UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV"

Transcrição

1 UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

2 Aspectos Morfológicos das Neoplasias

3

4 DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos grego: Karkinos Oncologia

5 Neoplasia é uma massa anormal de tecido, cujo crescimento excede aquele normal dos tecidos normais e não está coordenado por ele, persistindo da mesma maneira excessiva após s o término t do estímulo que induziu a alteração ão. Willis, RA: The spread of Tumors in Human Body.London London, Butterworth & co, "Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação."

6

7 Nomenclatura Benignos: Sufixo OMA na célula c de origem Mesenquimais benignos: (regra geral) Fibroma origem de fibroblastos Condroma oma origem de condroblastos Osteoma origem de osteoblastos

8 Nomenclaturas Tumores Malignos Sufixo ou prefixo: Carcinoma origem epitelial Sarcomas origem mesenquimal

9 Sufixo ou prefixo SARCOMA para neoplasias MALIGNAS de origem mesenquimal Osteossarcoma sarcoma Fibrossarcoma sarcoma Lipossarcoma sarcoma Condrossarcoma sarcoma Sarcoma de músculo liso

10 Sufixo BLASTOMA para indicar neoplasias malignas que reproduzem tecidos embrionários rios e são encontrados principalmente na infância. Neuroblastoma Nefroblastoma

11

12 Casos especiais Melanomas; Seminomas; Linfomas; Plasmocitoma

13 MELANOMA

14 ADENOCARCINOMA

15 Características clínicas das neoplasias benignas Crescimento expansivo/compressivo; Não destroem os tecidos adjacentes; Velocidade de crescimento lenta; Podem regredir ou estacionar; Limites bem definidos, por vezes apresentando cápsula c delimitadora; Ausência metástases.

16 Adenoma Tireoidiano

17 Intensa deposição de fibras colágenas Infiltrado inflamatório mononuclear

18 Leiomioma Uterino

19 Características clínicas das neoplasias malignas Crescimento rápido, r Infiltrativo e destroem os tecidos vizinhos Evolução geralmente progressiva, raramente estaciona Metástases freqüentes entes Velocidade de crescimento rápidar Áreas de necrose Limites imprecisos, geralmente sem cápsulac Ulcerações constantes DIFICULDADE DE RESSECÇÃO

20 Tumor Maligno de Bainha de Nervo Periférico

21

22

23 ETIOLOGIA Proto- Oncogenes - ONCOGENES (genes responsáveis pelo estímulo da proliferação celular) Genes Supressores de tumor( genes responsáveis pela inibição da proliferação celular) ATUAM DE FORMA EQUILIBRADA COMO NUMA BALANÇA. A. Qualquer alteração nesta balança a pode levar a um desequilíbrio de funções.

24

25 FATORES ETIOLÓGICOS QUÍMICOS FÍSICOS BIOLÓGICOS VÍRUS HPV, EPSTEIN-BARR, CITOMEGALOVIRUS

26 Estadiamento das neoplasias Sistema T N M T - Extensão do tumor primário rio N A ausência ou presença a e a extensão de metástase em linfonodos regionais M a ausência ou presença a de metástase à distância

27 TNM Ajudar o médico m no planejamento do tratamento Dar alguma indicação do prognóstico Ajudar na avaliação dos resultados de tratamento Facilitar a troca de informações entre os centros de tratamento Contribuir para a pesquisa contínua nua sobre o câncer humano

28 TNM A adição de números n a estes três componentes indica a extensão da doença a maligna. T0, T1, T2, T3, T4 N0, N1, N2, N3 M0, M1

29

30 Metástase Implante de células c tumorais em um local diferente do tumor primário rio Células se desprendem do tumor primário rio e se deslocam para outras regiões do corpo onde crescem como tumores independentes Característica de neoplasias malignas

31 Invasão e Metástase São a principal causa de mortalidade relacionada ao câncer;

32 Vias de Disseminação Implantação direta na superfície de cavidades corporais; Disseminação linfática; Disseminação hematogênica.

33

34 MÉTODOS DIAGNÓSTICOS BIÓPSIA CITOLOGIA ESFOLIATIVA RADIOGRAFIAS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA, RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EXAMES BIOQUÍMICOS IMUNOISTOQUÍMICA MICA

35

36

37

38 Linfoma - Imunoistoquimíca Linfoma B (CD20) Linfoma T (CD45RO)

39 TRATAMENTO Cirurgia Radioterapia Quimioterapia

40 Equipe Multidisciplinar Esses profissionais devem trabalhar de modo integrado e cumprir objetivos que norteiem a assistência Médicos, Fonoaudiólogo, Odontólogo, Enfermeiro, Nutricionista, Fisioterapeuta, Psicólogo, etc...

41 Termos Importantes DIFERENCIAÇÃO Critério rio baseado na semelhança a com a qual as células neoplásicas lembram as células c normais tanto morfologicamente como funcionalmente Falta de diferenciação Anaplasia

42 CARACTERÍSTICAS HISTOLÓGICAS

43 Termos importantes Tumores benignos e malignos apresentam 2 componentes básicos: b Parênquima Células neoplásicas proliferantes Estroma Tecido de suporte, constituído por tecido conjuntivo e vasos sanguíneos. neos.

44 Traduzindo... Tumores bem diferenciados: Células lembram as células c normais maduras

45 Traduzindo... Tumores pouco diferenciados / indiferenciados: Células não especializadas, sem maturação completa

46 Bom Estudo! Referências bibliográficas COTRAN, R.S.; KUMAR, V.; COLLINS, T. Patologia Bases Patológicas das Doenças. Rio de Janeiro: Elsevier. 7ª edição BRASILEIRO FILHO, G. Bogliolo: : patologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,, p. RUBIN, E.; FABER, J.L. Patologia. 3.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,, p.

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS

TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS TUMORES DE PELE E TECIDO SUBCUTÂNEO EM CÃES E GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES DE

Leia mais

Histologia. Histos = tecido. Logia, estudo ou ciência. Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia

Histologia. Histos = tecido. Logia, estudo ou ciência. Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia Histologia Histos = tecido Logia, estudo ou ciência Prof. Dr. Luís Fernando Barbisan Depto. de Morfologia Histologia Parte I- Tecidos Fundamentais Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecido muscular Tecido

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS

TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS TABELA DE PROCEDIMENTOS SUS QUIMIOTERAPIA PALIATIVA: 03.04.02.015-0 - Quimioterapia Paliativa do Carcinoma de Nasofaringe avançado (estádio IV C ou doença recidivada) C11.0, C11.1, C11.2, C11.3, C11.8,

Leia mais

NEOPLASIAS. Conceitos gerais. Nomenclatura: Neoplasias malignas. Pólipo de cólon. Juliana Vasconcelos

NEOPLASIAS. Conceitos gerais. Nomenclatura: Neoplasias malignas. Pólipo de cólon. Juliana Vasconcelos Conceitos gerais NEOPLASIAS Juliana Vasconcelos julianafvs@gmail.com Câncer: Termo comum para todos os tumores malignos Tumor: Termo empregado originalmente ao crescimento causado pela inflamação. Atualmente,

Leia mais

RM da Vagina. 1. Anatomia. 1. Anatomia. 2. Características da Imagem. 3. Técnica de RM 24/01/2016. Organização do Conteúdo

RM da Vagina. 1. Anatomia. 1. Anatomia. 2. Características da Imagem. 3. Técnica de RM 24/01/2016. Organização do Conteúdo RM da Vagina Joana Almeida, Teresa Margarida Cunha Serviço de Radiologia Director: Dr. José Venâncio INSTITUTO PORTUGUÊS DE ONCOLOGIA de Lisboa Francisco Gentil Organização do Conteúdo 1. Anatomia 2. Características

Leia mais

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO

PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO PATOLOGIA DO SISTEMA HEMATOPOIÉTICO Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria INTRODUÇÃO AOS TUMORES HEMATOPOIÉTICOS Rafael

Leia mais

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site: Rodrigo Dias Nunes

Faculdade de Medicina - UNISUL NEOPLASIAS DO OVÁRIO. Aula disponível no site:  Rodrigo Dias Nunes NEOPLASIAS DO OVÁRIO Aula disponível no site: www.rodrigodiasnunes.com.br Rodrigo Dias Nunes Epidemiologia > 50 anos Obesidade Nuligestas Não usaram anticoncepcionais orais Ingesta carne e gordura animal

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BAN240 Patologia Geral

Programa Analítico de Disciplina BAN240 Patologia Geral Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina BAN0 Patologia Geral Departamento de Biologia Animal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas

Leia mais

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO

NÓDULO PULMONAR SOLITÁRIO Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Hospital São Lucas SERVIÇO DE CIRURGIA TORÁCICA José Antônio de Figueiredo Pinto DEFINIÇÃO Lesão arredondada, menor que 3.0 cm

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO. Prof. Cristiane Oliveira

TECIDO CONJUNTIVO. Prof. Cristiane Oliveira TECIDO CONJUNTIVO Prof. Cristiane Oliveira Tecido Conjuntivo Introdução e Funções - Caracteriza-se pela grande variedade de células e abundância de matriz extracelular; - Termo CONJUNTIVO Algo que junta

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA - GABARITO PRELIMINAR

CONCURSO PÚBLICO PROVA OBJETIVA - GABARITO PRELIMINAR 01. CARGO - ASSISTENTE SOCIAL B C C D B A A D A B B C B B A C C D B A 02. CARGO - ENFERMEIRO PLANTONISTA D NULA D A NULA B D D C A A B B D C A C A C A 03. CARGO - ENFERMEIRO - PSF B A B A D B D B D C B

Leia mais

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012 Radiologia do fígado Prof. Jorge Elias Jr Radiologia do fígado Revisão anatômica Métodos de imagem na avaliação do fígado Anatomia seccional hepática pelos métodos de imagem Exemplo da utilização dos métodos:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: PATOLOGIA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME (T - P) PTG1015 PATOLOGIA GERAL MÉDICA (3-4) OBJETIVOS - ao término da disciplina

Leia mais

Iniciação e progressão neoplásica

Iniciação e progressão neoplásica Biopatologia Iniciação e progressão neoplásica Diana Santos Ana Isabel Teixeira Doenças degenerativas -Nos indivíduos novos - a etiologia é hereditária: são sobretudo doenças catabólicas que ocorrem em

Leia mais

Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico

Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico Câncer: sinais, sintomas e diagnóstico ROSA, LM; SOUZA, AIJS; ANDERS, JC; TOURINHO, F; RADÜNZ, V.; ANDRADE, A. E.; BERNDT, L. K Departamento de Enfermagem - Projeto de Extensão: Atenção Oncológica na Atenção

Leia mais

Tumores do Mediastino

Tumores do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Classificação dos tumores mediastinais Tumores Neurogênicos Timomas Linfomas Tumor de Cels. Germinativas Carcinomas

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO

TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO 1 TECIDO CONJUNTIVO PROPRIAMENTE DITO INDICAÇÃO DE LEITURA GARTNER, L. P. ; HIATT, J. L. Tratado de Histologia. 3 ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2007. Cap. 06, p.113-132. JUNQUEIRA, L. C. U. ; CARNEIRO,

Leia mais

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS

GABARITO PROVA TEÓRICA QUESTÕES DISSERTATIVAS CONCURSO PARA TÍTULO DE ESPECIALISTA EM PATOLOGIA Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo SÃO PAULO/SP Departamento de Patologia, 1º andar, sala 1154 20 e 21 de MAIO DE 2016 GABARITO PROVA TEÓRICA

Leia mais

Câncer e Sistema Imune

Câncer e Sistema Imune Câncer e Sistema Imune Causas de morte no ocidente Doenças cardiovasculares Câncer Tumores (neoplasias) Tumores benignos: incapazes de crescer indefinidamente, não invadem tecidos vizinhos saudáveis Tumores

Leia mais

Histologia do Tecido Conjuntivo

Histologia do Tecido Conjuntivo Tecido epitelial Histologia do Tecido Conjuntivo VERA REGINA ANDRADE, 2015 Tecido Conjuntivo Características Constituintes Células Fibras Substância Fundamental Tipos de tecido conjuntivo Tecido conjuntivo

Leia mais

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses

Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic Masses Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Setor Abdome Prostatic Stromal Neoplasms: Differential Diagnosis of Cystic and Solid Prostatic and Periprostatic

Leia mais

Nódulos e massas pulmonares

Nódulos e massas pulmonares Nódulos e massas pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP A) Nódulo pulmonar solitário 1 Definição O nódulo pulmonar solitário (NPS)

Leia mais

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1

DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 361 DIAGNÓSTICO CLÍNICO E HISTOPATOLÓGICO DE NEOPLASMAS CUTÂNEOS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NA ROTINA CLÍNICA DO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVIÇOSA 1 Márcia Suelen Bento 2, Marcelo Oliveira Chamelete 3,

Leia mais

Constituição Histológica

Constituição Histológica TECIDO ÓSSEO Constituição Histológica 1- CÉLULAS + 2- MATRIZ INORGÂNICA E ORGÂNICA (Fibras de colágeno tipo I + SFA) Características do Tecido Ósseo Conjuntivo especial (céls. + MEC) Matriz mineralizada

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta.

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. TESTE DE AVALIAÇÃO 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. 1. São indicação para a realização de RM todas as situações, excepto: ( 1 ) Mulher com

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

CAPÍTULO 5 TECIDO ÓSSEO

CAPÍTULO 5 TECIDO ÓSSEO CAPÍTULO 5 TECIDO ÓSSEO 1 As células do Tecido Ósseo O tecido ósseo pode ser considerado um tipo especial de tecido conjuntivo que é constituído por células e uma matriz extracelular calcificada (matriz

Leia mais

Diagnóstico de lesões tumorais em caninos e felinos concordância entre resultados de exames citopatológicos e histopatológicos

Diagnóstico de lesões tumorais em caninos e felinos concordância entre resultados de exames citopatológicos e histopatológicos Diagnóstico de lesões tumorais em caninos e felinos concordância entre resultados de exames citopatológicos e histopatológicos Adrielly Ehlers Anamaria Telles Esmeraldino Luiz Cesar Bello Fallavena RESUMO

Leia mais

LISTA DE LAMINÁRIO HISTOPATOLÓGICO

LISTA DE LAMINÁRIO HISTOPATOLÓGICO 2017 LISTA DE LAMINÁRIO HISTOPATOLÓGICO Produzido por: Karen Chaves Maysa Resende Técnicas do laboratório 10/07/2017 Abscesso Pulmonar Tecido inflamatório purulento. Abscesso Hepático Tecido inflamatório

Leia mais

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006

Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis SISCOLO RELATÓRIO 2006 SISCOLO RELATÓRIO 2006 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

É um nódulo pulmonar?

É um nódulo pulmonar? Avaliação dos Pequenos Nódulos Pulmonares Alexandre Dias Mançano Radiologia Anchieta Hospital Regional de Taguatinga DF É um nódulo pulmonar? Até 20% são imagens que mimetizam nódulos ao RX Fratura de

Leia mais

Difusão por Ressonância Magnética

Difusão por Ressonância Magnética Difusão por Ressonância Magnética A difusão é definida basicamente como o movimento aleatório pelo qual as moléculas de um soluto migram em direção a um gradiente mais baixo de concentração da solução.

Leia mais

Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados

Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados Drª Paula Monteiro Amorim Residente do 3 ano de radio-oncologia Hospital Araújo Jorge Goiânia- GO Introdução 5-7% das neoplasias infantis 6-9 casos/milhão

Leia mais

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DURANTE OS ANOS 2000 A 2010

FREQUÊNCIA DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DURANTE OS ANOS 2000 A 2010 Original Article 541 FREQUÊNCIA DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DURANTE OS ANOS 2000 A 2010 FREQUENCY OF SKIN CANCER IN DOGS TREATED

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA 4 - TECIDO CONJUNTIVO Prof. Me. Leandro Parussolo Introdução e Funções Caracteriza-se pela grande variedade de cells e abundância de matriz extracelular; Termo CONJUNTIVO Algo

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária

TECIDO CONJUNTIVO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária TECIDO CONJUNTIVO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária CLASSIFICAÇÃO DO TECIDO CONJUNTIVO TECIDOS CONJUNTIVOS CONJUNTIVOS PROPRIAMENTE

Leia mais

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo I Prof. a Dr a. Sara Tatiana Moreira UTFPR Campus Santa Helena 1 Elástico 1 Tecido ósseo Características: Tecido vivo com alto grau de rigidez e resistência à pressão,

Leia mais

Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016

Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016 Docente: Sheila C. Ribeiro Abril/2016 Introdução Função Suporte Proteção Apoio Contrações Depósito de minerais Tecido Conjuntivo Especializado Células e Matriz óssea endósteo Periósteo Osteoblastos Osteócitos

Leia mais

Aplicações da citologia vaginal na clínica médica de pequenos animais

Aplicações da citologia vaginal na clínica médica de pequenos animais Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Departamento de Reprodução Animal - FMVZ/VRA Livros e Capítulos de Livros - FMVZ/VRA 2014 Aplicações da citologia vaginal na

Leia mais

COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CONCURSO PÚBLICO 2010 GABARITOS PROVAS DO DIA 25/4/2009

COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE CONCURSO PÚBLICO 2010 GABARITOS PROVAS DO DIA 25/4/2009 NÍVEL MÉDIO: ASSISTENTE AGENTE ADMINISTRATIVO TIPO 1 C D E D A E B C A C D B * A B E D A C E D C A C E B E A C C B E B E C D A D D B 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 A E E C D A D B D B D C B D E A C A E

Leia mais

Prova de Título de Especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço 2012

Prova de Título de Especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço 2012 Prova de Título de Especialista em Cirurgia de Cabeça e Pescoço 2012 Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço 1. Com relação às anomalias relacionadas ao ducto tireoglosso e seu tratamento,

Leia mais

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho

Conjunto de células semelhantes e interdependentes. Condição básica da multicelularidade. Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Conjunto de células semelhantes e interdependentes Condição básica da multicelularidade Vantagens: aumento do tamanho, divisão de trabalho Origens embrionárias dos tecidos animais: Ectoderme Mesoderme

Leia mais

GABARITOS DEFINITIVOS

GABARITOS DEFINITIVOS PREFEITURA MUNICIPAL DO BREJO DA MADRE DE DEUS - PE ESTADO DO PERNAMBUCO CONCURSO PÚBLICO GABARITOS DEFINITIVOS A Comissão Especial do Concurso Público da Prefeitura Municipal do Brejo da Madre de Deus,

Leia mais

Tecido Ósseo. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD

Tecido Ósseo. Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Tecido Ósseo Prof. Dr. Leonardo Augusto Kohara Melchior Disciplina de Histologia UFAC / CCBN / CCSD Definição É um tipo especializado de tecido conjuntivo formado por células e material extracelular calcificado,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Microambiente tumoral. Cristiane C. Bandeira A. Nimir

Microambiente tumoral. Cristiane C. Bandeira A. Nimir Microambiente tumoral Cristiane C. Bandeira A. Nimir cristiane@nimir.com.br PROGRESSÃO E AGRESSÃO TUMORAL CÉLULA NEOPLÁSICA: - Acúmulo de mutações CONTROLE DO CICLO CELULAR!! PROGRESSÃO E AGRESSÃO TUMORAL

Leia mais

Ambos são tecidos conjuntivos especializados. Possuem funções em comum: suporte e proteção de partes moles

Ambos são tecidos conjuntivos especializados. Possuem funções em comum: suporte e proteção de partes moles Ambos são tecidos conjuntivos especializados Possuem funções em comum: suporte e proteção de partes moles Células parecidas com os fibroblastos do conjuntivo: secretam fibras e abundante MEC; se originam

Leia mais

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS

HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS HISTOLOGIA ESTUDO DOS TECIDOS TIPOS DE TECIDOS DO CORPO HUMANO O organismo humano é formado por quatro tipos básicos de tecidos: o epitelial, o conjuntivo, o muscular e o nervoso. Estes tecidos são formados

Leia mais

Concurso Público para Docente do Magistério Superior - Edital nº 06/2008 Pontos para Concurso

Concurso Público para Docente do Magistério Superior - Edital nº 06/2008 Pontos para Concurso Concurso Público para Docente do Magistério Superior - Edital nº 06/2008 Pontos para Concurso FARMACOLOGIA, FARMACODINÂMICA E TOXICOLOGIA 1 - Farmacocinética. Farmacodinâmica: mecanismos de ação dos fármacos

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO https://www.youtube.com/watch?v=nvd1xbnamou Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes)

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS DEFINITIVOS

Leia mais

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO

HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA TECIDO NERVOSO Classificação SNC corpos celulares dos neurônios (substância cinzenta) prolongamentos (substância branca) SNP Nervos sensitivos (aferentes) Entrada Saída Nervos cranianos e nervos

Leia mais

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência

Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação. O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência Colpocitologia Oncótica Anormal na Gestação José Eleutério Junior O exame citopatológico da cérvice é ainda o método de rastreio por excelência para detecção de lesões pré-malignas e malignas iniciais

Leia mais

SARCOMA EPITELIOIDE DE VULVA: REVISÃO DE LITERATURA. Palavras-chave: Sarcoma; Sarcoma epitelióide de vulva; Vulvectomia radical com reconstrução.

SARCOMA EPITELIOIDE DE VULVA: REVISÃO DE LITERATURA. Palavras-chave: Sarcoma; Sarcoma epitelióide de vulva; Vulvectomia radical com reconstrução. REVIEW ARTICLE SARCOMA EPITELIOIDE DE VULVA: REVISÃO DE LITERATURA Caroline Coutinho Pires 1, Cristiano de Anchieta Lisboa 1, Eduardo Vieira Junior 1. RESUMO O sarcoma epitelióide de vulva é uma rara neoplasia,

Leia mais

Tecido cartilaginoso 1

Tecido cartilaginoso 1 Tecido cartilaginoso 1 Cartilagem Tec conjuntivo de consistência rígida Suporte de tecidos moles Reveste superfícies articulares (absorve choques, facilita o deslizamento dos ossos) Formação dos ossos

Leia mais

Casos MRI. Dr. Jorge Cueter Dr. Ênio Setogu5

Casos MRI. Dr. Jorge Cueter Dr. Ênio Setogu5 Casos MRI Dr. Jorge Cueter Dr. Ênio Setogu5 Paciente de 69 anos, lesão no ouvido direito evidenciada na Otoscopia, cor vermelha, sintomas de barulho em cachoeira Lesões mais frequentes na orelha media

Leia mais

TUMORES ÓSSEOS EM CÃES

TUMORES ÓSSEOS EM CÃES 5 Revista UNILUS Ensino e Pesquisa v. 5, n. 9, jul./dez. 2008 ISSN 1807-8850 Simone Aparecida Fernandes de Andrade simone.afa@uol.com.br Centro Universitário Lusíada (UNILUS) Rua Armando Salles de Oliveira,

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

TECIDO ÓSSEO. Prof a Cristiane Oliveira

TECIDO ÓSSEO. Prof a Cristiane Oliveira TECIDO ÓSSEO Prof a Cristiane Oliveira TECIDO ÓSSEO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Componente principal do esqueleto; Caracterizado pela rigidez e dureza, mas é dinâmico, adaptando-se as demandas

Leia mais

TECIDO ÓSSEO. Nutrição Dependente de canalículos existentes na matriz, pois não existe difusão pela matriz calcificada.

TECIDO ÓSSEO. Nutrição Dependente de canalículos existentes na matriz, pois não existe difusão pela matriz calcificada. TECIDO ÓSSEO Tipo de tecido conjuntivo especializado, formado por células e material extracelular calcificado, a matriz óssea. Principal constituinte do esqueleto. Funções - Serve de suporte para os tecidos

Leia mais

Marcadores Tumorais. Carlos Jorge de Castilho Rabaça Cordeiro

Marcadores Tumorais. Carlos Jorge de Castilho Rabaça Cordeiro Marcadores Tumorais Carlos Jorge de Castilho Rabaça Cordeiro No ano de 1775, o médico britânico Percival Pott associou o cancro do escroto dos limpa-chaminés à sua exposição permanente à fuligem, provando

Leia mais

21-C 22-D 23-A 24-C 25-B 26-B 27-D 28-C 29-A 30-D 31-D 32-B 33-A 34-C 35-D 36-C 37-A 38-D 39-B 40-C 08- CIRURGIÃO DENTISTA - PERIODONTISTA 21-C 22-D 2

21-C 22-D 23-A 24-C 25-B 26-B 27-D 28-C 29-A 30-D 31-D 32-B 33-A 34-C 35-D 36-C 37-A 38-D 39-B 40-C 08- CIRURGIÃO DENTISTA - PERIODONTISTA 21-C 22-D 2 Fundação Bio-Rio P. M. BARRA MANSA 2016 GABARITO PRELIMINAR Gabarito 01- ARQUITETO PROJETISTA/URBANISTA 21-C 22-D 23-A 24-C 25-B 26-B 27-A 28-D 29-D 30-A 31-C 32-B 33-C 34-A 35-D 36-B 37-A 38-D 39-B 40-D

Leia mais

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007

PRÁ-SABER DIGITAL: Informações de Interesse à Saúde SISCOLO Porto Alegre 2007 1 SISCOLO RELATÓRIO 2007 2 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria Municipal da Saúde Secretário Eliseu Santos Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Coordenador José Ângelo

Leia mais

Neoplasias do sistema endócrino

Neoplasias do sistema endócrino Neoplasias do sistema endócrino PATOLOGIA II Aula Prática nº8 PATOLOGIA TIREOIDEIA (I) Hiperplasias Difusas Nodulares da tireoide Um n ódulo Multinodular Tumores de células foliculares Diferenciados: Adenoma

Leia mais

PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs

PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs CURSO: Medicina PLANO DE CURSO 3º PERÍODO ANO: 2015.1 COMPONENTE CURRICULAR: Patologia Geral CARGA HORÁRIA TOTAL: 108 hs TEÓRICA: 90 hs PRÁTICA: 18 hs PROFESSOR RESPONSÁVEL: Maria Auxiliadora Peixoto Peçanha

Leia mais

DISCIPLINA DE CIRURGIA TORÁCICA MCP 0327

DISCIPLINA DE CIRURGIA TORÁCICA MCP 0327 Curso Médico de Graduação do 4º ano Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conjunto de Disciplinas de Clínica Cirúrgica - 0510238 DISCIPLINA DE CIRURGIA TORÁCICA MCP 0327 OBJETIVO: 1. Orientar

Leia mais

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata.

Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Cintilografia Óssea com 99mTc-MDP na suspeição do câncer de próstata. Serviço de Medicina Nuclear e Imagem Molecular Hospital Universitário Antônio Pedro Universidade Federal Fluminense Autor Elisa Carla

Leia mais

ARTICULAÇÃO TÊMPORO- MANDIBULAR

ARTICULAÇÃO TÊMPORO- MANDIBULAR http://www.icb.usp.br/~ireneyan/embriologiamolecular_arquivos/aulas/odontousp ireneyan@usp.br Mandíbula: Anatomia super super básica ARTICULAÇÃO TÊMPORO- MANDIBULAR Mandíbula: Anatomia super super básica

Leia mais

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Aproximadamente 46 mil casos/ano Cerca 24% de chance de desenvolver Câncer de Próstata durante a vida Aproximadamente 30% não são avaliadas para

Leia mais

Tecido Ósseo Funções:

Tecido Ósseo Funções: Tecido Ósseo Funções: Suporte e proteção; Alojamento da medula óssea; Depósito de cálcio, fosfato e outros íons. Estrutura Material extracelular Matriz óssea Células - osteócitos - osteoblastos - osteoclastos

Leia mais

TECIDO EPITELIAL HISTOLOGIA ANIMAL

TECIDO EPITELIAL HISTOLOGIA ANIMAL HISTOLOGIA Histologia é a parte da Biologia que estuda os tecidos. Tecidos são agrupamentos de células semelhantes e/ou que possuem função semelhante, tomadas em conjunto com a substância intercelular.

Leia mais

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina

Os tecidos. Tecidos biológicos. Aula 1 e 2. Tecido epitelial Tecido conjuntivo. 1º bimestre. Professora calina 1º bimestre Professora calina Aula 1 e 2 Tecidos biológicos Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecidos do corpo humano Tecido é um conjunto de células desempenham uma mesma função. semelhantes que Tecido

Leia mais

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II

Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II Tecido Conjuntivo de Sustentação: Ósseo II Prof. a Sara Tatiana Moreira, Ph.D. UTFPR Campus Santa Helena 1 Histogênese :. Formação Óssea Ossificação Intramembranosa Osso é formado a partir de um molde

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções:

TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO 25/10/2016. Origem: mesoderma Constituição: Funções: TECIDO CONJUNTIVO TECIDO CONJUNTIVO Origem: mesoderma Constituição: Diversos tipos de células Matriz extracelular: substância fundamental e fibras TECIDO CONJUNTIVO Funções: Sustentação estrutural Preenchimento

Leia mais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais

Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Instituto Fernandes Figueira FIOCRUZ Departamento de Ginecologia Residência Médica Manejo Ambulatorial de Massas Anexiais Alberto Tavares Freitas Tania da Rocha Santos Abril de 2010 Introdução Representam

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO MASSAS CERVICAIS Prof. Paulo Hochmüller Fogaça Especialista Cirurgia Cabeça e Pescoço-INCA RJ Mestre em Biologia Molecular-UNICAMP SP manifestação de doença

Leia mais

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga

BIOLOGIA. Histologia. Professora: Brenda Braga BIOLOGIA Histologia Professora: Brenda Braga Histologia (Estudo dos Tecidos) Tecidos conjunto de células especializadas em realizar uma ou mais funções. Células-tronco São praticamente indiferenciadas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014.

DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014. DIVULGAÇÃO DO GABARITO OFICIAL REFERENTE AO CONCURSO PÚBLICO Nº. 015/2014. O Prefeito Municipal do Município de Água Doce, Estado de Santa Catarina e a Coordenação dos Concursos Públicos e Processos Seletivos

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: PATOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC112 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta da disciplina: 5 período Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns

Leia mais

TÍTULO: E-CADERINA/CATENINA: COMPLEXO DE ADESÃO CELULAR E SEU PAPEL NA PROGRESSÃO DO CÂNCER GÁSTRICO

TÍTULO: E-CADERINA/CATENINA: COMPLEXO DE ADESÃO CELULAR E SEU PAPEL NA PROGRESSÃO DO CÂNCER GÁSTRICO TÍTULO: E-CADERINA/CATENINA: COMPLEXO DE ADESÃO CELULAR E SEU PAPEL NA PROGRESSÃO DO CÂNCER GÁSTRICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO OSÓRIO / RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2016

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO OSÓRIO / RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2016 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE PEDRO OSÓRIO / RS CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2016 EDITAL N 02/2016 PRIMEIRA RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE ABERTURA E INSIÇÕES Cesar Roberto Couto de Brito, Prefeito

Leia mais

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal

13-Nov-14. Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes: 20x tamanho do corpo. Desenvolvimento Gastrointestinal 13-Nov-14 Desenvolvimento Gastrointestinal Folhetos embrionários Ectoderma Pele Sistema Nervoso Crista Neural (ecto=externa) Mesoderma Intestino de humanos; 6-7X tamanho do corpo Intestinto de ruminantes:

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INFLAMAÇÃO CRÔNICA PARTE 4 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 INFLAMAÇÃO CRÔNICA Inflamação de duração prolongada na qual a inflamação

Leia mais

Colégio de Anatomia Patológica

Colégio de Anatomia Patológica Colégio de Anatomia Patológica Curso de Introdução à Patologia Molecular e Recomendações em relação ao Estágio de Biologia Molecular. I. INTRODUÇÃO De acordo com a Portaria 204/2012 de 4 de Julho o Internato

Leia mais

Resolução da Questão 1 Item I (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 Item I (Texto Definitivo) Questão Segundo os economistas, o valor futuro em reais, V, de um investimento com depósitos diários de uma quantia de M reais por ano, durante T anos, a uma taxa de juros K, compostos continuamente, é

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE 2. GRUPO OCUPACIONAL INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE NIVEL TÉCNICO

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL E AOS MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA 2º Ano 2013

PROGRAMA INTEGRADO DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL E AOS MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA 2º Ano 2013 PROGRAMA INTEGRADO DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À PATOLOGIA GERAL E AOS MECANISMOS DE AGRESSÃO E DEFESA 2º Ano 2013 Departamento de Ciências Patológicas da FCMSCSP Chefe do Departamento: Prof.Dr. Dino Martini

Leia mais

RELAÇÃO DOS SERVIDORES POR CARGO Regime Jurídico Único HU/UFSC

RELAÇÃO DOS SERVIDORES POR CARGO Regime Jurídico Único HU/UFSC RELAÇÃO DOS SERVIDORES POR CARGO Regime Jurídico Único HU/UFSC RELAÇÃO DOS SERVIDORES POR GARGO TOTAL Administrador 8 Analista de Tecnologia da Informação Armador 1 Armazenista 2 Arquiteto e Urbanista

Leia mais

Histologia Animal. Prof. Santhiago Dalcin

Histologia Animal. Prof. Santhiago Dalcin Histologia Animal Prof. Santhiago Dalcin Histologia Animal Após a fecundação do espermatozoide com o óvulo forma-se o embrião que sofre interruptas divisões ocorrendo diferenciação celular. No desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED - GARÇA-SP NO PERÍODO DE 2003 A 2007.

ESTUDO COMPARATIVO DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED - GARÇA-SP NO PERÍODO DE 2003 A 2007. ESTUDO COMPARATIVO DE NEOPLASIAS CUTÂNEAS EM CÃES E GATOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA FAMED - GARÇA-SP NO PERÍODO DE 2003 A 2007. FRANCISCO, Maria Carolina de. ROCHA, Jessé Ribeiro. Acadêmicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BENTO GONÇALVES CONCURSOS PÚBLICOS Nº. 001/2016 EDITAL DE ABERTURA Nº. 001/2016 ANEXO 01

PREFEITURA MUNICIPAL DE BENTO GONÇALVES CONCURSOS PÚBLICOS Nº. 001/2016 EDITAL DE ABERTURA Nº. 001/2016 ANEXO 01 PREFEITURA MUNICIPAL DE BENTO GONÇALVES CONCURSOS PÚBLICOS Nº. 00/06 EDITAL DE ABERTURA Nº. 00/06 ANEXO 0 Quadro demonstrativo dos cargos, do vencimento, da carga horária, das vagas para ampla concorrência,

Leia mais

Câncer de Colo Uterino

Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Câncer de Colo Uterino Aspectos conceituais Câncer é o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões

Leia mais

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos:

Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Testes inespecíficos: Vírus DNA tumorais: PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) Os vírus do papiloma humano são classificados na família Papillomaviridae, gênero Papilomavírus. São vírus envelopados, de simetria icosaédrica, com 72 capsômeros

Leia mais

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor

Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor Anatomia e funcionamento do aparelho locomotor APARELHO LOCOMOTOR SISTEMA ESQUELÉTICO SISTEMA ARTICULAR SISTEMA MUSCULAR PASSIVO UNIÃO ATIVO Funções do esqueleto Sustentação; Proteção; Movimento; Homeostase

Leia mais

HAM, Arthur W. Histologia. RJ: Guanabara Koogan A) muscular estriado. B) epitelial. C) conjuntivo propriamente dito. D) adiposo. E) ósseo.

HAM, Arthur W. Histologia. RJ: Guanabara Koogan A) muscular estriado. B) epitelial. C) conjuntivo propriamente dito. D) adiposo. E) ósseo. Exercício 1: (PUC-RIO 2009) A fotomicrografia apresentada é de um tecido que tem as seguintes características: controle voluntário, presença de células multinucleadas, condrioma desenvolvido, alto gasto

Leia mais

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center SINDROME DE LI-FRAUMENI Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center Família Y0012 Câncer de mama bilateral Y0012T023: Feminino, 29 anos,

Leia mais

A utilização da radioterapia adjuvante na neoplasia de pulmão não oat-cell tem a seguinte repercussão:

A utilização da radioterapia adjuvante na neoplasia de pulmão não oat-cell tem a seguinte repercussão: Questão 01 A utilização da radioterapia adjuvante na neoplasia de pulmão não oat-cell tem a seguinte repercussão: A) redução no controle local dos pacientes N1 N2 B) benefício no controle local dos pacientes

Leia mais

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA Prof. Dr.

FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA Prof. Dr. FACULDADE DE EXCELÊNCIA EDUCACIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE CURSO: FISIOTERAPIA DISCIPLINA: HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA TECIDO ÓSSEO Tipo especializado de tecido conjuntivo» Protege órgãos» Produção de células

Leia mais

Empresa Gerencial de Projetos Navais Concurso Público Edital 02/2010

Empresa Gerencial de Projetos Navais Concurso Público Edital 02/2010 IPERÓ 30172222 Almoxarife 7 IPERÓ 63072222 Analista de Projetos Militares IPERÓ 63172222 Analista de Sistemas 2 IPERÓ 63372222 Analista Técnico IPERÓ 53172222 Arquiteto 40 CR IPERÓ 30472222 Assistente

Leia mais