Tema - Sistemas de Administração da Produção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema - Sistemas de Administração da Produção"

Transcrição

1 Tema - Sistemas de Administração da Produção Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia de Produção Gestão da Produção Sistemas de Administração da Produção John Jackson Buettgen Introdução Neste tema estudaremos sobre a aplicabilidade dos Sistemas de Administração da Produção SAP, mais precisamente sobre o Just In Time, o MRP (Materials Requeriment Planning) e a Teoria das Restrições. Porém, antes de iniciarmos efetivamente os nossos estudos, acompanhe a seguir o vídeo de introdução com o professor John. Vídeo disponível no material on-line. Problematização Uma metalúrgica num caminho tortuoso para o JIT Jorge é diretor de produção de uma pequena metalúrgica que fabrica alguns produtos para as montadoras de automóveis. A metalúrgica, em seu plano de expansão, expressou seu interesse em se tornar fornecedora da maior montadora de automóveis do país. O referido cliente pratica a gestão de fluxo de materiais através da Produção Enxuta, ou seja, uma evolução da filosofia do Just In Time. A montadora demonstrou interesse em fechar uma parceria com a metalúrgica, porém detectou alguns problemas que deveriam ser resolvidos primeiro, e uma das exigências era que a empresa apresentasse um JIT funcional e confiável. Para atender a essa exigência, a metalúrgica em que Jorge trabalha está tentando implantar o JIT, porém não obteve nenhum avanço. Para tentar adequar a empresa ao modelo de fornecedor procurado pela 1

2 montadora, alguns ajustes precisam ser feitos. Para isso, Jorge fez uma análise ambiental para identificar os problemas, a qual apontou os seguintes pontos: 1) Os colaboradores, além de não terem disciplina, não conhecem as regras do JIT. 2) Várias técnicas foram implantadas na metalúrgica, porém sem correlação umas com as outras. 3) Estoques se formam ao longo de diversos pontos do processo. 4) Máquinas quebram constantemente. 5) A empresa tem sérios problemas de atrasos de entrega. 6) Problemas de qualidade são constantemente detectados pelos clientes. Com base no diagnóstico apresentado pelo Jorge, podemos perceber que o maior problema da empresa não é apenas a falta de implantação da filosofia JIT, e sim a falta de entendimento durante os processos. Diante desse diagnostico, Jorge percebeu que a diversidade de problemas indica um desconhecimento geral sobre o que se espera de um ambiente JIT. Porém, ele está determinado a aplicar essa filosofia na metalúrgica. E agora? Como o Jorge poderia apresentar para os colaboradores o que é um ambiente JIT de excelência, o qual poderia transformar a metalúrgica em fornecedor da montadora de automóveis? Vídeo disponível no material on-line. (Autoria: Prof. John Jackson Buettgen, Me.) Sistemas de Administração da Produção Uma das perguntas inevitáveis quando falamos em organizações é: Como gerir o gigantesco volume de informações geradas pela atividade empresarial? Certamente os ERPs (Enterprise Resources Planning) são a primeira 2

3 coisa que nos vem à cabeça quando falamos sobre isso, não é mesmo? Isso demonstra a importância que a gestão da informação tem para as organizações. Mas, se nosso assunto é gestão da produção, qual é a relação com o que estamos estudando aqui? Talvez a própria pergunta seja um indicativo, pois gerir informações com velocidade e qualidade é uma necessidade da produção, certo? Mas será que é apenas isso? Esta discussão se faz necessária em virtude da grande disseminação dos sistemas corporativos do tipo ERP, os quais não são explorados a fundo pelas organizações. Materials Requeriment Planning (MRP) No início dos nossos estudos nos deparamos com a seguinte questão: Como gerir o gigantesco volume de informações geradas pela atividade empresarial? Os autores Slack, Chambers e Johnston (2009) afirmam que não é apenas a Produção que gera e recebe informações, pois todas as demais funções têm contribuições a dar e receber na construção da massa de informações que circula na empresa. Desse quadro surgiu a necessidade de integração dessas informações e o seu agrupamento em um único grande sistema que estivesse disponível a todos. Nasce então a ideia do ERP (Enterprise Resources Planning), ou planejamento dos recursos da empresa, em português. Contudo, essa ideia não nasceu pronta, mas evolui ao longo dos tempos passando por diferentes fases, como é demonstrado na figura a seguir. Perceba que tudo começou com o MRP, e a sua evolução deu origem ao conceito de ERP. 3

4 Desenvolvimento do ERP Figura 1 Apenas para relembrar um pouco da história, o quadro a seguir mostra como esse conceito evoluiu ao longo do tempo: MRP Fase Evolução do conceito de MRP Característica principal Apuração das necessidades de materiais. MRP II Incorporação de outras funções ligadas à manufatura (ex.: logística). Obtenção de acuracidade e possibilidade de simulações. MRP III Adequação do tamanho de lotes padronizados demandados pelo uso do kanban. 4

5 ERP Incorporação de outras funções não ligadas à manufatura (finanças, marketing, Recursos Humanos, TIC etc.). ERP para Web Utilização da tecnologia web para incorporação do conceito de CS. Quadro 1 Mas afinal, quais são as vantagens que uma empresa tem ao utilizar um ERP? Os sistemas permitem que as bases de dados e as decisões de todas as partes da organização sejam integradas, de modo que as consequências das decisões de uma parte da organização sejam refletidas nos sistemas de planejamento e controle do restante da organização. Essa integração pode ser entendida através da análise da figura a seguir. Perceba que todas as funções organizacionais depositam suas informações em um banco único, facilitando o compartilhamento das mesmas. O ERP integra planejamento e controle da organização Figura 2 5

6 Como o ERP pode conseguir disciplina e acuracidade dos sistemas produtivos? Para saber a resposta, acompanhe o vídeo a seguir com o professor John! Vídeo disponível no material on-line. A visibilidade em função da informação compartilhada e a disciplina corporativa imposta pelo software melhoram o desempenho nas organizações que utilizam o sistema de ERP. Slack et al (2008) apontam que os benefícios oriundos dessa melhoria de desempenho são: Visibilidade de tudo que acontece em qualquer ponto da empresa; Processos do negócio mais eficientes em função da disciplina; Maior controle sobre os processos, subsidiando melhorias contínuas; Melhoria do padrão de comunicação com clientes, fornecedores e parceiros gerada pela qualidade das informações; Integração da cadeia de suprimentos. O texto citado anteriormente se destina a engenheiros de produção, portanto precisamos estabelecer uma conexão com a realidade do gestor de produção e suas difíceis decisões diárias. Para isso vamos retomar a essência do ERP, que nada mais é do que a Produção Empurrada. Neste modelo de gestão de fluxo produtivo, as informações de mercado chegam até a operação sob a forma de previsões de venda ou de carteira (negócio fechado), propriamente dita. Para Slack, Chambers e Johnston (2009), o cruzamento das listas de materiais, constantes do projeto dos produtos, com os estoques da organização, determina aquilo que efetivamente precisa ser produzido ou comprado. Essas necessidades são traduzidas para a base operacional através de ordens de produção (OP) e de compra (OC). Essa ideia está expressa na figura a seguir. 6

7 Gestão da demanda pelo MRP Figura 3 Veja que a acuracidade dos dados de projeto das listas de materiais decorrentes e das informações dos estoques é que definirão o sucesso do atendimento da demanda. Como você pode perceber, a área de Planejamento de Produção é que dispara as atividades de produção ou compra empurrando produtos através do processo até o consumidor, claramente com o objetivo de aumentar a eficiência organizacional, através da maximização do uso dos recursos produtivos. JUST IN TIME (JIT) O início desse trabalho de elevação da capacidade de geração de resultados foi uma busca desenvolvida pela Toyota, montadora japonesa de automóveis. Liderada por Toyoda Kiichiro, então presidente da empresa, a Toyota começou um trabalho de eliminação de desperdícios, pois ele 7

8 acreditava que a indústria japonesa perdia para os americanos porque estava desperdiçando mais. Corrêa e Corrêa (2006) apontam que a ascensão do Just In Time remonta ao esforço pós-guerra japonês, período crítico da histórica econômica do país. Abalado economicamente, limitado em recursos e com sérios problemas de produtividade, o país precisava recolar a sua indústria no mercado. Portanto, o Just In Time nasceu da absoluta necessidade colocada pelas condições históricas em que se encontrava o Japão. Para entender a diferença prática entre a produção puxada, baseada no JIT e a produção empurrada, ampara no MRP, assista ao vídeo a seguir. Vídeo disponível no material on-line. Objetivo Para Slack et al (2008) o objetivo central buscado pelas organizações, quando introduzem o JIT, poderia ser expresso da seguinte forma: Aumentar o retorno sobre o investimento da empresa através do aumento da receita, da redução dos custos e do imobilizado e da participação dos empregados no processo produtivo. Para isso, o JIT se propõe a fazer os produtos em fluxo balanceado e sincronizado segundo as necessidades do consumidor, com o mínimo absoluto de recursos, na busca pela eficiência, que em última instância, significa eliminação de desperdícios e otimização dos custos. O modelo JIT de gestão do fluxo de materiais está estruturado em um conjunto integrado de atividades projetado para obter uma produção de alto volume usando o mínimo de estoques de matérias-primas, estoques em processos e produtos acabados. A lógica central a nortear a operação produtiva é a de que nada será produzido até que seja necessário. 8

9 Premissas Premissa significa a proposição, o conteúdo, às informações essenciais que servem de base para um raciocínio, para um estudo que levará a uma conclusão. As premissas básicas necessárias para termos um JIT implantado que atinja os nossos objetivos pretendidos, seriam: Redução de estoques, o que dá celeridade ao trânsito dos materiais na organização; Produção puxada, a qual estabelece vinculação e coerência com as demandas de mercado; Redução de estoques implica em reduções dos lotes econômicos de compra e produção; A visão tradicional e passiva acerca desses lotes deve ser mudada; Lote Econômico busca otimização do giro e redução dos investimentos; Mudança de postura, vinculando a filosofia com os comportamentos necessários; Qualidade Total, estabelecendo a confiabilidade necessária ao fluxo. Observando a figura a seguir, podemos entender a relação existente entre o JIT e a Qualidade Total (QT). Perceba que ao reduzimos os estoques a organização é diretamente afetada, pois falhas de qualidade expõe o processo produtivo a perigos que não eram percebidos antes da diminuição dos estoques. A QT, através de suas ferramentas, assegura a circulação de materiais de qualidade, oferecendo um nível de confiabilidade elevado ao processo. 9

10 Relação JIT x Qualidade Total Figura 4 Acompanhe o vídeo a seguir e entenda por que a excelência da qualidade é necessária para a confiabilidade e funcionalidade da filosofia JIT. Vídeo disponível no material on-line. Técnicas Aplicadas As técnicas aplicadas estão conectadas a elementos orientadores (princípios). Com isso, cada técnica escolhida para ser implementada em um ambiente JIT tem uma razão de ser e uma contribuição a dar. Veja a seguir as principais técnicas sugeridas por Slack, Chambers e Johnston (2009). Práticas básicas de trabalho Projeto para a manufatura Foco na operação Máquinas simples e pequenas Arranjo físico e fluxo Manutenção produtiva total (MPT) 10

11 Redução de setup Envolvimento total das pessoas Visibilidade Fornecimento JIT Portanto, a missão dessas técnicas é tirar os princípios do mundo das ideias e transportá-los para o mundo real. O texto a seguir: Técnicas aplicadas ao ambiente Just In Time complementa os estudos do tema relativo ao JIT. Técnicas aplicadas ao ambiente Just In Time As técnicas aplicadas estão conectadas a elementos orientadores (princípios) da organização. Com isso, cada técnica escolhida para ser implementada em um ambiente JIT tem uma razão de ser e uma contribuição a dar. Veja a seguir as principais técnicas sugeridas por Slack, Chambers e Johnston (2009): Práticas básicas de trabalho Disciplina, flexibilidade, igualdade, autonomia (autoridade para coleta de dados, programação de materiais e resolução de problemas), desenvolvimento de pessoal, qualidade de vida no trabalho e criatividade, são exemplos dessas práticas. Perceba que as práticas básicas do trabalho envolvem o uso do bom senso no ambiente organizacional, além de procurarem extrair o melhor das pessoas. Projeto para a manufatura Um bom projeto, além e olhar para dentro da organização, precisa olhar para fora. Lembre-se que um produto não é desenvolvido para a empresa, mas para o cliente. Portanto, ele precisa atender aos desejos e necessidades ou 11

12 resolver problemas desse cliente, caso contrário será um fracasso. Em outras palavras, um desperdício de recursos. Foco na operação As organizações que tem seu foco definido sabe o que quer e direciona os seus esforços para as suas competências. Caso contrário, os recursos seriam desperdiçados na busca do aprendizado, e o saber organizacional ficaria em segundo plano. Atividades como focalizar conjunto limitado e gerenciável de produtos, tecnologias, volumes e mercados ou estabelecer políticas básicas de manufatura estruturadas em uma única missão de manufatura, fazem parte deste contexto. Máquinas simples e pequenas Esses elementos são uma simples respostas à busca do mercado por uma variedade maior de produtos. Bombardeados por informação, os clientes tem mais opções de compra, o que os torna mais exigentes. Comprar mais diversidade em menor quantidade. O impacto na empresa é a necessidade de desenvolver processos e equipamentos que os suportem, e que consigam lidar com quantidades menores e variedades maiores. Poderia ser exemplificado com o uso de várias máquinas pequenas em detrimento de uma grande, equipamento barato e feito em casa para modificar máquinas universais, qualificação da engenharia, flexibilidade do arranjo físico e minimização dos riscos de investimento. Arranjo físico e fluxo O leiaute organizacional precisa ajudar os fluxos de materiais, de pessoas e informações a se ajustarem aos novos processos. Fluxo suave de materiais, de dados e de pessoas, postos de trabalhos próximos para evitar estoque, arranjo para a visibilidade, linhas em forma de U 12

13 para balancear a capacidade e arranjo físico celular, são exemplos. Manutenção produtiva total (TPM) Os processos otimizados dependem das máquinas e equipamentos, portanto, esses devem estar disponíveis sempre que a organização deles necessitar. Isso significa confiabilidade. Eliminar a variabilidade em processos, estabelecer a responsabilidade de manutenção e reparos simples, envolvimento de todos os funcionários, planos de manutenção e manutenção entre paradas exemplificam o tema. Redução de setup Transformar setup interno em externo, ferramentas pré-montadas, montagem de ferramentas ou matrizes em um dispositivo padrão e dispositivos para carga e descarga de novas ferramentas e matrizes são forma de obter a redução do setup. Como comentamos anteriormente, variedade maior, com volumes menores, invariavelmente significa um maior número de trocas no ambiente produtivo. Esse tempo de troca é inevitável, mas cabe aos gestores de produção reduzi-lo, afinal, durante o mesmo não se está produzindo, logo é desperdício. Envolvimento total das pessoas Seleção de novos funcionários, negociação direta com fornecedores sobre programação, qualidade e informações sobre a entrega, auto avaliação de desempenho, orçamento de melhorias, planejamento e a revisão do trabalho diário e negociação direta com o cliente sobre problemas e necessidades são atividades que buscam o envolvimento das pessoas. Quando os funcionários assumem responsabilidades, eliminam a necessidade de muitos gestores (achatamento da pirâmide organizacional), mas o principal ganho está no fato de se perceber membros importantes da 13

14 organização. Assim buscam melhorias, se qualificam e se comprometem com a organização. Visibilidade O gerenciamento visual tem por objetivo permitir que problemas, melhorias ou qualquer informação relevante sejam acessíveis e compreensíveis à todos. Inclui publicação de medidas de desempenho, luzes coloridas de sinalização, gráficos de controle, lista de verificação, exposição de produtos com defeitos, kanbans, elimincação de divisórias nos arranjos físicos, etc. Fornecimento JIT Estabelecer um relacionamento com os fornecedores que preserve os interessantes deles e da própria organização. Numa relação comercial de verdadeiros parceiros, os dois ganham. O kanban-fornecedor é um caso típico. Perceba que todas essas técnicas sugeridas por Slack, Chambers e Johnston (2009) demandam a capacidade de enxergar o todo organizacional, pois levam à mudanças das mais diversas ordens. Isso somente é possível com pessoas comprometidas e competentes. Obter um alto nível de qualidade necessariamente passa pela mudança na forma de pensar das pessoas envolvidas nos processos dentro das organizações. Portanto, é correto afirmar que o JIT é uma filosofia. Assista ao vídeo a seguir e entenda como chegar a esta mudança de pensamento, que impactará na mudança das ações das pessoas. Vídeo disponível no material on-line. 14

15 Optimized Production Technology ou Teoria das Restrições (OPT) Ao olharmos para dentro das organizações é possível percebermos que a sua capacidade produtiva tem diversas restrições. Porém, para falarmos delas precisamos compreender claramente o que vem a ser uma restrição. Para Krajewski, Ritzman e Malhotra (2009, p.210), restrição é qualquer fator que limite o desempenho de um sistema e restrinja o seu resultado. Para os autores, a restrição pode estar em qualquer ponto da cadeia de valor e pode se apresentar em três formas diferentes: [...] identificam três tipos de restrições: físicas (normalmente a capacidade da máquina, da mão de obra ou da estação de trabalho, ou escassez de material, mas poderia se referir ao espaço ou à quantidade), comerciais (a demanda é menor que a capacidade) ou administrativas (políticas, indicadores ou posturas que criam restrições que retardam o fluxo de trabalho). (SRIKANTH; UMBLE, 1997 apud KRAJEWSKI; RITZMAN; MALHOTRA, 2009, p. 210) Segundo Krajewski, Ritzman e Malhotra, gargalos são um tipo especial de restrição relacionado à falta de capacidade de um processo, sendo conhecidos também como Recurso Restritivo de Capacidade (RRC). Mas como as restrições agem sobre a organização? O que fazer com elas? Para saber as respostas, assista ao vídeo sugerido a seguir, intitulado: Pílulas de Gestão - Teoria das Restrições, por Fernanda Zannoni. https://www.youtube.com/watch?v=ytev-6hlza0 Identificar e tratar as restrições estão entre as principais atribuições do gerente de produção. Os autores Heizer e Render (2001) sugerem algumas 15

16 etapas para esse trabalho: Etapa 1: Identificação das restrições. Etapa 2: Estabelecimento de um plano que solucione essas restrições identificadas. Etapa 3: Definir recursos para a etapa 2. Etapa 4: Agir sobre as restrições aumentando a sua capacidade ou descarregando trabalho (soluções alternativas). Assegurar que todos saibam que é um gargalo. Etapa 5: Uma vez corrigida a restrição retornar à etapa 1 e identificar a próxima restrição a ser combatida. O grande salto da administração das restrições veio com o livro The Goal: A Process of Ongoing Improvement (A Meta: Um Processo de Melhoria Contínua), escrito pelo Dr. Eliyahu Goldratt e seu parceiro Jeff Cox. O livro, no formato de romance, popularizou a Teoria das Restrições. A Teoria das Restrições ou TOC (Theory of Constraints) é fundamentada em uma abordagem relativamente recente, se comparada a outras como o JIT, e conhecida pelo acrônimo OPT Optimezed Production Technology. Desenvolvida por um grupo de pesquisadores israelenses, entre eles o próprio Dr. Eliyahu Goldratt, prega que os bons resultados de uma organização podem ser obtidos através de uma série de procedimentos baseados no bom senso. Objetivos A filosofia da Teoria das Restrições tem claramente a intenção de eliminar qualquer obstáculo ao processo gerador de valor. Corrêa e Corrêa (2006) afirmam que a OPT advoga que o objetivo básico de uma organização empresarial é ganhar dinheiro, e três atividades básicas seriam a contribuição da produção para o atingimento desse objetivo: 1) Aumentar o ganho dos materiais que atravessam a fábrica e são vendidos Um insumo da organização só é ganho quando se transformar em 16

17 dinheiro, ou seja, é vendido. Produto acabado é estoque e só será ganho quando for vendido. 2) Reduzir os estoques Trata do valor das mercadorias estocadas, referindo-se apenas à composição material. O valor adicionado pelo processo de transformação não faz parte desta categoria, pois é uma despesa operacional. 3) Reduzir as despesas operacionais É o dinheiro que a empresa gasta para transformar estoque em ganho. Pois bem! Agora que já estudamos sobre a Teoria das Restrições e sobre as filosofias do MRP e JIT, gostaria de lhe fazer dois questionamentos. A Teoria das Restrições funciona no ambiente MRP ou JIT? Será que a parceria entre a Teoria das Restrições e as demais filosofias de gestão de fluxo é possível? Vídeo disponível no material on-line. Gerenciando a OPT Corrêa e Corrêa (2006) apresentam o processo a ser seguido para que se obtenha sucesso no gerenciamento da técnica OPT. Vejamos: 1) Identificar as restrições do processo: Quais são os recursos que restringem a capacidade do sistema para atender a demanda? 2) Explorar as Restrições: Utilizar o máximo possível esse recurso, eliminando toda e qualquer barreira para que isso aconteça. 3) Subordinar todas as demais decisões às Restrições: Todos os demais recursos têm o ritmo determinado pelo gargalo. 4) Relaxar a Restrição: Obter meios para aumentar a capacidade do gargalo, para, por consequência aumentar a capacidade do fluxo. 5) Voltar ao início para identificar a nova restrição: Uma restrição sempre existirá. Quando uma tiver sido otimizada, outra tomará o seu 17

18 lugar. É necessário identificá-la e recomeçar o processo de melhoria. Como foi possível perceber, a Teoria das Restrições nada mais é do que a aplicação do bom senso nas operações produtivas. Vimos que ela tem a missão de fazer a empresa ganhar dinheiro e um dos seus alvos principais são os estoques. Revendo a Problematização Muito bem? Agora que já concluímos os nossos estudos, tenho certeza que você já está apto a responder a problematização que lhe foi apresentada no início dos nossos estudos. Vamos começar? Como o Jorge poderia apresentar para os colaboradores o que é um ambiente JIT de excelência, o qual poderia transformar a metalúrgica em fornecedor da montadora de automóveis? Analise as opções a seguir e aponte qual delas é a mais indicada para solucionar o problema do Jorge. Opção 1: Um ambiente em que os colaboradores compreendem o seu papel de agentes de transformação, buscando sempre soluções para os problemas de qualidade, que impactam na confiabilidade dos processos. Uma disciplina corporativa que tende a estimular essa busca de excelência por parte de todos. Opção 2: Uma empresa com todos os processos devidamente padronizados, com rígido sistema de normas, auditadas constantemente e que garantem entregas sem problemas de qualquer ordem. Opção 3: Uma organização de pessoas felizes e motivadas, que conseguem com seu esforço, mesmo que na última hora, atender as demandas do cliente. 18

19 Feedbacks Opção 1: A ideia central do JIT é fornecer na hora certa, na quantidade solicitada e na qualidade adequada. Para que esses objetivos sejam atingidos, é necessária uma grande mudança comportamental. As pessoas devem compreender que o seu papel deve ser proativo. Todas as etapas dos processos devem ser cumpridas com excelência de qualidade, de forma que todos os prazos possam ser cumpridos e a qualidade pretendida pelo cliente alcançada. A redução dos estoques deixa a empresa vulnerável às falhas, sendo, portanto, um estímulo à busca de soluções dos problemas. Opção 2: Um dos segredos de um ambiente JIT de excelência é o fato de que fazer o certo é a forma natural de fazer as coisas. Essa mudança de postura vem da mudança comportamental necessária para a implantação de todas as ferramentas de apoio. Neste caso, as normas não podem ter um papel de lei e nem a auditoria pode ser policialesca. Normas e auditorias devem ser encaradas como fatores de qualificação e identificação dos problemas, portanto identificadoras de oportunidades de melhoria. Opção 3: Não só de motivação vive a organização. Não basta às pessoas serem motivadas, se não têm competência técnica para atingir os níveis de desempenho necessários ao JIT. As conquistas podem surgir, mas sempre oriundos de esforço desnecessário, se fossem preparadas para aquilo que se dispõe a fazer. Síntese O objetivo principal dos estudos a cerca do tema desta aula foi fornecer embasamento para conectar as filosofias de gestão de fluxo com as decisões diárias dos gestores de produção. Assim, alguns elementos de grande destaque foram estudamos mais detalhadamente. 19

20 Vimos que o Just In Time é uma filosofia que demanda grandes mudanças comportamentais, logo não pode ficar restrito apenas às técnicas empregadas. Dada sua conexão com a disciplina, acaba sendo indicado para operações conectadas com a padronização. Já o MRP tem foco nos produtos e processos que demandam um gigantesco volume de informações, razão pela qual é indicado para organizações que tratam com alta variabilidade de produtos e volumes menores. Estudamos também sobre a Teoria das Restrições, a qual pode conviver pacificamente com JIT e com o MRP, pois a sua marca é a busca da origem das restrições. Portanto, muito ligada à solução dos problemas e com o direcionamento adequado dos recursos organizacionais. Vídeo de Síntese disponível no material on-line. 20

21 Referências CORRÊA, H. L.; CORRÊA, C. A. Administração de Produção e Operações: Manufatura e Serviços. 2 a ed. São Paulo: Atlas, p. HEIZER, J.; RENDER, B. Administração de Operações: bens e serviços. 5 a ed. Rio de Janeiro: LTC, 2001, 647 p. KRAJEWSKI, L.; RITZMAN, L.; MALHOTRA, M. Administração de Produção e Operações. 8 a ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p. SLACK, N. et al. Gerenciamento de Operações e de Processos: Princípios e Práticas de Impacto Estratégico. Porto Alegre: Bookman, p. SLACK, N.; CHAMBERS, S.; JOHNSTON, R. Administração da Produção. 3 a ed. São Paulo: Atlas, Referências de imagens Figura 1: Adaptado de Slack, Chambers e Johnston (2009, p. 424). Quadro 1: Adaptado de Slack, Chambers e Johnston (2009, p. 424). Figura 2: Slack et al (2008, p. 339). Figura 3: Baseado em Slack, Chambers e Johnston (2009, p. 426). Figura 4: Corrêa e Corrêa (2006, p. 621). 21

22 Atividades 1) Ao se falar de MRP (Material Requeriment Planning), imediatamente vem à nossa cabeça o conceito de produção empurrada. Segundo esse conceito, ordens de produção e de compras são disparadas pelo Planejamento de Produção, determinando o que deve ser produzido e em que quantidade. Nesse contexto, qual das opções a seguir apresenta a melhor justificativa para o seu emprego? a) Melhora a capacidade de resposta ao mercado, por elevar os níveis de estoque. b) O processo produtivo fica sob o controle do PCP, melhorando as chances de correção, caso sejam necessárias. c) Esse conceito trata o fluxo de materiais como sendo um forma de otimizar os resultados da empresa, através do aumento da eficiência. d) O MRP impede a ociosidade em períodos de baixa demanda. 2) Observe com cuidado a figura a seguir. Como você pode perceber, a emissão dos documentos (ordens de compra e de trabalho) acontece após a comparação do Programa-Mestre de Produção com os estoques. 22

23 Indique qual das opções a seguir explica com mais clareza a razão desse procedimento. a) Evita geração de estoques excessivos, pois existem produtos nas diversas fases do processo, que devem ser incorporados aos estoques, evitando compras/produção desnecessárias. b) Por uma questão meramente organizacional, pois as listas de materiais extraídas do projeto do produto devem ser usadas. c) Unicamente com o objetivo de reduzir os investimentos em compras. d) Unicamente com o objetivo de minimizar a quantidade de materiais no fluxo produtivo. 3) Quando falamos em JIT (Just In Time), estamos nos referindo ao conceito de produção puxada. Segundo esse conceito, ordens de produção e de compras são disparadas pela demanda do mercado ou do processo subsequente. Qual das opções a seguir apresenta a melhor justificativa para o seu emprego? a) Estoque é o maior problema que uma organização pode ter, portanto, só a sua eliminação já é motivo suficiente para usar o JIT. b) Estimula um clima organizacional melhor, pois as pessoas terão mais folga. Se o cliente não pede, não se produz. c) Reduzir os estoques exige um nível mais elevado de confiabilidade e eficácia da operação, melhorando drasticamente os seus resultados. d) Melhora os resultados empresariais porque conecta a produção com a demanda, com isso as previsões se tornam desnecessárias. 4) Observe a figura a seguir cuidadosamente, veja que a qualidade gera diversos impactos na organização. 23

24 Tarefa Envio para processo seguinte Rejeição Retorno para correção Aprovação Apresentação do resultado Com base na figura apresentada, qual das opções a seguir descreve melhor o impacto da qualidade no ambiente JIT? a) Gera um resultado melhor, mais ao gosto do cliente. b) Gera confiabilidade, o que reduz a necessidade de estoques de segurança e os tempos de atravessamento. c) Reduz o desperdício de matérias-primas com retrabalhos. d) Reduz o tempo entre o pedido e a entrega ao cliente. 5) De acordo com Elyahu Goldratt, a teoria das restrições tem três objetivos primordiais: 1) Aumentar o ganho dos materiais que atravessam a fábrica e são vendidos; 2) Reduzir os estoques; 3) Reduzir as despesas operacionais. Das opções apresentadas a seguir, qual descreve melhor o objetivo que se busca com essas ações? a) Reduzir os problemas de qualidade, grandes responsáveis pelos custos exagerados de boa parcela das organizações. b) Fazer com que atividade ou processo ao qual seja submetido um produto seja gerador de valor para a empresa. c) Estimular os membros da organização a pensarem sobre soluções para os problemas da empresa. d) Achar soluções que agradem aos clientes, obtendo a sua fidelidade. 24

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Noções básicas de Administração da Produção. Noções básicas sobre a evolução do Pensamento Administrativo. Papel estratégico e objetivos da produção. Estratégia de produção. Projeto em gestão

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

A Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos Tema A Cadeia de Suprimentos Curso Disciplina Tema Professor MBA em Engenharia da Produção Gestão da Produção A Cadeia de Suprimentos John Jackson Buettgen Introdução Quando o assunto é Gestão de Produção,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software

COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE. Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software COMO MELHORAR O DESEMPENHO DAS LINHAS DE PRODUÇÃO Edson Donisete da Silva, Carlos Roberto Sponteado Aquarius Software Objetivo Apresentar conceitos e ferramentas atuais para melhorar eficiência da produção

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP

E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES. Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP E-BOOK GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES Excellence Software (19) 2512-1411 Campinas-SP ÍNDICE Introdução Planejamento Financeiro Gestão do Fluxo de Caixa Gestão por Centros de Custo Otimizando o seu

Leia mais

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2009 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial

Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Tecnologia da Informação: Otimizando Produtividade e Manutenção Industrial Por Christian Vieira, engenheiro de aplicações para a América Latina da GE Fanuc Intelligent Platforms, unidade da GE Enterprise

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos

Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Administração Conceitos Básicos de Gestão de Projetos Luciano Venelli Costa Objetivos Diferenciar um de um processo. Compreender o ambiente que cerca os s. Identificar as fases do ciclo de vida de um.

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino

FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA. Profº MS. Carlos Henrique Carobino FIB- Faculdades Integradas de Bauru DISCIPLINA: FUNDAMENTOS E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA Profº MS. Carlos Henrique Carobino E-mail: carobino@bol.com.br 1 Pressões Externas MEGATENDÊNCIAS Competição

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO Eduardo Dias Ferreira Belo Horizonte Agosto 2006 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivo... 4 1.1.1 Objetivo Geral... 4 1.1.2

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais