Como manter um nível adequado de estoques?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como manter um nível adequado de estoques?"

Transcrição

1 Como manter um nível adequado de estoques? 1 INTRODUÇÃO Sabe-se que ao manter grandes volumes de estoques a empresa irá arcar com custos desnecessários em armazenagem, movimentações e controles, além de deixar de investir os seus recursos financeiros em outras atividades. Porém, também é sabido que as empresas não podem se dar ao luxo de deixar de atender pedidos de venda por falta de produtos. Isso a deixaria menos competitiva no mercado no qual está inserida. Pensando nisso, qual seria o nível ideal de estoques e como a companhia age para manter esse nível? 2 OBJETIVO Identificar a forma de manter um nível adequado de estoque. 3 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 GESTÃO DE ESTOQUES Nas empresas comerciais e industriais os estoques são fundamentais para as suas operações. As quantidades em estoque, a necessidade de compra e o momento certo para fazê-la são questões de grande importância para o sucesso da companhia. Existem parâmetros e procedimentos essenciais para o planejamento de estoques. São três questões básicas e fundamentais: quando fazer o pedido de ressuprimento, o quanto pedir e os procedimentos de controle dos estoques. (BOWERSOX; CLOSS, 2009). O ponto de ressuprimento pode ser definido por item ou centro de distribuição. Pode ser estipulado em unidades ou em dias de suprimento. Esse ressuprimento deve estar baseado na certeza da demanda futura, a partir dos históricos passados.

2 O quanto pedir é uma questão delicada, pois é importante para a empresa que não seja comprado nem a mais nem menos do que o necessário para atender às demandas. De acordo com Pozo (2002), a previsão de estoque, de modo geral, tem base nas informações vindas da área de vendas onde são compostos os dados sobre as demandas do mercado e onde são determinados os níveis de estoque necessários. A previsão das demandas do mercado é uma é um processo de grande importância para o planejamento da empresa, e, por conta disso, deve-se levantar e analisar essas informações com critérios bem definidos. Informações da dinâmica do mercado devem ser utilizadas para que sejam decididos as quantidades e os prazos a serem estabelecidos. Para Bowersox e Closs (2009, p. 236): O princípio que rege a determinação de lotes de compra visa ao equilíbrio entre o custo de manutenção de estoque e o custo de emissão e colocação de pedidos a fornecedores. O pormenor mais importante para compreender essa relação é lembrar que o estoque médio é igual à metade da quantidade do pedido de compra. Portanto, quanto maior for a quantidade do pedido de compra, maior será o estoque médio e, consequentemente, maior o custo anual de manutenção do estoque. É muito comum, a utilização de níveis mínimos e máximos de estoque para fins de gestão de saldos e ressuprimento. Quando determinada mercadoria tem seu saldo inferior ao limite mínimo é o momento de emitir o pedido de compra ou abastecimento. Segundo Bowersox e Closs (2009, p. 258): O sistema reativo de estoques, como indica seu nome, responde às necessidades de controle de estoques de uma empresa, ao longo do canal de distribuição. Os pedidos de ressuprimento são emitidos quando o estoque disponível cai abaixo de um mínimo ou de um ponto de ressuprimento predeterminado. A quantidade pedida é geralmente baseada em algum cálculo de lote, embora também possa ser uma quantidade variável, em função dos níveis de estoques do momento e de um nível máximo predeterminado. Em resumo, um sistema de estoques reativo espera que a demanda dos clientes puxe o produto ao longo do sistema. Existem dois tipos de incertezas que tem influência direta nas políticas de estoque. A primeira alerta para as incertezas nas demandas, que dão origem a flutuações nas quantidades de vendas. A segunda abrange incertezas relacionadas

