Lista de exercícios 8 Mudança de Bases

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lista de exercícios 8 Mudança de Bases"

Transcrição

1 Universidade Federal do Paraná 1 semestre 015. Algebra Linear CM 005 Olivier Brahic Física - TA Lista de exercícios 8 Mudança de Bases Observação: no livro do Leon [1] o autor chama de matriz de transição de B 1 para B o que a maioria dos outros autores chamam de matriz de transição de B para B 1 (as duas terminologias fazem sentido mas para razões diferentes!). No presente documento usamos a terminologia do Steven J. Leon. Exercícios da Seção 3.5 Exercício 1: Para cada um dos itens seguintes encontre a matriz de transição correspondente à mudança de base de {u 1 u } para {e 1 e }. a) u 1 () u ( 1) b) u 1 (1 ) u ( 5) c) u 1 (0 1) u (1 0). Exercício : Para cada uma das bases oredenadas {u 1 u } no Exercício 1 encontre a matriz de transição correspondente à mudança de base de {e 1 e } para {u 1 u }. Exercício 3: Sejam v 1 (3 ) e v (4 3). Para cada base ordenada {u 1 u } dada no Problema ache a matriz de transição de {v 1 v } para {u 1 u }. Exercício 4: Seja E [(5 3) (3 ) ] e sejam x () y ( 1) e z (10 7). Determine os valores de [x] E [y] E e [z] E. Exercício 5: Sejam u 1 : ( 1) u : (1 ) e u 1 : ( 3 4). a) Encontre a matriz de transição corespondente à mudança de base de {e 1 e e 3 } para {u 1 u u 3 }. b) Encontre as coordenadas dos vetores seguintes em relação a {u 1 u u 3 }. i) (3 5) ii) ( ) iii) ( 3 ). Exercício 6: Sejam v 1 : (4 6 7) v : (0 ) v 3 : (0 1 ) e u 1 u u 3 os vetores do Exercício 5. a) Encontre a matriz de transição de {v 1 v v 3 } para {u 1 u u 3 }. b) Se x v 1 + 3v 4v 3 encontre o vetor de coordenadas de x em relação a {u 1 u u 3 }. 1

2 Exercício 7: Dados: v 1 : v : ( ) 3 S : ( ) encontre vetores w 1 e w tais que S seja a matriz de transição de {w 1 w } para {v 1 v }. Exercício 8: Dados: v 1 : ( ) 6 v : 4 S : ( ) encontre vetores w 1 e w tais que S seja a matriz de transição de {v 1 v } para {u 1 u }. Exercício 9: Sejam {x 1} e {x 1 x + 1} bases ordenadas para P. a) Encontre a matriz de transição representando a mudança de base de {x 1 x + 1} para {x 1}. b) Encontre a matriz de transição representando a mudança de base de {x 1} para {x 1 x + 1}. Exercício 10: Encontre a matriz de mudança de coordenadas em P 3 {1 x x } para a base ordenada { + x 1 + x + x }. da base ordenada

3 Coreçoẽs: Correção do Exercício 1: A matriz de transição correspondente à mudança de base de {u 1 u } para {e 1 e } é a matriz cujas colunas são os vetores coordenadas dos vetores {u 1 u } na base {e 1 e }. Segue que: a) M (B1 B ) ( 1 ) b) M (B1 B ) onde notemos as bases B : {u 1 u } e B 1 : {e 1 e }. c) M 5 (B1 B ) ( ) Correção do Exercício : A matriz de transição da base B 1 {e 1 e } para a base B {u 1 u } é a inversa da matriz de transição de B para B 1. Segue que: ( ) a) M (B B 1 ) M 1 (B 1 B ) [ ] ( ) b) M (B B 1 ) M 1 (B 1 B ) [ ] 5 ( ) c) M (B B 1 ) M 0 1 (B 1 B ) [ ] 1 0 ( ) 1/ 1/ / 1/ ( ) 5 1 ( ) Correção do Exercício 3: Notemos B 3 a base B 3 : {v 1 (3 ) v (4 3) }. A matriz de transição de B 3 para B é obtida multiplicando a matriz de transição de B 3 para B 1 com a matriz de transição de B 1 para B. A matriz de transição de B 3 para B 1 é dada por: ( ) 3 4 M (B1 B 3 ). 3 Segue que: 1/ 1/ 3 4 5/ 7/ a) M (B B 3 ) M (B B 1 ) M (B1 B 3 ) [ ] / 1/ 3 / / b) M (B B 3 ) M (B B 1 ) M (B1 B 3 ) [ ] c) M (B B 3 ) M (B B 1 ) M (B1 B 3 ) [ ] Correção do Exercício 4: Notemos B 1 : {e 1 e } a base padrão de R. A matriz de transição da base E {(5 3) (3 ) } para a base padrão é dada por: ( ) 5 3 M (B1 E). 3 A matriz de transição da base padrão B 1 para a base E {(5 3) (3 ) } é dada pela inversa ou seja: ( ) ( ) M (E B1 ) M (B 1 E) [ ]

4 Os vetores de coordenadas [x] E [y] E e [z] E de x () y ( 1) e z (10 7) na base E são obtidos multiplicando M (E B1 ) para os vetores de coordenadas [x] B1 () [y] B1 (1 ) e [z] B1 (10 7) na base padrão calculemos que: 3 1 [x] E M (E B1 ) [x] B [y] E M (E B1 ) [y] B [z] E M (E B1 ) [z] B Correção do Exercício 5: a) Notemos B 1 : {e 1 e e 3 } a base padrão de R 3 e B a base B : {u 1 ( 1) u : (1 ) u 3 : ( 3 4) }. A matriz de transição da base B para a base padrão é dada por: M (B1 B ) A matriz de transição da base padrão B 1 para a base B é dada pela inversa ou seja: M (B B 1 ) M (B 1 B ) [ ]. 0 1 b) O vetor de coordenadas na base B sendo obtido por multiplicação para M (B B 1 ) do vetor de coordenadas na base B 1 temos que: i) [x] B M (B B 1 ) [x] B ii) [y] B M (B B 1 ) [y] B iii) [z] B M (B B 1 ) [z] B Correção do Exercício 6: a) Notemos: B 1 a base padrão de R 3 B 1 : {e 1 e e 3 } B a base B : {u 1 ( 1) u : (1 ) u 1 : ( 3 4) } B 3 a base B 3 : {v 1 (4 6 7) v (0 ) v 3 (0 1 ) }. 4

5 A matriz de transição da base B 3 para a base padrão é dada por: M (B1 B 3 ) Jà calculàmos no Exercício 5 que a matriz de transição da B 1 para a base B era: 0 M (B B 1 ). 0 1 A matriz de transição da base B 3 para a base B é obtida por multiplicação: M (B B 3 ) M (B B 1 ) M (B1 B 3 ) 6 [ ] b) O vetor x v 1 + 3v 4v 3 tem coordenadas [x] B3 ( 3 4) na base B 3. As coordenadas de x em B podem ser obtidas por multiplicação de [x] B3 com M (B B 3 ) da forma seguinte: Correção do Exercício 7: Notemos: 1 [x] B M (B B 3 ) [x] B B 1 a base padrão de R B a base B : {v 1 (1 ) v ( 3) } B 3 a base incógnita B 3 : {w 1 w }. 3 4 A estratégia é a seguinte: as colunas da matriz de transição de B 3 para B 1 sendas dadas para os vetores coordenadas de {w 1 w } na base padrão é so calcular M (B1 B 3 ). Queremos que S seja a matriz de transição de B 3 para B isso é: S M (B B 3 ) M (B B 1 ) M (B1 B 3 ). Multiplicando à esquerda os dois lados dessa expressão para M (B B 1 ) obtemos: M (B1 B 3 ) M (B B 1 ) S M (B1 B ) S ( ) ( ) ( ) Concluemos que: Correção do Exercício 8: Notemos: w 1 : ( ) 5 9 w : 4 5

6 B 1 a base padrão de R B a base B : {v 1 ( 6) v (1 4) } B 3 a base incógnita B 3 : {u 1 u }. A estratégia é a seguinte: as colunas da matriz de transição de B 3 para B 1 sendas dadas para os vetores coordenadas de {u 1 u } na base padrão é so calcular M (B1 B 3 ). Queremos que a matriz S seja a matriz de transição de B para B 3 isso é: S M (B3 B ) M (B3 B 1 ) M (B1 B ). Multiplicando à direita os dois lados dessa expressão para M (B 1 B ) obtemos: Passando aos inversos temos que: M (B1 B 3 ) M (B 3 B 1 ) ) M (B3 B 1 ) S M (B 1 B ) S M (B B 1 ) ( S M (B B 1 ) M (B B 1 ) S ( ) ( ) M (B1 B ) S ( ) ( ) 1/ / ( 0 ) 1 5 Concluemos que: u 1 ( ) 0 u 5 Correção do Exercício 9: Notemos: B 1 a base de P 3 dada por B 1 : {x 1} B a base de P 3 dada por B : {x 1 x + 1}. a) É fácil ver que os vetores de coordenadas dos elementos da base B na base B 1 são: [x 1] B1 ( ) [x + 1] B1 ( 1). Logo a matriz de mudança de base de B para B 1 é dada por M (B1 B ) ( ). 1 b) A matriz de transição de B 1 para B sendo a matriz inversa da matriz de transição de B para B 1 calculemos que: ( ) M (B B 1 ) M 1/4 / (B 1 B ) [ ]. 1/4 1/ Correção do Exercício 10: Notemos: 6

7 B 1 a base de P 3 dada por B 1 : {1 x x } B a base de P 3 dada por B : { + x 1 + x + x }. É fácil ver que os vetores de coordenadas dos elementos da base B na base B 1 são dados por: [1] B1 (1 0 0) [1 + x] B1 ( 0) [1 + x + x ] B1 ( 1). Logo a matriz de transição de B para B 1 é dada por 1 M (B1 B ) A matriz de transição de B 1 para B sendo a matriz inversa da matriz de transição de B para B 1 calculemos que: 1 0 M (B B 1 ) M (B 1 B ) [ ] Referências [1] Steven J. Leon Álgebra Linear com aplicações 8 a edição LTC

Lista de exercícios 9 Mudanças de Bases

Lista de exercícios 9 Mudanças de Bases Universidade Federal do Paraná 2 semestre 2016 Algebra Linear Olivier Brahic Lista de exercícios 9 Mudanças de Bases Observação: no livro do Leon [1] o autor chama de matriz de transição de B 1 para B

Leia mais

Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II

Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II Universidade Federal do Paraná 2 semestre 2016. Algebra Linear, CM 005 Olivier Brahic Lista de exercícios 2 Sistemas de equações lineares II Exercício 1: As matrizes aumentadas seguintes estão na forma

Leia mais

Lista de exercícios 5 Determinantes

Lista de exercícios 5 Determinantes Universidade Federal do Paraná semestre 015. Algebra Linear, CM 005 Olivier Brahic Lista de exercícios 5 Determinantes Exercício 1: Seja A := 3 1 3 3 Encontre os valores dos menores det(m,1 ), det(m, )

Leia mais

5 Transformações Lineares e Matrizes

5 Transformações Lineares e Matrizes Nova School of Business and Economics Prática Álgebra Linear 5 Transformações Lineares e Matrizes 1 Definição Função de em Aplicação que faz corresponder a cada elemento de um conjunto (domínio), denominado

Leia mais

Lista de exercícios 8 Bases e Dimensão.

Lista de exercícios 8 Bases e Dimensão. Universidade Federal do Paraná semestre 05. Algebra Linear, CM 005 Olivier Brahic Lista de exercícios 8 Bases e Dimensão. Exercício : No exercício da Folha 7, indique se os vetores formam uma base para

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Exercício 1: Encontre o ângulo emtre os vetores v e w em cada um dos seguintes:

Exercício 1: Encontre o ângulo emtre os vetores v e w em cada um dos seguintes: Universidade Federal do Paraná 2 semestre 2016. Algebra Linear Olivier Brahic Lista de exercícios 1 Ortogonalidade Exercícios da Seção 5.1 Exercício 1: Encontre o ângulo emtre os vetores v e w em cada

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Lista de exercícios 7 Independência Linear.

Lista de exercícios 7 Independência Linear. Universidade Federal do Paraná semestre 6. Algebra Linear Olivier Brahic Lista de exercícios 7 Independência Linear. Exercício : Determine se os seguintes vetores são linearmente independentes em R : (

Leia mais

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios

Álgebra Linear I Solução da 5ª Lista de Exercícios FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS Centro de Ciências e Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Curso de Graduação em Engenharia Ambiental e Sanitária

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 2013/I 1 Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas Departamento de Matemática 3 a Lista - MAT 137 - Introdução à Álgebra Linear 013/I 1 Sejam u = ( 4 3) v = ( 5) e w = (a b) Encontre a e b tais

Leia mais

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara

Método de Eliminação de Gauss. Eduardo Camponogara Sistemas de Equações Lineares Método de Eliminação de Gauss Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) III Resolução de sistemas lineares por métodos numéricos. Objetivos: Veremos

Leia mais

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica

Título: Sistemas Lineares no CAp UFRJ: Interpretações Algébrica e Gráfica Autor Letícia Guimarães Rangel Co-autor(es): Fernando Celso Villar Marinho Lílian Káram Parente Cury Spiller Rita Maria Cardoso Meirelles Tipo de Pesquisa Ensino Médio Números e Operações Componente Curricular

Leia mais

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre 1º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 1 de19 2º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 2 de19 1º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 3 de19 2º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 4 de19 1º Semestre

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Resolução dos Exercícios 8 e 10 da lista 7.

Resolução dos Exercícios 8 e 10 da lista 7. Resolução dos Exercícios 8 e 10 da lista 7. 8) Seja T : R 3 R 3 a transformação linear tal que T (e 3 ) = 3e 1 + e 2 2e 3, T (e 2 + e 3 ) = e 1, T (e 1 + e 2 + e 3 ) = e 2 + e 3, a) Calcule T (2e 1 e 2

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

esse determinante se anula. Tomemos a matriz ampliada do sistema, com a 2 :

esse determinante se anula. Tomemos a matriz ampliada do sistema, com a 2 : 1. Sobre o sistema de equações lineares apresentado abaixo, analise as proposições a seguir, sendo a um parâmetro real. x y z x ay z 1 x y z 3 ( ) Se a, então o sistema admite infinitas soluções. ( ) O

Leia mais

Notas em Álgebra Linear

Notas em Álgebra Linear Notas em Álgebra Linear 1 Pedro Rafael Lopes Fernandes Definições básicas Uma equação linear, nas variáveis é uma equação que pode ser escrita na forma: onde e os coeficientes são números reais ou complexos,

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A MATEMÁTICA

A A A A A A A A A A A A A A A MATEMÁTICA MTEMÁTIC 1 malio Shchams é o nome científico de uma espécie rara de planta, típica do noroeste do continente africano. O caule dessa planta é composto por colmos, cujas características são semelhantes

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

SISTEMAS LINEARES CONCEITOS

SISTEMAS LINEARES CONCEITOS SISTEMAS LINEARES CONCEITOS Observemos a equação. Podemos perceber que ela possui duas incógnitas que são representadas pelas letras x e y. Podemos também notar que se e, a igualdade se torna verdadeira,

Leia mais

AULA PRÁTICA UTILIZAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS EM SISTEMAS DE COORDENADAS GEODÉSICAS

AULA PRÁTICA UTILIZAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS EM SISTEMAS DE COORDENADAS GEODÉSICAS AULA PRÁTICA UTILIZAÇÃO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS EM SISTEMAS DE COORDENADAS GEODÉSICAS PROF. DR. CARLOS AURÉLIO NADAL Transformação de graus, minutos e segundos em radianos e minutos A B C D E F 1 grau

Leia mais

Pode-se mostrar que da matriz A, pode-se tomar pelo menos uma submatriz quadrada de ordem dois cujo determinante é diferente de zero. Então P(A) = P(A

Pode-se mostrar que da matriz A, pode-se tomar pelo menos uma submatriz quadrada de ordem dois cujo determinante é diferente de zero. Então P(A) = P(A MATEMÁTICA PARA ADMINISTRADORES AULA 03: ÁLGEBRA LINEAR E SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES TÓPICO 02: SISTEMA DE EQUAÇÕES LINEARES Considere o sistema linear de m equações e n incógnitas: O sistema S pode

Leia mais

Tutorial de Matlab Francesco Franco

Tutorial de Matlab Francesco Franco Tutorial de Matlab Francesco Franco Matlab é um pacote de software que facilita a inserção de matrizes e vetores, além de facilitar a manipulação deles. A interface segue uma linguagem que é projetada

Leia mais

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco

Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira. 2007.1 / CIn-UFPE. Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 1 / 24 Contagem (2) Anjolina Grisi de Oliveira Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco 2007.1 / CIn-UFPE 2 / 24 O princípio da multiplicação de outra forma O princípio da multiplicação

Leia mais

Um sistema de equações lineares (sistema linear) é um conjunto finito de equações lineares da forma:

Um sistema de equações lineares (sistema linear) é um conjunto finito de equações lineares da forma: Sistemas Lineares Um sistema de equações lineares (sistema linear) é um conjunto finito de equações lineares da forma: s: 2 3 6 a) 5 2 3 7 b) 9 2 3 Resolução de sistemas lineares Metodo da adição 4 100

Leia mais

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I.

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I. Diagonalização ortogonal de matrizes simétricas Detalhes sobre a Secção.3 dos Apontamentos das Aulas teóricas de Álgebra Linear Cursos: LMAC, MEBiom e MEFT (semestre, 0/0, Prof. Paulo Pinto) Recordamos

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO PRIMEIRO SEMESTRE LETIVO DE 2016 DISCIPLINA PRESENCIAL

PLANO DE ENSINO DO PRIMEIRO SEMESTRE LETIVO DE 2016 DISCIPLINA PRESENCIAL PLANO DE ENSINO DO PRIMEIRO SEMESTRE LETIVO DE 2016 DISCIPLINA PRESENCIAL CURSO: GRAU / HABILITAÇÃO: Ciência da Computação Bacharel em Ciência da Computação DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA: Álgebra Linear Aplicada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura (Números Complexos) Jéssica Roldão de Oliveira Assis RA 160332 Campinas 2014 1 HISTÓRIA

Leia mais

Proposta de Especificação de Software

Proposta de Especificação de Software Proposta de Especificação de Software Calculadora Aplicada Acadêmicos: Ana Paula Garboça, Cleverson Massaroli, Gilso Manfredi Curso: Sistemas de Informação Local: Dois Vizinhos, segunda-feira, 14 de dezembro

Leia mais

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta.

Contagem I. Figura 1: Abrindo uma Porta. Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 4 Contagem I De quantos modos podemos nos vestir? Quantos números menores que 1000 possuem todos os algarismos pares?

Leia mais

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação).

Uma lei que associa mais de um valor y a um valor x é uma relação, mas não uma função. O contrário é verdadeiro (isto é, toda função é uma relação). 5. FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL 5.1. INTRODUÇÃO Devemos compreender função como uma lei que associa um valor x pertencente a um conjunto A a um único valor y pertencente a um conjunto B, ao que denotamos por

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

Åaxwell Mariano de Barros

Åaxwell Mariano de Barros ÍÒ Ú Ö Ö Ð ÓÅ Ö Ò Ó Ô ÖØ Ñ ÒØÓ Å Ø Ñ Ø ÒØÖÓ Ò Ü Ø Ì ÒÓÐÓ ÆÓØ ÙÐ ¹¼ ÐÙÐÓÎ ØÓÖ Ð ÓÑ ØÖ Ò Ð Ø Åaxwell Mariano de Barros ¾¼½½ ËÓÄÙ ¹ÅA ËÙÑ Ö Ó 1 Vetores no Espaço 2 1.1 Bases.........................................

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 PERÍODO 2015/1º SEMESTRE 13:00 13:45 Cálculo Diferencial e Integral I s de (Raphael ) de 13:45 14:30 Cálculo Diferencial e Integral I s de de 14:30 15:15 Cálculo

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

4 Sistemas de Equações Lineares

4 Sistemas de Equações Lineares Nova School of Business and Economics Apontamentos Álgebra Linear 4 Sistemas de Equações Lineares 1 Definição Rank ou característica de uma matriz ( ) Número máximo de linhas de que formam um conjunto

Leia mais

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO - DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark LERCI LEGI LEE o semestre 23/4 - semana de 23-2-8. Diga justificando quais dos seguintes ternos

Leia mais

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior.

POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. POR QUE INVERTER O SINAL DA DESIGUALDADE EM UMA INEQUAÇÃO? GT 02 Educação matemática no ensino médio e ensino superior. Bruno Marques Collares, UFRGS, collares.bruno@hotmail.com Diego Fontoura Lima, UFRGS,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

TRANSFORMAÇÃO LINEAR. Álgebra Linear - Prof a Ana Paula

TRANSFORMAÇÃO LINEAR. Álgebra Linear - Prof a Ana Paula Álgebra Linear - Prof a na Paula TRNSFORMÇÃO LINER Definição: T é uma transformação do espaço vetorial V no espaço vetorial W, T : V W, se cada vetor v V tem um só vetor imagem w W, que será indicado por

Leia mais

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de 08.11.2004 - D.O.U. 09.11.2004. ORDENAMENTO

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de 08.11.2004 - D.O.U. 09.11.2004. ORDENAMENTO ORDENAMENTO Justificativa O objetivo do ordenamento dos alunos de um determinado curso é criar uma sistemática para a criação de blocos de rematrícula, através de três critérios que buscam dar preferência

Leia mais

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é

Revisão Extra UECE. 1. (Espcex- 2013) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P(x) do 4º grau no intervalo 0,5. 1 0 no intervalo 0,5 é 1. (Espce- 01) A figura a seguir apresenta o gráfico de um polinômio P() do º grau no intervalo 0,5. O número de raízes reais da equação a) 0 b) 1 c) d) e) P 1 0 no intervalo 0,5 é. (Ufrn 01) Considere,

Leia mais

Sistemas Lineares. 2. (Ufsj 2013) Considere o seguinte sistema de equações lineares, nas incógnitas x, y e z:

Sistemas Lineares. 2. (Ufsj 2013) Considere o seguinte sistema de equações lineares, nas incógnitas x, y e z: Sistemas Lineares 1. (Unesp 2013) Uma coleção de artrópodes é formada por 36 exemplares, todos eles íntegros e que somam, no total da coleção, 113 pares de patas articuladas. Na coleção não há exemplares

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

Discussão de Sistemas Teorema de Rouché Capelli

Discussão de Sistemas Teorema de Rouché Capelli Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Discussão de Sistemas Teorema de Rouché Capelli Introdução: Apresentamos esse artigo para mostrar como utilizar a técnica desenvolvida a partir do Teorema

Leia mais

A ideia de coordenatização (2/2)

A ideia de coordenatização (2/2) 8 a : aula (1h) 12/10/2010 a ideia de coordenatização (2/2) 8-1 Instituto Superior Técnico 2010/11 1 o semestre Álgebra Linear 1 o ano das Lics. em Engenharia Informática e de Computadores A ideia de coordenatização

Leia mais

COMPENSAÇÃO E AJUSTAMENTO

COMPENSAÇÃO E AJUSTAMENTO COMPENSAÇÃO E AJUSTAMENTO COMPENSAÇÃO A compensação de um conjunto de medidas é um procedimento para retirar o erro sistemático do processo metrológico. O erro sistemático é determinado pela diferença

Leia mais

Conceitos Fundamentais

Conceitos Fundamentais Capítulo 1 Conceitos Fundamentais Objetivos: No final do Capítulo o aluno deve saber: 1. distinguir o uso de vetores na Física e na Matemática; 2. resolver sistema lineares pelo método de Gauss-Jordan;

Leia mais

n. 9 VERSOR_EXPRESSÃO CARTESIANA_PARALELISMO_COPLANARIDADE_ COLINEARIDADE Como o versor é um vetor unitário, temos que v = 1

n. 9 VERSOR_EXPRESSÃO CARTESIANA_PARALELISMO_COPLANARIDADE_ COLINEARIDADE Como o versor é um vetor unitário, temos que v = 1 n. 9 VERSOR_EXPRESSÃO CARTESIANA_PARALELISMO_COPLANARIDADE_ COLINEARIDADE Definição Dado um vetor u 0, chama-se versor do vetor u, um vetor unitário, paralelo e de mesmo sentido que u. Logo, se considerarmos

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares FATEC Notas de Aulas de Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares Prof Dr Ânderson Da Silva Vieira 2017 Sumário Introdução 2 1 Matrizes 3 11 Introdução 3 12 Tipos especiais de Matrizes 3 13 Operações

Leia mais

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase

36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase 36 a Olimpíada Brasileira de Matemática Nível Universitário Primeira Fase Problema 1 Turbo, o caracol, está participando de uma corrida Nos últimos 1000 mm, Turbo, que está a 1 mm por hora, se motiva e

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

Sistemas Lineares e Escalonamento

Sistemas Lineares e Escalonamento Capítulo 1 Sistemas Lineares e Escalonamento Antes de iniciarmos nos assuntos geométricos da Geometria Analítica, vamos recordar algumas técnicas sobre escalonamento de matrizes com aplicações na solução

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

n. 2 MATRIZ INVERSA (I = matriz unidade ou matriz identidade de ordem n / matriz canônica do R n ).

n. 2 MATRIZ INVERSA (I = matriz unidade ou matriz identidade de ordem n / matriz canônica do R n ). n. 2 MATRIZ INVERSA Modo : utilizando a matriz identidade Seja A uma matriz quadrada de ordem n. Dizemos que A é matriz invertível se existir uma matriz B tal que A. B = B. A = I. (I = matriz unidade ou

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Álgebra Linear. Transformações Lineares

Álgebra Linear. Transformações Lineares Álgebra Linear Transformações Lineares Fórmulas e Resumo Teórico Para fins gerais, considere V um espaço vetorial e uma transformação T: V W. Propriedades de Transformações Lineares - T é linear se: Para

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Sistemas de Numeração Prover símbolos e convenções

Leia mais

Trabalhos e Exercícios 1 de Álgebra Linear

Trabalhos e Exercícios 1 de Álgebra Linear Trabalhos e Exercícios de Álgebra Linear Fabio Iareke 30 de março de 0 Trabalhos. Mostre que se A tem uma linha nula, então AB tem uma linha nula.. Provar as propriedades abaixo:

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 04. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 04 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo para Aula 04 Aplicação de Produto Escalar - Interpretação do produto escalar

Leia mais

Transformações matriciais

Transformações matriciais Transformações matriciais A transformação Linear ou Função Linear está relacionada a Matrizes. Esse tipo de transformação de bases vetoriais ocorre tanto em seu domínio quanto em sua imagem. A matriz de

Leia mais

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação Regressão Logística Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br Graduação 1 Introdução Objetivo Encontrar o melhor modelo para descrever a relação entre variável de saída (variável dependente) e variáveis independentes

Leia mais

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92)

4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) ADL22 4.10 Solução das Equações de Estado através da Transformada de Laplace Considere a equação de estado (4.92) A transformada de Laplace fornece: (4.93) (4.94) A fim de separar X(s), substitua sx(s)

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios 1. A linha do triângulo de Pascal em que a soma dos dois primeiros elementos

Leia mais

Atividade de Recuperação- Física

Atividade de Recuperação- Física Atividade de Recuperação- Física 3º Ano- 1º Trimestre Prof. Sérgio Faro Orientação: Refazer os exemplos seguintes e resolver os demais exercícios no caderno e anotar eventuais dúvidas para esclarecimento

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À ANÁLISE MATEMÁTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range).

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). R é o conjunto dos reais; R n é o conjunto dos vetores n-dimensionais reais; Os vetores

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT

DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT DIFERENCIAÇÃO IMPLÍCITA: VISUALIZANDO AS RETAS TANGENTES E NORMAIS COM O AUXÍLIO DO WINPLOT Silmara Alexandra da Silva Vicente Universidade Presbiteriana Mackenzie Gisela Hernandes Gomes Universidade Presbiteriana

Leia mais

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica.

Texto 07 - Sistemas de Partículas. A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Texto 07 - Sistemas de Partículas Um ponto especial A figura ao lado mostra uma bola lançada por um malabarista, descrevendo uma trajetória parabólica. Porém objetos que apresentam uma geometria, diferenciada,

Leia mais

Mudança de Coordenadas

Mudança de Coordenadas Mudança de Coordenadas Reginaldo J. Santos Departamento de Matemática-ICE Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi regi@mat.ufmg.br 13 de deembro de 2001 1 Rotação e Translação

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade MATRIZES Matriz quadrada matriz quadrada de ordem. diagonal principal matriz quadrada de ordem. - 7 9 diagonal principal diagonal secundária Matriz linha e matriz coluna [ ] colunas). (linha e matriz linha

Leia mais

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas 2 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas Sumário 1 Transformação de Matrizes.............. 3 1.1

Leia mais

Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008

Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008 Gabarito da Prova de Oficinas dos Velhos Ano 2008 12 de maio de 2008 1 (a) O objetivo principal da oficina de espectroscopia é que os aprendizes aprendessem, rápido, a interpretar espectros e linhas espectrais,

Leia mais

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1)

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1) Gabarito da Prova do Nível II Primeira Questão: ANULADA- Com três algarismos distintos, formamos três números: O primeiro número é obtido ordenando-se os algarismos em ordem decrescente, da esquerda para

Leia mais

Exercícios resolvidos P2

Exercícios resolvidos P2 Exercícios resolvidos P Questão 1 Dena as funções seno hiperbólico e cosseno hiperbólico, respectivamente, por sinh(t) = et e t e cosh(t) = et + e t. (1) 1. Verique que estas funções satisfazem a seguinte

Leia mais

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática

Lista de Exercícios 4: Soluções Sequências e Indução Matemática UFMG/ICEx/DCC DCC Matemática Discreta Lista de Exercícios : Soluções Sequências e Indução Matemática Ciências Exatas & Engenharias o Semestre de 05 O conjunto dos números racionais Q é enumerável, ou seja,

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS

PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS PÓLOS NA REPRESENTAÇÃO DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Motiação e necessidade Pólos de um sistema fornecem o comportamento dinâmico do sistema tempo de resposta, frequencia natural, coeficiente de amortecimento

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1. Matrizes, determinantes e sistemas lineares

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1. Matrizes, determinantes e sistemas lineares Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência Projeto Matemática 1 Matrizes, determinantes e sistemas lineares Curitiba 2014 PLANO DE AULA DE SISTEMAS LINEARES Dados de Identificação: Instituição:

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

Organização e tratamento d. e dados

Organização e tratamento d. e dados Organização e tratamento d e dados Proposta de cadeia de tarefas para o 7.º ano - 3.º ciclo Equações Setembro de 2009 Equações Página 1 Índice Introdução Proposta de planificação Tarefas 1A Balanças 1B

Leia mais