Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos"

Transcrição

1 Unidade I GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos

2 Administração de operações produtivas, seus objetivos e estratégia Objetivos da unidade: Entender a função produção nas diversas organizações. Identificar os objetivos a alcançar. Entender a interferência da estratégia, aplicada à produção. Compreender projeto na administração da produção. Apresentar os tipos de projetos necessários.

3 Visão Geral das Operações RECURSOS PROCESSO DE PRODUÇÃO PRODUTOS E SERVIÇOS

4 Ambiente das Operações Produtivas GLOBAL NACIONAL REGIONAL

5 A função produção é parte do Tripé de funções centrais da organização MARKETING FINANÇAS PRODUÇÃO

6 Modelo geral da administração da produção Objetivos Estratégicos da Produção: estratégia da produção; papel e posição competitiva da produção; Input: recursos a serem transformados; recursos transformadores; Processo de Transformação: projeto; Planejamento e Controle; melhoria. Output: bens; serviços.

7 Modelo de transformação: entradas (inputs) Recursos a serem transformados: Passarão por processo de transformação. Sofrerão um tratamento. Agregação de valor. Tipos de recursos: materiais; informações; consumidores.

8 Modelo de transformação: entradas (inputs) Recursos transformadores: Necessários para transformar os demais recursos. Instalações: máquinas e equipamentos; edifícios; tecnologia. Funcionários planejamento, administração e operação.

9 Modelo de transformação: processo de transformação Processamento de materiais ou Informações, abrangem: Propriedades físicas. Mudança de localização. Alteração de posse. Armazenagem ou guarda.

10 Modelo de transformação: processo de transformação Processamento de consumidores, contém características diferenciadas: propriedades físicas; mudança de localização; estocar (acomodar); mudança do estado fisiológico; mudança do estado psicológico.

11 Modelo de Transformação: saídas (outputs) Aspectos importantes a considerar entre os Bens e Serviços: Tangibilidade. Estocabilidade. Simultaneidade. Contato com o consumidor. Qualidade.

12 Interatividade Administrar a produção significa a forma como as organizações produzem bens e serviços. O processo de transformação, estudado no Modelo Geral de Administração da Produção, abrange: a) Projeto, planejamento e melhoria. b) Estratégia, objetivos e saídas. c) Ambiente e objetivos. d) Entrada, estratégia e ambiente. e) Papel e posição competitiva.

13 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Volume Volume de saída alto: repetição de tarefas; especialização; sistematização; uso intensivo de capital; custos unitários baixos.

14 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Volume Volume de saída baixo: baixo grau de repetição; maior participação dos funcionários; menor sistematização; maior custo unitário;

15 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Variedade Alta variedade: produção deve ser flexível; oferecimento de ampla gama de soluções; atendimento das expectativas do cliente; custo unitário alto.

16 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Variedade Baixa variedade: produção bem definida; rotineira e padronizada; caracteriza-se pela constância regular; custo unitário baixo.

17 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Variação da Demanda Alta variação: adaptabilidade da capacidade de produção; alta flexibilidade; ajustável à demanda; alto custo unitário.

18 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Variação da Demanda Baixa variação: produção rotineira, estável e previsível; alta utilização da capacidade produtiva; baixo custo unitário.

19 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Visibilidade Alta visibilidade: espera com tolerância limitada; satisfação depende da percepção; habilidade no atendimento; alta variedade recebida; alto custo unitário.

20 Aspectos de diferenciação das operações de produção: Visibilidade Baixa visibilidade: tempo da produção ao consumo; padronização; menos habilidade no atendimento; alta utilização dos funcionários; decisões centralizadas; baixo custo unitário.

21 Papel estratégico e objetivos da produção Implementadora da estratégia. Apoiadora da estratégia. Impulsionadora da estratégia.

22 Objetivos estratégicos amplos e os Stakeholders Solidariedade (comunidade) Fornecedores Consumidores Acionistas Empregados

23 Os cinco objetivos de desempenho Qualidade: Fazer certo as coisas e na primeira vez. Rapidez: melhoria do Lead Time tempo entre o pedido e a entrega ao cliente. Confiabilidade: fazer as coisas em tempo. Flexibilidade: a capacidade d de mudar o que faz, como faz e quando faz. Custo: devido grande concorrência em preço, o custo é um dos objetivos principais.

24 Interatividade O objetivo de desempenho da produção, denominado Flexibilidade, pretende, prioritariamente, capacitar a produção em: a) Reduzir os custos e, consequentemente, o preço. b) Fazer as coisas em tempo. c) Mudar o que, como e quando fazer as coisas. d) Diminuir o tempo entre o pedido e a entrega. e) Fazer certo as coisas.

25 Características de projetos Objetivo da Atividade de Projeto: satisfazer as necessidades dos consumidores. Aplicação dos projetos: projeto de produtos; projeto de serviços; projeto de sistemas; projeto de processos. A atividade id d de projeto consiste em processo de transformação. Iniciam-se com conceitos que são transformados em especificações.

26 Impacto do projeto de produto/serviço nos objetivos de desempenho Objetivo de Desempenho Qualidade Rapidez Confiabilidade Flexibilidade Custo Influência do bom projeto Eliminação de falhas potenciais Geração rápida Previsibilidade do processo Variedade de produto/serviço Redução simples ou combinada

27 Impacto do projeto de processo nos objetivos de desempenho Objetivo de Desempenho Qualidade Rapidez Confiabilidade Flexibilidade Custo Influência do bom projeto Recursos conforme o plano Movimentação de materiais Tecnologia e pessoal Fácil modificação recursosrsos Eficiência

28 Projetos de produtos/serviços suas inter-relações e simultaneidade Produtos e serviços Projeto visando produção eficaz Processos Projeto visando produção eficientes Projeto de Produto ou serviço Projeto de Processo Decisões em um projeto que afeta o outro

29 Processo de filtragem de ideias: depuração do número de ideias Grande número de opções de projeto -Marketing -Finanças -Produção Filtros de avaliação e escolha Projeto Selecionado

30 Volume versus Variedade: Projeto Volume Variedade Projeto Enfatizado BAIXO ALTO PROJETO DE PRODUTO/SERVIÇO ALTO BAIXO PROJETO DE PROCESSO

31 Volume versus Variedade: Localização Volume Variedade Localização BAIXO ALTO PODE SER DESCENTRALIZADO ALTO BAIXO GERALMENTE CENTRALIZADO

32 Volume versus Variedade: Fluxo Volume Variedade Fluxo BAIXO ALTO INTERMITENTE ALTO BAIXO CONTÍNUO

33 Volume versus Variedade: Tecnologia de Processo Volume Variedade Tecnologia BAIXO ALTO PROPÓSITO GERAL ALTO BAIXO ESPECÍFICO

34 Volume versus Variedade: Habilidade dos Funcionários Volume Variedade Foco da Habilidade BAIXO ALTO TAREFA ALTO BAIXO SISTEMA

35 Interatividade A atividade de projeto inicia-se pela seleção entre diversas ideias, através de filtros de avaliação e escolha. Estes filtros são formados principalmente, pelas visões de: a) Volume, Variedade e Tamanho. b) Estratégia, objetivos e saídas. c) Marketing, finanças e produção. d) Sistemas, serviços e processos. e) Gerentes de operação e fornecedores.

36 Tipos de processos em operações de manufatura PROJETO VOLUME V A R I E D A D E JOBBING LOTES EM MASSA CONTÍNUO

37 Tipos de processos em operações de serviços VOLUME V A R I E D A D E SERVIÇOS PROFISSIONAIS LOJAS DE SERVIÇOS SERVIÇOS DE MASSA

38 Projeto de produtos e serviços: Etapas a serem desenvolvidas Geração do conceito. Triagem. Projeto preliminar. Avaliação e Melhorias. Prototipagem. Projeto Final: Conceito. Pacote. Processo.

39 Questões a serem respondidas pelos filtros funcionais: Marketing Viabilidade: Será o mercado suficientemente grande? Aceitabilidade: Quanto do mercado ganharemos? Vulnerabilidade: Qual o risco do fracasso no mercado?

40 Questões a serem respondidas pelos filtros funcionais: Finanças Viabilidade: Existe acesso a financiamento para desenvolver/lançar? Aceitabilidade: Qual o retorno sobre o investimento (RSI)? Vulnerabilidade: Quanto dinheiro poderemos perder?

41 Questões a serem respondidas pelos filtros funcionais: Produção Viabilidade: Possuímos capacidade para produzir? Aceitabilidade: Quanto teremos que organizar para produzir? Vulnerabilidade: Qual o risco de não conseguirmos produzir adequadamente?

42 Etapas da decisão de arranjo físico: Decisão: Projeto detalhado de Arranjo Físico Posição física de todos os recursos: Instalações. Máquinas. Equipamentos. Pessoal de Produção.

43 Tipos básicos de arranjo físico: Arranjo Posicional Recursos a serem transformados não se movem. O recursos transformadores são móveis: máquinas; equipamentos; operários. Exemplos de operações: construção de rodovia; cirurgia i de coração; restaurante a la carte; estaleiro; manutenção de main frame.

