Imunologia dos Tumores. Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imunologia dos Tumores. Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto"

Transcrição

1 Imunologia dos Tumores Bruna Queiroz Pinto Claudio Saverio Ribeiro Geovana Vasconcelos Leão Maria Cecília Zonetti Bottaro Mariana Maseiro Porto

2 O que é um tumor? Células quando expostas a produtos químicos, radiação, infecção de certos vírus ou mutações podem começar a se proliferar de maneira anormal (exagerado), produzindo assim, tumor ou neoplasma.

3 Existem dois tipos de tumores: Benignos São constituídos por células bem semelhantes às que os originou, bem delimitados, de crescimento lento e podem ser retirados cirurgicamente, além de que não reincidem após sua remoção, e nem se espalham. Malignos As células tumorais se separam da massa neoplásica principal e são carreadas pelo sangue ou pela linfa para locais distantes, onde se alojam e continuam a crescer. Os tumores secundários que surgem nesses sítios distantes são chamados de metástases.

4 Imunidade específica Baseia-se na ideia de que a célula tumoral apresenta alguma diferença estrutural de sua contraparte normal e que esta anormalidade seja reconhecida pelo sistema imune. Os componente neoexpresso, se for reconhecido pelo sistema imune como estranho é um antígeno tumoral. Um dos principais objetivos de um imunologista de tumores é identificar tal antígeno e mostrar que ele não está presente na célula normal fetal ou outro estado de diferenciação, bem como demonstrar que não está expresso em outros tecidos normais.

5 A eficácia do sistema imune em eliminar células neoplásicas está: (1) na dependência que estas células sofram alterações (2) que deverão ser reconhecidas pelo Sistema Imune (3) que colocará em ação componentes eficazes na destruição destas células Caso haja falha em uma destas três etapas, a célula tumoral escapará ao controle imunológico.

6 Tumores como Aloenxertos Popularização de transplante de órgãos pela criação de drogas imunossupressoras. Pacientes mais suscetíveis ao desenvolvimento de cânceres do que indivíduos não-imunossuprimidos. Imunodeficiências maior tendência tumores malignos. O sistema imunológico e de grande importância na prevenção do câncer.

7 Função fiscalizadora do sistema imune por células Segundo essa teoria, o organismo constantemente produz células neoplásicas que, em indivíduos sadios, são rapidamente reconhecidas e eliminadas pelo sistema imunológico. Desta forma, o câncer somente conseguiria progredir se as células tumorais conseguissem impedir seu reconhecimento pelos linfócitos T.

8 Problemas encontrados Os cânceres humanos comuns, não se desenvolvem com maior frequência em pessoas imunodeficiências. camundongos desnudos (nu/nu), embora deficientes em linfócitos T, não são mais suscetíveis do que camundongos normais a tumores quimicamente induzidos ou espontâneos. Observações experimentais apoiam a ideia de que o sistema imunológico pode não diferenciar normalmente as células tumorais das normais e saudáveis.

9 Situações em que SI reconhece e destroe as celulas tumorais Algumas linhagens de camundongos imunodeficientes, apresentam maior prevalência de cânceres espontâneos. Os camundongos knockout, que não possuem o gene ativador da recombinase (RAG), não produzem linfócitos T e B funcionais, e por isso apresentam uma maior incidência a tumores espontâneos no epitélio intestinal. O SI age como um controlador de tumores. As celulas podem ser elimidas pela imunovigilância ou escapar dela e se multiplicarem. Desencadeamento da inflamacao (CD) e eliminacao de celulas tumorais.

10 Apesar da hipótese da vigilância imunológica tenha sido modificada, o sistema imunológico pode destruir as células tumorais; além disso, essa resposta pode ser intensificada para proteger o indivíduo de alguns cânceres.

11 Antigenos associados ao tumor O organismo deve diferenciar as células normais das células tumorais, para que o sistema imuni reaja contra um tumor. Essa diferença antigênica pode se observar pela perda e ganho de moléculas de membrana celular. Os linfócitos T do hospedeiro devem reconhecer os antígenos tumorais.

12 Algumas das grandes variedades de antigenos novos que podem aparecer na membrana da celula tumoral e provocar uma resposta imune.

13 Podem, por exemplo, perder os antígenos do MHC ou antígenos sanguíneos. Alguns tumores intestinais perdem a capacidade de produzir muco. Em alguns outros casos, as células tumorais podem ganhar antígenos, e ainda em alguns casos a ocorrência natural de tumores em adultos, são produzidas proteínas, que encontra normalmente nos fetos (antígenos oncofetais).

14 Como assim? Algumas células tumorais, por exemplo, podem expressar os produtos de genes de desenvolvimento, que são desligados nas células adultas e são normalmente expressos no início da vida de um indivíduo. São chamadas de antígenos oncofetais. Exemplos incluem tumores do trato gastrointestinal que produzem uma glicoproteína denominada antígeno carcinoembrionário (CEA), normalmente encontrada apenas no intestino fetal. Os níveis que estão além do normal são usados para predizer recorrência de tumores colo-retais (adenocarcinoma no cólon ou reto). A alfa-fetoproteína produzida pelas células do hepatoma é normalmente encontrada apenas no fígado fetal. Da mesma forma, o carcinoma de células escamosas pode possuir antígenos que costumam ser restritos ao fígado e a pele do feto. Esses antígenos oncofetais são, de forma geral, maus imunógenos, e não levam ao estabelecimento de imunidade protetora. Porém, sua quantificação no sangue pode ser útil no diagnóstico e monitoramento da progressão do tumor.

15 Há tambem os tumores induzidos por vírus oncogênicos, que tendem a ganhar novos antígenos característicos dos patógenos indutores ou de outros retrovírus endógenos. Esses antígenos, embora codificados por genoma viral, não são parte de um vírus. Exemplo disto e a leucemia felina e tumores de Marek (encontradas nas celulas tumorais das galinhas). Ambas são tumores de celulas T induzidas por virus e de ocorrencia natural.

16 Tambem encontadas proteínas normais produzidas exageradamente. O antígeno prostático específico (PSA) produzido pelo epitélio da próstata e exemplo. A grande quantidade dessa proteína indica a acelerada atividade do órgão. Uma causa desse aumento é o crescimento de um carcinoma. Antígenos câncer/testículo (CT) um grupo de antígenos tumorais de expressão gênica restrito às células germinativas masculinas do testículo e várias neoplasias malignas. Sua função nos tumores é desconhecida

17 Imunidade aos tumores A apresentação de células diferentes das normais são consideradas estranhas pelo sistema imuni e são atacadas. Esse ataque conta com principalmente linfócitos T, células citotóxicas. estranhas às células do sistema imunológico, principalmente aos linfócitos T citotóxico e por células NK (natural killer). Contando também com macrófagos ativados e anticorpos.

18 Células Exterminadoras Naturais As Células NK compõem cerca de 15% dos Linfócitos dos sangue periférico. Essas células, tem a capacidade de matar células tumorais e infectadas por vírus. São geralmente grandes, não fagocíticas e granulares Surgem a partir da medula óssea e não precisa do timo para seu desenvolvimento São encontradas principalmente nos órgãos linfóides secundários.

19 Marcadores de Superfície As células NK expressam antígenos: CD56 no homem CD2, CD10, CD95L como ligante do faz. CD8 e Cd154 como função imunoregulatórias

20

21 Mecanismos Efetores A morte mediada pelas células NK se dá por meio de duas vias: -Via Intrínseca: Possui perforinas e duas proteínas (granulisina e NK-lisina) -Via Extrínseca: Envolve CD95L, perforinas, granulisina e NK-lisina A expressão dessas moléculas é aumentada pela exposição à IL-2 e à IL-12

22 O que as células NK causam? As células NK produzem pequenas lesões na superfície das células-alvo. Através dos canais de perforina, as granzimas são injetadas nas células-alvo. O CD-95L ao se ligar com seu recepto(cd-95), pode induzir uma apoptose nas célulasalvo. As células NK também secretam fragmentina que pode fragmentar o DNA e apoptose nas células-alvo.

23 Reconhecimento da Célula-alvo Células NK reconhecem: células tumorais outras células anormais Células normais sinais inibidores predominam Sua citotoxidade provém de receptores: ativadores inibidores Células anormais sinais ativadores predominam Para se esconder dentro de células tumorais e infectadas, alguns vírus utilizam a supressão da expressão do MHC-I.-

24 - Os Complexos de antígenos-mhc-i são um sinal inibitório para bloquear o processo natural das células NK, que são programadas para matar por meio da superfície celular, células nucleadas, e os receptores que proporciona esse sinal varia de camundongo pra primata. Nos camundongos, os receptores são Lectinas tipo C, que não são encontradas em primatas. No caso dos primatas, os receptores são KIR(membros da família de receptores inibidores das células exterminadoras), não encontradas em camundongos. O CD94 é um receptor de MHC adicional, este se liga a MHC-I não polimórfica HLA-E.

25 Outro mecanismo importante para as células NK reconhecer proteína chamada MICA Essa proteína só é expressada em células infectadas por vírus ou cancerígenas As células NK possuem receptor para a MICA, ao se ligar os efeitos inibitórios de MHC-I são superdirecionados, e as células NK matam o alvo. O CD-16 é um receptor de Fc(FcRIII) expresso em macrófagos, granulócitos e células NK. São importantes pois a partir de um processo que o envolve é que as células NK reconhecem a célula-alvo. A estimulação das células de NK por um antígeno e um anticorpo por meio do CD-16 resulta na produção de IFN-y, do CD25 e TNF- alfa.

26 Função Inicialmente, acreditava-se que as células NK funcionavam apenas como um sistema inato de vigilância anti-tumoral. Hoje sabe-se que elas são ativas contra células de xenoenxertos ou infectadas por vírus. As células NK podem destruir bactérias, como o Staphylococcus aureus e a Salmonella enterica typhimurium, protozoários, como o Neospora caninum, e alguns fungos.

27 Estudos realizados em linhagens tumorais cultivadas in vitro sustentam a participação das células NK na imunidade inata antitumoral. É possível aumentar a resistência ao crescimento tumoral in vivo por meio da transferências passiva de NK. As células NK destroem as células dessas linhagens; e in vitro destroem células de leucemia e mielomas humanos (células de sarcoma e carcinoma), e o aumento dessa atividade é causado pelo IFN-γ. E ainda podem invadir pequenos tumores primários. Agentes carcinogenicos (uretano, dimetilbenzantraceno e baixas doses de radiação) e alguns extresses, como uma cirurgia, podem reduzir a atividade das células NK e contribuir e promover o crescimento do tumor.

28 Regulação As atividades das células NK é regulada por IL- 2, IL-3, IL-4,IL-12 e IFN-y, cada um de um modo diferente. No caso de IL-2, a presença deste induz uma diferenciação in vitro, aumentando a atividade citotóxica de forma a lisar os alvos, com IL-4 também aumenta a citotoxicidade, já IL-3 garante a vida da células NK não deixando que morram.

29 Em Doenças virais, os macrófagos fagocitam os invasores e produzem TNF-alfa e a IL-12. Estas por sua vez induzem a produção de IFN-y pela células de NK. Assim o IFN-y ativa os macrófagos aumentando a produção de TNF-alfa. A neutralização do interferon aumenta os tumores em camundongos, pois diminui também a atividade da célula NK. Resumindo, o interferon pode ajudar no combate a cânceres, como IFN-alfa que é muito importante no combate a leucemia e sarcoma de Kaposi. As quimiocinas da família CC também podem regular as células NK,como MIP e MCP.

30 Diferenças nas Espécies Bovinos Suas células NK são encontradas em grande quantidade no baço e no sangue das periferias. Elas podem atacar as células-alvo cancerosas humanas e as bovinas que estão infectadas com Pl3, BLV e BHV-.

31 Suas células NK são encontradas em maior quantidade no baço e no sangue da periferia, mas também são encontradas em pequenas quantidades nos linfonodos ou no timo. Suínos Elas podem lisar as células cancerosas humanas e as células infectadas com o vírus da gastroenterite transmissível ou o vírus da pseudorraiva.

32 Suas células NK são encontradas no sangue e no baço. Gatos São ativadas contra as células felinas infectadas pelo vírus da leucemia felina, herpesvírus felino ou da varíola bovina.

33 Cães Elas podem lisar as células infectadas com o vírus da cinomose, assim como as células cancerosas dos melanomas, sarcomas e carcinomas mamários.

34 Equinos São ativas contra células-alvo tumorais humanas.

35 Galinhas Suas células NK são encontradas no timo, na bursa, no baço e no epitélio intestinal. Elas podem atacar células cancerosas humanas e as infectadas com vírus da leucose linfoide, da leucemia e o da doença de Marek.

36 Outras defesas celulares Imunidade Mediada por células T Células NK1 Reconhecem membros da família gênica de CD1 na ausência de antígenos estranhos. Subpopulação de células Tα/β encontradas em camundongos. Expressam receptores das linhagens de célula NK e secretam grandes quantidades de citocinas. Seu repertório de TCR é limitado pois usam uma cadeira α invariante junto com as β policlonais.

37 Como detectar uma resposta mediada por células aos antígenos tumorais? Pode ser por meio de teste cutâneo ou usando o teste in vitro. Teste in vitro tal como a inibição da migração de macrófagos. Os linfócitos de alguns animais com tumor podem assumir papel citotóxico nessas células cultivadas in vitro. Porém, as respostas antitumorais por células T só são de fato efetivas no controle de tumores induzidos por vírus.

38 Imunidade mediada por macrófagos Os macrófagos podem exercer papel antitumoral em alguns sistemas experimentais, principalmente os macrófagos ativados por exposição a IFN-γ. Esses macrófagos ativados liberam moléculas citotóxicas (ex.: arginase). A ativação inespecífica de macrófagos pelo bacilo Calmette- Guérin (BCG) ou pelo Propionibacterium acnes resulta no aumento da produção da ll-1 ou do TNF-α e posterior ativação da atividade de células T auxiliares a NK. Os tumores malignos podem inibir a ativação dos macrófagos.

39 Falha na Imunidade às células tumorais As neoplasias são facilmente induzidas e comuns, o que testifica a inadequação dos mecanismos protetores imunológicos. Vários estudos já confirmaram falha do sistema imune na rejeição a tumores.

40 Imunossupressão Animais com tumores, normalmente, são imunossuprimidos. E isso é mais facilmente observado nos portadores de tumores linfoides. Tumores de células B tendem a suprimir a formação dos anticorpos. Tumores de células T tendem a suprimir as respostas imunomediadas por células e a atividade das células NK. Já a imunossupressão de animais com tumores quimicamente induzidos se deve á produção de moléculas imunossupressoras (ex: protaglandinas) a partir de células tumorais ou macrófagos associados.

41 Células Supressoras Podem ser: TCD8+, células Th2 secretoras de ll-10, macrófagos que também podem produzir ll-10 ou células B. Câncer cutâneo induzido pela luz ultravioleta nos camundongos. Normais Cronicamente irradiados Rejeição das células cancerosas. Crescimento das células cancerosas

42 Expressão do Ligante de CD95 O CD95L é normalmente expresso nas células T citotóxicas e células NK. Quando ele se liga ao CD95 nas células-alvo, uma apoptose é desencadeada. Onde o CD95L é detectado? Em algumas células T leucêmicas, células NK, células de adenocarcinoma do cólon, melanomas e carcinomas hepatocelulares.

43 Anticorpos Bloqueadores Fenômeno da Pontencialização As células tumorais são antigênicas e estimulam uma resposta imune protetora, porém os anticorpos podem ter efeito oposto. Assim quando se ministra o soro de um animal portador de tumor e o insere em outro animal, o tumor já existente se potencializa e cresce mais rápido. Esse soro pode ainda inibir a citotoxidade das células T ou das in vitro. -Muitos tumores liberam grandes quantidades de antígeno de superfície celular e podem se ligar às células T citotóxicas, saturando os seus receptores antigênicos e bloqueando a capacidade de ligação com a célulaalvo. - Alternativamente, anticorpos bloqueadores podem ser produzidos. São antitumorais não ativadores do complemento, o que mascara os antígenos tumorais, protegendo as células tumorais das células T citotóxicas.

44 Seleção de Células Tumorais Existem meios de seleção que deixam escapar células tumorais da resposta imune, potencializando sua própria sobrevivência. Introdução: tumor não pode disparar uma resposta imune até que tenha atingido um tamanho já não mais controlável ao hospedeiro. As células tumorais antigenicamente diferentes das do hospedeiro induzirão uma forte resposta imune e serão eliminadas sem induzir uma doença.

45 Imunoterapia Ativa Estimula inespecificamente o sistema imune A resistência contra tumores aumenta com a melhora do sistema imune, mas a cura só se da com a retirada do tumor cirurgicamente ou se o mesmo for pequeno; O imunoestimulante mais utilizado é a cepa atenuada do Mycobacterium bovis (BCG): Ativa macrófagos e libera citosinas, iniciando a atividade das células T; Administração sistêmica ou injetada na massa neoplásica; Pode causar lesões severas e hipersensibili dade sistêmica;

46 Outros imunoestimulantes: P. acnes, levamisol e vacinas bacterianas misturadas. Na imunização específica, o paciente é vacinado com células tumorais ou antígenos, para aumentar a antigenicidade, uma vez que muitos tumores podem escapar das respostas imunes.

47 Imunoterapia Passiva Terapia com citocinas Tratar os pacientes cancerosos com citocinas isoladas; Principais citocinas usadas para o tratamento de neoplasias: IL-2 e TNF-α; IL-2: extremamente tóxica quando administrada sozinha, em baixas doses induz febre, náuseas e ganho de peso, além disso, ela produz anemia, e causa a síndrome de vazamento capilar que resulta em um edema pulmonar maciço e ate alterações neuropsiquiátricas; Quando são injetadas localmente em doses relativamente baixas nos papilomas ou carcinomas vulvares dos bovinos, induzem remissões significativas em 83% dos casos. IL-4: apresenta efeitos tóxicos semelhantes a IL-2;

48 Terapia com células citotóxicas ativadas: NK ativadas predominantes: CD16+, CD3+ e CD56+ Principais células citotóxicas: NK (40%) e Linfócitos T IL-4 e a IL-7 ativam células citotóxicas Resultados encorajadores em pacientes com melanoma, câncer colorretal e renal, no caso de humanos.

49

50 Terapia com anticorpos: Anticorpos monoclonais administrados sozinhos ou complexados a outras drogas altamente tóxicas; Faz com que as células cancerígenas fiquem mais visíveis ao sistema imunológico; Produz bons resultados no tratamento de linfomas nos cães; Fundir as citocinas a anticorpos recombinantes (imunocitocinas), minimizam os efeitos colaterais.

51 Vacinas antitumorais eficazes: Vacinação contra tumores induzidos por vírus; Vacinas mais importantes: Contra leucemia em gatos: as vacinas contêm uma concentração alta dos principais antígenos virais e a imunidade é quase completamente direcionada contra as glicoproteínas virais; Contra doença de Marek (tumor de células T de galinhas que é causado por um herpes vírus): ocorrem respostas imunes antivirais e antitumorais que agiram juntamente para que ocorresse a proteção das aves.

52 Sarcoma Venéreo Transmissível É uma neoplasia(proliferação anormal de células) que normalmente ocorre em cães. Para obter sucesso essas células devem ser capazes de se estabelecer em hospedeiros alogênicos, porém isso nem sempre ocorre, então o tumor regride (mesmo estes cujos tumores regridem desenvolvem células T citotóxicas). O organismo falha em expressar uma microglobulina e, como resultado, os antígenos de MHC de classe I não são reunidos na superfície das células. Os cães expostos desenvolvem anticorpos contra as células tumorais, porém o soro dos cães que tiveram tumores regressivos é mais eficiente.

53

54 Papilomas As verrugas são neoplasias autolimitantes de células epidérmicas induzidas pelo papilomavírus. O vírus invade as celulas epidérmicas na camada celulas basal, pois estas não expressam o antígeno viral e então as células infectadas não serão atacadas. Assim elas sairam da camada basal em direção à superfície cutânea, saindo do vasos sanguíneos e minimizando as chances de ataque imunológico. Os efeitos não costumam ser graves para o organismo pois, por uma lado, a infecção mantém-se localizada e, por outro, os tecidos infectados estão continuamente a ser regenerados, ao mesmo tempo que as células danificadas vão sendo eliminadas

55

56 Sarcóide Eqüino São neoplasias fibroblásticas localmente agressivos da pele equina, podendo ocorrer em todos os equídeos, como em mulas e jumentos. Geralmente estes tumores acometem principalmente região de cabeça, membros e abdômen ventral. CAUSA Ainda não é bem definida, sendo que alguns autores sugerem que pode ser devida uma causa viral, outros relatam sobre a possível relação com o papilomavírus bovino. São notadamente tratáveis com imunoterapia, paredes celulares micobacterianas, além da aplicação da vacina BCG na região entre o tumor e a pele normal.

57

58 Carcinoma Ocular de Células Escamosas Esse é um tumor muito comum e economicamente importante nos bovinos, pois é responsável por grandes perdas econômicas devido à redução na vida reprodutiva ou à condenação de carcaças em abatedouros. A distribuição dessa enfermidade é mundial, porém existe uma associação entre sua ocorrência e a localização geográfica, sendo mais frequente nas regiões de altitudes elevadas e com maior média anual de horas de exposição à luz solar. O tratamento mais comum para o carcinoma ocular é a cirurgia, mas antes de decidir pelo procedimento, é aconselhável considerar: valor do animal, estágio da lactação, localização e extensão do tumor. Pode-se aplicar o soro dos bovinos afetados, este irá reagir com as células cancerosas, mas não com as normais.

59

60 Melanoma Suíno A maioria desses tumores é benigna, e regride de forma espontânea, porém alguns são malignos e letais. A regressão destes tumores, é na maioria das vezes imunomediada, os tumores são invadidos por macrófagos, ao mesmo tempo, os animais geram células T citotóxicas. Os indivíduos que se recuperam também podem gerar Acs conta Ags do melanoma.

61

62 TUMORES LINFÓIDES São resultado de uma proliferação exacerbada e descontrolada de linfócitos, que apesar de induzir uma auto-imunidade, acarreta no desenvolvimento de linfomas ou linfossarcomas. É possível identificar as células presentes em um tumor linfoide por meio dos seus antígenos de superfície.

63 A transformação neoplásica pode ocorrer em células linfóides de ambos os ramos do sistema imunológico, em qualquer um dos estágios de seu processo de maturação.

64 Vários vírus importantes estimulam a proliferação inespecífica dos linfócitos.

65 Linfossarcoma Bovino É um dos cânceres mais comuns em bovinos, que ocorre em duas principais formas, a enzoótica e esporádica. Esse tumor ocorre de duas formas Enzoótica Esporádica

66 Enzoótica É uma doença causada pelo vírus da leucemia bovina (BLV), que é um retrovírus, este é transmitido por linfócitos infectados, ele se integra estavelmente nos linfócitos B. Os animais com leucose bovina clínica avançada podem ficar imunossuprimidos como resultado da presença no seu soro de um fator supressor.

67 Possui importância econômica reflete no envolvimento da morte de animais, rejeição de carcaças, queda no desempenho produtivo e reprodutivo, e restrição na comercialização de animais soro positivos.

68

69 Esporádica A forma esporádica da doença é rara e dificilmente ocorre mais de um caso por rebanho. É uma doença que acomete na maioria das vezes animais jovens, é etiologia desconhecida e não é transmissível.

70 Linfomas em Outras Espécies Suínos: Linfoma de linfócitos B herdados de forma autossômica recessiva. Ovinos: Linfoma de linfócitos T e B. Equinos: Animais imunossuprimidos. Linfossarcomas de linfócitos T e B.

71 Linfomas em Outras Espécies: CÃES Leucemia linfocítica crônica (CLL): em 70% dos casos envolvem as células T (CD3+) e a maioria é composta por linfócitos granulares. A Leucemia aguda é menos comum em cães e deve ser de origem das células B (19%), de origem milóide ou indiferenciada (13%). Os linfossarcomas respondem por 5 a 7% das malignidades que acometem os cães. Eles podem ser classificados como multicêntricos (acomete os linfonodos superficiais e profundos, o baço, o fígado e a medula óssea), alimentares (acomete o intestino) ou mediastinais anteriores (o timo (forma tímica) e/ou os linfonodos mediastinais anteriores e posteriores). Linfomas cutâneos de células T (micose fungóide) são comuns em cães idosos. As lesões consistem em células CD3+.

72

73 Tumores Linfóides Aviários A doença de Marek é um tumor induzido por um vírus que tem origem nas células T. As aves que são acometidas por essa doença ficam em sua maioria das vezes imunossuprimidas, assim suas respostas de anticorpos, rejeição de alotransplantes e as respostas de hipersensibilidade retardadas ficam todas deprimidas.

74 Isso se deve ao fato de ocorrer destruição linfoide induzida pelo vírus e de haver desenvolvimento de macrófagos supressores, que restringem a replicação das células tumorais, mas ao fazerem isso, suprimem a resistência das aves a outras infecções. Ela afeta os nervos, pele, baço, rins, fígado, ovários, testículos, olhos e as demais vísceras do organismo das aves.

75

76

77 Obrigado

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores Introdução Objetivos Ags expressados pelas células cancerosas Natureza da resposta Imune Como o câncer escapa do sistema Imune Imunoterapia Introdução ao Câncer Crescimento descontrolado produz um tumor

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

Iniciação. Angiogênese. Metástase

Iniciação. Angiogênese. Metástase Imunidade contra tumores Câncer Cancro, tumor, neoplasia, carcinoma Características: Capacidade de proliferação Capacidade de invasão dos tecidos Capacidade de evasão da resposta imune Câncer Transformação

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Componentes do sistema imunitário Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Capítulo 167 O sistema imunitário é composto por células

Leia mais

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni

Resposta imunológica a. Ronei Luciano Mamoni Resposta imunológica a tumores Ronei Luciano Mamoni Tumores Conceitos gerais Neoplasias conceito Neoplasia (neo= novo + plasia = tecido) é o termo que designa alterações celulares que acarretam um crescimento

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia

Auto-imunidade Doenças auto-imunes. Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Auto-imunidade Doenças auto-imunes Sandra Bertelli Ribeiro sandrabertelliribeiro@hotmail.com Doutoranda Lab. de Imunologia Célula tronco-hematopoiética Pluripotente. - Progenitor linfóide comum - Progenitor

Leia mais

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2

Sumário Detalhado Elementos do sistema imune e suas funções na defesa Resumo do Capítulo 1 Questões 28 Imunidade inata Resumo do Capítulo 2 Sumário Detalhado Capítulo 1 Elementos do sistema imune e suas funções na defesa 1 1-1 Numerosos micro-organismos comensais habitam os corpos humanos saudáveis 2 1-2 Patógenos são organismos infecciosos

Leia mais

Imunologia dos Tr T ansplantes

Imunologia dos Tr T ansplantes Imunologia dos Transplantes Base genética da rejeição Camundongos isogênicos - todos os animais possuem genes idênticos Transplante de pele entre animais de linhagens diferentes rejeição ou aceitação depende

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

Morte Celular Programada (Apoptose)

Morte Celular Programada (Apoptose) UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR Morte Celular Programada (Apoptose) Profa. Dra. Nívea Macedo APOPTOSE A morte celular desempenha

Leia mais

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma

Conceito. Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma AUTOIMUNIDADE Conceito Autoimunidade é uma resposta imune específica contra um antígeno ou uma série de antígenos próprios Doença Autoimune é uma síndrome provocada por lesão tissular ou alteração funcional

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

Resposta Imune contra o Câncer

Resposta Imune contra o Câncer Câncer é um termo genérico, que compreende em torno de 200 doenças, cujas células causadoras partilham algumas características em comum: Mutações genéticas; Crescimento descontrolado; Capacidade de migração

Leia mais

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e.

a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Questão 1 Preencha as lacunas a) A diversidade de anticorpos é derivada da recombinação das regiões, e. Verdadeiro ou falso. Se falso, altere a declaração de modo a torná-la verdadeira. b) A exposição

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1

PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES. FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 PROPRIEDADES E VISÃO GERAL DAS RESPOSTAS IMUNES FARMÁCIA PROFa SIMONE PETRI AULA - 1 INTRODUÇÃO A função fisiológica do sistema imune é a defesa contra micro-organismos infecciosos. Entretanto, mesmo

Leia mais

Introdução ao sistema imune

Introdução ao sistema imune Introdução ao sistema imune Simone Aparecida Rezende Dep. de Análises Clínicas - Escola de Farmácia Fone: 3559-1032. Aulas, exercícios, exemplos de questões de prova e comunicação com alunos em: www.aulasecia.com/imunobasica

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue:

Por outro lado, na avaliação citológica e tecidual, o câncer tem seis fases, conhecidas por fases biológicas do câncer, conforme se segue: 8 - O câncer também tem fases de desenvolvimento? Sim, o câncer tem fases de desenvolvimento que podem ser avaliadas de diferentes formas. Na avaliação clínica feita por médicos é possível identificar

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto)

VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) COLÉGIO E CURSO INTELECTUS APOSTILA NOME: MAT.: Biologia I PROFº: EDUARDO SÉRIE: TURMA: DATA: VÍRUS (complementar o estudo com as páginas 211-213 do livro texto) Os vírus são os únicos organismos acelulares,

Leia mais

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os

Sistema Imunitário. Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os O que é a Imunidade? Estado especifico de protecção do organismo permitindo-lhe reconhecer agentes infecciosos ou estranhos neutralizando-os e eliminando-os Funções: Eliminação de agentes estranhos no

Leia mais

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos

Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Células e órgãos especializados em defesa CÉLULAS DO SISTEMA IMUNITÁRIO Resposta imune Inata Resposta imune específica Profa. MsC Priscila P. S. dos Santos Quem são os invasores? Quem são os invasores?

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 13 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Vai e avisa a todo mundo que encontrar que ainda existe um sonho

Leia mais

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES

BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES BIOFÍSICA DAS RADIAÇÕES IONIZANTES DANOS RADIOINDUZIDOS NA MOLÉCULA DE DNA Por ser responsável pela codificação da estrutura molecular de todas as enzimas da células, o DNA passa a ser a molécula chave

Leia mais

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro.

TUMOR-BUSTING. Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. TUMOR-BUSTING Uma nova técnica chamada viroterapia, cultiva vírus para combater o cancro. VÍRUS Isolar nas terapias Células tumorais Evitar danos Células normais Eliminar muitos efeitos colaterais nocivos

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Doenças devidas a imunodeficiência

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Doenças devidas a imunodeficiência Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física Adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Doenças devidas a imunodeficiência Manual Merck Capítulo 167 As afecções devidas a imunodeficiência

Leia mais

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana

AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana AIDS Síndrome da Imunodeficiência Humana Vírus da imunodeficiência humana (HIV) gp120 gp41 p17 Dupla camada de lipídeos p24 Material genético e enzimas Estrutura do genoma do HIV-1 vpr rev rev gag vif

Leia mais

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos.

Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Os anticorpos são proteínas específicas (imunoglobulinas) capazes de se combinarem quimicamente com os antigénios específicos. Ä Os anticorpos apenas reconhecem algumas regiões da membrana do antigénio

Leia mais

Ana Carolina Étori Aguiar

Ana Carolina Étori Aguiar Ana Carolina Étori Aguiar SUMÁRIO Conceito; Imunidade Inata Componentes; Reconhecimento de microrganismos; Mecanismos efetores; Distúrbios congênitos e alterações na Imunidade Inata; Desafios e Previsões.

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi

Imunodeficiências Secundárias. Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi Imunodeficiências Secundárias Guilherme Iapequino Larissa Marquizzeppe Marina Pastore Paula Varella Saliha Samidi O Imunodeficiência: é a falha do sistema imune em proteger contra doença ou malignidade.

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

Complexo principal de histocompatibilidade

Complexo principal de histocompatibilidade Complexo principal de histocompatibilidade Todas as espécies possuem um conjunto de genes denominado MHC, cujos produtos são de importância para o reconhecimento intercelular e a discriminação do que é

Leia mais

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina.

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Segunda-feira, 4 de dezembro de 2006. Profa. Sônia. HPVs Papillomavirus humanos Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Introdução Anualmente

Leia mais

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Luiz Felipe Caron A resposta imune pode ser dividida em resposta inata e resposta adaptativa nas aves, como em outras espécies. Esta diferença está

Leia mais

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M.

Imunologia do câncer. Aarestrup, F.M. Imunologia do câncer Impacto da imunologia na cancerologia Biologia tumoral Diagnóstico : imuno-histoquímica Tratamento : imunoterapia Mecanismos da resposta imunológica contra o câncer Quais as células

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA

COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA COMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE A GENÉTICA HUMANA E OUTRAS NOVAS TECNOLOGIAS DA MEDICINA MODERNA AUDIÇÃO de 26 de Abril de 2001 Carlos Alonso BEDATE Curriculum académico Licenciado em Filosofia Universidade

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

Microbiologia e Imunologia Clínica

Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo dos mecanismos naturais de defesa contra doenças. Microbiologia e Imunologia Clínica Estudo do sistema imune do corpo e suas funções e alterações. Profa. Ms. Renata Fontes Fundamentos da Imunologia

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES

IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES IMUNIDADE AOS TRANSPLANTES IMUNIDADE AOS TUMORES Neoplasias Histórico Classificação : linhagem celular, histomorfologia e comportamento clínicobiológico. Carcinogênese experimental

Leia mais

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS

Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS Resposta imune às infecções virais ou DEFESAS DO HOSPEDEIRO CONTRA OS VÍRUS MULTIPLICATION 1 Defesas Resposta imune frente a infecções 2 Defesas Imunidade inata Defesa e recuperação Genética Fatores séricos

Leia mais

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos:

6- Qual é a causa do câncer? genes DNA), moléculas de RNA cromossomos ribossomos Genes: Moléculas de RNA: Ribossomos: 6- Qual é a causa do câncer? Na realidade não há apenas uma causa, mas várias causas que induzem o aparecimento do câncer. Primeiramente é importante saber que todo o câncer tem origem genética por abranger

Leia mais

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS

A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS A LINGUAGEM DAS CÉLULAS DO SANGUE LEUCÓCITOS Prof.Dr. Paulo Cesar Naoum Diretor da Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto, SP Sob este título o leitor poderá ter duas interpretações

Leia mais

Imunidade aos microorganismos

Imunidade aos microorganismos Imunidade aos microorganismos Características da resposta do sistema imune a diferentes microorganismos e mecanismos de escape Eventos durante a infecção: entrada do MO, invasão e colonização dos tecidos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO Bruna Rezende, Rassan Dyego Romão Silva e Antonio Jose Dias Martins Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientadora: Daniella Cavalcante

Leia mais

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo?

Fundamentos de oncologia. Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? BIOLOGIA Cláudio Góes Fundamentos de oncologia 1. Introdução Você sabe o que é o câncer e como ele se desenvolve em nosso corpo? Nesta unidade, você verá que o termo câncer refere-se a uma variedade de

Leia mais

Diagnóstico Microbiológico

Diagnóstico Microbiológico Diagnóstico Microbiológico Identificação e Tipagem Bacteriana Prof. Vânia Lúcia Diagnóstico clínico Sinais (mensuráveis) e sintomas (subjetivos) Origem Etiologia Natureza Diagnóstico laboratorial Identificação

Leia mais

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa

Com Ciência - Células-tronco: a promessa da medicina regenerativa Página 1 de 5 Editorial A esperança celular Carlos Vogt Reportagens Pesquisa brasileira em CT já apresenta resultados Em meio à discussão ética, a pesquisa avança em todo o mundo Faltam leis, sobra polêmica

Leia mais

Corpo humano: diversos sistemas interligados

Corpo humano: diversos sistemas interligados 79 Corpo humano: diversos sistemas interligados Bruna Moretto Rodrigues 1*, Karina Alves de Toledo 1, Célia Regina Nogueira 2 1 Departamento de Ciências Biológicas. Faculdade de Ciências e Letras. Univ

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias

NEOPLASIAS. Prof. Dr. Fernando Ananias NEOPLASIAS Prof. Dr. Fernando Ananias Neoplasia = princípio básico CLASSIFICAÇÃO DOS TUMORES Comportamento Benigno versus Maligno Crescimento lento rápido Semelhança com O tecido de origem (Diferenciação)

Leia mais

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto

COMUNICAÇÃO CELULAR. Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto COMUNICAÇÃO CELULAR Bioquímica Básica Ciências Biológicas 3º período Cátia Capeletto O que é comunicação celular? As células possuem um sistema responsável por: Geração Transmissão Recepção Resposta. Uma

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira ENEM. Citologia

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira ENEM. Citologia ENEM Citologia 1. (Enem 2014) Segundo a teoria evolutiva mais aceita hoje, as mitocôndrias, organelas celulares responsáveis pela produção de ATP em células eucariotas, assim como os cloroplastos, teriam

Leia mais

Resposta Imune Contra Tumores

Resposta Imune Contra Tumores Resposta Imune Contra Tumores Evidências da reatividade imune contra tumores; alterações nas características celulares devido a malignidade; componentes do tumor e do hospedeiro que afetam a progressão

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim.

Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Peço desculpa, mas perdi o documento e apenas o consegui recuperar nesta forma. Para não atrasar mais, envio-o mesmo assim. Assinale com uma cruz no(s) quadrado(s) que antecede(m) a(s)resposta(s) verdadeira(s):

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com

DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS. Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DOENÇAS LINFÁTICAS NOS GRANDES ANIMAIS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil dos Passos perciliobrasil@hotmail.com DISTÚRBIOS LINFOPROLIFERATIVOS E MIELOPROLIFERATIVOS Prof. Adjunto III Dr. Percilio Brasil

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV.

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. 1 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 31 O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. I II III IV a) Coluna vertebral

Leia mais

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos.

Doença de Parkinson. A atividade física é parte fundamental na preservação das funções motoras dos pacientes parkinsonianos. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Doença de Parkinson Prof. Dr. Luiz Augusto Franco de Andrade 1) Como é feito o tratamento? Como é

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA II CÉLULAS-TRONCO PODERÃO SER ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE DOENÇAS AUTOIMUNES

PROVA DE BIOLOGIA II CÉLULAS-TRONCO PODERÃO SER ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE DOENÇAS AUTOIMUNES 24 PROVA DE BIOLOGIA II Q U E S T Ã O 4 0 CÉLULAS-TRONCO PODERÃO SER ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE DOENÇAS AUTOIMUNES As doenças autoimunes afetam de 3% a 5% da população mundial. Causadas por uma disfunção

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

PLANO DE CURSO 1ª SÉRIE ANO: 2008

PLANO DE CURSO 1ª SÉRIE ANO: 2008 PLANO DE CURSO 1ª SÉRIE ANO: 2008 CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: SAÚDE COLETIVA DISCIPLINA: IMUNOLOGIA BÁSICA CARGA HORÁRIA: 72h/a PROFESSORES: Prof. Dr. Valmir Laurentino Silva Prof a. Dr a. Maria das

Leia mais

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular

Disciplina de Imunologia. Curso de Biomedicina. Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Disciplina de Imunologia Curso de Biomedicina Imunidade aos Microbios Bactéria extracelular Como o sistema imune exerce sua função fisiológica principal = Proteger o hospedeiro de infecções por agentes

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

Magnetismo contra derramamentos de petróleo

Magnetismo contra derramamentos de petróleo 12 PROVA DE BIOLOGIA Q U E S T Ã O 1 6 Apesar dos esforços globais para o desenvolvimento de fontes alternativas de energia, a previsão é de que o uso de combustíveis fósseis, principalmente gás natural

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias.

2. Nesse sistema, ocorre uma relação de protocooperação entre algas e bactérias. PROVA DE BIOLOGIA QUESTÃO 01 Entre os vários sistemas de tratamento de esgoto, o mais econômico são as lagoas de oxidação. Essas lagoas são reservatórios especiais de esgoto, que propiciam às bactérias

Leia mais

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013

Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 Gabarito Caderno de atividades Biologia - Diversidade da Vida Volume 1-2013 1. A origem da vida na Terra 1) A 2) B 3) E 4) E 5) C 6) C 7) C 8) C 9) D 10) C 11) A 12) C 13) C 14) B 15) D 2. A evolução biológica

Leia mais

Apoptose em Otorrinolaringologia

Apoptose em Otorrinolaringologia Apoptose em Otorrinolaringologia Teolinda Mendoza de Morales e Myrian Adriana Pérez García Definição A apoptose é um processo biológico existente em todas as células de nosso organismo, conhecida desde

Leia mais

VIRUS O QUE SÃO VIRUS São as menores entidades biológicas: têm DNA e proteínas. Medem entre 15 e 300 nm. São seres acelulares: São parasitas intracelulares obrigatórios: Só se reproduzem dentro de células.

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Proteínas e Núcleo Celular

Exercícios de Aprofundamento Biologia Proteínas e Núcleo Celular 1. (Fuvest 2013) Louis Pasteur realizou experimentos pioneiros em Microbiologia. Para tornar estéril um meio de cultura, o qual poderia estar contaminado com agentes causadores de doenças, Pasteur mergulhava

Leia mais

Genética. Leis de Mendel

Genética. Leis de Mendel Genética Leis de Mendel DEFINIÇÕES GENES: Pedaços de DNA síntese de determinada proteína. LOCUS GÊNICO: É o local ocupado pelo gene no cromossomo. GENES ALELOS: Situam-se no mesmo Locus Gênico. HOMOZIGOTOS:

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais