Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo"

Transcrição

1 Fisiologia II Ei, Data: 16 de Abril de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Cachão, José Monteiro, Susana Abreu Tema: Tubo Digestivo A temática da aula será sobre a temática do percurso do bolo alimentar, desde a boca até ao ânus. Assim no tubo digestivo, temos um epitélio, a mucosa que recobre o interior onde se efectua a absorção e uma submucosa por onde ocorre a vascularização do tubo digestivo e em volta, uma camada muscular, interna circular e uma outra, externa, longitudinal. Estas camadas musculares são assim as responsáveis pela movimentação do tubo digestivo. Chama-se assim à atenção para os plexos intrínsecos do intestino, ou seja, o tubo digestivo possui uma enervação própria Sistema Nervoso Entérico (SNE) o qual é responsável, conjuntamente com o SNC, pela regulação da maior parte dos movimentos do tubo digestivo. Assim, temos sempre uma cooperação entre o Sistema Nervoso Entérico (com n.º de neurónios semelhante ao da medula, 10 8 ) e o Sistema Nervoso Autónomo, que em conjunto vão actuar nos vários componentes do tubo digestivo. Nos vários passos da motilidade, Mastigação, importante pelo: - Fraccionamento dos alimentos: reduzidos à sua porção menor para poderem ser digeridos; quebra de barreiras, tipo celulose, de alguns alimentos para extracção dos seus nutrientes. - Lubrificação dos Alimentos: para não induzir lesões ao nível do esófago; - Digestão dos hidratos de carbono pela alfa-amilase na boca. Deglutição compreende 3 fases: - Fase Oral: mais simples, ocorre após a mastigação dos alimentos, o bolo alimentar é empurrado pela língua para a faringe; 1

2 - Fase Faríngea, existem vários mecanismos para permitir que esta fase ocorra bem. Temos assim: Protecção das fossas nasais, enquanto deglutimos o palato mole tapa o orifício posterior das fossas nasais (ex: quando estamos a comer e nos começamos a rir ocorre a saída de alimento pelo nariz, pois o mecanismo de tamponamento das fossas nasais deixa de funcionar); Protecção da via aérea, temos a epiglote a fechar o orifício de entrada da laringe e as duas cordas vocais a encostam-se violentamente de forma a tapar a entrada da laringe. Em simultâneo, ocorre uma inibição do reflexo respiratório, para que não inspiremos (ex: quando nos engasgamos, pois nessas alturas ocorre uma falência deste mecanismo, e uma parte do alimento vai para as vias aéreas, onde o tossir é uma mecanismo de defesa. Pessoas como alcoólicos e idosos, em que o mecanismo está afectado, podem morrer por refluxo de contudo gástrico para a árvore respiratória); Contracção da faringe, abre o esfíncter esofágico superior para dar entrada ao bolo alimentar no esófago. Fase Esofágica, temos a realçar que o esófago, contrariamente ao resto das outras porções do tubo digestivo, apenas funciona como meio de transporte (Activo! Não funciona por força da gravidade) do bolo alimentar até ao estômago, não tendo qualquer outra função, como absorção e/ou digestão dos alimentos. Manometria Numa manometria do esófago conseguimos observar que temos o esfíncter esofágico superior e inferior, quase sempre fechados, com pressões 40mmHg e 30mmHg, respectivamente. Estes funcionam como mecanismos protectores, para impedir refluxo de conteúdo gástrico e fora das horas de digestão, para impedir a entrada de ar no tubo digestivo.) 2

3 Quando engolimos (deglutimos) verifica-se o relaxamento do esfíncter superior que deixa passar o alimento e de seguida uma onda peristáltica (responsável pelo movimento activo) que vai progredir ao longo de todo o esófago, empurrando o bolo alimentar. Esta inicia-se atrás do bolo alimentar, onde ocorre a contracção da parede do esófago e relaxamento reflexo da parede adiante do bolo alimentar, que de uma forma sucessiva vai empurrar o bolo alimentar até ao estômago. Quando o bolo alimentar não chega ao estômago, ocorre a indução de uma onda peristáltica secundária, que se inicia acima da localização do bolo alimentar e o vai empurrar até ao estômago. Um tipo de patologia ocorre quando temos várias regiões do esófago contraídas em simultâneo, ondas peristálticas terciárias, que não são eficazes, pois a contracção simultânea do esófago não vai permitir que o bolo alimentar progrida correctamente. Temos assim o doente a queixar-se de disfagia, que se engasga e que o alimento não progride. Ou mesmo o contrário, onde não ocorrem ondas peristálticas, acalasia, levando a um esófago tubular, perfeitamente dilatado. O esfíncter esofágico inferior é uma estrutura não muito bem definida anatomicamente, para a qual existem várias circunstâncias que contribuem para a sua eficácia como o ângulo de His e os pilares do diafragma que funcionam também como esfíncter. Os problemas associados ao esfíncter esofágico inferior são muito frequentes pois o esfíncter tem de lutar contra uma pressão intra-abdominal aumentada em relação à pressão intra-torácica, pelo que existe sempre tendência do conteúdo abdominal passar para a porção torácica. Esta situação ocorre quando o esfíncter não funciona bem. Assim é muito frequente a situação de refluxo gastro-esofágico, em que o esfíncter não funciona adequadamente e há passagem patológica de ácido para o esófago provocando ao fim de algum tempo esofagite. Existem várias drogas para aumentar a pressão do esfíncter. Existem também alimentos que contribuem mais para esse aumento de pressão como é o caso de alimentos ricos em proteínas. O esfíncter esofágico inferior é controlado pelo sistema nervoso simpático, pelo parassimpático e também pelo sistema nervoso entérico. 3