3 com a duração do ciclo de atividades que dão origem a variações no ciclo de ressuprimento de estoque. (BOWERSOX; CLOSS, 2009). O custo da falta de produtos em estoque pode causar prejuízos à empresa. Esse tipo de custo é difícil de ser calculado com precisão, já que envolve uma série de estimativas, rateios e valores intangíveis. De acordo com Dias (1993), os custos de falta de estoque ou custo de ruptura podem ser determinados das seguintes maneiras: Através de lucros cessantes, devidos a incapacidade de fornecer e também, perdas de lucros com cancelamento de ordens de venda; por meio de custos adicionais, causados por fornecimentos com material de terceiros; por meio de custos gerados por desrespeitar os prazos contratuais como multas, prejuízos, bloqueio de reajuste; e através da mancha na imagem da companhia junto ao mercado o que só vem a beneficiar os concorrentes. É preciso ter consideradas essas incertezas no cálculo de níveis de estoque de segurança para, dessa forma, evitar rupturas ou excessos de mercadorias. Segundo Bowersox e Closs (2009, p. 246): O estoque de segurança é substancialmente diferente para os limites máximo e mínimo. Estoques de segurança existem para amenizar as incertezas de demanda durante o prazo de ressuprimento. Consequentemente, uma política centrada no valor mínimo do ciclo de atividades dá uma proteção inadequada; uma política centrada no valor máximo, ao contrário, resulta em estoque de segurança excessivo. Estoque de segurança é aquele estoque que a organização tem em seus armazéns para que não falte produto para os clientes. Então, são os produtos armazenados para eventuais faltas de produto ou atraso nas entregas. Para Francischini (2002), os desvios mais críticos no processo de reposição de estoque ocorrem em três pontos principais: aumento repentino de demanda aumentos não-previstos da demanda do item em estoque podem ocorrer por várias causas, como, por exemplo, a entrada de um grande pedido do produto final, promoções de venda, etc; atrasos no processo do pedido de compra;

4 falhas no sistema de informação do da área de compras podem gerar demoras na expedição do pedido; atrasos de entrega por conta do fornecedor. o fornecedor muitas vezes não consegue cumprir os prazos de entrega devido a problemas operacionais ou de transporte. Assim, uma forma de se prevenir de rupturas é manter um estoque de segurança que esteja disponível, caso aconteça algum imprevisto, fora do planejado. Quando o impacto das incertezas sobre o ciclo de atividades de estoque não é avaliado de forma estatística, é comum utilizar a política de estoque de segurança baseada na média de dias de ressuprimento. Porém, quando estes ciclos mostram variações relevantes, é preciso um estudo estatístico formal. Nos casos de produção ligada à demanda derivada, a principal incerteza é a do ciclo de atividades. (BOWERSOX; CLOSS, 2009). O ciclo de atividades de estoque é definido como a combinação dos tempos utilizados em atividades relacionadas à comunicação, processamento e transporte. Esses eventos fazem com que a informação ou produto se movimente entre dois locais. O ciclo integrado de atividades é a base para planejar a política de estoque. Até aí, todas as explicações sobre o estoque de segurança consideraram constante o tempo de duração do ciclo de atividades. Quando se tem estoque reserva, sempre que se aumenta a quantidade a ser comprada, também aumenta o estoque médio da empresa. Isso gera aumento de custos de manutenção de armazenagem, e também pode gerar juros, obsolescência, avarias e outros problemas de conservação de mercadorias. Por outro lado, quando se aumenta as quantidades do lote de compra, diminuem os custos da colocação dos pedidos de compra, o custo das unidades compradas, da mão de obra empregada e do manuseio dos produtos. O resultado disso é a existência de dois focos de forças nos afetando, duas fontes opostas, uma encorajando estoques para agilidade no atendimento das vendas, mas com custos mais altos e a outra, alertando sobre esses custos. O lote econômico de compra é a quantidade que equilibra o custo do pedido e o custo de armazenagem. (POZO, 2007). De acordo com Bowersox e Closs (2009, p. 247):

5 Tratar incertezas de demanda e incertezas de ciclos de atividades significa combinar duas variáveis independentes. A duração do ciclo é, pelo menos a curto prazo, independente da demanda diária. No entanto, ao definir estoque de segurança, deve-se calcular o impacto conjunto referente a variações de demanda e de ciclos de atividades. A logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, a movimentação e a armazenagem de materiais, peças e produtos acabados e, também, seus fluxos de informações através da organização e seus canais, de modo a poder maximizar as lucratividades presente e futura mediante atendimento dos pedidos a baixo custo e a plena satisfação do cliente. O mesmo autor menciona também a questão da vantagem competitiva, onde descreve que uma empresa pode alcançar uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes através da logística. A base da vantagem competitiva fundamenta-se, primeiramente, na capacidade de a empresa diferenciar-se de seus concorrentes aos olhos do cliente e, em segundo lugar, pela capacidade de operar a baixo custo. (POZO, 2007). As funções de planejar e controlar estoques são fator primordial, numa boa administração do processo produtivo. 4 CONCLUSÃO Conhecer o mercado e ter acesso às informações de demanda com base no histórico de vendas em determinado período são a base para efetuar uma compra adequada e assim, manter um nível de estoque coerente. Na medida em que se têm as informações e o conhecimento mencionados acima, pode-se definir quantidades mínimas e máximas dos produtos. Para isso, também é importante conhecer o tempo de entrega de cada fornecedor. Além disso, pode haver picos de demanda que não foram previstos e eventuais atrasos por parte de fornecedores. Para contornar tais eventos inesperados, a empresa pode incluir na fórmula do cálculo dos mínimos e máximos uma quantidade de estoque de segurança. Assim, a empresa terá um tempo para tratar as incertezas do mercado sem abrir espaço aos seus concorrentes e sem deixar os seus clientes descontentes.

6 REFERÊNCIAS BOWERSOX, Donald J., CLOSS, David J. Logística Empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimento. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. Ed. São Paulo: Atlas, FRANCISCHINI, Paulino. Administração de materiais e do patrimônio. São Paulo: Pioneira, POZO, Hamilton. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais: uma abordagem logística. 2. ed. São Paulo: Atlas, POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo.

Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Conceituação Entende-se por estoque quaisquer quantidades de bens físicos que sejam conservados, de forma improdutiva, por algum intervalo de tempo. Moreira, 2008 Por que os estoques são necessários? Disponibilizar

Leia mais

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I)

Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Dimensionamento de estoques em ambiente de demanda intermitente (Parte I) Roberto Ramos de Morais Engenheiro mecânico pela FEI, mestre em Engenharia de Produção e doutorando em Engenharia Naval pela Escola

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00 AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/2013 10:30 12:00 Assunto: Gestão da cadeia de suprimentos. Consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 5: Revisão Geral Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Estratégia Corporativa Estratégia corporativa é o processo essencial dentro das organizações,

Leia mais

Aluna: Rosangela dos Santos Padilha Orientador: Ricardo Carreira

Aluna: Rosangela dos Santos Padilha Orientador: Ricardo Carreira Aluna: Rosangela dos Santos Padilha Orientador: Ricardo Carreira Objetivo analisar a gestão de compras na microempresa Rações Pavão. OBJETIVOS ESPECIFICOS Avaliar o método da previsão de venda dos produtos;

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

FAMEBLU Engenharia Civil

FAMEBLU Engenharia Civil Disciplina LOGÍSTICA EMPRESARIAL FAMEBLU Engenharia Civil Aula 6: Cadeia de Abastecimento Logística Interna na Construção Civil Supply Chain Management Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Custos associados ao estoque

Custos associados ao estoque Sumário Custos associados ao estoque Estrutura Básica do Custo de Armazenagem Custo do Espaço de Armazenagem Custo de Perdas! Custo de Serviços de Armazenagem" Custo do Capital# Custo Total de Estocagem

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos O problema da gestão descentralizada na cadeia de valor SISTEMAS MÚLTIPLOS ESTÁGIOS ANALOGIA HIDRÁULICA Processamento e Transporte Processo de Fabricação e Transporte JOGO DA CERVEJA Experimento 1: Soluções

Leia mais

Introdução. Problematização. MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques

Introdução. Problematização. MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques Projeto Curso Disciplina Tema Professora Pós-graduação MBA em Logística Gestão de Materiais e Estoques Estoques Janaina Padilha Introdução A gestão de estoque é uma ferramenta essencial para apoiar os

Leia mais

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS

03/05/2010 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE FABRICANTE FOR RNECEDOR. Fluxo Reverso Devolução ou Reciclagem. FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FOR RNECEDOR FABRICANTE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO CLIENTE Fornecimento físico Planejamento e controle de produção Distribuição física FLUXO DOMINANTE DE PRODUTOS E SERVIÇOS FLUXO DOMINANTE DE DEMANDA E DE

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho Cap. 1 Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução Conteúdo deste Resumo Indicações Bibliográficas 1.2 Conceito de Redes Logísticas Bibliografia da disciplina Indicações bibliográficas para este

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

O que é Estoque? 09/02/2016. Módulo II Planejamento e Controle de Estoque. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque

O que é Estoque? 09/02/2016. Módulo II Planejamento e Controle de Estoque. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque Módulo II Planejamento e Controle de Estoque Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. PLANEJAMENTO Entendendo o Estoque O que é Estoque? É o acúmulo de recursos materiais em um sistema de transformação 1 Por

Leia mais

MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES ENTENDENDO O ESTOQUE 01/05/2016 O QUE É ESTOQUE?

MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES ENTENDENDO O ESTOQUE 01/05/2016 O QUE É ESTOQUE? MÓDULO VI PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ENTENDENDO O ESTOQUE O QUE É ESTOQUE? É o acúmulo de recursos materiais em um sistema de transformação 1 POR QUE SURGEM

Leia mais

APRESENTAÇÃO EQUIPE CHRISTIAN LUIZ NOGAROTTO ÉLCIO JOÃO FERREIRA ERIOVALDO GERALDO GERALDO LUIS GUIMARÃES ORIENTADOR JORGE WILSON MICHALOWSKI

APRESENTAÇÃO EQUIPE CHRISTIAN LUIZ NOGAROTTO ÉLCIO JOÃO FERREIRA ERIOVALDO GERALDO GERALDO LUIS GUIMARÃES ORIENTADOR JORGE WILSON MICHALOWSKI FACULDADE PILARES APRESENTAÇÃO EQUIPE CHRISTIAN LUIZ NOGAROTTO ÉLCIO JOÃO FERREIRA ERIOVALDO GERALDO GERALDO LUIS GUIMARÃES ORIENTADOR JORGE WILSON MICHALOWSKI TEMA LOGÍSTICA REVERSA DE EMBALAGENS DE MADEIRA

Leia mais

7/11/2011 PREVISÃO DE DEMANDA. Introdução. Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex

7/11/2011 PREVISÃO DE DEMANDA. Introdução. Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex PREVISÃO DE DEMANDA Gestão da distribuição Prof. Marco A. Arbex Introdução Demanda é definida como a procura por um determinado bem ou serviço. Um produto tem demanda quando há necessidade ou desejo por

Leia mais

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires

Cadeia de Suprimentos. Aula 1. Contextualização. O que é Supply Chain Management? Prof. Luciano José Pires Cadeia de Suprimentos Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires O que é Supply Chain Management? Atual e futuro A Logística é uma das atividades econômicas mais antigas e também um dos conceitos

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística

Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Desafios da Cadeia de valor Suprimentos e Logística Jose Henrique Germann Diretoria de Consultoria e Gestão Gestão de Suprimentos e Logística CONTEXTO DE SUPRIMENTOS Dilema na Elaboração da Política de

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS. Prof. Fernando Leonel Unidade IV GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Processo de inventário físico 2. Gestão de compras / contratos de fornecimento 3. Comprar ou fabricar?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING Teoria Geral da Administração Professora: Daniele Campos Grupo: Cassius Silva Abreu Italo B. Leão Bettega Luiza Cunha de Menezes Natália Souto Pereira Raphael Gebhard Martins

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko CUSTOS LOGÍSTICOS Profª. Evelise Czerepuszko MISSÃO: O produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. Quais são as consequências da falta do produto? CONCEITO

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

Visão Geral. Compras

Visão Geral. Compras Compras Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Objetivos Instrucionais... 3 2 Compras... 3 3 Gerenciamento de Compra... 4 4 Integrações... 4 5 Macrofluxo... 5 6 Conclusão... 5 2 TOTVS - Visão

Leia mais

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP Curso de Gestão Financeira E Orçamentária 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CUSTEIO POR ABSORÇÃO 5 3. CUSTEIO VARIÁVEL 4. BIBLIOGRAFIA 7 8 5. SLIDES 9 2 CURSO

Leia mais

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS

Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS Disciplina: Processos Organizacionais Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 05 FERRAMENTAS E MÉTODOS PARA A RACIONALIZAÇÃO DOS PROCESSOS 4 Técnicas de Apoio à Melhoria de processo: As Sete Ferramentas

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Professor(es) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO Ano Semestre letivo 2016 02 1. Identificação Código 1.1 Disciplina: Logística A 1640162 1.2

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Entender o significado de orçamento. Identificar os princípios de planejamento. Conhecer as etapas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA BRASÍLIA 2010 Katiane Oliveira Leuciliane Costa Maria José Frazão

Leia mais

Gestão da Produção e Logística

Gestão da Produção e Logística Gestão da Produção e Logística Prof. Ms. Francisco Carlos Merlo Introdução à Logística Introdução à Logística 1. Introdução Não há nada mais difícil de controlar, mais perigoso de conduzir, ou mais incerto

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Ferramentas de Marketing

Ferramentas de Marketing Pesquisa de Mercado, Treinamento de Vendas, Consultoria em Marketing SMGShare Marketing Group Ferramentas de Marketing O SMG presta consultoria para a adoção de Ferramentas de Marketing, auxiliando na

Leia mais

CUSTO-META ASPECTOS RELEVANTES

CUSTO-META ASPECTOS RELEVANTES CUSTO-META ASPECTOS RELEVANTES 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O custo-meta pode ser tratado como uma poderosa ferramenta de redução de custos, seus conceitos, princípios, objetivos, forma de se chegar ao custo-meta

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Informação Prof. Wagner Däumichen Barrella E-commerce e E-business Além de auxiliar na Gestão Empresarial, os Sistemas de Informação

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUE. Prof. Me. Wesley Vieira Borges

CONTROLE DE ESTOQUE. Prof. Me. Wesley Vieira Borges Prof. Me. Wesley Vieira Borges Estatística aplicada ao planejamento das necessidades Métodos de previsão de demandas Média aritmética Média móvel Média móvel ponderada exponencial Mínimos quadrados MÉDIA

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM

Sistemas de Informações Gerenciais. da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Sistemas de Informações Gerenciais da Cadeia de Suprimento ao ERP e ao CRM Empresa digital 2 Sistema Integrado de Gestão e-commerce e empresas parceiras Compras BACK OFFICE FRONT OFFICE SCM - Supply Chain

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médiode Técnico em Logística

Plano de Trabalho Docente Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médiode Técnico em Logística Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho ( Extensão Esterina Placco ) Código:091.01 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO.

empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. empreendedorismo UNIDADE iii- PROCESSO EMPREENDEDOR; AMBIENTES E CARACTERÍSTICAS DE NEGÓCIO. PROCESSO EMPREENDEDOR SE DESENVOLVE AO LONGO DO TEMPO E SE MOVE POR MEIO DE FASES DISTINTAS, MAS INTIMAMENTE

Leia mais

Gestão de Operações III

Gestão de Operações III Gestão de Operações III Parte 2 - Enfoque Sistêmico da Gestão de Operações / Produção Prof. Marcio Cardoso Machado 1 O que é Gestão de Operações A Gestão de Operações / Produção é a atividade de gerenciar

Leia mais

2 A Logística História da Logística

2 A Logística História da Logística 2 A Logística 2.1. História da Logística Segundo Neves (2005), a origem da palavra logística vem do grego LOGISTIKOS, do qual o latim LOGISTICUS é derivado, ambos significando cálculo e raciocínio no sentido

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud

Just in Time e Kanban. Prof.ª Rosana Abbud Just in Time e anban Prof.ª Rosana Abbud Just in Time Just in Time SURGIMENTO Japão Década de 70 Toyota Motor CONCEITO Administração Qualidade Organização Cada processo deve ser abastecido com os itens

Leia mais

Gestão de estoques

Gestão de estoques Gestão de estoques 1 2 0 1 5 1. Relato das visitas Agenda 08 de maio de 2015 Estruturação do plano de ação e busca de informações pendentes 2. Entrega das provas e correção conjunta (revisão) 3. Fechamento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

Gestão de Logística Introdução Objetivo

Gestão de Logística Introdução Objetivo Gestão de Logística ntrodução A logística empresarial estuda como a administração pode prover melhor o nível de rentabilidade nos serviços de distribuição aos clientes e consumidores, através de planejamento,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2. Classificação dos Sistemas de Informação. professor Luciano Roberto Rocha.

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2. Classificação dos Sistemas de Informação. professor Luciano Roberto Rocha. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AULA 2 Classificação dos Sistemas de Informação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com.br SISTEMA DE INFORMAÇÃO É um sistema seja ele automatizado ou manual, que abrange

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

Aula 3. Professora : Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS

Aula 3. Professora : Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Disciplina: Projetos Aula 3 Assunto: Anteprojeto Professora : Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Características

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REITORIA PLANO DE TRABALHO Identificação Aluno (a): Kelly da Cunha Neves Curso: Tecnologia em Logística Coordenador (a) no IF: André Luís Machado Instituição de Destino: Instituto Politécnico do Porto Coordenador

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade III LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Conceituar planejamento e controle da produção; Relação produção e demanda; Relação produção e outras áreas da empresa;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Capítulos 4, 5, 6 e 7 Estratégias de nível empresarial, da unidade de negócio e funcional - Depois que a organização delineou sua missão, objetivos gerais e específicos, a alta administração pode formular

Leia mais

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional

PESQUISA INFORMATIVO SENAI 5.5. Sua participação é importante para o SENAI continuar elevando o nível de qualidade da Educação Profissional INFORMATIVO SENAI 5.5 TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O MUNDO SENAI PESQUISA INSTITUCIONAL S E N A I - R O. 2 01 5 MOSTRAR SEU SORRISO DE SATISFAÇÃO Sua participação é importante para o SENAI continuar

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01

Prova 01. Cadeia de Suprimentos 01 Prova 01 Acadêmico(a): 24/11/2014 Matrícula: Assinatura: Obs: Rubricar cada página da avaliação Pergunta 01 Em toda a cadeia de suprimentos, a utilização de equipamentos e de dispositivos de movimentação

Leia mais

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho

Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho Projeto Curso Disciplina Tema Professor Coordenadora Pós-graduação Engenharia de Produção Logística Empresarial e Cadeia de Suprimentos Logística e seus subsistemas Edelvino Razzolini Filho Luizete Fabris

Leia mais

Sebrae. A importância da gestão dos estoques

Sebrae. A importância da gestão dos estoques E-books Sebrae Crédito e Finanças A importância da gestão dos estoques Metas quanto ao tempo de entrega ao cliente Definição dos níveis de flutuação dos estoques nas questões de vendas e consumo Definição

Leia mais

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO DO PROJETO Gestão de Projetos de Infraestrutura Luciano Rodrigues de Souza GESTÃO DO TEMPO Começar um trabalho sem planejá-lo primeiro, ou seja, partir para o AGIR antes do PENSAR em como agir. Fazer atividades

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS CADEIAS DE VALOR: LOGÍSTICA INTEGRADA X SCM Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Compreender a diferença entre Logística Integrada e Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente.

Picking. Essa atividade pode ter diferença em custos e no tempo do atendimento do pedido, que vai se refletir na satisfação do cliente. Picking O processo de picking é considerado uma das atividades mais importantes no armazém, pois cria um diferencial competitivo fundamental para o sucesso da empresa. Outro aspecto importante é quanto

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Administração - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE GESTÃO DA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA GESTÃO DE PESSOAS DIREITO EMPRESARIAL E TRABALHISTA CONTABILIDADE Os recursos

Leia mais

como eu posso melhorar o desempenho dos meus acordos de nível de serviço ao cliente e reduzir o custo?

como eu posso melhorar o desempenho dos meus acordos de nível de serviço ao cliente e reduzir o custo? RESUMO DA SOLUÇÃO CA Business Service Insight para Gerenciamento do nível de serviço como eu posso melhorar o desempenho dos meus acordos de nível de serviço ao cliente e reduzir o custo? agility made

Leia mais

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Processos de Gerenciamento de Projetos. Parte 02. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Processos de Gerenciamento de Projetos Parte 02 CSE-301 / 2009 / Parte 02 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração:

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I

SISTEMAS DE PRODUÇÃO I SISTEMAS DE PRODUÇÃO I Natureza do Planejamento e Controle Cap. 10 Nigel Slack ADMINISTRAÇÃO UEMG CAMPUS FRUTAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO I - 5º Período Prof.º Adriano Reis OPERAÇÕES PRODUTIVAS Planejamento

Leia mais

Arezzo&Co s Investor Day

Arezzo&Co s Investor Day Arezzo&Co s Investor Day Tecnologia da informação aplicada ao varejo Kurt Richter Diretor de TI 1 Plano estratégico O plano estratégico de TI está bastante alinhado com a visão de longo prazo da Companhia

Leia mais

Conhecimento Específico

Conhecimento Específico Conhecimento Específico Eficiência, Eficácia e Efetividade Professor Rafael Ravazolo Conhecimento Específico EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E EFETIVIDADE Segundo Chiavenato, o desempenho de cada organização deve

Leia mais

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas II.1 ADMINISTRAÇÃO JURÍDICA 1. Diferenciar nos processos administrativos: pessoa física e/ou pessoa jurídica. 2. Interpretar formas de contrato e compreender suas características. 3. Identificar as características

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael

Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Me. Evandro Rafael Unidade II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Me. Evandro Rafael Decisões de financiamento a curto prazo Serão examinadas, as condições para uma apropriada administração das contas que configuram o ativo circulante

Leia mais

Administração. Processo de Gestão de Materiais. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Processo de Gestão de Materiais. Professor Rafael Ravazolo. Administração Processo de Gestão de Materiais Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Materiais A Instrução Normativa 205/88 da

Leia mais

Avaliação de Empresas EAC0570

Avaliação de Empresas EAC0570 Avaliação de Empresas EAC0570 ANÁLISE ESTRATÉGICA O Processo de Avaliação de Empresas Objetivo da avaliação estratégica Por que a análise estratégica é importante? A estratégia direciona as ações de uma

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso

Conceitos de Gestão de Estoques. Prof. Ruy Alexandre Generoso Conceitos de Gestão de Estoques Análise Numérica Prof. Ruy Alexandre Generoso Cálculo do Nível N de Serviço Ótimo Nível de Serviço o (NS): Determinado nível n de estoque E. É a probabilidade de que a demanda

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Aula 07 Juntando a Análise do

Aula 07 Juntando a Análise do Aula 07 Juntando a Análise do Ambiente À Análise da Organização Rosely Gaeta 1 Estudar detalhamento no capítulo 5 Livro Berton Juntando a Análise do Ambiente à Análise da Organização Integração das análises

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços

Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel

Leia mais

Logística Empresarial. Aula 11

Logística Empresarial. Aula 11 Logística Empresarial Aula 11 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística

2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística 2. A Logística e a Indústria do Petróleo 2.1. Conceituação da Logística As funções logísticas, embora não tradicionalmente conceituadas como nos dias de hoje, têm importância nas atividades econômicas

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 2 Índice 1.1- Coordenadores técnicos, almoxarifes,

Leia mais

Embalagens e Manuseio de Materiais

Embalagens e Manuseio de Materiais DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA PROF. ADM ENDERSON FABIAN AULA PARA AS TURMAS DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 Conteúdo 1 Perspectivas de Embalagem 2 Embalagem para Gerar Eficiências no Manuseio de Materiais

Leia mais

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação

Aula 01. Administração de Sistemas de Informação. Sistemas de Informação Administração de Aula 01 Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. (NBR ISO 9000 29/01/2001). Sistema de Informações pode ser considerado como centro de inteligência ou o cérebro

Leia mais

PRODUÇÃO JUST IN TIME

PRODUÇÃO JUST IN TIME PRODUÇÃO JUST IN TIME Jessica Nascimento de Oliveira 1 Larissa Alves da Luz 2 Idimar França de Carvalho 3 INTRODUÇÃO Este artigo trata-se do sistema de administração da produção Just In Time, que tem por

Leia mais

O papel dos estoques nas empresas

O papel dos estoques nas empresas 7 CAPÍTULO O papel dos estoques nas empresas 1 Estoques Os estoques têm a função de atuar como reguladores do fluxo de negócios 2 Tipos de Demanda Independente: Demanda independente: são itens que dependem,

Leia mais