Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mercado de Crédito Consignado. Agosto 2014"

Transcrição

1 Mercado de Crédito Consignado Agosto 2014

2 EMPRÉSTIMO CONSIGNADO EM FOLHA DE PAGAMENTO O empréstimo consignado é o melhor produto financeiro de crédito do país e seu desenvolvimento só foi possível por conta da existência de uma ampla rede de correspondentes em todos os municípios brasileiros Saldo das operações de empréstimos consignados (R$ bi) Fase 0 NASCIMENTO Fase 1 CRESCIMENTO EXPRESSIVO Fase 2 DESENVOLVIMENTO Fase 3 CONCORRÊNCIA Fase 4 CONCENTRAÇÃO Fase 5 MATURIDADE Criação do produto Início do desconto em folha para servidores do setor público Lei de dezembro de 2003 Início das operações com o INSS Ampliação da oferta para INSS e iniciativa privada Uso responsável / opção para refinanciamento de dívidas mais caras Regulações na linha do respeito e da defesa dos direitos do consumidor Substituição de produtos financeiros tradicionais Forte expansão nos bancos públicos Aumento do prazo máximo regulatório do INSS Bancos privados maiores entrando no mercado Medidas prudenciais restringindo o crédito e aumento do IOF Fim da exclusividade Saída de alguns players Maior atenção dos grandes bancos Redução do Spread Endividamento familiar Estabilização do mercado Portabilidade eletrônica Regulamentação da relação com correspondentes Endividamento familiar Fonte: BACEN / ABBC (1) Evolução semestral anualizada 01

3 CONSIGNADO, A MAIOR CARTEIRA DENTRE OS MENORES CUSTOS 21% 22% 21% 23% 25% 25% 27% 30% 31% É a maior carteira na pessoa física e a alternativa de baixo custo para o tomador Evolução do crédito pessoa física (R$ bi) (1) TACC (%a.a.) Taxas de juros por modalidade (%a.a.) (3) (2) TOTAL % 25% 13% 4% CHEQUE ESPECIAL 171,5% CONSIGNADO 24% 30% 20% 15% AQUISIÇÃO DE BENS 77,8% CRÉDITO PESSOAL (CLEAN) 14% 13% 12% 11% 12% 13% CRÉDITO PESSOAL 45,5% 13% 13% 13% 17% 19% 17% 9% AUTOMOTIVO 34% 26% 5% 21% 20% 6% 6% 25% 5% 34% 30% 27% 25% 14% 16% 21% -9% CONSIGNADO AUTOMOTIVO 25,6% 23,0% CARTÃO DE CRÉDITO 6% 5% 5% 5% 5% 14% 19% 9% 31% Exemplos de substituição pelo consignado OUTROS (1) 25% 35% 41% 39% 33% 23% 24% 25% 24% 18% 34% 1% -4% Quitação de dívidas mais onerosas Substituição do uso do cartão de crédito (2) Crescente aplicação na aquisição de bens Fonte: BACEN / ABBC (1) Recursos livres; (2) Evolução semestral anualizada ;(3) Junho de

4 SEGMENTAÇÃO DAS OPERAÇÕES POR MODALIDADE As operações com os aposentados e pensionistas do INSS e as contratações realizadas por servidores públicos (ativos e inativos), impulsionaram o mercado nos últimos anos Principais alavancas / motivadores Evolução da carteira por segmento (R$ bi) TACC (%a.a.) (1) INSS Público Privado Melhor sistema de controle de averbação existente (Dataprev) Expressiva massa de titulares de benefícios definitivos da Previdência Social (+ de 25 milhões de pessoas) Ausência de qualquer mecanismo que promova a reserva de mercado para qualquer agente econômico São mais de 20 anos de mercado Público médio com maior nível de educação financeira Grande concorrência de IF's que atuam Maior interesse por parte das grandes IF's Modelos de gestão de riscos mais sofisticados Modelos de gestão de relacionamento com clientes mais dinâmicos PRIVADO INSS PÚBLICO 24% 30% 20% 15% 24% 30% 21% 9% (1) (1) Fonte: BACEN / ABBC / Roland Berger (1) Evolução semestral anualizada % 29% 22% 17% 25% 30% 19% 15%

5 EVOLUÇÃO DA TAXA DE JUROS CONSIGNADA A taxa média do consignado caiu de forma significativa, mantendo-se no patamar de 27% desde 2010, a despeito da subida da taxa SELIC nos últimos dois anos Taxa de juros consignada (%a.a.) Taxas indexadas (Dez./06=100) Consignado SELIC jun/14 83 jun/ dez/06 dez/07 dez/08 dez/09 dez/10 dez/11 dez/12 dez/ Taxas de juros segmentada (%a.m.) 27 jun/ ,9 2,4 1,8 2, jan/06 jan/07 jan/08 jan/09 jan/10 jan/11 jan/12 jan/13 jan/14 CONSIGNADO PRIVADO PÚBLICO INSS Fonte: BACEN / ABBC 04

6 MODELOS DE NEGÓCIO NAS DIFERENTES INSTITUIÇÕES Bancos médios dominam a originação através dos correspondentes, enquanto os grandes bancos buscam alavancar a sua rede de distribuição Estratégia Foco de mercado Grandes bancos Alavancagem do consignado como plataforma de fidelização de clientes e cross-selling Geração de valor marginal com o produto Melhoria do índice de qualidade da carteira de crédito Foco em todos os segmentos, com estratégia recente de captura de market share antes dominado pelos bancos menores Domínio do segmento privado Bancos médios Originação e cessão de carteiras para bancos com maior capacidade de alavancagem Modelo baseado nas margens capturadas com a cessão de carteiras Especialização de estruturas de qualidade para a gestão das carteiras Foco principal em INSS e público, segmentos em que a capilaridade da rede é menos crítica Canais de distribuição Alavancagem de canais automáticos internet banking, ATM etc Captura de clientes via rede de agências Uso recente de CBs para crescimento Correspondentes como forma de suprir a baixa capilaridade da rede de agências Algumas iniciativas de automação do atendimento para ganhar competitividade Fonte: ABBC / Roland Berger 05

7 Visão sobre o modelo de atuação DINÂMICA COMPETITIVA É importante notar que a dinâmica competitiva nos principais segmentos de mercado é bastante distinta, com modelos de atuação específicos Público Privado INSS Distribuição de ativos (% 2014) Pequenos e Médios Grandes Pequenos e Médios 17% Grandes Pequenos e Médios Grandes 39% 45% 61% 83% 55% Grandes Convênios com órgãos públicos Tentativa de estabelecer algum tipo de reserva de mercado (exclusividade) Parcerias com empresas para administração das folhas de pagamentos Objetivo de fidelização do cliente para cross-selling de produtos Foco na compra de carteira dos bancos menores Participação nos leilões das folhas de pagamentos de novos benefícios do INSS Médios Convênios com órgãos públicos Uso intensivo de correspondentes Atuação incipiente dificuldade de penetração no segmento Uso intensivo de correspondentes Abordagem agressiva na ponta Venda de carteira para bancos de grande porte Fonte: ABBC / Roland Berger 06

8 CORRESPONDENTES NÃO-BANCÁRIOS Há uma grande oportunidade na revisão do modelo de gestão de canais terceirizados, ganhando controle e eficiência sobre a distribuição e relacionamento com clientes Principais desafios para o uso de canais terceirizados em crédito consignado NÃO EXAUSTIVO Fragmentação Heterogeneidade Ausência de fidelidade Custo elevado Menor visibilidade do cliente A fragmentação de correspondentes implica em controle por parte da IF. A qualificação do canal é o objetivo para torná-lo mais produtivo A heterogeneidade dos canais faz com que existam diferentes perfis de players, obrigando a uma atuação diferenciada e modelos de atendimento mais complexos A dificuldade de conseguir o estabelecimento de parcerias duradoras, leva a uma competição predatória e inibe modelos operacionais e comerciais de longo prazo Num cenário de redução de spreads, as comissões elevadas criam pressões adicionais para viabilizar este canal Os clientes possuem menos ligação com o banco, dificultando ações específicas de retenção e venda cruzada Conquistar os melhores correspondentes com propostas de valor diferenciadas e mais rentáveis para ambas as partes Rever modelos de atendimento aos canais para aumentar agilidade e eficiência Explorar canais alternativos (diretos, parcerias) para criar outras formas de se aproximar aos clientes Fonte: ABBC / Roland Berger 07

9 Correspondentes INOVAÇÃO NA GESTÃO DE CANAIS TERCEIRIZADOS O primeiro passo para essa abordagem é um exercício aprofundado de segmentação dos correspondentes, preparando as bases para uma gestão mais próxima e efetiva performance, com perenização de carteiras das IFs Segmentação de Canais Terceirizados ILUSTRATIVO Correspondentes Master 2 1 Correspondentes Premium Valor Potencial Alto + 5A Incentivar 4A Incentivar 3A Incentivar 2A Incentivar 1A Incentivar Médio 5M Desenvolver 4M Desenvolver 3M Desenvolver 2M Incentivar 1M Incentivar Baixo 5B Otimizar 4B Otimizar 3B Otimizar 2B Rentabilizar R$ 500k R$ 1M R$ 2M R$ 5M 1B Rentabilizar - + Valor Atual (Carteira Mínima) Necessário entender as necessidades e o potencial dos correspondentes para segmentar e otimizar o modelo de relacionamento, região a região Fonte: ABBC / Roland Berger 08

10 INOVAÇÃO NA GESTÃO DE CANAIS TERCEIRIZADOS Neste contexto, é crítico desenvolver uma proposta de valor e um modelo de relacionamento específico para cada cluster / segmento de correspondentes, extraindo o maior valor possível para o banco REMUNERAÇÃO Novo modelo de remuneração orientado ao crescimento de carteira segmentado por valor atual MODELO OPERACIONAL Funções que são assumidas pelos correspondentes e respectivas ferramentas de apoio, e funções que são assumidas pelo Banco PROPOSTA DE VALOR AÇÕES COMERCIAIS Principais ações comerciais a desenvolver sobre os diferentes segmentos de correspondentes de acordo com o seu valor potencial NÍVEL DE SERVIÇO Nível de serviço diferenciado para todos os segmentos estratégicos de correspondentes A proposta de valor por segmento proporciona aos gestores comerciais uma oferta completa para o desenvolvimento e captação de correspondentes para os Bancos Fonte: ABBC / Roland Berger 09

11 NORMAS E REGULAÇÃO O regulador tem tido importante papel na evolução do mercado Resolução /12/2013 Dispõe sobre a portabilidade de operações de crédito realizadas com pessoas naturais Resolução /12/2013 Dá novas regras sobre a contratação de correspondentes no país Art. 1º As instituições financeiras devem garantir a portabilidade das suas operações de crédito realizadas com pessoas naturais, mediante o recebimento de recursos transferidos por outra instituição financeira... Art.11º......V - pagamento de remuneração, da seguinte forma: a) na contratação da operação: pagamento à vista, relativo aos esforços desempenhados na captação do cliente quando da originação da operação; e b) ao longo da operação: pagamento pro rata temporis ao longo do prazo do contrato, relativo a outros serviços prestados após a originação. Fonte: BACEN / ABBC 10

12 TENDÊNCIAS DE MERCADO Quatro principais tendências para o mercado de crédito consignado 1 CRESCIMENTO MAIS LENTO DO MERCADO 2 ACIRRAMENTO DA COMPETIÇÃO, COM CRESCENTE AVANÇO DOS GRANDES BANCOS Potencial de crescimento limitado, especialmente com a queda de taxas em outras modalidades de crédito Pessoa Física Taxas de expansão mais lentas dada a aproximação da saturação nos segmentos mais relevantes (INSS, Público) Principal avenida de crescimento é o segmento privado, porém com potencial limitado máximo de 2-3 x saldo atual Movimento de amadurecimento / reestruturação do mercado, com natural aumento na consolidação e autoseleção dos players Bancos médios consolidação pelos grandes e entre si por ganhos escala e eficiência Grandes bancos continuidade na conquista de share e defesa de base, com lógica de fidelização e cross-selling CRÉDITO CONSIGNADO 4 CRESCENTE DEMANDA POR CRÉDITO COM DESTINAÇÃO 3 AUMENTO NO CONTROLE E EFICIÊNCIA NA DISTRIBUIÇÃO ATRAVÉS DE CANAIS TERCEIRIZADOS Aumento na preferência pela concessão no ato da transação, potencializado o consumo das modalidades mais próximas ao "ato da compra Requerimento por maior agilidade e conveniência na contratação e.g. cartão consignado, concessão online ou via POS Aumento no monitoramento e seletividade na contratação de correspondentes pelos bancos uso de segmentação e programas de incentivos focados em fidelidade e desempenho Espera-se também consolidação e sofisticação dos correspondentes players maiores, mais eficientes e com maior capacidade de agregação de valor (e.g. gestão de leads, oferta multiproduto) Fonte: ABBC / Roland Berger 11

13 PROJEÇÃO Para que o mercado consiga manter o nível de crescimento apresentado nos últimos anos, um conjunto de ações disruptivas pode ser analisado 200 PROJEÇÃO BASE CONFIGURAÇÃO ATUAL DO MERCADO EXPANSÃO DO MERCADO PÚBLICO EXPANSÃO DO MERCADO PRIVADO EVOLUÇÃO DOS ASPECTOS FORMAIS E TECNOLÓGICOS CONCESSÃO NO MOMENTO DO CONSUMO PÚBLICO PRIVADO TODOS TODOS Aumento da penetração em convênios atuais Incremento de novos convênios Incremento de novas parcerias Ampliação da competição Entrada de bancos menores Melhoria das relações de consumo Incorporação de novas tecnologias Requerimento por maior agilidade e conveniência na contratação Preferência pela concessão no ato da transação Fonte: ABBC / Roland Berger 12

14 Obrigado Renato Oliva

Financiamento de Veículos Posicionamento

Financiamento de Veículos Posicionamento Financiamento de Veículos Posicionamento Market Share de Produção em % Ranking Novos Financiamentos (3º Trim 14) 15,5% 1º 13,8% 14,5% 2º 2º 3º 1ºT 14 2ºT 14 3ºT 14 Pesados Autos Novos Motos Autos Usados

Leia mais

Portabilidade de Crédito sairá do papel?

Portabilidade de Crédito sairá do papel? Portabilidade de Crédito sairá do papel? Paulo Henrique Valadares Pereira Banco Cooperativo Sicredi 1 Objetivo Compartilhar informações sobre a Portabilidade de Crédito, seu desempenho no mercado de crédito

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Programa CAIXA Melhor Crédito

Programa CAIXA Melhor Crédito Programa CAIXA Melhor Crédito CAIXA REDUZ A PARTIR DE HOJE TAXAS DE JUROS EM ATÉ 88% O Caixa Melhor Crédito trará beneficio imediato para mais de 25 milhões de clientes A Caixa Econômica Federal anunciou

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Programa CAIXA Melhor Crédito

Programa CAIXA Melhor Crédito Programa CAIXA Melhor Crédito Corte histórico de juros na CAIXA São Paulo, 09 de Abril de 2012 1 Pilares do Programa CAIXA Melhor Crédito 1. Redução acentuada das taxas de juros 2. Maior volume de recursos

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF

CADASTRO POSITIVO. Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF CADASTRO POSITIVO Ricardo Loureiro Diretor de Produtos PF AGENDA O QUE É O BUREAU POSITIVO IMPORTÂNCIA E EFEITOS SOBRE O CRÉDITO BENCHMARKING EXPECTATIVAS DE UTILIZAÇÃO NOS NEGÓCIOS EXPERIÊNCIAS DA SERASA

Leia mais

Seminário GVcev Produtos Financeiros no Varejo

Seminário GVcev Produtos Financeiros no Varejo Seminário GVcev Produtos Financeiros no Varejo O Papel das Financeiras no Mercado Brasileiro Carlos Vilani Mercado Anos 1994 90 Plano Real 96 06 Bancos atuando fortemente na captação de curto prazo Crédito

Leia mais

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito

Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito Estudo: Crédito e Taxas de Juros no Cartão de Crédito 25 de junho de 2010 Sobre este estudo Este estudo foi desenvolvido no início de 2009 e atualizado parcialmente em junho de 2010 2 A operação do cartão

Leia mais

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022

2.7 Financiamento. Por que Financiamento? Comparação Internacional. Visão 2022 2.7 Financiamento Por que Financiamento? O ritmo de crescimento de uma economia e a competitividade da sua indústria dependem da disponibilidade de recursos para investimento e da capacidade do sistema

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Apresentação Unidas. Maio 2014

Apresentação Unidas. Maio 2014 Apresentação Unidas Maio 2014 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 2ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 3T11

Reunião Pública dos Analistas 3T11 Grjrr Reunião Pública dos Analistas 3T11 Porto Seguro História e Posição A empresa se desenvolveu e atingiu posição de liderança em Auto e Residência, e conta com forte estrutura operacional e de distribuição

Leia mais

Apresentação Institucional. Novembro 2015

Apresentação Institucional. Novembro 2015 Apresentação Institucional Novembro 2015 Seção 1 Visão Geral da Unidas Visão Geral da Unidas 3ª maior empresa brasileira de aluguel de carros em frota total, com cobertura nacional em soluções para terceirização

Leia mais

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009

Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento. Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Audiência Pública sobre Cartões de Pagamento Câmara dos Deputados 08 de outubro de 2009 Agenda Estrutura do Mercado de Cartões Principais Números da Indústria de Cartões no Brasil Situação Atual da Indústria

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO COMANDO DA AERONÁUTICA

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO COMANDO DA AERONÁUTICA E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE portabilidadeconsignado@bancodaycoval.com.br Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM margemconsignado@bancodaycoval.com.br

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO 2 PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR 3 4 PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Seguros Gerais 14 Milhões de Automóveis Segurados 7 Milhões

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO SIAPE MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO SIAPE MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM siape@bancodaycoval.com.br Versão: 05/15 MESA DE

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL

CENÁRIO ECONÔMICO CONJUNTURA ECONÔMICA INTERNACIONAL E NACIONAL BRB - Crédito, Financiamento e Investimento S.A. Relatório da Administração 1º semestre 2012 Senhor Acionista, Para dar conformidade à Lei das Sociedades por Ações, do Conselho Monetário Nacional, do Banco

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais

Investimento no exterior: MORTGAGE

Investimento no exterior: MORTGAGE Investimento no exterior: MORTGAGE 01. Overview Crise do Subprime 2 01. Overview Crise Subprime Entendendo a Crise do Subprime Baixas taxas de juros levaram ao aquecimento do mercado imobiliários nos EUA

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 1T15. 8 de maio de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2015 Magazine Luiza Destaques do Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Luizacred Lucro Líquido Ganhos de market share, principalmente em tecnologia Receita

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011 01/03/2011 às 09:30h Agenda 4T11e 2011 Principais Realizações e Destaques em 2011 Receitas, Lucro Líquido e Retorno sobre Capital Desempenho dos principais

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009

PROGRAMA CAIXA APL. SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 PROGRAMA CAIXA APL SERGIO NETTO AMANDIO GERENCIA NACIONAL DE APLICAÇÃO MPE Out/2009 ATENDIMENTOS 436 milhões em Agências 921 milhões em terminais de Auto-Atendimento QUANTIDADE DE CLIENTES - EM MILHÕES

Leia mais

Reunião Pública de Analistas 1T11

Reunião Pública de Analistas 1T11 Reunião Pública de Analistas 1T11 Porto Seguro Inicio das atividades Mudança de Controle Líder nacional em seguro de automóvel Líder nacional em seguro de residência Empregados Diretos Porto S/A Sucursais

Leia mais

Ampla visão corporativa

Ampla visão corporativa Ampla visão corporativa Sobre a DTS Latin America Uma das principais provedoras em alta tecnologia e negócio com atuação na América Latina. Desenvolvemos projetos inovadores para nossos clientes, em diversas

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS MA

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS MA E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE portabilidadeconsignado@bancodaycoval.com.br Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM margemconsignado@bancodaycoval.com.br

Leia mais

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB

CRÉDITO Á IMOBILI RIO BB CRÉDITO IMOBILIÁRIO BB Histórico i Mar/2008 Res. 3.549 CMN possibilita ao BB a captar poupança na modalidade SBPE Saldo da Carteira: R$ 384 mil Set/2008 Carteira da Bescri (R$ 63 milhões) é incorporada

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

(Ver Visão do Desenvolvimento

(Ver Visão do Desenvolvimento Visão do Desenvolvimento nº 86 20 set 2010 Atuação dos bancos públicos faz Nordeste liderar aumento do crédito no Brasil Por Adriana Inhudes, Gilberto Borça Jr. e Pedro Quaresma Economistas da APE Ciclo

Leia mais

Maior capacidade de distribuição do Brasil. 90% CLIENTES do Banco. Rede de Atendimento Varejo e Prime 18% REDE DE ATENDIMENTO 25% 23,3% 7,4% 19% 16,5%

Maior capacidade de distribuição do Brasil. 90% CLIENTES do Banco. Rede de Atendimento Varejo e Prime 18% REDE DE ATENDIMENTO 25% 23,3% 7,4% 19% 16,5% Maior capacidade de distribuição do Brasil Rede de Atendimento Varejo e Prime REDE DE ATENDIMENTO D 6% D 18% Agências Varejo e Prime 4.565 M 25% M 23,3% Espaços Bradesco Prime 410 Postos de Atendimento

Leia mais

Reunião Pública de Analistas 2T10

Reunião Pública de Analistas 2T10 Reunião Pública de Analistas 2T10 Porto Seguro Inicio das atividades Mudança de Controle Líder nacional em seguro de automóvel Maior seguradora do Brasil Posição Companhia `Principal Produto 1 Bradesco

Leia mais

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS

Crédito ao Consumo. Principais Produtos CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS 1 Crédito ao Consumo Principais Produtos CRÉDITO PESSOAL CHEQUE ESPECIAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO CORRENTISTAS NÃO CORRENTISTAS FINANCIAMENTOS DE VEÍCULOS CARTÕES DE CRÉDITO CRÉDITO CONSIGNADO 2 2 Crédito ao

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

A Indústria da Propaganda

A Indústria da Propaganda A Indústria da Propaganda Aprendendo com o Passado Transformando o Presente Vivendo o Futuro Junho 2004 Um Pouco de História As Relações Macro-Econômicas e o Desenvolvimento da Propaganda no Brasil Anos

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

Visão Geral da Marisa

Visão Geral da Marisa Junho 2012 Visão Geral da Marisa 63 anos de história Produtos e serviços financeiros Foco na classe C Maior varejista de moda feminina e íntima do Brasil Lojas multiformato Top of mind Presença em todo

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA

A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA EVOLUÇÃO DO SEGMENTO DE PROMOÇÃO DE CRÉDITO: A FORMALIZAÇÃO COMO TENDÊNCIA Desenvolvendo Pessoas e Fortalecendo o Sistema Renato Martins Oliva Agenda O que é ABBC Missão e valores Bancos de pequena e média

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2014

Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2014 Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Objetivos A Pesquisa FEBRABAN

Leia mais

Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label

Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label Como combater fraudes e minimizar a inadimplência no processamento de cartões Private Label São Paulo, abril de 2007 Ricardo Loureiro Diretor de Produtos AGENDA Objetivo Contexto de mercado Gestão do Ciclo

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Painel da Indústria Financeira - PIF

Painel da Indústria Financeira - PIF Painel da Indústria Financeira - PIF Agenda Desintermediação Bancária nas Operações de Créditos Relacionamento com Instituições não Bancárias As Razões de Uso do Sistema Financeiro, segundo as Empresas:

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos

APTRA PASSPORT DA NCR. Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos APTRA PASSPORT DA NCR Um núcleo empresarial para captura remota de depósitos Uma maneira melhor para os seus clientes depositarem cheques Bancos e instituições financeiras continuam a enfrentar os desafios

Leia mais

Como aumentar suas vendas! Edison Talarico

Como aumentar suas vendas! Edison Talarico Como aumentar suas vendas! Edison Talarico Como aumentar suas vendas e conquistar clientes lucrativos... Quem sou eu? Edison, Vendedor, Professor, Palestrante, HSM BUNGE BRADESCO DOW VISA VAI-VAI BAYER

Leia mais

Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo

Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo Desafio da Oferta de Crédito para Alavancagem das Vendas no Varejo Qual o maior desejo do Varejo? VENDER MAIS!!!! A história explica... Meados do séc. XIX 1890-1950 Porta a Porta Armazéns Gerais - Pouco

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL SP

ROTEIRO OPERACIONAL EMPRÉSTIMO CONSIGNADO SETOR PÚBLICO AUTARQUIA HOSPITALAR MUNICIPAL SP E-MAILS DE CONTATO BANCO DAYCOVAL Negócio Roteiro Operacional Promotora MESA DE ANALISE PORTABILIDADE portabilidadeconsignado@bancodaycoval.com.br Empréstimo Cartão Débito C/C MESA DE ANALISE MARGEM margemconsignado@bancodaycoval.com.br

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País.

Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. Pesquisa FEBRABAN de Tecnologia Bancária 2013 Um sistema financeiro saudável, ético e eficiente é condição essencial para o desenvolvimento econômico, social e sustentável do País. OBJETIVOS A Pesquisa

Leia mais

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo

Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Seminário GVcev Produtos e Serviços Financeiros no Varejo Produto Private Label fortalecendo a parceria entre varejo e instituições financeiras Marcelo Noronha Agenda Parceria Produto Private Label Bradesco

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

ESTRATÉGIA BANCÁRIA PARA ALCANÇAR CLIENTES DE BAIXA RENDA

ESTRATÉGIA BANCÁRIA PARA ALCANÇAR CLIENTES DE BAIXA RENDA ESTRATÉGIA BANCÁRIA PARA ALCANÇAR CLIENTES DE BAIXA RENDA www.espm.br/centraldecases ESTRATÉGIA BANCÁRIA PARA ALCANÇAR CLIENTES DE BAIXA RENDA Preparado pelos Profs. Antonio Bonassa e Paulo Faria, da ESPM-SP.

Leia mais

Cartilha do Crédito Consignado

Cartilha do Crédito Consignado Cartilha do Crédito Consignado Guia Prático para o Aposentado e Pensionista do INSS apoio ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE BANCOS Caro aposentado ou pensionista Esta cartilha foi elaborada para o seu bem-estar.

Leia mais

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Introdução aos debates Jorge de Paula Costa Avila VII REPICT Rio de Janeiro 14 de julho de 2004 Política Industrial, Competitividade

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest

Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas. Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest Financiamento estudantil privado: tendências e novas alternativas Carlos Furlan Diretor Executivo-Ideal Invest NOSSA HISTÓRIA DE CONQUISTAS E INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO 200 universidades parceiras +1960

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 1. Público alvo 1.1 Atendidos - Aposentados e pensionistas do INSS -Códigos Benefícios- 1.2 Não atendidos -Códigos Benefícios- RESUMO DE CÓDIGOS NÃO CONSIGNÁVEIS

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Portabilidade de crédito

Portabilidade de crédito Portabilidade de crédito SEMARC 2014 - Seminário de Relacionamento com Clientes Brasília, 4 de agosto de 2014 30.6.99 30.5.01 28.1.05 6.9.06 26.7.07 6.12.07 6.12.09 25.3.10 25.11.10 24.2.11 15.3.13 4.11.13

Leia mais

Resultados do 3T08 PSSA3

Resultados do 3T08 PSSA3 Resultados do PSSA3 Porto Seguro Fundação Mudança de controle Líder Segmento Auto no Brasil Grupos Seguradores Funcionários diretos Sucursais e escritórios no Brasil Principais cidades 2 Estrutura Societária

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Formalização Eletrônica. Automação da formalização de documentos

Formalização Eletrônica. Automação da formalização de documentos Apresenta: Formalização Eletrônica Automação da formalização de documentos Quem Somos O Grupo Simply desenvolve soluções de tecnologia e informação aplicada às necessidades do mercado financeiro. Nosso

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza

Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14. 27 de fevereiro de 2015. Magazine Luiza Teleconferência de Resultados 2014 e 4T14 27 de fevereiro de 2015 Magazine Luiza Destaques 2014 Vendas E-commerce Despesas Operacionais EBITDA Ajustado Luizacred Lucro Líquido Ajustado Crescimento da receita

Leia mais

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira

CORRESPONDENTES. Uma Inovação Brasileira CORRESPONDENTES Uma Inovação Brasileira JUNHO - 2007 Brasil Desafio das dimensões continentais ÁREA Brasil Desafio das dimensões continentais DENSIDADE DEMOGRÁFICA Brasil Desafio das dimensões continentais

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES

Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Programa de Incentivo ao Mercado de Renda Fixa BNDES Uso de instrumentos de mercado de capitais em Projetos de Longo Prazo Laura Bedeschi Agosto/2015 Debêntures Adquiridas 2 BNDES Investidor Debêntures

Leia mais

Agência Bradesco Praça Panamericana

Agência Bradesco Praça Panamericana Agência Bradesco Praça Panamericana Presença em todos os municípios brasileiros A B C D E 03 Crescimento Orgânico dos Canais de Distribuição 4.634 4.650 3.160 3.359 3.454 3.628 2007 2008 2009 2010 2011

Leia mais

PORTABILIDADE DE CRÉDITO RESOLUÇÃO BACEN 4292/2013

PORTABILIDADE DE CRÉDITO RESOLUÇÃO BACEN 4292/2013 1. OBJETIVO ESTE ROTEIRO OPERACIONAL TEM COMO OBJETIVO DISCIPLINAR E PADRONIZAR OS PROCEDIMENTOS ESTABELECIDOS PELO DAYCOVAL CONFORME REGRAS DA RESOLUÇÃO 4292/2013 E CARTA CIRCULAR 3650/2014 DO BACEN.

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Resultados do 2T08 PSSA3

Resultados do 2T08 PSSA3 Resultados do PSSA3 Perspectivas Perspectivas para o para segundo 2008 semestre de 2008 A Aumento criação de de empregos 31,6% no formais número até de empregos junho foi o formais maior desde em relação

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Apresentação Investidores

Apresentação Investidores Apresentação Investidores Abril de 2011 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx

mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx mcaffonso\home\mcaffonso\aaapaulo Leme\Apresentacoes PPT\Cetip_ Paulo Leme Painel I v6.pptx 1 Debêntures Ideias para fomentar o mercado Marco Antonio Sudano Diretor de Trading do Itaú BBA I. Overview do

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008

Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção. 17 de setembro de 2008 Derivativos Oportunidades e Alternativas de Proteção 17 de setembro de 2008 Presença Global do Unibanco O Unibanco é um dos maiores conglomerados financeiros do Brasil, presente nos principais centros

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Março de 205 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4 2 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4

Leia mais

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder

Modelo de CANVAS. Alexander Osterwalder Modelo de CANVAS Alexander Osterwalder Ferramenta de criação e gestão de modelos de negócio, simples e visual, que permite simplificar e reunir todos os pontos-chave do novo negócio ou negócio pré-existente.

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros

Welcome Call em Financeiras. Categoria Setor de Mercado Seguros Categoria Setor de Mercado Seguros 1 Apresentação da empresa e sua contextualização no cenário competitivo A Icatu Seguros é líder entre as seguradoras independentes (não ligadas a bancos de varejo) no

Leia mais

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar.

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. 0 0 Participação da Indústria no PIB - Internacional Prêmios/PIB em % (2004) 1 1 A Indústria de Seguros no Brasil Desde a implantação do Plano Real,

Leia mais