Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Gestão de Obras em Construção Civil. Aula 7 CUSTO. Custo das obras: Previsto e realizado"

Transcrição

1 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 CUSTO Aula 7 Custo das obras: Previsto e realizado

2 CONCEITO CUSTO, certamente, é um importante aspecto na gerência dos projetos. Toda empresa possui uma administração de custos feita pela área financeira, empregando técnicas contábeis.

3 GERENTE DE PROJETO O gerenciamento do custo é uma das funções principais dos gerentes; O custo quando integrado com o gerenciamento do escopo/qualidade/tempo formam o núcleo principal do gerenciamento; O gerenciamento do custo mantém seu enfoque importante em todos os estágios durante o ciclo de vida de um projeto;

4 GERENTE DE PROJETO O sucesso de um projeto é baseado em uma série de razões sendo que a mais importante é gerenciamento de custo uma vez que todos os aspectos do projeto afetam sua função; Para o cliente ou o proprietário o que conta é o limite esperado de custo do projeto.

5 FUNÇÃO DO GERENCIAMENTO DO CUSTO O gerenciamento do custo inclui os processos que são necessários para manter o controle financeiro dos projetos: Avaliação econômica que inicia o projeto; Estimativa Organização Controle Análise Relatório Previsão e tomada de ação corretiva.

6 GRÁFICO DA FUNÇÃO CUSTO Os níveis de processo utilizados no gráfico função custo são: Estimativa do custo & Previsão; Orçamento do custo; Controle do custo; Aplicações do custo.

7 GRÁFICO DA FUNÇÃO CUSTO OBSERVAÇÕES: 1 - Estes quatro processos e suas atividade associadas cobrem todos os aspectos da função total de gerenciamento do custo; 2 - Um projeto verdadeiramente bem sucedido depende da interação e integração bem sucedida das funções do gerenciamento de projeto.

8 IMPACTO DA FUNÇÃO CUSTO O impacto da função na interação e na integração dos processo da função gerenciamento do custo com as funções gerenciamento dentro do projeto podem ser assim descritos: As funções tradicionais do gerenciamento de núcleo do projeto que são escopo, qualidade, tempo e custo estão dinamicamente vinculadas aos tradicionais componentes de gerenciamento mais flexíveis tais como: probabilidade, risco, recursos humanos, contrato, compra e comunicações e os processos gerais de gerenciamento tais: planejamento, controle estratégico, integração do projeto e alocação de recursos.

9 ESTIMATIVA E PREVISÃO DO CUSTO A estimativa do custo é o processo de acumular e prognosticar custos de um projeto durante seu ciclo de vida. Ela encerra avaliação econômica, custo de investimento do projeto e previsão de custo. A avaliação econômica é a fase inicial de planejamento para determinar se um projeto é econômica e tecnicamente viável e podem ser obtidos fundos suficientes para implementá-lo, envolve a determinação de estimativas de ordem de grandeza, lucratividade do projeto, financiamento e aceitação;

10 ESTIMATIVA E PREVISÃO DO CUSTO O custo de investimento do projeto é o prognóstico do custo futuro muito embora todos os parâmetros não estejam totalmente definidos. É durante este processo que são produzidos ordem de grandeza, orçamento e estimativas definitivas; Previsão de custo é o processo de desenvolver as tendências futuras junto com a determinação de probabilidades, incertezas e inflação que podem ocorrer durante o projeto.

11 ESTIMATIVA E PREVISÃO DO CUSTO Análise econômica Rentabilidade Financiamento Prospectos Custo de investimento de projeto Reserva para contingências Reserva para inflação/aumento de preços Juros durante a execução Previsão Estatística

12 ORÇAMENTO DO CUSTO O processo de orçamento do custo é um dos orçamentos determinantes, padrões e sistema monitorador pelo qual o custo de investimento do projeto pode ser mensurado e gerenciado. Este processo é a fase de planejamento após obter-se a aprovação do projeto. Inclui todas as funções contábeis necessárias para estabelecer procedimentos e sistemas que irão monitorar o projeto.

13 ORÇAMENTO DO CUSTO Estrutura analítica Código de contas Custo de orçamento Previsão de fluxo de caixa Reserva gerenciais Base da avaliação de desempenho Sistema memorial do projeto Fundos

14 CONTROLES DO CUSTO Embora as Funções controle apareçam em todos os gráficos função de gerenciamento de projeto, as atividades associadas a cada uma delas não são universais e por isso o termo controle do custo é utilizado para diferenciá-las de outras funções. O processo de controle do custo é a reunião, acúmulo, análise, monitoramento, relatório e gerenciamento dos custos numa base contínua.

15 CONTROLES DO CUSTO Definições Políticas Procedimentos Diagramas de fluxo de sistemas Administração da contingência Acompanhamento do real x orçamento

16 CONTROLES DO CUSTO Análise da variância (medida da dispersão dos valores de uma variável em torno da sua média) Relatórios integrados custo/cronograma Análise do progresso Ação corretiva

17 APLICAÇÕES DO CUSTO Este é o nível de processo associado com aplicações especiais de técnicas de custos que não estão incluídas nos outros processos de custo. Ele também inclui tópicos associados que afetam o gerenciamento do custo tais como utilizações de computador, análises de valor etc.

18 APLICAÇÕES DO CUSTO Banco de dados históricos Mapas de responsabilidade Avaliação pós-projeto Custo do ciclo de vida Análise do valor Aplicações em computador

19 CUSTO Seja, por exemplo, a situação da figura ao lado, em que na data-dehoje (Status Date) o custo acumulado real é menos que o custo acumulado planejado. Acompanhamento Financeiro Para que seja válida a comparação entre os valores Orçado e Real é necessário que o projeto esteja sendo executado na mesma seqüência do planejado isto é, foram executadas as mesmas atividades.

20 CUSTO EARNED VALUE: Aspectos Históricos O conceito Earned Value surgiu em 1962 e tem sofrido sucessivos melhoramentos deste então. Atualmente ele está implementando na maioria dos programas de computador, mas seu principal usuário tem sido a indústria militar (principalmente a norte-americana).

21 CUSTO PERT/CUSTO: 1962 Em 1962 surgiu um técnica que unia as variáveis tempo e custo e que passou a ser conhecida por PERT/Custo. A técnica surgiu em um manual do governo norte-americano de nome DOD and NASA Guide: PERT COST System Design e tinha a missão de enfrentar um problema comum nos projetos militares: estouro do orçamento nos projetos executados por empreiteiros. Seu grande mérito, todavia, foi ter lançado o conceito de valor do trabalho feito (Earned Value) para comparação entre planejamentos.

22 CUSTO C/SCSC: 1967 Cost/Schedule Control Systems Criteria (critérios para sistemas de controle de custo e agendamento). Para contornar várias dificuldades que surgiram, a Força Aérea dos EUA criou um equipe para aperfeiçoar o modelo anterior (PERT/Custo). O novo produto não foi imposto como um sistema mas como critérios a serem a serem utilizados pelos empreiteiros em seus próprios sistemas financeiros.

23 CUSTO C/SCSC: 1967 Os trinta e cinco critérios do C/SCSC permanecem imutáveis até hoje e nele está contido o conceito de Earned Value. A experiência demonstrou que, quando um projeto já caminhou entre 15% a 20% de sua totalidade, é possível afirmar que, provavelmente, o perfil de estouro de tempo e de custo daquele momento serás mantido ou aumentado até o final do projeto.

24 Processo de gerenciamento de custos Legenda

25 GERENCIAMENTO DO TEMPO Conceitos Principais De todos os recursos com os quais a humanidade tem que se debater em suas atividades cotidianas, o tempo é um dos principais e apresenta uma característica única: inexorabilidade. Por certo, tempo gasto é tempo perdido, não é possível recuperar. Dessa forma, o correto Gerenciamento do Tempo assume uma importância vital na implantação dos empreendimentos.

26 GERENCIAMENTO DO TEMPO Conceitos Principais Os principais processos da gerência do tempo do projeto, são: Definição das Atividades identificação das atividades específicas do cronograma que devem ser executadas para que atinja os vários resultados principais do projeto. Seqüenciamento das Atividades identificação e documentação das dependências existentes entre as atividades. Estimativa dos Recursos da Atividade estimativa do tipo e das quantidades de recursos exigidos para cada atividade.

27 GERENCIAMENTO DO TEMPO Conceitos Principais Estimativa da Duração das Atividades estimativa do número de períodos de trabalho que serão necessários para que se conclua as atividades individuais. Desenvolvimento do Cronograma análise das seqüências das atividades, suas durações e os recursos necessários para criar o cronograma do projeto.

28 Processo de gerenciamento do tempo Legenda

29 GERENCIAMENTO DA QUALIDADE Conceitos Principais O gerenciamento da qualidade do projeto deve ser direcionado tanto para o gerenciamento do projeto como como para o produto ou serviço resultante do mesmo.

30 GERENCIAMENTO DA QUALIDADE Conceitos Principais Um projeto com qualidade é aquele concluído em conformidade aos requisitos, especificações (o projeto deve produzir o que foi definido) e adequação ao uso (deve satisfazer às reais necessidades dos clientes). Essa abordagem é baseada na premissa de que o gerente do projeto deve levantar com detalhes as necessidades e expectativas dos usuários em relação ao projeto, especificar formalmente as mesmas e, após validá-las com os clientes, deve comprometer-se em entregar tudo aquilo que foi especificado nada mais do que isso.

31 GERENCIAMENTO DA QUALIDADE Conceitos Principais Os principais processos da gerencia da qualidade do projeto, são: Planejamento da Qualidade identificação dos padrões de qualidade relevantes para o projeto e determinação de como atender a esse padrões. Realizar a Garantia de Qualidade aplicação das atividades de qualidade planejadas e sistemáticas para assegurar que o projeto empregará todos os processos necessários para cumprir com os requisitos.

32 GERENCIAMENTO DA QUALIDADE Conceitos Principais Realiza o Controle de Qualidade monitoramento dos resultados específicos do projeto a fim de determinar se esses resultados estão de acordo com os padrões relevantes de qualidade e identificação de maneiras para eliminar as causas de um desempenho insatisfatório.

33 Processo de gerenciamento da qualidade Legenda

34 CUSTO CUSTO EM ATIVIDADE Neste modelo os custos estão ligados às atividades. Para introduzir custos deve-se, inicialmente, obter a rede do projeto Porem, quando se está nas primeiras etapas da elaboração dos planos de um projeto não é nada estratégico pensar em redes.

35 CUSTO CUSTO EM PACOTES DE TRABALHO Neste modelo os custos estão ligados a pacotes de trabalho que foram definidos na Estrutura de Decomposição do Projeto (EDP). Assim, pode-se trabalhar com custos sem possuir a rede do projeto e, em uma etapa posterior, pode-se ligar estes pacotes de trabalho (que contêm dados de custos) às atividades da rede.

36 CUSTO CUSTO EM ATIVIDADES Tipos de custo: Direto Indireto Orçamento A soma dos dois primeiros produz o custo total.

37 CUSTO EM ATIVIDADES Custo direto é o valor, em dinheiro, dos recursos usados (pessoal, material, equipamentos) na sua realização.

38 CUSTO EM ATIVIDADES

39 CUSTO EM ATIVIDADES Custo Indireto (tais como aluguéis, impostos, restaurantes, etc.) não se ligam diretamente às atividades e, sim, a setores da empresa. Quando um custo indireto se liga a mais de um setor, faz-se um rateio entre os setores que o originam.

40 CUSTO CUSTO EM ATIVIDADES Orçamento representa a quantidade de dinheiro que se pretende gastar em um período de tempo. Ele pode ser rateado pelos diversos setores da empresa que executam o projeto.

41 CUSTO PLANEJAMENTO As etapas do planejamento, referentes apenas ao aspecto custo, são: Elaboração das estimativas de custo direto para as atividades e de custo indireto para os setores envolvidos com o projeto; Cálculo do fluxo de caixa (custo total em cada período); Comparação com as disponibilidades de gasto (orçamento).

42 CUSTO PLANEJAMENTO Em situações negativas, as alternativas são: Alteração no escopo do projeto; Adaptação da rede às disponibilidades do orçamento, o que pode ser feito pela revisão dos custos (diminuição de qualidade de materiais, etc.) e pela execução do projeto em prazo maior; Adaptação do orçamento às necessidades do projeto.

43 CUSTO PLANEJAMENTO Existem diversas formas de se consumir o custo total de um projeto, dependendo do posicionamento das atividades no tempo. Podem ser posicionadas: Dada mais cedo Data mais tarde Nas datas de alocação de recursos

44 CUSTO PLANEJAMENTO Considere o projeto mostrado na tabela abaixo: ATIVID. DEP. DUR. CUSTO A B A 3 45 C A 4 60 D A 7 70 E B,C 6 90 F B,C,D 3 60 G C,D H E,F,G 2 60

45 PLANEJAMENTO CUSTO Nesta tabela as atividades estão posicionadas nas datas mais cedo Diagrama de Setas em escala com Custo

46 CUSTO PLANEJAMENTO As atividades estão concentradas nas datas mais tarde Diagrama de Setas em escala com Custo

47 CUSTO PLANEJAMENTO Gráfico dos valores acumulados Opções de escolha

48 CUSTO PLANEJAMENTO Planejamento mensal de gastos no qual foram inseridos os custos indiretos

49 CUSTO PLANEJAMENTO Curva acumulada de gastos totais. O projeto passará a ser comparado a estes dados, durante a sua execução

50 CUSTO O CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO É bastante usado em decorrência do seu poderio visual. Ele costuma ser montado, em projetos simples, diretamente a partir do diagrama de barras e sem a rede.

51 CUSTO O CONTROLE DA EXECUÇÃO Significa: Seguir sua evolução, estudando desvios entre os custos reais, planejados e os orçamentos. Extrapolar tendências de desvios de custos e de durações das atividades, de forma a se replanejar o projeto.

52 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE EXEMPLO 1: Suponha-se que o custo planejado de uma atividade seja de R$100,00 para uma duração estimada de 100 dias. Após 70 dias, verificou-se um gasto de R$65,00: todavia, apenas a metade da atividade estava concluída. Tem-se então:

53 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE Custo planejado total: R$100,00 Tempo total planejado: 100 dias Tempo Transcorrido: 70 dias Custo planejado para o período transcorrido: R$ 70,00 Custo Real = R$65,00 Percentual de Trabalho Feito (PTF) = 50% Valor do Trabalho Feito (VTF) = PTF X (Custo Planejado) VTF = 50% X R$100,00 = R$50,00

54 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE Comparando VTF com o Custo real, concluiu-se que a tarefa está sendo executada a um custo superior ao planejado. Observe que a comparação entre Custo Real (R$65,00) e Custo Planejado para o período transcorrido (R$70,00) pode induzir à conclusão errada.

55 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE EXEMPLO 2: Suponha-se o seguinte planejamento: Mês 1: Tarefa A com Custo Planejado de R$200,00; Mês 2: Tarefa B com Custo Planejado de R$100,00. A execução mostrou o seguinte cenário ao final do mês: Tarefa B iniciada e concluída a um custo de R$140,00; Tarefa A não iniciada e postergada para o mês 2.

56 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE A análise financeira ao final do mês 1 aponta: Custo Planejado: R$200,00; Custo Real: R$140,00; VTF: R$100,00 (valor daquilo que foi realmente executado, ou seja, a tarefa B); Excesso de custo: 40% (comparação entre Custo Real e VTF); Em se mantendo a atual tendência, o projeto terminará ao final do mês 2, sendo que a previsão ao término (PAT) é de R$420,00.

57 CUSTO O VALOR DO TRABALHO FEITO OU EARNED VALUE EXEMPLO 2: Planejamento, Execução e Previsão ao término

58 CUSTO INDICADORES DO MODELO EARNED VALUE 1) IPC: INDICADOR DE PERFORMANCE DE CUSTO A relação VTF/CR recebe o nome de Indicador de Performance de Custo (IPA ou CPI: Cost Performance Index). Se o índice está abaixo de 1, o projeto está sendo mal conduzido. Por exemplo: suponha IPC = 0,66. Este valor indica que o trabalho realizado vale 66% do gasto real, ou seja VTF > CR. O inverso deste índice (CR/VTF) indica se está gastando a mais que o valor do trabalho feito.

59 CUSTO INDICADORES DO MODELO EARNED VALUE 2) IPA:INDICADOR DE PERFORMANCE DE AGENDAMENTO A relação VTF/CP recebe o nome de Indicador de Performance de Agendamento (IPA ou SPI: Schedule Performance Index) Este índice, apesar de basear em valores financeiros, é um indicador do atraso ou adiantamento em tempo. Se o índice está abaixo de 1, o projeto está sendo mal conduzido.

60 CUSTO INDICADORES DO MODELO EARNED VALUE 2) IPA:INDICADOR DE PERFORMANCE DE AGENDAMENTO O inverso deste índice (CP/VTF) indica se existe um atraso no tempo relativamente gasto ou não. Este índice, juntamente com os dados de previsão de data de término fornecidos pela análise da rede do projeto, auxilia na previsão do atraso ou adiantamento no tempo.

61 CUSTO INDICADORES DO MODELO EARNED VALUE 3) PREVISÕES ESTATÍSTICAS PARA TÉRMINO a) Tempo Duas opções para cálculo: Otimista Pessimista b) Custo Três opções: Otimista Moderada Pessimista

62 CUSTO GRÁFICO DE PERFORMANCE É bastante útil resumir as informações anteriores em um gráfico que mostra apenas os desvios sobre o planejamento. Para custos, o gráfico da evolução de IPI é muito útil. Para tempo, é conveniente mostrar tanto a evolução de IPA como o valor atual da previsão de atraso do final do projeto.

63 CUSTO ADMINISTRAÇÃO POR EXCEÇÃO O modelo Earned Value se adapta perfeitamente aos princípios da Administração por Exceção. Por exemplo, quando as atividades são agrupadas por departamento executor, pode-se fazer uma análise bem mais detalhada do projeto, detectando-se qual departamento é a causa dos estouros de gastos. Assim pode-se centrar a atenção naquelas atividades que são a principal causa de estouro.

64 CUSTO ADMINISTRAÇÃO POR EXCEÇÃO Acompanhamento do Indicador de Custos (IPC)

65 CUSTO ADMINISTRAÇÃO POR EXCEÇÃO Acompanhamento de Tempo (IPC e Atraso Provável)

66 CUSTO ACELERAÇÃO DE UM PROJETO Desejando-se diminuir a duração de um projeto, injeta-se mais recursos, o que ocasiona um acréscimo no custo. Existe uma duração mínima para a execução da atividade, sendo que não se consegue diminuí-la com a injeção de mais recursos. A este ponto corresponde uma duração acelerada e um custo acelerado.

67 CUSTO ACELERAÇÃO DE UM PROJETO Relação entre o Custo Direto de uma Atividade e sua Duração

68 CUSTO Custos Diretos Componentes do Preço Custos Indiretos Custos Acessórios Lucro Correção Monetária

69 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS INDIRETOS (A) 1) SERVIÇOS PRELIMINARES Serviços Técnicos Serviços de Reconhecimento Projetos Estimativas Serviços de Legalização Contratação Projeto e Obra (Aprovação e Licenciamento)

70 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS INDIRETOS (A) 3) TRABALHOS PREPARATÓRIOS Ligações Provisórias (Concessionárias) Instalação da obra

71 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS INDIRETOS (A) 4) ACEITAÇÃO DA OBRA Certidões Habite-se Vistoria final para entrega Fichas DRI Certidão negativa ISS

72 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS INDIRETOS (A) 4) ACEITAÇÃO DA OBRA Certidão negativa IAPAS Averbação RGI Termo aceitação da obra Desmontagem do Canteiro Limpeza e remoção

73 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 5) TRABALHOS INICIAIS Limpeza do terreno Preparo do terreno Demolição de fundações Demolições diversas Locação da obra

74 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 5) TRABALHOS INICIAIS Limpeza do terreno Preparo do terreno Demolição de fundações Demolições diversas Locação da obra

75 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 6) FUNDAÇÕES E INFRA-ESTRUTURA Rebaixamento do lençol Esgotamento Drenagem Escavação simples Escavação sob lençol

76 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 6) FUNDAÇÕES E INFRA-ESTRUTURA Estruturas enterradas Reaterro das cavas Aterro embasamento com compactação Camada de impermeabilização Remoção excedente

77 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 6) FUNDAÇÕES E INFRA-ESTRUTURA Escavação em modelo, rocha Escoramento dos vizinhos Escoramento do terreno Fundação superficiais Fundações profundas

78 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 7) ESTRUTURA Concreto armado Concreto protendido Madeira

79 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 8) ALVENARIA 9) COBERTURA 10) TRATAMENTOS 11) REVESTIMENTOS 12) PISOS 13) RODAPÉS, SOLEIRAS, ESCADAS

80 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 14) FORROS E DIVISÓRIAS 15) ESQUADRIAS DE MADEIRA COM FERRAGEM 16) ESQUADRIAS DE FERRO 17) ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 18) ESQUADRIAS ESPECIAIS 19) VIDROS

81 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL CUSTOS DIRETOS (D) 20) INSTALAÇÕES 21) PINTURA 22) LIMPEZA 23) COMPLEMENTAÇÃO DA OBRA 24) ENTREGA DA OBRA

82 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL BDI Benefício e Custo Indireto - É composto dos seguintes elementos: Despesas ou custos indiretos-são custos específicos da administração central diretamente ligados a uma determinada obra; Taxa de risco do empreendimento; Custo financeiro do capital de giro; Tributos Taxa de comercialização; Benefício ou Lucro

83 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL Preço de Venda (PV) = Custo direto (CD) + BDI

84 ROTEIRO DO ORÇAMENTO GERAL O Orçamento para execução de obras e serviço na construção civil é composto pelos seguintes elementos ou etapas de cálculo: Cálculo do custo direto-despesas com o que vai ser incorporado ao estado físico da obra; Cálculo das despesas indiretas-despesas que, embora não incorporadas à obra, são necessárias para a sua execução, mais os impostos, taxas e contribuições; Cálculo do benefício-previsão de benefício ou lucro esperado pelo construtor mais taxa de despesas comerciais e reserva de contingência.

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto

Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Gestão dos Prazos e Custos do Projeto Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Aula 6 28 de novembro de 2013 1 Gestão dos Prazos e Custos do Projeto - Prof. Sérgio Ricardo do Nascimento Conteúdo Programático

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil. Planejamento Operacional de Obras. Custos Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Engenharia Civil Planejamento Operacional de Obras Custos 1 GERENCIAMENTO DE PROJETOS INTRODUÇÃO PROCESSOS DE GERENCIAMENTO DE ESCOPO PROCESSOS

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis)

Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) Introdução ao método EVA (Earned Value Analysis) André Barcaui barcaui@bbbrothers.com.br Histórico 1 O conceito de EVA foi criado por engenheiros industriais há mais de 50 anos atrás para gerenciar custos

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto.

I - Uma vez fechada a declaração de escopo, não é possível alterá-la. II - Uma parte interessada tem o poder de vetar a implantação do projeto. Bateria PMBoK Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ 1. (CESGRANRIO/Petrobras 2008) A Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br

GESTAO DE PROJETOS. Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br Planejamento de Tempo e Escopo do Projeto Faculdade Pitágoras Faculdade Pitágoras Núcleo de Engenharia e TI Prof. Esdras E-mail: esdraseler@terra.com.br 1 Templates de Documentos http://www.projectmanagementdocs.com

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6

Finanças em. Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 6 Gerenciamentode Custos PMBOK apresentaosseguintesconceitos: Gerenciamento de custos; Processos de Gerenciamento de custos: Estimar custos; Determinar

Leia mais

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com

Gerência de Projetos. Aula 07. Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com Gerência de Projetos Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Gerenciamento do Tempo o Tempo gasto é tempo

Leia mais

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial

Marcelo Ribeiro de Godoi. Orçamento Fácil Construção Civil Predial Marcelo Ribeiro de Godoi Orçamento Fácil Construção Civil Predial Março/2009 Orçamento Fácil Construção Civil Predial 7 Capítulos 1ª edição - 1998 2ª edição - 2003 3ª edição - 2008 4ª edição - 2009 Copyright

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Cronograma e Curva S Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. PERT/CPM PERT Program Evaluation and Review Technique CPM Critical Path Method Métodos desenvolvidos em

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003

Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 Capítulo 3 Aplicando o PMBoK ao Microsoft Office Project 2003 29 3.1 GERENCIAMENTO DO ESCOPO O Gerenciamento do Escopo do Projeto engloba os processos necessários para assegurar que o projeto inclua todas

Leia mais

Monitoramento e Controle. Frases. Roteiro. 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4.

Monitoramento e Controle. Frases. Roteiro. 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4. Monitoramento e Controle Frases O que não é mensurável, não é gerenciável. Peter Druker Roteiro 1. Processos de Controle 2. Relatório de Desempenho 3. Earned Value Management 4. Referências 1 Processo

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Gerenciamento de custos. Marcelo Sakamori

Gerenciamento de custos. Marcelo Sakamori Gerenciamento de custos Marcelo Sakamori Quais são as maiores falhas que ocorrem em um projeto? Gerenciamento de custos Gerenciamento de custos Porque o gerenciamento de custos é importante? Gerenciamento

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS

PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS PMBOK - Project Management Body of Knowledge - PORTUGUÊS Sr(as) Gerentes de Projeto, O PMBOK, compilado pela expertise do PMI Project Management Institute, é a linha mestra que nos conduz ao conhecimento

Leia mais

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso

Gestão de Projetos. Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Professor Ruy Alexandre Generoso Gestão de Projetos Fornecimento de produtos e serviços Planejamento e controle do processo Demanda de produtos e serviços Recursos de produção O gerenciamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

Prática e Gerenciamento de Projetos

Prática e Gerenciamento de Projetos Universidade de São Paulo Escola de Artes, Ciências e Humanidades Prática e Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos do Projeto Equipe: Jhonas P. dos Reis Marcelo Marciano Mário Januário Filho

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Gerenciamento de Projetos Gerenciamento do Tempo Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

Pesquisa Operacional - PERT/CPM

Pesquisa Operacional - PERT/CPM PERT/CPM 1. Introdução As técnicas denominadas PERT e CPM foram independentemente desenvolvidas para o Planejamento e Controle de Projetos em torno de 1950, porém a grande semelhança entre estas fez com

Leia mais

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida

Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida Análise de Viabilidade de Empreendimentos Habitacionais Programa Minha Casa Minha Vida APRESENTAÇÃO 9h00 até 9h30: Abertura 9h30 até 11h15: Critérios gerais de análise técnica 11h15 até 11h30: Coffee-break

Leia mais

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção

Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Introdução a Gerenciamento de Projetos Prof. MSc. Fábio Assunção Um projeto é um esforço temporário realizado para criar um produto ou serviço único. Ou seja, é desenvolvido a partir de uma ideia, progredindo

Leia mais

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF

2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF 2 o Encontro de Gerentes de Projetos do MPF Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Osvaldo Pedra, PMP, SpP, P1-MPS.BR osvaldopedra@yahoo.com Boas Práticas em Gestão de Cronogramas Objetivo da palestra

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS

MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO SECRETARIA DE 0BRAS 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 DISPOSIÇÕES GERAIS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Nova Instalação da SEMMAC LOCAL: Rua Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 2338. Setor Ipanema. Catalão GO TIPO DE SERVIÇO: Reforma e Ampliação. 1.0 INTRODUÇÃO A finalidade do presente

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto.

Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em um projeto. Discussão sobre Nivelamento Baseado em Fluxo de Caixa. Item aberto na lista E-Plan Podemos encontrar uma figura interessante no PMBOK (Capítulo 7) sobre a necessidade de organizarmos o fluxo de caixa em

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida

Gestão da Produção ESTRATÉGIA. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br. O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida Gestão da Produção ESTRATÉGIA Revisão Conceitos Fundamentais Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Indicadores, Metas O que são Indicadores? Ferramentas, Instrumentos de Medida O que são

Leia mais

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS

Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Título da apresentação Curso Gestão de Projetos I (Verdana, cor branca) Curso de Desenvolvimento de Servidores - CDS Prof. Instrutor Elton Siqueira (a) (Arial Moura preto) CURSO DE GESTÃO DE PROJETOS I

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um

Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um Projetos, Programas e Portfólios Projeto é um empreendimento temporário, com objetivo de criar um produto, um resultado ou serviço único. Projetos podem estar integrados em um programa, quando se relacionam

Leia mais

Gestão através do uso de Indicadores e Metas

Gestão através do uso de Indicadores e Metas Gestão através do uso de Indicadores e Metas Reflexão Pra onde Caminha a sua Empresa? x Reflexão Pra onde A Cadeia Caminha de Valor... a sua Empresa? Cliente Definição do Projeto Resp. Canteiro, materiais

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015

MEMORIAL DESCRITIVO. Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Ampliação e Reforma Escola Municipal Maria Cassiano Município: Bom Jesus de Goiás - GO Elaborado em: Junho de 2015 1. DESCRIÇÃO DA OBRA As presentes especificações, bem como

Leia mais

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos

SINAL Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Conceitos básicos em gerenciamento de projetos Projeto de regulamentação do Art. 192 da Constituição Federal Brasília (DF) Maio de 2009 i Conteúdo 1. Nivelamento de informações em Gerenciamento de Projetos...

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto

Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto Gerenciamento de Custos do Projeto Orçamentação do Projeto 7. Gerenciamento de custos do projeto O gerenciamento de de custos custos do do projeto inclui inclui os os processos envolvidos em em planejamento,

Leia mais

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject

Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Proposta e Objetivos do Treinamento de Profissionalização na Ferramenta MSproject Índice CAPÍTULO 1 INICIAÇÃO DE PROJETOS... 4 CAPÍTULO 2 PLANEJAMENTO DE PROJETOS... 5 CAPÍTULO 3 CONTROLE DE PROJETOS...

Leia mais

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP

TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP TOMADA DE PREÇO IIRS Nº 002/09-TP COMUNICADO Nº 02 Segue respostas de esclarecimentos feitos por diversas empresas NOTA: TODOS OS COMUNICADOS FAZEM INTEGRAM O EDITA IIRS Nº 002/09 - TP 1 - Pergunta: Não

Leia mais

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE I - Planejamento, programação e controle

TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE. UNIDADE I - Planejamento, programação e controle TÉCNICAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE UNIDADE I - Planejamento, programação e controle 1.9. Áreas do planejamento de projetos As três primeiras áreas a serem estudadas pelo PMI Prazos, Custos e Qualidade

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Nº: 2.0 ARQUITETURA E URBANISMO 2.1.1 2.1.1.1 DEMOLIÇÃO, RETIRADAS E REMOÇÕES 2.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS EXISTENTES 2.1.1.1.1.1 REMOÇÃO DE TELHAS 161333 ICC - Salvador - Mão de Obra 53 2.1.1.1.2 REMOÇÃO

Leia mais

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP

Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Professor: Dr. Gilberto Fernandes ESCOLA DE MINAS - UFOP Obra de uma residência no bairro Bauxita Ouro Preto Características da edificação: Área do terreno: 360m²; Área a ser construída: 150m²; Obra de

Leia mais

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE

PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE PMI - PMBoK PMI PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE PMBoK PROJECT MANAGEMENT BODY OF KNOWLEDGE 1 PMI- Project Management Institute Fundado nos Estudos Unidos em 1969; Instituto sem fins lucrativos, dedicado ao

Leia mais

10 áreas de conhecimento e 5 processos

10 áreas de conhecimento e 5 processos 1 10 áreas de conhecimento e 5 processos Projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo Projetos são frequentemente utilizados como um meio de alcançar

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARBALHA SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA E OBRAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PROJETO BÁSICO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - OBRA: CONSTRUÇÃO DE MURO ARRIMO - LOCAL: TERRENO DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL - BARBALHA/CEARÁ. 1.0 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS - Este Relatório

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Explorando as Áreas de Conhecimento de Gerenciamento de Projeto Entendendo como Projetos Acontecem

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES PROJETO BÁSICO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL CONSTRUÇÃO DE UMA OFICINA DE VIATURAS NA EPA/DPF/AC DESENVOLVIMENTO / COORDENAÇÃO: GTED/SR/DPF/AC Atualização out/2012 Objeto Construção de uma oficina para

Leia mais

1º SEMESTRE DE 2012 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri

1º SEMESTRE DE 2012 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri Gestão de Por+ólios e Projetos de SOFTWARE 1º SEMESTRE DE 2012 Prof. Msc. Hilmer Rodrigues Neri FLUXOGRAMA GRUPO DE PROCESSOS ( FASES ) EXECUÇÃO, MONITORAMENTO E EXECUÇÃO 2 3 4 35 Executar o Pacote de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DA ANÁLISE DO VALOR AGREGADO PARA ANÁLISE E CONTROLE DE OBRAS CIVIS.

SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DA ANÁLISE DO VALOR AGREGADO PARA ANÁLISE E CONTROLE DE OBRAS CIVIS. Universidade Federal do Rio de Janeiro SIMULAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DA ANÁLISE DO VALOR AGREGADO PARA ANÁLISE E CONTROLE DE OBRAS CIVIS. Frederico Antonio Bosseljon Roche Moreira 2015 SIMULAÇÃO DA

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

Planejamento e Controle de Obras

Planejamento e Controle de Obras NOVO LIVRO COM MS-PROJECT 2016 Planejamento e Controle de Obras com Microsoft Project 2016 Inclui: 2 pôsteres Proposta de implantação em construtoras Exemplos de EAP s Exemplo de pasta de planejamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS SERENA OPEN PROJ FABIANO KEIJI TAGUCHI ESTE MATERIAL TEM UM OBJETIVO DE COMPLEMENTAR OS ASSUNTOS ABORDADOS DENTRO DE SALA DE AULA, TORNANDO-SE UM GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento.

12/4/2009. O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do prazo estimado no plano de gerenciamento. Gerenciamento de tempo do projeto FAE S. J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Tempo O objetivo dos processos de gerenciamento de tempo é a conclusão do projeto dentro do

Leia mais

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia

Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia Gerenciamento de projetos prof. Mário Garcia MBA em Gestão de Energia PROPPEX Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Centro Universitário Fundação Santo André Gerenciamento de custos Objetivo

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Trabalhamos na aula passada:

Trabalhamos na aula passada: Gestão de Projetos Profa. Tatiana Maia Iniciamos as Etapas de Planejamento... Trabalhamos na aula passada: 1. Declaração de Escopo 2. Definição de atividades 1 Para que serve a Declaração de Escopo? Para

Leia mais

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO

PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO PROGRAMA HABITACIONAL NOVO PRODUTO Produto Aquisição de empreendimentos habitacionais na planta Sem custos de comercialização para o construtor Recursos do Fundo do Novo Programa Habitacional Público Alvo:

Leia mais

Fluxo de caixa desde Qui 10/2/11 GP5 - Cronograma 201010010

Fluxo de caixa desde Qui 10/2/11 GP5 - Cronograma 201010010 Projeto GP5: Casa Popular Gerenciamento de Projetos 1ª Entrega Project Charter do Projeto Pesquisar sobre o Projeto R$ 7.666,88 R$ 7.666,88 Descrever o Project Charter R$ 573,75 R$ 573,75 Revisar o Project

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando o cronograma do projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição das atividades. Sequenciamento das atividades. Estimativa de recursos

Leia mais

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições;

Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Aula 12 1 2 Trata-se do processo de análise da sequência de atividades e seus atributos, tais como duração, recursos e restrições; Vantagem: o principal benefício é a geração de um modelo com previsão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

Gestão de Projetos Logísticos

Gestão de Projetos Logísticos Gestão de Projetos Logísticos Professor: Fábio Estevam Machado CONTEÚDO DA AULA ANTERIOR ESCOPO Teoria EAP etapas de desenvolvimento TEMPO Introdução Ferramentas Exercício: Documentação de Projetos Declaração

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE NOVEMBRO/09 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil apresentou variação de 0,33% em novembro O Índice

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 02) INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Conjunto de atividades que visa a realização de obras de

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento das comunicações PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES COMMUNICATIONS MANAGEMENT PLAN Preparado por Tarcísio Viana Tavares Membro do time Versão 2 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

1. O principal resultado do processo de definição de escopo é denominado estrutura analítica de projeto (EAP) ou work breakdown structure (WBS).

1. O principal resultado do processo de definição de escopo é denominado estrutura analítica de projeto (EAP) ou work breakdown structure (WBS). A verificação do escopo é o processo de obtenção da aceitação formal pelas partes interessadas do escopo do projeto terminado e das entregas associadas. Este é o processo necessário para controlar as mudanças

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto

Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto Capítulo 6 Gerenciamento do Tempo do projeto 1 Introdução Vamos pensar um pouco? 2 Introdução Porquê gerenciar o tempo? Como saber se chegaremos nos objetivos no prazo estimado? Planejar e Controlar 3

Leia mais

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Contexto e estruturas organizacionais. Conceitos básicos. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos básicos 186 O gerente do referido projeto tem como uma de suas atribuições determinar a legalidade dos procedimentos da organização. 94 Ao gerente de projeto é atribuída a função de especificar

Leia mais

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com

ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK. Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PMBOK Faculdade PITÁGORAS Unidade Raja Prof. Valéria E-mail: valeriapitagoras@gmail.com 1 As 10 áreas de Conhecimento 2 INTEGRAÇÃO 3 Gerência da Integração Processos necessários

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps)

O que é um projeto? Características de um projeto. O Que é o PMBoK Guide 3º Edition? Desmembrando o PMBoK através de mapas mentais (Mindmaps) O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma sequência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina a atingir um objetivo claro e definido,

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W.

GESTÃO DE PROJETOS. Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem. O que é um projeto? Prof. Me. Francisco César Vendrame. W. GESTÃO DE PROJETOS Prof. Me. Francisco César Vendrame "Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem." W. Shakespeare O que é um projeto? Projeto é um empreendimento não repetitivo (único), caracterizado

Leia mais

Monitoramento e Controle. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br

Monitoramento e Controle. Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Monitoramento e Controle Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br O que é? O plano pode ser visto como lacunas (contendo tarefas), que estão previstas mas ainda não foram executadas É possível

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES

GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES GUIA DE AUXÍLIO PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA IFES SUMÁRIO 1. PREENCHIMENTO DA PLANILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS...3 1.1 Menu...3 1.2 Termo de Abertura...4 1.3 Plano do Projeto...5 1.4

Leia mais

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1 MESTRADO EM LOGÍSTICA MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS Exercícios José Cruz Filipe 1 / 1 EXERCÍCIOS PARA AUTO-ESTUDO Elaboração de cronogramas (Gantt) Determinação da duração do

Leia mais

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO

Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 431 Aula 2 GERÊNCIA E DIMENSÃO DO PROJETO CONCEITO DE PROJETO É um conjunto de atividades visando o alcance de um objetivo, apresentando as

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios

Pós-Graduação Senac. Gerenciamento de Custos. Lista de Exercícios Pós-Graduação Senac Gerenciamento de Custos Lista de Exercícios Prof. Geovani Maciel 1 EXERCÍCIO 01 A empresa Tecnologia por Projetos Ltda atua no desenvolvimento de sistemas de gestão para seus clientes.

Leia mais

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos

Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Gerenciamento de Escopo na Gestão de Projetos Airton Eustaquio Braga Junior aebjr@terra.com.br MBA Gestão de Projetos em Engenharia e Arquitetura Instituto de Pos-Graduação IPOG Goiania, GO, 02 de Setembro

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS Aílson José Senra 1 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS A Administração é um conjunto de normas e funções elaboradas para disciplinar elementos de produção, que têm como objetivo alcançar um resultado eficaz

Leia mais