44 Tipos básicos de arranjo físico: Arranjo por Processos Necessidades e conveniências dos recursos transformadores dominam as decisões. Processos com necessidades similares são dispostos juntos uns dos outros. Os diversos fluxos de produção, adéquam-se aos arranjos. A diversidade de fluxos gera um padrão bem complexo. Exemplos: Processos hospitalares, usinagem de peças, supermercados.

45 Tipos básicos de arranjo físico: Arranjo Celular Processos ou partes semelhantes são alocados em uma área específica da operação (célula de manufatura). Formada a célula, aloca-se todos os recursos necessários dentro destas. Ordenamento do complexo fluxo de tráfego do arranjo físico por processo. Exemplos: montagem de placas de computadores; produtos específicos de um supermercado; maternidade em um hospital.

46 Tipos básicos de arranjo físico: Arranjo por Produtos Conveniência dos recursos transformados centralizam as decisões. Sequência das atividades necessárias ordena o posicionamento das máquinas. Denominado de arranjo em fluxo ou em linha. Por exemplo: Montagem de automóveis. Programa de vacinação em massa. Restaurante com buffet (self-service).

47 Interatividade O arranjo físico consiste no posicionamento dos recursos de transformação. Analisando as características do Arranjo Físico Celular, pode-se citar: a) As conveniências dos recursos transformadores dominam as decisões. b) Recursos transformados não se movem. c) A disposição das instalações segue a sequência dos recursos transformados. d) Processos semelhantes são dispostos em uma área específica da operação. e) Todas as alternativas anteriores estão corretas.

48 ATÉ A PRÓXIMA!

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas

Unidade I. Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia. Prof. Fabio Uchôas Unidade I Administração das Operações Produtivas Seus objetivos e estratégia Prof. Fabio Uchôas Administração das Operações Produtivas Administrar a produção significa a forma como as organizações produzem

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 7 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupase com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

É o termo usado para as atividades, decisões e responsabilidade dos gerentes de produção.

É o termo usado para as atividades, decisões e responsabilidade dos gerentes de produção. Apostila 01 - Introdução Administração da Produção (ou de operação) É o termo usado para as atividades, decisões e responsabilidade dos gerentes de produção. Trata da maneira pela qual as organizações

Leia mais

Gestão de Operações III

Gestão de Operações III Gestão de Operações III Parte 2 - Enfoque Sistêmico da Gestão de Operações / Produção Prof. Marcio Cardoso Machado 1 O que é Gestão de Operações A Gestão de Operações / Produção é a atividade de gerenciar

Leia mais

O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A

O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A Projetos e Arranjos O PROJETO O OBJETIVO DO PROJETO É SATISFAZER AOS CONSUMIDORES A ATIVIDADE DE PROJETO APLICA-SE TANTO A PRODUTO COMO A PROCESSOS (SISTEMAS) A ATIVIDADE DE PROJETO É EM SI MESMA UM PROCESSO

Leia mais

ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT. Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski

ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT. Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski ARRANJOS FÍSICOS OU LAYOUT Aulas 6 e 7 - Regina Meyer Branski Modelo Geral da Gestão de Operações RECURSOS A SEREM TRANSFORMADOS MATERIAIS INFORMAÇÕES CONSUMIDORES AMBIENTE ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO. Introdução à Gestão da Produção e Operações

GESTÃO DA PRODUÇÃO. Introdução à Gestão da Produção e Operações GESTÃO DA PRODUÇÃO Introdução à Gestão da Produção e Operações 1 Histórico A Revolução Industrial do Século XVIII transformou a face do mundo; Este Revolução marca o início da produção industrial moderna:

Leia mais

ARRANJO FÍSICO E FLUXO. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R.

ARRANJO FÍSICO E FLUXO. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. O arranjo físico de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento físico dos recursos de transformação. Restaurante - a la carte

Leia mais

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local

Layout / Arranjo Físico. Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Layout / Arranjo Físico - Posicionamento físico de recursos transformadores; Posicionamento físico: Disposição dentro de um ambiente ou de um local Recursos transformadores: Instalações, máquinas, equipamentos,

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Projeto em administração da produção.

Projeto em administração da produção. MKT-MDL-06 Versão 00 Projeto em administração da produção. Aula 05 Sazonalidade Sazonalidade nada mais é que as variações de demanda que se repetem com o passar do tempo. As variações não são aleatórias,

Leia mais

Administração de Operações Produtivas

Administração de Operações Produtivas Administração de Operações Produtivas Professor conteudista: Rodolpho Antonio Mendonça Wilmers Sumário Administração de Operações Produtivas Unidade I 1 ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS, SEUS OBJETIVOS

Leia mais

Verifique abaixo algumas características de transformação:

Verifique abaixo algumas características de transformação: GESTÃO DA PRODUÇÃO Evolução da produção para atender a demanda De acordo com Bertaglia (2009, p. 122), o termo produção normalmente nos remete a um conjunto de plantas, equipamentos e linhas de montagem.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - 2

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - 2 Hierarquia do sistema de produção A maioria das áreas de produção é formada por várias unidades ou departamentos que funcionam como partes da operação global da organização. Todas as macro-operações são

Leia mais

PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS Aula 6 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira SISTEMAS PRODUTIVOS I PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS 1 Objetivo da aula Apresentar conceitos sobre o que é projeto de produtos

Leia mais

ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 8 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 8 Que é tecnologia de processo? ecnologia de Processo Quais são as tecnologias de processamento

Leia mais

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7

Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 7 Quais são os tipos básicos de arranjo físico usados em produção? rranjo físico e fluxo Qual tipo de arranjo físico uma operação deveria escolher?

Leia mais

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área

Missão e objetivos da empresa X X X X X. Objetivos por área X X Qualidade das informações X X X X X Integração dos orçamentos por área Visão por meio das atividades de valor) Preço Prazo Assistência Técnica Modelo de gestão Análise de aspectos políticos governamentais, econômicos e legais Planejamento estratégico Orçamento empresarial

Leia mais

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral

Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica. Antonio Cabral Aumentando a Produtividade e Reduzindo os Custos da Fábrica Antonio Cabral acabral@maua.br Roteiro Desafio; Sistemas; O custo e o valor do controle de processo; Mapeamento; Principais indicadores usados

Leia mais

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges

Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC. Prof. Dr. Marcos Georges Sistema de Manufatura: Conceitos e Classificação PUC CAMPINAS Manufatura: definições e Modelos Manufatura de bens: como sendo um sistema que integra seus diferentes estágios, necessitando para isso de

Leia mais

PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO

PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO PROJETO EM GESTÃO DE PRODUÇÃO Aula 5 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira SISTEMAS PRODUTIVOS I 1 Objetivo da aula Apresentar conceitos sobre o que é projeto de gestão da produção. Quais objetivos a atividade

Leia mais

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO) LOGÍSTICA INTEGRADA 4º AULA 06/SET/11 SISTEMAS DE PRODUÇÃO (continuidade) ARRANJO FÍSICO E FLUXO TIPOS DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO a) PRODUÇÃO CONTÍNUA (PRODUÇÃO REPETITIVA) b) PRODUÇÃO INTERMITENTE (NÃO CONTÍNUO)

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos 1 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção é a transformação de alguma coisa em outra com maior valor. Todos estamos envolvidos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E. Profa. Lérida Malagueta

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E. Profa. Lérida Malagueta Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Inovação Inovação em produtos e serviços é o tema atual discutido nas escolas e nas empresas. Através de novos produtos e serviços

Leia mais

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena

Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção. Prof. Valdir Tavares de Lucena Gestão de Produção Aula2: (cont.) Conceitos e Fundamentos da Administração da Produção Prof. Valdir Tavares de Lucena PRATICA 1 : Simulação de uma linha de montagem em sala, vivenciando: Produção empurrada

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko CUSTOS LOGÍSTICOS Profª. Evelise Czerepuszko MISSÃO: O produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. Quais são as consequências da falta do produto? CONCEITO

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 2 16/08 Objetivo: relembrar o que foi dado, tirar possíveis dúvidas

Leia mais

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos

Gestão de Processos. Gestão de Processos na Saúde. Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos Gestão de Processos na Saúde Marcelo.Aidar@fgv.br 1 Gestão de Processos Identificação, mapeamento, redesenho e aprimoramento dos processos 2 O Ambiente de Negócios e os Stakeholders AMBIENTE DE AÇÃO INDIRETA

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS NO SETOR PÚBLICO P : O DESAFIO. Brasília, Setembro 2005 CUSTOS NO SETOR PÚBLICO: P Diversidade de visões. Objetivos - custo para otimização de resultados, para melhoria de

Leia mais

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II

09/09/2011 DEFINIÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS TIPOS DE ARRANJO ADM. DA PRODUÇÃO II DEFINIÇÃO ADM. DA PRODUÇÃO II Planejamento do espaço físico objetivando sua melhor ocupação em relação ás máquinas e equipamentos necessários á produção de bens / serviços da empresa. OBJETIVOS Minimizar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO Unidade III ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e Controle de Produção (PCP) O PCP é uma função de apoio da administração de produção. Desenvolve funções de planejar

Leia mais

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1

Sumário. PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos. Capítulo 2. Capítulo 1 Sumário PARTE 1 Gestão logística da cadeia de suprimentos Capítulo 1 Cadeias de suprimentos no século xxi... 2 A revolução da cadeia de suprimentos... 4 Integração gera valor... 6 Modelo geral de cadeia

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra.

Prof. Silene Seibel, Dra. Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br Início da produção em massa; Procurou identificar a melhor forma de fazer o trabalho baseado em princípios científicos. Inicio da engenharia industrial; Inovações

Leia mais

TECNOLOGIA DE PROCESSO

TECNOLOGIA DE PROCESSO TECNOLOGIA DE PROCESSO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc INTRODUÇÃO Tecnologia de processo são máquinas, equipamentos e dispositivos que ajudam a produção a transformar materiais, informações e consumidores

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS ESTRATÉGIA LOGÍSTICA E POLÍTICA DE PRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer o que são estratégias de posicionamento logístico Compreender as políticas

Leia mais

Processos de Projeto. Processos de Projeto. Tipos de Processos. Processo Jobbing. O que é um Mapa de Processo?

Processos de Projeto. Processos de Projeto. Tipos de Processos. Processo Jobbing. O que é um Mapa de Processo? Processos de Projeto Tipos de Processos de Manufatura Layout de Produção São os que lidam com produtos variados; Customizados; Período de tempo para fazer o produto ou o serviço é relativamente longo;

Leia mais

Introdução à Qualidade

Introdução à Qualidade Introdução à Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Introdução A Gerência da Qualidade quando focada na busca pela Qualidade Total possibilita a empresa dirigir seus esforços para: Melhorar de

Leia mais

Clovis Alvarenga-Netto

Clovis Alvarenga-Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Materiais e processos de produção IV Maio/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 10 Planejamento, programação e controle da produção e estoques

Leia mais

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa

Produção. Capítulo 1. André Jun Nishizawa Produção Capítulo 1 Sumário As empresas Mercadorias e serviços Sistemas de produção Fatores de produçã e recursos empresariais Capital financeiro e capital econômico Empresas como sistemas Empresas como

Leia mais

Prof. Eng. Rafael Pacheco de Oliveira Andreozzi

Prof. Eng. Rafael Pacheco de Oliveira Andreozzi Prof. Eng. Rafael Pacheco de Oliveira Andreozzi E-mail: pacheco813@hotmail.com Após definidas as prioridades e estratégias de competitividade, é necessário planejar as operações para que seja possível

Leia mais

Projeto detalhado de Arranjo Físico. Decisão 3

Projeto detalhado de Arranjo Físico. Decisão 3 Projeto detalhado de Arranjo Físico Decisão 3 Decisão de Arranjo Físico O que faz um bom arranjo físico? Segurança do processo: perigo de danos ou de sigilo. Extensão do fluxo: deve ser canalizado pelo

Leia mais

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas

Unidade III. ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção. Prof. Fabio Uchôas Unidade III ADMINISTRAÇÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS O planejamento e controle da produção Prof. Fabio Uchôas Planejamento e controle da produção Planejamento e controle Objetiva garantir que os processos

Leia mais

Unidade III GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade III GESTÃO DAS OPERAÇÕES. Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade III GESTÃO DAS OPERAÇÕES PRODUTIVAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Planejamento e controle da produção - Objetivos Objetivos da unidade: Apresentar as definições e conceitos, importantes para o entendimento

Leia mais

S08. Sistemas Flexíveis de Manufatura (SFM) Flexible Manufacturing System (FMS)

S08. Sistemas Flexíveis de Manufatura (SFM) Flexible Manufacturing System (FMS) S08 Sistemas Flexíveis de Manufatura (SFM) Flexible Manufacturing System (FMS) S08 Sistemas Flexíveis de Manufatura (SFM) Flexible Manufacturing System (FMS) S08 Sistemas Flexíveis de Manufatura (SFM)

Leia mais

Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços

Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro Colegiado de Engenharia de Produção Gerenciamento das relações de fornecimento de serviços Disciplina: Gestão de serviços Professor: Marcel

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I

Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais I Recursos e PRP (Processo de Realização do Produto) Prof. Marcos César Bottaro Os Recursos RECURSOS: é tudo que gera ou tem a capacidade de gerar riqueza

Leia mais

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software

Agenda da Aula. Arquitetura de Software e Padrões Arquiteturais. Elementos de um Padrão. Arquitetura de Software. Arquitetura de Software Reuso de Software Aula 04 Agenda da Aula Arquitetura de Software e Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 14 Março 2012 Arquitetura de Software Padrões arquiteturais

Leia mais

CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR 09/02/2016 ESTRATÉGIA COMPETITIVA. (Alves Filho, 99)

CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR 09/02/2016 ESTRATÉGIA COMPETITIVA. (Alves Filho, 99) CADEIA DE VALOR E LOGÍSTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc A LOGISTICA PARA AS EMPRESAS CADEIA DE VALOR ESTRATÉGIA COMPETITIVA é o conjunto de planos, políticas, programas e ações desenvolvidos

Leia mais

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO

MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO 07/09/2015 FLUXO DE PRODUÇÃO MÓDULO 03 PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc SISTEMAS DE PRODUÇÃO SISTEMAS DE PRODUÇÃO TRADICIONAL Este sistema está sempre relacionado com o fluxo de produção. Tem uma orientação

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

INTRODUÇÃO À LOGISTICA

INTRODUÇÃO À LOGISTICA INTRODUÇÃO À LOGISTICA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc VAMOS NOS CONHECER Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção e Logística, SENAI

Leia mais

MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL

MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL MELHORIA DA EFICÁCIA DO ARRANJO FÍSICO FUNCIONAL DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FEDERAL Higor Oliveira de Queiroz (IFRN) higorqueirozoliveira@gmail.com Gabryela Cristina Sales da Costa (IFRN) gabicosta319@gmail.com

Leia mais

Etapas que antecedem a elaboração de um plano de negócios 1. Avaliação Preliminar

Etapas que antecedem a elaboração de um plano de negócios 1. Avaliação Preliminar Etapas que antecedem a elaboração de um plano de negócios 1. Avaliação Preliminar A - Mercado consumidor Características: É uma nova maneira de satisfazer a uma necessidade É um mercado mal atendido ou

Leia mais

Estratégia de Operações

Estratégia de Operações Estratégia de Operações Prof. MSc. Hugo J. Ribeiro Junior Engenharia de Produção - 9º período Janeiro de 2011 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Competências Essenciais; 3. Prioridades Competitivas; 4. Estratégia

Leia mais

9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS

9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS 105 106 9. ARRANJO FÍSICO DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS A descrição de como são dispostos tradicionalmente os centros de trabalho em instalações produtivas e suas principais características é o objetivo de

Leia mais

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014

Conceito: estratégia de produção. Gestão da Produção Aula 3. Conceito: estratégia de produção. Conceito: estratégia de produção 03/04/2014 Gestão da Produção Aula 3 Estratégia de Produção: Origens e Novas Orientações Uma estratégia de produção é formada a partir de um conjunto de metas, políticas e restrições auto impostas, que descrevem

Leia mais

Eficiência e Eficácia

Eficiência e Eficácia Eficiência e Eficácia Desempenho das Organizações A eficiência é determinante da eficácia: caso haja recursos disponíveis, e estes forem utilizados corretamente, a probabilidade de atingir os objetivos

Leia mais

Profª Mônica Suely G. de Araujo

Profª Mônica Suely G. de Araujo Profª Mônica Suely G. de Araujo Desempenho Características Confiabilidade Reputação 2 1 Durabilidade Utilidade Resposta Estética 3 Projeto Conformidade Capabi lidade Atendi mento ao Cliente Cultura da

Leia mais

Administração de Produção Prof. Vilmar da Silva A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem

Administração de Produção Prof. Vilmar da Silva A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem A Produção nos segmentos diferentes das empresas Todos produzem Objetivo: Evidenciar que a produção não se faz somente na área afim, é o resultado de toda uma linha de esforço Até 1950 Via de a regra área

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT

PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT PROJETO DE FÁBRICA E LAYOUT Ricardo A. Cassel Escopo da disciplina Foco no planejamento de instalações de manufatura Contudo, os princípios e práticas valem para instalações tão variadas quanto um hospital,

Leia mais

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS

08/11/2011 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS PRODUTOS OU SERVIÇOS FLUXO DE MATERIAIS Uma Abordagem Introdutória ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Na realidade, toda indústria é um fluxo contínuo de materiais que são processados ao longo de várias atividades no sistema produtivo. Essa dinâmica

Leia mais

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO.

A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. A CONSIGAZ RECEBERÁ SUA INSCRIÇÃO COM IMENSA SATISFAÇÃO. REALIZAREMOS A TRIAGEM DOS CURRÍCULOS DE ACORDO COM O PERFIL NECESSÁRIO. Consultor Comercial Supervisionar as atividades dos postos de venda, administrar

Leia mais

(esforço). Competência entendida segundo três eixos:

(esforço). Competência entendida segundo três eixos: em Gestão de Projetos Prof. Roberto Paixão Introdução Competência = com (conjunto) + petere (esforço). Competência entendida segundo três eixos: Características da pessoa; Formação educacional; Experiência

Leia mais

Marketing. Conceitos Fundamentais Evolução do Conceito de. Marketing. Análise ambiental

Marketing. Conceitos Fundamentais Evolução do Conceito de. Marketing. Análise ambiental Marketing Conceitos Fundamentais Evolução do Conceito de Marketing Análise ambiental Bibliografia : Princípios de Marketing KOTLER e ARMSTRONG; Marketing Criando valor para o cliente CHURCHILL JR e PETER;

Leia mais

GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI

GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI GESTÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: WANESSA PAZINI A Função de Operações A função de operações de uma organização é responsável por produzir seus produtos ou serviços. Um sistema de operações de uma empresa,

Leia mais

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção)

Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Administração Geral e Aplicada Planejamento de Vendas e Operações (Plano Agregado de Produção) Eduardo Alves Portela Santos

Leia mais

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT

ANÁLISE ESTRATÉGICA. Análise SWOT ANÁLISE ESTRATÉGICA Análise SWOT 1 SWOT Integra o planejamento estratégico. Ferramenta utilizada pós definição da visão, missão e valores da organização. Pode ser feita por indivíduos ou por equipes. Inicia-se

Leia mais

ANÁLISE DO LAYOUT E IMPLICAÇÕES DOS OBJETIVOS DE DESEMPENHO NUMA EMPRESA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DO LAYOUT E IMPLICAÇÕES DOS OBJETIVOS DE DESEMPENHO NUMA EMPRESA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASO ANÁLISE DO LAYOUT E IMPLICAÇÕES DOS OBJETIVOS DE DESEMPENHO NUMA EMPRESA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASO AUGUSTO JOSÉ DA SILVA RODRIGUES (Universidade Federal de Campina Grande) augustojsrodrigues@gmail.com

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA

VANTAGEM COMPETITIVA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia de Produção VANTAGEM COMPETITIVA Disciplina: Inovação e estratégia empresarial para competitividade

Leia mais

- Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. - Sistema Produtivo. - Ciclo de Produção. Gestão de Operações e Qualidade II

- Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. - Sistema Produtivo. - Ciclo de Produção. Gestão de Operações e Qualidade II - Hoje... Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Sistemas de produção e seus tipos PCP Sistema de produção enxuta Gestão de Operações e Qualidade II - Sistema Produtivo - Ciclo de Produção

Leia mais

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean

Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean UDESC/DEPS Sistema de Produção Lean Cap 4 Ferramentas Lean Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br UDESC/DEPS Cap 4 Fluxo Con9nuo Prof. Silene Seibel, Dra. silene@silene.com.br 2 Conteúdo do Capitulo

Leia mais

A terceira onda de Toffler

A terceira onda de Toffler A terceira onda de Toffler A velha riqueza das empresas Máquinas, edificações, dinheiro, recursos Poder de baixo nível A nova riqueza das empresas Cultura de aprendizagem, inovação e melhoria Pessoas,

Leia mais

Projeto de Instalações Industriais. João Alberto Camarotto

Projeto de Instalações Industriais. João Alberto Camarotto Projeto de Instalações Industriais João Alberto Camarotto Tópicos da disciplina Introdução ao projeto do Layout Industrial Metodologia de desenvolvimento do layout Representações de fluxo do processo Dimensionamento

Leia mais

Administração do Relacionamento com os

Administração do Relacionamento com os Unidade II Administração do Relacionamento com os Clientes Prof. MSc. Marcelo S. Zambon Objetivos da Disciplina Neste módulo: Entendimento e importância da segmentação de mercado: O que são atributos valorizados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Lista de Exercícios 03. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Exercício 01 É o sistema de informações desenvolvido para atender às necessidades do nível estratégico da corporação. auxilia a direção da corporação

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09

Objetivos desta aula. Noções de Marketing 21/10/09 Noções de Marketing 21/10/09 Atendimento. Marketing em empresas de serviços. Marketing de relacionamento. Segmentação de mercado e segmentação do setor bancário. Propaganda e Promoção. Satisfação, Valor

Leia mais

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS

TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS TÉCNICAS DE RACIONALIZAÇÃO DE PROCESSOS MÓDULO 4 Os Diferentes Tipos e Padrões de Fluxogramas Há muitos tipos diferentes de fluxograma, cada um com sua aplicação específica. A seguir apresentaremos os

Leia mais

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1

SI nas. Organizações CEM01 CEM01. para Gestão. O conceito de Sistema no contexto das organizações. Definição de Sistema. Page 1 CEM01 Sistemas de Informação para Gestão CEM01 Sistemas de Informação para Gestão SI nas Organizações António nio Lencastre Godinho agodinho@mail.islagaia.pt Tel.: 939 381789 O conceito de Sistema no contexto

Leia mais

Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística

Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística Canais de Distribuição e Gerenciamento da Logística Prof. Vanessa D. Alves Questões Relativas aos Canais de Distribuição Qual é a natureza dos canais de de distribuição? Como as as empresas integrantes

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO CURSO: ADMINISTRAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Equações do primeiro e segundo graus com problemas. Problemas aplicando sistemas; sistemas com três incógnitas

Leia mais

Gestão da Qualidade 1

Gestão da Qualidade 1 Gestão da Qualidade 1 Gestão da Qualidade Total (TQM) 2 QUALIDADE TOTAL GARANTIA DA QUALIDADE CONTROLE DA QUALIDADE INSPEÇÃO PROCESSO PREVENÇÃO PESSOAS 3 Oito princípios de Gestão da Qualidade Foco no

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 6: Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico 6-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Notebook, aviões, hidroelétrica.

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Notebook, aviões, hidroelétrica. ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Unidade II 2 PROJETO E GESTÃO DA PRODUÇÃO Inovação em produtos e serviços é o tema atual discutido nas escolas e nas empresas, considerando que por meio de novos produtos

Leia mais

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação

DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação DISCIPLINA: Administração de Sistemas de Informação Profa. Msc. Cláudia Brazil Marques PLANO DE AULA 5 01.01. PROBLEMA Identificar as tendências em SI 01.02. CONHECIMENTOS (DCN, artigo 5º) Os papéis atribuídos

Leia mais

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL - Objetivos - Evolução Grupo Governança Corporativa - Captura de Sinergias - Racionalização Processos - Viabilizar o Processo de Crescimento - Valorização dos Talentos Antecedentes

Leia mais

8. CAPACIDADE DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS

8. CAPACIDADE DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS 96 97 8. CAPACIDADE DAS INSTALAÇÕES PRODUTIVAS O estudo do planejamento da capacidade de produção será abordado neste capitulo. 8.1 Introdução Como afirma Slack (1997) a maioria das organizações precisa

Leia mais

Administração da Produção e Operações

Administração da Produção e Operações Administração da Produção e Operações 1 Administração da Produção e Operações Professor: Marco Machado 1º Semestre 2011 Aula 04 - Estudo de Tempos, Movimentos e Métodos 4- Estudo de Tempos e Métodos: 1.

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho SISTEMA DE PRODUÇÃO DISCRETA Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho ARRANJO FÍSICO Arranjo físico é a forma de disposição de instalações, máquinas, equipamentos, pessoal de trabalho em operações industriais,

Leia mais

Módulo I: Operações como arma competitiva

Módulo I: Operações como arma competitiva Módulo I: Operações como arma competitiva Objetivos de aprendizagem 1. Definir as decisões que são tomadas pelos gerentes de operações; 2. Descrever as operações em termos de entradas (inputs), processos,

Leia mais

CICLO DE VIDA DE SOFTWARE

CICLO DE VIDA DE SOFTWARE WESLLEYMOURA@GMAIL.COM CICLO DE VIDA DE SOFTWARE ANÁLISE DE SISTEMAS Introdução ao ciclo de vida de software Qualificar um produto é muito bom para que tenhamos certeza de que há seriedade e preocupação

Leia mais

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo.

a) O aumento da complexidade e a rápida obsolescência dos produtos. b) Aprendizado mais rápido para eliminar falhas do processo. 14 1. Introdução 1.1. Contexto Histórico O Sistema de Produção Just-in-Time (JIT) teve seu início no Japão no início da década de 70 e tinha como principais objetivos, além da redução de todo tipo de estoques:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Visão Geral Profa.Paulo C. Masiero masiero@icmc.usp.br ICMC/USP Algumas Dúvidas... Como são desenvolvidos os softwares? Estamos sendo bem sucedidos nos softwares que construímos?

Leia mais

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos

Unidade I. Administração. Prof. Ms. Livaldo dos Santos Unidade I Administração de Suprimentos Prof. Ms. Livaldo dos Santos A Administração de Materiais Objetivos do módulo Analisar os principais conceitos sobre: Administração de suprimentos Administração de

Leia mais

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta

Aula 2 Partes Interessadas. Rosely Gaeta Aula 2 Partes Interessadas Rosely Gaeta Definição São os indivíduos e grupos capazes de afetar e serem afetados pelos resultados estratégicos alcançados e que possuam reivindicações aplicáveis e vigentes

Leia mais