;. > ^5 SURPRESS POLÍTCS O LONGO DEST SEMN (.:\ > rou nus sm íomyv\ <<>, \\ m». t \ m: ku.o m um v\ s<,m>\ pu.vx ds < a t\o *.-,. À.. ítf# t- J*. - } r» }-.,, "BorhObés" Os" name="description"> ;. > ^5 SURPRESS POLÍTCS O LONGO DEST SEMN (.:\ > rou nus sm íomyv\ <<>, \\ m». t \ m: ku.o m um v\ s<,m>\ pu.vx ds < a t\o *.-,. À.. ítf# t- J*. - } r» }-.,, "BorhObés" Os">

QUEDADO GOVERNO ILEGAL DA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUEDADO GOVERNO ILEGAL DA"

Transcrição

1 T»,!? ] *>. * -<r,"í-* ".U ">;. > ^5 SURPRESS POLÍTCS O LONGO DEST SEMN (.:\ > rou nus sm íomyv\ <<>, \\ m». t \ m: ku.o m um v\ s<,m>\ pu.vx ds < a t\o *.-,. À.. ítf# t- J*. - } r» }-.,, "BorhObés" Os Vôo ao Monroe, Mesmo SerJendo o Da de Troballo : O :.$EN-D.0Mem;ÜOMmm QUNQÜÊWroÇPM p DDEM DE ÍTOS Em um restaurante "Clomp* dos Elyset", os grandes joalhefroí de Pars apresentaram, com a colaboroedo ( claro) de Hndas modela, suas mas belas erlof3es paro o preuntt tttação. Fabíenns, uma das mas charmosas modelo* da "Cdade Lus", apresentou-se eom um dadema de ouro, encontrado no cadáver de CHEG O FNL BTLH PÉL* PROVDO $fenrf> TOT DQ P OJ_^ OS SERVDORES DO ESTDO -*-. >POO uma D «tó ÀÔ* ^S:Q. -1 DECLRÇÕES DO SR JOQUM *ÍE»S PRESDENTE DO M^.Q^ te/o ps 3,Pórjtóa. Dêjfe Caderno) -, : : prncesa de Bourgog-,n«, que tera vluldo há cerca de ano». Na foto, Fablenne com a estranha jóa. (Keystone) QUEDDO "Bp _H HbNH ^^-^^^í- *c ^H Bfcy %" "" -^B l_ 1/ ^E _ V0n_b BR^H Ku^>;- &f, msá3í$êm\ mw %? GOVERNO _»!-* % MÊÈm ^mv^^^^m^-^lmx _kp-é ""*_^- * ^-m/ *^Ü_M YES, QUEREMOS BNNS... LEGL D B&BJfos _^ "5ví"*-"- ^Sf**- ^B ^^B _^_fc_"*-""-^_k3?"_- -^! -"wb S í& _H _íí5íí_ã_h_^_^_^_h kl"^;*^:su-«3í -?32$S8gê< CONTROVERTD questão dá Raconaldade do Corvo acaba de ser fnalmente esclarecda. Esta é a sensaconal nformação que despachos do Exteror acabam de trazer a esta captal; Dssparam-se, enfm, as dúvdas em torno da verdadera orgem do Grande Corvo do Lavrado: êle nas- -M-B! GUTEML _H _ $ *- ;: :!*>--:-á-"3_b S~H_ ceu na Guatemala. j ^M ^my ":::ÍH *" _B Smm. Realmente o Corvo não vu a lu pela prmera ves nem em Vassouras, hlstórco burgo flumnense, nem no Dstrto Federal. Essa nformação chegou a crcular por ter sdo apurada a exstênca de duplo regstro de nascmento do Corvo em ambas essas.cdades. Mas tarde, porém, o própro Corvo, grasnando através de uma emssora local, revndcou para sí a naconaldade amercana, ctando como testemanha decsva a conhecda pessoa do escrtor Edgard llan Poe. "Não, não sou braslero, protestou o Corvo. Sou hndu, sou bessarabano, soa _ amercano amercano, sm, sto.mesmo, amercano tudo, menos braslero!*- m Nada dsso é exato. O Corvo nasceu na Guatemala. Seu prmero berço fòl 1 uma bananera, ou uma das mensas plantações da Unted Frut. mamentou- MtnE se desde logo com os bons dólares, extraídos de vtamnosas bananas, regadas com o TRGEM: sangue e adubadas pelos cadáveres de mlhares mlhares de guatemaltecos. * NO V Ro de Janero,28 de Junho de 1954 N. 919 g prmera canção que acalentou o Corvo, ò sen hno naconal, fo a famosa canção: 1 «Tes, "Nova" e queremos bananas...** Fo fnamente educado o Grande Corvo. Conhece a hstóra da Guatemala 1 como nnguém. E verdade qne aprendeu seus rudmentos en nglês e, por sso, seu a "ntga" ptoresco fraseados "Naconalstas, tem construções orgnas como essas: "Dos das governo executou rebeldes. tropas lberam guatemalenses plantações". "ComthB-"* tas avões bombardeam pequenna Honduras". Mas, que culpa tem o pobre Corvo f se aprendeu o "abe" nos colordos folhetos de propaganda da Unted Frut?. 1 gora o Corvo está com tudo* O sangue corre em caudas sob as cercas de ara- 1 me farpado (e eletrfcado) das plantações de bananas. Montões de cadáve- 1 res dos perlgosíssmos ptrlotas guatemaltecos que ousada, realzar uma modesta reforma agrára noa latfúndos que foram berço do Corvo! vão se acumulando bem perto, bem * alcance do Grande Corvo. Que mporta -qué sejam cadáveres de rmãos; que sgnfcam rmão, pa, mãe:para um Corvo amamentado, crado, educado e engordado pelas gênerosds "vltamlnás*^ía{unlted Fmlt? --Fat-er (traduza-se -^ál-vessa para é uma palavra que erlca a negra püele do. Corvo. fdelante, General Castllo rmas, os prmeros a serem fuzla- dos devem ser os que têm áaudáca de querer ser 1 bons flhos". Sm, para o Corvo aa Unted Frut um pa sómerece amor e respeto quando representado por bananas, grandes e sóldas bananas, generosas o apettosas frutas que valem dólares, mlhões de dolares para o Corvo poder aprender eada ves melhor a hstóra (em nglês) de sua únca pátra: as plantações da "Unted Frut of Guatemala". ; lmarrtnr^ * O GENERL D Z SUBSTTU O CO- RONEL RBENZ O CORONEL RMS ORGNZ SEU GO- VÊRNO FOR DO PS TUDO CLMO RE- TRUC O EMBX- DOR LGEL STURS O BRSL N CO- MSSÃO NTERMER- CN DE PZ FUN- DDO UM CRGUE- RO NGLÊS (Na Pág. 2) l**»***>>^^^^^m^^^^^^^^wvvvwyvvyyvvvvy»vyvn«vvyvvv Toda a mprensa Suca Contra o Juz! Segundo um Comentarsta Helvétco, Não só Não Houve Pênalt, Como os Húngaros credtavam Que a Falta Fosse Contra Eles "Gazette Lauzane" frma Que Mr. Ells Teve Sua Reputação Comprometda EnnmHM 0 Embaxador da Guatemala, Comentando os nformes Extra-Ofcas: "COM DZ OU RBENZ LUT PROSSEGURÁ" gy * WÊÊÊsmmm^.W>y- n n "U mtâ$.?%:4:" > * yt Xv>>W*-*ÍBSlí-MÍ Um MM^V *:*,.* >!&,4^H l^^_émmíí_t^-_^_tt-_t>!-]_l ^^ ^^^^^^ ^^^_B ^» -2Í ÉM^K WmÊÊmm ^ ^ tk : JmÊÊ mmwmãmmmwm ^ BSw-wí;*í-_^B _«. m O CORONEL RBENZ We depôs, o poder nas mãos «o General Daz (comanante das tropas) yws^wwt O Chefe Das Forças rmadas Guatemaltecas, om Fayor de Quem o Presdente Tera Renuncado, Per-" tence às Fleras Que nstalaram a Democraca no País, em 1944 Âté à Tarde Espera Receber Comuncação Ofcal a Respeto Dos Novos contecmentos nuncados Pelas gêncas Estrangeras; té o momento meu conhecmènto da renúnca do Presdente rbenz em favor do Coronel Carlos Henrques Daz, chefe das forcas, armadas de met pas, é extra-of 1- ca, declarou-nos esta mav nhã o Embaxador rrolla. da Guatemala. E prossegundo: guardo até à tarde de hoje nformes nl ofcas a res- elto. O ajuntou, a uma pergunta nossa. "é; o que.ò Coronel Hen? rques Daz pertence, às fleras que nstalaram a democraca em meu pas, em E, anda:.: Salvo a pressão de novos. acontecmentos, o Cel- Henrquês Daz prossegurá o esforço do governo democrátco de meu pas contra os nvasores, caso o Presdente rbenz lhe tenha transmtdo suas atas funções. Entretanto, são prematuras tôdas as consderações a respeto de um fato anda não confrmado, concluu. BENNE, 28 (De José Mara Rabelo, envado especal de ULTM HOR) Os jornas suíços são unânmes em crtcar a arbtragem do Juz Ells, comprometendo de manera vergonhosa a atuação do seleconado braslero. "Gazette Lauzane" dz que não houve motvo para pênalt, depos de afrmar que os tmes atngramo mas alto cume do futebol mundal. Feulle.Davs e N.euchatel escrevem que o juz marcou pênalt absolutamente ncompreensível. Os própros jogadores húngaros pensavam que a falta fosse contra seu quadro. O mesmo jornal afrma que o juz Ells, teve sua reputação severamente comprometda, entendendo que o LE N "HOR H": ^ ^ REÇÃO CONTR OS "CRTOLS" "PUBLC LR0QUE RET0N" POLÍTCO RTE CONTR RELGÃO O EMBXDOR GUTERREZ GRNER "ULTM HOR"t. "Não há Pergo de a Bolíva se Transformar em Nova Guatemala" ^^.**. mmm\ Embaxador Guterres " ^^^^r jm0êêk<^ Lea no "Da do Presdente": B ^_Hh "^%_V " ^upremo Tr*bunal Federal a Defesa do Saláro-Mínmo ^H W\fSP^ ^kw ^a^ ^^ (Vagem de Vargas à Bolíva) jl ^^J [(TZÍ^zt O ^s ^nsíro$ e as ncompatbldades (Prazo té o Da 3) ffs ^j v ^»_w>^ Ê\\ Prmera Etapa do Plano Qünqüenal da mazôna Bp-í Brasl mereca., pelo menos, um empate. crescenta o peródco que o Brasl domnou o jogo na metade do prmero tempo e todo.o segundo. nero classfca de dota a decsão do juz marcando o "Journal pênalt. du Jura" também condena o faccossmo do juz em favor dos húngaros. Mss Europa JVo foto acma em que vemos as três prmeras colocadas n o concurso para Mss Europa de 1P54, temos, ao centro Chrstel Schaak, Mss lemanha que levantou o prmero ftgar. Posterormente a essa escolha que, ãga-se dc passagem, correu sem YerJÇum protesto, áascoorvom qne Mss Schaak náo era "mademoselle" r om uma senhora vúva. Desta forma passou ela a ostentar o título de "Mss Eurcpa Honorára" enquanto que o título atual, que servrá nclusve para. dsputar o cêt.ro mundal em Long Beach, passou a ser a franeeznhí Danele Genault, que vemos na loto com um "mallof rscado. o lado Mss Fnlnda, tercera colocada no concurso (Foto ntercontnentalel Ü fcü ^^^^^^ ^^^s^^b _^_^^^^^ ^_^ly * ""^P^fB ^ okh_j_hrt»" -* *". % _j ^^*<-SkSÍ,^S^^OM^_^_^- ^_BE?v^!" : >!-^ " " íò *-^ ^í_m_k ^ B_F-- mw mm\wví$m% * j_<^-fc- rí:^^^*-.1 mw mmmw<$<êc&:-< -^ *"" ^^P^K^^mmmmmmmK^^lÊÊ^^r^^^mmmmsP^XÍ^^^m^^ *" "** *"" R-v$^-«- ^^K -.-^s^r^ ** ^^^ ^ B--^^_^ K^> ff-jgpy^-^ t-4x ^ >-- H P *-n_^_k ^x " "Í^B^^^^^v.-^^^^BK* "T ^S^jttÜT _= ^^HS ^P _. mmmmt^mm^^kssmmmvw^^^ ^?-j8bl-^*?sw^ «T-SBr ^T "Não Permtremos Nenhuma nterferênca Estrangera Para Resolver Nossos Problemas" Dfculda- (des no Setor Econômco Com a Baxa no Preço do Estanho - J juda Dos Estados Undos no Que se Refere à lmentação Encontro Vargas-Estensoro H_k--->-Ã^-S-;<ÍÍotK-*-Í^_B l^^u ^ t^ -K-aBB» _? Dversfcação da Lavoura e da Produção (Lea na Quarta Págna Reportagem de. Maurtôno Mera) ^Ü _B _B_ ^,f5 _Ell^- -^-l^^fls -^- Éj:: ::*:^.J-H mmw ^E ^B ^_5^^ffl_f-s^_B pos^^-v^^^m ^^w!*x-:»^3 B _^_B _n=1 _^ fes_-k_e_ ^ >>-* #. * *-^-^-^-^-^-B-B_B-_^-L-É-6R^3y MB^^ 1&È) ^ mê^sêsè^^é^^^^êê^ê^^ssásê! ÊÊÊÊÈBÊÈÈÊÈÊSÈSBÈBÈÉÊÊ^^ l:l!;e! H.;ULl.:hM,.;tM^

2 ; ;, /; -. :,< >.*.. fg 1 N 2 R/o tfc /ófeé»^; S günda-feho, 28 de Jwlô & í954 ÜTMÜÍ HOR p*.. : : " n<awu»-,,,,,.,., ^^^^T mjê mm^m\ 5 (,. Eurlo DuarteL J _ POSSÍVES novdades N CONVENÇÃOr UDE- NST _ S SURPRESS POlf- TCS O LONGO DES- T SEMN _ QUEM GU CONTR OS TRBLHDORES E QUS OS ENTRE- GUSTS D CÂMR a Ganha corpo o pano de alguns lderes ca UDN pernambucana, no sentdo dc evtar cuc o Partdo sc manfeste favorável à canddatura do General Osvaldo Cordero dc Faras ao Governo daquele Estado. guardam-sr^sensaconas novdades na Convenção partdara, «.ncada para depos dc amanhã, no mesmo da em quc o PSD realzará o seu conclave. nformantes categorzados, afrmaram-nos que «Etelvno Lns e Joro Clcophas, acabam dc ter uma longa palestra secreta, promovda pe- o prmero, o durante a qual o Governador pernambucano colocou o ex-mnstro da grcultura entre a cruz e a caldernha. Segundo a vernão de Etelvno Lns, alguns trechos da conversa, foram ríspdos. Chegou a dzer a João Cleophas oue o apoo da UDN a Cordero de Faras, eva uma _ questão de honra pessoal. E* ameaçou: qualquer decsão cm contráro, Cleophas ajustara contas com êle, Etelvno, nas eleções de outubro próxmo. O chefe udenstâ argumentou que tudo já fzera contra o "queremos Cleophas", nclusve desautorzando, publcamento, o movmento. Entretanto, saba que a onda contnuava, com possbldadc de evolur, até, para uma csão partdára, mesmo que o nome délc, Cleophas, fosse colocado à margem. E grande o clma de expectatva no mundo polítcode Pernambuco. Srabe-stí, agora, que todas as característcas ncas dadas à canddalura Cordero de Faras já não subsstem. O seu orglnal caráter de conclação desapareceu, completamente, com a csão ocorrda no PSD e com Osse quase declarado rompmento dá UDN. Com o resultado da Convenção udenlsta, é provável quc seja rctrado o nome de Cordero dê Faras e o PSD marche, cntão, com um-canddato- pessedsta. pj -Esta semana atr ocupada por dversa» surpresas polítcas. Prmero,, mesmo dante do peddo de lcença parn processar Euvaldo l_odl e Lutero Vargas, quarta-fera próxma, não está sendo prevsta ntensa atvdade da oposção. sto porque esta 6 a semana das dcsncompatblzaçõcs. Dlversos grupos polítcos, cstão nteressados na escolha dos novos Mnstros, nterés- «e do que uno se encontram afastados certos elementos da própra UDN. o fm da semana, também, pode ocorrer o pronunclamentó do Supremo Trlbunal Federal, n respeto do mandado de segurança sollctado por conservadores de Mnas contra os novos nves de saláro mínmo, que so transformou num caso poltco. E***** Parlamc ntaves que agram contra os trahalhadorcs o quc tveram atuação ontregustá no caso da "Petrobrás", serão focalzaclos numa sére dc reportagens quo publcaremos a partr de amanhã, neste jornal. Documentamos, fartamente, Ossos escrtos, caracterzando o comportamento desses representantes em face de alguns dos maores problomas do País. Muta gente não va gostar do que relataramos, mas desafamos, desde já, qualquer contestação do que fôr dto. 0 SEGREDO DOS FORTES! "VRLSE" Expoente máxmo ca vrlclade, comblnação centfca de vtamnas, hormônos totas e- sas fonforados. Rrgcncrdor raconal das glândulas rm ambos os sexos. Exgotamento nervoso, falta de memóra. Moderno rev-torador do sslcma nervoso e tônco geral. VRLSE é renddo em todas as Farmácas e Drogaras. Peddos pelo Reembolso. Caxa Tosta, 3383 Rh. s Cranças nunca devem ttr dcxadns a sóós. encerradas cm casa, porque se sobrevr nesperadamente um ncêndo, a smples fumaça poderá eausnr-lhís a morte. QUED DO GOVERNO LEGL D GUTEML WSHNGTON, 28 (FP) O Presdente rbenr tera apresentado demssão, segundo a rádo, governamental da Guatemala, em emssão captada em Washngton. Demssão -,y do Presdente rbenx MÉXCO, 28 (.F.P.) Rádo Guatemala dvulgou, ontem, à note, o dscurso cm que o Presdente rbenz anuncava a sua demssão, Exploou rbenz que hava tomado essa decsão com profunda dôr em conseqüênca da nutldade dos seus esforços para contrabalançar a campanha que apresentava ó seu govêrno como comunsta, acresecntando: "Um governo dferente do meu. mas nsprado pelo prncípos da revolução de outubro será sempre preferível a vnte anos de dtadura, sob os bandos comandados por Castllo rmas". nuncou o presdente demssonáro que hava passado os poderes ao Coronel Daz, pedndo que tôdas as forças cvs e mltares dessem o seu apoo ao novo chefe do Estado. rbenz manfestou a esperança de que o novo governo mantvesse htegra a revolução democrátca e estabelecesse a paz após a exclusão dos nvasores. Fnalmente rbenz agradeceu a todos os partdos e organzações o apoo que lhe havam dado e concluu declarando que contnuara sendo um combatente da revolução. Slênco do -> Departamento d* Estado WSHNGTON, 28 (.F.P.) O Departamento de Estado recusa-se a íazer qualquer comar.táro a respeto da notca da rádo da Guatemala anuncando a demssão do presdente rbenz e a sua substtução pe- o Coronel Daz, chefe das fôrças armadas guatemaltecas, na ausênca de confrmação ofcal. Quanto lhe resta do últmo ordenado? *#? EsTb -groroou o ordonaao no bolso... o lá gastou Judol O dnhero vooul, ttto guardou 6 ordenado no Banco, pagou com chequês... anda tem saldol, E você? Tlsqul á 3 das ê Da de Pagamento. Defenda o seu ordenado guardando-o num banco de sua ntera contlanca. Conserve no.bôlso apenas ò essencal. Pague as contas com choques. Seu dnhero renderá Juro* por da de depósto, vocô controlará melhor o seu dnhero... e constturá, afnal, o seu pecúlo! Comece a construr o seu futuro no próxmo Da de Pagamento controlando o seu ordenado através do uso de cheques. Só no LR BRSLERO Já dezenas de mlhares de pessoas fzeram com ôxto essa experênca. JUROS DE 8,04% o.a. pagos mensalmente. Debêntures do Banco Hpotecáro LR BR- SLERO. Procure nformações sôbre esta vantajosa aplcação para suas economas. Banco Hpotecáro LnRBRHSLERO,S.. Rua do Ouvdor, 90 Rua do Catete, Q21 v. Copacabano, 661 Rua Uranos, 1072 (Perto da Estação do Ramos) Ruo Oldogard Sapucaa, 7, loja B - "Cascadura Melo v. Ernan Cardoso, 77- Rua Mara de Fretas, 110, lojas e B Madurera Rua Haddocl* Lobo, -400, lojas e B - Tjuca Rua Vsconde de Projá, 559, loja 8 panema v. moral Pexoto " Nteró gnelatt í5o Paulo, Recfe-, Belo Horzonte, Nteró, Parto legre, Salvador, Curtba, Goâna, Santos, Bauru, Campnas HORÁRO» *»«às 6as feras: de 8:15 òs 17:30hs sem nterrupço» os sábados: de 8:1S*ãs 11 h%- «* r"tt(* do LR BRSLERO um prolongamento de seu srt LN0TP0S Vende-se por preço muto accessível 3 lnotpos remodeladas, sendo 2 modelo 8,1 modelo 14-BB, canas largos com serra. nformações pelo Tel.: O Mnstéro mm Castllo rmas TEGUCGLP, 21 (FP) Oe Chqumula, capturada, onda nstalou a tade provsóra do governo, o Coronel Castllo rma* baxou decreto orsanlzandj o segunte gabnete: Mnstro das RalaçSea Exterlore Carlos Salazar; Mnstro do nteror Lula Vallada. res; Defesa Naconal Enrque Olva; HabtaçSo e S a ú d e Humberto Cordoba Corna; ComuntcaçSes Coronel Mendozu queda; grcultura José Lus renas Barrara; Trabalho Manuel Orellana Cardona; Economa Hector - Golcolea Vllacorta; nformsçfo José Caldcron Salazar; Educação Públca Davld Guerra Guzma. O Coronel rma promulgou gualmente cnco decretos: 1) Pedndo ao* Governos democrátcos da mérca e do mundo que reconheçam o Estado de Belgerânela, de acsrdo oom es prncípos do dreto hternaeonal; í) Declarando assumr as TunçSe* e atrlbuçses leglslatva e executvas decretando a dssolução do Congresso Naconal; 3)» Garantndo as llberdades ndvduas e socas; 4) Proclamando o Estado Jurídco que rege 6 pata duran. te o período de premlnea naconal; 5) Crando O emblema naconal com faxas vertcas azus e brancas e vermelhas, com dístco: Deus, Pátra, Llberdade Ċastllo rmas, per outro lado, acusa os comunstas de Cos. ta Rca, chefadas por Vcente Saenz e pelo espanhol José Gaez, da LegSo das Carabas, dé organzarem no Méxco uma brgada nternaconal para prestar ajuda ao Presdente rbenz. Tudo Calmo Dz o Embaxador S. SLVDOR, 28 (NS) O Embaxador da Guatemala, Mguel lgel sturas, regres, sou anteontem de automóvel, procedente da Guatemala, Concedendo uma entrevsta à mprensa o» embaxador expressou que "desde a captal da Guatemala até à frontera rena absoluta tranqüldade". dantou-nos que "ps campo, neses se dedcam a seus negocos, reparando, também, as estradas". sturas observou, anda, que o exércto naconal * leva ás suas operações de acèvdo eom os planos pre.estabelecdos pe- o Estado-Maor e que o moral do exércto é magnífco. O Brasl na Comssão NÇÕES UNDS 38 UNS) Comlssüo ntcrsmcrcana dc Ptz se consttuu num grupo quc rá lnvcstlg.-r "sôbre o terreno" as causas da guerra ntestm que lavra atualmen. te na Guatemala*. O grupo qunlo-partlto, compôsto dos representantes da rgentna, Brasl, Méxco, Cuba o Estados Undos, projeta satr hojo de Washngton va aéret, Da Guatemala a Comssão se trrasládorâ sexta-fera pnra Teguclgalpa* e, posterormente, pnra Managua. O grupo, que é uma dependênca da Organzação dos Estndos mercanos, nterveo pela prmera vez no as. sunto para consderar as ncusa-tões de quc os Governos dc Ncarágua e de Honduras havam nsprado o movmento nsurrcclo quc procura derrubar o Governo do Presdente Jacobo rbenr; que tom sdo. des-< crto como nfluencado pólos corru-. nstas. Fontes chegadas à Comssão Pró-Paz dír-érsm quo a solfctádí ConfcrCnca consultva dos Chancelere?, cm relaçfo com o conflto Guatemalteco, será adada ato depos qüe 6 grupo dos cnco tenha anunoado suas cdnclusõos. Em prncpo, espet*a_se que os nqurdores estarão de volta a Washngton ató o próxmo da S dc julho. 4J-ZZ4 ULTM HOR" /Vo.*; Bastdores da Polítca f. DUTR t m m» homens do m V. a s partdo Deantropofaga moe ata Cvs- de.-rctnnt crstãos t«to armaram dell0vouv. espetáculo de nnttnr-ofugla, desta vez, no Paraná Desdo a degola do fundador, mal surgu êsse partdo de erlstáos e democratas, a vda ntma da asemlac&o tem se caracterzado pelo embate, como se t6:-se um "nó de vboras". Em Curtba, os crstão se reunram e depuseram o preldents ro Dretóro Estadual, Car.ltão Jalme Mara Sobrnho e p r.ecretaro-geral, Eló Je&ntara, acusados* de ter obtdo, no Ro, de Monsenhor rmda Câmara, a desola do canddato Cld Portugal, ápresentado pelo PDC para obddato a prefeto da capltal... alu dêst- útmo protestou e se 01Runzou ertt Dretóro majortáro, to - mando aquela medda extrema. No momento, dos drá tóros exstem a se excomungar recproca e valentemente. j,... De pos de demar )on?as toma. canddato das de campo amanha...-.: no.ntcrló* do Rg(J?aUl0, fl Sr. demar -Je Barrbs de-* cdu agora- lançar-se no páreo da gevernança ctadual. De volta de Tteuína, Ãs últmas horas de sáhado, o chefe populsta comuncou aos a.ugos que escolhera o da dc São Pedro paa o lançamento da sua; canddatura aos Campos Elíreos. lexo frta reporta-..*& m \mu S«tf de caráter este quettf 8ajâsãtstürt**l*fet5a deu a crer q-.e o Sr Pedro lexo lava levantado á voz contra o Sr. Gabrel Passos, durarte uma reúm-d em que se tratara de casos a UDN mnera, em Btlo Hnrteonlo. Pusemos dúvído qünnto a esta nustada- bravura do Doutor lexo o que.se conífma agora par dcrlaraçúes do Sr; Gabrel Passos, éãclarecendo que o Sr. P e d ro lexo se comportou dretnho na sessão. _ hs ralskt tto % rcffjun- andam mesmo ta ao Dou- *<*»» para <«tor Castlhos Dcp, ad0 c*stllhoj Cabral. Parece que Gar. cez se convenceu re * c êfc desejaser o "dono" dc Ra Claro, de racoaha da Serra do outros red.tos efcltoras. quando, nas mesmas 1 mas, mllltam próceres nolítcs adrersârloj de Castlhos mas qu» apoam efcentemente r» admnlstraçso do governdor. s v?- zes, *> pessoal do governo paulsta dz a Castlhos: "Voe mesmo no du que tem popu larldade em todo j Estado «qnlcá no Brasl? Part <(ue brt. gar por causa do redntos cetorals?" Mas o íoutor Castlhog está Tendo agora que í.prensa amarela não Já votus K quer brgar por cama r.vj nomeaçõeztnhas que Gaccz n.to nc dá. ( propósto: no scr. sto uma cspícle de compra de poto por meo d nomca*ücs...> _ T.. Nerf sempre OSte resolver urn e dôr <íe wste acarreta r n l c a &anã«dòv de c j u e <f u cabeça como a que têm sofrdo alsuns polftlco3 ao saber do resultado do segunte wste eletoral: emancpação do dstrto de Volta Redonda, ccsa que roçava a vadade do hoje grav.d enúclcu.d.stral e populaconal depdndla de um plebscto, rçaado há das. Em números redondos. compareceu apenas 20% do eletrrado nscrto, numa 20- na pratcamente sem yroblemas de transporte. Ss hava o "estmulo" se mnguavam os obstáculos, que sgnfca êsse testa ívcorte? Que o eletor está pesando uma tonelada fac-r aos tpelòs da polítca... ou dos poltcos. O PODER CURTVO DO SWCUE DSTRBUÇÃO GRTUT Lvro cuja leltur* <l do real utldade aos doentes da pele, dos pulmões, aos nervosos, debltados, dabétcos hoertensos. envelhecdos, etc Peddos %. clíntea do DR OLVO MRTNS. v. 13 dc Mao n.» 13, 10." pat. Salas 4, 5 e 8. Ro. Das 14 fs 19 horas. Remessa medante envo das despesas postas. Cr$..3,00 cm selos. O Da do Presdente *mm "W.WÍJ, BSggggZ^SgZSSB NO SUPREMO TRBUNL FORL DEUS >EM DO SLÁRO-MNMO o dar essas hformçaoes ao s Depos de ter msntdo, no decorrer STF, o da últma semana sucessvas coníerên- Governo faz» defesa de seu mto, jostl cas sôbre o assunto eom o Procura. fcando-o plenamente, por consderá-lonão rsó revestdo, dos aspectos legas, co.! dor-geral da Repúblca, Sr. Plíno Tra-!.vassos, o Mnstro do Trabalho, Sr. Hugo de Fara e com lderes ndustras de ordem socal e* econômca, decorrente mo também um categórco mperatvo e város representantes operáros - " o que evdenca o seu especal nteresse em torno da questão o, Presdente Vargas envará hoje ao Supremo Tnbunal Federal todas as nformações so- da necessdade de oferecer aos trabalhadores um melhor poder aqustvo em face do crescente aumento do custo da vda... Em mas de uma oportundade, o. lctadas pela mas alta Corte de Just- Chefe do Governo tem, alás, maufestado sua ntera confança na decsão do ça sôbre o mandado de segurança mpe- : trado por dversos órgãos patronas cen-,, Supremo Trbunal, cujo pronuncamento tra a cónsttuconaldade dc decreto que deverá SC -lumttamtã» tanm Um!: fxou novos níves de saláro-mnmo dna ca.!; para os trabalhadores de todo o pas. mnas. \, JOÃO GOULRT possvelmente hoje, no despacho que. rá manter,, \ DUS HORS Dc volta de sua vagem ao 1 sul. jã se encontra novamen-! (c.no Ro o Sr. João Goulart. Tão logo chegou a esta captal, o ex-mnstro do Tra- : balho c Presdente do PTB dlrgu-se ao Paláco do Catete, onde confcrcncon a sós com Vargas durante mas de duas horas consecutvas. DESPCHOS DE HOJE í Estão marcados para hoje, ; além de numerosas audên cas. três despachos com M nstros de Estado os da. Jus-!; tça, Educação e da Saúde, 1! respectvamente Srs. Taítcre- ; co Neves, ntôno Balbno e } Mguel Couto Flho. \ : OS MNSTROS E S NCOMPTBLDDES semana que hoje se :; nca é marcada por ou- ;; tro mportante acontec- ; mento: o afastamento.dos Mnstro» (dos pelo menos) que rão canddatarse a cargos eletvos no; próxmo pleto d(e outut/p: E que no próxmo da 3 de! julho se esgota o prazo! para a desncompatbllaa- * ção. O Sr. Mguel Couto.Fl- ho deverá ser o prmero a afastar-se, o quc fará PRMER ETP *m*m»4rmh*rr*mh+++*4>4>444,4h DO PLNO QÜNQÜENL D MZÔN z MUCD f tf ua \um O Sr. rtur César Ferrera Res, Superntendente do Plano DlltRuEnVlj R UU lde Valorzação Econômca da mazôna, entregou pessoalmente _--_.-,sábado cá.hah-n tll-frvn úítmo ao st\ Presdenta 0rm*mntm X/urnam Vargas a o nronrama programa tn da prmera^ nrlmclpa etapa qünqüenal para execução do mportante plano a ser de-j PERNMBUCN senvolvdo (com grandes recursos) na vasta regão Nor<«dou RECFE, 27 (Do corresponpaí3, com o respectvo orçamento para 1955 o as prevsões parar! dente) Oto deputados udetos anos do 1956 a 1959.!;ns.tas drgram um documento O plano fo dstrbuído por sete títulos. No prmero fo dada; >à presdênca da UDN local, a defnção dos problemas da mazôna, entre os quas-te des-í afrmando em termos ncsvos!;taca o que dz respeto ao homem.! que n3o apoaram a canddatu» ; Nos demas, são examnadas, com profunddade, ás cond.;; ra Cordero de Fara. pesar çoes da produçso agro.pescuüra, dos recursos naturas, dos trant. do rgoroso sglo que envolve! portas, comuncações, energa elétrca, crédto comérco, saúda a questso, pode-se adantar qu* e desenvolvmento cultural, dscplnando a aplcação dot re-!;a ncatva é capaz de condu* 7>ê^4^^my^m^^*^^^^^^*^4p^é^m>é^é>^^ m- \f. * às 15 horaa com o Chefe do Governo. O lustre homem públco flumnense, que na hreve período em que exerceu a Pasta da Saúde reatrmou suas grandes.qualdades de admnstrador e homem públco, é, como stt sabe, canddato à aucessao do Governador Ernan do maral Pexoto. O SR. NTÔNO BRO- CHDO D ROCH PR MNSTRO DO TRBUNL DE CONTS Já fo envada ao Senado Federal a mensagem presdenclal submetendo à apre- cação daquela Casa do Congresso o nome do Sr. ntflno Brochado da Rocha, ndcado para Mnstro do Trbunal de Constas da Unão. O Sr. ntôno Brochado da Rocha é bacharel em dreto, laureado pela Faculdad» de Dreto de Porto legre, e exerce, desde 1945 o cargo de Mnstro do Trbunal de Contas do Ro Grande do Sul. No momento exerce, também, em comssão, o cargo de Secretáro da* Fazenda do mesmo Estado. CFÉ FLHO: VGEM DE VRGS BOLÍV Tudo ndca que a próxma v a g o m de Vargas a Bolva fo dc. íntvamente fxada no encontro que o Presdente manteve sábado últmo com o seu subst tu to natural o Vce-Presdente Cafó F- ho e deverá ocorrer na prmera qunzena de Julho vndouro. Não tem fundamento a notca segundo a qual Vargas ra vstar, dessa vez, outros pases sul-amercanos e demorar-se cerca de dos mêses fora do país. Segundo estamos nformados, a vsta do Presdente se lmtará ã Bolíva ^nauguração da ferrova que lga ós dos países,, até Santa Cruz de a Sérra). mensagem do Presdente Vargas ao Congresso solctando permssão (em cumprmento a um dspostvo consttuconal) para ausentar-se do país deverá ser envada no decorrer de tôda esta semana.. ; cursos de le na execução do conjunto de meddas destnadas;; zr a eonvençg0 udenstâ a de» ; a operar uma verdadera transformação na pasagem econômca lê cultural da mazôna. > saprovar o convte a Cordero 1 de Fara. CMPNH ELETORL DE DNTON COELKÒ S FDEL Danton Coelho e lberto Fade contnuam, conqustando eletorado através de uma campanha de esclarecmentos e que. gracas ã sncerdade desses combatvos polítcos, está produzndo os mas postvos resultados. Pessoas ele todos os setores se alstam nas hostes que reelegerão o Dretor-Besponsável ae ULTM HOR e cvarão à Câmara dos Veredores o Sr. lberto radel. nda ontem, loer- +o Fade esteve em propaganda do canddatura de Danton Coelho e de sua própra em Paare jvrgúél. Conversou con*. homens do povo. Ouvu as reclamações d06 moradores locas. Depos, eu<nu-se ao seu escrtótó eletoral, sob a chrf-a do cabo Brasl, onde fo recepconado P01*J*\" caír-uuvel multdão, como bem mostra uma das fr.los deste texto-legenda. E estavam, também otsentes o Major níbal Res Novaes e os crspífàc-s Emílo James e ntôno Portnell. rare**ram da manfestação o conjunto "Pngüns jazz-band" de Bangu" e o "Estrelado Kea- Jtso". Fo anmador da festa Llco, o brotmho dos subúrbos carocas. Nas fotos que nusram êste texto vemos, cm cma, Fade quando agradeca as manfestações e, embaxo, a. massa presente ^^? Bé jrkh^^hv «Sft m bw9»^v ^ohhbw.e^bbe; -^B ^Lm<W mm^^m mm. Bp 9L ^HKVb 1 ^^^m^^my^mmmmm mmmmmmt^^ KSe^»sle^»^rS*Í ^BÍlraP:r7lí lku^9k^^ flv-^&v^&t^b LHS w\-3á4r--- -.<aw>:: mm^^m^mm^mm -> ^^Hfc> * ^a^w^^j^m/^ww/wwf.. y:^bhm^^^m^~ Cabelo branco? Orf-Léne TEVGE MELHOR COffDEONSMl57 BflP^íJ venda Ro Branco. \ ^

