Volume Total de Crédito

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Volume Total de Crédito"

Transcrição

1 Parte I Volume de Crédito A) Recursos Livres e Recursos Direcionados Período R$ milhões Variação % Junho Junho ,2% Volume Total de Crédito R$ milhões B) Operações de Crédito com recursos livres Período R$ milhões Variação % Junho Junho ,4% Volume Total de Crédito Recursos Livres R$ milhões

2 C) Pessoa Jurídica Período R$ milhões Variação % Junho Junho ,6% Volume Total de Crédito Recursos Livres PJ R$ milhões D) Pessoa Física Período R$ milhões Variação % Junho Junho ,8% Volume Total de Crédito Recursos Livres PF R$ milhões

3 Parte II TAXAS DE JUROS A) Geral Pessoa Física e Pessoa Jurídica Período % ao ano Variação P.P Junho ,0 Junho ,5 5,5 Taxa de Juros Média Geral 50,0 45,0 40,0 % ao ano B) Pessoa Jurídica Período % ao ano Variação P.P Junho ,4 Junho ,5 5,9 Taxa de Juros Média PJ 40,0 20,0 % ao ano

4 C) Pessoa Física Período % ao ano Variação P.P Junho ,7 Junho ,6 6,1 Taxa de Juros Média PF 65,0 60,0 55,0 % ao ano

5 Parte III SPREAD A) Geral Pessoa Física e Pessoa Jurídica Período % ao ano Variação P.P Junho ,8 Junho ,7 0,9 Spread Geral 31,0 30,5 30,0 29,5 29,0 % ao ano B) Pessoa Jurídica Período % ao ano Variação P.P Junho ,6 Junho ,0 1,4 Spread PJ 15,0 14,0 13,0 12,0 % ao ano

6 C) Pessoa Física Período % ao ano Variação P.P Junho ,3 Junho ,5 0,8 Spread PF 46,5 46,0 45,5 45,0 % ao ano

7 Parte IV PRAZO MÉDIO DOS FINANCIAMENTOS A) Geral Pessoa Física e Pessoa Jurídica Período Prazo/Meses Variação % Junho2005 8,0 Junho ,1 376,3% Prazo Médio dos Financiamentos Geral 40,0 20,0 Prazo/Meses B) Pessoa Jurídica Período Prazo/Meses Variação % Junho2005 6,5 Junho ,9 313,8% Prazo Médio dos Financiamentos PJ 30,0 20,0 10,0 Prazo/Meses

8 C) Pessoa Física Período Prazo/Meses Variação % Junho ,0 Junho ,8 418,0% Prazo Médio dos Financiamentos PF 60,0 40,0 20,0 Prazo/Meses

9 PARTE V INADIMPLÊNCIA A) Geral Pessoa Física e Pessoa Jurídica Período % Variação pp Junho2005 7,3 Junho2015 4,7 2,6 Inadimplência Geral 10,0 5,0 % A) Pessoa Jurídica Período % Variação pp Junho2005 3,4 Junho2015 3,9 0,5 Inadimplência PJ 4,0 % 3,0

10 C) Pessoa Física Período % Variação pp Junho ,4 Junho2015 5,4 7,0 Inadimplência PF 15,0 10,0 5,0 %

11 Parte VII Análise dos dados do estudo A análise de dez anos das condições de crédito no país demonstra que efetivamente as condições de crédito apresentaram substancial melhora com forte expansão do volume emprestado, redução das taxas de juros, aumento dos prazos médios de financiamento e redução da inadimplência mesmo com todo este crescimento no crédito. Os spreads bancários vinham igualmente sendo reduzidos até o ano passado, entretanto frente ao quadro atual de nossa economia em cenário de inflação elevada, juros altos e aumento substancial de impostos e tarifas públicas, o que reduziu a renda das famílias, agravados agora com o crescimento do desemprego tais fatos aumentaram o risco de elevação dos índices de inadimplência o que resultou na elevação dos spreads bancários neste período. Com referência ao volume de crédito tivemos no período de dez anos uma forte expansão, crescendo quase 500%, passando de 27,8% do PIB em 2005 para 54,5% em Não obstante esta expansão é fato que o volume total do crédito do país ainda é baixo quando comparado às principais economias aonde este número atinge mais de 100% do PIB destas economias, o que demonstra que temos ainda um ambiente favorável à expansão de crédito. Com referência às taxas de juros das operações de crédito e respectivos Spreads bancários é importante destacar que, apesar das taxas de juros terem apresentado uma melhora no período com redução das mesmas, ainda se encontram em patamares elevados o que abre margem para que as mesmas continuem sendo reduzidas sendo pela redução da Taxa Básica de Juros (SELIC) seja por uma maior competição no sistema financeiro ou por outras eventuais medidas que poderão ser tomadas pelo governo, como redução de impostos e compulsórios, além da queda dos índices de inadimplência que vão igualmente contribuir para a queda dos juros e spreads no país. Entretanto, frente ao cenário econômico atual, isto não deverá ocorrer em curto prazo. Outro item que apresentou igualmente substancial melhora foi a elevação do prazo médio dos financiamentos que tiveram no período um crescimento superior a 300%. Com referência a inadimplência, a mesma apresentou uma redução de 2,6 pontos percentuais no período mesmo aqui tendo o crédito sido elevado em quase 500%. Vale destacar, entretanto, que por conta do cenário econômico atual com inflação alta, elevação das taxas de juros, aumento das tarifas públicas o que reduz a renda das famílias agregado à retração econômica em curso, deveremos ter elevação nos índices de inadimplência não obstante o fato de tanto os consumidores como os bancos estarem mais cautelosos na tomada e concessão de crédito.

12 ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS ANEFAC VOLUME TOTAL DE CRÉDITO TEM ALTA DE 490,2% EM 10 ANOS, DIZ ANEFAC Inadimplência geral registrou queda de 2,6% entre 2005 e 2015, de acordo com estudo da associação A Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (ANEFAC) realizou um balanço dos últimos dez anos do crédito no Brasil cujo objetivo foi apurar como se comportaram os principais indicadores praticados pelo sistema financeiro neste período. Este estudo, desenvolvido pelo diretor de estudos e pesquisas econômicas da ANECAC, Miguel José Ribeiro de Oliveira, compreendeu no levantamento no período dos cinco principais indicadores de crédito, dados estes, compilados do relatório de Política Monetária do Banco Central. O estudo teve a coordenação de nosso diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas, Miguel José Ribeiro de Oliveira, e os resultados listamos em anexo. Este estudo foi realizado em 7 partes sendo: Parte I Volume de crédito Levantamento do volume de crédito total (estoque) concedido pelo conjunto total do sistema financeiro em junho de 2005 e junho de 2015 e respectivas variações percentuais. Parte II Taxas de juros Levantamento das taxas de juros médias anuais para pessoa física, para pessoa jurídica e geral em junho de 2005 e em junho de 2015 e respectiva variação percentual. Parte III Spreads Levantamento dos spreads anuais praticados para pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho de 2005 e em junho de 2015 e respectiva variação. Parte IV Prazo médio dos financiamentos

13 Levantamento dos prazos médios dos financiamentos para pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho de 2005 e em junho de 2015 e respectiva variação. Parte V Inadimplência Levantamento da inadimplência na pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho de 2005 e em julho de 2015 e respectiva variação. Parte VI Tabelas e Gráficos Arquivos anexos ao final do material. Parte VII Análise dos dados do estudo. Análise anexa ao final do material. Parte I VOLUME DE CRÉDITO A) Recursos Livres e Recursos Direcionados O volume total de crédito do sistema financeiro (recursos livres e recursos direcionados) atingiu em junho de 2015 R$ milhões contra R$ milhões em junho de 2005 um crescimento de 490,2% no período. Vale destacar que a inflação no período medida pelo IPCA/IBGE foi de 74,1%. Este volume representa hoje 54,5% do PIB contra 27,8% em junho de 2005 um crescimento de 26,7 pontos percentuais. B) Operações de Crédito com recursos livres O volume de crédito no segmento de recursos livres (que as instituições financeiras emprestam livremente) atingiu R$ milhões em junho de 2015 contra R$ milhões em junho de 2005, um crescimento de 421,4% no período. C) Pessoa Jurídica Na pessoa jurídica este volume atingiu R$ milhões em junho de 2015 contra R$ milhões em junho de 2005 um crescimento de 373,6% no período. D) Pessoa Física

