INTRODUÇÃO Idealista é uma pessoa que ajuda as outras a serem prósperas. (Henry Ford)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO Idealista é uma pessoa que ajuda as outras a serem prósperas. (Henry Ford)"

Transcrição

1 INTRODUÇÃO Idealista é uma pessoa que ajuda as outras a serem prósperas. (Henry Ford)

2 13 INTRODUÇÃO O marketing é uma das grandes ferramentas da administração. Quando surgiu, era somente uma pequena parte do departamento de vendas, e com o passar do tempo, devido à necessidade e ao estudo do comportamento do consumidor, foi evoluindo gradativamente. O mercado de shows é bastante promissor. Segundo a revista Rolling Stone 1, uma renomada revista no mercado musical, que é um objeto de pesquisa indireto neste trabalho, o mercado de shows cresceu 10% em 2008, movimentando no mundo cerca de US$ 25 bilhões, na venda de ingressos, publicidade e direitos de imagem. Somente com a venda de ingressos foi arrecadado mais de US$ 10,3 bilhões. Quando se fala de marketing de eventos, pensa-se logo em patrocínio, porém o que será estudado neste trabalho é mais complexo. Na organização de um evento proporcional ao Festival de Verão de Salvador em termos de público, existe um mix de marketing complexo e estrategicamente preparado. Por ser um evento abrangente, que tem vários públicos diferentes, como pessoas que gostam dos diferentes estilos musicais (Pagode, Forró, Rock, Pop, Techno, Samba e MPB) e certas singularidades em sua formação, torna-se um estudo de caso interessante, onde, paralelamente a esse estudo é importante identificar técnicas de promoção que possam ser agregadas ao mercado local de eventos. Alguns desses aspectos é o estudo do mix de produtos, onde parte dos shows acontecem todos os anos; o mix de preço, a constante alta no preço do ingressos assim como nos bens de consumo comercializados dentro do evento; os canais de distribuição, onde são vendidos e retirados os ingressos em todo o Brasil; bem como o público-alvo do evento; e por fim o mix de marketing, buscando estudar as estratégias de promoção do evento, como seus jingles, marcas, patrocinadores, anúncios e veículos de comunicação. Estudar o marketing e o comportamento do consumidor é sempre importante, pois o mercado se apresenta cada vez mais exigente, e o Festival de Verão é um produto que sofreu determinadas modificações desde seu lançamento que podem ser observadas na programação e realização do evento nos últimos anos, porém mantém certas regularidades que em outro segmento são desconexas, de modo que esse modelo de gestão possa ser estudado e sirva como arcabouço para inovar o mercado de eventos de Paulo Afonso. 1

3 14 De acordo com o censo 2000 do IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população Paulo-afonsina de 15 a 39 anos correspondia, em 2000, a habitantes, quase 50% da população na época. Projetando-se o crescimento das camadas mais jovens baseada no crescimento populacional de em 2000 para habitantes em 2007, pode-se dizer que a população da cidade é predominantemente jovem, público-alvo de eventos musicais. Paulo Afonso é uma cidade de grande potencial turístico, e pelo fato de existirem poucas opções de lazer na cidade, o mercado de eventos acaba se tornando uma das principais fontes de entretenimento para essa parcela jovem da população. O mercado de eventos musicais também movimenta o comércio local, por conta dos acessórios e roupas comprados para serem usadas com os abadás 2. Por conta dessa oportunidade, vêm crescendo o número de investidores, mesmo que informais, nesse mercado, como os criadores do Bloco Insaciáveis 3, que apesar de começarem com um objetivo diferente, acabaram entrando no mercado. A competição é inevitável, outra empresa do mesmo gênero já existia, o Bloco Chavaska 4, principal concorrente do Bloco Insaciáveis. Em meio essa competição mercadológica, as estratégias de criação e promoção, bem como a gestão organizacional se tornam fundamentais para conquistar uma maior parcela do mercado e, finalmente, fidelizar os foliões. É importante, também, analisar outros eventos similares e de maior porte, para identificar estratégias de aproximação e novas tendências do mercado. Sabe-se que o que predomina no mercado local em termos de música são o Pagode e o Forró 5, porém a inovação é uma estratégia necessária para a sobrevivência de qualquer empresa no mercado. Dessa forma identificar momentos adequados para lançar novos eventos com bandas que estão em alta, sem perder as várias oportunidades que permitirão um crescimento e lucratividade cada vez maior. Diante do exposto identifica-se a seguinte problemática: Quais estratégias de marketing foram utilizadas pela icontent, na promoção do Festival de Verão de Salvador, que transformaram o evento em uma referência de âmbito nacional e que possam ser adaptadas para a realidade local de Paulo Afonso? 2 Típico da maioria dos eventos musicais baianos, abadá é uma camisa-ingresso. 3 Bloco criado em 2003, com o objetivo de reunir amigos dos sócios, porém cresceu com o tempo e acabou se tornando uma empresa formalizada atuante no ramo de entretenimento e organização de shows musicais. 4 Bloco que atua no mercado de Paulo Afonso há 18 anos. 5 Informação levantada em uma amostra informal de freqüentadores deste tipo de evento em Paulo Afonso.

4 15 Mediante a problemática acima explicitada, apresenta-se o seguinte objetivo geral: Identificar e estudar quais estratégias de marketing foram utilizadas pelo Festival de Verão de Salvador, que transformaram o evento em uma referência de âmbito nacional e que possam ser adaptadas para a realidade local de Paulo Afonso. Para atingir o objetivo geral, foram estabelecidos como objetivos específicos identificar as estratégias de propaganda utilizadas pelo Festival de Verão; Identificar as estratégias de propaganda utilizadas pelo Insaciáveis eventos; Identificar estratégias de propaganda alternativas que podem ser utilizadas no mercado de eventos do município de Paulo Afonso - BA; Identificar falhas na promoção de eventos no mercado de eventos do município de Paulo Afonso BA e Identificar aspectos similares entre os mercados de eventos da cidade de Salvador - BA e o mercado de eventos do município de Paulo Afonso - BA. Tornou-se lugar comum a utilização do dito que a propaganda é a alma do negócio. O modo de abordar o consumidor é de suma importância, pois é nesse momento que o mesmo criará a primeira impressão da empresa, logo quão mais interessante e criativa for essa abordagem, maiores são as chances de uma compra ser realizada. Quando se diz respeito a eventos, essa abordagem deve ser diferenciada. Até que ponto uma pessoa deixar de ir a uma festa por causa da propaganda? Uma falha identificada na realização de um evento é a má divulgação, e sendo o mercado de Paulo Afonso tão exigente, quais outras falhas existem? Paulo Afonso é uma cidade que faz divisa com três estados, Sergipe, Alagoas e Pernambuco, sendo uma das principais da região, devido ao seu potencial turístico. Um fato que veio se acentuando nos últimos anos, foi a crescente participação de turistas nos maiores eventos musicais da cidade, a Copa Vela, Camisa Coloria e Insaciáveis, São João, principalmente quando são grandes bandas as atrações do evento, podendo-se dizer que cada vez mais esses eventos têm atraído pessoas, para não só o clássico da micareta da cidade, a Copa Vela. Com o crescimento da quantidade de grandes eventos, pode-se esperar também um maior fluxo turístico, gerando maior renda ao mercado local. Dessa forma, esse trabalho científico é justificado pela necessidade de desenvolver novas estratégias de propaganda para o mercado de eventos do município de Paulo Afonso BA.

5 16 METODOLOGIA Não! Tentar não. Faça ou não faça. Tentativa não há. (Mestre Yoda)

6 17 1. METODOLOGIA Nesse capítulo será fundamentada a base metodológica para o desenvolvimento da pesquisa. 1.1 Conceito Segundo Leme (1986, p.98), [...] metodologia é um conjunto de decisões a serem tomadas a partir de uma visão de um mundo do sujeito frente ao objeto para a obtenção do conhecimento. Andrade (1999, p.111), define metodologia como [...] conjunto de métodos ou caminhos que são percorridos na busca de conhecimento. Dessa forma pode-se definir metodologia como os meios, técnicas e ferramentas utilizadas para buscar o conhecimento. 1.2 Delineamento da pesquisa Pesquisa e tipos de pesquisa Prestes (2002, p.24) defende Considerando-se em sentido amplo, a palavra pesquisa designa o conjunto de atividades que têm como finalidade descobrir novos conhecimentos, seja em que área ou em que nível for. Pesquisa pode então ser definida como conjunto de atividades metodológicas orientadas para a descoberta de novos conhecimentos, científicos ou não, enquanto a autora define pesquisa científica como investigação feita com a finalidade de obter conhecimento específico e estruturado a respeito de determinado assunto, resultante da observação de fatos, do registro das variáveis presumivelmente relevantes para futuras análises. Diante do exposto, a pesquisa científica é desenvolvida com base em uma metodologia estruturada e fundada em um conjunto de especificação que direcionam o estudo de forma mais precisa. Segundo Köche (1997), existem três tipos de pesquisa, a pesquisa bibliográfica, a pesquisa experimental, e a pesquisa descritiva. A pesquisa bibliográfica é a que se desenvolve

7 18 tentando explicar um problema, utilizando o conhecimento disponível a partir de teorias publicadas em livros ou obras congêneres. (KÖCHE, 1997, p. 122). Já a pesquisa experimental, segundo o autor, é aquela em que o investigador analisa o problema e constrói suas hipóteses e trabalha a manipulação das variáveis para identificar a relação entre as mesmas, e a pesquisa descritiva, estuda as relações entre as variáveis sem a manipulação das mesmas. Prestes (2002, p. 26) afirma: A pesquisa exploratória configura-se como a que acontece na fase preliminar, antes do planejamento formal do trabalho. Ela tem como objetivos proporcionar maiores informações sobre o assunto que vai ser investigado, facilitar a delimitação do tema a ser pesquisado, orientar a fixação dos objetivos e a formulação das hipóteses ou descobrir uma nova possibilidade de enfoque para o assunto. Vergara (2004, p.47) define Pesquisa de campo é a investigação empírica realizada no local onde ocorre ou ocorreu um fenômeno ou que dispõe de elementos para explicá-lo. Pode incluir entrevistas, aplicação de questionários, testes e observações participantes ou não. Neste trabalho será feita uma pesquisa exploratória, apoiada por pesquisas bibliográficas sobre marketing, mix de marketing e promoção. Para melhor embasar o estudo, será feita uma pesquisa de campo, onde será realizada uma entrevista com um dos gestores de desenvolvimento do planejamento de marketing do Festival de Verão e do Bloco Insaciáveis, para identificar as estratégias promocionais de ambas as empresas. 1.3 Seleção da amostra e população Segundo Lakatos et al (2001, p.163) [...] a amostra é uma parcela convenientemente selecionada do universo (população); é um subconjunto do universo. Amostragem probabilística é aquela em que cada elemento da população tem uma chance conhecida e diferente de zero de ser selecionado para compor a amostra. As amostragens probabilísticas geram amostras probabilísticas. (MATTAR, 1998, p.132)

8 19 Amostragem não probabilística é aquela em que a seleção dos elementos da população para compor a amostra depende ao menos em parte do julgamento do pesquisador ou do entrevistador no campo. (MATTAR, 1998, p. 132) O pesquisador usa o seu julgamento para selecionar os membros da população que são boas fontes de informação precisa. (SCHIFFMAN et al, 2000, p. 27) As amostras da pesquisa foram compostas pelos gestores do Festival de Verão e do bloco Insaciáveis e foi uma amostra não probabilística por julgamento. 1.4 Coleta de dados Entrevista Lakatos et al (2001, p. 195) definem entrevista como um encontro entre duas pessoas, a fim de que uma delas obtenha informações a respeito de um determinado assunto, mediante uma conversação de natureza profissional. Os autores apresentam três tipos de entrevistas: padronizada, onde previamente é estabelecido um roteiro para o entrevistador; despadronizada, onde o tem liberdade para desenvolver e direcionar para onde considere adequado; painel, que consiste na repetição das perguntas às mesmas pessoas, de tempo em tempo, para estudar o desenvolvimento das opiniões em curtos períodos. Foi feita uma entrevista estruturada com os gestores de ambas as empresas, Na qual foram abordadas as estratégias de desenvolvimento do pensamento publicitário, bem como os impactos que a empresa visa causar no mercado. 1.5 Tratamento e análise dos dados Roesch (2005, p. 154) afirma pesquisa qualitativa como algo independente do paradigma positivista, mais como algo que precede o teste de hipóteses. Seus métodos de coleta e analise de dados são apropriados para uma fase exploratória da pesquisa".

9 20 A pesquisa qualitativa transcende a visão de que somente através de dados numéricos e estatísticos pode-se desenvolver uma pesquisa através de dados recolhidos em discursos, podendo ser cruzados e comparados igual a dados de uma pesquisa quantitativa, para gerar informações precisas sobre o assunto estudado. Diante das pesquisas exploratória, bibliográfica e de campo, os dados qualitativos serão tratados em forma de análise para construção da argumentação e formação da hipótese.

10 21 REFERENCIAL TEÓRICO Para o alto e avante! (Clark Kent)

11 22 2. REFERENCIAL TEÓRICO Neste capítulo, será desenvolvido todo o referencial teórico, que embasará a discussão proposta neste trabalho. 2.1 História do Marketing Segundo Santos (2006, p.21) o marketing não tem uma data, local ou período exato de nascimento, porém já era praticado no período feudal nas forma de escambo, quando mercadorias eram trocadas entre os comerciantes de modo a suprir as necessidades de ambos, o que pode ser aplicado como percussor do marketing, pois de acordo com Cobra (2003, p.12): A essência do marketing é o processo de trocas, nas quais duas ou mais partes oferecem algo de valor para o outro, com o objetivo de satisfazer necessidades e desejos. Santos (2006, p.21) afirma: Os camponeses arrendavam as terras dos senhores feudais (donos da terra) fornecendo-lhe parte da produção. A outra parte era utilizada pelo camponês para a sua subsistência e de sua família, e também para adquirir outros produtos de sua necessidade que fossem produzidos por outros camponeses ou trazidos pelos mercadores, essa prática era chamada de escambo. A prática do escambo permitia que todos tivessem suas necessidades satisfeitas ou complementadas, de modo que cereais e frutas podiam ser trocados por vidro, metais e óleos. Não existia um valor fixo, o câmbio do escambo era a necessidade de adquirir aquele bem ou produto, de modo que uma cada poderia valer duas sacas de feijão para um mercador e para outro valer cinco sacas. Dessa forma a prática do escambo permitia que ambas as partes na relação tivesse suas necessidades saciadas. Essa prática continuou sendo usada nos Estados Unidos, onde ocorreu o desenvolvimento do conceito e práticas do marketing, sendo também o país que no futuro desenvolveria as tendências mercadológicas globais.

12 Evolução do Marketing O marco inicial para desenvolvimento do marketing foi a revolução industrial, no final do século XIX, e essa evolução foi dividida em três partes principais, segundo Etzel et al (2001), a era voltada para a produção, a era voltada para as vendas e a era voltada para o marketing. A era da produção, que durou até meados de 1925, tinha como característica a preocupação das empresas voltada semente para a produção, pois tudo que era produzido era consumido, devido a alta procura por bens duráveis. (COBRA, 2003) Na era voltada para as vendas, que aconteceu de 1925 a 1950, o conhecimento de produção em massa já era dominado pelas empresas, que aumentavam sua produção diariamente. Diante disso surgiu a preocupação em vender a produção excedente. (ETZEL et al, 2001) Pode-se associar a essa forma de gestão o surgimento da linha de produção de Taylor e posteriormente Ford, cujo grande estímulo era produzir cada vez mais, e os trabalhadores tinha uma jornada de trabalho desumana. As empresas já não tinham noção do que fazer com os produtos estocados, por não calcularem tamanho aumento em sua produtividade, além das necessidades do mercado. Dessa forma foram criadas equipes de vendas, cujo pensamento era vender, não importando quando, como ou para quem, o que levou à ações degradantes de vendas, onde os vendedores mentiam respeito da funcionalidade dos produtos somente para conseguir vender, prometendo coisas que não eram cumpridas. Neste mesmo período surgiram as vendas porta a porta, que veio a ser uma nova maneira de se relacionar com os consumidores. (SANTOS, 2006) Na era voltada para o marketing identificou-se uma nova configuração social, por conta da 2ª Guerra Mundial e da crise de O poder de compra da população estava reduzido devido aos efeitos da guerra inferidos à economia. Diante disso o mercado ficou mais seleto, e os valores socioculturais dessa pequena parcela que detinha poder aquisitivo foram modificados pela convivência com a realidade de outros países que participaram da guerra. (SANTOS, 2006) Com as mudanças sofridas pelo mercado e pela população, era necessário mais que bons produtos e vendedores para atingir o público alvo. Consumidores informados, mulheres penetrando no mercado de trabalho e se tornando economicamente ativas, são alguns dos

13 24 fatores que contribuíram para que as empresas adotassem novas estratégias, antes voltadas para o que podiam produzir e ofertar ao mercado, agora voltadas para a identificação das necessidades do mercado e produção conforme a demanda. (COBRA ETZEL 7 et al apud SANTOS, 2006.) Santos (2006, p. 23) defende: Algumas organizações ficaram perdidas no tempo e encontram-se ainda nos estágios de venda ou produção, outras estão acompanhando a evolução a partir do estágio voltado para o Marketing (foco no consumidor e em suas necessidades). Entre o início deste último estágio até meados do século XX, Kotler (1999) classificou todas as práticas até então estudadas e difundidas desta ferramenta como Marketing de Neandertal. Segundo Vieira (2005, p.1) são características dessas empresas estagnadas no tempo: Equiparar o marketing a vendas; Enfatizar a conquista de clientes, e não a manutenção dos mesmos; Tentar lucrar em cada transação em vez de lucrar gerenciando o valor do tempo de vida de um cliente; Elevar preços com base em markup (porcentagem do custo ou preço de um produto acrescentada ao custo para obter o preço de venda) em vez de determinar preços por metas; Planejar cada ferramenta de comunicação separadamente em vez de integrálas; Vender o produto em vez de tentar compreender e atender às reais necessidades dos clientes. É muito interessante como algumas empresas mantêm essa forma de gestão tradicional e irrevogável. O que Kotler afirma pode ser notado em muitas empresas, principalmente nas micro e pequenas, pois seus gestores pensam que as Teorias da Administração são somente aplicáveis em grandes empresas, uma forma de pensar equivocada, pois até a menor das empresas pode conseguir resultados estimulantes para crescer, se baseado nos modelos de gestão do marketing. 6 COBRA, Marcos. Administração de Marketing no Brasil. São Paulo,SP: Cobra Editora e Marketing, ETZEL, Michael J.; WALKER, Bruce J.; STANTON, William J. Marketing. São Paulo, SP: Makron Books, 2001.

14 Evolução do Marketing no Brasil. O conceito de marketing foi trazido para o Brasil, em 1954, pela FGV Fundação Getúlio Vargas e o termo foi aportuguesado para Mercadologia, embora com o passar do tempo o termo em inglês tenha dominado as áreas de discussão. Ainda na década de 50 não existiam profissionais dessa área no Brasil, mesmo porque as os departamentos relacionados a vendas estavam ligados aos departamentos comerciais. Santos (2006, p.24) defende: A partir da implantação dos primeiros cursos voltados para a área pelas pioneiras Escola de Administração de São Paulo EASP, FGV, Escola Superior de Negócios Padre Sabóia ESNPS, e ESPM é que começou a se delinear uma área estratégica de vendas e pesquisa de mercado, sensível às novas vertentes de negócios focados no consumidor, desenvolvida para ocupar áreas estratégicas de gerenciamento. A partir desse momento o marketing começou a ter espaço no Brasil e deixou de ser encarado como o departamento de somente vendas, e passou a ter um teor estratégico para o desenvolvimento das empresas. Diante de conceitos de marketing desenvolvidos posteriormente, formou-se uma poderosa ferramenta de captação e retenção de clientes, devida a suas várias formas, como marketing de relacionamento, por exemplo. O mercado permaneceu resistente até meados da década de 60, pois as empresas não reconheciam a área de marketing, e essa área passou a ser reconhecida somente a partir da década de 70, quando empresas como Souza Cruz, Lever, Kibon, entre outras, agregaram o marketing em níveis gerenciais e estratégicos. 2.4 Planejamento de Marketing Etzel et al (2001, p.52) cita: O estágio do planejamento inclui o ato de estabelecer metas e o desenvolvimento das estratégias e táticas para alcançar essas metas. O estágio da implementação envolve a contratação de pessoal e a formação do marketing da organização, bem como o direcionamento da operação atual

15 26 da organização de acordo com o plano. O estágio da avaliação consiste na análise do desempenho passado em relação aos objetivos organizacionais. Esse terceiro estágio indica a natureza inter-relacionada e contínua do processo de gerenciamento. Isto é, os resultados desse estágio são usados no planejamento de metas e estratégias para períodos futuros. Então o ciclo continua. ETZEL et al (2001, p.52) complementa dizendo que se você não sabe para onde ir, qualquer estrada serve, fazendo entender que todas as empresas para atingir o sucesso, de modo que se possível existam até planos secundários no caso de algo dar errado. O planejamento é exatamente o ato de estabelecer o que será feito a curto, médio e longo prazo, para que as ações sejam executadas de forma eficiente e efetiva. Os principais conceitos de planejamento envolvem missão, objetivos, metas, estratégia e táticas. A missão de uma empresa explicita para quê ela existe, que tipo de cliente ela atende, quais necessidades ela satisfaz e quais produtos oferece. Objetivos e metas são tratados como sinônimos. O objetivo é o resultado almejado, metas são pontos estabelecidos para atingir um objetivo. Estratégia é um plano de ação que uma empresa desenvolve para atingir metas e objetivos. E táticas são formas de implementar uma estratégia, é um detalhamento das formas de validar a estratégia. 2.5 Mix de Marketing Santos (2006, p.31) cita: No intuito de atingir os ideais da organização, que contemplam interesses dos consumidores, várias ferramentas estratégicas são utilizadas. O conjunto dessas ferramentas é denominado Mix de Marketing, formado por quatro elementos. Os quatro elementos são: produto, preço, praça e promoção.

16 27 Kotler 8 apud Santos (2006, p.30) afirma: O mix de marketing é umas das peças chave das organizações, ocupando quase 90% das atividades das equipes de Desenvolvimento e Marketing, pois, é com base neste composto que as empresas trabalharão as demais estratégias ou aperfeiçoamento de sua linha de produtos. Churchill 9 et al (2005) apud Santos (2006) afirma: somente através do correto desenvolvimento e gerenciamento do mix de marketing é que as empresas poderão obter um destaque considerável de suas atividades ou produtos no mercado. Diante do citado pelos autores pode-se entender a importância estratégica do mix de marketing, para um melhor posicionamento dos produtos ou serviços no mercado, para atingir os clientes da melhor forma possível, bem como para se destacar dos concorrentes. Schewe et al (2000) defende que o mix de marketing precisa ser incrementado com mais dois itens, que propõe expandir a visão acerca do uso do marketing, são esses dois itens: Sensibilidade ao consumidor: postura de equipe, atendimento ao cliente e resposta aos seus questionamentos; Serviço: maior atenção aos serviços de pós-venda e conveniência do consumidor na obtenção de serviços. Acredita-se que com o desenvolvimento do mercado, novos itens e características venham a ser agregados ao mix de marketing, para sempre atender às necessidades do consumidor. Nos próximos capítulos serão abordados os principais aspectos dos componentes de marketing, de modo a explicitar a importância de cada peça dessa ferramenta de gestão estratégica. 8 KOTLER; TRIAS DE BES, CHURCHILL, Gilbert A; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo, SP: Saraiva 2005.

17 Produto De acordo com Etzel et al (2001, p. 196), em sentido restrito, um produto é um conjunto de atributos básicos montados em uma forma identificável. Cada produto é identificado por um nome descritivo (ou genérico), normalmente compreensível, tal como aço, seguro, raquetes de tênis ou entretenimento. O autor ainda exemplifica que um Apple e um Compaq seriam a mesma mercadoria, e a Disney World e Six Flags seriam serviços idênticos computadores e parques de diversão. Etzel et al (2001, p. 196) segue afirmando: Em marketing, precisamos de uma definição mais ampla de produto para indicar que os consumidores não estão de fato comprando um conjunto de atributos, mas, antes, benefícios que satisfazem suas necessidades. Assim, os usuários não querem lixa; eles de fato querem uma superfície lisa [...] Assim, um produto que fornece benefícios pode ser alguma coisa diferente de uma mercadoria tangível. O produto da Red Roof Inn é um serviço que fornece o benefício de um descanso noturno confortável a um preço razoável. O produto da Hawaii Visitors Bureau é um lugar que oferece romance, sol e areia, relaxamento, troca de experiências e outros benefícios. Diante do exposto, agregam-se duas coisas ao produto: a funcionalidade e a marca. Quando compram um produto, como o autor exemplificou, estão comprando a funcionalidade daquilo, a exemplo da lixa. A ação do produto que acarretará o suprimento da necessidade, não só o ato da posse. Com relação a marca, ETZEL exemplificou com duas aspirinas: Bayer e Squibb s. São a mesma mercadoria, sua funcionalidade e resultado de uso é o mesmo, porém a marca está agregada, existindo quem prefira Bayer e quem prefira Squibb s. Com isso pode-se dizer que o produto é mais que uma mera mercadoria, que é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis os quais podem incluir embalagem, cor, preço, qualidade e marca, mais os serviços e a reputação do vendedor. Um produto pode ser uma mercadoria, um serviço, um lugar, uma pessoa ou uma idéia. Em essência, então, os consumidores estão comprando muito mais que um conjunto de atributos quando compram um produto. Eles estão comprando a satisfação de um desejo em forma de benefícios que esperam receber do produto. (ETZEL et al,2001, p.197)

18 29 De acordo com Etzel, o produto transcende os valores meramente materiais, qualquer forma de produto, qualquer coisa que possa ou seja comercializada, como o autor defende, uma idéia, um serviço, um conhecimento, está sendo vendido satisfação, está sendo vendida uma solução Classificação dos Produtos Etzel (2001) et al afirma que para melhor desenvolver estratégias de marketing eficazes, as empresas precisam saber o que estão oferecendo aos potenciais consumidores, sendo prático dividir os produtos em categorias. O autor classificou primariamente em dois grupos: produtos de consumo, que são destinados ao consumo pessoal em residências; e os produtos empresariais que são voltados para a revenda, uso na produção de outros produtos ou para fornecer serviços em uma organização. Muitos produtos podem ser classificados nas duas categorias. Por exemplo: um pacote de pipoca de microondas Yoki, se comprado por uma família para consumir em casa assistindo TV se classifica como produto de consumo. Entretanto se esse mesmo pacote de pipoca é comprado por uma empresa para servir de lanche para os funcionários ou por um restaurante para revenda, passa a se classificar como produto empresarial. Essa classificação independe de onde o produto se encontre na cadeia de suprimento, seja no estoque do fabricando, nas gôndolas de um supermercado ou em um caminhão de frete, o que categoriza é seu uso final. Essas distinções podem parecer insignificantes, mas são necessárias para o planejamento estratégico dos programas de marketing. Cada categoria importante de produtos finalmente vai para um tipo diferente de mercado e, assim, exige diferentes métodos de marketing. (ETZEL at al, 2001, p.198) Conforme o autor defende, apesar do produto ser o mesmo, o fato de ser útil a dois públicos diferentes, as estratégias de prospecção devem ser diferentes. Os produtos também são classificados em tangíveis e intangíveis. Os tangíveis são aqueles que tenham uma maior durabilidade, como jóias e imóveis, e ainda os de menor durabilidade, como os alimentos e produtos de beleza. Já os intangíveis classificam os serviços, que inclusive são consumidos no mesmo momento em que são produzidos.

19 Classificação de Bens de Consumo Etzel et al (2001, p.198) classifica bens de consumo como: Bens de conveniência: produto tangível que o consumidor conhece o suficiente antes de comprar e, então, de fato o compra o mínimo de esforço. Normalmente têm preço unitário baixo, não são volumosos nem muito afetados pela moda. Bens de compra comparada: É um produto tangível, para o qual os consumidores querem comparar a qualidade, o preço e, talvez, o estilo em várias lojas antes de efetuar a compra. Bens de especialidade: São produtos tangíveis para o qual consumidores têm uma forte preferência de marca e estão dispostos a gastar tempo e esforço substanciais na localização da marca desejada. O consumidor está disposto a desistir de substitutos acessíveis para procurar e comprar a marca desejada Classificação de Bens Empresariais São classificados por Etzel et al (2001, p.201) como: Matéria-prima: São bens empresariais que se tornam parte de outro produto tangível antes de ser processada de qualquer forma (exceto quando necessário para auxiliar no manuseio do produto). Matérias-prima incluem bens encontrados no seu estado natural como minérios, areia e produtos de florestas e mares; produtos agrícolas, como algodão, frutas, animais domésticos de uma fazenda e produtos animais, incluindo ovos e leite cru. Material de fabricação e peças: São mercadorias que se tornam parte de um produto acabado, após terem sido processados até certo ponto. Exemplos são zíperes em roupas e chips semicondutores em computadores. Marcas normalmente não são

20 31 importantes, entretanto algumas empresas têm obtido sucesso ao tirar suas marcas da obscuridade por meio de um processo de ênfase na marca 10. Instalações: São produtos manufaturados que são os equipamentos maiores, mais caros e de longa vida de uma organização. São exemplos geradores d empresas, prédio de uma fábrica e fornalhas de uma siderúrgica. Se diferenciam de outras categorias de bens empresariais por afetarem diretamente a escala de produção de mercadorias e serviços de uma organização. Equipamento acessório: São produtos tangíveis que tem valos substancial e são usados nas operações de uma organização. Não tem impacto significativo na escala de operações de uma organização. A vida do equipamento acessório é mais curta que a das instalações, porém mais longa que a do material operacional. Material operacional: São caracterizadas por um baixo valor unitário, uma vida curta e ajuda nas operações de uma organização sem se tornar parte do produto acabado. É uma mercadoria de conveniência no setor empresarial. Com isso, pode-se compreender melhor a complexidade do mix de marketing orientado para o produto, onde suas diferentes classificações implicam em diferentes formas de abordar o consumidor e promover o produto Preço Todo produto tem um preço. Mas o que é o preço? Etzel et al (2001, p.278) define preço como a quantidade de dinheiro e/ou outros itens com utilidade necessária para se adquirir um produto. Lembre-se de que utilidade é um atributo com o potencial para satisfazer desejos. Preço é somente o que se paga pelo que se recebe, porém o preço pode ser acrescido de valor, que nesse caso é a representação da importância daquele produto/serviço para o consumidor. A exemplo pode-se dizer que uma camisa oficial de um clube de futebol custe R$ 190,00, porém a camisa que um jogador em especial vestiu num jogo clássico possa ser leiloada e vendida por mais de R$ ,00. A camisa vestida pelo jogador não é somente uma peça, mas tem um valor sentimental para o comprador, portanto preço é diferente de valor. 10 Brand Equity: processo de posicionamento da marca no mercado perante os concorrentes, também chamado de fortalecimento da marca.

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao 1 Composto de marketing é um conjunto de instrumentos geradores de ações para direcionar a demanda de produtos e realização

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária

O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária O Marketing como prática estratégica na comunicação publicitária Danielle Andrade Sousa Índice 1 O marketing de serviços e a exigência de mercado 1 2 Mas afinal, como ficam publicidade e propaganda? 4

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Módulo 15. Novos modelos de distribuição

Módulo 15. Novos modelos de distribuição Módulo 15. Novos modelos de distribuição No mercado existem as chamadas destinações de compra, assim denominadas por conter uma determinada aglomeração de estabelecimentos comerciais que se tornam áreas

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO Os 4 Ps CONCEITO DE PRODUTO E SERVIÇO Um produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou desejo. Serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO DE MARKETING DA IMOBILIÁRIA SAVOIA

PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO DE MARKETING DA IMOBILIÁRIA SAVOIA UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO PROCESSOS DE COMUNICAÇÃO DE MARKETING DA IMOBILIÁRIA SAVOIA Jorgeane Daniele

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Informações Financeiras. Sistema de Franquias

Informações Financeiras. Sistema de Franquias Informações Financeiras Sistema de Franquias Sistema de Franquias Somos uma loja que nasceu em Porto Alegre, somos especialista em moda masculina, e, em satisfazer e encantar os clientes. Com nosso sistema

Leia mais

No mercado bancário a competitividade é crescente

No mercado bancário a competitividade é crescente 6 Fortalecendo a marca, gerando negócios Intenso, produtivo e criativo No mercado bancário a competitividade é crescente e a disputa pelos espaços é proporcional ao empenho das instituições em ampliar

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS

CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS CURRÍCULO DA EMPRESA. MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA ATIVIDADES DESEMPENHADAS A MILLENNIUM BRASIL EVENTOS LTDA, é empresa de entretenimento recentemente fundada para execução de shows e concertos ao vivo

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS).

EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS). EVENTOS EMPRESARIAIS: O CASO FENAFIC (FEIRA NACIONAL DE COUROS, MÁQUINAS E COMPONENTES PARA CALÇADOS). GRANERO, Arlete Eni; ALVES, Sâmia Cristina Alves; PEREIRA, Tânia Cristina. Resumo O artigo tem como

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público

Capítulo 7. As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Capítulo 7 As Informações e o Processo de Tomada de Decisão do Gestor Público Pós Graduação Gestão Pública Administração de Marketing Conteúdo - Capítulo 7 Imagem e conhecimento do mercado: A imagem da

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca

Orientação ao mercado de trabalho para Jovens. 1ª parte. Projeto Super Mercado de Trabalho 1ª parte Luiz Fernando Marca Orientação ao mercado de trabalho para Jovens 1ª parte APRESENTAÇÃO Muitos dos jovens que estão perto de terminar o segundo grau estão lidando neste momento com duas questões muito importantes: a formação

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Módulo 1. Introdução à Disciplina

Módulo 1. Introdução à Disciplina Módulo 1. Introdução à Disciplina Você conhece o Marketing ele está à sua volta em todos os locais. Você vê os resultados do Marketing na grande quantidade de produtos disponíveis no shopping center, nos

Leia mais

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ

LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE RETORNO DAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE MARKETING PROMOCIONAL UTILIZADAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO REGIONAL DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Alexandra Cardoso da Rosa Bittencourt 1 ; Rogério

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

ROTEIRO PARA ORIENTAÇÃO DO CLIENTE MESA 10

ROTEIRO PARA ORIENTAÇÃO DO CLIENTE MESA 10 ROTEIRO PARA ORIENTAÇÃO DO CLIENTE MESA 10 1) Histórico - Detalhar o passado 2) Situação Atual - Detalhar o presente - Também descrever quais são os pontos fortes e fracos da empresa 3) Aspectos Mercadológicos

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO SERVIÇOS DE MÍDIA INDOOR 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

MERCADOS QUESTÃO 3. A Ações como visitar a concorrência para verificar os pontos QUESTÃO 4

MERCADOS QUESTÃO 3. A Ações como visitar a concorrência para verificar os pontos QUESTÃO 4 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO

AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO AVALIANDO O AMBIENTE EXTERNO MARKETING ESTRATÉGICO José Manuel de Sacadura Rocha jsacadura@ultrarapida.com.br Marketing Estratégico Philip Kotler Composto de Mkt:...o conjunto de ferramentas que a empresa

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

Termo de Referência para Plano de Comunicação

Termo de Referência para Plano de Comunicação Termo de Referência para Plano de Comunicação Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Conceitos... 2 2. Objetivo do Termo de Referência... 2 3. Definições gerais de comunicação... 2 4. Planejamento de comunicação...

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais