Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo"

Transcrição

1 Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo A temática da aula será sobre a temática do percurso do bolo alimentar, desde a boca até ao ânus. Assim no tubo digestivo, temos um epitélio, a mucosa que recobre o interior onde se efectua a absorção e uma submucosa por onde ocorre a vascularização do tubo digestivo e em volta, uma camada muscular, interna circular e uma outra, externa, longitudinal. Estas camadas musculares são assim as responsáveis pela movimentação do tubo digestivo. Chama-se assim à atenção para os plexos intrínsecos do intestino, ou seja, o tubo digestivo possui uma enervação própria Sistema Nervoso Entérico (SNE) o qual é responsável, conjuntamente com o SNC, pela regulação da maior parte dos movimentos do tubo digestivo. Assim, temos sempre uma cooperação entre o Sistema Nervoso Entérico (com n.º de neurónios semelhante ao da medula, 10 8 ) e o Sistema Nervoso Autónomo, que em conjunto vão actuar nos vários componentes do tubo digestivo. Nos vários passos da motilidade, Mastigação, importante pelo: - Fraccionamento dos alimentos: reduzidos à sua porção menor para poderem ser digeridos; quebra de barreiras, tipo celulose, de alguns alimentos para extracção dos seus nutrientes. - Lubrificação dos Alimentos: para não induzir lesões ao nível do esófago; - Digestão dos hidratos de carbono pela alfa-amilase na boca. Deglutição compreende 3 fases: - Fase Oral: mais simples, ocorre após a mastigação dos alimentos, o bolo alimentar é empurrado pela língua para a faringe; 1

2 - Fase Faríngea, existem vários mecanismos para permitir que esta fase ocorra bem. Temos assim: Protecção das fossas nasais, enquanto deglutimos o palato mole tapa o orifício posterior das fossas nasais (ex: quando estamos a comer e nos começamos a rir ocorre a saída de alimento pelo nariz, pois o mecanismo de tamponamento das fossas nasais deixa de funcionar); Protecção da via aérea, temos a epiglote a fechar o orifício de entrada da laringe e as duas cordas vocais a encostam-se violentamente de forma a tapar a entrada da laringe. Em simultâneo, ocorre uma inibição do reflexo respiratório, para que não inspiremos (ex: quando nos engasgamos, pois nessas alturas ocorre uma falência deste mecanismo, e uma parte do alimento vai para as vias aéreas, onde o tossir é uma mecanismo de defesa. Pessoas como alcoólicos e idosos, em que o mecanismo está afectado, podem morrer por refluxo de contudo gástrico para a árvore respiratória); Contracção da faringe, abre o esfíncter esofágico superior para dar entrada ao bolo alimentar no esófago. Fase Esofágica, temos a realçar que o esófago, contrariamente ao resto das outras porções do tubo digestivo, apenas funciona como meio de transporte (Activo! Não funciona por força da gravidade) do bolo alimentar até ao estômago, não tendo qualquer outra função, como absorção e/ou digestão dos alimentos. Manometria Numa manometria do esófago conseguimos observar que temos o esfíncter esofágico superior e inferior, quase sempre fechados, com pressões 40mmHg e 30mmHg, respectivamente. Estes funcionam como mecanismos protectores, para impedir refluxo de conteúdo gástrico e fora das horas de digestão, para impedir a entrada de ar no tubo digestivo.) 2

3 Quando engolimos (deglutimos) verifica-se o relaxamento do esfíncter superior que deixa passar o alimento e de seguida uma onda peristáltica (responsável pelo movimento activo) que vai progredir ao longo de todo o esófago, empurrando o bolo alimentar. Esta inicia-se atrás do bolo alimentar, onde ocorre a contracção da parede do esófago e relaxamento reflexo da parede adiante do bolo alimentar, que de uma forma sucessiva vai empurrar o bolo alimentar até ao estômago. Quando o bolo alimentar não chega ao estômago, ocorre a indução de uma onda peristáltica secundária, que se inicia acima da localização do bolo alimentar e o vai empurrar até ao estômago. Um tipo de patologia ocorre quando temos várias regiões do esófago contraídas em simultâneo, ondas peristálticas terciárias, que não são eficazes, pois a contracção simultânea do esófago não vai permitir que o bolo alimentar progrida correctamente. Temos assim o doente a queixar-se de disfagia, que se engasga e que o alimento não progride. Ou mesmo o contrário, onde não ocorrem ondas peristálticas, acalasia, levando a um esófago tubular, perfeitamente dilatado. O esfíncter esofágico inferior é uma estrutura não muito bem definida anatomicamente, para a qual existem várias circunstâncias que contribuem para a sua eficácia como o ângulo de His e os pilares do diafragma que funcionam também como esfíncter. Os problemas associados ao esfíncter esofágico inferior são muito frequentes pois o esfíncter tem de lutar contra uma pressão intra-abdominal aumentada em relação à pressão intra-torácica, pelo que existe sempre tendência do conteúdo abdominal passar para a porção torácica. Esta situação ocorre quando o esfíncter não funciona bem. Assim é muito frequente a situação de refluxo gastro-esofágico, em que o esfíncter não funciona adequadamente e há passagem patológica de ácido para o esófago provocando ao fim de algum tempo esofagite. Existem várias drogas para aumentar a pressão do esfíncter. Existem também alimentos que contribuem mais para esse aumento de pressão como é o caso de alimentos ricos em proteínas. O esfíncter esofágico inferior é controlado pelo sistema nervoso simpático, pelo parassimpático e também pelo sistema nervoso entérico. 3

4 A gastrina é uma substância endócrina que aumenta durante a digestão e aumenta a produção de ácido. Assim quando há um aumento desta substância, dá-se um aumento da produção de ácido o que leva a um aumento da pressão do esfíncter inferior para protecção. Existem situações em que a pressão do esfíncter se encontra aumentada e este não relaxa adequadamente e portanto o alimento não consegue passar pelo esfíncter. No entanto, esta é uma situação rara, sendo muito mais frequente a situação referida anteriormente, em que há passagem inadequada de ácido para o esófago (esofagite). A pressão diminuída do esfíncter esofágico inferior é muito comum na nossa população e existem vários factores que contribuem para a diminuição dessa pressão, como o consumo de álcool, alimentos ricos em gorduras, especiarias. Existe ainda um vasto conjunto de fármacos e outras substâncias com os quais lidamos diariamente que também contribuem para a diminuição dessa pressão como o Diezpan (calmante), anticoncepcionais orais, a nicotina, a cafeína, entre outros. No entanto, existem outros factores que levam à passagem de ácido para o esófago que não a pressão diminuída do esfíncter esofágico inferior. Por exemplo, se o esófago não se contrair bem para expulsar o ácido, vai dar-se uma acumulação de ácido no mesmo; se o estômago produzir ácido a mais, também se vai dar uma acumulação de ácido que torna mais fácil a sua passagem para o esófago e finalmente, se a drenagem do estômago não for feita eficazmente também se vai dar acumular de ácido que pode passar para o esófago, o que pode acontecer, por exemplo, quando o piloro está demasiado apertado. Como já foi referido é muito frequente o refluxo patológico, no entanto é importante definir o que é patológico. Sabe-se que ph inferior a 4 na porção final do esófago é lesivo para a mucosa esofágica, ao contrário do estômago que tem mecanismos de protecção específicos para o proteger do ácido, o esófago não tem, e por isso entra em sofrimento com ph inferior a 4. Num indivíduo normal existem períodos em que o ph no esófago é inferior a 4. No entanto para que esta situação seja normal, é necessário que esses períodos sejam curtos e que esses períodos de tempo todos somados não sejam superiores a 6% do tempo total. O estômago tem várias funções motoras como: 4

5 O armazenamento quando o bolo alimentar chega ao estômago dá-se um relaxamento receptivo, desencadeado pelo sistema nervoso vagal ou parassimpático, que consiste na distensão do estômago quando o alimento chega, recebendo facilmente 1,5L a 2L num período de tempo mínimo, sem dor ou desconforto. Assim o alimento fica retido no estômago, nomeadamente no fundo do estômago, durante uma ou duas horas. De seguida ocorre a fragmentação dos alimentos que ocorre a dois níveis. No fundo e parte do corpo do estômago os movimentos são muito lentos e ocorrem 3 a 4 vezes por minuto. Apesar de serem lentos, estes movimentos são eficazes na redução do tamanho dos alimentos que ingerimos. No entanto chega uma altura em que o bolo alimentar passa para o antro do estômago onde os movimentos são muito mais agressivos, em que o bolo alimentar é sujeito a uma maior pressão de fragmentação. O que acontece é que se dá uma contracção e o bolo alimentar é atirado contra o piloro, e na fase em que este se encontra fechado o bolo alimentar volta para trás, a esta situação dá-se o nome de sístole do antro. O piloro apenas deixa passar substâncias com um tamanho inferior a 1mm. Assim os alimentos permanecem no estômago até atingirem um tamanho inferior a 1mm para poderem passar através do piloro. A mistura dos alimentos também é um passo muito importante e ocorre graças aos movimentos do estômago que misturam os alimentos com o ácido clorídrico e com a pepsina. De seguida ocorre o esvaziamento gástrico, que se dá quando os alimentos atingem o tamanho adequado e passam pelo piloro e que depende do tipo de alimento ingerido. Se a alimentação for à base de glícidos a digestão dá-se muito mais facilmente e o esvaziamento total é mais rápido do que se houver ingestão de alimentos ricos em gorduras. O mecanismo de esvaziamento gástrico tem de ser controlado de forma a haver um equilíbrio. Por um lado as substâncias ingeridas não devem ficar demasiado tempo no estômago, por outro lado, não devem passar para o duodeno a uma velocidade excessiva. Por conseguinte, existe um constante equilíbrio entre o estômago e o bulbo duodenal, em que o bulbo duodenal ordena ou não a passagem dos alimentos do estômago para o duodeno. Assim sendo, quando por exemplo um doente tem uma úlcera duodenal o esvaziamento gástrico é mais lento pois o duodeno encontra-se em sofrimento. Por outro lado, se o bulbo duodenal ficar demasiado cheio, o esvaziamento gástrico também irá diminuir. 5

6 Se o quimo for demasiado osmolar e houverem gorduras ou proteínas não digeridas a chegarem demasiado rápido ao duodeno a velocidade do esvaziamento gástrico diminui. As proteínas e as gorduras têm de chegar ao duodeno a uma velocidade em que haja tempo suficiente para as proteínas proteolíticas poderem actuar. Enquanto que o estômago está protegido contra o ácido, o duodeno não está. Se for ácido a mais para o duodeno, sem dar tempo para este se proteger, este vai emitir um sinal de aviso que vai alertar o estômago para o que está a acontecer, e portanto, diz: estômago esvazia mais devagar. Quando o esvaziamento do estômago não funciona bem: - No caso de um doente que tenha um esvaziamento gástrico excessivamente rápido, podem aparecer úlceras duodenais; - No caso de um doente que tenha um esvaziamento gástrico excessivamente lento, podem aparecer úlceras gástricas; tal resulta da acumulação de ácido durante muito tempo. Se temos gorduras a mais no duodeno é activado de imediato um mecanismo de alerta através da colecistoquinina segregada no duodeno a qual vai: - Inibir o esvaziamento gástrico; - Aumentar a secreção biliar (bílis digere as gorduras); - Aumentar a secreção pancreática (contém enzimas que vão degradar as gorduras) Experiência feita no intestino e estômago de Cão Se for feita uma infusão de ácido no duodeno, este dispara, começa a contrair-se violentamente, a despachar para a frente o ácido que lá está; enquanto isto, as contracções no antro gástrico começam a diminuir para que não passe mais ácido para o duodeno. No Homem este mecanismo é bem conhecido: um ph abaixo de 3,5 no duodeno dispara logo este mecanismo de alerta através da secretina segregada pelas células S do duodeno a qual vai: - Inibir o esvaziamento gástrico; - Inibir a secreção ácida; - Aumentar a secreção pancreática possui mecanismos protectores contra o ácido; 6

7 - Aumentar a motilidade duodenal o duodeno contrai-se mais depressa; Todos estes mecanismos servem como resposta à presença de excesso de ácido no duodeno. O reverso da progressão do bolo alimentar ao longo tubo digestivo o Vómito Sempre que temos uma estimulação do sistema nervoso simpático, em qualquer situação de stress agudo (um acidente grave, uma emoção violenta) a digestão pára e consequentemente (por vezes) a pessoa vomita. Um dos mecanismos é de facto parar logo ao nível do estômago: o piloro fecha, o estômago pára e ao fim de algum tempo a pessoa vomita. Numa situação de stress agudo, todos os nossos mecanismos, nomeadamente os vasculares encontram-se de emergência para resolver o problema. A digestão é um processo que consome muita energia, muitos gastos vasculares e, por conseguinte, tem que ser parada para que esses gastos vasculares e essa energia sejam canalizados para as áreas emergentes. O vómito implica a reversão de todo o mecanismo de progressão do bolo alimentar ao longo do tubo digestivo. Em determinadas circunstâncias, o bolo alimentar que está no estômago, e mesmo no duodeno, é deitado fora. Se o bolo alimentar estiver no duodeno, o piloro abre-se, o duodeno contrai-se e o alimento passa para o estômago. O estômago contrai-se, o piloro fecha e abre-se o orifício esofágico inferior, e o bolo alimentar é enviado a grande velocidade para a boca, com abertura do orifício esofágico superior. O fecho das vias aéreas em cima é um ponto fundamental dado que não é raro morrerem idosos, diabéticos, alcoólicos, que vomitam e aspiram (como este mecanismo está alterado) o seu vómito, e morrem com os pulmões inundados no próprio vómito. Existem vários receptores que provocam o mecanismo do vómito: 7

8 - Quimorreceptores cerebrais no pavimento do 4º ventrículo detectam substâncias que foram absorvidas mas devem ser eliminadas e provocam o vómito; - Receptores labirínticos quando a pessoa enjoa durante uma viagem e vomita; - Receptores na orofaringe os mais conhecidos; a pessoa quer vomitar, coloca os dedos na orofaringe e vomita; - Receptores Gástricos e Duodenais sempre que se come algo que está estragado, infectado, estes receptores identificam esses alimentos e fazem com que a pessoa vomite; - Receptores em Órgãos Ocos por exemplo nos ureteres: quando existe uma pedra nos ureteres (cólica renal), tal provoca a distensão do uréter, o que vai provocar o vómito. A distensão do uréter ou a lesão de qualquer outro órgão oco são situações de stress que têm de ser resolvidas, o organismo tem de se socorrer de todos os seus meios e por conseguinte pára a digestão para não desperdiçar energia com esta, e a pessoa vomita. O mecanismo do vómito é um mecanismo quase sempre de defesa, de protecção; no entanto, nalgumas situações, é por si só a doença. 8

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia da Digestão Deise Maria Furtado de Mendonça Função Geral O sistema ou aparelho gastrintestinal é a porta de entrada do organismo a todos os nutrientes necessários: carboidratos, lipídios, proteínas,

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório 2 Habilidades: Conhecer o sistema digestório humano, compreendendo o papel de cada um de seus órgãos e glândulas anexas no processo de digestão. 3 4 Comendo insetos

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE

PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE PATOLOGIAS DO SISTEMA DIGESTIVO, ÚLCERA PÉPTICA E GASTRITE Como prevenir? Como diagnosticar? Como tratar? SISTEMA DIGESTIVO O sistema digestivo se estende da boca até o ânus. É responsável pela recepção

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO 05/08/2013 FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO A função do sistema digestório é retirar dos alimentos ingeridos os nutriente necessários para o desenvolvimento

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado.

SISTEMA DIGESTÓRIO. Boca Glândulas salivares Esófago Fígado Vesícula biliar. Faringe. Estômago Pâncreas Intestino grosso. Intestino delgado. SISTEMA DIGESTÓRIO SISTEMA DIGESTÓRIO O sistema digestivo tem a função de realizar a digestão, ou seja, fraccionar os alimentos e transformar as macromoléculas em micromoléculas. SISTEMA DIGESTÓRIO Boca

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes

Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes PROFESSORA NAIANE Para viver, crescer e manter o nosso organismo, precisamos consumir alimentos. Mas o que acontece com os alimentos que ingerimos? Como os nutrientes dos alimentos, chegam às células do

Leia mais

FISIOLOGIA DIGESTIVA

FISIOLOGIA DIGESTIVA EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA DIGESTIVA 01. Na digestão, a redução dos alimentos a partículas através de processos mecânicos tem por finalidade: a) facilitar a eliminação de substâncias inúteis

Leia mais

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo.

Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento. Processo Digestivo. Processo Absortivo. Ingestão; Secreção; Mistura e propulsão; Digestão; Absorção; Defecação; Ingestão de Alimento Processo Digestivo Processo Absortivo Defecação Grandes moléculas Moléculas menores Utilização Resíduos Trato

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES

SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Departamento de Zootecnia Curso de Pós-graduaP s-graduação o em Zootecnia SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES Funções Ingestão e transporte dos alimentos

Leia mais

Roteiro de aulas teórico-práticas

Roteiro de aulas teórico-práticas Roteiro de aulas teórico-práticas Sistema digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta

Leia mais

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10:

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10: BIOLOGIA IACI BELO www.iaci.com.br ASSUNTO: FISIOLOGIA Série: 2EM 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 1: 2: 3: 4 5: 6 7: 8 9: 10: 02. Explique por que o ventrículo esquerdo é

Leia mais

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens

1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens Biologia - revisão 301 1. O esquema ao lado representa uma seção do tubo digestivo humano com alguns anexos. Observe as indicações e resolva os itens a) Cite o nome do substrato digerido pela principal

Leia mais

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório

BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20. Sistema Digestório BIOLOGIA 7B-AULA 19 E 20 Sistema Digestório DIGESTÃO Processos mecânicos e químicos sofridos pelos alimentos para serem convertidos em moléculas muito pequenas possíveis de serem absorvidas e transportadas

Leia mais

Gastrite e Dispepsia Funcional

Gastrite e Dispepsia Funcional Gastrite e Dispepsia Funcional Este assunto caiu de bandeja pra você! Comer é uma coisa gostosa, e ninguém precisa sofrer com disgestão difícil, náuseas, saciedade precoce, desconforto ou dor de estômago.

Leia mais

FÁRMACOS Moduladores GástricosG

FÁRMACOS Moduladores GástricosG Curso Noções Básicas B de Farmacologia Clínica nica FÁRMACOS Moduladores GástricosG Thyago Araújo Fernandes Secreção gástrica Produção diária de 2,5L de suco gástrico diariamente; Substâncias produzidas:

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução

SISTEMA DIGESTÓRIO. Introdução SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução Os animais não encontram no meio, em forma imediatamente utilizável, todos os alimentos ou nutrientes de que necessitam. A absorção direta de nutrientes ocorre, excepcionalmente,

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA DIGESTÓRIO Função retirar dos alimentos as substâncias necessárias para o desenvolvimento e manutenção do organismo. Alimento é digerido e transformado

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Sistema Digestório Ciências da Natureza Ensino Médio 4min 45seg Habilidades: (H30) Identificar a função dos órgãos e

Leia mais

Aula 9 Sistema digestório

Aula 9 Sistema digestório Aula 9 Sistema digestório Os alimentos fornecem nutrientes para construção de estruturas celulares e, ainda, liberação de energia para as atividades celulares. A função da digestão é converter os alimentos

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA DIGESTÓRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA DIGESTÓRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Sistema Digestório... 04 Boca... 05 Características

Leia mais

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco

FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL. FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco FISIOLOGIA GASTROINTESTINAL FISIOLOGIA HUMANA -Morfofisiologia aplicada à Odontologia - Profª Monica Zeni Refosco OBJETIVOS DA AULA Conhecer os componentes do TGI; Descrever as funções desse sistema; Distinguir

Leia mais

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - FISIOLOGIA 1. Lipases são enzimas relacionadas à digestão dos lipídios, nutrientes que, em excesso, levam ao aumento da massa corporal. Certos medicamentos para combate à obesidade

Leia mais

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com

Prof. Admilson Toscano. IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com Prof. Admilson Toscano IFSP_Campus Cubatão e-mail: Prof_toscano@hotmail.com 1ª Parte: Princípios e Bases para a Nutrição Animal Anatomia Geral Monogástricos x Ruminantes Secreções Digestivas Estômagos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema responsável pelo processamento (transformações químicas) de nutrientes, para que possam

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório

Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia. Sistema Digestório Introdução Apostila de Anatomia e Fisiologia humana Sistema Digestório-Prof. Raphael Garcia Sistema Digestório O sistema digestório se resume em um longo tubo muscular que tem início nos lábios e termina

Leia mais

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1

FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Programa de Pós-Graduação em Zootecnia Produção Animal FISIOLOGIA DA DIGESTÃO MONOGÁSTRICOS AULA 1 Profa. Dra. Cinthia Eyng FCA/UFGD OBJETIVOS DA AULA: Importância da digestão; Estrutura do sistema digestório;

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: FUNDAMENTOS DE GENÉTICA Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. A importância da digestão para o nosso corpo é: a) desenvolver nosso organismo.

Leia mais

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo

Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Anatomia e fisiologia do sistema digestivo Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura e Bovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Classificação do hábito alimentar

Leia mais

PERSPECTIVA. ciências. Sugestão de avaliação. Coleção Perspectiva

PERSPECTIVA. ciências. Sugestão de avaliação. Coleção Perspectiva PERSPECTIVA Coleção Perspectiva ciências 8 Sugestão de avaliação Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do Livro do Aluno. Avaliação Ciências

Leia mais

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões:

Recuperação. Células tecidos órgãos sistemas. - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: Recuperação Capítulo 01 - Níveis de organização Células tecidos órgãos sistemas - As células são as menores unidades vivas e são formadas por três regiões: A- Membrana Plasmática - Revestimento da célula;

Leia mais

Prof. Dr. José Gomes Pereira

Prof. Dr. José Gomes Pereira Prof. Dr. José Gomes Pereira 1. Considerações preliminares Série: órgãos tubulares e glandulares 1.1. Funções estruturas modificadas e especializadas Ingestão Mastigação Deglutição Digestão Absorção Eliminação

Leia mais

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1

Co C mo m o é cons n tituído o aparel e ho di d ge g sti e vo v? Sistema Digestivo - Helena Carreiro 2010 1 Como é constituído o aparelho digestivo? 1 Morfologia do aparelho digestivo Glândulas salivares Boca Faringe Esófago Fígado Vesícula biliar Estômago Intestino delgado pâncreas Apêndice Recto Intestino

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. fernandabrito@vm.uff.br PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br CONCEITOS ABSORÇÃO Passagem da droga do local de administração p/ a corrente sangüínea FÍGADO TGI METABOLISMO PLASMA PULMÃO RIM METABOLISMO

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO:

SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: SISTEMA DIGESTÓRIO DEFINIÇÃO: CONJUNTO DE ÓRGÃOS FORMANDO UM CANAL ALIMENTAR COM A FINALIDADE DE NUTRIÇÃO DO ORGANISMO. FUNÇÕES: Sistema Digestório INSERÇÃO MASTIGAÇÃO DEGLUTIÇÃO DIGESTÃO ABSORÇÃO EXCREÇÃO

Leia mais

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. André Maia O sistema ou aparelho digestivo (também chamado sistema digestório) é o sistema que, nos animais, é responsável por obter dos alimentos ingeridos os nutrientes

Leia mais

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?...

Fazendo a digestão. A voz do professor. A voz do professor. De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis?... A U A UL LA Fazendo a digestão Atenção De onde provém a energia necessária para o movimento dos automóveis? Nosso corpo é semelhante a um carro. Como você acha que conseguimos energia para viver? Um corpo

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema:

18/02/2011. Introdução. Biologia. Tipos de alimentos. Tipos de alimentos. Colesterol... Tema: Biologia Tema: Nutrição e Sistema Digestório Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um conjunto de órgãos responsáveis pelas transformações mecânicas e químicas dos alimentos, tornando

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO

C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO C.S.F.X - BIOLOGIA- 3ºANO (A,B,C,D e E) PROFª.: JUCIMARA RODRIGUES BIOLOGIA I: SISTEMA DIGESTÓRIO Digestão é o processo de transformação de macromoléculas, por hidrólise enzimática, liberando unidades

Leia mais

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO

HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO. Profa MARIA ELISA CARNEIRO HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Profa MARIA ELISA CARNEIRO INTRODUÇÃO Função: - Obter nutrientes necessários para manutenção, crescimento e demandas energéticas do organismo. Composição: - Cavidade oral

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes

SISTEMA DIGESTIVO. Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes SISTEMA DIGESTIVO Digestão dos alimentos e absorção dos nutrientes Digestão uma simplificação molecular Absorção dos nutrientes A Alimentação A nossa alimentação deve ser variada, proporcionando ao organismo

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Digestão dos alimentos

Plano de Aula CIÊNCIAS. Digestão dos alimentos Plano de Aula CIÊNCIAS Digestão dos alimentos Disgestão dos alimentos. 07 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental Ciências 2. Ser humano e saúde 3. Educação Presencial I. Título

Leia mais

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS

A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS A DIGESTÃO DE ALIMENTOS PELOS ANIMAIS O que é digestão? A digestão de alimentos é um processo pelo qual os alimentos ingeridos, na maioria bastante complexos, são quebrados em formas mais simples para

Leia mais

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos

Sistema Digestório. Destina-se. se à retirada dos SISTEMA DIGESTIVO OU DIGESTÓRIO Sistema Digestório Destina-se se à retirada dos nutrientes (carboidratos, açucares, lipides, gorduras, proteínas, vitaminas, sais minerais e água) dos alimentos para assegurar

Leia mais

Sistema Respiratório

Sistema Respiratório Sistema Respiratório Introdução O termo respiração pode ser entendido como a união do oxigênio com o alimento (substâncias dissolvidas) nas células e a liberação de energia, calor, gás carbônico e água.

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA I Anatomia e Fisiologia Humana Capítulo 01 Sistema Digestório Ao afirmar que a solução do tubo I ficaria roxa e a do tubo II continuaria incolor, Paulo estava certo; ao

Leia mais

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida

Sistema Digestório Características Saliva e peristaltismo GLÂNDULAS SALIVARES Saliva ptialina amilase salivar Glândula parótida Sistema Digestório O tubo digestivo apresenta as seguintes regiões; boca, faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso e ânus. A parede do tubo digestivo tem a mesma estrutura da boca

Leia mais

Sistema Digestivo dos Peixes

Sistema Digestivo dos Peixes Sistema Digestivo dos Peixes Seminário Histologia SISTEMA DIGESTIVO DOS PEIXES Camila Bedulli Do Carmo Gabriel Cohen Guilherme G. Da Silva Miranda Izabela Franca Marcela C. Biondo Patricia Mayumi Bellete

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao SISTEMA RESPIRATÓRIO A função do sistema respiratório é facultar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração

Leia mais

Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Modelo EP-02 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Ensino Profissional Departamento MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Curso Profissional TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Ano letivo 2013.2014

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

14 Aproveitamos tudo o que comemos?

14 Aproveitamos tudo o que comemos? A U A UL LA Aproveitamos tudo o que comemos? Nas Aulas 1 e 5 vimos a importância de carboidratos, proteínas e gorduras para o bom funcionamento do corpo e o quanto é fundamental uma alimentação saudável,

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

Plano de Aula CIÊNCIAS. Sistema Digestório

Plano de Aula CIÊNCIAS. Sistema Digestório Plano de Aula CIÊNCIAS Sistema Digestório 1 Sistema Digestório. 10 p.; il. (Série Plano de Aula; Ciências) ISBN: 1. Ensino Fundamental Ciências 2. Sistema Digestório 3. Educação Presencial I. Título II.

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24. Sistema Digestivo. Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar

Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24. Sistema Digestivo. Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar Helena Borges Departamento de Anatomia F20-24 Sistema Digestivo Sistema Digestivo, Digestório, Alimentar Funções: Suprir constantemente o organismo de material nutritivo; Modificar mecânica e quimicamente

Leia mais

- CAPÍTULO 14, 15 e 16 (até pág. 17) -

- CAPÍTULO 14, 15 e 16 (até pág. 17) - - CAPÍTULO 14, 15 e 16 (até pág. 17) - 1. As figuras abaixo apresentam esquemas da estrutura da parede de três tipos de vasos sanguíneos encontrados em mamíferos: a) Indique o nome de cada um dos vasos:

Leia mais

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta?

Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Você saberia responder aos questionamentos de forma cientificamente correta? Como as fezes são formadas? Como a urina é formada no nosso corpo? Sistema Cardiovascular Funções Gerais: Transporte de nutrientes,

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: FAMOX famotidina Comprimidos de 20 mg: embalagem com 10 comprimidos. Comprimidos de 40 mg: embalagem com 10 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composições completas:

Leia mais

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL

SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA SONDAGEM NASOGÁSTRICA E LAVAGEM INTESTINAL SISTEMA DIGESTÓRIO Formado pelo tubo digestivo e as glândulas anexas; Subdividido em: -cavidade oral - esôfago - estômago - intestino

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA I BLOCO 02 Capítulo Anatomia e Fisiologia Humana 01 Sistema Digestório BLOCO 01 Formam o sistema digestório: cavidade oral, língua, faringe, esôfago, estômago, intestino

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07 Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago O esófago junta-se ao estômago no cárdia, constituindo

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

PLESONAX. (bisacodil)

PLESONAX. (bisacodil) PLESONAX (bisacodil) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Comprimido Revestido 5mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PLESONAX bisacodil APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos Embalagem contendo

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

1º FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2015

1º FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2015 1º FORMAÇÃO DE PROFESSORES 2015 Nutrientes Quando falamos em nutrição, podemos defini-la como processos que vão desde a ingestão dos alimentos até à sua absorção pelo nosso organismo. Os seres humanos

Leia mais

Tema 05: Sistema Digestório

Tema 05: Sistema Digestório Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 05: Sistema Digestório Constituição Boca, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino grosso,

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição

Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Distúrbios da Deglutição Intolerâncias Alimentares Alergias alimentares Intolerâncias metabólicas Reações farmacológicas Erros congênitos do metabolismo Alergia alimentar Mediada

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES

OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Página1 OS ALIMENTOS COMO VEÍCULO DE NUTRIENTES Importância dos alimentos Todos os animais, incluindo o homem, precisam de se alimentar para sobreviver. Porque são tão importantes os alimentos? Os alimentos

Leia mais

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221)

SUMÁRIO MÓDULO 6 ALIMENTOS E NUTRIENTES ATIVIDADE 1 (PÁGINA 221) 1 SUMÁRIO Módulo 6 Alimentos e nutrientes... 1 Atividade 1 (página 221)... 1 Atividade 2 (página 228)... 1 Atividade 3 (página 229)... 2 Em Casa (pagina 231)... 3 Módulo 7 O processo de digestão I... 4

Leia mais

TRANSTORNOS DA MOTILIDADE GASTROINTESTINAL EM CRIANÇAS NEUROPATAS

TRANSTORNOS DA MOTILIDADE GASTROINTESTINAL EM CRIANÇAS NEUROPATAS MONOGRAFIA MOTRICIDADE ORAL CEFAC RECIFE 1997/1998 ADRIANA GUERRA DE CASTRO TRANSTORNOS DA MOTILIDADE GASTROINTESTINAL EM CRIANÇAS NEUROPATAS 1 I. INTRODUÇÃO: Neuropatia é uma patologia multifatorial que

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DISCIPLINA: SISTEMA GASTROINTESTINAL Área do conhecimento: Anatomia Professora: Jákina Guimarães Vieira ESTUDO DIRIGIDO EMBRIOLOGIA E ANATOMIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO 1. Qual (is) o (s) folheto (s) embrionário

Leia mais

Distúrbios Gastrointetinais

Distúrbios Gastrointetinais Distúrbios Gastrointetinais Anatomia Gastrointestinal Doenças do tubo digestivo Patologias do Esôfago Classificação segundo o mecanismo da doença Anomalias do desenvolvimento (exs: Atresias; hérnias;estenoses)

Leia mais

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem.

Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. FISIOLOGIA DIGESTIVA DOS RUMINANTES Capacidade de alimentar-se de pastagem ou forragem. - Possibilidade de degradar os glúcidos estruturais da forragem como celulose, hemicelulose e pectina. - A degradação

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa

95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. uma secreção serosa outra secreção mucosa SISTEMA DIGESTÓRIO SALIVA A saliva é um líquido claro, viscoso, alcalino (ph entre 6 e 7), que contém em sua composição: 95% de água, 3% de substâncias orgânicas e 2% de sais minerais. Além disso, também

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. Digestão Geral. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. Digestão Geral. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária Digestão Geral Prof. Fabio Otero Ascoli TÓPICOS QUE SERÃO ABORDADOS DURANTE A AULA 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA E FUNÇÃO COMPARATIVA 3. ANATOMIA (ÓRGÃOS E ACESSÓRIOS,

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA

FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETA FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA Graduação 1 FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO CLÍNICA E COLETIVA UNIDADE 4 ALIMENTAÇÃO ENTERAL Nesta unidade você irá estudar as

Leia mais