4 A gastrina é uma substância endócrina que aumenta durante a digestão e aumenta a produção de ácido. Assim quando há um aumento desta substância, dá-se um aumento da produção de ácido o que leva a um aumento da pressão do esfíncter inferior para protecção. Existem situações em que a pressão do esfíncter se encontra aumentada e este não relaxa adequadamente e portanto o alimento não consegue passar pelo esfíncter. No entanto, esta é uma situação rara, sendo muito mais frequente a situação referida anteriormente, em que há passagem inadequada de ácido para o esófago (esofagite). A pressão diminuída do esfíncter esofágico inferior é muito comum na nossa população e existem vários factores que contribuem para a diminuição dessa pressão, como o consumo de álcool, alimentos ricos em gorduras, especiarias. Existe ainda um vasto conjunto de fármacos e outras substâncias com os quais lidamos diariamente que também contribuem para a diminuição dessa pressão como o Diezpan (calmante), anticoncepcionais orais, a nicotina, a cafeína, entre outros. No entanto, existem outros factores que levam à passagem de ácido para o esófago que não a pressão diminuída do esfíncter esofágico inferior. Por exemplo, se o esófago não se contrair bem para expulsar o ácido, vai dar-se uma acumulação de ácido no mesmo; se o estômago produzir ácido a mais, também se vai dar uma acumulação de ácido que torna mais fácil a sua passagem para o esófago e finalmente, se a drenagem do estômago não for feita eficazmente também se vai dar acumular de ácido que pode passar para o esófago, o que pode acontecer, por exemplo, quando o piloro está demasiado apertado. Como já foi referido é muito frequente o refluxo patológico, no entanto é importante definir o que é patológico. Sabe-se que ph inferior a 4 na porção final do esófago é lesivo para a mucosa esofágica, ao contrário do estômago que tem mecanismos de protecção específicos para o proteger do ácido, o esófago não tem, e por isso entra em sofrimento com ph inferior a 4. Num indivíduo normal existem períodos em que o ph no esófago é inferior a 4. No entanto para que esta situação seja normal, é necessário que esses períodos sejam curtos e que esses períodos de tempo todos somados não sejam superiores a 6% do tempo total. O estômago tem várias funções motoras como: 4

5 O armazenamento quando o bolo alimentar chega ao estômago dá-se um relaxamento receptivo, desencadeado pelo sistema nervoso vagal ou parassimpático, que consiste na distensão do estômago quando o alimento chega, recebendo facilmente 1,5L a 2L num período de tempo mínimo, sem dor ou desconforto. Assim o alimento fica retido no estômago, nomeadamente no fundo do estômago, durante uma ou duas horas. De seguida ocorre a fragmentação dos alimentos que ocorre a dois níveis. No fundo e parte do corpo do estômago os movimentos são muito lentos e ocorrem 3 a 4 vezes por minuto. Apesar de serem lentos, estes movimentos são eficazes na redução do tamanho dos alimentos que ingerimos. No entanto chega uma altura em que o bolo alimentar passa para o antro do estômago onde os movimentos são muito mais agressivos, em que o bolo alimentar é sujeito a uma maior pressão de fragmentação. O que acontece é que se dá uma contracção e o bolo alimentar é atirado contra o piloro, e na fase em que este se encontra fechado o bolo alimentar volta para trás, a esta situação dá-se o nome de sístole do antro. O piloro apenas deixa passar substâncias com um tamanho inferior a 1mm. Assim os alimentos permanecem no estômago até atingirem um tamanho inferior a 1mm para poderem passar através do piloro. A mistura dos alimentos também é um passo muito importante e ocorre graças aos movimentos do estômago que misturam os alimentos com o ácido clorídrico e com a pepsina. De seguida ocorre o esvaziamento gástrico, que se dá quando os alimentos atingem o tamanho adequado e passam pelo piloro e que depende do tipo de alimento ingerido. Se a alimentação for à base de glícidos a digestão dá-se muito mais facilmente e o esvaziamento total é mais rápido do que se houver ingestão de alimentos ricos em gorduras. O mecanismo de esvaziamento gástrico tem de ser controlado de forma a haver um equilíbrio. Por um lado as substâncias ingeridas não devem ficar demasiado tempo no estômago, por outro lado, não devem passar para o duodeno a uma velocidade excessiva. Por conseguinte, existe um constante equilíbrio entre o estômago e o bulbo duodenal, em que o bulbo duodenal ordena ou não a passagem dos alimentos do estômago para o duodeno. Assim sendo, quando por exemplo um doente tem uma úlcera duodenal o esvaziamento gástrico é mais lento pois o duodeno encontra-se em sofrimento. Por outro lado, se o bulbo duodenal ficar demasiado cheio, o esvaziamento gástrico também irá diminuir. 5

6 Se o quimo for demasiado osmolar e houverem gorduras ou proteínas não digeridas a chegarem demasiado rápido ao duodeno a velocidade do esvaziamento gástrico diminui. As proteínas e as gorduras têm de chegar ao duodeno a uma velocidade em que haja tempo suficiente para as proteínas proteolíticas poderem actuar. Enquanto que o estômago está protegido contra o ácido, o duodeno não está. Se for ácido a mais para o duodeno, sem dar tempo para este se proteger, este vai emitir um sinal de aviso que vai alertar o estômago para o que está a acontecer, e portanto, diz: estômago esvazia mais devagar. Quando o esvaziamento do estômago não funciona bem: - No caso de um doente que tenha um esvaziamento gástrico excessivamente rápido, podem aparecer úlceras duodenais; - No caso de um doente que tenha um esvaziamento gástrico excessivamente lento, podem aparecer úlceras gástricas; tal resulta da acumulação de ácido durante muito tempo. Se temos gorduras a mais no duodeno é activado de imediato um mecanismo de alerta através da colecistoquinina segregada no duodeno a qual vai: - Inibir o esvaziamento gástrico; - Aumentar a secreção biliar (bílis digere as gorduras); - Aumentar a secreção pancreática (contém enzimas que vão degradar as gorduras) Experiência feita no intestino e estômago de Cão Se for feita uma infusão de ácido no duodeno, este dispara, começa a contrair-se violentamente, a despachar para a frente o ácido que lá está; enquanto isto, as contracções no antro gástrico começam a diminuir para que não passe mais ácido para o duodeno. No Homem este mecanismo é bem conhecido: um ph abaixo de 3,5 no duodeno dispara logo este mecanismo de alerta através da secretina segregada pelas células S do duodeno a qual vai: - Inibir o esvaziamento gástrico; - Inibir a secreção ácida; - Aumentar a secreção pancreática possui mecanismos protectores contra o ácido; 6

7 - Aumentar a motilidade duodenal o duodeno contrai-se mais depressa; Todos estes mecanismos servem como resposta à presença de excesso de ácido no duodeno. O reverso da progressão do bolo alimentar ao longo tubo digestivo o Vómito Sempre que temos uma estimulação do sistema nervoso simpático, em qualquer situação de stress agudo (um acidente grave, uma emoção violenta) a digestão pára e consequentemente (por vezes) a pessoa vomita. Um dos mecanismos é de facto parar logo ao nível do estômago: o piloro fecha, o estômago pára e ao fim de algum tempo a pessoa vomita. Numa situação de stress agudo, todos os nossos mecanismos, nomeadamente os vasculares encontram-se de emergência para resolver o problema. A digestão é um processo que consome muita energia, muitos gastos vasculares e, por conseguinte, tem que ser parada para que esses gastos vasculares e essa energia sejam canalizados para as áreas emergentes. O vómito implica a reversão de todo o mecanismo de progressão do bolo alimentar ao longo do tubo digestivo. Em determinadas circunstâncias, o bolo alimentar que está no estômago, e mesmo no duodeno, é deitado fora. Se o bolo alimentar estiver no duodeno, o piloro abre-se, o duodeno contrai-se e o alimento passa para o estômago. O estômago contrai-se, o piloro fecha e abre-se o orifício esofágico inferior, e o bolo alimentar é enviado a grande velocidade para a boca, com abertura do orifício esofágico superior. O fecho das vias aéreas em cima é um ponto fundamental dado que não é raro morrerem idosos, diabéticos, alcoólicos, que vomitam e aspiram (como este mecanismo está alterado) o seu vómito, e morrem com os pulmões inundados no próprio vómito. Existem vários receptores que provocam o mecanismo do vómito: 7

8 - Quimorreceptores cerebrais no pavimento do 4º ventrículo detectam substâncias que foram absorvidas mas devem ser eliminadas e provocam o vómito; - Receptores labirínticos quando a pessoa enjoa durante uma viagem e vomita; - Receptores na orofaringe os mais conhecidos; a pessoa quer vomitar, coloca os dedos na orofaringe e vomita; - Receptores Gástricos e Duodenais sempre que se come algo que está estragado, infectado, estes receptores identificam esses alimentos e fazem com que a pessoa vomite; - Receptores em Órgãos Ocos por exemplo nos ureteres: quando existe uma pedra nos ureteres (cólica renal), tal provoca a distensão do uréter, o que vai provocar o vómito. A distensão do uréter ou a lesão de qualquer outro órgão oco são situações de stress que têm de ser resolvidas, o organismo tem de se socorrer de todos os seus meios e por conseguinte pára a digestão para não desperdiçar energia com esta, e a pessoa vomita. O mecanismo do vómito é um mecanismo quase sempre de defesa, de protecção; no entanto, nalgumas situações, é por si só a doença. 8

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO

ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO Mestrado Integrado de Engenharia Biomédica Daniela Reis, interna do serviço de Gastrenterologia do CHLN 2 novembro 2016 ANATOMIA E HISTOLOGIA DO SISTEMA DIGESTIVO APARELHO DIGESTIVO SEROSA SUBMUCOSA MUCOSA

Leia mais

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.

Sistema Digestivo. Prof a : Telma de Lima. Licenciatura em Biologia. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina." Sistema Digestivo Prof a : Telma de Lima Licenciatura em Biologia Função O Sistema Digestivo é um conjunto de vários órgãos que têm como

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA

CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA CIÊNCIAS NATURAIS 9º Ano de Escolaridade SISTEMA DIGESTIVO ALIMENTOS E NUTRIENTES MORFOLOGIA E FISIOLOGIA Ano Lectivo 2009/2010 FUNÇÕES DOS NUTRIENTES Nutrientes Energéticos Plásticos Reguladores Funções

Leia mais

O sistema digestivo. É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Boca. Glândulas salivares. Faringe. Fígado. Esófago.

O sistema digestivo. É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Boca. Glândulas salivares. Faringe. Fígado. Esófago. Sistema digestivo O sistema digestivo É composto pelo tubo digestivo e pelas glândulas anexas. Tubo digestivo Boca Faringe Esófago Estômago Intestino delgado Glândulas anexas Glândulas salivares Fígado

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira

Sistema Digestório. Prof. Jair Nogueira Sistema Digestório Função sistema digestivo Constituição sistema digestivo Digestão Deglutição Movimentos Peristálticos Absorção Disfunções do sistema digestivo Prof. Jair Nogueira Sistema Digestivo -

Leia mais

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana.

Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana. Sistema digestivo Ciências Naturais 9.º ano Fonte: Planeta Terra Santillana http://isidrodafonseca.wordpress.com Porque nos alimentamos? Todos os seres vivos necessitam de obter matéria e energia permitem

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira

SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO Prof a Cristiane Oliveira SISTEMA DIGESTÓRIO QUAIS SUAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS? Conjunto de órgãos que realizam a ingestão dos alimentos, sua digestão e a absorção dos produtos resultantes;

Leia mais

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DISCIPLINA: RCG FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: RCG 0216 - FISIOLOGIA II MÓDULO: FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO Docentes Responsáveis Prof. Dr.

Leia mais

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas).

Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos heterótrofos - obtém alimentos de forma

Leia mais

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos

Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos INTRODUÇÃO Os alimentos representam a fonte de matéria e energia para os seres vivos Nos organismos heterótrofos os alimentos são obtidos de forma pronta. A digestão é um conjunto de processos que visa

Leia mais

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez

UNIP Profº Esp. Thomaz Marquez UNIP - 2015 Profº Esp. Thomaz Marquez MASTIGAÇÃO INGESTÃO DEGLUTIÇÃO Digestão é o processo de transformar os alimentos em formas possíveis de serem absorvidas pelo organismo. O sistema digestório, que

Leia mais

V OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS MULTICELULARES

V OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS MULTICELULARES ES JOSÉ AFONSO 10/11 PROFª SANDRA NASCIMENTO UNIDADE 1 Obtenção de Matéria V OBTENÇÃO DE MATÉRIA PELOS SERES HETEROTRÓFICOS MULTICELULARES Digestão extracelular e extracorporal 2 Os filamentos que compõem

Leia mais

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício

Sistema Digestório. Prof. MSc. Leandro Felício Sistema Digestório Prof. MSc. Leandro Felício INTRODUÇÃO Alimentos - fonte de matéria e energia Organismos autótrofos - produzem o próprio alimento (ex: bactérias, cianobactérias, algas e plantas). Organismos

Leia mais

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo

Nutrição, digestão e sistema digestório. Profª Janaina Q. B. Matsuo Nutrição, digestão e sistema digestório Profª Janaina Q. B. Matsuo 1 2 3 4 Nutrição Nutrição: conjunto de processos que vão desde a ingestão do alimento até a sua assimilação pelas células. Animais: nutrição

Leia mais

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO

FISIOLOGIA FISIOLOGIA ANIMAL 4/3/2011 SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMAS DO ORGANISMO FISIOLOGIA FUNCIONAMENTO DOS SERES VIVOS INTERPRETAR E DESCREVER FENÔMENOS DESCOBRIR CAUSAS E MECANISMOS CORRELAÇÕES ENTRE OS ÓRGÃOS DEFINIR FUNÇÕES PROF. CLERSON

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA 1 SISTEMA DIGESTÓRIO 2 1 Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 3 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório:

Leia mais

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade

DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO. Prof. Dra. Camila da Silva Frade DISCIPLINA DE ANATOMIA E FISIOLOGIA ANIMAL SISTEMA DIGESTÓRIO Prof. Dra. Camila da Silva Frade ? Para a manutenção da vida dos animais, pois obtêm nutrientes essenciais para os processos corpóreos a partir

Leia mais

CIÊNCIAS FISIOLOGIA. China

CIÊNCIAS FISIOLOGIA. China CIÊNCIAS FISIOLOGIA China 1. Nutrição: É o processo que envolve desde a ingestão do alimento até a metabolização do mesmo pelas células. Etapas: Ingestão Digestão Absorção Metabolização 2. Digestão: É

Leia mais

Sistema Gastrointestinal

Sistema Gastrointestinal Sistema Gastrointestinal PATRICIA FRIEDRICH ENF. ASSISTENCIAL DO CTI ADULTO DO HOSPITAL MOINHOS DE VENTO PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PELA UNISINOS ANATOMIA E FISIOLOGIA Algumas doenças

Leia mais

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero

EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero EXERCÍCIO DE CIÊNCIAS COM GABARITO 8º ANO 1. (PUC-SP) O esquema abaixo é referente ao coração de um mamífero a) Que números indicam artérias e veias? b) Que números indicam vasos por onde circulam sangue

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA

FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E FARMACOLOGIA GUIA INCOMPLETO DE FISIOLOGIA GASTRINTESTINAL GI1. Descreva as características morfológicas do sistema nervoso entérico. Descreva o tubo

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Conhecendo deu corpo Fisiologia Digestão e Respiração Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br

Leia mais

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil.

17/11/2016. Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes; língua protrátil. Peixes cartilaginosos Sistema digestório Sistema cardiovascular Peixes ósseos Válvula em espiral e cecos pilóricos = aumentam área de absorção no intestino. Aves: Anfíbios: cloaca; não apresentam dentes;

Leia mais

Digestão Comparada. Biologia Alexandre Bandeira e Rubens Oda Aula ao Vivo

Digestão Comparada. Biologia Alexandre Bandeira e Rubens Oda Aula ao Vivo Digestão Comparada Digestão Humana Digestão do tipo extracelular Ações mecânicas e químicas-enzimáticas; O aparelho digestório humano é formado pelo tubo digestivo - Boca, faringe, esôfago,, intestino

Leia mais

Anatomia do Sistema Digestório

Anatomia do Sistema Digestório Anatomia do Sistema Digestório O sistema digestório humano é formado por um longo tubo musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões;

Leia mais

A maioria dos alimentos precisa ser transformada para entrar nas células e realmente nutrir o organismo.

A maioria dos alimentos precisa ser transformada para entrar nas células e realmente nutrir o organismo. Science Photo Library/Latinstock A maioria dos alimentos precisa ser transformada para entrar nas células e realmente nutrir o organismo. O que acontece com o amido de um sanduíche de queijo na boca? E

Leia mais

Aula 6: Sistema respiratório

Aula 6: Sistema respiratório Aula 6: Sistema respiratório Sistema respiratório Tem início no nariz e na boca e continua através das vias aéreas até os pulmões, onde ocorre a troca dos gases. Sistema respiratório - Funções Condução

Leia mais

1- TURMA A. Biologia. a) proteínas. b) glicídios. c) lipídios. d) lipídios e glicídios. e) lipídios e proteínas.

1- TURMA A. Biologia. a) proteínas. b) glicídios. c) lipídios. d) lipídios e glicídios. e) lipídios e proteínas. Biologia Atividade de classe Gabarito 2 os anos Tatiana mar/12 1- TURMA A 1- (PUCCamp modificada) Os fenilcetonúricos têm falta de uma enzima responsável pelo metabolismo do aminoácido fenilalanina. Para

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO

DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO DIAGNÓSTICO DA ALIMENTAÇÃO HUMANA ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA DIGESTÓRIO O trato digestório e glândulas anexas constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo oco que se estende da cavidade

Leia mais

DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013

DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013 DYSPHAGIA SINTOMA Deglutição & Presbifagia 2013 Disfagia Conceito Compreendida como sendo uma desordem no processo de como se alimentar. Refere-se a dificuldade de comer proveniente da disfunção do processo

Leia mais

Para quê precisamos comer?

Para quê precisamos comer? Para quê precisamos comer? Para a reposição de água, substratos energéticos, vitaminas e sais minerais. O TUBO DIGESTIVO E SUAS PRINCIPAIS ESTRUTURAS O Trato Gastrointestinal (TGI) Digestive System (Vander,

Leia mais

Sistema Respiratório. rio. Componentes

Sistema Respiratório. rio. Componentes Slide 1 Sistema Respiratório rio Faringe Slide 2 Componentes Nariz (fossas nasais) - duas cavidades paralelas que começam nas narinas e terminam na faringe - funções: filtrar, umedecer e aquecer o ar,

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2)

SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2) SISTEMA DIGESTIVO HUMANO (Parte 2) FARINGE A faringe é a estrutura que faz a separação dos sistemas digestório e respiratório. Há na faringe uma estrutura chamada epiglote, que serve como uma válvula localizada

Leia mais

O Sistema Respiratório. Humano

O Sistema Respiratório. Humano E.E.B.P Mansueto Boff O Sistema Respiratório Humano Nomes: Tiago, Marcos, Erik, Alexandro, Luciana, Andreína, Vanessa, Eduarda e Jaiane Matéria: Ciências Professor: Cladir Turma: 802 Concórdia, 20 de Agosto

Leia mais

Unidade 6. Sistema respiratório. Planeta Terra 9.º ano. Adaptado por Ana Mafalda Torres

Unidade 6. Sistema respiratório. Planeta Terra 9.º ano. Adaptado por Ana Mafalda Torres Unidade 6 Sistema respiratório Adaptado por Ana Mafalda Torres O que é o sistema cardiorrespiratório? + Sistema circulatório Sistema respiratório O que é o sistema respiratório? O sistema respiratório

Leia mais

Sistema digestório e suas respectivas funções

Sistema digestório e suas respectivas funções CIÊNCIAS, 8º Ano do Ensino Fundamental O que é digestão? Digestão é a transformação dos alimentos em substâncias menores e mais simples para que possam ser absorvidas pelo nosso corpo. Imagem : Bruce Tuten/Creative

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA A PESSOA COM DIFICULDADES NA DEGLUTIÇÃO

GUIA PRÁTICO PARA A PESSOA COM DIFICULDADES NA DEGLUTIÇÃO HOSPITAL DE SANTA MARIA Internamento de Neurologia 2014 Como funciona a deglutição (engolir)? Engolir parece simples, mas é na verdade um processo complexo. É um esforço conjunto dos: - Lábios (fecham

Leia mais

CORREÇÃO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO 1º PERÍODO 1ª FICHA DE AVALIAÇÃO

CORREÇÃO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO 1º PERÍODO 1ª FICHA DE AVALIAÇÃO CORREÇÃO DAS FICHAS DE AVALIAÇÃO 1º PERÍODO 1ª FICHA DE AVALIAÇÃO 1. Nutrientes; alimentos; prótidos; plástica; energética; lípidos e glícidos; minerais; protetores; fibras. 2.1. O alimento mais rico em

Leia mais

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas.

a) A digestão enzimática de carboidratos só se inicia no duodeno. b) O meio ácido do estômago inativa todas as enzimas digestivas. Nome: Nº Ano: 8º Turma: Ensino Fundamental II 2ª Etapa Data: ATIVIDADE DE INTERVENÇÃO - CIÊNCIAS Profª.: Luciana Cardinali QUESTÃO 1 (MACK - adaptada) Assinale a alternativa correta a respeito do processo

Leia mais

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos

6.3.5 Digestão nos Moluscos Digestão nos Anelídios Digestão nos Artrópodes Digestão nos Equinodermos SUMÁRIO I Sistemas de Nutrição... 01 1 Noções Gerais Sobre Metabolismo... 01 1.1 Conceito... 01 1.2 Generalidades... 01 1.3 Metabolismo e Nutrição... 02 1.4 Divisão do Metabolismo... 02 1.4.1 Anabolismo...

Leia mais

a) De qual região do tubo digestivo foi extraída a secreção? b) Que enzima atuou no processo? Justifique sua resposta.

a) De qual região do tubo digestivo foi extraída a secreção? b) Que enzima atuou no processo? Justifique sua resposta. Sistema Digestório 1) As proteínas alimentares são digeridas em etapas, até que seus produtos finais, os aminoácidos, possam ser absorvidos. O gráfico abaixo mostra a relação entre a quantidade de aminoácidos

Leia mais

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8

Sugestões de atividades para avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 8 Sugestões de atividades para avaliação Ciências 8 o ano Unidade 8 5 Nome: Data: UniDaDE 8 1 A saúde é um problema exclusivo do governo, os indivíduos têm pouco o que fazer para ajudar a manter adequada

Leia mais

Sistemas do Corpo Humano

Sistemas do Corpo Humano Sistemas do Corpo Humano Sistema Digestório consegue energia e matéria prima. Cada órgão tem uma função específica no processo de transformação dos alimentos O QUE É UM SISTEMA????? Sistema Digestório

Leia mais

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão

Aula: Digestão. Noções de feedback e Digestão Aula: Digestão Noções de feedback e Digestão PROFESSORA: Brenda Braga DATA: 24/04/2014 1. Feedback Causa Consequência Positivo Negativo Sede + + Beber água salgada Sede + - Beber água pura Desequilíbrio

Leia mais

Fisiologia do Sistema digestivo

Fisiologia do Sistema digestivo Acção enzimática: Na boca início da digestão de glúcidos pela ptialina, a qual quebra o amido em dissacarídeo maltose. A acção na boca é limitada, mas continua no estômago até que o meio ácido inactive

Leia mais

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015

Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II. Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório Disciplina Citologia e Histologia II Docente: Sheila C. Ribeiro Setembro/2015 Sistema Digestório de Ruminantes Definição Vegetais Fibrosos Volumosos Estômago Aglandular Estômago Glandular

Leia mais

Monitoria de Fisiologia 2014 Questões fisiologia gastrointestinal

Monitoria de Fisiologia 2014 Questões fisiologia gastrointestinal 1. A contração do músculo liso depende do íon cálcio. Entretanto, diferentemente do músculo estriado, para aumentar a tensão no músculo liso é necessário: a) A ativação da cinase da cadeia leve da miosina

Leia mais

7ª série / 8º ano 1º bimestre U. E. 09

7ª série / 8º ano 1º bimestre U. E. 09 7ª série / 8º ano 1º bimestre U. E. 09 Alimentação saudável A adoção de uma alimentação saudável previne o surgimento de doenças crônicas e melhora a qualidade de vida. Frutas, verduras, legumes e cereais

Leia mais

Fisiologia II Data: 30 de Maio de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Carvalho, João Ferreira, Margarida Bela Tema: Aparelho Digestivo Motilidade

Fisiologia II Data: 30 de Maio de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Carvalho, João Ferreira, Margarida Bela Tema: Aparelho Digestivo Motilidade Fisiologia II Data: 30 de Maio de 2008 Docente: Desgravada por: Joana Carvalho, João Ferreira, Margarida Bela Tema: Aparelho Digestivo Motilidade Hoje continuamos com a fisiologia do tubo digestivo, nomeadamente

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

A.C.Camargo apresenta: A maneira mais gostosa de ser saudável é se alimentando bem.

A.C.Camargo apresenta: A maneira mais gostosa de ser saudável é se alimentando bem. A.C.Camargo apresenta: A maneira mais gostosa de ser saudável é se alimentando bem. Refeições balanceadas auxiliam: A digestão O bom-humor O bem-estar A prevenção de doenças como o câncer A digestão começa

Leia mais

Esôfago e Estômago. Anatomia Aplicada à Medicina IV Prof. Sérvulo Luiz Borges

Esôfago e Estômago. Anatomia Aplicada à Medicina IV Prof. Sérvulo Luiz Borges Esôfago e Estômago Anatomia Aplicada à Medicina IV Prof. Sérvulo Luiz Borges Esôfago Grego: oisophagos, de oisein, levar, e phagein, comer, signifigando o tubo por onde passa o alimento para ser digerido.

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011 PÂNCREAS ENDÓCRINO Felipe Santos Passos 2011 LOCALIZAÇÃO Região epigástrica e hipocondríaca esquerda Nível de L1 L3 Transversalmente na parede posterior do abdome LOCALIZAÇÃO Retroperitoneal Relações Anatômicas:

Leia mais

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser

Sistema Renal. Profa Msc Melissa Kayser Sistema Renal Profa Msc Melissa Kayser Componentes anatômicos Rins Ureteres Bexiga urinária Uretra O sangue é filtrado nos rins, onde os resíduos são coletados em forma de urina, que flui para pelve renal,

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 4 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Quais são os seis nutrientes presentes nos alimentos que são necessários para manter o corpo saudável? Encontre esses nutrientes

Leia mais

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça

Fisiologia da Digestão. Deise Maria Furtado de Mendonça Fisiologia da Digestão Deise Maria Furtado de Mendonça Função Geral O sistema ou aparelho gastrintestinal é a porta de entrada do organismo a todos os nutrientes necessários: carboidratos, lipídios, proteínas,

Leia mais

Fisiologia gastrointestinal

Fisiologia gastrointestinal Fisiologia gastrointestinal RESUMO DAS SECREÇÕES EXÓCRINAS DO TGI FASES DA SECREÇÃO DIGESTIVA fases da digestão cefálica gástrica estímulo secretório neural humoral produto secretado saliva suco gástrico

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2

SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO. Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 SISTEMA DIGESTÓRIO HUMANO Definição Nutrição Alimentos Anatomia Fisiologia www.infopedia.pt/$sistema-digestivo,2 Digestão É o conjunto de transformações fisioquímicas ou físico-químicas que os alimentos

Leia mais

O pão engorda. Mitos Alimentares

O pão engorda. Mitos Alimentares Apesar do acesso facilitado e quase imediato à informação em todos os momentos, nem todas as afirmações feitas sobre a comida são baseadas em factos científicos, pelo que alguns mitos alimentares ainda

Leia mais

Cláudia Herrera Tambeli

Cláudia Herrera Tambeli Motilidade Gastrointestinal Cláudia Herrera Tambeli Sistema Digestório Função: Fornecer água, eletrólitos e nutrientes ao organismo Atividades Principais: 1- Motilidade 2- Secreções 3- Digestão 4- Absorção

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO

FISIOLOGIA HUMANA. Funções SISTEMA DIGESTÓRIO FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA DIGESTÓRIO Funções Fornecer/repor água, eletrólitos/sais minerais, nutrientes/substratos energéticos, vitaminas, para o corpo. 1 Aspectos morfofuncionais Sistema digestório: Trato

Leia mais

O sistema respiratório

O sistema respiratório T5 Texto de apoio ao professor Sistema respiratório O sistema respiratório Movimentos respiratórios Nesta aula será introduzido o sistema respiratório, focando a sua importância, e as características e

Leia mais

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS

Capítulo. Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus. Capítulo 18. Alterações da Glicemia e Diabetes Mellitus 1. OBJETIVOS Capítulo Alterações da Glicemia 18 e Diabetes Mellittus 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Conhecer os tipos de diabetes mellitus. Descrever os mecanismos de descompensação

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL. Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório Aula 1.2 Conteúdo: Sistema Digestório 2 Habilidades: Conhecer o sistema digestório humano, compreendendo o papel de cada um de seus órgãos e glândulas anexas no processo de digestão. 3 4 Comendo insetos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FISIOLOGIA GERAL Código da Disciplina: NDC108 Curso: Odontologia Período de oferta da disciplina: 2 o P. Faculdade

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 11/08/2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

Aula 5: Sistema circulatório

Aula 5: Sistema circulatório Aula 5: Sistema circulatório Sistema circulatório Sistema responsável pela circulação de sangue através de todo o organismo; Transporta oxigênio e todos os nutrientes necessários para a manutenção das

Leia mais

Prof Weber Ciências 7ºANO

Prof Weber Ciências 7ºANO Prof Weber Ciências 7ºANO O que é a digestão? É a transformação dos alimentos em moléculas menores para que possam ser absorvidos pelo nosso corpo. Acontece em um tubo chamado TUBO DIGESTÓRIO. O tubo digestório

Leia mais

11/05/2012. O sistema digestivo. O trato gastrintestinal. Os órgãos acessórios.

11/05/2012. O sistema digestivo. O trato gastrintestinal. Os órgãos acessórios. O sistema digestivo. O trato gastrintestinal. Os órgãos acessórios. 1 Desenvolvimento embrionário do sistema digestivo Formado a partir do endoderme Dividido em intestinos anterior, médio e posterior A

Leia mais

01. A figura abaixo mostra o aparelho digestório humano.

01. A figura abaixo mostra o aparelho digestório humano. Disciplina: Biologia Profa: Adriana Turma: TR 24 / 05 / 2016 Lista de exercícios: Fisiologia Humana - Sistema Digestório 01. A figura abaixo mostra o aparelho digestório humano. Com respeito a esse aparelho,

Leia mais

Funções do sistema digestório

Funções do sistema digestório Sistema digestório Funções do sistema digestório Ingestão Digestão Absorção dos nutrientes Eliminação dos restos não-digeridos ou não absorvidos Processos Físicos Digestão Processos Químicos língua Cavidade

Leia mais

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA

ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA ASSISTÊNCIA E FUNCIONAMENTO NA SÍNDROME ESOFÁGICA Principal função do ESÔFAGO : conduzir o alimento da faringe para o estômago, peristaltismo primário e secundário Peristaltismo Primário: continuação da

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

Teste Diagnóstico I Biologia e Geologia

Teste Diagnóstico I Biologia e Geologia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2

NUTRIENTES. Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES Profª Marília Varela Aula 2 NUTRIENTES NUTRIENTES SÃO SUBSTÂNCIAS QUE ESTÃO INSERIDAS NOS ALIMENTOS E POSSUEM FUNÇÕES VARIADAS NO ORGANISMO. PODEM SER ENCONTRADOS EM DIFERENTES ALIMENTOS, POR

Leia mais

Fisiologia do Trato Respiratório

Fisiologia do Trato Respiratório Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Ciências Biológicas DECBI Fisiologia II (CBI-198) Fisiologia do Trato Respiratório Profª: Franciny Paiva

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 03 DIGESTÃO HUMANA

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 03 DIGESTÃO HUMANA BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 03 DIGESTÃO HUMANA HORMÔNIA GASTRINA GLÂNDULAS GÁSTRICAS ÁCIDO CLORÍDRICO PEPSINOGÊNIO PEPSINOGÊNIO (enzima inativa) PEPSINA (enzima ativa) Proteinas + H O = Peptonas 2 HORMÔNIO

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

Sistema Respiratório. rio. A função do sistema respiratório é trocar os gases envolvidos no processo de Respiração Celular, logo tem como função:

Sistema Respiratório. rio. A função do sistema respiratório é trocar os gases envolvidos no processo de Respiração Celular, logo tem como função: Sistema Respirató Função A função do sistema respirató é trocar os gases envolvidos no processo de Respiração Celular, logo tem como função: Receber o oxigénio; Libertar o dióxido carbono ( CO2) produzido

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA

ANATOMIA E FISIOLOGIA ANATOMIA E FISIOLOGIA SITEMA DIGESTÓRIO Enfª Renata Loretti Ribeiro 2 3 SISTEMA DIGESTÓRIO Introdução O trato digestório e os órgãos anexos constituem o sistema digestório. O trato digestório é um tubo

Leia mais

Fisiologia II. Desgravada por: Ana F Raposo, Andreia Ramos, Margarida Ferreira

Fisiologia II. Desgravada por: Ana F Raposo, Andreia Ramos, Margarida Ferreira Fisiologia II Data: 10 de Março de 2008 Docente: Tema da Aula: Secreção pancreática, Bílis Desgravada por: Ana F Raposo, Andreia Ramos, Margarida Ferreira Secreções do tubo digestivo [Temas já abordados:

Leia mais

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti

MAMÍFEROS. 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti MAMÍFEROS Capítulo 15 Sistema Poliedro de Ensino Professora Giselle Cherutti CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MAMÍFEROS Aquáticos: Habitat: Mamíferos podem ser terrestres: Único mamífero que voa: Pelos Estratificada

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR PEPCIDINA COMPRIMIDOS A 20 mg E 40 mg famotidina Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Elab.: Prof. Gilmar 1 SISTEMA CARDIOVASCULAR 2 Funções Gerais: Transporte de gases respiratórios:o sangue carrega oxigênio dos pulmões para as células do corpo e dióxido de carbono das células para aos pulmões. Transporte

Leia mais

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Sistema Circulatório Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Conceito e função do sistema circulatório O sistema circulatório é responsável pela circulação

Leia mais

Prova Bimestral de Ciências 2º Bimestre de 2016

Prova Bimestral de Ciências 2º Bimestre de 2016 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL CENTRO DE ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO AO ENSINO ASSISTENCIAL COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II Prova Bimestral de Ciências 2º Bimestre de 2016 Nome do Professor (a):

Leia mais

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos.

é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. SISTEMA DIGESTIVO Digestão Digestão mecânica: é a quebra física dos alimentos através da mastigação e dos movimentos peristálticos. Digestão química é a transformação das moléculas mais complexas em moléculas

Leia mais

Enzimas e Actividade enzimática

Enzimas e Actividade enzimática Enzimas e Actividade enzimática Energia de activação de uma reacção Em todas as células de um organismo vivo ocorre um número infindável de reacções químicas. Estas reacções implicam a quebra, e posteriormente,

Leia mais

Como funciona o sistema respiratório?

Como funciona o sistema respiratório? Como funciona o sistema respiratório? O sistema respiratório é responsável pela ventilação pulmonar. " O diafragma contrai-se e desloca-se para baixo. " Os músculos intercostais contraem-se, afastando

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PADRE REUS BIOLOGIA 2º ANO Professora Patrícia Perez

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PADRE REUS BIOLOGIA 2º ANO Professora Patrícia Perez ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO PADRE REUS BIOLOGIA 2º ANO Professora Patrícia Perez FISIOLOGIA HUMANA Sistema Digestório Digestão é o processo de desintegração dos alimentos em compostos mais simples

Leia mais

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1

Sumário. Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Sumário SEÇÃO I Capítulo 1 A resposta integrada a uma refeição Anatomia funcional do trato gastrintestinal e dos órgãos que drenam nele 1 Objetivos / 1 Visão geral do sistema gastrintestinal e de suas

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Aluno: Ano 2016 Atual:8ºAno Data : Matéria: Turno: Valor :30pontos

Leia mais

Sistema digestivo. Profa. Dra. Ilana Camargo IFSC - USP

Sistema digestivo. Profa. Dra. Ilana Camargo IFSC - USP Sistema digestivo Profa. Dra. Ilana Camargo IFSC - USP Nutrição 1) Alimentação 2) Digestão Homem: extracelular 3) Assimilação 4) Defecação Sistema digestivo Canal alimentar Boca, faringe, esôfago, estômago,

Leia mais

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes

Sistema respiratório. Profa. Mirelle Saes Sistema respiratório Profa. Mirelle Saes Sistema Respiratório Respiração troca substâncias gasosas entre o ar e a corrente sanguínea. Bulbo amplitude e freqüência da respiração. Diafragma nervo frênico.

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais