumário Visão Geral.................................................. 1 1 Configuração Configuração do Almoxarifado...............................

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE. Prof. Me. Wesley Vieira Borges

CONTROLE DE ESTOQUE. Prof. Me. Wesley Vieira Borges Prof. Me. Wesley Vieira Borges Estatística aplicada ao planejamento das necessidades Métodos de previsão de demandas Média aritmética Média móvel Média móvel ponderada exponencial Mínimos quadrados MÉDIA

Leia mais

Prof. Luciel Henrique de Oliveira

Prof. Luciel Henrique de Oliveira Logística e Supply Chain Management Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. Porto Alegre: Bookman.

Leia mais

A Atividade de Compras

A Atividade de Compras A Atividade de Compras Fernando Lopes de Souza da Cunha A atividade de logística envolve o suprimento de materiais. Nem todos concordaram com isto. BALLOU (1995:27) usou, em nossa opinião, na sua publicação

Leia mais

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Níveis de Estoque e Reposição. Professor Rafael Ravazolo. Administração Níveis de Estoque e Reposição Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX NÍVEIS DE ESTOQUE E REPOSIÇÃO O gráfico abaixo, que define a relação entre o consumo

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Planejamento Agregado: Maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos de tomadas

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

Gestão da Produção Logística

Gestão da Produção Logística UNIESP Campus Butantã Gestão da Produção Logística LOGÍSTICA EMPRESARIAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT GESTÃO DE DEPÓSITOS OPERADOR LOGÍSTICO ORGANIZAÇÃO PAULISTANA EDUCACIONAL E CULTURAL FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Sistemas de Informação Gerenciais Seção 2.2 Sistemas Empresariais: ERP SCM 1 Sistema empresarial Constitui uma estrutura centralizada para uma organização e garante que as informações possam ser compartilhadas

Leia mais

Proposição de Estudo de Caso para Resolução

Proposição de Estudo de Caso para Resolução NÚCLEO DE PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS Laboratório de Estudos de Casos Proposição de Estudo de Caso para Resolução Código Título EC-0007/11 Chamada Nº EC-002-11 Data de Entrega 04/07/2011 Black &Decker: A

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos GERENCIANDO A FÁBRICA COM A TECNOLOGIA MRP A Empresa A METAL TINTAS S/A produz duas Estudo de Caso Representativo METAL TINTAS tintas anti-corrosivas e, processando termoquimicamente os insumos C e D em

Leia mais

Salve, Franceschi e Canella Ltda

Salve, Franceschi e Canella Ltda Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

4 Metodologia Levantamento de Dados

4 Metodologia Levantamento de Dados 4 Metodologia 4.1. Levantamento de Dados Para se calcular alguns indicadores que auxiliam na definição das características das Configurações Propostas, serão utilizados alguns dados estimados. Estes valores

Leia mais

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame

Métodos de Custeamento. Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Métodos de Custeamento Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame Método de Custeamento RKW ou Pleno e Integral Também denominado método de custeio pleno ou integral, foi desenvolvido na Alemanha no início

Leia mais

7/11/2011 PREVISÃO DE DEMANDA. Introdução. Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex

7/11/2011 PREVISÃO DE DEMANDA. Introdução. Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex PREVISÃO DE DEMANDA Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex Introdução Demanda é definida como a procura por um determinado bem ou serviço. Um produto tem demanda quando há necessidade ou desejo por

Leia mais

Introdução. Problematização. MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques Técnicas de gestão de estoques

Introdução. Problematização. MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques Técnicas de gestão de estoques Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-Graduação MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques Técnicas de gestão de estoques Janaina Padilha Introdução Você gostaria de ser gestor de uma organização

Leia mais

TRANSPORTE E FINANCEIRO INFORMAÇÃO

TRANSPORTE E FINANCEIRO INFORMAÇÃO Logística Integrada e Gestão da Cadeia de Suprimentos TRANSPORTE E FINANCEIRO INFORMAÇÃO 2 INFRAESTRUTURA BRASILEIRA E OS MODAIS DE TRANSPORTE Estudo de caso em equipe de no máximo 5 componentes Estudo

Leia mais

CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS

CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS CRITÉRIOS DE RATEIO E DISTRIBUIÇÃO DE CUSTOS René Gomes Dutra Resumo: Rateio é uma divisão proporcional por uma base que tenha dados conhecidos em cada uma das funções em que se deseja apurar custos. Tal

Leia mais

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc SISTEMAS DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO TRADICIONAL Este sistema está sempre relacionado com o fluxo de produção. Tem uma orientação

Leia mais

Avaliação Quantitativa de Sistemas

Avaliação Quantitativa de Sistemas Avaliação Quantitativa de Sistemas Contexto A Avaliação Quantitativa de Sistemas permite a avaliação de sistemas antes mesmo da sua implementação física. Dessa forma, é possível avaliar um sistema projetado

Leia mais

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa)

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa) 1 VENDAS DIRETAS É comum varejistas no seguimento de materiais de construção realizarem vendas com participação do fornecedor. Essas vendas são realizadas pela loja, no entanto a responsabilidade de entrega

Leia mais

Logística Empresarial. Aula 11

Logística Empresarial. Aula 11 Logística Empresarial Aula 11 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Engenharia Mecânica PROGRAMA. Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 PROGRAMA Disciplina: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Código: MECN0030 Carga Horária Semestral: 0 Horas Obrigatória: Eletiva : sim Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 0 ; TOTAL: 4 Pré-Requisito:

Leia mais

Manual de Usuário. Módulo Acerto Viagens

Manual de Usuário. Módulo Acerto Viagens Manual de Usuário Módulo Acerto Viagens MÓDULO DOS ACERTOS DE VIAGENS DOS MOTORISTAS. Este módulo permite registrar, acompanhar e calcular os valores envolvidos nas viagens dos motoristas ou agregados

Leia mais

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC CAMPINAS Manufatura: definições e Modelos Manufatura de bens: como sendo um sistema que integra seus diferentes estágios, necessitando para isso de

Leia mais

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente.

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente. Picking O processo de picking é considerado uma das atividades mais importantes no armazém, pois cria um diferencial competitivo fundamental para o sucesso da empresa. Outro aspecto importante é quanto

Leia mais

PESQUISA: INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS & SINCRONIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA ADIÇÃO DE VALOR NA CADEIA DE ABASTECIMENTO"

PESQUISA: INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS & SINCRONIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA ADIÇÃO DE VALOR NA CADEIA DE ABASTECIMENTO PESQUISA: INTEGRAÇÃO DE PROCESSOS & SINCRONIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES PARA ADIÇÃO DE VALOR NA CADEIA DE ABASTECIMENTO" PESQUISA OBJETIVO: PORQUE: REALIZADO: FORMATO: RESPOSTAS: Identificar e analisar os pontos

Leia mais

Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos

Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos Lançamento do GDSN Global Data Synchronization Network Cadastro Nacional de Produtos Agenda GS1 e a Automação dos Processos de Supply Chain Conceito GDSN Benefícios Case Carrefour Como começar? GS1 e a

Leia mais

Um pouco sobre nossos serviços

Um pouco sobre nossos serviços Um pouco sobre nossos serviços Nossa Missão Implantar, alimentar, melhorar e monitorar processos nas áreas fundamentais de micro e pequenas empresas, a fim de que se tornem organizações de médio e grande

Leia mais

O papel dos estoques nas empresas

O papel dos estoques nas empresas 7 CAPÍTULO O papel dos estoques nas empresas 1 Estoques Os estoques têm a função de atuar como reguladores do fluxo de negócios 2 Tipos de Demanda Independente: Demanda independente: são itens que dependem,

Leia mais

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution

Soluções Inovadoras. FlyFlex. Fly Solution Soluções Inovadoras FlyFlex Versão 1.00 Fly Solution O Software FlyFlex 1.00 FlyFlex é um software desenvolvido pela empresa Fly Solution para atender a necessidade de gestão de negócios de pequenas e

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento 3: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado e Nivelado de todos os Estágios de Produção e Distribuição JOGO DA CERVEJA Experimento e 3: Integrando

Leia mais

Sérgio Luisir Díscola Junior

Sérgio Luisir Díscola Junior Capítulo-3: Estoque Livro: The Data Warehouse Toolkit - Guia completo para modelagem dimensional Autor: Ralph Kimball / Margy Ross Sérgio Luisir Díscola Junior Introdução Cadeia de valores Modelo de DW

Leia mais

Blackfoot Cosméticos Ltda

Blackfoot Cosméticos Ltda Blackfoot Cosméticos Ltda INTRODUÇÃO A empresa Blackfoot é uma multinacional de origem Norte Americana, presente em mais de 180 países e tem como foco principal a venda de cosméticos com base em um enorme

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 6: Cadeia de Abastecimento Logística Interna na Construção Civil Supply Chain Management Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Cadeia de Abastecimento

Leia mais

PARADAS APRENDENDO SEMPRE 1. Introdução Desde que publiquei a 1ª edição de meu livro Sucesso em Paradas de Manutenção, vários colegas o tem utilizado como bibliografia para suas dissertações de Mestrado

Leia mais

SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO GRIMA - Grupo de Integração da Manufatur SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Izabel Cristina Zattar Os 3 Níveis do Planejamento Horizonte de detalhamento Diário/Semanal Mensal Anual - Nível de detalhamento

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE E O VAREJO- BI

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE E O VAREJO- BI ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ASI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Aula BUSINESS INTELLIGENCE E O VAREJO- BI APRESENTAÇÃO APLICAÇÃO NO VAREJO SUPERMERCADO Business Intelligence

Leia mais

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.2 43. Uma sociedade empresária contratou um seguro anual, em 1º de agosto de 2013, para cobertura de incêndio, avaliado no valor de R$180.000,00, com vigência a partir da assinatura

Leia mais

FURG / ICEAC / ADMINISTRAÇÃO. ADMMAT 2009 (5ª semana) Prof. Vanderlei Borba

FURG / ICEAC / ADMINISTRAÇÃO. ADMMAT 2009 (5ª semana) Prof. Vanderlei Borba FURG / ICEAC / ADMINISTRAÇÃO ADMMAT 2009 (5ª semana) Prof. Vanderlei Borba ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Modelo ou Sistema Duas Gavetas = Two Bins Modelo ABC Modelo ABC origem com economista Vilfredo Pareto

Leia mais

Administração do Transporte 2008

Administração do Transporte 2008 Administração do Transporte 2008 A cadeia de suprimento começa com o cliente e sua necessidade de obter o produto. O próximo estágio dessa cadeia de suprimento é uma loja que o cliente procura. Por exemplo:

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR Sumário CONCEITOS... 3 Vale alimentação e Vale Refeição... 3 CADASTRO... 4 Introdução... 4 Operadora/Classe do benefício... 4 Histórico... 7 Atribuição de funcionários...

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico.

Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico. Àreas Mínimas Deslocamentos e transportes internos são fatores a minimizar para que se alcance um bom arranjo físico. Fatores a considerar: - Área ocupada pelo equipamento na condição mais desfavorável;

Leia mais

Gustavo Barbosa. Entendo a Ruptura e Buscando Solução

Gustavo Barbosa. Entendo a Ruptura e Buscando Solução Gustavo Barbosa Entendo a Ruptura e Buscando Solução Indice Situação Inicial Metodologia Etapas de Medição Resultados Obtidos Situação Final Conclusão Situação Inicial Ruptura de Produtos existe Causas

Leia mais

Exercícios 2ª Avaliação

Exercícios 2ª Avaliação Exercícios 2ª Avaliação Resposta dos exercícios realizados em sala 1 O gerenciamento moderno da qualidade e o gerenciamento moderno de projetos estão alinhados em relação a: A. Satisfação do cliente B.

Leia mais

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade I Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos A Administração de Materiais Objetivos do módulo Analisar os principais conceitos sobre: Administração de suprimentos Administração de

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE 2016. Estabelece calendário de abertura, inventário trimestral, bloqueio e fechamento, referente

Leia mais

Procedimento para Fazer inventario do Termino do exercício.

Procedimento para Fazer inventario do Termino do exercício. Procedimento para Fazer inventario do Termino do exercício. Ir ao Jad caminho abaixo demonstrado Ao entrar no modulo de controle de estoque fazer o seguinte: 1- Emitir a relação dos produtos a inventariar.

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2)

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) 2) TIPOS DE ORÇAMENTO 2.1) Orçamento de Tendências Uma prática muito comum tem sido utilizar os dados passados para projeções de situações futuras. Tal prática tem dado

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels

AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels INTRODUÇÃO, CONCEITO E HISTÓRIA DA AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Dr. Roger Nabeyama Michels Todos o desenvolvimento na área da Automação Industrial tem

Leia mais

Gestão de Logística Apostila 1 Introdução Objetivo

Gestão de Logística Apostila 1 Introdução Objetivo Gestão de Logística Apostila 1 Introdução A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor o nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 15 DECISÕES DE PREÇOS

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 15 DECISÕES DE PREÇOS ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 15 DECISÕES DE PREÇOS Índice 1. Decisões de preços...3 1.1. Determinação de Preços Orientada Para Custos... 3 1.2. Determinação de Preços Orientada Para a Demanda...

Leia mais