Resposta dos Exercícios da Apostila

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resposta dos Exercícios da Apostila"

Transcrição

1 Resposta dos Exercícios da Apostila Carlos Eduardo de Brito Novaes 5 de setembro de 0 Circuitos Elétricos. Passivos a) b) V o (s) V i (s) 64s s + 96s + 400, v o ( ) v i ( ) v i ( ) 0 (v o v i para t infinito e para todo v i que se torne constante no infinito, pois a derivada é nula) V o (s) V i (s) 5s + 504s s + 504s + 00, v o ( ) v i ( ) v i ( ) 0 c) V o (s) V i (s) 0s + 004s s + 004s + 00, v o ( ) v i ( ) v i ( ) 0 Z 0, 5s , 75s , 5s Z , 05s, 5s + 0, 05s I (s) V i (s) Z + Z V o I (s) Z V i (s) Z Z + Z V o Z V i Z + Z

2 . Ativos CIRCUITOS ELÉTRICOS d) V o (s) V i (s) V o V i V o V i V o V i V o V i V o V i, 5s + 0, 05s 8, 75s, 5s , 5s 0, 05s, 5s + 0, 05s 0, 975s + (, 5s + ) (75 + 0, 5s) 0, 05s (75 + 0, 5s) (, 5s + ) (75 + 0, 5s) 0, 975s + (, 5s + ) (75 + 0, 5s) 0, 65s + 87, 75s , 975s + 0, 65s + 87, 75s , 65s + 87, 75s + 75, 565s + 87, 75s V o 0s + 004s + 00 V i 5s + 004s s s + 00, v o ( ) v i ( ) v i ( ) 0. Ativos a) b) c) d) V o (s) V i (s) R 4R C R s + R R C R s + R s + 4C C R R C s + C R R 75.8 KΩ R 0. KΩ R 47 KΩ R 4 70 KΩ R 56 KΩ R 6.6 KΩ R KΩ R KΩ R 8 KΩ R 454 KΩ R KΩ R 4.4 KΩ R. MΩ R 0 MΩ R 8 KΩ R KΩ

3 . 4 REPRESENTAÇÃO POR BLOCOS. A F.T. V o (s) V i (s) R 6 R 5 R + R 4 + R + sc R + sc R 6R 4 C (R + R ) s + sc R + R 5 R sc R + C (R + R 4 ) s + R s + s + 6R 4 R (R + R ) R 5 R R (R + R 4 ) C (R + R ) C s + R s + C R C (R + R 4 ).4.5 Provão a) I (s) b) c) V o (s) V i (s) 5s + 0 s + 00s V i (s) 00s s + 000s V o (s) V i (s) 000 s + 00s + 000, Para entrada π 0 por π 5 j com j 0, 97 0, 046j ou 0, 5 6. O módulo da Função de Transferência será 0, 5. 4 Representação por Blocos 4. Dado o diagrama de blocos abaixo, obter sua redução. (pg 68) π Hz, pois existem π rad para cada ciclo. Substituimos s 5 a) Mera aplicação da formula para este tipo de bloco com realimentação negativa. A função de transferência será: F T MF (s) G + GH onde G (s) s + s (s + ) e H (s) 0, 5s +. Assim:

4 5 RESPOSTA TEMPORAL F T MF (s) s + s (s + ) + s + s (s + ) 0, 5s + s + s (s + ) s (s + ) (0, 5s + ) + s + s (s + ) (0, 5s + ) (s + ) (0, 5s + ) s (s + ) (0, 5s + ) + s + s +, 5s + 0, 5s +, 5s + s + s + 7s + 6 s + s + 6s + 6 b) Identico ao anterior, apenas observe que a realimentação agora é positiva (equivalendo a multiplicar H por -) ou: A solução é: F T MF (s) G GH F T MF (s) 0s + 4s + 0s + 04s + 6s 7 s + 6 c) Semelhante ao resolvido em aula, desloque o ponto de conexão da entrada do bloco superior para depois do s (s + 0.4) s + 6 s (s + 6) bloco central. A nova função do bloco superior deverá ser. A solução final será: s (s + 0.4) s b) G (s) 5 Resposta Temporal F T MF (s) 65s s + 500s s s s + 440s + 608s F T MF (s) 0s + 4s + 6 0s + 59s Para os sistemas abaixo, obtenha a equação que represente c (t). Determine também a constante de tempo, o tempo de subida e o tempo de acomodação para cada caso. (pg 88) Ambos são sistemas de primeira ordem. a) Polo em s 5, a constante de tempo é 5 0, seg. O tempo de subida é t r, 5 a 98% é t s 4 0, 8seg. 5 0, 44seg e o tempo de acomodação a) Polo em s 0, a constante de tempo é 0 0, 05seg. O tempo de subida é t r, 0 acomodação a 98% é t s seg. 0, seg e o tempo de 4

5 5. Ex do livro Ogata (pg 88 da apostila) 5 RESPOSTA TEMPORAL 5. Ex do livro Ogata (pg 88 da apostila) a) Acomodação a 98%, t s min 60seg 4 a. a e portanto, a constante de tempo é 5seg Respostas ao degrau (pg 88) a) É um sistema de primeira ordem (sem oscilação ou sobresinal, e além disso, a partida é imediata). O sistema atinge valor máximo de e 6% deste valor em aproximadamente 6 segundos, que é então a constante de tempo. A função de transferência é: G (s) 6s + b) É um sistema de segunda ordem, atinge o valor final de e tem um pico de aproximadamente, (0%0, de sobresinal) em aproximadamente 5 segundos. t p 5 π ω d ω d, 4 5 0, 09 ζ ln (0, ) ln (0, ) + π 5, 09 5, 75 0, 59 ζ 0, 8066 ω n ω d ζ 0, 595 G (s) ω n s + ζω n s + ωn 0, 067 s s + 0, 067 c) Idêntico ao anterior, com valor máximo de,4 em aproximadamente segundos. O valor final é e portanto o sobresinal,, 4 é de 40%. d) Imediatamente percebe-se que o sistema entra em oscilação com amplitude constante, portanto, não há amortecimento e ζ 0. O valor médio é e o sobresinal é de 00%. Observamos aproximadamente 7,5 ciclos em 50 segundos, portanto a frequencia em Hz é: 5

6 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE ω d 7, , 5Hz ω d π 7, , 945 rad seg ζ 0 ω n ω d G (s) ω n s + ζω n s + ωn 0, 888 s + 0, Critério de Estabilidade 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6.. F (s) s 5 + s 4 + 5s + 4s + 6s Imediatamente verificamos a existencia de um polo na origem. Podemos prosseguir o arranjo de Routh eliminando este polo pois: F (s) s 5 + s 4 + 5s + 4s + 6s s (s 4 + s + 5s + 4s + 6) }{{} s s 4 + s + 5s + 4s + 6 }{{} polo na origem demais polos Então: s 4 : s : s : b b 0 0 s : c s 0 : d Calculando a linha dos coeficientes b: ( ) 5 4 b ( ) 6 0 b 6 ( 4 5 ) (4 0) 6

7 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE Calculando a linha dos coeficientes c: ( ) 4 6 c ( ) 0 0 c 0 s 4 : s : s : s : c s 0 : d ( 6 4 ) ( ) O coeficiente c resultou nulo, substituindo por um valor positivo e muito pequeno: 0 Calculando a linha dos coeficientes d: s 4 : s : s : s : s 0 : d d ( 6 0 ) 6 observamos então que a primeira coluna é: s 4 : s : s : s : s 0 : Não apresentando troca de sinal. Portanto as raízes de s 4 +s +5s +4s+6 não estão localizadas no SPD. Entretanto, se variarmos, tornando-o um número negativo mas ainda muito pequeno, ocorreriam duas trocas de sinal e portanto existiriam duas raízes no SPD. Para este caso, podemos concluir que duas das raízes de s 4 + s + 5s + 4s + 6 estão localizadas exatamente sobre o eixo jω. O denominador original é s 5 + s 4 + 5s + 4s + 6s s ( s 4 + s + 5s + 4s + 6 ), portanto possui as mesmas raízes já avaliada e mais uma raíz na origem. Nossa conclusão final para a função de transferência é: A função de transferência F (s) possui um polo na origem, dois polos sobre o eixo jω e os demais dois polos estão localizadas no SPE. De fato, utilizando o software MATLAB para obter os polos desta função de transferência encontramos: 7

8 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE > roots ([ ]) comprovando a avaliação que realizamos. 6.. F (s) Fazendo o arranjo de Routh: s 4 + s + 5s + 5s + Calculando a linha dos coeficientes b: s 0 s +.44j s.44j s j s 0.44j s 4 : 5 0 s : s : b b 0 0 s : c s 0 : d ( ) 5 5 ( 5 5 ) b ( ) 0 b O coeficiente b resultou nulo. Substituimos por um valor muito pequeno Calculando a linha dos coeficientes c: ( ) 5 c ( ) 0 0 c 0 s 4 : 5 0 s : s : 0 0 s : c s 0 : d ( 5 ) s 4 : 5 0 s : s : 0 0 s : s 0 : d ( 5) (5 5)

9 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE Por fim, o coeficiente d será Neste caso, a primeira coluna será: s 4 : 5 0 s : s : 0 0 s : s 0 : Avaliando para um valor positivo mas muito pequeno de teremos: }{{} 5 >0 }{{} tende a verificamos duas trocas de sinal, indicando que existem duas raízes no SPD. Se tentamos a análise com um negativo e muito pequeno, encontramos: }{{} 5 <0 }{{} tende a + Novamente encontramos duas trocas de sinal e portanto duas raízes no SPD. Como o resulltado não se altera para positivo ou negativo, então concluímos que não existem raízes sobre o eixo jω. A função de transferência F (s) s 4 + s + 5s possui dois polos no SPD, e os demais dois polos estão localizadas + 5s + no SPE. De fato, utilizando o software MATLAB para obter os polos desta função de transferência encontramos: > roots ([ 5 5 ]) comprovando a avaliação que realizamos. 6.. F (s) Fazendo o arranjo de Routh: s 4 + s + 5s + s + 4 s j s j s j s j s 4 : s : 0 0 s : b b 0 0 s : c s 0 : d

10 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE Calculando a linha dos coeficientes b: ( ) 5 b ( ) 4 0 b 4 ( 5 ) ( 5) Calculando a linha dos coeficientes c: ( ) 4 c ( ) 0 0 c 0 s 4 : s : 0 0 s : s : c s 0 : d ( 4 ) (4 6) E calculando o coeficiente d s 4 : s : 0 0 s : s : s 0 : d s 4 : s : 0 0 s : s : s 0 : Não existem trocas de sinal na primeira coluna e portanto, todas as raízes estão localizadas no SPE. O software matlab nos retorna os seguintes polos para a função de transferência F (s) s 4 + s + 5s + s + 4 > roots ([ 5 4 ]) s j s j s j s j 0

11 6. Determine o número de polos no SPD, no SPE e sobre o eixo jω (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE 6..4 F (s) s 4 + s + s + 0, 5 Fazendo o arranjo de Routh: Calculando a linha dos coeficientes b s 4 : 0 0, 5 0 s : 0 0 s : b b 0 0 s : c s 0 : d Calculando a linha dos coeficientes c s 4 : 0 0, 5 0 s : 0 0 s : 0, s : c s 0 : d Calculando a linha dos coeficientes d s 4 : 0 0, 5 0 s : 0 0 s : 0, s :, s 0 : d s 4 : 0 0, 5 0 s : 0 0 s : 0, s :, s 0 : 0, Verificamos duas trocas de sinal na primeira coluna e portanto, a função de transferência tem dois polos no SPD e os demais dois polos restantes estão no SPE. O software MATLAB nos informa os seguintes polos: > roots ([ ]) 6..5 F (s) Fazendo o arranjo de Routh: s 4 + s + s + s + 5 s.467 s j s j s s 4 : 5 0 s : 0 0 s : b b 0 0 s : c s 0 : d 0 0 0

12 6. Determine a faixa de valores K que garante a estabilidade (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE Calculando a linha dos coeficientes b Calculando a linha dos coeficientes c s 4 : 5 0 s : 0 0 s : s : c s 0 : d Calculando a linha dos coeficientes d s 4 : 5 0 s : 0 0 s : s : s 0 : d s 4 : 5 0 s : 0 0 s : s : s 0 : Ocorrem duas trocas de sinal na primeira coluna. Portanto, a função de transferência possui dois polos no SPD e os restantes dois polos estão localizados no SPE. Os polos informados pelo software MATLAB são: > roots ([ 5 ]) s.5 +.0j s.5 +.0j s j s 0.5.0j 6. Determine a faixa de valores K que garante a estabilidade (pg 0) 6.. Item a) A função de transferência simplificada (utilizando álgebra de blocos) é: Utilizando o arranjo de Routh F (s) K s 4 + 9s + 6s + 4s + K s 4 : 6 K 0 s : s : 70 K 0 0 s : 4 97K s 0 : K 0 0 0

13 6. Determine a faixa de valores K que garante a estabilidade (pg 0) 6 CRITÉRIO DE ESTABILIDADE As condições para estabilidade são: e: 4 97K 5 > 0 97K 5 > 4 97K 5 < 4 K < K <, 88 K > 0 K > 0 Conclui-se que o sistema em malha fechada sera estável para 0 < K <, Item b) A função de transferência de malha fechada, simplificada (utilizando álgebra de blocos) é: Utilizando o arranjo de Routh F (s) 4s + (K + 4) s + K s + s + s + K s : 0 0 s : K 0 0 s : K s 0 : K E para garantir a estabilidade, 0 < K < 6.. Item c) A função de transferência de malha fechada, simplificada (utilizando álgebra de blocos) é: F (s) Ks + Ks + K s + s + (K + ) s K Utilizando o arranjo de Routh s : K s : K 0 0 s K : s 0 : K E para garantir a estabilidade: < K < 0. Note que para este sistema ser estável, K deve ser negativo.

14 7 ERRO DE ESTADO ESTACIONÁRIO 6..4 Item d) A função de transferência de malha fechada, simplificada (utilizando álgebra de blocos) é: Utilizando o arranjo de Routh F (s) Ks + Ks + 0K (K + ) s + (K + 4) s + (0K + 40) s + 0K s : K + 0K s : K + 4 0K 0 0 s 0K + 0K : K + 4 s 0 : 0K As condições serão: 0K > 0 K > 0 e, K + > 0 K > e, K + 4 > 0 K > 4 K >.88 e finalmente: 0K + 0K K + 4 o numerador desta inequação é uma parábola com concavidade voltada para cima. Calculando suas raízes, verificamos que para 6, 4556 < K < , o numerador é negativo. como já verificamos antes que K > 0, tanto o numerador quanto o denominador desta última inequação serão sempre positivos. A condição para garantir a estabilidade é K > 0. 7 Erro de Estado Estacionário 7. Exercício (pg 9) > 0 Em malha fechada e com realimentação unitária e negativa, o sistema é estável. Então: K p K v 5, 89 K a 0 4

15 7. Exercício (pg 9) 7 ERRO DE ESTADO ESTACIONÁRIO No domínio de Laplace, temos: 5u (t) 7tu (t) 47t u (t) O erro ao degrau será nulo. L 5 degrau de amplitude 5 s L 7 rampa de amplitude 7 s L 94 s parábola de amplitude 94, observe que a transformada de Laplace de t vale s O erro à rampa será erro % K v será erro abs 7 7 0, 0694 K v 5, 89 O erro à parábola será infinito. 7. Exercício (pg 9) 0, 009 ou 0, 9%. Considerando uma rampa 7tu (t), o erro absoluto 5, 89 Em malha fechada e com realimentação unitária e negativa, o sistema é estável. Então: K p K v K a 64 A entrada 0t u (t), no domínio de Laplace é representada por: O erro para a parábola unitária será: 0t u (t) L 60 parábola de amplitude 60 s Ou para a parábola 0t u (t), o erro absoluto será: erro % K a 64 0, 056, 56% erro abs , 975 5

16 7.. 7 ERRO DE ESTADO ESTACIONÁRIO Exercício 0 Projetar K para que o erro de estado estacionário para uma entrada 00tu (t) seja 0,0 (Note que o texto da apostila esta incorreto, a entrada proposta é na realidade 00tu (t)) Utilizando álgebra de blocos: Pela simplificação de blocos, observamos que equivale a um sistema do tipo, com função de transferência de malha K aberta dada por G (s) s + s K e que será estável para qualquer K > 0. Neste caso, para uma entrada do s (s + ) tipo degrau o erro de estado estacionário é sempre nulo. 6

17 7.0 Exercício 0 7 ERRO DE ESTADO ESTACIONÁRIO Considerando uma entrada do tipo rampa com amplitude 00, 00t u (t), podemos calcular a constante de erro estático de velocidade: desejamos que o erro absoluto seja 0, 0, portanto: K v lim s 0 sg (s) K lim s 0 s + K erro abs 00 K v 0, 0 00 K v 00 K K 00 0,

Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz

Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz Critério de Estabilidade: Routh-Hurwitz O Critério de Nyquist foi apresentado anteriormente para determinar a estabilidade de um sistema em malha fechada analisando-se sua função de transferência em malha

Leia mais

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema

4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema ADL17 4.1 Pólos, Zeros e Resposta do Sistema A resposta de saída de um sistema é a soma de duas respostas: a resposta forçada e a resposta natural. Embora diversas técnicas, como a solução de equações

Leia mais

Compensadores: projeto no domínio da

Compensadores: projeto no domínio da Compensadores: projeto no domínio da frequência Relembrando o conteúdo das aulas anteriores: o Compensador (também conhecido como Controlador) tem o objetivo de compensar características ruins do sistema

Leia mais

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro 2012. 1 / 48 Resumo 1 Introdução 2 Diagramas de Bode 3

Leia mais

Conteúdo. Definições básicas;

Conteúdo. Definições básicas; Conteúdo Definições básicas; Caracterização de Sistemas Dinâmicos; Caracterização dinâmica de conversores cc-cc; Controle Clássico x Controle Moderno; Campus Sobral 2 Engenharia de Controle Definições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES A função de transferência do circuito abaixo em malha fechada é: F(s) = C(s) = G(s)

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14 Sumário CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 Sistemas de controle 1 1.2 Exemplos de sistemas de controle 2 1.3 Sistemas de controle de malha aberta e malha fechada 3 1.4 Realimentação 3 1.5 Características da realimentação

Leia mais

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10)

EES-49/2012 Resolução da Prova 3. 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) EES-49/2012 Resolução da Prova 3 1 Dada a seguinte função de transferência em malha aberta: ( s 10) Gs () ss ( 10) a) Esboce o diagrama de Nyquist e analise a estabilidade do sistema em malha fechada com

Leia mais

ADL Sistemas de Segunda Ordem Subamortecidos

ADL Sistemas de Segunda Ordem Subamortecidos ADL19 4.6 Sistemas de Segunda Ordem Subamortecidos Resposta ao degrau do sistema de segunda ordem genérico da Eq. (4.22). Transformada da resposta, C(s): (4.26) Expandindo-se em frações parciais, (4.27)

Leia mais

Um resumo das regras gerais para a construção do lugar das raízes p. 1/43. Newton Maruyama

Um resumo das regras gerais para a construção do lugar das raízes p. 1/43. Newton Maruyama Um resumo das regras gerais para a construção do lugar das raízes p. 1/43 Um resumo das regras gerais para a construção do lugar das raízes Newton Maruyama Um resumo das regras gerais para a construção

Leia mais

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1

UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 UNIFEI - UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROVA DE CÁLCULO 1 PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - 16/10/2016 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 1.

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Fundamentos de Controlo

Fundamentos de Controlo Fundamentos de Controlo 4 a Série Root-locus: traçado, análise e projecto. S4.1 Exercícios Resolvidos P4.1 Considere o sistema de controlo com retroacção unitária representado na Figura 1 em que G(s) =

Leia mais

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA

RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA RESPOSTA EM FREQUÊNCIA: CONTROLADOR AVANÇO E ATRASO DE FASE (LEAD-LAG) OGATA CCL Profa. Mariana Cavalca Retirado de OGATA, Katsuhiko. Engenharia de controle moderno. 1. ed. Rio de Janeiro: Prentice Hall,

Leia mais

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada

Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada 107484 Controle de Processos Aula: Sistema em malha fechada Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti (UnB) Controle

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Questões para Revisão Controle

Questões para Revisão Controle Questões para Revisão Controle 1. (PROVÃO-1999)A Figura 1 apresenta o diagrama de blocos de um sistema de controle, e a Figura 2, o seu lugar das raízes para K > 0. Com base nas duas figuras, resolva os

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Método da Resposta da Freqüência

Método da Resposta da Freqüência Método da Resposta da Freqüência Introdução; Gráfico de Resposta de Freqüência; Medidas de Resposta de Freqüência; Especificação de Desempenho no Domínio da Freqüência; Diagrama Logarítmicos e de Magnitude

Leia mais

Aula 12 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte II

Aula 12 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte II Aula 12 Root Locus LGR (Lugar Geométrico das Raízes) parte II Recapitulando (da parte I): Sistema de malha fechada K O Root Locus é o lugar geométrico dos polos do sistema de malha fechada, quando K varia.

Leia mais

O método do lugar das raízes

O método do lugar das raízes Capítulo 4 O método do lugar das raízes 4.1 Introdução Neste capítulo é apresentado o método do lugar das raízes, que consiste basicamente em levantar a localização dos pólos de um sistema em malha fechada

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais Especificações de Desempenho de Sistemas de Controle Discreto Introdução

Leia mais

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase

CAPÍTULO Compensação via Compensador de Avanço de Fase CAPÍTULO 8 Projeto no Domínio da Freqüência 8.1 Introdução Este capítulo aborda o projeto de controladores usando o domínio da freqüência. As caracteristicas de resposta em freqüência dos diversos controladores,

Leia mais

Diagramas de Bode. Sandra Mara Torres Müller

Diagramas de Bode. Sandra Mara Torres Müller Diagramas de Bode Sandra Mara Torres Müller Introdução Os diagramas de Bode são construções gráficas que permitem esboçar a resposta de frequência de um circuito Geralmente são usados quando a distância

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva 1. K. Ogata: Engenharia de Controle Moderno, 5 Ed., Pearson, 2011 2.

Leia mais

O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir:

O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir: Sistemas e Sinais O processo de filtragem de sinais pode ser realizado digitalmente, na forma esquematizada pelo diagrama apresentado a seguir: 1 Sistemas e Sinais O bloco conversor A/D converte o sinal

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Estudos e Analogias de modelos de funções de transferências. Prof. Edgar Brito Introdução Os sistemas elétricos são componentes essenciais de muitos sistemas

Leia mais

Diagrama de Lugar das Raízes (Root-Locus)

Diagrama de Lugar das Raízes (Root-Locus) Diagrama de Lugar das Raízes (Root-Locus) Carlos Eduardo de Brito Novaes carlos.novaes@aedu.com http://professorcarlosnovaes.wordpress.com 8 de outubro de 202 Introdução O diagrama do lugar das raízes

Leia mais

Aula 04 Representação de Sistemas

Aula 04 Representação de Sistemas Aula 04 Representação de Sistemas Relação entre: Função de Transferência Transformada Laplace da saída y(t) - Transformada Laplace da entrada x(t) considerando condições iniciais nulas. Pierre Simon Laplace,

Leia mais

Fundamentos de Controlo

Fundamentos de Controlo Fundamentos de Controlo 5 a Série Análise no Domínio da Frequência: Diagrama de Bode e Critério de Nyquist. S5. Exercícios Resolvidos P5. Considere o SLIT causal cujo mapa polos/zeros se representa na

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

5 a LISTA DE EXERCÍCIOS

5 a LISTA DE EXERCÍCIOS 5 a LITA DE EXERCÍCIO ) A ação de controle proporcionalderivativo só apresenta influência durante o regime permanente não tendo nenhum efeito durante os transitórios do sistema. Responda se a afirmação

Leia mais

O Papel dos Pólos e Zeros

O Papel dos Pólos e Zeros Departamento de Engenharia Mecatrônica - EPUSP 27 de setembro de 2007 1 Expansão em frações parciais 2 3 4 Suponha a seguinte função de transferência: m l=1 G(s) = (s + z l) q i=1(s + z i )(s + p m ),

Leia mais

Sistemas e Sinais (LEE & LETI)

Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Sistemas e Sinais (LEE & LETI) Laboratório nº 3: Sistemas Contínuos Modelo de Estado e Função de Transferência Preparado por Isabel Lourtie pfpfpf Trabalho Experimental pfpfpf Grupo nº Turno Nº Nome: Nº

Leia mais

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara FUNDAMENTOS DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 6 Redução de diagrama de blocos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Prof. Marcio Kimpara 2 Sistemas de primeira ordem Existem casos

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z

Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z Análise de Sistemas em Tempo Discreto usando a Transformada Z Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco

Leia mais

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 fevereiro 03 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 0

Leia mais

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional

Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Lab. Eletrônica: Oscilador senoidal usando amplificador operacional Prof. Marcos Augusto Stemmer 27 de abril de 206 Introdução teórica: Fasores Circuitos contendo capacitores ou indutores são resolvidos

Leia mais

ERRO EM REGIME PERMANENTE

ERRO EM REGIME PERMANENTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ERRO EM REGIME PERMANENTE Inicialmente veja o sistema realimentado mostrado na figura

Leia mais

6 Controlador de Estado

6 Controlador de Estado 6 Controlador de Estado Apresenta-se a seguir o método para implementação do sistema de controle por estados (Ogata, 1990). Considera-se agora o sistema representado em sua forma de estado: (25) cujo o

Leia mais

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação)

Capítulo 3. Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação) DINÂMICA DE SISTEMAS BIOLÓGICOS E FISIOLÓGICOS Capítulo 3 Função de transferência e dinâmicas dos sistemas (Parte D, continuação) Juntando agora os três casos numa só figura, A resposta y(t) classifica-se

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência 1. Estabilidade relativa e o critério de Nyquist: margens de ganho e fase 2. Critérios de desempenho especificados no domínio da freqüência Resposta em freqüência

Leia mais

Exercício. Alexandre Bernardino IST-Secção de Sistemas e Controlo

Exercício. Alexandre Bernardino IST-Secção de Sistemas e Controlo 1 Exercício Calcular os polinómios R,S,T de um controlador discreto com acção integral para um sistema do tipo integrador duplo. Faça o período de amostragem igual a 0.5 s. Coloque os polos desejados para

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ1- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge Informação Papel Bode 1 3 Papel

Leia mais

Estabilidade no Domínio da Freqüência

Estabilidade no Domínio da Freqüência Estabilidade no Domínio da Freqüência Introdução; Mapeamento de Contornos no Plano s; Critério de Nyquist; Estabilidade Relativa; Critério de Desempenho no Domínio do Tempo Especificado no Domínio da Freqüência;

Leia mais

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID)

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Sistemas Realimentados Regulação e Tipo de sistema: Entrada de referência Entrada de distúrbio Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Fernando

Leia mais

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Erros de Estado Estacionário Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Projeto e análise de sistemas de controle: Resposta de Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário (ou Permanente) Diferença entre

Leia mais

CAP. 2 RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA

CAP. 2 RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA CAP. 2 RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA 1 2.1 PÓLOS, ZEROS E CURVAS DE BODE Função de transferência no domínio s: T s V o s V i s T s a m sm a m 1 s m 1 a 0 b n s n b n 1 s n 1 b 0 Coeficientes a, b são reais m

Leia mais

MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS (MEF)

MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS (MEF) 3 0 Exercício Programa de PMR 2420 Data de entrega: 17/06/2013 (até as 17:00hs) MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS (MEF) 1) Considere a estrutura da figura abaixo sujeita a duas cargas concentradas F 3 (t) e

Leia mais

2ª Avaliação - Controle Automático II (CTR 03) Prof. Accacio

2ª Avaliação - Controle Automático II (CTR 03) Prof. Accacio Data de Entrega do relatório e apresentação do trabalho: 06/05/2017 Pontuação da atividade: 30pts Objetivo - Projetar um Controlador para o sistema de estudo (sorteado) através dos Métodos do Lugar das

Leia mais

Estados Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Laboratório Resumo Experimentos da Modelagem no Espaço dos Estados

Estados Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Laboratório Resumo Experimentos da Modelagem no Espaço dos Estados Pontifícia Universidade Católica de Goiás Espaço dos Escola de Engenharia ENG 3503 Sistemas de Controle Estados Prof: Marcos Lajovic Carneiro Aluno (a): Laboratório Resumo Experimentos da Modelagem no

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores com ponte de Wien.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores com ponte de Wien. 6 Oscilador Capítulo com Ponte de Wien Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores com ponte de Wien. objetivos Entender o princípio de funcionamento de um oscilador com ponte

Leia mais

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos

Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Controle de Processos: Solução analítica de sistemas lineares dinâmicos Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo

Leia mais

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I Professor José Paulo Vilela Soares da Cunha 12 de abril de 2013 Identificação UERJ Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e Telecomunicações

Leia mais

LUDMILLA REIS PINHEIRO DOS SANTOS

LUDMILLA REIS PINHEIRO DOS SANTOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO TÉCNICAS DE PROJETO DE SISTEMAS DE CONTROLE LUDMILLA REIS PINHEIRO DOS SANTOS DEZEMBRO 2008 UNIVERSIDADE

Leia mais

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Leonardo Henrique Gonsioroski UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Definições Um sistema que estabeleça

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Aplicações: Desbalanceamento Rotativo Excitação da Base Isolamento de Vibrações

Aplicações: Desbalanceamento Rotativo Excitação da Base Isolamento de Vibrações 1 17 Aplicações: Desbalanceamento Rotativo Excitação da Base Isolamento de Vibrações 1 INTRODUÇÃO A vibração pode ser um fenômeno desejável ou indesejável. Em certos situações, como no caso de britadoras,

Leia mais

Matemática A Extensivo V. 6

Matemática A Extensivo V. 6 Etensivo V. 6 Eercícios ) C A função que descreve o custo com a primeira locadora é dada por: f () =, + em que é a quantidade de quilômetro rodado. Função que descreve o custo com a segunda locadora: f

Leia mais

Prof. Dr.-Ing. João Paulo C. Lustosa da Costa. Universidade de Brasília (UnB) Departamento de Engenharia Elétrica (ENE)

Prof. Dr.-Ing. João Paulo C. Lustosa da Costa. Universidade de Brasília (UnB) Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Circuitos Elétricos 2 Circuitos Elétricos Aplicados Prof. Dr.-Ing. João Paulo C. Lustosa da Costa (UnB) Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Caixa Postal 4386 CEP 70.919-970, Brasília - DF Homepage:

Leia mais

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I

Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I Planejamento da Disciplina Controle e Servomecanismos I 6 de setembro de 2010 Identificação UERJ Faculdade de Engenharia Departamento de Eletrônica e Telecomunicações Assunto: Planejamento para a disciplina

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015

Circuitos Elétricos I EEL420 16/04/2015 Circuitos Elétricos I EE420 16/04/2015 Nome: 1) COOQUE SEU NOME E NUMERE AS FOHAS DOS CADERNOS DE RESPOSTA 2) RESPONDA AS QUESTÕES EM ORDEM UTIIZANDO ATÉ 2 PÁGINAS POR QUESTÃO (NO MÁXIMO 3) 3) REDESENHE

Leia mais

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS

ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS ANÁLISE DE SINAIS DINÂMICOS Paulo S. Varoto 7 . - Classificação de Sinais Sinais dinâmicos são geralmente classificados como deterministicos e aleatórios, como mostra a figura abaixo: Periódicos Determinísticos

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

Transformada de Laplace

Transformada de Laplace Transformada de aplace Nas aulas anteriores foi visto que as ferramentas matemáticas de Fourier (série e transformadas) são de extrema importância na análise de sinais e de sistemas IT. Isto deve-se ao

Leia mais

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS CAPÍTULO V I APLICAÇÕES DOS AMPLIFICADORES OPERACIONAIS Neste capítulo, o objetivo é o estudo das aplicações com os Amplificadores Operacionais realizando funções matemáticas. Como integração, diferenciação,

Leia mais

Experiência 3. Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro. 1-Introdução. 2-Modelo do processo

Experiência 3. Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro. 1-Introdução. 2-Modelo do processo Experiência 3 Identificação de motor de corrente contínua com tacômetro Autores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é levantar o modelo dinâmico do conjunto atuador e motor

Leia mais

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência

Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Projeto de Compensadores no Domínio da Frequência Maio de 214 Loop Shaping I No projeto de compensadores no domínio da frequência, parte-se do pressuposto de que o sistema a ser controlado pode ser representado

Leia mais

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas

Controle de Sistemas Dinâmicos. Informações básicas Controle de Sistemas Dinâmicos Informações básicas Endereço com material http://sites.google.com/site/disciplinasrgvm/ Ementa Modelagem de Sistemas de Controle; Sistemas em Malha Aberta e em Malha Fechada;

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG04037 Sistemas de Controle Digitais Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica ENG437 Sistemas de Controle Digitais Projeto de Controladores Digitais no Planoz Utilizando Lugar das

Leia mais

Derivadas Parciais Capítulo 14

Derivadas Parciais Capítulo 14 Derivadas Parciais Capítulo 14 DERIVADAS PARCIAIS Como vimos no Capítulo 4, no Volume I, um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. DERIVADAS PARCIAIS 14.7

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

13 Funções de Teste. Simulação no VisSim 1 INTRODUÇÃO 2 IMPULSO UNITÁRIO (DELTA DE DIRAC)

13 Funções de Teste. Simulação no VisSim 1 INTRODUÇÃO 2 IMPULSO UNITÁRIO (DELTA DE DIRAC) Funções de Teste. Simulção no VisSim 1 13 Funções de Teste Simulação no VisSim 1 INTRODUÇÃO As funções de teste formam a base para a análise e a simulação de sistemas lineares no domínio do tempo e são

Leia mais

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II

1ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II ā lista de exercícios de Sistemas de Controle II Obtenha uma representação em espaço de estados para o sistema da figura R(s) + E(s) s + z U(s) K Y (s) s + p s(s + a) Figura : Diagrama de blocos do exercício

Leia mais

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada

Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada 1. OBJETIVO Experimento 9 Circuitos RL em corrente alternada O objetivo desta aula é estudar o comportamento de circuitos RL em presença de uma fonte de alimentação de corrente alternada. 2. MATERIAL UTILIZADO

Leia mais

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes

Experiência 2. Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das Raízes Experiência 2 Controle de Motor de Corrente Contínua com Tacômetro usando Lugar Geométrico das aízes Professores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é realizar o controle

Leia mais

Capítulo 4 Ohmímetros

Capítulo 4 Ohmímetros Capítulo 4 Ohmímetros 4.1. Introdução Dá-se o nome de ohmímetro ao instrumento capaz de medir o valor de resistências. O ohmímetro também é construído a partir de um galvanômetro de bobina móvel e pode

Leia mais

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas

Aula 3. Circuitos Complexos via Método das Malhas. Função de transferência múltiplas malhas 2 Aula 3 Circuitos Complexos via Método das Malhas 1. Substituir todos os valores dos elementos passivos por suas impedâncias. 2. Substituir todas as fontes e todas as variáveis no domínio do tempo pelas

Leia mais

Circuitos Elétricos I EEL420

Circuitos Elétricos I EEL420 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto circuito...2

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra. Análise e Processamento de Bio-Sinais - MIEBM

Licenciatura em Engenharia Biomédica. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade de Coimbra. Análise e Processamento de Bio-Sinais - MIEBM Licenciatura em Engenharia Biomédica Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide Slide 1 1 Tópicos: Representações de Fourier de Sinais Compostos Introdução Transformada de Fourier de Sinais Periódicos Convolução

Leia mais

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano

Função de 2º Grau. Parábola: formas geométricas no cotidiano 1 Função de 2º Grau Parábola: formas geométricas no cotidiano Toda função estabelecida pela lei de formação f(x) = ax² + bx + c, com a, b e c números reais e a 0, é denominada função do 2º grau. Generalizando

Leia mais

Conversores Estáticos

Conversores Estáticos Conversores Estáticos Circuitos Retificadores Monofásicos 08/03/2009 www.corradi.junior.nom.br Sinal Senoidal Os circuitos eletrônicos podem trabalhar com tensões e correntes continuas e alternadas. Um

Leia mais

Diagramas de Bode. Introdução

Diagramas de Bode. Introdução Diagramas de Bode Introdução Sistemas e Sinais Diagramas de Bode Escala Logarítmica de Amplitude Escala Logarítmica de Frequência Análise dos Termos das Funções de Resposta em Frequência Composição do

Leia mais

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof.

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof. Objetivos: CONTROLE Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação Engenharia da Computação T7013A Programa da disciplina 2 o Semestre de 2008 Prof. Valdemir Carrara Conteúdo da disciplina

Leia mais

TRANSFORMADA Z. A transformada Z de um sinal x(n) é definida como a série de potências: Onde z é uma variável complexa e pode ser indicada como.

TRANSFORMADA Z. A transformada Z de um sinal x(n) é definida como a série de potências: Onde z é uma variável complexa e pode ser indicada como. TRANSFORMADA Z A transformada Z (TZ) tem o mesmo papel, para a análise de sinais e sistemas discretos LTI, que a transformada de Laplace na análise de sinais e sistemas nos sistemas contínuos do mesmo

Leia mais

Técnicas de Desenho de Filtros Digitais

Técnicas de Desenho de Filtros Digitais Técnicas de Desenho de Filtros Digitais Luís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Técnicas de Desenho de Filtros Digitais p1/38 Resumo Desenho de filtros discretos com base em filtros

Leia mais

Prof. Neckel. Capítulo 5. Aceleração média 23/03/2016 ACELERAÇÃO. É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = =

Prof. Neckel. Capítulo 5. Aceleração média 23/03/2016 ACELERAÇÃO. É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = = Capítulo 5 ACELERAÇÃO Aceleração média É a taxa média de variação de velocidade em determinado intervalo de tempo = = Se > >0 <

Leia mais

Eletromagnetismo Aplicado Propagação de Ondas Guiadas Linhas de Transmissão - 2/3

Eletromagnetismo Aplicado Propagação de Ondas Guiadas Linhas de Transmissão - 2/3 Eletromagnetismo Aplicado Propagação de Ondas Guiadas Linhas de Transmissão - 2/3 Heric Dênis Farias hericdf@gmail.com PROPAGAÇÃO DE ONDAS GUIADAS - LINHAS DE TRANSMISSÃO 2/3 Impedância de Entrada; Coeficiente

Leia mais

SISTEMAS REALIMENTADOS

SISTEMAS REALIMENTADOS SISTEMAS REALIMENTADOS Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Projeto de Sistemas de Controle pelo LDR Consiste em inserir pólos e zeros, na forma de um compensador,

Leia mais

Métodos de Resposta em Freqüência

Métodos de Resposta em Freqüência Métodos de Resposta em Freqüência. Exemplo de projeto: sistema de controle de uma máquina de inscultura 2. MATLAB 3. Exemplo de Projeto Seqüencial: sistema de leitura de um drive 4. Diagramas de Bode de

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Módulo 7: Correlação e Regressão Linear Simples Introdução Coeficientes de Correlação entre duas Variáveis Coeficiente de Correlação Linear Introdução. Regressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO. Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL APOSTILA DE CÁLCULO Realização: Fortaleza, Fevereiro/2010 1. LIMITES 1.1. Definição Geral Se os valores de f(x) puderem

Leia mais

Processamento Digital de Sinais - ENG420

Processamento Digital de Sinais - ENG420 Processamento Digital de Sinais - ENG420 Fabrício Simões IFBA 24 de setembro de 2016 Fabrício Simões (IFBA) Processamento Digital de Sinais - ENG420 24 de setembro de 2016 1 / 19 1 Transformada Z - Conceito

Leia mais

1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C

1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C 1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C 1 e C 2, tracionadas por forças diferentes, nas quais se propagam ondas. Durante uma aula, estudantes

Leia mais

Amplificador Operacional OTA Miller

Amplificador Operacional OTA Miller Amplificador de 2 Estágios Amplificador Operacional OTA Miller O que é um Amplificador Operacional? O OPAMP é um amplificador de alto ganho, acoplado em DC projetado para operar em realimentação negativa

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS

FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS FOLHAS DE PROBLEMAS DE MATEMÁTICA II CURSO DE ERGONOMIA PEDRO FREITAS Maio 12, 2008 2 Contents 1. Complementos de Álgebra Linear 3 1.1. Determinantes 3 1.2. Valores e vectores próprios 5 2. Análise em

Leia mais

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET.

CIRCUITO AUTOPOLARIZAÇÃO Análise do modelo equivalente para o circuito amplificador em autopolarização a JFET. MÓDULO 6: RESPOSTA EM FREQÜÊNCIA DO AMPLIFICADOR DE PEQUENOS SINAIS A JFET. 1. Introdução: O circuito amplificador de sinal a JFET possui ganho alto, uma impedância alta de entrada e ampla faixa de resposta

Leia mais

Introdução aos Circuitos Elétricos

Introdução aos Circuitos Elétricos Introdução aos Circuitos Elétricos A Transformada de Laplace Prof. Roberto Alves Braga Jr. Prof. Bruno Henrique Groenner Barbosa UFLA - Departamento de Engenharia A Transformada de Laplace História Pierri

Leia mais