14 ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade 1 ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS. A ANEFAC realizou um balanço dos últimos dez anos do crédito no Brasil cujo objetivo foi apurar como se comportaram os principais indicadores praticados pelo sistema financeiro neste período. Este estudo compreendeu no levantamento no período dos cinco principais indicadores de crédito, dados estes, compilados do relatório de Política Monetária do Banco Central. O estudo teve a coordenação de nosso diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas, Miguel José Ribeiro de Oliveira, e os resultados listamos em anexo. Este estudo foi realizado em 07 partes sendo: Parte I Volume de crédito Levantamento do volume de crédito total (estoque) concedido pelo conjunto total do sistema financeiro em junho/2005 e junho/2015 e respectivas variações percentuais. Parte II Taxas de juros Levantamento das taxas de juros médias anuais para pessoa física, para pessoa jurídica e geral em junho/2005 e em junho/2015 e respectiva variação percentual. Parte III Spreads Levantamento dos spreads anuais praticados para pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho/2005 e em junho/2015 e respectiva variação. Parte IV Prazo médio dos financiamentos Levantamento dos prazos médios dos financiamentos para pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho/2005 e em junho/2015 e respectiva variação.

15 ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade 2 Parte V Inadimplência Levantamento da inadimplência na pessoa física, pessoa jurídica e geral em junho/2005 e em julho/2015 e respectiva variação. Parte VI Tabelas e Gráficos Parte VII Análise dos dados do estudo.

ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS.

ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS. ANÁLISE DE DEZ ANOS DO CRÉDITO NO PAÍS. A ANEFAC realizou um balanço dos últimos dez anos do crédito no Brasil cujo objetivo foi apurar como se comportaram os principais indicadores praticados pelo sistema

Leia mais

Maior desaceleração e alerta para inadimplência

Maior desaceleração e alerta para inadimplência jan/11 jul/11 jan/11 jul/11 Maior desaceleração e alerta para inadimplência O crescimento do crédito total do SFN em 12 meses desacelerou 0,7 p.p. em abril, fechando em 10,, totalizando R$ 3,1 trilhões,

Leia mais

Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014

Nota de Crédito PF. Dezembro Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014 Nota de Crédito PF Dezembro 2014 Fonte: BACEN Base: Outubro de 2014 ago/11 fev/12 ago/12 jan/11 jan/11 Desaceleração e comprometimento de renda Os efeitos da elevação da taxa de juros e as incertezas quanto

Leia mais

Elevação na taxa de juros média

Elevação na taxa de juros média Elevação na taxa de juros média Carteira de Crédito no SFN Apesar da projeção de um crescimento nominal de 2,0% em 2017 pelo Banco Central, o ritmo de queda do estoque de crédito intensificou-se em janeiro.

Leia mais

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016

Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira do SFN recua 3,5% em 2016 Carteira de Crédito no SFN Em 2016, o mercado de crédito fechou com retração de 3,5%. Esta performance frustrante reflete o processo de desalavancagem das famílias e

Leia mais

Evolução Recente do Spread Bancário no Brasil

Evolução Recente do Spread Bancário no Brasil 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 189/2009 Data: 12.03.09 Versão: 1 Tema: Título: Mercado de Crédito

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016

Nota de Crédito. Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Nota de Crédito Setembro 2016 Fonte: BACEN Base: Julho de 2016 Sumário Executivo Índices de confiança menos desfavoráveis para o empresariado e para as famílias ainda não são refletidos na atividade real

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Os recursos livres totalizaram R$ 953,1 bilhões em Dezembro, terminando o ano com uma alta de 9,4% ante 2008.

Os recursos livres totalizaram R$ 953,1 bilhões em Dezembro, terminando o ano com uma alta de 9,4% ante 2008. O volume de crédito no sistema financeiro nacional fechou o ano em R$ 1,41 trilhão, representando 45% PIB. Esse resultado correspondeu a mais uma alta, agora de 1,6%, ante o mês anterior levando a um crescimento

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito. Fonte: Banco Central - Dados de 2013

Relatório de Economia Bancária e Crédito. Fonte: Banco Central - Dados de 2013 Relatório de Economia Bancária e Crédito Fonte: Banco Central - Dados de 21 abr/5 ago/5 dez/5 abr/6 ago/6 dez/6 abr/7 ago/7 dez/7 abr/8 ago/8 dez/8 abr/9 ago/9 dez/9 abr/1 ago/1 dez/1 abr/11 ago/11 dez/11

Leia mais

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017

Nota de Crédito. Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Nota de Junho 2017 Fonte: BACEN Base: Abril de 2017 Sumário Executivo Em abril, houve deterioração nos indicadores de Confiança do Consumidor (FGV) e de Demanda do Consumidor e das Empresas por (Serasa

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO

PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO PESQUISA DE UTILIZAÇÃO DO 13º SALÁRIO A ANEFAC Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração realizou durante o mês de outubro de, pesquisa junto a 1.037 consumidores de todas as classes

Leia mais

Os Bancos nunca perdem

Os Bancos nunca perdem Boletim Econômico Edição nº 85 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os Bancos nunca perdem 1 Dados patrimoniais dos gigantes do Sistema Financeiro Nacional O total

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito tiveram em março/2012 comportamentos distintos. De um lado por conta da nova redução da taxa

Leia mais

Economia Brasileira em Perspectiva

Economia Brasileira em Perspectiva 13 de agosto - 2010 O relatório é publicado bimestralmente pelo Ministério da Fazenda Essa versão do Relatório correspondente ao bimestre junho/julho foi divulgada no dia 10/08. Seu objetivo é apresentar

Leia mais

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013

1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN. Janeiro a Março/2013 1. ANÁLISE DE DESEMPENHO OPERACIONAL DA AUTOBAN Janeiro a Março/2013 As informações financeiras e operacionais abaixo são apresentadas de acordo com a Legislação Societária e as comparações são referentes

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio)

ECONOMIA 25 de junho de 2015 Relatório de Crédito (dados de maio) 11 12 13 14 15 16 jan/02 ago/02 mar/03 out/03 mai/04 dez/04 jul/05 fev/06 set/06 abr/07 nov/07 jun/08 jan/09 ago/09 mar/ out/ mai/11 dez/11 jul/12 fev/13 set/13 abr/14 nov/14 ECONOMIA 25 de junho de 15

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

.Expectativa de novas reduções da Selic frente à redução da inflação.

.Expectativa de novas reduções da Selic frente à redução da inflação. ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em fevereiro/2017, sendo esta a terceira redução consecutiva e quarta

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O volume de vendas no varejo registrou queda de 0,4%, quando comparado ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, marcando a quinta queda consecutiva. Sete das dez

Leia mais

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012

Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Relatório Conjuntura Econômica Brasileira 3o. Trimestre 2012 Elaboração:VIFIN CAIXA Vice-Presidência de Finanças SUPLA CAIXA SN de Planejamento Financeiro 1 Relatório Conjuntura

Leia mais

NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À CRISE E ESTÍMULO AO CRESCIMENTO

NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À CRISE E ESTÍMULO AO CRESCIMENTO NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À CRISE E ESTÍMULO AO CRESCIMENTO 29 de junho de 2009 1 CRISE FINANCEIRA COLOCOU A PROVA A ECONOMIA BRASILEIRA Demonstrou solidez do País: teste de estresse Capacidade de fazer

Leia mais

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal Neste Sumário serão analisados os principais indicadores de Política Fiscal.

Leia mais

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos?

Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Crise X Oportunidades: Quais oportunidades o Brasil está tendo com a crise? Qual a previsão para o mercado de crédito, nos próximos anos? Andrew Frank Storfer Vice Presidente da ANEFAC out 2009 CONJUNTURA

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

43,85 43,67 43,50 43,26 43,03 42,76 42,45 42,35 42,11 41,96 41,93 41,91

43,85 43,67 43,50 43,26 43,03 42,76 42,45 42,35 42,11 41,96 41,93 41,91 Os dados divulgados pelo Banco Central do (BCB) até Mar./2017 permitem uma análise do endividamento das famílias brasileiras e a elaboração de um panorama do comportamento de diversas modalidades de crédito

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

Nota de Crédito. Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017

Nota de Crédito. Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017 Nota de Abril 2017 Fonte: BACEN Base: Fevereiro de 2017 Sumário Executivo Ainda que se tenha observado uma relativa reação do varejo em fevereiro, o mercado de crédito não emite sinais positivos. A fragilidade

Leia mais

A dívida das empresas de capital aberto no 3 trim. de 2017 registra queda com relação ao trimestre anterior e volta a níveis de março de 2015.

A dívida das empresas de capital aberto no 3 trim. de 2017 registra queda com relação ao trimestre anterior e volta a níveis de março de 2015. DECISIVA Receba nossos estudos pelas redes sociais. A maior empresa de informações financeiras sobre a América Latina. A dívida das empresas de capital aberto no 3 trim. de 2017 registra queda com relação

Leia mais

Sumário do Resultado 1T17

Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado Lucro Líquido Ajustado de R$ 2,5 bilhões O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 2,5 bilhões no 1T17, impactado principalmente pelo aumento

Leia mais

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009

ATIVIDADE ECONÔMICA. Junho de 2009 Principais pontos Relatório de Inflação Banco Central ATIVIDADE ECONÔMICA As medidas anticíclicas vêm se traduzindo em melhoras recentes. A economia brasileira apresenta sinais de gradual recuperação.

Leia mais

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO

Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Análise do DEMONSTRATIVO FINANCEIRO Resumo dos Resultados Gerais - 9M12 Item Resultado 9M12 Variação em relação a 9M11 (em %) Lucro Líquido R$ 4,2 bilhões +17,7% Patrimônio Líquido R$ 22,5 bilhões +24,6%

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 23 e 26 de Janeiro de 2017 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro

CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro CNC - Divisão Econômica Rio de janeiro 22.06.2010 PEIC Síntese dos Resultados Síntese dos Resultados Abr Mai Jun Total de Endividados 58,0% 58,7% 54,0% Dívidas ou Contas em Atrasos 24,4% 25,1% 23,5% Não

Leia mais

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017

Crédito Imobiliário Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Bradesco Apresentação BBI São Paulo, 11 de abril 2017 Pilares de Sustentação 1.Ambiente Econômico 2.Funding 3.Segurança Jurídica CRÉDITO IMOBILIÁRIO 2 Ambiente Econômico 2017 Inflação Taxa de Juros Renda

Leia mais

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos

Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Superintendência de Planejamento, Orçamento e Custos Atividade Econômica PIB - Crescimento anual (%) 4, 4,1 4,5 3,2 3,1 3,5 2,1 1,7 2, 4,8 3,6 2, 2 211 212 213 214 215 216 217* 218* * Projeções do FMI

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA.

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA. Marcelo Curado * I. Atividade Econômica A análise dos indicadores macroeconômicos sobre a evolução recente da atividade econômica corrobora a noção de

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI ISSN 2317-7322 Ano 6 Número 6 Junho de SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Cenário negativo se amplia O cenário adverso para as empresas da indústria da construção persiste em junho, com impactos

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 28º Edição - Setembro 2015 Sumário Conjuntura - Saúde Suplementar Seção Especial 3 Nível de Atividade 4 Emprego 5 Emprego direto em planos de saúde 6 Renda 6 Inflação 7 Câmbio

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim 1º Semestre 2016 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim 1º Semestre 2016 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses

Leia mais

CBIC DA CONSTRUÇÃO 58,5 47,0. Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses

CBIC DA CONSTRUÇÃO 58,5 47,0. Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses DA CONSTRUÇÃO CBIC Palmas, Tocantins - Ano IV, Nº 13, Julho/Setembro de 2014 Apesar de breve melhora, empresários industriais da construção civil estão cautelosos para os próximos meses Seguindo trajetória

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Das seis linhas de crédito pesquisadas, todas reduziram suas taxas de juros no mês.

PESQUISA DE JUROS. Das seis linhas de crédito pesquisadas, todas reduziram suas taxas de juros no mês. ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em julho/2017, sendo esta a oitava redução consecutiva e nona redução

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em setembro de 2017, sendo esta a décima redução consecutiva e décima

Leia mais

Curitiba, 5 de Setembro de SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011

Curitiba, 5 de Setembro de SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011 Curitiba, 5 de Setembro de 2011. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2011 DATA BASE OUTUBRO 2011 1) Conjuntura Econômica Em 2010, a economia brasileira cresceu 7,5%. Esse resultado expressivo foi puxado

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Nesta 1ª Edição da Carta de C o n j u n t u r a d a S a ú d e Suplementar, são apresentados (i) os dados econômicos e de beneficiários de planos de saúde do primeiro trimestre de 1 (ambos publicados em

Leia mais

No caso das empresas, esse atraso passou de 2,3% no quinto mês do ano passado, para 2,7% no começo de 2016 e 3,1% em abril último.

No caso das empresas, esse atraso passou de 2,3% no quinto mês do ano passado, para 2,7% no começo de 2016 e 3,1% em abril último. Veículo: DCI Data: 26/07/16 Inadimplência das empresas aumenta São Paulo - Dois levantamentos divulgados ontem mostram que a recessão econômica do País continua a prejudicar as empresas e, desta forma,

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Junho de 2017

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Junho de 2017 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Junho de 217 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento recente sobre o mercado de crédito e identificar tendências

Leia mais

Rua 7 de abril conj CEP República - São Paulo-SP - Telefone: PESQUISA DE JUROS

Rua 7 de abril conj CEP República - São Paulo-SP - Telefone: PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2014, sendo esta a nona elevação seguida, segunda elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída a elevação

Leia mais

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI BRASÍLIA 30/10/2017 30/10 SEGUNDA-FEIRA - Boletim FOCUS/Banco Central - Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPCS)/ FGV - Notas para a imprensa Política Fiscal / Banco Central - IGP-M / FGV EDIÇÃO 0008

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança

Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança D A T A A B E C I P S E T E M B R O, 2 0 1 5 D E S T A Q U E S D O M Ê S Poupança SBPE Captação Líquida: - R$ 5,38 bilhões Saldo: R$ 498,7 bilhões

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC NOVEMBRO DE 2014

PESQUISA DE JUROS ANEFAC NOVEMBRO DE 2014 PESQUISA DE JUROS ANEFAC NOVEMBRO DE 201 As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em novembro/201. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes fatores: Elevação da taxa

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2014.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2014. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/201. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes fatores: Elevação da taxa básica de juros (Selic)

Leia mais

Banco de Dados da CBIC

Banco de Dados da CBIC 08.12.11 Banco de Dados da CBIC www.cbicdados.com.br ALGUMAS CONSIDERAÇÕES A construção vem registrando incremento consistente em suas atividades desde 2004, deixando para trás décadas de dificuldades.

Leia mais

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO

NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO 1 NOTA DE CRÉDITO DE SETEMBRO TABELA RESUMO ANÁLISE DO ESTOQUE TOTAL DO CRÉDITO vs. CONCESSÃO (MÉDIA DIÁRIA DESSAZ) Estoque (em R$ milhões) Estoque (em R$ bilhões) Variação no mês dessaz (%) YDT (%) Var.

Leia mais

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%):

Índice de atividade econômica - IBC-Br (%): SIM SEBRAE Inteligência de Mercados Edição n - Fev/6 Índice de atividade econômica - IBC-Br (%) A produção industrial brasileira apresentou leve recuperação no período de novembro a dezembro de 25. pg

Leia mais

Sumário do Resultado 4T16

Sumário do Resultado 4T16 Sumário do Resultado Lucro Líquido Ajustado de R$ 7,2 bilhões O Banco do Brasil registrou Lucro Líquido Ajustado de R$ 7,2 bilhões em 2016, impactado principalmente pelo aumento da despesa de provisão.

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2016, sendo esta a quinta elevação no ano e vigésima elevação

Leia mais

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017

Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas. Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 2017 Taxa Básica Real de Juro: Evolução e Perspectivas Nelson Barbosa 14o Fórum de Economia da FGV 12 de setembro de 217 1 1/7/1996 13/3/1997 23/11/1997 5/8/1998 17/4/1999 28/12/1999 8/9/2 21/5/21 31/1/22 13/1/22

Leia mais

Taxas de Juros registraram elevação em Junho e devem subir nos próximos meses, mostra Pesquisa da ANEFAC

Taxas de Juros registraram elevação em Junho e devem subir nos próximos meses, mostra Pesquisa da ANEFAC Taxas de Juros registraram elevação em Junho e devem subir nos próximos meses, mostra Pesquisa da ANEFAC De acordo com a Pesquisa de Juros da ANEFAC, as taxas das operações de crédito tiveram uma pequena

Leia mais

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda Encontro Nacional dos Novos Prefeitos e Prefeitas Brasília, 30 de janeiro de 2013 1 Crescimento do PIB acelerando PIB, crescimento anual,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG DEPARTAMENTO DE ECONOMIA Carta de Análise Econômica Conjuntural Ano 2 Número 7 Maio 2012 1 Considerações

Leia mais

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES

PESQUISA DE JUROS PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS MESES ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS Após terem ficado estáveis em novembro/2016 as taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser reduzidas em dezembro/2016, sendo

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE

CRÉDITO E JUROS EM 2003 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE CRÉDITO E JUROS EM 3 MODESTO PASSO À FRENTE NO SEGUNDO SEMESTRE 3 terminou com um volume de operações de crédito do sistema financeiro de 2,% do PIB, um incremento frente ao baixo montante registrado ao

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Março de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, REN DA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior

PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior ECONÔMICA Conjuntura PIB do terceiro trimestre de 2015 apresentou queda de 1,7% contra o trimestre anterior Dados publicados pelo IBGE informam que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 1,7% no

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e, portanto passíveis

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2015, sendo esta a décima segunda elevação no ano e decima

Leia mais

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016

Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 www.fdc.org.br Indicadores da Economia Brasileira: Setor Público Observatório de Políticas Econômicas 2016 Indicadores da Economia Brasileira: Confiança e Expectativas Quadro-Resumo Necessidade de Financiamento

Leia mais

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC

Macroeconomia Fernando Honorato Barbosa. Economista-Chefe Diretor DEPEC 11 Informação Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas da direção da companhia.

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em novembro/2015, sendo esta a décima primeira elevação no ano e decima

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em janeiro/2016, sendo esta a primeira elevação no ano e decima sexta

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em março/2015, sendo esta a terceira elevação no ano e sexta elevação

Leia mais

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º semestre de 2013

DESEMPENHO DOS BANCOS 1º semestre de 2013 DESEMPENHO DOS BANCOS 1º semestre de 2013 Elevado corte de postos de trabalho nos bancos privados foi destaque no 1º semestre de 2013 N O primeiro semestre de 2013, os seis maiores bancos do país 1 tiveram

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas Reunião de Diretoria Plenária da ABINEE Flávio Castelo Branco Gerente-Executivo de Política Econômica Confederação Nacional da Indústria São Paulo, Outubro

Leia mais

ANÁLISE DE BANCOS - 1º TRIMESTRE DE 2009

ANÁLISE DE BANCOS - 1º TRIMESTRE DE 2009 ANÁLISE DE BANCOS - 1º TRIMESTRE DE 2009 Bancos analisados: - Banco do Brasil - Banco Itaú-Unibanco - Bradesco - Santander RESULTADO DO ACIONISTA Os bancos privados nacionais (Itaú/Unibanco e Bradesco)

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em fevereiro/2013 frente a janeiro/2013. Pessoa Física Das seis

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em abril/201, sendo esta a quarta elevação no ano e sétima elevação

Leia mais

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009

- Banco do Brasil 12/11/ Banco Itaú/Unibanco 10/11/ Bradesco 10/11/ Santander do Brasil 10/11/2009 ANÁLISE DE BANCOS 3º TRIMESTRE DE 2009 Bancos analisados: - 12/11/2009 - Banco Itaú/Unibanco 10/11/2009 - Bradesco 10/11/2009 - Santander do 10/11/2009 RESULTADO DO ACIONISTA O resultado líquido dos bancos

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016

O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016 O desempenho recente da Caixa Econômica Federal e os desafios para a ação sindical na Campanha de 2016 De 2011 a 2014, a Caixa Econômica Federal ampliou significativamente sua escala de atuação, com desdobramentos

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2015, sendo esta a décima elevação no ano e decima terceira

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2016 Revista e ampliada PARTICIPAÇÃO DO GOVERNO E DO SETOR PRIVADO NO SALDO DE OPERAÇÕES DE DÍVIDA NO MERCADO DOMÉSTICO

NOTA CEMEC 02/2016 Revista e ampliada PARTICIPAÇÃO DO GOVERNO E DO SETOR PRIVADO NO SALDO DE OPERAÇÕES DE DÍVIDA NO MERCADO DOMÉSTICO NOTA CEMEC 02/2016 Revista e ampliada PARTICIPAÇÃO DO GOVERNO E DO SETOR PRIVADO NO SALDO DE OPERAÇÕES DE DÍVIDA NO MERCADO DOMÉSTICO Fevereiro - 2016 INDICE 1. APRESENTAÇÃO: METODOLOGIA E CONCEITOS...

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Aumento das taxas de juros futuros por conta da turbulência política e econômica;

PESQUISA DE JUROS. Aumento das taxas de juros futuros por conta da turbulência política e econômica; PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2016, sendo esta a segunda elevação no ano e decima sétima elevação consecutiva. Estas elevações podem

Leia mais

Resultados do 1 Trimestre de 2017

Resultados do 1 Trimestre de 2017 Resultados do 1 Trimestre de 2017 Destaques Resultado (R$ Milhões) 1T17 4T16 Trim 12M Lucro Líquido Ajustado 4.648 4.385 6,0% 13,0% Margem Financeira de Juros 15.900 16.743 (5,0%) 7,9% Receitas de Prestação

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Setembro/2017 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 15 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção

PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção PAIC confirma que 2005 não foi um ano bom para grande parte das empresas da construção O balanço de final do ano de 2005 já mostrará que se não foi um ano perdido, os resultados frustraram as expectativas

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF. Intenção de Consumo das Famílias Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina ICF Intenção de Consumo das Famílias Núcleo de Estudos Estratégicos Fecomércio SC Junho de 2016 SUMÁRIO EMPREGO, RENDA E CONSUMO ATUAIS...

Leia mais

Estoques diminuem, porém continuam acima do planejado e as perspectivas para o emprego são de estabilidade mesmo com alguma redução de demanda.

Estoques diminuem, porém continuam acima do planejado e as perspectivas para o emprego são de estabilidade mesmo com alguma redução de demanda. Setembro de 2012 Estoques diminuem, porém continuam acima do planejado e as perspectivas para o emprego são de estabilidade mesmo com alguma redução de demanda. A Sondagem industrial, realizada entre 1

Leia mais