ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES: UMA ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DESTA FERRAMENTA NA ELEVAÇÃO DO CONSUMO DA CARNE SUÍNA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES: UMA ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DESTA FERRAMENTA NA ELEVAÇÃO DO CONSUMO DA CARNE SUÍNA NO BRASIL"

Transcrição

1 41 ESTUDO DO COMPORTAMENTO DE COMPRA DOS CONSUMIDORES: UMA ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DESTA FERRAMENTA NA ELEVAÇÃO DO CONSUMO DA CARNE SUÍNA NO BRASIL Luciana Branco Penna 1 Resumo: Conhecer o comportamento de compra do consumidor permite um desempenho mais assertivo às empresas e, ainda, que se explore oportunidades de mercado assim como viabiliza os insights para o estabelecimento de influência que favoreçam a obtenção de um comportamento favorável à empresa. Este artigo, que se constitui em resumo de parte de uma dissertação de Mestrado, visa analisar estas questões no que diz respeito à sua aplicação pelos suinocultores nacionais na busca pela elevação do consumo de carne suína no Brasil. O estudo conclui, sobretudo, que ao longo dos anos, a gestão da suinocultura nacional vem passando de uma visão de foco interno para uma administração que preza a interação ambiental cujos determinantes externos passam a gerir estas empresas rurais. Palavras-chave: Comportamento de compra; consumo; carne suína. 1. INTRODUÇÃO O propósito do marketing é atender e satisfazer necessidades dos consumidores. E ainda, segundo a perspectiva atual da abordagem do Marketing, a finalidade deste estaria na criação de valor superior ao cliente de forma contínua visando o estabelecimento de relações duradouras com estes. De acordo com Vavra (1993, p ) o principal mecanismo para manter relacionamentos de longa duração com os clientes é aumentar sua satisfação através de interações com a empresa tanto em termos de qualidade quanto em número. Para monitorar estas interações favorecendo que estas se dêem de forma positiva para as organizações é necessário que estas tenham o conhecimento completo de como as pessoas compram os produtos ou serviços da empresa. Kotler (1998, p. 161) amplia ainda mais a abordagem acima quando coloca que é preciso que as organizações conheçam como as pessoas ou grupos selecionam, compram usam e dispõem de bem, serviços, idéias ou experiências. Churchill (2000, p. 146) ressalta ainda que para criar valor para os clientes e lucros para as organizações é fundamental que os profissionais de marketing entendam porque os consumidores compram certos produtos e outros não. Visando esta compreensão, estes profissionais devem estudar o comportamento do consumidor que são: pensamentos, sentimentos e ações dos consumidores e 1 Professora Mestra da Faculdade Cenecista de Sete Lagoas (FCSL) - MG.

2 42 as influências sobre eles que determinam mudanças. O estudo do comportamento do consumidor centra-se, muitas vezes, no processo de compra e na variedade de forças que o modelam. Nickels (1999, p ) enfatiza ainda que esta análise do comportamento do consumidor deve se estender desde antes da compra até o momento pós-uso. Este autor acredita na importância dos profissionais estenderem suas atividades também no pós-uso no sentido que a avaliação da satisfação do cliente é fundamental à obtenção da lealdade e ao estabelecimento de relações duradouras com estes. Anteriormente, os profissionais de marketing compreendiam os consumidores através de suas relações de vendas. No entanto, com o crescimento do mercado, esta forma de estudo foi se tornando inviável passando a depender de pesquisas de marketing realizar tal tarefa. Segundo Nickels (1999, p. 105) ao realizar a pesquisa, os profissionais podem descobrir pistas a respeito de como e porque as pessoas do mercado-alvo planejam, realizam, utilizam e avaliam suas compras. Tais pistas oferecem insights para respostas às necessidades dos clientes e para criação de um pacote de valor adequado e para elaboração de uma estratégia de marketing que permita às organizações se adaptarem ou se inovarem no mercado. Vale diferenciar consumidores, que serão objeto deste artigo, e compradores organizacionais. Os primeiros, de acordo com Churchill (2000, p. 146) são pessoas que compram bens e serviços para si mesmas ou para outros, e não para fazer outra coisa como revendê-los ou para usá-los como insumos. Já os segundos conforme Nickels (1999, p ) são empresas (industriais e comerciais), órgãos do governo e instituições que compram produtos para utilizá-los em suas operações ou para revendê-los a outros clientes. Trata-se de clientes mais complexos, que realizam compras maiores e com os quais, normalmente, se estabelece relacionamento de compra mais complicado. 2. REFERENCIAL TEÓRICO O estudo do comportamento do consumidor deve envolver, segundo a abordagem de Churchill (2000, p ) a análise do processo de compra, dos fatores que a influenciam assim como do tipo de tomada de decisões tomadas pelos consumidores. 2.1 Processo de Compra O processo de compra do consumidor inclui cinco etapas: reconhecimento de necessidades, busca de informações, avaliação de alternativas, decisão de compra e avaliação pós compra. O reconhecimento de uma necessidade é o desencadeador do processo de busca, compra de um bem que a satisfaça. Esta necessidade pode vir de uma sensação íntima ou de um estímulo externo. Quando os consumidores percebem que têm uma necessidade, o impulso íntimo para atendê-la é chamada de motivação. De acordo com Churchill (2000, p. 147) o papel dos profissionais de marketing é identificar o que motiva os consumidores para que possam atender a suas motivações.

3 43 Vale dizer, a importância dos profissionais perceberem que as necessidades podem estar relacionadas a bens físicos e materiais (necessidades utilitárias) e a desejos de prazer e auto-expressão (necessidades hidemônicas). Na segunda etapa do processo de compra o consumidor busca informações de como satisfazer suas necessidades como fonte de informações se tem a análise de como satisfez a necessidade no passado. Caso seja realizada esta consideração enfatiza a importância das empresas de satisfazerem ou encantarem seus clientes visando fazer com que sirva de referencial na realização de novas compras. Nesta tarefa de levantamento de informações, de acordo com Churchill (2000, p ) dois pontos são importantes para as empresas na obtenção de vantagens competitivas que são o conhecimento da marca e o posicionamento do produto na mente do consumidor. Na análise das alternativas obtidas, os consumidores buscam identificar aquelas cujas características e recursos atendam ao que deseja. Em outros termos, os clientes buscam o maior valor onde analisam os benefícios oferecidos e os riscos percebidos, que Nickels (1999, p. 107) engloba em financeiros, funcionais, de segurança, social e psicológico. Vavra (1993, p ) ressalta a importância da interação adequada entre vendedores e clientes que conceitua como momento de verdade em que a eficiência e a eficácia deste é fundamental no posicionamento da empresa como melhor alternativa, como opção que não pode desapontar a expectativa do consumidor em relação à empresa. Realizada esta avaliação, o consumidor irá decidir se irá ou não realizar a compra. E ainda o que, onde, quando comprar e como pagar caso decida efetuar a compra. Depois de adquirirem o produto, os consumidores fazem uma avaliação de sua compra. Nesta etapa é comum se identificar um comportamento que os psicólogos chamam de dissonância cognitiva que envolve dúvidas quanto a ter escolhido ou não a decisão correta. Uma resposta dos profissionais de marketing a este sentimento são o uso de ferramentas que tranqüilizem o comprador como o uso de cartas que agradam a escolha e ressaltam os benefícios do produto. Como exemplo desta atitude se têm as cortas enviadas aos assinantes da Revista Cláudia quando fazem ou renovam assinaturas Avaliação pós-compra e reações das empresas A satisfação ou insatisfação dos consumidores quando os consumidores experimentam o produto influenciam seu comportamento subseqüente. Ficando satisfeito, os clientes terão maior possibilidade de procurar o produto novamente o que é de grande valor para as empresa já que segundo Kotler (1998, p. 58) os custos de se atrair clientes é cinco vezes maior ao de mantê-los. Os consumidores insatisfeitos respondem abandonando ou devolvendo o produto ou, ainda, advertindo amigos. De acordo com Kotler (1998, p ) algumas opções de reações a esta situação podem ser adotadas visando favorecer uma otimização do comportamento do consumidor em relação à empresa como: enviar cartas cumprimentando-os por ter escolhido um equipamento de excelente qualidade, ou colocar anúncios mostrando compradores satisfeitos com a marca, ou estabelecer canais que agilizem o atendimento das queixas e o envio de sugestões de melhorias.

4 FATORES QUE INFLUENCIAM AS COMPRAS 2. Influências externas As decisões de compra não surgem do nada. As influências externas desempenham um papel importante. Além disso, as influências situacionais podem afetar o como, quando, o que e onde os consumidores compram. A cultura é o determinante mais fundamental dos desejos e do comportamento de uma pessoa de acordo com Kotler (1998, p ). No desenvolvimento e na convivência com instituições e a família, as pessoas adquirem um conjunto de valores percepções, preferências que definem os seus comportamentos, inclusive de compra. Também as subculturas que são subgrupos menores com identificação e socialização mais específicos definem insights quanto a comportamentos de consumo. A subcultura inclui nacionalidades, grupos raciais, religiosos e regiões geográficas. A consideração deste fator tem sido responsável pelo surgimento de produto cosmético específicos para negros no Brasil. As classes sociais que são de acordo com Kotler (1998, p ) grupos da sociedade que se organizam hierarquicamente cujos membros compartilham valores, interesses e comportamentos similares tem servido como base de decisão de concentração de esforços de algumas empresas. A família influencia o comportamento do consumidor em três níveis: no processo de socialização do consumidor, no ciclo de vida da família e na tomada de decisões em conjunto na família. Durante o ciclo de vida da família, as pessoas passam por um processo que vai desde bebê à aposentadoria e se tornar idosos. Durante cada estágio apresentam necessidades diferentes que incentivam compras e, conseqüentemente, oportunidades para a empresa. Líderes de opinião também influenciam atitudes e comportamentos de consumidores. De acordo com Nickels (1999, p. 110) estes são vistos como especialistas em determinado produto e estão em posição de recomendá-los ou condená-los. Valorizando este fator, a Sadia desenvolveu um processo constante de consulta à médicos e nutricionistas quanto a necessidades, desejos e informações que alimentem todo trabalho realizado pela empresa na redução do nível calórico e de colesterol da carne suína. Os grupos de referências são grupos que influenciam o comportamento dos membros, das pessoas que querem ser e também das que não querem ser. Os consumidores podem ser influenciados de três formas: na busca de informações antes da compra, em suas atitudes com relação ao produto ou compra e também na forma como usam ou compram o produto. O processo de decisões de compra também estão sujeitos a influências situacionais. Em particular, cinco influências situacionais podem influenciar o como, o que, quando e onde os consumidores compram: a) ambiente físico; clima, localização geográfica, disposição das mercadorias, músicas, displays, decoração da loja são fatores que podem favorecer ou dificultar o processo de compra do consumidor. b) ambiente social, outras pessoas que estejam no local da compra podem influir no o que, quando e como os consumidores compram; c) os tempos disponíveis para realização das compras definem a sua natureza; d) o propósito da compra a finalidade da compra pode estabelecer um impacto significativo no comportamento de compra; c) condições momentâneas: o estado de

5 45 humor, saúde, o nível de energia, o acesso ao dinheiro são fatores que afetam comportamento do consumidor Influências interna A forma como as pessoas agem, pensam e compram também é determinada por diversas forças internas. Entre estas estão: a percepção, atitude, motivação e aprendizado e o estilo de vida das pessoas. Para Vavra (1993, p. 108) a percepção é como as pessoas vêem e interpretam no ambiente. Precisase, portanto, que este seja valorizado e explorado de forma adequada. Como as pessoas vêm muitos estímulos (anúncios) estas tendem a selecionar aquelas que acreditam que irão satisfazê-lo. Cabe, portanto, aos profissionais aplicarem técnicas que permitam que o estímulo da empresa se sobressaia sobre os demais. Além disto, segundo Nickels (1999, p ) as motivações desencadeadas pelas necessidades dos indivíduos caracterizam comportamentos diferentes aos consumidores. De acordo com Maslow (apud KOTLER, 1998, p ) as necessidades dos indivíduos assim como a busca de satisfazêlos estariam hierarquizados em necessidades fisiológicas, de segurança, sociais, de estima e de auto realização. Apesar de apresentar limitações, como a consideração de busca sempre ordenada de satisfação de necessidade, esta teoria ajuda o profissional a entender como produtos se ajustam a planos, metas e vidas dos consumidores potenciais. As atitudes das pessoas em relação a pessoas e produtos e informações afetam suas ações. As atitudes são definidas por Nickels (1999, p. 115) como respostas duradouras positivas ou negativas em relação a pessoas, produtos e informações. As atitudes são formadas ao longo dos anos através da experiência, da coleta de informações assim como da interação com outras pessoas. As atitudes das pessoas, de acordo com Kotler (1998, p ) são difíceis de serem mudadas. Assim, normalmente as empresas não procuram mudar a atitude dos consumidores, mas adequam seus produtos a estas. No entanto, há exceções quando o alto custo de mudá-las pode compensar. Também produzido ao longo da convivência e interação com outras pessoas, se tem outro fator influenciador de comportamento que são as crenças. Estas são definidas por Kotler (1998, p. 116) como pensamento descritivo que uma pessoa sustenta sobre algo. O aprendizado é outra influência que as empresas devem levar em conta. A experiência e o conhecimento, ou seja, o aprendizado, pode afetar a forma como as pessoas reconhecem as necessidades, coletam e avaliam informações sobre o produto, tomem decisões de compra e a avaliem. A mudança de comportamento pode se dar em resposta a um estímulo externo ou em função do pensamento a respeito de uma situação de acordo com a abordagem de Nickels (1999, p ). O aprendizado se constitui em fatores de influência de comportamento de grande valor para as

6 46 estratégias de marketing onde os profissionais estimulam as pessoas a aprender novos comportamentos imitando o que outras pessoas fazem ou se utilizando de estímulos similares. Kotler (1998, p. 172) considera, ainda o estilo de vida das pessoas como condicionador de comportamentos diferentes ao consumidor. Este se refere ao padrão de vida em termos de atividades, interesses e opiniões das pessoas. Este fator tem sido insights para desenvolvimento de produtos que atendam ao estilo de vida rural e ao estilo humanitário, por exemplo. 2.3 Estudo do comportamento consumidor na atividade rural A preocupação em ajustar as atividades da empresa com o comportamento do consumidor também se estende a agropecuária. O desempenho de marketing neste contexto pode ser verificado como meio de adequação ou visar a alteração de comportamentos. De acordo com Reis (1999, p ) o estudo do comportamento do consumidor ocorre através da realização de pesquisas seja por iniciativas de membros da atividade agropecuária seja se utilizando de artigos publicados por membros de outros setores. O consumidor é o objetivo do sistema de comercialização agrícola bem como de toda economia. Assim, o conhecimento de suas características quanto a preferências, atitudes, percepções, estilos de vida, hábitos de compra, poder de compra e cultura são muito importante para o planejamento das ações de marketing, produção e vendas. (REIS, 1999, p. 329) Segundo Reis (1999, p ) pode-se listar como elementos importantes para se conhecer em cada mercado-alvo referente ao consumidor de produtos agropecuários e suas relações com o mesmo e com o consumo: a) número de consumidores e/ou usuários atuais e potenciais por mercado; b) características das pessoas com idade, renda, cultura, atitudes, concepções, educação, sexo, religião, crença, tamanho da família; c) local de residência rural e urbana e sua distribuição; d) tipos de lojas preferidas para as compras e as suas localizações; o valor médio de compra por vez que vai as compras; f) hora das compras, nº de vezes por tempo e épocas preferidas que características das decisões de compra, pensada ou impulsiva, com ou sem inspeção, formas de pagamento; h) influenciadores de compra como preço, marca, serviços, atendimento, etc; i) como os produtos são usados pelas pessoas; j) monitorar tendências de alteração de comportamento dos consumidores e/ou usuários. 3. METODOLOGIA O procedimento metodológico adotado foi o estudo de caso de natureza qualitativa, utilizando-se da pesquisa bibliográfica com fonte de coleta de dados. Existem inúmeras razões que legitimam a prática do método de caso em pesquisas. Alencar (1991, p. 89) destaca algumas: a) os estudos de caso permitem ilustrar generalizações estabelecidas e aceitas como verdades, passando a ganhar novos significados; b) os estudos de caso podem se constituir em elementos de testes para teorias que, mesmo aceitas como Verdade Universal, necessitam serem testadas em outras instâncias.

7 47 Selecionou-se a Suinocultura Brasileira para a realização desta pesquisa. Optou-se por estudá-la, pois, à partir de acompanhamento prévio, verificou-se que essa demonstrava um comportamento de destaque no que concerne à influência no comportamento de compra como ferramenta favorecedora da elevação do consumo per capta da carne originada da atividade. Visando responder à questão problema desse artigo, em um primeiro momento, estudou- se o comportamento mercadológico da suinocultura visando caracterizar o processo, os instrumentos e as atitudes dos suinocultores que conduziram à elevação do consumo da carne suína nos últimos anos. Os resultados obtidos pela pesquisa assim como a discussão dos mesmos, foram apresentados na descrição e análise dos dados assim como na conclusão do estudo. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Ao longo dos anos, a gestão da suinocultura nacional vem passando de uma visão de foco interno para uma administração que preza a interação ambiental cujos determinantes externos passam a gerir estas empresas rurais. Esta postura surge como resposta a uma situação interna que caracterizava a suinocultura nos anos oitenta em que se verificava um crescimento, segundo pesquisas realizadas pela FGV citadas por Quevedo (2000, p. 34) de 37% na produção nacional frente a um crescimento de 27%. Já o consumo per capta, que hoje, conforme ASEMG (2008) é de 12,8 kg/habitante/ano. Este baixo consumo per capta nacional frente a consumos, como por exemplo, o de 41,9/kg da Hungria, deve-se, sobretudo às crenças e atitudes dos consumidores em relação à carne suína. Esta é considerada gordurosa, de alto nível de colesterol, sendo causadora de males à saúde. Além desta razão considerada principal somam-se outras, onde estão de acordo com as colocações de Pinazza (2000, p. 42) como a rivalidade com o principal substituto: o frango e o inflacionamento do seu preço produzido pelos supermercados que chegam a agregar 200% no custo de aquisição. Não somente pelo preço que a carne de frango se apresenta como principal rival da carne suína, mas, também pela sua percepção pelo cliente como light, carne branca. Preocupados com este contexto ambiental e considerando que oportunidades não estavam sendo exploradas e ainda, acreditando que poderia influenciar o comportamento o consumidor a seu favor, é que os suinocultores resolveram adotar uma campanha de marketing objetivando elevar o consumo da carne suína através da mudança de atitude e crença do consumidor assim como adequar-se a seus comportamentos e aumentar a sua satisfação. Conclui-se, como coloca Trocolli (2000, p. 48), que não se poderia mais impor uma commodity de qualidade e desempenhos instável, era preciso traçar um caminho para obter os objetivos propostos. A campanha foi realizada a partir do benchmarking da campanha norte-americana que embasou seus pontos básicos. Além disto, foi desenvolvida via associações de suinocultores sob a iniciativa da Associação dos suinocultores, do Rio Grande do Sul. Estas formariam um fundo de recursos financeiros que financiaria a campanha a partir de contribuições dos suinocultores cujo valor oscilaria em função do número de matrizes dos suinocultores.

8 48 A campanha trouxe mudanças internas na suinocultura assim como na sua forma de interferência externa. Baseou-se em três pilares: produto, promoção e processos de produção. Nos processos de produção o objetivo seria garantir um produto que satisfaça as necessidades alimentares do consumidor eliminando todo o temor de um resultado de consumo aquém do desejado. Neste sentido foi reformulado todo o processo genético e nutricional dos animais visando reduzir ainda mais os níveis de gordura da carne. Considerando também a busca e valorização pelo consumidor de produtos mais orgânicos, que respeitam o meio ambiente e o bem estar dos animais, os suinocultores reduziram ao máximo o uso de medicamentos na nutrição dos animais, assim como adotaram o abate humanitário que cofere menor sofrimento a estes. Adotou-se, ainda, a criação dos animais de forma mais livre em salas de criação maiores. Orientados pelas pesquisas realizadas pelo CTE divulgada pela FGV que define que os consumidores de carne suína valorizam sabor, maciez, facilidade e origem, incorporou-se na campanha modificações no produto conferindo maior maciez e umidade a esta. Estas pesquisas detectaram que 90% dos consumidores tendem a ingeri-la na forma de bem passada ou seja, o suíno deve oferecer matéria prima como alta capacidade de retenção de água, o que possibilita que a carne será preparada pelo consumidor ao seu gosto sem perder a maciez. Procurou-se também valorizar o estilo de vida das pessoas, onde estas dispõem de pouco tempo para se dedicar às atividades domésticas, passando a procurar a carne suína e a oferecê-la ao mercado de forma semipronta favorecendo o preparo mais rápido e com menor esforço. No entanto, a grande ênfase visual da campanha estaria na promoção da carne suína. Esta vem sido apresentada como a outra carne branca. A concentração de esforços se dá na comunicação dos atributos que carne suína oferece, em vez apenas de chamar a atenção para a aparência do produto. Estas colocações podem ser visualizadas em trechos da campanha, Carne suína mais magra, mais saudável, mais saborosa. A carne suína tem sabor insubstituível e alto valor protéico. Além de favorecer proteínas, a carne suína ainda oferece vitaminas do complexo B. Percebe-se a tentativa de mostrar a característica saudável da carne suína além da busca da sua evolução para tal. A campanha vem se utilizando da demonstração de índices, comparando a carne suína produzida antes e hoje, em termos de teores de colesterol e em inovações tecnológica introduzida. Além disto, usa-se de comparações entre estas características com as carnes rivais: frango, boi e também o ovo. A campanha se utilizou também de outro argumento: Se a carne suína é a mais consumida do mundo e perfaz altos níveis per capta em países ricos e desenvolvidos, esta não seria saudável e saborosa? Observa-se neste argumento a busca de alterar a atitude e a crença do consumidor em relação à carne suína. Os instrumentos utilizados pelos suinocultores, via associações, foram outdoor, palestras, conscientização junto a médicos e nutricionistas, colocações de displays nos pontos de venda, distribuição de livros de receitas, preparo de receitas no programa Mais Você da Rede Globo. Em

9 49 tais receitas procurou- se sempre introduzir os novos cortes de carne suína como filé mignon, picanha, lagarto e outros visando reforçar os cortes nobres da carne bovina valorizadas pelo mercado. Essa ação de marketing foi denominada pelos suinocultores como A Busca de Novo Olhar sobre a Carne a Suína. Observa-se um movimento de influenciar comportamentos antes e durante a compra assim como um reforço de suas qualidades pós-compra estando sempre próximo ao consumidor e presente na vida deste. Verifica-se, ainda uma racionalização na escolha das pessoas a influenciar comportamentos (médicos, nutricionistas, Ana Maria Braga) assim como das pessoas a serem influenciadas, as donas de casa. A campanha realizou um trabalho mais específico junto a estas. Adequando-se ao consumidor com uma produção mais próxima a seus comportamentos, desejos e necessidades e, sobretudo influenciando a mudança das atitudes e crenças do consumidor, a campanha tem conseguido elevar o consumo da carne suína em 43% nos últimos seis anos. O movimento associou influência de comportamento favorável à carne suína com a busca de satisfazê-lo. A pirâmide dos movimentos mais satisfação do consumidor pode ser assim esquematizada: 5. CONCLUSÃO Extraído de Trocolli (2000, p. 50) Entender o comportamento do consumidor tem, na atualidade, importância vital, já que permite uma interação mais eficiente e eficaz com o mercado. Favorece não só atender as necessidades e desejos do consumidor, mas estar o satisfazendo de forma contínua. Permite, ainda, que se explore oportunidades ambientais e se obtenha sinais de tendências na quantidade e qualidade do consumo. O estudo do comportamento do consumidor funciona, também, como instrumento que oriente caminhos para que os profissionais de marketing possam influenciar a favor da empresa a escolha do

10 50 consumidor. Trata-se uma postura em que a empresa participa do mercado, tendo, normalmente, uma atitude de direcionamento de desempenho, não se posicionando a mercê do mercado. A utilização da análise do comportamento do consumidor pelas empresas como determinantes de seu desempenho, se caracteriza como traço de uma gestão cada vez mais sistêmica e integrada no ambiente, onde o cliente é a força maior visada pelas organizações. Se demonstra ainda, como ferramenta racional alicerçada na informação, no planejamento de atuação e ainda, na cooperação, em alguns casos como o discutido. Além de fornecer insights para um melhor planejamento e operacionalização do marketing, favorece também uma orientação produtiva e de vendas. Identifica-se todo este movimento, no caso discutido, onde a busca de novos clientes, até então contrários à carne suína, é necessária aos suinocultores, assim como a elevação do consumo de atuais clientes. Isto se deu através da influência nas atitudes e crenças e da adaptação do produto aos seus estilos de vida, aos modos de uso deste pelo consumidor e a outras características psicográficas destes como na adoção do abate humanitário, e da criação dos animais mais livres. Utilizou-se, ainda, da demonstração do quanto à suinocultura evoluiu e se tornou mais próxima aos seus desejos, visando torná-los favoráveis ao consumo. Se desenvolveu, também, através da escolha e utilização racional e pertinente de pessoas formadoras de opinião e de referência, como médicos, nutricionistas, pesquisadores e Ana Maria Braga. Por fim, a adoção do estudo do comportamento do consumidor pelos suinocultores de forma associativa caracterizou-se como movimento embasado na valorização da adequação e na alteração do comportamento dos consumidores e dos possíveis consumidores da carne suína. Visou elevar a taxa de consumo per capta até então, reduzida em relação a outros países e a outras carnes substitutas e favorecer o escoamento da produção que se mostrava com crescimento superior ao consumo. E demonstrou ser uma campanha que objetivou atingir o consumidor, antes, durante e pós compra, sendo sempre presente junto a este e se valendo de canais de comunicação eficientes antes, no ponto de venda, no pós-venda, permitindo também estar sempre reforçando ao consumidor que estava fazendo a escolha certa o que favorecia a recompra. Referências bibliográficas: ALENCAR, E. O Estudo de Caso é uma categoria Válida em Pesquisa Social. Lavras: Esal, ASEMG. Informativo mensal. Belo Horizonte, Fev CHURCHILL, Gilberto A.; PETER, Paul J. Marketing criando valor para os clientes. 2 ed. São Paulo: Saraiva, KOTLER, Philip. Administração de Marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5 ed. São Paulo: Atlas, NICKELS, Willian G.; WOOD, Marian B. Marketing: relacionamento, qualidade, valor. Rio de Janeiro: 1999.

11 51 PINAZZA, Luiz A. Milagre do Marketing. Revista Agroanalysis de FGV. Rio de Janeiro, v. 20, p , jul QUEVEDO, Andréia C. Em busca do consumidor. Revista Suinocultura Industrial. São Paulo, Ano 22, v. 1, p , fev./mar REIS, Antônio J. Comercialização agrícola no contexto agro-industrial. Lavras: UFLA/FAEPE, TROCOLI, Irene R. Suínos: a carne é forte. Revista Agroanalysis da FGV. Rio de Janeiro, v. 20, p , jan VAVRA, Terry G. Marketing de relacionamento: aftermarking. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1993.

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Estímulos de Marketing Outros Estímulos Características do comprador Processo de decisão do comprador Produto Preço Praça Promoção Econômicos Tecnológicos Políticos Culturais Culturais Sociais Pessoais

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão

Problema ou Oportunidade. Processo de Decisão Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Processo de Decisão INFLUÊNCIA DO AMBIENTE Cultura Classes Sociais Valores Étnicos Família Situação DIFERÊNÇAS INDIVIDUAIS Recursos do cliente Auto conceito Problema

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada

Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Aula Nº 13 A Dissonância Cognitiva pode ser eliminada Objetivos da aula: Esta aula proporcionará ao aluno da disciplina de Marketing em Administração de Call Center compreender o sentido e a importância

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor.

Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Artigo: O Marketing e o Comportamento do Consumidor. Carmen Beatriz Miranda Portela PUC/SP MBA EM MARKETING Resumo Este trabalho objetiva apresentar de forma teórica o marketing e o comportamento do consumidor,

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

Modelo de Resposta Simples. Estímulo Organismo Resposta

Modelo de Resposta Simples. Estímulo Organismo Resposta AULA 5 Marketing Questões abordadas Como as características do comprador influenciam seu comportamento de compra? Quais fatores psicológicos influenciam as respostas do comprador ao programa de marketing?

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG

Pesquisa Risqué Clássicos. Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Pesquisa Risqué Clássicos Thamara Yanne Silva Santos Antônio Terra Centro Universitário de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG Grupos focais são comumente utilizados em pesquisas de marketing para determinar

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

O comportamento de compra do consumidor da classe C

O comportamento de compra do consumidor da classe C O comportamento de compra do consumidor da classe C Josiane Wengrzynek, analistas.faq@bol.com.br, Av. das Araucárias, s/n, fone: (46) 559-1142 Quedas do Iguaçu-PR, 85460-000 Eliane Rodrigues do Carmo (FAQ),

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR O comportamento do consumidor estuda como pessoas, grupos e organizações selecionam, compram, usam e descartam artigos, serviços, idéias ou experiências para satisfazer suas

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

FACULDADE CAPIVARI MARKETING COMO FERRAMENTA DE MEDIÇÃO DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA TRANSULINA TRANSPORTES. Aurélio Oliveira da Silva

FACULDADE CAPIVARI MARKETING COMO FERRAMENTA DE MEDIÇÃO DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA TRANSULINA TRANSPORTES. Aurélio Oliveira da Silva FACULDADE CAPIVARI MARKETING COMO FERRAMENTA DE MEDIÇÃO DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA TRANSULINA TRANSPORTES Aurélio Oliveira da Silva Capivari de Baixo, Novembro de 2013. 1 AURELIO OLIVEIRA DA SILVA MARKETING

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa.

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos. Profa. Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Produto É algo que pode ser oferecido para satisfazer um

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Estratégias de Comunicação

Estratégias de Comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi A propaganda é parte do marketing e uma das ferramentas da comunicação. Uma boa estratégia de marketing não garante que a campanha de propaganda será boa, mas é condição essencial

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO:

TEORIAS DE CONTÉUDO DA MOTIVAÇÃO: Fichamento / /2011 MOTIVAÇÃO Carga horária 2 HORAS CONCEITO: É o desejo de exercer um alto nível de esforço direcionado a objetivos organizacionais, condicionados pela habilidade do esforço em satisfazer

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL

A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL 1 A IMPORTÂNCIA DO E - COMMERCE UM ESTUDO DE CASO NA LOJASMEL Jaqueline Kelly Stipp 1 Jéssica Galindo de Souza 2 Luana Alves dos Santos Lemos 3 Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Esse artigo tem como objetivo

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS?

A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? A MOTIVAÇÃO INFLUENCIA NO DESEMPENHO DAS PESSOAS NAS ORGANIZAÇÕES? INFLUENCE MOTIVATION PERFORMANCE OF PERSONS IN ORGANIZATIONS? Ana Carolina Gimenes Figueiredo Graduanda em Administração - Universidade

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

AULA 20. Atendimento

AULA 20. Atendimento AULA 20 Atendimento Marketing em Serviços Marketing em serviços pode ser definido com o conjunto de atividades que objetivam a análise, o planejamento, a implementação e o controle de programas destinados

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais