C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S"

Transcrição

1 Comissão de Concurso Público Portri 150/01 Editl 146 Técnico-Administrtivo - Prov Objetiv 30/09/01 C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S Crgo: NOME: NÚMERO DE INSCRIÇÃO: CPF: CAMPUS PARA O QUAL O CANDIDATO SE INSCREVEU: Lei tentmente s instruções: 1. Agurde ordem do fiscl pr inicir prov.. Preench s informções solicitds n cp do Cderno de Questões com letr legível. 3. O Cderno de Questões contém 60 (sessent) questões objetivs. Certifique-se de que o Cderno de Questões possui 15 págins. 4. A durção totl d prov é de 4 (qutro) hors. 5. O cndidto deverá permnecer no locl de relizção d prov durnte, no mínimo, 1 (um) hor pós o início d prov. O cndidto que desejr levr o cderno de provs deverá permnecer n sl de provs, no mínimo, (dus) hors pós o início d prov. 6. Os 3 (três) últimos cndidtos deverão permnecer n sl té que todos tenhm termindo prov, só podendo del se retirr simultnemente, e pós ssintur do Reltório de Aplicção de Provs. 7. Ao receber Folh de Resposts Definitiv, verifique se os ddos impressos estão corretos. Cso contrário, notifique o fiscl imeditmente. 8. Cd questão contém cinco lterntivs (A, B, C, D, E), ds quis somente um tende às condições do enuncido. Trnscrev s resposts ds questões n Folh de Resposts Definitiv utilizndo cnet esferográfic de tint zul ou pret, conforme o exemplo seguir: 9. Questões com mis de um lterntiv ssinld, rsurd ou em brnco serão ANULADAS. Não dobre nem msse Folh de Resposts Definitiv; preench- cuiddosmente, pois não será permitid su substituição. 10. Não será permitid qulquer form de consult, nem utilizção de qulquer tipo de instrumento de cálculo. 11. É proibido o uso de prelhos eletrônicos, tis como bip, telefone celulr, wlkmn, gend eletrônic, notebook, plmtop, receptor, grvdor, máquin de clculr, máquin fotográfic, controle de lrme de crro e equipmentos fins, óculos escuros, protetor uriculr, ou quisquer cessórios de chpelri, tis como chpéu, boné, gorro etc. e, ind, régu, esqudro, trnsferidor, compsso ou similres, corretivo líquido e outros mteriis estrnhos à prov. 1. O cndidto será sumrimente elimindo do presente concurso público se, durnte relizção d prov, for surpreendido comunicndo-se ou tentndo se comunicr com outro cndidto. 13. Ao terminr prov, entregue o fiscl de sl FOLHA DE RESPOSTAS e o CADERNO DE QUESTÕES e certifique-se de ter ssindo list de presenç. BOA PROVA! 1

2 1. Quntos vídeos de 56 MegBytes podem ser rmzendos em um HD (Hrd Disc Disco Rígido) de 1 TerByte de cpcidde, obedecendo à norm IEC :008 pr prefixos binários? ) 4096 b) 456 c) 451 d) 4706 e) A miori do computdores tuis possui um áre de rmzenmento de ddos cpz de trblhr n velocidde do processdor ou bem próximo dest velocidde. El é utilizd pr umentr velocidde de processmento uxilindo n comunicção entre o processdor e memóri principl. Estmos flndo d memóri: ) Buffer. b) RAM. c) ROM. d) Cche. e) VRAM. 3. Um computdor nd mis é do que um conjunto de plcs, circuitos, fios etc, tudo isso considerdo como hrdwre. Sbe-se que prte que fz o computdor funcionr é o softwre, e o principl softwre instldo em um computdor responsável por gerencir o funcionmento do hrdwre é chmdo de: ) plictivo. b) utilitário. c) softwre de gerencimento. d) softwre inicil. e) sistem opercionl. 4. Sbe-se que lguns processdores possuem mis de 1 núcleo físico de processmento e que tmbém possuem tecnologi Hyper-Threding que simulm outro núcleo pr cd núcleo físico. Dentre os processdores mis conhecidos tem-se o I7 d Intel, que pr Desktop (micros de mes) possui no mínimo quntos núcleos físicos? ) b) 3 c) 4 d) 6 e) 8 5. Existem lgums empress fbricntes de processdores pr micros PC. Um ds mis importntes que podemos citr é: ) TNT. b) AMD. c) KDM. d) ATM. e) MDP.

3 6. Qundo digitmos informções trvés de um tecldo em um computdor, diz-se que estmos entrndo com ddos em um computdor trvés de um periférico de entrd, logo, tmbém existem periféricos de síd e periféricos de entrd/síd. Assinle lterntiv que represent somente periféricos de entrd de ddos em um computdor. ) Mouse, impressor e plc de rede. b) Microfone, pen drive e plc de rede. c) Monitor touch screen, mouse e pen drive. d) Monitor comum, impressor e pen drive. e) Scnner, microfone e joystick. 7. Alguns processdores tuis d Intel possuem tecnologi chmd de Turbo Boost.0. Assinle lterntiv que melhor represent o funcionmento dest tecnologi. ) Auxilio n troc de informção entre o processdor e o disco rígido trvés de um novo brrmento. b) Fcilit trnsferênci de ddos entre o disco rígido e outro dispositivo externo. c) Aumento n cpcidde de memóri principl do computdor permitindo brir um mior número de plicções. d) Aumento n frequênci do processdor fzendo que ele opere em um nível de potênci mior que seu limite nominl. e) Trnsferir frequênci que sobr dos processdores pr memóri principl pr melhorr velocidde n troc de ddos. 8. Nos ntigos sistems opercionis d fmíli Microsoft, como MS-DOS 6., Windows 95 e 98, existi um termo conhecido como MBR Mster Boot Record. Assinle lterntiv que melhor represent este termo. ) É o primeiro setor físico do disco rígido ou disquete no qul fic rmzend qul prtição pode ser inicid. b) É o sistem de gerencimento e rmzenmento de informções grvds no disco rígido. c) Consiste em um locl n memóri principl (RAM) onde fic rmzend tbel de endereços de memóri. d) É o processo de teste de intercomunicção dos componentes d plc-mãe. e) Consiste no processo de prtição do disco rígido pr instlção de mis de um sistem opercionl. 9. Com relção os dispositivos de rmzenmento de ddos, qul lterntiv represent um revolução dentro do rmo dos HDs (Hrd Disks), que troc os discos mgnéticos por chips de memóri Flsh? ) MHDs. b) SSDs. c) SDDs. d) FSDs. e) SFDs. 3

4 10. O gerencidor de boot é responsável por crregr o sistem durnte o boot. Assinle lterntiv que represent um gerencidor de boot do Linux. ) GAP b) LECO c) GRUB d) LIPO e) NTDLE 11. Assinle lterntiv em que todos os itens são brrmentos. ) AGP, PCI e API. b) PCI Express, ISA e AMR. c) ISA, PCI e BSS. d) PCI-X, SDS e AGP. e) BSB, AMR e API 1. A respeito do Sistem Opercionl Linux ssinle lterntiv corret. ) É um sistem opercionl monotref que fcilit vid dos usuários. b) É um softwre de domínio público. c) Foi bsedo n rquitetur do Windows 95. d) É licencido sob licenç GPL. e) Possui licenç PGL pens pr s versões de servidores. 13. É um ferrment que reorgniz os ddos no disco rígido e reúne rquivos frgmentdos pr que o computdor trblhe de form mis eficiente. Estmos flndo d (o): ) desfrgmentdor de disco. b) scndisk. c) setup do sistem. d) ponto de resturção. e) gerencidor de disco. 14. As plcs de redes tuis que utilizm cbo pr trnçdo pr relizrem interligção entre computdores, possuem entrd pr conector do tipo: ) BNC. b) RJ9. c) RJ45. d) ST. e) LC. 4

5 15. O desempenho de um unidde de CD e DVD são bsedos em um tx de trnsferênci pdrão que, de cordo com velocidde nuncid pelo fbricnte, multiplicdo por est tx encontrmos seu desempenho. Ex: Um CD-ROM 5x, multiplic o vlor 5 pel tx de trnsferênci pdrão pr chr o seu verddeiro desempenho. Logo tx de trnsferênci pdrão de unidde de CD é: ) 50 KB/s. b) 100 KB/s. c) 150 KB/s. d) 175 KB/s. e) 00 KB/s. 16. Assinle lterntiv que represent, respectivmente, tipos de conectores de monitores, mouse e tecldo. ) VGA, PIN e PS/. b) HDMI, PS/ e P. c) DVI, P10 e Seril. d) VGA, Mini DIN e P. e) DVI, PS/ e DIN. 17. A descrição de um drive CD-RW 4xx3 sugere que possui 3 indicções de velocidde: ) 4x(Write), x(rewrite) e 3x(Red). b) 4x(Rewrite), x(red) e 3x(Write). c) 4x(Write), x(red) e 3x(Rewrite). d) 4x(Red), x(write) e 3x(Rewrite). e) 4x(Red), x(rewrite) e 3x(Write). 18. No processo de instlção do Linux é crid um prtição utilizd como memóri virtul, ou sej, um áre do disco é reservd pr funcionr como extensão d memóri RAM. Est áre é chmd de áre de troc ou áre de: ) Expnsão. b) Buffer. c) Scheduling. d) Swp. e) Cche. 19. Pr instlrmos um sistem opercionl no computdor precismos formtá-lo ntes de tudo. No momento d formtção temos que escolher o tipo de sistems de rquivos que será utilizdo. Dentre s opções bixo quis os tipos de sistems de rquivos que são utilizdos pelos sistems opercionis d fmíli Windows? ) EXT e FAT3. b) NTFS e FAT3. c) XFS e FAT3. d) NTFS e EXT. e) XFS e EXT. 5

6 0. O Windows Server 003 possui um ferrment pr relizção de bckup que permite fzer cópi de segurnç ds sus informções pr protegê-ls de perds cidentis. Dentre os tipos de bckups, ssinle lterntiv corret. ) Um bckup norml copi todos os rquivos seleciondos, ms não os mrc como rquivos que pssrm por bckup (ou sej, o tributo de rquivo não é desmrcdo). b) Um bckup diferencil copi todos os rquivos seleciondos que form modificdos no di de execução do bckup diário. Os rquivos não são mrcdos como rquivos que pssrm por bckup (o tributo de rquivo não é desmrcdo). c) Um bckup diário copi rquivos cridos ou lterdos desde o último bckup norml ou incrementl. Não mrc os rquivos como rquivos que pssrm por bckup (o tributo de rquivo não é desmrcdo). d) Um bckup de cópi copi todos os rquivos seleciondos e os mrc como rquivos que pssrm por bckup (ou sej, o tributo de rquivo é desmrcdo). e) Um bckup incrementl copi somente os rquivos cridos ou lterdos desde o último bckup norml ou incrementl. E os mrc como rquivos que pssrm por bckup (o tributo de rquivo é desmrcdo). 1. No editor de texto d versão do LibreOffice 3.3 su brr de menu é muito semelhnte à brr de menu do Microsoft Word 000 (Figur 1) qundo instldos de modo pdrão e sem relizr nenhum lterção. Assinle lterntiv que represent brr de menu do editor de texto do LibreOffice 3.3. Figur 1 - Questão 1 ) Arquivo, Editr, Inserir, Exibir, Formtr, Ferrments, Tbel, Jnel e Ajud. b) Arquivo, Editr, Exibir, Inserir, Formtr, Ferrments, Tbel, Jnel e Ajud. c) Arquivo, Editr, Inserir, Exibir, Formtr, Ferrments, Jnel, Tbel e Ajud. d) Arquivo, Editr, Exibir, Inserir, Formtr, Tbel, Ferrments, Jnel e Ajud. e) Arquivo, Editr, Inserir, Exibir, Formtr, Tbel, Ferrments, Jnel e Ajud.. O LibreOffice 3.3 é um suíte de plicções de escritório destind tnto à utilizção pessol qunto profissionl. Com relção o LibreOffice 3.3, ssinle lterntiv que represent ferrment pr crição de presentções multimídi. ) Drw. b) Power Point. c) Bse. d) Imge. e) Impress. 3. É um utilitário de cessibilidde que permite que os usuários verifiquem o sttus dos progrms de cessibilidde (Lente de Aumento, Nrrdor e Tecldo Virtul), inicindo-os ou interrompendo-os. Assinle lterntiv que present como este utilitário é conhecido no Windows XP. ) Gerencidor de Acessibilidde. b) Gerencidor de Utilitários. c) Gerencidor de Dispositivos. d) Gerencidor de Ajud. e) Gerencidor de Progrms. 6

7 4. De cordo com Figur 1, retird de um plnilh de cálculo, o vlor retorndo pel fórmul vi ser: Figur 1 - Questão 4 ) b) 4 c) 6 d) 8 e) 1 5. Assinle lterntiv que preenche corretmente lcun em relção os comndos Linux. O comndo só pode ser executdo pelo superusuário root; esse comndo serve pr desligr o computdor. ) reboot b) csh c) hlt d) stndoff e) stndby 6. Assinle lterntiv corret que represent o que o comndo du fz qundo digitdo no modo terminl do Linux. ) List todos os diretórios e subdiretórios de um pst. b) Move determindo rquivo pr outro diretório escolhido. c) Consult os mnuis on-line do sistem. d) Exibe informções de um comndo do sistem. e) Mostr o espço ocupdo por rquivos e sub-diretórios do diretório tul. 7. Qul comndo digitdo no modo terminl do Linux mostr o conteúdo do rquivo concurso.txt? ) ls concurso.txt b) grep concurso.txt c) find concurso.txt d) ct concurso.txt e) dir concurso.txt 7

8 8. Alguns comndos do Linux são de utiliddes constntes dos dministrdores, por exemplo, como encontrr informções dentro dos rquivos sem ter que bri-los. Assinle lterntiv corret que represent esse comndo. ) grep bsh /etc/psswd b) mn bsh /bin/psswd c) hlt bsh /etc/psswd d) di bsh /bin/psswd e) mkdir bsh /etc/psswd 9. Assinle lterntiv que present tecl de tlho que, no Linux Debin 6, ltern de modo console pr modo Desktop (Gráfico). ) Ctrl+Alt+F5 b) Ctrl+Alt+F6 c) Ctrl+Alt+F7 d) Ctrl+Alt+F8 e) Ctrl+Alt+F9 30. Assinle lterntiv que represent um comndo Linux que deve ser utilizdo por um usuário com privilégios de dministrdor pr funcionr corretmente. ) grep b) pt-get c) find d) mkdir e) pwd 31. Atenção os períodos: O empresário honesto pg pelo corrupto. Isso precis mudr! Ele tem que pgr pr o corrupto. (As cobrs, de Luís Fernndo Veríssimo) Qul mudnç de sentido que ocorre devido à troc de pelo por pr? ) Em vez de o corrupto pgr, quem pg por ele é o honesto; no segundo exemplo, o empresário pg o corrupto. b) No primeiro exemplo, o honesto pg o corrupto; no segundo é o próprio corrupto quem recebe. c) O corruptor honesto pg pelo desonesto e recebe do corrupto honesto. d) Não há lterção significtiv de sentido. e) O empresário honesto vir corrupto. 3. Nos períodos: O jogdor ind não sbe se será convocdo. O jogdor não sbe ind que será convocdo. Os termos grifdos indicm, respectivmente: ) dúvid e dúvid. b) certez e certez. c) dúvid e certez. d) certez e dúvid. e) fto confirmdo e fto confirmdo. 8

9 33. As conjunções grifds inicim orções coordends sindétics. Assinle lterntiv que present, respectivmente, o sentido dos termos grifdos. Não vijei nem estudei pr o concurso. Ele se indignou com o fto, porém mnteve clm. Ele pediu demissão, portnto estmos sem chefe. Não fume, porque o cigrro é um veneno. ) oposição; oposição; explicção; conclusão. b) dição; oposição; explicção; conclusão. c) oposição; oposição; oposição; explicção. d) dição; oposição; conclusão; explicção. e) oposição; conclusão; oposição; explicção. 34. Troque s plvrs grifds por bstnte ou bstntes. Recebemos muits informções sobre o produto. Ele expôs rgumentos suficientes pr nos convencer. Após reunião todos estvm muito cnsdos. Assinle lterntiv que present, respectivmente, s substituições correts. ) bstntes; bstntes; bstntes. b) bstntes; bstntes; bstnte. c) bstnte; bstnte; bstnte. d) bstntes; bstnte; bstnte. e) bstnte; bstntes; bstntes. 35. Atenção os períodos: Antigmente hvi poucs escols prticulres. Antigmente existim poucs escols prticulres. Antigmente devim existir poucs escols prticulres. Aqui nunc houve nem hverá brigs. Assinle lterntiv que present, respectivmente, função sintátic dos termos grifdos. ) objeto direto; sujeito; sujeito; objeto direto. b) sujeito; objeto direto; sujeito; objeto direto. c) objeto direto; sujeito; objeto direto; sujeito. d) objeto direto; objeto direto; objeto direto, sujeito. e) sujeito; sujeito; sujeito; sujeito. LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER AS QUESTÕES DE NÚMEROS 36 e 37. Tá lá o corpo estendido no chão Em vez de rosto um foto de um gol Em vez de rez um prg de lguém E o silêncio servindo de mém O br mis perto depress lotou... (João Bosco e Aldyr Blnc) 9

10 36. Qundo um pesso morre n ru, é comum lguém cobrir-lhe o corpo com jornis, pr preservá-lo d curiosidde excessiv dos pssntes. Qul verso confirm ess informção? ) Tá lá o corpo estendido no chão. b) E o silêncio servindo de mém. c) Em vez de rosto um foto de um gol. d) Em vez de rez um prg de lguém. e) O br mis perto depress lotou. 37. Qul figur de lingugem se destc no verso: Em vez de rez um prg de lguém? ) Metáfor. b) Metoními. c) Ironi. d) Antítese. e) Prosopopei. 38. Assinle lterntiv que present corret colocção pronominl. ) Não o encontrei n sl, o procurei no jrdim. b) Não encontrei-lhe n sl, procurei-lhe no jrdim. c) Não encontrei-o n sl, procurei-o no jrdim. d) Não o encontrei n sl, procurei-o no jrdim. e) Não lhe encontrei n sl, lhe procurei no jrdim. 39. O uso corrente do presente do indictivo indic um fto que contece no momento em que se fl. O presente, às vezes, pode designr outros momentos. Lei os três períodos e ssinle lterntiv que present, respectivmente, o sentido nuncido pelos verbos no presente. Corro tods s mnhãs. A mulher m ou odei. Em 1748, Montesquieu public obr O espírito ds leis. ) ção hbitul; ção hbitul; fto pssdo. b) ção hbitul; verdde universl; fto pssdo. c) verdde universl; verdde universl; fto pssdo. d) ção hbitul; verdde universl; fto presente. e) fto presente; fto presente; fto pssdo. LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER A QUESTÃO DE NÚMERO 40. Neologismo 1 - Beijo pouco, flo menos ind. - Ms invento plvrs 3 - Que trduzem ternur mis fund 4 - E mis cotidin. 5 - Inventei, por exemplo, o verbo tedorr. 6 - Intrnsitivo: 7 - Tedoro, Teodor. (Mnuel Bndeir) 10

11 40. O termo que, no verso 3, é: ) pronome reltivo. b) conjunção subordintiv. c) conjunção integrnte. d) conjunção coordentiv. e) dvérbio. LEIA O TEXTO A SEGUIR PARA RESPONDER A QUESTÃO DE NÚMERO 41. Poem só pr Jime Ovlle 1 - Qundo hoje cordei, ind fzi escuro - (Embor mnhã já estivesse vnçd). 3 - Chovi. 4 - Chovi um triste chuv de resignção 5 - Como contrste e consolo o clor tempestuoso d noite. 6 - Então me levntei, 7 - Bebi o cfé que eu mesmo preprei. 8 - Depois me deitei novmente, cendi um cigrro e fiquei pensndo Humildemente pensndo n vid e ns mulheres que mei. (Mnuel Bndeir) 41. No verso 9 Humildemente pensndo n vid e ns mulheres que mei., qul função sintátic do termo em destque? ) Sujeito. b) Complemento nominl. c) Aposto. d) Objeto direto. e) Objeto indireto. 4. Compre. Acendi um cigrro e depois, outro. Acendi um cigrro e ele, dois. Qul clssificção morfológic d plvr um em cd um ds ocorrêncis? ) Numerl; rtigo indefinido. b) Numerl; numerl. c) Artigo indefinido; rtigo indefinido. d) Numerl; rtigo definido. e) Artigo indefinido; numerl. 11

12 43. Assinle lterntiv que present s plvrs corretmente grfds, segundo o Novo Acordo Ortográfico. ) bençôo; releem; idei; heroico. b) bençoo; relêem; idei; heroico. c) bençoo; releem; idei; heroico; d) bençoo; releem; idéi; heroico. e) bençoo; releem; idei; heróico. 44. Escolh lterntiv corret. ) Aspirin é bom pr dor de cbeç. b) Bebid lcoólic é proibid pr menores de dezoito nos. c) É necessário muit pciênci. d) Segue nexo fotogrfi. e) Os rpzes ficrm lerts. 45. Resolverm os exercícios que fltvm. A orção em destque é: ) subordind dverbil cusl. b) subordind djetiv restritiv. c) subordind substntiv completiv nominl. d) subordind reduzid. e) subordind dverbil consecutiv. 46. Assinle lterntiv corret. ) Indic-se que um conjunto é subconjunto do outro com o sinl de. b) A operção que reúne em um só conjunto os elementos que pertencem dois conjuntos é chmd intersecção. c) A operção que tem como resultdo o conjunto dos elementos que pertencem o mesmo tempo dois conjuntos é chmd união. d) O intervlo ( ;5) é equivlente o conjunto { x R x 5}. e) O intervlo [ 3/ 4; [ é equivlente o conjunto { x R x 3/ 4}. 47. Considere D det M, ) -37 b) -1 c) -1 d) 5 e) M Qul o vlor de D? 7 4 1

13 48. Assinle lterntiv corret. ) A função b) A função f x ( x) é crescente. x f ( x) ( ) é decrescente. c) A função x f ( x) 1/ é decrescente. d) A função f ) x ( x) ( é crescente. f ( x) 1/ é crescente. e) A função x 49. Pr que vlores reis de m função y x ( m ) x 1/ 4 possui dus rízes distints? ) m 1 ou m 3 b) m 1ou m 3 c) 1 m 3 d) 1 m 3 e) m 1 ou m Pr que vlores reis de m função y ( m 1) x 3 é crescente? ) b) 1 m 1 m c) m 1 d) e) 1 m 1 m 51. Assinle lterntiv corret. ) y x, definid nos reis é um função do º gru. b) y x, definid nos reis é um função injetor. c) Tod função do 1º gru definid nos reis é bijetor. d) Ddo f ( x) 3x 1 e g ( x) x 3, fog ( x) 4x. e) y x é função invers d função x y. 13

14 5. Determine o volume d pirâmide de bse qudrd de ldo 3 cm e ltur 4cm. 3 ) 36cm. 3 b) 4cm. 3 c) 16cm. 3 d) 1cm. 3 e) 4cm. 53. Um sl retngulr tem o perímetro d sl? ) 16 m b) 18 m c) 0 m d) m e) 4 m 0m de superfície e seu comprimento é 1 m mior que su lrgur. Qul 54. Assinle lterntiv corret. x ) log x b b b) log b x log c) log 0 x x 0 m d) log b m. log b 1 b x e) log b. c log b. log c 55. Um cpitl de R$ 600,00 foi empregdo juros simples de 4% o mês durnte 6 meses e 10 dis. Qunto rendeu? ) R$ 144,00 b) R$ 15,00 c) R$ 156,00 d) R$ 160,00 e) R$ 40,00 14

15 56. Dd mtriz , o vlor de é igul : 6 ) 16. b) 5. c) 13. d) -. e) Qul é o vlor d expressão ? ) 10. b) 0. c) 30. d) 40. e) Pulo precis fzer um senh pr o site d instituição em que ele trblh. A senh deve ser compost de 4 lgrismos, de 0 9, sem repetição. Qunts são s combinções possíveis pr ess senh? ) 30. b) 400. c) d) e) Pr fzer um bolo são necessáris 4 xícrs de frinh de trigo. Se Robert desej fzer 3 receits e mei desse bolo, qunts xícrs de frinh de trigo serão utilizds por el? ) 13. b) 16. c) 15. d) 1. e) Em um empres, quntidde de computdores e impressors, juntos, é de 58 uniddes. Sbendo que, se subtrirmos dobro d quntidde de impressors do triplo d quntidde de computdores teremos como resultdo 109, qul é o número de impressors n empres? ) 45. b) 7. c) 13. d) 43. e)

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S

C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S Comissão de Concurso Público Portaria 1250/2012 Edital 146 Técnico-Administrativo - Prova Objetiva 30/09/2012 C A D E R N O D E Q U E S T Õ E S Cargo: NOME: NÚMERO DE INSCRIÇÃO: CPF: CAMPUS PARA O QUAL

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU

Dado Seguro. Gestão Inteligente de Backup. Manual de Criação e configuração. Criação: CS-Consoft - Documentação & CSU Gestão Inteligente de Bckup Mnul de Crição e configurção Crição: CS-Consoft - Documentção & CSU Indice Introdução... 1 I. Aquisição d solução de Bckup Remoto Ddo Seguro Pro... 1 1. Downlod do plictivo...

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Universidade de Brasília (UnB) Pavilhão Anísio Teixeira Campus Universitário Darcy Ribeiro Asa Norte, Brasília/DF

Universidade de Brasília (UnB) Pavilhão Anísio Teixeira Campus Universitário Darcy Ribeiro Asa Norte, Brasília/DF MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL (DATAPREV) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO CARGO DE ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDITAL N.º

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico

Cód. 04 Analista de Suporte Técnico PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2008 Cód. 04 Anlist de Suporte Técnico 1. Considerndo configurção prcil de um plc de rede conforme presentd n figur bixo, o Gtewypdrão

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO LUÍS HOSPITAL MUNICIPAL DJALMA MARQUES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533

Pronto para uma câmera digital de primeira com CCD de 6,0 mega pixels?! G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 G-Shot P6533 Pronto pr um câmer digitl de primeir com CCD de 6,0 meg piels?! A Genius gor nunci um câmer digitl de estilo único em su fmíli G-Shot: G-Shot P6533. Em um cbmento vermelho etrordinário, est DSC epress

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

McAfee Email Gateway Blade Server

McAfee Email Gateway Blade Server Gui de início rápido Revisão B McAfee Emil Gtewy Blde Server versão 7.x Esse gui de início rápido serve como um roteiro ásico pr instlção do servidor lde do McAfee Emil Gtewy. Pr oter instruções detlhds

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

Curso Candidatos Local Todos os candidatos inscritos para o EEEF Professor Pedro de Castro curso de Pedagogia com opção de Pedagogia

Curso Candidatos Local Todos os candidatos inscritos para o EEEF Professor Pedro de Castro curso de Pedagogia com opção de Pedagogia UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB) PROGRAMA PRÓ-LICENCIATURA VESTIBULAR PARA INGRESSO EM CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA EDITAL N.º 5 UnB/PRÓ-LICENCIATURA, DE 27 DE AGOSTO DE 2007 A Universidde de Brsíli,

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 7 FINEP, DE 29 DE JULHO

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

1 ANALISTA DE SISTEMAS 1.1 Cidade de realização das provas: MANAUS/AM 1.1.1 Local de realização das provas:

1 ANALISTA DE SISTEMAS 1.1 Cidade de realização das provas: MANAUS/AM 1.1.1 Local de realização das provas: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL N.º 7 IPEA, DE 8 DE DEZEMBRO

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 7 FINEP, DE 29 DE JULHO

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO DO ESTADO DO CEARÁ POLÍCIA MILITAR DO CEARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CARGO DE SOLDADO PM

Leia mais

Sistemas Lineares Exercício de Fixação

Sistemas Lineares Exercício de Fixação Sistems Lineres Eercício de Fição Por: Griel Gutierre P Sores Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi Prí Disciplin: Mtemátic Professor: Amrósio Elis Aluno: Mtrícul: Curso: Série: Turno: Sistems

Leia mais

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours

SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015. artchitectours SALÃO INTERNACIONAL DO MÓVEL - MILÃO 2015 rtchitectours SALONE INTERNAZIONALE DEL MOBILE DI MILANO 2015 A Feir de Móveis de Milão é mior feir do gênero no mundo. A exposição present o mis recente em mobiliário

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ

SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ Secretri de Tecnologi d Informção Coordendori de Suporte Técnico os Usuários SISTEMA DE INFORMAÇÕES JUDICIÁRIAS - SIJ MÓDULO DESPACHO ASSISTIDO (versão 1.0) Sumário 1. OBJETIVO DO MÓDULO... 3 1. 2. GERENCIAMENTO

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza

Busca Digital (Trie e Árvore Patrícia) Estrutura de Dados II Jairo Francisco de Souza Busc Digitl (Trie e Árvore Ptríci) Estrutur de Ddos II Jiro Frncisco de Souz Introdução No prolem de usc, é suposto que existe um conjunto de chves S={s 1,, s n } e um vlor x correspondente um chve que

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais