O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo."

Transcrição

1 CÂNCER EM CRIANÇAS

2 O que é câncer? Grupo de doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo.

3 O câncer é comum em crianças? Nos EUA há cerca de 10 casos novos para cada habitantes, sendo uma importante causa de mortalidade entre crianças e adolescentes

4 Quais são as neoplasias mais freqüentes? Em geral as que afetam o sistema hematopoiético e os tecidos de sustentação. São predominantemente embrionárias, sendo constituídas de células indiferenciadas Geralmente respondem melhor aos métodos terapêuticos atuais.

5 Quais são as neoplasias mais freqüentes? leucemias, tumores do sistema nervoso central, linfomas, neuroblastoma, tumor de Wilms, retinoblastoma, tumores germinativos, sarcomas...

6 Como é feito o tratamento? O tratamento do câncer começa com o diagnóstico correto. Pela sua complexidade, ele deve ser efetuado em centro especializado, Principais modalidades terapêuticas: Quimioterapia/ transplante de medula óssea, cirurgia e radioterapia

7 Como é feito o tratamento? O trabalho em equipe é fundamental: oncologistas pediatras, cirurgiões pediatras, radioterapeutas, patologistas, radiologistas,

8 Como é feito o tratamento? O trabalho em equipe é fundamental: enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos, assistentes sociais, fisioterapeutas...

9 Como é feito o tratamento? A cura não deve se basear somente na recuperação biológica, mas também no bem-estar e na qualidade de vida do paciente. Não deve faltar, desde o inícío, o apoio psicossocial.

10 Procedimentos Comuns Mielograma, Punção lombar, Cateter Venoso Central, Transfusões.

11 Como prevenir? A prevenção primária é um desafio para o futuro; A ênfase atual deve ser dada ao diagnóstico precoce (prevenção secundária): É fundamental estar atento aos sinais e sintomas mais comuns.

12 Como prevenir? Em nosso meio, muitos pacientes ainda são encaminhados aos centros de tratamento com doenças em estágio avançado, em função de: Desinformação dos pais, Medo do diagnóstico de câncer (podendo levar à negação dos sintomas), Desinformação dos médicos Características de determinado tipo de tumor.

13 Leucemias invasão da medula óssea por células (de linhagem hematopoiética) anormais:

14 Leucemias Quadro Clínico febre, suscetibilidade a infecções, palidez, sangramentos, dor óssea, dor abdominal.

15 Tumores do sistema nervoso central cefaléia, vômitos, alterações motoras, alterações cognitivas, paralisias.

16 Linfomas Tumores do sistema linfohematopoiético. massa abdominal; massa (tumor), que pode ser visível e causar dor local

17 Outros tumores sólidos: Neuroblastoma; Tumor de Wilms; tumores germinativos;

18 retinoblastoma "reflexo do olho de gato ; fotofobia, estrabismo. Geralmente é diagnosticado antes dos três anos de idade.

19 Rabdomiossarcoma tumor muscular que pode atingir crianças e adolescentes. Acomete várias regiões, desde órbita, na região próxima aos olhos, braços, pernas, tórax a abdome

20 Tumores ósseos Sarcoma de Ewing; Osteossarcoma

21 Voltando ao tratamento Como, quando, e por quem são fornecidas as informações sobre a doença e o tratamento interfere no que a criança sente e pensa a este respeito.

22 Sempre evitar a mãe ou outro cuidador também devem ser orientados a este respeito: Se você não ficar bonzinho você vai tomar uma injeção ou vai ficar de castigo (ou apanhar!!) depois. Não vai doer nada, se este não for o caso. Criança bonita não chora e outras frases no mesmo estilo.

23 Sempre evitar Demonstrar ansiedade se a mãe estiver muito ansiosa orienta-la e, se necessário pedir que ela deixe a criança sozinha, sempre avaliando os riscos e os benefícios desta atitude.

24 Sempre levar em consideração: Desenvolvimento da criança; Existência de apego seguro; Nível de coesão e facilidade de comunicação entre os membros da família da criança; Capacidade para lida com situações de estresse; Ambiente sócio-cultural de origem da criança.

25 Condições que podem favorecer o tratamento: Pessoas importantes: Quem é a pessoa que fica a maior parte do tempo com a criança e qual sua relação efetiva com esta? Com quem a criança tem um bom vínculo? Quais são as pessoas ou personagens importantes para a criança, que podem servir de modelos para comportamentos que se deseja instalar?

26 Condições que podem favorecer o tratamento: Motivações: De que coisas a criança gosta? Qual o seu lazer preferido? O que ela gosta de fazer? O que ela não gosta de fazer?

27 Condições que podem favorecer o tratamento: Autocontrole: A Criança demonstra ter algum autocontrole? Em que situações? Ela é capaz de esperar a sua vez para obter algo que deseja? Ela é capaz de esperar a hora certa para obter algo que deseja? Ela é faz coisas que não são tão agradáveis agora para poder ganhar algo melhor depois?

28 Para reduzir o medo e reações consideradas inadequadas Sempre: Explicar os procedimentos e encorajar a criança. Sempre que possível, explicar à criança com antecedência o procedimento ao qual ela será submetida e, usando bonecos e outros brinquedos, estimular a criança a exercer o papel do profissional da saúde.

29 Para reduzir o medo e reações consideradas inadequadas Esta técnica, que inclui distração, pode ser muito útil tanto para a criança como para a mãe (ou outro familiar): Um balão de gás é enchido pela criança, durante o procedimento, enquanto a mãe é orientada a contar, em voz alta, o número de expirações da criança que aumentam o volume do balão

30 Para reduzir o medo e reações consideradas inadequadas Técnica Diga, mostre e faça : 1. Pedir à criança que preste atenção nele; 2. Dizer: agora vou pegar isto (mostrar o instrumental que será utilizado). 3. Mostrar: vou usa-lo assim (mostrar em um modelo ou em uma boneca). 4. Fazer: Agora vou fazer isto em você/no seu braço....

31 Para reduzir o medo e reações consideradas inadequadas Outras técnicas que podem ser úteis : Modelagem (filmes, apresentação seqüencial de slides), relaxamento, hipnose, técnicas expressivas e psicodramáticas.

32 Outras considerações Tanto a doença como os inúmeros procedimentos invasivos tendem a aumentar a dependência da criança em relação a seus familiares e à equipe de saúde, fazendo-a perceber-se como impotente. Esta impotência pode ter efeitos negativos sobre o desenvolvimento, mesmo depois do internamento ou término do tratamento. Se possível, permitir que ela tenha algum controle sobre o ambiente.

33 Situações em que o acompanhamento por um psicólogo é importante Sempre que as reações emocionais da criança: Dificultem a cooperação com o tratamento; Dificultem a expressão dos seus sentimentos sobre sua condição de estar doente e em tratamento; evidenciem depressão, angústia ou outros quadros de desadaptação.

34 Situações em que o acompanhamento por um psicólogo é importante Aumentem o medo e a resistência da criança a condições típicas de tratamento (como internamentos), podendo levar a maior percepção da dor ou sentimentos de degradação corporal; interfiram nas brincadeiras e atividades sociais típicas da infância e indispensáveis para o seu desenvolvimento normal

35 Relembrando: A cura não deve se basear somente na recuperação biológica, mas também no bem-estar e na qualidade de vida do paciente.

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial

Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial Cenário da Saúde da Criança e da Oncologia Pediátrica: avanços e desafios para a organização da rede assistencial José Eduardo Castro jose.castro@cancer.org.br Alguns conceitos no estudo da rede assitêncial

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o conceito de humanizar a assistência ao paciente, julgue os itens a seguir. 41 A heteronomia do paciente, o cuidado do ser humano doente e a promoção de saúde visando apenas à cura da doença

Leia mais

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL

SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL SINAIS DE ALERTA DO CÂNCER INFANTIL Cecília Fernandes Lorea Julho/2009 EPIDEMIOLOGIA 9000 casos novos/ ano no Brasil Probabilidade de 0,3% de uma criança desenvolver câncer antes dos 20 anos 1/300 indivíduos

Leia mais

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER?

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER? COMO DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE O CÂNCER INFANTO- JUVENIL? Departamento de Oncohematologia da SBP Na criança e no adolescente, o câncer compreende de 1 a 3% de todas as neoplasias malignas, estimando-se

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso OS IMPACTOS DO CÂNCER INFANTIL NO CONTEXTO FAMILIAR

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso OS IMPACTOS DO CÂNCER INFANTIL NO CONTEXTO FAMILIAR Pró-Reitoria de Graduação Curso de Serviço Social Trabalho de Conclusão de Curso OS IMPACTOS DO CÂNCER INFANTIL NO CONTEXTO FAMILIAR Autora: Sheyla Fabiane Alves Barreto Orientadora: Prof.ª Dra Luciana

Leia mais

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura

A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura A família frente ao tratamento da criança com câncer: revisão de literatura (The family coping the treatment of the child with cancer: literature revision) Edmara Cândida Tavares 1 ; Andréia da Costa Segóvia

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a

estudo Por ViVian Lourenço 7 4 g u i a d a f a r m á c i a Sentir dor não é normal A dor é sinal de que algo não vai bem no organismo. Os sintomas estão no cotidiano e é essencial saber a diferença entre a dor crônica e a aguda para buscar o tratamento Por Vivian

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR!

NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! NOVEMBRO DOURADO VIVA ESTA IDEIA! VENHA PARTICIPAR! Serviço de OncoHematologia do HIJG DIA NACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil (lei

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Lei Complementar nº 395, de 26 de dezembro de 1996, e alterações posteriores, é uma das mais importantes leis do nosso Município, por definir a forma com que o Executivo Municipal

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da epidemiologia e das bases genéticas do câncer pediátrico, julgue os itens a seguir. 41 As leucemias e linfomas são os tumores malignos mais frequentes em lactentes, enquanto os sarcomas ósseo

Leia mais

A Importância do Brincar: uma perspectiva em torno de pacientes infantis com câncer

A Importância do Brincar: uma perspectiva em torno de pacientes infantis com câncer CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A Importância do Brincar: uma perspectiva em torno de pacientes infantis com câncer Carine Carvalho, Julia Viana, Katy Ribas e Mariana Pimentel 1

Leia mais

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO

ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO ACTIVIDADES DE RELAXAÇÃO Momentos de bem-estar, a pensar em si. ACAPO Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal Delegação do Algarve Ano 2011 A relaxação actua como um mecanismo regulador das emoções

Leia mais

Fonoaudiologia Oncológica Introdução

Fonoaudiologia Oncológica Introdução Fonoaudiologia Oncológica Introdução M.Sc. Profª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar da UVA Chefe da Equipe

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA

OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA REFORÇA A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE NA CURA DO CÂNCER DE MAMA Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 01-Out-2015 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 01/10/2015

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: Nenhum

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: Nenhum CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum

PLANO DE CURSO. Pré-requisito: Nenhum CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Código: ENF- 218 CH Total: 60 Horas Pré-requisito:

Leia mais

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ

MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Diagnóstico de Enfermagem e a Taxonomia II da North American Nursing Diagnosis Association NANDA MARIA DA CONCEIÇÃO MUNIZ RIBEIRO MESTRE EM ENFERMAGEM (UERJ Taxonomia I A primeira taxonomia da NANDA foi

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE HUMANIZAÇÃO E GARANTIA DE DIREITOS NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PONTA GROSSA

EXPERIÊNCIA DE HUMANIZAÇÃO E GARANTIA DE DIREITOS NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PONTA GROSSA EXPERIÊNCIA DE HUMANIZAÇÃO E GARANTIA DE DIREITOS NO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PONTA GROSSA KOUT, Pamela de Oliveira (estagio I), e-mail: pam_kout@hotmail.com CAMPOS, Ligia Márcia de Araújo

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1

BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1 BRINQUEDOTECA: UM RECURSO À SAÚDE EM MEIO À DOENÇA 1 SALVAGNI, Adelise 2 ; QUINTANA, Alberto Manuel 3 ; CAMARGO, Valéri Pereira 4 ; CAERAN, Juliane 2 ; JUNGES, Nilve 2 ; MARTINS, Bruna Maria Corazza 2

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

Radioterapia no Cancro do Pulmão

Radioterapia no Cancro do Pulmão Editado em: Novembro de 2006 Apoio: Radioterapia no Cancro do Pulmão Comissão de Pneumologia Oncológica Sociedade Portuguesa de Pneumologia ÍNDICE A Comissão de Pneumologia Oncológica agradece ao autor

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

PARECER Nº, DE 2006. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2006. RELATORA: Senadora LÚCIA VÂNIA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2006 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 382, de 2005, que institui o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil e dá outras providências.

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM CÂNCER: ALGUNS ELEMENTOS PARA A ANÁLISE DO PROCESSO DE TRABALHO

ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM CÂNCER: ALGUNS ELEMENTOS PARA A ANÁLISE DO PROCESSO DE TRABALHO ASSISTÊNCIA À CRIANÇA COM CÂNCER: ALGUNS ELEMENTOS PARA A ANÁLISE DO PROCESSO DE TRABALHO Regina Aparecida Garcia de Lima* Carmem Gracinda Silvan Scochi* Ivone Kamada* Semíramis Melani Melo Rocha* LIMA,

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Prof. Rivaldo Assuntos Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Administração e Gerenciamento de Enfermagem Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher e da Criança Enfermagem nas Doenças Transmissíveis

Leia mais

Anais do Encontro Nacional de Recreação e Lazer

Anais do Encontro Nacional de Recreação e Lazer * Estudantes do curso superior em Tecnologia em Gestão Desportiva e do Lazer. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. ** Doutora em Educação. Orientadora e professora

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Revista ISSN 2179-5037

Revista ISSN 2179-5037 182 A CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA NOS CUIDADOS PALIATIVOS EM CRIANÇAS COM LEUCEMIA Gabrielle Silva de Souza Freitas¹ Cíntia Gonçalves de² Maria Izabel Dias Miorin de Morais³ RESUMO: Este artigo teve como

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

Hipnose Tratando a Ansiedade e a Fobia Específica. Alexandra Melo Fernandes Psicóloga - Hipnoterapeuta

Hipnose Tratando a Ansiedade e a Fobia Específica. Alexandra Melo Fernandes Psicóloga - Hipnoterapeuta Hipnose Tratando a Ansiedade e a Fobia Específica Alexandra Melo Fernandes Psicóloga - Hipnoterapeuta Estudo de Caso Paciente M, mulher de 49 anos, casada, do lar, mãe de dois filhos (um adulto e outro

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Fisioterapia Oncológica

Fisioterapia Oncológica Fisioterapia Oncológica Fisioterapia Respiratória O paciente oncológico diferencia-se em vários aspectos: Particularidades inerentes a condição clínica; Fatores relacionados com o câncer; Mielossupressão

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

O QUE ESPERAR DA CONSULTA

O QUE ESPERAR DA CONSULTA Manual do Paciente Manual do paciente O QUE ESPERAR DA CONSULTA O sucesso e a segurança do procedimento cirúrgico dependem de sua sinceridade durante a consulta. Você será questionado sobre sua saúde,

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO ACOMPANHANTE DE CRIANÇAS COM LEUCEMIA SOBRE TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO: A INFLUÊNCIA DE UM GRUPO DE INFORMAÇÃO

A PERCEPÇÃO DO ACOMPANHANTE DE CRIANÇAS COM LEUCEMIA SOBRE TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO: A INFLUÊNCIA DE UM GRUPO DE INFORMAÇÃO A PERCEPÇÃO DO ACOMPANHANTE DE CRIANÇAS COM LEUCEMIA SOBRE TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO: A INFLUÊNCIA DE UM GRUPO DE INFORMAÇÃO MARIA DE NAZARÉ DA SILVA CRUZ MARIA DE BELÉM RAMOS SOZINHO MARY ELIZABETH DE

Leia mais

ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO 1 ANÁLISE DO CARÁTER E CÂNCER: UMA LEITURA DO HOMEM CONTEMPORÂNEO Angela Naccarato Jose Henrique Volpi RESUMO Anualmente as estimativas apontam para um aumento do número de pacientes vítimas de câncer,

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 02 - Edição 01 Julho - 2013 Entrevistada: Mayara Petri Martins Entrevistadora: Bruna Aguiar TEMA: OBESIDADE Mayara Petri Martins. Psicóloga analista do comportamento,

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos:

3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Preciosidades da vida AULA: 113 Conteúdos: Tempo verbal: presente. Propriedade comutativa da multiplicação.

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 7. Cronograma de Aulas Pág. 9. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 6 Etapas do Processo Seletivo Pág. 7 Matrícula 9 Cronograma de Aulas Pág. 9 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA MULTIPROFISSIONAL

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Introdução A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente

Leia mais

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade.

Tratamento do TCAP. Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito. História individual, singularidade. Tratamento do TCAP Psicologia: como os processos mentais interferem na vida do sujeito História individual, singularidade Psicoterapia: Tratamento: multidisciplinar Equipe coesa Importância de entender

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher

Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher CÂNCER INFANTOJUVENIL: TRAJETÓRIA DOS CASOS COM SUSPEIÇÃO REALIZADA EM UNIDADES NÃO ESPECIALIZADAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva).

Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 1 Gráficos: experimento clássico de Gause, 1934 (Princípio de Gause ou princípio da exclusão competitiva). 2 O câncer surge de uma única célula que sofreu mutação, multiplicou-se por mitoses e suas descendentes

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Qual é a função do Sistema Nervoso Central?

Qual é a função do Sistema Nervoso Central? Câncer de SNC Qual é a função do Sistema Nervoso Central? O Sistema Nervoso Central (SNC) é constituído pelo cérebro, cerebelo e tronco cerebral. O cérebro é dividido em quatro lobos que controlam funções

Leia mais

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica

Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Assistência de Enfermagem em Pacientes de Pós Operatório de Tumores do SNC admitidos no Centro de Terapia Intensiva Pediátrica Oncológica Kely Cristina Silva Oliveira Técnica de Enfermagem CTI Pediátrico

Leia mais

Gabarito Preliminar 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 E D E A B A B B B E A C A C E C A A A D E C C B E

Gabarito Preliminar 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 E D E A B A B B B E A C A C E C A A A D E C C B E Gabarito Preliminar MATERNIDADE ESCOLA ASSIS CHATEAUBRIAND DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - MEAC-UFC E HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - HUWC-UFC CONCURSO PÚBLICO

Leia mais

Dedicados à coluna. unidade da coluna

Dedicados à coluna. unidade da coluna Dedicados à coluna A nova Unidade da Coluna do Hospital Beatriz Ângelo reúne médicos de várias especialidades com o objetivo de dar a resposta mais rápida e adequada às pessoas com doenças graves da coluna.

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina

MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina MS777: Projeto Supervisionado Estudos sobre aplicações da lógica Fuzzy em biomedicina Orientador: Prof. Dr. Laécio C. Barros Aluna: Marie Mezher S. Pereira ra:096900 DMA - IMECC - UNICAMP 25 de Junho de

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1

DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM : AS EMOÇÕES PRESENTES NO PERÍODO PRÉ-OPERATÓRIO DE PACIENTES COM INDICAÇÃO DE CIRURGIA ONCOLÓGICA 1 Rosana Rodrigues dos SANTOS 2 Marister PICCOLI 3 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO

Leia mais

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL RELATÓRIO DE NOVE ANOS DE ATIVIDADES 2002-2011 CUIABÁ, MARÇO DE 2012. Introdução/Desenvolvimento: O CAPSi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPS Infantil)/CIAPS

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Resumo. Abstract. Enfermeira do Instituto de Câncer de Londrina (ICL). Especialista em Enfermagem em Saúde da Criança. 2

Resumo. Abstract. Enfermeira do Instituto de Câncer de Londrina (ICL). Especialista em Enfermagem em Saúde da Criança. 2 DOI: 10.5433/1679-0367.2014v35n2p9 Crianças com câncer: caracterização das internações em um hospital escola público Children with cancer: characterization of hospitalization in a public teaching hospital

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje

Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter. anos, principalmente nos últimos cinqüenta anos. Uma doença antes não tratável, hoje Tratamento do Aneurisma da Aorta Abdominal por Cateter Felipe Puricelli Faccini Cirurgião Vascular Introdução: O tratamento do aneurisma da aorta abdominal tem evoluído muito ao longo dos anos, principalmente

Leia mais

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização

Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade. Fluxo do conteúdo. Fluxo do conteúdo. OSTEOPOROSE Caracterização Alterações dos tecidos ósseo e articular na terceira idade Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ÓSSEO Prevenção Sintomas Tratamento Prof. Germano Fluxo do conteúdo ALTERAÇÕES NO TECIDO ARTICULAR Prevenção

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor -

Gestão de Pessoas. - Saúde do Servidor - Gestão de Pessoas - Saúde do Servidor - Promoção de Saúde e Bem-Estar Desenvolve programas destinados à prevenção de doenças, à promoção de saúde e de qualidade de vida. Realiza campanhas, palestras e

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES

GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES GUIA PRÁTICO PARA PROFESSORES Ansiedade de desempenho nos alunos Sugestões práticas da: Nota introdutória Falamos-lhe hoje da ansiedade em situações de desempenho e avaliação. Tem-se observado uma crescente

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

VALÉRIA DE FREITAS FERREIRA PAGANI CÂNCER INFANTO-JUVENIL: UMA AVALIAÇÃO DO DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E TRABALHO MULTIPROFISSIONAL.

VALÉRIA DE FREITAS FERREIRA PAGANI CÂNCER INFANTO-JUVENIL: UMA AVALIAÇÃO DO DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E TRABALHO MULTIPROFISSIONAL. 1 VALÉRIA DE FREITAS FERREIRA PAGANI CÂNCER INFANTO-JUVENIL: UMA AVALIAÇÃO DO DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E TRABALHO MULTIPROFISSIONAL Palmas TO 2015 VALÉRIA DE FREITAS FERREIRA PAGANI CÂNCER INFANTO-JUVENIL:

Leia mais

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura

MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura 1 MEDICINA PÓS-REICHIANA APRESENTAÇÃO DE UM CASO CLÍNICO Roberto Brunow Ventura RESUMO Esta apresentação tem como objetivo ilustrar a importância de usarmos uma visão global do paciente na prática clínico-terapêutica.

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Encontro 7 26 de agosto de 2015

Encontro 7 26 de agosto de 2015 PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO FAMILIAR Serviço de Atendimento Psicopedagógico SILVANY BRASIL Serviço Socioeducacional DIVANEID ARAÚJO Serviço de Orientação Educacional CINTHYA GUERRA Encontro 7 26 de agosto de

Leia mais

Tumores sólidos e hematológicos na infância e na adolescência Parte I

Tumores sólidos e hematológicos na infância e na adolescência Parte I 40 ARTIGO ORIGINAL Luis Fernando Bouzas 1 Mirna Calazans 2 Tumores sólidos e hematológicos na infância e na adolescência Parte I INTRODUÇÃO O diagnóstico de neoplasia maligna em crianças é raro, sendo

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

& ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER

& ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER & ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NA TERAPIA DA CRIANÇA COM CÂNCER A r t i g o s Marielli Pacheco Brondani Mello 1 Silvania Moraes Bottaro 2 Resumo O estudo teve como objetivo estudar a acuidade da assistência

Leia mais

Sonolência Excessiva Diurna (SED)

Sonolência Excessiva Diurna (SED) Sonolência Excessiva Diurna (SED) A sonolência é queixa comum, principalmente, entre adolescentes, quase sempre por não desfrutarem de sono satisfatório. Eles dormem poucas horas à noite e, no dia seguinte,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010)

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 6.806 DE 2010 (Apenso Projeto de Lei Nº 6.909/2010) Cria o Programa Nacional de Combate à Retinoblastoma e aos Tumores Embrionários e dá outras

Leia mais

O Cuidado Extra-Muros

O Cuidado Extra-Muros O Cuidado Extra-Muros IX JORNADA DE PSICOLOGIA ONCOLÓGICA DO INCA III ENCONTRO INCA / SBPO Arli Melo Pedrosa RECIFE 2013 / 2013 Oncologia Pediátrica Suporte Social Suporte Científico HOSPITAL AMBULATÓRIO

Leia mais

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum

Hemodiálise. Uma breve introdução. Avitum Hemodiálise Uma breve introdução Avitum O que é hemodiálise? Na hemodiálise, um rim artificial (hemodialisador) é usado para remover resíduos, substâncias químicas extras e fluido de seu sangue. Para colocar

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

Tipos de tumores cerebrais

Tipos de tumores cerebrais Tumores Cerebrais: entenda mais sobre os sintomas e tratamentos Os doutores Calil Darzé Neto e Rodrigo Adry explicam sobre os tipos de tumores cerebrais. CONTEÚDO HOMOLOGADO "Os tumores cerebrais, originados

Leia mais

Ano 6 Fevereiro 2014 12. Boa leitura!

Ano 6 Fevereiro 2014 12. Boa leitura! Ano 6 Fevereiro Desde, os casos de suspeita de câncer infantojuvenil têm um caminho certeiro na cidade do Rio de Janeiro. Toda criança ou adolescente atendido em qualquer unidade de saúde da Atenção Primária

Leia mais