3 " >< <«;.*»?»» f«!,!!»<«}»»»«?«%?í.»hh..^-vr«".>.!>m,l>«(vn*«nm«. «tf^»mt«*r"«v*m«"*»,tm«nhat ^\^>,^n^t*yvr^nff^pfy^^rnr^^t^ _^^^ «?* ""^^ " ;S»«j SjSSSSHSJSjBSSfjafKÍ$!!? sr^l íí-f:-» / ;::%^^H %% MBSS H : }> V» :W.VtW- : *»; BKíS?- SSffSJ... :* «* Barví -.:-í S» WlWMll 1 ÉÜ n. yjam M jsm mm ^...^SS SSl: - :. -^ -- :JSS1 HS» "*<.:.;:?% BaW:::v: LaH H 4fg BEíò..-, ; v usím Mf-1>:- V!^ * BaH*-^^a^SlB^sV «PV W^» ^K l^^^^ W ;.; ül a» ^^^ * ^fl H1H nhnnh bbh8sc4 3^ : v : : :. N V lal: X ESPJSR DF POSSÍVES- REFUGDOS Um grupo eln pessoas aparece no aeroporto de San Salvador, aguardando a chegada de possíves refugados da Guatemala, onde as tropas do Góvtrno estão prendendo os rebeldes. Em segundo plano, vê-se um atüo da "Pan mercan rlnes", após a sua chegada, com vôos suspensos para o terrtóro guatetnalteco. (Foto ÍNSP) Jer^^By -< ^LV L^LhÉH^bW)^^^^^ dw^^^&sflbbw^ssv * JMfctfc <JJ>&"BÍ^Bfe >*- mtftj jt.jblv -"1^ BTLH DE ZCP Esta a ponte para automóves sôbre o Ro Zaccpa, que lga as cdade» de Zncapa «Chqutjnula. Num comuncado do lto Comando da Guatemala, o Govêrno nforma que as forças antcomunstas pro curam- bases err. Chíqumula, a maor cdade ao Noroeste d«zacapa, para o desfecho de ataques contra essa comundade. estrada de Zncapa está sendo fortemente uyada pelas tropas legalstas. (Foto NP) llll! twêêèèbèb M mm mê^lwè^ísmm^ãám WÊ WÊÊk sjssjgsnmswfj - -t Jk JÊM í m> J* ^ - ymmmm<<.:.:.: ÊMêmm. * í*«l ^ < HW VÕES NÃO.DENTFCDOS JOGRM RMS EM PÁR-QUEDS fotografa mostra uma lnha ae rfles «pára-quedas capturados pelas /orcas cfjas dn Guatemala. Essa foto, batda 17 dejunho deste auo, antes da nvasãodo pas. vnha acompdnhaâa de un comuncaro ofcal onele o Governo gtatemaítcco n/ormaya ru? armas e munções, de segunda-mão, eom marca de manufatura da Unão Sovétca, íoram artdas sôbre d Guatemala por avões nso dentfcados, queuolaram asoberana daquela Repúblca, da mérca Céntrql danta, anda, que os provocadores nternaconas, nclusre a Ncáfdfjuá c a Honduras, tomaram parte ntt lançamento de armas e munções a fm de dar lugar à calúna de que o Gdwárno rbenz Guzmán. (Foto 1NP) ULTM HOK R/o de Janero, Segunda-fera, 28 de Junho de 1954 * PÁGN OS 20% DE REND LRGO D CROC VenrJem-se os últmos apartamentos do EDFÍCO TÚ, JÁ EM CBMENTO com le 2 quartos, sala, ktchnètte e banhero completo Grandes Facldades de Pagamento v. 13 de Mao, esquna lmrante Barroso Tabulero da Baana ótmos Para Resdênca ou Escrtóros Preços a partr de Cr$ ,00 SNTOS VHLS ncorpora e Vende móves Desde 1933 Rua da ssembléa n andar "BRSBÉS" TELEFONE: VÃO O MÒmÔÉ MESMO PERDENDO O D DE TRB LHO, CTSENDO DECDErSÕJÉ, OS QÜNQÜÊNOS PR TODOS nb^3e^3^&^^^:^^a^ah^^s^^ha^a^ - V s^k^^ê^^í^í^m^^k^mgmêtawím,. Será decdda hoje, no Senado, tt sorte tos "Bnrnabés"j «o que se refere a concessão dos qünqüênos pura todos, sem dstnção de classe ou categora funconal. E o fnal 1M«12s1bÍ1Íí>\" * de mas nna %tw$mfâ$% \$&&&ÊÈ- W l, s. ^ ^**m, x batalha <*/?* dos servdores do Estado, otmstas &V?ttm% <fflsf já a esta altura, uma vez quc os profssonas dc nível unverstáro superor obtveram pnho de causa com o benefco. propósto, ULTM HOR ouvu, na manhã de hoje, o Sr, Joaqum Res, 1rr.sdenle do Movmento dos Servdores Pró. Qünqüênos, que declarou: emenda 109 do projeto dos médcos, que concede os qünqüênos a todos, deverá ser aprovada. Com a rejeção da emenda 1-C estamos mas próxmos da vtóra. Esta emenda é de autora da Comssão de Fnanças, quc aprovou o parecer do.( " $ví;- Vaje com o para toda a conffrf Europa Senador Plíno Pompeu, após demonstrar qne o benefíco pede. rá ser estenddo a todo o funconalsmo e não apenas aos pro. fssonas de nível supetnr. E necessáro esclarecer que. a aprovação dos qünqüênos para todos os servdores mplca na re. vocação das gratfcações adconas, náo tendo, fundamento, portanto, a opnão de alftuns senadores afrmando desejarem os "barnabés" duas adconas. Log;o mas, às 11,30 horas a emenda 10!) será julrada; UNSP (Unão Naconal dos Servdores Públcos), nue. tem a frente o lder l.yco Hauer, também está prestgando o movmento dos qünqüênos, tendo convocado o funconalsmo, mesmo com prejuízo do da de trabalho, para comparecer no Monroc e assstr a decsão dos senadores sobre o benefíco dos qun. quênos. Espera-se a aprovação da emenda 10!). E os funconaros confam jms senadores para sso, gora tombem paro o Brasl, a eonffrte» a pracsão suf a a sarvlf a do vão tel de luxo pela È&fc ^ Conheça o ndzível prazer de.vajar com o excepconal conforto que lhe oferece a Swssar-. Ê como se o Sr.- estvesse repousando em um Hotel de íuxo. Prefra a valosa experênca da Sussar com ====~h^^\ SWSS 35 anos R LNE a servço da avação cvl, e longa prátca de vôos nas regões alpnas e nevosas. Com seus moderníssmos e ggantescos DC-6B, «Swssar mantém, agora, uma nova rota lgando o Brasl com a Suíça, toda a Europa e Orente Próxmo. lando a laureada suíça precsão àquela tradconal corteza nelvétca, a Swssar. pode oferecer a T?a n na.n,,..,_ -*- - «* an ll«a*»«hm...^ -t. - _*:.; todos,os passageros o melhor servço * bordo dé suas aeronaves. E com Horáros da rota Brasl.Sucu Pequena taxa extra o Sr. obtém uma Horas locas) Sábado slumberette", confortável sao-,paulo - Sada 08:00 horas poltrona-leto. Hlo - Saída 10:00 loras Recfe - Saíta 15:40 horas Domngo Dakar Chegada 02:25 horas Soltero nformação* detalhadat nt Lsboa * Chegada 11:05 horas Conlôrto ds holsl ds luxo Tradconal cortsza suíça tua gênca a Tursmo e Vagant. Genebra Chegada 15:50 horas Sua vagem em um avso da Swsslr é Zurque Chegada 17:30 como se o l aero-moças horas Sr. estvesse repousando em um Hotel Suíço de l? elaspeclalmente trenadas da Stusnr sso es- 32aS33.L para éste servçose. Um servço esmerado íalam váras línguas de refeções e estão aptas delcosas lhe é a fazer oferecdo em todo o mesas possível par» tndvdualsadaptavelsà tornar sua suo vagem mas agradável. poltrona. L Ml S ÉRES SUÍÇS lo de Janero; Rua la Qutanda, 80 -.» andar - TeU End. Teleg.; "SWSSR" São Paulo; Rua BarSo de tapetnnga, MODERNÍSSMOS E COMCORTlVVE* QUDRMOTORES DOUGLS DC-0». *************#**^******^*****##**^#*^#*###*#*##**#**^#######*#*##*##**###. ###*##.# *#****#^ REÇÃO CONTR "CRTOLS" OS ntes de perder contra os húngaros no campo de íutebol, o Brasl já tnha perddo o Campeonato do Mundo no campo da polítca. Esta é a nformação que tera chegado ao tamarat, através um relatóro dlplomátco da Suça. Com efeto as hestações, fraquezas e recuos da delegação que chefou os herócos vnte e dos jogadores de Zezé Morera, desmoralzaram desde logo a nossa representação esportva, anmando assm contra eles todos os truques e golpes que a maora européa da FF sabe aplcar sempre contra os ngênuos sul.amerlcanos. Com o retorno da delegação, os " cartolas" vão passar um mau bocado entre DELEGC nós. RTE CONTR RELGÃO ntensa batalha que vem sendo travada em rno da localzação do futura Congresso Eucarístco é comandada pessoalmente pelo Bspo Helder Camara, de un lado, e a Sra. Noma-r Monz Sodré, de outro. Trata-se de um conflto entre os nterêsses da greja e da rte. O Bspo consdera hdspensável ao bom êxto do Congresso Eucarístco sua localzação no aterro da Glóra. Dona Nomar acha que o Congresso podera funconar perfetamente em Mangulnhos, dexando o aterro em paz para a nstalação al do Museu de rte Moderna. batalha DEMR BL, UM VEZ MS SÃO PULO hstóra da famosa "calxnha" de demar vrá fnalmente a públco. Como prelmnar da campanha eletoral quc já começa a empolgar S. Paulo, um grupo de antaremarstas va desencadear tremenda campanha de desníoralzação contra o lder socal-progresssta. base desta campanha será representada por sensaconas revelações sobre a formação "caxnha ". da famosa que tera rtho nm prejuízo ao Tesouro paulsta dc quase dez blhões de cruzeros. lgumas das nersonnldades mas em evdênca, no mundo polítco, socal- f-, naueero e econômco de São ) Paulo estão envolvdas na hs- * tóra fabulosa dos lònus ro s (atvos, dos bônus rodova- * ros, das qulométrcas cons- *. truções de estradas de roda-» gem. etc. etc... * WmmaMwZUtTlTTTTtT^Ê ROTS mslerdam tenas Barcelona Ba;:e,-< Keru» BeSraüo Fo rna Bruxelas Caro Copenhàgüa D a: ar Dusseldor Frankfurt Genebra Hamburgo nnsbruclc stambul Lsboa Londres.Víacnr Manchester Mlão Munchen Nova Yórlc Nce Pars ypara Recfe Ro de Janero Roma SSo Paulo sharmon Stuttaart»> vv-yafo Vena 7-unque -,,,... msasm Servços ttencos da pracsão quela tradconal precsão, que e7. o renome dos relógos suíços, encontra-se a servço do vôo com a tqmpe de téer.cos expermentados da Sussar TeL 34-30?J End. Teeg.: "SWSSTR" ESTÁ ESPER DO SR. BELTRÃO a- anda dará muto que lar. manada a témpéstade sentmental levantada pelas nformações que aqu dvulgamos sôbre a partcpação do Sr. Hetor Beltrão numa grande operação re cámblo-negro de ólares, vamos repetr aqu a vpergunta feta sábado últmo em um de nossos edtoras: por que não comparece o Sr. Beltrão á Delegaca ce Roubos e Defrãudàçõés para pedr certdões do processo a nstaurado pelo General nápo Gomes, como presdente do Banco do Brasl, contra Felpe Cavalcant de Melo e outros? CHRD OU PLTFORM? UDN" apresenta como candcato às próxmas ee^õeí um ndvídu0 cuja plataforma é o símbolo do pensa. mento confuso daquele Partdo. Traz o folheo de propa- "Para çanda: Deputado Jerônrnó lmc-da. crador da déa da dfusão do Dstrto Federal ao Estado do Ro do qual veo pelo famoso eto dconal de 1334". "Jíão podendo ser Estado por ter uma área de superíí. ce de l.lf" qulômetros qua. draros. sorá feto outro adconal à Consttução ncorporando-sé ao Estado, desmembrado na mudança da captal para Goás". Sabe lá o que sso? *^#^*v*+++ ++* ta * ** + + +* * m LROQUE, "PUBLC- RELTON" POLÍTCO O Sr. Henrque LároqUè, ex-presdente do 1PC, está concentrando tódaí as suas atvdades como "publc-relaton man" de um dos futuros canddatos à Presdênca ca Repúblca. O slênco da "Trbuna da mprensa", por exemplo, em relação ao Sr. demar de Barros, já é fruto ro excelente trabalho de rslações públcas de Laroque. OS DO CORVOS PETRÓLEO O jornalsta Rafael Cor. rea de Olvera, um autêrttíco mlonáro em adjètvos pejoratvos, que apea sem pedade contra seus nmgos potcos, acaba de adotar uma nova expressão: Corvos do Petróleo". Xão será dfícl ao letor descobrr a quem Rsíael Correa se reíenrmmoso GMPjEíf: fv-s &Ê. Hnjç 5? d» junho r*> 1354, 4 FF \ ao su juz. antt cüja manonra o nosso "ucratch" nterròmpeu onítírr>» mx rr.nrzh vtorosí na Copa do Mur.no, 0 Decreto do Saláro-Mínmo COMUNC-NOS O SNDCTO DS N- DÚSTRS DE FÇÃO E TECELGEM DO RO DE JNERO: De acordo com os precetos consttuconas vgentes, a -fxação do saláro-mínmo é atrbução prvatva do Poaer Legslatvo (rt. 1 37). s atrbuções do Poder Legslatvo são ndelegáves (rt. 36, 2. ). 2. Os dspostvos da Consoldação das Les do Trabalho Não íoram publcadas as condos. s Comssões de Saláro-Mnrno não se consrturam com fel observânca dos prescrções legas e, na sua maora, os representantes dos empregadores foram desgnados pelo Mnstéro dc Trabalho, ndústra e Comérco, sem a préva e ndspensável ndcação das respectvas classes. s propostas dos novos níves de saláro-mínmo foram aprovadas, sem que tenham sdo realzados os nquértos censtáros para conhecer as condções econômcas de cada regão e os saláros efetvamente pagos aos trabalhadores, conforme taxcfvãmente estabelece o art. 104 da Consoldação das Les do Trobalho. Não foram publcadas as condusões dos trabalhos ao? Comssões, mpedndo que os nteressados usassem do dreto de recurso que lhes é garantdo peh mesma Consoldação. 3. Os níves de saláro-mínmo, objeto do Decreto n.g , de 1." de mao de 1954, foram fxados por mero arbítro, ndcando cfras dsparatadas para remuneração mínma em reaões de dêntca stuação econômca, estabelecendo um clma de confusão e njustça para produtores e trabalhadores. 4. Em devdo tempo, as assocações represenfotvas da produção noçonql tveram oportundade de manfestar ao Sr. Presdente da Repúblca suas justfcadas apreensões entregando a S. Exca. fundamentado memoral em que se demonstra a legaldade da forma pot que se processava a revsão e os graves reflexos da medda para a economa do pa e para os nteresses das própras casses trabalhadoras. 5. Recorrendo" para c Supremo Trbunal Federal, usou éste Sndcato do recurso nsttuído na Consttução Federal, não podendo essa ncatva, de forma alguma, merecer qualquer crtca ou censura. 6. tste Sndcato não está dscutndo no Supremo Trbunal Federe c volor dos novos salaros-mínmos. Perante a mar- alta Corte do pas, desea dscutr a consttuconoldade e a legeldaoe do ato do Poder Executvo. Os nívesde saáromínmo serào obeto de debate, quando a medda fôr aprecada pelo Poder competente, de forma g atender os nteresses do ccnunto da economa nacjonal e dos trabalhadores de todo o pas. 7. ndústra têxtl jamas hostlzou as meddas que tenham por objeto o reajustamento dos saláros dos seus trabalhadores, de forma c ser estabelecda uma justo remuneração, dentro das possbldades econômcas e fnanceras de cada atvdade. Nesta, como em outras ooortundades, coube aos ndustras a ncatva de tudo fazer pelo bem-estar daqueles que labutam em seus estabelecmentos Reterando essa nvarável attude, a ndustra têxtl dc Dstrto Federal e Estado do Ro de Janero, representada por êste Sndcato, está tomando urgentes orovdéncas para que seja medatamente reazado um reajustamento do saláro profssonal dos seus trabalhadores, aguardando, em relação oo saláro-mínmo, esperançosa e confante, o julgamento, sempre sereno e eevado, que o Suoremo Trbunal Federal va proferr sôbre, 5o relevante assunto. Re d* Jançrcv 25 ds junho de 1954.

4 PÍ"V^f7 VW".,y«.^-^.-:-^^HM :,.. PG N 4 Ro de Janero, Segunda-Fera, 28 dè Juntõ de 7954 ULTM HOR" CONVL»«"»»«mxxsKnxKmasummmmmmmmmmmwmJÍS * "" «MRQUES REBELO notas Guatemaltecas UW--** «ví> do teu Conselho de Segurança, resolveu nuncla.se da Wa«h. não aprovar ó peddo de uma potênca euro. ntjton que a reunlío paa, para que a altuaçlo guatemalteca fone consultva dos mlns. estudada. Parece aue negatva partu da tros das relações exte. preunç&o de que nada acontece na Guatemala, apena uma luta entre vendedores de roreo sobre a Guatemala, prevsta para 7 bananas e algum escravos que durante mu. de julho próxmo, podera 9e realzar no Ro de Janero. Es uma cosa que não e«tá dreta. Prmero: porque um Jogo desse deve ser em campo neutro e esta nn casa da torcda nternaconal que o nosso Maracanã não é nada neutro. Segundo: parn haver uma reunão de mnstros do exterores aqu era precso quo se demtrse medatamente o nosso e sc no. measse um vertíndr.ro mnstro do exteror, porque sco que cstf a é frutero. Este smpátco organsmo chamado ONU (Orflan.7.aç5p das Nações Unldenses), atra- to tempo plantaram essas bananas. E cortava.me o estranho deputado, em caráter naturalmente confdencal O slênco que houve na Câmara a res. peto do caso da Guatemala 6 realmente mperdoável, meu caro amgo. Tanto que eu atê qus me levantar e fazer um bom dscurso de protesto. Mas nfelzmente dexe meu Larousse na Eaha, de manera que não tnha dado-: sebre o país rmão. Fca para outra nvasão. lll E o melhor resultado que podera haver em futebol sera esse: Guatemala 2 Ffa 0 O EMBXDOR GVTERREZ GRNER "ULTM HOR": á Pergo de a Bolíva se Transformar em Uma Nova Guatemala" "Não Permtremos Nenhuma nterferênca Estrangera Para Resolver Notsos Problemas" Dfculdades to Setor Econômco Com a Baxa no Preço do Estanho juda Dos Estados Undos no Que se Refere à lmentação_ Encmlro Vargas-Esíensoro Dversfcação da Lavoura «da Produção Reportagem de MURTÔNO MER Bm converta ontem com o repórter, o Embaxador da Bolva, Sr. Federlco Gutlerrez teve oportundade d(- s«referr ao seu país deten do-se partcularmente no que dz respeto aos problema* ecbr.ômlcos. >nra o Embaxador, a Bolva se acha p-esentemcnta atravessando uma grande crse econômca em vsta da baxa do preço de estanho, prncpal produto de exporta, renos 30 por cento. sso c-cnrrolou grandes dfculdades em sua economa nterna. Tanto assm que o stuação econômca eta Bolva atualmente é lasmável. Entretanto, em vsta das meddas acauteladoras do Presdente Stensoro. nota-:-e tuna pequena reação nos preços presentemente. Restrções Como o estanho é a prnepal fonte de dvsas conmua o Embaxador Gütlèrréz a Bolíva teve necessdade de fazer fortes reslrlçoes nos castos em moeda estrangera nfelzmente essas restrções não puderam ser muto grandes porque, como se sabe, nós temos necessdade dc mportar aumentos e artgos essencas, dc que nüo podemos prescndr, cm vsta ce nflo os produzrmos sufcentemente. Nesse parttalar, recenemos uma ajuda valosa dos Estados Undos, que compreenderam nossa stuaç.o. BtlflÈf car e, como nao podera dexar dc ser, petróleo que é o grande almento do mundo dc hoje. Km vsta dos comentáros surgdos lá algum tempo c que anda hoje perduram, segundo os quas o Presdente Paz Stensoro estara fazendo em seu pas um governo marcaaamene esquerdsta, chegando-se ao ponto de dzer que, passado o unso da Guatemala, sera a vez da Bolíva ser nvadda pnr mercenáros e exlados, ndagamos do Embaxador Gutlerrez Garner a êste respeto Nlo creo que os Estados Undos ou outro qualquer pas venha a exercer nenhuma pres. süo sôbrc a Bolíva. Não íaz multo que o Secretáro uxllar dos Estados Undos para assuntos amercanos, defendendo ante o Senado a ajuda economlca norte-amercana para a &*» -& anta nao acetamos nennuma nterferênca estrangera para resolver nossos própros problemas. Venha ela da esquerda ou da dreta, deste ou daquele País. Fazemos um govêrno sem lnjunções. Confamos em nossa capacdade admnstratva e não nos guamos por nenhuma nação. Fnalzando a conversa, perguntamos se hava fundamento na notíca de um jornal caroca que afrmara já estar marcada a data do encontro entre os presdentes do Brasl e de seu pas. Não, declarou. U cncontro se realzará dentro de pouco tempo, porque os dos já acertaram avstar-se numa tentatva de estretamento de relações dos dos povos. Entretanto, não fcou marcada nenhuna data anda, concluu. maquna de costura Wí "MNRV X^llgL -Mod ^M^ MÈ Um Brasl Por Descobrr Vasto Manancal de Petróleo no nteror de Mato Grosso Um Colono Fo brr Uma Cacmba e Deu no Veo Petrolífero Em Pary Próxmo % Cuabá o Barro Escuro se ncendea Faclmente Declarações do Jornalsta Wlson R. Costa cha-se no Ro desde o fm d temam passada o Jornalsta goano Wlson Regalado Costa. Em conversa com o repórter de ULTM HOR, teve êle opor. tundade de se referr t reser. vas petrolíferas do nteror de Mato Grosso que acaba de vs. tar demoradamente, também sobre Goás. Líqudo Escuro Dsse-nos Wlson Regalado: Em Cores, cdade a pouco mas de 200 qulômetros de Goâna e servda daramente por lnha aérea, um poço aberto no quntal de um colono re. velou a exstênca de petróleo, ao nvés de água. Mas quatro poços foram abertos no local e em todos se recolhe um lqudo escuro, com chero acentuado de querosene, que, decantado, c posto num motor desel, fá.lo funconar sem dfleuldade. Mlhares de pessoas têm do a Céres, verfcar o fenômeno. Uma fgura nfluente naquela cdade veo recentemente ao Ro e concedeu entrevsta a um jornal sobre o assunto, mas essa mportante descoberta, puramente acdental, anda não me. receu maor exame. ssm, através de ULTM HOR dsse o confrade goano quero chamar a atenção das autor. dades para o fato, pos que, en. quanto se fazem sondagens não raro malogradas em mutas regões bem podemos ter aos nossos pés um rquíssmo ma. nancal petrolífero, urgndo, pos, atenção mas rápda quanto possvel para o fato. Também ção daquela nação amercana, em vsta do térmno da guerra dn Coréa. em Mato Grosso, que acabo de vstar no lugar "Par", próx. Dfculdades O Embaxador bolvano Bolíva, declarou que o Governo do Presdente Paz Estensoro tero Lobato, há snas evden. mo a Cuabá, vstado por Mon- da Economa nterna aponta a prncpal medda pesta cm prátca pelo Presdente era vgorantemente antl-comu- tes da exstênca de petróleo. O preço do estanho que é o prncpal produto de exportação ce meu país, soíreu, ao Para remedar a Paz Stensoro: nlsta". nda hoje, descoberta a crôsta Observa o embaxador: terrestre, aparece um barro es. stuação, termnar a guerra da Coréa, sso demonstra uma grande queda de mas ou o Governo bolvano eslá atvãmente dversícandu a que n5o pode haver dúvda sobre a íormn- ncendea faclmente. curo que ao contato com o íògo produçáo naconal, a fm dc quo çao naconalsta e progresssta o pas possa sar da monocultura e produza também almen- do Governo de meu pas. Campo Grande cdade-revelaçso de Mato Grosso é Campo Grande. tos cm maor quantdade, cereas ae um modo gora, açú- De qualquer modo Nenhuma nterferênca Quase toda asfaltada, com ntenso tráfego de ad- automóves, ^^ ^%^mwm^m, >M*Wt,MM:, Um presente para qualquer da do ano, e t»m.re umes?roto surpreso., & &&, OS ÚLTMOS Z~-> MODELOS fduís ": -;; -M^M^-M ^Mh DOEÇS SEXUS DO HOMEM MOLÉSTS DS SENHORS Tratamento rápdo e radcal pelo ULTRSOM, ondas ultra-sôncas dos REUMTSMOS CÁTC MLG LUMBGO NEVRLG FLEBTE NFLMÇÃO D VES1CUL SNUSTE e S- M Blenorraga Csttc Prostattc Tratamento rápdo c postvo da MPOTÊNC SEXUL (casos ndcados) Tratamento da SFLS em 10 das por processos adotados nas maores clíncas dos Estados Undos com exame de laboratóro para comprovação da cura. Tratamento da BRONQUTE MGDLTc FRNGTE ROUQUDÃO CTRRO CRÔNCO SNUSTE TOSSE SM COQUELUCHE por NJEÇÕES PULVERZÇÕES NLÇÕES e NE3UÚZ- ÇÕES de PENCLN ou ESTREPTOMCN ou U- REOMCN ou CLOROMCETN ou TERRMCN ou BCTRCN THEEPEUTOZON VPOZON TRTMENTO RÁPDO E RDCL PELO "OZON" D QUED DO CBELO CLVCE PRECOCE CNE SEBORRÉ MOLÉSTS D PELE ER- SPEL ÚLCERS FÍSTULS - OSTEOMELTES RTRTSMO OTTES HEMORRÓDS MM í 1 Kl 7 Com v 9cn de estudos. LU U N l L Europa e Estados Undos CONSULTS Das 9 ãs 10,30 e das 14 às 16,30 horas (aos sábados s6 pela manhs RU DO CRMO, 6 (Esq. SSo José) Salas 808 a 812 8» andar Telefone: < snalzação nas ruas centras, boas edfcações, nclusve vá. ros edfícos de apartamentos, jornas dáros e um aeroporto nternaconal. Falar que Goa. na é uma cdade que dexou boquabertos Pedro Calmon. Nelson Carnero, Raquel de Queroz, Café Flho e outros vultos de projeção naconal, não é novdade. atual capta de Goás fo uma cdade projetada sob os dtames da mas moderna urbanístca, e, de falo, é um mmo de beleza e um assombro como dnamsmo c realzação, em tempo recorde, e 0 seu crescmento vertgnoso não pára. Ma,-:, Campo Grande nasceu como qutalquer cdade, sem plane, jamento nem estudos. Fo obra mas do povo que de governantes* Cuabá é a cdade das pameras de gente emnentemente hosptalera, evocando tradção e estocsmo no desbravamento do sertão pelos banderantes. De uns poucos anos para cá, sente-se que a está se modernzando e sa decsva, mente da fase "estaconara" para entrar na da evolução. Í Manfestam-se os Lojs * tas Sobre os Descontos de Prevdênca Socal Reundos os lojstas, na sede de sen Sndcato; cm assembléa geral pxtvaocl.n.ra, a ím de tratar do assunto do momento, ou seja, os descontos de provdènca socal, em face do refülamento apr.vado pelo decreto n* 3Ü.448, de 1. de mao últmo, ver.ícou-so manfesta unanmçjãdé de opnfo, no sentdo de um melhor resguardo dosnteresses dos empregadores como dos própros empregados: Dentro dêsse objetvo, fo aut rznda a dretora do Sndcalo dos Lojstas do Comerco do Ro dc Janero a mpetrar necessáro mandado dc seguranç;*. medda pssa que, anda êste mês, será requerda judcalmente. Outrossm. com referênca às contrbuções de mao últmo, o Departamento Jurídco daquele Sndcato opnou no sentdo de serem feles os respectvos recolhmentos ao PC, respetados o lmte do saláro de casse fxados cm dos ml cruzeros memas para os comercarosj de acordo com a tabela então exstente. t enorme a percentagem de acdentes domestcos, por mprevdênca ou mperca no uso de, certos meos que o progresso nos oferece. s cranças s5o, em gera, as maores vtma» dstes acdentes, devdo ã sua ngenudade e â falta de ncatva em se lbertarem dos pergos que frequentemente as assaltam. SEPRDO O CSL DO SCC JUREZ (Méxco). 27 (FP) O ator c dretor jnemato. gráfco talano Vttorlo üe Scca obteve hoje dvórco perante o juz mexcano Fcrnnndo Romero Flgueor, nesta cda. de de Juarez. Por esse dvórco, fca separado o casal De Scca Gudtta Rs.-one, casado lá 17 anos. De Scca chegou à captal do Méxco na qtartn-íera* passada, para a»oar o peddo de dvórco, soo a alegação de "bandono dos deveres conjugas" por parte dc sua senhora. Como se sabe. De Scca e Gudtta Rssóè têm uma flha. Emmy De Scca, de 15 anos de dade. Também ha ><ü $^mm ^K! mt ^^^^^^^^^H V_ <y^y^-mm. ^m\: \^^^ ^^^^^^^^^H Renove, economcamente, o mobláro do seu lar, escolhendo entre mas de 200 sugestões Palermo! Fsurlnos e mas fgurnos para a escolha de um vestdo... como também U9estões e mas sugestões para a escolha do mobláro do seu larl Por sso é que a Sra. deve vstar a Fábrca Palermo. Palermo apresenta mas de 200 sugestões de salas, dormtóros, etc, com os preços /*" manados nas etqueta, permtndo ncomparável varedade de escolha para todos gostos e orçamentos. %E, além dsso, Palermo oferece tradconal garanta, prazos de pagamento até 20 mete / Cm nômtros casos, podem tor excluídas váras peças dos mobláros completos d» salas, dormtóros, quartos de cranças, salas de estar grupos estofados. btrfa, tambsm fedas a nols a* horoí, txctfa OM «Sbado e domngo* tmztk y em móves ^wsèèmn$ tvbo TK ÍV RESDEVCM SOJT tsckltóus Rua do Rachuelo, 146/150 Entro as ruas ndré Cavalcanto o nvalde Evasão de Presos na Delegaca de Vglânca Mas uma sensaconal fuga de presos vem de te verfcar no Depósto da Delegaca de Vglânca e Capturas. Eram precsamente 22,40 horas quando onze detentos após depredarem o xadrez fugram por um buaco que va dar na caxa do Teatro Repüolca. Entraram pelo palco e aproveltaram.se da sagda do espetáculo ganhando a Rua Gomes Frere. Dado o alarma, o sargento Jacl de lmeda lrso, chefe da escolta da P.olcla Central acorreu à Delegaca para evtar evasão de outros detentos. medatamente fo solctado um choque da Políca Mltar e outro da Polca Especal que, após percorrer as redondezas, conseguram deter sete dos fugtvos. Os Fugtvos São os seguntes os pr»sou qe lograram escapar: Jazer Demetrlo de Mourr. col. Glson da Slva, lexan. dre Mendes da Slva e Juarez Coelho da Slva. polca j encetou dlgêncas para recapturar os pergosos crmnosos. To. dos eles respondem a processo, Probdos de Trafegar no Centro da Cdade: OS CRRNHOS DE MÃO ESTÃO PGNDO 0 PTO O Scrulco dc Trânsto está aprecdodo tódns ns carroças do mdo.surpreenddas cm transto no permetro central da cdade, deltntado pela Praça Mauá, Praça Qun- 2C de Noucmbro, Largo da Lapa,,,Uar»o da Caroca e Praça Tra. dentes. medda consttu o cumnrnctfo de Jma portara que, desde sua entrada em ugor, vnla sendo transgredda. mímeros «efculos de tração muscur.r vêm sendo apreenddos. promddnca tem por fnaldade elmnar do centro da cdade, pa- T" salvar aparêncas, a usso dêsses honestos trabalhadores que, pela naturera de seu labor, foram crsmados dc "burros sem rabo" remlnscóncla dos "collcs" Cquc, nor snal, dexaram dc exstr, na Clna contnental;* credtam as autordades do trâlego que. além de furtar aos es. trangeros essa prova da precare- Fundação N. Senhora de Fátma em Marcá manhã, às 11 hor&s. será solenemontelançada em Marcá, no Estado do Ro, a pedra íundamen. tal da futura sede da Fundação Nossa Senhora de Fátma, que se destnará a prestar servços de asslstôucla. Tlda a população local vem con. trbulndo para a Fundação. Para a solendade de nmanhs foram convdados 0 bspo de Nteró, D. Jo&o da Mata o embaxador de Portugal no Brasl. Sr. ntôno de Fara e o cônsul português Sr. ntônode Barros. Curso dc Féras Para os Futuros rqutetos Na manhã de hoje realzou-se a abertura-do curso ntensvo de pre. leções paa os alunos do tercero e do quarto ano da Faculdade Na. conal de rqutetura. O curso te. rá a duraçáo de um mês. É gratulto, tendo sdo organzado pelo proíessór catedrátco Felpe dos Santos Hes com a colaboração de seus auxllares. da F.N.. e Hretóro cadêmco. O programa do curso nclu au. as dc "Solo e Fundações, Estrutu.-s smples ou soladas, Estruturas contnuas, teora das estru. turas hperestàtcas", além de palestras, conferêncas, vstas, projctos c relatóros. flosofa e a arte de projetar" ío o tema da conferênca pronuncada pelo catedrátco San. tos Res, ocasão da abertura do curso o qual funconar* na Esco* a d«belu rte*. dade de nossa orflanteaçflo econômea c socal, a medda contrburã vara desobstrur o tráfego, últma alegação é pouco con. tncenle. Com e/cto, é Ínfma, a responsabldade daqueles ueculos, nos constantes congestonamentos que sofre o trânsto, na cdade. Quanto á prmera, não será escondendo o c/elto que a causa dexará de exstr. JUNHO - mês ce ESMERLD Presos Per Suspeta Pelos nvestgadores da Delegaca de Vglânca foram t». tdas as seguntes pessoas que nso tnham cartera de dentdade: ldo Flávo Cordero, comercárlo; Deraldo de sss Palm, comercado; Mamede lves de Brto, encerador; Francsco Mo. ras Segreto pntor. Todos foram mandados embora apft Polca se certfcar que nso eram presos. Mas tarde, compareceu àquela especlallsada o comssáro de Da Dr. Slvo Rbero. LVR RTFCL, JV GLÓR E FLMENG O Engenhero Frota Cavalcant, Dretor da Dvsão de lumnação ão Departamento Naconal de lumnação e Gás, nformou a ULTM. HOR que as experêncas que estão sendo fe tas para o üjo de lmpadas de mecúro no trecho corapreen ddo entre a Praça Pars e a venda Osvaldo Cruz, produz ram os resultados mas satsfatóros. s lâmpadas de mercúro dsse, produzem uma rradação semelhante ao reflexo da luz d* lua, São bastante econômcas, quer quanto a duração, que quanto ao consumo de energa. Por outro lado, trata-se de um processo novo e que est tendo grande acetação nos Estados Undos. lâmpada de mer cúro pode funconar, com toda a sua potênca, cerca do horas. Rende mas e melhor, sendo, portanto, a lâmpada mau ndcada para a lumnação públca. Temos repetdo os expe rêncas. Dentro de poucas semanas toda a faxa compremdda entre a Praça Pars e a venda Osvaldo Cruz, esw. com a lumnação mas moderna que se conhece, concluu o b Frota Cavalcante ^smts^sêsss^êmwê^m^mt^vmmm tw^bbbbbobbb^ * ^ÊmWÊÈsW^mwr 1 / ^SE BHQ W -< -fl mmr Es a grande (/k/^jmàojí BELÍSSMS 01SÍ RELÓGOS DORNOS EJLRXRS Oe eno poroono d nosso tradconal venda mas oferece vantagens em preços qualdade. É ex-> cepconal esta «enda de Venham ver. â^a/átâut\ ESMERLD Rua 7 de Setembro, esq. de Ramalho OrtgSo

5 ULTM HOR R/o de Janero, Sègurídã-Fefã, 28 dê Jünhõ dè 1954 PÁGN 5! ca *" *V" provete.!,,-somente 15 UMENTO NO PREÇO DO ÇÚCR "+********+ +»*»*»»*» f»**»»+»+»*»+r***+****+**+*»++*++»t*+**+1 QUNT-FER: O REPRESENTNTE MERCNO LMTOU-se a uuvfr Durante cnco horas consecutvas, esteve reundo, éxtràórdr.àramente, o Conselho de Segurança da ONU, para tomar conhecmento da "revolta Guatemalteca". Estveram presentes os representantes de todos os pases credencados naquele mportante. órgão, nclusve o Sr. Henry Cabot, dos Estados Undo?, que se lmtou a ouvr as acusações do representante da Guatemata. sada, o representante amercano posou ao lado do seu colega de Honduras. o fundo vê-se o Sr. Hugo Gautcr Cònsul-Geral do Brasl em New York, sorrndo para uma personaldade não dentfcada (Foto NT) O conhecdo ator e dretor cnematográfco TÁL talano Vlttoro De Scca desmentu formalmalmente, esta manhã, a notíca publcada pelos Jornas mexcanos, segundo a qual tnha do ã cdade dc Juarez para se dvorcar. Numa declaração feta aos Jornalstas, o Sr. Dc Scca afrmou que estava nos melhores termos com a sua esposa, Gudtta Rssone, e que a sua vla-fem ã cdade dc Juarez, ro Estado de Chhuahua, lga-se aos seus projetos de rodar üm um flme sobre a vda dos "Braceros" mexcanos clandestnamente aue a frontera passam amercana, para trabalhar nos.campos dos Estados Undos". (FP). MÉXCO Uma dona ae casa de Manchester, senhora Mare shton. fo admtda num hosptal de Port-Talbot (Pas de Gales), ontem, num estade de fadga extrema, depos de haver batdo o recorde mundal de uma maratona de.pano, tocando êsse nstru- ^mento durante 134 horas sem parar. Começou a tocar na segunda.fera passada, às 9 horas da manhã e não dexou o seu pano, senão no-sábado, às 11 horas da note. Sra. Mare shton tocou durante qunze mnutos supcmentares dante de audtóro de város mlhares de espectadores e fêz a multdão cantar o hno naconal nglês e gaulês (FP). f+**^#*»*»ny>*»*»y^ VTCNO Sua Santdade o Papa Po X decdu rencar suas audêncas regulares, hoje, segunda-fera. CHN Chou En La dexou esta captal com destno a Rangum, às 7 horas e 15 mnutos de hoje, ntes de dexar a Índa, o Prmero Mnstro e Mnstro do Exteror da Chna Popular, íêz a sogulnle declar.vcão: "No transcurso da mnha vsta à nda, tve entusástca acolhda e calorosa hosptaldade da parte do governo e do povo ndanos. Desejo exprcsspr a mnha profunda gratdão ao povo ndano, no momento de partr. s conversações slno-lndanas desenvolveram-se, no transcurso dos três últmos das, em esprto do compreensão e de cooperação mútua e tveram como conseqüênca, resultados precsos. Julgo que esses resultados não somente reforçarão a amzade entre a Chna e a fnda, mas gualmente auxlarão a consoldar a paz na Ása e no mundo. Kn desejara menconar, fnnlmente, o papel postvo desempenhado pelo Prmero Mnstro Nehru nessas convcrsarbes. Merecem louvores da parle dc nós todos os seus esforços a íavor da paz*". %ttnç" níorreu no hosptal Roch. de Surenses o compostor francês Cásádessus. Pue estava cm tratamento há váras semanas- Tnha a dade dc 84 anos e fo quem fundou, cm 1924, a Casa da mérca Latna. Era compostor e dre. tor de orquestra, tendo nascldo em 2 de dezembro de utor de poemas snfôncos, drgra na maor pnrte das grandes cdades da Europa. Ó governo amercano o tnha nomeado, em 1918, Dretor da "mercan Expedlonaru Force Bandemas. ters nd Muscas Schol", no Grande Guartcl General de Chaumont c encarregado de reorganzar as múscas mltares amercanas, essa escola devera levar à cração do Conservatóro mercano de Fontanebleau, do que fo Dretor Francs Casadessus. Wos meos chegados ao Conde de Barcelona, pretendente à Coroa de Espanha, PORTUGL. recusam-se a levar a séro as nformações dfunddas por uma agênca brtânca, c segundo as quas o General Franco estudara um plano de restabelecmento da monarqua- Essas nformações apresentaram, como prmero elemento dêsse plano, a vsta que os dos pequenos príncpes Juan Carlos e lphonsc fzeram recentemente a Madr, ao General, antes dc tornarem a Portugal, onde cassam as féras junto a parentes resdentes no Estorl, perto djlsboa. Nos mesmos meos, consdera-se como gualmente desttuído de fundamento o programa de ses anos que o General Franco tera preparado para completar a educação e a formação poltcas do Príncpe Juan Carlos, com a dade de 16 anos. (FP) Tendênca do Plenáro da COFP: Majoração Que Não Prejudque o Consumdor c Qüe tenda, Por Outro Lado, os Trabalhadores na ndústra çucarera O Produto Não Pode Sar do Dstrto Federal O "Caso" Das Bebdas e o do Cnema O aumento do preço do açúcar, deverá ser conceddo, mas não na base solctada pelos produtores nformou-nos esta manhã, um porta-voz da COFP, sobre a próxma reunão do plenáro do órgão controlador de preços, qunta-fera. Segundo anda êsse portavoz, o Coronel Hélo Braga es. tentado a Granada Dentro do Cnema PRS. 27 (Reuler) Fo lançada uma granada dentro dc um salão do cnema, na note passada, no campo mltar lao- Mano de Knamo, nos arroba), des de Vcntanc, causando a morte de sete.pessoas o ferndo cerca de 50. O despacho de Ventanc. recebdo hoje em Pars, anuncava que duas cranças guravam ontro os mortos. números ferdos, entre os quas, cvs, encontravam-se em fstado grave. tá bastante nteressado cm que o assunto seja examnado com o máxmo cudado possível, ele vez que nteressa a mlhares de pessoas, não só os compradores do produto, como o pessoal quc trabalha na ndústra açucarera, E o assunto da semana, n. dsculvelmenlc, na COFP. O órgão drgdo pelo Sr. H6- lo Braga, íêz dstrbur uma nota, nformando quo o labelamento do açúcar não foge ao seu controle e quc a fscalzaçao da movmentação do produto está sendo feta. Não podem sar do Dstrto Federal, partdas *am de açúcar que não scautorzadas pela COFP. O açúcar deverá ser, prátcamente, o únco assunto desta semana na COFP. Segundo consegumos apurar, nem as bebdas, nem os cnemas, deve. rão ter os seus casos examnados já pelo plenáro, antcclpando-se, porem, que não ê exato haver uma tendênca declarada da COFP em conceder llbe-- ração às bebdas alcóolcas, por se tratar de artgo que não e de necessdade... DOENÇS D PELE Sífls, Câncer, Eczcmas, Varzes, Ülceras das pomas, Verrugas, Espnhas, Queda do Cabelo, Purúnculos, etc. Dr. gostnho da Cunha SSEMBLÉ. 73. Fone, Das 16 às 18 horas The FRST NTONL BNK/ BOSTON Fundado»m Depósto, Cauções, Descontos, Câmbo, Cobranças, Cartas de Crédto para mportação, Guarda de Valores, Cofres do luguel c todos os demas servços bancáros. UB RO DE JNERO v. Ko Branco, 18 SÃO PULO Rua 3 de Dezembro, 50 SNTOS R, 15 dc Novembro, 72 Rffl. ^RÕQÜE a sua" geladera ES D DS) de qualquer marca pu modelo ümrzandqía como PRTE DO.PGMENTO flesta moderna GENERL ELECTRC coíçses excepconas de pagamento MODELO T853 «ade U.S.fc * *?,y~*p75 curjcoscom espaçoso congelador sreoestído dc alumíno-. ttnodwdp. "ST Comparlmento para mantega conservan- to-a sempre, tmea. tt paslosa. 7Y s prateleras mter* nas, ajustáves a va ras posções e três na porta oferecendo espaço extra para ar* mmenagem. $T Duas espaçosu *n-**e» tas para verduras^. 4 frutas e legumes, & Garanta dt 5 aof,- Entrada e mensaldades dg ELE5T& cora o seu orçamento. j^^asâsssã1. «ÉLl& ZXLy.ár? ay; fc J M. =L \>Ü " "" V. RO BRNCO, LOTÇÃO FO COtffR ÁRVORE FERNDO VÁROS PSSGEROS O lotação chapa 4-05-H7, drgdo pulo motorsta Donavão Cruz, ao tentar se desvlar de um outro veculo, ontem, à, tarde, na v. João Rbero próxmo à Rua Soares Mereles fq de encontro a uma árvore. Em consequênca, saràr ferdas e foram medcadas no Posto dc ssstènca do Méer as seguntes pessoas: Máro. 13 anos, flho dn lta.l* Conceção, Rua Conselhero Jobm, 374. Casa neralzadas: Mlton. 4 anos. flho de Nlton lcoíorado Olvera, Rua Cons. Jobm, 371, Casa 8, íerda contusa na perna dreta; ldn de Olvera, 19 anos, Rua Conselhero Jobm, 374, Casa 8, contusões e escorações generalzadas; Pedro Olvera, operáro, 19 anos, Rua Conselhero Jobm, 374, contusões e escorações generalzadas; José Carlos, 1 ano, flho de Mlton lcofórado Olvera, Rua Conselhero Jobm, 374. Casa 8. contusões e escorações; Caubl lves de Castro Jornalsta do "Dáro Caroca", 25 anos, Rua Francsco Veças, 181, contusões generalzadas e Donavão da 1 Cruz, motorsta, 31 anos Rua Slva Pnto 134, sofreu contusão no frontal. O motorsta após medcado ío conduzdo ao 23. Dstrto pelo nvestgador de servço naquele nosocômlo. Er.tretanto, não fo autuado por falta de testemunhas. eldda gasolana shell 0S0 é c ccít,v0 descoberto pela SHELL ouê acaba defn- «vãmente com duas das causas mas (requentes do funconamento rregular do motor: a pré-gnção e o curto-crcuto nas veas^ l PHé-GNÇO ô causado paos resíduos qua lôda gasolna sem. C dexa nas câmaras do combustão. Esses resíduos fcam cm brara. prncpalmonlo duranle a aceleração e nas grandes velocdades, o nllamam a mstura or-combustvel j H e apesar dsse* onles que os pstõos tenham atngndo a sua posção exata (fg. 1). gasolna Shell com. C evto que os resíduos fquem ncondoscontas, o quo permto C uo o mstura ar-cambustvel soja nflamado no tempo devdo (fg 2), assegurando ao motor plono desen volvmento da sua polóncg o perfeto funconamento J ^ ***S5 ^^p- ^S líf[l JlMu.,, O CURTO-CRCUTO NS VES é provocado pelos mesmos resíduos que ao se ocumularem no parle salante das velas tornam-se bons condutores de eletrcdade è o corrente para a desvam massa do motor. mpedndo a (ormação da centelho quo nflama a mstura ar-combustlvol (fa. 3). goolno Sholl com. C.. neutralza a composção químca dos tesduos, mpodlndo quo dêem passagem à corrente, garantndo assm a formação regular da centelho (119.4). o que, além de evtar despordco do Vco.Ulbu.Svel, faz com gue cs velos durem mas. BBWW BsmtSSSSÊftÊ0 WSSS;R:S^í?í?SSS^!^?JSJ^^.C.Â. É UM EXCLUS1VD&PE D SHELt ÓSE ésõlín SHELL COM.C. NO SEU CRRO... E NOTE DFERENÇ *t fülor POTÊNC DO MQTQB. FUNCONMENTO SUVE E MQR QULOWER&ÜM PQR TRO^

6 *«HW "1T"* V"r~ *?flsflpjí*f!pth^ *!:Tf<.. ^^^rty^ll^sftw^y r.»^%-r.rr- >» >r~^wl. «*f,nvtw*nr E2Z,,»».,,»».»,*«< h,>,>**«m+ *%*>>> **** <*»1*V VtTr>TÍwíww>w PG N 6 Po cfe Janero, Segunda-fera, 28 de Junho de 7954 ULTM HOR (JJr^. ftywuíf. T<M \ CO/S/ÍS D F/D.4 E D MORTE BRNCNDO DE MTR Passada a "batalha do século" ameno o delete emnentemente antlteráro de ler a crônca polcal dos jor- c^e termnou tão melancòllcamente, alás, com algumas garrafadas, socos e nas, ío o daquele jovem trocador de palavrões entre alguns homens semnus ônbus que brncou de matar com o seu - voltemos às nossas mserlaznhas locas, pos, dento e fora dos campos de uma cena real, do mas doloroso e atroz companhero e acabou fazendo mesmo futebol; os homens, sobretudo certos homens, contnuam muto esporüvamente O rapaz, que se chama Júlo, achou realsmo. dando coces e caqueradas uns nos outros- pequenas pstolas japo- no seu lotação uma dessas Leo a págna polca dos.jornas de ontem com uma caneta metal nesas, muto parecdas? encontro, nur.a lápda comum, com a dferença vsta dolhos, como dra de que, em vez de tnta õ Zé Fernandes, a s«gunt«movmentada estãts-. vomta bala de matar, no de escrever, a tal caneta ua de nossos fetos rlomfcas: qunze agressões, sso ou por que se tratas- duro. Ou por que gnorasse dezoto assaltos (todos a se mesmo de um rapaz mão armada, fnco sul- dado a tas estranhas -Uos sendo clos de donzelas de pouco mas de mou c seu companhero brncaderas, Júlo cha- qunze anos aos que se de "ponto", José e apontou-ll.te a arma: dsseram táo cedo desen.ahtadas co amon dezenove atropelamentos sendo oto a tas), quatro crmes tá bem? Vou te escrever com esta caneta, de morte fl) e outros míseros acdenteznlos sem maor mportânca, já que a p- dsparou, ferndo mortalmente o amgo. Mal acabou de dzer sso, a arma menta nos olhos cos outras não dó. Júlo fcou parudo, de terror: pensando que aqulo era arte do dabo. Mas o caso que me deteve em letu ra mas demorada, já que não acho nada L. C O woíoríía João de Sousa Rocha, mas uma. títmn de assaltantes MORREU NO OUTRO MOTORST SSLTDO Na madrugada de hoje, vetícou-se outro assalto a um motorsta, sendo a vt/na João de Sousa Rocha, de 55 anos de dade, rsdenle na Rua das Laranjeras n. 40. chava-se éle parado no "ponto" dos rcos quando três ndvíduos tomaram o seu auto de n mandando-o rumar para o barro do Esuáco e, posterormente, para a Rua Mala Lacerda. Em local que acharam oportuno, um dos assatantes. o que vajava ao lado do motorsta, exgulhe dnhero. Como o homem recusasse, sacou de um revólver dando um tro Que atngu João de Sousa no braço esquerdo. Os PRONTO SOCORRO No :->:ftfd» ü gravdade dos fermentos falacau, na mathã r? hojr-, nn Pronto Socorro, oajudante ce camnhão Hobcrtc Corlsno. Conforme notcamos, na nossa prmera erçáo, Roíc-to h\va sdo baleado, por três vezes, no abdome è ní< coxa dreta, pelo ndtvlcuo conhecdo por "Rbernho". C--m ats-r teve uma desntelgênca, na Favela do Esneleto, nò local denomnado por Becr. das Cranças. dsçísão se urçtou por ocasão de um velóro, tendo Roberto o. "Rlbe:no ;ado para a rua, a fm de "resolver a parada momento am o.ue o últmo sacou da uma e. fêz! ou dsparos que fhnrrarp o ajudante de camnhão. Recolhda ao HPS, a Vtma -!n submetda r uma ntervenção crúrgca vndo a falecer. nolíca ro.19.» Dstrto, nterado do fato, ncou dlgêncas Pp*a * captara do agressor que se encontra fora- ÇfÇ10- Descarga Elétrca,.O eletrcsta Máro Duarte, de 19 anor, soltero, resdente no Psque rará,. 133, no Caju, estava.às 17 horas de sábato passado, fazendo a nstalação elétrca da fãbrca-stuada na ru». General GurjSo, 319..De repente, fo atngda por uma descarga elétrca volentíssma que o tez precptar do teto õo prédo ao solo. Cando, o jovem!*#>#####*#** *.**#,/"**>#»*^#^#^***^#^*-r. Fulmna Eletrcsta fcou estenddo, nconscen- } te. Os seus colegas te traba- j h-o chamaram uma ambulan-» ca. Quando o médco da 5 guarnção chegou ao local, $ constatou logo a tnore do» eletrcsta. O seu corpo fo encamnhado ao necrotéro do $ nsttuto Médco Legal, por J determnação das autorda- j des polcas do 16.» Dstrto» Polcal. { CX ECONÔMC FEDERL 00 RO DE JNERO Expedente Nos Das de Encerramento do Balanço Semestral Caxa Econômca Federal do Ro de Jancro comunca que no próxma da 29 (São Pedro) lôdas as Mas dependêncas funconarão no horaro dc 9 no meo-da. Pára efoto de encerramento do exercíco semestra], na quarta-fera M da an agêncas de depostou e cheques termnarão o expedente às 15 hora», só reabrndo sexta-fera da 2 de julho no-horáro normal. No da 1." de julho ferado hnnoáro nío haverá expedente em tôdas dependêncas da nsttução. fj^mmmmmwx *v \ t s gfcl ^Z^fíttZl^^VL. ^T^^^^^^fl Torne-se conhecdo no Banco ndrade rnaud bro umo conta de depóstos. Este é o Bano» que aplca tôdas as suas dsponbldades excluslvãmente - no Ro de Janero, em benefíco da ndústra e do comérco locaa melantes fugram a segur tendo a vítma prouarado o Comssáro do 14. Dstrto onde apresentou a tespectva quexa. autocdade tomou tôdas as lndcações provdencando os socorres para o ferdo, o qual, após ser atenddo no HPS, retlrou-se, Qus Morrer Porque há Cnco Meses Não Recebe O operáro Sléso Correa Porto, de 31 anos. tentou matar-se na tarde de anteontem, ngerndo ácdo fênco. no cruzamento das Ruas Carmundo de Melo e Lemos Brto. Co. < méçòu logo a passar mal e X transeuntes quo passavam so. J lctaram uma ambulânca. * Ksla conduzu o quase-suc-? ra ao Posto de ssstênca do S Meer onde ao ser socorrdo. \ socorrdo, contou ao nvest-» gador: * Eu nger o veneno por. * que há 5 meses que não re. > cebo um tostão do Servço de j ssstênca aos Menores, na, Rua Carmundo de Melo, on- \ de eu trabalho. Durante êsse * tempo todo não leve dnhero? para a mnha mulher o flhos. Porsso resolv acabar com vda.,. **<**#^***** ccaccnarn com Duas Facad as Nas Costas \ O CRMNOSO FO PRESO E UTUDO N DEL. DE S. GONÇLO. Num» retldênela partcular ltuada no lunar denomnado X «Jardm Catarna",, no muncípo de So Gonçalo, há poueot da», reallzou.e uma feta dançante em que tomaram parta rú. í merat pessoas convdadas entre a quas» encontravam nl tonlo Messas Belo, de 26 anot de dade, de c«r preta, morador na Rua Mato Growo, /n, e Ruben» Nune de lmeda, opera- ; ro, com 28 anot caado, retldente na Rua 16, lote 27, em La. ranjal.! No salão da frente o bale a ; bastante anmado, enquanto ;; nos fundos da casa város rapazes formaram um jogo de ;; baralho; Nesse jogo tomaram [; parte Messas e Rubens, os quas por motvo de uma l parada desentenderam-se e se! empenharam em luta corporal. ; Rubens, entretanto, que es-! tava levando desvantagem na! brga, retrou da cnta uma fa- ; ca com que estava armado,! desferndo dos profundos gol- ; pes nas costas do nmgo, que.! sau para a rua, vndo a car! desfalectío no melo da estra- 1 da, até que uma pessoa não ; í dentfcada, o conduzu ao! Pronto Socorro de São Gonçal; lo. ; Tal ocorrênca, todava, não ;! fo comuncada à polca, e tut do pareca esquecdo. Ontem, \ porém, Messas faleceu no Hos- a ssaltado na Ponte Dos Marnheros Na Ponte dos Marnheros, aos 40 mnutos de ontem, o operáro José Qurno Bento, de 62 anos, casado, resdente na rua Cesáro Machado, 77, casa S, fo assaltado por dos desconhecdos que o moblzaram, traram-lhe 120 cruzeros e o esfequearam no abdomem, fugndo em seguda. pta, tendo o caso sdo clentlfcado ao nvestgador Josué, a quem fo cedda a gula para "Dequnha" Esfaqueou é Fugu Em estado gravíssmo deu entrada na note-de sábado no Hosptal Carlos Chagas, o operáro Geraldo Bernardes Garca, de 29 anos. casado, com ferda penetrante no hemtorax dreto, em estado de choque. Depos de passar pela mesa de operações fo nternado. esposa de Geraldo contou às autordades do Dstrto de Maréchal Hermes que o seu mardo tem nm amgo de apeldo "Dequnha", natural de Mnas Geras. Ontem, "Dequnha", fo à resldênca do casal, em nhaúma e propôs a Geraldo um bscate que ram fazer em Jacarepaguá. Seguram os dos e na estrada dos Banderantes. não se sabe "Dequnha" porque. sacou de uma faca e golpeou Geraldo que o acompanhava emfrente ao Qulômetro 15, fugndo a segur. s autordades estão apurando o caso. DOENÇS DO CORÇÃO E D ORT Pressão arteral alta e baxa. Tonteras. rteroesderose. Falta de ar. Palptações nervosas. Cansaço, Dormênca nas extremdades. Zumbdos e batmentos nos ouvdos. Bronqultes asmátcas e complcações. Radoscopa, Eletrol cardografa. Estetofonendoscopa. Oxgenoterapa assocada, nebulzações. Tratamentos de segura efcênca na CLÍNC FSOTERPC DO»R. EDURDO V1LLEL Especalsta com 36 anos de prátca, dos quas, 14 anos nos Hosptas Cochn, Necker, Hotel-Deu, Larbosère, Bouclcaut, Tenon, Laennec, Sant-Lous e Sant-ntone (de Pars), no Val-de.Gráce e no Hosptal Mltar Broussas. Médco mltar nos Hosptas da França, na- Grande Guerra de Dplomado em Fsatra nos Estados Undos da mérca do Norte. Estágo na Clnca Mayo, nsttuto Neurológco e nos Hosptas de New York. 16 RU D LP, 1«1.» NDR TEL.: De 7 a lí de 15» 18 horas, todo* m da». MSS BRSL" HOJE NO CSBLNC Carlos Machado homenagea, hoje, a senhorta MaYta Rocha e tôdas as concorrentes ao certame que consagrou "fl mas hela braslera", oferecendo, numa esta de beleza e encantamento^ STÃ DRE 0 ESPETÁCULO o "show" que é uma apoteose ao luxo, bom-gôsto e beleza RESERVS: e CSBLNC o sepultamento, Este polcal, dante do fato, efetuou uma dlllgènca ao local do crme, autor consegundo descobrr o da facadas e prendê-lo na própra resdênca. Conduzdo à Delegaca do 1. Dstrto, Rubens Nunes confessou o delto, sendo por sso mesmo, autuado e recolhdo ao xadrez. SENSCONL CMPNH DE PREÇOS BXOS Oferecemos e«ta oportundade para V. adqurr uma JÓ DK QU- LDDE por PREÇOS EXCEP- CONS Lndo relórfo poluíra p/enhora, -. todo ouro 18 k., suíço, S rnlls, cora 2 brlhante» a 4 rubs cravados sobre platna Gr ,00 Lnda pulsera de ouro 19 k. p. herloqueí: Ocas desde CrS Macças, desde Cr 1.900,00 ; Berloques de ouro S k em vros modelos c/ brlhantes, cuas marnha, rubs e saflrs. desde*. Cr» 450,00 Relógo para senhora, folheado a j mro, 15 rubs, ótma máquna suça cordonet de ;eda em v.1- * ras cores. Cr* 600,00 Elegante relógo para homem, folheado a ouro suíço, 1.1 rubs,! ntmagnétco, c/ pulsera ex- tenslva folheado, garantdo e grande durabldade: Cr Grande varedade de nés nrncos, Broches, Colares, Pulseras. em outro 18 k. EXTMENTE NO PREÇO QUE LHE CONVÉM PREÇOS ESPECS PR REVENDEDORES JOLHER Domnadora Ltda. Rua do Passeo, andar - sala 9 TELEFONE: S2-T68S ;, ~~ *». Vr.3;5: " " «.. ggj&&&k KHíPs3M& MPÁ NÁPOLS NDRDN FUCRN QU0UN SCJÚ ÍÇTUB ÍGUCEM RGUTKS (V. MRBÁ) RRQUR RRS RUN BLSS BGÊ BRRERS BELÉM «ELO HORZONTE BRGU BÔ ESPERNÇ (Fa»ndo) BÔ VST BRSLEl (V. XPUR; BREJO BUENOS RES (rguntlna) CCERES CEN (Guana francesa) CMPNS CMPO GRNDE CNNÉ CNVERS CRCS (V.neuelo) CRZNHO CRVELS CROLN CSCVEL COCH8MB (Bolíva) CONCEÇÃO OO RGU CORUMBÁ COU O DE MGHESÇV. CONCEÇÃO DO RGU) CRUZERODO SUL CUBÁ CURTB ONÔPOLS ESECHM florno aornopols «ERNNDO DE NORONH formos FORTLEZ ORt PRÍNCPE D BER GEORGETOWN (Guana nglesa) GOÂN GUJR MRM LHÉUS TBUN : TJl TRRÉ JOÇB JOÃO PESSO JOZERO (V. FTROLb) JONVL LGES LGUN MCPÁ MCEÓ MFR MNUS MRBÁ MTO-GROSSO MTURN CVtn*ll)*la} MONTE LEGRE MOSSORÓ NTL NUVDD. OPÔQUE PRWGU PRNVl PRNB PSSO FUNDO PEXE PELOTS PETROLN PUS PRJÚ PRES DO RO PLNLTN PONT GROSS POSECTÚ PORTO LEGRE PORTO NCONl PORTO UNlO <V. UNlO D VTÓR). PORTO velho POSSE RECFE RO BSNCO RO GRNDE RO DE JNERO RO NEGRO (V. MFR) ROBORÊ (Bolíva) SLVDOR SNT CRUZ 0ELSERR (Bolíva) SNTRÉM SNTOS SN JOSÉ (Bolíva) SO DOMNGOS SO JOQUM 0 BRR SO LUS SO PULO STO D BD TGUTNG TRUC TEREZN TUBRÃO UNld D VTÓR VTÓR XPUR Tráfego jnúfuo com a T.. Ce a SVÂG. Tráfego mútuo com a SERVÇOS Cruzero do Pluna: Montevdéo ÉREOS Sul Ltda. v Ro Branco, 128 Tel: v Nlo Peçanha Tel: ^^^^mmmmwmw <*olrl. Rga 7 Sttt-mbn, 32 - T«l. 32-ÍOO(«.»*.» tdçlw_89n»uce*»o,.l»p^jw«r», J*Mrt Gnt» SWOP. tm-w" l

7 -. >T-, 7 - ; jtssfjp-flwf - CESSO PE LOUCUR NESPERDO t Tentou Matar a Flhnka e a Esposa em S. Crstóvão Em Segu-la, QuU Fazer o "Hara-KM ", Nâo Logrando Sucesso Fauí- Ua Toda no HPS Mâe e Flha Estão Gravemente Ferdas. *f- Tragéda E - wmmmmmmmmmm^mm^m tarrecedora EnluU um Lar Modesto eom-tld» éé nm «cesto dt loucura, um ftrrtlra tsrrtou ma. (.. «facada* á tua fllhlnha de 1 ano de dade, a aua esposa que lec-dlra a crancnha, *, em seguda tentou o sucído, etfaquean. do-m no abdom*. mpressonante tragéda doenrolou.te em lo Crltfvlo o ot trh protagonstas do cato estlo nternados bíhps, tm tttado gítvt. Fara StH* ****t» H cnco anos que o monstrando vsvelmente perfeto um jnío Ferrera de Lma. desequlíbro de 53 mental. Começou «no» casou-se com a doméstca a mostrar-se um faclmente rrtadçu, nervoso sempre Zlda Gerflnco de Lma, de 24 ^^^l^^^^^^^^^mm mm e deu para beber. anos. O casal vva em Chegava a abusar da ngestão de bebdas perfeta alcoolólcas, larmna e nada levava a acre. dtar que uma tragéda de tamanhas proporções vesse a eclodr no modesto lar. nstalado m Rua Couto Magalhães, S8S, em São Crstóvão. O nascmento de Elzabeth, que conta atualmente 1 ano e 3 meses de dade, veo estabelecer mas um elo de unão entre o casal., Mas, a desgraça não tardara s acometer o modesto lar. anda em seu prncípo; O ferrero apns meses para cá vem de. "SE00""ES*- Jl M UlTMÍ HOS não ndo mas trabalhar e fa. zendo do seu lar um verdadero nferno. Provocava cenas desagradáves e escandalzava tôda a vznhança com as suas attudes de demente mental. Mas, tanto quanto era possvel, Zlda envdava todos os esforços para controlar a stuação e agr da melhor manera, Na tarde de ontem, entretanto. a hora do almoço, aconteceu algo de nesperado e surpreen. dente, depos de um período de telatva lucdez mental do ferrero. pequena Elzabeth estava engatnhando na sala. JoSo Fer. rera em. dado momento grtou para a esposa: Zlda, eu estou com fome! Plflfll^ W^mmm^^^^^m^mmm^mÉtk^., fbpm p mtwjmwmwmmí»^^s<^b B"&&».. Hll fl s^lvl^sshsa HOBKRTO QODNO, de trnta e um anos, soltero, ajudante te camnhão, que aparece na foto acma, deu entrada na madrugada de ontem no Hosptal do Pronto Socorro, em estado desesperador, com três projetes encravados no corpo, dos na regão abdomnal e um na cora dreta, o ser assstdo na sala de curatvos, declarou ao nvestgador que le cra agreddo a baa por um ndvíduo de apeldo "Rberl. nho" e mar dos outros, desconhecdo? dele. O fato ocorreu na Favela do Esqueleto, num local denomnado Rua das Crancas, perto de onde resde a vtma. desavença ter-se-a orgnado durante um ucíóro que hava nas proxmdades. Roberto m "Rbernho" saíram para fora para "resolver o caso" ocasão em que este últmo abru fogo contra Roberto, atngndo-o moralmente, em três locas. vtma contnua nternada no HPS em estado que nspra cudados e as autoníades do 19. D. P. regstraram o caso, estando no encalço dos agressores João terrerm de Lma, o homem que, acometdo de um acesso de loucura, quase mata a flha e a esposa, ao ser me. dcaâo no HPS mulher respondeu: Espera um pouco que eu estou acabando desfazer o amoço. Féz-se slênco por alguns mo. mentos. Em seguda, ouvu.se o grto angustoso da menor Elzabeth. Prevendo algum acontecmento desagradável, Zlda acorreu a tempo de agar. rat o seu mardo, que como um alucnado desfera golpes sôbrc golpes de faca em cma da ndefesa crancnha. mulher m^ s< < >" >-*ítv»s^,**>- m\. &,,"C* ^mm.sm <--- *m-^^ ^ ^ -m^^mm^s*^ ^-. <,.;?ms. ^ms1 %. ^<r> ~m ^"^tsc^^sw - mm mardo en- jr^mm-m. ^-^ nterpôs-se entre o louquecdo e a sua flha, passan. do a receber os golpes que eram destnados à menna. Com pouco estavam prostradas no chão sangrando abundantemen. te, sob as facadas do ferrero a sua esposa e à crancnha. O ferrero, então, prossegundo na sua fúra assassna, vrou a ponta da faca para o própro abdome, fazendo fermentos ncsos e não penetrantes como fzera na esposa e flha. Com pouco, os vznhos acorram aos grtos de desespero e deparavam com o quadro ndescrtível. Uma ambulânca pouco depos levava a famíla vtmada pela tragéda ao Hosptal do Pronto Socorro. O estado da esposa e da menna é gravíssmo, devdo à grande perda de sangue. Tve. ram de receber transfusões de sangue. Foram nternadas e seu estado nspra cudados. Os fermentos do ferrero fo. ram mas leves. Estradò na mesa de curatvos êle denotava aucnação mental, dzendo, frases desconexas, nntelgíves. Fo aventada a hpótese de smulação de loucura. s autordades do 6.0 D. P., natural, mente apurarão sso. ULTM HOR Ro de Janero, Segunda Fera, 25 de Junho de 1954 PÁGN l - VEtJâ a dferença,.,...:, r*- :-m ys* "* - \:y%j U «/;.,. *,j[-^ Á m\\ w\ MMm- Âf, - - ^>^<6>^^ - Wm%m-- /V^X ^*,m ^/ >.^-<r.-^ m Xk \ /^v: ^s>-o K^y /,*zm / - "^ "m <*- -. m* * ^J^my^y-^, C4<^^ m ^^ ^ymwm^-mmà :-^yy^m~m<s^^ :-m""-, : -" --*"" Sm Veja: um colchão dvddo am 3 parte* de molas ensacadat. Com pouco esforço, qualquer dona de casa, pode remover as partes do Colchão Completo... para completa lmpeza. E também mudá-las de um lado para outro, em rodízo, para evtar maor uso de uma parte que de outra. > * - ""V-J ***^:-y"... " - " E tudo sso am quebrar as unhas. Nos colchões comuns de molas, as donas ae casa geralmente quebram as unhas e até machucam-se ao prender o lençol. Mas sto não acontece com o Colchão ComMeto. Porque o lençol é preso, frmemente, sob o seu maco e leve edredon de crna anmal. stra a ;&/ f m^.l ^^C" \Sl:*!/P. «rmmsstss. aphjve a ík ^ J dferença... O molejo ndepandente de cada part* do Colcbo Coropls» to é outra caracterutlca exclusva da eoníflrto. ssm, quando você sentase nele, um lado njo repuxa o outro,as:e. sjurando perfeta establlldade do corpo. Venha "sentr" s) dferença do Cocho Completa en» nossa lo)- dferenta..- J-^/òm^y^7^ o deltar-se no Colchão Completo, seu corpo r.so "afunda". Fca equlbrado, anatomlcamente, porque seu peso se dístrlbul gualmente pelas suas trffs partes de molas ensacadas. B anda: você n5o sente o colchso. Sente somente a ncomparvcl maces do seu edredon. Se você ver... sentr... e epsrlmentar o Colchão Completo, todos os outros lhe parecerão antquados, vste a loja ou a fábrca do Colchão Completo, % 0$ \ - ^m<ym ^ÍV* depos de ver e sentr \7\ w a dferença, V. também <$^ ^g^h a y m^,^m, -,#^ _,---" - rnmfk: \\yzk^,~^ r * ll*ãm^ a comprara o superor f Estamos mas perto da WS SR Copa do Mundo! PR :!. TOR! Â torcda Já tem confança no»eu M»eratchH. Vencemos aua» tem». O quo precso ê manter aceso o entusasmo da equpe. Envem carta» estmulando om netto* jogadora. Todo» precsam colaborar para o vtóra, Golmho *^*wn^^^^^^^^díw "» «. " """" wwwlllk.ltsul..^yy^ym.t^mm^^\^zt^^^z^mjl^y^m T^* 1 > 1 ^snn^nssnjwwjsn % ******** <**»> È w7 ^^^ GoÉa&o CenMça Gellnhe olnda hojo, na» famosas vtrnas *_ o «jttalxkfor do Ro mgo f t caksa a Me*ol OCMZERO Granda Organzação «Ja Um Wnambtéla, a tu M \Xm\\tt{\ tw&mmm COLCHÃO B m ^y^ssêk^^ds^^j. ^W^àm^m^M^!^^ t. ^r "^"^^q^^ eml..^lssu jf (m fclf rnsíssfl fls^mststrtífb ^<"**^- ::::-- : ^MB^^Ml BfcjfflflBlslffl Bs^Bfarj^fHsl ^fe y:yyyw Loja, exposção e vendas: Rua do Rezende, 71 - Tel Fábrca: Hua dos rcos, 10 a 14-5 Pavmento - Tel venda nas boas casas de móves. Sérgo Magalhães Para Deputado Escolhdo o Nome do Dretor do Montepo, ua Chapa do P. T. B.,l Por Llarga Contagem! de Votos O PTB encerrou a sua Convenção para escolha dos elementos que concorrerão às próxmas eleções pela sua legenda. Entre os canddatos t e tveam seus nomes sufragados, na votação rna-lzarla, fgura o Sr. Sérgo Magalhães, dretor do Moutepo dos Empregados Muncpas, que à frente do órgão de prevdênca dos íunconáros da Prefetura tem realzado uma obra que bastante o recomenda para a Câmara Federal. O Sr. Sérgo Magalhães, que é engenhero e rmão do falecdo ex-mnstro da Justça gamenon Magalhães, obteve 88 votos para a efetvação da sua canddatura, contagem có superada entre os outros elementos do PTB pelo Sr. Luthero Vargas. Fo. portanto, o segundo na votação realzada. Baleado Por Desconhecdo Ontem à tarde, fo baleado por um desconhecdo, deláso Malaquas dos Santos, de cór parda, resdente na Rua Vsconde de Nteró n vtma ao se medcada, declarou não conhecer seu agressor nem dar motvo para o fato. Com um fermento no abdomem se acha nternado em estado gravo no HPS., j MMMBMWPWBMt»ass*t^»MWBMBM^MMt*.aMMl^MMM^ Venha ver- sem compromsso-co«;o e ;c)nccdaoco!7::do Um apartamento Já consfrnde COPacnBflHn P,J "^ -íítsí^-.-rt»k>v TBt ^*amhd^?ff**-íy\ \ TsTsk smlt^sv H n -l ^% &? ^^w_m%^k,m aatsb^ BÉrf " -^^^HLSB" -^^\- U**r*>--* H_l - f""^^ ínth^ns V" ^ EtaB provete! Um apartamento em Copacabana e mas Cr$ ,00 para os móves, como opção ao 1. prêmo e 9 prêmos mensas de centenas, do valor de Cr$ ,00 cada um! Tudo sso sem o menor rsco para o seu dnhero pos, não sendo contemplado até o fm do plano, o valor tota! das suas mensaldades lhe é devolvdo pela Cbrasl! Não perca esta oportundade! Canddate-se! (o pagamento mas selos e taxas) CONCORR O PRÓXMO SORTEO Xccord R. Barato Rhara esq. de Fegaredo Mo*QlkSes Cttmst, ^-^HStlOl cjstbí». lm, Borrerto. 8. esc(. do - *_Groço /onho _^tsjl * "^K fc -.XÉ gora o Mar Va Trabalhar Para o Homem TORTUR DE SER GORDO TENT OUTR VEZ! 0$ PNTOS SÃO... "BURROS* EU SE TUDO DE GOSTO -- VEND Peddos à C. EDTOR MERCN Maranguape, 15 Ro dc Janero POR QUE NSCEM GÊMEOS? Podemos prender Medcna Com Os Fetceros a S ENFERMDDES DO RM RESOLV SEUS PROBLEMS!

8 J fl- :.1:,-.;.,.-. T-..-;,..;-. r,- * : \; }.- ; " * v,. v r, T-. 7 >,- -..,.* : > :.*.". :r*r/v,vv *,.**,", -.*... W"»;;\-.,-.,,.v: ; í,v,,.... *.,.-«1 -»> m, rr.ítromt-}".» t EU bw-tnütjo B\le^J» ******* W^baW""»./v. fk-wbw^bílfcbwí^bbl Kb><,b r-*f«.«"b a aurtzada dr Cachamb, por nosso ntermédo, fas vm aplo omí drgentes o PC - umplay-aroürd para «-nossa a..... alegrlal *,-.**-. *: fe -y ^mwwwrnr rímmrmwwllflt" "TT rvísw WÊS8 1 mêêêêmêwssêmbêr^mk H"«w 1 WÊs^ÊÊÊÊÈ- h WL ^B èíf "JWÈêèè WÈÈÊÊÈÈÊÊÈM ^ls*vl:^sssss^^^^^^*s: ft^^e*. l^hlh :.*. :: :: : : :: : : *" ::- > :::: -1:,\ ": >;» :>* í:.j..vr -y r-j: rr,rrr:»:.;íír;.-íí.:í:w - & > 1 \- :"" ; :. :: :w:^ ^ *-: 7^^": í::^ *: 7 ;V :^y; :^ ^^::^ ^:^:^:: ^;í:-*....v- --.*^4-^-V.->tó..^.>>sK-rrr.v*>:ÍvíW-.>í.vfJíá^..l Um. dcc nõíar <. s, pos, nfra..>.,;., :.. -; Íí.-> *. ".;. *"*: *"* 1 ^TVVf*^ 1 *!,; -.-3<\"S Cl.M UKRÍ*. ÜE MsÈ-G-Utl-JÇ frfláôuj-wv; * MS UM MOTORST SSSSNDO COM ÜM BLÇO NO SEU PRÓPRO TÁX nda rrancou.volentamente Com o71éu Wrro.Qm rekto dtoktt na Rua M:t^.n{M Sdblr a CaWàd,0 MotorUtaXuMíMrfuaa tujbrau, Qat a té Csar, Tevt Eòucos Momentos a Vld» Beíof de tngdo «V úm rrójetl «CaUbre.45 Qut Lh* FesVüta Vrtrddew Rombo^^^^^^^ vel dó CMmeè Multo Menoa a dentdade do Crfauno- :sooücé«*w^ paro» Eram dé Bombas JunnM..0»"b" J* 5» da Note dè Sábado Vmm^-J^JollLm^n^ Vtma Persegura 3 Laaroes de uto ha Tempo» rrástrandb-lhfra o nento e Fra meaçada tjvn- «anca Por um Boa Ladrões Que Conseguu Escapar, Na note de sábado, fo MÍ^«-d«W.*^^1JJ*«f** mal u* profssonal do volante,-.vtma de* um clma,<«* *1 de nseglíaáça/s ser atngdo mortalmente por um ba, > motorsta 5oa Se«o arrancou. volentamente com o carso o» rodou, alguns metros, subu a /calçada &PMW- mesmovmpo queyrava o coraç&o do profssonal do volante. Pensou Qu«Eram- ceram no morto b seu.colega, Bombas Luz de breu,.soltero, braslero, resdente-na Rua Barão Pouco depos das-19 horas.de de Mesquta juntamente com a sua.famíla e que há três anos -sábado, d -vga,jokó -Frankln Malvea, estava rò nteror da "Fábrca-de. Chapéus Manguera", no prncípodarüa José Mauríco, quando:ouvu..o rudo de dos estrondos, partdos da vlâ públca;embora Julgando tratar-se dé "cabeças de.ne- faz "ponto" na Praça Saenz Pena.. Lus de breu- era*- novo, anda com pouco mas de m anos d* dade, e multo estmado entre os seus* companheros de profssão. Estava para casar-se! dentro de pouco. gro"muto freqüente nas festas Ronda Dos Conjuntos Resdencas (V) junnas, o vga meteu a. chave E* pouco provável que.o táx. na fechadura do portlò de íefro e abrlu-o. Logo em segu- procedesse do nteror da "Fávela do Esqueleto"- porque as da, vu d. ESCOL, CRECHE E POSTO MEDCO tax , um ve- ho "Ford" ruas al sfo ntranstáves. Város populares 38, arrancar volentamente; com os pneus cantando nos paraleleppedos. Da reção à Rua São Francsco Xa- vram o carro estacohado còm a frente*ém d- mesma manera como sau- ràpdamente, o auto de praça pa- Mauríco é um beco sem sada. ver. O prncípo da Rua José rá», emírénte ao prédo 81 da ssm, supõe-se que o passagelro ou PR OS MORDORES DE CCHMB Rüa José.Mauríco, depos de fazer algumas "barberágens", passageros tenham.tomado o carro e feto úm* percurso relatvamente curto pos o subndo nclusve no passeo públco. O vga magnava anda taxmetro nfo marcava mas de que tvessem feto > estourar 12 cruzeros e mandado rumar "Play-Ground" Os Petzes Reclamom um e Donos dc Casa, um Posto da COFP ou Uma Btírraça do SPS O PC Deve Provdencar, Com Urgênca, a Construção de-uma Ponte de Cmeto, Lgando os Dos Blocos e dè Modo a Permtr,w~>/n/ " " Maor ntercâmbo Entre mbos Reportagem de Carlos Tto Fotos de Máro Sampao O Conjunto Resdencal do PC, cm Del Castllo,, entre os seus mlhares de moradores, conta com um bom número lo profssonas da mprensa. Nomes, nclusve, de grande prestígo no jornalsmo caroca, como -Camlo Slva EvèraldÓ dc Barros, Joceln Santos e outros. Entretanto, ao contráro do que se possa supor, as cosas al f.7777::7:7. não vão às ml maravlhas. E a stuação nao e por, uncamente por causa da dedcação de seu admnstrador, o tr:y^-^:^yyj,;.^.y^rjm qual faz das trpas coração para atender as sucessvas reclamações dos moradores.. DECSÃO BSURD Por ocasão de nossa vsta a Cachamb tvemos a mm^âjmêêsw^m. - WÊ M < T^^SP^m nossa atenção despertada para um íato bastante curoso MlL.l»l"TÍ -^HMSSSSSSnH JtnBr <*mmmm!m&mè mwêèêèèmèèêy t ^mêê^y^ámm ^sswssssssssssbsssssb^ftí v > «^úí :^ >*58BS^w88mJaff8BS»^sssBaE mwê^^^^^&^st^^&^y- m^ítèèwbss&j-íjàt&êê^w TcBBÉÍÍss-:-:-^ssssssssssssssP^ssssu^ sssssk.--^cs^^^^ ^ OúáaJÍll H^ãSBásttlsss e do qual já tomáramos conhecmento, em Del Castllo e em Olara. Fomos levados por um dos moradores ate a wm* *s*wss»«jssssst:.-"sssl^fc^^»»^^ m Mmmfw^^Ê^ÊÊm. ^Ê WmWÊ&zÉâíEmÊ WMWÊmlÈÊÊÈm Rua "", no bloco 41., domnando a calçada, rodeado pela crançada, um enorme guarda-vestjdos de estlo colonal mexcano era guardado por seu propretáro, o_ qual nos adantou que, por decsão da alta admnstração do HÈfe ""m nsttuto, não podera fazê-lo subr para o seu apartamento. Precsava de uma ordem do Gabnete da Prescênca..,. " í fjjfs de BREU. ncrível como pareça, o fato ocorre daramente, nos duas bombas debaxo do carro para aquele local. lt chegando, teram peddo para. o moto- e conjuntos do PC, tôda vez que qualquer morador adqure um mobláro novo ou mesmo uma peça apenas. Esta mal, ressentndo-se talvez de rua e voltar, o que fo leto. No que seu motorsta tvesse se Pr" m espantado, passando a sentr-se rsta fazer a manobra no fm da só pode entrar, no apartamento, depos tle obtda uma algum ataque. Os transeuntes momento de efetuar o pagamento o passagero (ou mas de ordem da admnstração central: Tpo da decsão absurda que se aproxmaram desconfados do carro, logo que êste pa- um) sau abrndo a porta e a- contra a qual estão sé movmentando os moradores de todos os conjuntos. Lgando as duas "Goreas" uma pequena ponte que não su rou tveram a mpressão exata zendo dos dsparos do lado de ít-írm-íèííí ESCOLS, CRECHES, POSTO MÉDCO p,-rta o trãego de qualquer veculo, forçando os moradores,, de o motorsta, sentado ao volante, estvesse sendo acometdo No carro fatídco foencon- fora contra o motorsta. Os moradores de Cachamb são dos mas deserdados qwnác domtes, o ser transporado nos braços de outros. de um ataque cardíaco, razão trado o prontuáro,n do PC. No conjunto, apesar de seus cnco ml moradores, espalhados pelos seus ml e cnqüenta e quatro aparva. Domnados por essa m- Campos Moras. pela qual aríava e estrebucha- com o nome de Hamlton de lamentos, não há um posto médco, uma creche ou mesmo Os moradores de Cachamb batzaram o núcleo resl^ uma escola prmára para as ml e tantas cranças al dencal com o nome de "Coréa", havendo- pos press&o, chamaram depressa a do Sul uma" ~ nossa reportagem apurou ambulânca. Quando a na manhf de ontem.que o motorsta Luz Marques de breu resdentes. Os petzes reclamam também um campo de e a do Norte. Lgando uma à outra, há uma ponte de madera construída pelos moradores. Ponte, na manera de to Socorro chegou ao local, o guarnçfo do Hosptal do Pron- esportes só para eles, pos, os marmanjos, nas áreas vagas, fazem as suas peladas de futebol, vôle e outros jogos (de azar nclusve). Quando de nossa vsta, a menculo algum a atravessa e, nos casos de doença, quando sq- recostara-se para o lado es- automóves que havam rouba- dzer pos, na verdade não passa de uma pnguela. Vel- motòrata mòbllzara-se jf e persegura há tempos pfelas rufs da cdade três ladrões de nada cercou-nos e só nos largou depos de prometermos lctada a assstênca, os pacentes têm de vr ao colo ou querdo. Estava morto. O; medco chegou e suspendeu a súa dò o táx de seu colega José que vecularamos, nesta reportagem, o seu caloroso apê- de maça, pos a ambulânca não pode chegar a sua Clemente, porta. que faza ponto na camsa esporte onde se-notava Praça Mauá. Graças à ação decdda de Luz -Marques-- de o, no sentdo da medata construção de "play grouncl" Em casos de urgênca e mpossbldade de transporte-do uma mancha dé sangue. Um numa das mensas áreas vagas de Cachamb. doente, a ambulânca é forçada a dar. tíma enorme volta, fermento - por bala apresentouse ntdamente* na regfo axl- frustrados no roubo dòautq breu, os malfetores vram-sa S DUS CORÉS gastando nunca menos de uma hora,.tempo sufcente Um racho dvde em dos o Conjunto Resdencal de para, num caso grave, o doente sucumbr. E tudo porque o PC não manda construr lar-.do lado dreto; ;;.<. pos em certo ponto tveram de uma ponte, dgna desse Chegam ot utordades abandonar o veculo e fugr. Cachamb. Em suas margens cresce um enorme caplnzal, nome, conforme vêm touceras de bambus e um pequeno bananal. De pleteando, de há muto, os seus Mas, um dos ladrões de nome quando Polcas Ramundo Nonato fo agarrado moradores. -9 em quando, como que para afrmar uma verdade centíca de que não exste floresta sem fauna mesmo quan- COFP, SPS... da Ràdopatrulha, o Comssáro os outros dos escapado. Um Dado o álármè, o carro n. 51 ppr Luz e seus colegas, tendo du se trata de uma mnatura uma cobraznha dexa *Uma--últma, do 19. Cístrto Polcal e o perto Gusmão entraram em ação fugr, tera tdo tempo de grl- desses dos últmos, antes de o leto fofo do cápnzal para sentr as asperezas da terra reclamação dos moradores de Cachamb:.clamam pela localzação, nas suas proxmdades, de prncpal preocupação dos tar para Luz Marques de breu arenosa que crcunda os prédos de um e outro lado do Conjunto. um posto da COFP ou uma barraca dp SPS, pos às pertos ío lcvantar as mpressões dactloscópcas encontra- de pouco., que ra se vngar dele dentro lojas do conjunto prmam pelos preços altos e pelo desrespeto às tabelas ofcas. das ros Vdros das quatro por- Naturalmente, o gatuno que 7 rrsrrls^^^^f^^lr^^v tas do auto e nâs respectvas ameaçou Luz de r à forra, ío maçanetas. Também lol encontrada uma cápsula defla- «O quem executou premedtada e covardemente o crme da note FUNCONLSMO ESPER BOS NOTÍCS grada de um projétl de calbre de sábado. Um dos prmeros 45,. num dos assentos. vítma DO ãíüfe D NÇÃO SÔRRE O UMENTO" s tnha nó pulso esquerdo um va- passos das autordades polcas encarregadas de esclarecer o ^^^^^^^^Km^^^UB^^M S"* m Mm $!M<^? ^ -^sw^-^^sssssssssssssssssssssssh ^ ;:*ssst^wr--.: *,<.*> ^m m ^H m> P^wmÊm**?::..*>< ^mwmmw& * mkmtm-,.. m Pflss WÊ tw^wêmêsm ^#*^^^^»tt»mssssssssssssssssssmssssssss1 Da 30 a Grande ssembléa da UNSP Para o Encontro Com Vargas Entrega o Memoral de 100 lül ssnaturas Plano tle Classfcação tle Cargos Está Demorando Por^ Culpa Das. ^Entrevstas tle Hí,entra\ O. D.SP se Mantém Calado a Uma Recomendação de Urgênca do Presdente da.repúblca Fala à Rf^t. de UlTM HOR ò. Líder Lyco Hauer Unão Naconal dos Servdores* Públcos (UNSP) está f dação de urgênca do Presdente cendo por.completo a recomen- convdando o fum onalsmo cn. Vargas.,.,...,,. >. geral para.comparecer à grandc assembléa que será realza- Lyco Hauer, ouvdo pela..re- ] O Prestòente da VKÜV, Sr. da no Lceu Lteráro Portutuès, no próxmo da 30, para! portagem de ULTM HOR, dücutr e acertar meddas sòbre o- aumento de vencmentos, funconalsmo voltará a se na manhã de hoje. afrmou que nos prmeros das. dé Julho o en- rccassfloaoão de cargos e <-ões e entrega do memoral de. 100 ml assnaturas an Presden-, te da Repúblca. : r. ; De hã muto, como se sabe, os "barnabés vêm se reunndo para tratar do assunto. pós. a realzação do Congresso Naconal Extraordnáro dos Servdores Públcos, promovdo pela TJNSP...os:Servdores do Estado estveram com o Chefe da Nação, entregando a êste suas revlndcaçócs nas urgentes, prometendo voltar 30 das depos para entregar um memoral mpede.as moradoresde re-»j ante. mobláro ou nesmo dr^t/írír"hmo j contendo 100 ml assnaturas. O peço íbuã,"t Presdente dá Repúblca envou necesstam dc umn autorzação especal lan DSP as revndcações dos da udmnttfração central da autarqua "barnabés". mas êsté órgão até o momento anda no deu uma palavra lbra assunto, asqua- fun- contrar com o Presdente da Repúblca. Será.um encontro muto agradável: -ncou o lder dos servdores ds Estado. Entregaremos ao Presdente Vargas o memoral de 100 ml assnaturas e êste nos dará notícas das revlndtcaçoea que lhe foram entregues e que êle envou ao DSP. Esperamos boas notcas, prncpalmente no que se refere ao aumento de vencmentos. Quanto ao DSP fnalzou o Sr. Lyco Hauer..está esperando o resultado do Plano de Classfcação de Cargos, cuja culpa da demora para encerramento dos seus trabalhos, será jogada nestas "entrevstas de mentra" que estão realzando com os setvdorta do Estado. ldso relógo, pressumlvelmente dè.burò. E íácll magnar que se ó assassno òu assassnos tvessem a ntenção de assaltar o motorsta, teram roubado o relógo assm como os 145 cruzeros em cédulas que êle traza no bolso da camsa esporte. Essas cédulas foram varadas duas vezes pelo mesmo e-únco projétl que- atngu a vítma, pos elas estavam dobradas. Todos os haveres. do morto foram apreenddos;:antes do corpo ser removdo para o Necrotéro do ML. nclusve uma alança, pos a vítma estava novo e a ce* casar próxmamente. Entretanto, nfo.fo r encontrado qualquer documento.que o dehtfcasse;.,* :: O^ projétl que se presume seja< de calbre 45 e dsparado de uma*pstola, arma de guerra, atngu o motorsta na lnha da axla dreta, abrndo mpressonante brecha, atravessou o coração e quase traníxou-se, sando do outro lado. Tanto assm qué os pertos localzaram o projétl, à flor da pele dò motorsta, quase sando do outro lado. Parece qüe os dsparos não foram fetos à quema-roupa porque, nfofo encontrado chamasco no lugar da. èamlsa atngda pelo projétl. - O carro estava engrenado em prmera, como tnha saldo. O taxímetro, cuja bandera-nfo fpra abaxada marcava uns 12 cruzeros, logo depos de ouvdos os tros. wm morreu assm, tom a cabeça reeostada no assento t na porta do velho "Ford", 38, com o qual ganhava a vda caso, será no sentdo de nterrogar o gatuno Ramundo No.- nato", fazendo éom que êle confesse o nome de seus comparsas (provavelmente os assassnos), no roubo fracassado. Protesto Na madrugada de domngo, mas re uma centena de carros de praça alnharam-se em frente ao edfíco da ULTM HO- R. Os respectvos motorstas subram todos Juntos, em contsso, até- a nossa redaçfo e. externaram* a profunda ndlg naçfo de que estavam toma. dos. dante dos sucessvos aten-1 tados eontra ndefesos profsslonals do volante, que têm sdo paulatnamente massacrados no nteror dos autos com qua trabalham nes tocaa.ermos. Nfo pssa uma semana sem que motorlstas sejam mortos por assaltantes. O fato de a Polca nsn ooder cobr esses atentados, repetda e mpunemente pratcados, tem contrbuído para um clma geral de receo e ntranqüldade, atualmente exstente entre. ot profssonas do volante que trabalham durante a note e mesmo durante o da. Os motorstas J solctaram. franqua para o uso da arma* de fogo com as quas possam se defender contra, passageros qua se transformam em facínoras espalhando o terror, a morte a a orfandade em locas ecuros e ermos- Como era de esperar, s autordades polcas tveràm-dfculdade, em dentfcar sstndo num paradoxo nevtã- nfo foram bem suceddos. n- a vítma porque nfo foram encontrados documentos em seu meos de mpedr que bandvel, a autordades nfo têm poder. Só muto depos é que dos, -assaltantes e monstros passaram por al dos motor s usem at arma» que portam vremsnt», mu prolbtm tu prolluuaas aua reconhe homem sustèntf-los, de esposas vvendo no abandono e mséra, de pobres.ancã» nconsolávels coma perda do seu únco arrmo e carnho. Mas, nfo parece haver paradero {tara sso. í v^m O vga João Frunkln Malvea conta co;repórter o que vu após os dos -dsparos -. honrados, chefes defamlllà de, Outra soluefo dealzada fo t se defenderem em elrcunsuncas angustoas quando, a.vda ; carteras de dentdade de p«- da exgênca ndscrmnada de pende por um fo, na calada da tagelros qua qusessem embrcar altas horas da note, per note... Nfo *. sô a morte.do motorsta que acontece. Desfla parte dos.profssonas do volante-. Nos prmeros momento depos uma sére de afllc8es.de flhos que nfo têm pàls para da sua realzado, veram f fure os nconvenentes da medld* preventva. Cldadfos honrado eram obrgados a exbr dentldades como se fossem gatune p-^ra se transportarem por «- {jun» quarterões. demal, < medda nfo sürtlàí efeto prtventvo pos constatou-se cao de passageros exbrem cartelras de dentfcação faltas - ou verdaderas e logo em seguldt, trucdarem mpunemente e.motorstas desprevenldos, tende a preocupação nfo s6 de ferr mas de matar, porque "defunto nfo fala".... Pos o que mas de cem motorstasque trabalham f note veram trazer ao- conhecmento da reportagem de ULTM H0> R fo sso mesmo: as fundadas razões da apreénsfo de que etfo tomados,- rremedàvelmente. Receos que: atngram o seu ponto nevrálgco com o assassnato em crcunstâncas estrsnhas de mas um motorsta: s jovem Luz Marques de breu, que estava novo a casar-se dentro de pouco. Os motorstas que aqu yleram percorreram outras redações de jornas e apelaram para as autordades polcas e melmo ao Chefe de Políca. atuaçfo atngu o seu clímax «nfo há mas para quem apelar. E agora, qual Será o próxma motorsta a ser trucdado? _^msmmmmgmêmmêmm^^mmmêámmm ta-s-s-rsbjrk^^^b-^ta*»*»*»* mssüj&m JmSSBB;- Wnr mrm K tbf^mttwmum l"^11! r Jm\ Wm ÍjB^m BP ::^^K^fflaf-^- l São os bomberos que passam. O povo corre nas ruas, senhoras abrem as janelas e espam os soua dòswtràm em ação. Onde está o pergo surgem os boroberos apagando ncêndos, salvando vdas; nomf"; perddos nas montanhas, esmagados-nas ferragens carros nós desasttes. Ê quando,regressam ao V**1- mutas vêses- alguns companheros nâo voltam, sacn. fcados nos ncêndos, na luta contra o fogo, em aeew da população....,.,r. O Presdente da Repúblca reconhecendo.«" tudes herócas dos valorosos soldados -*»/»8 Jlf "í um decreto nsttundo o D DO BOMBERO BK LERO que se comemorará agora, na data de nos. julho. Nesse da.ro ano de 1856 fo assnado o P»»*,r decreto règulámentàrdo no Brasl o.servço de exun.- de ncêndos. Desde então a população passou a ao rar a bravura, coragem, cvsmo e dscplna dos du beros, Corporação; das" mas querdas,do povo Dr.» er Também nesta data fo nsttuída a SEMN M PREVENÇÃO CONTR NCÊNDOS que hoje se;»«termnando a 4 de julho. Neste período serão m,,"sb"te dós ao povo ensnamentos dos mas útes, no cornu às chamas, ncatva de grande alcance s cal.?,,:, sabe, é mas fácl evtar ncêndos do que Ç0***-1**",-0,0 Estão de parabéns os valorosos soldados ao ^ da captal da Repúblca sempre prontos para e em ação defendendo a cdade contra os ncêndos, «. tas vezes com o sacrfíco da própra vda.* v

9 ,(*,,..,;.,;.;;..".;"" ".,/-..,..-;.: * * - mm,-"-, H^ ;. -" ;" mmm-:jm -W......*, ". > - ** *" -^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^-^ ^HE3 R#^-^-K-pff _-^^^rowrlffa--g/g--h _H_K_^^_H_H-S*V_k L-^Hr^^_Bfl0V_w l H EVw vwhfl * 1 VDO G DEPOS DO JOGO mprensa Estrangera Confrma: em mpedmento o Segundo Tento Magar Um Pcnalte nexstente bru Camnho Para a ~.1..*> Vtóra da Hungra? - -.-;. BENNE, 27 (Do Jo«Mara Rabelo, envado mpmu d* ULTM HOR) prova de que houve, realmente, ebulho, eta neste fato pr * de convncente: a. própra torcda luíca vaou, demoradamente, trbltro Elllt apee m 90 mnutoe de peleja. O Jogo fo bastante dsputado noeeee Jogado-», que demonstrara-- "raça"* nvulgar, lutaram contra a lorte e, o que por, contra o faceloo árbtro nglê». Jornaftta estrangeros, que atlttlram a peleja entro bralelroí húngaroe reconhecem ter sdo o segundo gol des mglaree consgnado em vsível mpedmento. 50 ml pessoas vram, estarrecdas, o âbtro apontar o centro de cmpo confrmando o tento..,..." Para culmnar, como se no bastasse e esbulho que ter. mlnbu em tento número dole, «nde tvemos o pênalt obsur. de. Basta dzer que os pruprlos brasleros que assstam 4 peleje, recusaram a acredtar no que eetavam vendo. Dlr-to. a que e trbltro estava brncando. Mae, na verdade, a colea era no duro e os maglares converteram o pênalt em gol. Nenhuma Restrção à tuação Dos Onze Valorosos Defensores do Brasl j s Palavras do Técnco Braslero São o Melhor Elogo à Fbra Dos Jogadores eewwee www,,.,,,,,. rffffnjj..*. BENNE, 28 (De Paulo Rodrgues, envado fbra,, especal de ULTM. HOR talonble) pela raça dos nossos craques, ante um Vveu adversáro o dfícl futebol náo mpossível braslero, ontem, de um ser dos seus vencdo;! das o mas dramátcos. Prmero, que podera, alás, acontecer e pela atuação ante ; desonesta as dfculdades naturas (encontradas e rrtante de Mr. Ells. no homem que clma fro, no estado j representou escorregado onze Puskas do «trnm-. ao lado dos onze Jogadores húngaros. Segundo, pelo esforço, pela do) "match". além da parcalssma conduta do juz do Tudo contráro às nossas pretensões, mas que, em ne- jogadores. Confortar aos mas de acordo com as determnações. [ nhum momento,. quebrou o nconformados, ímpeto encamnhar dos a nossos craques. o í contráro. Ferdos, frontalj mente, prosseguram a luta além das provdêncas de após mas. O técnco faza justça Paes Barreto os contunddos, Mas n5o era precso dzer í com esprto de sacrfíco, com os jogos. aos mas entusasmo, jogadores, como o com mas própro Fo rapdamente, então sangue, que públco neutro reconhecera. procurando desmanctar, com a "garra", o preparador nos alou: O Brasl não venceu, ou não a dfe- ssumo ntera responeabldade. O "scratch" empatou, rença de tentos porque mr. Ells não que o árb- tro quera mpor. jogou gua Zezé Faz Justça aos s Craques LUJ.Bl^jfftJ o fnal da peleja, como era natural, Zezé não podera entrar em maores consderações. Precsava atender aos NO V * RO, 28 DE JUNHO DE 1954 * N. 9J0 "^ * - "- " j.,a,..-»_,. j/a ;. U _«- >_.. ; ,...W--,.:, r y-.y- ym-mtyy y*. *«. m- * :.*-*. -:..- -.» ;..*. -, ,*- " mmm^mmmmmmsmm *** >.jsf<m jtba.ups PROTESTO DE ZEZÉ: **Fomos Cercados em Campo Por um Juz Desonesto!33 - O mbente Desolador do Vestáro Bra- : slero s Lágrmas de Castlho e o «Slênco de Humberto * BENNE. 27 (de José Mara Rabelo, envado erpedal de ULTM HOR) Depos da ntervenção da políca, que-mpedu tvesse prossegumento o conflto, domo? entrada no vestáro dns brasleros- Um amben- e r*e veóro aguardava o repórter. Craques, chorando bastnntc, a p resentavam-se abatdíssmos com os aconteçjrrcntós. Todos lamentavam a falta do sorte e. o que é por. a atuação desastrosa do árbtru nplès. Conversamos com o Técnlco Zezé Morera: "Nossos jogadores fzeram o máxmo" declarou "coach". o E prosseguu: "fomos cercados em campo pe- o árbto desonesto. Não t«nho restrjões a lazer ao quadro." Castlho, que chorava feto crança, recusou-se a fazer declarações. O rapaz era presa de forte emoção. Dd, slencoso, descalçava as chueras enquanto Humbsto olhava para um ponto qualquer da parede branca do vestáro. quele, postvamente, era um vestáro de lágrmas. nte o Esbulho. n<? Pode Haver Slênco t Protestará o Brasl Contra a rbtragem de Mr. Ells Revoltados os Drgentes Brasleros Com a tua- <;ão Parcalssma fo Árbtro nglês Calamtosa c Prejudcal os Brasleros a rbtrageú de Ells. BENNE, _.. 28 (De ugusto., Me-. u»a conduta aesonesta lo Pnto, e envado especal de que, somente revolta provocou entre ULTM HOR l mérca) E certo que não se po- neutros que aqu se encontram. os brasleros e os "torcedores" rcrá. mas mudar o rumo errado dos acontecmentos. Perde- úncos prejudcados com a cala- Mns aos brasleros, é lógco. mos um jogo que poderíamos e deveríamos, pelo menos empatar. Mas mr. Ells. contrarando (Conclu na 2-* págn») todas as prevsões, tomou-se dc um favortsmo nexplcável pelos húngaros, U PROV OO ROVBO: O 2.<- GOZ EM "OFF-S/.D"*"** NDSCUTtVEL detormnando-nos PNHERO LEVOU Nesse nstante o Brasl mro conqustado tm "off-sd" podera ter a certeza de que es.va ròadò. Dn\u clámorojc. como atesta a radajo.of acma, dà. Unted Press. Kocsc, soznha, ã f-smf de Castlho rersh?> " goals a zero, sendo que o segundo gol htt-; uma derrota que só podera ígürár; por antecpação, em seu SES petole, pelo alto cabcccando-a em dreção às redes brasleras]. Esta é a prova rrefutável PONTOS d*> esbulho sofrdo pelo Brasl, ontem, na Suça apto. E mr. Ells conseguu o resultado que desejava. Com Conflto no Vestáro Dos Jogadores Brasleros Não Fosse a ntervenção da Polca e o ledente Podera Ter Graves Conseqüêncas Puskas nsultou Zexé, Jornalstas e Drgentes da OB.D. greddo % Pnhero -- lllr^ * ^^%m^m BENNE, 27 (H lote Mart. ^B_^_^_^ ^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_B w^" W-"? m?m~ ^s R»bêlo. mth..-ío fspncal paa ULTM* OR1 l.oço apò» o ttrmno do jòto. reerru hnsaros. que st navlam locallzadn,\ porta do nosso Tetrlo. entraram a acredr o«rapare. do Brasl. Pnhero, nm do prmeros nar atrada, sofreu protoraçlo p r de rtakãt que. parado Íarte nnto à porta, tnha na mâ» nma rarrafa Taa». * claro qu» nos«o Jocador rerdon ofenaa. E sto baaton mm m m m 1&» jk ^ V# _ ^Mt t^ B^ B J^K^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^_^!n para que o famoso craque arredse o aa (nero do Bra Vestáro Húngaro, ferlndo-o 10 sapereflta, st«sanfr-t abnedameata. 28 (D«fl HÜMfl Pnhero leron < Melo envado H pontua. ^^^fl de ULTM HOR _5 ruskag. _R Í1m NSULTDO ZEZ* em Meo a legra Geral, Gabava-ee de mérca) Três w& mwísmfâm\ WÊm r-*«" greddo foram on. WmmmmjÈtÊÊÊms &" O m«mo PuKkat, dfmoutrando ter também craqv* Pnhero ~- lambem, Fala o Técnco Mand pco ^_GBP^^^ 9 ^1^^ Broszk Com a Frlavra "Vocês Foram Nllmn <* S>»" v nas ($mm\ ^^P protocações. náo %* rontnha. nsat-tfeto rem o qua RoB/k, q\ase metnde do l^_ésíb_l,^s^ ^ll-^ *" Jogam Bruto Demas...» J frera, passou a Tsar «"j quando faltavam dom ^^^S^^S_E_^ ^ ^ ^ ^ ^ ^B 3^ R_^ ^ ^ ^ ^ ^ Í ^ ^_Sh_H 4^^ ^ teenleo Zcré Morera, s^& ^ o pr». tos para termnar WlBJWl^_^_^_^_^_^_^_B ^_^ ^ UltÍuÍ6 27 parador reagu r e conflto (De José M-*r-* Rabelo, envado etpecal de tetf nrlo. *Tmb(m Reunão c Suspensão Wgm ^^^^^^^^B Jornalttas brasleros e dtrtcentes tfa lerô HOR) Contrastando com o vetâro brat. leors/ to do* --unsaroí se apresentava em festas. pós o Jogo, os uruuuaos C.B.tl. foram dcírrspeltado» eon--- VeVdad 0mara - 0* maglares. Puskas, felctado como exgram do Comtê Ortanlzador, a reunlo med.ata dos Nessa altura. Já era craada pelo moleque húnçaro. tlra hers d u naconal, contava, orgulhoso, como agre. cara Potlco d? depos, membros o Trbunal do Penas para Julgamento dos enttmúlto qne se 7erfcaTa no corredor do restlí-lo braa- oo entretanto, Zezé quebrava a nsolente jogador revdando uma nova provocação. volvdos nos acontecmentos - m 8 eon* ^^^^^^^BbwSB - *- ^^ ^ 4^ lero. ntervençío da p-llca. emhora tarda * *&%»^-y_?í*_>lséflbb81_b^bbsls? s>»** && y der técnco Mund: "O Brasl jogou multo do "match". ítí:í: fo fell. *lss U ~ exgndo o máxmo dos húngaros. Voces, reunlso fo efetunda, e, elsama; e. crarav a essa attude dos mltares. nso hoare b-utn bru*o 5 S!u.em um*- Brande equpe. nfelzmente, em demas...» jí jogam pouco tempo, eoahpcla-se "."»-*ltll3,,,- o resultado. Nlltcl Santos, Humberto e Bos-*k lomm, > f.,:,poj.out*o lado. Hldegrutl reconhece: "vocês atuaram suspebcòs por rolr* ot;ns. l$% qt$.e%%$%s: m$& pmt-vx^f -- *ps maores consequênrlas. pm*~ t**í pnranta multo.rmpo, %nda tentaram os hnnran-í p«. ís-ssç-t-tí*;.» f-.l?,»elretan*0* Jogamos bem melhor. Também Bros. O atncastc húníaro, psam. netrar sr, TrstlJrlr. e contnuar a brlrs. Urn a reportagem para lamentar: "Fu estará ausente do ente, expulso njusprélo rte "BOMB" >»to nso quarta-fera, contra o ürus-usl. que o couro se on-1arn DE JUttMBO; 2. GOL DO BRSL - * flagrante aetmá, re-se o o momento exa- l«>cador P. nhero 1» )n rros se faz!" to em a pontos a«nas rdes tnpercfllo nâo sendo, entre» húnfora», tíepoj dt um ptlotaço de Julnho. Era o segund? tsno do Bras, * apegar do Juz (7)...ínhomo tsperançat tanto, rrar» o sen estado. amaa. (Radlojoto da Unted Prosa, va Radobrau --:

10 vm^^vye; -. ".!p( " " (,," O "FNTSM" 1TKOÜ O CrVT.» PGN 2 Ro de Janero, Segunda-Ferã, 28 de Junho de 795J ULTM HOR Juz nglês Com lma le Húngaro! Tvesse "Mster" M» Xotado no Bral e Seu Nome Tanlp^Podera Ser Zé da lha Como «Sete Dedo»» lma do Outro Mundo de Mea Máscara e pé de Cabra... Todo» Devem poar ob Jogadores do Brasl l/pa Vtóra Fabrcada, De CRLOS RENTO ^ f precso que não esqueçamos do segunte: eram os húnjaros, Neste momento toda a cdade trêí.tenlos dos "mglré", loram consgnado» (de mped- j destrudores clc defesas, os favortos, Pos bem: o quadro consdcratlo fora do comum, precsou de uma mãoznha do arbtro U) de Zezé. É necessáro, entretan-:! mérto; e o pênalt, q.ue ío 1 lamenta a derrota dos puplos helés bara chegar nos 4x2, Êste resultado deve ser esquecdo, to, que os 4x* fabrcados pelo transformado em tercero gol até secunda ordem. O mportante c que o públco se concentre no ladrão brtânco, nüo cheguem húngaro, nao exstu. tal dc Mr Ells, dgno representante da gatunagem unversa.. para perturbar nosso racocíno. verdade c n segunte: tvesse o árbtro nascdo no Brasl e seu 1101 c tanto podera ser Zé da lha como "Sete Dedos": e seu "apartamento" estara garantdo no casaráo da rua Fre Caneca. ESSE MOÇO Outra co.v. esse moço, popano quc bre moco, retrou c cobru 0 "fantasma" E acabou revelando quc o tal "fantasma" húngaro., ca nglês; com mea máscara, "pe de cabra e outros apetrechos nc- Panorama do cessáros à servços dessa natutez.-.. Máro Vana, juz sóbro, competente e dono de honestldad? a toda prova, declarou o «egunte: "Esse homem (rcíera-se ep tal de Ells) devera esbr na cadea!" De Torneo verdade ndscutível é que essa nfo ío uma peleja nor? mal. Vejamos o caso "Santos". Nos,»o zaguero entrou duro, na bola. O que aconteceu? penas sto: o atacante húngarplrévls dou a sacos e pontapés.ttude de Mr. Blls: expulsío para ambos. gressor e agreddo... Todos os locutores íoram unânmes em afrmar que dos dos "Ro-São LBERT LVRENCE Mna de contas esta últma rodada do Torneo Ro Soo Pau- o fo mós anmadora para os carocas. Os "banderantes anda conaustaram duas vtóras, e cm partoular o Corntans conscr. vou a lderança absoluta, contnuando nvcto em ses jogos, gracas a seu sucesso ndscutível de sábado à note sôbre o Fa. mengo nor 2 a 1 mas o Vasco conseguu bonta performance, ga. htandó um ponto no Pacaembu, e trando um do Palmeras ao mesmo tempo, enquanto o Botafogo esmagava o São Paulo no Maracanã, por 5 a 1, anqulando as ultmas< esperanças do " qutdro campeão paulsta de conqustar o ttulo com uma grande b rançada fnal Fcam cm presença, de íato, Por seu lado. o Flumnense somem.; res quadros, como se receberá domngo próxmo, da Vê olhando para a classfcação 4, no Maracanã, a vsta do Pameras num jogo decsvo, ao por pontos perddos que se tod- menos pelo ttulo de vce. nou a segunte: 1. Corntans (6 jogos), zero pòtltn perddo; 2. Palmeras 17 jogos). 2 p. p.; 3. Flumnense t7 jogos;, 3 p.p.; 4. São Paulo (7 jogos), 7 p.p.; 5. Portuguesa (7 jogos), 8 p.p.; n. Vasco (7 jogos), 9. p. p.; 7. Flamengo (7 jogoh) c Santos 18 jogos), ambos: 10 p. d.; 9. Botafogo t8 jogos), 11 p.p.; 10. mérca (8 jogos), 12 p.p. O Corntans contnua portanto grande favorto do certame, e somente o Palmeras e o Flumnense podem esperar trarlhe com um pouco de sorte, a vtóra fnal. O quadro de Cláueflo Jogará amanhã á tarde em São Paulo contra o Santos (que dsputará assm seu últma compromsso no certame), o depos o Corntans. anda terá que enfrentar no Pacaembu seus dos maores rvas paulstas: o São Paulo, domngo, próxmo da 4 de julho, c o Palmeras, no sábado, da 10. E um programa dfcl. campeão. E depos, os trcolores só terão mas um prélo a dsputar contra o Vasco no sábado da 10. Enquanto o quadro de Jar (quc, entre parentess, náo jogou ontem contra o Vasco), deverá, como já dsse. mos acma, jo ar stteessvamente, nos seus dos últmos prélos, contra o Flumnense no Maracahü e contra o Corntans no Pacaembu. Por um caprcho felz da ta. bela. o Torneo alcançará seu. clma de maor nteresse com òíses dos últmos confrontos entre os três líderes: Flumnense x Palmeras e Corntans x Palmeras, os "perqutos" cevendo ser portanto os árbtros aa decsão fnal, enquanto o São Paulo, por um lado. e o Vasco, por outro lado poderão tombem ntervr dc forma m. portantíssma no desfecho defntvo da competção quando enfrentarão respectvamente o Corntans e o Flumnense. Não há dúvda, do que os Tl^íp, TRBLHDOR! ntes deyr ò JUSTÇ DO TRBLHO reclamar seus dretos passe na redação de ULT- M HOR, à venda Presdente Vargas, 1.988, c procure os advogados RO STENBRUCH e ROSTO PNTO, nos seguntes horáros: das 10 às- 11 a das TO às 19 horas. Será atenddo grattamonte. O Escrtóro Trabalhsta de ULTM HOR. está aparelhado para prestar toda assstânca ao trabalhador, dar nformações sabre andamonto do processos, dssídor coletvos, júrsprudênca e todas as questões enquadradas na Legslação do Trabalho. ^QMPft NH N O Oh ÃJ:_P_R_FVORECE^^^^CONOMt^ SORTEO DE JUNHO DE 1954 Realzar-se-á no da 30 do corrente, quarta-fera, às horas, na Sede da Companha. RU O rndg. «1 SO. QUTND «O 01 JNSO Os títulos em atraso poderão ser «habltados at* às 1G horas daquele da. EXPEDENTE de Segunda a Sexta-Pera, /ífífrk» lü horas. H ll llyl Paulo" pontos de vantagem que os de-; tentores do ttulo já têm sôbre; o Palmeras e, anda. mas. os três sôbre os trcolores caro, cas, consttuem uma quase. ga-1 ranta de conqusta do b.campeonato. Mas anda a questão; r.so é resolvda defntvamente, 1 não há dúvda tão pouco, e osj jogos do próxmo fm de semá», na serão acompanhados com certeza com um Vvo nteresse.! O programa é o segunte, de.! pos do prélo Corntans x Santos, marcado, como dtoacma, para amanhã terça-fera: Sábado no Maracanã: Vasco: x Portuguesa; e no Pacaembu: São Paulo x Corntans. Domngo no Maracanã: Flurnnensex Palmeras, So a torcda braslera anda está com vontade de presencar futebol depos dos acontecmen. tos de ontem cm Berna, encontrará nesses jogos um dervatvo atraente. SEXT-FER, D 2 TODOS ÀÓCÁL1O VÉtos letores, verdaderos brasleros, telefonaram avlsando de que pretendem organzar um.comtê.para recepconar o seleconado braslero poc. ocasso do «u; rtgremoy.o GalèSo. Osrapases de Zezé Morera cumprram yaeu: pevor. Derrotaram Paraguaos -«Chlenós (duas vezes) garantndo a classfcação, venceram,, depos, já na Europa, os.mexcanos por um escore arrazádor. Chegou a vez da ugosláva e o lxl1 pode ser encarado como um bom resoltado. C-3 "tens". Jogam bola, como todos sabemos. E vmos, no Maracanã-, cm. 50. Fhàlmonte, chcgnmof a. peleja com os húngaros, favortos absolutos do certame, autores das maores goleadas de qu.ese tem hotca. Que consegumos?. Depos dos dos gols relâmpagos (um mpedmento escandaloso) consegumos equlbrar a partda c encurralar o adversáro. Um pênalt fabrcado, veo aumentar a dferença sem. que nosso ânrr.o acabasse. Contnuamos martelando até què Julnho, depos de verdadero bale, colocou mas um tento ao lado do nome dc Brasl. Temeroso dc uma revravolta, uma vez que contnuávamos atacando. Mr. Ells consentu que os magares consumassem mas um tento, em vsível mpedmento. Fo sto quo aconteceu. E, por sto mesmo, nossos rapazes merecem o apoe da torcda do Brasl. Perder não é problema; vergonhoso é car sem luta. E, como todo? sobem, não fo êsse o caso do Brasl. ESPETÁCULO DE RMNDNHO Uma Fnal Empolgante: Waldemar dão x Teodoro Cabral Geraldo Jesus x Francsco de sss Três Prelmnares Sensaconas Todos ao Paláco de lumíno - Depos ta. derrota do Brasl, frente a Hungra, voltam-se as atenções dos desportstas para o Espetáculo de box organzado por rmandnho. SSÊSfa noíf do puglsmoí,earòeft»tlujs já demonstrou suá capaclrjlade apresentando dos sensaconas espetáculos. Já organzou o programa para a notada <do pro xmo da 2 de Julho;/, no Palaco de lumnho. FNL EMPOLGNTE Desta vez teremos, fazendo a lente puglsta vsseano que é luta de fundo da note/este va- Fomos Cercados... (Conclusão da 1.* pagna) mtosa arbtragem. E é por sso que nossos drgentes não poderão slencar. Mesmo sabendo que não poderá alterar o resultado. Mas apenas para fazer sentr à F..F.. que não nos dexamos roubar, npemamente. Sabíamos que estávamos sendo esbulhados, sabíamos que não venceríamos o jogo, mas nenhuma provdênca, naquela altura, resolvera. Mr. Ells era a autordade máxma. Nem ao "bandernha". melhor colocado no lance do segundo gol húngaro. deu atenção. Que melhor prova para a smpata aos húngaros? Que fazer, então, senão apelar para o esprto de nossos craques, maores vítmas do cnco juz? O que se pode fazer, agora, será feto. Representação enérgca, à F.F... contra a desastrosa arbtragem. Que mr. Ells seja rscado das cogtações para drgr futuros jogos do Brasl ou de quadros brasleros. Ou que guarde, defntvamente, no cofre trstes recordações, o apto desonesto da peleja Barsl c Hungra. CfflPOVE 0 SEMHOW TMBÉM! W SÈ 0 RPM Motor Ol reduz os consertos do motor. B ara? nc >.-.. ps. $=f4 r~*. t rt / íl l ía \ Gkaaa»»Sh o smmo.o! P-g» al t=ft «L FH mtm 33 ^ M H BMgSWS ^^S»»* oü»uo<c f^j * " gj t*1 j 1. *4 1 j J ^^W^ 0.r..g»M# nl «laann m; carreara m..pup,.>. H^^^r^^.,^^V SSKs *""" ""*» p"ts >^o*d> > > >tc.f * "-(> *" \ \V V, /1 Ük^^^g BS fô-ííns 4«< pn-1.1 tormaala àa ant*"* ((*. ta \ VV ^pv / «88S9K KÍWÍ " * - 6"-"»» ttwnm thha ar. V > ^pr «^^ X^otoO^/ HS \í^ororo^>/ Es o que o uso do RPM Motor Ol trouxe a uma emprésa de táxs e ônbus: Grande redução de conserto do motor.. Grande redução no consumo de óleo... Maor duração e rendmento superor. O RPM Motor Ol e um lubrfcante composto de todos os adtvos avançados especas que mpedem a formação de carvão, de mpurezas e corrosão. Consulte hoje mesmo o Dstrbudor RPM de sua localdadn Produto da STNDRD OL COMPNY OF CLFÓRN.*""««REPRSNTNTM NO BRSL L. P. FONSEC S/ Sede: Ruo Socadura Cobrol 81 Rede telefônco: Ro d* Jonefre S. Paulo: v. pranga » andar - T»l Curtba N.. Gumarães & Ca. Lfdo.. Rua Pedro vo 218 Tal ValSemar dão. O grande "pegador", que vem se tornar profssonal, é eampeão. sul-amercano e um dos melhores do Brasl. Seu adversáro, por outro lado, também não fca atrás, Trata-se de Teodoro Cabral, yencedor de Vcente.Santos, campeão braslero. Como vêem. melhora, de espetáculo, para espetaculo, o nível técnco dos lutadores. FRNCSCO DE SSS O estlsta Francsco de sss, qué venceu Passar, na ultlma notada, voltará ao tablado para dar combate a Geraldo Jesus, um mundo de técnca e volênca. Desta vez. como já anuncamos, haverá cnco lutas. s duas fnas, ambas na categora dos pesos pesados, são a atração máxma da notada. O PROGRM Um bom programa organzou rmandnho. Entre outros bons puglstas da nova geração, voltaremos a aplaudr Cláudonor Perera. Boa Morte, e mas quatro que compõem as três lutas da "Jornal prelmnar. dos Esportes" "Dáro do Notcas", Rádo Vera Cruz" e "Marnk Vega" e outras emssoras e jornas, contnuam dando ntero apoo a causa dc rmandnho: O publco, que também tem nteresse no programa de box caroca, deverá comparecer em massa prestgando o Voronoff do puglsmo. TORCEDORES VSTM "ULTM HOR" Um grupo de torcedores vstou nossa redação na note dc ontem. Eram bons brasleros que vnham protestar contra a arbtragem crmnosa de Mr. Ells e, anda, apelar para que a torcda do Brasl receba seus craques como se fossemos os verdaderos campeões do mundo Ėm nome da turma, falou o Sr. Nelson Trndade que declarou: "Se êste maldto juz ver ao Ro, juro que sere o prmero a "conversar" com êle. Suspenso o Campeonato rgentno Devdo ao Mau Tempo BUENOS RES, 27 (FP) Ks- w8 ^B^H ~~^al ^Bro^^Lj^H BaV Jz^^V ma^m00^^ jj^^hl*; ::\:í<a^b ^bw ^al bbv a^bphabbmâ^ffla^flh^t^fflb»^^ QC COStUfTlC Ctt 1K * ^^B^t^^lBBBB aa, > a ^.a» *>&Jv!B&mÊ^»w SU ^ MT lpgflé í, ^s^,wm»-«*«,,,,,*,,ww". mensal*. as prsp. f 3 an a» Ruq Seta Esq. Gonçalves Das NO LNCE QUE MUDOU Devdo ao mau tempo, foram suspensas as partdas do fo nfelz. expulsão dos dos Campeonato rgentno de Futebol. garo pode ser consderada como jogadores brasleros e do hun- PNEUS SORTE DO JOGO NNGUÉM VU 0 PÊNLT Na Opnão de lgumas Pessoas Técncas, Neutras, a tuação de Mr. Ells, no Prmero Tempo, Fo Boa; Mas nfelz, na Segunda Etapa mpressão Unânme de Que Não Houve o Pênalt, Lembrando-se, nclusve, Que o Própro Públco Não Grtou a Penaldade :/,.. BERN, 27 (FP) opnão de algumas pessoas técncas, quanto à arbtragem do nglês Ells, no jogo entre o Brasl e a Hungra, 6 de que não vram a falta que, a juízo do mesmo árbtro, deva ser castgada com o pênalt que mudou a sorte do " jogo. arbtragem fo boa na prmelra parte, dsse uma daque- as pessoas, mas na segunda o motvo dos ncdentes nos corredores do vestáro e deva ter sdo prevsta a nconvenênca do encontro dos adversáros depos do jogo. Em geral, a mpressão de que o pênalt nfo fo vsto é quase unânme e até se lembram de que o públco nfto grtou a falta, o que sgnfca que também a assstênca nfo o vu. "FF" Comssto de Sanções da va reunr-se esta note, segundo se ds, para tomar co- CREDTO Todas as marcas Rádos Capotcro Bateras Credto aberto em 5 mnutos, sem fador utomóves - Pneu Crédto venat* HeST vludare,. u-»u CÂMRS GRNTDS CONTR FUROS.Espetacular3aíxa àevreços na TflPEÇUR.a SÃO JORGE Run da Consttução 4 Tel :?? 8581 nhecmento dos pormenores dos.sanções que possam r.ec^l8am ncdentes ocorrdos depos do bre alguns dos que nterveram jogo. Não se sabe se adotarão nos confltos. 0 POVO CROC EST DE PRBÉNS mas antga fábrca de móves da cdade resolveu vender dretamente ao públco seus móves de /focado por preço dt Varejo. Especaldade em Dormtóros e Salas em pau m<" fm, mbúa peroba. Verfquem os nossos preços antes de comprar os seus móves. Fábrca de Móves Guanabara Ltda. RU FRE CNEC, 67 e 69 Tels: e Para completa renovação do estoque CORTNS, e TECDOS, TPETES e PSSGERS, TOLDOS DE LON, ETC. à vsta ou em 10 prestações T

11 .:- j ] -,?,-V" yyym:y^!. /. ULTM HOR RodéJarêfo, Segunda-Ferã, 28 de Junho de 1954 PG N Mr. Ells, o Únco Vtoroso O Brasl Não Perdeu; Não Ganhou; Fo Roubado! -^ «= ^ rr oa j% «»- --mm^l^mjmur^^" es^7 ãravlho m m so mm - ««.»,..,MMHMt mmé^»~~^h ^Lg^^H* "-»"-»-**---" mmt nmmmt > 1 w m* m*ta~~tmmmot,m*m 1 *.* "*"**^M" """"^^""^^BHHSBBB^B ht1 n"rmnw. -»n m h]u3_mmmm^ *""*** * -rr- «emuméés»*1*» wmwímww,-.*,*. W)^mmw.*m«>... jgmbmwy^mmmbmmfc,. mmmtmmmm -. ^»*.>h.éh.*hpjuw* pênalts e Gos que, ntes do Jogo, já Estavam nó plto do rbtro nglês tuação Cínca, Vergonhosa, ««voltaute, na Tentatva de Quebrar o Entusasmo Dos jogadores Brasleros Mas Nossos Craques Deram Una Demonstração de "Raça" Que Mr. Ells Nunca Vra em Jogador Nenhum do Mundo Encurralados, Durante Maor Parte do Tempo, os Magarès -Usaram da VoléncU Tara Conter as nvestdas Dos Braslelf0 _ Nunca Onze Jogadores Encontraram Tantas Crcunstâncas Desfavoráves Como conteceu, Ontem, os Valorosos Defensores Brasleros Mas a Prova, da Fbra de Nossa Gente Fo Uma Grande Recompens, Uma Grande Lção a um rbtro Sem Bros tos, entregarse-a, enfm, rremedàvelmente, ao adversáro superpoderoso maor no pacar, maor em número de de. (ensores, vnte e dos jogadores, pode-se dzer, pos um juz parca representa, de fato, uma equpe. E que fzeram os joga- BENNE, 28 (Oe Paulo Rodrgues, envado especal de ULTM HOR Radlobrís) ntes, devemos dlrer: et jogadores brasllílros nso foram covardes. Longe dsso. Ou melhor, justamente ao contráro. Foram onze valentes, onze homens de fbra que talvez nunca tenham encontrado crcuns. tlnclat to desfavoráves numa peleja de noventa mnutos. Sofreram, aos quatro mnutos, um tento, quae como de tur. presa. Mas nso te ntmdaram. Contnuavam lutando como leões, certos de que a dferença sera descontada, mas cedo ou mas tarde, dependendo, apenas, é lógco, de que a peleja prossegusse em rtmo normal, sem nterferênca outra que no fssse o desempenho dos craques. nfelzmente, para nós; Mr. dores brasleros? nflamaram., Ells deu o ar de sua presença, na cancha, com apenas oto se. Ganhanram mas forcas. Come absolutamente certos de que, mnutos, como obstáculo muto sc O maor que os onze húngaros, juz não qusesse concor. dar com a vtóra do Brasl, pe- uma barrera quase ntranspottvcl. Senhor soberano das nterpretaçóes das regras, tnha o resultado do jogo em suas mãos. Dara a vtóra a quem msesse. E optou pela Hungra. Favortsmo absurdo, cínco, revoltante, ncompreensível. Mr. Ells deu, de presente, o, segundo goal da Hungra. Conqustado em clamoroso mpedmento, vsto por todo o Estádo assnalado, nsstentemente, pe- o "bandernha".que só faltou exgr do árbtro a anulação do tento marcado rregularmente mas confrmado, oelo juz, num desrespeto ao públco, crme contra os brasleros, prova flagrante de que já tnha o nome do vencedor em. seu apto: a Hungra. Co moto mnutos de jogo, com dos tentos contra, enfren. tando goleadores famosos, com u mapto estrdadente nventando faltas e benefcando, escandalosamente, ao adversáro, qualquer equpe desfbrada tera renuncado à luta, eseonder-se-a das chuteras contraras. evtara os lances volen- 0 Sportng de Lsboa Venceu o Torneo "Taça de Portugal" LSBO, 27 (FP) "Sportng O Football Club", campeão de Portugal, venceu o Torneo da "Copa de Portugal", derrotando o "Vctora de.setubal", por 3 x S. O prmero tempo termnara por 2x2. EM mx VO W TPOS DFERENTES: Jselr ers15000 llrntár " Mlt - 250,00 Hqpstr ,00 SlMtr «400,00 tymu... O50,oo lo menos a "garra", o futebol que apresentaríamos, seram a prova rrefutável de que. em condções normas, o. Brasl vencera a luta. E vencera, não temos dúvdas, pos. futebol por futebol, fbra por fbra, estvemos em superordade flagrante durante maor parte do "match". Em "garra" entso, esmá. gamos os húngarosr ;= O BRSL NO PERDEU; NO GêNHOU, FO ROUBDO lém dsso, hava esperanças de vencer a húngaros e a Mr. Ells. Marcando-se tentos m. possíves de ser anulados. Como o que marcara índo. 15 mnutos, depos de uma fuga de desde fora da área masar, não fosse derrubado, volentamente, por Buzansk. Transformado em goal, mço mnuto após, com certero chute de Djalma Santos da penaldade máxma. Pe. nalt que não,podera dexar de ser acusado, evdentemente, a não ser que o árbtro estvesse dsposto a nterromper a pele. Ja ante os protestos "justfcados dos brasleros. Mas pareca certo, também, que Mr. Ells sera capaz dos maores absurdos para confrmar suas rjreferênoas pelos húngaros. Se o Brasl assnalasse outro ponto, pr exemplo, a partda. *al, não acabara. Pos o juz não hesltara em magnar uma nfração e acusája. Temos eerteza, absoluta, de que o juz sera capaz, tataé.cdcogcer-a OO paz, até, de expulsar todo o mundo de campo paragarantr a vtóra para os seus favortos. E sc assm pensámos, tínhamos razão. Ou o "pênalt" arranjado, mpressonantemente, por Mr. Ells não veo provar o que afrmamos! Que acusou Mr. Ells? Pergunte-se a êle própro e será capaz "hands" de dzer que fo de índo ou de outro jogador braslero que estava 0 LEW P <m V VW,.-.v^.v M m *BRLHNT VTÓR 00 MSL N COPDOMUHDO! ~. * 1 r * m asss1** mm ftslltffncâ TlCNCft longe da jogada. bola que vera, pelo alto, fo defendda por Castlho e Pnhero. Sem qualquer pergo de gol. Nenhum húngaro pelas proxmldades. bola. não bateu na mão de Pnhero. Pnhero nso "barrou" nenhum adversáro. O que "vu", afnal, mr. Ells? NSo vu nada. Ou por outra, já t-- nha vsto. Já entrara em campo com o vencedor antecpado. Houvesse o que houvesse, a Hungra, para mr. Ells; tnha de vencer. Por que. não sabemos. Não entendemos. Recrmnamos. Não é admssível que um juz neutro, cuja naconaldade era como que uma garanta para a fel observânca das regras de futebol. prncpalmente em se tratando de um jogo decsvo, de repercussão mundal, onde o prestgo de duas Nações está em jogo, tnme-se de um cnsmo revoltante, roube, escandalosamente, a um dos dsputantes. procure cortarlhe o entusasmo. Mas mr. Ells se enganou. Não dexou o Brasl ganhar. Não permtu que a Hungra fosse derrotada- Roubou a vtóra do Brasl. Pensou que a sua vergonhosa parcalda de parasse o "onze" braslero. Quera provocar stuações para expulsar, se possível, os onze jogadores brasleros. Quera tlrar a "garra" da nossa gente. MSs não. trou. Trou-nos a vtóra, mas não trou a raça do homem braslero. Esta a melhor lção que podera receber. Lção que o públco suço notou mas que mr. Ells, pelos bros que revelou não ter, talvez não tenha observado... PELEJ DRMÁTC Façamos justça, entretanto, ao bom futebol pratcado pelos húngaros.embora não possa ser julgado, em defntvo, pelas crcunstâncas em que fo desenrolado o "match". Peleja decsva, em jogo o prestgo de duas "escolas", tera de nflur, evdentemente, no esprto dos jogadores. E o começo do "match confrmou todas as prevsões. Dos "scratches" nervosos ambos procurando estudar-se para se lançar, depos, à ofensva fulmnante. Mas fo nesse período de estudo que os húngaros, mas felzes, assnalaram o seu prmero gol. Pnhero já consegura alvar a stuação quando ío surpreenddo por Hdegkft, que lhe roubou o balão, fora da área. medatamente, êste cedeu a Kocss, próxmo à pequena área, frente,a frente com Castlho, tendo apenas. Djalma SantoS,feímwsWàá lado. v?,. E 0 atacante húngaro, sem maores trabalhos, abru o escore. Os brasleros, embora não desanmassem, sentram pequeno abalo em seu sstema técnco. Os magarès, ao contráro, melhoraram um pouco mas. Nova manobra pela ateral, aos oto mnutos, partndo um centro de Hdegkutl, que va encontrar Kocss, em clamoroso mpedmento. E o "mea", de cabeça, tra a chance de defesa a Castlho. O Brasl, com uma fbra mpressonante, va ao ataque. Pressona, tremendamente, "pntando" o prmero tento. os dezessete, mnutos, índo lude a Lorant e penetra na grande área. Pró- NH, O BRSL * 1 duas vezes mas tnta Produto da técnca alemã, COMPCTOU a canela revoluconára que possu um mecansmo transparente, funconando a vácuo. aumenlando a capacdade de tnta para 55 golas vnda m btat casas do ramo Controle de tna através do depósto transparente. Máxma capacdade de en. cumento, aprovetando o própro mecansmo.como depósto, com uma capacdade de 55 gotas de tnta. Mecansmo ndestrutível que dspensa borracha, roseas; faclmente aconare com uma só mo. Enchmento a vácuo, completo, em apenas 7 bombadas. OUNT SOUT. Bravamente fabrcado no Brasl, polo O LVRO TÉCNCO v. Ro Branco, 120 «obre-loja Ro Casto de Consertos: v. Ro Bronco, 120 loja 16 Ro xmo ao arco, pronto pára otro ndefensável, é derrubado, por trás, por Buzansk. Mr. Ells, sem outra alternatva, acusa o pênalt. Cobra Djalma Santos e dmnu para dos a um. Do equlíbro que ae fez sentr, a partr do segundo ponto dos húngaros, passou o Brasl ao domíno, aumentando a pressão depos de conqustado o prmero gol. Os magarès também tentam algumas ncursoes, mas a defesa braslera, melhor armada, não lhes dá novas chances. Enquanto sso, Groccs é obrgado a defender dos tros potentssmos de Julnho (aos vnte-e cnco mnutos) e tíe Humberto (aos 28). peleja passa a apresentar, então, aspecto verdaderamente dramátco, o tempo de empate, enquanto os húngaros, sem o recuo rremedável, procuram manter a vantagem. busam, nclusve do jogo volento, o que dá orgem a duas paralzações, para socorros a Julnho e Bauer. Mas o prelo, com a mesma movmentação ncal, chega aos quarenta cnco mnutos regulares, com a dferença de dos pontos contra um a favor da Hungra. ESBULHO E VOLÊNC No nco do segundo tempo, os húngaros aparecem com mpetuosdade. Os brasleros, contudo, resstem e ameaçam, algumas vezes a meta de Croscs. Um pelotaço dè índo, aos 8 mnutos, raspa a trave, toeando a rêdc, pelo lado de fóra, quando teu a mpressão de gôl. Todo o estádo, alás, chegou a festejar. Os brasleros, que já vfm lutando contra o árbtro, sente os efetos do terreno escorregando e seus defensores escorregam, váras vezes, perdendo o domíno da bo- a. os dezesses mnutos, mr. Ells acusa um pênalt que nnsuem vu, contra os brasleros. nclusve os própros húngaros parecem não acredtar na marcação. bola caíra entre Pnhero e Castlho, enquanto Kocss, a cerca de dos metros, tentava a ncursão, momento em que se ouvu o apto do árbtro, acusando o pênalt. Lantos cobrou, com tro volento, aumentando o marcador para três a um. Os brasleros anda não se dão por vencdo. Vão, em peso, para a frente. Os húngaros, com o corpo e os pés, procuram conter os "ataquês freqüentes dos brasleros. Mas Julnho, aos 20 mnutos, numa escapada sensaconal, desfere tremendo pelotaço. os 26 mnutos, depos de númeras ncursões dos brasleros, Nlton Santos uma nvestda húngara, sando com a pelota. Bozsk, que o persegua, aplca-lhe volento calço. Santos ameaça revdar, mas nso o faz. Mr. Ells corre até o local e, para surpresa de todo o públco, ordena a saída dos dos jogadores, quando apenas Kocss, advertdo, anterormente, mereca a expulsão. os trnta e quatro mnutos quando maor é o assédo dos brasleros, Ddl desfere tremendo pelotaço que o travessso de Groscs, mlagrosamente, defende. Na rebatda, Maurnho volta a atrar, mas Groscs defende, espetacularmente. Nota-se à nfelcdade dos brasleros nos arremates, especalmente nas bolas vndas das extremas e que passam, ameaçadoramente, pela boca do arco, perdendo-se as oportundades por fração de segundo. os quarenta mnutos Julnho nvestu, furosamente, contra a mota de Croscs. Próxmo à pequena área, é derrubado, lctamente, por Zakaras, mas o arbtro dexa o jôgo prossegur. Todo o tme do Brasl estâ no ataque e tem-se a mpressão de que o empate não tardará. O juz, entretanto, acusa númeras faltas nexstentes, prejudcando, lagrantemente aos brasleros. os quarenta e três mnutos, há um contra-ataque dos húngaros. Czbor foge pelo seu setor e centra, sobre a área de Castlho. Kocss, em novo mpedmento vsível, soznho, à frente de Castlho, cabecea a bola para a meta braslera. Não há mas tempo para nada. Os brasleros exasperam-se, com razão, passando o jogo a ser dsputado com extrema volênca. os 44 mnutos, Humberto dá um pontapé em Buznask e é expulso de campo. E com os brasleros anda no ataque, o árbtro dá por encerrada a peleja, com a vtóra da Hungra por 4 a 2. O resultado mas Justo, entretanto, em que pose o lume de jogo dos brasleros. tera sdo o empate. vtóra, todava, podera pertencer ao: Brasl, desde que houvesse mr. Ells se conduzdo com honestdade característca dos árbtros ngleses, agora talvez cm tão baxo nvcl quanto seu própro futebol. 1 De qualquer manera, como dssemos, antes, o Brasl não j perdeu. Deu uma demonstra- ] ção de raça e técnca, através 1 das quas, dzemos, sem receo, aumentou o prestgo do nosso termnando por um tlr0 de Vukas sobre a transversal. Zcbes retoma a bola, mas Turek mergulha e bloquea muto pbrto da lnha dc gol. Os ugoslavos domnam tcnlo. rlalmcntc pov váras vízes a defesa alemã está constantemente cm pergo. Lebrch faz uma partda magnífca e a sua cabeça c absolutamente provdencal. For váras vêzcs salva o seu campo, onde re. na uma eontusso ndescrtível, Os alemães futebol, não se dexam mpressonar pelos ataques ugoslavos e por na Europa. Foram uns herós, sm senhores, onze bra-! váras vêzcs a defesa ugoslava vos que enfrentaram a um; grande esquadrão e, prncpal- que nso parece muto segura, tc de fazer frente a pergosos contraataques mente, a um juz faccoso. Mr. j germâncos. Um lgero Ells, para nós e todos os especncdente produz-se entre Ma c tadores, fo j o únco vtoroso; na peleja Brasl X Hungra. Cajkovsk. nvoluntaramente po. de ser que o jogador alemão te. nha dado um sôeo no narz do jogador ugoslavo e o árbtro pede Teve o seu trunfo dfcultado ; ao jogador alemão pue aperta a *" **-** **- ff r ****"*** " - -"-"^^^^^^^W ju 1 MPPSflfcJ^kg M^^S^^^Bkm^ Mognífeo tapete de l... ^*>>s^ ^ Ér^^^^BR^^P*** ^-WÊÉÈM 1,40 x 2,00. Verdç, bege ou frose... \s. B^^í, :-ãxt«^pte^^k^^^^^^^^fe«^ Um novo enconto poro a sua.ala. ^ «Táfc^^^^l^^^fe^^^^^^^^^^^^S^^. PfCÇ de vendo normal, Cr$ 1.730, 0 tn^^^^ffyt!^^^^^^^!. * Pre("0 ^ffft^^tr«bn^l. a maravlhoso, / 8*&» * ^ SíèfcJl 1670 >/ têêmmmawsm%^^^mwbl^^^ Ccfm estampado. Lorg. 1,30 J^ 1/ ^^^^Cjp^O^P^J berto s até às 22 2.os e 6 horas. DOS ZERO EM GENEBR ^ ^ Preço normal, metro, /, S s* f Compre tudo o que precsa. a pague faclmente pelo Cred-Mesbla MGZNE ha rua do Passeo Elmnada a ugosláva Pela lemanha: 2x0 GENEBR, 27 (FP) Nat quartas de fnal, do Campeo. nato Mundal de Futebol, a lemanha venceu a ugosláva por 2x0. s equpes foram as seguntes: LEMNH Turek; Kohlmeyer e Pospal; Ma. Lebrch e Eckel; Schaefer, Frtz Walter, Ottmar Walter, Morlock e Klodt. UGOSLÁV Beara; Stankovc e Crnkovtch; Tcha* kowsk, Horvat e Boskov; Mlutnovtch, Bobek, Mtc, Vuskas e Zebec. rbtvo Sr. Zsoldt (Hungra). lemanha dá nce. os 2 mnutos, o jogo estâ favorável à ugosláva. Os alemães se reanlmam, mas com um tro fraco, Turek ntervém. Depos de uma bela combnação com Vuskas, Mate chuta mas fracamente. Turek não tem dfculdade para deter a bola. Novamente o jogo ê levado ao campo alemão, mas o árbtro apta por uma jogada para lova dc Mlutnovc. dclcsa ugoslava é apertada pouco depos mas consegue afãs. tar o pergo.os 9 mnutos, Rata chuta, mas por cma. Os alemães atacam anda e aos 10 mnutos Horvat passa de cabeça para BCa. ra, mas êste, que tnha avançado. 6 enganado e a bola entra no gol ugoslavo. LEMNH VENCENDO POR 1x0 Os alemães jogam com mas coesão e Beara tem de ntervr novãmente. os 13 mnutos, os ugoslavos contra-atacam. Houve um tro maor vo- tranco de Frtz Walter; Beara desva para "eorner", que é trado por Schaefer, sem resultado. Dcpos fo um ataque muto perg"- so da ugosláva, aos 15 mnutos, bola que é detda por Turek, que faz verdaderamente, também èle. uma belíssma partda. s duas equpes pratcam um excelente jogo. os 30 mnutos, os j alcmftos conseguem lbertar-se da l pressfo ugoslava e lançar o seu assalto, Mas os ugoslavos defen. ] dem.se. os 33 mnutos, um ataque ugoslavo põe em grande pergo o gol de Turek. Vukas chuta c Turek tem de desvar para "corner". Este c trado por Zebec. que não dá resultado. medatamente depos. Boskov chuta.muto forte mas Turek.bloquea mpecável- mente por mergulho. Mlutnovc aprovelta-se de um! mau controle da bola por Le. brch. mas demora em atrar, o j que permte a Klolmcycr ntervr ; n dcsv.l o tro. Os ugoslavas, cujo jogo c ago- ra melhor organzado do que o dos alemães, contnuam a dom. nar, mas os seus danteros não conseguem realzar. os 39 mnu-, tos, os alemães atacam medante; Schaefer e Ottmar Walter passa [ para líahn, que chuta, mas o seu lro j passa dc lado. Os ugoslavos rapdamente tra- zcm a bola para o campo alemão, ; mas por duas vezes Bobec, depos mlutnovc perdem bolas de oca- são, pouco depos. Turek falha numa ntervenção: Mtc tenta, ; mas a bola passa por cma. os 42 mnutos, a lemanha obtrm um "eorner". trado por Frtz Walter. sem resultado. Novo ataque ugoslavo. Boskov passa a fundo para Mlutnovc, que chuta poderosamente a 15 me] trus. Mas a bola passa uma nova Vez para o exteror do gol dc Turek. Cm mnutos mas tardo fp o üm ;o prmero tempo, e a le. manha enfrenta uma pergosa desolda da ugosláva. Num centro pelo entusasmo, pela "garra" dos craques brasleros, mas, mão do seu adversáro c esporlvãmente Ma concorda. pressão 1 anda aísm, conseguu o resultado ugoslava faz-se cada vez mas notável de Zebec. a bola que pretenda dar à passa por pele- forte e Bobcc enva uma bola pergosa à dreção do gol alemão. Mtc surpreenddo não pode cma de tõtías as cabeças, ma» ja. con. t-olar, e a faz püsar de ado dos alemã?s. Fo verdaderamente, para os ugoslavos, um jogo dc oportundades perddas. O prmero tempo termna venc-endo a lemanha por 1x0. No renco, os ugoslavos descem mas não conseguem nquetar Tu. rek. Num contra-ataque alemão, o árbtro apla um jogo para fora. os 48 mnutos, Mtc tenta a sua sorte a 20 metros, mns Turek, que hoje e.=tá muto seguro, pega bem. Há um tro fraco dc Mtc Lebrch afasta para eorner, Bobek atra sem rce.u3t.tclo. Ottmar Walter desce para a ala dreta, mas contomporza. o que permte aos ugòslavos proteger o sou arco. Fnalmente. Ottmar Walter passa para Rahn. que chuta por cma do Kol de Beara. Os ugoslavos retomam a van tapem terrtoral, sem que sc mostrem realmente pergosos para a defesa alemã, pos não dspõe de ponta dc lança, Thcakovsk faz una contusão no pé de Schaefer. O, tro franco c lançado de vnte metros por Ottmar Walter, mas a bola passa muto alta. Os rápdos danteros alemães que operam por contra-a taques nquetam constantemente a defesa ugoslava. os 59 mnutos, Turek tem dc sar,, para uma trada dos ugoslavos, marcada por Bote. Bruscamente, a partda é nterrompda. lcançado no estômago pe- a trada, o guardão alemão dobrase cm dos c fca no fundo da sua rdc, fazendo massagem no estornago, mas cm breve sc refa"/. partda recomeça e a pressão alemã faz-se sentr fortemente, com um rentro de Ottmar Walter. O çusrrlão ugoslavo não pode senão re. cusar a bola, mandara pela ala csquerda alemã. Os alemães são mas rápdos c controlam melhor. Pouco depos, fo uma tentatva de Mlutnovc, mas o tro fo mulo fraco paa enganar o guardão alemão. Os ugoslavos tém constan- temente vantagem, masm ou por pou-! ca sorte, ou por excesso dc contem- ] porlzaçáo, nâo conseguem marcar. Os alemães atacam dc qualquer [ modo, enquanto que os ugoslavos jogam pratcamente com 10 homens j pos Vukas passa para a esquerda, sendo apenas um fgurante, BC3ra também c;ta crdo ua perna dre-! ta. os 78 mnutos, rena uma grande contusão dante do arco alemão, num centro trado por Mlutnovc, Bobek retona com a cabeça c enva para o arco alemão, onde felzmente ae encontrava Kòhlmeuera que controla a bola com o peto c celende mas uma ver. O guardão alemão, batdo em sua lnha é salvo por Lebrch. E novamente corner para os ugoslavos, que dom. jam largamente desde alguns mnutos. Um pergoso contra-ataque atemão ú deldo pelo apto do arbtro que sancona uma jogada para fora. Entretanto, os ugoslavos jogam corajosamente c fazem o melhor pa- ra empata". Numa de suas descdas! o árbtro apta uma jogada para fo ra dc Zebec., ljouco depos, a bola vem para Vukas, que não pode atrar sufcen. temente lorte para derrotar Turek. boa va de um campo para ou-! tro durante alguns mnutos. Mlu- tínovc, em posção de fríro, é toca-. do por Morlock, O tro franco a 20! metros c feto por Bobek. bola é detda pela defesa alemã, nos ení co últmos mnutos os alemães coní tnuam a domnar e vares de seus ataques por pouco não vazam o gol ugoslavo. Termna a partda pela contagem dp 2x0 cm favor da lemanha, que. assm se qualfca para as mea». rêdc, fazendo massagem no cstòma- [ bek retorna com a cabeça c enva fnas. (FPy CORRETORES DE TERRENOS COMPNH PRQUE D VÁRZE DO CRMO, propretára dos loteamentos Vlar dos Teles, Vlar Novo e agora lançando VLR GRN- DE, procura elementos capazes porá aumentar o seu quadro de vendas. Paga-se ajuda de custo e comssão. Não se exge experênca. Trotar dáramente das 9 s 17 hs. com o Sr. Gumarães ou Perdaão à v. Calógeras, andar (Contnuação da v. Graça ranha, quase esquna da Rua Santa Luza). PRTR DS lhors

12 "-. >",*?t">t 1. 1 "Brotos" Honrosa Derrota Dos do Flamengo, Sem Sorte "Ro-São nte o Grande Favorto do Paulo": Çoríntans P.íG N 4 R/o de Janero, SegUnda-Fera, 28 de Junho de 1954 ULTM HOR 2 a 1 Vantagem Fnal cm Favor Dou Paulstas Z- Gok dc Goarò, Cláudo e Béütez (Pènalte) Vtóra d Experênca Sobre o Entusasmo De LBERT LÁVRÉNÇÈ Haverá dos modos de encarar o resultado desse Jogo nte- PMtaduaí de.badô note no Maracanã, novamente favorável "Ro.Sâo Z lder absouto do V Torneo Paulo", o esquadrão do C0orlntranvderrolando por 2x, os "brotos" do F «"«"«^í" *~..mcnte oelos dos veteranos paraguaos Garca e Bentez. d S O Prtmèrc. ra a exaltação das qualdade, entusasmo je e ímpeto do "rubronegros" que se lançaram na batalha.fogo... mente, de corpo e alma, desde os prmero, mnutos do prélo, "domnando" demoradamente dando a mpressão que conta- ;rg& ^J^ ^^õl^e,jogo»;» correspon.; * LOTEQMENTOS E URBNZÇÕES POSTES MUROS-TUBOS MOUROES-CLHS MEOS-FOS - DRENOS EM CONCRETO VBRDO tíczr JtZXr M^ats^. \\\ V\V > NDUSTRS XEREM v. Ro Branco, 14, 14.* andar, tel fábrca: Estr. Ro Petrópols, Kl». 21 {junto Fab. Not de Motorsrt deu mal ao nomaro elevado ds ocasões" tm qu» o gol pareceu «o «eu alcance. O segundo será o smples reconhecer quo o quadro atual velocdade t afobação, vontade do Çoríntans, apesar da únca de vencer e uso de recursoa deselegantes. Nunca será de mas ausênca dé Baltazar (pos Glmar não pode ser consderado repetdo aos Jovens logadorcs como "reserva" de Cabeção) ae que é multo fácl domnar o encontra numa [íorma" excelente. E quando o adversáro em velocdade e vvacldade se não se tenta, ao "onze" te Cláudo está cm boas condções mesmo tempo, conservar a cabeca e.os nervos bastante fros fsca e técnca, é, ndscutívelmente, um dos maores do Brasl, da mérca do Sul e do clusão mplacável as ocasões para poder explorar com a con- mundo assm como soube demonstrá-lo em númeras ocaperlordade. E também que cradas com uma aparente susões, nclusve em "tournées quem procura atngr o adver- no estrangero, dos dos lados do tlântco, e em grandes Tornelos nternaconas tas como o de CaracaB, no ano passado, quando sobrepujou claramente o "Barcelona" e o "Roma". E agora no certame atual com três vtóras ndscutíves em três Jogos no Maracanã. Náo há, portanto qualquer cosa de vergonhoso no fato de car ante tal formação, sobretudo do modo com que se curvou o Flamengo sábado. Venceu o melhor, es a verdade, graças à sua maor "casse" nternaconal e experênca, graças ao melhor entrosamento das suas lnhas, graças ao seu maor cudado dc manter a bo- a no chão para trocar passes certos, o que contnua sendo a base elementar do bom lutebol. E se o futuro, até o próxmo da 11 dc Julho, confrmar o Corntlans na posção de vencedor do atual Torneo, essa qunta edção do certame lnterestadual um tanto perturbada pe- a ausênca dos 22 "scratchmen" naconas, poderá ufanar-se, pelo menos, com um trlunfador perfetamente dgno daqueles que o precederam na lsta dos vencedores, o Çoríntans tornando-se, alás, neste caso, bcampeão. No que dz respeto ao Flamengo é evdente que seu quadro atual de "reservas" e-jovens "asprantes", êsse "quadroprmavera", como se dz na Europa, tem os defetos das suas qualdades, que são os da mocdade. Os elementos multo novos confundem faclmente BRNDES VRM ppb& jsraf * JP Vjí P^ SL VÂN 21 V W-XwÊÊk \V í)^m LaWmm///:,1»"-^ MBÍX^dllíW M mmuwí TELE^KNG 21" ^dhé. Ml ^Élhüsü-. ÜH8 SSST OS MELHORES PROGRMS SEM SR DE l^^zt Kl é?l 6áfcS 1 lü k\ \ \ 4^<M{. Pelo sstema VRM, você poderá receber "anda hoje" o aparelho de sua preferênca Sem entrado Sem juros Sem fador CRS 1.700,01 MENSS "BRNDES VRM" sssta :s qulnlas-fclrns, na TV-Tl M, as 20,5. "RNDES VHS". o rotramu máxmo da TV, com loce MRND s preferda dos telespectadores Últmos crações nos mas lndos e varados estlos DE MES, CONSOLE E CONJUGDO NTEN EXTERN GRTUT B tu j.. jht j NvcTuTjr 2ENTH 21!... LEMBRE-SE PR UM COMPR PELZ UM PLVR BST: MTRZ! 86 F L!L!42 la/ma_ R. BUENOS RE S R.SENDOR DNTS 86 Ml! sáro perde tempo precoso que sera muto melhor utlzado Jogando na bola mesmo. E não se trata apenas de aula de moral esportva. E a experênca que demonstra que o jogo bruto e desleal náo compensa e que um jogador que tem classe de verdade, náo usa recursos feos. Olhem para um Julnho, um Pnhero, um Nlton Santos... E para voltar ao jogo de sábado mesmo, teremos que dzer que, se a sorte deu a mpressão de proteger abusvamente a meta do Çoríntans em váras ocasões, sso é o própro das defesas que sabem opór-se efcentemente até o últmo déclmo de segundo ao esforço dos atacantes do adversáro. E, por outro lado, convém também reconhecer que o únco tento do Flamengo fo marcado de penalt. completamente njusto a nosso ver, pos no lance saneonado, o Jogador do Çoríntans tnha procurado a bola e consegudo sucesso no seu esforço, mandando esta para escanteo. E, poucos mnutos depos, Paulo entrando com decsão na grande área e em posção de tro, fo derrubado de modo faltoso para trás. Pênalt claro contra o Flamengo que todo o estádo vu claramente, menos o Juz que, com certeza, não querendo dar a mpressão que entrava no camnho da polítca de compensação cometeu um êto anda mas grave. Venceu portanto o melhor, repetmos. O quadro de maor classe e experênca. De maor "cancha" e de maores recursos técncos, graças, em partcular, ao magnífco trângulo Cládo-Luznho-Roberto bem apoado por todo um conjunto de grande homogenedade. Poucos "astros" deslumbradores mas "onze" num mesmo plano de alta qualdade, es o fato. Mas o Flamengo pode ufanarse também dos resultados que conqustou, apesar de tantas contagens negatvas nestas últmas semanas. Pos está trabalhando para o futuro. E os reveses de hoje prometem grandes vtóras com os mesmos homens. mas aguerrdos e experentes. para smanh. QUDROS E TENTOS Os quadros jogaram nos formações seguntes: ÇORÍNTNS: Glmar; Homero e Olavo: dárlo, Goano e Ko berto; Cláudo, Luznho Paulo, Carbone (depos Nardc na últma mela hora) e Rato (depos Carbone). FLMENGO: Garca: Tão e Guta; Nlton, Jadtr e Jorce; Paulnho; Duca, Evarlsto, Bentez e Zagalo. O prmero tempo termnou com a contagem em branco: 0 a 0. O Flamengo domnou terrtorlalmente desde o níco, bem comandado por Bentez. reapatecendo em grande forma. Mas a defesa do Çoríntans aguentou bem sob a pressão, um tanto afobada, dos "rubrone-ros" r; afnal de coutas, teve tantas ocasões quanto o Flamengo de abrr a contagem, mas Garca e Glmar fzeram ambos boa guarda. Fo no nco da segunda etapa que se defnu a sorte da partda. os 5 mnutos. Cláudo, vtma de um "foul" na sua poslção normal de ponta dreta na altura do lmte da pequena área e porto da lnha lateral, encarregou-se de dar o- tro lvre. O fêz hablmente par. trás, para Goano sem marcação. e êstc, entrando com decsão, desfechou tro volento aue, com a ajuda de um zaguero rubronegro que nos deu t mpressão de desvar a trajetóra, voneè Garca. os 8 mnutos, Roberto, que representava um papel mportantíssmo nas operações, receba um passe para trás re Rato, entrava na área e atrava. Um "rubronegro rebata fracamente. Na recarga, atrava por sua vez Carbone dc muto perto. Garca defenda num grande esforço, sem poder segurar, e, desta vez. a bola a para Cláudo que colocava hablmente a esfera na rede quase a quemaroupa mas quas esem ângulo, também. Çoríntans: 2, Flamengo, 0. Já a vtóra dos paulstas pareca garantda.-mas aos 10 mnutos, o Sr. Latorre aptava um "penalty" duvdoso, a nosso ver, contra o Çoríntans Bentez transformava em "goal". Çoríntans: 2. Flamenvo: 1. os 12 mnutos, Paulo era vtna de um "foul-penalty carssmo mas, desta vez, o Sr. Latorre mandava prossegur o jógo. Dal em dante, o Flamengo procurava cm vão o "goal" de empate, desperdçando númeras grandes ocasões, Bentez decrescendo de produção, de forma vsível, enquanto os vstantes só tentavam conserva seu tento de vantagem e portanto a vtóra, nclusve com a clássca, mas detestável, "cera". E o fm chegava -íem mtdança no placar. Çoríntans: 2, Flamengo: 1. renda, boa, levando em conta as crcunstâncas, fo CrS ,60. férmwçjílft E aprovete o domngo para conhecer os lotes jo valorzados do ^ tohdujâd qáhd ""*>f77s! -*5^ Ânhan a >ume rcauzaçso 6a Comendador Geremo Lunnrdtll Veja com seus própros olhos... é uma excepclonal oportundade para vocé escolher o seu lote no maravlhoso Jardm nhangá. O lugar é prvlegado entre o mar e as montanhas com um clma excelente. Venha, hoje mesmo, aos nossos escrtóros e reserve condução nteramente gráts para você e sua famla fazerem, no próxmo domngo, um belíssmo passeo ES S VNTGENS CONOtETS DO jgjjjjjj NHNGÁ: localzação - ^. PRTMENTOS COPCBN - UM POR NDR--SOBRE PLOTS Venderrto» Rua Toneleros n.«143. ot últmo, apartamentos consttuídos de! HLL SOCL. GRNDE LVNG COM JRDM DE NVERNO VEST- BULO, SL. CRCULÇÃO. 4 QURTOS. 2 BNHEROS E 1 TOLETTE SOC8, COP, COZNH. DOS QURTOS E UM BNHERO DE CR. DS, TERRÇO, DE SERVÇO E GRGEM. PREÇO PRTR DE CR ,00 COM 60% FCLTDOS E 40% FNNCDOS EM CNCO NOS. ;.;" Tratar na MOB ESPERNÇ LTD. v. Ro Branco, n.* » andar Telefones: 43-31CO e « Próxmo 1 Estrada Hlo-Petrõpolls, o Jardlm nhangá é cortado pela Zstrada de Contorno da Guanabara (Rlo-Terezópo- 11» e fca, apenas, a 45 mnutos da Praça Mauá. Compre seu Condução fácl O Jwdm nhangá lnhas de ônbus Porstrensdírlosda e Leopoldlna... ae Parada Mo«bl dentro d loteamento " *" <.-:-»_ lo,e j0 ValorzotJo mensas... sem Centrada... sem EDUCL S»^*."!-!-? w «. por juros!, Urbanzazfo moderna Urbanzsçg,, movd m ndulto a edüí: J». largas avendas P Praças ajardnadas *..S?SS5SS"W Lembre-se: QUEM COMPR TERR. NO ERR Emprozo de Destnvolvmtnto Urbanístco Comérco e ndústra Ltda Rua Méxco, andar - s/ 210/213 Tel Ro de Janero ctord 150M Üóldo, talentoso, bem entro, zado, jogando com o dnamsmo O Çoríntans tranqülo dos fortes, excelente, afnal de cont-.s, o quadro todo, do Corntüns Defesa dfclma de vencer com um Glmar muto seguro e mpecável (nota 8), um Homero sempre bem colocaco. muto lutador e hábl (nota 8. um dáro atualmente em grande forma e que anqulou pratcamente Zagalo com um logo dreto è smpes mas muto efcente (nota 8). e com um Olavo que sabe manter-se mas ou menos no me.,mo plano (nota 71 dos com. panheros dc uma retaguarda que vale muto pela homogenedade, a perfeta execução da "cobertura" e o tabalho sem ações muto brlhante mas mpedosamente efcaz. Dos médos, Goano consagrou-se mas à ajuda a defesa (embora tendo marcado o tento dc abertura da contagem) e o fêz com grande resdmento. (Nota D. Mas Roberto anda lhe fo superor, sendo uma das grandes fguras do jogo no seu trabalho notável de apoo aos atacantes. Se Roberto contnuar desta forma, deverá formar em breve entre oí maores especalstas Drasleros da posção. (Nota 9). Entre os atacantes, sempre,~~r,,. - Cláudo" no prmero plano, de- ; uw com gnmde g g, vdo às suas qual dades bem <«ota B). H warao nao teve conhecdas mas também pelo tempo para fuer grande cosa fato dè q«e f*505 os compa-!?um,u,dr 3V S P5?0-0"18- nhelrosf lhe cedem a bola para do em garantr a vttona. armar o jogo (.Nota 9). O Flamengo Luznho tornou a encontrar a grande íorma. Demonstrando dos pés e da cabeça, embora r no%ütoddaodeoíncamdeò Sè Flamengo valeu sobretudo sem sorte. Mas depos do descanso, decau muto. (Nota 8, clp nte0rt ençõec mmutotn-! P«lo «Prto de luta e vontade,mj.í- o\ U.../. om tnrtn de vencer mas a falta de sore- contudo, levando em conta o C8 ttr», xmênt^ nldade e também, parece, a lcr.go afastamento de Bentez das canchas). E Zagalo. sem. cent^-avante6 S«à dss^\» ^ «;S. ^^t?,^ ra n comandante atrás! * afastar-se da smplcdade e pre preocupado exageradamen- oual wr?e o B»"ntr" «"«natur.udade. e uso abosvo do qual corre p Hras.moro. <de te com o cudado de por-se em recuwo8 regulares e8tragaram tudo. evdenca de desde a saída dos campos qualquer modo, jogo de Leondas e Heleno. não está correspondendo, absolutamente, às esperanças que (Nota 8 para Paulo). Carbone lutou sem grande sucesso. (No- Garca conseguu grandes de- susctou há uns meses. Bem devera convencer-se (csas, e, a nosso ver, nso tev» de U 11. o jovem Rato na ponta esquerda tentou tornar-«e, goals, sen- mnho do sucesso está na sm- que o ca- culpa nos lances de do traído por seus zagueros. plcdade. (Nota 6).! (Nota 8). Gostamos novamenl te de Guta que tem qualdades multo prometedoras, apesar de í uns erros desculpáveís Novo Recorde Mun num prncpante. (Nota 8). Mas no- vãmente. Tão dal da Maratona e Jorge, que ; têm também dotes, dmnu ram seu rendmento cada vez! Peters, corredor brtânco, esta- LONDRES. 27 (NS) Jm que quseram aumentá-lo com beleceu hoje extra-oflcalmente ; o uso de entradas volentss- jum novo recorde para a mara-. mas e desleas, sendo quase sempre luddos pelos adversa- rm. (Nota e para ambos). Jadyr melhores «lementos do quadro, como sempre. Mas dá mutos passes errados e repetmos mas uma vez que o prefermos como marcador de "ponta de lança" do que como centro médo apolador. (Nota 8). Bom trabalho de Mlton, atvo e efclente. (Nota 7). Os atacantes novamente perderam o jogo por excesso de afobação. Paulnho não repetu plenamente sua excelente atuaçío de uns das antes, mas assm mesmo confrmou suas qualdades evdentes. (Nota 8). Mas Duca embora trabalhando sem trégua, fo de pouco re!- dmento por falta de serendade, perdendo grandes ocasões de vencer Glmar. (Nota 7). Evarlsto fo lutador mas não encontrou a boa cadênca. E tom também tendênca a cometer mutos "íouls" nútes. (Nota 6). Bentez jogou um prmero tempo magnífco, ndo buscar a bola, levando-a para a área adversára e atrando bem, tona, ao correr as 26 mlhas de 385 jardas em 2 horas, 17 m nutos e 39,1 segundos. f 1 Descansando em Marselha o São Crstóvão MRSELH, 26 - (FP) nda se encontram em Mareelha os jogadores da equpe de futebol do São Crstóvão do Ro de Janero. Surpreenddos pela derrota regstada anteontem dante do Olímpco, os turlgentes atrbuem á fadga a exbção desse encontro, decondo, nessas condções, fazer coro que os jogadores repousem sguns das, antes de prossegurem a "tournée", na Europa. Cassos, encantador porto pr vençal stuado a 20 qulômetros de Marselha, ío escolhdo como Dcal de resdênca dos jogadores brasleros. Termnada a cura de repouso, os drgente! encararão a decsão a tomar com referênca aos "m»tc11» prevstos no Orente Médo e na Europa Central. DOENÇS D PELE Dr. gostnho da Cunha SSEMBLÉ, 73. Fone, 32-32Í5 Das 16 às 18 hora» Repercute no Parlamento a Derrota do "Scratch" talano ROM, 26 (FP) - dupu derrota sofrda pela equp* talana de futebol danteff Suça, no transcurso docw», peonato Mundal, "«" no Parlamento. O Sr. Oru» Lzzadrl, do Partdo Soca» Neonsta, drgu umamw(l, ção por escrto ao Mnsto Esporte e do Tursmo,, pergua taítío-lhe se julga o l«íw»g pas comprometdo nas -VMM competções esportvas n rna_ conas. Na afrmatva, pers ta Nzzadr por que a je*"~0 ção da partcpação da w». Campeonato Mundal «r tebol fo confada a Feder»? talana de Futebol, «Jjgg, "já que, acentua, se ">»" ncapaz, em outras ç««, cas de desempenhar um*» to mportante".

13 %?, r.mm^r? \ lf * ** **v T *(..1 ULTM HOR * Ro de Janero, Segunda-Fera, 28 dé Junho de 19S4 PÁGN 5 PELO "TORNEO ROBERTO PEDROS": VSCO D CM x PLMERS DeprovcU dc Técnca lguma, a Peleja de Onlem de Manha no Estádo do Pacaemhu Gama Malcher e Jac Slvera da Corta, nularam um Gol üo» Cru-Maltn» Elaso e Hélo, os Goleadores Renda de Crf 296,275,00 Outras Notas 4t0tJMmmWmmt*mM mém\*mm SO PULO, 27 (Da Sucursal) Desprovda de qualquer técnca, apresentou-se perante o púhllco desportvo da Captal Paulsta, a peleja entre Vasco da Gama e Pameras. Horrível em todos os momentos o choque matnal, que deu prossegumento ao Torneo Roberto Pedrosa, e muto mas horrível anda, devdo a má atuação de Gama Malcher, que truncou o Jogo em todo os momentos, tendo na sua atuação já desastrada, o clímax, quando clanorosumens não assnalou um tento do Vasco da Gama, aos!)*, c que sera o de abertura do encontro. Devemos por em destaque, do no momento a atuação também horrenda do que sera o de Jac Slvera da Costa, um prmero "goal" do encontro e solctado a respeto dos bandernhas, que quando lance por Gama Malcher, somente acenou negatvamente com a cabeça a valdação do ponto que vra em pôr vantagem a equpe da Colna. NO PRMERO TEMPO Vtóra do Olara na Colômba Por 4 a 2 BOGOTÁ, W Estreando hoje em Bogotá, o Olara do to de Janero conseguu derrolar o ndependentc de Santa Fé de Bogotá por 4 tentos a 2. Favorável os Húngí jaros Clma e Campo Molhado BERN, 27 De Paulo Rodrgues Envado Especal de ULTM HOR O tempo nstável ameaçava, desde cedo, nesta captal, o desenrolar norm»l do prélo em que ram empenhar-se as representações dn Brasl e da Hungra. s chuvas-»que caram sobre a edade pela manhã, prejudcaram consderavelmente o estado do gramado. O campo apresentando mutas rregulardades e anda molhado, fazendo prever que o aspecto técnco da grande partda podera»er prejudcado. Sem dúvda alguma, tudo favoravel aos magares, habtuados às alternatvas da temperaturá, acostumados- a exbrse nós campos molhados pelas chuvas. ssm, quando chegou a representação braslera ao Estádo de Wankdorf uma chuva múda caa ncessantemente. Os jogadores drgram-se aos vestáros onde fcaram em absoluto repouso, tranqülos, serenos, confantes, sem que tve*se sdo modfcado o ambente que vmos observando tod» a semana entre os atletas brasleros. OS "GOLS" D PELEJ O marcador fo movmentado no prmero tempo do encontro, e o. fêz prmeramente, sem menconar o já anulado por Gama Malcher aos nove mnutos, Elzo pelo Palmeras, depos de orna bola cruzada por Lmnha ã boca da meta de Barbosa, na qual, o pontero não teve dfruldades em marcar. Sòmente aos 35, empatou o Vasco, por ntermédo de Hélo, o jovem pontero esquerdo caroca. Na segunda etapa, nada de mas houve.-o mesmo futebol dos quarenta e cnco mnutos ncas, como já dl» semos, e sem técnca alguma, tendo como compensação, para o regular públco presente que fêz com quc passas* sem pelas blheteras do Estádo do Pacaembu, a mportânca de CrS ,00, agutnas jogadas nteressantes e lances propcados por jo. pudores mas nsprados. OS QUDROS Formaram as equpes, com as seguntes consttuções: VSCO Barbosa, Dáro e Bclne; maur, Laerte e Haroldo (Beto); Sabará (Vadnho, ledo. demr, Vavá, lvnho e Hélo. PLMERS Walter, Manoelto e Cação; Fume, Waldemar e Dema; Ney (Jandr), Moacyr, Lmnha, Otávo (Berto) e Elzo.»BtSWtt»í»»tt..v.^.v^, ^.^.vvto>w.-->x ^.- v.swxww.»»;*;^^ -,.. mm-rmr-n ntwr " «wmu»»..-*. r..* í«w*»x.<.wow^v^>v«-v^^ ÊU H n0ln.. -v////v-.«-«-.1«0*w«vy.. ^í *,wj* *a«s*>»».,*»*r»nto>x^^.x^.^v.;./^»/^^ m^mwj MMwZê M -<>»^«a<*w«*í*mt^*--6.ywv. -ÀW-J -- mpk ~"»"/t-.^"» >ss/+v.-}&#r" mmw*muwmfc&blm«**xv^^ Ba-MW * * yjxv ;:/ «mm""*"*»»"".".-... «**M**»--aMc>*Ér»We*«*tv»^c^^ " y?^/ *&% *** **» *"^»w"^*"**<*>v»^.^^^ M ^ ^Ê LWW mwjw B«***^^WW»*«*<., «wow-m-^jw/ mmww "*" j n. m.fll" >^"»«v*-»" "~ fllr* & f z/ % "^»»fc"íb" ^^m\*9 m\ l%*»»ka É^»B»»T Mmm mwmmr ^-""""jm* -á^~ K-J * * -,,... " -... s..,;í/s,z#f lííwwwwv**?»*""*!!?gl *^l. «? & ^ ^.*>*«*ato«b^,<*»í->»>>^^ fmmj W mmm m^ kw^* >/^ M,r...4f.. -. "mmmmt- mmw "* " j.nr.-..-._-. #/****&&*&&* ^OT" " t.-rwtkct**.*-*. - ^TMsMW -y^fllbba?**" ^TBTTaTâw^^^LsSSSSSSBÉBBBa^^^^T TkUBBBBBBr afcfá^m MÉBmH ü2?oa^ajj wfs; y^vísmmmt»b»»»»»»»*s»k.«^hsíéatb»a*»»aj»v»»1»l»»»»»»^^ mmm^^^^^^^^^^^^^mmu mmmw ^ "* ^^jy 1 jtíí^*mosw&k.»"-- ^asljw, ^B^OjTé»»». *?S?fcX*-\ " «V1*^* -/ e^jgjjlflnwfff^yj. \\..M ^-^KÍÚÁ^nj^^Sv^ -f J "^^ bbbrs : *!»»» ab»»»a>»»»t^:^^,s»ftyy*^m ^^^^wíí^»»b ^^k * -^*rndphb8»»»»t ^^^B^^B^L»»»»»»»»»»»»»^^^~*r,-tf9v^m^^^»BBWB*nlHE»WB»Bfl fos s^ssí^wb^ Costura paro (rente e para tra e or** Máquna de costura "leonnm" Cendçfe» especas paro revendedor*» 09 Captal ne nteror. Garantmos ao» revendedor*» quota» mama» fornecmento a.vrmanent» funconamento garantdo por 15 anos. W^s&WWmmmmTÊm 7 M*0*T<1 ntl»l-r«d» «ntlre f/jmhwso lüm\).> - v. Pres. ntôno Carlos, 213-B - Tel M»lr«- S» P«ulo Ru» Fíuhoq, 1342 (Fbrc»» Escrlte-*- Rm SS dt M*rco, 870/880 V pòrêlho de barbear deal paro f«er P^S^ím»^, " / SENSCONS OFERTS! GELDERS (6,5 Pés) G.E. Entrada desde W»* UUUy ^^v jflr x^^^^^lv r >\ Nrf * 148 & Pcr0 làrnpaocí- ac 70 watts J^Êr MF Tábua de possar roupa fã V^; -^c:r U"" MGZNE m/b M /l MQUNS DE C0STUR s afanadas nucas fllffl e CROSLEY Co» tarda -k 3 Gavtlo pontos par mnuto MotoWol super rutttnt» 20, Entrada desde 9ft. BqoJ U8 SHJHepHBHnj FOGÕES GS DE QUEROSENE com 2 e 3 bocas e forno Entrada desde 10,?? VCNDEMOS ONGO PRZO SEM FDOR PGMENTOS Dl 10 a 18 MESES CS MGUEL DÜZ MTRZ - CENTRO: Ruo Vconde do Ro Branco, 54 FLL- EST. DE PDRE MGUEL (Ex MOÇ BONT) Rua Coronel Tamorlndo, 199 NS. Chamamos o a».;6o «lo» nonos dlulnlo leouese que o po- am»nt«aa a. prestatft» Má «duado no da >l da ooto. Sr ^res narflv,,0s< / t/ Ml m } /% frís/ã DERROTDO O MÉRC t 4 X 1 BERTO ÀS 2.ss E 6ãs ÀTÈ ÀS 22 HORS na rua Baqueou no Pacaembu o Conjunto mercano Frente ao Onze Luso Peleja Das Mas Fracas, a de Sábado, à Tarde no Maor Estádo Desta Captal -7 Catald, no Rol Dos Péssmos rbtro» Goleadores, Renda e Quadros SO PULO, 27 (Da Sucursal) Outra peleja íraquíssmas físco-técncas. E assm deu demonstrações de sua pés- ostentam o melhor de suas for- Ro-São Paulo, mas uma vez ma tvemos pela írente. sto na com uma renda de CrS sma qualdade como juz nternaconal. Errou do prncípo tarde de sábado, quando estveram em confronto os con- ao torneo Ro-São Paulo, nu- ao fm. roubando, ncontnente ,00 deu prossegumento juntos do mércr do Ro. e ma peleja desprovda de qualquer parcela de técnca, ou jogo vstoso que pudesse su- um reflexo qualquer de algum da Portuguesa desta Captal, em dsputa do Torneo Rober. mesrcvo ardor. Fo contudo o gr. por um ou outro quadro. E to Pedrosa. O públco presente, onze de Lndolfo. muto mas como erro -mperdoável, teve o to dos menores já vstos no tme. da o resultado de quatro tentos contra um somente velmente consgnado em mpe- prmero tento luso. ndscutl. Pacaembu. e o prélo em s, não mereca maores aproxmações do mérca. dmento. de assstênca, já que ns dos O árbtro Catald nue aqu GOLEDORES E UPROS conjuntos.,no momento, não veo para aptar os jogos do Marcaram para o conjunto luso. Ortega aos 8. Edmur aumentou aos 16 e Osvaldnho consgnou o tercero tento ao? 23. larcon conqustou o tento de honra do rubros aos 26 e Ortega, fnalzou aos 34. Psaram no gramado, os seguntes tmes: PORTUGUES Lundolfo, Hermno e Walter; Bler. Co- vs c Cee; Dd ÍNelsnho). Duca. Oswaldnho Ddo). Ed- ; raur e Ortega. MÉRC Walter. Joel e! Nestor: gnelo CUémro) 1 Oton lgneo! e van: Pare- : suao- Ramos. larcon, S:mõc 1«Ferrera. TESTE "do Passeo P ROl>lCO DE SUOE NSTTUTO HELCO DO DR. JOQUM SNTOS Notí bem: Vndo t consult n5o urnar ante* oa trarer 190 jx»- mas dc prmera nrna d manha com amo colher de câní.>r» em p*. sus DORES REVMTlS.no NDCÇÃO DF, ÁGUS MNERS REGME 1.1MENT.U* - ESTO- MGO - FÍGDO NTESTNOS RNS - DOENÇS DO CORÇÃO G VSOS - RTEROESCLEROSE (dormcncla, ínntera, calor na e«- heça) txcer DO ESTÔMGO dor. ala. dgestão dfrl etc. Trata. ntnto rápdo, sem operação e sem aplcações dc»parchos elétrco». NÃO FÇ OPERÇÃO «"" - * "- Rns s Bexga * de URNS TURVS e FÉTDS, DORES E KDENC1 O URN* etc. sem prmero fazer tratamento Hdrpmneral do rtrtlsmo. na resdènca. sem operação. Melhoras rápdas. Preço CrJ 6UU.00) mensajs R<"**«5mo VRTR1TSMO artntco t mus-,,, olar G6t. Burste Ácdo úrco reas e clculos dos rns e fcado. Tratamento HdromneraL PERNS VRZES, ÚLCERS, E C Z E M S EDEMS nfltrações duras Krstpela Fleblten Perturbações crculatóras das pernas Consnlta» dt S s 1! 14 s S horas, menos aos sábados. Operáros apresentando cartera dc P s 13 tem 507» dr abatmento j Rup do Carmo, 9 7. andar Te!.; _ Raos X

14 y _"<j!ptw;-.-.-,.. v».;^m.;,,, ç-)>..í/í,^^>" *>,-v:,. >.!:; Lv".*?." ;.pí.f.v ^ <. ULTM HOR yjwõ tfê Janero, Segunda-Fera, 28 dê Junho dè 7954 PGN 6 Joosa Espetacular Vo* Metros! TRBLHOS DE ONTEM N GÁVE Foram os seguntes os trabalhos anotados, ontem, pelo nosso representante: QUDN. Lelé em 90 e 3 5, bem.. DVERSRE, Greme, 1J00 cm 33, suave., CCORDEON, Vera, em 102 2! sem sobras. NOGJN, Rgon, 1400 em!)0 4!5, muto fácl. RR1TN, lad, 1300 cm 90, SUGTLLO, Lelé, 1500 em "; " , bem.. PNTHER. Rgon em á vontade. Vera, 136, FROUK, 1600.em 103. tocado. WY. rfoyen, 2040 em 2040 cm 132, sem apurar. BKR, Roberto, 2040 em 132, boa CPULCO. ação. rgoyen, fácl. CCU, Lelé, 1500 em , FRPLY Creme em 103 muto fácl. TRBUX, Delgado, 1600 em 105, pouca ação. MORREU O MELHOR JÓQUE DO EGTO LEXNDR, 27 (FP) O melho jóque do Egto, o talano Ângelo Júnor, fo morto "lexandra numa corrda do Sportng Club". O seu cavalo cau na ultma volta e três outros cavalos passaram sobre éle. O rmão mas velho de ngelo ganhou uma corrda, mea hora mas tarde. Programa 1." PREÔ s metros ,00: l l Bula zul.. ** 2 Dfablnha....» n Marjore... l Morcnlnha Olnda.... f Oraca 4--7 Serra Bonta.. B Calfórna......«PREÔ s metros ,00:. luóte 2 Forja 2 :t Rosemary.... Delta Ma Clle l Beleza : TUCUmana.... H Dona Chca... 1!l lvatla Bravata 11 Upa 3 PÁREO s metros : 1 1 Bangu 2 Scot : belhudo Deputado,... í Muraqu H.... f Chontclson., Domnador Jcblon! Ro Beau Urutaú 1.11 Qucle 12 Se xo 13 Holmc t Spltíresór 4.» PÁREO Às metros ,00: 1 1 lakar nshalla :t Hornot,,.,..,1 4 Folletto 5 Garufero Tor dl Qunto *? renoso 14,10 horas Cr?, Ks.... no J ,35 horas - CrS Ks.!.... s so : , j. 1 5o!.... f 54 \ j ; 15,00 horas -.CrS Ks t) 5B j ! r>2; ! horas - CrS Kr Valente Corredora Venceu Faclmente os Seus Competdores no "Dstrto Federal" Possívcl a Sua Presença no Campo do G. P. Brasl Moralmente Tríplce Coroada, já Que Perdeu a Prmera Prova Por nfelcdade da tuação de Seu Ploto. JOOS, a excelente corredora do Stud Rocha Fara ror, Strombol e os demas do seu companhero Regalo presença de Retro, Conque- dos metros, desbancar.- venceu, ontem, de modo.espetacular, o Grande Prêmo tllo íêz a égua correr, nvés- anmal da farda branca e es- competdores. Quando Cas- da lderança do pelotão, o Dstrto Federal, em tlndo sobre Retro, que procurou a carrera na altura sderar o páreo perddo, tal trêlas azus já podera eon- me,tros, sem se aperceber da "Barbada" "UP na Bagagem da Mesma Turma Com Rgon Dck Powell Fez Calar os Maldzentes! rer muto bem. Com as vltóras de ontem e dos do "Cruzero do Sul", JOOS pós Seu nsucesso no presentação da Semana nte- va "pí» í sedrerxpum pode ser consderada a trípllce coroada desta geração, sob "Barbada", so ror, Quando Era Consderado Tentou-s» pm VdU0S r,as p?tdw um "Puxada" páreo para ser também suspenso! Desanmado veo para a deu ncrível carrera na m- o aspecto moral, já que per- trbur à Greme Júnor Uma Rgon Conduzu-o no Fgurno e Com a Classe Habtual e o Gávea, mas parece que "as lha do "Outono", muto mas boas nformações" da Paulcéa à sua feção e por nfslcdade da dreção que lhe mpr* nmal Fo Penúltmo Para Monte Vernon e os de Sua chegaram a frente do rapaz. E, Turma Verdade Sobre Greme Júnor como êle nada fzesse de mal mu o antgo ploto do Stud. aqu, estão procurando uma Há mutas esperanças de aue Com uma facldade cspanto-a nesta Gávea de ml surprêsas se dz que um "puxou" oportundade para âpreparar o ploto este ou aquele anmal, quando terreno. Mas a nossa Comssão a flha de Romney dspute (o nsucesso dc qualquer competdor muto falado. Dfclmente se procura uma base mas sólda para a frmação de um íavortsmo. sem que sc. dexe de recorre ao eterno dsse-me-dsse ca nem va atrás de nformarendo como agora a "alente de Corrdas não dorme de tou- o Grande Prêmo Brasl. Cor- dos bastdores. ções. Punrá se for o caso, e castanha va abrlhantar o Greme Júnor está confante E com a rresponsabldade dos maldzentes se afrma que que realmente se destaca, no órgão caroca, assm como campo da prova máxma do pelo o jóque é ladrão! Os turfstas, retrospecto, classe, trabnlhos, espera que o Dck Powell tenha alertado os turfstas para nosso turfe. Está de parabéns por mas "cancha" que possuam, não se sabe bem porque força nconteste. E a língua vperna etc... um determnado anmal é geralmente que vbra o Stud Rocha Fara, possudor da Trolesa rubronegra! vence! Mas exstem, em com tanta facldade.,. páreos só têm uma preocupação para justfcar a má atuação de seus geralmente dfíces a um observador cauteloso, pseudo-barbadas e anmas preferdos, ou jogados: o furto, a "puxada"... esquecem-se de que há ml e um ganhadores mnentes que nem se podem colocar. Os Cronstas Enfrentarão, Mutos são os motvos para a motvos para a derrota de um parelhero e subestmam a pre sença dos outros competdores nos páreos. Vez por outra, em de 5. -Fera o PÁREO s horas metros Cr$ ,00 (Bettlng): Ks. 1 1 Thank 1 OU Falr Black 3 BO raruama Encantada Urrga.. U 56 Mro cx-santclmo Bacabal Morena Lnda í) Spenoer Orlent Express Elega!l 58 " Espada Dnon Hastm ngatuba 2 58 " Nora » PÁREO Às horas metros CrS ,00 (Bettng) 1 1 Tárlaro., Waru-ck Doglnn Charfo 2 5 Odlon Ornato Tarascon " Horeb 3 8 Don Francsco. CX ««O, Hale Trlggòr Clantecler Gay Fox " Rouxnol Holonetro Tarmbcro Charuto To " Bolnho 7 52 Phale-or " PÁREO s horas metros CrS ,00 (Bettng): l l Cangapé 56 " Olacln 56 2 Ma-ah Sbcllus 60 Odar Chafck 52 3 f Barran 54 7 La Fúra 50 B Sonhador 52 4!) Reuo Oresles 5G " Bg Horse., apregoação dessas "barbadas"; mas comum deles é a "nformação de cochera" que, a maor parte das vezes, não passa da rua... Tal aconteceu com o anmal Dck Powell, que ao ser apresentado na Gávea fo corrdo como legtma "barbada" num páreo com Sarlho, Kantar e outros, cm 1900 metros. Sarlho e Kantar venceram como- retrospecto puro, pos vnham dc se colocar em ordem nversa, na mesma ps- a e na mesma dstanca, mas a ponta e a dupla pagaram "pou le"-elevada e Dck Powell quase vendeu a pedra, porque o "dsse-me-dsse" afrmava que o cavalo vnha de São Paulo "estourar" para como bomba paulsta. Greme Júnor plotou- -o e não se colocou. Fo o sufcente para que os "profundos conhecedores" de carreras afrmassem que o jóque patrco não fez empenho! Sábado o anmal correu com Rgon na mesma turma, lvre apenas do vencedor Sarlho. E por mas qué "o "homem dó volno" tocasse, o paulsta chegou às quedas. cm penúltmo.,dck Po- S-cll. para satffkjão/dí! Greme Júnor, fez assm, calar a boca aos maldzentes. E que poucos sabem porque j Gremnho. como é chamado na ntmdade, e tão vsado... Pareco que a nfluênca de seus ; detratores de São Paulo chegou : na frente do ploto ao Ro! Em! São,Paulo, onde atuou durante mutos anos, seu pa, Gulhcrme Greme, não se conformanto com as arbtraredades de um funconáro categorzado da entdade bunderantb, chegou às vas de falo... e desde então nunca mas fo vsto com bons olhos! E Greme Júnor julgou que sua geração não chegasse a pagar o pato, porque nada tnha a ver com as questões do pa. Mas a cosa era bem dferente, e Greme Júnor ganha- a dsposção da valente representante da farda rubronegra. o entrar no dtrelto, o brdão chleno exgu sua montada e fo o sufcente para que JOOS se destacasse alguns corpos, vndo faclmente para o espelho, secundada de longe pelo Conqueror, que o Rgon fêz cor- Desta Vez, os Trenadores Novamente em ção a» Equpes dc Futebol la Gáveã, Num "Match"-Treno Para o Próxmo Campeonato Entre o Pessoal <lo Turfe Favortos os Cronstas, Que Venceram Surpreendentemente os Jóques Os Trenadores já Perderam Para os Plotos Por 7x3, Mas Vão presentar Uma Equpe Mas guerrda e "Mas Jovem" O Stud Vce-Rey Oferece, Gentlmente, o Churrasco da Vtóra»» m~**r* Os cronstas de turfe. que há muto não jogavam uma partda de futebol, surpreenderam o vgoroso "team" dos jóques, consttuído de.garotos em boas condções físcas e bastante O fogo consttu uma das atraçfes da curosldade das cranças. falta de brnquedo, costumam procurar a caxa de fõsfo-l ros. De um momento para outro poderá surgr o nccnro, como conseqüênca desses folguedos mprõprlos e por vezes atngdas as própras vestes pe- as chamas ; "REPÓRTER- ULTM HOR" pouso de ses meses estava sendo recomendado, dretamente da Suíça, oelo Dr. Pas Barreto e pelo técnco Zézé Morera, responsáves dretos pela ef. cênca da equpe dos cronstas trenados. Fo uma vtóra de (furo, "prmera mão", que as "out.sder" com poule muto Jrques "não sabam...). ssm, alta. Na mesma tarde, durante será realzada amanhã, terçafera, às 10 horas da manhs, a o churrasco da vtóra, os trenadores, que havam perddo partda futebolístca entre os por 7x3 para os jóques, desafaram os homens da mprensa e Flamengo, na Gávea. Parece dos séros rvas, no campo do rádo para uma partda. Os oue desta vez o Sr. Fretas Solch, não nos va mpedr de ar. "azes" da p«a acetaram ncontnente ntnente. E nem fcava bem;lj^c8ur,{ran)a,.do;jbtádo, pos R vencedores de tal categoras, o"féâqpra^<í.ábrí(t uaejíeve ense pretender manter o ttulo sem pelejar.,, apesar de que um re jo de assstdos capazes jogar e até mesmo se entusasmou com alguns (Pascoal Leão, fausto áerpa José Pexoto, Rgon e dão Rbas Já recebe, ram propostas...). pós a partda de futebol, será servdo o churrasco da vtóra, uma homenagem do Sr. Leon Ramos de Carvalho, ttular do Stud Vce-Rey. que anda ontem vu a tradconal jaqueta brlhando com vtóra do Gbatão. S. s. gentlmente se prontfcou a oferecer o ágape aos atletaç. E que o cavalheresco turfsta anda não hava conversado com o Dr. Pexoto de Castro, homenageante do churrasco anteror, para saber como a turma chega ao local do churrasco esfsmada... nâo há carne que chegue, apesar de levar comen. do a bola durante todo o jogo! m^^^^^mmm^ê^mmmmmmwwtts!^^ ür-\" CPTNE largou e acatou, seguda de Orssa e sdanda \MwWm^ÊÊÊmÊ! 1 GP.L fácl, com DORONDONGOS na dupla e FLMNT 3." 1 mtêêíêmmêêê%í ^BM^%maaam^ga^^mjj Dfc.l vtóra de FOSTER, sobre PRSOL, DON QV1XOTE e L GERFE Dngo dsputou e ganhou fácl. FLVTCH formou a dupla,>, rfç.^^^fflmh." *.* 8. >%&L>M, $rt,.- "-«_ v >-M íjytll^b MMÍí^ÉWte á- ;. JUfttt:- - ^:y^^w^^^:^ísssés!ímmmmíímm^wêí^^p!^hhbslmmémht^^^^^k^ MsaP&^sSBws6?P81WwP!KM 8lfâMm&^m&ymèèk»MmJ m mwwêm joosa dsparada e CONQVER ROR "defende" o segunde lutar CÇUNVNG no "olho mee&noo" derrota QRT lllll *MW %$êwê hl. <^7>üL "11 ^^^^^W ^^.f -J-j? & &% BB éíéí * a*.**.. WM ^-Í:J^JSt\\4e*/X...fj: \ *»;*.. " ^ GBTO a galope, segudo de L ROVGE, JOVR DE FÊTE, RENOSO X BOMB H HOJE GRNDE SSEMBLÉ DOS PROPRETÁROS! PR OS No Salão Nobre do Clube Monte Líbano Nomes Focalsados Para a Nova dmnstração desões em Massa Turfmen Paulsta nteressados " no Sensaconal Movmento de Defesa Fnalmente hoje, terá luqar a anuncada assem-1 Presdente dc Honra da entdabléa qeral da ssocação de Propretáros de Cavalos ríe, o nome do sr. Osvaldo ra nla, prmert-o presdente da so- de Corrdas, para eleção do seu corpo admnstratvo no bémo E ndescrtível, o entusasmo da grande classe de pro- defesa ntransgente dos leglmos nteresses dos propretárospretâros, em torno ao raerlóro movmento, que vsa, dentro da maor cooperação com Podemos nformar aos nossos OSVLDO RNH o Jockey Club Braslero, a letores, que será aclamado GRNDE EXCURSÃO CULTURL E RELGOS no Marano e no Santo Santago Compostela (Espanha) VSTNDO tála, Suça, França, Espanha e Portugal SÍD Navo "UGUSTUS" 19 de JULHO VOLT Navo "GULO CESRE" 1. de SETEMBRO PREÇO POR PESSO Cr? ,00 Tudo ncluído NFORMÇÕES E NSCRÇÕES utomóvel Club do Brasl RO -- P do Passeo, 90 Tel S PULO -- v. Brg. Luz ntôno, 502 Tels BH v. 7 de Setembro, 240 Tel cledade, ó que tão relevantes servços vem prestando ao turfe naconal. ndcação, das mas smpátcas, encontrará por.erto. a unanmdade dc pensarcrto dos presentes á ssembléa, por consllur-se na verdade, f prerb á dade operose dedcação do lustre patríco. NOMES EM EVDENC Por excepconal esforço dc reportagem, logramos deseobrr os nomes dos prncpas drgentes, que serão levados às urnas nesta note, amparados pela chapa ofcal. ssm, para a presdênca, fo apontado a sr. Nova Montero, com os senhores Eurco Solanes e Vctor Gulhcm nas vce-presdencas. tesourara, será confada ao sr. Francsco Serrador e na secretara deverá fcar o senhor Carlos Mac Dowell "da Costa. S 21 HORS nco da reunão, está afxado para às 21 horas. Como já dssemos, ío aceto o gentl oferecmento do sr. Fuad Merchgc, presdente do Clube Monte Líbano, para que nos salões desta prestgosa soccdade, fosse efetuada a assembléa "monstro" desta note. VTÓR DE VLLORES NO GRNDE PRÊMO DE PORTO PORTO. 27 (FP) O granprêmo automoblístco do Pôrto ío vencdo pelo talano Vllores, numa "Lanca", derrotando o seu compatrota Castcllot. numa "Lanca" também. O nglês Whte Head ("Cooper-Jaguar") fcou em lugar* m & *** ^furf^ tercero S. PELLECR1NO PURGNTE-REFRESCNTE-flNTClO O campeão mundal, o talano scar, bandonou a corrda, por terestourado um pneu aos 39 mnutos. Fo esta a classfcação geral do grande prêmo: D _ Vllores, talano ("Lan- Ca») _ 45 voltas 405 Kms. 2h. 14m. 04s. Méda de owo por hora. Vllores conqustou a copa "Bonetto", nsttuída para a volta mas rápda, que lhe pertenca co ma méda (récorde da prova), de 152 Kms. 600 (25474/100)- 2) Castellott. talano ("Lanca") 2h / /100. 4) Masearenhas, português ("Ferrar") 41 voltas 2h /100. 5) Maro Valentm, braslero ("Ferrar") 41 voltas 2h /100. 6) Pozz, francês ("Talbot") 39 voltas 2h /100. 7) Francsco Marques, braslero ("Ferrar") 37 voltas. o dexar o escrtóro, resdênca ou ofcna, 6 aconselhável deslgar a chave geral da nstalação elétrca, em benefco de sua tranqüldade. MLES DO FÍGDO Fdefne, restabelece a função do fígado, evtando as desagradáves conseqüêncas das moléstas dêsse órgão. ^^ ^ FOE1NE Um produto do LBORTÓRO BÉRGMl v. f re do Ro, 23 - tgquera E, F. C m, S. S. Publc ? "~ ^ RO DE JNERO v. Ho Branco, 270 Fone: r. Frcsdente Vargas, 210- DOENÇS D PELE Sífls, Câncer, Eczemas, Varzes, Ülceras das pernas. Verrugas. Espnhas, Queda do Cabelo, Furínculos, etc. Dr. gostnho da Cunha SSEMBLÉ, 73. Fone, Das 16 às 18 horas esh 4ínt^ o MMM T MLHÕES rtk NÃO DESST. > GU^ CBSMRRS.»7««««-"«[Bm" " BELO HORZONTE: v. fonso Pena, 464 JUZ DE FOR: Rua Halfeld, 711 Of RU DOS NDRDS, 58 oc RU ÜRUGUN, 128 «V.MRECHL FLORNO, 47 O RU D CROC, 2? zl RU 7 DE SETEMBRO, 204

15 ULTM HOR Ro de Janero, Segunda-Fera, 28 de Junho de 7954 PÁGN 7 PRMER GOLED DOS CROCS NO TORNEO: 5 x 1 Botafogo certou em Cheo Chuva de Gola ae nuncou no Prmero Tempo O Começo do Fm Para o São Paulo Glson um Profssonal [O_»-» Excepccloal Os Quadros e a rrecadação» - G1MPOL PERER 0 Botafogo estava precsando d* uma vlt6na como a de s. defendam eom cerla bravura pado, na verdade os alvnegros desde multo vnham mere e contra atacavam segudamente eendo, apesar de opnões em contraro, sorte melhor. S«a como numa reacáo que s no fo coroada de êxto porque o tro f- fôr, o que se vu no prélo da sabatna fel uma equpe hem armada, valente, composta dos mesmos Jogadores que sempre per. nal alvnegro prmero, e al n- teneeram ao plante com uma únca exceçío, que fo, Justamente, termedlrla depos, revelaram Quarentlnha, estreante. E nnguém podera dlter que «e esse esprto de luta notável, e crêscèram à medda que o tempo Jogador o responsável pelo trunfe multo embora éle tenha tuado multo bem. E para os que costumam ver no técnco o res. se escoava. Mas entfto já era oonável por tudo que acontece de mal ao clube, prncpalmente evdente que o esquadrão de no das de derrota, essa vtóra deve ter sdo bastante amarga, General Severlano vencera Dorqus velo mostrar, antes de mas nada, que Gentl Cardoso por larga margem. Poy teve tem cabeça e sabe usá-la, que tem vsso e conhece o Jogador momentoa crítcos, mas mra- «abendo se éle é bom ou nâo. Vu Quarentlnha eomo já hava vsto Garrncha, esc»lou ura outro, e acertou nas duas vê-,. lém do mas a volta de Glson e Gerson ao quadro deu nova alma ao Botafof o, e muta ateara ao torcedor da arqubancada qne estava. Já, saudoso de uma vtóra.. GOLED SE NUNCOU N PRMER ETP O encontro da tarde de sábado bem mereca um públco mas numeroso, prncpalmente orque o Botafogo apresentou ataram alguns ataques á meta botafotuense, mas encontraram em Glson uma barrera ntransponvel, nm arquero perfetamente recuperado e dsposto a manter o zero no marcador. s prmeras defesas evdencaram que os dé Sáo Paulo multo tel jom futebol, fazendo, mesmo, revver o esquadrão dos melhores das do campeonato passdo, spfsar da falta sensível que Santos anda faz ao tme. Os sampaullnoa bem que en- ÚLTMOS DS ram que lutar para marear o prmero gol, maa coube aos botafòguenaes, de fato mas bem armados, e com um conjunto quase perfeto, aos doze mnutos, vencer a vglânca de Poy que, dga-se de passagem, falhou por completo nesse lance. Jogada nasceu nos pés de Garrncha que estcou para Carlyle, na entrada da grande área. Sem perda de tempo Carlyle servu Dlno, com um passe curo para o centro. Dlno teve tempo sufcente para preparar o chute, escolher o canto e quase que prevenu Poy. Pos anda assm o golero samnaullno fcou parado no centro do arco eem tentar, ao menos, cortar as possbldades do atacante, ou fechar o ângulo. E quando o tro partu, realmente forte, mas defensável, o golero atrnu-se para constar que tentará a defesa nutlmente. partr desse lance o Botafogo ae anmou e tentou aumentar o placar, mas os sampaulnos se D LQUDÇÃO mm mèêêl W* f V-.- ^tímt larafan^asssw DC LUSj-HES DE CRSTL ot melhores preços da ^^Ül Mwkl al&l9à^rbh n Bv^swfflV LW^bV ís^^safl aalbbw-:-;^;^awbtfbtsblh BaaaalSs»!aaaaHs, Cdade ltav altt^^h^l M -^BsaaaaaaaaV ÈWtWtWÈmllm (EkfÉ vk 1 Js^bbbBskJHÍ s^êãkwu^lwmífvvb^t^t^tmtt^à aasüql flávj HB\ Em SSl Hüll âf wê HJmH w m -:^H Veflafl BWe>9e>>>aHr ^íéllpb \\\w fm^^mm»w^r llllllí w-,;» - PROVETE OPORTUNDDE! vsta e a prazo pelo CRÉDLUSTRE (em 10 mêaes) sem juros tem fador DRETMENTE DO FBRCNTE PRONTOS OU SOB ENCOMEND CnSfl LBERTO SLV VSCONCELOS RU DO SENDO, 6/ - SOB. TEL RO DE JNERO VERDDERO SUCESSO OS 25 NOS!!! EM JUNHO?!! SLDO DOS SLDOS DO NVERSÁRO!!? SLV GOMES!!! Camsas!! - Gravatas!! - Cuecas!! - Meas!! - Lenços e artgos para presentes!! NDRD S PREÇOS DE VERDDEROS PRESENTES, PR PRESENTES!! culosamente a bola ae encontrava com oa seus defensores, ou ba ta no travessão. Honve mesmo stuações smplesmente»nacredltávels, e os botafòguenaes, se no marcaram, no desstram de lutar também. o contráro permaneceram na ofensva constrando um placar qne, cada vez mas, fasla melhor Justça aos futuros vencedores. O COMEÇO D GOLED Dessa manera, aos trnta e um mnutos e meo Botafogo fas cercada carga sabre a meta sampaultna, e cabe a Carlyle atrar com o gol onde o arquero se encontrava caldo, e dos defensores esperavam o tro de msercórda. Carlyle qus colocar e atrou muto fraco contra as redes. De Sord salva, Carlyle torna a chutar e Poy rebate,.também fracamente, e a bola acaba sobrando para Nevaldo, na extrema, que completamente desmarcado cruzou para a área em excelente condções,lndo o couro ao encontro de Dlno que, com um tro seco e forte assnala o segundo tento para os seus. Os sampaulnos percebem que o escore será elevado e tentam resstr, mas os botafoguenses já não lhe. dão tréguas, e aos quarenta mnutos e meo cabe ao estreante Quarentnha demonstrar. mas uma vez no decorrer da partda, que a sua aqusção fo das mas acertadas. Eslava o Botafogo ntero no ataque, e Dno atra volentamente contra a trave. bola volta para a rsca que marca a grande área e Quarentnha a recupera e tenta drblar. É batdo pelo marcador, mas anda assm nsste e consegue recuperar a pelota. Então, numa vrada sensaconal atra contra o arco nesperadamente. bola choca-se com volênca contra o travessão e bate na mão de Poy antes de voltar à pequena área onde Carlyle, bem colocado, emenda de prmera marcando o tercero tento para o Botafogo. Os sampaulnos reclamam a marcação do tento, mas o árbtro corre até o gol e descreve o lance, acabando por confrmar o gol, realmente perfeto. Pouco depos termnou a prmelra etapa com o Botafogo apresentando um futebol muto superor e que. compreensívelmente, melhorava mas à medda que os jogadores am adqurndo maor confança no con- junto- GLSON UM PROFSSON EXCEPCONL Os prmeros vnte mnutos da segunda etapa mostraram um São Paulo dsposto a recuperar. o terreno perddo. Mas a defesa botafoguense. com Gerson jogando muto bem e orentando, com a sua experênca os mas novos, era um obstáculo ntransponível. lém dsso Glson era uma garanta là atrás, mesmo Buláu não tendo tdo uma atuação das mas convncentes. Pareca que o Botafogo se acomodará com o pacar, mas Juvenal e Bob almentavam constantemente os danteros, enquanto Ruarnho se revelava capaz de frmar-se no centro, da lnha méda defnuvãmente. pesar dsso o São Paulo, por ntermédo de Canhotero conseguu escapar de certa feta, e frente a frente com o arquero botafoguense, Canhotero atrou, com volênca. Glson recebeu o chute em pleno rosto, e cau nconscente. lguns segundos depos, quando o pergo anda era grande dentro da área, com o golero noqueado completamente, ío com surpresa que se vu Glson evdentemente movdo pelo seu subconscente, erguer-se do solo e correr para o posto. E al permaneceu por mas alguns se- ÍÉ!jj{! mm...::::: ü :::n: íüjíl!* * : <».» # *«w e teeeeeeeeeeee MM > atava* ;::::::; P jm!jjjjíjípír JB*j ^Bk ab*f-fa BVb\ fmê afã. JwGíL %&3l^»m\a Ms^^^t^^^^^^^^^ P^W^^Ja^^^ml^^^^BmWm- JtftôtL}:) ;.t~ P^ouço _^ea«m ^^atafafaf-j ^H ^ :::::: fé S as t:::: ^Lt^V ^ JBk ^ «««::::!:: "! ^^^oatft ::::!:!:::!:: ^» > > * W asa ssl ssl 99 W > > R RB»a(««M p ^_^^afabbbjb^r& :::Í::-Í ammbs W^3 \W :;::;jjp!pr^^ ::!!H!:lt?ftí» m!::::::::::::::! a a»..... :::::!H:::::: ::::::::::::::::> :::::::::::::::: ^^^ :::::::!*Ja]^^ ::::::::::.nrsl" GRNDE MES :. de RETLHOS!::::::*. abaxo do custo tma.aaaaa**aaaaaaaa»aaaaaa preender o drama do golero, êste nssta em fcar no posto, mostrando que era. acma de lu do. um profssonal excelente, bom como poucos. Poço depos, Panowsky o vnha substtur, e o match transcorreu sem outra anormaldade até que Dno e De Sord, trocando pontapés foram expulsos pelo árbtro. E aos trnta e dos mnutos Paulnho recebe na pequena área. completamente abandonado pelos marcadores. Entra en. tre os dos zagueros e atra, com força, para o goal, a dos passos da lnha. bola bale na trsve superor, repca no ch?.o onde o golero está caído, volta somente 30 das ^ " ^».»»»»» BJ m w m» t* *m m m TFT XDREZ mon- CHNTUNG CRÉPE FLEZLBENE lanlícodo SUPER FLLE lorg L Ã S varado lorhm.ngol Bembarg «tompodo «tampodot dv.r.o. ««tampado, dvtno da- 0,90 todat a eôre to xadrez e córes lsos ÍÍ0ma^,. {JÍ «Mpe (J nho,1, Normal 56, grandes oferta, desd. o da tlqudaebo Normal 35 Preço í?wlzt-..m««- Preto do Lqudação Preço do Lqudação Proco do Lqudação Preço do LqudaçBo FLNELS meclada Proco do Lqudação «tampada Prof o do Lqudação 4r m 20, 24, PNO DE COP >o dre absorvente Normal 9, dede Preço do Lqudação Banhe 6; 9Ó Rosto BRNS lltrodo odr««normal 15, Preço do Lqudação CMBRS Organd» Vols lndos padrões Normal 17, Preço da Lqudação 2r 14; TOLHS vdro tpo COBERTOR "Dorme a preço ele lqudação Bom" d hnrt* Normal 35, Preço do Lqudação 7, 29; LENÇOS MES barrado» l«r» Soquetes bem for» Normal 7, Normal 11, Preço do Lqudação Proço do Lqudação s; 9; SUS.» «Ml MWttM.:.....aalUa ::::!:::!!Hnü::::::::nÍÍ;ÍÍÍÍÍÍllHÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍÍHH; eeee»e" ao travessão e acaba morrendo nas redes. Era o quato goal alvnegro, e o qunlo veo aos trnta e oto, de psnalt. pratcado por Nlo cm Garrncha e cnbrado por Quarentnha que teve, assm nova ocasão de ev. dencar qualdades. Só que de3- sa ver. mostrando.se dono de um autêntco canhão. Poy tentou a defesa mas deve ter fca. do receoso depos que vu o tro do estreante. Pouco depos Carlyle é ex. pulso de campo ao drgr palavras pouco amáves a um adversáro, e dos mnutos depos surga o tento de honra dos FUSTOES tampados lstrados grande varedade Normol 1o, Proço de Lqudação 90 LONTS córes lsas > lstradas Normal 42, Preço de Lqudação 34;0 CRETONE COLCHS branco e córes de fusâo, grande cole- Preço de Lqudação Cão a preços de lauda... _.. Cão, desde Soltero 27; Satoro 29? 4; Casal Casal 102, CUECS btanca e cór»* Normal 18, Preço do Lqudação / 90 16; CMSS ótma trcolne Mangc :omprda formal 110, Preço de Lqudação CS DS DUS FRENTES [mfflftül nmrffl MBaM -oasabaaosnataaa OOSrtlCOV* RUNFNTEQOHCOO^ * V. MRECHL FLORNO NTG RU URS - EM FRENTE LGHT V. PRESDENTE VRGS, 1148 a 1184 sampaulnos. marcado por D. no, com um tro cruzado, que Panowsky não pôde evtar. Entre os boíatogu^nsrs Glson Gerson, Juvenal. Bob. Dno e Quarentnha estveram mutos bons, sendo que o go. lelro fo mpecável. Buláu não comprometeu, enquanto Ruarnho er^"e bem. Garrncha tornou a drblar demasado, mas é um ótmo jogador ndscul. volmente. Carlyle dexou a desejar. enquanto Paulnho e Nevaldo apareceram dscretamen. te. Entre os sampaulnos apenas Pé de Valsa. Dno e Canhotero chegaram a mpressonar. O tro fnal esteve fraco, enquanto a lnha méda,.embora atuando com desembaraço não chegou a fazer fronte ao BoUíopo, que fo sempre muto superor. s equpes jogaram com a segunte consttução: BOTFOGO: Glson. (Pano, vsky), Gerson e Buláu Bob. Huarnho e Juvenal. Garrncha, Dno Carlyle. Quarentnha c Nevaldo (Paulnho). SÃO PULO: Poy; Clélo e De Sord: Pé de Valsa, Vítor c Turcão; Haroldo (Nlo). Marucco (ánza)j Rodrgo ldo). Dno e Canhotero. Renda: ,60. Jk^m w(tí3»h EaS W B»sssssssSs»»»assssssssssssssssasM <!^\ )^wll^^blvps>jê^^t^uty^mêèy\\ CMSS cambraa esporte váras córes Normal 130, Preço de Lqudação poce VTÓR DE R- MNDO VER LONDRES, 26 (FP) No Torneo nternaconal de Ténís de Wmbleáon, na dupla para homens, segundo turno, rmando Vera tbrasu e H. Stewart (Estados Undos) ven- ceram J. Barrett e. Mac Donald (nglaterra) por 6-4, 6-3, 4-6 e 6-3. M. Otway e J. Robson (Nova Zelânda) venceram R. Falkenburg (Brasl) e G. Shea (Estados üncos. por 6-4, 6-4, 3-6, 6-8 e 7-5. FvTTmSzmBÊ ^ \ \ r^ebm ^àáswtw^f^ ZJ J h J JP 1111,1111 ap^sb o P1^ ossafev \ V \r. ^km <aoofl> Wt% ossagoao) P 1 *- àxj\ ^B^a^H SasP^asasaoS V am m^r ^m\ oaaw^^as HWt StawJBm gundos, até que a bola fo chutada para fora e o pergo completamente afastado. Então, a tensão dmnuu e Glson tornou a car, novamente nconscente. Por algumas vezes Glson tentou recuperar-se e permane. cer no arco, mas era mpossível contnuar. De qualquer mane, ra. num contraste errante com a multdão que ra sem comflíllf «r Torrador LUL a ar quente Mas de 30 anos de aperfeçoamentos e sucesso garantem a extraordnára efcênca do Torrador LLL. ar quente, torra o café em apenas 20 mnutos, preservando-lhe ntegralmente o sabor e o aroma e proporconando uma grande economa. Város modelos e tamanhos. lenha, carvão, coque ou óleo Desel. Solcte-nos catálogos. Preços acesslvea, facldades de pagamento. Tmo lambem 1 Mo/nhot ele»eefere pero.tefe. 0*c«por. Mlnho.. Motor.,./«rco; e;.«tro. *«para ftm ndu.lra, comercou, oarcofo» aamerce. *Cía. UL de Máqunas hdüstua. Fundada am SS Rua Plratnnga, Caxa Postal %. Paulo Ofcnas Fundção em Guarulhas (S. Paulo) J^ j rpjpjbv. "^bt^w^bpb " bw. ^m b^b^ ^ íb* 9] eapf^v V^?" ^V >MTSqffs^l mamwkwvmw %á V B^..mM V " VV ^ ^O # VXB anl^ LÍON-SW-VRGÍN NORONH* MROf HújSt msef k^. V..-á^k.^BlMflRl^w,Tfl2,Mfl(:,fll,fl(!EU NZUKK gkjosobrnho Bc --- > 7*^ m ^V C^st^M m\\2 JUnR SUSCBR0CH2 S^SSn ^;:1..",-:yv-, frton 1 f^b*aaaaaaaaaaaaaataaaaak.^bassssssssbbbsssssssss^ n.t,sm v -*g B^B»sssssssssssssssss>sss»jasCassss«^ TROCM-SE MÓVES - pagamentod CTETE, LOJ- TEL.: Ganhe espaço e aumente o conforto em leu lar, trocando ot mévef medos per novos. Grande varedode de dormtóros, sola de jantar e peca avulsas em todos es estlos, faclta-se e

16 y^^^^^^lm^mw mmw -.d : MÊ$Ê&$ÉÊmm& B _^B :: : -.-" jjf;-*^^ í_sr_ín_l_b_írr 4<^^ V?í^C_B -""yí ^SSS ^8? "**- < L^c^r^f-^ôvs^^í * ^*B... ^M^^^^^^^^^^^BMp^^fe^Js-MM^^^g^^^ *Í-Mí ^!«. %fe $ S9HH _9 «* f^fllééà HllÉÈ ÉÉèÉÉÍÉÍÍsí fen W::í,. :^^^T_ffl^M-B^^Bt^ -»--*38#:- ^^HP:":-:-* ffraw-ffs% -*$&- :^: - :--S-PB >^ -hí* 111 ü Íü_ BP*-*- 11 ^ W-lí_B K --3 B8lN^_BBcl- / :PBb fra Fí * " -5***-. * "-s W^^^^^^aB!^B ^-fk ^Vk. ^ «v ÉalB Hl lla-l^-b _kpp^^^s H ÍÉ<-^_RÍ ::f^: GBTÃO da raa, o DE GLOPE _ Enfrentando um lote de velocíssmo, anmas ma, velho» e estrangero., o 3 ano. Gbotão sau-.e a, maravlha,, d[ errotando-o, a galope como mostra o «"^ ""J^1 m^.rj!!,0, flho de Guoycurú assumu o posto de honra o destacou-se, xom bando do, esforço, de La Rouge, Jour de Fête e Bomba H. Gbotão é do Stud Vee Rey t leu trenador é Expedto Coutnho. Montou-o Rgon :wêêêl - - mm^mém^mmm&&mm. -j-jgp-u^j^ Sf ^SsW " - * J m W:m mmêèêmmmwm m *-*«_ l* " 9 _fc!_ mmm *J_ KÜH " "vv.;;-; :^ mmmmw ; <w * úí$j&mt^$*m&wuutmnm\\mlw "9 -..._-*lfm-m»_.> < fl B& JOOS DSPRD J_aa jv..nl ^^M h^h JOOS que bem mercca o ttulo de "coroada" por ser, realmente, a melhor.da turma, ganhou Dsparada o Gran- de Prêmo "Dstrto Federal". Lvrou-se, nos " ^^ üksák-í^l S M 1400 metros, do caxote quo lhe preparava RE- TUO e fo com este para a frente, tlomnando a stuação nos 5 ml metros fnas. Daí para dante JOOS lmtnu-sc a galopar, 11- rando de foco os competdores \ -MSSHm mmrêkmmmm :jèè m 1 H. ^#--ls N^P^jÍ ül ^_^-_K B t ( < y-*t*m -_l-b---f jl-t^-t ; BS _^^^B H ^, ZlM Wm, ;r*fa»^"-fr *S,TffoffS"?*rff^ - GREME JÚNOR Montando BOMB, Greme Júnor teve atuação esplendda, lo- Brando ótmo quarto lu- «rar ã frente de numero - srs competdores. O háhl c honesto freo, mu to procurado pelos trenacores e propretáros, espera obter numerosos trunfos na Gávea, onde está agora radcado -S8»!*s!,q--WBnl HB&8-B m^y$^3ímmt*&^êm í1* «fl_b_^ü_^_l 9 L-.--í---l!-_» " ;^ff-*vt*b^_ll-_é-1m? "^ fhrrffnt^ "^^^y^^^b MM!",!.. mmml..mmm»mmmm»mmm ^jfpa-j-bjjsjl^ f^^*^v":ato" y^lp»py l-llljlsírv-.* -»- *- í; **< ^"*-" > ;í^*>wí#-^>*4.v<tt*ff-l--l." * ^^^^^^Ê^^^^^m^^mjá.^m^...;,,,.. j ^^s \, gnm.. ^. -^^^^f^^ss^-m-v-"^^ í..:v; :^^sl ^_--S»^^,"": *JmÉ^_-_->&-r.-^M mwv^m^^^ê mwmwêmêêêm m^^^m^^^^êm^mb^^^m WÈMmÊÊM B^^a FPÜ-Ü l!sp- BP^^-mwÜ^^^Pjt^M BPP^ta PB ^8 ^^^l»sb-stft-^m_í_sl-*rtfft^_ab_^_b-l^_^*^ *""^ ^n*f^"^fflw**í*1rtfflr ":- tí-:--*- :<*5:*5sS^W» ^ ^ ^ ^ ^ MB^ ^ ^ ^ ^ ^ ^ ^ BB_j BB--^-^-^-a-B-B-^-B--^-M^-^-B H S s3^^ss^^í^^^^^.v,s.:^^íís NCOR TROCNDO ORELHS" Fo mas fácl que se esp-vava, m vtóra de NCOR no últmo páreo de ontem, plotada pelo "monstro" Lus Rgon. companhou com sobras o "tran" lgero de felnsn e no dreto passou quando bem entendeu, para chegar ao dsco "trotando orelhas". Em vão EDMBURGO que estava en-ratlhado*, tentou alcançá-la CC * NNG DURS PENS Fo pretssmo o lnal do sexto proo, que CÇUNUNG venceu graças a hal»t«r cjterga dr seu drgente Emygdo Castllo. Drjtos re "sohr.tr" nos 800 metro*, leve Castllo tle esprrtr a :(. pnra. por fora. ataca GRT.V e RDE * e am à frcnl?. Snmrnte nos úlnos galões, a duras penas, logrou CÇUNUNG bater ORT rnnr.nne rcrs-n do "nholnelorl" Vn rlehê CÇUNUNG, GKT" RDE e TNDN WS^TY&tfS^SS» " " " *^^^W*-*^^^«-^^^-^r^!--rlÍW / &&èè REGLO FZ O TRN pós saída um tanto demorada, no "Dstrto Federal", REGLO tomou a frente, fazendo corrda para RETRO, que nos o derrotou juntamente com JOOS. No fnal RE- TO parou e REGLO salvou o quarto lugar. No clchê vê-se o plotado dc rtur raújo, na prmera passagem, segudo de seu cotnpanhero, JOOS c HER- CULES. Marchant pu-0* to de RETRO lev» JOOS "encasolada

17 >»-rr^yfrr" -,*>-.-/.*^-^^.*^*l-^vt-rtr^-r-r?-^^^-;-:-^^**^^^<<^**--;^*"<*-*-*;:?*.-v^-;-*--. * l éw6 - mè fll fhsbs flfl^ HH^ ffl^ffjtfv-vj ^Í1Í1 ^1»ll PS r&fí * ^H ^B jfjjjmnlabx-fl ^\ f*«r?f«r» e..».. m\m L.J.mL-*sÈ Prt» rm de Êódm asparu-n tomurdfrê ":,m - r, t:/.**&>& 28 Ml Sonhadores Buscam o Eldorado Corrda mgratóra Para o Brasl em 53 Trouxe, Só ao Porto do Ro de Janero, Homens e Mulheres de.38 Naconaldades Dferentes O Lavrador, o Técnco e o venturero 0 Sorrso mpenetrável Dos Chneses e os Beduínos em Seus lbornozes O Terror de Novas Perseguções flge os Russos Brancos Procedentes da Chna Vermelha De Portugal a Corrente Mas Nunerosa Os Holandeses e Sua Grande Contrbução à grcultura Mstura de Raças Forja o Futuro do País (Lea Pjf flééklflj. 119J L, >^*^- Kfll»Wà Z9»»»PlfljHfl fl SÜ?%N *#*K 1 am na 8,a Pág.) Rep. de RÊNO DELGDO, Com Fotos Exclusvas de ULTM HOR * pü Pm ^ *af ^ SC-1 SÜ1 H llll m^m m.^...m. r"v * béémb * BÉ Sl.» l. 1 ME mmmm^m V B^^WÜ < B*9 H OlHKWM ^fll. *KSr^CT p^ mm -... fl HB BflPM^flfllwPfl UH RKr CnX*»«*tè*&3yhdtt«a*t^^ jateaa^, a wgjffçgwffsj L»»»»wflHK34H{S flh &&Js3SS &? ^^^^ :$^^^^r»n uskmfl Ba^HnK EflE^ ^^fabõt *fo njt ; ;;Ç»v ^^^^»«^^^^*«««^««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««M»J»»»»»»» ^^ ^_ M Hj ÍfÍPÉÍÍlx$ ffljjlb^l^llff^feffslfl^tl laflfefsflmlkr!" w^l. qí t^k^^s llélllllf^pllllpel^^ 1 íe;do o /nfo $8 SP. jf» ^^J^^^^^^Ktgt,^. sc rmão cncí- PÍÍlPÍÍ. msê&bêêmêêímmw^ Jfr s^<^ * Za, aj-da a bordo a do «avo a- ^HflP^^jfes^slbí *«Í^^P«M^^Hflsfe."^^ *^... BMl^-J -> r^f^m>.^^mmkmmm^ - *" """ 2íT -:"/l Como Está Sua Ortografa? Tém aqu os íeltorcs-sablchúes uma relaçso de 30 palavras do uso corrente da língua portuguesa. Desta "trpa" de vocábulos, 15 sso escrtos de manera exata e 15 cqrtêrfl. erro òrtngruco Ponham, agora suas ntellgcncls a "bolar", passando em revsta (devagar e com cudado) os 30 termos, rscaudo,.aq4ees cjue consderar ncorretos. Quanto mas rèrros tver achado tanto mas» sua ortografa estará bem boero- 2 vaca-lelt»lrè.. S unlgênlto trsteza vagalum» 8 alvlçarelro arrazar -r nexgível- energúmeno 10 lncadescente- 11 nócuo 12 probo 13 mlssanga 14 auto-íalant» 15 auto-lotaçao, 16 belge 17 drástco 18 destróer 10 deseenjôo 20 desautorado 21 rádlo-teleron- 22 dcsaslr 23 erépldo : 24 crlolta» 25 coxlnllho 26 co-tutor 27 corrüplo 28 arroubo 29 breve 30 cortum» - Resposta do N. nteror PC. Hor.: face; ualeta: Çlcral; ra; nó; pco; are; almf. Ço; a; dama; sapo; oblce; rrá;»nra; odr»; adega; es; omtem; rc; ode; tem; m; catal»; bem;,-earar; casa. VKC.T.: fnado; aro; cá; >, secos; ndoçar; era; tara; aléa; rdo; fm; amga; pá- ópo; aba; àdcm; «mta; r; agtar; "oca; estma ateu; edaz; em; êta; SfnUíJ bá- OFCN CRPNTERO: DO 1 - «.ladro; o prego do 2 rano; a plana ao con- 3 _ 0 cabo tern do escalpelo 4 a ponta da broca we desce na madera «Çao em mpossível; po- 5 M os dondo serrote ao conlrrlo; t*.h a *»*" <ue «"e; apertando se 7 0 «* prmero degrau escada; 8 o romem da rão «ru a tran- P^Bí^»*\«BlflM<^^Kf 1H& «JP^ #^% qultdade qua o K, ^Blífl ÜÜ L flbb ^^^f< r "r í PLVRS CRUZDS pâde0/a,eccr? "^^L^è.«^^flMflMWJS^^Wn ^^fe j^hb^^;jém^ NUMERO 859 1]M ^. j O DRM DF NTOVY ÉDEN "^^^" ou seja, a parte mas l^^k ^8^R dura do lenho das ár. ft! BBB«HBWflMBfl ^ ^m^^^ «r K l^^?íf^í%»»»»»»»flelaha»»k»«9r!»sb^^hb«^^ 5Í. SS bbs- : ÍW» í$m<-(:..: f-. ístí* : : + HORZONTS: 1 Substânca azul extrada das folhas da an-. lera. 5 Expedta; rsonha, 10 Jactânca. 12 Sufxo: autor. 13 Nocvo. 14 Flera. 15 Nome p. femnno. 16 rgolas. 17 Sga, camnhe. 19 «Soltáro. - *.-.,- 36" 20 justar, combnar. JTt 21 Mas (conj.) ntrgante.- " r^-O 41 mèsmó -aue cemev 42- -_,. / vores. - Membro empenado das aves. Manera; formas. acusada. rtgo na,scultno,. plura:. Verbal. O chefe da greja ca tólca. Kmbocadtra; r*,*r*""**r~.. ^Pgg^Ç:.f*,*M**««v " artítfré _,,1 jogar. í* í; Capra (fem.), Tornará côr de rosa, Oostar muto de. P P 3 4 C«XJS 6 7 U R áó»%% fc*w -^ j_ 21 5T «?? "?K 5^ _-_ LU T^^r ^»- -«25 26 m»7 1S^ ^& 2á 53^ S^34 35!H5!«:«: %v 32 -jr-"- jj ^2 UV3- _j + VERTCS: Ofensa; dano. Grande embarcação, ve pernalta Tecdo forte de Unho grosso (p.) Que tem a superfíce plana ou sem asoereza (fem.). Repetção do som. Pretexto. Lastmoso. Do verbo arar. 11 Mentra (p.). 14 Seca, nsensível. 16 Pássaro. 38 Entusástco. 20 Exacerbado; aguçado. 22 Corajoso. 24 Preposção. 26 Lsta, relação. 28 Fazer rasuras em. 29 Troçar, zombar. 31 Que dz respeto à epo péa (fem."). 34 Mentra. 35 Nome de um grande pel xe,. de côr vermelha. 37 Maor, chefe. 38 Nome p. femnno, 40 ma de crança. r Mnstro de UM MÉento Para Outro wxwwwwvwwy í os sapatos desguas. ÇRUZDNH: Hor.: prata: k.soma! orar; «01, «ôr; nú; mo; nm; rrc: lat; "orla, aula; bsvert.: Pen; ra; hk m«.\!»mo soneca; "Vmll aromas; belo; útl; rum; aba; Tão Fantástca Promoção Não se Verfcou Fortuamene Lembram-se de 1931? Um Verão Tão Brlhante na nglaterra, Mas de Sombros contecmentos usênca de Dotes Oratóros Compensada Pela nfnta Capacdade Para Ouvr, Reparar e prender través Dos Exemplos lheos -Por "Sunday GODFREY WNN (Copyrght Dspatch", Dstrbução "Keystone", Exclusvo Para ULT- M HOR (LE N SEXT PÁGN DESTE CDERNO) ; «; «ram-se ae laor > um verão ao Brlhante na nalaerra. Mnn Ha j! WMW»(V j hu m mm mun n mu tínní mn mn n un ng» O Mnstro mhony Éden e o General Sr Gerald Templer, c-o comssáro nglês na Malaa Preparam os Drgentes Sndcas! Reforma Fundamental na Legslação do Trabalho Emendas presentadas Para tender os nlerèsses de Grupos Moroso o ndamento Uos Processos Congestonado o T. S. T. O Qúe Falou a ULTM HOR o Sr. Ramundo Nonato, Presdente do Sndcato de Casas de Dversões Lea na Pág. 11 em "Problemas e Revndcaçõt lllllllllllmllllllllllllllllllllllllllllllllllllllllüüüllllllllllll!!;;!;!!!!!:!^ **-" * >*- j*x.1*" f"*-* 0 Mundo Moderno -Nko:Àdnül»P^P os Destno» Excepconas: S S^j 0 Velho venturero é Condenado à Morte 1*. C R U t D N CONCETOS HORZONTS 1 Jogador do merca 5 Golero vencdo. 6 Jogador ro São Crstóvão. 7 Gosto do clube. 9 ssocação tlétca. 11 Zomba do jb^ador 12 O gelto do crack. 13 Tênnls e Remo. 14 Orlando e Ltto. 15 Preceto gue rege o esporte. 16 Contunde o adversáro 18 to de se deíender de um golpe de csfjrlma. 19 Jogo rastero. CONCETOS VERTCS 1 Passe de preço elevado, 2 Halfbaco 3 Defer.dcr segu or a boa chutada. 4 ssocação de Ucspcstos Olímpcos. 7 rco quc sustenta a rde do baskct. 8 Grande número de goals. J marre a chu. tera. 10 Ex-golero polafoguense. 12 Lança a bola. 15 Parle dreta ou esquerda do campo. 16 Parlla de backs. 17 Sabará, denjlr í Sa.-.to».. BBB(Saf»3W3!SS^ m \C/tu*«*v< ;»"nnm!!n tutt) ) lün O Mundo nqueto SEXTO SENTDO Em faço dos danos materas causados pelo terremoto que devastou a Tessála, na Gréca, a re perda vdas humanas fo.surpreendentemente baxo Mas as cegonhas justfcam o falo. Pressentndo a catástrofe, mea hora antes abandonaram seus nhos e puseram-se a voaragtadamcrte, atrando a tenção das pessoas que saíram k rua para observaas e as*»lm escaparam de ser csukuüas pelas ca. as que pouco depos rufam. mm%mm%mmwbêsb ;ll "SURT mus Partu recentemente de São Francsco, Calüí.rna, o mlonáro Cabell Breckendrdge, com destno a Dmnmarcn. ntes do sm embarque*, Ca. bell, quc tem 50 anos dc dade, e uma flha de 25 anos. declarou que a se submeter a uma sére de operações que o transformaram em "Srta. Cabel", dando-lhe assm o ensejo de se casar com o homem de seus sonhos". um Jovem ndustral dlvorclado e pí de quatro flhos; jtamj-xmkso Wt* U# M*s «ettumtrwbte genro Malfer* «ó ttrt. *%w «? Dexar rar *«te (m$&tè& 9:$&é *»-«Bter«do Melo Século**, <te ao Brasl d< *CTLTJM HOR (Lea x& Pèçlz) O PÁO D ÁGU HP»11 / ellorela e vma mnúscula aloa consttuda de t/ma só céluln, ooendo e se multplcando r.a água doce e que possu a precosa capacdade re absor. rer sas jíncras c combná-los com o aás -arbõuco, /abrcanrío assm porrra, açtcar e protenas. E" também,ma ^erradera usna, capa; de trpcar uma massa todos os das. E tendo descobct-ro ndo sto. dos médcos de um leprosáro na Venezuela resolveram vlzar.se àa menconada alga para fabrcar uma -farnha alta. mente nnírtra com que r.qnra estào almentando e ao mesmo fmp curando seus doentes. O preço de custo ra chlareta c apenas o trace. lho de jazer sua "couera". Ml,

18 J! ^VffflMf0Mm * : -"" ;! ;: V \ ^*_ "^ T*^ ^fc P^^fc CjJ%^L^^^^_^g^ \mmmm F^m\*.^mm\-^E*_^^L^^S*2*!S5E2^^ ^^^Smmmmmml SS^^S» WÒ fms/wfwto DE M/1R//1 TERES f GUY, as «dcuolclles dlonçnr", loucur", Mara Wclo- f/dc- * a Porto D--OT e Slarlne Puen, com Joo Jlobcrto Taucs e Carlos ta ía.vuao c uto Carlos dc Lact (os (a Ega mrm) (Foto dc Hélo Santos dc ULTMZ 1.\ HOR e FLN) Jr^S"? HSTOR DO VEU non cáuen co muta gente, o relato do casamento de Mana Teresa Taves e, P Guy Puller fcou bancando dc lsta, c este colunsta nem sequer pude contar a lstórla dó véu com que a nova se casou. Ê uma hstóra smples, mas chea dctradção c de beleza. Com aquele véu casou-se a saudosa Dona T3aby dc Moura seus Moílz avó da nova, cua vca fo tão cedo arrebatada do convívo dos É depó." daquela peça dc renda ter fcado com a Sra. Heloísa Fgueredo Ua ce Dona Babyj, volta agora a conduzr Mara Teresa ao altar. a rmã ca nova, Gldlsha, que ce casou cm feverero deste fno com o Sr. Glberto Davd Sanson, lá estava toda compenetrada dc senhora casada. E, apesar ce sua recente ntoxcação com pexe na Baha, estava cpdn. c :cllz. Seu mardo, al chamado o "ntoxcado consorte" por não ter tdo nada (éle é mas forte que o veneno do pexe), flmava, ostentando o scu esplênddo penteado sem pente... O casal Taves (Roberto e Glda) tendo casado as duas flhas no mesmo ano não há dúvda de que enfrentaram despesas. Há na casa. a na c a Bá que estão com a pre. na c Bá. Por causa dsso bebaí mas famíla desde o nascmento da mas velha ras uma taça de "champagne", o que tera ocasonado á Bá, uma consderável rcssaqunra... Lá esteve, também o mas alto dos ho- rlhas. E por que ambas estejam solteras até agora, dza o Sr. Roberto Taves: Sc a Bá csmar dc casar este ano, eu desapareço... s "demoselles dlonneur foram duas Í- Ktrnhas dc Saxe, que lembravam as famosas bonecas de Nuremberg (não confund. cem o trbunal...). Eram: Mara Helena Porto Dve (flha dos Sr. e Sra. Rodolfo Porto Dte que lá estavam de babador pela flha), e a lornha Sartlne Pullcn, sobrnha do novo... Manda a bôa étca que não sc dga nada a respeto do rotero dos novos cm lua-demel. contece que, num automóvel cheo dc latas no paraeboqües trazero. saram ces rumo a Granja dc Gomar, propredade.1os Sr. c Sra. Carlos Gunle (tos da nova), cm Teresópols. Dal partrão para o tataa, termnando a doce yllègatur numa praa. Não tosse Guy um allsta dc quatro costados Padre Coelho lá esteve, representando o Colégo de Santo naro, porque o Sr Roberto Taves, fo recentemente eleto Presdente d: ssocação dos ntgos lunos daquele colégo....os aínlgos mas íntmos da casa am ate a copa para brndar as velhas amgas dc sem- mens, portodor do menor nome: o Br. Lee, que mede dos metros c ses centímetros,., Os da Ega Mrm fzeram questão fechada de r ao casamento de sua amga Teté; porque já havam faltado ao de Gldnha. Com João Roberto Taves, Mara Helena Poro Dve e Starüne Pullcn, fzeram a festa passando entre as pessoas de modo a poder sempre atngr um prato de doces ou alguns dos delcosos petscos salgados, com que estavam sendo brndados os Houve a cena co "bouquet" do alto da convdados escada, na qual sara vencedora, a Srta. Baby Medlcs, confrmando a "performance ce fevercvo, por ocasão do casamento de Gldnha Ȯ Sr. e a Sra. Frederco Sévc artculavam uma festa no Petrópols Country>CUtb. pntja.oí próxmo da 3 dè julho, que será, cvtdcntomc-. te, um sucesso. 1 ssm, dos-pcdlmo-nos dos novos e da festa, desejando c rogando a Deus que os abençôe para uma vda dgna e crstã, com a felcdadc que merecem. PGN 2 Ro de Janero, Segunda-Fera, 2ü de Junho de J954_ ÜTM HOR r-^.r _-^-L - ^mum m" llllllllllllllllllllllllípllllllplllllllllllllp fe"«l««lllll* QUÁRO De?l de Ja- - * Ocunc-r,e Üe seus própros assuntos Ufltomtoa nelro-a JO de feverero e obtev n felcdade. «ww*;»»> B C DOMÉSTCO *** "**» * CPKCONO Ue 23 to * Tenha cudado com as dscussões c j dezembro a 20 de janero os pequenos acdentes. *S vezes pequenos acdentes caseros podem ser perfeta-!: } mente evtados, se se souber dvdr o tempo necessáro,! àos FEXES Da 20 rta ftverel- * Práotre; dvertmentos note, para 3 re a 20 de marco relaxar as nervos. g RES De 21 de março a* mprópro. " Mfp- realze nada de j 20 de -brl... modo mprevsto," 3 TOURO De 21 de abrl a * Possíves decepções " provenentes 20 de muto.-. de amzades, -. g GfcMEOS Dc 21 dejaló a j * Nó flrtf da note os atsunlos dc dl. =5...,,.-.,:" nhcí?o,.cst3r&o em loco, mas evte 20 de Junno predtos., sj CÂNCER De 21 d. Junho */ Ás crses.doméstcas constturão,.... a. 21 de Julho, - uma umeaça aos negócos e ao scu 3 - prestra..- ". " 3 LEÃO De 22 de * Julho a - Desperte suís-energas c demonstre 3-,,e «Snto clareza dc cxprcssúí., % VRGEM De 23 de agosto * Não espere que tudo ae ajuste s j a 22 de.setembro suas exgêncas. LBR Dc 23 do setembro * Terá uma alegra sentmental, Jusá 22 de outubro lfcatla. ESCORPÃO De 2j de ou. * Terá boas oportundades dc sc so-. tubro a 22 de novembro, bress.r. SGTÁRO De 23 de no- * Um encontro mprevsto poderá vembro a 21 da dezembro causar uma grande alegra. "REPÓRTER í ULTM HORr< yl D loyfl 4 J " L L 4 LR DEL LOJ E EXPOSÇÃO: Rua da Passagem Fone: PREÇOS ESPECS PR S FESTS JUNNS Salas de jantar campletas a partr dc CrS 6.400,(10 Dormtóro Chpendale dc luxo, 6 peças CrS 0.800,(11) Sala de jantar Chpendalle de luxo 8 pcças.crs 8.3U0.10 Dormtóro completo a partr dé CrS Máqunas dc Ccstura com Motor desde CrS Guarda-Vestdou avulsos a partr de Cr$ Rádos de váras marcar a partr de CrS OUO.Cü Enceraderas a partr dc Cr$ FBRCÇÃO PRÓPR EXPOSÇÃO DE ESTOFDOS: Rua da Passagem, 103- For.es: e E mas: Peças vulsas de todos os estlos dversas marcas Tudo a preços excepconas Lqüdfcadores - Televsão Ventladores Panelas de Pressão" íaquércs dé Tapeçaras Colchões de molas Estofados de todos os estlos ceíam-se encomerdas e reformas ^^É ^^m^smmmtmm^mmm^^m1^mmmmmmaws^m\a^^^^^^^^^^^^^^^^^^mmmuw dversos afazeres. Nunca dexe uma tornera de gas, mal fechada, além do susto o prejuízo e certo,-e multas ; vezes uma quemadura dolorosa,. MOM meo de evtar que seus objetos de couro mofem, "quando guardados no tempo mas fro, é esfregá-los, an- : tes de guardar, com um pano embebdo em essênca de te- ; repentna, depos de perfetamente lmpos._,.. ;; fomo, seus pés recusam a mantê-la de pe por mas tem-,, v po? Então expermente banhá-los com água quente onde dssolveu uma porção de sal de coznha e algumas go- ; tas de benjom. melhoraé surpreendente. ;. ^ ^. J» W,.íMJ- ELES x ELS MNH SOGR É "VRTUO- SE" DO VOLNO, MS NO CONSEGUE DR UM Sô COMPSSO FNDO, QUE FTT*!? Que (rs-, tera ll c u "tmffo. E lamcnlducl, c lamentaucl... coué n c r c c c c o mpa&fo realmente. Tcrlos 1Õ3 s a l) c m os que morar com sopra c, uma dura ernerenca; pelo menos cm 88íó dos casos, mas uma sopra que todos sacra os das masu m pobre ulotmo. c demas. Das uamos coucrjar bom drcu nho, ela não toca bem, ou vocô nao tem a mínma boa uon. tade com ela. Vm volno c um nstrumento duto «há uerdadetras lendas cm tomo do scu aparecmento.,. como c então que sua sogra apalxonou-sc por este nstrumento anffdlco, e nso consegue tocar wr.a sã r.srca «udíuct? Será que ca descobru que uocâ não apreca a "sua" músca, c cs- 7nca-sc cm estudos para agrara-> eu Jjarí r.borrccê-o? O auc?:occ se Sfqlceeòtt dc drer, c o rcnl.grau de afetvdade exs, tente cnlb vocês.dos,\-, Sc uocé encr bem à sua sogra procure..não dar mostras de mpa-. cênca lopo o.uc a cotada chepa perto do uolno, antes você deucra pcdr-le que repetsse as pnssaoens mas dfíces, e elogá-la quando acertasse... Mas sc uoce não tolera: um vo. tno., por que não ua ao mé. do uarc trator dos ncruos? Talue: qua esta hpersensbldade seja consequnca dc un asttrbo nervoso, pos c-mc d/lcl. acredtar, oue jsua sogra qftc nãopode ser mas crunra, até-hoje seja ncapaz dc dar ao menos uma audção famlar; Enfm, pode ser. Fá pessoas que- na realdade maftnam-sc grandes artstas, c~ jjor nas que os Vznhos rccla- /nu).-. contnuam frmes.-ms. <jíí.7;(r/o tííta pesson destas abrt~. ça um volno c eou ele con» vve avós apôs anos. algo ífc sobrenatural costuma acontecer., Ou o ulouo se cansa d,n íá- exccútartc, ou ca despreza.lo-, - llllllllllllhh culpando,-o de uma nfndade de mao.., Se o volno dc sua sopa anda não se cansou dela, c nem ca até hoje o desprelou.. o "dfícl", perdo-mc, a Jrouq(c:a, dcue ser «ocd mes. mo. e só um mddlco poderá rcmcdlcr o seu mal. SEJ ELEGNt Blusa em trcú d:> tt-.ka mangas ctrfns. decote n;,. po e arrcclontíado ornado dc rosas ea-ecutadus cm croc/é; para ser usada cem saa de panamd breuco SLD DE PÊCEGOS EM CONSERV COM MONESE 1 Para apresentar un)a salada saborosa c bom íora do comum e só sc-uh as nstruções da receta de hoje.. NGREDENTES: 1 lata de pecegos cm calda; 1 xícara de chá de queljb cre.- mosp; 1 xícara pequena dc.suco ac llmüo; 1 xícara de chá de maonese: 1 xícara da calda dos pecegos; 1 xícara de creme de lete batdo: ljumas folhas de àltacc eorladas cm trnhas 1 xícara de cenouras cozdos pcadas cm trnhas, MNER DE FZER: : Escorra a calda dos nè- cegos e guarde uma xícara de S chà para temperar a maonese 5 Msture á parte a calda com a s maonese. Q suco de lmão c o - queto, bata ate obtev um cre- = mc bem consstente. d, 2 Bata o creme dc lete ^ e junte a èle os pecegos cor- tados cm atas tnas, c as cc 3 nouras. Msture com a mao- nese já temperada e coloouc no congelador para selar. Srva <sn Z pralnhos ndvduas forradas = de alface fresca cortada bem " fna. o dexar o congelador a salada deverá ter a consstu 1 ca de um sorvete comum corte 1 cm pedaços rcgulares c ~ desmanche levemente com o garfo. (PL)... r Estou louqunha para saber se é louro ou moreno o dono do assovó, mas não me fca bem j olhar para trás... - «:- ^& Lsns... lstradas.:; clásscas,;;. modernas... lndas! ^^^T :âs aàmv-w vk \vêma±. mmw ~*^S ~»>-xwf \b-f"""" ^~...^y -:..-fff>$ \\ J \\\\ mqs dessas ML C ^^è^freme Sslrodo., ^"-,1 Compre duas ou mas ce p "uüdo! golo e punhos, em 15. cores. ^^^^ ^MH^W*WP.;v ^-»1^ modernas à sua escolha JB M lí lí^.^\ / \ :J do,.^^ot f^ ^, ^j^tf%^ facl,dodes ^ \%J&. nuo e,«csq. Gonçalves D nc >»^ u,..»..»- tl Propaganda US-K"5 ^- - r. -.-Hfr* S r- U m.,**t.-<..; ^»...,.< m» untfn llly"l*l""^*" *5L * _ »

19 , ff.-.píçt! - * ;vrv ««(.: ;í*f*vy**/í,í--,-.-. ^-rr.-yw - v" : ; -, ULTM HOR *" mjfwtfr -l/o c/e Janero, Segunda-fera, 28 de Junho de PÁGN 3 / flllllll """ «lllll llllllllllllllll lllllllllllllll lllllllllllllllllllllll lllll H mu ; l!l!:!lll!llllllll!lll l:l ; ve, César... é- Ccsar de lencar teve no sábado uma data bonta. Da de seu anversáro natalclo. e da comemoratvo do 9.a ano dè grande sucesso popular do "Programa César de lencar". O Comendador não é muto chegado a programa de an- dtórlo, e tem mesmo as suas restrções ao gênero de pro- gramações. Mas não pode dexar de reconhecer que o César (orelhudo e smpátco) é uma notável "forro" do*, audíó- ros e que seus programas têm uma mpressonante pene- tração nos quatro cantos do Brasl. O rapaz tem populardade para dar e «vender, r«ta pop- lardade qué fez com que seu programa chegasse no 9. ano de exstênca com uma pujança respetável. O Comendador pretenda r abraçá-lo ne sábado, pessoalmente, lá no "João Caetano, de onde o sen programa fo transmtdo. Mas a dura luta pela vda não o permtu. O abraço, no entanto, segue daqu, da velha "Ronda". Com os votos de boa for-, tuna para o César e seu programa... Hoje Tem "Ferradura"... f Entusasmados anda com o grande sucesso da festa junna (realzada na últma cflunda-íer.) a turma do Clube da Ferradura" preparou com muto carnho a. notada de hoje, quando serão homenageados Oscarlto -xq> J l<^# (o consagrado comedante) e nlza Leon, Jovem e bonlta "vedette" (está um pouco "vedette" de mas...) de nossos palcos de teatrorevsta e "botes". Para anmar o ambente o Luís (o Espanhol) já está Chna já mandou suprr a cudando do "prato da note", que será adega do Clube de bebdnhas ndspensáves, e o nera com "Tutu m- lombnho. Recepção * lfredo Standardn, addo cultural da Embaxada da tála c um amgo autêntco da mprensa braslera, recepconará, em sua: resdênca, na note de quarla.fera, 30, alguns amgos. E o Comendador, que é amgo do Scandardo. estará lá, sem falta. Unão no "Chave" Üomenagem que o "Cluba da Chave" prestou na sexta-fera ao Glberto Marnho (da Caxa Econômca), canddato à Senatóra do Dstrn, fo duplamente sgnfcatva: 1. ) por ter sdo hotnenageado um homem públco que tem mutos amgos nos setores artístcos e ntelectuas; 2. ) por ter a festa undo as duas correntes do "Chave", sto c, a "stuação", e a chamada "oposção" (que tnha mas ou menos abandonado o clube"depos das últmas eleções). Talvez agora, com a unão de forças para a festa do Marnho. a paz volte a renar como dantes no "Clube da Chave". Sobre Fregolente... * mbróso Fregolente acertou, uma vez mas, os ponteros com a Companha Naconal, que está sendo gozada pela turma do "veneno", como a dramátca Companha Naconal... "Velha-Guarda", Outra Vez... r Em vsta do grande sucesso alcançado pela prme ra "Note da Velha Guarda", n Jorgnho Gunle, o.co Rangel, o Carlos de Laet (a nosso "João da Ega") e "> Eduardo Tapajoz, dealzadores c promotores da pr- mevra notada, resolveram promover outra "samba-*,».- son" hoje, no local de serv-. pre, sto é. a "Bote Begun* No comando da parada re sambas estará, outra vtv, o llllllmlw mwêêmwsmmmyymm wm l ^ \ ^^^^s_^_^_& M sabbbr^bbw sbbba " _U y ^M^^^tjm^^M = WmWmmÈÊÊ$&>-<<rtê$maÊ f.como no "Chnese Theatre"... k O Clube re Cne, numa bonta festnha, homenageou três fguras prestgosas da cena flmca naconal Oscarto, Grande Otelp é Fada Santoro. curosdade da homeagcn r.ídu cm que o smpátco clube que funcona no. "Lvng-Bar* do "Vogue"repetu cermônas muto comuns do famoso "Chnese Theatre", de Hollywood, onde multas celelnvaades do cmena norte-amercano têm dexado mpressos; no cmento,-as plantas dos pés c das mãos. qu, fcam as mãos apenas... E no cmento de uma placa de enuourado de azulejo, Fada Santoro, Oscarto e Otelo dexaram mpressas suas mãos, para a posterdade, do "Clube-. O Comendador esteve na festnha e com a sua "rolleflex" ru enão dorme de touca fêz o flagrante em que «parecem o Otelo. mprmndo as mãos no cmento, e mas o O3ca:to (na fla-."..), o Manoel Jorge, da Emssora Contnental (aquela que, como o Comendador, está em todo o cnto,..), o lexandre Àmorm, o Wlson Vana e o Orênco Tnoco- (presdente do "Clube"). Belezas (Brasleras...) - Carlos Machado que não àorme de touca, estávendo que a turma anda aprovefando os segundas-feras, que era da de folga para muta "bote" e teatro, para organzar as suas "atrações". E cs. tá tratando de anmar, mas anda, as segundas-feras de seu "gílt-clíb", o Casablnca cujo da de fcar fe. clacío é domngo. ssm, preparou para toje uma homenaqem à todas as jouens canddatas do conenrso "Mss r*rasl" que nssm, terão oportundade de assstr "Satã drge o espe. ácnlo". nnnnm k_ Pxnjunha-, o notável Pg xnga. Na note de sexta-fera quem esteve to Casablanca lllílnm^ *Tll!!S^^ """ WM^ GRND BLLET DÜ MRQUS DE CUEVS" (QURTO ESPETÁCULO) Não c só a Bandera! na Praa Vermelha fo a turma do conjunto dc "ballet" ro Marquês dc Cuctas. "Jornal de Letras", 5. no Dos rmãos Conde (João, José e Elso) o Comendador recebeu um convte para a recepção comemoratva da passagem do 5. anversáro do "Jornal de Letras", qunsenáro lterára que pegou c v, cada vez mas, de ventr> em popa (o que não dexa de ser sgnfcatvo para uma publcação do gene r o no Brasl...). recepção acontecerá amanhã, da 29, na Praa de Botafogo, to apartamento do Elso Conde... bagunça tomou conta da PRÓ RO!,TV, pessoal! E, do Jeto que o Esta ouvmos, num trecho de captulo de novela, Y tem famíla deve, mas é tocar.negoco anda no Canal 6, quem - Com a quarta recta noturna de da Tup, no assnatura da 21, da Têmporaa Ofcal de Balados, levada à efeto por. J- íògú no seu televsão e cudnr tanto, sexta-fera depos de últma, no já estar em de outra vda! Há tempos, Teatro Muncpal, tvemos a possbldade ds formar un defntvo mzo vgor o Códgo de Étca assnado quando mlhares de tfle-espectadores acompanhavam un sobre a Companha do Marquês ro Cuevas, tendo por um grupo de caído por terra todas as lusões que porventura anda exsts. l! novelstas: um prefeto de programa- apresentado na TV tem em nosso esprto. Fcou claro que o repertóro,, certa cdade vasto puxa uma Tup, a certa altura, ouvram mas mal escolhdo, desmerece a cada momento o valor das conversa tpo banho-mara ma voz, que pareca ser a do Provenzano, prmeras fguras, não lhes dsr.de margem a exbçccs da-! com a espôua de um fun. soltar um palavra pra a de brabo. Mas nas de sua categora, uma vez,. que pode eonãro. Depos, convda a pra lá mesmo. Uma versronha!... proporccnar.lhe Pos parece tão somente apresentações corretas qual prncpantes err moça para dar um que, em lugar de castgo, houve mss fo passeo mo pre- ao autor da brlhante e educatva lções bem estudadas. pelas cdades vznhas. E façanha. Tanto Podemos ressaltar atuações ndvdual* como as de Sk confessa: "meu ha que gente segundo o belo exemplo. fraco são Volta e mea, entra bne, Marjore Talchef, Rosella Hghtower ou Serge. Golovne, mas nunca ctar un autêntco conyu.nto dgno dos > então jã sabe onde o ca- as mulheres..." E ela: "Pos pelos televsões, as mas delcadas expressões, como "Não me amole!... Vá você!... Va lamber sabão!.. Seu sto!. Seu aqulo!..." Gozado, h!... orandes palcos do mundo. Não se justt.caram as creden. mnho... Já sabe onde eu E como as cranças, a em casa. acham cas do "Grand Baíet du Marqus de Cuevas, cujos moro... Quando qua. qulssc. é graça, uhm!... Mas vão vendo só: tro programas já apresentados não nos deram nada de novo, só me procurar..." E acres, t sábado, às vnte e três e vnte e de empolgante, que transmtss«ao públco o verdadero centou: "... cnco, justamente no ntervalo do Porque eu também tenho um fraco: o dl. se acha- programa "Papanadas e seus bate-papos", quando mlhares de aparelho», sentdo da beleza plástca. Podemos englobar os caracters. 4 vam lgados, de repente... h, nem queram saber! ícas dos quatro espetáculos cm uma únca palavra: vtrtuo- nhero!..."! voz dc Jar Martns, o tal ssmo. Com efeto, nada ou pouco mas que sso fe dado! Cruzes! magnem se que vve dzendo que "O ndo Náo Tem Bandera", entrou forte, berrando a presencar nesfo temporada e a técnca, seja?a mú. nso houvesse o Códgo, mns berrando mesmo, pessoal, um xngamentn dos maí reles sca, na pntura, no balado ou em qualquer arle, deve ser hen? Pro rao!... dos mas * chulos, dos mas um meo, # vra-latas! Fo um esrândalo nunca um fm. Ele berrou mesmo assm: "...E você, O "njo seu..." Sombro" (músca de Claude Debussy, a tão No da 22, lá pras dezo- qu, (Cruzes a gente bateu com a mão na boca duas conltecda Sute Beraamasque) nos trouxe algo dn novo to e vnte, lgamos para a vezes e dlu pe- e de sumamente nteressante, que devemos ao Tamoo e lá estava o "Jar. perdão a. Deus!). própro Marquês de Cuevas: Fols, não demorou um mnuto e logo "Ua os telefones mulher vve va lembrança de dnero" falando eom Nos. desta redação começaram a tocar. Eram letores chamando por este colunsta e seu amor perddo; no transcurso de uma festa surge a vsão sa Senhora assm mssmo: dc sua "Por que dzam, estarrecdos: "Seu Marjo, nem quera saber o que ouv agora na TV! ma- flha ao lado de seu amoroso, despertando a magem que menna fêz essa de seu própro passado..." Tema smples, sobre o qual Sk. promessa, Nossa Senhora? gne que o Jar Martns... (Vrgem! E lã tnha a «rente bne realzou uma coreografa arrebatadora, plena de mo. Por quê? Nossa Senhora que ouvr o xngamento outra vez!...) Outros ndrnados, exclamavam: "Que mentosem que se una á técnca toda a be asa da 7)/ástca zanqada com ntôno?... desaforo! Calcule e o equlíbro de dos orandes artstas: Marjorle Tallchef ntôno precsa tanto que eu tnha que vsta em casa quando a voz do Jar entrou, aos berros, delcoso, -gaúctara ctaot shrdí shrdlu sh"tll 1,1 m mmmme,, Nossa Senhora fale com pra soltar o palavrão!..." delcado, onde abundam, verdaderos achados eoreográfcos,,; êle... Por que nso fala, Um outro, com sotaque lustano, falou, baxnho, assm: Seu Marjo... Grande orgnaldade no "pas-de.dcux", em que tvemos hen?... Nossa Senhora não ;> Eu estava esperando toda uma mensagem coreográfca de quem compreende a ne- <! gosta de ntôno? Nossa que s cranças fossem dormr pra comentar com o senhor. Olhe, aeora mesmo, ouvmos todos, aqu, a voz dn índo na TV. cessdade de sar dos antgos moldes de um «romantsmo cm!; Senhora não é mas amga que já não se reconhece mas que a expressão de uma época ; de ntôno? Fala om n. xngar alguém de..." (Nossa Senhora!) hoje nteramente "demodée". Completaram o elenco Bea.! tônol Vê lá!;,, h, que pena a gente não poder dzer!... Mas. em trz Consuelo,.fche Nunes (dotado de grande agldade), Nossa Senhora! todo o caso, lchard dema (um dscreto "njo) * * podemos dar um conselho aos letores: d outros, desas. tver mae deve quem solar, com todas as forças rada queda de uma das fgurantes (a quarta ra temporada) Palavra que, ás vêzeí, fl. Credo! que Nao posvr! e so bandera que o índo não tem! E trouxe mas uma nota dssonante ao conjunto. camos pensando assm: cação edu- também!... Como segundo número, tvemos un "Pas "Que de tros, dns- dabo! Não mat-mos Sa pra lá! Mangalô três vezes!... Jque", nsprado er Paquta, com músca de. Mku., co. nnguém. Não cometemos reografa de Balnchne e trajes de Balman. Como o própro nenhum pecado mortal. nome ndca, o "pas de tros" se enquadra perfetamente, Não ofendemos a Dkjs.. NOTCÁRO dentro dos moldes do classcsmo, cónstítúnd-sc ert uma ;> Por que. então, temos que + lberto Falcão, o cantor portenho, -* "tno demonstração de técnca. tuaram, mantendo a undade re.! ouvr rádo, hen?..." Raes! c «juc está se eu vou apresentando, dzer meu aos!í* * sábados, 110 programa "Fm eletorado."-1 t- uma dns ra. querda, jacquelne Moreau e Dens Bouryuos, que prma-!; de Semana", ses ram por boas "batteres". Serge Golovne, -por de erton que "fecham" hstóras Ferlngero as seu turno, Ouvmos e gostamos. mas engraçadas deu.nos uma "perjormance" verdaderatreve. cxíraorduára, com saltos prodgosos e belos (Da 24) "Nosso (Tup). de "Levertmentos", o pograma que n oarro é "cntrech.rjs". assm" (Tup); (Da 25) Mayruc + Da 6 vt-m de apresentando Encerrando "0 julho às às 13,30 horas, o programa fo apresentado o conhecdo "ballet", últmo Natal" Naconal) com ótma nterpreta, Começam trçns-ferr,s, a Rádo.Guanabara úus 20,30 em lançará d.-mte, ssm "Gselle", com lbreto de Gauthnr, Sant-Georges ; num-a os stros", produção de Haroldo um Barbosa e Corall, músca de dolph dam, coreografa de Peípa, * ção. programa destnado c J. Ru, Zé Trndade, a apresentar cenáros tt de lexandre e trajes de Jean ftober. Este balado,» novos valores para o "boadeastns." Nancy Wanderley, Francsco consderado em sua época como a "nona snfona" ou o "Ro. RECDO PR O naconal. nío. Juão Dl- íste e Hadé Fernandes. Ema scra programa rradado meu e Juleta" da dança, é extremamente cansatvo e "de. duas Uvla RETOR D CENSUR: vezes poo Corrcn, ltvo semana, as por terças Díhík e Urbano Lós modéc", enquadrando-se per/ctamenfe de.ró do esprto ; O Códgo mandou lemban. ras quntas.fe- e terá e ntpn<p como Carlos cnsaador es alguns a prmera metade do século XX, Na coreografa se uíem ças. conhecdo o uçj -rxcel.mtehomem comedantes do rádonue o_danpa pura e a pantomma em suas dt)brs(s ntaífesía. Claudonor Cruz. pr.rtçlpam da atração nayrí. kana. çoes: monólogo e dálogo mmco. No prmero ato y.redo. mna o elemento humano, realsta, enquanto no segundo,;; Club do Caçula", programa de Fernando nos encontramos em "ballet" pleno fantástco. Sem dúnâa, Lobo. ;e a atração que a Rádo Naconal, os ;> apresenta todas as seg-udas, quartar e sextas-feras, mehores momentos cncontram.se na c<na da loucura e morte dedcado a da herona, no ato ncal, e uos belos conjuntos t!as. gurzada dc todo o Bt,sl. com Nelson Bob o "cowboy" scos do segundo.. músca dc dam, ue nmu extrema cast rn,-ádo braslero,* c o vulgardade, ; de radoteatra se salva pela estreta relação que tem com a da Nacloral no horáro das horas. uança, segundo felmente as varações do argumento.- O!; Eí, TEMPO DE JZZ (Rãdò Mnstéro Papel de protagonsta, partcularmente d/ícü, verdadera ; *?".cae.a<"., da E, o "-,-ls antgo Pçara de toque do "ballet" programa do clássco, obry.t a ntérprete a rádo braslero nteramenjí ; dedcado à músca Por em jogo todos os seus recursos, derentlo alar a um,, grande domíno técnco, uma grande.faculdade re earpres-,, K ^.íazzlsta, seus ntérpr?tes o «na -l^ orgem. E ctado, por crítcos e. publcações nternaconas sao como um dos mas mímca, completos tanto do ponto de vsta contemplatvo, como no gênero. dramátco, lém do mas, deve a balarna ser capa: de re. + "magens de Danç:", sexta.lera. às presentãr ras 2130 enquanto e a dança e deve segur sem esforço a,, sugestva ho- msnsaecm transção sssssssssss^* oàféssslb que Nelson dedca Coelho aos amanlss do lrsmo,à tragéda, «a passagem do prmero ao do hallet. ; executando suas segundo ato. Rosella Hghtwer não conseguu reeucher sa. r? «! regrafas. patltl,ras. descrevehdo cuas notáves co 1s/atòramente Sugestão de todos estes requstos autentco bom-gõsto ja!to;t calor e sonadade per. à sua nterpretação de "Gselle",,, sfln&sê ssh Rado.Jornal da" d0 anl aoa seus ouvnte». te prncpalmcn. no prmero ato. Já no segundo, dèstacarum-sè mas seus ]; apí*sçj11» " predcados técncos, brlhando "batteres" pelas e "fouctés". <!?.JJàZ m* delcoso cdade programa da o Panancrcano. líder okbne, a quem coube vver o "Príncpe,. das audções lberto" tlcu novas muscaas Sel^ "««1 prouas MÍrand"? de SWo dc seu extraordnáro talento, quer técnco, quer n. ; jerpretatvo, tendo sabdo encarar com gual c/cêtca fun. Wm "í o smples j, c alegre sentmento ndal cofo a tragéda do,, «H ssh^^-wíw-s^í-í^^ss ssh MRLY " Bundo SOREL - encantadora "Ranha do Cnema" está cantando ato. Bastante bem se houve Jacquéír! Moreau co.!; m" "Ranha das Wlls". Conjunto sem grandes mértos. > em város programas da orquestra, como sempre, muto de.wt/.teda, t.et:r. J_\ m^wwswmv^^myèwém Rádo Naconal, entre, os P"»do quas no "Ccsar por momentos a beleía das obras executadas, o de. lencar", "Carrousscl que Bs se fêz sentr em Debussy. Públco aud. -íumeroso, Muscal". -Nada lem dc Dos Mnutos", s \ pouco entusasta, vsvelmente dccepdo:ar!o com o que * etc. c"l m mr 0»fll e também no "Cartaz Das Dez", da presencado. presenrnrfn í Naconal -c. São Paulo. ^^^**",,**»**.:f»r++»*rf»**»***»»+»***.»t+r»******» tmwèmmm r?/^^ofetfl^ft^wwv^mvvvwwvmj^ ^ * 1 _%_%? mn ZS5SSS*JlsWBsWss^ssClS3Ws*sW^3sWssK**2^*^^ (ÁSsêj» ^s» /Pk «([""telsây mf _ Wmm JJJgrÉnüs^rnfl. ^ tt ÇtTBfffr- a ^tk.»mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm^m^^amm jíw tasstv^^^^jsrm síllílss^sjzsssíls^h^hhsí^sãsmssms^sí^s^szs^zr ;;-J^V- H*^^*: ^ft ^^^^~ *ü^fü":: " ^^^^^^^^ ^MsSsssSSs«^5sr»>.âss»-sSS3L^S»^» - Cotação do Da --_mwm JKW m^my^^^sy^yy^^yyyyyyw^m ^PÃXÃÕTEM- ; :f^%^--- js PESTUOS" (Flme Naconal) S6 a rresponsabldade ^e alguns cavalheros o tamoso decreto "8x1" faram com que um flme como êste "Paxfto Tempestuosa" fôsse p.-oj».tado para um públco desavsado. Por do que o "bluff" naqueles que ao cnema foram (poucos, felz-nente...) é o grande mal que uma produção da nacredtável qualdade Jo flme que está sendo exbdo nos Metro Passeo, Copacabana e Tjuca pode traztr para a ndústra flmca na«-.onal. O cnema braslero Já anda com um pé na frente e outro atrás, ndustralmente. E, se perde, defntvamente, a confança ro públco, a cosa fcará muto por, mas muto por. Um tal Tbrçá, aue assna o flm*. como dretor, é um completo "nocente do Leblon" em mt.ír 1 de cnema. Seu flma (s se pode chamar "Paxão tempestuosa" de flm..., í um amontoado de cesas desconexas, "rodadas".1 oalega, numa verdadera demonstração de como hão se deve fazer cnema. Há cosas de um rd«:«lo lmoressonante. e há mnmentos nteramente lofos como a fase de trr ôço Flumnenss x Corntans que passa * ser SSo Paulo x Portuguesa e uuh batalha naval que lustra a passagem, pela últma querra. de um heró que não era marnhero, mas um querrero de nfantara. O mas trste de tudo. no entanto, é a presença de um ator co ro Jarde Flho em tanta sandce. Ut. bela ator de teatro, Ja.-re! tem enfrentado, no cnema, os pores flmes possíves. Como êste "Paxão tempes. tuosa"... Cotação: PÉSSMO. Passem ao largo e av&em os parentes e amgos.. " BRRER" Ru Santos contnua nos trabalhos preparatóros de sou ílme " Barrera"- O argumento é de loso Sampao. O dretor de produção va ser Fernando Pedrera c Ru Santos pensa em Marsa Prado, Vanja Orco. Mlton Rbero e Carlos Cotrn para os prncpas papes. hstóra tem a sua ação no Nordeste c depos no Paraná. MUREEN, "LDY GODV" O produtor Robert rtlnr teve um rabal/mo para convencer a censura re que reufa "Lady flmar Godva of Conve.ntry".. gora que eles se convenceram. Mauree 0Hara "vestrá nma cabclera tcrmclla jmra a /amosa passeah HOJEKNOS CNEMS DÚVD Película br«. slera (realzada cm São Paulo) com Fada Santoro c Graça Mello. No Vtóra, R.n, mérca, Botafogo, Monte Castelo, guaçu, Odeon (Nt.) Captólo, (Pet.V Horáro: 2, 3,40, 5,20, 7, 0,40 «:0,20. ESCUN DO DBO Flmes de aventuras marítmas, com Fred MacMúrray e Vea Ralston No mpéro. S.ío Luz Copacabana. Madd, Sanlã lce, Madurera, Centra Ntj. Horáro: 2, 4, 6, S e 10. LMS SELVGENS Drama c volênca desenrola-* do em solvás tropcas. Com Glenn Ford, nn Shcrdan c Zachary Scott. DreçSo de Jacques Tourncur. No Plnzàí stóra, Olnda, Rtz, ColoíaV Hadock Lobo, Mascote, Prmor. Horáro: 2, 4, 6, 8 c 10. RNH DE S\B Flme bíblco realzado na tála. Com Gno Cerv, Leònora líufo c Marna Bcrl. No Pathé, Presdente, Pax, SSo Júíé, Mauá, Paatodo?, Leme; Cassno, (Nt.), Esperahto, Pct., Sãn Jorge (Nt); Gúáracy Rocla Mranda», Verde (N. Jcua«,u). BURLD Película da. mátco-nuscal mexcana. Com Jorge ^lstra, Pedro Vargas e canções de gustn Lara. No ztcca, mp"- rator, Caruso. Colseu, Rosaro c Naconal. PXÃO TEMPESTUOS Película naconal com.ade Flho. Nos Metro Passeot Cop acaba ls e Tjuca. Horáro: 2, 4, 6, S c » SEMN O MNTO SGRDO O prmero flme em Cncmascope exbdo no Ro. Com Vctor Maturc. Rchard Burton e Jean Smmons. No Paláco. Hor*- ro: 1,20, 4; 6.20; 9,20. PSSTEMPO: CNEC TRNON Exbcão de documentáros, de_ senhos, comédas, jornas, etc. CPTÓLO Exhcáo de documentáros, comédas dcsenho*,.ornul», etc. M3r E O FLHO?... l Fomos nformados de que os estúdos de São Bernardo estão se preparando para começar <- rodar "O neto do can- Raccro", hstóra dc Valtor Gco-jc Durst, para-a dreção clc Tom Payhe, cnm Màzzarop no prncpal personagem. E mas:: que o nco da flmanem sera para daqu "0 a Jã ou das. O orçamento máx- 20 das. O orçamento: máx de dos mlhões. TRBLHO... "Mus Sangrentas", que Roberto caco está produ- ;u:o 110 Ro com.4rturo rc Cordova e Carlos Cótrr nos prncpas papés, ra ndo dc vendo cm popa. té agora jà estão /luado., mas de cem planos 11a ação que se passa na lha das Flores, e onde sc encontram todos os artstas com um grupo de 400 fgura!- tes. ^^^01^**!^^ 7S-.?^fRí,^WK - jmmes&: Coccn Mllcr, Bonta e SERÁ UM FLME r franf* Síatra, Judy Gar. la.d e o mardo, o produtor Sd /-.u/t, têm andado to juntos, c conversando sobre "alpo" que deve ser. naturalneníe. um flme para Frank e Jndy. GENN N FRNÇ O cneasta talano uguslo Genna va voltar aos cstúdos parsenses, onde trabalhou antes da c«erra. obra que lhe será confada tra o ttulo ro nnmc da herona "Frmírnu. Trata-se da adaptação da opereta dc Clrstné e. essa ser. mas com argumento orgnal rc lbcrí Carr e dálogos dc Jacques Natanson, ma espece dc "cavalgada francesa cujos epsódos sc stuam sucessvamente cm loo. ÍKS c 1Í13.1, músca está entregue a Louguy. c as fotografas sc ncarão cm agosto, nesta capta. CNEM, BOM NEGÓCO... John Dcrck proclama tambem que o cnema lvrou-o das suas aperturas... Quando assnou seu contrato com a Paramount, não tnha um centmo e anda deva 250 dólares... Sortuda... * Collcen Mlle e. um "brotnlo" encantador Y-kma. ho que nasceu cm 1 fsfado re Was/tfffon, mas que cresceu nkou e aa- Jc-j-a an Portland, Orcyon. Collcen fo uma com garota apenas fe.coce, dezesses anos tornou-se Mss lland Por. c po um trz não conqustava o título r- "líss merca! Este smpátca menna, grande aprecadora une da de pescar (sem segunda ntenção...). cmente, deve. ndrea nma truta dc sele lbras, pescada cm Hgh Scrras, durvnle a estação anual dc pesca, e a argúca ãc um, fotografo que resolveu "glamoúrzar" suas fotos,.undo "algo" ncurvlhco alem da pasagem, naturalmcnte. Um dos "olheros" de Hollywood mssegou vu as fotos è não enauunto não encontrou Ctlleen. olcreceu-üc um. contrato cm nome da Unversal nternatonal, qw ela assnou no da áo seu anversáro natalclo. Com "das" dc ( ( ntratada, Ccllecn conseguu um bom papel em "Pau- ( :>/". no lado de Shelley Wners, Dck Long, Barru Sul- van e. Grega Palma-. Km "Palygrl" ela teve ocasão de exbr nada neos dc 33 modelos nclundo casacos, dc peles! ^mmj*±-! ^ U{v^/$y \ \ TETRO DE SÃO PULO j (Corres-ondénca dc nocénco da Purfcação Carlos Escobar Flho comuncou-nos aue estava -coressando do Ro, onde fora ultmar os detalhes para a vnda, mesmo, do "Duse", com "Lampão", de Raquel de Clucroz. estréa será qunta-fera. Vrão fcomo convdados especas) a autora da festejada peça e o presdente da Unão Naconal ce Estudantes. "Lampão" estará no palco do TNtV qunta, sexta, sábado e domngo. Sentnda-fera. o "Dusc" ra a Santos. Terça-fera, rá a Campnas. Voltandc-. fcara, de novo. no TNES, daramente, até o domngo segunte. Se o "-passr" com Osvaldo rs ndrade Flho fôr soluconado, então, sm, o -Dsr." mandará buscar outro elenco, para temporada gual, com "O dota", dc Doõloew.k * * * Uolfcr Da-la esta nos úítlmos ensaos de "Forre) no )- moero", reusta de Formnn Falssal, com a qual o conhecdo concda/c estreara cla 2 dc jh/o, no lumíno. Os ensaos contnuarão rrramenrr. at* r véspera, quando lareírf. n ensao geral (com cenáros, traje»,- muscal para a crnsura. + * + Encerrando a sua temporada cm Sãc Paulo (nc- da!s de julho) Rodolfo Mrycr não o cju? fazer sem. antes, r.tonrçr nos peddo; para voltar a representar a peça dc- Pedro Bloch "s mães dr Eurdce". seu grande?ucesso de há tres anos no pequeno audtóro do Teatro Cultura rtístca Da 6, (ate a data rc sua despedda") Rodolfo Mayet estará,.nesmo, no palco daquele audtóro, vvendo a sua cração. *- * + dolfo Cel já tem os 3 elencos escalados para as 3 pecas (em um ato cada uma! para o lançamento do "Teatro das Segundas-Feras" do TBC, que ncará a temporada logo apôs a estréa de "E o noroeste soprou". s 3 "Os pecas: dos tímdos". "Vnte e sete vagses de algodão" e "Onde a cruz está marcada. + * + áreçfto ro TBC r escolheu o earfnr que sur.-íerâ às rníts peças comprometdas con? n Comssão rf- V Centcàro. Será "Ratos e lomcns". lrac;r ro orpna omercano por Bnts Pedrera. Já se sabe qne a dreção será dc Zembnstr e que os dos prncpas ntérpretes serão Tónn C::rrrro c Jarrrl Fülo. este como convdado.

20 "".,7^7:^. :^7^.:,>:-^v.l3fflS^^^ ;l.8.vv^^je^^^^ >-J *.*" ",- ", :. " : - 7 ", BWWWWU stjn-»j,aga^w^w^^wa»^^sm^^p^ l«s! «, «^ JM lw / ^%«gpg^pw.wpkw.v ->s*sí: -«?«:â»7^w"*^^^á»^^ * ^PgSMK Ü1& xs^r È?llp * -íflhík 4H& f M aw TOM WMft HTT ^^ w^í^*?"* ^^S r ywrv^shí^b^sk ^^m- W&<^*bm9^^^mm3ÈÈÈà SSw mm.jsm.: 7m mmsm mm -^JLttM l*- ^^^m P#1 1 ^^^^^^ÊÊ^^^mVÊ UtnmaHoa PÁGN 4 PS ^S^pP^^^^^S^ MMSl^Ja-aa^ÉM ^^^^^l^ffr ;ksk tm&mêmmmjmm^^m ^^^M Kl PEN! h, ode as lurmlfl. andam soltnltas dn Slvo <- nos c n/ões da CO}P\ embaxo; col,t.* as manobras dc água tn.t«que um tal dc ranha, encarregado dn barraca Oo Larao da Caroca, afld-!,zendo com a banlfl. D;;" re oíócflíos quvus ))-< dstrbur L00 cm quero flas. Mas, chega na *«. renríc somente cento c dez qulos, pura cada fla;,ríntlo com o resto! O Jt o daadnfío.«- cor", éssí rcso c mstéro lusor-dn. v.cl! K anda relnerta pra frc.uctoí Pos já recebemos "tra nuexa contra a barrara a COFP. Não vê k, 21" Mllerr, as barracas ten un esfontc fl" cem íp-uot as terças, nuuías e «abados. jllr-* dstrbuem apenufl 78 qulos, desvando os resmtes vnte, e dos ora ondr nnguém sabe!. Ottro mstéro nspndáveí! Mas o oozflío é o scfmltte: também lá os rara- ca. fapurtos são fns rclltdllrts! Um letor ra pt-rnl? pretestou. dhe*ro!;l a cc-etar tudo f ULTM HÍ>H Resposta ros tartaucuros e honestos fcom um u 10 an* tes): "Nüo temos -vedo dos jorna1-,. Pode sé qu5í;-or ao bsoo".1 Coronel Bálò Praan: k. nena o Sr. não ser bspo. teltí? Er, er. ch..,. SLVE MUNCPL! Mnha gente, sen tdo r*p Um passo à frente, ep! Corténcln, ep! gora todo nundo escutando estar hí das, a -..eno pedu polca, mcnlo pra rua Gustavo clf-. Lacerda, onde só clava mau elemento e Penara durante a note. O coronel. O waldo Melchlades de lmeda, co. mandante dn Polca Muncpa, k é klrldlnho rla Bônte, mandou logo guardas pra lá e pronto! Tá tudo azul com bolotlnlas côr de abóbora! Eta! Natla pra èle? Eoecccl Salve èlc! l salve a gente também! Correspondênca Mltl, CHVES Telefona, por favor, a fra de tratar fo assunto nuo lhe nteressa. LOURDES (Tjucal klrlduhal Obrlgarto! (Vc lá, hen.1» GEORGE RENTO -- Urn abraçoqunha pra você. NOT Os lctorp3 po". derão transmtr suts quexas também pelo t loonc , ramal 17 ou 18, das 13 às 18 horas. ru- srgunda n sexta-fera. H. dò C. QUL É? lô! Quem fala? E o Profeto klrldo ca gente? Obal qu c o Fala k fala Sscuta: qual é o quejo kl r amleo come, hen? Mnas? Prato? Xcara? Ou daquele suíço kl a Vão Está Ou vndo.? Nru. Pode haver (erra engraçada. Como a nossa, mpossível! JE! mesmo gosada! Na quarta-fera, nem de pro- lustò: aconteceu uma cosa que velo a calhar, pra servr de exemplo ao que acabamos de afrmar: eram vnte c uma horas c trnta mnutos. Queríamos ou* vr o FlnxFlu. Lgamos para uma estação de rádo E que barulho ouvmos! Credo! Pareca um bombardeo nltrogénco! Nesse momento, um locutor comentava! Os mcrofones do estádo anuncaram que. de ordem do Chefe de Polca, estava probda a quema de bombas e foguctes. Pos, meus senhores, assm quc o avso acabou dc ser trans* m tdo. começou todo mundo a quemar bombas e n soltar fo* guetes!... E* este o barulho que fy^ (. estão ouvndo!..." <>Jtrr( J" te senhor também está ouvln* do, General ncora? Uh, ch. ch!... " gozado! Nes* (a ferra, nnguém sc lembra dc fzor determnada cosa. Se ela, porem- passa a ser probda pela polca, babau! Olha todo mundo fazendo essa cosa!... l. tudo assm, aqu. nda ha pouco, houve um ptoresco epsódo em Copacabana oue serve como exemplo: um coro* nel lulfenclo nlncr veo do nteror passar uns das no do e fo levado, por amgos, a determnado cnema daquele barro. h. o coronel admrou tanto aquele luxo, aquele apara* to!... Caderas fnfosas, tapetes, lumnação, tudo tão lndo!.., <) munc as luzes foram apagadas, olha o coronel prestando uma atenção... Que nem corja, gente! E apareceu o pr* mero lclrcro na tela- Ura da Políca c dza o segunte: Fca muto feo para us estrangeros que nos vstam fumar neste salão, assovar, fazer algazarra, etc. O Servço de Censura c Dversões punrá os nfratores com prsão c multa". Pos querem saber? Mal apareceu o letrero, centenas de fósforos fonm rscados! * centenas de pessoas começaram a fumar e a cuspr! E olha multa gente assovlando c fazendo a* gn/.arra. como batendo com os pezlnhos nas costas das caderas! E olha multa gente ganndo quc nem cachorro!... E olha tudo quanto 6 objeto voando, quc nem dsco, cm todas as dreções! l olha um sapato acertando ra cabeça do coronel! E olha o pobre perdendo os sentdos!... XXX Mas tarde, no Pronto Socorro, assm que recuperou a fala, o coronel Fulgcncn perguntou aos amgos, que o cercavam com seu carnho: Mas será quc, hoje, não fo nenhum estrangero àquele cnema, mnha gente... Gozado, uln!..., (Está ouvndo, senhor Chefe le Políca?) Eh, ch, cl!,., v" - gente faz "fum!..." quando vè? Sabe por quc a gente tá perguntando? Porque o amgo tá ssqüocehdo dc s lembrar do cumlnhüozlnho.folr. pra vonldt» Vsconde dc lbuquerque, próxmo f venda taulfo de Pnlvn kl a sente pedu! Tlsconjuro! nnnf Bagunça no 224 T Cavalheros c cavalheras; Peguem na louca tôda de sun casa! Tá tudo pecando a póbrezlnlm? gòrã jo-jn tôda ela pra cma. fecha os olhos o Xapa os ouvdos nrn náo ouvr o "plen!" k va fazer! Rort», tudo mundo olhando! Ntlo a nna bagunça dpgraçaca? Pos olhem: no edfíco da ru» Senador Verrtuoro, 224, tam. bím tá bagunça! nqulno Kl st dane! No da l), houv prncpo dc ncêndo al. To lo mundo eom as tremederasl E o portero? K nem água, gente! Nnguém vu! O sndco também nunca tá lá". Pras profundas: Tá na Hora T Blom... Blcm... Tá na horn da aula!... lunos da gettt. hoje a aula va ser sóbre fl. l*o(íc! h, no Brasl dzem os entenddos nao ha pressa! Uí se corre nv»smo quo-.dr choga a hornha rlc ornomentr a ovene!*! fo Branco pro Carnaval! O resto k s -lane! Vcjam esta por exemplo: No tempo do Pròfcto Carlos Vtal já lá vào xntos ares.. fo sanconada uma le nsftundo um Sorvrço ae Subsstênca na Cooperatva *"unconáros Muncpas. O Prcfelo mandou refluía- d-*,** montar essa le. E toca a passar o tonípò! E toca tocando! E, até hoje,wa. C-T-peratvu fechou. O tempo cansou do oassar ma-, ne.n sc tala na tal le! "técnco/! Os estão pcsoncj-*. em voz baxa, r.abem? Pos centenas do funcltáros, rj.,r ^ncrmédo desta coluna, lembram ao Coronel Dulcído-que o momento para zd, atna orado n Servço dc Subsstênca Reembolsáve! ó mas quc oportuno, t sso vra benefcar cerca dc sotento ml funconáras! Coror.el! Por favor! K d rbo..l losofln. "fcar Lá va um exemplo: doente faz mal à saú- Ce. " Tno vendo? Outra kosn: flando a gente é flósofo, não lga pra nada. nem mesmu quando prometem um snaznho lumnoso pra rua Gago Coutlnho, esquna de Laran, jeras, e depos fca tudo por sso e aqulo mesmo, conforme fez o Estrela com n genlc. sabem? Ralos! Tá term. mnada a aula! Cabeça de Bagre! Todo mundo pegando um pedaço dc cana e chupando ela! Quem não tver cana, chupa o dedo! Tá tudo? Bom. Então,!á va kosa clc um cabeca de bagre, motorsta do carro n. de ordem 74, da lnha 11, k. no da 15 do corrente, f 0.44 h., não parava pra nn-- guém! Quando muto, dava mela trava c quem kzesse kl tomasse andando, sto c: k tentasse, porque o galnhero nem bãlaustro tnha pra pas. sagero sc gudunhar! Pras profundas! (gora, todo mundo guardando a cana ou o de» do pra etupar noutra oca. Mão!) MRMELDS & TMNCDS N COFP! Sne! ru n!5 " tud0 m \- prn ouvr esta *n«--a da da barraca Caroca! No cofapada da; 21. centenas do Lareo de donas dc casa foram pra fla raça da Cofap, as da banha cnco horas naquela da bar- manhã. O ranha, encarregado da espelunca só abru ao. co, -,n ounn7fd.10ò7 C UnC,aS- Wm» ** m a hora do almoço em waí «a- rnha, í «n o ^,? 8 *% Cln c defax0 clc so1 solctaram, humldemente, «o seu lv-l; atende-las logo. fo o bastante cm mpropéro, pro truculento c relnchando tamancudo ranha k nem desandar polvo ksta só fr.mççou com saudades a da dstrbur mãe dele E as fchas ora caslc-n- to quatorze e trnta! Vejam k1 cafageste VÃÍ T^?J malvado Dp Vu:! a5 bann^or ní7,^ com*1aí! Hava "^m^tó^p^írllsê banu po q.au o f los mas o sabldoso somente dlstrlbtlu cento e dez qulos nara ^^ cada uma! mns rcs!^sfkntehâd?a PC am0r " ^ s S^ ^sl#l^s 1; l^s^^^f^^ Q HOJE [mm pu scn/m LlhJ j ] - abbb xsamttmtmttmtmmmtm GMHE 4 5M M/TZ. <-> f v-tm o vv.mvf-- >4*1 *0,«lrc V,\ll\{(V-,U >, íatâprgeoíípel&ulo Ó \- l,6üw"j(.» C-.rCoÔ ítarnv-lo nm^ - /<. y.t, y,,/v:\^ \/tv} ELZETE PRESENT Ro de Janero, Segundc-Fero, 25 de Junho de 1954 (^Co^dH-u^o-.dc- CRDOSO QUER COMER BEM? Jante Daramente no VOGUE Reservas: Telefone, 57--B8 PXNGUNW conattdando o tel ds 28 STUD DO TE (RNCHNHO DO POSTO 6) (venda tlântca, Esq. Joaqum Nabuco) ÚNC "BOTE" TURFSTC DO MUNDO - < c T**"a*S " NOTE"- wê._fft j fl jjfc mmwy^ -#^1 O BRZNHO MS ELEGNTE DE COPCBN De Novo Como Nos Velhos Tempos TEÓFLO DE VSCONCELOS, apresentando c anmando Corrdas dc cavalos com prêmos brncaderas de salão Músca suave - Bebda honesta Comda da casa Dreção Geral : TEÓFLO DÉ VSCONCELOS PRESENT a famosa cantora \ L Z R N a CMRGO /trymfísj(tky PtíjKUXXm JZMTÀS.Q- EGUN Solc do Hotel Glóra presentada todas à notes o Sensaconal c cxtrortlnárlo SERGE SNGER (Cantor exstencalsta) TEL.: mmavm J*f>»D»N».»>r«l. Vsrgu, 1.D, Km b V TM HOK. run-jdor* SMUeV WNER Orttor.FrelOentt ONTJN COCLHO Drttor t/es-prsdtntt OtOR t»»or08o HORT Orso-.Suprr.undentt t r. 10CVUV CUNH ULTM HOR RO Cn-ltr-RMPOnávtr ONTON COELHO Dr-tOf Evptf nt-tndeot» L. r. BOCYUV CUNH T«l,; 43-39» (Rêd«nterml en<nr»eo r.trâllc«ultmor rll EM PULO Orentt Otrl MRO HERED stntturst D.r*. mt nual... Cr 10U.OO 850,00 Btm-Mtrl Cr >M,00 200,00 Trmftrl. Cr ,00 Namer» vulta Da m Cr 1,00 trssda Cr» l.m Em S. Rult. Karlontt Do ds Crt l.m trasda Crt 1,61) Oa ds Crt 1.M mmtmmmtmmmpa a «mmm^ :.. Slvera Lma MESENTUX JÍfe M "PERNS PROVOCNTES" Super-ult a ttpccal revsta d*. Mele Ma«Nuntt a maor record rte blhe tera em São Paulo. Sphs melhor que nunca SflVllM í M do rádo para o palco 60 pares de pernas provocantes. Um monumento - Um delíro Urra apoteose. Estréa sexta fera da 9 TETRO GLÓR -artu<l m v& y% \\\ mr m»íslfer:^ 7í;:V77Ns. \ V mk Kl Vbm \ \ \1^. Mm f-yy-y-* Hp\ \ t B lv t\ 1 \^akm w^f-» JJ W Wkm. *\&t*\**mw 1 màmêr. ^w %% NGHT and DY t BOTE DOS STRUfl Hoje c todas as notes e us se-ttar fel-as no H-DNCNTE "SU MJESTDE O MOR" Revsta moderna de J M p MX NNES Uma apoteose no amor, com graça, poltcn «malíca Com: Consuelo Leandro ngelt -Martns? n!<za Leonl Vrgína Noronha Manoel Vera Hamlton Ferrera Chocolate lberto Perez Marra Vernon e Edmundo Carjó 25 balarnas esculturats Um grandoso espet&culo em teemecor!:! No 1.** "show. à mela note: "BLLET MDRD" R CONDCONDO RESERVS; e w%êr\9m >J *k COM O SOM MGNÉTCO, ESTEREOFÔNlCO SÁBDOS. DOMttYGOS 6 rtmdos Strssofs a fwtm a$$ /0.4o hs r- Sèmm Com Que Roupa Podes escolher a TNTO- RM LNÇ. Rua Vs conde do Rto Branco le.: 22-ãSül Tem mlhare.-. -le costumes, calças e Dale* tos de caslmra ou Unho com pouco uso. que lhe VEN- OB QK8B OE PRÇ- hoje ws!**^-* 9,10 HS. E"#**Ellfflllfl!l,!jB TCHNCOLOrt o Mamo Sagrado unr,m m...,,m num - ;..n <l»>ll LLUwLl m!^ t^pm*mtw^^^^e^^ê^l tl^^m^^l^^^ultlltf^^^mtfíys^ff^mmmm WélLmmmWfet&^."""T T?"** /.^k# ULTM HUK TETRO DE BOLSO K>.:*-.-" " ^Stfr Uescrvs: , partr dat S br» PRESENT «St) EXC. EM 2G POSES" Sátra polítca de TEÓFLO DE VS- CONCELOS e SLVER 8MPO hstóra de um mnstro), com m tutores mas, Sôna Corrêa, Ravrmmdo Furtado, Rotanara Murtlnlo Míram Koth MNH, S 21 HORS OS SÁBDOS VESPERL S 16 HORS MNH, S 20 E 22 HORS wlyüllr^v mm ar _wrf3&slltmmm, W&M)\JJHmmYrmjffl0ttmÁt*o vt *vml ^^^Q^ SÍM^BfflKa pomo. mâsmmmmmêsê^kmlmmlbjmmmmmm v,,mmm\ R V L TEL CMNHO DS 2. NO 500 REPRESENTVOHS "DON XEP" De PEDRO BLOCH com LD «>U*T»0 MNH SESSÃO S 21 HORS TETRO DULCN (Ex-REGN Rua lclndo Guanabara, 17 F ) MNH, S 21 HORS OTO SEMNS %+jãfcba, 4-7fÍ&.\ MOTE-us-" DERCY (Empresa Danlo GONÇLVES Bastos) Na supor-cômca coméda do Berhmam e Jofln Wall, tvnh. rl«mro-l Pllvplr, "UM CERT VÚV" s dvertdas perpécas de uma mulher dosa apaxonada por um rapaz de 25 anos... 6.» FER, VESPERL S 16 HORS PREÇOS REDUZDOS gmcomobn-j fo le5> «DOLt FCE" - CLTMS mmstmt*4^m0ísts, vtmòtwmu 150 VESPERLOS P0M.»6l6lS. SEMNS ^.(fmfa/ «stumcm^- urcmc Mtne «o cj.ua «***** a* nwnfte«t.ju Uej^-^ WaM-n-lllMD*H^)M«l*< OS DOMNGOS VE8PERL S 16 HORS TETRO DS 2.as FERS^ CVLCNT RRUD, PRESENT J R No orgnal de MP1 WNDERLT? MENEZ10S // CRTOMNTE Wm mmw fl-m 2 atos e um só personagem Drcco da n",*"- HOJE S 21 HORS TETRO DULCN (Ex-Regna) Tel.: r refrgerado Blhetes & venda FV no SERRDOR 11.» SEMN " Ranha do Ferro Velho V^lSSwPá^B **. metro, Tradução dc R. Magalhães.r. MOR SÁTR DE TODOS OS TEMPOS Born ycsterdav Dc Garson Kann No elenco: MNOEL PER MNH, S 21 HOTtS 9 de Julho "HSTOR PROBD" V* *_+ * g_condc QNDO PERFETO»» **** _» ** ÍT1ETRO ;;meffo* COPaÇRRRNR PBSSEn -Tjucm «6-SQHrl V.01»-7-«S-8OMS í««-8-10«t ^ ^mm^. "" ««< * êptttht» >e**w / mmwàmmmmmmmmmm!m nh bv^bhk\ á^ls«lí! S7*v^; telmeda OUVPOSNWZ-GRGNT_, 3tí 5íS SBD0S H0RJ- UR60 CROC S-PBB MUW fl.» » 37-^512 _. y

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e;

.- >. , '. expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior no âmbito I desta Universidade e; , UNVERS Fundaçso nsttu(da RESOLUÇÃO NO.^&. >., '. nsttu normas para revaldação a) 7. c),) de dplomas de graduação t

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:,

,N,-, i.r,n 1L-~jih '. t'.. -:, N- RN 1L-~jh ' t' -: t I j- :: -'; : t flt;' 1 _ 'A- tl : ESTADO DA PARAÍBA r 4 PODER JUDICIÁRIO 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB DES MARCOS A SOUTO MAIOR ACÓRDÃO :I 1 RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 0172004001370-2/001-1

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. .

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA HABEAS CORPUS CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO DEMONSTRADO ORDEM DENEGADA. . ge"..34v 4A k?a 4. h JusrmrS ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABIOETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO HABEAS CORr US I'N o 200.2008.032699-0/00 RELATOR!I : Des. Nlo Lus Ramalho Vera IMPETRANTE!

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO / gtv. ESTADO DA PARAÍBA # PODER JUDCÁRO 5 8 Agravo de nstrumento n" 2004.008919-2 Relator: Des. Luz Slvo Ramalho Júnor Agravante: Antôno D'Avla Lns Flho e Espólo de Luz Antôno da Slvera D'Avla Lns. Advogado:

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO -- --- r "' f344 l k = 2= r ; : / " IF9 AI!q : * ' "8 JIMMAI "'I 4 S rt t'' : ESTADO DA PARAIBA _ - : n'" PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA f' GAB DES MANOEL SOARES MONTEIRO ft!: :! ACÓRDÃO "I!':: ::

Leia mais

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2

Boletim Informativo Eletrónico da EAPN Portugal abril 2011_2 Boletm Informatvo Eletrónco da EAPN Portugal abrl 2011_2 E U R O P A A proposta de resolução aprovada pelo Parlamento Europeu, no da 09 de março, refere que a Unão Europea deve ntroduzr normas vnculatvas

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA

CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA PROJETQ DE DECRETO LEGISLATIVO /2015. "Concede o título de cdadãl de Fortaleza ao artsta plástco Ramundo Pnhero Pedrosa, conhecdo como Bruno Pedrosa". A CAMARÁ MUNICIPAL DE FORTALEZA DECRETA: Art. 1 -

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA (Ofíco n. 077/2013-GDJAFS) PISO LAMINADO - CARPETE DE MADEIRA 1. DOOBJETO O presente Termo tem por objetvo a aqusção e nstalação de pso lamnado do tpo carpete de madera numa

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES

ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES I I... 4.4W. npub (,. ~Ne 10 ESTADO DA PARAIBA PODER JUDICIARIO GABINETE DO DÊS SAULO HENRIQUES DE SA E BENEVIDES ACORDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001 2007 034803-0/001 RELATOR Des Saulo Henrques de Sá

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág.

Indice. Capa...pág. 1. Indice...pád. 2. Notas Introdutórias (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4. Projecto LaciOS (por Fernando Couto)...pág. P r me r ae d ç ã o J a n e r od e2 0 1 4 No t í c a s d omu n d ol n u xn al í n g u ap o r t u g u e s a Indce Capa...pág. 1 Indce...pád. 2 Notas Introdutóras (por Carlos Carvalho)...pág. 3 e 4 Projecto

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA 1 Poder Judcáro Trbunal de Justça da Paraíba Gabnete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO EMBARGOS DE DECLARAÇÃO N. 888.200.2005.019.401-41001 Orundo da 7a Vara da Fazenda Públca da Comarca da Captal RELATOR

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC) PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

,- ', ''"4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda

,- ', ''4s;,. ..st. k - - :!;'.;r-p;, :_,' j- f 4-igano, 'ti. npy d-- Alves Formiga. COBRANÇA - Servidor municipal X Fazenda ! 1 ' 1 ) I n fr-.'..st - ' ''"4s;. k - - :!;'.;r-p; :_' j- '";. ACÓRDÃO f 4-gano 't. npy d-- ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DESEMBARGADOR APELAÇÃO CÍVEL N. 037.2005.002911-7.

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

N r força de reação normal P r força peso F r

N r força de reação normal P r força peso F r UNIVRSIDAD DRAL D SANTA CATARINA COMISSÃO PRMANNT DO VSTIBULAR CONCURSO VSTIBULAR-USC/2011 GABARITO DA QUSTÃO DISCURSIVA 1 a) (1,00 ponto) (obs Desenho não está em escala) N r força de reação normal P

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS EDITAL PROCESSO SELETIVO DE INGRESSO VESTIBULAR 2014.2 ENGENHARIAS CTG (RECIFE) E ENGENHARIA CIVIL (AGRESTE)

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações

Regulamento de Funcionamento e Avaliação do Mestrado em Gestão das Organizações ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Insttuto Poltécnco de Bragança Insttuto Poltécnco do Cávado e do Ave Insttuto Poltécnco do Porto Insttuto Poltécnco de Vana do Castelo Regulamento de Funconamento

Leia mais

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo

Filipa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo Entrevsta Pág: 34 Área: 24,78 x 33,59 cm² Corte: 1 de 5 Flpa Vacondeus. Não sou chefe. Sou uma dona de casa que aprendeu com o tempo A senhora que faz dos restos pratos maravlhosos tem um novo lvro que

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA - CONFEA Protocolo 428712010 12/11/2010 17:09 SERVÇO PÚBLCO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARA, ARQUTETURA E AGRONOMA - CONFEA REUNÃO EXTRAORDNÁRA DA COORDENADORA DE CÂMARAS ESPECALZADAS DE ENGENHARA NDUSTRAL

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

A APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATODICA EM USINAS NUCLEARES

A APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATODICA EM USINAS NUCLEARES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CORROSÃO -ABRAÇO 8*S{NAC0ft - SEMINÁRIO NACIONAL Ut CORNOSAO «FUNDAÇÃO OE TECNOLOGIA INDUSTRIAL - FTI?sMKKo NACIONAL OC CORROSAO NA MOOUÇAO t UTILIZAÇÃO DO ÁLCOOL R.O-I0»lí*»w*o«l8«1

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Van Thieu prevê banho de sangue

Van Thieu prevê banho de sangue , mmmmmmumummuumwmmv*.\j.1.1. 2-01 D-1--2 01-07-72 Av..Presdente Wlson 147 2>. "." ==- Correo da Manna -.7"77.,..- ",..a..-:.. -^^^ And)í :.--.,. ",.; - Y--,--,v. Y. -;.,.T.nnqrv-Of; Cnrv^p^-. -Y -;í Y.:

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA

NOTIFICAÇÃO JUDICIAL. ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA ÁLVARO V1LLAÇA. \ZE\T.DO advogados assocados EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA VARA JUDICIAL DA COMARCA DE IBIUNA. TAYNÁ COMERCIAL LTDA.. com sede na Rua Padre José Garzott, n 296, CEP 04806-000,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais