Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito"

Transcrição

1 Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito

2 Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas) dos bancos múltiplos e comerciais; bancos de desenvolvimento; caixas econômicas; cooperativas de crédito; sociedades de crédito, financiamento e investimento; sociedades de arrendamento mercantil (leasing); sociedades de crédito imobiliário e associações de poupança e empréstimos. O crédito com recursos livres é dividido em pessoas físicas e jurídicas, em modalidades e em taxas de juros (pré-fixadas, pós-fixadas, flutuantes e índice de preços). Inclui leasing, cooperativas de crédito e cartão de crédito à vista. As séries de dados são informadas a valores correntes sem ajuste sazonal. O spread bruto é obtido pela diferença entre as taxa de captação (CDI) e aplicação. A inadimplência corresponde a atraso de mais de 90 dias.

3 Módulo de dados I: Crédito Sumário A taxa de juros, a inadimplência e o spread médios são sempre ponderados pela concessão de crédito (fluxo de crédito); Outras operações correspondem a adiantamento a depositantes, renegociação de dívidas, desconto de cheques, de recebíveis e de fatura de cartão de crédito e cartão de crédito à vista; Públicos alvo: interno e externo sem restrição. Fonte: Bacen. Elaboração: Febraban.

4 Índice 1. Crédito O Brasil no contexto mundial comparativo de crédito como percentagem do PIB de países selecionados 2004; 2. Evolução do crédito mensal com recursos livres, direcionados e total no Brasil como percentagem do PIB ( ); 3. Evolução do volume de crédito mensal com recursos livres, direcionados e total (final de período) em R$ MM ( ); 4. Evolução anual do volume de crédito X recolhimentos / encaixes compulsórios em títulos e em espécie X dívida líquida do setor público X PIB (preços de 2005) em R$ MM ( ); 5. Crescimento real do PIB em % ( );

5 Índice 6. Evolução de variáveis selecionadas: recursos livres, recursos direcionados, crédito total, compulsório, dívida pública em R$ MM ( ); 7. Evolução anual de variáveis selecionadas: crédito total, depósito compulsório, dívida pública em R$ MM e em % do PIB ( ) e variação anual em pontos percentuais ; 8. Evolução da dívida líquida do setor público em % do PIB ( ); 9. Evolução do volume de crédito com recursos livres pessoas físicas, jurídicas e total (final de período) em R$ MM ( ); 10. Volume de crédito por tipo de taxas de juros para pessoas físicas e jurídicas (pré-fixadas, pós-fixadas, flutuante, índice de preços) em % do volume total de crédito Base: mar 06;

6 Índice 11. Evolução do volume de crédito mensal com recursos livres para pessoas físicas por produto (final de período) - operações pré-fixadas em R$ MM ( ); 12. Crescimento do volume de crédito para pessoas físicas por produto em 2005 em relação a 2004 (em %); 13. Percentagem das modalidades de crédito com recursos livres para pessoas físicas (em % do total de crédito para pessoas físicas) Base: mar 06; 14. Evolução do volume de crédito mensal com recursos livres para pessoas jurídicas por produto (final de período) - operações pré-fixadas e pósfixadas em R$ MM ( ); 15. Crescimento do volume de crédito para pessoas jurídicas por produto em 2005 em relação a 2004 (em %);

7 Índice 16. Percentagem das modalidades de crédito com recursos livres para pessoas jurídicas (em %). Base: mar 06; 17. Média mensal da concessão de crédito no ano para pessoas físicas por produto em R$ MM ( ); 18. Taxas de juros mensais em operações pré-fixadas pessoas físicas (em % ao ano) ( ); 19. Taxas de juros mensais em operações pré-fixadas, pós-fixadas e flutuantes pessoas jurídicas (em % ao ano) ( ); 20. Taxas médias ponderadas anuais pessoas físicas (em % ao ano) e variação em relação ao ano anterior (em pontos percentuais);

8 Índice 21. Taxas médias ponderadas anuais pré-fixadas pessoas jurídicas em % ao ano ( ) e variação em relação ao ano anterior em pontos percentuais; 22. Média anual das taxas de juros básicas - Meta Selic e CDI em % ao ano ( ) e variação em relação ao ano anterior em pontos percentuais; 23. Evolução das taxas de juros pessoa físicas em % ao ano ( ); 24. Evolução das taxas de juros pessoa jurídicas em % ao ano ( ); 25. Marcos legais que fortaleceram o crescimento do crédito;

9 Índice 26. Concessão de crédito por produto (média mensal) pessoas físicas em R$ MM ( ); 27. Variação anual das concessões de crédito por produto pessoas físicas em % ( ); 28. Concessão de crédito por produto (média mensal) pessoas jurídicas em R$ MM ( ); 29. Variação anual das concessões de crédito por produto pessoas jurídicas em % ( ); 30. Evolução das concessões mensais de crédito em R$ MM pessoas físicas e jurídicas ( );

10 Índice 31. Prazo médio mensal (ponderado pelo volume de cada produto) das operações de crédito pessoas físicas, jurídicas e total (em dias corridos) ( ); 32. Prazo médio mensal por produto pessoas físicas (em dias corridos) ( ); 33. Prazo médio mensal por produto pessoas jurídicas (em dias corridos) ( ); 34. Prazo médio anual (ponderado pelo volume de cada operação) pessoas físicas, jurídicas e consolidado ( ); 35. Spread bruto mensal por produto e total pessoas físicas em pontos percentuais ( );

11 Índice 36. Média anual do spread bruto para pessoas físicas por produto e total (ponderada pela concessão mensal) em pontos percentuais ( ) e variação em relação ao ano anterior; 37. Spread bruto mensal por produto pessoas jurídicas em pontos percentuais ( ); 38. Spread bruto mensal - pessoas jurídicas taxas pré-fixadas, pós-fixadas, flutuantes, total e consolidada em pontos percentuais ( ); 39. Média anual do spread bruto para pessoas jurídicas por produto (ponderada pela concessão mensal) em pontos percentuais ( ) e variação em relação ao ano anterior; 40. Média anual do spread bruto para pessoas jurídicas por taxas pré-fixadas, pós-fixadas, flutuantes, total e consolidada (ponderada pela concessão mensal) em pontos percentuais ( ) e variação em relação ao ano anterior;

12 Índice 41. Evolução do spread bruto mensal das operações de crédito com recursos livres por produtos - pessoas físicas (em pontos percentuais) X Meta Selic e CDI (em % ao ano) - ( ); 42. Evolução do spread bruto mensal das operações de crédito com recursos livres por produtos - pessoas jurídicas (em pontos percentuais) X Meta Selic e CDI (em % ao ano) - ( ); 43. Inadimplência - taxa mensal (em %) pessoas físicas e jurídicas e total ( ); 44. Média anual ponderada da inadimplência por produto para pessoas físicas (em %) ( ). 45. Média anual ponderada da inadimplência por produto para pessoas jurídicas (em %) ( ).

13 Índice 46. Evolução da inadimplência por produto - taxa mensal (em %) pessoas físicas ( ); 47. Evolução da inadimplência por produto - taxa mensal (em %) pessoas jurídicas ( ); 48. Volume de crédito por atividade econômica em R$ MM ( ) 49. Gráfico: evolução do crédito rural X depósitos à vista em R$ MM ( ); 50. Gráfico: evolução do crédito habitacional X depósitos de poupança em R$ MM ( );

14 Crédito O Brasil no contexto mundial Crédito em países selecionados 2004 (% do PIB) Fonte: National Bureau of Economic Research. 41 Brasil Suíça China Estados Unidos Inglaterra Dinamarca Alemanha Japão Tailândia Canadá Chile Bolívia Uruguai Filipinas Índia Brasil Argentina México Rússia

15 Crédito em países selecionados em 2004 (% do PIB) Suíça 164 China 154 Estados Unidos 146 Inglaterra 136 Dinamarca 123 Alemanha 118 Japão 107 Tailândia 100 Canadá 84 Chile 61 Bolívia 56 Uruguai 53 Filipinas 41 Índia 30 Brasil 27 Argentina 19 México 18 Rússia 16 Fonte: National Bureau of Economic Research.

16 Brasil Crédito Crédito (% do PIB) 1 recursos livres e direcionados ( ) Data Recursos Livres Recursos Direcionados Total mar/01 16,9 12,0 28,9 jun/01 17,2 8,8 26,0 set/01 18,1 9,1 27,2 dez/01 17,2 9,3 26,5 mar/02 17,4 9,2 26,6 jun/02 17,4 9,2 26,6 set/02 16,7 9,5 26,2 dez/02 14,8 9,0 23,8 mar/03 14,8 8,8 23,6 jun/03 15,3 9,4 24,7 set/03 15,6 9,8 25,4 dez/03 16,0 10,2 26,2 mar/04 15,8 9,8 25,6 jun/04 16,2 9,7 25,9 set/04 16,6 9,6 26,2 dez/04 17,2 9,8 27,0 mar/05 18,0 9,7 27,7 jun/05 18,9 9,8 28,8 set/05 19,9 9,9 29,8 dez/05 20,7 10,4 31,2 mar/06 21,2 10,4 31,6 Nota: 1/ Estimativas do Bacen, a partir de dados do IBGE, com base no IGP-DI centrado.

17 Brasil Crédito (% do PIB) ,9 31,6 21,2 16,9 12,0 10,4 dez/01 mar/02 jun/02 set/02 dez/02 mar/03 jun/03 set/03 dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 Recursos Livres Recursos Direcionados Total mar/01 jun/01 set/01

18 DESTAQUES Volume do Crédito (% do PIB) recursos livres e direcionados Em 2003, o crédito com recursos livres era 16% do PIB e o crédito total, 26,2%; Em 2005, o volume de crédito com recursos livres atingiu 20,7% do PIB e o total, 31,2%; Volume ainda incipiente se comparado aos países desenvolvidos e alguns emergentes. No Chile, por exemplo, o crédito atingiu em 2004, 61% do PIB; A projeção da Febraban é que o crédito termine o ano de 2006 representando 33% do PIB.

19 Volume de Crédito Total (em R$ MM) Data Volume de Crédito Total Recursos Livres Recursos direcionados dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/

20 Volume de crédito (em R$ MM) dez/05 mar/06 jun/01 set/01 dez/01 mar/02 jun/02 set/02 dez/02 mar/03 jun/03 set/03 dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05

21 DESTAQUES O volume crédito no Brasil vem crescendo a uma taxa de 2 dígitos desde o ano 2002, atingindo o volume total de milhões de reais, em Evolução de variáveis selecionadas ( ) Crédito Compulsório Dívida Pública PIB Data R$ MM Var. em % R$ MM Var. em % R$ MM Var. em % R$ MM Var. em % ,0% ,9% ,3% ,4% ,0% ,5% ,3% ,9% ,0% ,0% ,6% ,5% ,0% ,2% ,8% ,9% ,0% ,1% ,8% ,3%

22 Crescimento real do PIB (%) 5,9 4,9 4,2 2,7 3,3 4,4 4,9 2,3 1,0 0,1 0,8 1,3 1,9 0,5-0,5-4, Fonte: IBGE

23 Evolução de variáveis selecionadas (em R$ MM) Data Recursos livres Recursos direcionados Total crédito Compulsórios Dívida Pública dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar

24 Variáveis selecionadas (em % do PIB) Data Crédito Dívida Pública Compulsório ,5 52,6 5, ,8 55,5 4, ,2 57,2 8, ,0 51,7 7, ,2 51,5 7,7 Variação anual (em pontos percentuais) Data Crédito Dívida Pública Compulsório ,6 2,9-0, ,4 1,7 3, ,8-5,5-1, ,2-0,2 0,6

25 jan/91 jan/92 jan/93 jan/94 jan/95 jan/96 jan/97 jan/98 jan/99 jan/00 jan/01 jan/02 jan/03 jan/04 jan/05 jan/ Evolução da dívida líquida do setor público ( ) % do PIB Total Interna Externa

26 Volume de Crédito X Encaixes Compulsórios* X Dívida Pública (em R$ MM) jan/01 mai/01 set/01 jan/02 mai/02 set/02 jan/03 mai/03 set/03 jan/04 mai/04 set/04 jan/05 mai/05 set/05 jan/06 Volume de Crédito Total Encaixes Compulsórios Dívida Pública Nota: * remunerados e não remunerados

27 DESTAQUES Em 2005, o setor público continuou sendo o maior tomador de crédito no Brasil: a dívida líquida do setor público atingiu 51,5% do PIB. Os depósitos compulsórios (remunerados e não remunerados) somaram R$ milhões, ou 7,7% do PIB. Ambas as variáveis possuem um impacto negativo na oferta de crédito ao consumidor, que não obstante, continuou subindo (21,5%) em relação a 2004.

28 Volume de crédito com recursos livres (em R$ MM) Data Pessoa Física Pessoa Jurídica Consolidado dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar Nota: * inclui leasing, cooperativas e cartão de crédito à vista.

29 Volume de crédito com recursos livres (em R$ MM) mar/04 abr/04 mai/04 jun/04 jul/04 ago/04 set/04 out/04 nov/04 dez/04 jan/05 fev/05 mar/05 abr/05 mai/05 jun/05 jul/05 ago/05 set/05 out/05 nov/05 dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 Pessoa Física Pessoa Jurídica dez/03 jan/04 fev/04

30 DESTAQUES Em 2005, volume crédito no Brasil com recursos livres atingiu R$ milhões (incluindo leasing, cooperativas e cartão de crédito à vista), crescimento de 26,7% em relação ao ano anterior. Entretanto, o crescimento do crédito foi desigual para pessoas físicas e jurídicas. O crédito para pessoas físicas cresceu 37,7% atingindo R$ milhões e para pessoas jurídicas expandiu-se18,5%, atingindo R$ milhões.

31 Volume de crédito por tipo de taxa de juros Pessoas Jurídicas 1% Pessoas Físicas 1,10% 0,40% 25% 44% 30% Prefixado Flutuante Pós-fixado Índice de preços 98,50% Prefixado Pós-fixado Flutuante Base: março 2006

32 Volume de crédito com recursos livres - pessoas físicas (em R$ MM) Data Cheque especial Crédito pessoal Crédito consignado Financiamento Financiamento Financiamento Imobiliário de veículos de bens jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar

33 Volume de crédito com recursos livres - pessoas físicas (em R$ MM) Data Cartão de crédito Outras operações * Leasing Cooperativas Total Pessoa Física jan-04 fev-04 mar-04 abr-04 mai-04 jun-04 jul-04 ago-04 set-04 out-04 nov-04 dez-04 jan-05 fev-05 mar-05 abr-05 mai-05 jun-05 jul-05 ago-05 set-05 out-05 nov-05 dez-05 jan-06 fev-06 mar Notas: */ Adiantamento a depositantes, renegociação de dívidas, desconto de cheques e de recebíveis e cartão de crédito à vista.

34 Crescimento do volume de crédito para pessoas físicas por modalidade (em %) ,0% 20,3% 84,3% 33,2% 41,6% 37,2% 102,1% 19,1% 37,7% Cheque especial Crédito pessoal Crédito consignado Financiamento de veículos Financiamento de bens Cartão de crédito Leasing Cooperativas Total Pessoa Física

35 Volume de crédito com recursos livres Pessoas Físicas ( em R$ MM) mar/04 abr/04 mai/04 jun/04 jul/04 ago/04 set/04 out/04 nov/04 dez/04 jan/05 fev/05 mar/05 abr/05 mai/05 jun/05 jul/05 ago/05 set/05 out/05 nov/05 dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 jan/04 fev/04 Cheque especial Crédito pessoal Crédito consignado Financiamento de veículos Financiamento de bens Cartão de crédito Leasing Cooperativas

36 Modalidades de crédito para pessoas físicas com recursos livres 4,5% 4,3% 16,1% 12,6% 6,0% 17,7% 5,0% 0,4% 27,0% Crédito pessoal Crédito consignado Financiamento imobiliário Financiamento de veículos Financiamento de bens Cartão de crédito Outras operações Leasing Cooperativas Base: mar 06

37 DESTAQUES 2005 Em dezembro de 2005, o crédito a pessoas físicas com recursos livres atingiu R$ milhões, um crescimento de 37% em relação a dezembro de 2004; Os maiores destaques ficaram por conta do crédito consignado, que cresceu 84,8 % em relação a 2004 e o leasing (99,2%); Outros destaques: financiamento de veículos (33,2%), de bens (41,6%) e cartão de crédito (rotativo e parcelado) (37,2%).

38 Volume de crédito com recursos livres Pessoas Jurídicas em R$ MM Data Hot money Desconto Desconto de Capital de giro Conta garantida Financiamento Financiamento de duplicatas promissórias imobiliário de bens jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar Vendor

39 Volume de crédito com recursos livres Pessoas Jurídicas em R$ MM Data jan-04 fev-04 mar-04 abr-04 mai-04 jun-04 jul-04 ago-04 set-04 out-04 nov-04 dez-04 jan-05 fev-05 mar-05 abr-05 mai-05 jun-05 jul-05 ago-05 set-05 out-05 nov-05 dez-05 jan-06 fev-06 mar-06 ACC Export notes Repasses externos Financiamentos Outras operações * Leasing Crédito rural a importações e outros Total Pessoa Jurídica Nota: * Inclui adiantamento a depositantes, renegociação de dívidas, desconto de cheques e de recebíveis cartão de crédito à vista.

40 Crescimento do volume de crédito para pessoas jurídicas por modalidade (em %) 18,2% ,5% 28,0% 18,5% 39,3% -2,6% -0,7% 5,6% 17,0% -2,2% 37,4% 0 Desconto de duplicatas Capital de giro Conta garantida Financiamento de bens Vendor ACC Repasses externos Financiamentos a importações e outros Outras operações Leasing Total Pessoa Jurídica Notas: *Adiantamento a depositantes, renegociação de dívidas, desconto de cheques e de recebíveis e cartão de crédito à vista.

41 jul/97 jan/98 jul/98 jan/99 jul/99 jan/00 jul/00 jan/01 jul/01 jan/02 jul/02 jan/03 jul/03 jan/04 jul/04 jan/05 jul/05 jan/06 jan/ Volume de crédito com recursos livres Pessoas Jurídicas ( em R$ MM) Desconto de duplicatas Capital de giro Conta garantida Financiamento de bens Vendor ACC Repasses externos

42 Modalidades de crédito para pessoas jurídicas com recursos livres 16,2% 0,2% 4,8% 1,0% 24,2% 6,6% 3,8% 7,8% 14,0% 11,0% 4,5% 5,5% 0,3% Hot money Desconto de duplicatas Capital de giro Conta garantida Financiamento imobiliário Financiamento de bens Vendor ACC Repasses externos Financiamentos Leasing Crédito rural Outras operações Base: mar 06

43 DESTAQUES 2005 Em dezembro de 2005, o crédito a pessoas jurídicas com recursos livres atingiu R$ milhões, um crescimento de 18,2% em relação a dezembro de 2004; Os maiores destaques ficaram por financiamento de bens (39,3%) e leasing (37,4%).

44 Taxas de juros com recursos livres em operações pré-fixadas Taxas mensais (em % ao ano) Data Pessoa Física Pessoa Jurídica Consolidada jan-04 65,37 30,12 45,40 fev-04 64,21 30,21 45,10 mar-04 64,01 30,41 45,30 abr-04 63,34 29,88 44,70 mai-04 62,37 30,00 44,20 jun-04 62,36 29,69 44,00 jul-04 62,00 29,71 43,90 ago-04 63,10 28,80 43,90 set-04 63,15 30,35 45,10 out-04 62,42 31,06 45,20 nov-04 63,32 30,94 45,20 dez-04 60,53 30,95 44,60 jan-05 62,00 32,17 46,20 fev-05 61,80 32,44 46,40 mar-05 61,60 32,87 46,70 abr-05 61,70 33,27 47,10 mai-05 62,50 33,67 47,80 jun-05 61,30 33,38 47,30 jul-05 61,30 32,98 47,20 ago-05 61,10 33,21 47,40 set-05 62,10 33,28 48,10 out-05 61,70 33,40 48,20 nov-05 60,40 32,40 47,10 dez-05 59,30 31,70 45,90 jan-06 59,70 31,30 46,10 fev-06 59,20 31,60 46,20 mar-06 59,00 30,70 45,70

45 Taxas de juros com recursos livres em operações pré-fixadas Taxas médias ponderadas anuais (em % ao ano) Data Pessoa Física Pessoa Jurídica Consolidada ,22 32,12 47, ,88 34,25 48, ,92 36,89 51, ,41 41,48 55, ,85 34,50 45, ,98 38,09 45,44 Variação em relação ao ano anterior (em pontos percentuais) Data Pessoa Física Pessoa Jurídica Consolidada ,33 2,13 0, ,04 2,64 3, ,48 4,59 4, ,55-6,98-9, ,88 3,59-0,27

46 Taxas de juros com recursos livres em operações pré-fixadas Pessoas Físicas Taxas mensais (em % ao ano) Data Cheque Crédito Crédito Aquisição de Aquisição de Total especial Consignado pessoal veículos bens pessoa física jan ,52 41,37 87,05 36,13 66,30 65,37 fev ,89 40,29 85,40 35,66 65,44 64,21 mar ,03 40,27 85,67 35,08 62,94 64,01 abr ,18 38,32 84,97 34,96 62,16 63,34 mai ,50 38,50 81,26 35,29 59,88 62,37 jun ,30 38,18 79,76 36,32 59,43 62,36 jul ,14 37,79 79,85 36,10 58,51 62,00 ago ,62 38,02 82,67 36,34 58,76 63,10 set ,62 38,47 84,89 35,73 60,64 63,15 out ,10 39,06 84,14 35,55 61,37 62,42 nov ,97 38,03 81,24 35,63 62,48 62,30 dez ,97 39,19 77,33 35,63 66,92 60,50 jan ,60 39,15 85,08 36,52 64,48 62,00 fev ,36 38,92 84,42 36,18 63,70 61,80 mar ,10 38,58 82,88 36,65 62,44 61,60 abr ,58 38,36 83,83 36,95 57,68 61,70 mai ,57 37,54 85,78 37,42 57,78 62,50 jun ,02 37,47 84,57 36,91 54,11 61,30 jul ,04 37,44 84,57 36,14 54,67 61,30 ago ,48 37,17 85,11 35,66 53,73 61,10 set ,75 36,96 86,40 35,88 59,93 62,10 out ,60 37,21 85,06 35,60 59,10 61,70 nov ,20 36,86 83,23 34,90 56,40 60,40 dez ,50 36,10 81,78 34,80 65,20 59,30 jan ,80 37,31 86,23 35,30 58,60 59,70 fev ,80 36,47 85,91 35,20 54,40 59,20 mar ,40 37,07 83,28 34,40 56,90 59,00

47 Taxas de juros com recursos livres em operações pré-fixadas Pessoas Jurídicas Taxas mensais (em % ao ano) Data Hot money Desconto Desconto de Capital Conta Aquisição Vendor Total PJ de duplicatas promissórias de giro garantida de bens pré-fixada jan-04 46,54 42,86 53,19 36,47 69,10 28,15 22,61 42,09 fev-04 46,74 43,30 54,65 37,90 68,43 27,72 22,04 42,42 mar-04 49,13 41,62 52,43 36,14 69,85 28,11 21,64 42,08 abr-04 50,15 41,76 53,06 36,44 67,87 27,47 21,64 41,70 mai-04 48,07 40,79 49,03 35,27 67,66 27,43 21,46 41,26 jun-04 49,35 40,03 49,30 34,51 66,83 27,97 21,25 40,63 jul-04 48,95 40,14 47,48 34,76 66,30 28,01 21,05 40,43 ago-04 51,08 40,20 48,68 35,57 65,42 28,38 21,52 40,47 set-04 50,86 40,17 48,30 34,65 65,93 27,97 21,74 40,14 out-04 52,77 41,87 51,05 36,94 65,48 27,97 22,23 41,00 nov-04 54,54 40,64 49,40 35,93 65,70 29,39 22,23 40,46 dez-04 51,08 40,46 49,62 36,71 66,53 29,02 22,84 40,65 jan-05 55,91 42,97 54,03 40,24 66,38 30,46 24,31 42,54 fev-05 51,49 43,24 53,96 39,64 66,91 30,88 24,28 42,87 mar-05 55,73 43,87 54,04 39,62 69,02 31,52 24,40 43,70 abr-05 53,47 43,44 53,51 40,43 70,00 30,87 25,19 44,23 mai-05 53,54 43,39 53,53 41,22 69,81 31,64 24,65 44,64 jun-05 53,42 42,61 52,35 39,56 70,15 31,27 24,14 44,39 jul-05 49,53 42,69 52,25 37,97 70,34 29,95 24,55 44,06 ago-05 51,00 43,46 52,58 38,83 70,73 29,68 24,02 44,35 set-05 54,30 43,50 54,30 38,00 70,50 29,60 24,60 44,20 out-05 52,60 44,30 55,20 38,70 70,60 28,60 24,60 44,50 nov-05 49,80 41,90 52,10 35,40 70,70 28,40 23,10 42,90 dez-05 47,40 39,50 49,00 34,70 70,30 28,20 22,50 41,60 jan-06 51,20 40,70 51,80 37,10 69,60 28,60 22,60 42,50 fev-06 53,40 43,30 56,20 37,30 69,00 29,30 23,10 43,20 mar-06 53,60 40,40 52,50 35,10 70,70 27,60 21,30 42,20

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 29-07-2008) Edição de 30 de julho de 2008 Crédito à pessoa jurídica permanece forte Em junho

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 24-06-2008) Edição de 25 de junho de 2008 Operações de crédito à pessoa física apresentam

Leia mais

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro

Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro Relatório FEBRABAN - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 22-10-08) Edição de 27 de Outubro de 08 Crise não teve impacto significativo nas operações

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

Panorama do Mercado de Crédito

Panorama do Mercado de Crédito Panorama do Mercado de Crédito FEBRABAN Dezembro de 2011 Rubens Sardenberg Economista-chefe ÍNDICE I. Evolução do Crédito II. Pessoa Física III. Pessoa Jurídica IV. Inadimplência V. Spread VI. Projeções

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009

(com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 27-05-2009) Edição de 27 de Maio de 2009 Em Abril de 2009, operações de crédito atingiram

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO BRASIL 30 de julho de 2015 (dados junho de 2015) A SPE não é a fonte primária das informações disponibilizadas nesta apresentação. A SPE apenas consolida e organiza as informações

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL

SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL SPREAD BANCÁRIO NO BRASIL Comissão de Acompanhamento da Crise Financeira e da Empregabilidade 26 DE MARÇO DE 2009 Fábio Colletti Barbosa Presidente ÍNDICE 1. A Crise Financeira Mundial 2. O Brasil, a Crise

Leia mais

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência

Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Persistência da desaceleração e ligeira elevação na inadimplência Em maio, a carteira de crédito do SFN totalizou aproximadamente 56,2% do PIB, indicando crescimento de 12,7% em 12 meses. O maior dinamismo

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO: O QUE APRENDEMOS NAS DUAS ÚLTIMAS DÉCADAS José Aguiar Superintendente - Abecip Rio de Janeiro, 18 de Setembro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento

Leia mais

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5%

105,9% 105,4% 102,5% 102,8% 102,9% 101,1% 102,7% 104,0% 105,5% 30,7% 31,1% 30,5% 31,0% 31,5% 32,2% 32,2% 32,8% 33,9% 35,5% FINANCIAMENTO EMPRESAS, GOVERNO E FAMÍLIAS INFORMATIVO MENSAL DEZEMBRO/2011 1. FINANCIAMENTO GERAL DE ENTIDADES NÃO FINANCEIRAS: DÍVIDA CONSOLIDADA. O Financiamento geral consolidado de entidades não financeiras,

Leia mais

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa

Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Encontro de Bancos Centrais de países de língua portuguesa Antônio Gustavo Matos do Vale Diretor de Liquidações e Desestatização 4 de outubro de 2010 1 Evolução recente da economia brasileira O momento

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008

OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN DEZEMBRO / 2008 Fonte: Bacen 27/01/2009 DESTAQUES DE DEZEMBRO / 2008 As operações de crédito no SFN, incluindo recursos livres e direcionados, finalizaram o ano com um incremento

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia

CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável. ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia CRÉDITO IMOBILIÁRIO NO BRASIL Crescimento Sustentável ESTRATÉGIA DO BRADESCO Posicionamento/Estratégia 1 DE 28 1 Crédito Imobiliário no Brasil Crescimento contínuo e sustentável nos últimos anos, aumento

Leia mais

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014

Boletim Mensal. Novembro/ 2.014 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Mensal Novembro/ 2.014 Acumulado janeiro a novembro/2014 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados

Leia mais

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil

Macro Brasil. Impacto do corte dos spreads bancários dependerá da abrangência dessa medida. 2 de maio de 2012 Emerging Markets Research Brasil Emerging Markets Research Brasil Macro Brasil Análise Econômica Credit Suisse Brasil Nilson Teixeira +55 11 3841 6288 nilson.teixeira@credit-suisse.com Iana Ferrão +55 11 3841 6345 Iana.ferrao@credit-suisse.com

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em dezembro/2013 sendo esta a sétima elevação do ano. Esta elevação é reflexo da elevação da Taxa Básica de Juros (Selic)

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

Tendências importantes para o spread e inadimplência

Tendências importantes para o spread e inadimplência Tendências importantes para o spread e inadimplência A inadimplência confirma mínima histórica em 3,0% e o spread bancário volta a se elevar, alcançando 13,1%. Os dois movimentos são os principais destaques

Leia mais

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010.

O crédito ao setor privado atingiu R$1.948 bilhões no final de 2011, após acréscimos de 2,2% no mês e de 18,9% em relação a dezembro de 2010. O volume total de crédito do sistema financeiro, computadas as operações com recursos livres e direcionados, atingiu R$2.030 bilhões em dezembro, após crescimento mensal de 2,3%. Ao longo de 2011, o crédito

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras. Boletim Anual 2.013 Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras Boletim Anual 2.013 N O T A Ressaltamos que os dados divulgados pelo BACEN, são sempre informados como preliminares nos últimos três meses e,

Leia mais

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito

Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nota para a Imprensa de Política Monetária e Operações de Crédito Nova estrutura de dados de crédito Nota Metodológica 1. Introdução Esta Nota tem por objetivo descrever os principais aprimoramentos incorporados

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I

OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I OPERAÇÕES FINANCEIRAS DE CURTO PRAZO - PARTE I O QUE SÃO OPERAÇÕES PRÉ E PÓS FIXADAS? OS PRINCIPAIS INDEXADORES E SUAS CARACTERÍSTICAS ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PRINCIPAIS OPERAÇÕES DE CURTO PRAZO Autores:

Leia mais

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL

MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL MANUAL DE ESTATÍSTICAS AGREGADAS DE CRÉDITO E DE ARRENDAMENTO MERCANTIL Regulamenta os procedimentos a serem adotados pelas instituições financeiras para apuração das informações agregadas sobre operações

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Atravessando a Turbulência

Atravessando a Turbulência 1 Atravessando a Turbulência Guido Mantega Novembro de 20 1 2 Crise financeira sai da fase aguda A Tempestade financeira amainou. Há luz no fim do túnel. Crise não acabou, mas entra em nova fase. As ações

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

2012 2012 2 1 0 2 C E IM P A

2012 2012 2 1 0 2 C E IM P A 3 Resultados do terceiro trimestre de 2012 Itaú Unibanco no Mercado de Capitais Atuação: Brasil e Exterior Itaú Unibanco Holding S.A. Agente de transformação Expectativas 2012 O mundo mudou... O Itaú mudou...

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis

PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/2013 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis PESQUISA DE JUROS ANEFAC ref a Novembro/201 Após seis elevações no ano, taxas de juros das operações de crédito ficam estáveis Com 4,27 no mes, Minas Gerais e Paraná registraram as maiores taxas de juros

Leia mais

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010

Visão. Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009. do Desenvolvimento. nº 84 6 ago 2010 Visão do Desenvolvimento nº 84 6 ago 2010 Crédito à pessoa física responde por 27% do crescimento da economia entre 2004 e 2009 Por Gilberto Borça Jr. e Leandro Coutinho Economista e advogado da APE Expansão

Leia mais

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO

5 MOEDA E CRÉDITO. ipea SUMÁRIO 5 MOEDA E CRÉDITO SUMÁRIO Na reunião de fevereiro último, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a meta para a taxa Selic em 25 pontos-base (pb), fazendo-a chegar a 10,75% ao ano (a.a.). Essa redução

Leia mais

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%)

Crédito - junho. Brasil - Estoque de Crédito como Proporção do PIB (%) set/03 fev/04 jul/04 mai/05 out/05 mar/06 ago/06 jan/07 nov/07 abr/08 fev/09 jul/09 mai/10 out/10 ago/11 jan/12 Crédito - junho 26/07/12 Diversos indicadores do crédito no Brasil em junho seguiram a trajetória

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Precificação no Mercado de Crédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Precificação no Mercado de Crédito. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Precificação no Mercado de Crédito Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Modelo Padrão de Precificação modelo padrão de precificação Objetivo: decompor

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP RESUMO 1 Março de 2009 Cenário Internacional 2 Evoluçã ção o da Crise - Em sete dos últimos 20 anos a taxa de crescimento do PIB foi inferior

Leia mais

Spread Bancário Brasileiro

Spread Bancário Brasileiro UNICAMP Projeto Supervisionado Spread Bancário Brasileiro Daniel Hauschild de Aragão RA 093607 Orientador: Laércio Vendite Objetivo: Este trabalho tem como objetivo a apresentação do método de cálculo

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores

'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores 'LUHWRULDGH3ROtWLFD(FRQ{PLFD Gerência-Executiva de Relacionamento com Investidores Juros e Spread Bancário 6 3 0 ) Juros e Spread Bancário 1 Este texto integra a série Perguntas Mais Freqüentes, editada

Leia mais

Atravessando a Crise Mundial

Atravessando a Crise Mundial 1 Atravessando a Crise Mundial LIDE Ministro Guido Mantega Fevereiro de 2009 1 2 Agravamento da Crise Mundial Crise Financeira externa não foi suficientemente equacionada Recessão global vai tomando corpo

Leia mais

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009

TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência. Francisco Valim, Ago 2009 TÁ NA MESA Alavancando o Crescimento com Inteligência Francisco Valim, Ago 2009 A CRISE GLOBAL EM UM DIAGRAMA Política Monetária Expansionista 2003-05 Risco Subestimado nos Mercados Financeiros Falhas

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito

Relatório de Economia Bancária e Crédito Relatório de Publicação anual do Banco Central do Brasil (BCB) Os textos e os quadros estatísti cos correspondentes são de responsabilidade dos seguintes componentes: Departamento de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014

Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta. Novembro de 2014 Resultado da Oferta Pública Voluntária de Permuta Novembro de 2014 OFERTA VOLUNTÁRIA DE PERMUTA DE AÇÕES No dia 30 de outubro realizamos o leilão da oferta voluntária. A adesão dos minoritários do Santander

Leia mais

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL

Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Questões de informações de Crédito na América Latina BRASIL Papel das Centrais de Informações Comerciais Os objetivos das centrais de informação de crédito são: Apoio à gestão de risco de crédito para

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009

OPERAÇÕES DE CRÉDITO MARÇO/ 2009 OPERAÇÕES DE CRÉDITO NO SFN MARÇO/ 2009 Fonte: Bacen 23/04/2009 DESTAQUES DE MARÇO/ 2009 O estoque total de crédito contratado no SFN totalizou R$ 1,23 trilhões em Março. Esse montante representou uma

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS - MAIO As taxas de juros das operações de crédito ficaram estáveis em maio/2013. Vale destacar que em maio o Banco Central voltou a elevar

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho

Produtos Bancários. Prof. Luiz Antonio de Carvalho Professor Luiz Antonio de Carvalho Produtos Bancários PRODUTOS E SERVIÇOS BANCÁRIOS A intermediação financeira é o principal produto de um banco, pois capta o dinheiro excedente e empresta a quem precisa.

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC

MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE CEMEC 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO DE CAPITAIS CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC Financiamento de Investimentos no Brasil e nas Empresas São Paulo 29/Novembro/2011 10º. SEMINÁRIO CEMEC DE MERCADO

Leia mais

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS

EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS Um EMPRÉSTIMO é um contrato entre o cliente e a instituição financeira pelo qual ele recebe uma quantia que deverá ser devolvida ao banco em prazo determinado, acrescida dos

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL

RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL RELATÓRIO ANUAL DE TAXAS DE JUROS / 2011 EMPRÉSTIMO PESSOAL E CHEQUE ESPECIAL ANÁLISE COMPARATIVA O levantamento anual envolveu sete instituições financeiras: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica

Leia mais

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos

Financiamento de veículos. Crédito Pessoa Física Principais Produtos Financiamento de veículos Crédito Pessoa Física Principais Produtos 115 +11% Carteira de Crédito 124 +3% 127 Crédito ao Consumo Veículos R$ Bilhões Pessoa Física Crédito Consignado 1 32 Cartão de Crédito

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo:

PESQUISA DE JUROS. Estas reduções podem ser atribuídas aos fatores abaixo: PESQUISA DE JUROS Após longo período de elevação das taxas de juros das operações de crédito, as mesmas voltaram a ser reduzidas em setembro/2014 interrompendo quinze elevações seguidas dos juros na pessoa

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Relatório de Economia Bancária e Crédito

Relatório de Economia Bancária e Crédito Relatório de Publicação anual do Banco Central do Brasil (BCB) Os textos e os quadros estatísti cos correspondentes são de responsabilidade dos seguintes componentes: Departamento de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Dúvida sobre o envio do Doc 3050

Dúvida sobre o envio do Doc 3050 www.bcb.gov.brinício Legislação e normas Normas do CMN e do BC Normas com caracteres especiais Circular Circular 3.493 Dúvida sobre o envio do Doc 3050 01. Quem está obrigado a enviar o Doc 3050 ao Banco

Leia mais

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil

A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil 1 A Crise Internacional e os Desafios para o Brasil Guido Mantega Outubro de 2008 1 2 Gravidade da Crise Crise mais forte desde 1929 Crise mais grave do que as ocorridas nos anos 1990 (crise de US$ bilhões

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito ficaram praticamente estáveis em janeiro/2013 frente a dezembro/2012. Pessoa Física Das seis

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

O Brasil e a Crise Internacional

O Brasil e a Crise Internacional O Brasil e a Crise Internacional Sen. Aloizio Mercadante PT/SP 1 fevereiro de 2009 Evolução da Crise Fase 1 2001-2006: Bolha Imobiliária. Intensa liquidez. Abundância de crédito Inovações financeiras Elevação

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em fevereiro/2015. Estas elevações podem ser atribuídas aos seguintes

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar:

1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: 2 - Sistema de Seguros Privados e Previdência Complementar: EDITAL 2012 1 - Estrutura do Sistema Financeiro Nacional: Conselho Monetário Nacional; Banco Central do Brasil; Comissão de Valores Mobiliários; Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; bancos

Leia mais

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO

RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO RADAR ABIT CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Janeiro 2014 TÊXTIL E VESTUÁRIO CENÁRIO TÊXTIL E VESTUÁRIO Para 2014, estima-se que a cadeia produtiva têxtil e de vestuário em termos de volume evolua sobre 2013

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva.

MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS. Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. MERCADO FINANCEIRO E SEGMENTOS Prof. Esp. Frederico Bernardo Silva. 1 Segmentação do Mercado Financeiro MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL JUROS:

Leia mais

Informações Financeiras Consolidadas

Informações Financeiras Consolidadas Informações Financeiras Consolidadas 3º trimestre 2007 Dados Cadastrais Denominação Comercial: Banrisul S/A Natureza Jurídica: Banco Múltiplo Público Estadual. Sociedade de Economia Mista, sob forma de

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 11-0 de julho de 015 Melhora da composição da carteira de crédito e desalavancagem das famílias deverão conter a alta da inadimplência Ellen Regina Steter Departamento

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

Relatório Final. Avaliação Econômico-Financeira do Banco Nossa Caixa S.A. 19 de Outubro de 2009

Relatório Final. Avaliação Econômico-Financeira do Banco Nossa Caixa S.A. 19 de Outubro de 2009 Relatório Final Avaliação Econômico-Financeira do Banco Nossa Caixa S.A. 19 de Outubro de 2009 Índice 1. Introdução e Considerações Gerais 2. Limitação na Distribuição e Utilização 3. Sumário Executivo

Leia mais