AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÕES Unidade I Fichamentos e Exercícios Avaliativos 2,0 Prova Escrita Individual 8,0 Unidade II Projeto Conceitual de uma nova indústria 5,0 Usar Modelo em Word disponível do Site Prova Escrita Individual 5,0 Todos os materiais são disponibilizados no site: ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL Capa e Contracapa (Padrão ABNT Valor: 0,5) 1. Introdução Desenvolver a problemática e o objetivo do projeto. O que pretende ser resolvido? 2. Análise de Conjuntura (Valor: 0,5) 1. Fazer um resumo dos cenários (Político, Econômico, Social, Natural e Tecnológico) 2. Oportunidades e ameaças identificadas 1

2 ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 3. Análise Microeconômica (Valor: 0,5) 1. Fornecedores Indicar materiais, insumos, localidades e valores 2. Clientes Indicar o potencial de consumo, localização e valores 3. Concorrentes Indicar a força e vulnerabilidades encontradas 4. Entrantes Indicar possíveis movimentos de mercado 5. Substitutos Indicar produtos que possuam potencial para tomar o mercado que se pretende trabalhar ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 4. Viabilidade Técnica (Valor: 0,5) 1. Apresentar a rota de produção e descrevê-la. Se houver necessidade de testes em laboratório para confirmar, incluir os resultados. 2. Apresentar fluxograma de processo com os principais equipamentos 3. Quadro de pessoal apresentar descrição dos cargos (com CBO) com os quantitativos de vagas, faixa salarial e as atividades a serem desenvolvidas. 4. Apresentar um Balanço de Massa com o cálculo das correntes e a capacidade da unidade ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 5. Localização da Planta de Produção (Valor: 0,5) 1. Apresentar o mapa com o posicionamento da unidade; 2. Indicar localização dos principais fornecedores e clientes calculando rotas e distâncias; 3. Apresentar os motivos que levaram à escolha do local para a unidade 2

3 ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 6. Análise Financeira (Valor: 1,5) 1. Investimentos Apresentar os gastos necessários para a implantação da unidade 2. Receitas Apresentar a estimativa de faturamento e outras receitas informando o preço de venda e a perspectiva de vendas em unidades 3. Tributos apresentar os tributos cabíveis para a empresa ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 6. Análise Financeira (Valor: 1,5) 4. CPV apresentar a composição de custo unitário bem como o cálculo do CPV pelo sistema de Absorção 5. Despesas Operacionais Indicar as despesas relacionada à operação da unidade 6. Fontes de Financiamento Indicar como serão financiados os investimentos do projeto 7. Fluxo de Caixa Apresentar cenário otimista, pessimista e real. Apresentar os indicadores financeiros: VPL, TIR e Payback ESTRUTURA DO PROJETO CONCEITUAL 7. Conclusão (Valor: 0,5) Indicar a recomendação do projeto informando se o mesmo deve ou ser implantado 8. Referencias Bibliográficas Seguir os padrões da ABNT 9. Anexos (Valor: 0,5) 1. Mapa de Correlação positiva e negativa apresentando as hipóteses de risco e todos os cálculos 2. Outros anexos que forem necessários 3

4 SEMINÁRIO DE PROJETOS No dia 27.11, todos os projetos devem ser entregues Serão apresentados os projetos elaborados para recomendar melhorias na apresentação da equipe. A apresentação não vale nota. Serve apenas para mensurar a habilidade dos integrantes e o grau de participação do membro no projeto, podendo ter notas diferenciadas em caso de integrantes que não apresentem conhecimento do projeto. MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 4

5 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA QUE SERVE A MATEMÁTICA FINANCEIRA? A matemática financeira é o ramo da matemática que estuda a relação entre o dinheiro e o tempo. Essa ferramenta é utilizada para que o administrador tome as decisões de investimento e aplicação de recursos, na medida em que utiliza critérios financeiros. CONCEITOS IMPORTANTES. Capital: é uma quantidade qualquer de moedas, em determinado tempo. Também é conhecido como valor presente VP. Exemplo: Imagine que você depositou em sua caderneta de poupança $ 500,00. É correto você afirmar que fez uma aplicação de um capital no valor de $550,00. Exemplo: Imagine que você vai abrir um empresa, a soma dos equipamentos necessários para a abertura dessa empresa também serão denominados de capital inicial. 5

6 CONCEITOS IMPORTANTES. Taxa de juros: A taxa de juros é um coeficiente que expressa o quanto de juros será pago nas operações. A notação utilizada é i e os valores são expressos em %. Imagine que em uma operação de empréstimo a pessoa pague $ 20, se o valor emprestado for de $100, então a pessoa emprestou? i = juros/capital = 20/100 = 0,2 ( 0,2x100 = 20%) ou 20%. CONCEITOS IMPORTANTES Fluxo de caixa: consiste nas disposição das entradas e saídas de caixa em uma empresa, na conta corrente de um individuo ou na dinâmica de pagamentos de dividendos de um portfólio. Entradas de caixa Saídas de caixa CONCEITOS IMPORTANTES Juros : O juros é a remuneração do capital por sua utilização durante determinado período. Para quem empresta o dinheiro, o juros é uma especie de retorno ou prêmio por ter deixado de consumir em determinado período. Para quem está tomando o empréstimo, o juros é o custo necessário para esse procedimento. 6

7 CONCEITOS IMPORTANTES Montante é o valor de resgate de qualquer transação financeira, ou seja, corresponde a soma do capital mais o juros da operação: Montante = Capital + Juros. Se você emprestar $ 100,00 a um colega de sala, a um juros de $ 20 por mês, então ao final do primeiro mês da dívida você deverá resgatar um montante de $ 120,00. CONCEITOS IMPORTANTES. Custo de oportunidade: Em economia as pessoas se deparam com Trade offs, que se trata de escolhas conflitantes. Quando você faz uma opção por determinado investimento, deve ter em mente que seu custo econômico será um outro investimento com rentabilidade superior ao que você escolheu. Para avaliar essas escolhas é útil a ferramenta da matemática financeira. O Aluno Joãozinho decidiu arrumar um emprego de frentista de um posto de gasolina para pagar a universidade. O salário ofertado foi de $ 622 com tempo disponível para estudar, num mesmo período foi lhe feito uma segunda proposta, onde o salário foi de $800,00 entretanto o não haverá tempo para Joãozinho cursar a universidade. Qual a melhor decisão a ser tomada? REGIME DE JUROS SIMPLES 7

8 JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não incidirão novos juros. JUROS SIMPLES Valor Principal ou simplesmente principal é o valor inicial emprestado ou aplicado, antes de somarmos os juros. EXEMPLO Se dissermos que um empréstimo de R$ 1000,00 cobra juros de R$ 5,00 isso representará uma variação grande ou pequena? 8

9 1. PRAZO COMERCIAL (JUROS COMERCIAIS) Todos os meses são considerados com 30 dias e o ano contendo 360 dias. JUROS COMERCIAIS E JUROS EXATOS 1. PRAZO EXATO (JUROS EXATOS) Consideram-se os dias transcorridos efetivamente entre as datas apresentadas. JUROS SIMPLES Um capital C, empregado durante n períodos, à taxa i, produz juros J, dados por: J = C i n e um montante igual a: M = C( 1+ i n) JUROS SIMPLES EXEMPLOS 1. Um capital de R$20.000,00 é aplicado à taxa de juros simples de 30% a.a, pelo prazo de 8 meses. Determine os juros produzidos. R$ 4.000,00 9

10 JUROS SIMPLES EXEMPLOS 2. Um capital de R$23.500,00 foi aplicado durante 8 meses à taxa de 9% a.a. Determine o montante dessa aplicação. R$24.910,00 JUROS SIMPLES EXEMPLOS 3. Uma aplicação de R$50.000,00 pelo prazo de 8 meses resultou num montante de R$66.000,00. Qual foi a taxa desta aplicação? 4% a.m. JUROS SIMPLES EXEMPLOS 4. De quanto seria o juro produzido por um capital de R$2.300,00, aplicado durante 3 meses e 10 dias, à taxa de 12% ao mês? R$ 920,00 10

11 PRAZO MÉDIO Dado um conjunto com duas ou mais aplicações a juros simples, cada qual com seus próprios valores de capital, taxa e prazo, dizemos que PRAZO MÉDIO é um prazo único tal que, substituindo os prazos de cada uma das aplicações dadas, produzirá o mesmo total de juros das aplicações originais. PRAZO MÉDIO PM P PRAZO = ( P C T) ( C T) C CAPITAL T - TAXA PRAZO MÉDIO EXEMPLO: Três capitais de R$1000,00, R$2000,00 e R$3000,00 foram aplicados às taxas simples de 2%, 3% e 4% ao mês durante 3 meses, 2 meses e 1 mês, respectivamente. Qual seria o prazo médio para essas três aplicações? 45 dias 11

12 PRAZO MÉDIO EXEMPLO José Roberto fez quatro aplicações, à mesma taxa de juros simples, com valores de R$ 2.000,00, R$ 1.500,00, R$ 4.500,00 e R$ 3.000,00, pelos prazos, respectivamente, de 6 meses, 1 ano, 4 meses e 8 meses. Calcule o prazo médio. 6,55 meses TAXA MÉDIA TAXA MÉDIA é uma taxa única tal que, substituindo as taxas de cada uma das aplicações dadas, produzirá o mesmo total de juros das aplicações originais. TAXA MÉDIA TM = ( P C T ) ( P C) P PRAZO C CAPITAL T - TAXA 12

13 TAXA MÉDIA EXEMPLO: Três capitais de R$1000,00, R$2000,00 e R$3000,00 foram aplicados às taxas simples de 2%, 3% e 4% ao mês durante 3 meses, 2 meses e 1 mês, respectivamente. Qual seria a taxa média para essas três aplicações? 3% a.m. CAPITAL MÉDIO CAPITAL MÉDIO é um capital único tal que, substituindo os capitais de cada uma das aplicações dadas, produzirá o mesmo total de juros das aplicações originais. CAPITAL MÉDIO CM = ( P C T ) ( P T ) P PRAZO C CAPITAL T - TAXA 13

14 EXERCÍCIO AVALIATIVO Considere o total de juros simples obtidos pelas aplicações de R$300,00 por 1 mês à taxa de 2% a.m., R$100,00 por 3 meses à taxa de 3% a.m. e R$200,00 por 2 meses à taxa de 2% a.m. a) Qual a taxa única que resultaria na mesma quantidade de juros produzidos? b) Qual o prazo único? c) Qual o capital único? REGIME DE JUROS COMPOSTOS EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Conceito fundamental na resolução de problemas de calculos financeiros Permite transformar formas de pagamentos em outras diferentes e, consequentemente, efetuar comparações entre alternativas Diz-se que dois capitais, com datas de vencimento determinadas, são equivalentes quando, levados para uma mesma data à mesma taxa de juros, tiverem valores iguais. Um prédio é vendido por ,00 à vista ou então a prazo, em três parcelas mensais de ,00 cada uma, sem entrada. Qual a melhor alternativa para o comprador se ele pode aplicar seu dinheiro a juros compostos de 2% a.m. e tem fundos suficientes para pagar à vista: 14

15 EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Dois conjuntos de capitais separados por n períodos de tempo. Dizemos que x e y são equivalentes a uma taxa de juros compostos i, se: x x (1+i) n = y 0 n y Alguma novidade 0 n x = y / (1+i) n EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Conjunto de capitais y 0 y 1 Y 2... y n V Y n Y = 1 2 n Yo n (1 + i) (1 + i) (1 + i) n j V = j = 0 + j (1 i) Y Y EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Conjunto de capitais equivalentes y 0 y 1 Y 2... y n n x 0 x 1 x 2... x n n Dois conjuntos de capitais são equivalentes a uma taxa de juros compostos i se seus valores atuais forem iguais. V 1 = V 2 15

16 EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS No regime de juros compostos, uma vez verificada a equivalência para certa data focal, esta será válida para qualquer outra = transitividade O mesmo não vale para Juros Simples! EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Voltando ao exemplo: O comprador pode pagar o terreno a vista, ou dividir em 3 parcelas. Como os fluxos estão em datas diferentes, devemos trazer para uma data igual (no caso do exemplo o mais fácil é trazer para data 0 e comparar os valores). Alternativa 1: Pagar a vista R$ (já esta na data 0) Alternativa 2: Três parcelas de R$ (para daqui a 1, 2 e 3 meses). Data Alternativa ,00 Alternativa , , ,00 EQUIVALÊNCIA DE CAPITAIS A JUROS COMPOSTOS Uma dívida de vence daqui a dez meses. Entretanto, o devedor faz uma proposta de renegociação do saldo devedor em três parcelas semestrais iguais contados a partir de hoje. A juros compostos de 5% a.s., analise se a proposta vale a pena para quem fez o empréstimo. 16

17 EXERCÍCIO AVALIATIVO 1. Uma nota promissória, cujo valor nominal é de ,00 vence daqui a um mês. O devedor propõe a troca por outra nota promissória, a vencer daqui a 3 meses. Qual deve ser o valor nominal da nova nota promissória para que os capitais sejam equivalentes, à taxa de 2% a.m ,00 2. Uma pessoa tem um dívida de para daqui a 2 meses e outra de para daqui a 3 meses. Quanto deve aplicar hoje a taxa de juros de 2% a.m. Para fazer frente a essas dívidas 133,055,91 FICHAMENTO 01 Realizar o fichamento do capitulo 1 de Projetos de Investimento na Empresa de Juan Carlos Lapponi TAXAS DE JURO 17

18 TAXAS EQUIVALENTES Duas taxas são ditas equivalentes, quando, aplicadas a um mesmo capital inicial, pelo mesmo prazo, produzem o mesmo montante e, portanto, o mesmo juro. TAXAS EQUIVALENTES CUIDADO Na capitalização simples, taxas equivalentes também serão proporcionais, o que não ocorre no sistema de capitalização composta. TAXAS EQUIVALENTES Na capitalização composta, podemos encontrar taxas equivalentes da seguinte forma: 18

19 TAXAS EQUIVALENTES EXEMPLOS: 1. Qual é a taxa de juros simples mensal equivalente à taxa anual de 36% ao ano? 3% a.m 2. Qual é a taxa de juros simples semestral equivalente a 5% ao bimestre? 15% a.s TAXAS EQUIVALENTES 3. Qual é a taxa bimestral equivalente à taxa de juros compostos de 20% a.m.? 44% a.b 4. Qual é a taxa bimestral equivalente a taxa semestral de 30% a.s., a juros compostos? 9,1% a.b TAXA NOMINAL Taxa nominal é aquela em que a unidade de referência de seu tempo é diferente da unidade de tempo dos períodos de capitalização. 19

20 TAXA NOMINAL EXEMPLOS: 1. 60% a.a. com capitalização mensal 2. 40% a.a. com capitalização bimestral 3. 18% a.m. com capitalização diária TAXA EFETIVA Taxa efetiva é aquela em que a unidade de referência de seu tempo coincide com a unidade de tempo dos períodos de capitalização. TAXA EFETIVA EXEMPLOS: 1. 15% ao mês com capitalização mensal % ao semestre com capitalização semestral % ao ano com capitalização anual. 20

21 TAXA NOMINAL X TAXA EFETIVA EXEMPLOS: 1. Encontre a taxa efetiva de: a) Uma taxa nominal de 60% a.a. com capitalização mensal. 3,99% a.m b) Uma taxa nominal de 60% a.a. com capitalização bimestral. 8,15% a.b TAXA NOMINAL X TAXA EFETIVA EXEMPLOS: 2. Um capital de R$ 2.000,00 é aplicado, sob o regime de capitalização composta, à taxa nominal de 120% a.a. com capitalização mensal, pelo prazo de 3 anos. Determine o montante ao final da aplicação. M = R$ ,36 TAXA REAL E TAXA APARENTE REAL é a taxa aparente descontado a inflação do período. A taxa real reflete com maior precisão o ganho real de um investimento por considerar a perda com a desvalorização causada pela inflação do período. APARENTE é a taxa efetiva da operação. (1 + i a ) = (1 + i r ) (1 + i i ) 21

22 TAXA REAL E TAXA APARENTE EXEMPLOS 1. Se, em determinado ano, a inflação for igual a 20%, será mais atraente para um investidor fazer suas aplicações à taxa real de 10% do que à taxa aparente de 30%. CERTO TAXA REAL E TAXA APARENTE EXEMPLOS 2. A renda nacional de um país cresceu 110% em um ano, em termos nominais. Nesse mesmo período, a taxa de inflação foi de 100%. O crescimento da renda real foi então de: 5%a.a. CONVENÇÕES LINEAR E EXPONENCIAL Até agora, nos deparamos somente com situações em que o tempo de aplicação sempre coincidiu com um número inteiro de períodos. Entretanto, é possível encontrar aplicações em que os mesmos não coincidam. 22

23 CONVENÇÕES LINEAR E EXPONENCIAL CONVENÇÃO LINEAR Pela convenção linear, haverá a incidência de juros compostos durante os períodos inteiros de capitalização, sendo que, a seguir, sobre o montante acumulado incidem juros simples durante o período fracionário de capitalização. n M = C( 1+ i) (1 + i. n) CONVENÇÃO EXPONENCIAL Pela convenção exponencial, haverá a incidência de juros compostos tanto nos períodos inteiros de capitalização como nos fracionários. n n M = C( 1+ i) (1 + i) 23

24 EXERCÍCIO AVALIATIVO Um capital de R$ ,00 é aplicado à taxa de juros aparente de 7% a.m (inflação de 1%a.m). com capitalização mensal, durante 5 meses e 20 dias. Calcule o montante ao final do período, considerando-se: a) Convenção linear; b) Convenção exponencial; c) Ganho real da operação nas duas Convenções. OPERAÇÃO DE DESCONTO DESCONTOS O cálculo do desconto refere-se ao valor de um título numa data antes de seu vencimento; O desconto é a diferença entre o valor de resgate e o valor presente do título na data da operação. D = V f V p 24

25 SITUAÇÃO EXEMPLO: Você é um fornecedor de matériaprima para a indústria automotiva. Ao fornecer um lote de mercadorias recebe um cheque pré-datado com vencimento em 60 dias. Estando na época de pagar os seus funcionários, você precisa de capital para fazer os respectivos depósitos. Como fazer para ter dinheiro hoje? RESPOSTA: Você pode ir até o banco e antecipar o recebimento do cheque, porém o banco irá cobrar por esta antecipação. Esta cobrança efetuada pelo banco é o que chamamos de desconto. TIPOS DE DESCONTOS Desconto Simples (Bancário ou comercial) A taxa de desconto incide sobre o valor futuro do título (D = VF.i d.n) Valor descontado (VP=VF - D) Desconto Composto A taxa de desconto incide sobre o valor futuro deduzido dos descontos acumulados até o período imediatamente anterior. D = VF[(1+i d ) n -1] Valor descontado VP = VF - D 25

26 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES O desconto praticado pelo mercado é o desconto simples, por que? O desconto composto existe na teoria, porém na prática não é usado. EXEMPLO 1 Uma duplicata de $70.000,00, com vencimento para 90 dias, foi descontada por um banco à taxa de 2,7% ao mês. Calcular o valor líquido entregue ou creditado ao cliente. D = VF.i d.n D = x 3 x 0,027 = 5.670,00 VP = VF D VP = , ,00 = $ ,00 EXEMPLO 2 Calcular o valor do desconto de um título de ,00, com 115 dias a vencer, sabendo-se que a taxa de desconto é 3% ao mês. D = VF id n 115 D = ,03 30 D = $11.500,00 26

27 EXERCÍCIO AVALIATIVO 1 Uma duplicata de $5.000,00, com vencimento para 125 dias, foi descontada por um banco à taxa de 3,6% ao mês. Calcular o valor líquido entregue ou creditado ao cliente. (SIMPLES) $ 4.250,00 EXERCÍCIO AVALIATIVO 2 Calcular o valor do desconto de um título de $34.000,00, com 200 dias a vencer, sabendo-se que a taxa de desconto é 20% ao ano. (COMPOSTO) $ 3.624,31 EXERCÍCIO 3 Determinar quantos dias faltam para o vencimento de uma duplicata, no valor de $9.800,00, que sofreu um desconto de $548,50, à taxa de 32% ao ano. (simples) 63 dias 27

28 SEQUÊNCIA DE PAGAMENTOS - AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagamento do capital emprestado, realizado por meio de prestações periódicas que podem ser mensais, bimestrais, semestrais, etc. AMORTIZAÇÃO Para Raymundo e Franzin, 2003, amortização é um processo financeiro pelo qual uma obrigação (ou o principal) é sanada progressivamente por meio de pagamentos periódicos, de tal forma que, ao término do prazo estipulado, o débito seja liquidado. 28

29 AMORTIZAÇÃO Em todos os sistemas de amortização, cada pagamento é a soma do valor amortizado com os juros do saldo devedor, isto é: PAGAMENTO = AMORTIZAÇÃO + JUROS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO 1. Sistema de Amortização Constante (SAC) 2. Sistema Francês (PRICE) 3. Sistema Americano (só paga os juros e no final do período quita integralmente) 4. Sistema Alemão (parcelas iguais mas é feito um pagamento antecipado de parte dos juros) 5. Sistema de Amortização Misto (SAM) - as prestações são as médias aritméticas das prestações do sistema de amortização constante com o sistema francês. Os juros é a multiplicação do saldo devedor com a taxa de desconto e a amortização é a subtração das prestações com os juros 6. Sistema de Amortização Crescente (SACRE) O valor das parcelas vai diminuindo e a parte correspondente à amortização vai crescendo. SISTEMA PRICE 29

30 SISTEMA SAC SISTEMA SACRE SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) Nesse sistema, a amortização da dívida é constante e igual em cada período, sendo que a soma do valor da amortização mais o dos juros fornecerá o valor da prestação. 30

31 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) Sendo D 0 o saldo devedor inicial, a ser amortizado em k parcelas, o valor de cada amortização será: Em seguida aplica-se o cálculo do juro para os periodos m = D k 0 SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) EXEMPLO Calcule a amortização usando o Sistema de Amortização Constante (SAC) de um financiamento de R$ ,00 que será pago ao final de 5 meses à taxa mensal de 4%. SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) n SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) Juros Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

32 EXERCÍCIO AVALIATIVO Na compra de uma nova linha de produção no valor de R$ ,00, você fez um financiamento no valor total em um banco com juros de 3% a.m, a ser pago em 6 meses. Calcule as parcelas usando o Sistema de Amortização Constante (SAC). EXERCÍCIO (SAC) n SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE(SAC) Juros Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 - SISTEMA PRICE Esse sistema caracteriza-se pelo pagamento do empréstimo com prestações iguais, periódicas e sucessivas. As prestações pagas são compostas por uma parcela de juros e outra de amortização. 32

33 SISTEMA PRICE Pagamento em Parcelas Constantes Método mais comumente utilizado no Brasil Cálculo da Parcela: V P P P n = (). () SISTEMA PRICE EXEMPLO Um financiamento de R$ ,00 será pago em 5 prestações mensais, sem período de carência, a à taxa de juros de 10% a.m., utilizando-se a TABELA PRICE. Determine o valor das prestações e construa a planilha de amortização. SISTEMA PRICE n Juros SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , , , , , ,18 * 2.637,97-33

34 EXERCÍCIO Na compra de um apartamento de R$ ,00, você fez um financiamento em um banco com juros de 3% a.m, a ser pago em 6 meses. Calcule a amortização usando o Sistema de Amortização Francês (PRICE). PRICE n SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS (PRICE) Juros Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,63 0 TREINAMENTO Um projeto foi aprovado no BNDES no valor total de R$ ,00 sendo que a empresa deverá arcar com 10% do projeto e o banco com o restante. Os dados da operação são: Taxa de 3,5% a.a. com capitalização mensal Carência de 2 anos Tempo total da operação: 5 anos Calcule pelo sistema PRICE as parcelas e monte a tabela para o periodo de 3 anos 34

35 TREINAMENTO Durante a execução de um projeto, o fabricante de compressores realizou a venda no valor de R$ a prazo com pagamentos mensais pelo SAC. Considerando que a taxa negociada foi de 3,0% a.m. e foi parcelado em 6 meses, calcule as parcelas e monte a tabela SAC TREINAMENTO Em um projeto em execução, houve uma sobra de verba no valor de R$ O gerente resolveu antecipar o pagamento de um equipamento previsto para daqui a 3 meses no valor de Quanto deverá ser a taxa de desconto a ser negociada com o fornecedor para que seja utilizado o saldo do projeto? Que argumentos você utilizará para efetivar a operação? EXERCÍCIO AVALIATIVO 1. Bernardo realizou um empréstimo de R$ 2.000,00 em um banco a uma taxa de juros de 5% ao mês. O contrato de quitação da dívida estabeleceu o pagamento em 4 prestações, a primeira vencendo dentro de um mês e as demais a intervalos de 1 mês. Calcule o total de juros pagos por Bernardo ao Banco dado o seguinte sistema de amortização: a) SAC b) PRICE 35

36 EXERCÍCIOS n SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO CONSTANTE (SAC) Juros Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , ,00 500,00 600, , ,00 500,00 575, , ,00 500,00 550,00 500, ,00 500,00 525,00-250, EXERCÍCIOS n SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS (PRICE) Juros Amortização do Saldo Devedor Pagamento Saldo Devedor , ,00 464,02 564, , ,80 487,22 564, , ,44 511,58 564,02 537, ,86 537,16 564,02-256,09 36

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc

Pra que serve a Matemática Financeira? AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS MATEMÁTICA FINANCEIRA 20/01/2016. Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE INVESTIMENTOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc MATEMÁTICA FINANCEIRA Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc Pra que serve a Matemática Financeira? 1 NOÇÕES GERAIS SOBRE A MATEMÁTICA

Leia mais

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas

Conceitos Básicos 09/10/2015. Módulo IV Capitalização Composta. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Módulo IV Capitalização Composta Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA Montante e Juro Fórmulas Derivadas Conceitos Básicos No sistema de juros compostos (regime de capitalização composta),

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 09/08/2015. Módulo I Conceitos Básicos e Simbologia. Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc

Vamos nos conhecer. Avaliações 09/08/2015. Módulo I Conceitos Básicos e Simbologia. Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Módulo I Conceitos Básicos e Simbologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática

Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática Lista de Exercícios para a Prova Substitutiva de Matemática Financeira Parfor Matemática 1. Se 35 m de um tecido custam R$ 140, quanto se pagará 12 m? 2. Se 20 tratores levaram 6 dias para realizar um

Leia mais

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

JUROS SIMPLES 23/08/2015. Módulo II Capitalização Simples. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo II Capitalização Simples Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CAPITALIZAÇÃO SIMPLES Juro Fórmulas Derivadas JUROS SIMPLES O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidir apenas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00.

prestação. Resp. $93.750,00 e $5.625,00. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA DISCIPLINA MAT191 - MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 3 1) Um bem é vendido a vista por $318.000,00

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA

UNIDADE DESCENTRALIZADA NOVA IGUAÇU - RJ ENGENHARIA ECONÔMICA E FINANCEIRA PARTE I 1 1) Calcular a taxa de juros trimestral proporcional às seguintes taxas: a) 24% ao ano. b) 36% ao biênio c) 6% ao semestre 2) Determinar a taxa de juros anual proporcional, das as seguintes taxas:

Leia mais

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento

Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium. Séries Uniformes de Pagamento Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Disciplina: Matemática Financeira I Prof.: Marcos José Ardenghi Séries Uniformes de Pagamento As séries uniformes de pagamentos, anuidades ou rendas são

Leia mais

CAIXA ECONOMICA FEDERAL

CAIXA ECONOMICA FEDERAL JUROS SIMPLES Juros Simples comercial é uma modalidade de juro calculado em relação ao capital inicial, neste modelo de capitalização, os juros de todos os períodos serão sempre iguais, pois eles serão

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Simples Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Simples Fórmulas de Juros Simples J C i n Onde: J = valor dos juros expresso em unidades monetárias C = capital. É o valor (em $) em determinado momento i = taxa de

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples)

GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) Bertolo MATEMÁTICA FINANCEIRA Gab_fin2 1 GABARITO DOS EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS (Fator de Acumulação de Capital Pagamento Simples) 1. Uma pessoa toma R$ 30.000,00 emprestados, a juros de 3% ao mês,

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Juros Compostos Cálculo com Prazos Fracionários Convenção Linear Os juros compostos são usados para o número inteiro de períodos e os juros simples para a parte fracionária de períodos. Convenção Exponencial

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade I

Prof. Luiz Felix. Unidade I Prof. Luiz Felix Unidade I MATEMÁTICA FINANCEIRA Matemática financeira A Matemática Financeira estuda o comportamento do dinheiro ao longo do tempo. Do ponto de vista matemático, um determinado valor a

Leia mais

F NA N N A C N E C IRA

F NA N N A C N E C IRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA TRATA DO ESTUDO DO DINHEIRO AO LONGO DO TEMPO. OBJETIVO BÁSICO EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES EFETUAR ANÁLISES E COMPARAÇÕES DOS VÁRIOS

Leia mais

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão

Gran Cursos. Matemática Financeira Walter Sousa. Rendas Certas financiamentos e capitalizações. 1) Fluxo de Caixa. 1.1) Fluxo de Caixa Padrão Matemática Financeira Walter Sousa Gran Cursos Rendas Certas financiamentos e capitalizações 1) Fluxo de Caixa Representa uma série de pagamentos ou recebimentos que ocorrem em determinado período de tempo.

Leia mais

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Análise e Resolução da prova do ISS-Cuiabá Neste artigo, farei a análise das questões de cobradas na prova do ISS-Cuiabá, pois é uma de minhas

Leia mais

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com

Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com Matemática Financeira - Vinícius Werneck, professor do QConcursos.com 1- Q236904 - Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Matemática Financeira Assuntos: Amortização; Sistema Francês

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

www.concurseiro10.com.br

www.concurseiro10.com.br 1) Um capital de R$ 18.000,00, aplicados a 6% ao ano, durante 8 anos, qual o juros produzido? a) 7.640,00 b) 6.460,00 c) 8.640,00 d) 9.000,00 2) Um investidor aplicou R$10.000,00, à taxa de 13% ao mês

Leia mais

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto

Março/2012 Parte 2. Pag.1. Prof. Alvaro Augusto Pag.1 Pag.2 Pag.3 Descontos Desconto é a liquidação de uma operação antes de seu vencimento, envolvendo um prêmio ou recompensa. Valor Nominal, Valor de Resgate ou Valor de Face é o valor de um título

Leia mais

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA

REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA REGIME DE CAPTALIZAÇÃO COMPOSTA No regime de Capitalização Composta, os juros prodzidos ao final de um dado período n se agregam ao capital, passando ambos a integrar a nova base de cálculo para o período

Leia mais

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN). A Matemática Financeira tem como objetivo estudar o valor do dinheiro no tempo. CALCULADORA HP 12C A calculadora HP 12C usa o chamado sistema de pilha, também designado por Notação Polonesa Reversa (RPN).

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV.

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES. Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Olá pessoal! Resolverei neste ponto a prova de Matemática Financeira da SEFAZ/RJ 2010 FGV. Sem mais delongas, vamos às questões. 19. (SEFAZ-RJ 2010/FGV) A empresa Bonneli recebeu, pelo valor de R$ 18.000,00,

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÕES MF5 1 EMPRÉSTIMOS E Um empréstimo ou financiamento pode ser feito a curto, médio ou longo prazo. Dizemos que um empréstimo é a curto ou médio prazo quando

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS MATEMÁTICA FINANCEIRA COM O USO DA CALCULADORA HP 12.C CADERNO DE EXERCÍCIOS Parte integrante do curso Conhecendo a Calculadora HP 12C Prof. Geraldo Peretti. Página 1 Cálculos aritméticos simples. A) (3

Leia mais

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA

Prof. Luiz Felix. Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Luiz Felix Unidade II MATEMÁTICA FINANCEIRA Sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos São desenvolvidos basicamente para operações de empréstimos e financiamentos de longo prazo, envolvendo

Leia mais

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I

JURO SIMPLES. Exercícios de Aplicação. Tarefa I I JURO SIMPLES Exercícios de Aplicação 01. O juro simples da aplicação de $ 1.200,00, durante 5 meses à taxa de 4% ao mês vale: a) $ 300,00. b) $ 240,00. d) $ 220,00. c) $ 280,00. e) $ 320,00. 02. O juro

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel

Matemática Financeira com Utilização do Microsoft Excel FUNÇÕES FINANCEIRAS As funções financeiras contidas no microsoft excel prestigiam operações elementares vinculadas ao regime exponencial de capitalização ou juros compostos. Outros procedimentos pertinentes

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br -

Introdução. Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - Curso de Matemática financeira Introdução Este arquivo compõe a coletânea Mega Cursos - www.megacursos.com.br - AULA 1: Definições O que são juros? Por que variam tanto? Risco. Inflação - ilusão de remuneração.

Leia mais

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1

Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Disciplina de Matemática Financeira Curso Técnico em Finanças Profª Valéria Espíndola Lessa APOSTILA 1 Juros Simples Juros Compostos Desconto Simples Desconto Composto Erechim, 2014 INTRODUÇÃO A MATEMÁTICA

Leia mais

Matemática Régis Cortes. JURO composto

Matemática Régis Cortes. JURO composto JURO composto 1 O atual sistema financeiro utiliza o regime de juros compostos, pois ele oferece uma maior rentabilidade se comparado ao regime de juros simples, onde o valor dos rendimentos se torna fixo,

Leia mais

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV

Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Sérgio Carvalho Matemática Financeira Simulado 02 Questões FGV Simulado 02 de Matemática Financeira Questões FGV 01. Determine o valor atual de um título descontado (desconto simples por fora) dois meses

Leia mais

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos.

Os juros podem ser capitalizados segundo dois regimes: simples ou compostos. 1/7 3. Modelos de capitalização simples 4. Modelos de capitalização composta Conceitos básicos A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Juros Compostos Juros Compostos Os juros formados em cada período são acrescidos ao capital formando o montante (capital mais juros) do período. Este montante passará a

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Professor conteudista: Dalton Millan Marsola Sumário Matemática Financeira Unidade I 1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS...1 1.1 Taxa de juros...2 1.2 Taxa percentual...4 1.3 Taxa unitária...4

Leia mais

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo

Podemos representar em fluxo de caixa através do seguinte diagrama: (+) (+) (+) (+) 0 1 2 3 4 5... n tempo FLUXO DE CAIXA O estudo da matemática financeira é desenvolvido, basicamente, através do seguinte raciocínio: ao longo do tempo existem entradas de dinheiro (receitas) e saídas de dinheiro (desembolsos)

Leia mais

Prova de Matemática Financeira 01 a 20

Prova de Matemática Financeira 01 a 20 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste caderno, você será eliminado da Seleção. Este Caderno contém, respectivamente, a Prova

Leia mais

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0

Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões difíceis: 0 Comentário Geral: Prova dentro dos padrões da banca examinadora. Questão passível de anulação: 27 Porém, não acredito que a banca anulará, veja o comentário Questões fáceis: 6 Questões medianas: 2 Questões

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Sumário 2 JUROS SIMPLES (Capitalização Simples) 5 JUROS COMPOSTOS (Capitalização Composta) 7 TAXAS SIMPLES 8 TAXAS COMPOSTAS 10 TAXAS SIMPLES EXATO 11 PRAZO, TAXA E CAPITAL MÉDIO

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA CONCURSOS Matemática Financeira para Concursos 1 Conteúdo 1. Noções Básicas -------------------------------- 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial ------- 04 Taxa Percentual

Leia mais

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos

Aula 04 Matemática Financeira. Equivalência de Capitais a Juros Compostos Aula 04 Matemática Financeira Equivalência de Capitais a Juros Compostos Introdução O conceito de equivalência permite transformar formas de pagamentos (ou recebimentos) em outras equivalentes e, consequentemente,

Leia mais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais

EXERCÍCIOS IV SÉRIES DE PAGAMENTOS IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais IGUAIS E CONSECUTIVOS 1. Calcular o montante, no final de 2 anos, correspondente à aplicação de 24 parcelas iguais e mensais de $ 1.000,00 cada uma, dentro do conceito de termos vencidos, sabendo-se que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I PROFESSOR JORGE JUNIOR E.MAIL: JJUNIORSAN@CEUNES.UFES.BR Apostila integralmente

Leia mais

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF

Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Matemática Financeira Departamento de Matemática - UFJF Notas de aulas Wilhelm Passarella Freire (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2009 Índice 1 Conceitos básicos e simbologia 1 1.1 Introdução......................................

Leia mais

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

UNIDADE 1. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS UNIDADE. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Empréstimo - Recurso financeiro que não necessita ser justificado quanto a sua finalidade; por exemplo: cheque especial e CDC(Crédito Direto

Leia mais

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy

Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy Componente Curricular: Matemática Financeira Professor: Jarbas Thaunahy 1. (MDIC 2002 ESAF) Um contrato prevê que aplicações iguais sejam feitas mensalmente em uma conta durante doze meses com o objetivo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira A Matemática Financeira é uma ferramenta útil na análise de algumas alternativas de investimentos ou financiamentos de bens de consumo. Consiste em empregar procedimentos matemáticos para simplificar a

Leia mais

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5152 MATEMÁTICA FINACEIRA II PROF. FERNANDO GUERRA. 1 LISTA DE EXERCÍCIOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 1) Certo banco concede um financiamento de 80.000

Leia mais

Apostila de Matemática Financeira Parte 01

Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Apostila de Matemática Financeira Parte 01 Autor: Guilherme Yoshida Facebook: facebook.com/guilhermeyoshida90 Google+: https://plus.google.com/108564693752650171653 Blog: Como Calcular Curta a Página do

Leia mais

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS

AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS AMORTIZAÇÃO E EMPRÉSTIMOS Conceitos iniciais Antes de iniciarmos os estudos específicos em relação a cada metodologia de amortização, é necessário conceituar alguns termos utilizados pelo mercado: Amortização:

Leia mais

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA RESUMÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA Conteúdo 1. Noções Básicas pág. 02 2. Juros Simples, Ordinário e Comercial pág. 04 Taxa Percentual e Unitária Taxas Equivalentes Capital, Taxas e Prazos Médios Montante Desconto

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/204 UNESPAR/PARANAVAÍ - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - -. RENDAS CERTAS OU ANUIDADES Nas

Leia mais

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento

Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Matemática Financeira Professor: Custódio Nascimento Análise e Resolução da prova de Auditor Fiscal da Fazenda Estadual do Piauí Disciplina: Professor: Custódio Nascimento 1- Análise da prova Neste artigo, faremos a análise das questões de cobradas na prova

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira O que é melhor? Juros simples ou juros compostos? Pagar a vista ou comprar a prazo? ano? Receber hoje R$ 1,00 é melhor que receber o mesmo valor daqui a um Podemos ver

Leia mais

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato

Imediatas: parcelas pagas em 30, 60 e 90 dias Antecipadas: sendo a primeira parcela paga no ato Matemática Financeira Leandra Anversa Fioreze Rendas Imediatas: Primeiro pagamento efetuado no final do primeiro período. Ex: Comprei uma calculadora HP-12c Platinum em três parcelas de R$95,00, sendo

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Matemática Financeira Aula 02 Juros Simples, Descontos Simples e Juros Compostos Prof.Dr. Edmilson J.T. Manganote Juros Simples Fórmula do Juros Simples e Montante S P 1 i n Taxas Equivalentes i i 1 2

Leia mais

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES

Matemática Régis Cortes JURO SIMPLES JURO SIMPLES 1 Juros é o rendimento de uma aplicação financeira, valor referente ao atraso no pagamento de uma prestação ou a quantia paga pelo empréstimo de um capital. Atualmente, o sistema financeiro

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO

MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Curso de Especialização em Matemática para Professores do Ensino Básico MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO BÁSICO Gleison Silva Vilefort Costa Belo Horizonte 2015

Leia mais

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas

Organização da Aula. Avaliação de Investimentos. Aula 2. Contextualização. Instrumentalização. Proporcionalidade de taxas. Equivalência de taxas Avaliação de Investimentos Aula 2 Profa. Claudia Abramczuk Organização da Aula Proporcionalidade de taxas Equivalência de taxas Comparação entre proporcionalidade e equivalência VP e VF Contextualização

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO:

MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF. DANIEL DE SOUZA INTRODUÇÃO: O PRINCIPAL CONCEITO QUE ORIENTARÁ TODO O NOSSO RACIOCÍNIO AO LONGO DESTE CURSO É O CONCEITO DO VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO. EMPRÉSTIMOS OU INVESTIMENTOS

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira para Auditor Fiscal da Receita Municipal Pref. Municipal de Angra dos Reis, organizada pela FGV. A prova foi realizada no dia 02/05/2010.

Leia mais

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1

Soluções integrais. Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo. Soluções do Capítulo 1 Soluções integrais Há cinco degraus para se alcançar a sabedoria: calar, ouvir, lembrar, agir, estudar. Anônimo Soluções do Capítulo 1 Basta somar os valores, lembrando que seta para baixo indica valor

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES

CURSO ON-LINE PROFESSOR GUILHERME NEVES Olá pessoal! Neste ponto resolverei a prova de Matemática Financeira e Estatística para APOFP/SEFAZ-SP/FCC/2010 realizada no último final de semana. A prova foi enviada por um aluno e o tipo é 005. Os

Leia mais

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com

ECONOMIA. Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com. Site: julianematematica.webnode.com ECONOMIA Profa. Juliane Ganem Email: juliane.matematica@gmail.com Site: julianematematica.webnode.com 1. Introdução: O valor do dinheiro no tempo 1.1 O valor do dinheiro no tempo A matemática financeira

Leia mais

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo

NOTAS DE AULA. Introdução à Matemática Financeira. Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo NOTAS DE AULA Introdução à Matemática Financeira Prof. Dr. Silvio Alexandre de Araujo 2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Juros simples 2. Juros compostos 3. Séries periódicas uniformes 4. Planos de amortização

Leia mais

Comunicado Técnico 03

Comunicado Técnico 03 Comunicado Técnico 03 Análise Financeira Instruções Técnicas Responsável: José Henrique Bizinoto Engenheiro Civil; Especialista em Ensino da Matemática jhbizinoto@fazu.br CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA A capitalização

Leia mais

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO

COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO COMO CRIAR UM PLANO DE AMORTIZAÇÃO! Sistemas de amortização de empréstimos! Sistema Price! SAC! Fórmulas do Excel! Planilha fornecida Autores: Francisco Cavalcante(cavalcante@netpoint.com.br) Administrador

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Curso de Economia 5º Período 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS 8 AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS Frequentemente, nas operações de médio e longo prazo, por razões metodológicas ou contábeis, as operações de empréstimos são analisadas período por período, no que diz respeito

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS

EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS EQUIVALÊNCIAS DE CAPITAIS Muitas são as vezes nas quais é necessário fazer a troca de um ou mais títulos por outro(s), esta é uma situação que ocorre com freqüência, pois nem sempre um comerciante consegue

Leia mais

Exercícios. Matemática Financeira

Exercícios. Matemática Financeira Exercícios de Matemática Financeira SUMÁRIO - Apresentação... 01-01 ª Série - Taxas Equivalentes...... 02-02 ª Série - Planos de Amortização...... 05-03 ª Série - Exercícios Extras...... 09-04 ª Série

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA. Av. Dr. Américo Pereira Lima, S/Nº Jardim Lavínia Mococa/SP CEP 13736-260 (19) 3656-5559 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE MOCOCA Curso: Informática Informática Gestão de Negócios. Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária. Professor(a): Darlan Marcelo Delgado. Lista de Exercícios:. Conteúdo

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES

ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES ACADEMIA DO CONCURSO PÚBLICO AULÃO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PROF PIO mjpio12@gmail.com REGIME DE CAPITALIZAÇÃO SIMPLES 01) (TCM/RJ Técnico de Controle Externo FJG 2003) Guilherme utilizou o limite de crédito

Leia mais

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto.

Aproveito o ensejo para divulgar os seguintes cursos que estou ministrando no Ponto. Olá pessoal! Resolverei neste artigo a prova de Matemática Financeira do concurso da CVM 2010 organizado pela ESAF. Como já comentei em um artigo ontem, há apenas uma questão nesta prova com divergência

Leia mais

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4

Página 2. 1 da quantia aplicada. Optando pelo. 1 ou 4 Página 1 01. (BB CESGRNRIO/201) Um cliente fez um investimento de 0 mil reais em um Banco, no regime de juros compostos. pós seis meses, ele resgatou 20 mil reais, deiando o restante aplicado. pós um ano

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Manuel MATEMÁTICA FINANCEIRA 01. (UNEB-2008) O proprietário de um imóvel contratou uma imobiliária para vendê-lo, pagando-lhe 5% do valor obtido na transação. Se a imobiliária recebeu R$ 5.600,00,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

! " " #$%& '' " ()* + (,-. ) / -) 3-45 5 85 7$9: @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D

!   #$%& ''  ()* + (,-. ) / -) 3-45 5 85 7$9: @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D ! " " #$%& '' " ()* + (,-. ) / -) 0 12 3-45 5 65 7 85 7$9: ;'-'))? @A B1 CA D EA4 B1 CA4 D FAG B1 CAG D 0H5 $C$D 0 12 Um investimento pode ser caracterizado genericamente como um sacrifício feito

Leia mais

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira

Prof. Diogo Miranda. Matemática Financeira 1. Uma alternativa de investimento possui um fluxo de caixa com um desembolso de R$ 10.000,00, no início do primeiro mês, Outro desembolso, de R$ 5.000,00, ao final do primeiro mês, e duas entradas líquidas

Leia mais