Denominação geral dos tumores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Denominação geral dos tumores"

Transcrição

1 Imunologia dos tumores

2 Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e adiposas Linfomas - massas sólidas de células linfóides Leucemias - linfócitos e outras células hematopoiéticas

3

4

5 Principais características das células tumorais Falha em responder aos sinais regulatórios do crescimento e reparo tecidual Crescimento autônomo sem necessidade de sinais exógenos de crescimento Crescimento invasivo de tecido normal subjacente

6 Principais características das células tumorais Crescimento metastático em órgãos ou tecidos distantes Origem monoclonal Heterogeneidade antigênica das células Atividades bioquímicas alteradas Anormalidades cromossômicas

7 Fases de desenvolvimento de neoplasias

8

9 Expressão de antigenos tumorais Antígenos tumor-específicos e tumor-associados

10 Classificação moderna dos Ags tumorais (estrutura molecular e fonte de antígenos ) Produtos de genes mutados Expressão anormal de proteínas não mutadas Antígenos de vírus oncogênicos Antígenos oncofetais Antígenos glicolipídiocos e glicoprotéicos anterados Antígenos de diferenciação tecido-específicos

11 Prtodutos de genes mutados Oncogenes e genes supressores mutados produzem proteínas alteradas. São produtos de mutações pontuais, deleções e translocações cromossômicas Mutação Ras: 10% dos carcinomas humanos Mutação p53: quase 50% dos tumores humanos

12 Expressão anormal de proteínas não mutadas (antígenos silentes) Proteínas celulares expressas em baixa concentração nas células normais e superexpressas na tumorais tirosinase biossíntese de melanina MAGE 1 - células germinativas de testículo e trofoblasto (placenta) - melanomas, tumor de cabeça e pescoço, alguns tipos de câncer pulmonar, bexiga, mama, próstata, sarcomas.

13 Antígenos de vírus oncogênicos Biossíntese de moléculas novas antígenos controlados por vírus Oncogênese viral

14 Tumores de etiologia viral

15 Antígenos oncofetais Expressão aberrante de antígenos fetais ou Ag de diferenciação celular CEA (Ag carcinoembriônico) - intestino fetal e câncer de cólon, pãncreas, estômago e mama. Bom marcador para monitoramento Alfafetoproteína - Fígado fetal e saco vitelínico - soro de pcientes com tumor hepático (70%), carcinoma testicular (80%), cirrose e hepatite B.

16 Ags glicolipídicos e glicoprotéicos Superexpressão ou expressão de moléculas alteradas de glicoproteínas e glicolípides Gangliosídeos, mucinas e antígenos de grupos sanguíneos Gangliosídeos: GM2, GD2, GD3 altos níveis em neuroblastomas, melanomas e sarcomas Mucinas: glicoproteínas de alto PM presentes no muco Epítopos específicos: CA-125, CA19-9 (CA ovário), MUC-1 (CA ductal de mama)

17 Ags diferenciação tecido-específicos CD5 - Marcador de linfócitos T - leucemia linfocitária crônica de linfócitos B CD10 e CD 20 marcadores de célula B diagnóstico de linfoma B

18 Mecanismos imunológicos de resistência aos tumores

19 Células envolvidas no combate aos tumores

20 Apresentação de Ag

21

22 Importância do MHC de classe I na resistência antitumoral

23

24

25 Kiss of death Contato letal entre uma célula citotóxica e uma célula alvo

26 Mecanismo de lise osmótica

27 Lise da célula alvo

28 Lise da célula alvo

29

30 Conteúdo dos grânulos citotóxicos Perforina e granulosina Granzimas A,B,C,D,E,F,G,H,K e M Serglicina Calreticulina inibidora de perforina Enzimas lisossomais: Catepsina C processamento de granzimas Catepsina B autoproteção contra a perforina Fas ligante e β-quimiocinas

31

32

33 Destruição da célula alvo mediada por FasL e Fas

34 Células NK

35 Células NK Ação precoce contra células transformadas MHC-independente Ação inibitória pelos antígenos de classe I Perforinas lise osmótica Granzimas indução de apoptose Atividade lítica pode ser aumentada por IFN-α, IFN-γ, IL-12, IL-2 e IL-18.

36 Receptores das células NK

37 ADCC Citotoxicidade celular dependente de anticorpo

38 Interação de NK com célula-alvo

39 LAK cells Lymphokine activated killer cells Ativação de NK por IL-2

40 Citocinas envolvidas na resistência antitumoral IL-2 LAK, proliferação celular IL-12 ativação de Th1 IL-18 ativação de Th1 e CTL GM-CSF Geração de cel. Dendrítica IL-15 geração e ativação de NK IFN-alfa ativação de NK e indução de IL-12

41 Citocinas envolvidas na resistência IL-1 => inibe ligação de bfgf às células endoteliais IFN-γ => inibe a estimulação promovida pelo bfgf pouco eficiente na clínica TNF-α Altas concentrações são tóxicas Baixas concentrações - crescimento

42 Mecanismos de escape 1 Baixa imunogenicidade Crescimento seletivo de variantes Ag-negativas 2 - Expressão subreguladas de moléculas do MHC 3 - Ausência de co-estimulação 4 - Shedding de antígenos tumorais Formação de I.C. circulantes com bloqueio de NK Endocitose de I.C. e impedimento de opsonização

43 Expressão de baixos níveis de moléculas de classe I Linfoma de Burkitt infecção por EBV subregulação de TAP 1 e TAP 2 Carcinoma cervical 90% apresentam DNA de papilomavírus (HPV 16) perda de TAP 1 33% cancer de mama classe I-negativas, 44% das metástases classe I-negativas Perda de MHC I é mais freqüente em metástases do que nos tumores primários. Outros: cancer colorretal, pulmão, renal.

44 Ausência de sinais co-estimulatórios

45 Sheddind de antígenos

46 Mecanismos de escape Imunossupressão por produtos do tumor TGF-α, TGF-β IL-10 Prostaglandinas IL-1 IL-6

47

48 Indoleamine 2,3- dioxygenase (IDO) Catalisador da degradação de triptofano necessário para proliferação de linfócitos T

49 Mecanismos de escape Angiogênese bfgf: Mo, fibroblastos, cel. endoteliais, cel. músculo liso, cél. tumoral VEGF: tumor, Mo, fibroblastos, musculo liso TGF-α, TGF-β (cel. tumoral ou Mo) PDGF (platelet-derived growth factor): Mo EGF (epidermal grpwth factor): Mo PGE 2 (prostagladina E 2 ): Mo, tumor

50

51

52

53 Imunoterapia antitumoral

54 Lymphokine-activated killer cells (CD8 +, NK, NKT)

55 Terapia antitumoral com citocinas

56 IFN-α Leucemia de células pilosas Sarcoma da Kaposi Leucemia mielógena crônica Linfomas Mielomas Carcinoma de células renais Melanoma

57

58

59

60 Imunoterapia com células tumorais transfectadas com genes de citocinas

61 Uso de anticorpos no combate aos tumores

62 Imunoterapia com anticorpos monoclonais

63

64

65 Produção de anticorpos biespecíficos e Ac humanizados

66

67

68

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores Introdução Objetivos Ags expressados pelas células cancerosas Natureza da resposta Imune Como o câncer escapa do sistema Imune Imunoterapia Introdução ao Câncer Crescimento descontrolado produz um tumor

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES Neoplasias Histórico Classificação : linhagem celular, histomorfologia e comportamento clínicobiológico. Carcinogênese experimental

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

Imunologia dos Tumores. Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto

Imunologia dos Tumores. Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto Imunologia dos Tumores Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto O que é um tumor? Células quando expostas a produtos químicos,

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Deste modo, a imunologia dos tumores é uma área de conhecimento que envolve o estudo de: IMUNOLOGIA DOS TUMORES

Deste modo, a imunologia dos tumores é uma área de conhecimento que envolve o estudo de: IMUNOLOGIA DOS TUMORES IMUNOLOGIA DOS TUMORES Um dos tópicos mais fascinantes e ainda incompreensíveis no estudo da imunologia se refere à resistência e interação do sistema imune com tumores. Há fortes evidências de que o sistema

Leia mais

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa:

4 - A radiação Ultra Violeta pode produzir efeitos lesivos para a célula e esta melhor representado pela alternativa: 1 - A respeito da inflamação crônica, analise as assertivas a seguir: I) A inflamação crônica sempre tem início após a inflamação aguda. II) A inflamação crônica inespecífica é observada em resposta à

Leia mais

3º PROVA PATOLOGIA GERAL

3º PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - A imunoterapia tem sido usado no tratamento de tumores e em alguns casos com sucesso significativo, meios de imunização ativo e passivo foram empregados para estimular o sistema imune. A melhor resposta

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER. Orientadora, docente do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG USO DE MARCADORES TUMORAIS PARA DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DO CÂNCER Gyzelly Gondim de Oliveira 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2 1 Graduanda do Curso de Farmácia, UnuCET Anápolis - UEG

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Imunologia dos Tr T ansplantes

Imunologia dos Tr T ansplantes Imunologia dos Transplantes Base genética da rejeição Camundongos isogênicos - todos os animais possuem genes idênticos Transplante de pele entre animais de linhagens diferentes rejeição ou aceitação depende

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010

Marcadores tumorais. Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Carla Almeida Setembro 2010 Marcadores tumorais Marcadores tumorais Marcadores Tumorais são substâncias que podem ser encontradas em quantidades acima do normal no sangue, urina ou

Leia mais

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE

BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE 6 BIOLOGIA TUMORAL E CARCINOGÊNESE INTRODUÇÃO A história natural da maioria dos tumores malignos pode ser dividida em 4 fases: (1) transformação maligna, (2) crescimento da célula transformada, (3) invasão

Leia mais

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Auto-imunidade Doenças auto-imunes Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Célula tronco-hematopoiética Pluripotente. - Progenitor linfóide comum - Progenitor

Leia mais

Patologia geral. Neoplasias- quinta aula. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs

Patologia geral. Neoplasias- quinta aula. Alunos 4º semestre. Prof. Jane Maria Ulbrich. Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Patologia geral Neoplasias- quinta aula Alunos 4º semestre Prof. Jane Maria Ulbrich Prof. Adjunta do Departamento de Patologia Famed/Ufrgs Material utilizado em sala de aula com alunos A doença metastática

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. COMANDO DA AERONÁUTICA VERSÃO B EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) ESPECIALIDADE: CANCEROLOGIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Este caderno contém

Leia mais

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861

Princípios de Oncologia Clínica. Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Princípios de Oncologia Clínica Dr. Wesley Vargas Moura Oncologista Clínico CRM ES 3861 Histórico 1900 Termo Quimioterapia Dr. Paul Ehrlich (1854-1915) Anos 40 Segunda Guerra Mundial Ilha de Bali 1943

Leia mais

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama

Câncer de Mama IZABELLA SERAPHIM PITANGA. Princípios Básicos História Natural Epidemiologia. Mastologista do Núcleo da Mama Câncer de Mama Princípios Básicos História Natural Epidemiologia IZABELLA SERAPHIM PITANGA Mastologista do Núcleo da Mama O QUE É CÂNCER? Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

IMUNOLOGIA DOS TUMORES Monitor: Osvaldo

IMUNOLOGIA DOS TUMORES Monitor: Osvaldo Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 IMUNOLOGIA DOS TUMORES Monitor: Osvaldo Sumário; 1. Introdução...

Leia mais

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE

Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE Doutoranda Marina Curado Valsechi Profa. Dra. Ana Elizabete Silva Laboratório de Citogenética e Biologia Molecular Departamento de Biologia IBILCE UNESP, São José do Rio Preto Câncer : Doença Genética?

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Ana Carolina Étori Aguiar

Ana Carolina Étori Aguiar Ana Carolina Étori Aguiar SUMÁRIO Conceito; Imunidade Inata Componentes; Reconhecimento de microrganismos; Mecanismos efetores; Distúrbios congênitos e alterações na Imunidade Inata; Desafios e Previsões.

Leia mais

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas:

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas: GENÉTICA E CÂNCER O câncer é uma doença genética, independentemente de ocorrer de forma esporádica ou hereditária, pois a carcinogênese sempre inicia com danos no DNA. Geralmente, esses danos são potencializados

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço

Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço Carcinogênese, Biologia Tumoral e Marcadores Tumorais em Câncer de Cabeça e Pescoço A P R E S E N T A D O R : S E L I N A L D O A M O R I M R E S I D E N T E D E C I R U R G I A D E C A B E Ç A E P E S

Leia mais

Câncer e Sistema Imune

Câncer e Sistema Imune Câncer e Sistema Imune Causas de morte no ocidente Doenças cardiovasculares Câncer Tumores (neoplasias) Tumores benignos: incapazes de crescer indefinidamente, não invadem tecidos vizinhos saudáveis Tumores

Leia mais

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes

4 fases. o Fase S o Fase M o Fase G1 o Fase G2. Status de nutrientes Pós-graduação em Nutrição Clínica e Gastronomia Funcional do NECPAR NUTRIÇÃO NO CÂNCER Nut. Ariana Ferrari Período que ocorre os eventos necessários para a divisão celular 4 fases o Fase S o Fase M o Fase

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado

CITOCINAS/INTERLEUCINAS. Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado CITOCINAS/INTERLEUCINAS Universidade Estadual Paulsita Imunologia Veterinária Prof. Helio Montassier Andréa Maria C. Calado Introdução Respostas imunes: interações entre as diferentes populações celulares.

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013

IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013 IMUNOLOGIA DO CÂNCER Prof. Dr. Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Atualizado até 2013 Gênese do câncer A célula cancerosa é originada de uma célula normal que

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE A ENERGIA NUCLEAR E OS SEUS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE NISE HITOMI YAMAGUCHI ONCOLOGISTA E IMUNOLOGISTA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO MINISTÉRIO DA SAÚDE-ESTADO DE SÃO PAULO ENERGIA NUCLEAR DIAGNÓSTICO NA MEDICINA

Leia mais

III Curso de Sinalização Celular no Câncer

III Curso de Sinalização Celular no Câncer III Curso de Sinalização Celular no Câncer AbordagensImunoterapêuticas Para Câncer Maria Aparecida Lima da Silva, PhD Lab. Sinalização e Plasticidade Celular-UFRGS Centro de Tecnologia e Terapia Celular

Leia mais

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma AUTOIMUNIDADE Conceito Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma série de antígenos próprios Doença Autoimune é uma síndrome provocada por lesão tissular ou alteração funcional

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

Departamento de Patologia - Patologia Molecular - CÂNCER. Lucas Brandão. www.lucasbrandao.org. professor@lucasbrandao.org

Departamento de Patologia - Patologia Molecular - CÂNCER. Lucas Brandão. www.lucasbrandao.org. professor@lucasbrandao.org Departamento de Patologia - Patologia Molecular - CÂNCER Lucas Brandão www.lucasbrandao.org professor@lucasbrandao.org O Câncer mata... É a segunda principal causa de morte no mundo. Perde apenas para

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

CICLO CELULAR. Profª Ana Luisa Miranda Vilela. e adultos aproximadamente 100 trilhões de células, todas derivadas do ovo fertilizado.

CICLO CELULAR. Profª Ana Luisa Miranda Vilela. e adultos aproximadamente 100 trilhões de células, todas derivadas do ovo fertilizado. Profª Ana Luisa Miranda Vilela CICLO CELULAR e adultos aproximadamente 100 trilhões de células, todas derivadas do ovo fertilizado. Grande número de células se dividem continuamente, substituindo as que

Leia mais

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores.

Agentes... Célula Normal. Causa... Divisão Celular. Célula Neoplásica. Divisão Celular. Físicos Químicos Biológicos. Fatores Reguladores. Célula Normal Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G 2 /M Divisão Celular Neoplasias Fatores Reguladores Controlada Estimuladores Inibidores Homeostase Célula Neoplásica Divisão Celular Ciclo Celular G 0 /G 1 /S/G

Leia mais

Introdução ao sistema imune

Introdução ao sistema imune Introdução ao sistema imune Simone Aparecida Rezende Dep. de Análises Clínicas - Escola de Farmácia Fone: 3559-1032. Aulas, exercícios, exemplos de questões de prova e comunicação com alunos em: www.aulasecia.com/imunobasica

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

CITOCINAS. Aarestrup, F.M.

CITOCINAS. Aarestrup, F.M. CITOCINAS Propriedades gerais Proteínas de baixo peso molecular Comunicação Cel-Cel Mensageiros do sistema imune Receptores de membrana Signal transduction Célula Alvo Expressão de genes Gene Citocina

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS. AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014

MARCADORES TUMORAIS. AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014 MARCADORES TUMORAIS AUTOR: PROF. DR. PAULO CESAR NAOUM Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP, Brasil 2014 O QUE SÃO MARCADORES TUMORAIS(MT) SÃO SUBSTÂNCIAS PRODUZIDAS POR TECIDOS

Leia mais

Câncer de pele: estudo dos principais marcadores moleculares do melanoma cutâneo

Câncer de pele: estudo dos principais marcadores moleculares do melanoma cutâneo Revisão de Literatura Câncer de pele Recebido em março de 2003 Câncer de pele: estudo dos principais marcadores moleculares do melanoma cutâneo Skin cancer: main molecular markers of cutaneous melanoma

Leia mais

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa Página 1 de 5 Editorial A esperança celular Carlos Vogt Reportagens Pesquisa brasileira em CT já apresenta resultados Em meio à discussão ética, a pesquisa avança em todo o mundo Faltam leis, sobra polêmica

Leia mais

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e.

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Questão 1 Preencha as lacunas a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Verdadeiro ou falso. Se falso, altere a declaração de modo a torná-la verdadeira. b) A exposição

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Componentes do sistema imunitário Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Capítulo 167 O sistema imunitário é composto por células

Leia mais

Departamento de Patologia! Patologia Molecular! CÂNCER. Lucas Brandão. www.lucasbrandao.org. professor@lucasbrandao.org

Departamento de Patologia! Patologia Molecular! CÂNCER. Lucas Brandão. www.lucasbrandao.org. professor@lucasbrandao.org Departamento de Patologia! Patologia Molecular! CÂNCER Lucas Brandão www.lucasbrandao.org professor@lucasbrandao.org O Câncer mata... É a segunda principal causa de morte no mundo. Perde apenas para doenças

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194

Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina de Imunologia MED 194 Imunologia das Viroses Monitor: Daniel Valente 1.Introdução...

Leia mais

OBJETIVOS -Conhecer os princípios básicos da indução e da manifestação das reações imunológicas nos mecanismos de defesa;

OBJETIVOS -Conhecer os princípios básicos da indução e da manifestação das reações imunológicas nos mecanismos de defesa; DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Campus: Uruguaiana Curso: Enfermagem Componente Curricular: Imunologia Código: UR 1206 Pré requisito: UR 1103 Co Requisito: UR 1203 Professor: Michel Mansur Machado Carga Horária:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Thaissa Torrezini 1, Daniel Abensur Athanazio 2

Thaissa Torrezini 1, Daniel Abensur Athanazio 2 Revisão de Literatura Imunovigilância e Imunoedição de Neoplasias Artigo submetido em 31/7/06; aceito para publicação em 29/5/07 Imunovigilância e Imunoedição de Neoplasias: Implicações Clínicas e Potencial

Leia mais

Microambiente tumoral. Cristiane C. Bandeira A. Nimir

Microambiente tumoral. Cristiane C. Bandeira A. Nimir Microambiente tumoral Cristiane C. Bandeira A. Nimir cristiane@nimir.com.br PROGRESSÃO E AGRESSÃO TUMORAL CÉLULA NEOPLÁSICA: - Acúmulo de mutações CONTROLE DO CICLO CELULAR!! PROGRESSÃO E AGRESSÃO TUMORAL

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

NEOPLASIAS. Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros. Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

NEOPLASIAS. Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros. Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas NEOPLASIAS Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas INTRODUÇÃO Multiplicação celular ocorre constantemente Indispensável para repor células que

Leia mais

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Ontogenia do Linfócito T

Ontogenia do Linfócito T Ontogenia do Linfócito T Processamento e Apresentação de Antígenos para Reconhecimento por TCR Diferente da imunoglobulina, o receptor do linfócito T reconhece antígeno protéico somente quando associado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO AVALIAÇÃO CLÍNICA E DE CITOCINAS SÉRICAS DE PACIENTES SUBMETIDAS À IMUNOTERAPIA COM CÉLULAS DENDRÍTICAS EM NEOPLASIAS PRÉ-INVASIVAS E INVASIVAS Tânia Maria de

Leia mais

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Citologia Clínica. Exame qualitativo da urina. Exame de urina de rotina. Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Citologia Clínica Aula 9 Exame qualitativo de Urina Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Exame qualitativo da urina Diagnóstico de doença renal, no trato urinário, sistêmicas não relacionadas com o rim.

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER

BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER 40 CONGRESSO BRASILEIRO DE ANÁLISES CLÍNICAS FLORIANÓPOLIS, 16 DE JUNHO DE 2013 (11:00 11:45H) BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO

Leia mais

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi

Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi Patogênese Viral Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Microbiologia Prof. Dr. Charlotte Marianna Hársi BMM-280-2009 Patogênese Viral Como os vírus causam doença no hospedeiro? Virulência =

Leia mais

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4.

Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. BASES CELULARES DO CANCER. Maysa Paula da Costa 1, 3 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3,4. 1 Graduanda Curso de Ciências Biológicas UEG/UNuCET 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2)

Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2) IMUNOLOGIA BÁSICA Tópicos de Imunologia Celular e Molecular (Parte 2) Prof. M. Sc. Paulo Galdino Os três outros tipos de hipersensibilidade ( II, III e IV) têm em comum uma reação exagerada do sistema

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro.

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. TUMOR-BUSTING Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. VÍRUS Isolar nas terapias Células tumorais Evitar danos Células normais Eliminar muitos efeitos colaterais nocivos

Leia mais

Hematopoiese. Aarestrup, F.M.

Hematopoiese. Aarestrup, F.M. Hematopoiese Stem cells - pluripotencial Baixa frequência -1/10 4 cels da M.O Proliferação e diferenciação - linhagens linfóide e mielóide (3.7 X 10 11 cels/dia) Cels do estroma M.O - hematopoietic-inducing

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais

Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Universidade Federal Fluminense Resposta do hospedeiro às infecções virais Disciplina de Virologia Departamento de Microbiologia e Parasitologia (MIP) Mecanismos de resposta inespecífica Barreiras anatômicas

Leia mais

Imunossupressores e Agentes Biológicos

Imunossupressores e Agentes Biológicos Imunossupressores e Agentes Biológicos Histórico Início da década de 1960 Transplantes Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Doenças autoimunes Neoplasias Imunossupressores Redução

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER

INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER INTERFACES MOLECULARES, CELULARES E TERAPÊUTICAS DO CÂNCER PROF.DR. PAULO CESAR NAOUM ACADEMIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÀO JOSÉ DO RIO PRETO,SP REVISÃO ATÉ 2013 *TODOS OS TIPOS DE CÂNCER TÊM ORIGEM

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Imunologia Professor: Ana Lucila dos Santos Costa E-mail: anafar2@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 40h Créditos:

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores ASTRAZENECA, CNPq e CAPES Unidos pelo desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação ASTRAZENECA Somos uma companhia biofarmacêutica global, voltada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos inovadores

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaborador Texto Introdutório MARCADORES TUMORAIS CIRCULANTES USOS E LIMITAÇÕES Adagmar Andriolo. Médico Patologista Clínico, Professor Livre Docente de Patologia Clínica do Departamento de Medicina

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Introdução ao Tratamento Oncológico

Introdução ao Tratamento Oncológico Introdução ao Tratamento Oncológico Diogo Rodrigues Médico oncologista da COI - Clínicas Oncológicas Integradas Gerente Médico do Instituto COI de Pesquisa, Educação e Gestão TÓPICOS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

1ª PROVA PATOLOGIA GERAL

1ª PROVA PATOLOGIA GERAL 1ª PROVA PATOLOGIA GERAL 1 - São células que participam do processo inflamatório, exceto: (a) Macrófagos (b) Plamócitos (c) Monócitos (d) Fibrócitos (e) Linfócitos 2 - São células classificadas como permanentes,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto Genoma, terapia gênica, genética do câncer, oncogenes, carcinogênese

PALAVRAS-CHAVE Projeto Genoma, terapia gênica, genética do câncer, oncogenes, carcinogênese PROJETO GENOMA NA CURA DO CÂNCER José Anulino Ferreira Neto¹, Erli de Souza Bento², Eliana da Costa Alvarenga² 1 Discente do 8º período de Biomedicina da instituição AEMS 2 Docentes das Faculdades Integradas

Leia mais

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015

ONCOGÊNESE UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES O QUE É O CÂNCER PROCESSO FISIOPATOLÓGICO 16/08/2015 UNESC FACULDADES ENFERMAGEM ONCOLOGIA PROFª FLÁVIA NUNES ONCOGÊNESE O QUE É O CÂNCER Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais